O C.S.J.B. OBRA COMUM

Сomentários

Transcrição

O C.S.J.B. OBRA COMUM
O C.S.J.B. OBRA COMUM
Qual o verdadeiro Tesouro desta Obra?
As Parábolas falam-nos de Pessoas e suas Histórias
Uma das características das parábolas é o
modo como nos falam, sempre apropriadamente, em
variadas circunstâncias de tempo, de espaço e de
pessoas. Essa característica resulta, é claro, da sua
origem profética, mas também da força dos
símbolos usados, que vão buscar às profundezas da
aventura humana a densidade da significação.
É também o caso desta Parábola do Semeador que se
dirigia directamente à experiência de vida dos
ouvintes de Jesus, e que usa os símbolos
intemporais da semente, do trabalho da
sementeira, da qualidade do terreno e da
expectativa paciente da colheita.
A aplicação passa pela compreensão de que
o grande Semeador é Jesus Cristo, pois é Ele que
lança a semente da Palavra no terreno dos nossos
corações. Ou melhor: além de Semeador, Ele é
também a própria Palavra-Semente, pois é o Verbo
de Deus.
Este Semeador vem até nós
Este Semeador, a maior parte das vezes, chega
a cada um de nós através de mediadores, uns mais
óbvios do que outros: a sua Igreja é a principal
mediadora, mas essa função é também exercida pelas
pessoas que nos rodeiam e até pelas circunstâncias da
vida em que nos achamos envolvidos.
Se a semente encontra terreno fértil, e ntão brota
viçosa, cresce a planta, os frutos serão abundantes e
darão para alimentação própria e de outros, bem
assim como para uma nova sementeira. E o ciclo
repete-se em crescendo de abundância.
Se, pelo contrário, o campo é sáfaro, mesmo que a
planta chegue a nascer, vem raquítica e o mais
provável é que estiole de todo, sem descendentes.
Conforme a qualidade do terreno, assim será a
qualidade da colheita.
Esta Parábola:
Avaliação
um
Bom
Esquema
de
Em tempo de balanço de final de ano, a
parábola sugere-nos um bom esquema de avaliação
deste nosso 2008-09, que termina. Avaliação sem
nota,
avaliação
enriquecedoramente
qualitativa, mas que não deixa de contar para a
“carreira” – isto é, para a carreira da Vida, que não
admite chumbos nem repetições de ano (porque é
corrida sem pausa), mas que, graças a Deus, dá
sempre, até ao fim, ocasião de recuperar e
aperfeiçoar.
Agricultura Espiritual
O tempo de férias, que todos aguardamos
merecidamente, vai ser propício para este exercício de
agricultura espiritual, levado a cabo com calma e
tranquilidade, se executado ao ritmo do compasso da
mãe natureza e à luz do Espírito Santo.
Um Ditado Português :
Preparar a Terra, semear, cuidar
Ainda no contexto da sementeira, gostaria de
trazer à conversa (ou seja, à homilia, que é esse o
significado original) um ditado português que aprendi
há pouco tempo e que acho de extraordinária
densidade humana. Diz o seguinte: “Ninguém é rico
senão do seu semear”.
Acho que daria um esplêndido tema do ano, desde
que os nossos alunos tivessem alguma experiência do
que é preparar a terra, fazer a sementeira, cuidar da
rega, e, particularmente, fossem ajudados a sentir o
que é viver a expectativa, às vezes ansiosa mas nunca
antecipada, de uma boa colheita. Cada coisa na sua
época. Será que as minhas raízes telúricas estarão a
tornar-me demasiado optimista?
“Ninguém é rico senão do seu semear”. Sei
bem que vocês me quereriam agora retorquir: “ora,
basta olhar minimamente à nossa volta e para os
jornais para ver que há por aí muito menino que é rico
mas é do que outros semearam!” Isso não deixa de
ser verdade. Mas esses são ricos verdadeiramente de
quê? Juntaram dinheiro, certo, e que mais? Não chega
para lhes aumentar a humanidade.
O Tesouro é o sítio do coração
Diz-nos Jesus Cristo (Mt, 6, 21): “Onde está o teu
tesouro, aí estará o teu coração”. O que, de novo, nos
leva ao tema da avaliação, se realizada face a Deus e
face ao que há de mais genuíno no profundo do ser de
cada um e de cada uma.
E quanto ao CSJB, qual o verdadeiro
tesouro desta grande obra ?
Não é novidade nenhuma se disser que a resposta a
esta pergunta terá de encontrar-se pela colaboração
de todos(as). Como vai continuar a ser o nosso
semear? Julgo que estamos convencidos que há que
cuidar cada vez mais da qualidade da semente e
também da preparação do terreno. Não
convergiremos todos em todos os meios, mas os
grandes objectivos serão comuns, espero. Não
podemos é estacionar, porque a “carreira” não pára. E
o ciclo da sementeira-colheita também não.
Obra comum
Há que seguir em frente, há que melhorar cada
vez mais o nosso tesouro. Posto nele o nosso
coração, a sementeira progredirá, naturalmente, obra
comum, sob a acção vivificante do Espírito Santo.
“Ninguém é rico senão do seu semear”!
Pedimos ao Espírito Santo que sempre guie o
nosso gesto ritual de semeadores e que a colheita seja
sempre abundante para nós e para os jovens que
servimos.
Assim seja.
P. Manuel Vaz Pato sj._PCA_ do CSJB
HOMILIA
24 Julho de 2009
Missa de Encerramento de
Actividades CSJB