a complexidade da natureza e a natureza complexa dos problemas

Сomentários

Transcrição

a complexidade da natureza e a natureza complexa dos problemas
A COMPLEXIDADE DA NATUREZA E A NATUREZA COMPLEXA
DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS CONTEMPORÂNEOS: PONTOS
PARA REFLEXÃO
Carlos Sait Pereira de ANDRADE 1
RESUMO
O presente texto tem como principal objetivo apresentar uma discussão acerca da
complexidade dos problemas ambientais contemporâneos que vêm ocorrendo no campo da
climatologia. A mídia tem divulgado, frequentemente, eventos climáticos extremos em
diversas partes do globo com conseqüências sócio-ambientais impactantes e controversas
quanto as suas causas. Para esta reflexão, utilizamos como referencial básico os relatórios
sobre Mudança do Clima divulgados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança do
Clima (IPCC). Buscamos, também, o pensamento de estudiosos com formações distintas,
voltados para a análise da problemática ambiental que o planeta enfrenta – aquecimento
global/mudança climática - a partir das lentes de uma “nova percepção” dos fenômenos
ambientais considerados.
Palavras-chave: Natureza, Problemas ambientais contemporâneos, Complexidade.
ABSTRACT
The present text has as main objective to present a discussion concerning the complexity of
the contemporary environmental problems that are happening in the climatology. The
media has frequently been publishing extreme climatic events in several parts of the Globe
with consequences social-environmental of the impacts and controversial as for their
causes. For this reflection, we used as basic reference the reports on Change of the Climate
published by the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC). We also looked for
the specialists’ thought with different background, focusing to the analysis of the
environmental problem of the planet - global warming/climatic change - from the lenses of
a “new perception” of the considered environmental phenomena.
Key words: Nature, Contemporary environmental problems, Complexity.
Se a modernidade é definida como fé incondicional no progresso, na
tecnologia, na ciência, no desenvolvimento econômico, então esta
modernidade está morta (MORIN, 2004).
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Neste artigo, refletimos sobre a problemática ambiental contemporânea marcada
pelos grandes desastres naturais e de natureza climática. Fazemos esta reflexão a partir de
1
Professor de Geografia na Universidade Federal do Piauí (UFPI). Doutorando em Geografia na
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). E-mail: [email protected]
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
35
documentos divulgados, internacionalmente, pela ONU e de autores que privilegiam a
análise da realidade e da temática em questão na perspectiva da teoria da complexidade.
Para isso, dialogamos com o pensamento do geógrafo Milton Santos sobre a sua
compreensão acerca do significado de natureza e de sociedade. Dialogamos também com
as idéias do educador Edgar Morin sobre o seu método e a sua teoria da complexidade.
Outros autores estão presentes nas nossas discussões, tais como o sociólogo Zygmun
Bauman e os ambientalistas Fritjof Capra e James Lovelock, autores que vêm discutindo a
problemática ambiental na contemporaneidade a partir dos princípios sistêmicos e
complexos.
Há, atualmente, uma grande discussão nos diversos meios de comunicação acerca da
realidade climática global. Esse debate tem sido impulsionado pela onda de episódios
catastróficos que vêm ocorrendo nos últimos anos e nos diversos continentes do planeta e
divulgados através de relatórios técnico-científicos desenvolvidos por pesquisadores
vinculados a diversas agências internacionais de pesquisas na área.
Especialmente
a
partir
da
intensa
divulgação
dos
relatórios
do
Painel
Intergovernamental 2 sobre Mudança do Clima em que apontam, dentre outros aspectos, um
aumento na temperatura global em razão das ações antrópicas, o interesse e preocupação
pela temática cresceu.
Tratamos, assim, desse debate apontando algumas questões que consideramos
relevantes no âmbito da reflexão para este tema. A primeira está assentada no
entendimento de que os problemas ambientais, que assolam a humanidade, são resultantes
de um modelo de desenvolvimento econômico, optado pelas “civilizações” ditas modernas
e fundado no discurso do progresso. Dessa forma, só conseguiremos dar a eles uma
interpretação mais apurada se os entendermos como problemas sistêmicos que repousam
sobre um modelo de economia e de vida posto em prática pelas sociedades modernas,
especialmente as do mundo ocidental.
A segunda questão, também importante e ligada à primeira, está associada à idéia da
complexidade da natureza. Assim, os problemas ambientais que têm ocorrido no planeta
não devem ser analisados sem as ligações e nexos existentes entre a fisiologia da própria
natureza e as práticas humanas. Defrontamo-nos, então, com questões que se apresentam
2
“O Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC) foi estabelecido conjuntamente pela
Organização Meteorológica Mundial e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente em 1988,
a fim de: (i) avaliar as informações científicas existentes sobre a mudança do clima, (ii) avaliar os impactos
ambientais e socioeconômicos da mudança do clima e (iii) formular estratégias de resposta. O Primeiro
Relatório de Avaliação do IPCC foi finalizado em agosto de 1990 e serviu de base para a negociação da
Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima” (IPCC, Mudança do Clima, 1995).
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
36
tanto na esfera da organicidade da própria natureza quanto na sua desorganização dada
pelo trabalho e práticas do homem.
Os desastres naturais, comprovadamente influenciados pela ação antrópica, precisam
ser compreendidos à luz de uma nova racionalidade, determinada pela necessidade de
mudança de percepção sobre a realidade ambiental contemporânea e, principalmente, pela
necessidade do desenvolvimento de uma nova ética humana.
O artigo se divide em dois momentos básicos. No primeiro, apresentamos os
problemas ambientais e as facetas com as quais os mesmos se apresentam. Tratamos dos
problemas ligados ao aquecimento global e, consequentemente, das mudanças climáticas
no mundo. Os desastres naturais apontados tratam-se, portanto, daqueles relativos à
natureza climática e divulgados como resultantes e/ou impulsionados pelas ações
antrópicas.
No segundo momento do texto, procuramos entender o sentido da natureza e dos
problemas ambientais contemporâneos à luz do pensamento de autores que o conceberam,
nas suas formulações, a natureza como uma “entidade” sistêmica e complexa. Sendo
assim, para esses autores faz-se necessário que seja inscrito em nós, através da educação,
uma nova consciência ecológica que seja capaz de possibilitar a criação de uma “cidadania
terrestre”, marcada pelo respeito à “unidade na diversidade” (MORIN, 2004) e que ao
mesmo tempo nos torne “sensíveis a evidências adormecidas: a impossibilidade de
expulsar a incerteza do conhecimento” (MORIN, 2003), pois “a complexidade é um
progresso de conhecimento que traz o desconhecido e o mistério” (op. cit. p.464) e este
deve ser o real papel da educação.
Esses são alguns dos caminhos apontados para a convivência e superação dos
desafios que a natureza nos tem proporcionado como resposta às práticas, históricas, do
homem sobre a mesma.
2.
COMEÇANDO
PELOS
PROBLEMAS:
AQUECIMENTO
GLOBAL
E
MUDANÇA CLIMÁTICA NA CENA
Os últimos anos têm sido globalmente marcados por sucessivos anúncios na imprensa
sobre catástrofes naturais. Anomalias no comportamento das precipitações, furacões,
inundações, aumento da temperatura global - para citar apenas alguns – passaram a fazer
parte da rotina midiática da atualidade.
Em janeiro de 2008 foi divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU)
relatório sobre a quantidade de desastres naturais ocorridos no mundo durante o ano de
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
37
2007. Nele está indicado que a freqüência dos desastres naturais vem aumentando em
relação à média registrada entre os anos de 2000 a 2006. Segundo este mesmo relatório, as
inundações foram catástrofes mais freqüentes e com maiores impactos, pois “das 197
milhões de vítimas por desastres naturais, 164 milhões foram por inundações” (Folha de
São Paulo, 18/01/2008) e a “Ásia foi o continente mais afetado (...) sendo cenário de oito
dos dez maiores desastres” do ano de 2007 (Folha de São Paulo, 18/01/2008).
As catástrofes em questão estão quase sempre associadas às mudanças climáticas 3
ocorridas no Globo e, por isso, têm sido palco de grande interesse da ciência e da mídia
internacional. Na verdade, desde o final da década de 1980 o interesse pela temática
intensificou-se em razão tanto das constantes incidências quanto das constatações e alertas
da comunidade científica sobre a possibilidade de mudanças climáticas no Globo devido ao
crescente aumento de gás carbônico na atmosfera da Terra e, assim, de alterações no efeito
estufa 4 . A partir dessas evidências a Organização Meteorológica Mundial (OMM) e o
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) criaram em 1988 o
Intergovernmental Panel on Climate Change, o IPCC e a Assembléia Geral das Nações
Unidas, pela primeira vez, passou a tratar da mudança do clima na escala do Globo.
Este painel tem a competência de avaliar o comportamento do clima e estabelecer
cenários possíveis de mudanças futuras na escala do Globo. O IPCC lançou quatro
relatórios: o primeiro foi publicado em 1990 e teve como principal objetivo recomendar as
negociações para um acordo global sobre o problema das mudanças do clima no Globo.
Esta sugestão impulsionou a Assembléia Geral das Nações Unidas a abrir as negociações
que têm sido conduzidas, a partir de então, através de um Comitê Intergovernamental
estabelecido para tal finalidade.
O Segundo Relatório, aprovado em 1995, aponta para a necessidade de ações
políticas mais fortes e incisivas frente aos problemas climáticos considerados.
3
Estamos considerando o termo mudança climática no mesmo sentido daquele utilizado pelo IPCC que se
refere “a qualquer mudança no clima ocorrida ao longo do tempo, devida à variabilidade natural ou
decorrente da atividade humana”. Esta concepção “difere da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre
Mudança do Clima, em que o termo mudança do clima se refere a uma mudança no clima que seja
atribuída direta ou indiretamente à atividade humana, alterando a composição da atmosfera global, e seja
adicional à variabilidade natural do clima observada ao longo de períodos comparáveis de tempo” (IPCC,
Paris, 2007).
4
Principais gases do efeito estufa e antrópicos: Dióxido de Carbono, Metano e Óxido Nitroso. “O dióxido de
carbono é o gás de efeito estufa antrópico mais importante (...) A concentração atmosférica global de
dióxido de carbono aumentou de um valor pré-industrial de cerca de 280 ppm para 379 ppm em 2005. A
concentração atmosférica de dióxido de carbono em 2005 ultrapassa em muito a faixa natural dos últimos
650.000 anos (180 a 300 ppm), como determinado a partir de testemunhos de gelo. A taxa de aumento da
concentração anual de dióxido de carbono foi mais elevada durante os últimos 10 anos (média de 1995 a
2005: 1,9 ppm por ano) do que desde o início das medições atmosféricas diretas contínuas (média de 1960
a 2005: 1,4 ppm por ano), embora haja variações de um ano a outro nas taxas de aumento.” (IPCC, 2007).
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
38
Já o Terceiro e Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, respectivamente aprovados
em 2000 e 2007, apontam dentre outras, duas questões importantes: uma primeira relativa
à evidência de um aquecimento global e perspectivas de agravamento futuro; e a segunda,
que o aquecimento do globo tem sido conseqüência das ações antrópicas. Esses
prognósticos lançaram ao mundo, com o aval da ciência, aquilo que já se havia percebido
através do comportamento da natureza nos diversos pontos de nosso planeta.
O IPCC, através das informações lançadas ao mundo sobre a situação do clima na
escala planetária, tem suscitado inúmeros debates, muitas vezes controversos, acerca da
necessidade de reflexão e tomada de decisões sobre o futuro ambiental do planeta. Apesar
disso, podemos afirmar que os problemas existentes têm se manifestado em todos os
continentes através de diversas facetas, e sempre próximas daquelas projetadas pelos
modelos globais de clima, tais como “ondas de calor, ondas de frio, chuvas intensas e
enchentes, secas, e mais intensos e/ou freqüentes furações e ciclones tropicais e
extratropicais” (MARENGO, 2006).
Esta realidade, complexa, não deve ser considerada apenas sob um prisma, mas a
partir das conexões e mecanismos que ligam e interligam todos os fenômenos importantes
para a compreensão do comportamento dos sistemas Atmosfera-Terra e das imbricações
resultantes e fomentadoras das alterações do clima global, muitas vezes, como apontam os
relatórios do IPCC, derivadas das práticas humanas locais.
Apesar da complexidade e da multirreciprocidade de fenômenos e relações
imbricadas, não devemos nos privar da consideração de que os problemas climáticos
convergem para o campo do comportamento térmico.
Os gases do efeito estufa, por exemplo, “podem aprisionar o calor próximo da
superfície da Terra. À medida que aumenta sua concentração na atmosfera, o calor extra
que eles capturam leva ao aquecimento global” (FLANNERY, 2007). Isto tem ligação
direta com o campo térmico que é alterado e que gera mudanças no clima.
Por isso, entendemos a realidade térmica de um lugar, apesar de sua dinâmica local,
ligada a um sistema maior, nas escalas da região e do globo. Isso se explica pelo fato de
que a atmosfera, com sua característica de telecinese 5 , permite que as dinâmicas e
transformações meteorológicas no seio das condições atmosféricas locais se relacionem e
interfiram reciprocamente nas condições, também atmosféricas, regionais e globais.
5
Telecinese significa “movimento à distância sem uma ligação material” (FlANNERY, 2007).
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
39
O gráfico a seguir (Gráfico 1) mostra o comportamento da temperatura superficial
continental e oceânica na escala global entre os anos de 1906 a 2005. As simulações que
usam forçamentos radiativos 6 naturais e antrópicos foram realizadas pelo IPCC e
apresentadas no quarto relatório de avaliação sobre mudança do clima. O gráfico é didático
no sentido de possibilitar a visualização do comportamento da temperatura no globo e suas
perspectivas futuras em razão das práticas humanas.
A realidade desenhada no gráfico em questão nos aponta para a necessidade de
estudo do clima local, a partir do seu relacionamento com a escala global.
___ Modelos que usam apenas os forçamentos naturais.
___ Modelos que usam os forçamentos naturais e antrópicos.
___ Observações.
Gráfico 1. Mudança na Temperatura Global. Fonte: IPCC. Paris, 2007.
Podemos observar no gráfico em questão que em todas as simulações que usam os
forçamentos naturais e antrópicos a tendência de aquecimento foi positiva. Isso implica
que o clima local, como já foi aqui afirmado, com suas características particulares, não está
“descolado” da realidade climática global.
Isso nos faz adiantar que a realidade fenomênica possui uma complexidade que só é
possível de ser desvendada se o “olhar” estiver atento para a sua interpretação através de
um método que não separe, mas, ao invés disso, ligue tudo o que ocorre em nosso planeta,
6
“Forçamento radiativo – Medida simples da importância de um mecanismo potencial de mudança do clima.
O forçamento radiativo é a perturbação do balanço de energia do sistema Terra-atmosfera (em Wm-2) em
seguida, por exemplo, a uma mudança da concentração de dióxido de carbono ou uma mudança da
radiação do Sol; o sistema climático responde a um forçamento radiativo de modo a restabelecer o balanço
de energia. Um forçamento radiativo positivo tende a aquecer a superfície e um forçamento radiativo
negativo tende a esfriar a superfície” (MARENGO, 2006).
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
40
através dos nexos existentes entre as esferas demandadas, que podem ser física, biológica e
social. Assim, não devemos nos permitir fazer a análise de um fenômeno particular, no
local, sem enquadrarmos numa totalidade que valorize “as interações e retroações entre
partes e todo” (MORIN, 2004).
Feito essas considerações, entendemos que estudar a natureza climática de um lugar
pressupõe levar em consideração alguns aspectos que são da maior relevância: primeiro
que a condição térmica e, assim, o aumento de temperatura num certo lugar faz parte de
um sistema que se relaciona com um mundo mais aberto. Isso implica na impossibilidade
de sua compreensão sem o relacionamento das partes com o todo e vice-versa, pois esse
relacionamento supõe interações e ligações à realidade imediatamente próxima as quais, de
alguma maneira, estão conectadas às condições reais noutras escalas espaciais-regional e
global.
O que foi dito até aqui serve de fundamento para a idéia de que o clima de qualquer
local do planeta e suas particularidades meteorológicas não serão bem compreendidos e,
nem tão pouco, passíveis de uma análise mais profícua, sem o seu relacionamento às
condições climáticas operantes nas escalas dos espaços imediatamente maiores.
Um segundo aspecto relevante a ser considerado encontra balizamento na esfera da
interdisciplinaridade. Buscar o conhecimento de um fenômeno tal como o clima e sua
dinâmica num dado lugar demonstra a necessidade de um maior relacionamento com o
“olhar” e interpretações dos outros campos do saber que a essa realidade se aproximam.
Dessa forma, não devemos nos furtar à idéia de que a importância do conhecimento do
clima, e das condições térmicas de um dado lugar, encontra significação na compreensão
de que tudo é complexo e só pode ser explicado através da contribuição e “alimentação” de
conhecimentos diversos. A Geografia nesse caso, como ciência aberta a essas
possibilidades, aponta para tal compromisso. Morin (2004) já dizia que a Geografia é uma
“ciência complexa por principio, uma vez que abrange a física terrestre, a biosfera e as
implantações humanas”.
Fundado
nesse
principio
buscamos
entender
os
problemas
ambientais
contemporâneos caminhando na direção do entendimento dos nexos existentes entre o
clima local com as condições climáticas globais e vice-versa. Essas relações devem ser
consideradas à luz do modelo de desenvolvimento econômico que o homem dito moderno
tem implementado para as civilizações do mundo atual.
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
41
3.
O
SENTIDO
DA
NATUREZA
E
DOS
PROBLEMAS
AMBIENTAIS
CONTEMPORÂNEOS
Sobre o sentido e o significado da natureza, queremos começar nossas reflexões
recorrendo às palavras escritas por Santos (2002), quando, tratando das relações entre
sociedade e natureza, lembra que a história dessas relações é dada “em todos os lugares
habitados” pela “substituição de um meio natural, dado a uma determinada sociedade, por
um meio cada vez mais artificializado.” Esta substituição, de um meio natural por um
artificial, tem sido historicamente comandada pelo interesse incessante das diversas
civilizações, fincadas nos espaços e tempos distintos da história humana no planeta.
Para Santos (2002), “a história do meio geográfico pode ser grosseiramente dividida
em três etapas: o meio natural, o meio técnico, o meio técnico-científico-informacional.”
Sendo que o meio natural correspondia, para ele, a um tempo e espaço dado pelas relações
entre a sociedade e natureza em que “o homem escolhia da natureza aquelas suas partes ou
aspectos considerados fundamentais ao exercício da vida” (SANTOS, 2002). Assim, o que
era retirado da natureza, através de técnicas ainda que rudimentares, atendia ao principio
único da sobrevivência dada pelas necessidades imediatas, pois o respeito ao potencial e
aos limites da natureza era praticado.
Contudo, outros estágios ou etapas da história do meio geográfico, segundo Santos
(2002), foram desenvolvidos depois daquele chamado de “meio natural”. Impulsionados e
mediados pela emergência de novas técnicas de relacionamento e exploração da natureza
pela sociedade, o meio técnico e o meio-técnico-informacional surgem, respectivamente,
como formas de organização socioespacial em que a dimensão artificial passou
paulatinamente a se sobrepor à dimensão natural.
Vivenciamos,
agora,
tempos
comandados
pelo
alto
desenvolvimento
tecnológico/informacional o qual, submisso às regras de um modelo econômico global,
opera sob a égide da lógica do mercado. Este é o grande legado da modernidade,
especialmente das últimas décadas do século XX. A Natureza, agora “cientificizada”,
“tecnicizada”, e por que não “artificializada”, responde aos projetos de uma sociedade que
diferentemente daquela existente no período do “meio natural” tem se projetado no espaço
desconsiderando os seus limites e suas fragilidades.
O tempo atual designado pelas expressões contemporaneidade, modernidade, pósmodernidade, ou modernidade líquida está demarcado, inequivocamente, por uma série de
problemas na arena ambiental. O grande desenvolvimento da técnica e da informação
colocou desafios às sociedades atuais, nunca na história da humanidade pensados. Pois,
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
42
como diz Bauman (2007) a “velocidade, e não duração, é o que importa”. Isso nos conduz
ao pensamento de que tudo é fugaz e efêmero, inclusive a vida, já que vivemos numa
sociedade “líquido-moderna” 7 caracterizada por “uma vida precária, vivida em condições
de incerteza constante” (BAUMAN, 2007).
Mas um dos maiores desafios da sociedade contemporânea ou “líquido-moderna” é o
de se desfazer do próprio lixo por ela produzido, já que estamos falando de uma sociedade
que se identifica pelo poder de consumo. Na verdade, como anuncia Bauman (2007), o
desafio atual, dessa sociedade e da “vida líquida”, não está apenas na remoção do lixo, mas
também na luta contra a ameaça de ser jogado no lixo.
Esta discussão, proposta por Bauman, nos inspira a levantar outras questões que estão
acenadas na esteira da realidade atual, acerca dos problemas ambientais contemporâneos
inscritos na escala planetária e insistentemente levantados nos mais diferentes meios de
comunicação, do mass media aos fóruns especializados e científicos. Um deles repousa na
preocupação do como resolver os grandes problemas ambientais produzidos na arena local,
com implicações globais.
A complexidade dos problemas, como, por exemplo, a gênese das mudanças
climáticas no Globo, é tão inquietante quanto a complexidade de administração política
dos mesmos. Isso porque tanto a gênese dos problemas quanto as decisões de tratamento
dos mesmos devem ser compreendidas à luz da idéia de que eles são resultantes de uma
cadeia complexa, fundada nos princípios que movem as sociedades atuais – econômicos e, consequentemente, éticos.
Os problemas ambientais que o planeta enfrenta, fruto de um modelo de
desenvolvimento posto em prática, fundamentalmente a partir da modernidade advinda da
mecanização e, por conseguinte, da industrialização, nos coloca a advertência de que o
insustentável não pode ser resolvido apenas com o discurso da sustentabilidade. Pois, como
afirma Morin (2004), “o próprio desenvolvimento criou mais problemas do que soluções e
conduziu à crise profunda de civilização que afeta as prósperas sociedades do Ocidente”.
Assim, “concebido unicamente de modo técnico-econômico, o desenvolvimento chega a
um ponto insustentável, inclusive o chamado desenvolvimento sustentável”, que para
muitos já apareceu tardiamente.
7
“Líquido-moderna” é uma sociedade em que as condições sob as quais agem seus membros mudam num
tempo mais curto do que aquele necessário para a consolidação, em hábitos e rotinas das formas de agir.
(BAUMAN, 2007).
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
43
Para Morin (2004), “é necessária uma noção mais rica e complexa do
desenvolvimento, que seja não somente material, mas também intelectual, afetiva e moral”,
para designar preocupação e responsabilidade com a vida no planeta. Esta noção exige,
também, uma retomada do sentido e da consciência humana na Terra para que seja
desenvolvida “a consciência ecológica, isto é, a consciência de habitar, com todos os seres
mortais, a mesma esfera viva” (MORIN, 2004).
Contudo, no nosso entendimento, a análise dos problemas não paira, apenas, na
esteira do tipo de desenvolvimento. A complexidade dos mesmos, num tempo também
complexo, nos remete à idéia de que precisamos levar em consideração a idéia de que nada
acontece isoladamente.
Os problemas que as sociedades contemporâneas vivenciam, sejam ambientais ou de
outra natureza, são “sistêmicos, o que significa que estão interligados e são
interdependentes.” (CAPRA, 2006). Não podem, portanto, ser compreendidos a partir de
critérios ou aspectos isolados. Tudo está interligado, o modelo de desenvolvimento
econômico praticado no mundo - especialmente no mundo ocidental-possibilita ao mesmo
tempo expansão da população, da fome e da concentração de riqueza em determinadas
regiões do planeta. Produz, também, escassez dos recursos, degradação do meio ambiente
e, consequentemente, catástrofes ambientais nas diversas escalas geográficas.
A globalização econômica vista sob o prisma da contemporaneidade gera também
uma globalização das conseqüências desse processo. Queremos afirmar que se o mundo
está interligado através de um modelo econômico operante na atualidade, as conseqüências
também devem ser entendidas à luz dessas conexões, ou seja, a partir de uma percepção
sistêmica que não isole, mas que interligue os fatores e os resultados das práticas humanas
sobre a natureza. Dessa forma, compreendemos, como Capra (2006), que os problemas
vivenciados pelo mundo atual “precisam ser vistos, exatamente, como diferentes facetas de
uma única crise, que é, em grande medida, uma crise de percepção”. Esta percepção, por
sua vez, implica uma racionalidade quase que consensual dos “conceitos de uma visão de
mundo obsoleta” e “uma percepção da realidade inadequada para lidarmos com nosso
mundo superpovoado e globalmente interligado” (CAPRA, 2006).
Os problemas ambientais emergentes na atualidade são resultados de práticas
históricas. Como diz Lovelock (2006) chegamos à nossa desordem atual por meio de nossa
inteligência e inventividade” (...) “daí ser tarde demais para o desenvolvimento sustentável;
precisamos é de uma retirada sustentável.” Nesse caso, voltemos às idéias de Capra (2006)
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
44
e lembremos da necessidade atual de mudança de paradigma, de percepção e, assim, de
valores éticos para lidarmos com a natureza e a humanidade.
Os cenários desenhados pelo IPCC e divulgados a partir do Terceiro Relatório de
Avaliação (TRA) sobre as tendências recentes e projeções de eventos climáticos extremos
para o final do século XXI, a partir da influência humana, não são nada otimistas e estão
inscritos como prováveis a praticamente certos de ocorrência nos diversos continentes do
globo. Isso nos conduz, novamente, à consideração de que precisamos desenvolver em nós
uma nova consciência ecológica fundada nos princípios da coabitação do homem com
todas as outras formas de vida.
4. REFERÊNCIAS
BAUMAN, Z. 2007. A vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar Ed. 210p.
BAUMAN, Z. 2005. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar Ed. 170p.
CAPRA, F. 2006. A teia da vida: uma nova compreensão cientifica dos sistemas vivos.
São Paulo: Cultrix. 256p.
FANNERY, T. 2007. Os senhores do clima. Rio de Janeiro: Record. 388p.
FOLHA DE SÃO PAULO. 2008. Desastres naturais relacionados à mudança climática
aumentaram, diz ONU. Disponível em: http://www.folha.com.br. Acesso: 18/01/2008.
LOVELOCK, J. 2006. A vingança de gaia. Rio de Janeiro: Intrínseca. 160p.
MARENGO, J.A. 2006. Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a
biodiversidade: caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas
para o território brasileiro ao longo do século XXI. Brasília: MMA. 212p.
MORIN, E. 2004. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento.
10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 128p.
______. 2004. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 9ª ed. São Paulo.
Cortez; Brasília, DF: UNESCO. 118p.
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
45
______. 2003. O método 1: a natureza da natureza. Trad. Heineberg, I. Porto Alegre:
Sulina, 2ª Edição. 479p.
PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA, IPCC. 2007:
Mudança do Clima 2007: a base das ciências físicas. Contribuição do GTI ao Quarto
Relatório de Avaliação do IPCC. OMM/PNUMA, Paris. 25p.
PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA, IPCC. 1995:
A ciência da mudança do clima. Contribuição do GTI ao Segundo Relatório de Avaliação
do IPCC. OMM/PNUMA, Madri. 56p.
SANTOS, M. 2002. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São
Paulo: EDUSP. 384p.
Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 1, jan/abr. 2007
46