Capítulo 5

Сomentários

Transcrição

Capítulo 5
 WaterSaga: Roteiro
CAPÍTULOS Prólogo .......................................................................................................................................... 3 Capítulo 01 – “Operação Fuga!”.................................................................................................... 5 Capítulo 02 – “Subconsciente” .................................................................................................... 11 Capítulo 03 – “Lembrança do Passado” ...................................................................................... 16 Capítulo 4 – “Os Dois Espadachins” ............................................................................................ 22 Capítulo 5 – “O Arco do Cavaleiro” ............................................................................................. 28 Capítulo 6 – Olhos de Medusa .................................................................................................... 36 Capítulo 7 – “Verdade” ............................................................................................................... 40 Capítulo 8 – “Interlúdio 1” .......................................................................................................... 45 Capítulo 9 – “Ajuda” .................................................................................................................... 47 Capítulo 10 – “Interlúdio 2” ........................................................................................................ 52 Capítulo 11 – “Clichê” ................................................................................................................. 56 Capítulo 12 – “Memórias de uma Princesa” ............................................................................... 60 Capítulo 13 – Natal ...................................................................................................................... 63 Capítulo 14 – Interlúdio 3 ............................................................................................................ 66 Capítulo 15 – Preço ..................................................................................................................... 68 “Parte Karin” ........................................................................................................................... 69 “Parte Sakura” ......................................................................................................................... 75 “Parte Grupo” .......................................................................................................................... 79 2 WaterSaga: Roteiro
Prólogo
Animação – simples, aliás. Na verdade, achei melhor criar o prólogo para dar um background maior à história do jogo. Basicamente ele descreve o “Capitulo 01” antigo, que iniciava com Kastlen. Vou tentar explicar a idéia: Basicamente é um (a) narrador (a) que vai falando e as imagens vão acompanhando. As imagens – neste caso – são um imenso mapa‐
mundi. Uma screenshot da idéia: Tá, pode vim dizer que eu plageio muito Code Geass, mas os caras que o criaram são fantásticos. Enfim, a animação começa com um “mapa‐múndi” dos anos atuais e, a medida que a narração for acontecendo, esse mapa‐múndi converte‐se gradualmente para o mundo do jogo, no caso, com apenas dois continentes – Lanstar e Tsuben. Basicamente, o trabalho que há nesse prólogo é achar um mapa‐múndi atual em boa resolução, photoshopá‐lo em vários mapas e animar. Oh, também temos que encontrar alguém que fale MUITO BEM e o Alan vai ter que fazer uma música legal (leia‐se meia‐dramática) para a intro. O ideal é primeiro achar alguém para narrar para poder editar o áudio e, depois, animar (já que a animação tem que sincronizar). Se tivermos tempos, podemos desenhar algumas cenas “extras” para colocar durante esse prólogo. Enfim, segue abaixo o texto para o prólogo. 3 WaterSaga: Roteiro
Abril de 2183. Deixando o isolamento do mundo, o então tigre chinês conquista a quase totalidade da Ásia e da Europa, mudando seu nome para União Chinesa. Janeiro de 2185. Temendo um possível ataque da U.C., os países americanos se unem, deixando para trás suas identidades, liberdades e honras para trás, mudando seus nomes para Federação Lanstar. Setembro de 2201. A guerra fria entre as duas únicas superpotências do planeta encerra‐se, dando lugar à guerra convencional. Os novos armamentos criados pelas superpotências fazem com que o mundo se altere. Terras aparecem e desaparecem a cada dia, recursos acabam, heróis nascem, populações morrem e a economia colapsa. 25 de Dezembro de 2217. Já esgotadas, as superpotências assinam o Tratado de Natal, que garante para ambos uma paz contínua e parceria para a reconstrução do planeta. Entretanto, ninguém mais sabe de nada. O mundo foi mudado, mas negligencia‐se isso. Durante a reconstrução das cidades, foi criado o mega‐projeto ITER para gerar energia infinita. Entretanto, o principal engenheiro morreu. Afinal, o que o futuro aguarda? Quem pagará pelos pecados daqueles que morreram? Tudo muda, menos as pessoas. Inicia‐se, então, o tema de abertura do jogo. *** Fim do Prólogo *** 4 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 01 – “Operação Fuga!”
O jogo começa com Kastlen montado em sua TMF (acrônimo para Transportador Móvel Flutuante [se tiver um nome melhor, ajudaria]) no deserto. Ele apenas segue seu rumo (como o jogo é 2D, fica melhor da esquerda para direita) em direção ao nada. Enquanto ele navega, aparece o texto em fade‐in no canto inferior central (de preferência em branco e com alguma fonte bonita e legível). 2247 – 30 anos após a Guerra Kastlen de Lumière ‐ Engenheiro Após esse texto der um fade‐out, aparece um texto (escurecer um pouco a tela ajudaria, basta diminuir o contraste dela). E, NÃO, NADA DE TELAS PRETAS. E NADA AO MESMO TEMPO, AS LETRAS VÃO APARECENDO GRADATIVAMENTE. Uma música calma seria interessante. Diário: 14 de Junho de 2247. Sei que não posso me comunicar diretamente com você, já que você morreu há exatos 30 anos. Entretanto, penso que talvez, no futuro, seja possível reviver as pessoas. Então, quero recordar todas as minhas experiências para não me esquecer de nenhuma quando te reencontrar e narrá‐las. Bem, provavelmente hoje será um dia tranqüilo. Antes de tirar férias do Ministério de Obras, tenho apenas que verificar se tudo está transcorrendo perfeitamente em uma das minas d’água do nosso continente. Após isso, vou apenas ao seu túmulo, pai, e deixar flores. Enfim, a data de seu óbito também é a que marca o fim da guerra entre Lanstar e Tsuben. Sabe, pensando bem, o mundo mudou bastante desde então. Os seres mais estranhos possíveis surgiram, e os recursos da sua época se esgotaram. Tivemos que nos virar para criar energia e procurar água. Esta última, só é obtida através das minas – como a que vou agora ‐ que cavam até os lençóis freáticos que estão enterrados há quilômetros abaixo da superfície. Já para a energia, criamos um gerador nuclear próprio em cada continente, chamado ITER, ao qual estava envolvido o John Frederick, que tanto gostávamos de rir de suas piadas. É muito frustrante ter que aceitar que ele e outras pessoas envolvidas no projeto foram brutalmente assassinados, aparentemente sem motivo algum. 5 WaterSaga: Roteiro
Ah, já te disse que fui promovido a engenheiro‐chefe? Começarei a trabalhar diretamente com a Agência de Prevenção de Desastres Sobrenaturais (ou A.P.D.S., mais fácil) quando voltar de férias. Lembra‐se que quando eu era criança queria ser um agente secreto? Acho que agora realizarei esse meu sonho. Ei, pai, não posso esquecer: eu te amo. Vou lembrar a mamãe que ainda somos uma família, independente de onde você esteja. Bom, acabei de chegar. Depois gravo mais aqui. A cena volta para Kastlen, que chegou à mina e desmonta do automóvel dele. Ele retira o capacete, coloca seus óculos e entra na mina. E a tela vai escurecendo, mudando de cenário. ***** Agora a cena segue em direção a ponte de comando de uma nave que se encontra voando. Se quiser, pode colocar a câmera mostrando alguns aposentos da nave antes de chegar ao lugar que queremos. Há várias pessoas na ponte em frente a computadores e o comandante está sentado em uma poltrona. O design da nave fica a critério do mapeador. Para a música, sugiro colocar algo normal, nem tão alegre nem tão triste. Tudo fica vermelho, com aquele barulho de alerta. Operador 1: Grande fonte de calor d’água detectada. Alvo encontra‐se perto de um vulcão atualmente marcado como inativo. O comandante fica de pé e fica andando à medida que vai falando. Comandante: Mais informações, por favor. Operador 2: Aparentemente há uma potencial mina em um raio de 18 quilômetros para possuir água. Comandante: Preciso de certeza. Prioridade nível S. Verificar informação. Calcular coordenadas espaços‐temporais. Os operadores fingem mexer nos mainframes. Operador 1: Invadindo mainframes de Lanstar... Um tempo depois... Operador 3: Mainframe hackeado. Informação verificada; existem registros sobre essa mina nos computadores de Lanstar. X: 221‐9, Y: 78‐A, Z: 49‐E. Comandante: Qual o tempo estimado para chegarmos lá? Operador 1: 117 segundos, se nos utilizarmos da velocidade máxima. 6 WaterSaga: Roteiro
Comandante: Ainda temos combustível para essa ação? Operador 1: Sim, senhor. Comandante: Proceder à invasão, já. Operador 2: Entendido! O comandante volta a sentar. Operador 3: Iniciando motores principais e suportes. Operador 2: Motores ativados. Operador 1: Acionado sistema de propulsão aérea. Operador 3: Desativar escudos. Operador 2: Escudos desativados. Máxima velocidade será atingida em aproximadamente 3 segundos. Operador 1 (3 segundos depois): Velocidade máxima atingida. Tempo estimado para chegada a destinação: 115 segundos. Surge um barulho de uma porta abrindo, uma mulher aparece entrando e a câmera muda de direção para a porta, onde podemos ver os frontais da mulher e do homem. A tal é Liz; que está usando um uniforme branco de militar e possuindo cabelos pretos oleosos na altura do pescoço, olhos azuis claros (oh, well, lembre‐se que ela vive com os olhos fechados =P) e pele clara. Ela é linda. ???????: Como a nave está em movimento, presumo que atacaremos. Comandante: Corretamente. Estaremos lá em pouco tempo. ???????: Quais as nossas chances de sucesso? Comandante: Aproximadamente 97%, se tudo transcorrer perfeitamente. Você liderará a tropa para a tomada daquela região. ???????: Entendido. Ela faz uma saudação e sai da ponte. *** A cena volta para dentro da mina agora, Kastlen está andando em um túnel e passa por uma placa que diz claramente “7º sub‐andar”. Após andar durante um tempo, no túnel escuro, ele chega a uma região um pouco mais iluminada e bem maior, onde há vários 7 WaterSaga: Roteiro
mineradores trabalhando (vide Observações.docx). Há muito barulho das picaretas batendo nas rochas. Kastlen segue em direção ao chefe de obras, que está de capacete (aqueles de pedreiro) e perto de um dos mineradores. Chefe de Obras: Kastlen! Há quanto tempo! Kastlen: Pois é, o Ministério de Obras me mandou até aqui para acompanhar o progresso do trabalho de vocês. Falando nisso, já acharam alguma fonte d’água? Chefe de Obras: Sim, mas somente duas pessoas sabem: eu e o descobridor da mesma. Quero dizer, três pessoas com você. Kastlen: Por que toda essa preocupação em esconder isso? Chefe de Obras: Aparentemente, o continente de Tsuben está tentando dominar as nossas minas, que possuem potencial para a extração de água, uma vez que as terras deles não aparentam ter recursos para eles poderem extrair a água de lá. A iluminação do local diminui e a tela começa a chacoalhar. A cena muda para o local fora da mina, onde a nave pousa e Liz, juntamente com diversos subordinados, começam a sair dela. A música para essa cena seria uma coisa mais “militar”. ???????: Invadam o lugar, não deixem ninguém sair vivo. Subordinados: Sim, senhora! A cena mostra os soldados entrando e percorrendo vários túneis. Liz não entra na mina. A cena volta novamente para Liz, na entrada na mina. Ela se senta encostada a uma das rochas da entrada da mina. ???????: Ai, ai... Que tédio. Voltamos para Kastlen e o Chefe de Obras, todos os mineradores começam a correr desesperadamente. Uma música de agitação seria legal. De qualquer forma, os oficiais da nave chegam ao 7º sub‐andar e começam a atirar feitos loucos, matando todos que estavam lá, exceto Kastlen que rola para o lado e se esconde atrás de uma grande pedra. Kastlen: Merda, vou ter que enfrentá‐los se quero sair daqui vivo. E por que diabos isso tem que acontecer logo no dia anterior às férias?! Podia acontecer com outro! Ele sai da pedra e vai encontro ao primeiro oficial. Kastlen: En garde! 8 WaterSaga: Roteiro
Começa a primeira batalha do jogo. Sei lá, talvez um tutorial bem rápido antes da batalha explicando todo o battle system e como proceder no mesmo viria a calhar. De qualquer forma, o level de Kastlen já é alto, em torno do Level 50. O nível do oficial deve ser em torno dos 20, de forma que o jogador possa vencer a batalha facilmente, mas com um certo nível de dificuldade. Ao fim da batalha, a cena aparece com o guarda derrotado. Aparecem mais dois guardas. Guarda: Desgraçado, você pagará pelo que fez. Não sairá daqui vivo. Kastlen (com um sorriso no faceset =P): É o que veremos. Começa outra batalha, dessa vez contra dois guardas. Mesmo nível da batalha anterior. Terminando a batalha... Kastlen: Preciso sair daqui. O jogador, finalmente, tem o controle sobre o personagem. Ele tem que subir os 7 andares agora, onde haverá diversos monstros de vários níveis diferentes. É a primeira dungeon do jogo. Nessa parte, não há muito que falar. Tudo depende do jogador. Quando o jogador sair da mina (de preferência que haja um save point antes da saída), a garotinha vai estar lá, de pé. ???????: Humano, você é feliz? Kastlen: Hã? ???????: Eu sempre quis fazer uma pergunta dessas a uma pessoa comum. Kastlen: Sim, eu sou feliz. Não posso estar errado quando acho que estou certo. ???????: Então, responda‐me: O que é a felicidade obtida diante de olhos distorcidos da realidade? Kastlen olha para o chão. Kastlen: ... Kastlen levanta a cabeça e olha para ela. Kastlen: Não sei. A felicidade vem do fato de estarmos vivos e querermos aproveitar a vida da melhor forma possível. Nós, humanos, não nascemos para morrer. Entretanto, se não morrêssemos, um dia simplesmente ficaríamos sem nada do que ser feliz. Nada é ideal, por isso tentamos alcançar continuamente a perfeição. Lembro‐
me de uma frase que meu pai dizia bastante: “Para ser imortal, basta fazer um fato notável.” 9 WaterSaga: Roteiro
O char de Liz fica espantado. ???????: Apenas seres perfeitos possuem o direito da perfeição. Vocês humanos são imperfeitos por sua própria natureza. O char de Liz volta ao normal. ???????: Enfim, não sei como você conseguiu passar por todos os meus guardas, mas aqui é o seu fim. Não deixarei que saia daqui vivo e estrague o meu plano. Kastlen se coloca em modo de batalha. Kastlen: Bem, é o que veremos. Começa a batalha. A garotinha tem HP infinito, logo é impossível derrotá‐la. O resultado vai ter que ser inevitável: Kastlen vai perder. Ao fim da batalha, aparece Kastlen no chão, todo lascado e Liz em pé, ao lado da cabeça dele, olhando para a mesma. Kastlen: Você... não é humana. ???????: De fato, não sou. Mas consegue ver? Você não é páreo para mim. Prepare‐se para morrer. Kastlen: Por favor, não me mate. Deixe‐me viver. ???????: Não. A sua felicidade acaba aqui. A garotinha aponta uma arma em direção a cabeça de Kastlen e há um som de tiro. Ele morreu. ???????: Humanos... Eles não aprendem mesmo, sempre querendo viver e se tornar imortais. Entretanto, quando eles conseguirem ser imortais, desejarão morrer, algum dia, por simplesmente não ter mais o que fazer em suas vidas. Seria esse o pecado da ambição? A garotinha coloca a mão perto da orelha, para “simbolizar” um comunicador, e vai andando de volta para a nave. Enquanto ela anda, fala... ???????: Missão completa. Ela olha para o cadáver de Kastlen que jaz no chão. ???????: Obstáculos exterminados. A mina é nossa. A cena simplesmente vai ficando escura até ficar totalmente. *** Fim do Capítulo 01 *** 10 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 02 – “Subconsciente”
A cena ainda está escura. Aos poucos vai aparecendo o nosso herói principal, nu. Ele tem cabelo curto e preto, cor de pele um pouco escura (mas não tanto). A câmera vai girando em torno dele, até que em certo ponto, a câmera pára e à frente de nosso herói aparecem duas pessoas. Uma do lado esquerdo, outra do direito. A do lado esquerdo é uma forma definida de uma pessoa, que é nada mais que o nosso herói de roupas (vou chamá‐lo de vulto 1). Já a do lado direito é apenas um “fantasma” (irei chamá‐lo de vulto 2). O herói fica de pé e encara as duas pessoas, olhando de um para outro o tempo todo. Herói: Quem são vocês? Vulto 1: Somos o seu destino. Vulto 2: Você só tem um caminho a seguir, mas te damos duas escolhas. O que você escolhe: Poder e glória ou felicidade e nenhum reconhecimento? Herói: Eu... não sei. Vulto 2: Como imaginei, idiota. Você terá que fazer essa escolha mais cedo do que imagina. Até lá, ficarei te vigiando. Vulto 1: Igualmente. Os vultos começam a se afastar e o herói começa a correr atrás de algum. Herói: Esperem! Quanto mais o herói corre, mais distante o vulto que ele está atrás fica. Ele corre tanto que leva uma queda. Ao levar a queda, a cena muda subitamente para o quarto do herói: era tudo um sonho. Ele fica sentado na cama, olha pros lados e volta a dormir. *** É de dia, finalmente. O nosso herói acorda (e uma música “feliz” começa a tocar) de pijamas e troca de roupas, qualquer roupa serve, fica a critério do Character Designer. O menu deve ficar inacessível por enquanto. 11 WaterSaga: Roteiro
Daniel: Ah, mais um dia de trabalho. O Bill me disse que hoje haveria uma nova missão pra mim na Agência de Prevenção de Desastres Sobrenaturais. Estou bastante ansioso. Ele olha para o lado, onde há um relógio de cabeceira. Daniel: NOSSA! ESTOU ATRASADO. TENHO QUE CORRER. O jogador ganha controle do Herói. Ele é level 5. Bom, o jogador agora tem todo controle do personagem e pode explorar a cidade. A cidade não precisa ser grande, só bem simples e de preferência que dê um “aroma” de pouca umidade (já que estamos em um deserto). O design da cidade, juntamente com seus NPCs, fica a critério e ao bom senso do mapeador. De qualquer forma, assim que o personagem mudasse de mapa, seria interessante aparecer, no canto inferior direito da tela, o nome do local em que ele está (no caso da cidade, “Vila Sekirei”). A cidade vai depender apenas da criatividade dos mapeadores. Se quiserem fazer NPCs falando coisas randômicas, podem falar a vontade. Seria interessante colocar um sistema de mini‐games. Em cada cidade, haveria uma “Funhouse” na qual o jogador jogaria mini‐games e juntava pontos, que podem ser trocados ao longo do jogo. Ah, a cidade não precisa ser grande. É apenas uma vila, afinal. A sede da Agência deve ser discreta, misturada às casas normais da cidade. *** Quando ele entra na “casa” da Agência, há somente uma escada lá. Ao descer essa escada, nota‐se que a Agência é um emaranhado de túneis que levam a diversos cantos. Essa parte fica a criatividade do mapeador também, mas só faço duas exigências: •
Um dos túneis levam para fora da Agência (sem ser para a cidade), mas este é bloqueado por alguma pessoa (vai ser desbloqueado em breve). •
Um dos túneis dessa agência levará para uma pequena sala, onde haverá 3 pessoas esperando. Bom, façam o jogador se perder na tal agência. É uma dungeon sem monstros, basicamente. Enfim, quando o jogador entrar na Agência, haverá uma pessoa que dirá: 12 WaterSaga: Roteiro
Random Char 1: Daniel, você está atrasado! Há pessoas te esperando na sala de reunião. Siga para lá imediatamente. Daniel: Quando eu chego cedo, ninguém se importa. Agora quando eu durmo um pouco além da conta, é sempre problema... Quando o jogador achar a tal sala, um evento começará. Há dois homens de terno e gravata e uma mulher vestindo calça e jaqueta preta, mas ela usa uma camisa branca por baixo da jaqueta. Ela possui cabelos ruivos, pele um pouco escura também (lembra a Elly). Daniel: Bill, há quanto tempo! Bill: Você me viu ontem... Daniel: Heh. Pensei que você sentia minha falta. Garota: Não temos tempos para brincadeiras; o nosso problema é sério. Daniel: Huh? Quem é você? Karin: Karin von Liffercen, ao seu dispor. Bill, conte‐o. Bill: Certo. Ramza, ative o sistema de projeção de imagens. Ramza: Sim, senhor. À medida que o cara fala, as imagens vão aparecendo. Se quiser, pode repetir algumas cenas do capítulo 1. Bill: Temos motivos para acreditar que o pessoal do continente de Tsuben está querendo voltar com a guerra paralisada há trinta anos. Dessa vez, o motivo é água. Daniel: Pensei que o Tratado de Natal tivesse estabelecido uma trégua mútua por parte dos dois continentes. Karin: Supostamente, todos achavam isso. Entretanto, os ataques de ontem provaram nossos piores pensamentos. Estávamos errados. Daniel: Certo. E o que eu tenho haver com isso? A cena volta para a sala de reuniões. Bill: Não podemos anunciar publicamente esse fato ocorrido. As pessoas de Lanstar entrariam em puro desespero; não saberão o que fazer. 13 WaterSaga: Roteiro
Precisamos que você e Karin infiltrem‐se na base militar central de Tsuben e descubra, de fato, o que está ocorrendo e nos venha dar informações o quanto antes. Não temos tempo a perder; você é o nosso agente mais especializado em espionagem que temos aqui no momento. Daniel: Eu tenho o direito de recusar essa proposta? Karin: Não. Nada aqui é recusável, você devia saber disso. Daniel: Eu sei. Apenas sempre quis fazer essa pergunta. Bill: Tudo precisará ser feito da forma mais discreta possível. Vocês seguirão pelo nosso túnel de emergência e então terão que subi‐lo no final, já que ele leva vocês a muitos quilômetros abaixo da superfície da terra. Daniel: Há quanto tempo esse túnel não é usado? Bill: Há cerca de 12 anos, logo pode haver vários perigos nele. De qualquer forma, ao chegarem ao fim do túnel, vocês chegarão à cidade de Raraborin. Lá, procurem por Lancelot e conte o objetivo de vocês, ele os ajudará. Daniel: Lancelot? Aquele espadachim da história do Rei Arthur de Sir Thomas Malory? Ramza: Claro que não, ô imbecil. É apenas um apelido de uma pessoa. Bill: Antes de ir, gostaria que pegasse esses dispositivos. São os Limiters. Eles ajudarão a regular o nível de vocês; aumentando o poder de vocês à medida que seus corpos tiverem capacidade para agüentar o tamanho estresse gerado pelas lutas. Os Limiters possuem um tipo de Inteligência Artificial, logo eles saberão o que fazer na hora correta, além de os aconselharem e dar informações. Bill: Infelizmente, nós não possuímos tempo para preparar o corpo de vocês para um estresse maior do que os que vocês conseguem armazenar hoje. Entretanto, vocês conseguirão aumentar seus poderes ao longo do tempo. Bill: Karin receberá o Limiter cujo nome é Legaia. Já Daniel receberá o que se chama Subaru. Daniel: Certo, e como eu falo com eles? Bill: Infelizmente não tenho tempo para explicar, a situação que vocês enfrentam é de nível gravíssimo. Você aprenderá a se aproveitar dos Limiters ao longo do tempo. Só devo informá‐los que cada Limiter pensa por si próprio e são diferentes tanto entre si quanto com a personalidade de seu usuário. Saibam aproveitá‐los. Karin: Daniel, vamos nos preparar e sair daqui o quanto antes. Vou me preparar, então despeça‐se da Vila e encontre‐me na entrada para o túnel de emergência. Bill: Desejo a ambos uma boa sorte. Daniel: Iremos precisar. 14 WaterSaga: Roteiro
Karin: Até mais. Ramza: Esperem! Antes de vocês irem, aceitem esses itens. Eles poderão auxiliá‐los nos momentos que forem necessários. Karin: Obrigada. O jogador ganha 5 poções (que podem ser usados nas batalhas) e 2 kits de primeiros‐
socorros (que pode ser usado apenas quando não estiver em batalha). A partir desse momento, o menu está acessível. Ambos Karin e Daniel são leveis 5. Karin sai da sala e segue rumo à frente do túnel que eu disse que estava bloqueado. Ele agora está desbloqueado. O jogador reganha o controle de Daniel e está livre pra ir aonde quiser, exceto sair da cidade. Enfim, quando o jogador for ao encontro de Karin... Karin: Está pronto? Daniel: Sempre. Ambos andam em direção ao túnel e a cena fica, novamente, escura. *** Fim do Capítulo 2 *** 15 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 03 – “Lembrança do Passado”
Nós vemos os nossos heróis percorrerem um longo túnel em linha reta, que ainda está bem cuidado. Basicamente é um túnel com paredes luxuosas, a ponte no meio e água ao redor. Algo similar a isso: Logicamente, o desenho está péssimo, mas dá para entender o que eu falei. O jogador começa da parte de baixo e deve ir até a parte de cima, andando. A parte azul claro é água limpa, já a parte caramelada é água de esgoto. A escada refere‐se onde acaba o túnel. Obviamente, tudo está desproporcional, mas o túnel deve ser bem grande e bonito. Para o ele, uma música legal seria aquela que dá sensação de aventura. Quando eles chegarem à parte caramelada, é acionado um evento. Karin fica de frente a Daniel. Karin: Nossa, mas que cheiro... Daniel: Nem olhe para mim. Creio que o cheiro venha dessas águas ao nosso redor. 16 WaterSaga: Roteiro
Daniel: Lembra‐se que o Bill disse que essa passagem não é usada há 12 anos? Espero que não tenhamos problemas maiores em relação a ela. Karin: Eu não tenho medo de lutar. Daniel: É? Pois olhe atrás de você. Quando Karin vira para ver o que é, um sapo de tamanho médio pula em cima dela. Começa uma batalha, simples até. Não precisa ser difícil. Ao fim da batalha, mais falas: Daniel: O que foi que você disse mesmo? Karin: Eu não tenho medo de lutar. Vou concluir essa missão mesmo que custe minha vida. Daniel: Entendo. Karin: ... Daniel: Vamos, temos que achar o tal Lancelot. Karin: Sim. O resto do túnel não precisa ser grande, apenas asqueroso. Nesse primeiro túnel não há batalhas. Quando eles chegam ao fim, há apenas mais uma escadaria para descer. Bom, ao descer eles entram na segunda dungeon do jogo. Dessa vez, a dungeon não precisa ser grande, apenas uns dois mapas são necessários. A dungeon lembra um esgoto gigante e os monstros incluídos nela são, basicamente, ratos, sapos, amebas, entre outras coisas que possam lembrar esgoto. Não esqueça de colocar itens (como poções, principalmente. Favor não colocar coisas do tipo Phoenix Down, não vou usá‐las no jogo). Tudo vai ficar para a criatividade do mapeador. No mapa 2 dessa dungeon, deve haver um canto (um pouco mais além da metade) onde esse evento será acionado. Daniel: Ahhhh, já andamos tanto... Karin: Fraco. Quer descansar? Daniel: Se você não se incomodar... Apenas acho que esqueci meu cobertor. Karin: Eu trouxe dois na minha mochila, um para mim e outro, pode ficar para você. Enganou‐se, caso pensou que iríamos dormir juntos. Daniel: Eu nunca pensei nisso. 17 WaterSaga: Roteiro
A cena mostra Daniel e Karin se cobrindo, cada qual com o seu lençol e tudo se escurecesse. A cena “enclarece” mostrando um laboratório, onde há dois vidros gigantes com duas pessoas dentro (uma delas é Daniel criança e no outro é apenas uma bola com o símbolo, que devemos criar, embutido na mesma). Há maquinarias ao redor. Ouve‐se o som da porta se abrindo e duas pessoas entram, um homem e uma mulher, ambos vestindo uma bata. A mulher possui feições similares a de Daniel e um cabelo longo e ruivo. Já o homem, pode‐se criar qualquer coisa. Senhor: Como está o sistema neural dele? Senhora: A implantação do Id System ainda não foi completada. Senhor: Eu quero que ele esteja com isso implantado ainda hoje. Senhora: A quantidade de campos eletromagnéticos criados para essa finalidade poderá matá‐lo! Senhor: Não importa, ele é só mais uma cobaia. Eu quero isso ainda hoje ou farei com que o império torture impiedosamente sua família. Senhora: ... Senhor: Ativar neurotransmissores artificiais. Senhora (andando em direção as máquinas e mexendo nela): Ativando... Senhora: Ativado. Percebe‐se raios luminosos ao redor do corpo do little Daniel. Senhor: Perfeito. O tal Senhor se retira da sala e a Senhora chega perto do vidro em que little Daniel está. Senhora: Filho, espero que algum dia me perdoe. Little Daniel: Não. O vidro em que L. Daniel está contido fica vermelho e explode. Cacos de vidros voam para todo canto juntamente com a fumaça, não se dá para ver mais nada por lá. É possível ver duas luzes vermelhas, que são os olhos do Little Daniel se movendo para cima. Quando a fumaça se vai, vemos todo o laboratório destruído, uma parede arrombada e a Senhora encharcada de sangue e morta. 18 Repentinamente, a cena volta para o Daniel (normal) que estava dormindo, ele acorda. WaterSaga: Roteiro
Daniel: AHHHHHH! Karin: O que foi agora? Daniel: Eu tive um pesadelo. Karin: Pesadelo? De quê? Um coelho rosa gigante te atacando? Daniel: Não sei, foi um sonho estranho que não consigo me recordar muito bem. Karin: Não se preocupe, os sonhos são apenas pensamentos de sua mente. Talvez ela tenha associado a isso a um de seus pecados. Daniel: Pecados... Karin: Agora vamos voltar a dormir. A cena mostra Karin e Daniel indo dormir novamente. Tudo fica escuro, aparece aquela musiquinha podre de INN e eles acordam. Daniel: Sinto‐me bem melhor agora, e você, Karin? Karin: Estou sempre da mesma forma. Daniel: Nossa, que rude. Karin: Heh. Vamos. Não precisa fazer o jogador andar muito, mas em certo ponto ele vai ouvir um barulho do tipo “GRAÚ”, de preferência, deve ser algo do tipo... A linha amarela indica onde o barulho vai ser ouvido. Assim que for ouvido, um evento começa e o jogador é forçado a ir para a “esquina” (na parte da linha amarela), onde ele poderá espiar. Ele verá uma ameba gigante, de cor azul escura, tapando a saída da Dungeon. 19 WaterSaga: Roteiro
Karin: Aparentemente temos problemas. Daniel: Só o fato de estar com você já é um problema. Karin: Engraçadinho. Daniel: Não dá para saber que nível é esse monstro. Talvez nem possamos derrotá‐lo. Legaia (charset de um pingente de coração): Categoria D. Um Amebóide. Daniel: Olha, ele falou! Legaia: É possível derrotá‐lo no nível de vocês, basta tentarem. Subaru (charset de um relógio com uma cruz): Perfeitamente. Karin: Bom, se eles dizem... Daniel: Vamos nessa, Karin! Daniel puxa Karin pelo baixo e vão ao encontro da ameba gigante. Começa uma batalha contra o primeiro Boss do jogo. A batalha deve ser um pouco complicada, acho que deveríamos estabelecer um nível médio para o jogador chegar na dungeon. Considerando que ele não fuja muito e alcance o nível 8, um chefe de level 12 está muito bom. Ao fim da batalha, a cena volta para os dois, ambos cansados. Karin vira na direção de Daniel e bate no rosto dele. Karin: Você quer nos matar? Irresponsável. Daniel: Desculpe, eu estava empolgado. Karin: Essa sua empolgação ridícula pode acabar conosco. Se isso acontecer novamente, eu te assassino antes que você acabe me levando a óbito. Eu vou terminar essa missão nem que seja sozinha. Daniel: Missão, missão, missão... Aprenda a se divertir. Karin: A vida não é só diversão. Daniel: A vida não é só trabalho. Karin: Dane‐se. Vamos, ainda temos que encontrar Lancelot. 20 WaterSaga: Roteiro
Ambos saem pela saída da Dungeon, agora destapada e chegam em mais uma escadaria, que dessa vez só faz subir. Faça com que o jogador se canse de subir tanta escada. Chegando ao fim da escada, eles se dão conta que estão em uma pequena casa que só possui uma saída, iluminada, com um save point. Quando o jogador sair de lá... Mais um evento. *** Fim do Capítulo 3 *** 21 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 4 – “Os Dois Espadachins”
A Vila Raraborin é relativamente simples, também não precisa ser muito grande. É tudo criatividade; eu só exijo que tenha um bar grande e com aparência bem rústica (de madeira, talvez?). De qualquer jeito, quando os nossos heróis saem da cabana... Karin: Finalmente chegamos, depois de todo aquele sofrimento! Estou bastante cansada. Daniel: Bom, eu também. Não quer ir ao hotel descansar? Karin: Nem pensar! Devemos primeiramente achar o Lancelot, ou seja lá como o chamam. Vamos nos separar, talvez seja mais rápido de achá‐lo. Encontraremos‐nos no bar. Daniel: Certo. Até mais. Deixe o menu inacessível durante esse tempo, é mais fácil do que ter problemas em tirar a Karin do grupo e colocá‐la novamente. Não sei como funciona o sistema do RMXP. Faça o mais fácil, de qualquer forma. Bem, deixe o jogador livre para explorar a cidade, os shops, etc., etc., etc. O evento só vai acontecer no bar. Quando o jogador entrar lá... Lancelot: Odeio segundas‐feiras. A câmera sai do jogador e vai em direção a Lancelot, que está um pouco distante sentado junto à bancada do barman, tomando cerveja e bebendo durante o tempo todo. Barman: Sim, é sempre o início da semana, o fim da alegria e o começo do inferno. Lancelot: Coloque mais um pouco de cerveja, fazendo favor. Barman: Sim, senhor. Lancelot: A propósito, como vai a sua vida amorosa? Conseguiu pegar aquela dançarina que você queria? Barman: Bem, eu falhei. Ela já tinha namorado, que me surrou quando viu a minha cantada. 22 WaterSaga: Roteiro
Lancelot: Fracassado! Mais um copo, por favor. Barman: Certo. Lancelot: E quanto ao seu filho, o que ele faz da vida? Barman: Ele entrou para o exército e já é um primeiro‐tenente com meros 17 anos! Barman: Deixando de falar de mim, mas e você, como anda a sua vida? Lancelot: Como disse, odeio segundas‐feiras. Sempre as piores coisas nessa cidade ocorrem na segunda‐feira, desde roubos até envolvimento em lutas. Nunca posso tomar minha cerveja em paz. Lancelot: Mais um pouco, por favor. Daniel vai até perto de Lancelot. Daniel: Com licença, mas o senhor seria o tão falado Lancelot? Lancelot: Viu? Não posso nem tomar minha cerveja em paz pela manhã, já me encheram o saco. Maldita segunda‐feira. Lancelot: Sim, garoto, sou eu mesmo; o que você quer? Daniel: Eu fui mandado pelo Ministério de Prevenção de Desastres Militares. Estou vindo pedir a sua aju... Lancelot: Viu?! Esses ministérios só sabem pedir, pedir, pedir. Agora quando eu peço minha aposentadoria, eles só fazem enrolar. Mais um pouco de cerveja, por favor. Barman: Certo. Lancelot: Garoto, eu vou tentar ouvir seu problema se você me vencer nos meus desafios. Daniel: Desafios?! Lancelot: Eu não sou apenas o melhor espadachim, mas também sou a pessoa mais “alegre” da região. Eu te desafio a cair somente depois de mim em uma bebedeira! Daniel: Ei! Eu nunca bebi! Lancelot: Dizem que tudo tem sua primeira vez. É isso ou nada feito. Daniel: Cada bêbado que me aparece... Inicia‐se um minigame! Quem bebe mais! Como funciona? Sei lá! Fica a cargo de vocês. Eu inventei algo para divertir, como vai acontecer só cabe a vocês. 23 WaterSaga: Roteiro
Anyway, quando o minigame acabar, Lancelot cairá e, logo depois, Daniel. Assim que Daniel cair, a Karin entra no bar gritando: “DANIEL!” e corre até ele. Tudo fica lentamente escuro. Daniel acorda em uma cama do INN, logo na cama ao lado está Lancelot sentado. Lancelot: Heh. Você foi bem, garoto. Daniel: Não tenho o que comentar. Karin: Pois eu tenho, seu imbecil. Já basta o que aconteceu lá no túnel, agora você quer SE matar? Você pode ser um idiota, mas ainda preciso de você para concluir essa missão. Daniel: Não foi bem isso o que você disse antes... Lancelot: Ai, ai... Drama romântico. Karin: O quê?! Nós só estamos em uma missão e esse imbecil tenta piorar cada vez mais a situação. E você, Lancelot, o que pretendia desafiando‐o para uma bebedeira? Lancelot: Bem, eu estava bêbado, então... Lancelot: Enfim, antes de colocar‐me ao seu dispor, tenho que fazer o meu segundo desafio. Daniel: Outro?! Lancelot: No bar, eu falei “desafios”, não “desafio”. Devo cumprir com minha palavra. Daniel: Pode falar, então. Lancelot: Vamos para fora. Eles vão para um campo mais afastado da cidade (não tão longe dela), só há eles dois. Basicamente o chão é totalmente gramado, há algumas pedras e muitas árvores estão em volta. A “arena” pode ser quadrada ou circular, algo do tipo... 24 WaterSaga: Roteiro
Um está de frente ao outro, Karin está perto de alguma árvore, assistindo a luta. Lancelot: Garoto, por qual razão você usa sua espada? Daniel: É o meu... dever. Lancelot: Entendo. Bom, o seu segundo desafio será simplesmente me vencer em um duelo 1 a 1. Nada mais do que isso. Vença‐me ou então me convença a ir com vocês e eu irei. Daniel: Prepare‐se para sua derrota. Mais uma batalha para se perder. Daniel V.S. Lancelot, a luta não precisa acabar rápido (para não cair no velho clichê “Inimigo forte, amigo fraco”), mas é importante que Daniel perca a batalha. No final, eles estão a uma pequena distância. Daniel está de joelhos no chão, apoiado na espada. Já Lancelot encontra‐se de pé, com a espada embainhada. Lancelot chega perto de Daniel, mas antes que ele chegue mais perto, Karin corre primeiro. Karin: Daniel! Você está bem? Daniel: Acho que sim. 25 WaterSaga: Roteiro
Lancelot aproxima‐se dos dois e olha para Daniel. Lancelot: Você perdeu. Daniel: Sim, eu notei. Lancelot: Sabe o que está escrito aqui, no cabo de minha espada? Daniel: Não, o que é? Karin: Eu sei, está escrito em alemão. “Todbringend”. Em outras palavras, “Fatal”. Lancelot: Toda a fama que eu tenho atualmente foi obtida a custa de outras pessoas. Matei muitas, durante a época de unificação do Império e durante a guerra entre os dois continentes, sem sequer pensar no que elas deixaram aqui na Terra quando foram embora. Famílias? Amigos? Riquezas? Virtudes? Enfim, nunca havia parado para pensar nisso, até que minha esposa e duas filhas foram brutalmente assassinadas. Fiquei triste e ainda estou por causa disso. Eu tinha o poder de mudar o mundo, mas não o fiz. Desde então, sempre hesito em matar pessoas. Essa minha espada foi quem causou toda essa destruição e, por isso, ela ganhou esse apelido nada agradável. Lancelot: Garota, você sabe o que é necessário para iniciar uma guerra? Karin: Dois argumentos contrários. Lancelot: Correto. E errado. Quando eu era jovem, havia a idéia corrente de que era errado lutar em guerras de qualquer tipo. Uma grande quantidade de pessoas, naquele tempo, declarava que nunca lutaria por coisa alguma. Daniel: Talvez estivessem certas em pensar assim. Lancelot: Não. Há uma razão muito boa para a luta: se um outro homem a começa. Sabe, se as guerras são uma perversidade, talvez a maior perversidade de uma espécie perversa. São tão terríveis que não deveriam ser permitidas. Quando você tem absoluta certeza que um outro homem vai começá‐la, então é o momento em que você tem uma espécie de obrigação para pará‐lo. Karin: Mas ambos os lados sempre dizem que foi o outro que começou! Lancelot: Claro que dizem, e é uma boa coisa que façam isso. Pelo menos mostra que os dois lados sabem, no fundo, que a perversidade da guerra está em começá‐la. Daniel: Senhor, eu sei que não estou em posição de pedir que venha conosco, mas gostaria apenas que ouvisse o nosso problema. 26 Lancelot: Experimente falar. WaterSaga: Roteiro
Mas, antes, vamos ao bar. A cena segue agora para o bar. Ambos estão sentados em uma mesa. Lancelot com a cerveja. Lancelot: Entendo, então, em suma, vocês querem minha ajuda para se infiltrar em Tsuben? Karin: Exato; mas antes devemos passar na Cidade Imperial para falar com o Imperador. Daniel: Ué, pra quê? Pensei que a missão fosse secreta. Karin: E ela é, mas o Imperador poderá nos dar equipamentos para ter maiores chances de nos sucedermos em nossa missão; além disso, é por lá que é o caminho mais rápido. E acho que talvez ele tenha interesse em saber no que vamos fazer. Lancelot: Bom, como presumo que não temos dinheiro suficiente para pagar um meio de transporte, vamos ter que viajar a pé mesmo. São três dias de viagem, daqui até a Capital. Karin: Qual o caminho que pegaremos, Lancelot? Lancelot: Vamos pelo deserto em linha reta, não há como falhar em nosso caminho. Karin: Vamos nos preparar; vamos nos encontrar diante do portão de saída em direção a Capital Imperial. Daniel: Certo, irei quando estiver pronto. Lancelot: Idem. Bom, deixe o jogador andar um pouco pela cidade, explorar, blábláblá; deixe Karin/Lancelot esperando ele no portão de saída e, de lá... Karin: Preparado? Daniel: Sim, vamos. E os três saem andando em direção ao deserto. A tela fica escura. *** Fim do Capítulo 4 *** 27 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 5 – “O Arco do Cavaleiro”
Sons de computador. O cenário vai aparecendo aos poucos. Várias pessoas sentadas controlando máquinas e a Liz ao centro. O cenário lembra aqueles centros de comando hi‐tech, tipo a OCT de 24 horas. 1: Liz, o experimento 001 foi detectado em Raraborin, rumo à Capital Imperial de Lanstar. Liz: Entendo. 2: São três pessoas; tempo estimado de chegada a Capital: 2 dias e meio. 1: Sim, mas parece que a Floresta Movediça ficará no caminho deles; podemos considerar isso um atraso? Liz: Não; isso dependerá deles. Quanto tempo levarei indo daqui até lá? 1: Um dia, senhorita. Menos, caso você vá com algum veículo. Liz: Eu vou para lá; eles que me aguardem. Tudo escuro; agora sons de vento/deserto. Deixem os jogadores andarem um pouco no deserto; treinar um pouco (aliás, dê tempo para eles darem alguns level up durante essa andada), blábláblá. Até que, após mudar de mapa, tudo fica escuro. Temos o mesmo som de ventos/desertos... Eles vão andando... andando... andando... Karin: Ufff... Estou cansada. Daniel: Fraca. Karin: Ora, seu... Lancelot: Calem a boca e guardem a energia para andar. Temos um problema. A câmera mostra a Floresta Movediça. Daniel: Hã? 28 WaterSaga: Roteiro
Uma floresta? Em pleno deserto? Pensei que não restassem mais florestas no planeta. Lancelot: A Floresta Movediça é a única floresta existente no mundo. Mas, como o próprio nome diz, ela não tem lugar fixo. Os fortes ventos dos grandes desertos aqui presentes fazem com que ela se mova; e se resolvermos contorná‐la, demoraria pelo menos mais dois dias. Não temos esse tempo. Karin: Se é o único jeito ir por dentro dela... Lancelot: Ela reúne diversos ecossistemas da antiga‐Terra; desde Savana até a Amazônia. Poucos exploradores conseguem sair de lá, mas alguns já conseguiram esse feito, de modo que há uma pequena e rústica trilha aberta nela. Basta seguir a trilha e nós teremos poucos problemas. Daniel: Existem mutantes dentro dela? Lancelot: Sim, monstros adaptados a esse tipo de clima. Não sei quanto a eles. Karin: Legaia, faça um scan do provável nível dos monstros nessa floresta. Legaia: Tudo bem. Barulhinho de computador. Legaia: Provável nível dos monstros: C. Daniel: Heh. Não vamos ter problemas sérios. Karin: Sem comentários. Vamos. Os três entram na floresta. Bom, agora deixe o jogador brincar um pouco na floresta; como eu disse, cada mapa tem uma vegetação diferente, então sejam criativos. À medida que forem andando, deixem com que o tempo vá transparecendo, ficando “tarde” em um certo ponto do mapa e “noite” em outro. Por fim, coloque um check point para o evento a seguir. Lancelot: Já chega. Vamos parar por hoje e acampar. Daniel: FINALMENTE! Karin: Vamos montar as barracas. 29 WaterSaga: Roteiro
Eles montam, agora a cena vai para eles ao redor de uma fogueira com duas barracas montadas. Os três estão comendo. Daniel: Lancelot, sabe, estive pensando mais sobre o que você me falou em Sekirei. Lancelot: Prossiga. Daniel: Veja: Na história antiga, um herói chamado Gêngis Kham sitiou os povos Jin para conquistar a cidade deles. Era um meio pacífico; mas esses Jin tiveram que lutar para sair dessa situação, já que estavam morrendo de fome, se você entende o que digo. Lancelot: Eu entendi, mas está errado. Não há razão para a guerra, nenhuma, e seja qual for a injustiça que sua nação estiver cometendo contra a minha – exceto a guerra – minha nação estaria errada se começasse a guerra. Robin Hood, por exemplo, não poderia alegar que sua vítima era rica e ele o estava oprimindo‐o; portanto, por que uma nação poderia? As injustiças devem ser corrigidas pela razão, não pela força. Karin: Mas, bem, pode haver uma pessoa, ou rei, que descubra uma nova maneira de viver para os seres humanos – sabe, alguma coisa que será melhor para eles. Poderia até mesmo salvá‐los da destruição. Bom, se os seres humanos forem muito perversos ou estúpidos para aceitarem essa maneira, esse cara pode ter que forçá‐los a isso pela espada, no próprio interesse deles. Lancelot: Interessante. Mas, sabem, eu aprendi bastante com a história e, certa vez, antes da guerra, ouvi sobre a história de um austríaco. Ele havia inventado uma nova maneira de vida e se convenceu de que era quem ia fazer a coisa funcionar. Tentou impor sua reforma pela espada e mergulhou o mundo civilizado na miséria e no caos. Mas o que esse sujeito tinha esquecido, meu caro, era que ele teve um predecessor nesse negócio de reforma, chamado Jesus Cristo. Talvez possamos supor que Jesus sabia tanto quanto o austríaco sobre isso de salvar as pessoas. Mas o estranho é que Jesus não transformou seus discípulos em tropas de ataque, nem queimou o Templo de Jerusalém e nem pôs a culpa em Pôncio Pilatos. Ao contrário, ele deixou claro que o trabalho do filósofo era tornar as idéias acessíveis e não impô‐las. Daniel: Sabem, com tudo isso, conclui que não fomos nós que iniciamos a guerra. Foi Tsuben. Lancelot: Sim. Eles deram o primeiro ataque. E caso voltemos no tempo? Você sabe quem começou? Talvez esse primeiro ataque pós‐tratado seja apenas conseqüência da época pré‐tratado. 30 WaterSaga: Roteiro
Falando em guerras e mudando de assunto: sabem, voltar às missões me traz um pouco de nostalgia. A última missão ao qual estive envolvido foi a guerra final entre Lanstar e Tsuben. Karin: Interessante. Lancelot, por que você não fala um pouco sobre você? Eu estava pensando sobre não saber quase nada sobre sua história, apesar de você ser um espadachim tão famoso. Lancelot: Eu... sempre quis ser um super‐herói. As cenas vão aparecendo de acordo com o que Lancelot for dizendo; as letras aparecem no meio da tela (e não como fala); música triste até o fim do capítulo. Lancelot: Eu sempre tive um ideal. Um ideal que eu obtive no momento em que fui salvo por uma pessoa que nunca vi, em um momento em que a morte estava me envolvendo completamente. Há muito tempo, eu estava brincando com meus amigos, em minha pacata vila. Entretanto, um terremoto fez com que eu caísse de uma alta montanha. Meus ossos quebraram. Minha mente não funcionava. Minha morte era certa. Meu destino estava selado. Quanto tempo eu passei lá? Não sei. Talvez um dia? Uma semana? Uma hora? Não sei quanto tempo, minha mente não funcionava, apenas minha alma fazia com que eu ficasse lá, no meu lugar. As pessoas se esqueceram de mim. Talvez eu não fosse nada para ele. Eu estava sofrendo. Eu queria morrer. Eu não tinha para onde correr. 31 WaterSaga: Roteiro
Eu queria me levantar, mas não podia. Até que um homem chegou para mim. Eu nunca havia visto o rosto dele. Ele nem sequer era da vila onde eu morava. Ele apenas disse as seguintes palavras: “Eu sou um mágico, vou te curar.” E ele me curou. Eu me levantei e fui até a vila, vi que tudo estava destruído. Eu não sei se brotaram lágrimas de mim. Não me lembro de ter chorado. Apenas restava o desespero comigo, em meu corpo. Corri até minha casa, escavei os restos que haviam. Não havia nada, nem ninguém. Minhas lembranças estavam enterradas. Eu tinha que começar do zero. Aquele homem, que eu nunca tinha visto antes, chegou para mim e disse: “Você pode ir a um orfanato ou ficar comigo.” Em ambas opções, eu percebi que não saberia onde a minha escolha me levaria. Não conhecia o tal homem, tampouco o orfanato. Eu queria aprender com ele. Queria salvar vidas, eu me culpava pelo acidente. Talvez se eu não estivesse com meus ossos quebrados, eu poderia ter salvo alguém. Mas eu estava só. Escolhi viver com o homem. Resolvi aprender com ele. Ele me levou para sua casa, e eu fiquei ao lado dele durante muito tempo. Todas as vezes que eu dizia: “Eu quero ser um super‐herói”, ele apenas ria. Não dizia nada. Apenas me dava um abraço caloroso, com um sorriso que não vou esquecer. Ele me treinou incansavelmente para me ajudar a alcançar meu objetivo. Ele me ensinou a usar uma espada, a desviar ataques, a fazer ataques. 32 WaterSaga: Roteiro
Até que aquele homem, certo dia, se deitou na cama e fechou os olhos. Eu estava ao seu lado. O último gesto de sua vida foi levantar a cabeça e cochichar no meu ouvido: “Eu também queria ser um super‐herói.” Ele abaixou a cabeça e sua respiração parou.Uma morte tranqüila, talvez. Eu não chorei. Pedi a mim mesmo para não chorar por isso, apesar de que lágrimas saíram de meus olhos por um bom tempo. Mas eu apenas fiquei encarando àquele homem, como se ele pudesse acordar a qualquer momento. Mas ele não acordou. Eu o enterrei em sua própria casa, com a espada dele em punhos. Jurei a mim mesmo que faria o ideal dele, e agora meu, se tornar realidade, mesmo que eu tenha que pagar um preço alto. Eu virei um andarilho. Andei pelos dois continentes desse mundo procurando salvar o maior número possível de pessoas, fazendo o que eu chamava de justiça. Até que fui convocado para a guerra entre Tsuben e Lanstar. Matei pessoas para salvar mais pessoas. Irônico. No fim da guerra, eu percebi que o meu ideal não poderia existir. O mundo nunca ficaria sem conflitos; quanto mais você resolvia, mais conflitos ele criava. Também percebi que sempre é necessário um sacrifício para a maioria seja salva. Em um roubo, por exemplo, o ladrão será aquele que não será salvo. Eu sempre tinha que sacrificar um para salvar dez. Eu odiava isso. Entretanto, percebi que queria desistir dessa utopia no momento em que as pessoas que eu amava morreram. Estive lutando por esse ideal por muito tempo e não recebi nada em troca. Mesmo assim, continuei. Mas chegou um tempo em que cansei. Não podia mais agüentar. Foi aí que fui para a vila de Sekirei e, algum tempo depois, vocês me acharam. A cena volta para os três, na fogueira. Lancelot: Estou aqui, para tentar ajudar alguém e provavelmente para matar alguém. 33 WaterSaga: Roteiro
Eu ainda quero fazer com que o meu ideal se torne real. Não quero ferir ninguém. Karin: Entendo. Daniel: Lancelot, você não está errado. Siga seus ideais. Eles são seu motivo para viver. Se você ficar sem eles, o que te dará sustentação para viver? Karin: Exato. Cada pessoa tem seu motivo de vida, mesmo que para alguns esse motivo possa parecer tolo. Karin fica de pé e entrega uma arma a Lancelot. Karin: Aqui. Não vou te dizer: "Eu entendo a sua dor". A sua dor só pertence a você mesmo, não posso entendê‐la. Também não vou dizer: "Você só queria fugir da sua dor". É uma opção que todos os humanos fazem; viver na dor ou fugir da dor. É sua vida, portanto essa opção só cabe a você. Lancelot pega a arma. Karin: Daniel, vamos dormir. Deixe que Lancelot pense um pouco. Daniel: Karin, mas... Daniel olha um pouco para Lancelot, que está sentado. Daniel: Entendido. Os dois seguem para suas respectivas barracas e deixam Lancelot só. Lancelot fica sozinho, olhando para fogueira. As palavras voltam a ser escritas na tela, não como fala. Lancelot: 34 WaterSaga: Roteiro
Talvez eu tenha perdido mais do que ganhei. Talvez tenha valido a pena? Ou não? Talvez eu estava errado ao tentar lutar por meus ideais? Talvez eu estava certo ao pensar, após a guerra, que nem todos estão salvos? Tudo que vem a minha mente é a palavra: “Morra”. “Morra.” “Morra.” “Morra.” Eu realmente devo? Tudo que eu lutei serão apenas memórias? Eu nunca pedi nada. Eu nunca ganhei nada. Só fiz perdi. Sacrifiquei muitos dos que amo para obter algo que eu pensava que seria mais. Eu... A cena muda para a barraca de Karin, deitada no colchonete. Há um barulho de um tiro. Karin: Lancelot... Você não estava errado. *** Fim do Capítulo 5 *** 35 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 6 – Olhos de Medusa
É dia. Os dois saem da barraca. Não há ninguém lá, só a fogueira sem nada. Música triste ainda. Daniel: Lancelot... Karin: Ele fez a opção dele. Eu sinto muito por ele. Daniel: Eu não entendo. O que há de errado em lutar por algo que você acredita? Por que ele desistiu? Nem sempre vamos ter respostas às nossas perguntas. Eu não entendo. Karin: Idiota. Você não vai entender se pensar assim. Humanos são seres que gostam de se sacrificar em prol dos outros, apesar de que não perceberem isso sempre. Entretanto, algumas vezes eles se indagam se aquela ação realmente valeu à Eles odeiam sacrificar o que amam pelo desconhecido. Muitos matam um, pena. mesmo sendo alguém da família, para salvar dez. Tudo, caso seja necessário. Um mundo sem conflitos seria melhor, não? Entretanto, se não houvesse conflitos, não haveria heróis. Heróis não são aqueles que possuem super‐poderes, mas apenas os que possuem coragem para fazer um ato de bom grado, visto pela sociedade. Cada pessoa tem seu próprio julgamento do que é bom e do que é mau. Daniel: Eu não sei o que dizer. Karin: Bom, nem eu. Apenas vamos prosseguir nossa viagem. Daniel: Certo. Mas onde está o corpo dele? Karin: A natureza deve ter cuidado dele. Daniel: Entendo. Lancelot disse que sairemos da floresta caso seguíssemos a trilha. Vamos. 36 Fim da música triste. WaterSaga: Roteiro
Agora os dois seguem pelo resto da floresta; como sempre, cada mapa é uma vegetação diferente. Até que perto do fim da floresta está Liz, esperando pelos dois, com olhos fechados. *** Música de tensão *** Liz: Parados. Daniel: Quem é você? Liz: Experimento número 001, venha comigo. Karen: Mas é claro que ele não vai. Liz: Terei que levá‐lo a força, então? Daniel: Eu tenho uma missão a cumprir, deixe‐me passar. Liz: Se você não virá por bem, então virá por mal. Lutarei com você. Pegarei leve. Subaru: Daniel, cuidado. Ela é perigosa. Legaia: Nível aproximado: B. Daniel: Será mole. Vamos lá. Batalha. O jogador deve ganhar. Ao fim da batalha, Liz estará coberta de sangue. Liz: Nada mal. Entretanto, eu também tenho uma missão a cumprir. As manchas de sangue desaparecem. Daniel: Ela se recuperou. Karin: Impossível! Daniel: Não podemos desistir! Vamos de novo. Outra batalha; o resultado deve ser o mesmo. Liz está ferida novamente. Ao fim da batalha, ela se recupera. Música triste 37 WaterSaga: Roteiro
Karin: Ela se recuperou novamente! Liz: Humanos tolos, vocês não percebem quando algo não vai dar certo? Não compreendo porque vocês continuam tentando, mesmo sabendo o resultado final. Daniel: É porque nós dependemos desse resultado para proteger a quem amamos! Liz: Idiota. Essa frase foi bastante clichê. Daniel: Lancelot não estava errado ao pensar daquela forma. Eu te vencerei. Liz: Tente. Subaru: Cuidado! Nível aproximado: A+. Por mais que tentemos, por mais que falhemos, nunca desistiremos. Luta entre Daniel e Liz, no mapa mesmo, sem ser em battle mode.O jogador não controla, Liz ganha a batalha dessa vez. Liz: Você não pode me vencer, não importa o que faça. Daniel: Como você pode lutar de olhos fechados? Liz: Você quer ver meus olhos? Eu deixarei. Liz abre seus olhos, que são lindos. A música pára. Todos ficam parados. Ninguém se move. Liz: São os olhos de Medusa. Eles possuem o poder de petrificar qualquer pessoa que olhe diretamente a eles. Vocês não podem se mover. E é assim que vocês se separam. Liz chega perto de Karin e dá um soco no estômago. Karin voa longe. Liz chega perto de Daniel, petrificado, agora. Liz: Você vem comigo. Mão no comunicadorzinho =P Liz: Central, missão cumprida. Estou esperando apoio na Floresta Movediça, perto da saída da mesma. Central: Estamos a caminho. Liz: E é assim que a história termina. 38 WaterSaga: Roteiro
Você volta ao lugar de onde nunca deveria ter saído. Sua amiga morre. Talvez você tenha perdido mais do que ganhado, sabe? Tudo fica escuro. *** Fim do Capítulo 6 *** 39 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 7 – “Verdade”
A cena segue para Karin, que está deitada em uma cama. Ela acorda; Karin está com roupas diferentes, mais “casuais”. Karin: Legaia, você está bem? Legaia: Positivo. Karin: Faz quanto tempo que estou aqui? Voz: Ah, então você finalmente acordou. Karin: Quem é você? Uma velha senhora entra no quarto. Senhora: Desculpe‐me, não me apresentei. Eu sou Tatianne, e você? Karin: Meu nome é Karin. Onde estou e como cheguei aqui? Tatianne: Você estava desacordada perto da Floresta Movediça; meu filho estava de passagem e te achou por lá e trouxe você até aqui, a Vila Tardia. Karin: Vila Tardia? Onde ela fica exatamente? Não me lembro dela no mapa. Tatianne: Fica perto do gerador energético de Lanstar. Karin: Ah, me localizei mentalmente agora. Karin: Uma última coisa, há quanto tempo que estou aqui? Tatianne: Duas semanas. Os ferimentos que você levou no seu abdômen foram realmente chocantes. Karin: O QUÊ?! DUAS SEMANAS? Ela dá um pulo da cama. Karin: Tenho que ir o mais rápido possível até a Cidade Imperial. Tatianne: Cidade Imperial? Há alguns mercadores que vão até lá amanhã; por que você não pede a eles uma carona? Eles normalmente ficam na saída da cidade. Karin: Sim, eu tentarei. Obrigada pelo conselho, e pela hospedagem aqui. Tatianne: Meu marido nunca negava estadia a ninguém que precisasse. Eu apenas sigo os passos dele. 40 WaterSaga: Roteiro
Karin: Mesmo assim, muito obrigada. Tatianne: Certo. Agora vá. O jogador ganha controle de Karin e pode andar pela casa, até que quando ele chega à porta... Karin: AH! Agora que percebi. Tatianne, cadê minhas roupas? Tatianne: Aqueles trapos? Joguei fora. As roupas estavam totalmente rasgadas. E cá entre nós, essa sua roupa fica bem melhor em você. Seu corpo é lindo e perfeito. Eu queria ter sido assim quando era mais nova. O jogador ganha controle de Karin e agora pode andar livremente pela cidade, que é rústica e bem simples. Vale lembrar que na cidade existe uma torre gigantesca, que é a central energética do continente. Deixe com que os mercadores fiquem perto da saída da cidade. Quando o jogador se aproximar deles... Karin: Vocês. Quem viajará amanhã para a Capital Imperial? Um mercador dá um passo a frente. Mercador: Não te interessa. Karin: Eu sou da Agência de Prevenção de Desastres Sobrenaturais, tenho ordens de matar qualquer um que não queira me ajudar ou se meta no meu caminho. Mercador: Bem... Se você coloca as coisas desse jeito... Karin saca a arma e dá um tiro. O Mercador cai, e sangue mela o chão de areia. Karin: Preciso repetir novamente? Um outro mercador dá um passo a frente. Mercador: Eu irei lá amanhã. Encontre‐se comigo à noite, aqui. Karin: Perfeito. Quanto tempo levaremos para chegar até lá? 41 WaterSaga: Roteiro
Mercador: Um dia e meio. Karin: Eu quero doze horas, nem um segundo a mais. Mercador: Minha cara, se formos nesse ritmo, os animais morrerão. Karin: Não me importa, o Imperador poderá te dar novos animais. Mercador: Que seja, então. O jogador reganha o controle. Agora ele deve ir ao PUB. Quando chegar lá, o PUB está vazio... Karin: Vou ficar aqui até mais tarde... Barman, um copo de leite. E te darei uma boa gorjeta se você me contar sobre o que aconteceu nas duas semanas passadas. Barman: Claro. Karin vai pra mesa do barman. Barman: O Imperador está ao ponto de romper a “trégua” e declarar guerra a Tsuben por causa dos desastres recentes que andam acontecendo no nosso continente. Há rumores que dizem que uma pessoa foi seqüestrada; além disso, a Floresta Movediça foi destruída em uns 40%. Isso é tudo o que sei. Aqui é uma vila pacata, poucas notícias chegam aqui; e nem sempre todas são confiáveis. Karin: Entendo... Karin: Bom, vou ficar lá na mesa pensando um pouco. Karin fecha os olhos e tudo fica escuro. ?????: Apenas siga minha voz... Karin aparece na escuridão e fica andando para todos os lados. ?????: Isso, continue... Após um tempinho, ela volta ao mundo real. Está perto da torre energética. Ela abre os olhos e se vê praticamente de frente a torre do gerador. Karin: Como diabos vim parar aqui? 42 WaterSaga: Roteiro
Ela coloca a mão na torre. Tudo começa a mudar de cor repentinamente e (mais uma vez), ela fica no escuro. Imagens de diversos lugares aparecem rapidamente. Legaia aparece na escuridão e fica de frente a Karin. Karin: Le... ga... ia... Legaia: Karin, com os recentes acontecimentos, há coisas que você precisa saber. Legaia: Nós, Limiters, não somos entidades criadas por humanos e sim por um ser maior. Algo que vocês, humanos, conhecem por “Deus”. Karin: Então como vocês possuem corpo físico? Teorias metafísicas dizem que seres superiores não possuem corpos. Legaia: Isso foi nos dado pelos humanos, que nos forçaram a estar em objetos assim. A existência dos Limiters é um erro. O Império de Tsuben iniciou essa pesquisa, que foi roubada por Lancelot em sua última missão, e terminada em Lanstar. Nós fomos inicialmente criados com a intenção de administrar a energia incontrolável que vocês atingiram com essas torres. Karin: Não consigo entender. Legaia: Um físico chamado John Frederick conseguiu abrir um vórtice entre essa dimensão e a nossa. Desconheço detalhes, mas diversos seres saíram de lá. Incluindo aquela garota que seqüestrou Daniel. Alguns desses seres eram nós, Limiters, que saímos em forma de pura energia. Alguns humanos conseguiram nos capturar e aplicar em outros. Adultos e crianças foram testados. Quanto mais novo, melhor era o desempenho físico‐mental de uma pessoa. Aplicaram em fetos: os seres que saíram eram tão poderosos que tiveram que nos aprisionar nesses dispositivos para controlar o fluxo de energia. Karin: Certo, mas por que você está contando isso a mim? Legaia: Ao que parece, o Imperador de Tsuben, juntamente àquela garota, aparentam estar tentando a acessar a dimensão superior e usando Daniel como uma chave. Nós, Limiters, sentimos isso. Não só eu, como Subaru também. Desconheço mais informações quanto a isso; estou te falando o que sei. Salvar Daniel é uma prioridade. Karin: E o que existe nessa “dimensão superior”? Legaia: Akasha. O espaço cósmico capaz de governar os desejos de cada um dos seres do multiverso. Karin: IMPOSSÍVEL! AKASHA NÃO EXISTE! 43 WaterSaga: Roteiro
Legaia: Existe, sim. Os Limiters são a prova viva disso. Eles saem da torre e Karin volta ao bar, ela está numa mesa sentada sozinha, pensando. Karin: Merda. O que eu faço? É noite. Karin: Barman, que horas são? Barman: Faltam 15 minutos para as 19 horas. Karin: Certo. Estou indo, obrigada pelos seus serviços. Barman: Digo o mesmo pela gorjeta. A cena muda para Karin e o Mercador, perto da saída da cidade. Mercador: Preparada? A viagem não será fácil. Karin: Sempre estou. Karin entra no veículo do mercador e este começa a andar. A cena mostra o veículo (acho que pode ser uma carroça “chique”) andando pelo deserto rapidamente até a Cidade Imperial. Karin: Certo, Daniel estará no laboratório central de Tsuben. Isso é uma certeza. O problema reside em como acessá‐lo... Bem, estou sem idéias. Vou esperar chegar à Cidade Imperial de Lanstar para ter uma audiência com o Imperador e pedir ajuda ao mesmo. Karin: Lancelot, por que você se matou?! Só porque precisamos de você! *** Fim do Capítulo 7 *** 44 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 8 – “Interlúdio 1”
Aparece um nome na tela totalmente preta, dizendo “Interlúdio – Início” e depois desaparece. A cena segue para Daniel, que está em uma cela “hi‐tech”, toda de vidro, sentado, de cabeça baixa, algemado e usando roupas totalmente brancas. Há um barulho da porta se abrindo. É Liz. Liz: Garoto, se você pudesse ter apenas um desejo realizado agora, o que você escolheria para ser realizado? Daniel: Eu... Ele olha para cima e depois para baixo por um tempo. Daniel: Eu não sei. Liz: Você sequer tem um sonho ou uma ambição para realizar, e mesmo assim age dessa forma? É patético. Acho que nunca vou conseguir entender aos humanos. Vocês amam coisas que apenas fazem vocês sofrer, mesmo sabendo disso. Por quê?! Responda‐me. Daniel: Eu não sei. Liz chega para ele e dá um tabefe na cara. Liz: Eu quero respostas. Daniel fica apenas encarando‐a. Liz: Entendo. Você não quer falar. Liz começa a sair, quando ela chega perto da saída... Daniel: Se você não entende aos humanos, o que você é? Liz olha para ele e sai. Há o barulho da porta se fechando Agora aparece as letras na tela, sem ser como falas. 45 WaterSaga: Roteiro
Música triste começa. Todas as vezes que me lembro daqueles olhos abertos, lembro‐me dos olhos de Lancelot. Olhos que tentam ocultar a tristeza por trás deles. Olhos de um rosto que nunca viram um sorriso. Todos os humanos possuem direito de ser felizes, mas nem sempre o são, certo? Entendo... Aquela garota não é humana. Ela apenas possui um corpo de um ser humano, mas sua alma é algo totalmente diferente. A alma é o que controla o corpo. Você pode ter mil corpos, mas tendo a mesma alma, você ainda será a mesma pessoa. Eu nunca perguntei o nome dela. Talvez ela não tenha. Ou apenas seja um nome falso que inventaram para ocultar sua história. Não sei. Quanto mais penso sobre as coisas ao meu redor, mais percebo que não sei de nada. Eu não sei. Eu não sei. Eu apenas quero respostas às perguntas que tenho. Isso é natural a todos, não? De alguma forma, começo a sentir simpatia por aquela garota. O portão da cela abre novamente. Dois guardas entram. Guarda: Daniel, está na hora de seus testes. Daniel se levanta e sai com o guarda. Tudo fica preto, aparece o nome “Interlúdio – Fim” e a cena muda. *** Fim do Capítulo 8 *** 46 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 9 – “Ajuda”
A cena segue para a entrada da Cidade Imperial; Karin e o Mercador chegam lá. Karin: Faz bastante tempo que não venho aqui. Não mudou nada. Mercador: Não sabia que você esteve aqui. Quando foi isso? Karin: Na minha formatura de entrada da Agência, mas não explorei muito a cidade. Essa arquitetura é bem esquisita na minha opinião. Mercador: De fato, é bem incomum. Essa cidade era a vila de Machu Pichu (não dá pra colocar que é China, oras, a China está em Tsuben!), que foi reconstruída pouco antes da guerra, por isso a arquitetura. Ela vem sendo preservada. É uma bela cidade. Karin: Concordo. Mercador: Bom, vou te deixar por aqui. Karin: Obrigada. Karin anda rumo ao castelo. Mercador: Ei! E quanto aos meus animais? Droga, ela já foi. A cena muda para Karin chegando ao portão do castelo, rodeado de guardas. Música para “esquentar”. Karin: Karin von Liffercen pede para que abram os portões. Guarda: A não ser que você tenha uma audiência marcada com o Imperador, pedido negado. Caso contrário, pedimos para que volte. Karin: Heh. Isso está fora de questão. Guarda: Se é assim que você quer, prepare‐se! Começa uma batalha, Karin V.S. Guarda. O jogador deve ganhar. Vou forçar o caminho. Karin: Vamos, quem é o próximo? 47 WaterSaga: Roteiro
Outra batalha. Ela ganha. Karin: Vocês me dão nojo de tão fracos. Como podem se julgar Guardas Imperiais? Guarda: Ora, sua... Outra batalha. O jogador ganha. Karin: Venham. Vários guardas se aproximam dela, ela apenas dá um pulo sobre a cabeça de um e entra no castelo e começa a correr para dentro do castelo. Karin: Não tenho tempo a perder. Devo ir a Sala do Trono o mais rápido possível. Faça disso um mini‐game, onde vários Guardas perseguem o jogador no castelo e toda vez que o toca, uma batalha inicia. O castelo fica a critério do mapeador, ele só deve ser grande e deve ter a Sala do Trono, onde ocorrerá o evento abaixo. Na sala do trono, ela corre sob o tapete vermelho, e atrás dela tem três guardas. O Imperador está no trono e há uma mulher‐ninja ao lado dele. Imperador: Quem é você? Karin: Majestade! Ordene para que parem com esse ataque! Guarda: Desista! *** Batalha – Karin V.S. 3 guardas *** Karin: Majestade, eu sou Karin von Liffercen, da Agência de Prevenção a Desastres Sobrenaturais. Mais guardas entram na sala. 48 Guarda: Parada! WaterSaga: Roteiro
*** Batalha – Karin V.S. 2 guardas *** Karin: Eu vim pedir ajuda para me infiltrar no Império de Tsuben! Ninja: Guardas, parem! Eu lutarei com ela. *** Batalha – Karin V.S. Ninja *** A batalha deve parar antes de qualquer uma das duas morrer. Agora a cena volta para as duas batalhando no mapa (sem intervenção do jogador). A ninja aparenta levar vantagem, e quando Karin vai revidar... Imperador: Já chega! Já pensei no que fazer. Parem de lutar! Karin: Finalmente! Imperador: Karin von Liffercen, você está sob os cuidados do castelo por hoje. Garantirei sua segurança. Meus serventes a levarão até seus aposentos por hoje. Gostaria de falar contigo mais tarde, após você estar recuperada. Karin: Sim, majestade. Karin se ajoelha (sei lá o nome daquela saudação) e depois, coloca o braço no peito (também não sei o nome disso), se levanta e anda para fora da sala. Agora a cena segue para o quarto de Karin. Uma música relaxante deve tocar. Karin está de toalha, trocando de roupa. Ela se deita na cama após se trocar. Karin: Uma cama macia e roupas limpas! Que relaxante! Ela se levanta e olha a janela. Karin: Nunca pensei que estaria nesse castelo novamente. Essa vista é maravilhosa! Karin: Bom, devo me encontrar com o Imperador. Karin: Mas... Onde que é a sala de jantar mesmo? O jogador a controla por agora, deixe‐o explorar tudo até achar a sala de jantar. 49 WaterSaga: Roteiro
Ao entrar na sala de jantar, a cena muda para todos (Imperador, Ninja, Karin, a Mulher do Imperador e convidados) sentados numa mesa retangular. Obviamente, o Imperador deve ficar na parte de menor lado da mesa, algo tipo: Imperador: Então, Karin, relate‐me tudo o que aconteceu. Karin: Sim, majestade. Tudo fica preto por um tempo. Imperador: Entendo. Lamento por Alexander. A cena volta à sala de jantar. Imperador: Entretanto, antes de te ajudar, preciso saber: O que a A.P.D.S. deseja que você faça lá? Karin: Hackear o mainframe deles e verificar quais projetos estão desenvolvendo para nos atacar. Segundo nossos espiões, eles estão próximo ao estágio final de um projeto que o governo de Tsuben considera como ultra‐secreto. Dizem que, caso esse projeto tenha informações vazadas, o indivíduo que vazou, todos os parentes dele em até terceiro grau e igualmente para a pessoa que ele vazou, serão executados. Karin: A tecnologia de Tsuben está a frente de nós em alguns aspectos, entrar lá será uma tarefa muitíssimo complicada. Imperador: Entendo. Bem, sendo assim, devo te ajudar nessa missão. Você deverá partir amanhã cedo; dar‐te‐ei novas roupas, equipamentos e peço para que aceite o acompanhamento de minha melhor cavaleira, Sakura. 50 WaterSaga: Roteiro
Ela é especialista em disfarces, infiltrações e combates. Você não terá muitos problemas junto a ela. Karin: Sim, senhor! Essa ajuda veio em boa hora. Sakura: Prazer. Sakura é uma garota linda, branca, com cabelos longos e ruivos. Ela usa roupas leves. Sakura: Estou sempre preparada para tudo. Partiremos amanhã, assim que você estiver pronta. Imperador: Por hoje, vamos apenas jantar e descansar. Você teve um dia cansativo, mas deverá se apresentar a mim amanhã, antes de partir. Todos começam a comer. Tudo fica escuro. *** Fim do Capítulo 9 *** 51 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 10 – “Interlúdio 2”
Aparece na tela: “Interlúdio – Início”. A cena vai para uma sala de laboratório. Daniel está preso em um daqueles tubos de vidros gigantes para examinação. Há vários cientistas na cena, alguns no computador, outros andando. Cientista 1: Exame físico, completo. Cientista 2: Exame mental, completo. Cientista 3: Exame de Akasha, completo. Liz: Ótimo. Faça com que ele eleve seu poder ao máximo e depois mexam no cérebro dele, Corpo em perfeito estado. Mente em perfeito estado. Nível de Akasha insuficiente. faça com que ele esqueça todos os sentimentos e vire uma máquina, preparada para destruir e subordinada apenas a mim. Cientista 2: Sim, general. Sons de computador. Alguns raios aparecem onde Daniel está. Voltam a aparecer as letras na tela, sem ser como fala. Daniel: Eu me lembro dessa dor. É a dor que eu senti quando era pequeno. É a dor que eu senti quando perdi aquele a quem amava. Minha mente sempre dizia para eu morrer, mas meu corpo não deixava. Ou seria que meu corpo me dizia para eu morrer, mas minha mente não deixava? Isso não importa. 52 WaterSaga: Roteiro
Eu fiquei vivo. Eu fiquei vivo porque percebi que tinha um objetivo a cumprir, naquele momento. Eu fiquei vivo porque queria expressar esse meu sentimento a todos. Eu não sabia como fazer isso. Cientista 1: Ele está resistindo. Cientista 4: Fantástico, poucas pessoas conseguem esse feito. Liz: Não desistam, em algum momento ele terá que ceder. Daniel cai de joelhos, sangue começa a aparecer ao redor dele. Daniel: Se eu morrer agora, tudo o que fiz será em vão. Se eu morrer agora, tudo o que me fizeram será em vão. Se eu morrer agora, perderei todas as minhas memórias. Eu não posso morrer. Eu não devo morrer. Eu não vou morrer. O vidro no qual Daniel está explode em vários cacos. Liz: Impossível, como ele consegue se proteger disso? Daniel: Dizem que isso se chama “força de vontade”. Karin virá me salvar. Eu irei te matar, nem que eu tenha que perder tudo para Você não é humana. Você é perfeita, não erra. Mas a perfeição é o maior dos defeitos. Ela te traz solidão. Talvez seja por isso isso. que você não entenda aos humanos. Eu unificarei os dois impérios e trarei a paz a todos, nem que isso custe minha vida. Essas guerras atuais são ridículas. Não quero ver mais pessoas sofrendo. Liz: “Negar a existência de um fato e pagar a existência do tudo”. Você sabe o que você é? Daniel: Não. 53 WaterSaga: Roteiro
Liz: Deixe‐me te contar brevemente. Liz chega perto dele e agacha‐se e toca na cabeça dele. Eles dois estão em um lugar com céu na cor do pôr‐do‐sol (laranja) e piso de mármore. Nesse lugar estão Daniel e Liz (transparentes) e mais uma pessoa (o físico, no caso) com uma máquina ao lado dele. Daniel: John Frederick! Frederick: Vejamos. Ao usarmos a Teoria do Tudo para anularmos as quatro forças físicas existentes em um raio de 2 metros no céu, esse universo será rasgado por outro que tentará consumi‐lo, desencadeando na reação uma energia tendente ao infinito. Testemos... Ele mexe na máquina e um arranhão aparece no céu. De lá, sai muito pó. A quantidade de pó vai diminuindo e, no final, lá estão duas pessoas juntas: Liz e Daniel, ambos nus. Frederick: O que são eles... Como vieram de lá? Vou chamar alguém para ajudar a carregá‐los e levá‐los para Tsuben. Agora, a cena vai para o laboratório de Tsuben, na sala onde Liz e Daniel estão entubados. Mostra a parte fora daquela sala, onde está Young Lancelot lutando com os guardas de Tsube, entrando na sala e roubando Daniel. Após isso, mostra ele deixando‐o na A.P.D.S. e falando com Young Bill: Lancelot: Bom, acabou. Estou parando de guerras. Bill: Por quê? A Agência precisa de você, Lancelot. Lancelot: Mas eu não preciso dela. Nem de guerras. A cena volta para Liz e Daniel, no laboratório. Liz: Entende agora? Você sequer faz parte dessa dimensão. Daniel: Eu... Eu... Daniel coloca as mãos na cabeça e grita. Daniel: AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! 54 As minhas memórias... WaterSaga: Roteiro
Os meus sonhos... São todas meras mentiras? Liz (com um sorriso): É o que parece. Daniel: Desgraçada. O que você quer comigo? Liz: Nossa, como você é lento. Nós não podemos voltar a nossa dimensão, a não ser que um de nós sirva de chave para ela. Farei com que você seja essa chave. Tudo o que você fez, tudo o que você viveu... são meras mentiras. Tudo. Liz dá um chute em Daniel. Ele cai inconsciente. Liz: Cientistas, ajeitem esse laboratório o mais rápido possível! Quero resumir o processo imediatamente! Cientistas: Sim, general! Aparece na tela “Interlúdio – Fim”. *** Fim do Capítulo 10 *** 55 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 11 – “Clichê”
A cena vai pra Karin em seu quarto no castelo, onde há algumas roupas na cômoda. Karin: Roupas! ISSO! Ela troca de roupa, as roupas agora são pretas e dão um ar de mais poder. Karin: Bom, está na hora de partir, vamos a Sala do Trono. Jogador controla Karin até a Sala do Trono. Lá ela se ajoelha perante o Imperador. Karin: Majestade, estou me apresentando. Peço permissão para me retirar do castelo. Imperador: Permissão concedida. Karin: À vontade, majestade. Entretanto, gostaria de pedir uma coisa. Imperador: Peço para que cuide de Sakura que, apesar de ser uma excelente cavaleira, não deixa de ser minha filha. Karin: Sua filha?! Então aquela é a famosa Sakura Lanstar?! Imperador: Sim. Mas, mudando de assunto, estou te dando novos equipamentos e tudo que for necessário para essa missão. Infiltre‐se em Tsuben, descubra o que eles estão planejando quanto à invasão aqui e o que eles querem com Daniel. Conto com você. Karin: Sim, majestade! Imperador: Pode pedir. Karin: Como a missão é de alto risco, preciso de mais poder. Entretanto, para Agora, se me permite, gostaria de pedir apenas uma coisa. aumentar o nível do Limiter, preciso da permissão de alguém de categoria maior que a minha. Imperador: Qual o nome de seu Limiter? Karin: Subaru. Imperador: Subaru, permissão condedida para uso até nível 3, caso seja necessário. Subaru: Perfeitamente. Imperador: Mas, Karin, você sabe que quanto maior o poder liberado por um Limiter, maior o estressa causado no corpo do invíduo que o usa, encurtando bastante sua vida. Então, apesar de você ter acesso até um alto nível, evite usá‐lo. 56 WaterSaga: Roteiro
Karin: Sim, majestade. Imperador: Sakura está te esperando na saída do castelo. Não queria que ela ouvisse minha conversa com você. Vocês irão de veículo até a Cidade Portuária de Natal. Karin: Certo! O jogador controla Karin até a saída do Castelo, onde Sakura espera. Karin: Alteza, vamos? Sakura: Não me trate assim. Chame‐me apenas de Sakura. Karin: Bem, se você diz... Karin: Sakura, vamos? Sakura: O veículo nos espera na saída da cidade; faça seus preparativos e vamos até lá. Karin: Certo. Jogador tem controle de Karin e pode explorar a cidade. Veículo está na saída. O veículo lembra um jipe. Sakura: Vamos! Na hora que elas montam no jipe e estão saindo, o mercador que estava com Karin aparece correndo. Mercador: Ei! E meus animais? Tarde demais, o jipe já havia ido. Mercador: Droga... Agora nunca sairei daqui. A cena muda para ambas andando no jipe no deserto por um tempo, até que uma “minhoca” gigante surge na frente do jipe. O jipe pára instantaneamente em um cavalo de pau e as duas descem dele. Karin: Droga, isso já está virando clichê. As piores coisas sempre acontecem nos momentos inapropriados. 57 WaterSaga: Roteiro
Sakura: Pois é, irmãzinha. Vamos tirar essa centopéia do caminho. Karin: Legaia, faça um scan. Legaia: Scan realizado! Nível: C. Sakura: Ótimo, vamos lá. *** Batalha – Sakura + Karin V.S. Minhoca Metálica *** Ao derrotar a tal minhoca, ela quebra o jipe e depois mergulha na areia do deserto, desaparecendo. Karin: Mas que diabos... Sakura: Agora não temos muita opção a não ser andar. Temos um suprimento limitado de água, não podemos desperdiçar muito tempo por aqui. Karin: Entendo. Sakura: Se formos a um bom ritmo, levaremos pouco mais de 9 horas. Karin: Certo, vamos. Em quanto tempo você acha que chegaremos até Natal? O deserto é um dungeon. Como tudo diz, é um deserto de areia. Jogador controla as duas pelo deserto, até a cidade de Natal. Perto do fim, aparece a minhoca novamente. Karin: Desgraçada! Devolva nosso jipe! Sakura: SIM! VOCÊ FEZ NÓS ANDARMOS TUDO ISSO A PÉ. A minha joga o jipe em direção a elas, mas se esquivam. Karin: NÃO DESSE JEITO! MINHOCA MÁ! MINHOCA MÁ! Sakura: VOCÊ QUERIA NOS MATAR?! SUA DESGRAÇADA! Karin: ISSO NÃO SE FAZ COM DUAS BELAS SENHORITAS! MÓCREIA! Sakura: NÓS VAMOS ACABAR COM SUA RAÇA! INSETO NOJENTO! Karin: SIM! SÃO DUAS CONTRA UMA! SEM CHANCE DE VOCÊ NOS VENCER. 58 WaterSaga: Roteiro
Saem então quatro minhoquinhas. Sakura: Karin... Er... Corrigindo: São cinco contra duas. Karin: Tem razão... Sakura: Vai correr? Karin: Não tenho motivos para isso. E você? Sakura: Também não. Vamos ter nossa vingança. Começa a batalha – Karin + Sakura V.S. Minhoca grandona e filhos Ao fim da batalha, o resto do deserto (sem monstros) leva para a Cidade Portuária de Natal, onde, na entrada, acontece o evento a seguir. *** Fim do Capítulo 11 *** 59 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 12 – “Memórias de uma Princesa”
Letras vão aparecendo e a cena vai agindo de acordo com o que é dito. Música melancólica. Era inverno. Eu havia nascido, mas meu pai não sabia se deveria ficar feliz ou triste. Feliz pelo fato de ter tido sua primeira filha. Triste pelo fato de que o herdeiro do trono deveria ser um garoto. Afinal, garotas não podem governar. Por quê? Não sei. Nunca me deram uma resposta a isso. O meu pai bem tentou esconder que eu era uma garota, mas foi inevitável. Com alguns meses, o império sabia que eu era a filhinha do Imperador. Por alguma razão, meu pai não conseguia fazer minha mãe florescer com um filho. Seria um problema do meu pai? Seria um problema da minha mãe? Ninguém sabe, afinal. Eu cresci sabendo que nunca poderia assumir o lugar de meu pai. Afinal, garotas não podem governar. Eu cresci sabendo que teria que me tornar uma dama chata. Afinal, garotas não podem governar. Eu cresci sabendo que nunca poderia decidir o futuro de alguém. Afinal, garotas não podem governar. 60 WaterSaga: Roteiro
Mas eu decidi quebrar essa burocracia inútil. Resolvi me tornar uma guerreira. Afinal, garotas não podem governar. Quando contei isso ao meu pai, ele sorriu. Alegria? Emoção? Tristeza? Quem sou eu para ler a mente dos outros? Talvez ele não quisesse deixar que isso acontecesse, mas ele era meu pai. Ele não podia resistir àquela carinha meiga de sua filha. Eu entrei no exército, como sendo um garoto. Afinal, garotas são delicadas e não podem lutar. Pouco a pouco, fui crescendo em habilidade. Chegou uma hora que ninguém podia me superar. Mesmo assim, ninguém suspeitava de meu sexo. Afinal, garotas são delicadas e não podem lutar. Eu não via mais meu pai fazia um bom tempo. Ele também não veio me ver. Talvez ele tenha se esquecido de mim? Não, duvido. Todas as vezes que saia para missões, seja para derrotar monstros ou deter ladrões, eu ficava feliz ao ouvir aquele “Obrigado” caloroso das pessoas que precisavam. Eu percebi que tinha uma missão para com eles. Eu queria protegê‐los. Eu queria amá‐los. Eu queria cuidar deles, dar tudo por eles. Eu queria ser uma Imperatriz, mas não podia. Afinal, garotas não podem governar. Alguns anos depois, consegui chegar ao posto de chefe da Guarda Imperial. Ao ver meu pai, a única pessoa que sabia que a tal chefe era eu, ele me disse, em voz baixa: “Estou orgulhoso por você.” 61 WaterSaga: Roteiro
Talvez ele diga isso a qualquer pessoa que faça tal feito. Entretanto, eu não ligo. Aquilo foi especial para mim. Não vou esquecer‐me das lágrimas de emoção que ele tentou esconder quando me viu chegando como a melhor guerreira de todo o império. Afinal, garotas não podem governar. Afinal, garotas são delicadas e não podem lutar. Eu amava meu pai. Ele me amava. Quando ele estava doente, eu estava sempre ao lado dele. Quando eu estava doente, ele estava sempre ao meu lado. Talvez as pessoas não saibam, mas o sexo de uma pessoa não altera a força de vontade. Qualquer um pode ser o que quiser. Eu era a guerreira que era um guerreiro, que protegia o Imperador. Meu pai. Mesmo sendo filha do Imperador, nem todos os meus desejos se realizavam. Isso me atormenta. Mas eu ainda não vou desistir dos meus sonhos. *** Fim do Capítulo 12 *** 62 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 13 – Natal
Nossas personagens chegam a Natal. Karin: Certo, Sakura, qual o plano? Sakura: Plano? Nunca tive nenhum. Karin: Você está de brincadeira! Sakura: A única informação que tenho é que, após cruzarmos a ponte, não teremos mais como voltar. Tudo será mudado. Nosso destino. O destino de todos ao nosso redor. Você quer mesmo isso? Karin: Sim. Viemos aqui para um propósito, não podemos desistir. Estamos mais perto do que longe. Sakura: Ver os guardas daqui me deu uma idéia. Vamos nos infiltrar na base central como soldados de Tsuben. Karin: Entendi. Vamos. Não há nenhum evento especial aqui. Só há uma ponte para o jogador atravessar. Atravessando a ponte (que é um pouco longa e é reta, mas sem monstros), elas chegam à outra cidade, totalmente diferente da anterior. Natal era uma cidade simples, rústica. Essa outra é totalmente “robótica”. Não há hospitalidade alguma de seus habitantes. Sakura: Vamos ao bar, normalmente há soldados por lá. Karin: No nosso caso, precisamos de uniformes femininos. Sakura: Você ficaria bem de qualquer jeito, Karin. Karin: Isso foi um elogio? Sakura: Entenda como quiser. Jogador deve ir ao bar... 63 WaterSaga: Roteiro
Quando ele chega lá... Soldado: Vejam! Duas garotas lindas! Soldado 2: Vamos estuprá‐las! Karin: Tentem. Começa uma luta. Karin + Sakura V.S. 2 Soldados. Ao fim da luta, elas vestem os uniformes dos soldados e eles ficam só de roupa de baixo. Karin: Odeio isso. Sakura: É, mas eu queria ser um. Karin: Eu não sei o que te dizer, honestamente. Sakura: Não precisa dizer nada. A vida já o fez. Karin: Sakura... Sakura: Vamos pegar carona como soldados e chegar até a Capital Imperial daqui. Karin: Certo. Vamos resgatar Daniel. Vamos acabar com essas guerras de uma vez por E, aparentemente, elas nem são daqui! Homens que dizem serem fortes só porque são homens. Você não sabe o quanto eu me amargo por não ser. todas. Sakura: Esses foram nossos objetivos desde do início, não? Karin: Sim. Elas saem do bar. A cena agora segue para elas entrando em um carro flutuante, que segue seu caminho por uma rodovia. E fica lá, andando, andando, andando. Andando, andando, andando, passando por diversos tipos de terrenos. Ninguém diz uma palavra. Até que o carro chega à entrada da cidade. O carro pára na frente. Karin e Sakura descem. Karin: Uau! Essa entrada é linda. Sakura: Os historiadores afirmam que essa é uma das cinco maravilhas do mundo. Karin: Quais as outras quatro? 64 WaterSaga: Roteiro
Sakura: A construção dos dois geradores energéticos, a arquitetura externa do Castelo Imperial de Lanstar e a Floresta Movediça. Karin: Sakura, antes de entrarmos, eu gostaria de te dizer uma coisa. Sakura: Pode falar. Karin: Saiba que, independente do que houver, não deixarei você ficar sozinha. Sakura: Obrigada. Viemos aqui juntas, vamos sair do mesmo jeito. Karin: Isso! E as duas entram na cidade, pela faixada, sob o som de uma música melancólica. *** Fim do Capítulo 13 *** 65 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 14 – Interlúdio 3
Uma música “militar” começa a tocar. Aparece uma vista da cidade imperial de Tsuben e logo aparece o letreiro: Cidade Imperial de Tsuben Conferência com o Imperador A cena segue para dentro da sala de conferências. Há várias pessoas sentadas, olhando a um palco. Anunciante: E agora uma conferência com o LXXIV Imperador de Tsuben, vossa majestade Johannes von Tsuben. O Imperador de Tsuben, um senhor alto de cabelos brancos, fisicamente forte, entra caminhando no palco. Todos aplaudem. O Imperador para diante do centro do espaço reservado a ele. Imperador : As pessoas negligenciam o mundo! E, por isso, ele está cheio de mentiras! “Não se deve matar.” “Não se deve roubar. Não se deve levantar falso testemunho” “Não se deve cometer adultério.” Tudo isso são mentiras, todas decepções. “Eu não quero ser morto.” “Eu não quero ser uma vítima de roubo.” É por isso que eles usam mentiras como justiça e moral para proteger seus egos fracos. A verdade original é a sobrevivência do mais forte, a seleção natural. Alguém deve se devotar a ela, seja humano, o poder ou o próprio mundo! Nós iremos destruir essas mentiras do mundo e trazer a verdade à tona! Glórias à Tsuben! 66 WaterSaga: Roteiro
A cena segue para Liz e seu centro de comando. Pessoa 1: General, dois soldados não‐identificados entraram no castelo. Liz: Uma deve ser a amiguinha de Daniel, a outra não faço idéia. Mas não importa. Terei diversão com elas. Liz se retira da sala e vai falar com Daniel, que ainda está trancafiado em uma sala... ******************************** Continuar aqui *** Fim do Capítulo 14 *** 67 WaterSaga: Roteiro
Capítulo 15 – Preço
Ok, só pra lembrar: •
Daniel, Lancelot usam espadas •
Sakura a mistura de lança+arma de fogo •
Karin usa arma de fogo •
Liz não tem nenhuma arma específica Isso é importante nesse capítulo. Bom, Sakura e Karin estão disfarçadas de soldados e estão no castelo. Karin: Certo, aqui temos dois objetivos. Temos que descobrir o que Tsuben planeja em relação à Lanstar e salvar Daniel. Sakura: Entendido. Não há uma ordem específica para isso. Karin: Vamos nos dividir, cobriremos uma maior área em um tempo menor. Sakura: Certo, se tivemos algum problema, basta fazer algum alarde e nós tentaremos procurar a outra e fugir. Se não tivermos, vamos nos encontrar aqui. Karin: Exato. Boa sorte, Sakura. Sakura: Boa sorte, Karin. Cada uma anda pra um canto diferente e tudo fica escuro. É perguntado ao jogador: Qual das duas você quer controlar primeiro? •
Karin •
Sakura Se o jogador escolher Karin, veja a “Parte Karin” e, após o fim do evento, dê o controle de Sakura à ele. Se ele escolher Sakura, faça o oposto. 68 WaterSaga: Roteiro
“Parte Karin”
O jogador está com o controle de Karin em certa parte do castelo (que é totalmente “hi‐tech”). Não há monstros no castelo, caso contrário ficaria sem sentido (já que ela está disfarçada de soldado por algum motivo). O fato é que ela terá que ir até a “prisão” do castelo onde Daniel estará em uma delas, deitado. Quando o jogador se aproximar de Daniel, ele será puxado por um vortex e irá para outro mapa, a mente de Daniel. A mente é, basicamente, um lugar colorido e estranho com infinitos labirintos e caminhos, com escadas e pisos mudando de lugar todo o tempo, se movendo. É a última dungeon do jogo. Tudo fica em cima de um “vazio”. De qualquer forma, logo ao chegar lá, Karin fala: Karin: Como vim parar aqui? Daniel: Bem‐vinda ao meu mundo, Karin. Daniel aparece no canto da tela, aproximando‐se de Karin. Karin: Daniel! Karin corre até ele. Karin: Como assim “meu mundo”? Daniel: Aqui é onde todas as minhas idéias passam. O pessoal de Tsuben me prendeu na minha própria mente. Logo, não tenho como sair sem ajuda. Karin: Mas agora estou aqui. Como se faz para sair? Daniel: Não parece óbvio? Basta achar a porta de saída. Karin: Onde ela está? Daniel: É um problema. Não sei. Karin: Idiota. Você não conhece sua própria mente? Daniel: O problema é que ela é enorme, eu me perco aqui. Karin: Então eu posso me perder também? 69 WaterSaga: Roteiro
Daniel: É provável. Karin: Bom, não tenho tempo a perder. Existe uma pessoa que depende de nós. Vamos. Daniel: Sim, senhora. Bom, agora é Daniel e Karin no grupo. O jogador controla ambos. Os monstros que habitam por lá são... sei lá, tava pensando em aberrações, coisas que misturam apenas formas coloridas (não sei como explicar). De qualquer forma, faça o mapa ser bonito e bem difícil de se passar, com vários caminhos falsos, etc. Enfim, o que eu quero é que, em certa parte dessa dungeon, só haja uma linha reta para seguir e, no fim desta, haja duas bifurcações de escada, uma para cima e outra para baixo. Algo desse tipo: O desenho ficou feio, mas acho que dá pra entender. O ponto vermelho são os personagens e a seta indica o sentido para qual estão andando. Chegando mais próximo... Karin: E então temos dois caminhos a seguir. Daniel: Vamos para baixo. Karin: Por quê? Daniel: É o caminho correto. Karin: Como você pode afirmar com tanta convicção? Daniel: Eu já estive aqui, e fui por cima antes. Não há nada lá. Karin: Entendo. Vamos fazer como você diz, então. 70 WaterSaga: Roteiro
Ambos descem as escadas, lentamente, e, no final das escadas, chegam a uma pequena sala. Essa sala é escura, rústica, simples, pequena. Ela não tem nada haver com o mapa anterior. Karin: Essa sala possui características bem peculiares. Daniel: Eu nunca estive aqui antes, de forma que vamos ter que seguir nosso caminho. Karin: Vamos. Não há monstros. Os eventos vão ocorrer por sala. O mapa dessa parte é basicamente o que está abaixo. Vamos a uma explicação rápida. O que está atrás do ponto vermelho é a escada (que tem um portão que se fecha, assim o jogador não pode voltar =x). As salas 71 WaterSaga: Roteiro
estão numeradas e um evento ocorre cada vez que o jogador se aproxima dela. Os corredores são apenas caminhos de transição entre as duas salas. Perto do jogador deve haver um save point.Vale lembrar que após cada sala, uma porta se abre e outra se fecha (assim o jogador não tem como pular eventos ou voltar). Sala 1: Basicamente é um complexo labirinto para o jogador sair. Sala 2: A sala tem tema de vulcão. Alguns monstros para o jogador destruir. Sala 3: A sala tem tema de floresta. Há uma chave no centro dessa sala, sob um pedestal. Ao tocá‐la, tudo começa a tremer. Daniel: Huh? Por que está tudo tremendo? Karin: É óbvio que é por causa da chave. Daniel: Sim, mas... Karin: Aposto como algo clichê vai acontecer. Um monstro “cai” do teto. Um monstro bem feio e grande. Verde, talvez? =P Karin: Viu? Eu disse. Sempre é assim. Daniel: Que raiva. Karin: Legaia, faça um scan desse maldito. Legaia: Scaneiamento realizado! Nível: B. Daniel: Talvez tenhamos alguns pequenos problemas, sabe. Subaru: Negativo. O scan indica que ele é fraco contra ataques físicos. Karin: Vou me lembrar disso... Começa a batalha.O monstro é imune a ataques mágicos ou elementais. O ataque dele é muito alto, defesa contra ataques normais é baixa. HP alto. Nada demais, o monstro morre no final, o portão para a quarta sala se abre. 72 WaterSaga: Roteiro
Sala 4: É um corredor imenso. A sala é um vazio, totalmente branca, sem nenhuma cor. Há uma porta no final. Quando estão prestes a chegar na porta, ela se abre sozinha. Daniel e Karin dão um pulo para trás. Daniel: Quem está aí? Karin: Responda‐nos! Um indivíduo sai da porta. Ele é idêntico a Daniel, exceto pela cor dos olhos (vermelhos), do cabelo (branco ou loiros claros, o que combinar mais) e das roupas (pretas dá um ar de mais poder, acho; mas sinta‐se a vontade para mudar). ??????: Veja só quem conseguiu sair daqui. Se não é o meu querido Daniel e sua adorada amiguinha. Karin: Quem é você? Exijo respostas. ??????: Será que você não percebeu que não está em condições de exigir nada? Daniel: Infeliz... ??????: Daniel, eu sou a sua parte negativa. Sou um produto de todos os seus medos e, por isso me tornei mais forte que você. Estou me apossando de seu corpo gradualmente, mas vou me separar de você em breve. Não quero conviver com insetos. Karin: Qual o seu nome? ???????: Não é óbvio? Eu sou parte de Daniel, então meu nome também é Daniel. Mas alguns me preferem chamar de “Id”. Sou a subconsciência. Daniel: Eu ainda tenho controle sobre você, não deixarei você fazer nada comigo. Id: Heh, quer lutar? Karin tira a arma dela e, na hora que ela vai atirar, Id estica um dos braços e um raio atinge os dois, deixando Karin e Daniel jogados. Id: Eu não quero lutar. Lutar contra insetos seria patético. Além disso, vou despertar na hora certa. 73 WaterSaga: Roteiro
Prepare‐se, Daniel. Id anda calmamente pelos dois e sai da sala. Karin: Eu não tenho o que falar. Daniel: Nem eu. Ele é algo para se cuidar somente na hora certa. Karin: Concordo. Ambos se levantam. Karin: Temos a chave e a porta está ali. Vamos sair dessa prisão? Daniel: Sim. Ambos andam rumo à porta, onde há um clarão. Eles voltam para a cena da prisão, acordados. Daniel: Karin, obrigado. Karin: De nada. Vamos nos encontrar com Sakura agora. Daniel: Sakura? A filha do Imperador de Lanstar?! Karin: Sim, ela veio comigo. Daniel: Uau! Dizem que ela é realmente linda. Karin dá um tapa na cabeça de Daniel. Karin: Idiota. O jogador ganha controle dos dois, enquanto estão na cela, mas, ao sair de lá, um alarme começa a tocar. Alarme: Foi detectada fuga do prisioneiro da cela 274! Todos a postos! Karin: Merda. Daniel: Bem... Karin: Se você falar algo, eu chuto seu traseiro grande. 74 WaterSaga: Roteiro
Ambos saem correndo e a câmera muda. Î Se o jogador tiver escolhido primeiro começar com Karin, vai pra parte Sakura. Î Se o jogador já tiver terminado a parte Sakura e está terminando a parte Karin, a cena vai para a parte Grupo. “Parte Sakura”
A cena vai para Sakura, que está em certa parte do castelo, sozinha e disfarçada como soldado. O mapa do qual ela deve seguir deve levá‐la ao Hangar do castelo. Nesse Hangar, há vários Geais em pé, parados. Logo ao entrar, ela fala: Sakura: Uau! Eles parecem ser incríveis. Soldado: E são. Um soldado se aproxima dela. Sakura: O que são essas coisas exatamente? Soldado: Ah! Bom saber que os rumores ainda não se espalharam. Eles são robôs gigantes, cada um chamado Gear. Cada Gear possui um operador, que entra nele e controla e seu próprio nome. Sakura: E para quê eles servem exatamente? Soldado: Hã? Pensei que você já tivesse entendido. Sakura: Pai... Soldado: Você disse algo? Sakura: Ah, não foi nada. Soldado: De qualquer forma, como você conseguiu chegar aqui? Sakura: Eu me perdi no castelo, sou novata. Eles são nossa arma contra Lanstar. Vamos destruí‐los facilmente. Acabei vindo parar aqui por acidente. 75 WaterSaga: Roteiro
Soldado: Entendo. Bom, peço para que não espalhe sobre isso, caso contrário teremos que silenciar você e a todos que souberem. Sakura: Sim, prometo não contar a ninguém. Soldado: Você é uma bela garota. Como não tem ninguém no momento, você está a fim de dar uma volta por aqui? Sakura: Claro! Sou fascinada por esse tipo de tecnologia. Soldado:Tudo bem, mas só com uma condição. Sakura: Qual? Soldado: Diga‐me o seu nome. Sakura: É Sa ... Soldado: “Sa”? Sakura: Samantha. Soldado: Nome legal. Eu sou Gustavo. Sakura: Igualmente. Gustavo: Bom, vamos dar uma volta. E os dois começam a andar pelo Hangar. Gustavo tira o capacete e revela um rosto Prazer em conhecê‐la, Samantha. jovem. Sakura: Então, Gustavo, o que você faz aqui? Gustavo: Eu sou um dos desenvolvedores do “Projeto Gears”. Além disso, piloto um desses também. Sakura: “Projeto Gears”... Que legal! Eles são complicados? Gustavo: Na verdade, não. É apenas uma questão de prática. O conceito no qual foram construídos é bem simples: basta imaginar o que você quer que ele faça, e ele fará. Sakura: Interessante, mas por qual razão os operadores precisam de treinamento? Gustavo: É simples. Eles precisam, inicialmente, adquirir resistência física para as condições sobre‐humanas que eles enfrentarão dentro de uma máquina dessas. Depois de treinar o físico, temos que treinar o psicológico. Preparar aquelas pessoas normais para matar. Se não fizermos isso, muitos enlouquecerão com remorsos e consciência pesada. 76 Sakura: Por que não colocar soldados para pilotar? WaterSaga: Roteiro
Gustavo: Heh. Você deseja pilotar um desses? Sakura: Eu gostaria de tentar. Gustavo: Bom, não posso deixar. Somente pessoas que possuem autorização direta do Imperador são os únicos que podem pilotar. Sabe, é muito dinheiro envolvido para produzir apenas um Gear. Quanto à sua pergunta, os soldados não podem pilotar pelo simples fato de terem sido especializados para combate em terra. Pessoas que nunca combateram são as melhores para se especializar em Gears, segundo estudos nossos. Sakura: E quanto tempo levará para tudo isso ficar pronto? Gustavo: Não faço idéia. Pode ser um dia, um mês, um ano, um século. Tudo depende de cada uma das pessoas que trabalham aqui. Sakura: E quem mais fica aqui além de você? Gustavo: Temos engenheiros de todos os tipos: mecânicos, elétricos, computação, etc. Temos também operadores e, regularmente, recebemos visitas do pessoal de alto escalão, como o nosso Imperador ou pessoas da realeza. Sakura: Uau! É formidável! A caminhada deles pára perto da porta de uma sala. Sakura: E por que ninguém está aqui? Gustavo: Porque é hora do almoço. Um sino toca. Gustavo: Ou melhor, era a hora do almoço. Droga, se te verem aqui , vão me tirar do projeto e vão querer te matar. Fique nessa sala, depois eu te tiro daqui. Gustavo abre a porta e empurra Sakura para lá. Gustavo: Samantha, gostei de você. Gustavo fecha a porta. A sala está cheia de computadores, com um computador enorme e um elevador perto de lá. 77 WaterSaga: Roteiro
O jogador tem o controle de Sakura e vai mexer nos computadores. Ao tocar no computador gigante... Sakura: Então, vejamos o que há nesse mainframe aqui... Barulhos de computadores... Sakura: Mais informações do tal “Projeto Gears”, huh? Sakura: Gustavo, desculpe. Vou copiar os dados para o meu disco e destruir as informações que estão nesse mainframe. Sakura: Isso é por Lanstar. Sakura mexe bastante no computador. Sakura: Certo, agora vamos ver aonde esse elevador vai dar. O elevador começa a subir, Sakura sobe nele e vai junto. A cena vai para Gustavo & amigos trabalhando, quando ouvem um som de elevador. Gustavo vê Sakura no elevador, que está subindo. Gustavo: Samantha! Sakura: Gustavo, não sou Samantha. Gustavo: Não pode ser! Sakura: Gustavo, obrigada por tudo. Quero te reencontrar algum dia. Gustavo: Eu prometo que você vai. Gustavo se vira para todo o pessoal que está perto dele. Gustavo: Emergência máxima! Soldados: Sim, senhor! 78 Eu sou Sakura, herdeira do trono do Império Sagrado de Lanstar. E no dia que isso acontecer, vou acabar com você. Capturem‐na o mais rápido possível. Não a deixe escapar! WaterSaga: Roteiro
Todo o pessoal ao redor começa a se mover. O elevado pára perto da entrada do Hangar. Um alarme começa a tocar. Alarme: Foi detectada fuga do prisioneiro da cela 274! Todos a postos! Sakura: Karin! Daniel! Sakura começa a correr e tudo fica escuro. Bom, Î Se o jogador tiver escolhido primeiro começar com Sakura, vai pra parte Karin. Î Se o jogador já tiver terminado a parte Karin e está terminando a parte Sakura, a cena vai para a parte Grupo. “Parte Grupo”
A cena segue para Sakura, Daniel e Karin se encontrando exatamente no mesmo canto que se separaram. Karin: Sakura! Sakura: Karin! Daniel: Por que ninguém falou “Daniel”? Karin: Daniel, essa é Sakura. Sakura, esse é Daniel. Sakura: Prazer. Daniel: Você é realmente linda como os rumores dizem. Aliás, é mais linda do que imaginava. Sakura: É... Karin: Dispenso comentários, vamos. Não temos muito tempo. 79 WaterSaga: Roteiro
Daniel: Sim, temos que sair daqui o quanto antes. Depois nós trocamos informações. Karin: Vamos. Sakura: Sim. O jogador ganha controle deles. O castelo tem guardas como “monstros”. O jogador deve chegar até a entrada do castelo. Lá, há um carinha e dois guardas esperando por eles. Daniel: Puta meada! Que má hora para vocês aparecerem. Legaia: Nível aproximado do Coronel: A. Coronel 1: Sakura, você está presa por roubo de dados sigilosos do Império de Tsuben. Karin, estou te prendendo por ajudar na fuga de Daniel. Daniel, você voltará ao lugar que nunca deveria ter saído. Todas as saídas foram interditadas, vocês não têm por onde sair sem luta. Karin: Se é o que você quer... Luta: Coronel e dois guardas V.S. Daniel, Karin e Sakura. Ao fim da batalha, o Coronel fica caído ao chão. Coronel 1: Eu falhei, mas tenho certeza que os outros não deixarão vocês escaparem. Sakura: Nós os derrotaremos, um‐a‐um. Karin: Parem de discutir e vamos. Aparecem muitos soldados no castelo e outro coronel. Soldados: Olhem! Lá estão eles! Coronel 2: Estou dando 100 milhões de moedas de ouro para quem conseguir pegá‐los. Soldados: Vocês são nossos! Daniel: Corram! Daniel, Karin e Sakura saem do castelo, passam pela cidade e se escondem em uma casa. 80 Há o barulho dos soldados passando. WaterSaga: Roteiro
Sakura: Ufa, nós os despistamos. Karin: Sim, e ainda bem que não há ninguém aqui. Sakura: Sorte nossa. Daniel: Certo, mesmo não tendo ninguém aqui, ainda precisamos sair da cidade. Caso não nos capturem, eles começarão a revistar casa por casa, ou então oferecer recompensar gordas aos moradores que nos dedurarem. Karin: Vamos sair pela área do mercado negro. Daniel: “Área do mercado negro”? Karin: Sim, é uma área onde as pessoas não se interessam por quem você é, desde que você dê lucros a elas. Os preços lá são praticamente o triplo do normal, mas é a nossa única opção de reabastecer os suprimentos aqui. A não ser que você queira ir na cara‐de‐pau até um estabelecimento convencional e pedir por poções. Daniel: Seria interessante fazer isso. Sakura: E como chegamos até lá? Karin: Toda casa tem, secretamente, uma entrada para o subterrâneo. Essa entrada no subterrâneo leva até a área do mercado negro, que fica aqui nessa cidade. É óbvio que o Império de Tsuben não sabe da existência disso bem em baixo de seu nariz pois, caso contrário, as pessoas envolvidas seriam presas. Daniel: Certo, vamos procurar a tal entrada nessa casa. E o jogador ganha controle dos personagens e tem que ficar interagindo com as coisas dentro da casa até achar a entrada. A entrada deve estar abaixo de um tapete. Daniel: Achei! Eu sou demais! Karin: Não vou dar uma resposta a isso. Vamos. E eles descem. Apenas um beco escuro que leva a outra escada, que sobe. Ao subir... Sakura: Chegamos. A tal área do mercado negro é apenas um beco sujo cheia de pessoas andando por lá. Karin: Então aqui é a tal área. Daniel: Ué, pensei que você já estivesse estado aqui antes. Karin: Eu só ouvi diversos rumores sobre essa área, mas nunca tinha vindo aqui. 81 WaterSaga: Roteiro
Sakura: Vamos nos preparar e sair. Daniel: Estou com pena de meu dinheiro. Karin: Nossa vida é mais importante. Daniel: Eu sei. Sakura: Vamos. Coloque lá os shoppings com itens bem caros, poções, armas, etc, etc, etc.Coloque um save point também. Bom, no final do beco, a saída pela lateral da cidade. Eles saem. Daniel: FINALMENTE! SAÍMOS DESSE INFERNO! Karin: IDIOTA! POR QUE GRITOU? Coronel 2: Eu sabia que vocês estariam por aqui. Subaru: Nível aproximado do Coronel: A. Não deixarei vocês escaparem. Começa a batalha. Esse Coronel é muito mais forte que o anterior. Deixe ele dar um trabalhozinho para o jogador. Ao fim da batalha, mais soldados aparecem. Karin: Merda! Sakura: Só há uma opção: Fugir. Daniel: Vamos correr. Eles correm um pouco, com soldados atrás deles, até que... Sakura: Olhem! É a Floresta Movediça! Daniel: Impossível! Karin: Depois pensaremos no que é possível e no que é impossível, vamos entrar. Eles entram. Os soldados, ao chegar perto da entrada da Floresta, são parados por uma voz. 82 WaterSaga: Roteiro
Coronel 3: Parem! A General disse que iria cuidar deles pessoalmente caso entrassem na Floresta. Isso, de agora em diante, é com ela. A cena vai para a floresta, os três andam um pouco. Karin: Aparentemente pararam de nos seguir. Sakura: Estranho. Daniel: Com certeza. Então, o que vamos fazer de agora em diante? Sakura: Temos que ir à Capital Imperial o mais rápido possível para informar ao meu pai sobre os fatos que ocorreram. Lanstar está em perigo grave. Karin: Sim, mas antes temos que sair daqui rápido. Daniel: Sim. O jogador ganha controle dos três. O sistema da Floresta é o mesmo de antes: cada mapa é um ecossistema diferente e cada um tem seus monstros próprios. Quando eles chegarem no mapa da Amazônia (florestas verdes; não precisa demorar muito para alcançar tal mapa), Liz estará lá, esperando. Como sempre, de olhos fechados. Liz: Olá, meus amiguinhos. Karin: Você! Liz: Você é mais forte do que esperei, pensei ter te matado. Daniel: Liz, agora é quando você pagará por tudo que nos fez. Liz: É? Você tem certeza que pode falar isso? Não te fiz nada além de mostrar a verdade. Para Karin, dei a ela o que ela mereceu por se intrometer. É muito querer voltar para meu lar? Karin: Você fala como isso fosse simples! Não permitiremos você e o Imperador de Tsuben controlar as emoções, sonhos e vontades de todos os indivíduos. Sakura: Nós iremos te destruir. Liz: Veja só! Não sabia que vocês fizeram novas amizades. 83 WaterSaga: Roteiro
Agora o grupo de vocês é um triângulo amoroso? Daniel: Idiota, pare de falar coisas desse tipo. Liz: Tem razão, vou dar um fim nisso rápido. Liz levanta a arma de fogo dela e atira. No momento que a bala sai, e está no meio do caminho para atingir o grupo, tio Lancelot “ressurge das sombras” (leia‐se: aparece do nada) e apara a bala com a espada. Lancelot: Olá, pessoal, sentiram minha falta? Karin: Lance... Daniel: ...lot... Sakura: Uau! Karin: Pensei que você estivesse morto. Lancelot: É uma longa história, mas depois explicarei a vocês. Liz: Pelo que estou vendo, você está me subestimando. Vou te derrotar no seu próprio jogo, então. Vamos acabar com essa senhorita antes. Liz muda a arma para uma espada longa e curva. Lancelot: Espada legal. Sakura: Não, eu ficarei. Não vou deixar um cavaleiro lutar sozinho. Daniel: Sakura... Karin: Sakura, obrigada! Não desperdiçaremos essa chance. Karin puxa as mãos de Daniel e eles vão. Daniel, Karin, Sakura, vão. Daniel, Karin, sigam em frente. Daniel e Karin continuam o caminho, passando por Liz. Liz: Depois cuidarei calmamente de vocês, mas antes... Liz anda para perto de Lancelot e Sakura. Começa uma batalha. O jogador vence. 84 WaterSaga: Roteiro
Ao fim da batalha, volta‐se no mapa e aparece os três batalhando (sem ser em modo de batalha). Liz dá um pulo para trás. Lancelot: Você não pode superar o poder de nossas espadas. Sakura: Ou a nossa força de vontade. Liz: Patético. Vou levar isso a sério. Liz abre os olhos. Todos ficam parados. Lancelot baixa a cabeça. Sakura fica parada. Lancelot: Isso de novo, não. Eu vi quando isso aconteceu com Daniel e Karin. Minha covardia não me deixou vim ajudá‐los. Mas agora eu os compensarei por isso. Eu te derrotarei. Lancelot pega a espada e passa nos seus olhos. Só sangue sai. Ele fica cego. Liz: Idiota! Como você consegue se cegar apenas por um ideal bobo e infantil? Lancelot: Você não entende. Lancelot vai para cima de Liz com a espada. De qualquer forma, o efeito de seus olhos não pode mais me atingir. Lancelot: Sakura, vá atrás daqueles dois, eu cuidarei dela! Sakura: Lancelot... Liz e Lancelot batalham mais um pouco. Sakura fica parada. Sakura: Entendo. Derrote‐a. Isso é uma ordem. 85 WaterSaga: Roteiro
Lancelot: Eu irei. Sakura passa pelos dois, que ainda estão batalhando loucamente. Liz: HAHAHAHAHAHAHAHA. A sua única chance de me derrotar era ela, e agora você pede para ela ir embora. O quão burro você é? Lancelot dá um salto para trás. Coloca uma música legal (eu fiz a parte a partir daqui ouvindo a música “Pray”, da Nana MIzuki. A intro dela é fodona). Todbringend: Preparado. Lancelot: Todbringend, overdrive. LIMITER RELEASE. Todbringend: Ativando Forma Retalhadora. Um círculo aparece ao redor de Lancelot e o envolve de luz. As roupas deles mudam, estão todas brancas. Ele segura duas espadas longas ao invés de uma, que estão seguras numa só mão. Lancelot: Desculpem‐me, e obrigado, Daniel, Karin, Sakura. Lancelot: Não há nada para hesitar, não é? Todbringend: Forma Retalhadora Ativada. Lancelot separa as duas espadas (que estavam como uma) em duas, segura uma em cada mão. Lancelot: Pelo fato de ser fraco, eu estava sempre hesitando e me preocupando. Lancelot: Eu provavelmente sempre vou repetir isso. Lancelot: Mas... Lancelot começa a andar. Lancelot: Está tudo bem. Lancelot: Pois isso é o que me compõe. 86 WaterSaga: Roteiro
Os meus ideais. Meu desejo de salvar pessoas. Lancelot corre rumo à Liz. Lancelot: Eu te mostrarei porque sou considerado o melhor espadachim de todos os tempos. Liz: Pode vir, estou pronta. Os dois dão um “show” de espadas. Depois de um tempo lutando, começa a batalha (a qual o jogador controla). Lancelot Transformado V.S. Liz Lancelot vence. Após a batalha, Liz fica encharcada de sangue e se recupera. Lancelot: Eu previ que isso iria acontecer. Não se preocupe, você tem uma quantidade imortal de vidas. Entretanto, eu tenho energia ilimitada! Liz: Eu deixei você me derrotar para ver qual o seu verdadeiro poder. Ele é insignificante. Vou acabar com isso de uma vez por todas. Liz agora usa duas espadas. Os dois começam a lutar mais uma vez. Em certa parte da luta, eles se separam. Lancelot: Merda, cada ataque meu está sendo desviado, mas eu mal consigo desviar dos delas. Lancelot: Liz, o que diabos é você? Liz: Você ainda não percebeu? Eles lutam mais um pouco e Liz se aproxima de Lancelot e dá um “fatality” que o derruba de vez. A transformação dele acaba e Lancelot volta ao normal. Liz vai até onde o corpo de Lancelot que está imundo, com roupas rasgadas e sangue por todo o lado. 87 WaterSaga: Roteiro
Liz: Alexander Lancelot, você, a partir de agora, é meu prisioneiro. Lancelot: Não me importo. Você não conseguirá mais alcançá‐los. Liz: Idiota. Eu tenho a vitória. Liz dá um chute nele. Tudo fica escuro. *** A cena vai para Daniel e Karin, andando na floresta. Já é noite. Karin: Estou cansada. Daniel: Idem. Começa a chover. Karin: Droga, chuva. Vamos procurar um lugar para nos abrigar. Eles vão a um abrigo próximo, em um rochedo. Não há muita proteção contra a chuva, afinal. Karin: Vamos nos sentar. E eles se sentam, um de costas para o outro. Encostados. Nessa hora, aparece um desenho com os dois sentados e o ambiente ao redor e as seguintes falas (no meio da tela,que nem aparecia no “Arco do Cavaleiro”; não como fala de personagem). Música triste e som de chuva. Não havia mais a quem correr. Estávamos sós. 88 WaterSaga: Roteiro
Não havia mais nada o que falar, pois cada um já sabia o que o outro iria dizer. Ficávamos somente em silêncio, em nossas lágrimas melancólicas que se misturavam à chuva. E apoiando um ao outro na chuva e na solidão. Havíamos ido longe demais para poder voltar. A nossa única escolha era seguir em frente. Simplesmente ficávamos olhando à Lua que pairava sob nossas cabeças, junto às estrelas. A chuva caía. Fazia frio. Mesmo assim, ficávamos apoiados um nas costas do outro. Os cabelos da Karin estavam encharcados, mas ela continuava a ficar na mesma posição, murmurando para si própria coisas sem sentido. “O que nos aguarda daqui em diante?” “Estávamos certos em aceitar essa missão?” “Devemos realmente combater o que pensamos que é errado?” Nenhum de nós dois sabíamos as respostas. Mesmo assim, continuávamos a nos indagar e querer achar respostas para as perguntas. “É muito querer achar respostas corretas para um problema?” Queríamos simplesmente dormir e acordar em nossas casas, como se nada desses últimos dias tivesse acontecido e tudo fosse apenas um singelo sonho. Queríamos apenas ser feliz. Mas, agora, isso era impossível. A cena volta para o mapa normal, com os dois sentados. 89 WaterSaga: Roteiro
Karin: Ei, Daniel, o que vamos fazer? Daniel: Eu não sei. Karin: É errado andar em um caminho que você julga correto, mesmo todos dizendo que você está errada? Daniel: É impossível você estar no caminho errado quando você o julga certo. Karin: Entendo. A chuva cai mais um pouco, ambos continuam sentados e a cena vai dando um “fade ‐ out”. *** A cena segue para a prisão. Liz e Lancelot estão lá. A primeira está sentada em um banco (ou uma cadeira), o segundo está “voando”, pois os braços estão acorrentados, e vestindo roupas imundas e rasgadas. Lancelot se mexe um pouco. Liz: Então você finalmente acordou depois da surra que te dei. Lancelot: Onde estou? Liz: Você não pode ver? Ah, esqueci. Você se cegou. Eu te prendi. Você é meu cativo. Entretanto, eu posso te libertar com duas condições. Lancelot: Quais? Liz: Diga‐me para onde aqueles três foram e torne‐se meu aliado. Lancelot: Eu prometo pensar nisso se você me responder antes. Liz: Responder o quê? Lancelot: O que você é? O que você quer com Daniel? Liz: Vou ser bem simples. Eu não quero nada relacionado à água. Para mim, não faz diferença se vocês se os dois continentes se destruírem mutuamente. Meus objetivos são totalmente diferentes. Lancelot: E por que você está em Tsuben? Liz: Estou aliada a esse continente simplesmente porque é mais fácil para eu completar meus objetivos. 90 WaterSaga: Roteiro
Liz: Deixe‐me contar a minha história. Antes, eu e Daniel, antes, éramos um único ser. Éramos um ser divino. Controlávamos o tempo e o espaço. O início e o fim, como queira. Entretanto, por algum motivo, quando as duas dimensões se conectaram, nós nos separamos em duas partes, com poderes iguais. A diferença entre eu e ele é que o verdadeiro poder dele ainda não acordou. O que eu quero é apenas juntar‐me a ele novamente. O problema é que ele, nas condições atuais, não vai querer se aliar a mim. Portanto, estou apenas fazendo o favor de acordar o subconsciente dele e unir‐me a tal. Dessa forma, recuperarei a totalidade dos meus poderes e poderei voltar a dimensão superior, a qual pertenço. Mas, graças a você, meu plano falhou. Lancelot: Então você é... Deus? Liz (com um sorriso): É o que você pode dizer. Lancelot: E o que você pretende fazer quando todo o seu poder estiver completo? Liz: Acho que é fácil de adivinhar. Eu sou o início e o fim. Vou destruir esse mundo e reconstruí‐lo junto ao Imperador de Tsuben, que é o único que realmente me conhece. Liz: Sim... É o que temos em comum. O desejo de destruir e reconstruir tudo sob nossos princípios. A destruição é necessária para a reconstrução. Liz: Os humanos são corruptos. Mesmo quando um bebê nasce, puro, ele se corrompe graças às suas fraquezas. Os humanos vivem em um mundo de mentiras, onde se usa diversas máscaras para todos os lugares que vamos ou com quem interagimos. Lancelot: Eu pensei que deuses não podiam interferir diretamente no mundo. Liz: Isso são apenas mentiras. Eu não pretendia interferir, mas a humanidade fugiu de meu controle, principalmente após a abertura dimensional que gerou minha separação com Daniel. Liz: Sabe, a humanidade sempre sonhou em desafiar um ser divino. A Torre de Babel. O Santo Graal. Armas sagradas, milagres, ciência, Gears. Tudo isso foi feito para desafiar ou alcançar aos deuses. 91 WaterSaga: Roteiro
Como uma criação pode querer superar ao seu criador? É impossível. Lancelot: “Aos deuses”? Então há mais? Liz: Sim, eu detectei fontes de energias anormais em algumas áreas. Supostamente são outros seres divinos que vieram de minha dimensão e não despertaram ainda. Entretanto, não preciso deles. Vou destruí‐los em breve. Liz: Mas, enfim, responda‐me: vai aceitar minha oferta? Lancelot: Eu ouvi o que tinha que ouvir. Liz: Entendo. Não vou discutir. Eu me recuso a aliar a você. Liz tira sua espada. Liz: Eu irei fazer você sofrer pouco a pouco pelo que você me fez. Vou te esquartejar e, após isso, darei suas tripas aos animais, queimarei o que restar de seu corpo e jogarei suas cinzas no rio. Lancelot: Tudo bem. Vá em frente. Você está com raiva porque não conseguiu tomar o que é mais precioso de mim: minha dignidade como cavaleiro. Liz: Mas para que serve a dignidade sem um corpo? Eu darei a sua dignidade aos lobos. Afogue‐se e morra em seus ideais. Todo o cenário fica cinza. Uma música triste começa a tocar e a cena muda. Aparece um desenho com um cara, Lancelot jovem, com vários corpos ao redor dele, e várias espadas cravadas nesses corpos. Então, aparecem as velhas “falas no meio” (“vou criar um nome para isso, falas no meio” é muito podre =P"). Talvez eu tenha perdido mais do que ganho. Talvez eu tenha sofrido mais do que sorrido. Talvez eu tenha perdido mais pessoas do que salvado. 92 Mesmo assim, eu ainda sigo o meu ideal. WaterSaga: Roteiro
Mesmo que eu tenha que sacrificar uma pessoa para salvar mil, eu ainda quero achar uma forma de salvar essa uma pessoa que ficou para trás. Nem que eu mesmo tenha que me sacrificar. Eu, finalmente, percebi que não podia estar errado em um caminho que julgo certo. É agora que, pela primeira vez na minha vida, consegui realizar meu ideal. Daniel, Karin, Sakura. Do fundo do meu coração, muito obrigado. A cena volta para Liz e Lancelot, tudo volta às cores normais e Liz começa a se mexer e enfia a espada no coração de Lancelot. Tudo fica escuro gradualmente e aparece as palavras no canto inferior direito da tela: Continua...
Inicia‐se o encerramento. *** Fim do Volume 1 *** 93