Osmorregulação no ser humano

Сomentários

Transcrição

Osmorregulação no ser humano
Sistema Excretor
OSMORREGULAÇÃO
As formas mais simples de vida realizam as
suas trocas directamente como meio.
Os seres mais complexos estabelecem
trocas através do sangue e fluidos
intersticiais que banham as células.
A manutenção da composição dos
fluidos internos dentro de limites
compatíveis com a vida.
De entre os mecanismos envolvidos na
manutenção da homeostasia podem destacar-se:
Osmorregulação - Conjunto de mecanismos
pelos
quais
são
controladas
as
concentrações de sais e de água e, portanto,
os valores da pressão osmótica dos fluidos
corporais.
Excreção - Função através da qual os
organismos se libertam dos produtos
resultantes do catabolismo, muitos dos quais
são tóxicos - excreções.
Conjunto de mecanismos que permitem
manter a pressão osmótica do meio interno
dos organismos dentro de valores que não
ultrapassam os limites de sobrevivência.
A. Qual dos caranguejos possui uma concentração dos fluidos
internos diferente da concentração do meio ambiente?
O caranguejo da espécie A.
B. Que mecanismo de transporte transmembranar será utilizado
pelas células deste animal, no sentido de contrariar as leis da
difusão?
Transporte activo.
C. Qual das espécies poderá sobreviver em ambientes com
maior variabilidade de salinidade?
Espécie A.
D. Em que medida a salinidade pode ser considerada um factor
limitante?
A salinidade é um factor limitante uma vez que condiciona
a vidados seres vivos.
E. Justifica a afirmação: "Os animais da espécie A têm limites de
tolerância, relativamente à salinidade, mais alargados do que os animais
da espécie B".
Os animais da espécie A toleram valores de salinidade mais extremos do que os
indivíduos da espécie B. Assim, pode afirmar-se que o intervalo de tolerância
para a salinidade é mais alargado, isto é, têm limites de tolerância mais extremos
do que a espécie B.
F. Como justificas que o caranguejos da espécie A sejam capazes de
suportar uma maior amplitude de valores de salinidade do que os
indivíduos da espécie B?
Os indivíduos da espécie A têm a capacidade de controlar a concentração
salina dos seus fluidos internos, mesmo quando há variações dessa
concentração no meio (até determinados valores). Por outro lado, os
indivíduos da espécie B não apresentam essa capacidade e, por isso, a
concentração salinados seus fluidos internos acompanha as alterações
verificadas no meio. Assim, os caranguejos da espécie A podem viver em
ambientes comum maior leque de concentração salina.
OSMOCONFORMANTES
ANIMAIS
OSMORREGULADORESS
A maioria dos invertebrados marinhos não
regula a concentração de sais dos seus
fluidos corporais e, assim, esta concentração
varia de acordo com a concentração da água
do mar que os rodeia.
Estes animais designam-se
osmoconformantes.
Existem
animais
que
apresentam
uma
concentração do seu meio
interno muito diferente da
concentração salina do meio
envolvente.
Estes animais designam-se
osmorreguladores
Artemia é um crustáceo capaz de viverem
ambientes
com
quase
qualquer
osmolaridade. O Artemia encontra-se em
abundância nos mais salgados ambientes
conhecidos, como o extenso lago salgado de
Utahe em salinas, onde concentra-se o sal
com finalidades comerciais.
Neste caso, os animais têm de controlar
activamente a quantidade de água que entra e sai
do corpo, devido a fenómenos de osmose. Os
osmorreguladores conseguem viverem ambientes
com uma gama muito a largada de salinidade.
OSMORREGULAÇÃO EM AMBIENTE
AQUÁTICO
- Regulação em peixes de água doce
- Regulação em peixes de água salgada
OSMORREGULAÇÃO EM MEIO AQUÁTICO


O meio interno é
hipertónico relativamente ao meio
celular;
Há tendência para
haver perda de
água por osmose;
Reduzem a filtração.
Glomérulos são pequenos ou
inexistentes
OSMORREGULAÇÃO EM MEIO AQUÁTICO


O meio interno é
hipotónico relativamente
ao meio celular;
Há tendência para haver
entrada de água por
osmose;
OSMORREGULAÇÃO EM MEIO AQUÁTICO
Osmorregulação
em meio marinho e
dulciaquíola
Justifique a afirmação: "Os
peixes de água doce e os
de água salgada são
animais osmorregulantes".
Tanto os peixes de água
doce como os de água
salgada
apresentam
concentrações de sais nos
seus
fluidos
internos
diferentes da concentração
do meio que os rodeia (quer
esse meios e já hipotónico
ou hipertónico). Assim, têm
de controlar activamente a
concentração de água e de
sais do seu organismo.
Osmorregulação
em meio marinho e
dulciaquíola
Que mecanismos permitem
aos peixes que vivem em
ambiente dulciaquícola (água
doce) manter mais ou menos
constante a concentração
interna de sais?
Absorção ativa de NaCI a
nível
das
brânquias,
excreção
de
urina
hipotónica.
Osmorregulação
em meio marinho e
dulciaquíola
Justifique o facto de os
peixes marinhos ingerirem
grandes quantidades de
água[embora salgada], ao
contrário do que acontece
com os peixes de água doce.
A ingestão de água salgada
juntamente com o alimento,
permite aos peixes marinhos
obterem água, embora com
elevadas concentrações de
sais. Posteriormente, o sal é
excretado activamente e
aurina produzida é muito
concentrada.
ANIMAIS DE ZONAS MARINHAS
Tartarugas marinhas:
Libertação de sais através
de lágrimas salgadas.


Aves marinhas: secreção activa de sais
através de glândulas no bico.
OSMORREGULAÇÃO EM AMBIENTE TERRESTRE
ESTRUTURA DO SISTEMA EXCRETOR HUMANO

Para além de
eliminar
a
urina, permite
manter
o
equilíbrio de
água e sais
minerais no
organismo
ESTRUTURA DO RIM
Estrutura geral do rim
Pormenor de um
nefrónio numa
pirâmide renal
NEFRÓNIO: UNIDADE FUNCIONAL DO RIM
-Glomérulo
de Malpighi e Cápsula de Bowman
-Tubo contornado proximal+Ansa de Henle+Tubo contornado distal
-Tubo colector
EXCREÇÃO: PROCESSO
GERAL
Passagem de substâncias do plasma
para o rim. Moléculas de grande
dimensão
(proteínas)
e
células
sanguíneas não são filtradas.
Recuperação de substâncias que são
importantes (glicose, aminoácidos, etc.)
Passagem de substâncias tóxicas do
meio interno para a parte terminal do
sistema excretor.
Eliminação final de substâncias do
organismo.
FORMAÇÃO DA URINA
Permeabilidade à
água controlada
pela ADH
ANIMAIS DO DESERTO

O rato canguru
apresenta longas
ansas de Henle,
permitindo uma
reabsorção muito
eficaz de água.
CAMELO E DROMEDÁRIO

Consegue obter
água por processos
metabólicos de
degradação da
gordura acumulada.

Ansas de Henle
muito
desenvolvidas.
Nuno Correia: 2008/09 e 2010/11
Sandra Nascimento: 2009 /10
Yutube e livros da disciplina: Areal Editores; Porto Editora

Documentos relacionados