de referência para a gravadora, usando o [Waves] L1 e o

Сomentários

Transcrição

de referência para a gravadora, usando o [Waves] L1 e o
versão do Rick era incrível, mas existia uma
rusticidade na sua performance vocal original e
na natureza simples da demo que era impossível
de replicar. E, em minha opinião como produtor,
muitas vezes é difícil superar uma boa demo,
particularmente se as pessoas conviveram com
ela durante um tempo.”
Assim, foi pedido que Epworth aperfeiçoasse
a sua demo, o que ele resolveu fazer nos
Eastcote Studios em Londres. “O master
final era praticamente a demo com alguns
aprimoramentos. Eu tinha tocado tudo ao
vivo na demo: bateria, baixo, violão, guitarra e
piano. Eu gosto de usar um pouco de bateria ao
vivo em uma demo, porque ela faz uma grande
diferença, se é assim que o som deve ser. Nesta
música, usamos um bumbo de banda marcial
dos anos 1960 na frente do meu bumbo Super
Classic de 1972 para ter um attack preciso e
um grande estrondo. Na verdade, boa parte da
batida do bumbo foi feita com Adele pisando
em um degrau de madeira no estúdio. Nós o
gravamos alto para que soasse bem pesado.
No Eastcote, o baterista Leo Taylor adicionou
mais vida às gravações de bateria da demo. A
questão era tentar obter um som ambiente sem
“A respeito dos periféricos, eu tinha o
equalizador Pultec, Urei 1176 e o Tube-Tech
CL1B no insert de sub do vocal principal
(canal 25 da mesa). O Pultec aumentou
aproximadamente 100Hz e 12k. Ele é
colorido, mas não é drástico. Não tinha
muito ganho. O Urei preto tinha attack
e release rápidos, enquanto que o TubeTech tinha attack e release lentos, ele
equilibrou mais o nível. Você pode usar
compressão como efeito, mas, no vocal,
você quer principalmente controle. Você
quer configurá-lo corretamente para não
ficar constantemente mudando o fader do
canal para encaixar o vocal na mixagem.
Se você fica constantemente mudando
o fader, em vez de simplesmente fazer
o controle ocasional, sabe que precisa
olhar a sua compressão. Também existe
o track do Roland Space Echo do Paul,
que eu usei completamente, e que foi
o único efeito do vocal principal no
primeiro refrão. Nos vocais de apoio,
eu tinha o Digirack Trim, novamente o
Lo-Fi e o EQIII, cortando um pouco em
aproximadamente 405Hz e aumentando
um pouco perto dos 3,17k. Eu usei vários
spring reverbs nos vocais de apoio,
porque queria que eles tivessem muito
mais ambiência. Nos refrões, eu também
ficar exagerado. O teto do Eastcote é baixo, e
queríamos um take ao vivo da bateria, então
precisamos improvisar um pouco. Além disto,
quando você tem um bumbo de 26 polegadas
com uma afinação tão baixa, precisa customizar
o decay com mutes, um pouquinho de fita e um
cobertor, tomando cuidado para não acabar com
o impacto ou o timbre.
“O piano foi tocado novamente e aprimorado
por Neil Cowley, e eu toquei de novo o violão
e a guitarra como achei que eles deveriam ser
tocados. O principal motivo para gravar no
Eastcote foi que eu queria tentar emular o som
binaural do Tchad Blake naqueles álbuns do
Tom Waits do final dos anos 1980 e início dos
1990. Gravamos no Pro Tools no Eastcote e
usamos um microfone biauricular, mas com
alguns [microfones] Schoeps dos lados – não
conseguimos encontrar nenhum Neumann – e
colocamos coisas pela sala para obter a amplitude
estéreo. Mark Rankin [o engenheiro nas sessões
no Eastcote] também colocou microfone
de proximidade em tudo, e misturamos os
microfones de profundidade e os biauriculares
para obter a profundidade desejada. Para gravar
o violão, usamos o [Telefunken] Elam 250 como
adicionei vários delays. Os delays fazem
os vocais de apoio oscilarem um pouco e
também preenchem o espaço e garantem
que tudo se encaixe na mixagem.”
Mixagem final: Manley VariMu, Chandler
Curvebender, Cranesong HEDD.
“A sessão estava em 24/96, e eu mixei de
volta a isto, passando pelo Manley Vari-Mu,
o equalizador Chandler Curvebender e o
simulador de fita Cranesong HEDD, que
fez a conversão A-D. Eu gosto da cor que
o HEDD adiciona. Eu enviei uma mixagem
microfone de proximidade, a 90cm de distância
na frente do meu Martin de 1964 para ter
consistência e presença, e usamos um biauricular
com Telefunken Elam 260s posicionados
horizontalmente na posição de audição. A
guitarra era uma Les Paul de 1957 passada por
um combo Mesa Roogie e gravada com um
microfone Royer.
“Como eu disse, a demo tinha ficado muito
próxima, mas conseguimos adicionar uma
qualidade orgânica com as performances ao vivo
no Eastcote. Depois, eu e Mark pré-mixamos
a canção no computador, o que envolveu
principalmente bastante ajuste para acertar
a dinâmica. Em seguida, Tom concluiu a sua
mixagem final refinando o som que tínhamos
para algo mais focado. Ele tinha o som de piano
ODB ‘Brooklyn Zoo’ que queríamos, e misturou
a batida de pés da Adele com a bateria ao vivo,
entre outras coisas. Era um track complicado de
equilibrar. Como tem tanto espaço e tão poucos
elementos na música, ela pode facilmente se
perder. Eu tinha um pressentimento que o track
faria bastante sucesso, mas nunca pensei que
alcançaria o primeiro lugar nos EUA! Agora eu
preciso deixar o próximo trabalho ainda melhor!
de referência para a gravadora, usando o
[Waves] L1 e o UltraMaximizer para reforçar o
volume, mas retirei quando enviei o arquivo
para o engenheiro de masterização. Como
eu disse antes, as guerras de volume são uma
batalha diária para mim, porque todas as
mixagens de referência chegam carregadas e
eu preciso competir com isto. Eu não posso
enviar uma mixagem que soe 10dB mais
baixa do que a mixagem de referência. Hoje
em dia, eu uso o UAD Precision Maximizer
para isto, que é o melhor que eu já ouvi que
não estraga o som.”
Tom Elmhirst sempre cria mixagens de stems
e, no caso de ‘Rolling In The Deep’, eles foram
carregados e aumentados com mais sub-graves e
vocais para a versão lançada.
w w w . s o u n d o n s o u n d . c o m . b r / Setembro 2011
109

Documentos relacionados

Roll Deep Respeito

Roll Deep Respeito Lo Green, Maximo Park, Bloc Party, The Rapture, Florence & The Machine e Plan B. A maneira que Epworth gravou e arranjou a música – descrita no box ‘Da demo para o sucesso de platina’ – teve um papel

Leia mais

Gravando o restante Mixado por... ninguém?

Gravando o restante Mixado por... ninguém? estava pronto para cantar, então eu peguei rapidamente o primeiro microfone que estava por perto, era o 269 e ele soou excelente! Então usamos ele daí em diante. Na música ‘In The Company Of Wolves...

Leia mais