Jornal dos MESC Jornal dos MESC

Сomentários

Transcrição

Jornal dos MESC Jornal dos MESC
Jornal dos MESC
V ic ariat o Sã o G onç alo
S Ã O G O N Ç A L O ,2 7 D E N O V E M B R O D E 2 0 1 0 .
Enfim, o Começo da M issão...
“Colhendo as
rosas
da s
sementes que
deixamos cair
pelo chão”
Com afi
nco,cansaço eméri
tos se cumpre uma j
ornada.
Masaal
egri
ade quem tri
l
ha
seuspassosepercorrecami
nhos novos, repl
etos
de
experiênci
as e possibilidades
é a coroação dos
que
se
permi
ti
ram
sonhar de
ol
hosabertos.
É com a
al
egri
a de
amar um
so n h o
impossível
que
se
transforma
em vi
da, mesmo di
ante da
vi
ol
ênci
a que se apresenta
queami
ssãocomeça.Massó
duraquando encontramorada no coração daquel
es que
carregam consi
go a perseverança,a cari
dade e a humi
l
dade.
Tri
l
harospassosdo Senhor
é estar de coração aberto e
ol
hos,com ol
hossensí
vei
se
percepção apurada para evi
tartropeços.
V O L U M E 1 2 , E D IÇ Ã O 1
Catequista Bruno Velasco, M EJ
das, cansadas que Jesus, o
Bom Pastor,procurari
a.
O Sonho Impossível.
Chico Buarque e RuyGuerra.
O exercí
ci
o de descansaros
cansados,deal
egrarostri
stes
é recompensado nas vi
das e
hi
stóri
asquesão resgatadase
reconstruídas. Cabe ao
MESC a doce e si
ngel
a função de trazer/levar
“Sonharmaisum sonho
consi
go o
impossível.
Sacramento
queéCri
sto Lutar quando éf
ácil ceder.
Comunhão. Vencer o inimigo invencí
vel
É deverdos
M E SC s
Negarquando a regra é
am ar
a
vender
Eucaristia
que Comurer a tortura implacável.
nhão pres- Sof
vel prisão.
supõe
à Romper a incabí
medi
da que
une em vez
imite provádesegregar. Voarnum l
vel.Tocaro inacessível
nos
chão.
É
“Banquete
dos Fami
ntos” que as É minha lei, éminha questão.
energi
as se Virar este mundo, cravar este
chão.
recuperam,queasfamí
l
i
asse
reconstroem e os Mi
ni
stros
“concel
ebram” a vi
da, a
vi
tóri
ada parti
l
ha,dacomu- Não me importa saber
Se éterríveldemais
nhão.
É o pensamento da uni
dade
Quantas guerras terei que
que faz a Comunhão ser
vencer.
Por um pouco de paz.
COMUM em UNIDADE e
produzi
rosfrutosque tanto
esperamos. Comunhão é E amanhãse este chão
recomeço, conti
nuação, é que eu beij
ei.Formeu
vi
da em pl
eni
tude.Cel
ebreleito e perdão
mos.
Mas também sabervi
verno
recomeço uma nova cami
nhada de eucari
sti
a que te Parabéns aos que saboreresgatano Tempo daMi
seri
- am, agora, o doce saborda
córdi
a e te devol
ve no al
tar vitória chamada M issão!
dacomunhão.
Desteal
tar,damesadacei
a,
é que o Al
i
mento Vi
vo traz Catequista Bruno Velasco
os seus a cear.Mas é dever Catequista do MEJ, Zelador do
sai
r,sai
rmostalcomo i
grej
a, Apostolado da Oração.
doi
s a doi
s,três a três.
.
.
,e
buscarmos as ovel
has perdi
-
Vou saber que valeu
Delirar e morrer de paixão
E assim, seja lácomo
for.Vai terfim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma f
lor
Brotar do impossí
vel chão”
M a t é r ia d a C a p a :
Enfim, o Começo da
M issão...
Catequista Bruno Velasco,
MEJ& AO
A in d a N e s t a e d iç ã o :
2
Noée o Dilúvio
John Nascimento, Canadá
O M enestrel
3
W illiam Sahkespeare
O Trem da Vida
3
Catequista Bruno Velasco
A Carroça
Ref
lexão.
4
Agradecimentos
Coord.MESC S.Gonçalo
4