BorgWarner fornece turbocompressores a uma campeã de vendas

Сomentários

Transcrição

BorgWarner fornece turbocompressores a uma campeã de vendas
Edição em Português 1/2015
TurboNews
Uma revista para o cliente da BorgWarner Turbo Systems
BorgWarner fornece turbocompressores a uma
campeã de vendas da Ford: a picape F-150
Ford&Furiosa
TDI reloaded
Prontos para decolar!
Volkswagen confia, mais uma vez, nos turbos da
BorgWarner para os seus motores 1.4 e 2.0 TDI página 6
BorgWarner testa materiais inovadores
da indústria da aviação página 12
02
Editorial
Conteúdo
Prezados leitores,
Seja em novas tecnologias de turboalimentação
e novas aplicações ou em novos materiais e proce­
dimentos de teste, a BorgWarner Turbo Systems
está trabalhando a todo vapor em todos os seus
departamentos para criar as soluções inovadoras
que ajudarão a empresa a manter a vantagem tecno­
lógica que goza no domínio da turboalimentação.
Exemplos disso incluem o novo turbocompressor
flex-fuel para uso de etanol no Brasil, assim como
os novos sistemas de turboalimentação – eBooster®
e eTurbo – sobre os quais você pode ler mais nesta
edição da TurboNews. Estes são complementados
pelas moderníssimas ligas de lítio-alumínio da indústria
da aviação que a BorgWarner está testando para uso
em sistemas de turboalimentação e pelo novo processo
de ensaio de materiais por tomografia computadori­
zada utilizado pela especialista em turboalimentação
para garantir a qualidade de seus produtos.
No entanto, os desafios não são decorrentes
somente da inovação técnica contínua. Eles provêm,
também, do forte crescimento da empresa que
coloca os administradores e empregados diante
de tarefas estimulantes. Por isso, a BorgWarner dá
grande importância à formação de seus engenheiros
juniores, bem como à expansão da capacidade de
suas diversas unidades. Este enfoque é realçado
pelo novo centro de pesquisa e desenvolvimento
em Itatiba e por sua nova linha de produção VTG
altamente flexível e com índice zero de erros em
Bradford. Nossa entrevista com Henk Vanthournout
(Vice-Presidente de Vendas Globais, Gerente de
Produto e Estratégia de Produto para Veículos de
Passeio) e Wouter Nijenhuis (Vice-Presidente de
Engenharia Global e Vendas de Veículos Comerciais)
na página 8 apresenta, também, alguns insights inte­
ressantes sobre o que a BorgWarner tem feito para
permanecer à frente e atender às futuras exigências
do mercado e dos clientes.
Esperamos que você se
divirta lendo esta newsletter
e, também, gostaríamos
de convidá-lo para testar
a edição on-line especial
da TurboNews em
www.turbos.bwauto.com/
pt/press/newsletter.aspx
Günter Krämer
Diretor de Marketing BorgWarner
0 4
Notícias
14
Projeto de cliente
06
TDI reloaded
Volkswagen confia, mais uma vez, nos turbos
da BorgWarner para os seus motores 1.4 e 2.0 TDI
F ord &Furiosa
BorgWarner fornece turbocompressores ao motor
2.7 EcoBoost da Ford F-150
19
Preparado para o flex-fuel
BorgWarner desenvolve o primeiro turbocompressor
flex-fuel a ser produzido no Brasil
08
Entrevista
12
Inovação
Entrevista da TurboNews
Com Henk Vanthournout e Wouter Nijenhuis
Prontos para decolar!
BorgWarner testa materiais inovadores
da indústria da aviação
Unidade local
16
Mais flexibilidade e qualidade
BorgWarner implementa linha de produção altamente
flexível em Bradford
17
nsaio de materiais 2.0
E
A unidade de Rzeszów testa componentes e materiais
utilizando tomografia computadorizada
18
ais desenvolvimento
M
Novo centro de desenvolvimento na unidade
de Itatiba, no Brasil
2 0
rêmio
P
Bradford recebe prêmio por promover jovens
talentos há anos
03
08
“Nossa grande vantagem? Cobrimos
todo o espectro de tecnologias”.
Entrevista com Henk Vanthournout, Vice-Presidente
de Vendas Globais, Gerente de Produto e Estratégia
de Produto para Veículos de Passeio e Wouter
Nijenhuis, Vice-Presidente de Engenharia Global
e Vendas de Veículos Comerciais.
12
Prontos para decolar!
BorgWarner testa materiais inovadores
da indústria da aviação
uês 2/2014
Edição em Portug
Uma revista para
TurboNews
Warner Turbo
o cliente da Borg
Systems
Impresso
Publicado por
BorgWarner Turbo Systems
Worldwide Headquarters GmbH
Marnheimer Straße 85/87,
D-67292 Kirchheimbolanden
Germany
Conceito, Design e Litografia
schulze, reister, grözinger, werbeagentur ag,
Mannheim, Germany, www.srgwerbeagentur.de
Edição e coordenação
Günter Krämer, Global Marketing,
BorgWarner Turbo Systems
Direitos Autorais © 2015
BorgWarner Turbo Systems Worldwide
Headquarters GmbH, Kirchheimbolanden.
All rights reserved, including that to make
technical changes. Printed in Germany
Fotos
BorgWarner, Fotolia, Ford,
Mercedes Benz, srg werbeagentur,
Volkswagen
Impressão
WDW Druck GmbH, Leimen-St.Ilgen
sores fornecem
Dois turbocompres impressionante
ue
potência e torq
Macan
para a Porsche
crível
Desempenho in
REVOLVOLUÇÃO to modular
concei
Volvo apresenta
turbocompressores
para motores com
12
BorgWarner. página
e mais importante,
„Em primeiro lugar ador é estar o mais
orient
nosso princípio
el do cliente.“
rt. página 8
próximo possív
Fischer e Joel Wiege
e
Cadastre-s
Martin
Entrevista com
Você acredita que um colega
também gostaria de receber as
edições de TurboNews?
Envie dados – empresa, nome e email
para: [email protected]
04
NOTÍCIASNOTÍCIASNOTÍCIA
De turbo para
um mestrado
Há anos, a unidade de Bradford da BorgWarner vem
oferecendo aos estudantes Universidade de Huddersfield
a oportunidade de aplicar na prática e desenvolver seus
conhecimentos técnicos recém-aprendidos no âmbito
de estágios e projetos de pesquisa.
Devido à crescente demanda por
turbocompressores e à crescente
necessidade de engenheiros mais
jovens, a BorgWarner e a universidade intensificaram ainda mais a
sua colaboração. Com o apoio da
especialista em turboalimentação,
a renomada e multipremiada univer­
sidade fundou um instituto exclusivo,
o Turbocharger Research Institute
(TRI), que oferece dois cursos de curta
duração e o primeiro mestrado em
engenharia mecânica específico para
a área de turboalimentação. Ambos
os cursos também estão disponíveis
para engenheiros de todas as uni­
Universidade
de Huddersfield
MANCHESTER
LONDON
dades da BorgWarner como opor­
tunidade de especialização. Nove
candidatos, incluindo oito funcionários
BorgWarner, já se inscreveram para
o curso de mestrado, que vem sendo
oferecido desde o final de 2014.
A BorgWarner e a universidade
também estão trabalhando juntas
em uma série de projetos de pesquisa
patrocinados pelo Regional Growth
Fund (Fundo de Crescimento Regional)
do governo do Reino Unido. O objetivo
comum é desenvolver melhorias técni­
cas para as gerações de turbocom­
pressores do futuro.
A equipe da BorgWarner em Bradford comemorou
a introdução do mestrado em tecnologia de turboalimentação organizando um evento de kart indoor.
China celebra as marcas de 5 e 1 milhão
A unidade de produção da BorgWarner em Ningbo, na China, produziu, recentemente, o seu
turbocompressor de número 5 milhões. Os sistemas de turboalimentação para veículos de
passeio e comerciais têm sido produzidos nesta moderna fábrica desde 2005 a fim de atender
as fabricantes chineses e internacionais.
A especialista em turboalimentação espera que a demanda por
turbocompressores para veículos de passeio e comerciais leves
mais que dobre até 2019. Devido às normas de emissões cada
vez mais rígidas, os fabricantes locais estão confiando cada vez
mais nas tecnologias de redução de consumo de combustível e
de emissões da BorgWarner. As instalações de Ningbo também
estabeleceram um novo recorde em segurança no trabalho. Os funcio­
nários da área de produção receberam recentemente o prêmio CEO’s
Safety Excellence Award da BorgWarner por atingir um milhão de horas
de trabalho sem acidentes. Quanto aos US$ 20.000,00 recebidos
pela premiação, os cerca de 900 funcionários da unidade decidiram
doá-los a duas escolas primárias locais.
A unidade Ningbo
comemorou, recentemente, a produção
de 5 milhões de
turbocompressores
e 1 milhão de horas
de trabalho sem
acidentes.
SNOTÍCIASNOTÍCIASNOTÍCIAS
Bradford recebe o terceiro Safety Award
05
o
1 milhã
de
s
de hora
em
s
o
trabalh
te
n
acide s
Cuidadosamente
criada para oferecer
o máximo de segurança no local de
trabalho: a equipe
de Bradford na
cerimônia de apresentação do Safety
Excellence Award.
A saúde e a segurança dos funcionários é extremamente importante para a BorgWarner. Isso é algo
que a unidade de Bradford, em particular, demonstra regularmente. A fábrica recebeu pela terceira
vez o prêmio CEO’s Safety Excellence Award da
BorgWarner. Este é um prêmio que a BorgWarner
concede a todas as unidades que tenham atingido
um milhão de horas de trabalho sem acidentes
reportáveis.
O CEO da BorgWarner, James Verrier, comemorou este
sucesso espetacular juntamente com cerca de 200 funcioná­
rios da fábrica durante a cerimônia de premiação. Os funcio­
nários da fábrica decidiram dividir o prêmio em dinheiro
de US$ 20.000,00, atribuído aos esforços de segurança
da unidade de Bradford, entre duas instituições de caridade.
Metade do dinheiro foi para a Samantha Sykes Foundation
Trust, que apoia crianças vítimas de abuso, e a outra parte
para o Wakefield Hospice, que fornece assistência e apoio
a pacientes terminais.
Asheville
planta
árvores
A proteção ambiental é um tema importante para a BorgWarner Turbo
Systems – até porque os produtos da empresa contribuem para a redução do
consumo de combustível e emissões de escape. A BorgWarner de Asheville,
portanto, também decidiu fazer a sua parte organizando um evento especial
no Dia da Terra, que, agora, é celebrado todos os anos em mais de 190 países
como uma forma de chamar a atenção para a proteção ambiental. Juntamente
com alunos da terceira série da escola Avery’s Creek, os funcionários do esta­
belecimento plantaram oito árvores para acrescentar mais beleza natural às
dependências da escola. Durante o plantio das árvores, os alunos também
aprenderam a cuidar delas e a ajudar a proteger as aves.
A equipe “The Gorillas”
vence competição de robôs
Os alunos de hoje, apaixonados por tecnologia, são
os engenheiros de amanhã. A BorgWarner, portanto,
sempre fica feliz em apoiar e promover jovens talentos,
tais como os da equipe “The Gorillas”. A equipe de
robótica 1225 da escola de ensino médio pertencente
às Escolas Públicas do Condado de Henderson vence­
ram, recentemente, a North Carolina Regional Robotics
Competition (Concurso Regional de Robótica da Carolina
do Norte). O desafio da competição foi a construção de
um robô que pudesse empilhar a maior quantidade de
recipientes uns sobre os outros no menor tempo possível.
A equipe “The Gorillas” ficou com o primeiro lugar rece­
bendo o Excellence in Engineering Award, patrocinado
pela Delphi.
06
Projeto de cliente
TDI Reloaded
Há mais de 20 anos, a sigla TDI simboliza acele­
ração potente e consumo extremamente baixo
em veículos Volkswagen. Embora o motor a Diesel
tenha se desenvolvido, desde então, em um componente de tecnologia altamente sofisticada, os
motores turbodiesel atuais ainda têm um grande
potencial de otimização. Os novos motores 1.4 e
2.0 TDI da Volkswagen, equipados com sistemas de
turboalimentação ultramodernos da BorgWarner,
representam os mais recentes exemplos disso.
Primeiro turbocompressor VTG em um TDI de 3 cilindros
A Volkswagen tem utilizado as mais recentes tecnologias de turbo­
alimentação em seus motores TDI há muitos anos. Na verdade, até
mesmo os menores motores vêm com turbocompressores VTG inova­
dores e tecnicamente sofisticados. A tecnologia VTG da BorgWarner
agora está sendo utilizada em um turbodiesel de três cilindros, pela
primeira vez. A nova e extremamente eficiente unidade a Diesel de
1.4 litros está disponível em duas versões: uma com 75 bhp (potência
de freio) e a outra com 90 bhp. Ambas as unidades cumprem as
normas de emissões Euro 6 e estabelecem novos recordes em termos
de eficiência de consumo de combustível. Em comparação com os
seus antecessores, foi possível reduzir o consumo de combustível
em até 21 %. O turbodiesel de 75 bhp está celebrando sua estreia
no novo VW Polo, onde ele impressiona com o padrão de consumo
médio de 3,1 litros a cada 100km rodados.
O turbocompressor VTG com palhetas de turbina ajustáveis em
formato de S presta uma contribuição fundamental à excelente eficiên­
cia do novo motor. Os desenvolvedores da BorgWarner empreenderam
grandes esforços para otimizar a eficiência dos rotores e turbinas.
Como resultado, este sistema de turboalimentação da BorgWarner
melhora significativamente a resposta do motor, além de aumentar
sua eficiência (especialmente na faixa de baixa rotação), o que
leva a melhores índices de consumo de combustível e emissões.
O motor de 55 bhp compacto proporciona torque máximo
de 210 Nm, que está disponível a partir de apenas 1.500 rpm.
O novo turbodiesel é um componente importante na linha de
motores modulares do Grupo Volkswagen. Após a sua implantação no Polo, o motor também estará disponível em muitos
outros veículos da Audi, Seat, Škoda e Volkswagen.
Movendo o Passat com o sistema R2S
Enquanto o motor 1.4 representa o modelo de entrada
para a avançada tecnologia TDI, o novo turbodiesel 2.0 da
Volkswagen encontra-se na ponta da escala de performance.
Fornecendo 240 bhp e 500 Nm de torque, os engenheiros
07
Linhas luxuosas: o novo e potente motor TDI
encaixa-se perfeitamente com as linhas dinâmicas
e elegantes do novo VW Passat.
Economia pra valer: o novo motor TDI de três cilindros
faz do Polo um companheiro oportuno e econômico.
Com o novo turbocompressor VTG,
a tecnologia VTG da BorgWarner é
utilizada, agora, pela primeira vez,
também em um turbodiesel de três
cilindros.
da VW e BorgWarner foram capazes de
extrair um desempenho extraordinário de
uma baixa cilindrada, através da utilização
das mais recentes tecnologias de turbo­
alimentação para os gases de escape.
Com uma velocidade máxima de 238 km/h
e indo de 0 – 100 km/h em pouco mais de
6 segundos, o novo motor oferece prazer
de condução sem limites no novo Passat
2.0 TDI SCR – juntamente com a excepcional
taxa de consumo de 5,3 litros por 100 km
rodados. Claro, o motor TDI 2.0 também
está em conformidade com as normas
de emissões Euro 6 e produz apenas
140 gramas de CO2 por quilômetro.
No coração do novo motor, encontra-se
um sistema de duplo estágio regulado
(R2S), que compreende um turbocompres­
sor VTG para a etapa de alta pressão e
um turbocompressor B03, maior e arrefe­
cido à água, para o estágio de baixa pressão.
A BorgWarner emprega uma roda de rotor
fresada com um revestimento protetor
especial em ambos os turbocompressores,
para que eles possam lidar com as cargas
extremas e componentes corrosivos asso­
ciados com a baixa pressão de recirculação
dos gases de escape de forma mais eficaz.
Controladas por um atuador elétrico, as
palhetas de turbina do turbocompressor
VTG adaptam-se à velocidade do motor
e ao volume dos gases de escape disponí­
vel numa fração de segundo. Isso resulta
em um aumento extremamente rápido da
propulsão proporcionando uma aceleração,
virtualmente, instantânea. Conforme aumenta
a velocidade do motor, a etapa B03 de
baixa pressão começa a entrar em ação,
assumindo, por fim, todas as tarefas de
propulsão em altas rotações.
O sistema turbocompressor R2S da BorgWarner
torna o motor 2.0 de 4 cilindros da VW o mais potente
motor a Diesel de sua categoria.
Os dois novos motores 1.4 e 2.0 TDI
da Volkswagen completam de modo
admirável o início e o final do portfólio de
motores turbodiesel da empresa. Para a
BorgWarner Turbo Systems, as unidades
representam uma excelente oportunidade
para, mais uma vez, posicionar-se como
uma parceira qualificada de desenvolvi­
mento junto à famosa montadora.
08
Entrevista
grande vantagem?
“Nossa
Cobrimos todo o espectro de tecnologias”.
“Preço, desempenho, qualidade e serviços são os fatores determinantes para os clientes que
desejam implantar novos projetos. Mas que efeitos as taxas robustas de crescimento têm tido?
Onde a estrada irá nos levar se os limites do que é tecnicamente viável estão se tornando cada
vez menores? Em entrevista, Henk Vanthournout e Wouter Nijenhuis falam sobre a cooperação
com os clientes, as tendências dos mercados de veículos comerciais e de passeio e sobre a
situação excepcional de deter a liderança em tecnologia.
Sr. Vanthournout, Sr. Nijenhuis, dentre
suas responsabilidades na BorgWarner
Turbo Systems incluem-se vendas inter­
nacionais. Que desafios/temas tomam,
atualmente, a maior parte do seu tempo?
Henk Vanthournout: No curto prazo, o
desafio é alcançar um crescimento global.
A Ásia e a América do Norte estão registrando,
atualmente, taxas de crescimento que temos
visto raramente na história da indústria auto­
mobilística. Para lidar com isso, temos de
garantir perfeitos ramp-ups de produtos. No
longo prazo, temos que permanecer técnica
e comercialmente competitivos. Há novos
players no mercado e os requisitos dos clientes
aumentam constantemente. Os padrões de
emissão estão se tornando, também, cada
vez mais rigorosos. Isto leva a nós e nossos
clientes próximos aos limites do que é tecnica­
mente possível. Em outras palavras, temos de
garantir o sucesso dos ramp-ups, ao mesmo
tempo em que fortalecemos nosso portfólio de
produtos de tal maneira que possamos manter
a nossa posição de liderança no mercado.
Wouter Nijenhuis: Padrões de emissão
também estão se tornando cada vez mais
rigorosos na indústria de veículos comerciais
e novos concorrentes estão entrando no
mercado. Custos também são um tema
importante, especialmente, no que se refere
ao custo total de propriedade. Quando se
trata de veículos comerciais, os custos de
combustível para os clientes finais desem­
penham um papel crucial. Aqui, cada ponto
percentual conta em termos de eficiência.
Isso significa que inovações como o
eBooster® são extremamente importantes?
Henk Vanthournout: Sem dúvida. O eBooster®
tem potencial para se tornar uma tecnologia-
chave para veículos de passeio. Estamos
trabalhando, atualmente, em estreita colabo­
ração com todos os clientes. Nos próximos
12 a 18 meses, devemos ter uma imagem
mais clara do potencial de mercado oferecido
pelo eBooster®. Até o momento, quatro con­
tratos foram concluídos com clientes ao redor
do mundo, dos quais conseguimos fechar
dois. Isto significa que a maior parte das
encomendas ainda não tem sido aprovada,
uma vez que ainda estamos na fase de
desenvolvimento do conceito.
de desfrutar de uma vantagem tecnológica.
Mas não temos ilusões a respeito disso
e sabemos que outros players entrarão no
mercado.
O eBooster® também interessa
ao senhor, Sr. Nijenhuis?
Wouter Nijenhuis: Sim, embora o utilizemos
de modo um pouco diferente. Nossos clien­
tes de veículos comerciais médios e pesados
desejam executar o eBooster® de modo contí­
“Estamos continuamente des­en­
volvendo novas tecnologias.
As coisas nunca ficam paradas.”
Quais são as características
do eBooster®?
Henk Vanthournout: Por um lado, ele
permite aos clientes melhorar o torque
especialmente em baixas rotações.
Contudo, os clientes também estão,
Wouter Nijenhuis
compreensivelmente, ansiosos para
encontrar maneiras de reduzir as
nuo, o que faz uma enorme diferença.
emissões de CO2 e otimizar o consumo
Há também mais avanços no sentido da
de combustível. Precisamos trabalhar juntos
eletrificação, como o eTurbo e o eTurbo
para determinar onde e quando o módulo
Compound. O eTurbo Compound é uma
pode ser utilizado de modo mais eficaz.
turbina com gerador impulsionada por gases
Nos próximos dez anos, o uso do eBooster®
pode aumentar, potencialmente, cinco ou, até
de escape, mas que pode ser utilizada para
mesmo, dez vezes. Estamos empenhados em
gerar eletri­cidade para o motor e sistemas
investir no eBooster®. Para isso, estabelece­
auxiliares. Esta abordagem economiza muito
mos a infraestrutura necessária e alocamos
combus­tível, uma vez que a energia que seria
uma grande equipe. Juntamente com os
perdida é recuperada do sistema de escape.
clientes, estamos ansiosos para determinar o
O eTurbo Compound é recomendável para
potencial de mercado com uma abordagem
viagens de longa distância, já que bastante
específica.
electricidade pode ser gerada. O eTurbo,
que já estamos desenvolvendo, combina
O que a concorrência está fazendo?
as vantagens de ambos os produtos. A uni­
Henk Vanthournout: No momento, há um
dade utiliza um rotor, uma turbina e o eMotor/
grande concorrente da área da eletrônica.
gerador. Desta forma, ele combina todas
Nós somos da área de turbocompressores.
as funcionalidades num único produto.
O eBooster® é uma combinação de ambos.
Eletrificação é algo genuinamente novo,
Estamos, atualmente, na situação excepcional
um verdadeiro divisor de águas.
09
Wouter Nijenhuis trabalha na indústria automobilística há
17 anos. Começou sua carreira como engenheiro consultor
da Renault. Seguiram-se cargos como engenheiro de projeto
e líder de projeto na MHI Equipment Europe B.V.
Henk Vanthournout trabalha na indústria automobilística há
17 anos. Iniciou sua carreira na Lear Corporation, onde, inicialmente,
ocupava o cargo de gerente de plataforma e, posteriormente,
tornou-se responsável por vendas e gestão de programa.
Em 2006, juntou-se à BorgWarner, onde assumiu, posteriormente,
diversas posições, inclusive o de Diretor de Vendas & Gerencia­
mento de Programa na Europa. Desde janeiro de 2015, Wouter
Nijenhuis é o responsável pela área de vendas globais de veículos
comerciais como Vice-Presidente Global de Engenharia e Vendas
de Veículos Comerciais.
Em 2011, Henk Vanthournout juntou-se à BorgWarner para assumir
o cargo de Diretor de Vendas & Gerente de Produto para Veículos
de Passeio para a Europa. Desde maio de 2013, é responsável
também pelas vendas mundiais de turbocompressores para veículos
de passeio como Vice-Presidente Global de Vendas, Gerente de
Produto e Estratégia de Produto para Veículos de Passeio.
Continuamos, obviamente, a desenvolver
nosso portfólio de produtos, incluindo
a VTG para uso em veículos comerciais
leves ou no setor de GNV. As palavraschave aqui são eficiência, peso, material
e resistência à temperatura.
“Atualmente, desfrutamos de uma vantagem
tecnológica na forma
do eBooster®.
Henk Vanthournout
Como vocês se diferenciam de outros
concorrentes?
Henk Vanthournout: Nós cobrimos todo
o espectro de tecnologias: desde pequenos
turbocompressores para motores a gasolina,
até grandes turbocompressores de duplo,
triplo e, em breve, quádruplo estágio para
motores a Diesel. Isso nos dá uma grande
vantagem sobre a concorrência. A maioria
dos novos concorrentes estão se concen­
trando em determinados segmentos.
Isto é algo que não podemos nos dar ao
luxo como líderes de mercado. Chegar a
esta posição foi bastante difícil, e mantê-la
em uma área de crescimento tão expressivo
também é extremamente difícil do ponto
de vista tecnológico. Se não melhorarmos
continuamente todos os aspectos de 10 %
a 15 % nos próximos cinco anos, vamos
perder esta posição. Para reforçar a nossa
posição de liderança, já iniciamos o novo
programa Management Excellence Initiative
(Iniciativa de Excelência em Gestão, em
português).
O que esta iniciativa envolve?
Henk Vanthournout: Investimos nos
gestores do programa mais do que nunca
e estamos desenvolvendo um conjunto
completo de habilidades que permitirão
que os funcionários obtenham ainda mais
qualificações e desfrutem de oportunidades
de desenvolvimento ainda melhores. Isto
permitirá, no final, que ramp-ups do pro­
grama desenvolvam-se melhor, o que, por
sua vez, permitirá que lidemos com todos
os aspectos de nossos objetivos gerais.
Também há outras tendências de
mercado além da eletrificação?
Henk Vanthournout: Em relação aos
veículos de passeio, as principais questões
giram em torno de os clientes atingirem
seus padrões de emissão, manterem-se
competitivos e estabelecerem padrões para
atributos, como o torque em baixas rotações
ou o prazer de conduzir. Além disso, notamos
que os requisitos para os turbocompresso­
res estão aumentando. Agora, estamos
chegando ao limite do que é tecnicamente
viável e estamos sentindo uma enorme pres­
são de custos. As montadoras não estão
conseguindo repassar aos seus clientes
os custos das tecnologias de economia de
combustível. Bem, tecnicamente, eles ainda
podem fazer isso nos segmentos top, mas
não para a grande maioria dos veículos.
E quanto aos veículos comerciais?
Wouter Nijenhuis: Há uma imensa pressão
sobre os preços devido aos elevados custos de
aquisição de veículos comerciais. No entanto,
ainda é possível vender o conceito de “maior
eficiência” em nosso setor, já que este tem
uma influência direta sobre os custos totais
10
Entrevista
de aquisição e utilização do veículo. A situa­
ção é parecida em relação aos veículos de
passeio em que o produto não deve ser muito
caro e deve proporcionar, também, uma
excelente performance. Em termos de veícu­
los comerciais, todos os veículos de estrada
possuem um turbocompressor. Na categoria
off-road ainda há um grande potencial inex­
plorado. Este segmento está crescendo a um
ritmo acelerado, assim como o mercado de
turboalimentação para motores a gasolina.
Existe uma estratégia de vendas especial
para superar esses desafios?
Henk Vanthournout: Muitos fatores estão
em jogo quando os clientes tomam decisões
de compra. No entanto, a tecnologia é talvez
o mais importante. Se oferecemos o melhor
produto em termos de termodinâmica, temos
uma vantagem. Contudo, as necessidades
dos clientes devem ser atendidas, também,
em termos de qualidade, desempenho de
entrega, garantia e custos.
Então, vocês oferecem mais
neste sentido?
Henk Vanthournout: Diferentemente de
nossos concorrentes, podemos rememorar
uma longa e rica história. Muitas vezes,
esta é uma vantagem, embora possa ser um
inconveniente em certos casos. Um cliente
que está lidando pela primeira vez com o
tema da turboalimentação é mais propenso
a confiar em um parceiro estabelecido no
mercado há 40 anos e que produz milhões
de turbocompressores por ano. Estes clientes
dão grande valor à confiabilidade de entrega,
qualidade e garantia. Por outro lado, OEMs
experientes geralmente estão mais dispostos
a experimentar novos players no mercado.
Reconhecemos isto, uma vez que estes fabri­
cantes oferecem soluções técnicas que não
são ruins, embora não possam, realmente,
competir conosco em termos de qualidade,
confiabilidade de entrega ou garantia.
Vocês têm clientes que recorreram à
concorrência e que depois voltaram?
Henk Vanthournout: Sim. Isso acontece
quando os clientes percebem a importância
de atributos como confiabilidade de entrega,
qualidade, garantia e um gerenciamento de
programa rigoroso. Levamos o conceito de
satisfação do cliente muito a sério. Monito­
ramos e analisamos sua satisfação e depois
utilizamos os resultados para gerar medidas
de melhoria. Mas deixando isto de lado,
podemos compreender perfeitamente
a situação do mercado do ponto de vista
do cliente. Este enorme crescimento do
mercado não pode ser distribuído entre
apenas três ou quatro concorrentes.
Existem quaisquer interfaces
em que os setores de veículo
comerciais e de passeio interagem?
Eles podem aprender um com
o outro?
Wouter Nijenhuis: O eBooster® é um
bom exemplo disso. Tecnologias similares do motor são utilizadas em veículos
comerciais e de passeio. Por exemplo,
no ano passado, desenvolvemos um
produto crossover para veículos comerciais a partir de um pequeno turbo usado
em veículos de passeio. Embora, obvia­
mente, tivéssemos que adaptar a unidade,
é essencialmente o mesmo turbo que
usamos para um veículo de passeio
1.5 a Diesel. Também vamos tentar lançar
o eBooster® de veículo de passeios para
as pequenas aplicações em veículos
comerciais. Utilizar estas sinergias nos
ajuda a permanecer competitivos.
A globalização ainda é um
tema para vocês?
Henk Vanthournout: Não no setor de
veículos de passeio, pois é aqui que a
BorgWarner Turbo Systems tem a sua
presença mais marcante em nível mundial,
com unidades na América do Sul e do Norte,
Europa, China, Coreia e agora, também, no
Japão. Atualmente, estamos planejando
“Eletrificação é algo
genuinamente novo,
um verdadeiro divisor
de águas.” Wouter Nijenhuis
11
“Não nos concentramos apenas
no que está acontecendo hoje
e amanhã. Ao contrário de muitos
players no mercado, consideramos,
também, o que pode acontecer em
nosso segmento de negócios daqui
a cinco ou dez anos.” Henk Vanthournout
também em expandir para a Tailândia.
Em termos de capacidade pro­dutiva, esta­
mos bem posicionados para os próximos
dez anos. Comparados a outros concorren­
tes no mercado, podemos ter orgulho de
dizer aos clientes que estamos totalmente
equipados para lidar com a expansão passo
a passo de suas operações.
Este é o caso também no setor
de veículos comerciais?
Wouter Nijenhuis: Aqui, estamos bem
no meio do processo de globalização. Cada
vez mais clientes estão se unindo para criar
joint ventures. A paisagem no que tange
a projetos demonstra, igualmente, que as
operações estão se tornando cada vez mais
globais. Estamos nos adaptando a isso e
apoiando esta tendência. Naturalmente,
podemos desfrutar do benefício de poder
contar com nossa infraestrutura no setor
de veículos de passeio. Afinal de contas,
compartilhamos as mesmas instalações e
todas as unidades da BorgWarner Turbo
Systems produzem unidades para veículos
comerciais e de passeio.
O senhor já mencionou o enorme
cres­cimento, que leva, também,
obviamente, a um número crescente
de projetos de clientes. Como o
senhor pode ter certeza de entregar
no prazo e manter uma alta qualidade
consistente quando se trabalha com
um crescimento quase exponencial
desse tipo?
Henk Vanthournout: No passado, coor­de­
návamos muitos projetos centralmente a partir
de Kirchheimbolanden. No entanto, hoje entra­
mos nas diversas regiões com o nosso
modelo de negócio “Local Accountability,
Global Strength (LAGS)” (“Responsabilidade
Local, Força Global), que nos permite lidar
com projetos de forma autônoma em cada
local. Em outras palavras, estabelecemos
um nível correspondente de infraestrutura
e o nível do pessoal tem crescido regional­
mente ao longo dos anos.
O senhor vê muito do mundo turbo da
BorgWarner. O que mais o impressiona?
Wouter Nijenhuis: Embora haja diferenças
regionais, realmente não importa qual uni­
dade da BorgWarner você visite ao redor do
mundo. Rapidamente, você irá notar que se
trata de uma empresa BorgWarner. Vivemos
a mesma cultura, os funcionários estão todos
muito motivados e todo mundo trabalha efeti­
vamente em equipe. Isto não só me impres­
siona, como também me deixa orgulhoso.
Isto é ainda mais surpreendente se
considerarmos que a BorgWarner Turbo
Systems não existe há muito tempo em
sua forma atual.
Henk Vanthournout: Sem dúvida. Também
não devemos nos esquecer de que houve
a fusão dos setores de veículos comerciais
e de passeio há apenas dois anos. Este foi
um grande desafio que conseguimos admi­
nistrar de forma muito efetiva e que nos
proporcionou muitas sinergias nas áreas de
engenharia e produção. Também fico fasci­
nado pelo crescimento na Ásia e no México,
onde fomos capazes de estabelecer uma
excelente infraestrutura em poucos anos.
As novas instalações entraram em funciona­
mento e começaram a produzir rapidamente
no mais alto nível em termos de qualidade,
desempenho de entrega e rentabilidade.
É incrível ver o quão bem funciona a coope­
ração global. Ao longo dos anos, um enorme
pool de experiência tem-se acumulado na
Europa que. Este está sendo, agora, com­
partilhado com outras regiões.
O que mais torna a BorgWarner diferente
de outras empresas?
Henk Vanthournout: Não focamos apenas
no que está acontecendo hoje e amanhã, mas
também consideramos o que pode acontecer
no próximo mês ou daqui a dez anos. Neste
aspecto, diferenciamo-nos de muitos de nos­
sos concorrentes no mercado. A estratégia
de 10 anos está alinhada com a filosofia
da nossa empresa. Nós simplesmente não
falamos sobre isso, nós vivemos isso.
Wouter Nijenhuis: Isso se encaixa com
nossa cultura organizacional aberta e cadeias
de decisão curtas. Quando algo é detectado,
somos capazes de reagir rapidamente e
trabalhar em uma direção específica. Essa
agilidade é uma característica fundamental
da BorgWarner.
Senhores, muito obrigado pela conversa
interessante.
Inovação
12
Prontos para
decolar!
Seja devido às diretrizes de emissões e de
consumo mais rígidas, ou aos requisitos cada
vez mais exigentes quanto a densidade de
potência e vida útil – a turbocompressão dos
gases de escape enfrentam, atualmente, duras
exigências quanto aos materiais utilizados.
A BorgWarner está, agora, enfrentando este
desafio tecnológico com o uso de inovadoras
ligas de alumínio do setor da aviação.
A
liga 2618 é um material
moderno, que se estabeleceu
como uma liga padrão para
os rotores de alumínio fresados nos
últimos anos e, também, provou o
seu valor junto à BorgWarner, sendo
utilizado em muitos de seus sistemas
de turboalimentação. Apesar disso,
a empresa empenha-se na busca
contínua e intensiva por novos e mais
resistentes materiais para as aplica­
ções ainda mais desafiadoras tecno­
logicamente do futuro.
Do avião para o turbocompressor
As ultramodernas ligas de alumíniolítio 2055 e 2099, produzidas pela
Alcoa, chamaram a atenção dos
desenvolvedores. Elas foram desen­
volvidas, originalmente, para reduzir o
peso das asas e fuselagem de aero­
naves e melhorar a resistência à fadiga
das asas. Isto foi alcançado ao se
reduzir a densidade do material e elevar
a ductilidade, o módulo de elasticidade
e a resistência a altas temperaturas.
Os dois novos materiais têm sido
aprovados para uso em aeronaves
desde 2013 e testados pela BorgWarner
quanto à sua aptidão para utilização
no setor automotivo – especificamente
na turbocompressão dos gases de
escape.
Para turbinar futuros motores de
automóveis de passeio, por exemplo,
a empresa está à procura de um
material que permita maiores velocida­
des circunferenciais da roda do rotor.
Enquanto a velocidade máxima atual
é de cerca de 560 m/s, os engenheiros
da BorgWarner esperam aumentá-la
ainda mais. Para que isso dê certo,
a roda deve oferecer maior resistência
a cargas cíclicas (LCF). Além disso,
uma melhor resistência aos meios é
requerida para aplicações com recir­
culação dos gases de escape de
baixa pressão. O foco aqui é aumen­
tar a resistência mecânica à erosão
causada por partículas de água ou por
gotículas, melhorar a resistência química
à corrosão causada pelos condensa­
dos de água e de gás de escape
(ácidos fracos com valores de pH
entre 2 e 3), e elevar a resistência
a partículas sólidas de até 200 µm
de tamanho.
Testado e classificado
como muito bom
Os desenvolvedores da BorgWarner
submeteram rotores feitos com as
ligas 2055 e 2099 a ensaios inten­
sivos de corrosão e foram capazes
de determinar uma melhoria signifi­
cativa na resistência à corrosão em
relação às rodas padrão feitas com
a liga 2618.
VR – Material: Alloy 2618
No ensaio de corrosão
(350 horas de exposição
ao ar livre no meio NaCL/
MgCl/CaCl, a nova liga
2099 (à direita) apresenta
uma resistência muito
maior à corrosão que a
liga 2618 (à esquerda).
VR – Material: Alloy 2099
13
um processo de shot-peening con­
trolado. Com base na experiência
dos desenvolvedores, este tratamento
superficial da roda do rotor leva a outro
aumento significativo de sua vida útil.
Os tratamentos superficiais, como a
oxidação por Al2O3 ou a aplicação de
um selante de polímero também estão
sendo pesquisados. Os objetivos aqui
são o de melhorar ainda mais a resis­
tência aos meios e a resistência ao
bombardeamento de partículas da roda
do rotor, e dotar a roda de forma ideal
para o seu uso com recircula­
ção de gases de escape de
4
baixa pressão.
3.5
No entanto, além de novos materiais,
a especialista em turbos também está
à procura de processos de usinagem
inovadores para melhorar o desempenho
e a vida útil de seus turbocompressores.
Neste sentido, os rotores feitos com
as novas ligas, e os feitos com a liga
2618, também serão submetidos a
2
Pesquisa intensiva
de materiais
Para que a BorgWarner possa
contar com materiais de alto
desempenho para futuras apli­
cações em turbocompressores,
com seus rigorosos requisitos
tecnológicos, a empresa inten­
sificou a pesquisa de materiais
Amplitude de deformação normalizada para VR3.1924
Ensaios de fadiga térmica apresentam,
também, um aumento na resistência
mecânica. O limite de escoamento e
de elasticidade das ligas de Al-Li são
significativamente mais elevados a
200°C, quando comparados com a liga
2618. As curvas Wöhler, que ajudam a
mensurar a resistência das novas ligas
2055 e 2099 à vibração, também exi­
bem melhorias em relação ao material
padrão de série anterior – a liga
2618 – no que diz respeito à vida útil.
Desta forma, as novas ligas de alumínio
são materiais ideais para atender às
rigorosas exigências tecnológicas das
futuras gerações de motores e, por­
tanto, serão utilizadas nos novos turbo­
compressores da BorgWarner.
e ampliou, significativamente, suas
atividades de desenvolvimento de mate­
riais. Os especialistas da BorgWarner
também estão colaborando intensa­
mente com fornecedores externos
neste esforço como forma de explorar
o potencial de novos materiais inova­
dores na área de turbocompressão dos
gases de escape. O principal foco aqui
é encontrar materiais que melhorem
ainda mais o desempenho, a confia­
bilidade e a eficiência das novas gera­
ções de turbocompressores.
Amostras circulares: K t,a =1,2
Índice de tensão: R σ =0
Temperatura: 200°C
3
2.5
Ensaios de resistência
à fadiga mostram uma
ampliação significativa
da vida útil em relação
ao material padrão
anterior.
1 < N ≤ 10 5 :f =1 Hz
10 5 < N ≤ 10 6 :f = 5 Hz
Alcoa 2099-T8x
k 50% =7.4
Alcoa VR3.1924
P0 =50%
Alcoa 2055
k 50% =5.8
k 50% =5.6
1.5
k*=21.85
σ4,5% (N=10 )=1.19
σ4,5% (N=10 6 )=1.18
σ4,5% (N=10 6 )=1.00
6
1
10 3
2x10 3
6x10 3 10 4
2x10 4
6x10 4 10 5
2x10 5
6x10 5 10 6
2x10 6
Taxa de fratura – ciclo de carregamento NB
14
Projeto de cliente
Ford &Furiosa
Ford F – para os amantes de veículos potentes com alta capacidade de
carga, esta letra representa a síntese da picape americana. A 13a geração
do modelo de sucesso da Ford foi, portanto, ansiosamente aguardada.
A BorgWarner fornece dois turbocompressores ao novo motor 2.7 EcoBoost
no modelo F-150.
A
Emblemática: a Ford F-150 foi o veículo mais vendido
nos EUA por décadas.
Ford produz seus modelos F
desde 1948. A picape tem
sido o veículo mais vendido
nos EUA há mais de três décadas e
é segundo colocado na lista mundial
de veículos mais produzidos. Fãs dos
modelos F da Ford não só apreciam
a excelente capacidade de transporte
que oferecem, mas também o torque
aparentemente inesgotável fornecido
por seus motores de alta cilindrada:
V6 e V8. Ao desenvolver a mais recente
geração de sua popular picape, dis­
ponível desde o final de 2014, a Ford
foi intransigente no fato de que os
motores devem satisfazer plenamente
as elevadas expectativas de seus
compradores.
Alto desempenho, baixo consumo
de combustível
O motor 2.7 EcoBoost de 6 cilindros
é uma verdadeira inovação. Em linha
com a tendência de dimensões redu­
zidas, esta nova unidade dispõe de
menos cilindradas. No entanto, ainda
oferece o desempenho impressionante
que os motoristas esperam de um
V6, oferecendo, além disso, números
melhores em termos de consumo de
combustível e emissões. Em compa­
ração com a geração anterior, os
engenheiros da Ford foram capazes
de melhorar a eficiência de combus­
tível entre 5 % e 29 %, dependendo
do modelo. O novo motor V6 gera
15
Não um, mas dois turbocompressores
com wastegate ajudam a Ford-150
a proporcionar índices de performance
e consumo impressionantes.
325 bhp (potência de freio) e torque
de 375 Nm, que é disponível a partir
de 3.000 rpm. Apesar de pesar mais
de duas toneladas, a picape propor­
ciona a taxa de consumo médio impres­
sionante de 10,6 litros por 100 km
rodados e estabelece novos padrões
nesta classe de veículo. O novo modelo
continua, assim, a história de sucesso
de seus antecessores: o motor V6 3.5
EcoBoost, que a Ford ainda oferece,
também é equipado com sistemas
de turboalimentação da BorgWarner
e é considerado, hoje, o pioneiro em
downsizing no segmento de picapes.
Poderoso graças ao biturbo
Os excelentes índices de desempe­
nho do novo EcoBoost devem-se, em
grande parte, à inovadora wastegate
do turbocompressor com atuador
pneumático a vácuo da BorgWarner.
Não um, mas dois sistemas de turbo­
alimentação deste tipo garantem pres­
são ideal. Ao definir suas especificações
de requisitos aos desenvolvedores da
BorgWarner, a Ford listou alta eficiên­cia e resposta espontânea como as
principais prioridades. Os engenheiros
da especialista em turboalimentação,
portanto, trabalharam intensamente
para obter termodinâmica ótima do
rotor e da turbina para atender às
exigências rigorosas da Ford. Os resul­
tados foram impressionantes: o novo
motor EcoBoost 2.7 impressiona os
condutores a partir de rotações muito
baixas, graças à sua excelente res­
posta e geração de energia.
Com o avançado turbocompressor
para a F-150, a BorgWarner, mais
uma vez, reforça o seu papel como o
mais importante parceiro tecnológico
da Ford no desenvolvimento dos
eficientes motores EcoBoost. Assim
como muitos outros turbocompresso­
res para a Ford na América do Norte,
o sistema de turboalimentação é
produzido na fábrica ultramoderna da
BorgWarner em Ramos, no México.
Unidade local
16
BorgWarner implementa linha
de produção altamente flexível
Flexibilidade e qualidade na fabricação de turbocompressores sempre foram os pontos
fortes da BorgWarner em Bradford. A unidade está demonstrando isso agora mais uma
vez com sua nova linha de produção de turbocompressores VTG altamente flexível para
veículos comerciais.
Com índice zero de
defeitos e tempos de
configuração signifi­
cativamente menores,
a nova linha de produção VTG em Bradford
esta­belece padrões em
termos de qualidade e
flexibilidade.
0
Índice zero de defeitos
N
a concepção e implemen­
tação da linha, a equipe de
Bradford recebeu o apoio
de especialistas da BorgWarner de
Asheville, que já possuem grande
experiência na fabricação de turbo­
compressores VTG. Isto fez com
que a unidade de Bradford insta­
lasse uma linha de produção ultra­
moderna que, graças aos princípios
do kaizen, poka-yoke, produção
enxuta e um alto grau de ergonomia
do processo, ultrapassassem em
muito a linha original. Cerca de 30
verificações de segurança inte­
gradas são realizadas para garantir,
entre outras coisas, o almejado
índice zero de defeitos.
A nova linha de produção VTG
foi criada, originalmente, para pro­
duzir os turbocompressores BV55
para a fabricante de equipamentos
de con­strução JCB. No entanto,
a equipe no local projetou a linha
flexível, desde o início, para que
outros turbos VTG também pudes­
sem ser fabricados. Juntamente
com as cinco versões diferentes
do BV55 para a JCB, as versões
BV70 agora estão sendo produzi­
das para dois clientes europeus
mais conhecidos. Tudo isso foi
possível graças à otimização do
tempo de configuração de acordo
com o método SMED (Single
Minute Exchange of Die, na sigla
em inglês), que permite que os
tempos da configuração prévia
padrão sejam reduzidos.
Unidade local
17
Ensaio de materiais 2.0
Como você pode ver através de um turbocompressor – sem dividí-lo em componentes ou,
mesmo, destruí-lo? A BorgWarner está respondendo a esta pergunta intrigante na Polônia
com uma tecnologia inovadora que muitas pessoas conhecem por sua utilização na Medicina.
A unidade de Rzeszów utiliza um sistema de tomografia computadorizada para o ensaio
eficaz de componentes e materiais.
R
otores de alumínio ou titânio,
carcaças de turbinas de ferro
fundido ou aço inoxidável – os
materiais e componentes mais diversi­
ficados são utilizados na produção de
sistemas de turboalimentação. Para
assegurar que a BorgWarner possa
garantir um alto grau de confiabilidade
e durabilidade de todos os componen­
tes, incluindo os desenvolvidos em
colaboração com os fornecedores,
estes são submetidos a extensos
ensaios de materiais e monitoramento
da instalação. Só então, são liberados
para produção em série. No entanto,
os sistemas de turboalimentação
ainda em desenvolvimento também
devem passar por estas inspeções
antes de ter sua capacidade de resis­
tência termomecânica e durabilidade
testadas no compartimento de ensaio
de motores.
Substituição ideal dos procedimentos de ensaio anteriores
Como em outros lugares, os ensaios de
materiais no Centro Técnico Rzeszów
(RTC) costumavam envolver o corte de
carcaças/protótipos e, em seguida, sua
análise utilizando uma CMM (máquina
de medição por coordenadas). No
entanto, isto fazia com que protótipos
e modelos pilotos em série fossem
‘desperdiçados’. O fato de os compo­
nentes a serem destruídos não serem
idênticos aos produtos reais utilizados
em testes práticos representava um
problema adicional.
Assim, a BorgWarner decidiu adquirir
uma máquina de tomografia computa­
dorizada de alta potência ultramoderna
para ensaios de materiais e com­ponen­
tes. O sistema de TC opera com uma
tensão de 450 kV e é capaz de
penetrar materiais extremamente
densos, como os utilizados na pro­
dução de turbocompressores. Isto
significa que as características inter­
nas do material da carcaça da turbina
e, também, a integridade dos com­
ponentes de montagem soldados
podem ser verificadas de forma
não destrutiva.
Análise por TC fornece
mais informações
Carcaças de turbinas podem, por
exemplo, ser testadas, facilmente e de
modo confiável, quanto à porosidade
e inclusões de materiais, ao mesmo em
que se verifica a existência de racha­
duras e cavidades. Além disso, a análise
fornece conclusões confiáveis sobre
se qualquer falha do material tiver sido
causada pelo tipo ou qualidade do
material utilizado ou pelo processo de
concepção/produção. Um alojamento
do mancal totalmente equipado, por
outro lado, pode ser testado para deter­
minar se todas as peças individuais
pretendidas foram montadas de forma
correta. Um ensaio preciso também
pode ser realizado para determinar a
porosidade e a integridade mecânica da
ligação entre a roda e eixo da turbina.
Este é um ensaio que, simplesmente,
não pode ser realizado visualmente.
Como tal, a inspeção de componen­
tes e materiais com TC oferece um
grande número de vantagens impor­
tantes à BorgWarner. Por exemplo, os
protótipos testados nos compartimen­
tos de ensaio de motores são exata­
mente as mesmas unidades que foram
previamente escaneadas. O poderoso
sistema de TC também facilita muitas
O sistema que vê tudo: ambos os rotores e
carcaças de turbinas podem ser verificados de
forma confiável, sem quaisquer problemas.
análises e medidas mais extensivas –
fornecendo uma quantidade de dados
muito maior. O software mais recente
permite que os componentes a serem
testados sejam comparados com o
modelo CAD ou com a amostra de refe­
rência através de comparação direta ou
de uma análise GD&T (dimensionamento
geométrico e tolerância). Em última
instância, a análise por TC também
reduz custos, uma vez que os compo­
nentes inspecionados podem ser reuti­
lizados para ensaios posteriores.
O sistema de tomografia computadorizada
permite o ensaio confiável e não destrutivo
dos componentes e da
qualidade dos materiais.
Unidade local
18
Mais desenvolvimento
No início de 2013, a BorgWarner inaugurou um nova instalação ultramoderna no Brasil.
A fábrica de Itatiba, que substituiu a unidade de produção de Campinas, agora também
possui um centro de desenvolvimento exclusivo.
P
restação de contas local, força
em escala global: de acordo com
este modelo de negócio, a fornece­
dora automotiva líder global de mercado,
BorgWarner, está expandindo cada vez
mais sua capacidade produtiva e a inde­
pendência de suas unidades, como forma
de apoiar seus clientes nos mercados locais
com uma expertise local abrangente.
As novas instalações de Itatiba, que agora
também dispõem de um centro de pesquisa
e desenvolvimento avançado, é, talvez,
o melhor exemplo disso.
projetos a serem tratados pelos especia­
listas da BorgWarner foi o desenvolvimento
de sistemas de turboalimentação específicos
para uso em motores flex (veja também o
artigo na página: Preparado para o flex-fuel).
Com esta finalidade, o centro de desen­
volvimento tem dois compartimentos de
ensaio de motores, que podem ser utiliza­
dos para testar e validar as novas tecnolo­
gias sob condições ideais. A capacidade
de ensaio também pode ser expandida
para incluir mais compartimentos de testes
no futuro.
Recursos suficientes para
desenvolvimento e ensaios
Demanda por inovações
Desde o início de 2015, uma equipe
dedicada de engenheiros tem trabalhado
em uma área de 2.000 m2 para criar tecno­
logias inovadoras para o crescente mercado
automotivo brasileiro. Um dos primeiros
A BorgWarner prevê um incremento
significativo na demanda por sistemas
de turboalimentação de ponta. Afinal,
tecnologias de powertrain ecológicas, que
permitem a redução do consumo de com­
bustível e das emissões dos gases de
escape, ao mesmo tempo em que
melhoram o desempenho, são extrema­
mente populares entre as montadoras
brasileiras. O motivo disto é o Inovar
Auto: um programa criado pelo governo
brasileiro que tanto incentiva, quanto
exige investimentos e inovação na indús­
tria automotiva local. Com o seu novo
centro de desenvolvimento, a BorgWarner
está ajudando os clientes locais a reagir,
rapidamente, às exigências do mercado
e a produzir novas tecnologias que pos­
sam ser utilizadas em série em um curto
espaço de tempo, permitindo que os
requisitos locais sejam perfeitamente
atendidos.
O novo centro de desenvolvimento
torna, portanto, a unidade de produção
de Itatiba, com uma área total de mais de
21.000 m2, uma das mais fortes parceiras
da indústria automotiva brasileira.
19
Ao longo dos últimos dez anos, o Brasil
tornou-se o quarto maior mercado automotivo
mundial – à frente da Alemanha.
O novo centro de desen­
volvimento em Itatiba:
aproxi­madamente 2.000 m2
dedicados à produção de
tecnologias inovadoras
para o crescente mercado
automotivo brasileiro.
BRASIL
Itatiba
Preparado
para o flex-fuel
No Brasil, os chamados veículos flex com
motores a gasolina queimam uma mistura de
gasolina e etanol. O teor de etanol no tanque destes
veículos pode variar de 25 % a 100 %. Em sua nova fábrica,
na cidade de Itatiba, a BorgWarner desenvolveu o primeiro
turbocompressor flex-fuel a ser produzido no Brasil para
o crescente mercado local de veículos de passeio.
M
otores turbo a gasolina com cilin­
drada reduzida representam uma
tendência importante de desen­
volvimento no Brasil. A BorgWarner está
antecipando um aumento considerável na
demanda por motores de dimensão reduzida
e está disposta a contribuir efetivamente para
a redução do nível de emissões dos gases
de escape, com a sua nova tecnologia turbo
flex-fuel. A especialista em turboalimentação
está apoiando, desta forma, os fabricantes
de automóveis no cumprimento das exigên­
cias do programa Inovar Auto, que visa
incentivar o desenvolvimento tecnológico
no mercado interno.
Otimizado para uso do etanol
A equipe local de desenvolvedores foi auxi­
liada pelo centro de desenvolvimento de
Kirchheimbolanden na criação do turbocom­
pressor flex-fuel. O principal desafio a
superar aqui foi a criação do sistema de
turboalimentação para uso com o biocom­
bustível etanol. Em comparação com com­
bustíveis convencionais, a combustão do
etanol leva a taxas maiores de corrosão e
aumento da diluição do óleo, o que pode,
potencialmente, comprometer a durabilidade
do sistema de turboalimentação. Os enge­
nheiros desenvolveram várias táticas para
resolver este problema, incluindo a seleção
de materiais otimizados. Isto resultou em
excelente durabilidade do novo turbocom­
pressor quando operado com etanol puro.
O novo turbocompressor flex-fuel da linha
B01 destaca-se por seu design particular­
mente compacto. Ela emprega uma roda
do compressor fresada, um sistema de rola­
mento otimizado e uma válvula wastegate,
controlada por um atuador elétrico. Os espe­
Compacto, robusto e
compatível com o etanol:
o turbo B01 flex-fuel da
BorgWarner.
cialistas da BorgWarner projetaram o turbo­
compressor de tal forma que ele pode ser
montado diretamente no coletor de escape,
que está integrado no cabeçote do cilindro.
Isto torna possível uma dimensão total extre­
mamente compacta do motor. Os novos
turbocompressores flex são projetados para
motores 0.8 a 1.6. Eles têm sido utilizados
por uma grande montadora mundial desde
meados de 2015.
Turbos flex-fuel ampliam os negócios
na área de veículos de passeio
A BorgWarner produz turbocompressores
para veículos comerciais leves e pesados há
40 anos no país. Com os novos turbocom­
pressores flex-fuel, a empresa está, agora,
expandindo seus negócios para incluir siste­
mas de turboalimentação para veículos de
passeio com motores a gasolina e demons­
trando, de forma cabal, sua experiência no
desenvolvimento local.
Unidade local
20
Bradford recebe
prêmio pela promoção
de jovens talentos
Todo mundo fala sobre a dificuldade de
encontrar pessoal qualificado. A BorgWarner
de Bradford tem feito algo a respeito. Há sete
anos, a unidade tem apoiado o Engineering
Education Scheme (Projeto de Educação em
Engenharia) na Grã-Bretanha – um programa
de patrocínio com o objetivo de transmitir
conhecimentos técnicos e estimular os alunos com
a perspectiva de uma carreira em Engenharia.
No final de abril, as duas
equipes de alunos do Green­head
College patrocinados pela
BorgWarner apresen­t aram os
resultados de seus projetos.
O
EES foi criado há 30 anos pela
organização sem fins lucrativos
Engineering Development Trust.
Mais de 30.000 jovens – incluindo mais de
9.000 garotas – já participaram do pro­
grama e tornaram-se engenheiros. O EES
faz a ligação entre as empresas de enge­
nharia e as escolas locais. Por oito meses,
um engenheiro da empresa, um professor
de escola e quatro alunos de 16 a 17 anos
trabalham em equipe num determinado
projeto da empresa. Os alunos devem
realizar uma tarefa, elaborar uma solução,
desenvolver e testar protótipos e, em
seguida, usá-los para obter uma recomen­
dação para a empresa. No final, os enge­
nheiros juniores apresentam seu projeto
a um júri composto por representantes
da indústria.
em Huddersfield. Os alunos da renomada
faculdade já trabalharam em um grande
número de projetos de turbocompressores,
lidando com problemas de montagem,
design e construção. Vários dos conceitos
criados já se transformaram, inclusive, em
produtos em série.
Projetos de estudos
com benefícios práticos
Na cerimônia de apresentação realizada
em abril, onde os alunos deste ano apre­
sentaram os resultados de seus projetos,
a fábrica de Bradford também recebeu
um prêmio por seu apoio de longa data
ao Engineering Education Scheme.
A BorgWarner de Bradford participa do
programa há sete anos e patrocina duas
equipes de projeto no Greenhead College,
Os 14 engenheiros da BorgWarner envol­
vidos no projeto atualmente e que dão
apoio aos estagiários atuam nas áreas de
Design, Engenharia de Produção, Simula­
ções e Engenharia de Aplicação. Um des­
ses estagiários – Tony Allen – tornou-se,
posteriormente, gerente da unidade de
Bradford. Isso ressalta a importância que
a BorgWarner dá aos projetos do EES.
A verdadeira situação ganha-ganha
www.borgwarner.com
Para a BorgWarner, este compromisso
beneficia a todos os envolvidos. Afinal,
assumir responsabilidade pelo bem
comum – o que inclui a promoção de
jovens talentos – é um componente-chave
de seus valores corporativos. No entanto,
também existem outras razões para a parti­
cipação da empresa no EES. O programa
oferece, por exemplo, uma boa oportu­
nidade para os jovens engenheiros da
BorgWarner ganharem uma valiosa expe­
riência de gestão. Além disso, a empresa
pode identificar e promover antecipada­
mente potenciais funcionários juniores.
Em última análise, os projetos, muitas vezes,
também criam soluções que beneficiam
os negócios da BorgWarner. Em outras
palavras: uma situação ganha-ganha para
todos os envolvidos.

Documentos relacionados