Juliana 54 Congresso AMES 7ª JORNADA MFC

Сomentários

Transcrição

Juliana 54 Congresso AMES 7ª JORNADA MFC
7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família
e Comunidade
Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade – ACMFC
ABORDAGEM DE PROBLEMAS
DERMATOLÓGICOS MAIS COMUNS NA
APS
JULIANA ROCHA NOGUEIRA
Dermatoses mais prevalentes na APS:
Baseado no estudo feito na APS de MT (2010)
e pela UFRJ (2010):
• Dermatite de contato;
• Dermatite de fraldas;
• Dermatofitose;
• Escabiose;
• Impetigo.
Caso Clínico 1
Paciente de 5 anos de idade, sexo masculino,
apresenta lesões vésico-pustulosas e crostas
melicéricas na face de início há 2 dias
associada a febre baixa. Outras crianças da
creche estão com quadro semelhante.
Fonte:www.dermis.net
Impetigo
• Etiologia: S. aureus e S. pyogenes;
• Mais comum em crianças institucionalizadas
• Associada ou não a sintomas gerais leves;
• Autolimitada;
• Forma bolhosa e não bolhosa;
• Diagnóstico Clínico;
• Tratamento- higiene local, retirada das
crostas;
Impetigo
• Tópico: Mupirocina ou ácido fusídico 2-3x/dia
• Sistêmico: Penicilina benzatina: 1.200.000U
para adultos e 50.000U/kg, até no máximo
900.000U para crianças com peso abaixo de
27kg, dose única;
Eritromicina: 250mg a 500mg, em adultos, e
30mg a 50mg/kg/dia, em crianças, de 6/6h, por
7 dias;
Cefalexina: 250mg a 500mg, em adultos, e
25mg a 50mg/kg/dia, em crianças, de 6/6h,
por 7 dias.
Caso Clínico 2
Paciente de 15 anos de idade, sexo masculino,
exibe
lesões
pápulo-escoriadas
muito
pruriginosas em região interdigital, nádegas,
região inguinal e periumbilical. Demais
membros da família também apresentam
quadro semelhante.
Fonte:www.micologia.com.br
Escabiose
• Agente: ácaro Sarcoptes scabiei;
• Lesões tipo vesículas e pápulas com sulcos e
escoriações (prurido principalmente noturno);
• Áreas mais comuns: interdigital, punhos,
axilas, periumbilical, nádegas, virilhas;
• Diagnóstico é clínico;
Escabiose
•Tratamento
Ivermectina, dose única, VO, 1 comp a cada
30 kg, a dose pode ser repetida após uma
semana.
Permetrina a 5% em creme, uma aplicação à
noite, por 6 noites, ou deltametrina, em loções
e shampoos, uso diário por 7 a 10 dias.
Enxofre a 10% diluído em petrolatum deve ser
usado em mulheres grávidas e crianças abaixo
de 2 anos de idade.
Caso Clínico 3
Paciente de 23 anos, sexo masculino, mostra
lesões maculares hiperemiadas em nádegas e
coxas, pruriginosas e que estão crescendo.
Apresentam centro mais claro e bordas
descamativas.
Fonte:www.dermis.net
Dermatofitoses
• Agentes: Fungos dermatófitos queratinofílicos
(Microsporum, Epidermopyton, Trycophyton);
• Micose superficial de pele, unhas e cabelos;
• Nomenclatura variada conforme região
afetada (Tinha cruris, Tinha corporis, Tinha
unguium...);
• Diagnóstico geralmente é clínico, mas podese fazer micológico direto e cultura;
Dermatofitoses
• Tratamento:
Tinha Capitis: Griseofulvina 20-25mg/kg/dia 6 a
8 semanas. Pode-se associa o shampoo de
cetoconazol 2% ou ciclopirox a 1%
Tinha corporis: tioconazol 1% ou isoconazol
1%, Itraconazol 100mg/dia 4 semanas,
Fluconazol 150mg/semana por 4 semanas,
terbinafina 250mg/dia por 28 dias
Caso Clínico 4
Paciente de 6 meses de idade apresenta
máculas eritematosas coalescentes com
pápulas satélites em região genital. Algumas
áreas apresentam aspecto esbranquiçado.
Fonte: www.dermis.net
Dermatite de fraldas
• Agente: urina e fezes
•Dermatite de contato por irritante 1º;
• Lesões eritematosas, pápulas, vesículas,
descamação, maceração;
• Frequente infecção 2ª - Candida e bactérias;
• Diagnóstico é clínico;
Dermatite de fraldas
• Tratamento:
Evitar fatores irritantes;
Troca de fraldas frequentes e higiene
adequada;
Pasta de óxido de zinco ou pasta d’água nas
trocas de fraldas;
Cremes à base de hidrocortisona; e nistatina
ou antimicóticos imidazólicos (cetoconazol,
tioconazol) na suspeita de contaminação por
Candida.
Caso Clínico 5
Paciente de 45 anos, sexo feminino exibe
lesões eritêmato-descamativas em dedos das
mãos muito pruriginosas com algumas fissuras.
Diz que não é a 1ª vez que ocorre e que não
tem outros familiares comprometidos.
Fonte : www.dermis.net
Dermatite de Contato
• Agentes: irritante 1º ou por sensibilização
•Reação inflamatória por ação de irritante
direto
(80%
casos)
ou
alergia
(hipersensibilidade tipo IV);
• Dermatose ocupacional;
• Locais comuns: mãos (luvas, detergentes,
material uso ocupacional) , face (cosméticos),
pavilhão
auricular
(níquel),
axilas
(desodorantes), mamas (sutiã), pés (calçados,
medicamentos);
Dermatite de Contato
• Evolução aguda, subaguda e crônica;
• Diagnóstico geralmente é clínico;
• Pode ser feito teste de sensibilidade (Patch
test);
• Tratamento
Evitar contato com o agente irritante
Usar agentes hidratantes e emolientes
Corticóide tópico
Casos graves: corticóide oral.
Referências
•Agostinho,
K.M
et
al.
Doenças
Dermatológicas frequentes em unidade básica
de Saúde. Cogitare Enferm. 2013 Out/Dez; 18
(4):715-21.
•Azulay RD, Azulay DR. Dermatologia. 3a ed.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
•Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Acolhimento à demanda espontânea :
queixas mais comuns na Atenção Básica /
Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à
Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 1.
ed.; 1. reimp. – Brasília: Ministério da Saúde,
Referências
•Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de
Políticas de Saúde. Departamento de Atenção
Básica.Dermatologia na Atenção Básica /
Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de
Saúde.- 1ª edição. -Brasília: Ministério da
Saúde, 2002.
•Perazio,F.W et al. Dermatoses na Atenção
Primária-Serviço de Dermatologia, Curso de
Graduação e Pós-Graduação HUCFF-UFRJ,
Faculdade de Medicina-Universidade Federal
do Rio de Janeiro.
Referências
•Santos, Omar Lupi da Rosa, 1967-Rotinas de
diagnóstico e tratamento da sociedade
brasileira de dermatologia/ Omar Lupi, Josemir
Belo, Paulo R. Cunha-Itapevi, SP: AC
Farmacêutica, 2010.

Documentos relacionados