tecnologias na educação - UnB/EaD

Сomentários

Transcrição

tecnologias na educação - UnB/EaD
Amaralina Miranda de Souza
Leda Maria Rangearo Fiorentini
Simone Bordallo de Oliveira Escalante
(Organizadoras)
TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO:
Monografias do IV Curso de Especialização
em Educação Continuada e a Distância
BRASÍLIA, FEVEREIRO DE 2011
FACULDADE DE EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL
Primeira Edição
Coordenação do IV Curso de Especialização
em Educação Continuada e
a Distância - UAB/UnB
Universidade de Brasília - Faculdade de Educação – Edifício FE-1, sala AT- 51/21
Campus Universitário Darcy Ribeiro – Asa
Norte – CEP 70910-900 – Brasília/DF – Brasil
E-mail: [email protected] - Tel. (55) (61)
3307 2011 - Fax: (55) (61) 3307 3826
Preparação do original
Amaralina Miranda de Souza
Leda Maria Rangearo Fiorentini
Simone Bordallo de Oliveira Escalante
Supervisão editorial
Leda Maria Rangearo Fiorentini
Projeto gráfico e ilustração
Rogério Pinto
Capa e diagramação
Sanny Saraiva
Revisão de Português
Sônia Margarida Ribeiro Guedes da Rocha
Produção da Mídia
Gabriel Alves
Apoio à Produção da Mídia
Alex Siqueira Pereira
Impresso no Brasil
Printed in Brazil
A produção deste material didático obteve
financiamento no âmbito do Programa
Universidade Aberta do Brasil, Plano Anual
de Capacitação – PAC da CAPES/
FNDE/MEC referente ao ano 2010.
Autoriza-se o uso e a reprodução da obra no
âmbito do Sistema UAB e da UnB
desde que citada a fonte. É vedado o uso
desta obra para fins de comercialização.
T255
Tecnologias na educação : Monografias
do IV curso de especialização em educação continuada
e a distância / Amaralina Miranda de Souza, Leda Maria
Rangearo Fiorentini, Simone Bordallo de
Oliveira Escalante, organizadoras. _ Brasília :
Universidade de Brasília, Faculdade de Educação,
Universidade Aberta do Brasil, 2011.
202 p. + 1CD-ROM; 24 cm.
ISBN ?
1. Educação a distância. 2. Educação superior a
distância. 3. Tecnologias na educação. I. Souza, Amaralina
Miranda de (org.). II. Fiorentini, Leda Maria Rangearo (org.).
III. Escalante, Simone Bordallo de Oliveira (org.).
CDU 37.018.432
••••••••••••••••••••••••••••••••••
SOBRE OS ORIENTADORES
Amaralina Miranda de Souza
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/5595005732450701
Carmenísia Jacobina Aires
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/7708513676468639
Carlos Alberto Lopes de Sousa
Doutor em Sociologia - http://lattes.cnpq.br/3189275188541769
Elício Bezerra Pontes
Doutor em Educação - http://lattes.cnpq.br/9857734804828296
Elizabeth Danziato Rego
Mestre em Educação - http://lattes.cnpq.br/9629178508670277
Eva Waisros Pereira
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/3680727921529243
Larissa Medeiros Marinho dos Santos
Doutora em Psicologia - http://lattes.cnpq.br/8938210824496556
Laura Maria Coutinho
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/5503622799605753
Leda Maria Rangearo Fiorentini
Mestre em Educação - http://lattes.cnpq.br/0188063644131476
Lúcio França Teles
Doutor em Educação - http://lattes.cnpq.br/5691027584146161
Maria Luiza Pereira Angelim
Mestre em Educação - http://lattes.cnpq.br/3170031258250083
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
3
Maria Rosa Abreu
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/0383158270313471
Raquel de Almeida Moraes
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/1993008183702528
Rogério de Andrade Córdova
Doutor em Educação - http://lattes.cnpq.br/5812453928028267
Ruth Gonçalves Faria Lopes
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/5466968352845984
Teresa Cristina Siqueira Cerqueira
Doutora em Educação - http://lattes.cnpq.br/8779082978550380
Wilsa Maria Ramos
Doutora em Psicologia - http://lattes.cnpq.br/805109314322287
4
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
SUMÁRIO
PREFÁCIO
9
CAP. 01 - A Implementação da Educação a Distância
através da Oferta de Atividades em Ambientes
Virtuais de Aprendizagem em Cursos Presenciais de
Licenciaturas/Unimontes
13
CAP. 02 - A Importância das Teorias e Abordagens
de Aprendizagem na Construção de Disciplinas e
Elaboração de Conteúdos para Páginas WEB no
Âmbito do Sistema UAB na UnB
18
CAP. 03 - A Importância do Tutor Presencial na
Aprendizagem dos Alunos do Polo de EaD de Palmas/
TO
36
CAP. 04 - A Utilização do Ambiente Virtual como
Aliado ao Processo de Ensino Aprendizagem da Língua
Inglesa
CAP. 05 - A Influência da Linguagem da Internet
na Escrita dos Alunos dos Cursos de Graduação a
Distância
40
44
CAP. 06 - Análise do Modelo de Gestão em Programas
de EaD: a experiência desenvolvida nos cursos
ofertados no âmbito do IFCE/ CE
47
CAP. 07 - Análise do Processo de Oferta da Disciplina
Atelier de Artes Visuais online da UAB – UnB
50
CAP. 08 - Aprendizagem Musical a Distância: um
complemento para o ensino presencial
53
CAP. 09 - As Pedagogias do Conhecimento, um relato
de experiência em EaD
57
CAP. 10 - Comparação entre o Papel do Tutor nos
Cursos do Sistema UAB em Universidades Públicas
60
CAP. 11 - Concepções Didáticas dos Professores
do Ensino Presencial e a Distância: conceitos de
qualidade do ensino – aprendizagem
63
CAP. 12 - Construindo o curso: Superdotação/Altas
Habilidades no Contexto Escolar
67
CAP. 13 - Curso de Extensão – Violências Baseadas em
Gênero: vulnerabilidades e empoderamento
71
CAP. 14 - Desenvolvimento da Disciplina Informação
Desportiva em Ambiente Virtual
75
CAP. 15 - Design Instrucional de um Curso de
Educação Física Presencial com Suporte online para o
Terceiro Ano do Ensino Médio
79
CAP. 16 - Educação a Distância e a Utilização de Redes
Sociais por Jovens em Lan Houses
83
CAP. 17 - Educação a Distância e História: uma análise
do projeto educacional de Brasília da década de 1960
86
CAP. 18 - Educação a Distância e Inclusão Social
91
CAP. 19 - Estilos de Aprendizagem de Estudantes do
Curso de Pedagogia a Distância da Universidade
Aberta do Brasil/Universidade de Brasília
97
CAP. 20 -Estudar online: estratégias de aprendizagem
104
CAP. 21 - Interação de Alunos e Alunas com as
Ferramentas no Ambiente Moodle no Centro de
Ensino Médio Ave Branca (CEMAB)
110
CAP. 22 - Lost: o mistério, as imagens e a EaD
114
CAP. 23 - Materiais Multimídias na EaD – os recursos
utilizados na UAB – UnB
118
CAP. 24 - Nós Educadoras: uma história vivenciada de
perto e a distância
127
CAP. 25 - Novas Tecnologias: Proposta de Disciplina a
Distância de Língua Portuguesa no Curso de Letras
136
CAP. 26 - O Curso Técnico em Informática PROEJA a
Distância: Experiência da Escola Técnica de Ceilândia/
DF
139
CAP. 27 - O Programa Anual de Capacitação
no Contexto do Sistema Universidade Aberta do
Brasil (UAB) segundo a Percepção dos Profissionais
Envolvidos
143
CAP. 28 - O Texto Escrito Impresso em Fascículo
para a Educação a Distância, um Gênero Discursivo
Mediacional entre Autor e Leitor: um empreendimento
interdisciplinar e sociointerativo
147
CAP. 29 - Objetos de Aprendizagem: a utilização na
EaD no Brasil
153
CAP. 30 - Perfil do Aluno online: contribuições para
implantação da modalidade de Educação a Distância
na Escola de Governo do Distrito Federal
159
CAP. 31 - Práticas Pedagógicas na UAB/UnB – uma
leitura a partir da pedagogia Freinet
163
CAP. 32 - Projeto de Implantação do Curso de
Fundamentos da Arquivologia a Distância para o
Secretariado Escolar da Rede Pública de Ensino do
Distrito Federal
166
CAP. 33 - Projeto Piloto para a Criação da Disciplina
de Fundamentos de Microinformática utilizando o
Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle
175
CAP. 34 - Projetos de Aplicação: Oficinas de
Audiovisual: (Des) Construindo Narrativas Televisivas
180
CAP. 35 - Promovendo uma Comunidade de Trabalho
e Aprendizagem em Rede (CTAR) no Curso de
Especialização em Gestão Escolar e de Coordenação
Pedagógica
185
CAP. 36 - Rede de Artesãos Multiplicadores: um curso
online a serviço da sociedade brasileira
189
CAP. 37 - Software Educativo no Ensino da
Matemática: uma proposta de critérios de avaliação
194
CAP. 38 - Tutor ou professor? Conjecturas Normativas
e Tendências nos Movimentos Sociais pela Valorização
e Regulamentação do Trabalho do Profissional
Docente na Educação Superior a Distância
198
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
PREFÁCIO
O
livro “TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: Monografias do IV Curso de
Especialização em Educação Continuada e a Distância”, apresenta
uma coletânea dos Trabalhos de Final de Curso – TCC (exigência para
conclusão do curso em referência) que expressa a diversidade dos temas estudados
e reflete, não só a realidade que tivemos no âmbito deste curso, mas e sobretudo,
as muitas demandas dos diversos contextos educacionais trazidos pelos atores do
Sistema Universidade Aberta do Brasil nas Universidade Federais Brasileiras, seus
Pólos e parceiros institucionais.
Disponibilizar os estudos realizados no âmbito do IV Curso de Especialização
em Educação a Distância é um grande prazer nosso, que é também compartilhado
por todos aqueles, professores e cursistas, que efetivamente se dedicaram a fazer
do tema da educação com o uso de tecnologias um grande espaço de construção
coletiva e colaborativa de conhecimentos.
Pretende-se contribuir para o aprofundamento dos estudos realizados e
despertar para novos estudos que potencializem os seus resultados como estratégias
concretas para a busca da melhoria da qualidade do ensino ofertado em nosso
país e o fortalecimento da Educação a Distância de qualidade, que é necessário e
possível fazer.
Coerente com os princípios da construção colaborativa de conhecimento, os
estudos foram realizados com base na concepção da Comunidade de Trabalho e
Aprendizagem em Rede - CTAR1 , cujas premissas nos remetem para a convicção do
grupo CTAR, responsável pela oferta do curso, de que uma educação tecnológica
que privilegia o diálogo, a ação cooperativa e colaborativa entre os sujeitos como
opção, pode promover, por meio da educação a Distância, uma ação transformadora
para favorecer competências institucionais e profissionais que revertam em efetivo
compromisso com a educação de qualidade.
O livro está estruturado para servir de consulta, análise e reflexão sobre o uso
das Tecnologias na Educação como apoio ao processo ensino-aprendizagem, através
1
Pelos autores do livro: SOUZA, A.M.de; FIORENTINI, L.M.R.; RODRIGUES, M.A.M. (Orgs.). Educação Superior a
Distância:Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasilia: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2009.
Disponível em: http://www.fe.unb.br/arquivos/livro_educ_super_distancia.pdf.
9
Prefácio
dos vários temas pesquisados. Apresenta em Impresso o resumo de cada estudo
realizado, o endereço de contato dos seus respectivos autores, que nos autorizaram
a assim fazê-lo para o caso de desejo do leitor retornar impressões e buscar mais
informações a respeito. Em CD, como encarte, traz, na íntegra, os Trabalhos de
Final de Curso - TCC, autorizados pelos respectivos autores para sua utilização, ou
mesmo reprodução, desde que mencionados os seus créditos autorais.
Expressamos o nosso agradecimento a todos os autores dos trabalhos aqui
publicados, com a certeza de que a contribuição que fazem é muito importante,
com o desejo de que a sua leitura suscite reflexões e construção de novos espaços
de estudo que revertam em avanços no uso de Tecnologias na Educação.
Amaralina Miranda de Souza
Coordenadora do IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
10
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
Tecnologias na Educação: estudos diversos. Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
11
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 01
A Implementação da Educação a Distância
Através da Oferta de Atividades em Ambientes
Virtuais de Aprendizagem em Cursos Presenciais
de Licenciaturas/Unimontes
Autora: Úrsula Adelaide de Lélis1
Professora Orientadora: Elizabeth Danziato Rego
Resumo
Desenvolvida durante o Curso de Pós-graduação em Educação Continuada e a
Distância, pela Universidade Aberta do Brasil/Universidade de Brasília, esta pesquisa,
de caráter qualitativo – secundado por dados quantitativos – tece uma análise
sobre as possibilidades da oferta de atividades em ambientes virtuais, em cursos
presenciais com o intuito de influenciar os acadêmicos a buscarem a Educação
a Distância (EAD) e a romper com os estereótipos historicamente imputados à
mesma. Para aportar tal intento, reflete sobre concepções e fins da EAD; pensa a
construção de redes colaborativas de aprendizagem nesses ambientes; problematiza
as potencialidades e os entraves na oferta dessas atividades, em cursos presenciais;
e porfia o impacto da oferta das mesmas, na perspectiva discente. Sua referência
metodológica fundamenta-se nos procedimentos da pesquisa bibliográfica – Souza
(et al 2009), Silva (2003); Pereira (2003); Peters (2001; 2001b); Litwin (2001),
Belloni (1999) –, e de campo – aplicação de questionários a 43 alunos de 2 cursos
de licenciatura da Unimontes, que experienciaram tais atividades no Virtual Montes
e entrevista com o professor propositor das mesmas. Os resultados deste estudo
Pedagoga e Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU/MG.
Professora da Universidade Estadual de Montes Claros/MG. E-mail: [email protected]
1
13
evidenciam amplas possibilidades de influência de tais procedimentos no modo
discente de ver e pensar a EAD, ao mesmo tempo em que aponta muitos desafios
a serem enfrentados por esta Instituição de ensino superior, para a implementação
dessa modalidade educacional no seu âmbito.
Palavras-chave: educação a distância; ambientes virtuais de aprendizagem;
comunidade de trabalho e aprendizagem em rede.
Referências bibliográficas
ALPERSTEDT, Cristiane; DOTTA Sílvia. Sexta-free: fatores críticos de sucesso de
um projeto de EAD bemsucedido. Disponível em: <http://aveb.univap.br/.../pt.../
trabalho25_crisitanealperstedt_anais.pdf>. Acesso em 24/11/2009.
ARAÚJO, Suely Trevisan; MALTEZ, Mª Gil Lopez. Educação a Distância: retrospectiva
histórica. 2006. Disponível em: <http://www.virtuallcursos.com.br>. Acesso em:
28/12/2006.
ALMEIDA JR, João B. de. O estudo como forma de pesquisa. Em: CARVALHO, Mª
Cecília M. de. (Org.). Construindo o saber. Campinas: Papirus, 2003, 15ª edição.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados, 1999.
BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de Educação a Distância.
Programa de Formação Continuada Mídias na Educação. Módulo Introdutório –
Integração de Mídias na Educação. CD-ROOM. Brasília/DF: MEC/SEED/Proinfo
Integrado, 2008.
______. Referenciais de qualidade para a Educação a Distância. Brasília/DF: MEC/
SEED, 2007.
______. Decreto n. 5.622, de 19 de Dezembro de 2005. Trata da Educação à
Distância. Brasília/DF, 2005.
______. Documento de Recomendações “Ações Estratégicas em Educação Superior
a Distância em Âmbito Nacional. Brasília/DF, 2005b.
______, Portaria n° 2253, de 18 de Outubro de 2001. Institui a introdução na
organização pedagógica e curricular de cursos superiores reconhecidos, a oferta de
14
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
disciplinas que, em seu todo ou em parte, utilizem método não presencial. Brasília,
2001.
______. Portaria n° 4059, de 10 de dezembro de 2004. Institui na organização
pedagógica e curricular dos cursos superiores reconhecidos, a oferta de disciplinas
integrantes do currículo que utilizem modalidade semi-presencial. Brasília, 2004.
______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília/DF, 1996.
CHAVES, Eduardo O. C. Tecnologia na educação, ensino a distância e aprendizagem
mediada pela tecnologia: conceituação básica. 1999. Disponível em: <http://www.
moodle.unimontes.br>. Acesso em: 18/01/2007.
CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez,
2006, 8ª edição. (Biblioteca da Educação. Série I. Escola: v. 16).
COSTA, Greyce M. F da; SILVA, Kátia M. F. da. Democratização do conhecimento
através da Educação a Distância. Disponível em: <http://www.unimontes.br >.
Acesso em: 10012/2009.
DIAS, Rosana de Fátima. Ser ou não ser interativo. 2003. Disponível em: <http://
www.moodle.unimontes.br>. Acesso em: Janeiro, 2007.
DORIA, D. Tecnicismo: uma página virada na história da EAD?. Revista Conecta,
2006. Disponível em:<http://www.revistaconecta.com>. Acesso em: 28/12/2006.
______. Desaprender a ensinar para aprender a aprender. 2006b. Disponível em:
<http://www.revistaconecta.com>. Acesso em: 28/12/2006.
FLEMMING, Diva Marília et al. Monitorias e Tutorias: um trabalho cooperativo na
educação a distância. Disponível em: <http://www.diaadia.pr.gov.br/ead/modules/
conteudo>. Acesso em 10/09/2002.
GIL, Antonio C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006, 4ª
edição.
GIUSTA, Agnela da S.; FRANCO, Iara M. (Org.). Educação a Distância: uma articulação
entre a teoria e a prática. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual, 2003.
KENSKI, Vani M. Gestão das mídias em projetos de educação a distância. 2005.
Disponível em: http://www.moodle.unimontes.br. Acesso em: 28/01/2007.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
15
______. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas: Papirus, 2003, 6ª
edição.. (Série Pedagógica).
LIBÂNEO, José C. Didática. São Paulo: Cortez, 2004, 10ª edição.
LIMA, Demétrius R; ROSATELLI, Marta Costa. Um sistema tutor inteligente para um
ambiente virtual de ensino, 2007. Disponível em: <http://www2.ilog.com.br/docs/
Artigo_STI.pdf>. Acesso em: 18/04/2008.
LITWIN, Edith. Educação a distância – temas para o debate de uma nova agenda
educativa. Porto Alegre: Artmed, 2001.
MORAN, José M. O que é Educação a Distância. 2002. Disponível em: http://www.
moodle.unimontes.br. Acesso em janeiro/2007.
NEVES, Carmen Moreira de Castro. TV Escola. Salto para o Futuro. A LDB e a
Educação a Distância. Disponível em: <http://www.escolanet.com.br/legislacao/
legislacao_d.html>. Acesso em: 24/11/2009.
OLIVEIRA NETTO, Alvim A. de. Novas tecnologias e universidade – da didática
tradicionalista à inteligência artificial: desafios e armadilhas. Petrópolis: Vozes,
2005.
PEREIRA, Eva Waisros. Educação á distância: concepção e desenvolvimento. Revista
Linhas Críticas. V. 9, n. 17. jul/dez. Brasília: Faculdade de Educação/ UnB, 2003.
PETERS, Otto. Duas mudanças estruturais na educação a distância: industrialização
e digitalização. São Leopoldo: Unisinos, 2001. Disponível em: <www.moodle.
unimontes.br>. Acesso em: 23/12/2006.
______. Didática do ensino a distância. São Leopoldo: Unisinos, 2001b.
ROMISZOWSKI, Alex. Uma visão histórica – e pessoal – da evolução da educação a
distância. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância. v.2, n. 4, 2004.
Disponível em: <http://www.abed.org.br>. Acesso em: 28/12/06.
SALOMON, Délcio V. Como fazer uma monografia. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
3ª edição.
SAVIAN, Dermeval. Pedagogia Histórico-crítica. Campinas: Autores Associados,
2005, 9ª edição. (Coleção Educação Contemporânea).
16
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
SILVA, Marcos. Interatividade: uma mudança fundamental do esquema clássico
da comunicação. Disponível em: <http://www.comunica.unisinos.br/tics/
textos/2000/2000_ms.pdf>. Acesso em: 13/09/2008.
SOUZA, Amaralina M. de; FIORENTINI, Leda Mª Rangearo; RODRIGUES, Mª
Alexandra M. (Org.). Educação Superior a Distância. Comunidade de Trabalho e
Aprendizagem em Rede (CTAR). Universidade Aberta do Brasil. Universidade de
Brasília. Brasília/DF, 2009.
SOUZA, Carlos Alberto de, et al. Tutoria na Educação a Distância. Disponível em:
<http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/088-TC-C2.htm>. Acesso em:
16/01/2009.
TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais – A pesquisa
qualitativa em educação. O Positivismo. A Fenomenologia. O Marxismo. São Paulo:
Atlas, 2008, 16ª reimp.
VIEIRA, Fábia M. S. et al. Redes colaborativas de aprendizagem, 2002. Disponível
em: <http://www.moodle.unimontes.br>. Acesso em janeiro de 2007.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
17
CAPÍTULO 02
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
A Importância das Teorias e Abordagens de
Aprendizagem na Construção de Disciplinas e
Elaboração de Conteúdos para Páginas WEB no
Âmbito do Sistema UAB na UnB
Autora: Nadja Eleonai Oliveira Monteiro2
Professora Orientadora: Leda Maria Rangearo Fiorentini
Resumo
O presente trabalho trata da importância das teorias e abordagens da
aprendizagem na construção e elaboração dos conteúdos para páginas web
dentro do âmbito do Sistema UAB na UnB. Trata da relevância da adequação
da linguagem tanto em sua forma escrita como imagética sob uma perspectiva
sociointeracionista de Vygotsky e consequentemente a influência do
sociointeracionismo em Bakhtin e a união desses dois teóricos para a construção
e exposição de conteúdos focando o elemento linguagem, porque é por meio da
linguagem que se dá a construção do conhecimento. Partindo-se da concepção
de linguagem, letramento e de diversas teorias e abordagens da aprendizagem,
pretendemos/pretendo mostrar o quão importantes são esses elementos na
construção de conteúdos para EAD em Ambientes Virtuais de Aprendizagem, visto
que a construção e disposição dos conteúdos mais do que uma ação tecnológica
é uma ação educacional e, por conseguinte, sob um enfoque humanista: ação
formativa.
2
18
Graduada em Letras Língua Espanhola pela Universidade de Brasília - UnB. Mestranda em Formación de Profesores de Lengua
Española na Universidad de León Espanha. Professora-tutora na Universidade Aberta do Brasil – UAB/UnB.
E-mail: [email protected]
Palavras-chave: teorias da educação; hipertextos; elaboração de conteúdo de
páginas web.
Referências bibliográficas
ALONSO, K.M. Novas tecnologias e formação de professores. Um intento de
compreensão. 22ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu: ANPED, 1999.
ALMEIDA, Maria Leonaide Pires. Letramento no Ensino Superior: perfil
dosalunos no primeiro ano de curso de duas IES do DF a partir de suas próprias
percepções. 2007. Disponível em Universia.– Biblioteca.net: http://biblioteca.
universia.net/html_bura/ficha/params/id/37594171.html
ALVES, Francisca Elenir. A imagem como linguagem pedagógica. Revista de
Educação CEAP – Salvador, Ano 11,nº 41 jun/2003, p. 67 - 79. Disponível em http://
www.futuroeducacao.org.br/biblio/a_imagem_como_linguagem_pedagogica.
pdf . Acesso em: 12/06/2009.
ALVES, L., NOVA, C. (org.). Educação a distância. Uma nova concepção de
aprendizado e interatividade. São Paulo: Futura, 2003.
AMIDANI, Cassandra. Curso Material para EAD – Mídia Impressa e Telas Web.
Brasília: SABEREAD, 2008
ANDRÉ, M.E.D.A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 2000.
ANTUNES. Celso. Como transformar informação em conhecimento. Fascículo 2.
Petrópolis: Editora Vozes, 2001.
ARETIO, L.G. Educación a distancia hoy. Madrid: Universidad Nacional de
Educación a Distancia, 1994.
ARROYO, Miguel. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão.
Alfabetização e cidadania. Revista de Educação de Jovens e Adultos. São Paulo.
Nº11, p.9-20, 2001.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
19
AUSUBEL, D.P., NOVAK, J.D.; HANESIAN, H. Psicologia educativa. México: Trillas,
1983.
AZEREDO, José Carlos. Fundamentos de Gramática do Português. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 2000.
AZZI, S. Trabalho docente: autonomia didática e construção do saber pedagógico.
Em: PIMENTA, S. G. (org.). Saberes pedagógicos e atividades docentes. São Paulo:
Cortez, 2002.
BAGNO, Marcos. Preconceito Línguístico: o que é, como se faz. São Paulo:
Edições Loyola, 2001, 8ª edição.
BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1981,
7ª edição.
––––––. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins
Fontes. 2003.
––––––. O freudismo. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes. 2004.
BAQUERO, R. As relações entre linguagem e pensamento. In: BAQUERO, R.
Vygotsky e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
BARCIA, R.M. et al. Pós-graduação a distância: a construção de um modelo
brasileiro. Revista da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior.
Brasília: ano 16, n.º 26, nov/1998.
BEHRENS, M.A. A formação pedagógica e os desafios do mundo moderno. Em:
Masetto, M. (org.). Docência universitária. São Paulo: Papirus, 2003, pp.57-68.
______. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Curitiba: Champagnat,
1999.
BELLONI, M.L. Educação a distância mais aprendizagem aberta: reflexões sobre
a educação do futuro. 22ª Reunião da ANPED, Anual Caxambu: ANPED, 1999.
______. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 1999.
20
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
______. Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. In: Educação e Sociedade.
v.23 n.78. Campinas. Abril/2002.
BERBEL, N.A.N. Metodologia do ensino superior: realidade e significado.
Campinas: Papirus, 1996.
______ et. al. Avaliação da aprendizagem no ensino superior. Um projeto
integrado de investigação através da metodologia da problematização. 23ª
Reunião da ANPED, Anual Caxambu: ANPED, 2000. Disponível em: http://www.
anped.org.br/reunioes/23/textos/0405p.PDF
BIGGE, Morris L. Teorias da aprendizagem para professores: São Paulo: EPU. 12ª
Ed. 2007.
BLANCK, Guillermo. Vygotsky: o homem e sua causa. Em: MOLL, L. C. (org)
Vygotsky e a educação: implicações pedagógicas da psicologia sócio-histórica.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
BOCK, Ana Maria. Psicologias. Uma introdução ao estudo de psicologia. [Texto
adaptado]. São Paulo: Saraiva, 2004, pág. 50-57. Disponível em http://docs.
google.com/gview?a=v&q=cache:nZ66LmSL3AMJ:www.chasqueweb.ufrgs.
br/~slomp/gestalt/gestaltpoligrafo.pdf
BORGES, M. K.; FONTANA, K. B. Interatividade na prática: a construção de um
texto colaborativo, por alunos da educação a distância. X Congresso Internacional
de educação a distância. Porto Alegre: ABED, 2003. Disponível em: http://www.
abed.org.br/congresso2003. Acesso em maio 2004.
BRAIT, Beth. Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem.
Em: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas:
UNICAMP, 1997.
BRANDÃO, Helena H. Nagamine Escrita, Leitura,dialogicidade. Em: BRAIT, Beth
(Org.). Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas: UNICAMP, 1997.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9394, de 20 de
dezembro de 1996). Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1996.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
21
_______. Lei nº 10.172. Plano Nacional de Educação. Brasília: MEC, janeiro/2001.
_______.Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares para os Cursos
de Formação de Professores. Brasília: MEC-CEN, 1999.
_______. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Ensino Superior. Resolução
nº.1 de 03 de abril de 2001. Brasília- DF: MEC-CEN/CES, 2001.
_______.Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer
03/2003. Brasília- DF: MEC-CEN/CEB, 01 de agosto de 2003.
_______. Congresso Nacional. Decreto Lei nº 2.494. Brasília: MEC, fev./1998.
_______. Congresso Nacional. Decreto Lei nº 2.561. Brasília: MEC, abril/1998.
_______. IBGE. Síntese dos Indicadores Sociais 2003. Disponível em: http://
www.ibge.gov.br/ibgeteen/pesquisas/educacao_no_brasil.html Acessado em:
12/11-/2008.
_______.MEC/SESu. Comissão Assessora para Educação Superior a Distância:
Relatório. Brasília: MEC/SESu, agosto de 2002.
_______.MEC/SESu. Referenciais de qualidade para cursos a distância. Brasília:
MEC/SESu, abril de 2003.
_______.MEC. Portaria nº 301/98. Brasília: MEC, abril de1998.
_______. MEC. Portaria nº 2.253/01. Brasília: MEC, outubro de 2001.
_______. MEC. Portaria nº 335/02. Brasília: MEC, fevereiro de 2002.
_______. MEC. Portaria nº 698/02. Brasília: MEC, março de 2002.
_______. MEC. Portaria nº 1.786. Brasília: MEC, junho de 2002.
_______. MEC. Portaria nº 4.059/04. Brasília: MEC, dezembro de 2004.
22
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
_______. INEP/MEC. Censo do Ensino Superior. Brasília: INEP/MEC, 2003.
_______. INEP. Informativo. Ano I, nº 13 de 04/11/2003. Brasília: INEP/MEC,
2003.
BRUNER, Jerome. (1976). Uma Nova Teoria de Aprendizagem. Rio de Janeiro:
Bloch Editores S.A.
CAMARA ZACHARIAS, Vera Lúcia. Skinner e o Behavorismo. Centro de Referência
Educacional [online]. Disponível em: http://www.centrorefeducacional.com.br .
CANARIO, Rui. Educação de Adultos, um campo e uma problemática. Lisboa:
Educa. 1999.
CANDAU, V.M. (org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro:
DP&A, 2001.
CAPRA, Fritjof. O Tao da Física. São Paulo: Editora Cultrix, 1999.
CARVALHO, José G. Herculano de. Teoria da linguagem (I). Coimbra: Atlântida,
cap. 10, p.261-289.
CENTRO DE REFERÊNCIA EDUCACIONAL. Skinner e o Behaviorismo, s/data.
Disponível no site: http://www.centrorefeducacional.com.br/skinner.htm
CHAUÍ. M. O que é ideologia?.São Paulo: Brasiliense, 1998, 38ª edição.
CHOMSKY, Noam. Linguagem e Mente. Brasília: Editora Universidade de Brasília,
1998.
CIRIGLIANO, G.F.J. Educación a distancia. Buenos Aires, Argentina: Editorial
Docencia, 1986.
COLELLO, Silvia M. Gasparian. Alfabetização e Letramento: Repensando o Ensino
da Língua Escrita. Em: VIDETUR, n. 23. Porto-Portugal: Mandruvá, 2003, pp. 27–
34. Disponível em: www.hottopos.com/videtur29/silvia.htm
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
23
CONTRERAS, J. La autonomia del profesorado. Madrid: Morata, 1997, pp. 76141.
COSERIU, Eugenio. Teoria da linguagem e lingüística geral. Rio de Janeiro:
Presença, 1979.
CUNHA, M. I. O bom professor e sua prática. 2ª ed. Campinas: Papirus, 1989.
_________. Implicações de estrutura político-social das carreiras profissionais
nos currículos da graduação. Série Acadêmica 2. Campinas: Puccamp. 1995.
DELL’ISOLA, Regina Lúcia Péret. Leitura: Inferência e Contexto Sócio-cultural. Belo
Horizonte: Imprensa Universitária, 1991.
DEMO, P. Questões para a teleducação. Petrópolis: Vozes. 1998.
________. Educação e qualidade. Campinas: Papirus, 1995.
FELDER, R. (2002). Home Page. Disponível em: http://www2.ncsu.edu/unity/
lockers/users/f/felder/public/RMF.html
FERNANDES, Antônia T. Teleducação: sinônimo de democracia. Em: Tecnologia
Educacional, v.22, jan./abr. 1993.
FERNANDES, Denise F. CICARONI; SANTOS, Marcos A. Paladini dos. & BURIN,
Alessandra C. Hernandes. A questão do letramento na universidade: algumas
reflexões e desafios. Revista de Ciências Gerenciais, Vol. 12, No 15, 2008.
Disponível em: http://www.sare.unianhanguera.edu.br/index.php/rcger/article/
viewArticle/300sare.unianhanguera.edu.br/index.php/rcger/article/.../300/300
FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática docente. São
Paulo: Paz e Terra, 1996.
_________ P. Educação como prática da liberdade.14 ed. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1983.
_________. Pedagogia do Oprimido. 39 ed.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.
24
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
FULLAN, M. e HARGREVES, A. A escola como organização aprendente – buscando
uma educação de qualidade. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.
FUNDAÇÃO CECIERJ. Consórcio CEDERJ. Resumo do CEDERJ. Rio de janeiro:
CECIERJ, Impresso. 2004.
GAGNÉ, R. Como se realiza a aprendizagem. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e
Científicos, 1971.
_________. The Conditions of Learning. New York: Holt, Rinehart And Winston,
1965.
GARCÍA, L. A. Formación a distancia para el nuevo milenio. ¿Cambios radicales
o de procedimiento? Em: Virtual Educa 27-29 jun, 2001,a. Em: http://www.
virtualeduca.net/html/princip6.htm. Acesso em abril 2002.
________. Educación a distancia: ayer y hoy. Em: ENTONADO, F. B. Sociedad de
la información y educación, 2001,b. Em: http://tecnologiaedu.us.es/bibliovir/
pdf/soc_ed.pdf. Acesso em maio 2004.
GARDNER , H. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes
Médicas, 2000.
GATTI, B. A. Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de
renovação.
GARCÍA ARETIO, L. La educación a distancia y la Uned. Madrid (Espanha): UNED,
1996.
_________. (Coord.). Aprender a distancia...estudiar en la UNED. Madrid
(Espanha): UNED, 1997.
_________. La educación a distancia: de la teoría a la práctica. Barcelona
(Espanha): Ariel, 2001. Campinas: Autores Associados, 2002.
GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria na pedagogia: pesquisas contemporâneas
sobre o saber docente. Tradução de Francisco Pereira de Lima. Ijuí: Unijuí, 1998.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
25
GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da
aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médica, 1997.
GNERRE, Maurizio. Linguagem, escrita e poder. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes,
2003. 115 p.
GODOY, A. S. Ambiente de ensino preferido por alunos do terceiro grau. Em:
MOREIRA, D. A. (org.). Didática do ensino superior: técnicas e tendências. São
Paulo: Pioneira, 1997.
GOMEZ, A. P. O pensamento prático do professor. A formação do professor
como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação.
Lisboa: Dom Quixote, 1995.
GOMEZ, R. C. G. Educação a Distância: Uma alternativa para a formação de
professores e demais profissionais na sociedade do conhecimento. (Dissertação
de Mestrado em Engenharia de Produção). Florianópolis: Programa de Pósgraduação em Engenharia de Produção / UFSC, 2000.
GUTIERREZ, F. e PRIETO, D. Educação a distância alternativa. Campinas:
Papirus,1994.
HAMZE, Amélia. O que é a Aprendizagem? Canal do Educador – Brasil Escola, s/
data. Disponível em: http://www.educador.brasilescola.com/trabalho-docente/
oque-e-aprendizagem.htm
HOLMBERG, B. Educación a distancia: situación y perspectivas. Buenos Aires:
Editorial Kapeluz, 1985.
INFOPÉDIA. Lei do efeito. Em: Infopédia [on-line]. Porto: Porto Editora, 20032009. [Consult. 2009-10-12]. Disponível em: http://www.infopedia.pt/$lei-doefeito>.
KLEIMAN, Angela B. E MORAES Silvia E. Leitura e Interdisciplinariedade. Projetos
na Escola - Tecendo redes. Campinas: Mercado das Letras, 2001.
KNOWLES, Malcolm S. Informal Adult Education. USA, 1950.
26
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
LAASER, W. (Org.) Manual de criação e elaboração de materiais para educação
a distância. Brasília: UnB, 1997.
LANDIM, C. M. M. Educação a distância. Algumas considerações. Biblioteca
Nacional, No 128, livro 20, folha 13. Rio de Janeiro: s/n., 1997.
LEITE, D. (org.). Pedagogia universitária: conhecimento, ética e política no ensino
superior. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1999.
LÉVY, P. O que é virtual. São Paulo: Editora 34, 1996.
________. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.
________. Entrevista. Revista Pátio. Ano V, nº 18, agosto/outubro/2001, pp.2831.
LIMA, K.R.de S. Educação superior a distância: democratização ou subordinação
das universidades públicas às demandas do capital? In: Revista ADVIR, v.14.
Educação a distância, p.56-66. Rio de Janeiro: ASDUERJ – Associação de Docentes
da Universidade do Estado do, set./2001.
________. Educação superior a distância e Universidade Aberta do Brasil:
política de democratização ou de privatização da educação brasileira? Mimeo.
2003.
LITWIN, E. (org.). Educação a distância. Temas para o debate de uma novaagenda
educativa. Porto Alegre: Artmed, 2001.
LOBO, F.N. Educação a distância: regulamentação. Brasília: Editora Plano, 2000.
_______.Universidade Aberta: democratização do ensino superior. Em:
Tecnologia Educacional, v. 18, n.89/90/91, p. 33-38, jul./dez. 1989.
_______. Educação a distância no contexto internacional. Situação do presente
e tendências do futuro. Em: I Encontro de Educação a Distância. Rio de Janeiro:
Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Agosto/1994, mimeo., pp 1-3.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
27
LUCKESI, C. C. Democratização da educação: ensino a distância como alternativa.
Em: Tecnologia Educacional, v.18, n. 89/90/91, p. 9-18, jul./dez. 1989.
_______. Avaliação educacional escolar: para além do autoritarismo. Revista de
Educação AEC, Brasília: AEC, v. 15, n. 60, p. 23-37, abr./jul. 1986.
LYONS, John. Linguagem e Linguística uma introdução. Rio de Janeiro: Guanabara,
1981.
MAGGIO, M. O tutor na educação a distância. Em: Litwin, E. (org.). Educação a
distância. Temas para o debate de uma nova agenda educativa. Porto Alegre:
Artmed, 2001.
MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
MARCUSCHI, Luiz Antonio. Da fala para a escrita - Atividades de retextualização.
São Paulo: Cortez, 2000.
MASETTO, M. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. Em: MORAN, J.
M.; MASETTO, M. e BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação pedagógica.
Campinas: Papirus, 2000.
_______. (org). Docência na universidade. Campinas: Papirus, 2003.
MEDIANO, C. M. Los sistemas de educacion superior a distancia. La practica
tutoril de La UNED. Madrid: Universidade Nacional de Educacion a Distancia,
1988.
MEJÍA, W. Manual del tutor. Bogotá, Colombia: ICFES, 1984.
MENDES, R. O papel da escola na educação ambiental: experiências e
perspectivas de professores. (Dissertação de Mestrado em Educação). Belo
Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2002.
MESTRES, M. M. e ONRUBIA, J. G. Desenvolvimento pessoal e educação. Em:
SALVADOR, C. C. et al. Psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
28
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
MILLER, G.E. A educação a distância e o meio ambiente emergente de
aprendizagem. Brasília: INEP, 1996.
MINAYO, M.C.S. et al. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
Petrópolis: Vozes, 1994.
MONTEIRO, A.M.F.C. Professores: entre saberes e práticas. Educação &
Sociedade, Campinas: CEDES, n. 74, 2001, p. 121-142.
MOORE, M. e GREG, K. Educação a Distância: uma visão integrada. (trad.
GALMAN, Roberto). São Paulo: Thomson Learning, 2007.
MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente: implicações na formação
do professor e nas práticas pedagógicas. Em: Em Aberto. Brasília: INEP, ano 16,
n.70, abr/jun. 1996.
MORAES, R. Análise de conteúdo. Educação & Realidade. Porto Alegre, n.37,
1999, p. 7- 32.
MORAES, M.C. (org.) Educação a distância. Fundamentos e práticas. Campinas:
NIED. UNICAMP, 2002.
_______. O Paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1998.
_______. Pensamento eco-sistêmico - Educação e aprendizagem no século XXI.
Petrópolis: Ed.Vozes, 2004.
MORAN, J.M. Textos diversos. Disponíveis em: www.eca.usp.br/prof/moran/
textosead.htm .
MOREIRA, Marco Antônio. Teorias de Aprendizagem. Porto Alegre: E.P.U. , 1999.
MORENO, G. La ensenãnza a distancia. Uma especialización docente. VII
Congresso Nacional de Pedagogia. Granada, España. 1980.
MORIN, E. Epistemologia da Complexidade. Em:: SCHNITMAN, D.F. (org). Novos
paradigmas, culturas e subjetividade. Porto Alegre: ArtMed, 1996.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
29
______. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
_______. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo/Brasília:
Cortez/EditoraUnesco, 2000. Trad. do fr. de Catarina Eleonora F. Da Silva e Jeanne
Azuaya
NEDER, M.L.C. A Orientação acadêmica na educação a distância: a perspectiva
de (re)significação do processo educacional. Em: PRETI, O (Org.). Educação a
distância: construindo significados. Brasília: Plano, 2000.
NOGUEIRA, S.M.N. Educação a distância e a formação de educadores. Em: ALVES,
L. e NOVA, C. (org.). Educação a distância: uma nova concepção de aprendizado
e interatividade. São Paulo: Futura, 2003.
NÓVOA, A. (coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.
_______. (org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1992.
_______. Diz-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice – versa. I Em: FAZENDA,
I. (org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento.
Campinas: Papirus, 2003.
NUNES, I. B. Noções de educação a distância. Revista Educação a Distância,
nº.4/5, dez./93, abr./94. Brasília: Instituto Nacional de Educação a Distância.
OLIVEIRA, E. G. Educação a distância na transição paradigmática. Campinas:
Papirus, 2003.
OLIVEIRA, L.M.P. Educação a distância: novas perspectivas à formação de
educadores. Em: MORAES, M. C. (org.). Educação a distância: fundamentos e
práticas. Campinas: UNICAMP, 2002.
ONRUBIA, J. Ensinar: criar zona de desenvolvimento proximal e nelas intervir. Em:
COLL, C. et al. O construtivismo na sala de aula. 5. ed. São Paulo: Ática, 1998, p.
123-151.
30
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
PAULA, Helder de Figueiredo e LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro. Educação
em Ciências, Letramento e Cidadania. Em: Química e Sociedade. Disponível em
http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc26/ . Arquivo capturado em 14/10/2009.
PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação. Perspectivas
sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993.
_______. Construindo competências desde a escola. Porto Alegre: Artes
Médicas,1999.
PIAGET, J. Epistemologie des sciencies de l´homme. Paris: Gallimord, 1970.
PIMENTA, S. G. e ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. Volume 1.
São Paulo: Cortez, 2002.
_______. e GHEDIN, E.(org.) Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um
conceito. São Paulo: Cortez, 2002.
_______. Formação de professores: identidades e saberes da docência. Em:
Saberes pedagógicos e atividades docentes. São Paulo: Cortez, 2002.
PIMENTEL, Maria da Glória. O professor em construção. Campinas: Papirus,
1993.
PRETI, Oreste (org). Educação a Distância: inícios e indícios de um percurso,
Cuiabá: NEAD/IE – UFMT, 1996.
RATNER, C. A psicologia sócio-histórica de Vygotsky. Porto Alegre: Artes Médicas,
1995.
REICHERT, Clóvis Leopoldo; FRANCISCO, Deise Juliana; MACHADO, Glaucio
José Couri; COSTA, Janete Sander & BIANCAMANO, Mary da Rocha. Forchat:
ambiente virtual de aprendizagem. EAD – Unicamp - Sistema de Arquivamento
e Indexação de Documentos. Disponível em: http://www.rau-tu.unicamp.br/
nourau/ead/document/?view=50 .
REIS, I. S. C. Práticas de ensino superior on-line: O papel do tutor neste cenário.
Texto impresso. (s.d).
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
31
RIDING, R. e RAYNER, S. (1998). Cognitive Styles and Learning Strategies:
Understanding style differences in learning and behavior. London, UK: David
Fulton Publisher..
RODRIGUES, José. A taxonomia de objetivos educacionais - um manual para o
usuário. Brasília: Editora UnB, 2 edição, 1994.
RUDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes, 1996.
SACRISTÁN, G. Poderes inestables em educación. Madrid: Morata, 1998.
_______.Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos
professores. Em: NÓVOA, A. (org.). Profissão professor. 2ª ed. Porto: Porto
Editora,1995.
_______.O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3ª ed. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1998 b.
_______.Tendências investigativas na formação de professores. Em: PIMENTA,
S.G.(org). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São
Paulo: Cortez. 2002.
SALVADOR, C. C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1994.
SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 2002.
_______. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São
Paulo: Cortez, 2000.
SANTOS, M. O professor como intelectual na sociedade contemporânea. Em:
Anais do IX Endipe, V.III, Águas de Lindóia – SP: 1998.
______. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2000.
SANTUCCI, Master . Análise das imagens. Em: Tecnologia Educacional. Site Sala
de Aula- Cotidiano Educacional e Social, publicado em 01/março/2008. Disponível
32
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
em: http://saladeaula.terapad.com/index.cfm?fa=contentNews.newsDetails&ne
wsID=50279&from=list
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 1969.
SERBINO, Raquel (org.). Formação de professores. São Paulo: Editora da
UNESP.1998.
SERRANO, G.P. El professor-tutor. Perspectiva humana de la educación a distancia.
Em: Revista Iberoamericana de Educación Superior a Distancia, VI (2), feb. 1994,
pp. 67-95.
SHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. Em: NÓVOA, A. (org.).
Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.
SILVA, M. EAD on-line, cibercultura e interatividade. Em: ALVES et al. Educação a
distância: uma nova concepção de aprendizado e interatividade. Editora Futura.
2003, pp. 51- 62.
SILVA. Aída Monteiro. A escola pública e a formação da cidadania: possibilidades
e limites. São Paulo: Faculdade de Educação/Universidade de São Paulo, 2000.
SILVA, Siony da & OLIVEIRA, Maria Helena Palma de. A contribuição da teoria
sócio-interacionista de Vygotsky para a educação on line. Revista Sinergia –
Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo, v. 5, n. 2, julhodezembro,
2004, p.89-94.
SOARES, Magda Becker. Letramento e Alfabetização. Disponível em http://www.
moderna/didaticos/ef1/artigos/2004/0014.htm. Acesso em 12/11/2008.
_______. O que é letramento? Disponível em: http://eeducador.com/index.php/
artigos-mainmenu-100/201-o-que-etramento, Site EEducador, 2007. Publicado
no jornal Diário do Grande ABC em 29 de agosto de 2003, conforme citado no
texto acessado.
STEINER, V. J; SOUBERMAN, E. Posfácio. In: VYGOTSKY, L.A. A formação social da
mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
33
STORIG, Hans Joachim. A aventura das línguas. São Paulo:Melhoramentos. 2000.
TAMOIO, I. O professor na construção do conceito de natureza: uma experiência
de educação ambiental. São Paulo: Annablumme/WWF, 2002.
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2003.
______. Os professores enquanto sujeitos do conhecimento: subjetividade,
prática e saberes no magistério. Em: Candau, V. M. (org.). Didática, currículo e
saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, pp. 112-128.
______. LESSARD, C. & LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma
problemática do saber docente. Em: Teoria e Educação, n.4, Porto Alegre,1991.
THOMAS, S.B. Os cursos de licenciatura na UNI-RIO: na busca de religação. Em:
FERREIRA, R. e SOUZA B. (org). Bacharel ou Professor? Rio de Janeiro: Quartet,
2000.
UDESC. Conectivismo (E. Thorndike). Disponível em: http://www.cce.udesc.
br/titosena/Arquivos/Tematicas/Conectivismo.doc Arquivo acessado em
06/07/2008.
UENP - Campus Luiz Meneghel. Fatores que influenciam na preparação de Curso/
Material para EAD. Disponível em: http://ramses.ffalm.br/moodledata/14/
material05.pdf
ULHÔA, Eliana,GONTIJO, Flávia. MOURA, Dácio. Alfabetização, Letramento e
Letramento Científico. Disponível em http://www.senept.cefetmg.br/galerias/
Arquivos_senept/anais/terca_tema1/TerxaT ema1Artigo11.pdf.
Arquivo
capturado em 14/10/2009.
VEIGA, I. P. (org.) Inovação como fator de revitalização do ensinar e do aprender
na universidade. O caso CEAM/UNB. Pelotas: Editora universitária, 1999.
VILLAR, E. T. F. e S. Re-significando o saber-fazer/dizer da prática pedagógica
de professoras ao ensinar geografia às crianças do 2º ciclo. (Dissertação de
Mestrado em Educação). Niterói-RJ: Universidade Federal Fluminense, 2003.
34
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
_______. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
WIKIPEDIA. Animismo. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Animismo
ZÍLIO, Diego e CARRARA, Kester. Uma breve introdução ao behaviorismo
metodológico, s/data. Disponível em: http://www.filosofiadamente.org/images/
stories/textos/metodologico.doc.
Sites consultados
-BLOG BRIGITTE LUIZA. Disponível em:
com/2008_03_01_archive.html
-DESIGN.BLOG.BR. Disponível
grafico/o-que-e-gestalt
em:
http://brigitteluiza.blogspot.
http://www.design.blog.br/design-
-MEC/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA/PROINFO. Disponível em:
http://www.proinfo.gov.br
-MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Disponível em: http://www.mec.gov.br
-SESC SÃO PAULO / Portal SESCSP. Disponível em: http:// www.sescsp.org.br
-UNIVERSIDADE VIRTUAL PÚBLICA DO BRASIL. Disponível em: http://www.
unirede.br
-UNIVERSIDADE VIRTUAL/ UNICARIOCA. Disponível em: http://www.univir.
br
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
35
CAPÍTULO 03
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
A Importância do Tutor Presencial na
Aprendizagem dos Alunos do Polo
de EaD de Palmas
Autora: Marilha dos Santos Maciel3
Professora Orientadora: Elizabeth Danziato Rego
Resumo
O uso das redes de comunicação e informação permitem reduzir espaços e
distâncias entre as Instituições de ensino. Assim, a educação a distância com a
utilização de inúmeros recursos didáticos e tecnológicos, dos quais se destaca a
internet, possibilita o acesso ao ensino de milhões de pessoas, antes excluídas
do processo educacional. Na EAD os alunos são construtores do seu próprio
conhecimento e desenvolvimento, dentro de uma relação interativa de troca de
saberes. Nesse contexto, o tutor se torna peça chave na mediação do processo
de ensino e aprendizagem. Analisar a importância do tutor presencial e sua
influência na orientação da aprendizagem dos alunos, por meio da análise de
registros da prática tutorial e das experiências vivenciadas por mim num contexto
pedagógico do Polo de Palmas, foi o principal objetivo deste trabalho que está
organizado em cinco capítulos. A metodologia usada foi baseada numa análise
de situações da prática tutorial do Polo de Palmas, especificamente no Curso de
Gestão Educacional - lato sensu, ofertado pela Universidade Federal de Santa
Maria-RS.
Palavras-chave: tutor; aprendizagem; Educação a distância.
36
Graduada em Pedagogia e Pós Graduada em Gestão Educacional pelo Centro Universitário Luterano de Palmas –
CEULP/ULBRA/PALMAS. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília – UnB.
Professora da Secretaria de Educação e Cultura – TO. E-mail: [email protected]
3
Referências bibliográficas
ALARCÃO, Isabel (Org.). Formação Reflexiva de Professores. Porto: Ed. Porto,
1996.
ALMEIDA, Alice Maria de Castro. Arte na Escola. São Paulo. 2001.
ALONSO, K. M. PRETTY (Org.). Educação a Distância. www.tvebrasil.com.br/
salto/boletim/2005
ARETIO, L.G. Educação a Distância. São Paulo: Moderna, 2004.
AUTHIER, M. Sala de Aula e Tecnologia. Em: AUTHIER, M. As árvores do
conhecimento. Tradução de Mônica M. Seicman. São Paulo: Ed. Escuta. 1995
BELLONI, M. L. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados, 2001.
BRASIL, República Federativa do. Congresso Nacional. Ministério da Educação
e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Nº 9.394/96, 20 de
dezembro de 2006.
_____. Congresso Nacional. PNE – Lei 10.172/01.
_____. Poder Executivo. Decreto Federal nº 5.622/2005.
_____. Poder Executivo. Decreto Federal nº 5.800/2005.
COLOGNESE RECH. Revista Virtual – partes – EAD. RJ, 2007.
CORTINHAS. M. S. Tutor Presencial no Polo de Apoio a EAD. Educere, Anais/2008
FARIA, E.T. Educação a Distância. 2ª edição, AA. Campinas/ SP, 2001.
GATTI, B.A. Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de
renovação. Campinas, Autores Associados, 2000, 2ª. edição.
KENSKI. Vani Moreira. Tecnologias e Ensino Presencial e Distância. Campinas:
Papirus, 2003, 2ª edição, 157p.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
37
LUDKE, M. Avaliação institucional: Formação de docentes para o ensino
fundamental e médio (As licenciaturas). Série Cadernos CRUB, v.1, n.4, Brasília,
1994.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Assessoria de Comunicação, 2008.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de
Qualidade para a EAD, 2007.
MILL, D. ABREU-E-LIMA, D.M.; LIMA, V. TANCREDI, R. O desafio de uma interação
de qualidade na educação a distância: o tutor e sua importância nesse processo.
São Paulo, 2005 [no prelo].
MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos & BEHRENS, Marilda. Novas tecnologias
e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2001, 3a edição.
MOORE E KEARLEY. Educação a Distância, uma visão integrada. São Paulo:
Thomsom, 2007.
NEVES, Carmen Moreira de Castro. Critérios de Qualidade para a Educação a
Distância. In: Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, v. 26, no. 141, abr./jun.,
1998.
_________. Tecnologias na Educação a Distância ou presencial: Seis lições
básicas. In: Pátio — revista pedagógica. V. 5, n. 18 ago./out.2001. Artmed Editora
Ltda, Porto Alegre, RS.
PRADO, Maria Elisabette. A Mediação Pedagógica: suas relações e
interdependências. Em: Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Informática na
Educação. Brasília: SBIE, 2006.
RANGEL, Athail Pulino. Moodle. Um Sistema de Gerenciamento de Cursos.
Brasília: Universidade de Brasília, 2005. Disponível em: www.moodle.ufba.br/
course/view.php?id=416.
SÁ, Iranita. Educação a Distância: Processo Contínuo de Inclusão Social. Fortaleza:
C.E.C., 1998.
38
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
SCHEIBE E AGUIAR. Formação de Profissionais da Educação. Homem e
Sociedade. São Paulo, 1999.
SOUZA, A M. /FIORENTINI. L. M. R/ RODRIGUES. M. M. (Org.). Educação Superior
a Distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília:
Faculdade de Educação/ UnB- Universidade Aberta do Brasil, 2009.
UAB/PALMAS. Regimento Acadêmico do Pólo de Palmas, 2009.
UFSM/RS- CEAD/ Projeto Político Pedagógico do Curso de Gestão Educacional.
VASCONCELOS, C. Avaliação – Concepção Dialética e Libertadora da Escola. São
Paulo: Libertad, 1994. Acesso em 14/09/09.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
39
CAPÍTULO 04
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
A Utilização do Ambiente Virtual como
Aliado ao Processo de Ensino Aprendizagem
da Língua Inglesa
Autora: Vivian Maria André4
Professora Orientadora: Leda Maria Rangearo Fiorentini
Resumo
A pergunta que direcionou esta pesquisa é: Há possibilidade de se utilizar o
ambiente virtual de aprendizagem como suporte ao ensino de Língua Inglesa?
A pesquisa foi um estudo de campo sobre a utilização do Ambiente Virtual de
Aprendizagem como aliado ao processo de ensino-aprendizado de Língua
Inglesa realizada junto à comunidade escolar do Centro de Ensino Ave Branca de
Taguatinga/DF. O foco da pesquisa foi a realização e o envio das tarefas utilizando
a plataforma Moodle disponibilizada pela já mencionada instituição de ensino.
A metodologia adotada foi a qualitativa. Foram levantados os dados, analisadas
as dificuldades encontradas e discutidos os resultados obtidos. As conclusões
deste estudo podem subsidiar outros professores que visam utilizar o AVA como
aliado ao processo de ensino-aprendizado da Língua Inglesa observando que ele
funciona como um valioso recurso pedagógico adicional para o ensino presencial.
Palavras-chave: ambiente virtual de aprendizagem; ensino-aprendizagem; língua
inglesa.
40
4
Graduada em Letras pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Especialista em Educação Continuada
e a Distância pelaUniversidade de Brasília(UnB)/ Universidade Aberta do Brasil (UAB). Professora da
Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
Referências bibliográficas
ABA ENGLISH. O curso de Inglês da ABA English. [S.I.], 2007. Disponível em:
<http://www.abaenglish.com/curso-de-ingles-pt.html>. Acesso em: 15 nov.
2009.
ALMEIDA, M. E. B. Educação, ambientes virtuais e interatividade. São Paulo:
Loyola, 2003.
BASSO, E. A.; ROCHA, C. H. Ensinar e Aprender Língua Estrangeira em diferentes
idades. 1. ed. São Carlos: Claraluz, 2008. v. 1000.
BRASIL. Decreto nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998. Regulamenta o Art. 80 da
LDB (Lei n.º 9.394/96). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 fev.1998.
CHAVES, E. O Uso de Computadores em Escolas: fundamentos e Críticas. São
Paulo: Scipione, 1987.
__________. Multimídia: conceituação, Aplicações e Tecnologia. São Paulo:
People, 1992.
__________. Tecnologia e Educação: o Futuro da Escola na Sociedade da
Informação. Brasília, DF: MEC, 1999.
__________. Sua Escola a 2000 por Hora: educação para o Desenvolvimento
Humano pela Tecnologia Social. São Paulo: Saraiva, 2004.
COSTAS, J. M. A. Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. São
Paulo: Papirus, 2007, 2ª edição.
DALFOVO, M. S.; DOMINGUES, M. J. C. S.; SILVEIRA, A. O Ambiente Virtual de
Aprendizagem (AVA) na Universidade Regional de Blumenau (FURB): Estudo
do Uso dos Recursos no Curso de Graduação em Administração. Em: Encontro
de Administração da Informação, 1., 2007, Florianópolis. Anais...Florianópolis:
Anpad, 2007.
FREIRE, P. Política e Educação. São Paulo: Cortez, 1969, 5ª edição.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
41
GONZALEZ, M. Fundamentos da Tutoria em Educação a Distância. São Paulo:
Avercamp, 2005.
GOWER, R.; PHILLIPS, D.; WALTERS, S. Teaching Practice. Inglaterra: Macmillan
Education, 1995.
KENSKI, V. M. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. São Paulo: Papirus,
2003;
LIMA, D. C. Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa: Conversas com
especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
LITWIN, Edith. Educação a Distância: Temas Para o Debate de uma Nova Agenda
Educativa. Porto Alegre: Artmed, 2001.
LOPES, L. P. M. Oficina de Lingüística Aplicada: A natureza social e educacional
dos processos de ensino aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado das
Letras, 1996
MERCER, J. L. Normas Para Apresentação de Trabalhos. Curitiba: UFPR, 1995;
MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a Distância: uma Visão Integrada. São Paulo:
[s.n], 2008.
MORAN, J. M. Novas Tecnologia e Mediação Pedagógica. São Paulo: Papirus,
2007, 13ª edição.;
REY, F. L.G. Pesquisa qualitativa e subjetividade: Os processos de construção da
informação. São Paulo: Thomson, 2005, 1ª edição, v. 1. 205 p.
ROCHA, C. H.; BASSO, E. A. Ensinar e Aprender Língua Estrangeira nas Diferentes
Idades: Reflexões para Professores e Formadores. São Carlos: Claraluz, 2008. 256
p.
ROCHA, D. F. A Importância do Inglês no mundo. Goiânia: UCG, 2001. Disponível
em: <http://www2.ucg.br/flash/artigos/AImportanciaIngles.htm>. Acesso em:
19 nov. 2009.
42
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
SCHÜTZ, R. O Inglês Como Língua Internacional. [S. I], jun. 2009. Disponível em:
<http://www.sk.com.br/sk-ingl.html>. Acesso em: 13 nov. 2009.
SCREMIN, S. B. Educação a Distância – Uma Possibilidade na Educação Profissional
Básica. Santa Catarina: Visual Book, 2002.
TORRES, G. N. Importância da língua Inglesa. [S.I.]: 16 nov. 2008. Disponível
em: <http://recantodasletras.uol.com.br/artigos/1287297>. Acesso em: 15 nov.
2009.
UNESP. Mundo Moodle. [2005]. Disponível em: <http://aprender.rosana.unesp.
br/mod/resource/view.php?id=254>. Acesso em: 16 nov. 2009.
VIEIRA, D. Inglês - o esperanto do mundo? Kultura Centro de Esperanto, Goiânia.
[2009]. Disponível em: <http://www.aleph.com.br/kce/artigo35.htm>. Acesso
em: 15 nov. 2009.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
43
CAPÍTULO 05
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
A Influência da Linguagem da Internet
na Escrita dos Alunos dos Cursos de
Graduação a Distância
Autora: Eliane Borges5
Professora Orientadora: Teresa Cristina Siqueira Cerqueira
Resumo
O presente trabalho teve o objetivo de investigar até que ponto o internetês
encontra-se presente na comunicação dos alunos dos cursos de graduação a
distância. Os dados compõem-se de amostras de cem participações produzidas
por alunos da disciplina Comunicação, Expressão e Estudos Acadêmicos do
Curso de Graduação em Educação Física a Distância da Universidade Aberta do
Brasil, para verificar se há algum tipo de interferência da linguagem de internet
na escrita padrão. Utilizei, nesta pesquisa, a metodologia qualitativa o que me
permitiu construir um saber a partir do posicionamento dos teóricos e dos críticos
da “linguagem de internet” com os dados verificados. Os resultados da pesquisa
apontam para a constatação de que os jovens sabem adequar a linguagem de
maneira coerente para produzirem textos de acordo com a norma culta.
Palavras-chave: internetês; norma padrão; escrita padrão.
44
5
Graduada em Letras pelo Centro Universitário de Brasília – UniCEUB. Especialista em Educação Continuada e a
Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal.
E-mail: [email protected]
Referências bibliográficas
AURÉLIO, B.H., Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Positiva,
2ª edição versão em CD-ROM.
BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico. 5. São Paulo: Edições Loyola, 1999.
________. A Língua de Eulália. 7. São Paulo: Contexto, 2000.
BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Tradução de M.E.G. Pereira. São
Paulo: Martins Fontes, 1997, 3ª Ed.
________. Marxismo e filosofia da linguagem. 9ª ed. São Paulo: HUCITEC, 1999.
CHOMSKY, Noam. Linguagem e mente: pensamentos atuais sobre antigos
problemas. Brasília: Editora da UnB, 1998.
CONSOLARO, Hélio (2005). Por Trás das Letras. Entre o Português e o Internetês,
a Polêmica. Disponível em: http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.
php?op=polemica/docs/entreoportugues. Acesso em 21/10/2008.
CRYSTAL, David. A Revolução da linguagem. Tradução de Ricardo Quintana. Rio
de Janeiro: Zahar Editora, 2008.
CUNHA, Celso. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 4. Rio de janeiro:
Lexikon Editora Digital, 2007.
FILARD, Iara (2008). Escala Educacional - Sem Censura - TVE/RJ - Sírio Possenti.
Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=BqFxEyNiTpk&feature=relat
ed. Acesso em 27/10/2008.
FREIRE, Paulo. A educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
2002a.
GONZÁLEZ REY, F. Epistemología cualitativa y subjetividad. São Paulo: Educ,
1997.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. Editora 34: São Paulo, 2000.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
45
LYONS, John. Histórico dos Estudos Lingüísticos. 3. Rio de Janeiro: PVC. 2003.
MARCONATO, Sílvia (2008). A Revolução Do Internetês. Revista Língua Portuguesa.
Disponível em: http://revistalingua.uol.com.br/textos.asp?codigo=11061. Acesso
em 28/10/2008.
•••
46
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 06
Análise do Modelo de Gestão em Programas
de EaD: a experiência desenvolvida nos cursos
ofertados no âmbito do IFCE - CE
Autora: Francisca Venâncio da Silva6
Professora Orientadora: Carmenisia Jacobina Aires
Resumo
Nos últimos anos, tem-se intensificado os estudos sobre uma nova forma de
educar. Com o advento das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC)
possibilitou levar formação superior à população brasileira residente em
cidades onde não existem universidades. O Sistema Universidade Aberta do
Brasil (UAB), uma iniciativa do governo federal, apropriando-se do método da
educação a distância, em parceria com o MEC, a FNDE, a União, os estados, os
municípios e instituições públicas e privadas de ensino superior tem formado
professores, bem como muitos jovens que de outra forma não teria acesso ao
ensino superior. O Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação
a Distância (SEED), atua como agente de inovação de tecnologias nos processos
de ensino-aprendizagem incentivando o uso das TICs e das novas técnicas de
educação a distância aos métodos didático-pedagógicos. Promovendo a pesquisa
e o desenvolvimento. Este trabalho apresentará e analisará o modelo de gestão
adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE) nos
cursos ofertados em Tecnologia em Hotelaria e Licenciatura em Matemática na
modalidade a distância com a finalidade de demonstrar ações positivas com o
uso de tecnologias na educação.
6
Graduada em Licenciatura em Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará,
Campus Juazeiro do Norte. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília - UnB.
E-mail: [email protected]
47
Palavras-chave: educação a distância; gestão; Instituto Federal de Educação,
Ciência e Tecnologia (IFCE).
Referências bibliográficas
ALVES, João Roberto Moreira. A História da EaD no Brasil. Em: LITTO, Fredric;
FORMIGA, Marcos (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo:
Pearson Educação do Brasil, 2009. (Cap. 2, p. 9-13).
BRASIL. Secretaria de Educação Superior. Sistema de Acompanhamento de
Processos das Instituições de Ensino Superior. Brasília, DF: SAPIENS/DESUP/
SESU/MEC, 2004. Disponível em http://www.aur-rj.org.br/4poli/documentos/
PDI_diretrizes.doc. Acesso em 13 de novembro de 2009.
IAHN, Luciene Ferreira. MARTINS, Onilza Borges. POLAK, Ymiracy Nascimento de
Sousa. Capacitação de tutores na modalidade de educação a distância. Curitiba:
Apta, 2002.
IFCE. Produção de material. Fortaleza: Núcleo de Tecnologias Educacionais e
Educação a Distância - NTEAD do CEFETCE. Disponível http://dead.ifce.edu.
br/~capacitacao-dead/course/category.php?id=1. Acesso em 22 de outubro de
2009.
FILATRO, Andrea. Design instrucional contextualizada. São Paulo: SENAC, 2007,
2ª edição.
GOMES, Cândido Alberto da Costa. A Legislação que Trata da EAD. Em: LITTO,
Fredric; FORMIGA, Marcos (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São
Paulo: Pearson Educação do Brasil, 2009. (Cap. 4, p. 21-27).
GOMES, Carmenísia Jacobina Aires; LOPES, Ruth Gonçalves de Faria. Gestão
de Sistemas de Educação a Distância – a Teoria e a Prática no Contexto de um
Programa de Formação de Especialistas em Ambiente Internet. Disponível em:
http://www.escoladegestores.inep.gov.br/downloads/artigos/gestao_sistemas/
gestao_sistemas.pdf. Acesso em: 10 set. 2009.
48
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
LE BOTERF, Guy; BARZUCCHETTI, Serge; VICENT, Francine. Comment manager
La qualité de La formation. Paris : Les Editions d’ Organisation, 1992, 2ª Edição.
MOREIRA, Eliana; SALES, Gilvandenys; SILVA, Cassandra Ribeiro, ARAÚJO,
Régia Talina. Modelo de formação de tutores a distância no CEFET-CE. 2008.
(Apresentação de Trabalho/Congresso_CONEPI-2008).
MOTA, Ronaldo, A Universidade Aberta do Brasil. Em: LITTO, Fredric; FORMIGA,
Marcos (orgs). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson
Educação do Brasil, 2009. (Cap. 41, p. 297-303).
NUNES, Ivônio Barros. A História da EAD no Mundo. Em: LITTO, Fredric; FORMIGA,
Marcos (orgs). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson
Educação do Brasil, 2009. (Cap. 2, p. 2-8).
RUMBLE, Greville. A Gestão dos sistemas de ensino a distância. Tradução de
Marília Fonseca. Brasília: UNESCO, Ed. da Universidade de Brasília, 2003.
SILVA, Cassandra Ribeiro de Oliveira e Silva. Educação a distância. 3edição
revisada. Fortaleza: UAB/IFCE, 2009.
VALENTE, Carlos; MATTAR, João. Second life e web 2.0 na educação, o potencial
revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec, 2007.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
49
CAPÍTULO 07
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Análise do Processo de Oferta da Disciplina
Atelier de Artes Visuais online
da UAB-UnB
Autora: Blanca Nídia Lucero de Lazarte7
Professor Orientador: Lúcio França Teles
Resumo
O objetivo principal desta pesquisa é o de apresentar uma análise sobre a disciplina
Atelier de Artes Visuais Online, na plataforma Moodle, de um grupo de alunos do
Curso de Licenciatura em Artes Visuais do polo UAB–UnB do Acre, mostrando
sua organização, potencial e recursos. Destaca-se também a importância das
políticas públicas do governo federal na implantação do Programa Universidade
Aberta do Brasil/UAB. Faz-se um estudo comparativo de algumas obras de arte
trabalhadas com o programa GIMP, que capacita, forma e dá novas habilidades e
conhecimentos aos alunos. Finalmente conclui-se que o programa da UAB é uma
forma exitosa de inclusão social para as regiões mais distantes do Brasil.
Palavras-chave: ambiente de aprendizagem Moodle; oficina; artes visuais;
software livre;. capacitação; autonomia.
50
7
Formada em Antropologia pela Universidade de Londres, (Goldsmith’s Collegue). Mestre em Comunicação pela
Universidade de Brasília - UnB. Tutora da Disciplina Estágio Supervisionado 3 do Curso de Licenciatura em Artes
Visuais da UAB/UnB. E-mail: [email protected]
Referências bibliográficas
ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual. São Paulo: USP, 1980.
OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. Rio de Janeiro: .Campus, 1983.
RUDEL, Jean. A Técnica do Desenho. Rio de Janeiro: Zahar 1980
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
51
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 08
Aprendizagem Musical a Distância: um
complemento para o ensino presencial
Autor: César Augusto de Souza Oliveira8
Professor Orientador: Carlos Alberto Lopes de Sousa
Resumo
A música exerce uma importante influência no desenvolvimento cognitivo da
criança, a qual é inserida no universo sonoro desde o útero materno.. Entre os
adolescentes, a música é utilizada como uma ferramenta para a afirmação de seus
valores, construção de sua identidade e inserção num grupo social, estando esta
presente nas mais diversas situações na vida do ser humano. Diante das diversas
formas que podemos nos relacionar com a música, o mundo contemporâneo
nos oferece vários espaços e contextos que propiciam a aprendizagem musical,
sejam eles ambientes formais de ensino ou não. Em agosto de 2008 foi aprovada
a Lei 11.769, tornando obrigatório o ensino de música para o ensino básico,
uma vitória que exige uma discussão ampla e democrática, a fim de se chegar a
um consenso sobre o tipo de formação musical que pretendemos e como essa
ferramenta será utilizada. Como uma das mais antigas formas de expressão da
humanidade, por meio da música dialogamos com o mundo à nossa volta, num
discurso que expressa sentimentos, emoções, crenças e ideologias. No mundo
contemporâneo, as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) trazem uma
grande contribuição para a sociedade no sentido de facilitar e tornar o acesso a
8
Licenciado em Música e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília (UnB).
Professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
53
informação mais justo e democrático, levando oportunidades e conhecimento
a locais até então inacessíveis. Da riqueza de possibilidades oferecida pela
tecnologia, surge a necessidade de que o educador reflita com um carinho
especial sobre sua prática, pois o educando está se tornando cada vez mais ativo
e consciente na produção de conhecimento e na construção do saber, agindo
decisivamente no processo de aprendizagem. Esta proposta de utilização das
TICs, como uma maneira de complementar o ensino presencial de música, é um
convite para a reflexão sobre diversas questões que circundam a construção do
conhecimento musical e da formação do músico que atue nos diversos cenários
que existem no mundo da música, utilizando todas as ferramentas oferecidas
pela contemporaneidade.
Palavras-chave: aprendizagem musical a distância; expressão; tecnologias de
informação e comunicação (TICs); interatividade; reflexão.
Referências bibliográficas
ABREU, Maria Rosa; TELES, Lúcio França. Tecnologias Interativas na aprendizagem
em Redes Sociais on-line, na ciberarte, na cidadania. Em: SOUZA, A.M.;
FIORENTINI, L.M.R.; RODRIGUES, M.A.M. (Org..). Educação Superior a Distância:
Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em rede (CTAR). Brasília/DF:
Faculdade de Educação-Universidade de Brasília/Universidade Aberta do Brasil,
2009, p. 169-201.
ANTUNES, Celso. Como transformar informações em conhecimento. Petrópolis:
Vozes, 2002.
BEINEKE, Viviane. O conhecimento do professor de música: uma questão teórica
ou prática? Anais do IV Encontro Regional da ABEM Sul. Santa Maria/RS:
Associação Brasileira de Educação Musical, 2001, p.64-77.
________. O ensino de flauta doce na educação fundamental. Santa Maria/RS:
Associação Brasileira de Educação Musical, 2001, p.86-100.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 4024/61.
________. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 5.692/71.
54
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
________. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9394/96.
________. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais,
1997.
________. Lei 11.769/2008.
GROSSI, Cristina e MONTANDON, Maria Izabel. Teoria Sem Mistério-Questões
para Refletir sobre a Aprendizagem da Grafia Musical na Prática. I Simpósio
Internacional de Cognição e Artes Musicais. Curitiba/PR: UFPR, 2005.
LÈVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.
MEDEIROS, Larissa; RAMOS, Wilsa Maria. A Universidade Aberta do Brasil:
desafios da construção do ensino e aprendizagem em ambientes virtuais. Em:
SOUZA, A.M.; FIORENTINI, L.M.R.; RODRIGUES, M.A.M. (Org.). Educação Superior
a Distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em rede (CTAR). Brasília/
DF: Faculdade de Educação-Universidade de Brasília/Universidade Aberta do
Brasil, 2009, pp. 37-64.
MATEIRO, Teresa; SOUZA, Jusamara; HENTSCHKE, Liane; OLIVEIRA, Alda de;
DEL BEM, Luciana. O que faz a música na escola? Concepções e vivências de
professores do ensino fundamental. Série Estudos. ISSN 1518-3211. Porto
Alegre/RS: Instituto de Artes da UFRGS- Programa de Pós-Graduação em Música,
2002. Disponível em: http://www6.ufrgs.br/ppgmusica/principal.php?pg=pagin
as%7Coutraspublicacoes-html
MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem Significativa. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 1999.
PENNA, Maura. A dupla dimensão política educacional e a música na escola:
analisando a legislação e termos normativos. UEP, 2004.
PERRENOUD, Phillippe. Entrevista de Paola Gentile e Roberta Bencini. Revista
Nova Escola, setembro, 2000, pp. 19-31.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
55
PRIMO, Alex. Interação mediada por computador. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2007.
PONTES, Elício Bezerra. A Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede
(CTAR) na Faculdade de Educação da UnB. Em: SOUZA, A.M.; FIORENTINI, L.M.R.;
RODRIGUES, M.A.M. (Org.). Educação Superior a Distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em rede (CTAR). Brasília/DF: Faculdade de EducaçãoUniversidade de Brasília/Universidade Aberta do Brasil, 2009, pp. 17-36.
QUEIRÓZ, Luiz Ricardo Silva. A música como fenômeno sociocultural: perspectivas
para uma educação musical abrangente. Santa Maria/RS: Associação Brasileira
de Educação Musical, 2004, p.49-65.
SOUZA, Jusamara. Música, cotidiano e Educação. Porto Alegre: Instituto de Artes
da UFRGS-Programa de Pós-Graduação em Música, 2000. Disponível em: http://
www6.ufrgs.br/ppgmusica/principal.php?pg=paginas%7Coutraspublicacoeshtml
________; HENTSCHKE, Liane; OLIVEIRA DE, Alda; DEL BEN, SWANWICK, Keith.
Ensinando Música Musicalmente. São Paulo: Ed. Moderna, 2003.
WILLE, Regiana Blank. Educação musical formal, não formal ou informal: um
estudo sobre processos de ensino e aprendizagem musical dos adolescentes:
três estudos de caso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de
Artes. Programa de Pós-Graduação em Música. (Dissertação de Mestrado).
UFPel, 2005. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/2424 .
Sites consultados:
DMUSICHOUSE - http://www.dmusichouse.com.br
ETHORSSON – http://www.eythorsson.com
EDUMUSICAL - http://www.edumusical.org.br
FRECLEF - http://www.freeclef.org
MAISQUEMUSICA - http://www.maisquemusica.com.br
•••
56
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 09
As Pedagogias do Conhecimento: um relato
de experiência em EaD
Autor: Carlos Henrique Silva Bittencourt9
Professor Orientador: Rogério de Andrade Córdova
Resumo
Este trabalho pretende fazer uma análise das disciplinas: projeto II da (Fe/UAB/
UnB), Estratégias de ensino e Aprendizagem a Distância, Tecnologias na escola I
e II do IDA/UAB/UnB (Instituto de Artes). Disciplinas disponíveis na lista de oferta
da UAB/UnB, objetivando analisar à luz das pedagogias do conhecimento de
Louis Not, as possibilidades de formação dos alunos, dos professores e a relação
que se estabelece entre ensino e aprendizagem que ajudam transformar o Ser
ou ajuda o Ser a se transformar a partir de uma relação dialógica. No percurso
trilhado foi feita a opção metodológica pela observação participante já que o
autor deste trabalho participou como professor/tutor das disciplinas em questão.
Este estudo tem como proposta contribuir para o entendimento dos processos de
formação de alunos e professores na UAB/UnB considerando os novos recursos e
tecnologias da informação e comunicação e sua utilização como um componente
de novidade na relação professor aluno como possibilidades de transformação
ou não da cena educativa. Para tanto apresento a estrutura:
Palavras-chave: formação; pedagogias; conhecimento; observação participante;
tecnologias.
9
Graduado em Pedagogia e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília UnB. Professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
57
Referências bibliográficas
ARRUDA, Ecídio P. Ciberprofessor – novas tecnologias, ensino e trabalho docente.
Belo Horizonte: Autêntica/FHC-FUMEC, 2004.
FREINET Celestin. Uma Pedagogia da Atividade e Cooperação. MDC ELIAS – Rio
de Janeiro/RJ: Vozes, 1997.
HOUSSAYE J., Le triangle pédagogique ou comment comprendre la situation
pédagogique. Em: Recherche en Soins Infirmiers, n° 38, septembre 1994, pp 10
a 18.
IMBERT, Francis. Para uma Práxis Pedagógica. Tradução de Rogério de Andrade
Cordova. Brasília: Plano Editora, 2003.
LAPASSADE, Georges. As microssociologias. Brasília: Livro Editora, 2005.
MATOS, Olgaria. O crepúsculo da ética. Santos: SESC, 2002.
NOT, Louis. As pedagogias do conhecimentos. SP: DIFFEL, 1981.
NOT, Louis. Ensinar , aprender e fazer. Portugal: Edições Asa, 1991.
MEIRIEU, Philippe. A pedagogia entre o dizer e o fazer: a coragem de começar.
Porto Alegre: Artmed, 2002.
PAPERT, S. Mindstorms - Children, Computers and Powerful Ideas. New York:
Basic Books, Inc., 1980.
PEREIRA, Eva Waisros; MORAES, Raquel de A. A Política de Educação a Distância
no Brasil e os desafios na formação de professores na Educação Superior.
Campinas, SP. Em: Anais do VIII Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas
-História, Educação e Transformação: tendências e perspectivas, de 30 de junho
a 03 de julho de 2009 – CD-ROM. Campinas/SP: Unicamp, 2009. v. 1. p. 1-21.
RAMOS, Eugênio Maria de França. Introdução às Teorias de Aprendizagem.
Rio Claro/SP: UNESP. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/pef/estante/
58
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
Aprendizagem_modelos.pdf ou www.nce.ufrj.br/ginape/publicacoes/.../teorias.
htm.
VYGOTSKY, L.S. Mind in Society. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
59
CAPÍTULO 10
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Comparação entre o Papel do Tutor nos Cursos
do Sistema UAB em Universidades Públicas
Autora: Karla Christiane C. Farias da Silva10
Professora Orientadora: Wilsa Maria Ramos
Resumo
Na Educação a Distância o tutor é a peça chave no acompanhamento e
desempenho dos estudantes. Por meio dele se garante a inter-relação
personalizada e contínua do estudante e se viabiliza a articulação necessária entre
os elementos do processo e a consecução dos objetivos propostos. A EaD tornase um veículo que possibilita a democratização do acesso à educação em todos
os níveis, aumentando os espaços educacionais. Este trabalho analisa os sistemas
de tutoria aplicados a três IES participantes do Sistema Universidade Aberta do
Brasil – (UFAM, UFG e UFC). A necessidade de capacitação desses tutores não
se limita apenas ao atendimento dos estudantes, mas sim como profissionais
atuantes no processo colaborativo de construção do conhecimento do aluno
distante. A conclusão deste trabalho aponta para diversidades nos sistemas de
tutoria aplicados nas IES, tendo como necessidade reformulações e adequações
no plano de aplicação de tutoria para formação de um profissional com um novo
perfil para atuação nos cursos de educação a distância.
Palavras-chave: educação a distância; sistema de tutoria.
60
10
Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário de Brasília – UniCEUB. Especialista em Educação Continuada e a Distância
pela Universidade de Brasília - UnB. Consultora Financeira da CAPES. E-mail: [email protected]
Referências bibliográficas
ARETIO, Lorenzo Garcia. Aprender a Distância. Educación superior a distância.
Análisis de su eficacia. Mérida, Espanha: Badajoz, UNED, 1995.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados,
1999.
BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional, n. 9.394/96. Campinas: Papirus, 1994.
BRASIL. Decreto n. 5.800/06. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/_quadro.htm . Acesso em 20/11/2009.
BRASIL. FNDE. Resolução CD/FNDE Nº 26, de 5 de Junho de 2009.
BRASIL. FNDE. Resolução CD/FNDE Nº 044, de 29 de dezembro de 2006.
GARCIA ARETIO, Lorenzo. (1994). Educación a Distancia Hoy. Madrid: UNED.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002,
4ª edição.
GUTIERREZ, F.; PRIETO, D. A mediação pedagógica: educação à distância
alternativa. Campinas: Papirus, 2004.
LANDIM, Cláudia Maria das Mercês Paes Ferreira. Educação a Distância: Algumas
Considerações. Rio de Janeiro: [s/n], 1997.
LITWIN, Edith (Org.). Educação a Distância: temas para o debate de uma nova
agenda educativa. Porto Alegre: Artmed, 2001, 110p.
MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.
Referenciais de qualidade em EaD. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/
seed/index. php?option=content&task=view&id =62 &Itemid=191. Acesso 15
out. 2008.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
61
MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos T. e BEHRENS, Marilda Aparecida.
Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Ed. Papirus, 2006.
MORAN, José Manuel. Avaliação do Ensino Superior a Distância no Brasil.
Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/textosead.htm. Acesso em
18/11/2009.
MUNDIM, Kleber. Ensino a distância no Brasil: problemas e desafios. Brasília:
Secretaria de Educação a Distância, 2006.
O’ROURKE, Jenniffer. Tutoria no EAD: um manual para tutores. Instituto Nacional
de Educação a Distância. Canadá: The Commonwealth of Learning, 2003.
PAMPLONA, F. Lorena. Educação a Distância e o Mundo www: Os integrados,
os excluídos, os marginais, os proibidos e os resistentes. 2001, 94 f. (Trabalho
de Conclusão do curso de Pedagogia Administração Escolar). Belém: Centro de
Ciências Humanas e Educação, Universidade da Amazônia, 2001. Disponível
em:
<http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/monografias/EDUCACAO_
DISTANCIA_MUNDO_WWW.pdf>. Acesso em 10/06/09.
SÁ, Iranita M. A. Educação a Distância: Processo Contínuo de Inclusão Social.
Fortaleza, C.E.C., 1998.
SHULMAN, J.; LOTAN, R.; WHITCOMB, J. Group in diverseclassroom. New York/
Londres: Teachers College Press, 1995.
TOUGH, A. The Adult’s Learning Projects: A Fresh Approach to Theory and
Practice in Adult Learning. Toronto: OISE Press, 1979.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS. Plano de Tutoria da Universidade
Federal do Amazonas UFAM), 2009.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Plano de Tutoria da Universidade Federal
do Ceará (UFC), 2009.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Plano de Tutoria da Universidade Federal de
Goiás (UFG), 2009.
62
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 11
Concepções Didáticas dos Professores do Ensino
Presencial e a Distância: conceitos de qualidade
do ensino – aprendizagem
Autora: Maria Vanda Silvino da Silva11
Professor Orientador: Elício Bezerra Pontes
Resumo
Este trabalho busca apresentar as concepções pedagógicas dos professores do
ensino presencial e a distância, compreendendo o conceito de aprendizagem na
educação pautado nos avanços tecnológicos e fundamentando-se em autores
como Demo, Valente, Castro, Marchesi & Martins, entre outros. A literatura
deste trabalho aborda uma visão histórica da política Educacional Nacional na
perspectiva de descrever as influências educacionais, os interesses políticos
e administrativos desde o Brasil Colônia até os tempos atuais. Ao longo deste
trabalho serão descritos os diversos posicionamentos da educação brasileira,
considerando as influências pedagógicas vindas de outros países. A partir do
período Colonial, a história registra os interesses político-filosóficos da educação
brasileira com seus entraves e avanços na práxis pedagógica dos educadores. Um
dos eixos centrais da investigação é a concepção pedagógica dos professores nos
dias atuais, buscando demonstrar o posicionamento dos educadores em relação
ao ensino a distancia.
Palavras-chave: concepções didáticas; ensino-aprendizagem; ensino a distâcia.
11
Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Especialista em
Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília – UnB. Participa da coordenação do programa de
formação de tutores da Universidade Aberta a Distância do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia –
Juazeiro do Norte/CE. E-mail: [email protected]
63
Referências bibliográficas
BELLO, José Luiz de Paiva. História da educação no Brasil. Rio de Janeiro, 1998,
disponível em: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/heb01.htm. Acesso em 21
agos’ 2009.
BELLO, José Luiz de Paiva. Educação no Brasil: a História das rupturas. Pedagogia
em Foco, Rio de Janeiro, 2001. Disponível em: <http://www.pedagogiaemfoco.
pro.br/heb14.htm>. Acesso em: 21 agos’ 2009.
BEHRENS, Marilia Aparecida. A prática pedagógica e o desafio do paradigma
emergente. 1999. Disponível no site: http:// www.rbep.inep.gov.br/index.php/
RBEP/article/view/167/166. Acesso em: 20 jul’ 2009.
BRASIL. Instituto Brasileiro Geográfico de Estatística- IBGE. Censo de 2000.
Disponível no site: http://www.ibge.gov.br/home/disseminacao/online/
popclock/popclock.php acesso em: 15 set’ 2009.
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira
– INEP. Estatísticas. Disponível no site: http://www.inep.gov.br/estatisticas/
numeros/2001/ acesso em 15 set’2009.
CANDAU, Vera Maria. (Org.). A didática em questão. Petrópolis: Editora vozes,
1983.
CASTELA, Greice da Silva & GRANETTO, Julia Cristina. EAD: Histórico e implicações
nos processos de ensino aprendizagem. UNIOESTE, 2008, disponível no site:
www.unioeste.br/cursos/cascavel/pedagogia/.../Artigo%2011.pdf, Acesso em
fev’2010.
CASTRO, Cláudio de M. Embromação a distância? Revista Veja. Disponível no
site: http://veja.abril.com.br/150409/p_024.shtml, acesso em: 21 set’ 2009.
CHAGAS, Julia. Anos de Chumbo na Educação. EPSJV. FIOCRUZ, 2008. Disponível
no site: http:///www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/entrevista_buffa.pdf. Acesso em
set 2009.
64
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
DEMO, Pedro. A Nova. Ranços e Avanços. São Paulo: Papirus, 2006, 19ª edição.
FORTUNATO, Érica Corrêa & FERREIRA, Michelle de Carvalho. Educação a distância:
limites e possibilidades. UNAMA/NEAD, 2001. Disponível em: www.nead.unama.
br/site/.../Educacao_Distancia_Limites.pdf. acesso em 20’agos’2009.
GADOTTI, MOACIR. Perspectivas atuais da educação. São Paulo Perspec. [online].
2000, vol.14, n.2 [cited 2011-01-24], pp. 03-11 . Disponível em: www.scielo.br/
pdf/spp/v14n2/9782.pdf. Acesso em: 30 jul’ 2009.
IAHN, Luciene Ferreira et al. Curso de Aperfeiçoamento Para Capacitação de
Tutores em EAD. Novos cenários e novos caminhos. Curitiba: Universidade
Federal do Paraná. 2002.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática, São Paulo: Cortez, 1994. (coleção magistério 2º
grau Série formação de professor).
LUCKESI, Cipriano Carlos. O papel da didática na formação do educador. Em:
Vera Maria Candaú. (Org.). A didática em questão. Petrópolis: Editora vozes, 1983.
MANFREDI, Sílvia Maria. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.
MARCHESI. Álvaro & MARTÍN, Elena. Qualidade do ensino em tempos de
mudanças. Porto Alegre: Artes Medicas, 2003.
PEREIRA, Eva Waisros & MORAES, Raquel de Almeida. A política de educação
a distância no Brasil e os desafios na formação de professores na educação
superior. HISTEDBR, 2009. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/
acer_histedbr/.../mBv36y8F.doc. Acesso em 30 agos’2009.
PERRENOUD, Philippe. 10 Novas competências para ensinar – convite à viagem.
Porto Alegre: Arte médicas, 2000.
PRESTES, Ma. L. de Mesquita. A pesquisa e a construção do conhecimento
científico: do planejamento aos testos da escola à academia. Catanduva – SP:
Respel. 2003.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
65
QUADRO SÍNTESE DAS TENDENCIAS PEDAGOGICAS, disponível no site: http://
www.aol.com.br/professor acesso em: 30 de jun’; 2009. 62
RUMBLE, Greville. A gestão dos sistemas de ensino a distância. Tradução de
Marília Fonseca- Brasília: Editora Universidade de Brasília: Unesco, 2003.
SÁ, Ricardo Antunes de. Fundamentos e políticas de educação a distância. Em:
Iahn, Luciene Ferreira e outros. Curso de Aperfeiçoamento Para Capacitação
de Tutores em EAD. Novos cenários e novos caminhos. Curitiba: Universidade
Federal do Paraná. 2002.
SAVIANI, Dermeval. As concepções Pedagógicas na história da educação
brasileira. Disponível no site: www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/
artigos.../artigo_036.html, acesso em: 25 de set’2009
SEVERINO, A. Joaquim. Metodologia do trabalho Científico. São Paulo: Cortez,
2002, 22ª edição. Ver. e ampl.
SILVA, Ma. Vanda S. Filosofia da Ciência – Licenciatura em Matemática. Fortaleza:
UAB/CEFET, 2008.
TOSI, Maria Raineldes. Didática geral – um olhar para o futuro. Campinas: Alínea
2003, 3ª Edição.
VALENTE, Carlos & MATTAR, João. Second Life e Web. 2.0 na educação: o
potencial revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec, 2007.
VALLIN, Celso (Org.). Educação a Distância Via Internet. São Paulo: Avercamp.
2003.
ZACHARIAS, Vera L. C. Centro de Referencia Educacional- Consultoria e Assessoria
em Educação. Dewey. Disponível no site: http://www.centrorefeducacional.com.
br/dewey.html acesso em: 21 set. 2009.
ZUIN, Antonio A. S. Educação a Distância e Educação Distante. O programa
Universidade Aberta do Brasil. O tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade.
Campinas, 2006, out., vol. 27, n. 96 - Especial, p. 935-954. Disponível em http://
www.cedes.unicamp.br e em: http:// www.uab.unb.br/. Acesso em 16 ago. 2009.
66
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 12
Construindo o curso: Superdotação/Altas
Habilidades no Contexto Escolar
Autora: Regina Maria Madeira de Andrade12
Professora Orientadora: Teresa Cristina Siqueira Cerqueira
Resumo
O tema escolhido para direcionar este trabalho de conclusão de curso foi a
educação inclusiva de alunos com superdotação/altas habilidades no contexto
escolar. Neste trabalho, serão apresentadas as possibilidades para educação
continuada dos professores regentes da Secretaria de Educação do Distrito
Federal. Estão relacionados as ferramentas de um curso a distância, durante
o qual se pode utilizar a interatividade e preparar melhor o aluno/professor
envolvido no processo para usar as ferramentas da plataforma Moodle.
Esperamos potencializar os alunos/professores, suas possibilidades interativas,
principalmente quando se trata de alunos com alguma experiência com a
informática, com boa experiência pedagógica.
Palavras-chave: educação a distância e continuada; alteridade; educação
inclusiva; atividades pedagógicas; superdotação/altas habilidades.
12
Graduada em Pedagogia e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília –
UnB. Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
67
Referências bibliográficas
BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm.
Acesso em 10 de agosto 2008.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Pedagogia. Parecer
CNE/CP nº: 5/2005.
BRASIL. Lei nº. 9394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
______. O Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8069, de 13 de julho de
1990.
______. Presidência da República. Decreto Lei nº 5.622, de 19 de dezembro de
2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que
estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm.
Acesso em: 23 jul. 2009.
______. Presidência da República. Decreto nº. 5.800, de 8 de junho de 2006.
Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil UAB. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5800.
htm>. Acesso em: 23 jul. 2009.
______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Projeto Escola Viva - Garantindo o acesso
e permanência de todos os alunos na escola - Alunos com necessidades
educacionais especiais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Especial, C327 2002, Série 2
______. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial:
livro 1. Brasília: MEC/SEESP, 1994.
______. Secretaria de Educação Especial. Subsídios para a organização e
funcionamento de serviços de educação especial: Área de Altas Habilidades.
Brasília: EC/SEESP, 1995.
68
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
______. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes gerais para o atendimento
dos alunos portadores de altas habilidades, Superdotação e talento. Brasília:
MEC/SEESP, 1996.
COSTA, C. J. Modelos de Educação Superior a Distância e implementação da
Universidade Aberta do Brasil. Revista Brasileira de Informática na Educação,
2007, v. 15, p. 09-16.
EDITORA GLOBO. Revista Época. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/
Revista/Epoca/0, 5855,00.html . EDG74108-5856,00.html. Acesso em 18/10/09.
LOURENÇO FILHO. Introdução ao estudo da Escola Nova. São Paulo:
Melhoramentos, 1950, p. 133 / Fundação Darcy Ribeiro. Disponível em: http://
www.fundar.org.br/website. Acesso em 10/10/09.
LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA J. F.; TOSCHI M. S.; Educação escolar: políticas estrutura
e organização. São Paulo: Cortez, 2005, 2ª edição. (Coleção Docência em
Formação)
PFROMM NETTO, S. Tecnologia da educação e comunicação de massa. São
Paulo: Pioneira, 1977.
_________. Psicologia da aprendizagem e do ensino. São Paulo: EPU/EDUSP,
1987.
SANCHEZ, Fábio (Coord.). Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a
Distância. São Paulo: Instituto Monitor, 2008.
SANTOS FILHO, José Camilo dos. Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade.
Em: SANTOS FILHO, José Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sanches (Org.). Questões
de nossa época. São Paulo: Cortez, 1997, v. 42, 2ª edição.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
69
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 13
Curso de Extensão - Violências Baseadas em
Gênero: vulnerabilidades e empoderamento
Autora: Leides Barroso de A. Moura13
Professora Orientadora: Maria Luiza Pereira Angelim
Resumo
Proposta de desenvolvimento do curso de extensão “Violências Baseadas em
Gênero: Vulnerabilidades e Empoderamento” com duração de oitenta horas que
pretende oferecer formação/ atualização para profissionais da área da saúde
na temática das violências-baseadas em gênero, as vulnerabilidades sociais e a
proposta do empoderamento em nível individual e comunitário.
Palavras-chave: violência baseada em gênero; vulnerabilidades; empoderamento;
violação de direitos humanos; profissionais de saúde.
13
Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso. Doutora em Ciências da
Saúde pela Universidade de Brasília - UnB. Professora Adjunta da Universidade de Brasília.
E-mail: [email protected]
71
Referências bibliográficas
ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 4. ed. Rio de
Janeiro: Forense, 1989.
________. On violence. San Diego, New York, Hartcourt Brace, 1970.
BRASIL. Lei 11.340. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar
contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da
Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra
as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar
a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência
Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código
Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. [conhecida como Lei
Maria da Penha]. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil/_ato2004.../lei/
l11340.htm . Acesso em julho de 2009.
______. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência
intrafamiliar: orientações para prática em serviço/ Secretaria de Políticas de
Saúde. Série Cadernos de Atenção Básica; n. 8. Brasília: Ministério da Saúde,
2002.
______. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e
Violência. Portaria MS/GM nº 737 de 16/05/01, publicada no DOU nº 96 seção
1E, de 18/5/01 / Ministério da Saúde, 2001.
______. Ministério da Saúde. Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes
da Violência Sexual Contra Mulheres e Adolescentes - Normas Técnicas.
Elaboração: Ana Paula Portella e outros. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria
de Políticas de Saúde. Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas, 1999.
______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal n°8069 de 13 de julho
de 1990. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm.
______. Estatuto do Idoso. Lei Federal n°10741 de 1° de outubro de 2003.
Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/2003/L10.741.htm.
72
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
______. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de
Políticas para as Mulheres – Relatório de implementação 2005–2006. Brasília,
2006.
BOURDIER, P. O Poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro:
Bertrand. 1989. 311p.
__________. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Zahar. 1998
BRICENO-LEON, R. (Org.). Violencia, sociedad y justicia en America Latina.
Buenos Aires: CLASCO, 2002.
FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 10a. Ed. Rio
de Janeiro: Graal. 1992. 295p.
HEISE, L. Violência e gênero: uma epidemia global. Cadernos de Saúde Pública.
1994; 10 (1): 135-45.
ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Secretaria Especial de Política
para as Mulheres. Tráfico de Pessoas para Fins de Exploração Sexual. Brasília,
2005.
PAVIANI, A. et al. Brasília: dimensões da violência urbana. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 2005.
PERALVA, A. Violência e democracia. O paradoxo brasileiro. São Paulo, Paz e
Terra, 2000.
SCHRIBER, L.B., D’OLIVEIRA, A.F. O que devem saber os profissionais de saúde
para promover os direitos e a saúde das mulheres em situação de violência
doméstica. São Paulo: USP; 2002.
SOARES, B.M. Mulheres invisíveis: violência conjugal e novas políticas de
segurança. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 1999.
VENTURI G. (Coord.). A Mulher Brasileira nos Espaços Público e Privado.
Fundação Perseu Abramo (FPA), Outubro, 2001.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
73
WHO. World Health Organization. World report on violence and health. Em:
Krug EG et al. (eds.) World report on violence and health Geneva: World Health
Organization, 2002.
•••
74
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 14
Desenvolvimento da Disciplina Informação
Desportiva em Ambiente Virtual
Autor: Rubens Eduardo N. Spessoto14
Professora Orientadora: Maria Luiza Pereira Angelim
Resumo
Este trabalho objetivou a criação e desenvolvimento da disciplina Informação
Desportiva no curso de graduação em Educação Física oferecido pela
Universidade Aberta do Brasil e Universidade de Brasília, na modalidade de
Educação a Distância. Após ser ofertada na modalidade presencial, surge a
possibilidade de criação, desenvolvimento e oferta da disciplina no ambiente
de aprendizagem virtual, para os alunos regularmente matriculados no curso de
graduação em Educação Física. A disciplina que possui 4 créditos na modalidade
presencial, sendo desenvolvida com dois encontros presenciais por semana e
duração de duas horas cada um, totalizando 60 horas-aula. A construção para
a modalidade a distância passa para 3 créditos totalizando 45 horas-aula que
serão distribuídas ao longo de oito semanas. Como conteúdo, são apresentados
conceitos de administração, sistemas, sistemas de informação, informação do
esporte e informação no esporte. A disciplina Informação Desportiva faz interface
com outra disciplina chamada Organização de Eventos em Educação Física, que
apresenta alguns conteúdos comuns entre ambas.
14
Licenciado em Educação Física e Mestre em Gestão de Esporte pela Universidade de Brasília – UnB. Supervisor e
autor de disciplinas no Curso de Graduação a Distância em Educação Física – UAB/UnB.
E-mail: [email protected]
75
Palavras-chave: educação; educação física; informação; informação desportiva.
Referências bibliográficas
ANGELIM, Maria Luiza Pereira; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão. Evoluindo
e gerando conhecimento. Em: SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI Leda
Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão (Org.). Educação superior
a distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília:
Faculdade de Educação, Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil,
2009, p 91-115.
AZEVÊDO, Paulo Henrique. Sistema de Informações do Esporte. Texto Acadêmico
para o Curso de Graduação em Educação Física, Brasília: FEF/UnB, 2006.
AZEVÊDO, Paulo Henrique; BARROS, Jônatas de França; SUAIDEN, S. Caracterização
do perfil do gestor esportivo dos clubes da primeira divisão de futebol do Distrito
Federal e suas relações com a legislação esportiva brasileira. Revista da Educação
Física, Maringá, v. 15, n. 01, p. 33-42, 2004.
BEAL, Adriana. Gestão Estratégica da Informação. São Paulo: Atlas, 2004, 137p.
BRASIL. Diário Oficial da União (D.O.U.). Seção 3 - nº 200, quarta-feira, 18 de
outubro de 2006. ISSN 1677-7069.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Sobre educação a Distância, 2009.
Disponível em: <http://uab.capes.gov.br/index.php?option=com_content&view
=article&id=96&Itemid=94>. Acesso em 12 nov 2009, às 15h19m.
CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO DESPORTIVA DE MOÇAMBIQUE.
Disponível em: <http://www.cedid.org.mz/>. Acesso em: 07 nov 2009, às
19h30m.
COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE ENSINO SUPERIOR
(CAPES). Disponível em: <http://www.capes.gov.br/>. Acesso em: 15 nov 2009,
às 12h35m.
76
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR SPORTS INFOMATION (IASI). Disponível em:
<http://iasi.cev.org.br/>. Acesso em: 08 nov 2009, às 20h22m.
LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistemas de Informação Gerenciais. 7.
ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2007.
MATSUDA, Kelcy. Análise e Projeto de Sistemas: Teoria dos sistemas. 2001.
Disponível em: <http://sites.mpc.com.br/gberaldo/Teoria%20dos%20sistemas.
pdf>. Acesso em: 29 ago 2009.
MOTTA, F. C. P.; BRESSER-PEREIRA, L. C. Introdução à Organização Burocrática.
São Paulo: Cengage Learning, 2003.
PEREIRA, Eva W., MORAES, Raquel de Almeida. História da educação a distância e
os desafios na formação de professores no Brasil. Em: SOUZA, Amaralina Miranda
de; FIORENTINI Leda Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão
(Org.).Educação superior a distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem
em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação, Universidade de Brasília /
Universidade Aberta do Brasil, 2009, 260 p.
PONTES, Elicio Bezerra. A Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede
(CTAR) na Faculdade de Educação da UnB. Em: SOUZA, Amaralina Miranda de;
FIORENTINI Leda Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão (Org.).
Educação superior a distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem
em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação, Universidade de Brasília /
Universidade Aberta do Brasil, 2009, p 17-36.
PONTES, Elicio Bezerra; SOUSA, Carlos Alberto Lopes de; COUTINHO, Laura Maria.
Linguagem audiovisual e educação a distância. Em: SOUZA, Amaralina Miranda
de; FIORENTINI Leda Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão
(Org.). Educação superior a distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem
em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação, Universidade de Brasília /
Universidade Aberta do Brasil, 2009, p. 117 - 137.
PRAHALAD, C. K.; HAMEL, Gary. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras
para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2005, 22ª edição, 373 p.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
77
PRÁXIS CONSULTORIA E INFORMAÇÃO DESPORTIVA. Disponível em: <http://
www.sistemajogos.com.br/Default. aspx>. Acesso em: 07 nov 2009, às 19h 30m.
RAMOS, Wilsa Maria; MEDEIROS, Larissa. A Universidade Aberta do Brasil:
desafios da construção do ensino e aprendizagem em ambientes virtuais. Em:
SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI Leda Maria Rangearo; RODRIGUES,
Maria Alexandra Militão (Org. ). Educação superior a distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação,
Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil, 2009, p 37-63.
SPESSOTO, Rubens Eduardo N. Futebol Profissional e Administração Profissional:
da prática amadorista à gestão competitiva. (Dissertação de Mestrado). Brasília:
Programa de Pós-Graduação em Educação Física/Universidade de Brasília, 2008,
141 p.
UNIVERSIDADE DO MINHO. Disponível em: <http://www.uminho.pt/>. Acesso
em: 07 nov de 2009, às 19h30m.
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UnB. Projeto Licenciatura Plena de Educação
Física, 2009. Projeto Político Pedagógico UAB/UnB, 2009. Disponível em: <http://
uab.unb.br/moodle/course/view.php?id=399>. Acesso em: 15 out 2009, às
18h47m
•••
78
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 15
Design Instrucional de um Curso de Educação
Física Presencial com Suporte online para o
Terceiro Ano do Ensino Médio
Autora: Nelma De Toni Donadelli Zonta Melani15
Professor Orientador: Lúcio França Teles
Resumo
Este trabalho busca desenvolver uma proposta de design instrucional para
a disciplina de Educação Física no Ensino Médio. É um projeto organizado e
sistematizado para ser aplicado experimentalmente em um bimestre da disciplina
de Educação Física para os estudantes do terceiro ano do Ensino Médio. O projeto
é planejado com a finalidade de oferecer um trabalho pedagógico utilizando o
ambiente virtual de aprendizagem Moodle como suporte online para as aulas
presenciais de Educação Física. A concepção pedagógica adotada para subsidiar as
ações pedagógicas se fundamenta em princípios construtivistas de aprendizagem
colaborativa, mediada pelas tecnologias de informação e comunicação aplicável
ao ensino online. Dessa forma, pretende-se oportunizar aos alunos do Ensino
Médio, por meio do ambiente online, conteúdos significativos da Educação
Física. Busca-se desenvolver uma concepção de Aptidão Física que favoreça
a compreensão, a contestação e a interpretação da realidade, ligada a uma
necessidade e direito de todo cidadão, objetivando promover saúde e qualidade
de vida.
Palavras-chave: educação online; Moodle; educação física.
15
Graduada em Educação Física pela Escola de Educação Física da São Carlos e Pedagogia pela Faculdade de
Filosofia Ciências e Letras de Ouro Fino. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de
Brasília - UnB. Professora de Educação Física do Ensino Médio da Secretaria de Educação do Estado de
Goiás/Luziânia. E-mail: [email protected]
79
Referências bibliográficas
ALMEIDA, F. J.; ALMEIDA, M. E. B. Educação a distância em meio digital: novos
espaços e outros tempos de aprender, ensinar e avaliar. Virtual Educa 2003,
Miami, USA, 2003.
AKIAU, Paulo. Técnicas em Ginástica Aeróbica. Professional Instructor – IV
Convenção Fitness Brasil - Santos, 1994. Fitness - Theory & Practice, AFAA, 1995.
BARBANTI, V. J. Aptidão Física: um convite à saúde. São Paulo: Manole, 1990.
BETTI, M. Educação física e sociedade: a educação física na escola brasileira de 1
e 2 graus. São Paulo: Movimento, 1991. v. 1. 230 p.
BRACHT, V. Educação Física & ciência: cenas de um casamento (in)feliz. Ijuí:
Editora Unijuí, 1999.
BRASIL. Lei nº 9394/96, de 7 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e
bases da educação nacional. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php
?option=content&task=view&id=78&Itemid=221>. Acesso em: 02/06/2009.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio. 2000. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf . Acesso em 03/06/2009.
CAE, Jr. Caminhar (VS) ou Correr. 12 de março de 2007. Vídeo clip Online.
YouTube.
Disponível
em:.
http://www.youtube.com/results?search_
query=fitness&search=tag. Acesso em 28/07/2009.
COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo SP: Cortez, 1992. 1ª. Edição, v. 01. 119 p.
DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. Educação Física na escola: implicações para a
prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 293 p.
FARINATI, P.P.V; FERREIRA, M.S. Educação física escolar, promoção da saúde e
aptidão física: prevenção primaria ou modelo de capacitação? Rio de Janeiro:
Gama Filho/Motus Corpus, 2002.
80
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
KRUSE, Kevin. Introdução ao Design Instrucional e Modelo ADDIE. Disponível em:
http://www.e-learningguru.com/articles/art2_1.htm. Acesso em 20/06/2009.
LAGO, J. S. Aula de aeróbica. Vídeo clip online. 14 maio de 2008.
YouTube.
Disponível em ttp://www.youtube.com/watch?v=X6REJ1wGm0&feature=player_embedded. Acesso em 15/08/2009.
LEMOS, A. L. M. “Anjos interativos e retribalização do mundo: sobre a
interatividade e interfaces digitais”. Em: Tendências XXI. Lisboa, 1997. Disponível
em: http://www.facon.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/interativo.pdf. Acesso em:
07/06/2009.
LEVY, P. A Conexão Planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São
Paulo: Editora 34, 2001. 189 p.
LITTO, F. M; FORMIGA, M. (Org.). Educação a Distância: o estado da arte. São
Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.
MATTOS, M G. & NEIRA, M. G. Educação Física na adolescência: construindo o
conhecimento na escola. São Paulo: Phorte Editora, 2000.
MORAN, J.M. Os novos espaços de atuação do professor com as tecnológicas.
Revista Diálogo Educacional, Curitiba, PUC-PR, 2004, v4, n.12, maio-agosto,
p.13-21. Disponível em: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/espacos.htm>.
Acesso em: 02/06/2009.
MORAN, J. M.; MASETTO, M. T & BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e Mediação
Pedagógica. Campinas: Papirus, 2007, 13ª edição.
NAHAS, M. V. Atividade Física, Aptidão Física & Saúde. Florianópolis/SC: Material
Didático, 1989.
OLIVEIRA, C. C. Ambientes informatizados de aprendizagem-Produção e
avaliação de software educativo. Campinas: Papirus, 2001.
________. O processo de aprendizagem em uma perspectiva sóciointeracionista:
ensinar é necessário, avaliar é possível. Disponível em: http://www.abed.org.br/
congresso2004/apr/TCD4171. pps. Acesso em: 15/06/2009.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
81
OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo
sócio-histórico. Série Pensamento e Ação no Magistério, Mestres da Educação.
São Paulo: Scipione, 2005, 4ª Edição.
PRETI, Oreste (Org.). Educação a Distância: construindo significados. Cuiabá:
NEAD/ID – UFMT. Brasília: Plano, 2000.
PULINO FILHO, A. R. Manual do Moodle. Fevereiro 2005. Disponível em: http://
www.scribd.com/doc/7382457/Moodle-Manual-Do-Professor Acesso em
20/06/2009.
SANTIN, S. Educação Física: uma abordagem filosófica da corporeidade. Ijuí:
Unijuí, 1987.
SAUDE EM MOVIMENTO. Avaliações. Índice de atividade. Disponível em
http://www.saudeemmovimento.com.br/saude/avaliation_i.htm. Acesso em
25/08/2009.
SEIDL, E. M. F; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais
e metodológicos. Cadernos de Saúde Pública. 2004, vol. 20, n.2, pp. 580-588.
Disponível em http://www.scielo.br/pdf/%0D/csp/v20n2/27.pdf. Acesso em
20/05/2009.
SILVA, Marco. Educação online: teorias, práticas, legislação, formação
corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2003.
SITE DE DICAS. Testes de auto avaliação. Teste, Você tem Qualidade de Vida?
Disponível em: http://sitededicas.uol.com.br/teste_quavida.htm. Acesso em 12
/08/2009.
SOARES, C.L. et al. Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez,
1992.
YUPIS. Site de jogos. Ciclismo. Disponível em: http://pt.yupis.org/jogos/ciclismo/.
Acesso em 25/08/2009.
________. Site de jogos. YA Dancer. Disponível em http://pt.yupis.org/jogoUyUyI/. Acesso em 25/08/2009.
82
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 16
Educação a Distância e a Utilização de Redes
Sociais por Jovens em Lan Houses
Autora: Cláudia Reis Otoni de Paula16
Professora Orientadora: Maria Rosa Abreu
Resumo
Este trabalho tem como objetivo principal desenvolver estudo bibliográfico sobre
os pressupostos históricos e conceituais da educação a distância com ênfase nas
redes sociais e de aprendizagem e os respectivos processos de comunicação e
interação. Pretende, igualmente, realizar levantamento exploratório do perfil
dos jovens usuários de lan houses, assim como das ferramentas das redes sociais
mais utilizadas por esses jovens, nos mencionados ambientes informatizados.
Palavras-chave: redes sociais; jovens; lan houses.
16
Graduada em Pedagogia e em Letras Português/Inglês. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela
Universidade de Brasília - UnB. Professora Coordenadora do Campus Unimontes e do Polo da UAB Unimontes.
E-mail: clá[email protected]
83
Referências bibliográficas
ANDRADE, Arnon A. M. de. Qualidade em projetos de educação a distância.
Revista Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro/RJ: ABT, 1997, n. 139, p. 6-150.
ARMENGOL, Miguel Casas. Ilusion y realidade de los programas de educacion
superior a distancia em América Latina. Proyecto Especial 37 de Educación a
Distancia. Caracas: O.E.A., 1982.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. 2ª Edição. Campinas SP: Autores
Associados, 2001.
BERMAN, Marshall . Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da
modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196,
de 10 de outubro de 1996. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de
pesquisas envolvendo seres humanos. DOU: Brasília/DF, 16 out. 1996. Disponível
em: <http://www.datasus.gov.br/con selho/resol96/res19696.htm>. Acesso em:
24 ago. 2009.
CIRIGLIANO, Gustavo F. J. La educacion abierta. Buenos Aires: El Ateneo, 1983.
COSCARELLI, Carla Viana. Educação a distância: mitos e verdades. Revista
Presença Pedagógica. Belo Horizonte/MG, 2001, v.10, nº 55, p. 54-59.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de
metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991.
MINAYO, Maria Cecilia de Souza. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec,
1996.
MOREIRA, A. L. Informática e educação: Casamento por interesse. PC Magazine
Brasil, 2004, v. 8, n. 3, p. 51-53: abril.
84
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
ROCA, Octavi. A autoformação e a formação à distância: as tecnologias da
educação nos processos de aprendizagem. Em: SANCHO, Juana M. (Org.). Para
uma tecnologia educacional. Porto Alegre: ArtMed, 1998.
SILVA. Marco. Interatividade: uma mudança fundamental do esquema clássico
da comunicação. Disponível http://www.senac.br/BTS/263/boltec263c.htm.
Acesso em 12/05/2009.
________. Sala de Aula Interativa. Revista do Mestrado em Educação. Campo
Grande/MS, 2003, v. 9, n. 18, p. 90-103.
TEATINI, João Carlos. Educação a distância: realidade brasileira. Revista Presença
Pedagógica, Belo Horizonte/MG, 2003, v. 9, n. 54, p.4-7.
VIEIRA, Juçara Dutra. Identidade Expropriada: retrato do educador brasileiro.
Brasília/DF: CNTE, 2003.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
85
CAPÍTULO 17
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Educação a distância e história: uma análise do
projeto educacional de Brasília, da década de
1960
Autora: Ingrid Dittrich Wiggers17
Professora Orientadora: Eva Waisros Pereira
Resumo
Esta pesquisa teve como objetivo investigar fundamentos históricos do uso de
tecnologias comunicacionais no contexto do sistema educacional brasileiro,
visando subsidiar políticas e práticas de educação a distância. A análise enfocou
aspectos da proposição de Anísio Teixeira para a educação de Brasília, que se deu
em torno da década de 1960. Partiu-se do exame de elementos da concepção
filosófica que baseou o projeto pedagógico, como o conceito de “experiência”,
a relação entre “indivíduo e sociedade”, “escola e sociedade” e ainda “cultura e
tecnologia”, que têm origem na filosofia pragmatista proposta por John Dewey.
Além desses aportes, buscamos apresentar e discutir documentos, textos da
literatura, transcrições de entrevistas e fotografias que se referem a práticas
pedagógicas desenvolvidas em Escolas-Parque da capital, a unidade educacional
que fez tomar corpo a proposição em tela. A relação entre a concepção e as
evidências denotam que se trata de uma iniciativa que articulou Filosofia e
Pedagogia no sentido de buscar superar dualismos da escola tradicional e,
sobretudo, afirmar a escola e a criança como “sujeitos” da produção cultural. Do
86
17
Licenciada em Educação Física e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora
Associada da Universidade de Brasília - UnB. E-mail: [email protected]
ponto de vista da educação audiovisual, esse exemplo da história da educação
sugere a importância de se realizar atividades que estimulem as crianças a
atuar, no contexto das atividades escolares, tanto como apreciadoras quanto
como produtoras de imagens. Da mesma forma, pode ser utilizado como uma
referência para processos educacionais da atualidade, destacadamente, por ter
demonstrado o sentido emancipador da relação entre cultura e tecnologia, para
aqueles que se realizam a distância.
Palavras-chave: educação a distância; linguagem audiovisual; escola-parque;
Anísio Teixeira; Brasília; história da educação.
Referências bibliográficas
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: obras escolhidas. São Paulo:
Brasiliense, 1987, 3ª edição.
BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma
introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.
COUTINHO, Laura Maria. O olhar poético. 2009. Brasília. 8 p. Trabalho não
publicado.
DUARTE, Maria de Souza. A educação pela arte: o caso Brasília. Brasília:
Thesaurus, 1983.
FERNANDES, Florestan. Anísio Teixeira e a luta pela escola pública. In: ROCHA,
João Augusto de Lima (Org.). Anísio em movimento. Brasília: Senado Federal,
2002.p. 51-57.
GUIRALDELLI JR., Paulo. A filosofia da educação de Anísio Teixeira no mundo
filosófico atual. In: MONARCHA, Carlos. Anísio Teixeira: a obra de uma vida. Rio
de Janeiro: DP&A, 2001, p. 141-152.
KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Ateliê, 2001.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
87
LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia
da Pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; Belo
Horizonte: UFMG, 1999. 344 p.
LEITE, M. L. M. Imagens e contextos. Boletim do C.M.U., v. 5, n. 10, p. 45-60,
1993.
LOIZOS, Peter. Vídeo, filme e fotografias como documento de pesquisa. In: BAUER,
Martin W. ; GASKEL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um
manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 137-155.
MARTINS, Alice Fátima. O ensino das artes nas escolas parque. 2009. Goiânia, 18
p.Trabalho não publicado.
PAGNI, Pedro Angelo. A constituição da filosofia da educação de Anísio Teixeira
(1930-1934): entre a doutrina pedagógica e a crítica filosófica. Em: MONARCHA,
Carlos. Anísio Teixeira: a obra de uma vida. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, p. 153191.
PAVIANI, Aldo. Brasília: cidade e capital In: NUNES, Brasilmar Ferreira. Brasília: a
construção do cotidiano. Brasília: Paralelo 15, 1997.
PEREIRA, Alessandro Guimarães. Arquitetura escolar: notas comparativas sobre
projetos em São Paulo e Brasília. 2007. 130 f. (Dissertação de Mestrado em
Arquitetura e Urbanismo). Brasília: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,
Universidade de Brasília, 2007.
PEREIRA, Eva Waisros; MORAES, Raquel de Almeida. História da educação a
distância e os desafios na formação de professores no Brasil. In: SOUZA, Amaralina
Miranda de; FIORENTINI, Leda Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra
Militão (Orgs.) Educação Superior a Distância: Comunidade de trabalho e
aprendizagem em rede (CTAR). Brasília, Universidade de Brasília/Faculdade de
Educação, 2009, p. 65-89.
PONTES, Elício; LOPES, Carlos; Coutinho, LAURA Maria. Linguagem audiovisual e
educação a distância. In: SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI, Leda Maria
Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão (Org.). Educação Superior a
88
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
Distância: Comunidade de trabalho e aprendizagem em rede (CTAR). Brasília,
Universidade de Brasília/Faculdade de Educação, 2009, p. 117-135.
POSTMANN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.
SILVA, Ernesto. História de Brasília: um sonho, uma esperança, uma realidade.
Brasília: Linha Gráfica, 1999.
SOUSA, Nair Heloisa Bicalho de. O canteiro de obras em Brasília: um espaço de
produção, sociabilidade, submissão e resistência. In: NUNES, Brasilmar Ferreira.
Brasília: a construção do cotidiano. Brasília: Paralelo 15, 1997.
SOUZA, Rosa Fátima de. Fotografias escolares: a leitura de imagens na história
da escola primária. Educar, Curitiba, n. 18, p. 75-101, 2001.
THOMPSON, E. P. Agenda para uma historia radical. Barcelona: Crítica, 2000.
VIEIRA, Maria do Pilar de Araújo; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha; Yara Maria
Aun Khoury. A pesquisa em história. São Paulo: Ática, 1998. 80 p.
WIGGERS, Ingrid Dittrich. Corpos desenhados: olhares de crianças de Brasília
através da escola e da mídia. 2003. 270 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro
de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,
2003.
______. Infância e mídia: crianças desenham novas corporeidades? In: FANTIN,
Monica; GIRARDELLO, Gilka (Org.). Liga, roda, clica: estudos em mídia, cultura e
infância. Campinas: Papirus, 2008. p. 75-98.
ZUIN, Antonio A. S. Educação a distância ou educação distante? O programa
universidade aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educação & Sociedade.
Campinas, vol. 27, n. 96 – Especial, p. 935-954, out. 2006.
Fontes primárias
GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL/SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. A
escola-parque em Brasília. Brasília, [197-].
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
89
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA/ESTADO-MAIOR DAS FORÇAS ARMADAS/ESCOLA
SUPERIOR DE GUERRA. Brasília: plano educacional e médico-hospitalar. Brasília,
1959.
TEIXEIRA, Anísio. Centro educacional Carneiro Ribeiro. Revista Brasileira de
Estudos Pedagógicos. Brasília, vol. 31, n. 73, p. 78-84, jan./mar. 1959.
TEIXEIRA, Anísio. Plano de construções escolares de Brasília. Revista Brasileira de
Estudos Pedagógicos. Brasília, vol. 35, n. 81, p. 195-199, jan./mar. 1961.
TEIXEIRA, Anísio. Uma experiência de educação primária integral no Brasil. Revista
Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, vol. 38, n. 87, p. 21-33, jul./set. 1962.
TEIXEIRA, Anísio. Cultura e tecnologia. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,
1971. 70 p.
•••
90
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 18
Educação a Distância e
Inclusão Social
Autora: Claudia Soares de Oliveira18
Professora Orientadora: Maria Rosa Abreu
Resumo
Trata-se de uma pesquisa bibliográfica que tem como objetivo examinar a
Educação a Distância – EaD, como processo de formação viável e fator de influência
para a Inclusão e desenvolvimento social. A pesquisa bibliográfica foi a estratégia
utilizada para este estudo. A amostra consta de textos, publicados no período
de 1980 a 2008, que fazem referência à Educação a Distância e Inclusão Social,
por representarem uma época em que houve o maior avanço tecnológico e os
maiores investimentos em EaD no Brasil. A busca foi realizada em livros, artigos
de revistas científicas, teses e artigos extraídos via Internet. Utilizou-se para esta
busca os seguintes descritores: Educação a Distância – Inclusão – Inclusão Social.
O estudo conclui que a Educação a Distância é capaz de auxiliar na inclusão
social das pessoas garantindo aos alunos a democratização de oportunidades de
acesso, permanência com sucesso para todos os alunos atendendo os pilares da
UNESCO, que ampara os problemas educacionais mundiais: Aprender a aprender,
aprender a fazer, aprender a viver e conviver e aprender a ser e garantindo
capacitação para o mercado de trabalho.
Palavras-chave: educação a distância; inclusão; inclusão social.
18
Pedagoga pela Universidade Estadual de Montes Claros. Mestranda em Educação pela Universidade de Brasília UnB. Professora da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. E-mail: [email protected]
91
Referências bibliográficas
BONETI, Lidomar Wessler. (Coord.). Políticas Públicas, educação e exclusão
social. In: Educação, exclusão e cidadania. Ijuí: UNIJUÍ, 1997.
BRASIL. BNDES. Computador para Todos - Projeto Cidadão Conectado. Brasília/
DF: BNDES, 2006
CARIELO, Laura. A trajetória da Educação a Distância no Brasil. Disponível em:
http://lauracariello.blogspot.com/2007/04/trajetria-da-educao-distncia-nobrasil.html. [postado em 30.abr.2007]. Acesso em 12. maio. 2009.
CASTELLS, M. A Sociedade em Rede: a era da informação: economia, sociedade
e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2000. v.1.
CAVALCANTE, Carolina Costa. Educação a Distância frente à realidade tríade:
inclusão digital, cidadania e democratização do ensino no Brasil. Disponível em
http://br.monografias.com/trabalhos909/educacao-distancia-ensino/educacaodistancia-ensino.shtml. [postado em 2007] Acesso em 10. out.2009.
COSTA, José Wilson da & OLIVEIRA, Maria Auxiliadora Monteiro (Org.). Novas
linguagens e novas tecnologias: educação e sociabilidade. Petrópolis/ RJ: Vozes,
2004.
DEDE, C.; FONTANA, W.; WHITE, P. Constructivism, and Higher-Order Thinking
Skills. Proceedings of ED-MEDIA 92 World Conference on Education Multimedia
and Hipermedia, 1993.
DELORS, Jacques (ed.) Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para
UNESCO da Comissão Internacional sobre a educação para o século XXI. São
Paulo: Cortez, Brasília: MEC/UNESCO, 1998.
DEMO, Pedro. Inclusão digital - cada vez mais no centro da inclusão social.
Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/article/
view/4/7. [postado em 2005]. Acesso em 15 de outubro de 2009.
92
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia - Saberes necessários à prática educativa.
São Paulo: Brasil: Paz e Terra (Colecção Leitura), 1996.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.
GUIMARÃES, Arthur. Inclusão que funciona. Em: Revista Nova Escola. São Paulo:
Editora Abril, 2003, ano XVIII, n. 165, set., p. 43-47.
KAUFMANN, Sandra. Fatores determinantes e fatores moderadores da utilização
de tecnologia da informação em uma instituição de ensino superior. Rio Grande
do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005
LANDIM, Claudia M. Ferreira. Educação a Distância: algumas considerações. Rio
de Janeiro, Centro de Referencia Educacional, 1999.
LIGUORI, Laura M. As novas tecnologias da informação e da comunicação no
campo dos velhos problemas e desafios educacionais. Em: LITWIN, Edith (Org.).
Tecnologia Educacional – política,histórias e propostas. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1997.
LIMA, Valéria Sperduti. As raízes e singularidades da Educação a Distância.
Disponível em http://www.educacaoadistancia.org.br 2008. Acesso em 27 de
agosto de 2009.
MORAN, J.M. O que é educação a distância. Disponível em: http://www.eca.usp.
br/prof/moran/dist.htm. [postado em 2004]. Acesso em 30.08.2009.
_________. MASETTO, M.; BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação
pedagógica. 7. Ed. Campinas: Papirus, 2000.
NISKIER, Arnaldo. Educação a distância: a tecnologia da esperança. São Paulo:
Loyola, 1999.
NÓVOA, Antonio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA,
Antonio (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
93
OLIVEIRA, Natália Leite de. O caminho digital para a inclusão social: a revolução
tecnológica e a construção da cidadania. Brasília/DF: UnB, 2007.
PARO, Vitor Henrique. Escola: educação, cultura e desporto para a inclusão social.
Em: II Conferência Nacional de Educação. Brasília – DF, 2001.
PAZ, José Flávio da. A educação a Distância como Educação das possibilidades:
o acesso e a permanência das minorias na educação. Disponível em: http://
recantodasletras.uol.com.br/artigos/1084599. [postado em 17. ago.2008].
Acesso em 16. out.2009.
PRETI, O. (Org.). Educação a distância: inícios e indícios de um percurso. Cuiaba,
UFMT, 1996.
REZENDE, Flávia. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva
construtivista. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000.
ROSA, S. B.; CRUZ, D. M. O uso do programa de TV Escola nas escolas da Rede
Municipal de Ensino de Dourados - MS. Santa Catarina: UFSC, 2001.
SÁ, Elizabeth Dias de. Inclusão Escolar. Em: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado
da Educação. Dicionário do Professor – Educação Inclusiva. Belo Horizonte: SEE/
SIAPE, 2002.
SANCHO, Juana. Para uma Tecnologia Educacional. Porto Alegre: Artes Médicas,
1998.
SASSAKI, Romeu Kasumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio
de janeiro, WVA, 1997.
SERVELIN, Augusto Vitório. Um aplicativo computacional na disciplina de
apicultura. Seropédica. Rio de Janeiro/RJ: UFRRJ, 2008.
SILVA, Cidinha da. Ações afirmativas em educação: experiências brasileiras. São
Paulo: Summus, 2003.
94
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
SILVA, Iracy. A Educação Especial e Sua Razão de Ser. Belo Horizonte: Associação
Mineira de Ação Educacional, 1999.
SOARES, Cristiane da Silva; ALVES, Thays de Souza. Sociedade da informação
no Brasil: inclusão digital e a importância do profissional de TI. Rio de Janeiro:
Centro Universitário Carioca, 2008.
SORJ, Bernardo. [email protected]: a luta contra a desigualdade na sociedade
da informação. Rio de Janeiro/RJ: Editora Jorge Zahar, 2003.
SOUZA, Maria de Fátima Guerra de Souza. Abordagens Técnico – Históricas em
Educação a Distância. Módulo I. SESI: Serviço Social da Indústria, 2000.
TAKAHASHI, Tadao. Sociedade da informação no Brasil: Livro Verde. Brasília:
Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.
VALENTE. J. A. (Org.). Computadores e Conhecimento: repensando a educação.
Campinas: Unicamp, 1993.
VIEIRA, Fábia Magali Santos. Tecnologia da Informática aplicada na educação.
Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Montes Claros/MG:
Unimontes. Disponível em <http://www.ise.unimontes.br/cead/artigos.php>
ou
<http://betofachini.blogspot.com/2010/04/ensaio-informatica-aplicadaeducacao.html>.
WEYMAR, Carla; FREDA, Daiane. Educação a Distância. Disponível em: <http://
www.slideshare.net/daianearaujo/educao-a-distancia-trabalho>. [postado em
maio. 2007]. Acesso em 12. out.2009.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
95
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 19
Estilos de Aprendizagem de Estudantes do Curso
de Pedagogia a Distância da Universidade Aberta
do Brasil/Universidade de Brasília
Autora: Jaqueline Santos Feliciano da Silva Neiva19
Professora Orientadora: Teresa Cristina Siqueira Cerqueira
Resumo
Estilos de aprendizagem relacionam-se às preferências na maneira pela qual as
pessoas interagem com as condições de aprendizagem, abrangendo aspectos
cognitivos, afetivos, físicos e ambientais que podem favorecer o processamento
de informações. Esta pesquisa teve como principais objetivos: 1) verificar se há
predominância de algum estilo de aprendizagem na aprendizagem dos estudantes
do Curso de Pedagogia a distância da UAB/UnB. 2) Identificar a relação entre os
estilos de aprendizagem e as variáveis: gênero, idade, semestre, e local do Polo de
apoio presencial. Os dados foram coletados utilizando-se o Inventário de Estilo de
Aprendizagem de Kolb (1993) e os participantes constituíram-se de 25 estudantes
do referido Curso. Na análise estatística dos dados, as diferenças significativas
indicam que há predomínio do estilo de aprendizagem Divergente em ambos
os gêneros, em todas as faixas etárias e em quatro dos cinco Polos beneficiado
pelo Curso/Programa. Não foi possível fazer a relação estilos de aprendizagem e
semestre devido ao número mínimo de participantes de um dos dois semestres
do Curso/Programa. As pessoas do estilo Divergente aprendem basicamente
19
Graduada em Pedagogia e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília UnB. Agente Administrativo da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal – CAESB.
E-mail: [email protected]
97
pela Observação Reflexiva e Experiência Concreta, isso significa dizer que essas
pessoas preferem observar situações concretas sob diferentes pontos de vista
e, ao enfrentarem situações, preferem observar a atuar. São criativas, geradoras
de alternativas, reconhecem os problemas e compreendem as pessoas. Pode-se
concluir que o estilo Divergente é predominante nos participantes da pesquisa
e pode oferecer uma dimensão rica e pertinente no Curso de Pedagogia, onde
a experiência concreta pode se revelar nas atividades no ambiente digital de
aprendizagem.
Palavras-chave: educação continuada e a distância; estilos de aprendizagem;
curso de pedagogia da Universidade Aberta do Brasil/ Universidade de Brasília
(UAB/UnB).
Referências bibliográficas
ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Educação a distância na internet:
abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e
Pesquisa. [online]. 2003, vol.29, n.2, pp. 327-340.
ALONSO, C. M.; GALLEGO, D. El Aprendizaje Adulto – Estilos de Aprendizaje.
Centro Europeo - para La formacion de directores: Proyecto INFOR, 1994.
________. & HONEY, P. Los estilos de aprendizaje- Procedimento de Diagnóstico
y Mejora. Bilbao: Mensajero, 1994.
ALVES, João Roberto Moreira. Sistemas de Educação a Distância. Rio de Janeiro:
Instituto de Pesquisas Avançadas em Educação, 1998.
AMARAL, S.F.; BARROS, D.M.V. Estilos de Aprendizagem no Contexto Educativo
de Uso das Tecnologias Digitais Interativas. I Simpósio Internacional sobre novas
competências em Tecnologias Digitais interativas na Educação, 21 de junho de
2007. Disponível em: <http://lantec.fae.unicamp.br/lantec/pt/tvdi_portugues/
daniela.pdf> Acesso em: 26 jul. 2009.
ANDRADE, Sonia Cruz-Riascos de. 2005. Inclusão Digital como Ação Facilitadora
par o Desenvolvimento de Empresas de Base Industrial. (Dissertação de
98
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
Mestrado). Brasilia: Departamento de Ciência da Informação e Documentação,
Universidade de Brasília, 166p.
BARROS, D.M.V. Estilos de uso do espaço virtual: como se aprende e se ensina
no virtual. Revista Inter-Ação. [Online]. 2009, vol.34, nº 1, p.1-17. Disponível
em: <http://www.revistas.ufg.br/index.php/interacao/article/view/6542/4803>
Acesso em: 11 ago. 2009.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas, São Paulo: Autores
Associados, 1999.
_________. O que é Mídia-Educação. Campinas: Autores Associados, 2005.
BORUCHOVITCH, Evely. Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar:
considerações para a prática educacional. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v.
12, n. 2, 1999 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S0102-79721999000200008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 29
jul. 2009
BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005.
Regulamenta art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece
as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.
gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm. Acesso em: 23 jul.
2009.
______. Presidência da República. Decreto nº. 5.800, de 8 de junho de 2006.
Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil UAB. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5800.
htm>. Acesso em: 23 jul. 2009.
CABRERA, J. y G. FARIÑAS. El estudio de los estilos de aprendizaje desde una
perspectiva vigostkiana: una aproximación conceptual. Revista Iberoamericana
de Educación. [On line]. 2001, vol.37, nº 1, p.1-10. Disponível em: http://www.
campusoei.org/revista/deloslectores/1090Cabrera.pdf Acesso em: 04 ago. 2009.
CAVELLUCCI, L.C. B. Estilos de Aprendizagem: em busca das diferenças individuais.
Curso de Especialização em Instrucional Design, 2005. Site Educacional. Disponível
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
99
em:
<http://www.iar.unicamp.br/disciplinas/am540_2003/lia/estilos_de_
aprendizagem.pdf>Acesso em: 05 mai. 2009.
CERQUEIRA, Teresa C. S. Estilos de aprendizagem de Kolb e sua importância na
educação. Revista de Estilos de Aprendizaje, v. 1, p. 109-123, 2008.
_________. Estilos de aprendizagem em universitários. Belo Horizonte, Cuatiara,
2000.
_________. O professor em sala de aula: reflexão sobre os estilos de
aprendizagem e a escuta sensível. Psic. [online]. jun. 2006, vol.7, no. 1,
p.29-38. Disponível em: <http://scielo.bvs-psi.org.br/scielo.php?pid=S167673142006000100005&script=sci_arttext >. Acesso em: 05 mai. 2009.
_________.; BARIANI, I.C.D.; SANTOS, A.AA. Estilos Cognitivos e Estilos de
Aprendizagem. In: Sisto, F.F.; Oliveira, G.C.; Fini, L.D.T. (Org.). Leituras de Psicologia
para Formação de Professores. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2004, p. 44-57.
COSTA, C. J. Modelos de Educação Superior a Distância e implementação da
Universidade Aberta do Brasil. Revista Brasileira de Informática na Educação, v.
15, p. 09-16, 2007.
DELORS, Jacques. Educação: Um tesouro a descobrir: relatório para a unesco
da comissão internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo:
Cortez Editora, UNESCO-MEC, 1999.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática
educativa/Paulo Freire. – São Paulo: Paz e Terra, 1996 (Coleção Leitura)
________. Pedagogia do Oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em perspectiva.
v.14, n.2. abril/junho, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.
php?pid=S0102-88392000000200002&script=sci_arttext&tlng=en>. Acesso em:
16 jun. 2009.
100
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
GOMES, Maria João. Gerações de Inovação Tecnológica no Ensino a Distância.
Revista Portuguesa de Educação Universitária do Minho. Universidade do
Minho, Braga, Portugal, ano/vol. 16, número 001. 2003. Disponível em: <http://
redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/374/37416107.pdf>. Acesso em: 26 jun. 2008.
GONSALVES, Elisa Pereira. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica.
Campinas, SP: Editora Alínea, 2003.
GORDON, D. & BULL, G. (2004). The Nexus explored: A generalised model of
learning styles. In R. Ferdig, C. Crawford, R. Carlsen, N. Davis, J. Price, R. Weber
(Eds.), D. A. Willis. Information Technology & Teacher Education Annual:
Proceedings of SITE 2004 (pp. 917-925). Norfolk, VA: Association for the
Advancement of Computing in education. Disponível em: <http://www.comp.
dit.ie/dgordon/Publications/Author/SIITE2004/nexuspaperv4.doc> Acesso em:
05 ago. 2009.
KOLB, D. A. Experimental learning: Experience as the source of learning and
development. New Jersey: Prentice-Hall, Englewood Cliffs, 1984.
_______. Individual learning styles and the learning process. Massachusetts:
Sloan School of Management, 1971.
_______. Learning Style Inventary Technical Manual. Boston: Hay McBer, 1976.
_______. Self-Scoring Inventary and Interpretation Booklet. Revised Edition.
Boston: Hay McBer, 1993.
LIMA, Elizabeth Danziato Rego. 1997. Possibilidades e Limites da Educação a
Distância: “Um Salto Para o Futuro” no Distrito Federal. Dissertação de Mestrado,
Faculdade de Educação, Universidade Católica de Brasília, 258p.
MIRANDA, L. (2005). Educação online: interacção e estilos de aprendizagem de
alunos do ensino superior numa plataforma Web. Dissertação não publicada
(Doutoramento em Educação). Braga: Universidade do Minho.
MORAES, Ilara Hämmerli Sozzi de. Política, tecnologia e informação em saúde.
Salvador: Casa da Qualidade Ed., 2002.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
101
MORAES, R.A.; PEREIRA, E.W. A educação a distância e os desafios na formação
de professores no Brasil: breves apontamentos. Jornal A Página da Educação.
[online] nº 184, dezembro, 2008. Disponível em: <http://www.apagina.pt/
arquivo/Artigo.asp?ID=6543>. Acesso em: 14 ago. 2009.
MORAN, José Manuel. A educação superior a distância no Brasil. Em: SOARES,
Maria Susana A. (Org.). A Educação Superior no Brasil. Brasília: CAPES - UNESCO,
2002. Páginas: 251-274.
_________. MASETTO, Marcos T., BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas
Tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Ed. Papirus, 2001.
NEIVA, Jaqueline S.F.S. A Eficácia dos Cursos de Inclusão Digital para a Educação
Continuada: Uma Experiência da Escola Corporativa da Caesb. Brasília:
Universidade de Brasília, 2008. 130p.
PALLOFF, R. M.; PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes
online. Trad. Vinícios Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2004.
PFROMM NETTO, S. Psicologia da Aprendizagem e do Ensino. São Paulo: E.P. U/
EDUSP, 1987.
PROL, Lyslene Candalapt Alcântara et. al. Aprendizagem Colaborativa. 2004.
Disponível em: <http://www.projetos.org.br/mapas/gac.htm> Acesso em: 26
abr. 2008.
SANCHEZ, Fábio (Coord.). Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a
Distância. São Paulo: Instituto Monitor, 2008.
SANTOS FILHO, José Camilo dos. Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade.
Em: SANTOS FILHO, José Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sanches (Org.). São Paulo:
Cortez, 1997, 2ª edição. (Questões de nossa época; v. 42).
TAKAHASHI, Tadao (Org.). Sociedade da informação no Brasil: Livro Verde.
Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.
102
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
TAYLOR, James C. Fifth generation distance education. e-Journal of Instructional
Science and Technology (e-JIST), 2001, 4 (1). pp. 1-14.
VALDEBENITO, V.M. (et.al.) Perfil de Estilos de Aprendizaje em Estudiantes de
primer año de dos Carreras de diferentes áreas em la Universidad de Concepción.
Revista Estilos de Aprendizaje, nº 3, vol. 3, abril 2009. Disponível em: <http://
www.uned.es/revistaestilosdeaprendizaje/espanol/articulos.html> Acesso em:
10 set. 2009.
VALENTE, José Armando. Criando oportunidades de aprendizagem continuada
ao longo da vida. Revista Pátio, no. 15, p. 9-12, 2000.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
103
CAPÍTULO 20
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Estudar online: estratégias de aprendizagem
Autora: Léa de Souza Sacerdote 20
Professora Orientadora: Leda Maria Rangearo Fiorentini
Resumo
Neste estudo buscou-se analisar problemas de adaptação de estudantes aos
ambientes de aprendizagem virtual e, por meio da análise de algumas práticas
concretas, identificar características que favoreçam a aprendizagem conjunta
e a construção compartilhada de conhecimentos. Aborda-se a influência das
tecnologias da informação e comunicação e de ferramentas tecnológicas na
organização do processo de ensino e aprendizagem e busca-se aproveitar
contribuições da evolução histórica da educação a distância para a oferta de cursos
e disciplinas on-line, pois dificuldades têm sido relatadas no desenvolvimento
deles e podem levar ao abandono dos mesmos. Optou-se por uma metodologia
qualitativa, de natureza descritiva, para captar as percepções de estudantes e
tutores a partir de seus relatos observáveis em ferramentas disponibilizadas no
ambiente virtual de aprendizagem utilizado em uma disciplina de ensino superior
comum a vários cursos online. Trabalhou-se com análise documental e sem
categorias definidas a priori, de modo que elas pudessem emergir da análise
dos registros escritos analisados, disponíveis na ferramenta virtual: fórum de
discussão. Destaca-se a necessidade de capacitar o aluno originário do sistema
104
20
Graduada em Serviço Social pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo – UniSal. Especialista em Educação
Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Coordenadora Técnico Pedagógica em Educação a
Distância pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR. E-mail: [email protected]
convencional e presencial de educação para interagir com eficiência em ambiente
virtual de aprendizagem, aproveitando as funcionalidades e possibilidades que
tal sistema lhe propicia para construir conhecimentos e comunicar-se. Refletese sobre a importância da participação e da troca de experiências em ambiente
virtual de aprendizagem como estratégia para facilitar interatividade, autonomia,
atitudes de cooperação e colaboração. Discute-se possibilidades de criar
condições que favoreçam a passagem de uma condição de dependência para a
de aprendizes autônomos e colaborativos em cursos superiores online.
Palavras-chave: tecnologias de informação e comunicação; educação a distância;
ambiente virtual de aprendizagem; cursos online; estratégias de ensino.
Referências bibliográficas
ALENCAR, Paulo. 2006. Papel ganha da internet no ensino a distância. Disponível
em <http://info.abril.com.br/aberto/infonews/042006/12042006-3.shl>. Acesso
em: 25 nov 2009.
ALMARAZ, José. Alguns Pré-Requisitos Funcionais dos Sistemas de Educação
a Distância. Texto apresentado no XVII Curso Iberoamericano de Educación a
Distancia, promovido pela UNED. 1999.
ASSMANN, Hugo, SUNG, Jung Mo. Competência e sensibilidade solidária –
Educar para a esperança. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001, 2. ed.
AZEVEDO, Wilson. Educação a distância na universidade do século XXI. Disponível
em http://www.aquifolium.com.br/educacional/artigos/spof2.html. Acesso em:
24 nov 2009
BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. Campinas, SP: Autores Associados,
1999.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2002. v. I. ,
6ª. Edição.
CENFOCAL, 2007. A utilização das TIC nos processos de ensino/aprendizagem.
Disponível em: <http://cenfocal.drealentejo.pt/Accao_01.htm>. Acesso em 20
nov. 2009.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
105
DELORS, Jacques. Relatório Delors – Educação: um tesouro a descobrir. Comissão
Internacional sobre Educação para o Século XXI Brasília/ DF: UNESCO; São Paulo:
MEC / Cortez Editora, 1999.
FREIRE, Paulo. Ação Cultural para a Liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 1981.
________. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
________. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.
________. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do
oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998, 5ª. Edição.
________. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002, 32ª. Edição.
FIALHO, Francisco. O saber e o sabor. Disponível em http://www.eps.ufsc.br/
disciplinas/fialho/ergcog/trab_alunos/T2001A/ArtSem/SabereSabor.doc. Acesso
em 20 nov 2009.
FILATRO, Andrea. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia.
São Paulo, SP: Editora SENAC, 2004.
________. Design instrucional na prática. São Paulo, SP: Pearson Education do
Brasil, 2008.
FIORENTINI, Leda Maria Rangearo. A perspectiva dialógica nos textos educativos
escritos. In FIORENTINI, L.M. R & MORAES, R. de A.(Org.). Linguagens e
interatividade na educação a distância. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 15-50.
GARCIA, Leandro. Experiências artísticas em redes telemáticas. Disponível em:
<http://legeekcode.blogspot.com/2009/07/experiencias-artisticas-em-redes.
html>. Acesso em 18 nov. 2009.
GATES, Bill. A Estrada da Informação. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1995.
GOMES, Luiz Fernando. Inglês Instrumental em cursos tecnológicos via EaD:
reflexões sobre duas experiências inovadoras, 2005. Disponível em: <http://
106
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/109tcb3.pdf>. Acesso em 07 ago.
2009.
GOMEZ, Margarita Victoria. Educação em rede: uma visão emancipadora. São
Paulo, SP: Cortez / Instituto Paulo Freire, 2004.
KENSKI, Vani M. Processos de interação e comunicação mediados pelas
tecnologias. In: ROSA, D., SOUZA, V. (Org.). Didática e práticas de ensino:
interfaces com diferentes saberes e lugares formativos. Rio de Janeiro: DP&A,
2002.
________. Um novo tempo para a educação. Disponível em: http://www.ead.
sp.senac.br/newsletter/janeiro06/variedades/variedades.htm. Acesso em: 22
nov 2009.
LÈVY, Pierre. As tecnologias da Inteligência – o futuro da informática. São Paulo,
SP: Ed. 34, 1996.
________. Cibercultura. Rio de Janeiro, RJ: Ed. 34, 2000, 2ª. Edição.
LITWIN, Edith. Educação a distância: temas para o debate de uma nova agenda
educativa. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004.
________. Tecnologia Educacional: Política, Histórias e Propostas. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1997.
LOPES, Maria Sandra Souza, Avaliação da aprendizagem em atividades
colaborativas em EAD viabilizada por um fórum categorizado. Rio de Janeiro:
2007. Disponível em <http://www.nce.ufrj.br/GINAPE/publicacoes/Dissertacoes/
Maria_Sandra/Dissertacao.pdf>. Acesso em: 20 nov 2009.
MÁXIMO, Luís Fernando, 2005. Educação a Distância: diferentes gerações e suas
mídias. Disponível em: http://cesbvirtual.cesbvalparaiso.edu.br/file.php/42/
EAD/geracoesead.swf. Acesso em: 18 nov 2009.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Referenciais para elaboração de material didático
para EAD no ensino profissional e tecnológico. Disponível em < http://portal.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
107
mec.gov.br/encontro/materiais/distancia/2.2_referenciais_material_didatico.
pdf>. Acesso em: 09 set. 2009.
_______. Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de Qualidade para EAD.
Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view
=article&id=12777%3Areferenciais-de-qualidade-para-ead&catid=193%3Aseededucacao-a-distancia&Itemid=865>. Acesso em: 09 set. 2009.
________. Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de Qualidade
para Educação Superior a Distância. Portal do Ministério da Educação, 2007.
Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/referenciaisead.
pdf>. Acesso em: 02 set. 2009.
MOODLE. Sobre o MOODLE. Disponível em:. http://docs.moodle.org/pt/
Sobre_o_Moodle. Acesso em: 02 dez. 2009.
MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente: implicações na
formação do professor e nas práticas pedagógicas. Em: Em Aberto. Brasília, 16
(70), p. 57 - 69, 1996.
MORAN, José Manuel. Educação inovadora na Sociedade da Informação.
Disponível em: <http://www.anped.org.br/reunioes/23/textos/moran.PDF>.
Acesso em: 20 nov. 2009.
________. www.eca.usp.br/prof/moran/textosead.htm. 1999. Acesso em 05
dez. 2009.
________. Novas tecnologias e o re-encantamento do mundo. Disponível em:
http://www.eca.usp.br/prof/moran/novtec.htm. 1995. Acesso em: 20 nov 2009.
NOEL, Francisco L. O ensino vence distância e preconceito. Disponível
em:
http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas_sesc/pb/artigo.cfm?Edicao_
Id=264&breadcrumb=1&Artigo_ID=4164&IDCategoria=4727&reftype=1. Acesso
em: 23 nov 2009.
NISKIER, Arnaldo. Educação a distância: a tecnologia da esperança. 2. ed. São
Paulo: Loyola, 1999.
108
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
NUNES, Ivônio B. “Educação à Distância e o Mundo do Trabalho”. Tecnologia
Educacional. Rio de Janeiro: ABT, 1992, iul/ago, v.21 (107).
PRETI, Oreste. Educação a distância: construindo significados. Brasília, DF: Plano,
2000.
REGO, T. C. 1999. Vygotsky: uma perspectiva Histórico-Cultural da Educação. Rio
de Janeiro, Vozes, 138 p.
ROSSINI, Alessandro Marco. As novas tecnologias da informação e a educação a
distância. São Paulo: Thompson Learning, 2007.
SCREMIN, Sandra Bastianello. Educação a distância: uma possibilidade na
educação profissionalizante. Florianópolis, SC: Bookstore, 2002.
STRUCHINER, Miriam; REZENDE, Flavia; RICCIARDI, Regina e CARVALHO, M.Alice.
Elementos fundamentais para o desenvolvimento de ambientes construtivistas
de aprendizagem à distância. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, ABT, 1998,
jul/ago/set, 26 (142).
SOARES, Magda. Linguagem e escola. São Paulo: Ática, 1998.
TEDESCO, Juan Carlos. Educação e novas tecnologias: esperança ou incerteza?
São Paulo, SP: CORTEZ, 2004.
TEIXEIRA, Esmeralda de Góes. Os obstáculos ao desenvolvimento da educação
a distância: um estudo de caso sobre a educação a distância no Distrito
Federal. Florianópolis, SC, 2002. Disponível em <http://teses.eps.ufsc.br/defesa/
pdf/7473.pdf>. Acesso em: 7 mar. 2008.
VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999, 4ª
edição.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
109
CAPÍTULO 21
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Interação de Alunos e Alunas com as
Ferramentas no Ambiente Moodle
no Centro de Ensino Médio
Ave Branca (CEMAB)
Autora: Patrícia Souza Maragno21
Professora Orientadora: Raquel de Almeida Moraes
Resumo
Esta dissertação se baseia em um estudo sobre a inserção da tecnologia internet
em uma escola de ensino médio na rede pública do Distrito Federal. O objeto
de estudo da pesquisa é a interação online entre professores e alunos a partir
de recursos e ferramentas disponibilizados no site da escola em espaços
complementares do currículo escolar no ensino presencial. A metodologia
utilizada foi a observação das interações online estabelecidas entre os sujeitos na
plataforma Moodle no intuito de perceber a inferência e sincronia na utilização dos
recursos na complementação curricular nas disciplinas. A adoção de questionários
para o levantamento de informações com os alunos e análise documental do
site da escola complementou a metodologia. Como conclusão, constatou-se a
aprendizagem colaborativa é um processo importante para o compartilhamento
de um objetivo comum e sua metodologia envolve a interação, que deve romper
110
21
Graduada em História e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília – UnB.
Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
a lógica de ensino tradicional para uma prática mais inovadora, promovendo uma
relação afetiva com o conhecimento de forma reflexiva e mais autônoma. Apesar
dos vários problemas enfrentados pela escola pública, o CEMAB, em relação a
muitas escolas no Distrito Federal está na vanguarda pela proposta de educação
voltada para os meios comunicacionais e interativos, por permitir que mudanças
aconteçam, sejam aferidas, avaliadas e retomadas. A promoção de cursos de
treinamento aos professores, a manutenção de um laboratório de informática
com professores habilitados, a possibilidade de interagir com o mundo digital,
evidencia a riqueza e seriedade dos profissionais de educação, dos alunos e
alunas e da equipe gestora desta escola.
Palavras-chave: interação; ambiente de aprendizagem; tecnologia; ensino
online.
Referências bibliográficas
ARETIO, L. G. Educación a distancia hoy. Madrid: UNED, 1994.
BRASIL. Constituição Federal Brasileira de 1988. Artigo nº 205. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/legisla01.pdf
______. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Brasileira, acesso em 20 setembro 2009. Disponível em: http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm
______. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio, 2000. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf. Acesso em 30 setembro
2009.
CADOZ, C. Realidade virtual. São Paulo: Ática, 1997.
CATÃO, F. A educação no mundo pluralista. São Paulo, SP: Paulinas, 1993, 78p
CINTRA, A. M. M. Uma abordagem comunicativa para ensino de Língua
Portuguesa. Salvador: ABRALIN, 1994.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
111
COUTINHO, Laura Maria. Aprendizagens, tecnologias e educação a distância.
Módulo1, V.3. Brasília: Faculdade de Educação/UnB, 2002.
FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa. Campinas/SP:
Papirus, 2000, 6ª edição.
FRANCO, Marília. Prazer audiovisual. Texto para reflexão. Rio de Janeiro: Fundação
Roquete-Pinto / Um salto para o futuro. / Revista Comunicação e Educação. São
Paulo, 1995, nº 2. jan/abril.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança. São Paulo. Paz e Terra, 1992, 11ª edição.
KANITZ, Stephen. Observar e pensar. Revista Veja. São Paulo, 2004, ago., nº.
1865, p. 18. [Ponto de vista]
KOCH, I.V. A inter-relação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1995.
LANDIM, C. Educação a distância. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998.
LEVY, Pierre. Cibercultura. Local: Editora 34, 2007.
MARTINS, Jorge S. O trabalho com projetos de pesquisa: do ensino Fundamental
ao ensino médio. Campinas-SP: Ed Papirus, 2001.
MASETTO, Marcos Tarcísio; BEHRENS, Marilda e MORAN, José Manuel. Novas
tecnologias e mediação pedagógica. Campinas. Papirus, 2006, 12ª Edição.
MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem.
São Paulo: Cultrix, 1974.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portal do MEC. 27 outubro 2005. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br>. Acesso em 30 junho 2009.
MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadora com tecnologias
audiovisuais e telemáticas. Em: MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos Tarciso;
BEHRENS, Marilda A. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. Campinas:
Papirus, 2000, 8ª Edição.
112
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
PEREIRA, Eva Waisros, MORAES, Raquel de Almeida. A educação a distância
e os desafios na formação de professores no Brasil: breves apontamentos.
Disponível em: http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=6543. Acesso em
agosto 2009 .
RAMOS, Wilsa Maria; MEDEIROS, Larissa. A Universidade Aberta do Brasil:
desafios da construção do ensino e aprendizagem em ambientes virtuais. Em:
SOUZA, Amaralina M. de S.; FIORENTINI, Leda Maria R.; RODRIGUES, Maria
Alexandra M. (Org.). Educação superior a distância: Comunidade de Trabalho e
Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação/Universidade
de Brasília, 2009, p. 37 - 63.
ROSA, C.A.S. Internet: história, conceitos e serviços. São Paulo: Érica, 1998.
SANTANA, L. S. Ensino Médio: construção de um projeto político-pedagógico
ético e de qualidade para a juventude e adultos do CEMAB. CEMAB: Supervisão
pedagógica, 2008.
SANTOS, Maria Lúcia. Do giz à era digital. Porto Alegre: Zouk, 2003.
VALENTE, José Armando. O computador como ferramenta educacional.
Disponível em http://www.nied.unicamp.br/publicacoes/separatas/Sep1.pdf.
Acesso em 20 ago.2008
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
113
CAPÍTULO 22
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Lost: o mistério, as imagens e a EaD
Autora: Marília Danielli Lopes Teive22
Professora Orientadora: Laura Maria Coutinho
Resumo
Esta monografia tem por escopo analisar o uso da imagem no ambiente virtual
tendo como pano de fundo as imagens oferecidas pela série televisiva Lost. O
objetivo do trabalho foi demonstrar como as imagens da série, bem como o uso
de outras ferramentas para além das plataformas educativas, poderiam ser úteis
na Educação a Distância (EaD). Para que o estudo se tornasse mais elucidativo,
tomou-se como objeto de análise o personagem John Locke na primeira
temporada da série. O trabalho foi dividido em quatro capítulos. No primeiro
capítulo, a série Lost foi abordada em todos seus aspectos e características
a fim de situar o leitor no que será tratado a seguir. Foram feitos resumos das
temporadas e dos personagens para que os capítulos seguintes não ficassem
sem compreensão em alguns pontos. O capítulo seguinte analisou as imagens
do personagem John Locke na primeira temporada demonstrando cenas que
poderiam ser úteis no aprendizado virtual. O terceiro capítulo versou sobre Lost,
a educação e a EaD. Nesse ponto do estudo a análise da série foi vista sob o prisma
da Ead. O último capítulo mostrou o blog criado para exemplificar a utilidade do
uso das imagens da série Lost em algumas vertentes educacionais. O trabalho
114
22
Bacharel em Relações Internacionais e Mestre em Política Social pela Universidade de Brasília - UnB. Analista de
Administração Pública lotada na Escola de Governo do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
trouxe, em suas considerações, perspectivas sobre como a imagem pode auxiliar
no aprendizado realizado por meio virtual e suas facilidades com base no que foi
construído no blog.
Palavras-chave: educação a distância; séries televisivas; uso da imagem.
Referências bibliográficas
ALMEIDA, M. J. de. Prefácio do livro de SOARES, Carmen Lúcia. Imagens da
educação no corpo. Campinas: Autores Associados, 1998.
ALVES, L; NOVA, C. Educação a distância: uma nova concepção de aprendizado e
interatividade. São Paulo: Futura, 2003.
BARCELOS, P. Cinema: temas contemporâneos imagens e sons – a construção de
uma linguagem. Série Cinema e educação: um espaço em aberto. Salto para o
futuro, 2009.
BELLONI, M. L. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 1999.
BONINI, L.; CHERMANN, M. Educação a distância: novas tecnologias em
ambientes de aprendizagem pela internet. São Paulo: Universidade Braz Cubas,
2000.
COUTINHO, L. M. Apresentação da série: Cinema e educação: um espaço em
aberto. Salto para o futuro. 2009.
______. Proposta pedagógica: refletindo sobre a linguagem do cinema. Disponível
em: <http://www.tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/145220RefletindoCinema.
pdf>. Acesso em: 10 out. 2009.
ELIASQUEVICI, M. K.; FONSECA N. A. Educação a distância: orientações para o
início de um percurso. Belém: Editora Universitária, 2004.
LÉVY, P. Cybercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
115
LITWIN, E. Educação a distância: temas para o debate de uma nova agenda
educativa. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.
LOSTPÉDIA. A versão portuguesa da enciclopédia livre de Lost. Disponível em:
<http://pt.lostpedia.wikia.com/wiki/Pagina_Principal>. Acesso em: 10 set. 2009.
MAIA, C. Guia brasileiro de educação a distância 2002/2003. São Paulo: Esfera,
2002.
MOELLMANN, A. Cinema: educação e ideologia o foco na metáfora: as imagens
do cinema. Cinema e educação: um espaço em aberto. Salto para o futuro. 2009.
MORAN, J. M. Desafios na comunicação pessoal: gerenciamento integrado da
comunicação pessoal, social e tecnológica. São Paulo: Paulinas, 2007.
PEREIRA, E. W. Expansão e diversidade. In: Formação de professores a distância:
experiências brasileiras. Universidade Aberta de Portugal (Tese de Doutorado).
2002, p. 255-269.
________. ; MORAES, R. de A. História da educação a distância e os desafios
na formação de professores no Brasil. Em: SOUZA, A M. FIORENTINI. L. M. R;
RODRIGUES. M. M. (Org.). Educação Superior a Distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação/
UnB- Universidade Aberta do Brasil, 2009, p. 65 - 89.
PETERS, O. Didática do ensino a distância. Rio Grande do Sul: Unisinos, 2003.
PONTES, E.; LOPES, C.; COUTINHO, L. Linguagem audiovisual e educação a
distância. Brasília, 2009.
RODRIGUES JÚNIOR, J. F. A taxonomia de objetivos educacionais: um manual
para o usuário. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.
ROSEMBERG, M. J. E-Learning: estratégias para a transmissão do conhecimento
na era digital. São Paulo: Makron Books, 2002.
RUMBLE, G. A gestão dos sistemas de ensino a distância. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 2003.
116
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
Salto para o Futuro. Debate: cinema, documentário e educação. Disponível em:
<http://www.tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/164457Cinema.pdf>. Acesso em:
10 out. 2009.
WIKIPÉDIA. Misticismo. Disponível
Misticismo>. Acesso em: 12 nov. 2009.
em:
<http://pt.wikipedia.org/wiki/
______. Walkabout. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Walkabout>.
Acesso em: 12 nov. 2009.
ZUIN, A. A. S. Educação a distância ou educação distante? O programa universidade
aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade. Campinas,
vol. 27, n. 96 – Especial, p. 935-954, out. 2006.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
117
CAPÍTULO 23
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Materiais Multimídias na EaD – os recursos
utilizados na UAB-UnB
Autor: Gerson André da Silva23
Professora Orientadora: Larissa Medeiros Marinho dos Santos
Resumo
Nos últimos anos, a educação na modalidade a distância tem se desenvolvido
no Brasil rapidamente. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1996
estabeleceu marcos regulatórios que auxiliaram na organização e estruturação
desta modalidade no Brasil. Com o programa Universidade Aberta do Brasil,
universidades federais e estaduais passaram a ofertar cursos de graduação
na modalidade a distância em todas as regiões do país. Essa oferta de cursos
trouxe novas demandas na produção de conhecimentos, entre elas, a construção
de disciplinas online. O desenvolvimento da informática e da rede mundial
de computadores engendrou o surgimento de conteúdos digitais nos mais
diferentes tipos de mídias (áudio, vídeo, texto, som, animação). Este trabalho
busca conhecer quais os materiais multimídias presentes nas disciplinas
ofertadas durante os três primeiros semestres dos cursos de Artes Visuais,
Música, Teatro, Letras, Pedagogia e Educação Física da Universidade Aberta do
Brasil na Universidade de Brasília. Verificou-se que alguns cursos utilizam com
maior frequência os materiais multimídias. Foi possível também identificar a
quantidade, formato, origem, e disposição dos materiais multimídias dentro dos
118
23
Graduado em Pedagogia pela Universidade de Brasília - UnB. Mestre em Engenharia de Multimídias para a Educação pela Universidade de Poitiers/França. Especialista em Educação a Distância do Núcleo de EaD do Tribunal Superior Eleitoral – TSE.
E-mail: [email protected]
recursos e atividades do Moodle. Conclui-se que há uma progressão no uso dos
diferentes materiais multimídias em todas as disciplinas e que algumas medidas
devem ser adotadas para aprimorar o uso destes, tais como: criação de um banco
de objetos de aprendizagem, formação específica para o uso das mídias para
todos os professores, etc.
Palavras-chave: materiais multimídias; tecnologias na educação a distância.
Referências bibliográficas
ADOBE SYSTEMS. Família Acrobat. Adobe do Brasil, 2009. Disponivel em: <http://
www.adobe.com/br/products/acrobat/adobepdf.html>. Acesso em: 21 agosto
2009.
ALMEIDA, M. J. D. Imagens e sons: a nova cultura oral. 3ª. ed. São Paulo: Cortez,
v. 32, 2004.
ANDRADE, A. F. D.; MEDEIROS, M. F. D.; HERRLEIN, M. B. P. Docente em EAD
como um entretempo na produção de uma cultura virtual. Em: MEDEIROS, M.
F. D.; FARIA, E. T. Educação a distância - cartografias pulsantes em movimento.
Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. p. 193-209.
BALPE, J. P. Technologies numériques et construction du savoir. Département
Hypermédia - Université Paris 8, 1997. Disponivel em: <http://hypermedia.univparis8.fr/Jean-Pierre/articles/Technonum.html>. Acesso em: 23 abril 2009.
BARBIER, R. La Recherche-action existentielle. Site personnel de René Barbier,
1999. Disponivel em: <http://www.barbier-rd.nom.fr/RAInternet.Html>. Acesso
em: 9 agosto 2009.
BÉDARD, R. O material impresso no ensino a distância. Em: PRETI, O. Educação a
distância - ressignificando práticas. 1ª. ed. Brasília/DF: Liber Livro Editora, 2005.
Cap. 2, p. 207-240.
BEILER, A.; LAGE, L. C.; MEDEIROS, M. F. D. Educação a distância - novos desafios
na virtualidade dos horizontes educacionais. Em: MEDEIROS, M. F. D.; FARIA, E.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
119
T. Educação a distância - cartografias pulsantes em movimento. Porto Alegre:
EDIPUCRS, 2003. Cap. 3, p. 71-76.
BELLONI, M. L. Educação a distância. Campinas/SP: Editora Autores Associados,
v. 1, 2008, 5ª. edição.
BELMIRO, Â. Fala, escritura e navegação - caminhos da cognição. Em: COSCARELLI,
C. V. Novas tecnologias, novos textos, novas formas de pensar. Belo Horizonte:
Autêntica, 2003, 2ª. edição. Cap. 2, p. 13-22.
BRANDÃO, C. R. O que é Educação. São Paulo: Brasiliense, 2007, 49ª. ed..
BRIGGS, A.; BURHE, P. Uma história social da mídia: de Gutemberg à Internet.
Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
CASTELLS, M. La galaxia internet. Madrid: [s.n.], 2001.
________. A sociedade em rede. Rio de Janeiro: Paz e Terra, v. 1, 2002. , 8ª.
edição.
COMMENT ÇA MARCHE? Compression de données. 2008. Disponível em:
<http://www.commentcamarche.net/contents/video/compress.php3>. Acesso
em: 30 julho 2009.
CÓRDOVA, R. D. A. Educação a Distância e Pesquisa em Pedagogia. Portal da
UAB-UnB, Brasília, 2009. Disponível em: <http://uab.unb.br/moodle/course/
view.php?id=406>. Acesso em: 10 março 2009.
CORREIA, Â. Á.; ANTONY, G. Educação hipertextual - diversidade e interação com
materiais didáticos. Em: FIORENTINI, L. M. R.; MORAIS, R. D. A. Linguagens e
interatividade na educação a distância. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003, 1ª.
Edição, Cap. 2, p. 51-74.
COSCARELLI, C. V. (. ). Novas Tecnologias, novos textos, novas formas de pensar.
Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
120
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
DELAUNAY, G. J. Novas tecnologias, novas competências. Educar em Revista,
Curitiba, v. 31, p. 277-293, 2008.
DEMOLY, K.; WISNIEVSKY, L. A.; EDER, O. A inclusão no uso de múltiplas mídias em
uma perspectiva semiótica - uma experiência de formação de educadores. Em:
PELLANDA, N. M. C.; SCHLÜNZEN, E. T. M.; JUNIOR, K. S. Inclusão digital - tecendo
redes afetivas/cognitivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. Cap. 10, p. 163-169.
FIORENTINI, L. M. R. Aprender e ensinar com tecnologias, a distância e/ou em
ambiente virtual de aprendizagem. In: SOUZA, A. M. D.; FIORENTINI, L. M. R.;
RODRIGUES, M. A. M. Educação superior a distância - Comunidade de trabalho
e aprendizagem em rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação - Universidade
de Brasília, 2009. Cap. 6, p. 137-168.
FOLHA DE SÃO PAULO. Rede pública investe no ensino a distância. 2008.
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0411200802.
htm>. Acesso em: 9 agosto 2009.
________. Chinês, 15, morre em centro de reabilitação para vício em internet,
2009. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0708200911.
htm>. Acesso em: 7 agosto 2009.
FRANCO, E. Campus UVB. Universidade Virtual Brasileira, 2009. Disponivel em:
<http://www.iuvb.edu.br/main/index.html>. Acesso em: 2 julho 2009.
GADOTTI, M. Pensamento pedagógico brasileiro. São Paulo: Ática, 2006, 8ª. ed.
GEANTÂ, A. Apprendre avec le multimédia - une méthode d’éducation active.
Latinitate–Romanitate–Românitate, 2008. Disponível em: <http://lcce.valahia.
ro/volum/64.ageanta.pdf>. Acesso em: 19 Agosto 2009.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.
GIOLO, J. A educação a distância e a formação de professores. Educação e
Sociedade, Campinas, v. 29, p. 1211-1234, 2008. ISSN 0101-7330.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
121
GÜNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa- esta é a questão?
Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v. 22, p. 201-209, Maio 2006.
HOTTE, R.; LEROUX, P. L. Technologies et formation à distance. Stief.org, Maine,
v. 10, p. 1-14, Agosto 2003. Disponivel em: <sticef.org>.
KENSKI, V. M. (. ). O novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, 2007.
LANDIM, C. M. F. Educação a distância - algumas considerações. Rio de Janeiro:
s.n, 1997.
LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da
informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.
______. Nouvelle responsabilité des intellectuels. Le monde diplimatique, 2007.
Disponível em: <http://www.monde-diplomatique.fr/2007/08/LEVY/15006>.
Acesso em: 27 junho 2009.
MARCUSCHI, L. A. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de
aula. Linguagem Ensino, Pelotas, v. 4, n. 1, p. 79-112, 2001.
MARGI, C. B. et al. Projeto multimídia sob demanda: uma experiência em ensino
a distância. Anais ABED, Rio de Janeiro, 1999.
MARTÍN, A. G. Educação e novas tecnologias. Faculdade de Educação da
Universidade de Brasília, 1995. Disponível em: <http://www.fe.unb.br/catedra/
bibliovirtual/ead/educacao_e_novas_tecnologias.htm>. Acesso em: 3 agosto
2009.
MEHLECKE, Q. T. C.; TAROUCO, L. M. R. Ambientes de suporte para educação
a distância: A mediação para aprendizagem cooperativa. CINTED - Novas
Tecnologias CINTED-UFRGS na Educação, Porto Alegre, v. 1, n. UFRGS, p. 1-13,
fevereiro 2003.
MINIWEB. Definições de EAD, 2008. Disponível em: <http://www.miniweb.com.
br/cursos/miniwebcursos/cursos_miniweb/conhecendo_ead/botoes/modulos/
modulo_2/artigos/definicoes_ead.html>. Acesso em: 3 julho 2009.
122
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a distância - uma visão integrada. São Paulo:
Cengage Learning, 2008.110
MORAN, J. M. A educação que desejamos - novos desafios e como chegar lá. 2ª
Edição. ed. São Paulo: Papirus, 2007.
MOTA, R.; BRETAS, B.; MATOSINHOS, L. Educar pelo olhar - pensando a educação
a distância. Em: COSCARELLI, C. V. Novas tecnologias, novos textos, novas formas
de pensar. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, 2ª. Edição, Cap. 3, p. 119-132.
MOTA, R.; FILHO, H. C. Universidade aberta e perspectivas para a educação
a distância no Brasil. In: SILVA, M. Educação online. São Paulo: Edições Loyola,
2006, 2ª. Edição, Cap. 3, p. 559-571.
NEDER, M. L. C. Educação a distância e a formação de professores - possibilidades
de mudanças paradigmáticas. Em: PRETI, O., et al. Educação a distância - sobre
discursos e práticas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005, Cap. 1, p. 47-87.
NEDER, M. L. C. O processo de comunicação na educação a distância - o texto
como elemento de mediação entre os sujeitos da ação educativa. Em: PRETI,
O. (Org. ). Educação a distância - ressignificando práticas. Brasília: Liber Livro
Editora, 2005, Cap. 2, p. 181-205.
NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
NETO, H. T. M. A tecnologia da informação na escola. In: COSCARELLI, C. V. Novas
tecnologias, novos textos, novas formas de pensar. Belo Horizonte: Autêntica,
2003, Cap. 1, p. 51-63.
NOT, L. As Pedagogias do Conhecimento. São Paulo: DIFEL, 1981.
PACHECO, A. Das Estrelas Móveis do Pensamento - Ética e verdade em um
mundo digital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
PALLOF, R. M.; PRATT, K. Construindo comunidades de aprendizagem no
ciberespaço. Porto Alegre: Artmed, 2002.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
123
_________. O aluno virtual - um guia para trabalhar com estudantes on-line.
Porto Alegre: Artmed, 2004.
PEREIRA, E. W.; MORAES, R. D. A. História da educação a distância e os desafios
na formação de professores no Brasil. In: SOUZA, A. M. D.; FIORENTINI, L. M. R.;
RODRIGUES, M. A. M. Educação superior a distância - Comunidade de Trabalho
e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação - Universidade
de Brasília, 2009. Cap. 3, p. 65-89.
PETERS, O. Didática do ensino a distância: experiências e estágio de discussão
numa visão internacional. São Leopoldo: RS: Unisinos, 2006.111
PIAGET, J. Psicología y Pedagogía. Madrid: Ariel S.A., 2005.
PICONEZ, S. C. B. Introdução à educação a distância: os novos desafios da
virtualidade. Faculdade de Educação da USP, 2004. Disponível em: <http://www.
nea.fe.usp.br/>. Acesso em: 2 julho 2009.
PITON-GONÇALVES, J.; SALVADOR, J. A. Educação a distância e o Moodle: novas
formas de ensinar e de aprender matemática. IX Encontro Nacional de Educação
Matemática, 2007. Disponível em: <http://www.sbem.com.br/files/ix_enem/
Minicurso/Trabalhos/MC27392997882T.doc>. Acesso em: 3 Agosto 2009.
PONTES, E. Um mundo de imagens, também na educação. Portal da UAB-UnB,
Brasília, 2009. Disponível em: <http://uab.unb.br/moodle/mod/resource/view.
php?id=10034>. Acesso em: 18 novembro 2009.
PONTES, E. B. A Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR) na
Faculdade de Educação da UnB. Em: SOUZA, A. M. D.; FIORENTINI, L. M. R.;
RODRIGUES, M. A. M. Educação superior a distância - Comunidade de Trabalho
e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação - Universidade
de Brasília, 2009, Cap. 1, p. 17-36.
POWER, M. Générations de l’énseignement à distance, technologies éducatives
et médiatisation de l’enseignement supérieur. Révue de l’Éducation à Distance,
Canadá, v. 17, p. 57-69, agosto 2002. ISSN 1916-6818.
124
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
PRETI, O. O núcleo de educação aberta e a distância da Universidade Federal
de Mato Grosso - marcas de uma travessia (1992-2005). Em: PRETI, O. (Org.).
Educação a distância - ressignificando práticas. Brasília: Liber Livro Editora, 2008,
Cap. 1, p. 39-110.
PULINO FILHO, A. R. Conte com o Moodle no próximo semestre - Moodle 1.9.3+.
Brasília: Creative Commons, 2009
RAMOS, W. M.; MEDEIROS, L. A Universidade Aberta do Brasil: desafios da
construção do ensino e aprendizagem em ambientes virtuais. In: SOUZA, A. M.
D.; FIORENTINI, L. M. R.; RODRIGUES, M. A. M. Educação superior a distância:
Comunidade de trabalho e aprendizagem em rede (CTAR). Brasília: Faculdade
de Educação - Universidade de Brasília, 2009, Cap. 2, p. 37-63.
RIBEIRO, A. E. Textos e hipertextos na sala de aula. Em: COSCARELLI, C. V. Novas
tecnologias, novos textos, novas formas de pensar. Belo Horizonte: Autêntica,
2003, 2ª Edição, Cap. 1, p. 85-91.
ROCHA, E. F. Gerenciamento do ensino a distância - pesquisador reflete sobre
os desafios impostos à pedagogia pelas notas técnicas de comunicação. Belo
Horizonte: O Tempo, 2001.
ROCHA, H. V. D. TelEduc - software livre para educação a distância. In: SILVA, M.
Educação online - teoria, práticas, legislação e formação corporativa. São Paulo:
Edições Loyola, 2006, 2ª Edição, Cap. 2, p. 379-395.
SILVA, E. L. D.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de
dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.
SPHINX. Tecnologias e Soluções. Sphinx Brasil, 2009. Disponível em: <http://
www.sphinxbrasil.com/cms/tecnologias-e-solucoes>. Acesso em: 21 junho 2009.
TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A. Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade
e acessibilidade. Ci. Inf [On-Line], Brasília, v. 31, p. 152-160, Dezembro 2004. ISSN
0100-1965.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
125
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL. A UnB e a convergência do Programa
Universidade Aberta do Brasil (UAB), 2009. Disponível em: <http://www.uab.
unb.br/~portaluab/index.php?option=com_content&view=article&id=50&Item
id=79>. Acesso em: 08 agosto 2009.
________. Sobre a UAB. Portal da Universidade Aberta do Brasil, 31 Maio 2009.
Disponível em: <http://www.uab.capes.gov.br/>. Acesso em: 06 setembro 2009.
UNIVERSITÉ PARIS DESCARTES. Scénario pédagogique. Réne Wiki, 2009.
Disponível em: <http://wiki.univ-paris5.fr/wiki/Sc%C3%A9nario_p%C3%A9dago
gique>. Acesso em: 23 setembro 2009.
VILLARDI, R.; OLIVEIRA, E. G. D. Tecnologia na educação - uma perspectiva sociointeracionista. Rio de Janeiro: Dunya, 2005.
WEBER, D. Programa de Educação a Distância da ENSP/FIOCRUZ. Portal
Fiocruz, 2009. Disponível em: <http://www.ead.fiocruz.br/noticias/index.
cfm?matid=16414>. Acesso em: 23 junho 2009.
ZUIN, A. A. S. Educação a distância ou educação distante? O Programa Universidade
Aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade, CampinasSP, v. 27, n. 96, p. 935-954, Outubro 2006. ISSN 0101-7330.
•••
126
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 24
Nós Educadoras: uma história vivenciada de
perto e a distância
Autoras: Ana da Costa Polônia24 e Iracilda Pimentel Carvalho25
Professora Orientadora: Carmenisia Jacobina Aires
Resumo
A narrativa dentro da área de formação de professores tem se tornado uma
fonte rica e, ao mesmo tempo, reflexiva, representado a articulação teóricoprática. Nesta monografia, o nosso objetivo é caracterizar a trajetória de
duas professoras no espaço educacional da Universidade Aberta do Brasil, da
Universidade de Brasília, na elaboração de disciplinas para o curso de Pedagogia,
bem como a articulação das perspectivas teóricas com sua práxis. Assim, com
esse propósito descrevemos a nossa experiência tomando como base a nossa
formação tradicional, fundamentada no ensino presencial e descrevemos as
nossas angústias, medo e também os sucessos e vitórias na modalidade a
distância. Fazemos um breve panorama da educação a distância no país e no
mundo, e retomamos o papel de professor refletido nessa modalidade. Sentimonos instigadas pelas questões de que independente das formas de ensinar e
aprender, dos espaços físicos ou da tecnologia, e dos diversos recursos técnicos,
Graduada e licenciada em Psicologia pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília - UniCEUB, Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasíla - UnB. Docente na Faculdade de Educação da Universidade de Brasília.
E-mail: [email protected]
24
25
Graduada em História e Doutora em História pela Universidade de Brasília - UnB. Professora Adjunta da Universidade de Brasília. E-mail: [email protected]
127
numa sala convencional ou no ciberespaço, o foco é buscar aprimorar e otimizar
condições favoráveis à aproximação entre os/as professores/as e os/as alunos/
alunos. E, considerando a nossa postura epistemológica, os interesses se remetem
às questões ligadas à interação, interatividade e construção de conhecimentos.
As interações circunscrevem no contingente de ordem pedagógica, e, por isso,
fomentar um ambiente colaborativo é essencial, sendo a TIC um dos instrumentos.
Deixando de lidar com oposições, como, por exemplo: novo/velho, permanente/
cambiante, presencial/distante, e os compreendendo como faces de uma mesma
moeda, onde podemos superar as polaridades e reconhecer a importância das
peculiaridades. Dessa forma, nosso percurso, nossa formação e nossos saberes
acumulados são importantes para fomentar, estruturar, dinamizar situações de
ensino-aprendizagem, no âmbito virtual, assumindo o papel de timoneiras na
viagem da aprendizagem em direção ao conhecimento. Reafirmando a nossa
identidade e responsabilidades quanto ao desenvolvimento de sua atividade
docente.
Palavras-chave: educação a distância; formação de professores; narrativa;
relação professor-aluno e interatividade.
Referências bibliográficas
ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 6. ed. São
Paulo: Cortez: 2008.
ALONSO, Kátia Maria. Novas tecnologias e formação de professores: um intento
de compreensão. 22ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu/MG: ANPED, 1999.
(Sessão Especial: Novas Tecnologias da Comunicação e Informação: mudança no
trabalho, desafios para a educação e para a formação dos educadores). Disponível
em:
http://info.worldbank.org/etools/docs/library/218224/Morosov%20
Alonso%20-%20Novas%20Tecnologias.pdf Acesso em: 09/10/2009.
AMARAL, Sérgio F. & Barros, Daniela M. V. (s/d). Estilos de aprendizagem no
contexto educativo do uso das tecnologias digitais interativas. : Disponível em:
http://lantec.fae.unicamp.br/lantec/pt/tvdi_portugues/daniela.pdf . Acesso em
9/10/2009.
128
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
BECKER, Fernando Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre:
Artmed, 2001.
BELLONI, Maria L. Ensaios sobre a educação a distância no Brasil. Educação &
Sociedade, 2002, p.78, 117-142.
________. Educação a distância. Campinas/ São Paulo: Autores Associados,
1999.
BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.
BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
BOLZAN, D. P. V. Formação de professores: compartilhando e reconstruindo
conhecimentos. Porto Alegre: Mediação, 2002.
BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. .In: ORTIZ, Renato (Org.).
Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983. pp. 46-81.
_______. Introdução a uma teoria reflexiva. In: BOURDIEU, Pierre (Org.). O poder
simbólico. Lisboa: Difel, 1989. pp. 17-58.
BRASIL. Constituição de República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal,
1988.
BUENO, B. O. Pesquisa em colaboração na formação contínua de professores. In:
BUENO, B. O.; CATANI, D. B.; SOUZA, C. P . (Org.). A vida e ofício dos professores:
formação contínua, autobiografia e pesquisa em colaboração. São Paulo:
Escrituras, 1998.
CARLI, José R. & POLATO, Maria A. S. Tutoria na Educação a distância: Relato
de uma aplicação prática a partir do referencial teórico, 2008. Redepsi.com.
Disponível em: :http://www.redepsi.com.br/portal/modules/smartsection/item.
php?itemid=1132. Acesso em: 05 dez. 2009.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
129
CATANI, D. B. et al. História, memória e autobiografia na pesquisa educacional e
na formação. In: CATANI, D. B. et al.(Org.). Docência, memória e gênero: estudos
sobre formação. São Paulo: Escritura, 2003.
CHARTIER, Roger. A Ordem dos Livros. Brasília: EDUnB, 1998.
COSTA, Jurandir. Sem fraude nem favor. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
________. (1999). Razões públicas, emoções privadas. Rio de Janeiro: Rocco.
COSTA VAL, M.G.C. Atividades de produção de texto escritos em livros didáticos
de 5a. a 8a. séries do Ensino Fundamental. In: ROJO, R. & BATISTA, A. A. (Org.).
Livro Didático de língua portuguesa, letramento e cultura da escrita. Campinas:
Mercado de Letras, 2003.
COSTA, Karla da Silva; FARIA, Geniana Guimarães. EAD- sua origem histórica,
evolução e atualidade brasileira face ao paradigma da educação presencial.
2008. Congresso da ABED, 2008. Disponível em: http://www.abed.org.br/
congresso2008/tc/552008104927AM.pdf. Acesso em: 13 out. 2009.
COSTA, Luciano A. C & FRANCO, Sérgio R. K. ). Ambientes virtuais de aprendizagem
e suas possibilidades construtivas. Novas Tecnologias na Educação, 3.
Disponível em: http://www.cinted.ufrgs.br/renote/maio2005/artigos/a25_
ambientesvirtuais.pdf. Acesso em: 08 out. 2009.
CUNHA, Marcus V. A psicologia na educação: dos paradigmas científicos às
finalidades educacionais. Revista da Faculdade de Educação [online], 1998,
Jul/Dec., 2, 51-80. São Paulo. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551998000200004.
Acesso em: ?
DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1991.
DELORS, Jacques e et al. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a
UNESCO, da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. São Paulo:
Cortez, 1997.
130
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
DIAS, Carla Cristina Lui Dias, Gasparini, Isabela & Kemczinski, Avanilde (s/d).
Identificação dos estilos cognitivos de aprendizagem através da interação em
um Ambiente EAD. Disponível em: http://bibliotecadigital.sbc.org.br/download.
php?paper=1329. Acesso em: 09 out.2009.
DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. Rio de Janeiro: Ed. 34,
1998.
DOTTA, Sílvia & Giordan, Marcelo. Tutoria em Educação a distância: um Processo
Dialógico. Virtual Educa - Encontro Internacional Virtual Educa Brasil. São José
dos Campos/ São Paulo 2007.
FARIAS, T. C. L. . A ‘ajuda do outro’ no contexto da sala de aula: em busca do
sentido atribuído por professoras do ensino fundamental. GT-02 formação de
professores. Disponível em http://www.ufpi.br/mesteduc/eventos/iiiencontro/
gt2/ajuda_outro.pdf. Acesso em 05 dez.2009.
FÁVERO, Osmar (Org.). A educação nas constituintes brasileiras (1923-1988).
Campinas/São Paulo: Autores Associados, 1996. (Coleção Memória da Educação).
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1998.
_________. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal,
1990.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.
_________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente.
Coleção Leitura. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
FREITAS, Kátia Siqueira (s/d). Um panorama geral sobre a história do ensino
a distância. Disponível em: http://www.proged.ufba.br/ead/EAD%2057-68.
pdf. Acesso em: 05 out. 2009. HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo:
Vértice, 1990.
HOFFMANN, Jussara. O jogo do contrário em avaliação. 2. ed. Porto Alegre:
Mediação, 2006.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
131
JESUS, R. de F. Sobre alguns caminhos trilhados... ou mares navegados. Rio de
Janeiro: DP&A, 2000.
KESSEL, Z. Memória e memória coletiva. Brasil, 2006. Disponível em: http://
www.museudapessoa.net/escolas/textos_apoio.htm. Acesso em: 20 ago. de
2009.
KRISTEVA, Julia. L’âme et l’image. In: KRISTEVA, Julia. (Org.). Les nouvelles
maladies de l’âme. Paris: Fayard, 1993. pp.9-47.
LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de Pesquisa. In:
LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade (Org..). Fundamentos de
Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas, 1996. pp. 174-233.
LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). O
sujeito da educação – estudos foucaultianos. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes,
1995. pp. 35-86.
____________. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. 4. ed. Belo
Horizonte: Autêntica, 2003.
LENOIR, Yves. Três interpretações da perspectiva interdisciplinar em educação
em função de três tradições culturais distintas. Revista E-Curriculum, São Paulo,
2005/2006, 1, dez. - jul. Disponível em: http://www.pucsp.br/ecurriculum/
artigos_v_1_n_1_dez_2005/yveslenoirartigo.pdf. Acesso em: 08 dez. 2009.
MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988.
________. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São
Paulo: EDUSP, 1996.
MAHONEY, A. A. & Almeida, L. R. Afetividade e processo ensino-aprendizagem:
Contribuições de Henri Wallon. Psicologia da Educação, 2005. pp. 20, 11-30.
MARSHALL, T.H. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
132
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
McLUHAN, Marchall. Os meios de comunicações como extensão do homem.
São Paulo: Cultrix, 1996.
MARQUES, Camila. Ensino a distância começou com cartas a agricultores. Folha
online, 24 de abril, 2004. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/
educacao/ult305u396511.shtml. Acesso em: 22/09/2009.
MELLO, Sonia A. A escola de Vygotsky. Em: K. Carrara (Org.) Introdução à Psicologia
da Educação: seis abordagens. São Paulo: Avercamp, 2005. pp.135 -156.
MORALES, Pedro. A relação professor-aluno. O que é, como se faz. 7. ed. São
Paulo: Loyola, 2008.
MORAN, José Manuel. A educação superior à distância no Brasil. In: SOARES,
Maria Susana Arrosa (Coord.). A Educação Superior no Brasil. Porto Alegre/RS:
CAPES/IESALC–UNESCO, 2002. pp. 251-274.
MUNHOZ, Antonio S.. Educação a distância em busca do tutor ideal. Revista
Digital da CVC-Ricesu, 2003, 5. pp. 32-46.
NASCIMENTO, Renato L.; SILVEIRA, Rosimeri M. C. F & PINHEIRO, Nilcéia A. M.
(s/d). Educação a distância na relação enfoque ciência tecnologia e sociedade
(CTS). Anais do Seminário de Educação Profissional e Tecnológica (SENEPT/
CEFET/MG), 2008. Disponível em: http://www.senept.cefetmg.br/galerias/
Arquivos_senept/anais/terca_tema5/TerxaTema5Artigo9.pdf. Acesso em: 08
out. 2009.
NOBRE, Isaura A.; NUNES, Vanessa B.; BALDO, Yvina P.; MOURA, Elton S. &
CARNEIRO, Danielli V. Comunicação e interação entre os atores responsáveis
pela gestão EAD - Experiência do Curso Superior de Tecnologia em Análise e
Desenvolvimento de Sistemas em EAD–CEFETES. 14º Congresso Internacional
ABED de Educação a Distância. Santos/São Paulo,, 2008. Disponível em: http://
www.abed.org.br/congresso2008/tc/55200853510PM.pdf. Acesso em: 10
out.2009.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
133
NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. Em NÓVOA, António
(Org.). Vidas de professores. Colecção Ciências da Educação, Vol. 4. Porto: Porto
Editora, 1992.
OLIVEIRA, Marta K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo
sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1997.
PAIVA, V.L.M. (Org.). Interação e aprendizagem em Ambiente Virtual. Belo
Horizonte: FALE/UFMG, 2001.
________. E-mail: Um Novo Gênero Textual. In: Hipertexto e Gêneros Digitais.
Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2004.
________. Comunidades virtuais de aprendizagem e colaboração. In: TRAVAGLIA,
L. C. Encontro na Linguagem: estudos lingüísticos e literários. Uberlândia: UFU,
2006.
PEREIRA, Eva W. Expansão e diversidade. In: Formação de professores a
distância: experiências brasileiras. Lisboa: Universidade Aberta de Portugal (Tese
de Doutorado), 2002, p. 255-269.
________. & MORAES, Raquel de Almeida (s/d). História da educação a distância
e os desafios na formação de professores no Brasil. Em: SOUZA, A.M.; FIORENTINI,
L.M.R.; RODRIGUES, M.A.M. (Org..). Educação Superior a Distância: Comunidade
de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação /
Universidade de Brasília /Universidade Aberta do Brasil, 2009.
PIAGET, Jean. Epistemologia genética. 2. ed. ( A. Cabral, trad.). São Paulo: Martins
Fontes, 2002.
________. Psicologia e pedagogia, 2a reimpressão. São Paulo: Forense
Universitária, 2008.
SARAIVA, Teresinha. Educação a distância no Brasil: lições da história. Em Aberto,
1996, 16. p. 17-27.
134
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
SARMET, Maurício M. & Abrahão, Júlia Issy. O tutor em educação a distância:
análise ergonômica das interfaces mediadoras. Educação em Revista, 2007, 46.
p. 9-141.
SHÖN, Donald A. Educando o profissional reflexivo, um novo design para o
ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.
TEIXEIRA, Anísio. Educação não é privilégio. Rio de Janeiro: José Olimpio, 1957.
VASCONCELOS, G. A. N. Puxando um fio. In: Vasconcelos, G. A. N. (Org.). Como
me fiz professora. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente (Trad.J. Cipolla Neto, L. S. M.
Barreto & S. C. Afeche). São Paulo: Martins Fontes, 1984.
_________. Psicologia pedagógica. Edição comentada. (Trad.C. Shilling). Porto
Alegre: Artes Médicas, 2003. (Trabalho original publicado em 2001).
WALLON, Henri,. Psicologia e Educação da Infância. Lisboa: Estampa, 1975.
WIKIPEDIA. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre. Acesso
em 31/10/2008.
ZUIN, Antonio A. S. Educação a distância ou educação distante? O programa da
Universidade Aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade,
2006, 27. pp. 935-954.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
135
CAPÍTULO 25
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Novas Tecnologias: Proposta de Disciplina a
Distância de Língua Portuguesa no Curso de
Letras
Autora: Francisca Alves de Carvalho26
Professor Orientador: Elício Bezerra Pontes
Resumo
Neste trabalho, busca-se apresentar as novas tecnologias como instrumentos
pedagógicos para oferta da disciplina de Língua Portuguesa totalmente a distância
em um curso de Letras presencial. Justifica-se esse projeto de uma disciplina
a distância para mostrar que um curso pode ser ofertado, de forma integral a
distância, bem como uma ou mais disciplinas a distância e outras presenciais
para atender à qualificação profissional que, na sociedade da informação,
está imbricada com o domínio do computador. Propôs-se como metodologia,
uma pesquisa descritiva de natureza aplicada. Apresenta-se os conceitos mais
conhecidos sobre Educação a Distância e um breve trajeto sobre a história da
EaD, salientando as diferenças entre as modalidades de ensino presencial e a
distância, buscando demonstrar que por meio da educação a distância é possível
o processo de recriação da educação, bem como a construção da autonomia
do estudante num limite nunca pensado pela educação tradicional. Ainda se
conceitua, neste trabalho, os fundamentos da utilização do computador como
136
Licenciada em Letras/habilitação em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira e Inglesa pela Universidade do Tocantins. Especialista
em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Técnica do Conselho Estadual de Educação do Tocantins – CEE/TO. E-mail: [email protected]
ferramenta pedagógica e, a seguir, apresenta-se uma proposta de utilização de
um ambiente virtual de aprendizagem para oferta a distância da disciplina de
Língua Portuguesa no Curso de Letras presencial, utilizando um ambiente virtual
e mídia impressa, o que possibilitará ao acadêmico, futuro professor, familiarizarse com aspectos considerados importantes para a condução de iniciativas na
apropriação e utilização de novas tecnologias em suas aulas. A proposta aqui
apresenta uma estrutura simples de ambiente virtual em que aparecem alguns
aspectos essenciais a um ambiente de aprendizagem para que o processo de
ensino-aprendizagem aconteça de forma significativa.
Palavras-chave: tecnologia na educação; educação a distância; ambiente virtual
de aprendizagem.
Referências bibliográficas
ARETIO, Lorenzo Garcia. Educación a Distancia Hoy. Madri\: UNED, 1994.
FAGUNDES, L. Educação a distância: uso de rede telemática com baixo custo.
Campinas: NIED/UNICAMP, 1993.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1979.
LÉVY, Pierre. As árvores de conhecimento. São Paulo: Escuta, 1995
LIMA, Maria Cláudia de. Educação a distância: Experiências Regionais.
(Dissertação de Mestrado). Brasília: Universidade Católica Dom Bosco, 2000.
MOORE, Michel G., KEARSLEY, Greg. Distance education: a systems view.
Belmont (USA): Wadsworth Publishing Company, 1996.
MORAN, José Manuel. O que é um bom curso a distância? Em: MORAN, J.M.;
ALMEIDA, M.E.B.Integração das Tecnologias na Educação Brasília: Ministério
da Educação/Secretaria de Educação a Distância, 2005. p.147-148. [publicado
no Boletim da Série Salto para o Futuro: Educação a Distância na Formação de
Professores, 2002]. Disponível em: http://tvescola.mec.gov.br/images/stories/
publicacoes/salto_para_o_futuro/livro_salto_tecnologias.pdf .
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
137
NOGUEIRA, L.L. Educação a distância. Comunicação e Educação, 1996, vol.5, pp.
34-39.
NUNES, I.B. (2005) Noções de Educação a distância. Revista Educação a Distância.
Brasilia: Intelecto. net. Disponível em: http://www.intelecto.net/EAD/ivonio1.
html Acesso em 30 ago.2009.
PAPERT, Seymour. A Máquina das crianças: repensando a escola na era da
informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.
PRETI, Oreste. Educação a distância: uma prática educativa mediadora e
mediatizada. Cuiabá: NEAD/IE/UFMT, 1996.
RODRIGUES, Nelson. Estado: educação e desenvolvimento econômico. São
Paulo: Cortez, 1998.
VALENTE, José A. Os diferentes usos do computador na educação. Em: VALENTE,
José A. (Ed.). Computadores e conhecimento: repensando a Educação. Campinas:
UNICAMP, 1992-1993
•••
138
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 26
O Curso Técnico em Informática PROEJA a
Distância: Experiência da Escola Técnica de
Ceilândia/DF
Autora: Márcia Andréia Nogueira Jales27
Professora Orientadora: Maria Luiza Pereira Angelim
Resumo
Este trabalho de conclusão de curso tem por objetivo relatar um estudo de caso
sobre a elaboração e implementação do Curso Técnico em Informática de nível
médio, participante do Programa Nacional de Integração da Educação de Jovens
e Adultos do Ministério da Educação, coordenado pela Secretaria de Educação
Profissional e Tecnológica, que propõe a expansão do Ensino Médio na Educação
de Jovens e Adultos, articulado com a formação profissional na modalidade
de Ensino a Distância. Contempla os conhecimentos acerca da informática
para uso corporativo – operação e suporte a microcomputadores, redes de
computadores e desenvolvimento de sistemas. O curso é realizado pela Escola
Técnica de Ceilândia e conta com dois polos para cumprir a carga horária de 10%
do atendimento presencial, utiliza o ambiente virtual de aprendizagem Moodle e
tem a duração de 18 meses.
27
Graduada em Tecnologia em Processamento de Dados pela Universidade Católica de Brasília - UCB. Especialista em Educação
Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail:
[email protected]
139
Palavras-chave: curso de informática; educação de jovens e adultos; educação
a distância; Programa Nacional de Integração da Educação de Jovens e Adultos.
Referências bibliográficas
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Rio de Janeiro, 2005.
Disponível em <http://uab.unb.br/moodle/course/view.php?id=326>. Acesso
em 15/10/2009.
BRASIL. Decreto nº 5.840, de 13 de julho de 2006. Diário Oficial da União,
14/07/2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2006/Decreto/D5840.htm>. Acesso em 06/09/2009.
CURSO DE GESTORES DO PROGRAMA E-TEC BRASIL. Em: 1º ENCONTRO
PRESENCIAL, Curitiba/PR, abril/2008. Palestra ministrada aos gestores do
programa inscritos.
DISTRITO FEDERAL, Edital nº 01, 18 de março de 2009. Diário Oficial do Distrito
Federal, 17/03/2009. Disponível em: http://www.ensinopublico.pro.br/Docume
ntos%5CEstadual%5C30032009104722.doc.. Acesso em 10/09/2009.
_________. Secretaria de Estado de Educação. Diagnóstico Educação de Jovens
e Adultos Distrito Federal, SEEDF, 2008. Disponível em <http://forumeja.org.
brdffilesdiagnosticodf.pdf>. Acesso em 22/09/2009.
ESCOLA TÉCNICA DE CEILÂNDIA. Plano de Curso Técnico em Informática de Nível
Médio - PROEJA. Ceilândia/DF, 2008.
_________. Projeto de Educação a Distância. Ceilândia, DF, 2008.
_________. Proposta Pedagógica Escola Técnica de Ceilândia - Gestão 2008 –
2011. Ceilândia, DF, 2008.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa.
São Paulo: Paz e Terra, 1996.
140
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
GARCIA ARETIO, L. La educación a distancia: de la teoría a la práctica. Barcelona:
Ariel,2001. (Coleción Ariel Educación).
IBGE. Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios - PNAD 2006. Disponível em:
<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/
pnad2006/tabsintese.shtm>. Acesso em: 22/09/2009.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO
TEIXEIRA. Educação profissional técnica de nível médio no censo escolar. Brasília,
DF. INEP, 2006. Disponível em: http://www.inep.gov.br/pesquisa/publicacoes.
Acesso em 22/09/2009.
KLINGL, Erika. 32% dos alunos do EJA deixam de freqüentar as aulas antes do
temp. Correio Braziliense, Brasília, 04/08/2009. Disponível em: <http://www.
correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2009/08/04/cidades,i=131880/32+d
os+alunos+do+eja+deixam+de+frequentar+as+aulas+antes+do+tempo.shtml>.
Acesso em 07/09/09.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34,
1999. 264p.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Documento Base PROEJA Programa Nacional de
Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de
Educação de Jovens e Adultos. Brasília: MEC, 2007. Disponível em <http://portal.
mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_medio.pdf >. Acesso em 07/09/2009.
_________. Resultados do Censo Escolar 2005. Brasília, DF. INEP, 2006. Disponível
em
http://www.inep.gov.br/download/censo/2005/resultados_censo2005.
pdf>. Acesso em 22/09/2009.
_________. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade;
Documento Base Nacional Preparatório à VI CONFINTEA; MEC; 2008. Disponível
em < http://forumeja.org.br/files/docbrasil.pdf >. Acesso em 22/09/2009.
_________. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.
Educação e Aprendizagens de Jovens e Adultos ao Longo da Vida, Encontro
Preparatório à VI CONFINTEA, Região Centro-Oeste. Cuiabá, Abril de 2008.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
141
Disponível em: < http://forumeja.org.br/mt/sites/forumeja.org.br.mt/files/Slides
%20Gerais%20CUIABÁ.ppt >. Acesso em 12/10/2009.
NASCIMENTO, J.K. F. do; SIQUEIRA FILHO, A. A. de. A implantação do primeiro
portal estatal de educação a distância do Distrito Federal na Escola Técnica de
Ceilândia. Ceilândia: ETC, 2009.
SOUZA, A. M. de; FIORENTINI, L. M. R.; RODRIGUES, M. A. M. (Org.). Educação
superior a distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede
(CTAR). Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2009. 260p.
Disponível em <http://uab.unb.br/moodle/course/view.php?id=326>. Acesso
em 10/09/2009.
•••
142
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 27
O Programa Anual de Capacitação no Contexto
do Sistema Universidade Aberta do Brasil
(UAB) segundo a Percepção dos Profissionais
Envolvidos
Autora: Bruna Lúcia de Souza Peixoto28
Professora Orientadora: Laura Maria Coutinho
Resumo
Com a necessidade de educação contínua e o surgimento de novas tecnologias
de informação e comunicação, o ensino a distância se tornou um tema de grande
relevância e destaque mundial. A capacitação contínua dos atores de ensinoaprendizagem configura-se hoje, como uma condição para o aperfeiçoamento
profissional. Assim, a opção pela definição da presente pesquisa justifica-se no
momento em que, por força de toda modificação pela qual vêm passando as
Instituições Públicas de Ensino Superior - IPES, no que se refere à modalidade
a distância, novos paradigmas devem ser alicerçados em nome dos problemas
apontados e questionados. O presente trabalho teve por objetivo verificar, através
da percepção dos atores envolvidos nos projetos educacionais, participantes do
Programa Anual de Capacitação - PAC, se as IPES estão utilizando corretamente
alguns dos recursos financeiros e pedagógicos a partir dos parâmetros da
Universidade Aberta do Brasil - UAB. Trata-se de uma pesquisa exploratória, onde
28
Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário do Distrito Federal - UniDF. Especialista em Educação Continuada e a
Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Consultora Financeira da CAPES. E-mail: [email protected]
143
foi aplicado um questionário aos atores do processo de ensino-aprendizagem.
O questionário foi formulado com 12 questões e enviado por e-mail para
os bolsistas ativos de 4 IPES, sendo uma estadual e três federais, escolhidas
aleatoriamente para colher informações gerais referente ao objeto de pesquisa
propriamente dito, frisando ainda, que foram 6 questões referentes ao caráter
geral da pesquisa, 3 questões referentes ao caráter pedagógico e 3 questões
referentes ao caráter financeiro. Os resultados encontrados apontam que
houve unanimidade nas manifestações dos participantes quanto à necessidade
do PAC para garantir a qualidade do ensino a distância, visto que os conteúdos
trabalhados são relevantes para a estratégia de ensino-aprendizagem.
Palavras-chave: capacitação continuada; educação a distância; Universidade
Aberta do Brasil.
Referências bibliográficas
BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados,
1999.
BRASIL, Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Superior.
Resolução n. 2, de 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária mínima e
procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação,
bacharelados, na modalidade presencial. Disponível em: http://portal.mec.gov.
br/cne/arquivos/pdf/2007/rces002_07.pdf. Acesso em: 28 de novembro de
2009.
_______. Conselho Nacional de Educação/ Conselho Pleno. Resolução n. 1, de 8
de junho de 2007. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pósgraduação lato sensu, em nível de especialização. Disponível em: http://portal.
mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res2_2.pdf. Acesso em: 29 de novembro de
2009.
_______. Conselho Nacional de Educação/ Conselho Pleno. Resolução n. 2,
de 19 de Fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de
licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica
em nível superior. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/
res2_2.pdf. Acesso em: 29 de novembro de 2009.
144
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
_______. Decreto n.5.622, de 19 de dezembro de 2005. Estabelece as diretrizes
e bases da educação nacional. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm#art37. Acesso em: 28 de
novembro de 2009.
_______. Decreto n.5.800, de 08 de junho de 2006. Dispõe do Sistema
Universidade Aberta do Brasil. Disponível em: http://uab.capes.gov.br/images/
PDFs/legislacao/decreto5800.pdf. Acesso em: 29 de novembro de 2009.
_______. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução n. 24, de
4 de junho de 2008. Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro
às instituições de ensino participantes do Sistema Universidade Aberta do Brasil,
vinculado à CAPES e à Secretaria de Educação a Distância do Ministério da
Educação, nos exercícios de 2008/2009. Disponível em: http://uab.capes.gov.br/
images/PDFs/legislacao/resolucao24.pdf. Acesso em: 29 de novembro de 2009.
_______. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução n. 44, de
29 de dezembro de 2006. Estabelece orientações e diretrizes para a concessão
de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes dos cursos e programas de
formação superior, no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Brasil, vinculado
ao Ministério da Educação, a ser executado pelo FNDE no exercício de 2006.
Disponível em: http://uab.capes.gov.br/images/PDFs/legislacao/resolucaofnde.
pdf. Acesso em: 29 de novembro de 2009.
_______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e
Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 29 de novembro de 2009.
NUNES, Ivônio B. Noções de educação a distância. 1992. Disponível em: http://
www.intelecto.net/ead/ivonio1.htm. Acesso em 18/11/2009.
GARCIA ARETIO, Lorenzo. Educación a Distancia Hoy. Madrid: UNED, 1994.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002,
4ª ed.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
145
GUTIERREZ, F.; PRIETO, D. A mediação pedagógica: educação à distância
alternativa. Campinas: Papirus, 1994.
LANDIM, Cláudia Maria das Mercês Paes Ferreira. Educação a Distância: Algumas
Considerações. Biblioteca Nacional, Nº 128, livro 20, folha 13, Rio de Janeiro,
1997.
LITWIN, Edith (Org.). Educação a Distância: temas para o debate de uma nova
agenda educativa. Porto Alegre: Artmed, 2001.
LUCENA, C. & Fuks, H. Professores e Aprendizes na Web: A Educação na Era da
Internet. Rio de Janeiro: Ed. Clube do Futuro, 2000.
MORAN, José Manuel. Avaliação do Ensino Superior a Distância no Brasil.
Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/textosead.htm. Acesso em
18/11/2009.
MOTA, Ronaldo; CHAVES FILHO, Hélio; CASSIANO, Webster Spiguel. A Universidade
Aberta do Brasil: democratização do acesso à educação superior pela rede pública
de educação a distância. Em: CHAVES FILHO, Hélio (Org.). Desafios da educação
a distância na formação de professores. Brasília: MEC – Secretaria de Educação
a Distância, 2006.
MUNDIM, Kleber Carlos. Ensino a distância no Brasil: problemas e desafios. Em:
CHAVES FILHO, Hélio (Org.). Desafios da Educação a distância na formação de
professores. Brasília: Secretaria de Educação a Distância, 2006, p.119-126
NEDER, Maria & PRETI, Oreste. Pedagogia na Modalidade Licenciatura para os
anos Iniciais do Ensino Fundamental. 3 ed. rev. mod. Cuiabá: NEAD/IE-UFMT,
2003.
PRETI, Oreste (org.). Educação a distância: inícios e indícios de um percurso.
Cuiabá: NEAD/IE – UFMT, 1996.
____________. Educação a distância: construindo significados. Cuiabá: NEAD/
IE –UFMT / Brasília: Plano, 2000.
146
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 28
O Texto Escrito Impresso em Fascículo para a
Educação a Distância, um Gênero Discursivo
Mediacional entre Autor e Leitor: um
empreendimento interdisciplinar
e sociointerativo?
Autora: Luciana Maria Libório Eulálio29
Professor Orientador: Carlos Alberto de Sousa Lopes
Resumo
Esta pesquisa monográfica deu ênfase ao gênero fascículo, isto é, um texto escrito e
impresso com características mediacionais no processo de ensino & aprendizagem
da Educação a Distância, e aos seus aspectos linguísticos, discursivos, interativos e
sociais, que o fazem um texto-aula interativo na relação professor-autor x aluno –
leitor, para posterior análise dos fascículos produzidos pela equipe de professores
autores do I Curso de Letras Espanhol a Distância da Universidade Estadual do
Piauí (UESPI) e à possibilidade ou não do fazer interdisciplinar dessa equipe.
Pesquisa efetivada nos meses de maio a setembro de 2009, mediante a escolha
do método da Análise de Conteúdo não na sua variante quantitativa, já que não foi
do interesse desta pesquisa quantificar a frequência em termos numéricos, com
que aparecia as marcas textuais que fazem dos fascículos um gênero mediacional,
e sim pelo seu aspecto qualitativo, onde se procurou verificar a presença ou não
29
Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal do Piauí - UESP. Especialista em Educação Continuada e a
Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Professora da Universidade Estadual do Piauí – UESP.
E-mail: [email protected]
147
dos marcadores característicos mediacionais do texto, com objetivo de expandir
algumas ideias sobre o fascículo e da técnica de uso de questionários junto à
equipe de professores autores de fascículos. Referencial teórico centrado na
problemática da fragmentação do conhecimento, na Teoria da Sociolinguística
Interacional, no Letramento e nas Teorias sobre os Gêneros do Discurso vistas em
Sousa (2006). Dados sobre a análise dos fascículos permitem inferir que estes se
encontram em fase intermediária, em busca de uma linguagem mais interativa,
portanto, mediacional.
Palavras-chave: fascículo; gênero mediacional; interatividade.
Referências bibliográficas
ALBORNOZ, Omar Mário e COSTA, Margareth Torres de Alencar- Lengua Española
I - Teresina: s/n., 2009, 124p.
ASSUMPÇÃO, I. Interdisciplinaridade: uma tentativa de compreensão do
fenômeno. Em: FAZENDA, I. C. A.. Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo:
Cortez, 1991. 147ps.
BAKHTIN. Mikhail. Os gêneros dos discursos. Em: Estética da criação verbal.
Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003, 4ª edição.
BAZERMAN, C. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2005
CORBISIER, R. C, de. A Introdução à filosofia. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.
1986, 2ª edição.
CASTORIADIS, C. As Encruzilhadas do Labirinto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
1 v.
COSTA, Margareth Torres de Alencar e ALBORNOZ, Omar Mário. Ensino à
distância. Teresina: s/n., 2009.
COSTA, Margareth Torres de Alencar e EULÁLIO, Luciana Maria Libório. Práctica
Pedagógica II. Teresina: s/n., 2009. 64p.
148
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
COUTINHO, Regina Maria Teles. Metodologia Científica. Teresina: s/n., 2009,
60p.
EULÁLIO, Luciana, M. Libório et al. Práctica Pedagógica I. Teresina: s/n., 2009, 70
p.
FAZENDA, Ivani C. A. (Org.). Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo:
Cortez, 1991. 147ps.
___________. A virtude da força nas práticas interdisciplinares. Campinas.
Papirus. 1999.
___________. Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa. Campinas. São
Paulo. Papirus. 1994.
___________. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Ed.
Loyola. 1993.
GUSDORF, G. Prefácio. Em: JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do
saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 220p.
INFOPÉDIA [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-08-26].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$deixis>.
JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago,
1976. 220p.
KOCH, I. V. Introdução à lingüística textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004
LÉVY, Pierre. Educação e Cybercultura Em: LÉVY, Pierre. Cybercultura. França:
Odle Jacob, 1993.
LÜCK, Heloísa. Pedagogia Interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos.
Petrópolis: Vozes, 1999, 6ª edição, 92 p.
MAFFESOLI, M. A. A conquista do presente. Rio de Janeiro: Rocco, 1984, p.167
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
149
MARCUSCHI, Luís Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão.
São Paulo: Parábola Editorial, 2008, 296 p.(Educação linguística 2).
MARINHO, Alessandra M. Simões. A educação ambiental e o desafio da
interdisciplinaridade. (Dissertação de mestrado em Educação). Belo Horizonte:
PUC MINAS, 2004.
MATALLO, jr., H. A problemática do conhecimento. Em: CARVALH0, M. C. M.de.
(Org.). Construindo o saber, técnicas de metodologia científica. Campinas:
Papirus, 1988, 180p.
MELO, Telde Soares Leal. Língua Latina I. Teresina: s/n, 2009, 104 p.
MENDES, Algemira de Macêdo. -Teoria Literária – Teresina [s.n.], 2009.113p.
MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas, SP:
Papirus, 2000.
PEREIRA, Eva. W. Educação a Distância, concepção e desenvolvimento. Revista
Linhas Críticas, Brasília: Faculdade de Educação/UnB, 2003, jul/dez., V.9, n. 17, p.
197-212.
PRETI, Oreste (Org.); NEDER, Maria Lúcia Cavalli et al. Educação a Distância:
sobre discursos e práticas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005.171p.
RUIZ, Osvaldo Lopes. Manuel de Castells e a era da informação. ComCiênciaRevista Eletrônica de Jornalismo Científico, n.30, 2002.
SEVERINO, Antonio Joaquim; FAZENDA, I. C. A. Formação docente: Rupturas e
possibilidades. Campinas: Papirus, 2002. 222p.
SOARES, Magda. As pesquisas nas áreas específicas influenciando o curso de
formação de professores, Em: ANDRÉ, Marli (Org.). O papel da pesquisa na
formação e na prática de professores. Campinas, SP: Papirus, 2001.
SOUSA, Rosineide Magalhães. Gênero textual mediacional: um texto interativo
e envolvente na perspectiva de um contexto específico. Brasília: Departamento
150
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
de Lingüística, Línguas Clássicas e Vernáculas. Brasília: Universidade de Brasília,
2001. (Dissertação de Mestrado) Inédita.
____________. Gênero Discursivo Mediacional, da elaboração à recepção:
uma pesquisa na perspectiva etnográfica. (Tese de Doutorado). Brasília-DF:
Departamento de Lingüística, Línguas Clássicas e Vernáculas. -Universidade de
Brasília, 2006.
ZUIN, Antonio A. S. Educação a Distância e Educação Distante. O programa
Universidade Aberta do Brasil.O tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade.
Campinas, 2006, out., vol. 27, n. 96 - Especial, p. 935-954. Disponível em http://
www.cedes.unicamp.br.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
151
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 29
Objetos de Aprendizagem: a utilização na
EaD no Brasil
Autor: Tibério César Lima Bezerra30
Professora Orientadora: Maria Rosa Abreu
Resumo
Este trabalho tem por objetivo analisar os Objetos de Aprendizagem e suas
aplicabilidades na Educação a Distância no Brasil em todas as suas etapas, desde
a criação até a sua utilização; além de propor parâmetros de qualidade à luz da
literatura estudada.
Este tema tem relevância devido a sua utilização cada vez mais intensa e cotidiana
das tecnologias digitais nas diferentes esferas da sociedade atual. E a educação
não está ausente dessa transformação social na qual essas tecnologias têm papel
relevante. Os Objetos de Aprendizagem são, nos dias de hoje, uma ferramenta
didática valiosa, pois trazem o mundo virtual, no qual o estudante está inserido,
para a sala de aula, não existindo uma ruptura entre a realidade do estudante no
seu cotidiano e a realidade da sala de aula.
A EaD é cada vez mais utilizada no Brasil e no mundo, seja para treinamento de
profissionais de empresas ou para aperfeiçoamento e capacitação continuada
de professores, além de atender vários níveis de ensino pelo país. Com isso,
os Objetos de Aprendizagem são ferramentas com grande potencial didático e
pedagógico.
Licenciado em Física e Matemática pela Universidade Católica de Brasília – UCB. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília – UnB. Professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal.
E-mail: [email protected]
30
153
Neste trabalho, houve revisão da literatura disponível sobre o assunto e estudo
de dois casos de aplicação de Objetos de Aprendizagem do Programa RIVED –
Rede Internacional Virtual de Educação, no curso de Química do CESAS – Centro
de Ensino Supletivo da Asa Sul e no curso de Geografia do programa eTec Brasil
da Escola Técnica Aberta do Brasil na Escola Técnica de Ceilândia, ambas escolas
públicas do Distrito Federal.
Ao analisar os resultados, são assinaladas condições pedagógicas nas etapas
de produção, escolha e utilização de um Objeto de Aprendizagem utilizado na
educação a distância no Brasil, especialmente no Distrito Federal.
Por fim, são citados parâmetros de qualidade que possam auxiliar educadores e
produtores de Objetos de Aprendizagem tanto no desenvolvimento quanto na
aplicação dessa ferramenta didática na esfera da Educação a Distância.
Palavras-chave: objetos de aprendizagem; softwares livres; educação a distância;
parâmetros de qualidade.
Referências bibliográficas
ALVES, Deive; AMORIM, Lóren; PEREIRA, Mariana e SOUSA JÚNIOR, Arlindo.
Produção Coletiva de Objetos de Aprendizagem: Construindo Relações
Trigonométricas. 2007. Disponível em: www.sbem.com.br/files/ix_enem/
Poster/.../PO00750127155T.doc (Acessado em 15/09/2009 as 15h07).
ALVES, Lynn e SOUZA, Antonio Carlos. Objetos digitais de aprendizagem:
tecnologia e educação. Em: Revista da FAEEBA. Salvador: Universidade do Estado
da Bahia (UNEB), Departamento de Educação I, 2005, jan/jun., v.14, n.23. pp 4150.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas, SP: Autores Associados,
1999.
BERNARDO, V. Educação a Distância: Fundamentos e Guia Metodológico.
UNIFESP Virtual, 2009. http://www.virtual.epm.br/home/resenha.htm. Acessado
em 29/08/2009 as 15h31
154
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
BOSELLI, Silvana. O professor, o processo educativo e as novas tecnologias.
Revista do Curso de Pedagogia. Brasília, 2002, jul./dez., v.1, n.1, p. 79-83.
CALIXTO, Aldeci. C. Nem tudo que cai na rede é peixe: saberes docentes e
possibilidades educativas na e da internet. (Dissertação de Mestrado em
Educação). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia/MG, 2003.
CARVALHO, Ana. Os Hipermédia em Contexto Educativo. Universidade do
Minho: Aveiro-Portugal, 1999.
CHAVES, E. Conceitos Básicos: Educação a Distância. EdutecNet: Rede de
Tecnologia na Educação, 1999. Disponível em: http://www.edutecnet.com.br/.
Acesso em 22/08/2009 as 13h47.
COSCARELLI, Crislaine. Objetos para aprender fazendo. Disponível em: http://
portal.webaula.com.br/noticia.aspx?sm=noticias&codnoticia=116. (acesso em:
25/08/2009 as 17h08).
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981, 10ª
edição.
LANDIM, C. Educação a distância: algumas considerações. Rio de Janeiro, 1997.
A Definição do que é um Objeto de Aprendizagem.
LEVY, Pierre. As tecnologias da inteligência - o futuro do pensamento na era da
informática. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.
____________. A inteligência coletiva - Para uma antropologia do ciberespaço.
Lisboa: Ed. Instituto Piaget, 1994.
___________. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
LÜDKE, Menga, e ANDRÉ, Marli E.D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens
qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
MATTAR, J.; VALENTE, C. Second Life e Web 2.0 na Educação: o potencial
revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec, 2007.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
155
MUZIO, J.; HEINS, T.; MUNDELL, R. Experiences with Reusable eLearning Objects:
From Theory to Practice. Victoria, Canadá. 2001.
NUNES, C. A. A. Objetos de Aprendizagem em Ação. Disponível em http://www.
moodle.ufba.br/mod/resource/view.php?id=1124 (acesso em 23/09/2009 as
13h23)
OKADA, Alexandra. Desafio para EAD: Como fazer emergir a colaboração e
cooperação em ambientes virtuais de aprendizagem? Em: SILVA, Marco (Org.).
Educação Online: Teorias, práticas, legislação e formação corporativa. Rio de
Janeiro: Loyola, 2003.
PAIS, L. C. Educação escolar e as tecnologias da informática. Belo Horizonte:
Autêntica, 2002.
PERETTI, André P. Pojava: Ambiente Virtual de Aprendizagem para a Web 2.0.
(Dissertação de Mestrado). Londrina/ Paraná: Universidade Norte do Paraná
(UNOPAR), 2008. Disponível em: http://www2.unopar.br/mestrado/teses_ead/
andre_prado_peretti.pdf.
PIMENTA, Pedro e BAPTISTA, Ana Alice. Das plataformas de E-learning aos objetos
de aprendizagem. Em: DIAS, Ana Augusta Silva e GOMES, Maria João. E-learning
para e-formadores. Minho, TecMinho, 2004, p. 97-109.
POLSANI, P. Use and Abuse of Reusable Learning Objects. Journal of Digital
Information. S.l., 2003, v.3, n.164, fev.
PRATA, Carmem, e NASCIMENTO, Anna Christina de A. N. (Org.). Objetos de
aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Brasília: MEC, SEED, 2007.
REIS, E. L. Objetos de Aprendizagem: Mídia na Educação. Em: VIII Encontro
Nacional de Pesquisa em Educação da Região Centro-Oeste, 2006, Cuiabá. Ética,
Educação e Democracia, 2006.
156
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
RODRIGUES, A. Produção Coletiva de Objeto de Aprendizagem: o Diálogo
na Universidade e na escola, 2006. (Dissertação de Mestrado em Educação)
Uberlândia: UFU/ Minas Gerais.
SÁ FILHO, Clovis S., O Computador Como Agente Transformador da Educação
e o Papel do Objeto de Aprendizagem. (Dissertação de Mestrado). Fortaleza:
Universidade Estadual do Ceará, 2004.
SANCHO, J. M. (Org.). Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artmed,
1998.
SILVA, M. G. M. Novos currículos e novas aprendizagens: a utilização de
objetos de aprendizagem como alternativa para a mudança curricular. (Tese de
Doutorado em Educação: Currículo). São Paulo: PUC-SP, 2004.
SIQUEIRA JR. Antônio Alves. A Implantação da Universidade Aberta do Brasil:
Propostas e Efetivação. (Monografia de Especialização). Brasília: Universidade de
Brasília, 2008.
TAROUCO, Liane M; KONRATH, Mary L; CARVALHO, Marie J; AVILA, Bárbara.
Formação de professores para produção e uso de objetos de aprendizagem.
Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre/RS, Brasil, 2006, v. 4, n. 1,
p. 1-10.
WICKERT, Maria Lucia Scarpini. O Futuro da Educação a Distância no Brasil.
Palestra apresentada na Mesa Redonda “O Futuro da Educação a Distância
no Brasil”, promovida pelo Centro de Educação Aberta, Continuada / CEAD,
da Universidade de Brasília, em 05/04/99. Disponível online na biblioteca do
curso de pós-graduação em Educação a Distância do CEAD/UnB: http://posead.
universidadevirtual.br. Acesso em 24/08/2008.
WILEY, David A. The Instructional Use of Learning Objects. Agency for Instructional
Technology, 2000.
_______. Conecting learning objects to instructional theory: A definition, a
methaphor and a taxonomy. The Instructional Use of Learning Objets. Agency
for Instructional Technology, 2002.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
157
Sites visitados
CONTEUDOS EDUCACIONAIS. Disponível em: http://www.conteudoseducacionais.com.br/(acesso em 15/09/2009 às 16h31).
LABIRT.Disponível em: http://www.labvirt.fe.usp.br/ (acesso em 11/09/2009 as
17h44)
PORTAL DO PROFESSOR. Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/
index.html (acesso em 15/09/2009 às 16h25)
RIVED. Disponível em: http://rived.mec.gov.br/fac.php (acesso em 08/09/2009
às 20h33)
SLIDESHARE. Disponível em: http://www.slideshare.net/edineileandro/objetosde-aprendizagem-breve-histrico-caractersticas-e-alguns-aspectos-tcnicos-edidticopedaggicos (acessado em 23/09/2009 as 10h27)
MERLOT. Disponível em: http://www.merlot.org (acesso em 15/09/2009 as
16h21)
WIKIPEDIA.
Disponível
em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Objeto_de_
aprendizagem (acesso em 25/08/2009 às 11h33)
•••
158
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 30
Perfil do Aluno online: contribuições para
implantação da modalidade de Educação a
Distância na Escola de Governo do Distrito
Federal
Autora: Simone Alves Fernandes 31
Professora Orientadora: Leda Maria Rangearo Fiorentini
Resumo
O objetivo da pesquisa foi conhecer os elementos que caracterizam o aluno
a distância de modo a traçar um perfil que permita orientar o trabalho de
implantação da modalidade a distância na Escola de Governo do Distrito Federal.
A revisão bibliográfica permitiu levantar informações e identificar estudos e
práticas sobre o perfil do aluno a distância e os aspectos da aprendizagem do
aluno adulto sob a ótica da Andragogia. Como estratégias de pesquisa foram
utilizadas as técnicas de análise documental, entrevista e questionário. A análise
dos dados coletados demonstrou que a amostra pesquisada não dispõe de
todas as características do perfil do aluno virtual, mas que esse fato também
não impede a implantação da modalidade. Também ficou claro que a Educação
a Distância já faz parte da estrutura de diversos órgãos públicos brasileiros, o que
indica que a EGov está no caminho certo para a capacitação e desenvolvimento
dos servidores do Distrito Federal.
31
Bacharel em Administração pela Universidade Católica de Brasília - UCB. Especialista em Educação Continuada
e a Distância pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental da
Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
159
Palavras-chave: ensino a distância; perfil do aluno; andragogia; órgãos públicos;
escola de governo.
Referências bibliográficas
ALMEIDA, Maria Elizabeth B. Salto para o Futuro: TV e Informática na Educação.
Secretaria de Educação a Distância. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto,
SEED, 1998.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância mais aprendizagem aberta.
Campinas: Ed. Autores Associados. 1999.
CARDOSO, Isa Mara. Andragogia em ambientes virtuais de aprendizagem.
(Dissertação de Mestrado). Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de
Minas Gerais- Programa de Pós-Graduação em Educação, 2006.
CHAVES FILHO, Hélio. Educação a distância em organizações públicas; mesaredonda de pesquisa-ação. Brasília: ENAP, 2006.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa.
São Paulo: Ed. Paz e Terra. 1996.
GARCIA ARETIO, L. Educación superior a distancia. Análisis de su eficacia.
Badajoz: UNED-Mérida, 1986, 230 p.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002,
4ª edição.
GODOY, Arilda S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de
Administração de Empresas. Rio de Janeiro, 1995, v.35, abr/mai, n.2, p.57-63.
KNOWLES, Malcolm S.; HOLTON, Elwood F.; SWANSON, Richard A. The
adult learner: the definitive classic in adult education and human resource
development. Woburn: Butterworth-Heinemann, 1998, 5ª edição.
LAASER, W. Manual de criação e elaboração de materiais par educação a
distância. Brasília: CEAD-Editora da UnB, 1997.
160
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de A. Fundamentos de Metodologia
Científica. São Paulo: Atlas, 1991, 3ª Edição.
LOBO, Neto Francisco José da Silveira. Educação a distancia e novas tecnologias.
Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, ABT, 1995, mar./jun., v. 22, n. 123/124, p.
13– 16.
LOPES, Maria de Jesus. La educación a distancia no Futuro. In: I Congresso Galego
de Ensinanza a Distancia. Madri, 24/25 set. 1992 (mimeo).
MATTA, Alfredo Eurico Rodríguez. Ambientes pedagógicos informatizados para
as Comunidades EaD. Disponível em <http://www.matta.pro.br/prod_ead.
html> . Acesso em 21/08/2009.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e
criatividade. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 1999, 13ª edição.
MOODLE BRASIL: Guia do aluno Online. Abril 2008. Disponível em: <http://www.
modlebrasil.net> . Acessado em 03/09/2009.
MOORE, Michael, Kearsley, Greg. Educação a Distância: uma visão integrada.
São Paulo: Cengage Learning, 2008.
MORAN, José Manuel. Os modelos educacionais na aprendizagem on-line.
Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/modelos.htm . Acesso em
12/09/2009.
MUSSOI, Eunice (Org.). O Aluno Virtual: Uma Oficina Como Experiência de
Aprendizagem Semi-Presencial. RENOTE- Revista Novas Tecnologias na Educação
CINTED-UFRGS. Volume 7, Nº 1, julho 2009. Disponível em: http://www.cinted.
ufrgs.br/renote/jul2009/artigos/11b_eunice.pdf. Acesso em 15/08/09.
NASCIMENTO, Tarcilena Polisseni Cotta. Educação sem distância: oportunidade
para maior profissionalização do servidor público. XI Congreso Internacional del
CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Ciudad de
Guatemala, 7 - 10 Nov., 2006.
NUNES, I. B. Instituto Nacional de Educação a Distância. Revista Educação a
Distância, no 5, Brasília: Abril, 1994.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
161
PALLOF, Renna M.e PRATT, Keith, tradução Vinícius Figueira. O aluno virtual: um
guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2004.
PETERS, Otto. A educação a distância em transição: tendências e desafios.
Tradução de Leila Ferreira de Souza Mendes. São Leopoldo/RS: Ed. Unisinos,
2004.
PEREIRA, Eva W. Expansão e diversidade. Em: Formação de professores a
distância: experiências brasileiras. Lisboa: Universidade Aberta de Portugal.
(Tese de Doutorado). 2002.
PRETI, Oresti (Organizador). Educação a distância: sobre discursos e práticas.
Brasília: Liber Livro Editora, 2005.
TEIXEIRA, Gilberto. Andragogia: A aprendizagem nos adultos. Disponível em:
<http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/>. Acesso em 5/9/2009.
Sites Visitados
ESCOLA DE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL: <http://www.escoladegoverno.
seplag.df.gov.br>>. Acessado em 12/06/2009.
ESCOLA DE GOVERNO DO PARANÁ: <http://www.escoladegoverno.pr.gov.br/>>.
Acessado em 12/08/09.
ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: <http://www.enap.gov.br>>.
Acessado em 05/08/2009.
PORTAL DOMÍNIO PÚBLICO: <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/>
acessado em 17/09/2009.
REDE NACIONAL DE ESCOLAS DE GOVERNO REDE: <http://www2.enap.gov.br/
rede_escolas/>. Acessado em 06/08/2009.
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA: <http://www.sect.df.gov.
br>>. Acessado em 09/09/2009.
•••
162
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 31
Práticas Pedagógicas na UAB/UnB – uma leitura
a partir da pedagogia Freinet
Autora: Cleonice Pereira do Nascimento Bittencourt 32
Professor Orientador: Rogério de Andrade Córdova
Resumo
Este trabalho tem por objetivo analisar à luz da Pedagogia Freinet especificamente
os princípios de cooperação, afetividade, livre expressão, comunicação e trabalho
na oferta de uma disciplina do curso de Pedagogia da UAB UnB. Para análise da
disciplina optei ou se optou por utilizar a observação participante onde analisei
ou foram analisados os documentos da disciplina como: diário de bordo, registros
online, e outros. Portanto, no Primeiro Capítulo, apresento ou é apresentado a
Educação a distância abordando seu histórico e aspectos legais desde as primeiras
manifestações da EAD até o presente momento, com a Universidade Aberta do
Brasil. No segundo capítulo, apresento ou é apresentado a Pedagogia Freinet
expondo/ relatando um pouco sobre a respeito da/ a sua pedagogia, princípios
e invariantes pedagógicas. No terceiro capítulo, apresento/ é apresentado
a Disciplina Projeto II, escolhida por se tratar de uma proposta de trabalho
preconizada a partir dos princípios da Pedagogia Freinet. Concluí/Conclui-se a
partir da análise da disciplina que ao planejar e acompanhar uma disciplina num
32
Pedagoga e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília UnB. Tutora a distância do Curso de Pedagogia da UAB/Universidade de Brasília.
E-mail: [email protected]
163
Ambiente Virtual (AVA) é possível aplicar princípios da Pedagogia Freinet como:
cooperação, comunicação, livre expressão, afetividade, documentação, trabalho,
construção social do conhecimento. Um Ambiente Virtual de Aprendizagem
permite a utilização de diversas ferramentas oferecendo ao Professor condições
para aplicar os princípios da Pedagogia Freinet.
Palavras-chave: pedagogia; princípios; colaboração.
Referências bibliográficas
BRASIL. MINISTÉRIO da Educação. Universidade Aberta do Brasil. Disponível em:
<www.uab.mec.gov.br>. Acesso em: 30 agosto. 2009.
BALTEZAN, Flávia. Pesquisa Participante. Blog Trocando idéias sobre educação.
Disponível em: http://www.ghad.com.br/materias/MetodologiaPesquisaSocial.
htm. Acesso em out.2002.
ELIAS, Marisa Del Cioppo. Célestin Freinet: uma pedagogia da atividade e
cooperação. Petrópolis: Vozes, 1997.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.
São Paulo: Paz e Terra, 2000, 15ª ed.
_______. A Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
2001.
FREINET, Élise. O Itinerário de Celéstin Freinet: a livre expressão na Pedagogia
Freinet. Trad. Priscila de Siqueira. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves editora,
1979.
HARASIM, L. Teles M, TUROFF, Sr Hiltz. Redes de aprendizagem: um guia para
MEDEIROS, Marilú Fontoura; FARIA, Elaine Turk (Org.). Educação a Distância:
cartografias pulsantes em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.
MEHLECKE, Q. T. C.; TAROUCO, L. M. Ambientes de Suporte para Educação a
Distância: a mediação para aprendizagem cooperativa. Revista Novas Tecnologias
164
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
na Educação, v.1, n.1, fev., 2003. Disponível em: http://www.ebah.com.br/
educacao-a-distancia-ppt-a48898.html
MORAN, J. M. Ensino e Aprendizagem Inovadores com Tecnologia. Informática
na Educação: Teoria & Prática.. v. 3, setembro, 2000, p. 137-144. Porto Alegre:
UFRGS/PPGIE-Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação.
_________. José Manuel; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e
Mediação Pedagógica. Campinas: Papirus, 2003, 7ª ed.
NETO, A. S. Comunicação e interação em ambientes de aprendizagem presenciais
e virtuais no Ciberespaço: Estratégias eficientes para a sala de aula on-line.
2004. Disponível em: <http://fgsnet.nova.edu/cread2/creadarticlesearch/>.
Porto Alegre:
PALLOF, Rena M., PRATT, Keith. Construindo Comunidades de Aprendizagem.
Porto Alegre: Artmed, 2006.
ZUIN, Antonio A. S. Educação a distância ou educação distante? O Programa
Universidade Aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade,
Campinas/SP, 2002, v. 27, n. 1, p. 935-955.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
165
CAPÍTULO 32
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Projeto de Implantação do Curso de Fundamentos
da Arquivologia a Distância para o Secretariado
Escolar da Rede Pública de Ensino do Distrito
Federal
Autora: Cristina Gualberto Cardoso33
Professora Orientadora: Larissa Medeiros Marinho dos Santos
Resumo
Diante dos conhecimentos da área de História e Arquivologia, e a realidade
encontrada nas secretarias escolares da Secretaria de Estado de Educação
do DF – SEEDF vislumbra-se a ideia de elaborar um Curso de Fundamentos da
Arquivologia para o Secretariado Escolar da Rede Pública de Ensino do Distrito
Federal com o objetivo de fornecer uma base teórica a esses servidores para
que eles sejam capazes de analisar sua própria realidade funcional, exercer
de maneira eficaz suas tarefas e, com isso, garantir o direito dos cidadãos à
informação e à memória. Essa ideia passou a ser tema de projeto para conclusão
desta especialização. Considerando as 622 (seiscentos e vinte e duas) escolas que
compõem a Rede Pública do Distrito Federal, muitas urbanas e algumas rurais e
tendo a SEEDF além de uma Escola de Aperfeiçoamento - EAPE, que oferece cursos
presenciais e a distância bem como uma rede de computadores interligados pela
internet à disposição de seus servidores, tal curso foi pensado para alcançar
166
33
Graduada em História e Arquivologia e Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de
Brasília - UnB. Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal. E-mail: [email protected]
todas as escolas e seus secretários escolares, para ser disponibilizado em um
ambiente de aprendizagem virtual, o que possibilitaria a flexibilidade de horário,
a troca de experiências e a familiarização com as novas tecnologias, bem como
aproveitaria os recursos que já se encontram franqueados pela própria SEEDF.
Para finalizar este projeto foram elucidados os seguintes itens: a abordagem
teórica e pedagógica e a metodologia que envolve os conceitos de Educação a
distância; Construtivismo e Arquivologia; histórico e contexto da organização a
ser atendida, a SEEDF; planejamento dos módulos e protótipo de aula. À guisa de
conclusão, este trabalho sugere um projeto de curso na modalidade a distância
para ser ofertado aos secretários das escolas visando capacitá-los para melhor
tratar os arquivos escolares de suas unidades.
Palavras-chave: educação a distância; ambiente de aprendizagem virtual;
arquivologia, secretariado escolar; arquivo escolar.
Referências bibliográficas
AIRES, Carmenísia Jacobina e LOPES, Ruth Gonçalves de Faria. Gestão na
Educação a Distância. Disponível em <http://uab.unb.br/moodle/file.php/267/
Textos_Basicos_de_Gestao
_de_Sistemas_de_EAD/Gestao_na_Educacao_a_
Distancia.pdf.>. Acesso em 18 de agosto de 2009.
ALONSO, Vicente Cortés. Integración de las tres edades: corriente, intermédia y
permanente. Arquivo Rio Claro, São Paulo, v. 8, nº 1, p. 4-16, jan. 1989.
ARELLANO, Miguel Angel. Preservação de documentos digitais. Em: Ciência da
Informação, Brasília, v. 33, n. 02, p. 15-27.
ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Armazenagem e manuseio. Editado por Sherelyn
Ogden. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001. (Projeto Conservação Preventiva
em Bibliotecas e Arquivos)
ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Conselho Nacional de Arquivos. Classificação,
temporalidade e destinação de documentos de arquivo relativos às atividadesmeio da administração pública. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
167
BECKER, Fernando. O que é construtivismo? Em: Série Idéias n. 20. São Paulo: FDE,
1994. Disponível em <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/dea_a.php?t=011>.
Acesso em 13 de agosto de 2009.
BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. Campinas, SP: Autores Associados,
2001.
________. Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. Em: Educação &
Sociedade, ano XXIII, nº 78, Abril/2002.
BELLOTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes. Tratamento documental. Rio
de Janeiro: Editora FGV, 2004.
________. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento
de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado, 2002.
BERNARDES, Ieda Pimenta. Como avaliar documentos de arquivo. São Paulo:
Arquivo do Estado, 1998.
BERTOLETTI, Esther Caldas. Como fazer programas de reprodução de documentos
de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado, 2002.
BITTENCOURT, Paola Rodrigues e VIEIRA, Thiago de Oliveira. Perspectivas da
Graduação em Arquivologia na modalidade educacional a distância no Brasil.
Disponível em <http://www.asocarchi.cl /DOCS/105.PDF>. Acesso em 03 de
setembro de 2009.
BLOG DA ACERVO. ORGANIZAÇÃO E GUARDA DE DOCUMENTOS. Disponível em
<http://blog.acervo.com.br>. Acesso em 30 de julho de 2009.
BRASIL, Ministério da Saúde. Sistema integrado de protocolo e arquivo: curso
básico de protocolo (SIPAR). Brasília: Ministério da Saúde, 2003.
_______. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Cuidando de livros e documentos.
Brasília: Superior Tribunal de Justiça, Laboratório de Conservação e Restauração
de Documentos, 2004.
168
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
_______. ARQUIVO NACIONAL. Manual de Conservação de Documentos /
coordenação Ingrid Beck. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1985.
_______. ARQUIVO NACIONAL. Legislação Arquivística Brasileira. Rio de Janeiro:
Arquivo Nacional, 2008.
CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO, Heloísa Liberalli (Coord.).
Dicionário de terminologia arquivística. São Paulo: Associação dos Arquivistas
Brasileiros – Núcleo Regional de São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1996.
CANADÁ. ARQUIVO PÚBLICO. Departamento de Administração de Arquivos
Correntes. Arquivos correntes: organização e funcionamento. Rio de Janeiro:
Arquivo Nacional, 1975.
CARBONE, Pedro Paulo. Cultura organizacional do setor público brasileiro:
desenvolvendo uma metodologia de gerenciamento da cultura. Revista da
Administração Pública. 34(2): 133-144, mar./abr. 2000.
CARRAHER, David W. Senso crítico: do dia-a-dia às ciências humanas. São Paulo:
Pioneira, 1997.
CEARQ – CENTRO DE ESTUDOS ARQUIVÍSTICOS. SITE. Disponível em <http://
www.cearq.com.br>. Acesso em 11 de março de 2009.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. Rio de
Janeiro: Campus, 2000.
CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVO – SITE. Disponível em <http://www.conarq.
arquivonacional.gov.br>. Acessado em 30 de julho de 2009.
CORRÊA, Juliane. O cenário atual da educação a distância. Em: Curso de
especialização a distância. SENAC. E-Book. Rio de Janeiro: Editora Senac Nacional,
2005. CD-ROM. Disponível em <http://www.filologia.org.br/viiifelin/19.htm>.
Acesso em 30 de julho de 2009.
CORRÊA, Juliane. Sociedade de informação, globalização e educação a distância.
Em: Curso de especialização a distância. SENAC. E-Book. Rio de Janeiro: Editora
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
169
Senac Nacional, 2005. CD-ROM. Disponível em <http://www.filologia.org.br/
viiifelin/19.htm>. Acesso em 30 de julho de 2009.
COSTA, Marli Guedes. Documentação, informação e patrimônio: confluências e
antinomias. Cenário Arquivístico. Brasília, v. 2, nº 1, p. 36-42. jan./jul. 2003.
CUNHA, Isabel M. R. Ferin. Análise Documentária. Em: Análise. Documentária: a
análise da síntese. Coord. Johanna W, Smit. Brasília: IBICT, 1987.
DOURADO, Gustavo. 43 anos de Educação no Distrito Federal. Breve Memória
da Educação Brasiliense. s/d. Disponível em <http://www.gustavodourado.com.
br/43anosdeeducacaonodf. htm>. Acesso em 30 de julho de 2009.
ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ – SITE. Disponível em <http://
www.cursos.escoladegoverno.pr.gov.br>. Acessado em 30 de julho de 2009.
FACULDADE ÁVILA – SITE. Disponível em <http://www.avilapos.com.br/gestao
Arquivos.php>. Acesso em 11 de agosto de 2009.
FONSECA, Maria Odila Karl. Arquivologia e ciência da informação. Rio de Janeiro:
Editora FGV, 2005.
GESTÃO EM ARQUIVOS. PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO. Disponível em
<http://coralx.ufsm.br/ead/uab_pos-graduacao09_gestao_arquivos.php>.
Acesso em 30 de julho de 2009.
GOMES, Carmenísia Aires e LOPES, Ruth G. Faria. Módulo III, Tópico 2, do IV
Curso de Especialização em Educação Continua e a Distância. Brasília: Faculdade
de Educação / Universidade Aberta do Brasil, 2008.
GONÇALVES, Janice. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São
Paulo: Arquivo do Estado, 1998.
GRAEML, Alexandre Reis. Sistema de informação: o alinhamento da estratégia
de TI com a estratégia corporativa. São Paulo: Atlas, 2003.
170
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
HOHLFELDT, Antonio, MARTINO, Luiz C., e FRANÇA, Vera Veiga (Org.). Teorias da
comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.
JARDIM, José Maria. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da
informação. Brasília, 1996, v. 25, nº 2, mai./ago., p. 209-216.
JARDIM, José Maria. Do pré-arquivo à gestão de documentos. Acervo. Revista do
Arquivo Nacional. Rio de Janeiro, v. 3, nº 2, p. 33-36. jul./dez. 1988.
JARDIM, José Maria. O conceito e a prática da gestão de documentos. Acervo.
Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro, 1987, v. 2, nº 2, jul./ dez., p. 36-42.
JARDIM. José Maria; FONSECA, Maria Odila. Arquivos. Em: CAMPELLO, Bernadete
Santos (org.). Formas e expressões do conhecimento: introdução às fontes de
informação. Belo Horizonte: Escola de Biblioteconomia da UFMG, 1998, p. 367389.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.
LOPES, Luis Carlos. A informação e os arquivos: teorias e práticas. Niterói: EDUFF
/ São Carlos: EDUFSCar, 1996.
LOPES. Luis Carlos. A imagem e a sombra da arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo
Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.
LOPEZ, André Porto Ancona. Como descrever documentos de arquivo: elaboração
de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do
Estado, 2002.
MAIA, Carmem (Org.). EAD. BR: experiências inovadoras em educação a
distância no Brasil: reflexões atuais, em tempo real. São Paulo: Editora Anhembi
Morumbi, 2003.
MACHADO, Helena Corrêa; CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Como implantar
arquivos públicos municipais. São Paulo: Arquivo do Estado, 1999.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
171
______. Roteiro para implantação de arquivos municipais. São Paulo: Secretaria
de Estado da Cultura/ Departamento de Museus e Arquivos, Porto Calendário,
1996.
MARTINS, Luciano. Reforma da administração pública e cultura no Brasil: uma
visão geral. Cadernos ENAP, n. 08, 1997.
MEDEIROS, Ruy Hermann Araújo. Arquivos escolares – Breve introdução a seu
conhecimento. Disponível em <http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/
artigos _frames/artigo_096.html>. Acesso em 10 de novembro de 2009.
WIKIPEDIA. Verbete MOODLE. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/
Moodle>. Acesso em 18 de agosto de 2009.
MOORE, Michael G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo:
Thomson Learning, 2007.
MORAES, Raquel. Números sobre a educação a distância no país. Em: Gestão
C&T, 834. 2009. Disponível em <http://uab.unb.br/mod/forum/discuss.
php?d=46992>. Acesso em 30 de julho de 2009. 65
MUZINATTI, Clausia Mara Antoneli. Mundo moodle: conhecimento em
construção. Em: Redemoinhos. Informativo da cidade do conhecimento,
2005. Disponível em <http://aprender.rosana.unesp.br/mod/resource/view.
php?id=254>. Acesso em 18 de agosto de 2009.
ASSIS, Machado de. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, V.III, 1994.
Publicado originalmente em O Espelho, Rio de Janeiro, 23/10/1859.
OLIVEIRA, Eliane Braga de, et al. Proposta de reforma curricular do Curso de
Arquivologia da UnB. Cenário Arquivístico. Brasília, v.1, nº 1, p. 40-46. jan./jun.
2002.
PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.
PALLOFF, Rena M.; PRATT, Keith. O aluno virtual: um guia pra trabalhar com
estudantes on-line. Tradução de Vinícius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2004.
172
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
PEREIRA, Eva Waisros & MORAES, Raquel de Almeida. História da educação a
distância e os desafios na formação de professores no Brasil. Em: SOUZA, A.M.;
FIORENTINI, L.M.R. e RODRIGUES, M.A.M. (Org.). Educação superior a distância:
Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em rede (CTAR). Brasília: Universidade
de Brasília, Faculdade de Educação, 2009, pp. 65-89.
PRETI, Oreste. Educação a distância e globalização: desafios e tendências. In:
Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília: INEP, 1996, v. 79, n. 191, Jan/
abr, p. 19-30.
REZENDE, Ana Paula; SOUZA, Regina Coeli Hosken de Souza. Em defesa da gestão
dos arquivos públicos municipais em tempos de globalização. Em: Jus Navigandi,
nº 47. Disponível em <http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=489>.
Acesso em 05 de agosto de 2009.
RODRIGUES, Rosângela Schwarz. Aprender com tecnologias, 1998. Disponível
em <http://www.centrorefeducacional.com.br/eadconfun.htm>. Acesso em 10
de novembro de 2009.
ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina
arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1900.
RUMBLE, Greville. A gestão dos sistemas de ensino a distância. Tradução de
Marília Fonseca. Brasília: Editora Universidade de Brasília/ UNESCO, 2003.
SANTOS, Vanderlei B. A gestão de documentos eletrônicos sob a óptica
arquivística. (Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação). Brasília: CID/
UNB, 2001.
SANTOS, Vanderlei Batista de. Arquivos institucionais como unidade de
informação: uma questão de marketing? Cenário Arquivístico. Brasília, 2003, v.2,
nº 2, jul./dez., p. 33-47.
SCHELLENBERG, Theodore R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. Rio de
Janeiro: Editora FGV, 2002.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
173
SEPLAG/GDF. Edital do Concurso SEPLAG/GDF. Disponível em <http://www.cespe.
unb.br/concursos/seplag_educacao2009/arquivos/ed_normativo_1_2009_
seplag_educao.pdf>. Acesso em 30 de julho de 2009.
SERIPIERRI, Dione et al. Manual de Conservação Preventiva de Documentos:
Papel e Filme / texto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.
SILVA, Marco (Org.). Educação online. São Paulo: Edições Loyola, 2003.
SOUZA, Marcello Cabral. Noções sobre biodeteriorização em acervos
bibliográficos e documentais. Brasília: Superior Tribunal de Justiça-Laboratório
de Conservação e Restauração de Documentos, 2003.
TARAPANOFF, Kira. Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 2001.
UNIVERSIDADE CORPORATIVA ELETRONORTE. O que é Educação a Distância
[trecho selecionado: definição de educação a distância de José Luís García
LHAMAS, da UNED/Espanha]. Brasília: Universidade Corporativa Eletronorte
(UCEL), 1986. Disponível em: <http://ucel.eln.gov.br/portal/oqueEad.php>.
Acesso em 10 de novembro de 2009.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL – SITE. Disponível em <http://
www.sead.furg.br/course/category.php?id=85>. Acessado em 11 de agosto de
2009.
VESTCON – SITE. Disponível em <http://www.vestcon.com.br/curso/nocoestecnicas-arquivo.aspx>. Acesso em 11 de março de 2009.
WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes,
2003.
ZACHARIAS, Vera Lúcia Camara. Paulo Freire e a Educação. Centro de Referência
Educacional. Consultoria e Assessoria em Educação. Disponível em <http://www.
centrorefeducacional.com.br /paulo1.html>. Acesso em 10 de novembro de
2009.
•••
174
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 33
Projeto Piloto para a criação da disciplina de
Fundamentos de Microinformática utilizando o
Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle
Autor: Ricardo Monção de Souza34
Professora Orientadora: Teresa Cristina Siqueira Cerqueira
Resumo
A disciplina fundamentos de microinformática é essencial para o conhecimento
do funcionamento do computador, sendo integrante tradicional da grande
maioria dos cursos presenciais de informática. A educação presencial e,
principalmente, a educação a distância (EaD) utilizam-se de múltiplos recursos
tecnológicos como meios de transmissão do conhecimento, sendo que, na EaD,
o domínio desses recursos é de suma importância para o bom desempenho dos
alunos nos cursos. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará
(IFPA) oferta anualmente aproximadamente 4400 vagas de cursos a distância, nas
mais diversas áreas de conhecimento, do ensino técnico a pós-graduação. Esse
projeto objetiva introduzir a referida disciplina em todos os cursos a distância
ofertados pelo IFPA para que os alunos tenham conhecimento do funcionamento
do computador e assim possam ter um melhor aproveitamento dos recursos
tecnológicos e consequentemente melhor desempenho nos cursos.
Palavras-Chaves: microinformática; Moodle; ambiente virtual de aprendizagem.
34
Médico pela Universidade do Estado do Pará – UEPA. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela
Universidade de Brasília – UnB. Professor efetivo do Instituto Federal do Pará – IFPA.
E-mail: [email protected]
175
Referências bibliográficas
ABREU, Maria Rosa e TELES, Lúcio. Tecnologias Interativas na Aprendizagem. Em:
SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI, Leda Maria Rangearo Erodrigues,
Maria Alexandra Militão (Orgs.). Educação Superior a Distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação /
Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil, 2009, p. 169 - 201.
ALFEROV, Zhores I.; KROEMER, Herbert ; KILBY, Jack S. The Nobel Prize in Physics
2000. The Nobel Prize in Physics 2000. Disponível em: http://nobelprize.org/
nobel_prizes/physics/laureates/2000/press.html.
BELLONI, Maria Luiza. Ensaio sobre a Educação a Distância no Brasil. Campinas :
s.n., Abril de 2002, Educação e Sociedade, Vol. 23. ISSN 0101-7330.
CASSIANI, Silvia Helena De Bortoli, et al. Desenvolvimento de um curso on-line
sobre o tema administração de medicamentos. Revista da Escola de Enfermagem
da USP. São Paulo: s./n., 2003, Vol. 37(3), pp. 44-53.
CARVALHO, Ana Beatriz Gomes. Os Múltiplos Papéis do Professor em Educação
a Distância: Uma Abordagem Centrada na Aprendizagem, 2007. Disponível em:
http://anabeatrizgomes.pro.br/moodle/file.php/1/ARTIGOEPPEN.pdf.
COELHO, Maria de Lourdes. A Evasão nos cursos de formação continuada de
professores universitários na modalidade de educação a distância via internet.
Associação Brasileira de Educação a Distância(ABED). Disponível em: http://
www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=10.
GOLDSTINE, Herman e GOLDSTINE, Adele. The Origins of Digital Computers:
Selected Papers. New York : Springer-Verlag, 1982, pp. 359-373.
IUB. Disponível em: http://www.institutouniversal.com.br/historia.asp?IUB.
METROPOLIS, J. HOWLETT, Gian-Carlo Rota, (editors), A History of Computing in
the Twentieth Century. Academic Press, New York, 1980, pp. 525-540). Disponível
em: http://maps.thefullwiki.org/ENIAC.
176
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
MINCER, Jacob. Human Capital and Economic Growth. Cambridge, MA, EUA :
s.n., 1981.
OLIVEIRA, Eymard Francisco Brito de; AZEVEDO, João Luiz Moreira Coutinho;
AZEVEDO, Otávio Cansanção de. Eficácia de um simulador multimídia no ensino
de técnicas básicas de videocirurgia para alunos do curso de graduação em
medicina. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgia, 2007, Vol. 34(4), pp. 251-256.
PEREIRA, Eva Waisros e MORAES, Raquel de Almeida. História da educação
a distância e os desafios na formação de professores no Brasil. Em: SOUZA,
Amaralina Miranda de; FIORENTINI, Leda Maria Rangearo Erodrigues, Maria
Alexandra Militão (Org.). Educação Superior a Distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação /
Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil, 2009, p. 65 - 89.
__________. A educação a distância e os desafios na formação de professores
no Brasil: breves apontamentos. A página da Educação. [Online] http://www.
apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=6543.
PRICE, Robert W. Roadmap to entrepreneurial success: powerful strategies for
building a high . s.l. : AMACOM , 2004. 9780814471906.
RIBEIRO, Maria Andréia Silva e LOPES, Maria Helena Baena de Moraes.
Desenvolvimento, Aplicação e Avaliação de um curso sobre Tratamento de
Feridas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2006, Vol. 14, janeirofevereiro, pp. 77-84.
RIGOTTO, Márcia Elisa e SOUZA, Nali de Jesus de. Evolução da Educação no Brasil,
1970-2003. Porto Alegre: Análise, ago/dez., 2005, Vol. 16, pp. 339-358.
SANCHES, Luiz Miguel Picelli e LOPES, Maria Helena Baena de Moraes. Educação
a distância sobre cardioversão e desfibrilação para enfermeiros. Revista Brasileira
de Enfermagem, 2008, Vol. 61(5), pp. 583-8.
TAYLOR, Professor James C. Fifth Generation Distance Education. Queensland Australia : s.n., 2001.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
177
TURKISH ONLINE JOURNAL OF DISTANCE EDUCATION, Examining the Factors
Affecting Student Dropout in an Online Certificate Program. Julho de 2006, Vol.
7. 6. Disponível em: http://www.doaj.org/doaj?func=openurl&genre=journal ou
http://www.doaj.org/doaj?func=openurl&genre=journal&issn=13026488.
VASCONCELOS, Sérgio Paulo Gomes de. Educação a distância: histórico e
perspectivas. Disponível em: http://www.filologia.org.br/viiifelin/19.htm.
WIKIPEDIA. Educação. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/educação.
_______. Educação a distancia. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/
educação a distância.
_______. Tipografia. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tipografia.
_______. Cronologia das comunicações. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/
wiki/Cronologia_das_telecomunicações.
_______. Rádio. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Radio.
_______. Televisão.
Televis%C3%A3o.
Disponível
em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/
_______. Internet. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Internet.
_______. Minerva. Disponível em:
Minerva.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Projeto_
_______. Phillipe. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Philippe_Dreyfus.
Citado em: 22 de Setembro de 2009
_______. Informatique. Disponível em: http://fr.wikipedia.org/wiki/
Informatique. Citado em: 22 de setembro de 2009.
_______. Informática. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/
Inform%C3%A1tica. Citado em: 22 de Setembro de 2009.
178
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
_______. Informatics. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Informatics.
Citado em: 22 de Setembro de 2009.
_______. Transistor. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Transistor.
_______. Arpanet. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/ARPANET.
_______. TBL. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tim_Berners-Lee.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
179
CAPÍTULO 34
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Projetos de Aplicação: Oficinas de Audiovisual:
(Des) Construindo Narrativas Televisivas
Autora: Rosilda Moreira Alves35
Professora Orientadora: Laura Maria Coutinho
Resumo
O Projeto de Aplicação aqui desenvolvido parte de uma Oficina de Audiovisual
que eu elaborei e coordenei com a professora Ericler Gutierrez no Canal E,
núcleo da Gerência de Tecnologias Educacionais, órgão da Secretaria de Estado
e Educação do DF. A Oficina se destinou a alunos do Ensino Fundamental, que
puderam aprender sobre a rotina de trabalho dos diferentes setores do Canal E,
sobre enquadramentos, planos, roteiro etc, vivenciando, na prática, a elaboração
de um audiovisual. Por questões relacionadas a tempo, espaço e equipamentos,
que dificultam atender às demandas de outras escolas por Oficina de Audiovisual
e considerando minha experiência como tutora, supervisora e aluna do Curso de
Especialização em Educação Continuada e a Distância da UnB, resolvi elaborar
uma proposta de curso, ou seja, uma Oficina de Audiovisual a Distância para
professores da Secretaria de Estado e Educação do DF. A escolha do público-alvo
se deu em razão de cursos a distância serem voltados para adultos, pois requerem
autonomia, responsabilidade e disciplina e por acreditar que o professor, em
180
35
Graduada em Comunicação Social-Jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba. Mestre em Letras pela
Universidade Federal da Paraíba. Professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal.
E-mail: [email protected]
princípio, tem mais possibilidades de multiplicar seu conhecimento a um maior
número de alunos.
Palavras-chave: aluno; educação a distância; oficina de audiovisual; professor.
Referências bibliográficas
ALVES, Rosilda. Sujeito, autoria e estratégias discursivas nas “Cartas do Leitor”’:
interfaces da comunicação e linguagem (Dissertação de Mestrado). Recife:
UFPB, 2004.
BACELLAR, Luciane & BISTANE, Luciana. Jornalismo de TV. São Paulo: Contexto,
2005.
CAPARELLI, Sérgio & LIMA, Venício. Comunicação e Televisão – Desafios da PósGlobalização. São Paulo: Hacker, 2004.
COMO PRODUZIR AUDIOVISUAL. TV ESCOLA. Série: TV na Escola e os Desafios de
Hoje – módulo III. Videoteca: Vídeos Educativos e Documentários, GTEC/SEDF.
COMPARATO, Doc. Roteiro: Arte e Técnica para Escrever para Cinema e Televisão.
Rio de janeiro: Editora Nórdica, 1983.
FISCHER, Rosa Maria Bueno. Televisão e Educação – Fruir e Pensar a TV. Belo
Horizonte: Autêntica, 2001.
FOUCALT, Michel. A ordem do discurso - Aula inaugural no College de France. São
Paulo: Edições Loyola, 2004.
GARCEZ, Lucília. A Leitura da Imagem. Em: Tecnologias audiovisuais: TV e
Vídeo na Escola. <http://www.slideshare.net/servimagem/livro-integrao-dastecnologias-na-educao-tecnologias-audiovisuais-tv-e-vdeo-na-escola> Acesso
em 20 agosto de 2009.
KYRILLOS, Leny et alli. Voz e Corpo na TV – A Fonoaudiologia a serviço da
Comunicação. São Paulo: Globo, 2003.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
181
MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens: Uma História de Amor e Ódio. São Paulo:
Companhia das Letras, 2001.
MOODLE. Sobre o Moodle. Disponível em: <http://docs.moodle.org/pt/
Sobre_o_Moodle> Acesso em 10 de setembro de 2009.
MORAN, José. Caminhos do Ensino a Distância. Informe Centro de Educação
a Distância (CEAD). SENAI. Rio de Janeiro, ano 1, n.5, out-dezembro de 1994,
páginas 1-3.
MURCH, Walter. Num Piscar de Olhos – a Edição de Filmes sob a ótica de um
Mestre. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
O MENINO, A FAVELA E AS TAMPAS DE PANELA. Direção: Cão Hamburger
Roteiro: Anna Muylaert Co-Produção: TV Cultura, BBC Londres e Ragdoll Inc,
1995. Disponível em: http://www.caohamburger.com/curtas.html. Acesso em
03 de abr. 2008.
PORTAL DOMÍNIO PÚBLICO. O Texto e a Imagem. Em: . Disponível em: http://
www.dominiopublico.gov.br/pesquisa. Acesso em 7 de abr.2009.
PEREIRA, Ewa.; MORAES, Raquel. A educação a distância e os desafios na
formação de professores no Brasil: breves apontamentos. Em: SOUZA, Amaralina
Miranda de; FIORENTINI Leda Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra
Militão (Org. ). Educação superior a distância: Comunidade de Trabalho e
Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação, Universidade
de Brasília / Universidade Aberta do Brasil, 2009.
PONTES, Elicio; SOUZA, Carlos; COUTINHO, Laura. Linguagem Audiovisual e
Educação a Distância. Em: SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI Leda
Maria Rangearo; RODRIGUES, Maria Alexandra Militão (Org. ). Educação superior
a distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília:
Faculdade de Educação, Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil,
2009, p. 117 - 135.
PRÓ-LICENCIATURA. Projeto Político Pedagógico. Disponível em: <http://uab.
unb.br/moodle/course/view.php?id=172>>. Acesso em 27 set. 2009.
182
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
QUINTÃO, Vânia. Televisão e Educação: Aproximações. Em: Tecnologias
audiovisuais: TV e Vídeo na Escola. <http://www.slideshare.net/servimagem/
livro-integrao-das-tecnologias-na-educao-tecnologias-audiovisuais-tv-e-vdeona-escola> Acesso em 20 agosto de 2009.
SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI Leda Maria Rangearo; RODRIGUES,
Maria Alexandra Militão (Org.). Educação superior a distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação,
Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil, 2009.
SOUZA, Carlos. Gêneros e Formatos na Televisão Brasileira. São Paulo: Summus,
2004.
ZUIN, Antônio. A Educação a Distância ou Educação Distante: o programa
Universidade Aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Em: Educação e
Sociedade, Campinas: CEDES, 2006, vol.27, número especial.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
183
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 35
Promovendo uma Comunidade de Trabalho
e Aprendizagem em Rede (CTAR) no Curso
de Especialização em Gestão Escolar e de
Coordenação Pedagógica
Autora: Raquel Aparecida Souza36
Professora Orientadora: Carmenisia Jacobina Aires
Resumo
A promoção de uma Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR)
– tem como objetivo constituir e desenvolver uma Comunidade de Trabalho
no curso de Especialização em Coordenação Pedagógica do Programa Escola
de Gestores na Universidade Federal do Tocantins (UFT), visando promover
uma nova concepção do “fazer” Educação a Distância por meio de uma CTAR,
partindo das experiências de sucesso já alcançadas pelo grupo da Faculdade de
Educação da UnB. O interesse pelo estudo se pauta nas ações iniciais de EaD
as quais vem sendo desenvolvidas por esta instituição e principalmente pelo
diagnóstico realizado no primeiro curso de especialização em gestão escolar a
distância, a partir do qual surgiram alguns inquietamentos sobre como o ensino
a distância tem sido concebido e promovido. Assim, surgem algumas indagações
como: Qual a compreensão que os gestores e professores têm sobre o processo
de ensinar e aprender utilizando a mediação tecnológica e em ambientes
36
Graduada em Pedagogia e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora Assistente
na Universidade Federal do Tocantins. E-mail: [email protected]
185
virtuais? Como ocorre a relação pedagógica entre professor-aluno-conteúdo
nesses cursos? Constroem novos saberes numa perspectiva de colaboração, de
cooperação e de diálogo? Dissociam essa modalidade de ensino da que ocorre
de forma presencial e pela transmissão de conteúdos? As concepções, as práticas
de EaD e a gestão desenvolvida se dissociam ou se associam às práticas impostas
pela lógica do mercado, como um produto comercial atraente e rentável? Os
profissionais envolvidos acreditam ser possível realizar uma nova educação a
distância, ou apenas são motivados por auxílio de bolsas e a realizam do jeito
que dá? Os profissionais e alunos envolvidos na EaD na UFT estão dispostos a
desenvolverem uma educação a distância de qualidade? Questões como essas
e outras nos levam a compreender que a constituição e desenvolvimento de
uma CTAR se apresenta pertinente e perfeitamente possível de ser realizada em
projetos e ações de EaD na UFT, pois, na medida em que essa jovem universidade
se consolida como uma instituição federal, ao implantar e desenvolver ações por
meio do ensino a distância, poderá conhecer e experimentar uma nova concepção
de educação mediada pelas TICs e desenvolver práticas comunicativas em
ambientes virtuais de forma que as distâncias sejam relativizadas pela necessária
interação pedagógica.
Palavras-chave: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR);
Universidade Federal do Tocantins (UFT); educação a distância (EAD).
Referências bibliográficas
BRASIL. Decreto Lei nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998, Art. 1º.
______. Lei Nº 9394 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), 1996.
______. Parecer nº 230 do Conselho Estadual de Educação (CNE), 1997.
______. Decreto nº 2.494 de 10 de fevereiro de 1998.
BOGDAN, R. e BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma
introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.
186
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
CAMPOS, Gilda; ROQUE, Gianna; AMARAL Sérgio. Dialética da Educação a
Distância. Rio de Janeiro: Ed. PUC, 2007.
FORMIGA, Marcos, LITTO, Frederic M. (Org.). Educação a Distância: o estado da
arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.
GOMES, Carmenísia Jacobina Aires. Gestão de Sistema da Educação a Distância:
a questão do acomponhamento desenvolvido em ambiente virtual. Congresso
Internacional de Educacion Superior. , Havana/Cuba, 2004.
______. LOPES, Ruth Gonçalves de Faria Lopes. Gestão na educação a distância.
Em: SOUZA, Amaralina Miranda de; FIORENTINI, Leda Maria Rangearo Erodrigues,
Maria Alexandra Militão (Org.). Educação Superior a Distância: Comunidade de
Trabalho e Aprendizagem em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação /
Universidade de Brasília / Universidade Aberta do Brasil, 2009.
GONNET, Jacques. Educação e Mídias. Tradução de Maria Luiza Belloni. São
Paulo: Edições Loyola, 2004.
MARCONDES, Beatriz. Menezes, Gilda e TOSHIMITSU, Thaís. Como usar outras
linguagens em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.
MEDEIROS, Marilú Fontoura de; NICOLETTI, José. A produção de um ambiente
de aprendizagem em educação a distância com o uso de mídias integradas: a
PUCRS Virtual. Revista Brasileira de Educação Aberta e a Distância. Disponível
em http://www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=14 .
Acesso em Janeiro de 2009.
MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa Social – teoria, método e Criatividade.
Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1994.
MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios como chegar
lá. Campinas-SP: Papirus, 2007.
______. Os Desafios na Comunicação Pessoal: gerenciamento integrado da
comunicação pessoal, social e tecnológica. São Paulo: Paulinas, 2007.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
187
PALLOF, Rena; PRATT, Keith. O aluno virtual: um guia para trabalhar com
estudantes online. Porto Alegre: Artmed, 2004.
PRETTO, Nelson de Luca. Tecnologias e novas educações. Coleção Educação e
Tecnologia, vol. I. Salvador: EDUFBA, 2005.
SANTOS, Edméa Oliveira dos. Educação on-line: a dinâmica sociotécnica para
além da eduação a distância. Em: PRETTO, Nelson de Luca. Tecnologias e novas
educações. Coleção Educação e Tecnologia, vol. I. Salvador: EDUFBA, 2005, p.
193-203.
SOUZA, Raquel Aparecida. Estudo sobre a produção científica no campo de
currículo - recorte feito à temática educação à distância – EAD. Em: Revista Novo
Horizonte. Uberlândia, MG.: ISSN 1808-3064 Hor.Ci Capa V. 1, N. 7, p. 1-20. 2004.
SANTOS, Boaventura Sousa. Um discurso sobre as ciências na transição para uma
ciência pós-moderna. Revista do Instituto de Estudos Avançados. São Paulo:
USP, 1988, vol.2 (5), mai/ago,.
PONTES, Elício Bezerra. A Comunidade de Trabalho e Aprendizagem em Rede
(CTAR) na Faculdade de Educação da UnB. Em: SOUZA, Amaralina Miranda de;
FIORENTINI, Leda Maria Rangearo Erodrigues, Maria Alexandra Militão (Org.).
Educação Superior a Distância: Comunidade de Trabalho e Aprendizagem
em Rede (CTAR). Brasília: Faculdade de Educação / Universidade de Brasília /
Universidade Aberta do Brasil, 2009, p. 17 - 36.
•••
188
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
CAPÍTULO 36
Rede de Artesãos Multiplicadores: um curso
online a serviço da sociedade brasileira
Autora: Maitê Sarmet Moreira Smiderle Mello37
Professora Orientadora: Eva Waisros Pereira
Resumo
O artesanato pode ser visto como fonte de informação preciosa que nos ajuda
até mesmo a decifrar culturas que desapareceram de nosso planeta. Embora
em tempos de mercado globalizado, o artesão não pode deixar de incorporar
em seu trabalho as nossas referências, os símbolos que representem nossa
origem. Nestes tempos, marcados por grandes desigualdades e complexidades,
o artesanato vem assumindo importante papel na geração de renda de muitas
comunidades. Sofrendo, duramente, as dificuldades da concorrência industrial, o
artesão persiste em suas tentativas, sempre esperando por dias mais favoráveis
à compatibilização de seu esforço produtivo com a renda que através dele seja
possível gerar. Assim, ao lado de lutar para não perder a identidade, o artesanato
precisa trazer sempre significados do lugar onde é feito. Outro grande desafio
para as comunidades produtoras de artesanato é o de aprender comercializar
sua produção.
37
Licenciada em Letras-Espanhol pelo Centro Universitário de Brasília - UniCEUB. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília - UnB. Tutora do Curso de Letras / Universidade Aberta do Brasil.
E-mail: [email protected]
189
O curso Rede de artesãos multiplicadores pretende contribuir para melhor
estruturação do trabalho dos artesãos, promovendo alterações em sua forma de
organização, produção e comercialização dos produtos.
Palavras-chave: artesanato; artesão; rede; produção e comercialização.
Referências bibliográficas
ALMARAZ, J. Alguns pré-requisitos funcionais dos sistemas de educação a
distância., Madrid-Espanha: IUED/UNED, 1999. (Texto traduzido pelas professoras
Carmenísia Jacobina e Ruth Lopes, com a autorização do autor, não publicado).
ANTUNES, Luciana Andréa. Desenvolvimento de Produto Competitivo e
Diferenciado para o Mercado de Assistência à Saúde Privada Utilizando a
Ferramenta QFD. (Monografia de MBA). EBAPE/FGV, 2002.
AZEVEDO, Wilson. Capacitação de recursos humanos para Educação a Distância.
Palestra proferida em teleconferência promovida pelo CRUB, nov. 2001.
Disponível em http://www.aquafolium.com.br/educacional/artigos/crob.html
em novembro 2003.
BALAN, W.C. Aplicação dos Recursos Tecnológicos na Educação. Disponível em:
http://www.willians.pro.br/didatico/Default.htm. Acesso em: 2 agosto 2006.
BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J. Logistical management: the integrated
supply chain process. Singapura: McGraw-Hill, 1996
CÂMARA Cascudo, Luis da. Civilização e Cultura: pesquisas e notas de Etnografia
Geral, vol 1. Belo Horizonte: Editora Itatiaia Ltda, 1983.
FERREIRA, José Fonseca. Setor de Artesanato no Distrito Federal: diagnóstico.
Brasília: SEBRAE/DF, 2005.
FREIRE, Paulo. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
190
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
GOMES, Carmenisia J. A. O significado e a prática da tutoria – registros iniciais
de uma experiência. V Congresso Internacional da Associação Brasileira de
Tecnologia Educacional – ABET, 1988.
GOURDIN, Kent N. Global logistics management: a competitive advantage for
the new millennium. Oxford: Blackwell Publishing, 2001.
MORIN, E. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez;
Brasília: UNESCO, 2000.
NEVES, Carmen Moreira de Castro. Pedagogia da Autoria. Boletim Técnico Do
SENAC. Rio de Janeiro: 2005, set./dez., v. 31, n. 3, p. 19-27.
PEREIRA, Eva Waisros; MORAES, Raquel de Almeida. A educação a distância e os
desafios na formação de professores no Brasil: breves apontamentos. Disponível
em: http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=6543
______. Expansão e diversidade. Em: Formação de professores a distância:
experiências brasileiras (Tese de Doutorado). Lisboa: Universidade Aberta de
Portugal 2002, p. 255-269.
SEBASTIÁN, J. (2000). Las redes de cooperación como modelo organizativo y
funcional para la I+D. Redes. Argentina: Universidad Nacional de Quilmas.
SOUZA, R.R. Aprendizagem colaborativa em comunidades virtuais. (Dissertação
de Mestrado em Engenharia de Produção). Florianópolis/SC: Universidade
Federal de Santa Catarina, 2000. 104 f.
VARGAS, M.R.M. Educação a Distância e as Novas Tecnologias: o uso da
videoconferência em treinamentos organizacionais. Revista Brasileira de
Educação Aberta e Continuada, 2002, vol. 1, no. 1. setembro.
______ . Educação a Distância no contexto da mudança organizacional. Em:
LIMA, S.M.V. (Org.). Mudança Organizacional: teoria e gestão. Rio de Janeiro:
FGV, 2003.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
191
_______. Barreiras à Implantação de Programas de Educação e Treinamento
a Distância. (Tese de Doutorado em Psicologia). Brasília: Instituto de Psicologia,
Universidade de Brasília, 2004. 275 f.
_______. ABBAD, G.S. Bases Conceituais em Treinamento, Desenvolvimento e
Educação (TD&E). Em: BORGES-ANDRADE, J.E.; ABBAD, G.S.; ZUIN, A. Educação
a Distância ou Educação Distante: o programa Universidade Aberta do Brasil, o
tutor e o professor virtual. In: Educação e Sociedade, Campinas: CEDES, vol.27,
número especial, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v27n96/
a14v2796.pdf.
Documentos eletrônicos digitais:
-MOURA & BANZATO. Embalagens, 1990. Disponível em: <http://www.abre.
com.br>. Acesso em 16/09/2003.
-Eles acham que embalagem “é tudo”! . Disponível em: <http://www.
portaldapropaganda.com/design/abre/2005/03/0001>. Acesso em 16/04/2003.
-Impacto Ambiental. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Impacto_
ambiental>. Acesso em 17/04/2009
-Pequena empresa pode ter segurança no trabalho. Disponível em: <http://
www.agenciasebrae.com.br/noticia. kmf?noticia=6032754&canal=251&total=2
4&indice=10> Acesso em 17/04/2009
-Comercialização de Artesanato – Gerar Renda. Disponível em: <http://tilz.
tearfund.org/Portugues/Passo+a+Passo+31-40/Passo+a+Passo+35/Comercializa
%C3%A7%C3%A3o+de+artesanato.htm> Acesso em 20/04/2009.
-Análise de Custos. Disponível em:
<http://www.acaojr.com.br/open.
php?pk=80&id_ses=4> Acesso em 20/04/2009
-Exportação. Disponível em: <http://www.portaldoexportador.gov.br/index.
php?option=com_weblinks&catid=22&Itemid=39> Acesso em 20/04/2009.
192
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
-Estatísticas da internet no Brasil. Disponível em: <http://www.tobeguarany.
com/internet_no_brasil.php> Acesso em 20/04/2009.
-Comercialização do artesanato via internet. Disponível em: <http://www.
aprendendoaexportar.gov.br/artesanato/020_frameset.htm>
Acesso
em
20/04/2009.
-Pela regulamentação da profissão do artesão. Disponível em: http://www.
rollemberg.com.br/pela-regulamentacao-da-profissao-do-artesao.
Acesso
realizado em 05/09/2009.
Sites
APRENDENDO A EXPORTAR. Disponível em: http://www.aprendendoaexportar.
gov.br
CEDDET. Disponível em: http://www.ceddet.org
CORREIOS. Disponível em: http://www.correios.com.br
ELO7. Disponível em: http://www.elo7.com.br
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR.
Disponível
em:
http://pab.desenvolvimento.gov.br/TEMPLATE.
ASP?ID=Apresentacao
PORTAL DO EXPORTADOR. Disponível em: http://www.portaldoexportador.gov.
br
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
193
CAPÍTULO 37
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Software Educativo no Ensino da Matemática:
uma proposta de critérios de avaliação
Autor: Jivago Silva Araújo38
Professora Orientadora: Maria Rosa Abreu
Resumo
Neste trabalho propõe-se um instrumento de avaliação para softwares
educativos para o ensino de matemática. Os objetivos específicos da investigação
são caracterizar os aspectos técnicos e psicopedagógicos a serem verificados em
qualquer software educacional matemático no Ensino Médio; avaliar o grau de
conhecimento dos professores sobre software educativos matemáticos e propor
um instrumento para auxiliar o professor de Ensino Médio na avaliação de
software educativos matemáticos, a serem utilizados na rede publica de ensino,
na cidade de Juazeiro do Norte-CE. Temos como hipóteses de trabalho: a) um
software educacional deve apresentar características adequadas tanto no que se
refere a aspectos técnicos quanto pedagógicos; b) os professores de matemática
não avaliam adequadamente softwares educacionais, concentrando-se apenas
em aspectos superficiais dessas ferramentas, tais como a simples possibilidade de
transposição do conteúdo normalmente exposto no quadro branco para a tela do
computador. Para verificar as hipóteses, elaborou-se um instrumento de avaliação
de software educacional e pediu-se que 13 professores do Ensino Médio da rede
pública de Juazeiro do Norte-CE, a partir do instrumento, avaliassem o software
194
38
Pedagogo pela Universidade Vale do Acaraú – Ceará. Especialista em Educação Continuada e a Distância pela
Universidade de Brasília – UnB. Tutor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – CEFET/ Juazeiro do
Norte/CE. E-mail: [email protected]
Cabri Geometry. Trabalhou-se com os pressupostos teóricos da Matemática
aplicada à Educação e com aspectos da Informática Educacional. Os resultados
a que se chegou revelam que os aspectos mais importantes em um instrumento
de avaliação de softwares educacionais são os didático-pedagógicos. Quanto à
avaliação de softwares, os dados mostraram que a maioria dos professores não
sabe avaliar materiais didáticos digitais.
Palavras-chave: avaliação de software educacional; ensino de matemática;
informática educativa.
Referências bibliográficas
ALMEIDA, Ma Elizabeth B. de. Proinfo: informática e formação de professores.
Brasília: Ministério da Educação/ Seed, 2000.
ALMEIDA M. E. B de. Educação, projetos e conhecimento. São Paulo: Proem,
2001.
ALONSO, M.; Masetto, M. T. Formar educadores para um mundo em
Transformação. Artigo não publicado. PUC-SP, 1997.
ÁVILA, G. Cantor e a teoria dos conjuntos. Revista do Professor de Matemática
(RPM), n. 43, Rio de Janeiro: SBM, 2000.
BORBA, M. PETEADO, M. G. Informática e educação matemática. Belo Horizonte:
Autêntica, 2001.
FREIRE, Luciana Lopes. Navegação e design em softwares educativos: uma
abordagem ergonômica. (Dissertação de Mestrado em Design). Recife: Centro
de Artes e Comunicação), Universidade Federal de Pernambuco, 2005, 345 f.
GLADCHEFF, Ana Paula; ZUFFI, Edna Maura; LEVY, Dilma M da. Um Instrumento
para Avaliação da Qualidade de Softwares Educacionais de Matemática para
o Ensino Fundamental: Em: Anais do Congresso da Sociedade Brasileira de
Computação -VII WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, Fortaleza, CE, Brasil,
2001. Disponível em < http://www.ime.usp.br/dcc/posgrad/teses/anapaula/
artigoWIE.PDF>. Acesso em 18 set.2009.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
195
GODOI, Kátia Alexandra de. Validação participativa de instrumentos avaliativos
de software educativo por professores do ensino fundamental e médio.
(Dissertação de Mestrado em Design). Curitiba: Setor de Ciências Humanas,
Letras e Artes /Universidade Federal do Paraná, 2009, 219 f. Disponível em
http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/17862/1/dissertacaoKatiaDesign-2009.pdf. Acesso em: 3 mai. 2009.
GOUVÊA, Sylvia F. Os caminhos do professor na era da tecnologia. Revista de
educação e informática, v. 9, n. 13, p. 11-20, abril, 1999.
ISO9126-1 International Organization for Standardization “Information technology – Software Quality Characteristics and metrics – parte1: Characteristics and
Sub-characteristics. ISO/IEC9126-1 (Committee Draft), 1997.
LÉVY, P. O que é virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.
MACHADO, N. J. Matemática e realidade: análise dos pressupostos filosóficos
que fundamentam o ensino da matemática. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1994.
MAGINA, S. O Computador e o Ensino da Matemática. Tecnologia Educacional,
v.26, n.140, Jan/Fev/Mar. 1998.
MILANI, E. A informática e a comunicação matemática. Em: SMOLE, K.S.; DINIZ,
M.I. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender
matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001.
MONTEIRO, Ana Maria Ferreira Costa. Professores: entre saberes e práticas.
Educação & Sociedade, São Paulo, 2001, abril, n. 74, p. 121-142.
MONTEIRO, Eduardo B.; REZENDE, Flávia. Informática e educação: panorâmica
da área segundo artigos dos periódicos nacionais de educação. Tecnologia
educacional, v.22, n. 110, p. 42-49, jan/abr. 1993.
OLIVEIRA, Celina Costa et al. Ambientes informatizados de aprendizagem:
produção e avaliação de softwares educativos. Campinas: Papirus, 2001.
196
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
PIRES, Célia Maria Carolino. Currículos de Matemática: da organização linear à
idéia de rede. São Paulo: FTD, 2000.
SAMPAIO, Marisa N.; LEITE Lígia S. Alfabetização do professor. Petrópolis: Vozes,
1999.
SHLÜNZEM, E. T. M. Mudanças nas práticas pedagógicas do professor: criando
um ambiente construcionista contextualizado e significativo para crianças com
necessidades especiais físicas. (Tese de Doutorado em Educação: Currículo). São
Paulo: PUC-SP, 2000.
SILVA, Cassandra R. de Oliveira. MAEP: um método ergopedagógico interativo de
avaliação para produtos educacionais informatizados. (Tese de Doutorado em
Engenharia de Produção). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina,
2002, 224 f..
SCHUBRING, G. O primeiro movimento internacional de reforma em Matemática
e o papel da Alemanha. In: VALENTE, W. R. (Org.). Euclides Roxo e a modernização
do ensino da matemática. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.
VALENTE, Wagner Rodrigues. Controvérsias sobre Educação Matemática no
Brasil: Malba Tahan versus Jacomo Stávale. Cadernos de Pesquisa, n. 120, p. 151167. nov. 2003.
VALENTE, W. R. (Org.). Euclides Roxo e a modernização do ensino da matemática.
Brasília: Universidade de Brasília, 2004.
VIEIRA, Fábia Magali Santos. Avaliação do software educativo: reflexões para
uma análise criteriosa. Belo Horizonte: Proinfo, 1999. Disponível em < http://
www.conect.com.br/~ntemg7/avasoft.htm>. Acesso em: 25 jun.2009.
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
197
CAPÍTULO 38
•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••
Tutor ou professor? Conjecturas Normativas
e Tendências nos Movimentos Sociais pela
Valorização e Regulamentação do Trabalho do
Profissional Docente na Educação Superior a
Distância
Autora: Sandra Maciel Barreto39
Professora Orientadora: Carmenisia Jacobina Aires
Resumo
Atualmente verifica-se uma notória expansão da educação superior, em
especial na modalidade a distância no Brasil, consolidada a partir da atuação
da Universidade Aberta do Brasil – UAB, em 2005. As Instituições Federais de
Educação Superior - IFES, nas três esferas: federal, estadual e municipal; ao
aderirem a esse modelo, legitimam as políticas e ações da UAB. Nesse processo,
os profissionais que compõem a rede e/ou cadeia de profissionais docentes
da educação superior na modalidade a distância se encontram na condição
de mercadorias, periodicamente descartáveis, sem diretrizes nem políticas de
valorização para regulamentação profissional, com plano de cargos e carreira, que
trate das peculiaridades das relações de trabalho dessa nova forma de ensinar
e aprender. Em decorrência dessa problemática, este trabalho propõe-se a
198
39
Licenciada em Letras pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em Educação Continuada e a
Distância pela Universidade de Brasília – UnB. Idealizadora e detentora do Localizador Cultural.
E-mail: [email protected]
investigar a legislação vigente, as tendências nos movimentos sociais ou sindicais
e as discussões acadêmicas, contribuindo para os norteá-los e instrumentalizar o
cumprimento dos direitos e garantias constitucionais, bem como para construção
coletiva de normas específicas para essa modalidade de ensino.
Palavras-chave: educação a distância; educação superior; relação do trabalho
docente; regulamentação profissional; política de valorização dos profissionais
da EAD; Universidade Aberta do Brasil.
Referências bibliográficas
BARROS, Alice Monteiro de Barros. Curso de direito do trabalho. São Paulo: LTr,
2004, 3ª Edição, pp. 1236, 1238, 1240.
BELL, Daniel. O advento da sociedade pós-industrial: um ensaio de previsão
social. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Editora Cultrix, 1973,
p.531.
______. Ministério da Educação/ Secretaria de Educação a distância. Referenciais
de qualidade para cursos a distância. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/
seed/arquivos/pdf/referenciais.pdf> Acesso em outubro de 2009.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Lei 9.394, de 24 de dezembro de 1996. Brasília: MEC. 1998, p.25-47.
CALDERA, Rafael. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2008-out-22/
inadmissivel_falta_norma_campo_terceirizacao. Acesso em outubro de 2009.
DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Tradução de
Cláudia de Moraes rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001, p.54.
DESLANDES, Suely Ferreira. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Em:
DESLANDES, Suely Ferreira; CRUZ NETO, Otavio; GOMES, Romeu; MINAYO Maria
Cecília de Souza (Org.). Petrópolis/RJ: Vozes, 1994, p. 25-26.
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
199
EMERENCIANO, Maria do S. J.; SUSA, Carlos Alberto Lopes de; FREITAS, Leda G.
de. Ser Presença como Educador, Professor e Tutor. [email protected] - Revista Digital da
CVA – RICESU ISSN 1519-8529, 2001, V.1, Ago, n.1-p. 4-11.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975, 3ª
Edição.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996, p.4344.
FURTADO, Celso. Criatividade e dependência na civilização industrial. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1978.
GUARESCHI, P. e JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em representações sociais.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1995, 2ª Edição, p.79.
HARBERMAS, Jürgen. Ciencia y Tecnologia como “Ideologia”. Madri: Gama,
1986 (p.51,81).
HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. Em: NÓVOA, A.
(Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1995, p.31-61.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da
informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993 (3ª
Reimpressão, 1996) Coleção TRANS. ISBN 85-85490-15-2 (p.130).
MCLUHAN, Marshall. MacLuhan por McLuhan: Conferências e entrevistas.
Tradução de Antonio de Pádua Danesi; Organizado por Stephanie McLuhan e
David Staines; Introdução de Tom Wolfe. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005. ISBN 8500-01648-5, p.177.
MOORE, Michael G.; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: uma visão integrada.
Tradução Roberto Galman. São Paulo: Thompson Learning, 2007.
PENA-VEJA, Alfredo e ALMEIDA, Elimar Pinheiro de (Org.). O pensar complexo:
Edgar Morin e a crise da modernidade. Rio de Janeiro: Garamond, 1999. ISBN
85-86435-25-2, p.34.
200
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil
SÁ, Celso Pereira de. Sobre o núcleo das representações sociais. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1996.
TOURAINE, Alain. La Sociedad pós-industrial. Barcelona: Ediciones Ariel, 1971,
p.53.
ZUIN, Antonio A. S. Educação a distância ou educação distante? O programa
Universidade Aberta do Brasil, o Tutor e o Professor Virtual. Educação e Sociedade.
Campinas, vol 27, n.96 – Especial, p. 935-954, out. 2006. Disponível em <http://
www.scielo.br/pdf/es/v27n96/a14v2796.pdf>. Acesso em outubro de 2009.
•••
Tecnologias na Educação: Monografias do
IV Curso de Especialização em Educação Continuada e a Distância
201
202
Brasília/DF – Faculdade de Educação - Universidade de Brasília – Universidade Aberta do Brasil