Colgate total 12 - Colgate Profissional

Сomentários

Transcrição

Colgate total 12 - Colgate Profissional
uma publicação da colgate - palmolive para promover a educação continuada aos profissionais de odontologia
ano 2 | número 3 - janeiro 2009
Colgate Total 12
A prescrição de cremes dentais pelo dentista e os
potenciais de um creme dental contendo triclosan +
copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
Cassiano Kuchenbecker Rösing
Professor Adjunto de Periodontia da UFRGS e da ULBRA
Giuseppe Alexandre Romito
Professor Assistente Doutor de Periodontia da USP – SP
2
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
> Cassiano Kuchenbecker Rösing
Professor Adjunto de Periodontia da UFRGS e da ULBRA
> Giuseppe Alexandre Romito
Professor Assistente Doutor de Periodontia da USP – SP
índice
Considerações iniciais ...................................................................................................................................................................................... 04
Compostos químicos presentes e sua ação............................................................................................................................................... 05
Atuação sobre o biofilme................................................................................................................................................................................. 08
Atuação sobre a inflamação............................................................................................................................................................................ 10
Atuação sobre a cárie......................................................................................................................................................................................... 11
Atuação sobre a halitose.................................................................................................................................................................................. 12
Indicações.............................................................................................................................................................................................................. 13
Considerações finais........................................................................................................................................................................................... 14
Bibliografia recomendada................................................................................................................................................................................ 15
A prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção de saúde bucal
Colgate-Palmolive Indústria e Comércio Ltda. Rua Rio Grande, 752 - Vila Mariana - São Paulo/SP - CEP 04018-002.
Tel. (11) 5088-5000. www.colgate.com.br | www.colgateprofissional.com.br. Coordenação: Patrícia Scolletta.
Produção: Cadaris Comunicação | cadaris.com.br. Proibida reprodução total ou parcial sem prévia autorização.
Todas as informações e opiniões expressas nestes artigos são de total responsabilidade de seus autores
Considerações iniciais
O uso de cremes dentais tem sido um dos recursos atrelados ao controle mecânico do biofilme dental. Num momento passado, esses recursos eram, basicamente, utilizados com base em sua função
detergente, o que gera no usuário uma sensação de melhor limpeza dos dentes. Os componentes
flavorizantes dos cremes dentais sempre foram identificados com hálito refrescante e, na perspectiva
individual, conferiam ao creme dental a capacidade de efetividade.
Com a evolução do conhecimento sobre o papel do flúor na prevenção e tratamento da doença cárie,
a Odontologia vinculou ao creme dental uma função específica de ser um veículo de aplicação tópica
desse que é um dos maiores responsáveis pela alteração do perfil epidemiológico da doença no mundo
todo. Assim, por algum tempo, os profissionais da Odontologia sugeriam aos seus pacientes a utilização de “qualquer creme dental, desde que contivesse flúor”. Essa abordagem foi muito importante por
um determinado tempo, entretanto, modernamente, considerando o conhecimento produzido, pode
não ser mais verdadeira em senso amplo.
No Brasil, o consumo de cremes dentais é elevado e tem aumentado. Por exemplo, em 1995, o consumo médio per capita era de aproximadamente 400g/ ano, quantidade essa que aumentou, em 1999,
para aproximadamente 600g, um consumo maior que a maior parte dos países desenvolvidos. Levando-se em consideração as disparidades sociais do País, pode-se inferir que uma porção da população
brasileira consome muito creme dental. Esse fato está provavelmente vinculado ao fato de que o creme
dental tem sido associado pela população como um dos sinônimos de saúde bucal. Ressalte-se que o
consumo brasileiro de creme dental, quando comparado a países da América do Sul, é bastante superior, sendo 1,5 vezes maior que o do Chile e praticamente o triplo do consumo da Argentina (Gjermo
et al., 2002). A Odontologia, portanto, precisa estar alerta a esse fato e, aproveitando-o, disseminar a
informação dos potenciais de cada tipo de creme dental para que o consumidor possa, da forma mais
adequada possível, usufruir do benefício dos cremes dentais disponíveis.
Nesse sentido, é importante reconhecer algumas das funções mais significativas do creme dental no
contexto da saúde bucal, para que a informação seja divulgada aos profissionais e pacientes. Moreira
et al., (2007) avaliaram o perfil de utilização de cremes dentais por pacientes e constataram que eles
reconhecem a importância do creme dental – aproximadamente 80% acredita que o creme dental
auxilia na melhor limpeza dos dentes –, ao mesmo tempo em que observaram que o dentista tem tido
uma participação muito pequena na escolha desse recurso auxiliar do controle de placa (12%). Além
disso, verificaram que os principais fatores que levam à escolha do creme dental estão vinculados a
sabor, preço e substâncias presentes na sua composição. Esse último argumento necessita ser mais bem
utilizado pela profissão para que participemos do processo de prescrição, visto que o creme dental não
é simplesmente um agente cosmético, mas tem potencialidades individuais de acordo com as substâncias nele presentes.
O objetivo desse artigo é apresentar algumas evidências que suportam a indicação de um creme dental
contendo triclosan+copolímero em diferentes aspectos da saúde bucal.
4
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
Compostos químicos
presentes e sua ação
A efetividade dos produtos de higiene bucal depende de uma série de fatores, que incluem a combinação de umectantes, abrasivos, espessantes, sabor e ingredientes ativos presentes na formulação além
da compatibilidade entre cada um deles. Na formulação do Colgate Total 12, podemos destacar a
presença de Triclosan associado a um copolímero (Gantrez®) que, juntos, demonstram benefícios no
controle do biofilme bacteriano e na diminuição dos sinais inflamatórios periodontais, entre outros.
triclosan
Triclosan ou triclosano (éter 2.4.4.”-tricloro-2” hidroxidifenil) é um agente antisséptico efetivo contra
bactérias gram negativas, bem como gram positivas. É eficaz também contra fungos e bolores. Estudos
têm demonstrado que o triclosan provoca um colapso e falhas nas funções da parede celular destes microorganismos. Isso afeta uma das áreas mais importantes na função bacteriana, o que inclui a ingestão
de nutrientes e a inibição da incorporação de aminoácidos, o que leva a uma ruptura da membrana
celular (Jones et al., 2000). É utilizado na formulação de medicamentos, sabonetes, loções e cremes
dentais por mais de 20 anos. Seu espectro inclui alta atividade contra staphylococci, alguns streptococci, algumas mycobacterias, Escherichia coli e Proteus sp. Entretanto, não tem ação contra formas
esporulares. Triclosan é bacteriostático em baixas concentrações e bactericida em altas (Al-Doori et al.,
2003; Suller & Russell, 2000; Suller & Russell, 1999).
Triclosan é atualmente o agente antiplaca bacteriana mais utilizado nos cremes dentais (Creeth et al.,
1993) e apresenta algumas propriedades importantes:
• Potente ação antibacteriana – concentração inibitória mínima (MIC) contra vários patógenos orais:
≤ 10µg/g;
• Em pH neutro é neutro e hidrofóbico, conseqüentemente é compatível para o uso em cremes dentais; e
• Absorve fortemente às superfícies orais (Gilbert et al., 1987; Gilbert & Willians, 1987).
Ação dos principais componentes do Colgate Total 12
5
Triclosan não promove tipo algum de pigmentação dentária, em contraste a outros agentes utilizados
em produtos orais, tais como compostos catiônicos e íons estanosos. Não existem efeitos colaterais
quando da utilização em cremes dentais na concentração de 0,3%.
A eficácia do triclosan sobre a formação do biofilme oral é demonstrado em estudos in vitro e in vivo.
O estudo de Cao et al., (2001) comparou o uso de um creme dental contendo triclosan a outro contendo apenas NaF na formação do biofilme. Os autores concluíram que o creme dental contendo triclosan
foi superior em diminuir a formação do biofilme, quando avaliados todos os sítios vestibulares e linguais/ palatinos. Outro estudo (Moran et al., 2001), utilizando o modelo de 4 dias de crescimento bacteriano em indivíduos voluntários, mostrou não haver diferença nas primeiras 24 horas, porém, após
96 horas, houve uma redução de 5% no índice de placa e no grau de inflamação gengival quando foi
utilizado creme dental contendo triclosan. Walker et al., (1994), num estudo duplo-cego de 6 meses,
avaliaram em 144 indivíduos os efeitos do uso de um creme dental contendo 0,3% de triclosan (CDT)
sobre a microbiota supragengival. Os indivíduos foram aleatoriamente alocados para o uso do CDT
ou de um creme dental sem triclosan (CDST). Coleta de placa bacteriana supragengival foi realizada
nos períodos: inicial, 3 e 6 meses. A avaliação foi feita em microscopia de campo escuro, morfologia
para gram, imunofluorescência e meios seletivos e não seletivos. O uso de CDT mostrou uma redução
significante da microbiota coletada nos 3 e 6 meses de experimento.
Um fator importante quando se avalia os efeitos do uso de cremes dentais que contêm triclosan é a
possibilidade de causar resistência bacteriana com o uso contínuo.
A tabela 1 resume os resultados de vários estudos que avaliaram a segurança do uso do triclosan. Estes
estudos demonstraram que a droga não promove o desenvolvimento de resistência bacteriana.
estudos longitudinais que avaliaram segurança microbiológica de cremes dentais contendo triclosan
Creme
dental
Triclosan/
copolímero
Publicação
duração do
estudo (meses)
Desenvolvimento de
Bactéria
Oportunista
Bactéria
Patogênica
ResiStência
Bacteriana
Zambon et al., (1990)
81
7
Não
Não
Não
Bonta et al., (1992)
74
12
Não
Não
Não
Walker et al., (1994)
136
6
Não
Não
Não
Zambon et al., (1995)
159
6
Não
Não
Não
Renvert & Birkhed (1995)
114
6
Não
Não
Não
Fine et al., (1998)
68
6
Não
Não
Não
Rosling et al.,(1997)
40
36
Não
Não
Não
26
7
Não
Não
Não
40
6
Não
Não
Não
Triclosan/
Jones et al., (1988)
citrato de
Stephen et al., (1990)
zinco
Adaptado de Sreenivasan & Gaffar (2002)
6
Sujeitos
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
Copolímero
Partindo do princípio que a cavidade bucal é um sistema aberto onde a saliva banha todas as superfícies continuamente, conseguir a retenção de ingredientes ativos dos cremes dentais, que permanecem
em contato com as estruturas durante o período de escovação, é um desafio. Para tanto, polímeros
naturais e sintéticos têm sido utilizados em produtos de higiene bucal com o objetivo principal de
manter o princípio ativo por mais tempo sobre as superfícies dentais. O Colgate Total 12 contém o
copolímero de vinilmetileter e ácido maleico (PVM-MA) conhecido como Gantrez®. O polímero pode
atuar de duas formas: a) uma pré-adsorção às superfícies dentárias previnindo a adesão de bacterias e
b) liberando agentes quimioterápicos e retendo-o por mais tempo na cavidade bucal.
Quando o triclosan é incorporado ao copolímero, o tempo de permanência da droga é aumentado e
o efeito antibacteriano é maior quando comparado a cremes dentais que não o utilizam (Gaffar et al.,
1994). Volpe et al., (1996), por meio de uma revisão da literatura, apontam para vários estudos clínicos
que demonstraram redução significante nos índices de placa bacteriana e gengival em formulações
contendo triclosan e copolímero quando comparados com aqueles que não continham um ou outro. O
mecanismo pelo qual o copolímero aumenta a presença de triclosan sobre as superfícies dentárias tem
duas etapas. A molécula possui um grupo de adesão (GD) e outro de solubilização (GS). O GS retém o
triclosan e reduz a tensão superficial entre a superfície do dente e o composto, enquanto o GD interage
com as superfícies dentárias via o cálcio presente na película adquirida.
Flúor
O uso de fluoreto estanoso (SnF2) como agente terapêutico em cremes dentais data da década de 50.
O uso no combate à doença cárie é largamente descrito na literatura e amplamente utilizado pela
população. Além disso, evidências demonstram uma ação antibacteriana e no tratamento da hipersensibilidade (Miller et al., 1994).
Estudos indicam que o fluoreto estanoso e, em particular o íon (Sn2+), requer que certas propriedades
físico-químicas, quando utilizado em aplicação tópica, devem estar bem controladas para uma eficácia clínica contra a formação de placa bacteriana e no tratamento da sensibilidade dentinária (Gaffar
et at., 1997). A maior dificuldade técnica é conseguir o Sn2+ estável na formulação do creme dental.
Duas formulações estáveis são apresentadas para este fim: gluconato estanoso ou o pirofosfato/ citrato
estanoso (PCE). Este último mostrou eficácia na diminuição da formação de placa bacteriana (Ellingsen
et al., 1980). Num estudo clínico com acompanhamento de 6 meses, os resultados mostraram que o
uso de PCE reduz tanto a formação de placa como gengivite (Mankodi et al., 1997). A conclusão geral
dos trabalhos clínicos mostram que o uso de PCE nos cremes dentais é efetivo no combate à doença
cárie e gengivite (Gaffar et al., 1997).
7
Atuação sobre o biofilme
Para que se possa avaliar o papel de um creme dental sobre o biofilme placa bacteriana, é de fundamental importância que se tenha em mente o conceito atual sobre esse depósito que se adere às superfícies dentárias. O biofilme dentário é um depósito microbiano (uma comunidade evoluída), que apresenta uma série de propriedades que o protegem de sistemas antimicrobianos do organismo e externos
a esse, com canais de comunicação internos, que guarda, na sua estrutura, espaços destinados a cada
um dos seus componentes. Por estar aderido a uma superfície não renovável (o dente), o biofilme fica
mais protegido ainda. Esses fatos fazem com que a ruptura mecânica da estrutura do biofilme seja mandatória para o seu controle. Essa é a razão pela qual o creme dental é um recurso muito interessante,
na medida em que ele é destinado ao uso com uma escova de dente, que vai fazer a ruptura mecânica
do biofilme, ao mesmo tempo em que será um agente de aplicação do medicamento. Levando-se isso
em consideração, o creme dental assume papel de maior destaque ainda no contexto do controle de
placa, pois alia recursos mecânicos e químicos. (Rösing, 2008).
O potencial de cremes dentais contendo triclosan sobre o biofilme dental tem sido bastante estudado.
Um dos problemas encontrados nessa questão é a baixa substantividade do triclosan, pela sua dificuldade em se ligar às superfícies da cavidade bucal. A despeito de sua alta capacidade anti-bacteriana in
vitro, efeitos clínicos não são observados com magnitude semelhante. Nesse sentido, procurando melhorar a ação do triclosan incorporado a cremes dentais, outros compostos químicos têm sido utilizados conjuntamente. Um exemplo disso é a adição do copolímero. A conjunção triclosan+copolímero
tem obtido um aumento significativo com impacto clínico na retenção do antimicrobiano na boca.
Assim, modernamente, entende-se que o triclosan per se não tem impacto tão significativo como quando utilizado com o copolímero. Muitos estudos têm sido publicados na literatura, dentre eles alguns
considerados clássicos. Gaffar et al.,(1990) publicaram um estudo comparando cremes dentais com
triclosan/ flúor com e sem copolímero. A partir de ensaios bioquímicos e microbiológicos, concluíram
que cremes dentais com triclosan+copolímero têm maior potencial antiplaca em relação àqueles nos
quais o copolímero não está presente. Em modelo experimental de crescimento de placa por 4 dias,
Jenkins et al., (1989) também observaram que o uso de triclosan+copolímero resulta em menor crescimento de placa do que quando um creme dental convencional foi utilizado.
Em consonância com os estudos mais iniciais anteriormente reportados, outros estudos têm avaliado
os potenciais benefícios de cremes dentais contendo triclosan+copolímero. A microbiota supragengival é significativamente modificada com a utilização desse recurso. Uma redução de microrganismos
maior é observada com o uso de cremes dentais contendo triclosan+copolímero e não se observa, em
períodos maiores de tempo, o desenvolvimento de resistência microbiana aos componentes do creme
dental (Walker et al., 1994, Zambon et al., 1995).
A atuação de um creme dental contendo triclosan+copolímero sobre microrganismos da boca também foi demonstrada por Fine et al., (2006), quando reportaram, em um ensaio clínico randomizado
de eficácia, que 12 horas após a utilização do creme dental com triclosan, a redução de bactérias bucais era maior que quando do uso do creme dental convencional. Esse estudo demonstra a retenção
8
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
por períodos longos o suficiente dentro da cultura
de controle de placa, que tem sido difundida, com
2 ou 3 escovações ao dia.
Estudos de longa duração têm demonstrado,
igualmente, que o uso de cremes dentais com
triclosan+copolímero também apresenta maior potencial antiplaca que cremes dentais convencionais
(Fine et al., 1998). Após 5 anos de utilização de creme dental contendo triclosan+copolímero, Cullinan
et al., (2003) não observaram desenvolvimento de
resistência de periodontopatógenos.
Estudos recentes têm confirmado os achados descritos, reforçando a substantividade obtida com o
uso de triclosan+copolímero, assim como efeitos
antimicrobianos significativos medidos por métodos moleculares, como por exemplo a reação da
polimerase em cadeia – PCR (Arweiler et al., 2002;
Xu et al., 2005).
Assim, tem-se no efeito sobre o biofilme uma das
características clinicamente interessantes de cremes
dentais com triclosan+copolímero, que podem ser
um valioso auxiliar como complemento do controle
mecânico, na medida em que os efeitos da adição
desses componentes ao creme dental tendem a melhorar em 20% a capacidade antiplaca, sendo um
potencial a ser explorado pela profissão.
É importante também lembrar que existe um efeito
reconhecido atualmente do controle do biofilme supragengival sobre bactérias localizadas subgengivalmente (Gomes et al., 2007). O uso de creme dental
contendo triclosan+copolímero também auxiliou
na diminuição da microbiota subgengival, quando
comparado com indivíduos usuários de um creme
dental convencional, o que também é um potencial
a ser reconhecido e explorado pela Odontologia
(Rosling et al., 1997).
Remoção mecânica do cálculo como forma
de permitir tratamento periodontal
9
Atuação sobre a inflamação
Além dos efeitos sobre a microbiota do biofilme dentário descritos acima, um dos efeitos reportados do uso
de cremes dentais contendo triclosan+copolímero
está vinculado à inflamação. Nesse sentido, além
de um agente antisséptico, o creme dental contendo
triclosan apresenta propriedades antiinflamatórias
importantes no contexto de saúde bucal. Essa característica tem sido responsável por uma disparidade
entre os efeitos antiplaca e antigengivite observados.
A redução da inflamação reportada pelo uso de cre- Presença de placa, cálculo dental levando à inflamação gengival
mes dentais com triclosan é da ordem de 40%, o dobro daquela observada para os índices de placa.
Um número significativo de estudos tem reportado o potencial antiinflamatório do triclosan. Estudos
iniciais realizados na Escandinávia demonstraram, por exemplo, que o triclosan inibe inflamação na
pele induzida experimentalmente, o que demonstra seu potencial nesse aspecto (Kjaerheim et al., 1995).
Outros estudos também confirmam essa capacidade com outros modelos experimentais (Modéer et al.,
1996; Mustafa et al., 1998; Mustafa et al., 2000; Mustafá et al., 2005).
Resultados do efeito antiinflamatório intrabucal também têm sido reportados. Lindhe et al., (1993) demonstraram uma capacidade antigengivite num período de até 6 meses de observação. Observaram, a
despeito da não utilização sistemática de agentes para o controle do biofilme proximal, efeito em todas
as partes da dentição em termos de placa e de inflamação gengival.
Um estudo clássico do potencial antiinflamatório de cremes dentais contendo triclosan+copolímero foi
realizado por Ramberg et al., (1995), pelo modelo de gengivite experimental em humanos, e demonstrou
menor potencial de desenvolvimento de gengivite com o uso do referido creme dental.
Festugatto et al., (2004), no Brasil, também testaram por meio de ensaio clínico o efeito de bochechos
com triclosan sobre o desenvolvimento de gengivite e secreção de fluido gengival, o que reforçou os
efeitos observados na literatura.
O entendimento da propriedade antiinflamatória do triclosan também tem um significado especial no estabelecimento e na manutenção da saúde bucal. Visto que é claramente demonstrado na literatura que a placa se
forma mais rapidamente em áreas com inflamação, o uso de creme dental com potencial antiinflamatório é um
recurso interessante na prevenção do maior acúmulo do biofilme. Também, para as áreas de mais difícil acesso
ao controle de placa, a presença de um agente antimicrobiano/ antiinflamatório pode compensar tal dificuldade,
gerando áreas em que o desafio microbiano torna-se compatível com ausência clínica de inflamação.
Assim, o uso das propriedades antiinflamatórias do triclosan deve ser sempre considerado no tratamento
de pacientes individualmente. Em revisão da literatura sobre o tema, Xu et al., (2004) ressaltam que os
efeitos antiinflamatórios do triclosan vinculam-se a citocinas, interrupção de caminhos da inflamação, e
até mesmo podem influir sobre a reabsorção óssea, o que deve ser também ponderado no momento da
decisão por prescrição de um creme dental.
10
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
Atuação sobre a cárie
A presença do flúor em cremes dentais tem sido
de fundamental importância para a obtenção e
a manutenção da saúde bucal. Como reportado
anteriormente, é reconhecido atualmente que um
dos maiores responsáveis pelo declínio da prevalência de cárie no mundo é a disseminação do uso
de creme dental fluoretado. É importante ressaltar que, no Brasil, a presença de flúor nos cremes
dentais é objeto de lei. Assim, os cremes dentais
contendo flúor, em senso amplo, contribuem para
o processo de manejo da doença cárie.
Entretanto, convém destacar que a simples presença de flúor, embora seja do ponto de vista de
saúde pública muito significativa, não consegue
per se controlar a doença cárie em todos os indivíduos. É inegável o papel do controle de placa
supragengival sobre os índices de cárie, especialmente em indivíduos com alta atividade cariosa.
Nesses indivíduos, o uso de cremes dentais com
potencial antiplaca assume papel interessante. A
presença na boca de um antisséptico pode ser
um fator significativo para a redução da cárie
e um creme dental com triclosan+copolímero
pode apresentar efeito importante.
Especialmente em relação à cárie radicular, o papel do controle de placa torna-se fundamental.
Nesse sentido, e levando-se em consideração a
associação existente entre experiência de doença
periodontal e cárie de raiz (pela exposição da superfície), o uso desse tipo de creme dental deve ser
considerado pelo profissional da odontologia. Estudos que tenham claramente provado essa atuação
não existem, mas a evidência colateral apresentada
nesse artigo suporta uma reflexão sobre a possibilidade de indicação para o manejo da doença cárie.
Também no paciente ortodôntico, pelo desafio diferenciado em função da dificuldade imposta pelo
aparelho, tal suposição é cabível (Cury, 2003).
Desenho esquemático de estágios diferentes de
progressão da doença cárie
Lesões cariosas
11
Atuação sobre a halitose
A halitose é um problema muito significativo que
demanda abordagem pelos profissionais da Odontologia. Sabendo-se que mais de 90% das causas
das halitoses são de origem bucal, é importante
que a profissão procure, pela investigação científica, soluções que possam auxiliar no manejo
clínico do mau hálito. Atualmente, é reconhecido
que, dentre as causas intrabucais da halitose, a
gengivite, a periodontite e a saburra lingual são
os principais geradores de odorivetores. Assim,
potencialmente, medidas que visem à prevenção
e ao tratamento das doenças periodontais podem
resultar em menor halitose, um problema social
bastante importante (Rösing, 2008).
Desenho esquemático da presença de cálculo
dental e inflamação gengival
Nesse sentido, estudos têm sido realizados, procurando verificar o impacto da utilização de cremes dentais contendo triclosan+copolímero sobre compostos mal cheirosos. Pilch et al., (2005)
analisaram, em modelo in vitro, a produção de compostos sulfurados voláteis (CSV) e observaram
que um creme dental com triclosan+copolímero tem mais efeito sobre essa produção em comparação a um creme dental convencional. Da mesma forma, Sreenivasan (2003) observou o efeito
de um creme dental com triclosan+copolímero sobre diferentes bactérias orais, incluindo aquelas
produtoras de CSV. Resultados semelhantes foram observados por Vasquez et al., (2005).
Estudos clínicos também suportam os efeitos de cremes dentais contendo triclosan+copolímero
sobre a halitose. Sharma et al., (2002), valendo-se de uma única utilização desse tipo de creme
dental, em ensaio clínico randomizado duplo-cego, observaram, após 12 horas, uma redução
importante de produção de CSV. Os mesmos achados foram também observados em outras publicações (Sharma et al 1995; Sharma et al 2007).
Ensaios de longa duração (3 semanas) realizados por Hu et al., (2005), ou em modelo de gengivite experimental (Nogueira-Filho et al, 2002), também revelaram o potencial de um creme dental
contendo triclosan+copolímero no controle da halitose.
O mecanismo direto pelo qual a utilização desse tipo de creme dental diminui a formação de CSVs
ainda não é conhecido. Entretanto, é inegável que ambos os potenciais antibacteriano e antiinflamatório dessas formulações podem ter influência sobre a formação de compostos desagradáveis
ao odor humano.
12
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
Indicações
A indicação de cremes dentais específicos para cada situação clínica, a partir do conhecimento
hoje disponível, é possível e deve ser tomada como necessária pelos profissionais da Odontologia.
A simples escolha do paciente não pode ser o único elemento a ser considerado. Nesse sentido
o Quadro 1 resume as indicações para o uso de cremes dentais com triclosan+copolímero. É importante relembrar que somente há sentido na utilização do creme dental como um complemento
do controle mecânico, portanto, coadjuvante. Ademais, é importante que não se espere milagres
a partir da sua utilização. Sabe-se que muito mais importante do que os recursos para controle de
placa, é a mão que os leva aos locais necessários de forma correta.
Quadro 1 – Indicação da utilização de cremes dentais com
agentes antissépticos/antiinflamatórios em Odontologia
• Coadjuvantes ao tratamento de gengivites
• Coadjuvantes ao tratamento de periodontites
• Pacientes portadores de aparelho ortodôntico com dificuldades de controle de placa
• Pacientes com atividade de cárie que não respondem somente a fluorterapia
• Pacientes com atividade de cárie radicular
• Pacientes com dificuldades para controle de placa interproximal
• Coadjuvantes no manejo clínico da halitose
OBSERVAÇÃO: Não se pode deixar de lembrar que o creme dental é mais um recurso
disponível, de maneira nenhuma sendo substituto do controle mecânico bem executado.
13
Considerações finais
As evidências revisadas nesse artigo suportam um benefício clínico interessante da utilização de
um creme dental contendo triclosan + copolímero em diferentes aspectos da prática odontológica.
É importante lembrar que o creme dental não é simplesmente um cosmético e que, portanto, tem
sua indicação profissional baseada em achados clínicos que suscitem a sua utilização. O profissional da Odontologia necessita continuar atento às novas informações da literatura, assim como
assumir como sua responsabilidade a prescrição de cremes dentais para seus pacientes, de acordo
com suas necessidades individuais.
14
a prescrição de cremes dentais pelo dentista e os potenciais de um creme dental
contendo triclosan + copolímero na obtenção e manutenção da saúde bucal
Bibliografia recomendada
Al-Doori Z, Morrison D, Edwards G, Gemmell C. Susceptibility of MRSA to triclosan. J Antimicrob Chemother. 2003
Jan;51(1):185-6.
Arweiler NB et al., Substantivity of toothpaste slurries
and their effect on reestablishment of the dental biofilm. J Clin Periodontol 2002; 29: 615-621.
Cao C, Sha Y, Meng H, Kang J, Yeh CH, Chyon HY, Winston
JL. A four-day study to evaluate the anti-plaque efficacy of an experimental triclosan-containing dentifrice. J
Clin Dent. 2001;12(4):87-91.
Creeth JE, Abraham PJ, Barlow JA, Cummins D. Oral delivery and clearance of antiplaque agents from Triclosancontaining dentifrices. Int Dent J. 1993 Aug;43:387-97.
Cullinan MP et al., Acquisition and loss of Porphyromonas
gingivalis, Actinobacillus actinomycetemcomitans and Prevotella intermedia over a 5-year period: effect of a triclosan
copolymer dentifrice. J Clin Periodontol 2003: 30:532-541.
Cury JA. Controle Químico da Placa Dental. In: Kriger L. Promoção de Saúde Bucal: Paradigma, Ciência Humanização. 3.ed. São Paulo, Artes Médicas, 2003.
Ellingsen JE, Svatun B, Rolla G. The effect of stannous and
stannic íons on the formation and acidogenecity of dental plaque in vivo. Acta Odontol Scad 1980;38: 219-222.
Festugatto FE et al., Os efeitos de bochechos com triclosan sobre placa e gengivite avaliados por índices
clínicos e secreção de fluido crevicular gengival. Revista Odonto 2004; 21: 18-26.
Fine DH et al., Efficacy of a triclosan/ NaF dentifrice in
the control of plaque and gingivitis and concurrent oral
microflora monitoring. Am J Dent 1998; 11:259-270.
Fine DH et al., The antimicrobial effect of a triclosan/
copolymer dentifrice on oral microorganisms in vivo.
JADA 2006: 137: 1406-1413.
triclosan. I. Effects on 4-day plaque regrowth. Am J
Dent 1989; 2: 211-214.
of triclosan on the subgingival microbiota of periodontitissusceptible subjects. J Clin Periodontol. 1997 Dec;24(12):881-7.
Jones CL, Stephen KW, Ritchie JA, Huntington E, Saxton CA,
van der Ouderaa FJ. Long-term exposure of plaque to
zinc citrate. Caries Res. 1988;22(2):84-90.
Sharma NC et al., Clinical effectiveness of a dentifrice
containing triclosan and a copolymer for controlling
breath odor. Am J Dent 2007; 20: 79-82.
Jones RD, Jampani HB, Newman JL, Lee AS. Triclosan: a
review of effectiveness and safety in health care settings. Am J Infect Control. 2000. Apr; 28(2):184-96.
Sharma NC et al., The clinical effectiveness of a dentifrice
containing triclosan and a copolymer for controlling
breath odor measured organoleptically twelve hours
after toothbrushing. J Clin Dent 1999; 10: 131-134.
Kjaerheim V et al., Triclosan inhibits histamine-induced inflammation in human skin. J Clin Periodontol 1995; 22: 423-426.
Lindhe J et al., The effect ofa triclosan-containing dentifrice on established plaque and gingivitis. J Clin Periodontol 1993; 20: 327-334.
Mankodi S, Petrone M, DeVizio W, Volpe AR. Clinical efficacy of
an optimized stannous fluoride dentifrice. Part 2: 6-month
plaque/gingivitis clinical study. Comp Cont Ed 1997;17:10-15.
Miller S, Truong T, Heu R, Stranick M, Bouchard D, Gaffar A.
Recent advances in stannous fluoride technology: antibacterial efficacy and mechanism of action towards
hypersensitivity. Int Dent J. 1994 Feb;44:83-98.
Modéer T et al., Triclosan reduces prostaglandin biosynthesis in human gingival fibroblasts challenged with
interleukin-1 in vitro. J Clin Periodontol 1996; 23: 927-933.
Moran J, Addy M, Newcombe RG, Marlow I. A study to assess
the plaque inhibitory action of a newly formulated triclosan toothpaste. J Clin Periodontol. 2001 Jan;28(1):86-9.
Moreira CEC et al., Análise do perfil de consumo de
cremes dentais pelos pacientes das clínicas da Universidade Luterana do Brasil. Revista Odonto 2007; 30:
83-88.
Mustafa M et al., Effect of triclosan on interferon-gama
production and major histocompatibility complex
class II expression in human gingival fibroblasts. J Clin
Periodontol 2000; 27: 733-737.
Fine DH, Furgang D, Bontá Y, DeVizio W, Volpe AR, Reynolds
H, Zambon JJ, Dunford RG. Efficacy of a triclosan/ NaF
dentifrice in the control of plaque and gingivitis and
concurrent oral microflora monitoring. Am J Dent. 1998
Dec;11(6):259-70
Mustafa M et al., Effect of triclosan on interleukin - 1β production in human gingival fibroblasts challenged with
tumor necrosis factor α. Eur J Oral Sci 1998; 106: 637-643.
Gaffar A et al., Antiplaque effects of dentifrices containing
triclosan/ copolimer/ NaF system versus triclosan dentifrices without the copolymer. Am J Dent 1990; 3: S7-S14.
Mustafa M et al., Triclosan reduces microsomal prostaglandin E synthase-1 expression in human gingival
fibroblasts. J Clin Periodontol 2005; 32: 6-11.
Gaffar A, Afflitto J, Nabi N, Herles S, Kruger I, Olsen S. Recent advances in plaque, gingivitis, tartar and caries
prevention technology. Int Dent J. 1994 Feb;44:63-70.
Nogueira-Filho GR et al., Effect of triclosan dentifrices on
mouth volatile sulphur compounds and dental plaque
trypsin-like activity during experimental gingivitis development. J Clin Periodontol 2002; 29: 1059-1064.
Gaffar A, Afflitto J, Nabi N. Chemical agents for the control of plaque and plaque microflora: an overview. Eur J
Oral Sci. 1997 Oct;105:502-7.
Gilbert RJ, Fraser SB, van der Ouderaa FJ. Oral disposition
of triclosan (2,4,4’-trichloro-2’-hydroxydiphenyl ether)
delivered from a dentifrice. Caries Res. 1987;21(1):29-36.
Pilch S et al., Effect of a triclosan/ PVM/ MA copolymer/fluoride dentifrice on volatile sulfur compounds
in vitro. Oral Diseases 2005: 11 Suppl I; 57-60.
Ramberg P et al., The effect of triclosan on developing
gingivitis. J Clin Periodontol 1995; 22: 442-448.
Gilbert RJ, Williams PE. The oral retention and antiplaque
efficacy of triclosan in human volunteers. Br J Clin Pharmacol. 1987 May;23(5):579-83.
Renvert S, Birkhed D. Comparison between 3 triclosan
dentifrices on plaque, gingivitis and salivary microflora. J Clin Periodontol. 1995 Jan;22(1):63-70.
Gjermo P et al., Periodontal diseases in Central and
South América. Periodontol 2000 2002; 29: 70-78.
Rösing CK. Halitose: um problema odontológica de saúde
e estética. Clinica. Int J Braz Dent 2008; 4: 314-315.
Gomes SC et al., Effect of supragingival plaque control in
smokers and never-smokers: 6-month evaluation of patients with periodontitis. J Periodontol 2007; 78: 1515-1521.
Rösing CK. Um novo olhar sobre a relação ser humanoplaca bacteriana-biofilme dental. Clinica. Int J Braz Dent
2007; 3: 412-414.
Hu D et al., Clinical effectiveness of a triclosan/ copolymer/
sodium fluoride dentifrice in controlling oral malodor:
3-week clinical trial. Oral Diseases 2005; 11 Suppl I: 51-53.
Rosling B et al., Effect of triclosan on the subgingival
microbiota of periodontitis-susceptible subjects. J Clin
Periodontol 1997; 24: 881-887.
Jenkins S et al., Toothpastes containing 0.3% and 0.5%
Rosling B, Dahlén G, Volpe A, Furuichi Y, Ramberg P, Lindhe J. Effect
Sharma NC et al., The clinical efficacy of Colgate Total
Plus Whitening toothpaste containing a special grade
of silica and Colgate Total toothpaste for controlling
breath odor twelve hours after toothbrushing: a single-use clinical study. J Clin Dent 2002; 13: 73-76.
Sreenivasan P, Gaffar A. Antiplaque biocides and bacterial resistance: a review. J Clin Periodontol. 2002
Nov;29(11):965-74.
Sreenivasan P. The effects of a triclosan/ copolymer
dentifrice on oral bacteria including those producing
hydrogen sulfide. Eur J Oral Sci 2003; 111: 223-227.
Stephen KW, Saxton CA, Jones CL, Ritchie JA, Morrison T. Control of gingivitis and calculus by a dentifrice containing a
zinc salt and triclosan. J Periodontol. 1990 Nov;61(11):674-9.
Suller MT, Russell AD. Antibiotic and biocide resistance
in methicillin-resistant Staphylococcus aureus and
vancomycin-resistant enterococcus. J Hosp Infect. 1999
Dec;43(4):281-91.
Suller MT, Russell AD. Triclosan and antibiotic resistance
in Staphylococcus aureus. J Antimicrob Chemother. 2000
Jul;46(1):11-8.
Vazquez J et al., Clinical efficacy of a triclosan/ copolymer/NaF dentifrice and a commercially available
breath-freshening dentifrice on hydrogen sulfide-firming bacteria. Oral Diseases 2005: 11 Suppl I; 64-66.
Volpe AR, Petrone ME, De Vizio W, Davies RM, Proskin HM. A
review of plaque, gingivitis, calculus and caries clinical
efficacy studies with a fluoride dentifrice containing triclosan and PVM/ MA copolymer. J Clin Dent. 1996:S1-S14.
Walker C et al., The effects of a 0.3% triclosan-containing dentifrice on the microbial composition of supragingival plaque. J Clin Periodontol 1994; 21: 334-341.
Walker C, Borden LC, Zambon JJ, Bonta CY, DeVizio W, Volpe
AR. The effects of a 0.3% triclosan-containing dentifrice on the microbial composition of supragingival
plaque. J Clin Periodontol. 1994 May;21(5):334-41.
Xu T et al., Analysis of the antibacterial activity and
plaque control benefit of Colgate® Total® dentifrice
via clinical evaluation and real-time polymerase chain
reaction. J Clin Dent 2005; 16: 117-122.
Xu T et al., Effectiveness of a triclosan/ copolymer dentifrice on microbiological and inflammatory parameters. Compend Cont Ed Dent 2004; 25 Suppl I: 46-53.
Zambon JJ et al., Microbial alterations in supragingival
dental plaque in response to a triclosan-containing
dentifrice. Oral Microbiol Immunol 1995; 10: 247-255.
Zambon JJ, Reynolds HS, Dunford RG, Bonta CY. Effect of
a triclosan/copolymer/fluoride dentifrice on the oral
microflora. Am J Dent. 1990 Sep;3 Spec No:S27-34.
Zambon JJ, Reynolds HS, Dunford RG, DeVizio W, Volpe AR,
Berta R, Tempro JP, Bonta Y. Microbial alterations in supragingival dental plaque in response to a triclosan-containing
dentifrice. Oral Microbiol Immunol. 1995 Aug;10(4):247-55.
15

Documentos relacionados