concurso complementar residência médica 2015

Сomentários

Transcrição

concurso complementar residência médica 2015
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
FACULDADE DE MEDICINA
COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA – COREME
Av. Pará, 1.720 – Bloco 2H – Sala 13 – Campus Umuarama
Fone/Fax: (0xx34) 3225-8626 - e-mail: [email protected]
CEP: 38.405-320 - UBERLÂNDIA – MG
MANUAL
DO
CANDIDATO
CONCURSO
COMPLEMENTAR
RESIDÊNCIA MÉDICA
2015
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
FACULDADE DE MEDICINA
COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA – COREME
Av. Pará, 1.720 – Bloco 2H – Sala 13 – Campus Umuarama
Fone/Fax: (0xx34) 3225-8626 - e-mail: [email protected]
CEP: 38.405-320 - UBERLÂNDIA – MG
PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR
DE
RESIDÊNCIA MÉDICA - 2015
MANUAL DO CANDIDATO
1.0) - Processo Seletivo:
1) - Prova de Conhecimentos Gerais em Medicina e de Conhecimentos
Específicos em Cirurgia Geral, Clínica Médica, Patologia e Pediatria.
As provas de Conhecimentos Gerais em Medicina e de conhecimentos
específicos em Cirurgia Geral, Clínica Médica, Patologia e Pediatria serão
realizadas no dia 25/03/15, no Anfiteatro do Bloco 2H - Campus Umuarama,
com início às 8h e término às 11h.
2.0) - Material na realização das Provas
2.1) - Na realização da prova, o candidato só poderá utilizar caneta
esferográfica azul, para a marcação e assinatura da folha de respostas.
2.2) - Não haverá substituição da folha de respostas por erro de preenchimento
ou rasuras.
2.3) - O candidato deverá portar um documento de identidade para realizar a
prova. Serão considerados Documentos de Identidade: as carteiras ou cédulas
de identidade (expedidas por Secretarias de Segurança Pública, Diretoria Geral
da Polícia Civil, Forças Armadas, Polícias Militares, etc); desde que contenham
foto e assinatura do candidato.
3.0) - Orientações quanto à realização das Provas
3.1) - O candidato deverá comparecer 30 (trinta) minutos antes do horário
previsto para o início da prova.
3.2) - A identificação do candidato se fará pela conferência da assinatura do
documento de identidade com a assinatura na folha de respostas.
3.3) - Não será permitido ao candidato o uso de:
Telefones celulares, palm-top, bips, pagers, aparelhos auditivos, relógios,
calculadoras ou quaisquer outros equipamentos eletrônicos ou similares,
corretivo, qualquer tipo de material impresso, anotações ou similares .
A comprovação do porte de qualquer equipamento eletrônico resultará na
eliminação do candidato do processo seletivo.
3.4) - Ao aviso do término do tempo de prova, o candidato que ultrapassar esse
limite, continuar marcando e se recusar a entregar a folha de respostas ,
terá a sua prova anulada pela Comissão de Residência Médica.
3.5) - Após o término da prova, fica terminantemente proibida a permanência
dos candidatos no local ou corredores que dão acesso ao mesmo.
3.6) - O candidato com necessidades físicas especiais deverá solicitar
antecipadamente, por e-mail, telefone ou pessoalmente, as condições
necessárias para realizar a prova, por meio de atestado médico atualizado,
datado, carimbado e assinado.
4.0) - Divulgação dos Resultados:
4.1) - O gabarito provisório será disponibilizado logo após o término da prova.
Obs: O candidato deverá anotar o tipo de prova no rascunho fornecido no
caderno, para conferir com o gabarito.
4.2) - O gabarito definitivo, após o período de recursos, será disponibilizado na
COREME no dia 30/03/15 até as 13h.
4.3) - O resultado final do processo seletivo será divulgado na COREME no dia
30/03/15 até as 17h e a divulgação das notas ficará disponível durante toda a
vigência do concurso.
Obs: Após a divulgação do resultado final não serão mais aceitos questionamentos.
5.0) - Recursos:
5.1) - Não será permitido questionamento de questão durante a realização da prova.
5.2) – O candidato terá o direito de recorrer nas questões duvidosas, até as 08h do
dia 27/03/15, através de recurso que deverá ser entregue diretamente na Secretaria da
COREME, constando o nome do candidato, o n° de inscrição, o tipo de prova,
número e enunciado da questão, justificando e informando as referências
bibliográficas, podendo anexar cópia da referência.
Obs: O recurso deverá ser apresentado em folhas separadas para cada questão
recorrida, não sendo aceitos recursos interpostos por via postal, fac-símile, e-mail,
telegrama ou outro meio não especificado neste edital. Os pontos relativos a questões
eventualmente anuladas serão atribuídos a todos os candidatos presentes na prova,
independentemente de formulação de recurso. Não serão concedidas revisões de
provas de forma integral.
5.3) - Julgando procedente o recurso, a COREME poderá anular a questão ou
alterar o seu gabarito. No caso de anulação da questão, os pontos da mesma
serão considerados a favor de todos os candidatos. No caso de alteração do
gabarito da questão, os pontos da mesma serão considerados apenas a favor dos
candidatos cujas respostas coincidirem com as do gabarito alterado.
5.4) - A COREME disponibilizará os recursos recebidos em sua secretaria,
juntamente com as respectivas respostas.
6.0) – Matrícula e Início dos Programas:
6.1) - As matrículas dos candidatos aprovados, serão efetuadas na Secretaria da
COREME - Sala 13 - Bloco 2H - Campus Umuarama, no dia 31/03/15 das 8h
às 11h. Os candidatos que fizeram jus à pontuação adicional referente ao
programa de valorização do profissional da atenção básica, somente terão suas
matrículas efetivadas mediante apresentação de certificado emitido pela
Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde - SGTES-MS.
Obs: Caso o candidato não compareça dentro do prazo e horário estipulados,
será considerado desistente, devendo ser chamado o próximo candidato
excedente para preenchimento da vaga.
6.2) - A data do início da residência será às 8h do dia 01/04/2015, devendo o
residente se dirigir às dependências do HC/UFU e procurar diretamente o
coordenador do programa, bem como o GDHS para confecção do crachá de
identificação e biometria.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ÁREA: MEDICINA PREVENTIVA E COMUNITÁRIA
1. ALMEIDA FILHO, N.; ROQUAYROL, M. Z. Introdução à epidemiologia. 3ª. ed. Ver.
Ampl. Rio de Janeiro: Medsi, 2002.
2. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Caderno de Atenção Primária 29: Rastreamento. 95p. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.
3. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Política Nacional de Atenção Básica – Brasília: Ministério da Saúde, 2012
4. CAMPOS, G.W.S. et al., Tratado de Saúde Coletiva. Edição 2ª. ed. São Paulo: Hucitec;
Ed. Fiocruz, 2008.
5. CAMPOS, F.C.C et.al. Planejamento e Avaliação das Ações em Saúde – 2ª ed. Belo
Horizonte: NESCOM/UFMG, 2010. 118p.
6. GIOVANELLA, L.; ESCOREL, S.; LOBATO, L. V. C.; NORONHA, J. C. CARVALHO,
A, I (orgs.) Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2a reimpressão. Brasília: Cebes, 2011.
7. GUSSO, G.; LOPES, J.M.C. Tratado de Medicina de Família e Comunidade – Princípios,
Formação e Prática – Vol. I e Vol II. Rio Grande do Sul: Artmed Editora, 2012, 2222p.
8. MEDRONHO, R.A. Epidemiologia. 2ª. ed. São Paulo: Atheneu, 2009, 685 p.
9. PAIM J.S. O Que é SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009.
10. STEWART, M. Medicina Centrada na Pessoa - Transformando o método clínico - 2a Ed.
São Paulo: Artmed; 2010.
ÁREA: CITOPATOLOGIA
ROSAI J. Ackermans Surgical Pathology, 10 th ed. Mosby, St. Louis, 2011.
FLETCHER CD. Diagnostic Histopathology of Tumors. Churchill Livingstone, London, 2007.
COTRAN RS, KUMAR V, COLLINS T, Robbins - Pathologic Basis of Disease, 7th ed.
Saunders Company, Philadelphia, 2004.
BIBBO M. Comprehensive Cytopathology, 3th ed. W.B.Saunders Company, 2008.
BACCHI CE, MELLO CRA, FRANCO M, NETO RA (Ed.) Manual de Padronização de
Laudos Histopatológicos. Sociedade Brasileira de Patologia, 4 ed. Editora Manole Ltda ,
São Paulo, 2013.
BOGLIOLO, Patologia, 8 ed. Brasileiro G Filho (Ed.), Guanabara Koogan, 2011.
ÁREA: PEDIATRIA (ACESSO DIRETO)
1 - Carvalho E, Silva LR, Ferreira CT. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. 2012; 5: 91-132.
2 - Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue – 2014 .SUS/ Prefeitura de
Belo Horizonte
3 - Diretrizes Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática da
Sociedade Brasileira de Cardiologia, da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade
Brasileira de Reumatologia. Arq Bras Cardiol.2009;93(3 supl.4):1-18
4 - Ebola haemorrhagic fever.Heinz Feldmann, Hamilton, MT, Thomas W Geisbert, Lancet.
2011 March 5; 377(9768): 849–862
5 - Protocolo de Varicela
Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria de Estado da Saúde, Subsecretaria de Vigilância
e Proteção à Saúde, Superintendência de Vigilância Epidemiológica Ambiental e Saúde do
Trabalhador, Diretoria de Vigilância Epidemiológica, Coordenadoria de Doenças e Agravos
Transmissíveis. Belo Horizonte, 2013, 3ª edição
6 - Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e
Hepatites Virais. PROTOCOLOS CLÍNICOS E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS. Ministério da
Saúde. Brasília
7 - Tratado de Pediatria. Nelson, 19ª edição. KLIEGMAN, Robert M. | STANTON, Bonita F. |
GEME, Joseph St. | SCHOR, Nina | BEHRMAN, Richard E.
8 - Tratado de Pediatria da SBP- 3ª edição | Dioclécio Campos Júnior, Dennis Alexander Rabelo
Burns, Fabio Ancona Lopez
ÁREA: PEDIATRIA (PRÉ-REQUISITO)
1 - Carvalho E, Silva LR, Ferreira CT. Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria. 2012; 5: 91-132.
2 - FERREIRA AVS et al. Emergências Pediátricas 2014; 75-86.
3 - Sdepanian V. L., Gastroenterologia Pediátrica - Manual de Condutas, Manole, 2010
4 - Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue – 2014. SUS/ Prefeitura de
Belo Horizonte
5 - Diretrizes Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática da
Sociedade Brasileira de Cardiologia, da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade
Brasileira de Reumatologia. Arq Bras Cardiol. 2009;93 (3 supl.4):1-18
6 - Ebola haemorrhagic fever.Heinz Feldmann, Hamilton, MT, Thomas W Geisbert, Lancet .
2011 March 5; 377(9768): 849–862
7 - Current Pediatria Diagnóstico e Tratamento; 2013.
8 - Protocolo de Varicela
Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria de Estado da Saúde, Subsecretaria de
Vigilância e Proteção à Saúde, Superintendência de Vigilância Epidemiológica Ambiental e
Saúde do Trabalhador, Diretoria de Vigilância Epidemiológica, Coordenadoria de Doenças e
Agravos Transmissíveis. Belo Horizonte, 2013 3ª edição
9- Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e
Hepatites Virais. PROTOCOLOS CLÍNICOS E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS. Ministério
da Saúde. Brasília
10 - Tratado de Pediatria. Nelson, 19ª edição. KLIEGMAN, Robert M. | STANTON, Bonita F.
| GEME, Joseph St. | SCHOR, Nina | BEHRMAN, Richard E.
11- Tratado de Pediatria da SBP- 3ª. edição | Dioclécio Campos Júnior, Dennis Alexander
Rabelo Burns, Fabio Ancona Lopez
12 - Fiocchi A. et al., World Allergy Organization (WAO) Diagnosis and Rationale for Action
against Cow’s Milk Allergy (DRACMA) Guidelines. WAO Journal, p. 59-161, April 2010
13 - Protocolo para atendimento aos pacientes com suspeita de dengue – 2014 .SUS/ Prefeitura
de Belo Horizonte
14 - Diretrizes Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática.
Realização: Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Pediatria, Sociedade
Brasileira de Reumatologia. Barbosa PJB, Müller RE, Latado AL, Achutti AC, Ramos AIO,
Weksler C, et al.
15 - Diretrizes Brasileiras para Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática da
Sociedade Brasileira de Cardiologia, da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade
Brasileira de Reumatologia. Arq Bras Cardiol.2009;93(3 supl.4):1-18
16 - Quando indicar o palivizumab (Synagis®) na profilaxia da infecção do trato respiratório
inferior pelo vírus sincicial respiratório?
Renata Amato Vieira; Edna Maria de Albuquerque Diniz; Flávio Adolfo Costa Vaz
Rev. Assoc. Med. Bras. vol.50 N° 3 São Paulo July/Sept. 2004
17 - Ebola haemorrhagic fever
Heinz Feldmann, Hamilton, MT, Thomas W Geisbert,
Lancet . 2011 March 5; 377(9768): 849–862
18 - Protocolo de Varicela
Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria de Estado da Saúde, Subsecretaria de Vigilância
e Proteção à Saúde, Superintendência de Vigilância Epidemiológica Ambiental e Saúde do
Trabalhador, Diretoria de Vigilância Epidemiológica, Coordenadoria de Doenças e Agravos
Transmissíveis. Belo Horizonte, 2013, 3ª edição
19 - Current Pediatria Diagnóstico e Tratamento; 2013. p:449
ÁREA: OBSTETRÍCIA e GINECOLOGIA
1 - ZUGAIB, Marcelo – Obstetrícia. Ed. Manole, 2a edição,2012
2 - CAMANO, Luiz – Obstetrícia (Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar – UNIFESP).
Ed. Manole,1a edição, 2005.
3 - REZENDE, Jorge - Obstetrícia Ed. Guanabara Koogan, 11ª edição, 2010.
4 - Manual de Ginecologia e Obstetrícia – SOGIMIG – 5ª edição, 2012.
5 - BEREK & NOVAK- Tratado de Ginecologia. Ed. Guanabara Koogan, 14ª edição, 2008.
6 - GIRAO, Manoel & Col – Ginecologia – UNIFESP. Ed. Manole, 1ª edição, 2009.
7 - SCHORGE & Col – Ginecologia de Williams. Ed.AMGH LTDA, 1ª edição, 2011.
ÁREA: CIRURGIA GERAL
SCHWARTZ, Tratado de Cirurgia. Nona edição. Rio de Janeiro. Revinter.
FERRANDINO,M.N.; PIETROW,P.K.; PREMINGER G.M.. Evaluation and Medical
Management of Urinary Lithiase. In: CAMPBELL, WALSH UROLOGY. 10. Ed. Philadelphia:
Sanders Elsevier, 2012, cap.46.p.1297.
CIRURGIA DO CÂNCER HEPATOBILIAR
Autores: Correia, Mauro Monteiro; Mello, Eduardo Linhares Riello de; Santos Carlos Eduardo Rodrigues
Editora:REVINTER
Cirurgia Torácica Geral - Manoel Ximenes Neto; Walter Roriz De Carvalho; Vicente Forte;
Roberto Saad Junior. Editora Atheneu. Segunda Edição.
CURRENT PROBLEMS IN SURGERY
Editora: MOSBY
ATUALIZAÇÃO EM CÂNCER GÁSTRICO
Autores: Eduardo Linhares & Laercio Lourenço & Takeshi Sano
Editora: TECMEDD
TRAUMA - SEVENTH EDITION
Autores: Kenneth Mattox, Ernest Moore, David Feliciano
Editora: Mc Graw Hill
CAMPBELL, WALSH UROLOGY. 10. Ed. Philadelphia: Sanders Elsevier, 2012.
ATLS – Manual do Curso de Alunos – 8ª. Edição – Colégio Americano de Cirurgiões – 2008
Sabiston Tratado de cirurgia. Courtney MTowsend et al. 18ª. ed. Rio de Janeiro: Elsevier 2010.
Lawrence, W.Way.: Cirurgia, diagnóstico e tratamento. 9ª ed., 1993.
Mendelsssonh, Paulo - Barbosa - Controle Clínico do Paciente Cirúrgico/Paulo
Mendelssonh 7ª edição SP Atheneu 2009
Paulo Roberto Savassi, José Ivan de Andrade, Cláudio de Souza. Abdomen Agudo – Diagnóstico e
Tratamento. 2ª ed.; Medsi. 1993
Isac Jorge Filho, José Ivan De Andrade, Antônio Ziliotto Júnior. Cirurgia geral pré e pós-operatório.
1ª. ed. Atheneu – 1995
Elias Knobel - Conduta no Paciente Grave 3ª edição SP Atheneu 2006
Leonaldson dos Santos Castro; Jose Humberto Simões Corrêa Tratamento cirúrgico do câncer
digestivo – Editora Leonaldson do Santos Castro. Rio de Janeiro 2005
Haimovici, H. Doenças cardiovasculares. 2005
Smith, D.R. General Urology. Los Altos, California, Lange Medical Publications. 1996. 245p.
Rutherford’s Vascular Surgery, oitava edição. Capítulo 163: Compartment syndrome.
Grabb & Smith Cirurgia Plástica, sexta edição.
Corman ML. Hemorrhoids. In: Corman ML.
Colon & Rectal Surgery. Lippincott Williams &
Wilkins 2005: 177 a 253.
ÁREA: CLÍNICA MÉDICA
1 - Cecil Textbook Of Medicina, 24ª. Ed
2 - Emergências Clínicas- Abordagem Prática, 9ª. Ed
3 - Tratado de Geriatria e Gerontologia, 3ª. Ed
4 - Harrison’s Principles of Internal Medicine, Dan L. Longo et al. 18ªed., Mc Graw Hill, vol I and II,2011.
5 - Emergências Clínicas: abordagem prática, Herlon Saraiva Martins et al. Editora Manole Ltda, 9ª ed., 2014
6 - Clínica Médica: diagnóstico e tratamento / Antônio Carlos Lopes – São Paulo: Editora Atheneu, 2013.
7 - Programa de atualização em Clínica Médica: PROCLIM.Porto Alegre
8 - http://www.acponline.org – American College of Physicians – American Society of Internal Medicine
9 - http://www.harrisonsonline.com
10 - http://www.uptodate.com
11 - www.medscape.com
12 - www.emedicine.com
13 - www.goldcopd.org.The Global Strategy for Diagnosis, Management and Prevention of COPD
(updated 2014), available on the Gold website ESC
14 - Guidelines for the Management of Acute Myocardial Infarctation in Patients presenting
with ST-Segment Elevation. The task force on the Management os ST-Segment elevation
acute myocardial infarctation of the Eoropean Society of cardiology. European Heart journal,
2012, 33:2569-2619.
15 - Agnelli G, et al. Apixaban for Extended Treatment of Venous Thromboembolism. N Engl J
Med 2013;368:699-708. DOI: 10.1056/NEJMoa1207541.
16 - The EINSTEIN–PE Investigators. Oral Rivaroxaban for the Treatment of Symptomatic
Pulmonary Embolism. N Engl J Med 2012;366:1287-97.
17 - Schulman S, et al. Dabigatran versus Warfarin in the Treatment of Acute Venous
Thromboembolism. N Engl J Med 2009;361:2342-52.