informefinal - Saúde Pública Veterinária

Transcrição

informefinal - Saúde Pública Veterinária
XXXIII
C O M I S S Ã O S U L A M E R I C A N A D E L U TA C O N T R A A F E B R E A F TO S A
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
I N F O R M E
D E
F E B R E
F I N A L
Guaiaquil, Equador
6 e 7 Abril, 2006
Unidade de Saúde Pública Veterinária - OPAS/OMS
A F T O S A
COMISSÃO SUL AMERICANA DE LUTA CONTRA A FEBRE AFTOSA
INFORME FINAL
Guaiaquil, Equador
6 e 7 de abril 2006
CENTRO PAN-AMERICANO DE FEBRE AFTOSA
Comissão Sul Americana de Luta contra a Febre Aftosa, 33, 2006, Guaiaquil, Equador.
Informe final. Rio de Janeiro: Centro Pan-Americano de Febre Aftosa.
70p.
1. Febre Aftosa – Américas. 2. Febre Aftosa – Controle e erradicação. I. Centro
Pan-Americano de Febre Aftosa, ed.
CONTEÚDO
INFORME FINAL
1. Cerimônia de Abertura ................................................................................................................ 5
2. Informe da Secretaría ................................................................................................................. 5
I. Situação da Febre Aftosa no Continente ................................................................................. 6
II. Outros assuntos .................................................................................................................... 12
3. Situação dos Programas Nacionais de Erradicação ................................................................... 17
4. Informe sobre as Atividades do GIEFA ........................................................................................ 19
5. Informe sobre as Atividades do Laboratório ................................................................................. 19
6. Informe sobre Seminário Pré-COSALFA ..................................................................................... 20
7. Informe de SESA sobre Avanços em Programas Nacionais ........................................................ 20
8. Influenza Aviária: estado de Situação e Perspectivas ................................................................. 21
9. Aprovação das Resoluções ........................................................................................................ 21
10. Encerramento ........................................................................................................................... 21
RESOLUÇÕES .................................................................................................................................... 25
ANEXOS .............................................................................................................................................. 37
- Agenda (anexo 1) ............................................................................................................................ 39
- Informe Final do Seminário Internacional Pré-COSALFA (anexo 2) .................................................. 43
- Avaliação do Seminário (anexo 3) .................................................................................................... 49
- Lista de participantes (anexo 4) ....................................................................................................... 53
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
COMISSÃO SUL AMERICANA DE LUTA CONTRA A FEBRE AFTOSA
XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA
INFORME FINAL
1. CERIMÔNIA DE ABERTURA
A mesa diretiva foi integrada pelas seguintes autoridades: Vice-Presidente da República do Equador,
Dr. Alejandro Serrano Aguilar; pelo Vice-Ministro da Agropecuária, Dr. Jorge Hernán Chiriboga Pareja;
Diretor Geral do Serviço Equatoriano de Saúde Agropecuária, Eng. Abel Viteri; Representante da
Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Equador,
Eng. Diego Victoria; o Chefe da Unidade de Saúde Pública Veterinária da OPAS/OMS, Dr. Albino
Belotto e o Diretor do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA-OPAS/OMS), Dr. Miguel
Angel Genovese. O Eng. Abel Viteri dirigiu-se aos delegados do setor público e privado, aos
observadores de agências internacionais de cooperação técnica e econômica, da indústria
farmacêutica veterinária e demais participantes com palavras de boas vindas, almejando que as
deliberações desta Reunião contribuam à erradicação da febre aftosa no Continente. Dr. Belotto
apresentou as saudações da Diretora da OPAS às autoridades e a todos os participantes presentes,
destacando que a presença do vice-presidente da república o do vice-ministro é indicativo da
importância que o governo outorga ao combate à febre aftosa no Equador, lembrando que no curso
de 33 anos da COSALFA foram obtidos importantes avanços regionais. Reiterou, finalmente, a
importância de unir esforços entre os setores público e privado.
O Vice-Presidente apresentou saudações aos delegados e participantes, ratificando o interesse
de Equador em participar nas ações de erradicação da enfermidade na América do Sul, como parte
integrante do PHEFA, sendo política de estado a erradicação em todo o território equatoriano. Destacou
a dificuldade no seu combate no contexto nacional e mencionou as estratégias e a coordenação
público-privada no país.
Eng. Viteri foi indicado para ocupar a presidência da XXXIII COSALFA, com o Dr. Jaime Castells,
do setor privado uruguaio, como relator, o que foi aceito por aclamação.
Foi lembrado com um minuto de silêncio o falecimento do Dr. Eduardo Correa e se distribuiu uma
lembrança de sua vida profissional.
A agenda foi submetida à consideração dos delegados e com observações do Brasil, Argentina e
Paraguai sobre a seqüência das apresentações e foi aprovada pelos delegados.
2. INFORME DA SECRETARIA
Dr. Miguel Genovese deu leitura ao informe da secretaria, informando que o documento incluído
nas pastas referia-se ao período março 2005-março 2006 e, como é usual, apresenta como parte
C E N T R O
P A N - A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
5
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
introdutória o comportamento da febre aftosa na América do Sul. Posteriormente abordou o grau de
cumprimento das resoluções da XXXII COSALFA e concluiu com informações sobre alguns assuntos
ou fatos transcendentais ocorridos no período do informe.
I – Situação da febre aftosa no continente
Durante o ano de 2005, Norte América, América Central e o Caribe se mantiveram livres da
enfermidade e foram observadas no continente duas situações bem acentuadas: a existência de
países onde a doença continua ocorrendo de forma endêmica, como Equador (22 focos pelo tipo ”O”)
e Venezuela (3 por tipo “O” e 10 “A”) e zonas livres com ocorrência epidêmica, como aconteceu nos
estados de Mato Grosso do Sul (34 por vírus tipo “O”) e Paraná (6 por diagnóstico clínicoepidemiológico), no Brasil.
Em fevereiro de 2006, foi registrada a ocorrência de dois focos do vírus tipo “O” em Corrientes,
Argentina, que se enquadra no contexto epidemiológico regional, já que todos os isolamentos foram
classificados como vírus autóctones, segundo a caracterização biomolecular realizada por
PANAFTOSA-OPAS/OMS. Os isolamentos apresentaram alta homologia com os vírus presentes
nos focos registrados em 2000/2001, 2002, 2003 e 2005, na sub-região. Adicionalmente, só Colômbia,
no começo do ano, diagnosticou um foco por vírus tipo “A”, em Cundinamarca.
Vista assim, a situação da febre aftosa na América do Sul, tema que foi posteriormente revisado
em maior detalhe, passou a referir-se ao grau de cumprimento das resoluções adotadas durante a
XXXII COSALFA, realizada em Lima, Peru, no ano passado:
Resolução I – Plano de Ação do Plano Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA),
Período 2005-2009
Em atenção a esta resolução, PANAFTOSA-OPAS/OMS na sua página Web difundiu e apresentou
para consulta, particularmente pelos serviços veterinários, organizações de pecuaristas e agências
de cooperação técnica e financeira internacional, a versão preliminar do Plano de Ação do PHEFA
2005-2009. Na sua parte final foram incorporadas as observações e sugestões recebidas e a nova
versão foi apresentada e aprovada nas Reuniões do Grupo Interamericano para Erradicação da Febre
Aftosa (GIEFA), do Comitê Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (10ª COHEFA) e da Reunião
Interamericana, de Nível Ministerial, sobre Saúde e Agricultura (14º RIMSA), realizadas no mês de
abril de 2005, na cidade do México, D.F. O Plano de Ação se encontra disponível e pode ser livremente
consultado no Website de PANAFTOSA http://www.panaftosa.org.br/Giefa/documentos.aspx
Resolução cumprida.
Resolução II – A situação dos programas nacionais de erradicação da febre aftosa
Foi formalizado um acordo de cooperação horizontal entre Peru-Bolívia na oportunidade do
estabelecimento da zona livre de febre aftosa sem vacinação no sul do Peru, que conta com zona
buffer de proteção em território boliviano, com base no Tratado Geral de Integração e Cooperação
Econômica e Social para a Conformação de um Mercado Comum entre a República do Peru e a
6
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
República de Bolívia, que no Artigo 66 relacionado com a cooperação em saúde animal e vegetal,
estabelece ações comuns para proteger a zona livre.
Uma experiência parecida está desenvolvendo-se entre Colômbia e Equador, visando proteger a
zona sul de Colômbia durante o processo de reconhecimento de zona livre com vacinação.
SENASAG de Bolívia estabeleceu o Plano de Erradicação da Febre Aftosa, 2005-2007, com uma
estratégia de fortalecimento da estrutura sanitária de atenção veterinária e a zonificação sanitária do país,
apontando ao reconhecimento internacional do país como livre de febre aftosa com vacinação para o ano
2007. Esse plano está baseado na zonificação para uma melhor aplicação da estratégia de erradicação.
Ademais, SENASAG completou durante o período a documentação para solicitar o reconhecimento de
zona livre com vacinação no departamento de Oruro. O trâmite está em vias de aceitação.
As ações de vigilância e controle de enfermidades vesiculares nos países da sub-região amazônica
foram restringidas à vigilância passiva das doenças vesiculares e não foi diagnosticado nenhum foco
de febre aftosa no período.
PANAFTOSA - OPAS/OMS tem apoiado o desenvolvimento dos programas nacionais, com ênfase
no Equador, coordenando um grupo de trabalho para elaborar a caracterização do espaço produtivoepidemiológico do país, como base para o Plano Nacional de Erradicação. Também tem participado
de eventos para a unificação entre o setor público e os pecuaristas na condução da vacinação e
atenção às situações de emergência.
O Sistema de Vigilância Continental (SIVCONT) está implantado e em funcionamento em quatro
países que continuam informando semanalmente as suspeitas de doenças, de acordo às síndromes
estabelecidas. Os outros países ainda enviam informação pelo sistema antigo.
Em situações de emergência, as comunicações foram enviadas imediatamente e com os
resultados de diagnóstico complementar realizado em PANAFTOSA - OPAS/OMS, tem sido factível a
difusão da informação necessária para tomar as ações preventivas oportunas, nos países afetados
ou vizinhos.
Resolução parcialmente cumprida.
Resolução III – Oficina Internacional de Especialistas de Laboratório em Enfermidades Vesiculares
Foi criado um grupo ad hoc de Especialistas de Laboratório em Enfermidades Vesiculares com
integrantes dos serviços sanitários oficiais e da indústria de produção de vacina anti-aftosa dos países
sul-americanos. Na reunião de agosto de 2005, o grupo formulou recomendações para avaliar a
potencial interferência de proteínas não capsidais (PNC) nas provas de laboratório utilizadas para a
vigilância ativa da febre aftosa, assim como para o controle de potência indireto da vacina pela prova
ELISA-CFL. Maiores informações sobre estes aspectos constam em suas pastas, no documento
Informe Anual do Laboratório de PANAFTOSA - OPAS/OMS.
Com referência ao pedido de tratar junto à OIE a re-introdução da prova ELISA-CFL como prova
prescrita para movimentação da importação/exportação de animais, assim como normas para a reintrodução de métodos de produção de vacina em cultivo primário de células, os dois temas foram
apresentados e considerados pela Comissão de Padrões Biológicos da OIE. A Técnica de ELISACFL e os métodos de produção de vacinas, células BHK em monocamada e cultivo de células primárias,
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
7
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
foram re-introduzidos no Manual de Diagnóstico e Vacinas para os Animais Terrestres da OIE. O
Manual está à consideração dos países, para posterior publicação.
No referente à manutenção de um estoque de kits de I-ELISA 3ABC/EITB para atender as situações
de emergência dos países, PANAFTOSA - OPAS/OMS conservou um estoque equivalente a 20% da
produção anual.
PANAFTOSA - OPAS/OMS continua insistindo junto aos países o envio de sementes de trabalho
e amostras da produção de vacina, para estudos de caracterização genética e para a validação do
PCR – Real Time, como técnica de diagnóstico de emergência.
Resolução cumprida.
Resolução IV – Banco Regional Cooperativo de Amostras para o Estudo da Febre Aftosa e projetos
de cooperação com instituições extra-regionais
Não foi possível concretizar a constituição do Banco Regional Cooperativo de Amostras para o
Estudo da Febre Aftosa. PANAFTOSA - OPAS/OMS considera que é necessário melhorar a definição
dos objetivos, alcances e funcionamento do Banco, particularmente relacionados com as leis de
proteção genética existentes em alguns países.
No entanto, deve destacar-se que PANAFTOSA - OPAS/OMS, na sua condição de laboratório de
referência, integra junto aos outros laboratórios extracontinentais a rede de laboratórios de referência
em febre aftosa para a OIE/FAO. Essa rede preparou um Memorando de Entendimento (MOU) OIE/
FAO para o estabelecimento de uma Rede de Laboratórios para Febre Aftosa, com o propósito de
melhorar as interações entre os laboratórios de referência. O documento, ainda não assinado por
PANAFTOSA, será distribuído para seu conhecimento e comentários correspondentes.
Resolução não cumprida. Não foi possível criar o Banco Regional de Amostras.
Resolução V – Laboratório de biosegurança de PANAFTOSA - OPAS/OMS
Foi desenhado o projeto para a construção de um laboratório com Nível de Segurança Biológica 3Agricultura em PANAFTOSA-OPAS/OMS, nas condições necessárias para manipular o vírus da febre
aftosa, de forma que possa realizar as funções de Laboratório de Referência Internacional, ao serviço
dos países das Américas.
O projeto arquitetônico considera todos os aspectos de biosegurança exigidos pelas normas
brasileiras e as recomendações internacionais. Complementaria as instalações do laboratório que
existe atualmente com nível de Biosegurança 2 A e ofereceria condições de trabalho, não somente
com enfermidades vesiculares mas também com outras enfermidades que requerem esse nível de
segurança, e facilitaria o cumprimento das funções de referência da rede mundial de laboratórios da
FAO e da OIE.
Atualmente, o Departamento Jurídico do Ministério da Agricultura tramita a concretização do aporte
dos recursos correspondentes.
Resolução parcialmente cumprida. Está em processo a formalização dos compromissos
interinstitucionais para sua construção.
8
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
Resolução VI – Potencial interferência de vacinas nas provas baseadas na detecção de anticorpos
contra proteínas não capsidais.
Segundo fora comentado na Resolução III, o tema da potencial interferência da vacina antiaftosa
em amostragens para o reconhecimento de áreas livres, foi concretizado pelo grupo ad hoc em uma
proposta de regulamento. A proposta recomenda que os laboratórios produtores de vacina antiaftosa
demonstrem:
a) que o sistema de produção de vacina utilizado assegura a ausência de indução de reatores ao
sistema I-ELISA 3ABC/EITB em animais revacinados.
b) a ausência de reatores ao sistema I-ELISA 3ABC/EITB em bovinos utilizados para o controle de
potência em séries de vacina.
No referente à metodologia para a quantificação de Proteínas Não Capsidais (PNCs) em
suspensões virais, destinadas à produção de vacina, foram realizadas reuniões com
representantes dos serviços oficiais e dos laboratórios produtores de vacina anti-aftosa na
Argentina e Colômbia, para iniciar projetos similares que estão em andamento entre
PANAFTOSA - OPAS/OMS e a Coordenação para Assuntos de Aftosa (CAS) do Sindicato Nacional
da Indústria de Produtos de Saúde Animal (SINDAN) e o Departamento de Saúde Animal (DDA)
do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil (PANAFTOSA - OPAS/OMS CAS/SINDAN-DDA).
Os resultados desse projeto foram apresentados na reunião Novas Tecnologias de Diagnóstico:
Aplicações em Saúde Animal e Controles Biológicos. Aplicações em Vigilância de Enfermidades,
Epidemiologia Molecular e Provas de Controle de Qualidade de Vacinas, realizada durante 3-5 outubro
2005, em Saint-Malo, França. Os resultados serão publicados na revista “Biologicals”.
Resolução cumprida.
Resolução VII – Seminário sobre obtenção e recuperação do status sanitário de livre de doenças:
âmbito conceptual e experiências
Esta resolução incorpora variados aspectos temáticos, apresentados a seguir.
Deu-se continuidade aos seguintes esforços para a validação internacional das provas utilizadas
para a liberação de zonas:
- Participou-se com a OIE e com a FAO na elaboração de matrizes de validação de metodologias
diagnósticas e na validação do sistema I-ELISA 3ABC/EITB, respectivamente.
- Foram concluídas as ações para o reconhecimento pela OIE do sistema I-ELISA 3ABC/EITB
como “index test” durante a 73ª Sessão Geral do Comitê Internacional. No momento se encontra em trâmite o registro dos kits na OIE.
- Continua a colaboração com a União Europea no projeto de avaliação do desenvolvimento
comparativo dos kits utilizados na vigilância ativa da febre aftosa na Europa, com o kit de
PANAFTOSA - OPAS/OMS. Foram avaliados aproximadamente 2,500 soros bovinos, 800 soros ovinos e 600 soros suínos, de várias regiões e situações epidemiológicas do mundo, e
também de numerosos modelos experimentais. As conclusões estão sendo publicadas e, em
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
9
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
linhas gerais, demonstraram que há diferença entre os vários kits e reforçaram a necessidade
de trabalhar com métodos completamente validados. Os kits de PANAFTOSA - OPAS/OMS
foram os que apresentaram melhores resultados de sensibilidade.
-
Em estreita cooperação com os países da América do Sul, foram avaliados, preparados e
validados três soros padronizados de referência (controle positivo, débil positivo e negativo)
para uso em ensaios de diagnóstico baseados na detecção de PNCs que foram aprovados
para referência internacional pela Comissão de Padrões Biológicos da OIE, 26/28 de janeiro de
2005, e na 73ª Sessão Geral do Comitê Internacional celebrada em maio de 2005.
- Igualmente, em coordenação com os países, está em processo a validação do sistema I-ELISA
3AB/EITB para identificação de PNCs para hóspedes animais diferentes ao bovino. Resultados
preliminares permitem concluir que o desenvolvimento analítico e de especificidade das provas
é similar ao de bovino. No entanto, seriam necessários modelos adicionais de observação em
animais vacinados e logo infectados para completar a pesquisa.
No âmbito da cooperação relacionada com o fortalecimento dos Sistemas de Vigilância
Epidemiológica da Febre Aftosa, tem sido oferecido apoio, através de assessorias diretas, aos serviços
veterinários da Bolívia, Paraguai, Equador e Colômbia; houve participação no atendimento a
emergências recentes de febre aftosa na Argentina e Brasil; e deu-se apoio aos países para a realização
dos estudos de circulação viral e preparação da documentação para apresentação de solicitudes
junto à OIE, para o reconhecimento de zonas livres na Bolívia, Brasil e Colômbia.
Com referência à cooperação na implantação de sistemas de vigilância da influenza aviária nos
países, PANAFTOSA - OPAS/OMS, no âmbito dos mandatos e orientações da OPAS/OMS, em
coordenação com as Representações Locais da OPAS/OMS, e com outras agências internacionais
de cooperação técnica e financeira, tem desenvolvido uma ativa assessoria aos Serviços Veterinários
para a formulação e implementação do componente de Prevenção da Influenza Aviária nos Planos de
Preparação da Pandemia de Influenza Humana, liderados pelos Ministérios da Saúde dos países. Na
parte final deste informe será apresentada informação mais detalhada sobre este tema de preocupação
mundial.
Com referência à cooperação em Encefalopatia Espongiforme Bovina, PANAFTOSA - OPAS/
OMS, no âmbito da iniciativa FAO-OIE do Programa Global Transfronteiriço de Controle Progressivo
de Enfermidades (GF-TADs), participou na Reunião da Comissão Permanente das Américas sobre
Enfermidades Espongiformes Transmissíveis dos Animais (COPEA), celebrada em Buenos Aires,
Argentina, 12-13 de abril 2005.
Foram avaliadas as normas a serem consideradas na Sessão Geral do Comitê Internacional da
OIE de maio 2005, sobre as propostas de modificações ao Capítulo 2.2.13 e aos Anexos 3.8.1, 3.8.4
e 3.8.5 do Código Sanitário para Animais Terrestres.
Esta avaliação foi baseada numa proposta apresentada pelo Comitê Veterinário Permanente
(CVP) e pela OIE, onde se concordava com um número menor de categorias de risco baseadas na
análise das características epidemiológicas e produtivas de cada país. Foram elementos destacados
na discussão sobre o Anexo 3.8.4 a definição de população adulta, idade mínima de cada
subpopulação e a consideração a ser dada à vigilância que se realize antes da aprovação desta
proposta.
10
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
No relacionado com a promoção da incorporação dos países no Plano Continental de Erradicação
da Peste Suína Clássica, PANAFTOSA - OPAS/OMS, coordenado pela FAO, tem patrocinado nos
fóruns internacionais, eventos de capacitação e assessorias diretas, a necessidade de integrar os
diferentes projetos sanitários nos Programas Integrais de Saúde Animal, onde convergem os esforços
dos serviços veterinários e associações de produtores, e também das agências de cooperação
internacional.
Resolução cumprida.
Resolução VIII – Sistema de informação e vigilância
Apesar das reiteradas recomendações das duas últimas reuniões da COSALFA, instando os
países a utilizar o Sistema de Informação e Vigilância versão Web (SIVCONT), somente o Brasil em
2005 integrou a lista dos países que o utilizam. Colômbia, Equador e Venezuela estão utilizando o
sistema desde a primeira quinzena de janeiro de 2004.
Infelizmente a Venezuela, devido ao incêndio do edifício do Ministério da Agricultura, ocorrido no
terceiro trimestre de 2004, ficou impossibilitada de operar o sistema.
PANAFTOSA - OPAS/OMS, em março 2005, em Lima, Peru, a pedido do Serviço Nacional de
Sanidade Agrária (SENASA), treinou três profissionais da instituição, mas o país ainda não utiliza
continuamente o sistema.
Em novembro de 2005, a pedido do Departamento de Sanidade Animal (DAS), do Ministério da
Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), do Brasil, foi realizado nas dependências de
PANAFTOSA - OPAS/OMS um Seminário-Oficina para treinar 10 profissionais de 5 estados do Brasil
na utilização do SIVCONT no âmbito da descentralização do serviço até os níveis locais.
O estabelecimento da interface, via Web, do SIVCONT para usuários em geral está sujeito à
maior incorporação dos países ao sistema.
Resolução cumprida parcialmente. O SIVCONT não está em funcionamento em todos os países.
Resolução IX – Fortalecimento de PANAFTOSA - OPAS/OMS como Centro Regional de
Referência
Durante 2005, o laboratório de PANAFTOSA - OPAS/OMS continuou com as atividades de harmonia
regional e internacional de procedimentos de diagnóstico e de implantação de sistemas de gestão de
qualidade. Das linhas de ação mais importantes cabe destacar a formação especializada de recursos
humanos, através da implementação de 9 módulos de capacitação, de 4/5 meses de duração, nas
áreas de diagnóstico, soro-vigilância e controle de vacinas.
Na sua condição de laboratório internacional de referência da OIE, PANAFTOSA - OPAS/OMS
integra e coordena ações com outros organismos e laboratórios de referência internacional como da
União Europea (UE), Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) y da Organização para a
Agricultura e Alimentação (FAO). Neste âmbito se revestem de importância:
- a definição das pautas para a constituição de uma rede integrada de laboratórios de referência
da OIE/FAO; participação no grupo ad hoc da OIE sobre banco de antígenos e vacinas, e a
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
11
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
incorporação ao grupo consultivo da AIEA sobre o uso de técnicas moleculares para a detecção
do vírus da febre aftosa.
Quanto à manutenção e fortalecimento da Rede de Laboratórios Nacionais de Referência da
América do Sul, com especial ênfase no diagnóstico de doenças vesiculares e confundíveis e no
controle de vacina antiaftosa, se destacam:
- a realização da III Oficina Internacional de Especialistas de Laboratório em Doenças Vesiculares;
a conformação de grupos ad hoc com a participação de profissionais dos laboratórios da rede;
e a coordenação do programa de provas interlaboratório. Este ano, como no anterior, os resultados das provas interlaboratório do sistema I-ELISA 3ABC/EITB foram satisfatórios.
O laboratório tem desempenhado satisfatoriamente as atividades de referência regional, incluindo
a caracterização das amostras recebidas, a provisão de biológicos e kits de diagnóstico, a capacitação
em serviço, assessorias diretas e a difusão de informação.
Oportunamente foram caracterizados os vírus causadores de episódios de vesiculares em
situações de emergência. Foram recebidas oportunamente, e em boas condições, 16 amostras: 2
da Argentina, 13 do Brasil e 1 da Colômbia para estudos moleculares e 8 do Brasil para caracterização
antigênica, das quais uma foi usada como vacina de referência. Das regiões afetadas foram recebidas
e processadas 24 amostras para caracterização molecular da febre aftosa e 12 de estomatite vesicular,
das quais 9 também foram tipificadas.
Na área da epidemiologia molecular se destacam a aquisição e operação de um equipamento de
Reação em Cadeia da Polimerasa (PCR), que facilita o estudo de grande número de amostras. Isto
possibilita a aplicação desta técnica para outras enfermidades, e também a capacitação de profissionais
em serviço.
Resolução cumprida.
II – Outros Assuntos
Zoonoses
A última década tem registrado um importante avanço da agricultura para áreas marginais,
pauperização de pequenos agricultores e êxodos populacionais importantes do campo às zonas
periféricas urbanas carentes da adequada infra-estrutura sanitária. Este cenário aumentou a
vulnerabilidade a certas zoonoses, como leishmaniase visceral, raiva transmitida por vampiros,
leptospirose, rickettsioses e hidatidoses. Foi necessário reprogramar mecanismos de cooperação
baseados na maior articulação dos setores da Saúde, da Agricultura e dos Recursos Ambientais.
Na raiva, a OPAS/OMS promoveu a vacinação anti-rábica canina, conseguindo uma redução de
casos de raiva humana transmitida pelo cachorro superior a 90% da média da década anterior. A
cooperação técnica foi fortalecida com a solidariedade dos países. Argentina, Brasil, Colômbia, Equador,
Peru e Venezuela que doaram vacinas anti-rábicas e México, Brasil e Peru que transferiram sua
experiência na organização de campanhas de vacinação canina.
A raiva humana transmitida por vampiros em 2004 e 2005 na Amazônia, incidiu de forma pouco
usual devido ao aumento das atividades agrícolas, florestais ou minerais. Os países amazônicos se
12
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
esforçam de forma coordenada para controlar populações de vampiros e aplicar profilaxia anti-rábica
na população exposta. Estas ações foram resolvidas pela 14ª RIMSA no Programa de Controle da
Raiva nas Américas formulado pela OPAS/OMS em coordenação com os países.
A Leischmaniase Visceral, que tinha localização tipicamente rural, começou a ser reportada
em áreas urbanas. A estratégia para enfrentar esta zoonose tem sido revisada no Brasil e em
vários países, e se está consolidando uma rede de trabalho continental promovida pela OPAS/
OMS, a partir da Consulta de Especialistas em Leishmaniase realizada em Brasília em novembro
de 2005.
As Rickettsioses, no âmbito das pautas da OPAS/OMS, são confrontadas com uma rede
cooperativa entre países e com os Centros Colaboradores da OPAS/OMS na matéria e, a partir da
Consulta de Expertos da OPAS/OMS, celebrada em setembro 2004, em Ouro Preto, Brasil, foi
promovida uma série de iniciativas com o objetivo de implementar e aperfeiçoar sistemas específicos
de vigilância epidemiológica.
Para o controle da Equinococose Quística (Echinococosus granulosus), a OPAS/OMS coopera
tecnicamente na execução do Projeto Subregional de Controle e Vigilância da Hidatidose. A capacidade
e experiência científica-técnica do projeto abrangem a Subregião do Cone Sul (Argentina, Chile, Brasil
e Uruguai) e também é difundida extensivamente para a disposição de outros países afetados pela
doença.
Na Tuberculose Zoonótica e Brucelose Bovina, PANAFTOSA - OPAS/OMS, com o apoio dos
laboratórios nacionais associados para a cooperação técnica em zoonoses, colabora com os países
no fornecimento de materiais biológicos para diagnóstico, e na preparação e execução de projetos de
prevenção e controle que levem ao melhoramento da produção animal, qualidade dos alimentos, e
saúde dos consumidores.
Os países da América Latina permanecem livres da Encefalopatia Espongiforme Bovina.
PANAFTOSA - OPAS/OMS continua oferecendo apoio aos programas de vigilância com a distribuição
de tecidos de controles positivos para aplicação da técnica de imunohistoquímica (IHQ), implantação
da técnica, capacitação do pessoal dos países que o solicitem, e avaliação das atividades dos
laboratórios através de auditorias aplicadas à técnica de IHQ. Até o presente, 105 técnicos de 15
países foram capacitados.
O programa de Saúde Pública Veterinária tem elaborado, conjuntamente com outras unidades da
OPAS/OMS, um plano de ação de cooperação técnica para atender às necessidades dos países na
prevenção da influenza aviária.
No âmbito deste plano foi realizada a Conferência Hemisférica de Prevenção da Influenza Aviária,
em dezembro 2005, em Brasília, Brasil, organizada conjuntamente entre a OPAS/OMS e o MAPA, a
União Brasileira de Avicultura (UBA), a Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Aves
(ABEF) e outras agências internacionais de cooperação como FAO, OIE, IICA e OIRSA. Na Conferência
participaram ministros da agricultura e saúde dos países, chefes dos serviços veterinários e da saúde
pública, representantes da cadeia produtora aviária, e delegados de instituições acadêmicas e de
pesquisa.
Esta Conferência culminou com a “Declaração de Brasília” que urge os países a estabelecer
planos conjuntos de prevenção e gera, no âmbito da iniciativa FAO-OIE do Programa Global
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
13
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
Trans-fronteiriço de Controle Progressivo de Enfermidades (GF-TADs), um grupo para elaborar um
plano estratégico de prevenção continental.
O Programa de Saúde Pública Veterinária, através de PANAFTOSA - OPAS/OMS, tem trabalhado
com o grupo criado e até agora foram definidas as orientações estratégicas para a prevenção da
influenza aviária no continente. Também foi definido o papel da OPAS/OMS como organismo articulador
dos setores da saúde e da agricultura, assim como as ações prioritárias que se comprometem a
apoiar no âmbito de trabalho do GF-TAD, com o quadro profissional do nosso escritório central, de
PANAFTOSA - OPAS/OMS e das Representações Locais da OPAS/OMS.
Com referência às atividades específicas de cooperação técnica aos países, foi dada assistência
à Colômbia para enfrentar o aparecimento da influenza aviária de baixa patogenicidade e ao Equador,
na determinação de prioridades de ação para a prevenção da doença. Participou-se no simulacro
organizado por Argentina e na oficina de preparação frente a pandemias para países da América
Central, realizado em Panamá.
Biosegurança
Nas últimas reuniões da COSALFA, foram reiteradas a importância e prioridade atribuídas pelos
países à biosegurança tendo sido conseguidos avanços na matéria, particularmente nos laboratórios
produtores de vacina anti-aftosa da América do Sul.
PANAFTOSA - OPAS/OMS continuou fornecendo cooperação técnica aos países nos aspectos
relacionados com a capacitação de pessoal e a orientação técnica nos projetos de construção ou
adequação de laboratórios oficiais e privados.
- Na Colômbia, ICA colocou em vigência o prazo de proibição da manipulação do vírus em laboratórios de produção de vacinas que não dispõem de instalações nas condições da biosegurança
requerida; dois dos quatro laboratórios existentes se encontram na fase final de construção de
suas novas plantas.
- o laboratório oficial do ICA, dedicado ao diagnóstico e controle de vacinas, conta com um projeto
executivo já desenhado e tramita o seu financiamento. Por enquanto, será adequada uma área
no prédio existente, para a manipulação, em condições de menor risco, das amostras biológicas de casos suspeitosos de doenças vesiculares.
- Se no Chile e Uruguai continua vigente a proibição da manipulação do vírus, no Uruguai foi
construída uma unidade de diagnóstico primário de emergência, que minimizaria o risco por
escape do vírus, se eventualmente fosse necessário manipular amostras biológicas coletadas
de animais com suspeitas fundamentadas de ocorrência da febre aftosa, e
- na Bolívia e Paraguai continuam avaliando propostas técnicas para a adequação das instalações dos laboratórios oficiais.
Informamos que durante o período do informe, não foi possível realizar nenhuma das auditorias da
Comissão Sul Americana de Biosegurança para o Vírus da Febre Aftosa, conforme estava previsto,
devido, entre outros motivos, à falta de um acordo sobre a modalidade de financiamento do custo das
missões.
14
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
Biblioteca Virtual em Saúde Pública Veterinária
Na Biblioteca Virtual (BV) do Centro Latino-Americano e do Caribe para Informação em Ciências
da Saúde da OPAS/OMS (BIREME/OPAS/OMS), administrada a partir da cidade de São Paulo, Brasil,
foi criado um espaço para a Biblioteca Virtual de PANAFTOSA - OPAS/OMS, destinado inicialmente à
disponibilidade e difusão de informação sobre febre aftosa e das principais zoonoses objeto da
cooperação técnica. Paralelamente a esta iniciativa, e na perspectiva da re-estruturação do Programa
Regional de Saúde Pública Veterinária, se está trabalhando na construção de uma BV em Saúde
Pública Veterinária que incorpore informação científico-técnica sobre zoonoses, inocuidade dos
alimentos e febre aftosa.
A implantação desta iniciativa implica no desenvolvimento de uma rede de informações para as
três áreas técnicas anteriormente mencionadas, a ampliação da rede de instituições participantes,
nas quais se destacam instituições governamentais, universidades e associações de produtores, e a
construção cooperativa e descentralizada de fontes de informação.
A BV em Saúde Pública Veterinária, assim concebida, teria um portal sobre febre aftosa para
responder às consultas dos agentes da cadeia total de produção animal e seria o suporte científicotécnico dos serviços sanitários para a tomada de decisões.
Enquanto não se concretiza esta iniciativa é possível acessar a BV de PANAFTOSA/BIREME no
Website http://www.panaftosa.org.br.
Grupo Interamericano para a Erradicação da Febre Aftosa (GIEFA)
O Secretário ex officio antecipou que um informe detalhado das atividades do GIEFA será
apresentado posteriormente, conforme consta na agenda desta reunião. Por isso unicamente se
limitou a indicar que:
PANAFTOSA - OPAS/OMS, na sua condição de Secretaria Técnica do Grupo Interamericano para
a Erradicação da Febre Aftosa (GIEFA), criado por resolução da Reunião Hemisférica realizada em
março 2004 em Houston, Texas, EUA, está participando ativamente nas ações para difundir e
apresentar aos serviços sanitários dos países sul-americanos, os objetivos e metas do Plano
Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA), período 2005-2009. Também atua nas gestões
que paralelamente estão sendo desenvolvidas para a obtenção dos recursos financeiros necessários
para a sua execução.
Participou-se na formulação de modelos alternativos para a arrecadação e administração de
recursos, assunto que foi objeto das reuniões realizadas na Cidade do México, em abril 2005, e em
Washington em outubro do mesmo ano. Nas Reuniões foram definidas as prioridades de ação, a
nominação de membros do Grupo e a decisão de uma maior participação dos países ou instituições
doadoras.
Uma atividade relevante foi a participação na coordenação de uma missão externa integrada por
delegados do agronegócio dos Estados Unidos da América do Norte e da Agência de Inspeção de
Saúde Animal e Vegetal (APHIS) do Departamento da Agricultura (USDA) desse país, para visitar
Brasil, Bolívia, Equador e Paraguai acompanhados por delegados do GIEFA e PANAFTOSA-OPAS/
OMS. No contexto do PHEFA, teriam a oportunidade de apreciar no terreno a situação dos programas
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
15
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
de controle da febre aftosa nestes países, assim como a situação da doença e o compromisso
político dos setores público e privado para sua erradicação.
Os objetivos da Missão foram plenamente atingidos. Os países apresentaram suas prioridades
relacionadas com o PHEFA.
Comitê Veterinário Permanente (CVP)
PANAFTOSA - OPAS/OMS foi convidado e participou de várias reuniões do CVP, atua como
Secretaria Técnica da Comissão de Saúde Animal (CSA). Tem colaborado na formulação do Projeto
de Erradicação da Febre Aftosa nos Países do Mercosul Ampliado, baseado no Plano de Ação do
PHEFA 2005-2009.
Projeto de cooperação com o Banco Inter-Americano de Desenvolvimento (BID)
PANAFTOSA - OPAS/OMS, em convênio com o BID, está executando, desde 2005 e por um
período de 18 meses, um programa de cooperação técnica para os países do MERCOSUL Ampliado
(Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) orientado ao estabelecimento de um sistema
regional moderno, eficiente e eficaz em saúde animal e inocuidade dos alimentos. O orçamento é de
US$ 350.000 dos quais US$ 250.000 correspondem ao BID e US$ 100.000 aos aportes de PANAFTOSA
- OPAS/OMS.
Os componentes do programa contemplam o estudo de viabilidade e operação de um sistema de
emergência regional; a proposta de mecanismos para a administração de um fundo regional de
indenização e a compensação para erradicação da febre aftosa; a regulamentação de acordos e
para as ações regionais relacionadas; a atualização do manual de procedimentos para atenção de
focos de febre aftosa e o desenvolvimento de módulos de educação sanitária, comunicação de risco
e comunicação social.
O programa inclue o apoio à execução de algumas ações previstas no PHEFA, relacionadas com
a definição de estratégias para o fortalecimento das estruturas da saúde animal dos países, e o
estabelecimento de um escritório para estudos de Caracterização de Risco Regional da Febre Aftosa.
Na área de capacitação, tem recebido treinamento em serviço 12 profissionais dos laboratórios
dos serviços sanitários dos países em técnicas para o diagnóstico diferencial e a vigilância soroepidemiológica da febre aftosa nos laboratórios de PANAFTOSA - OPAS/OMS. Também 30
profissionais dos programas oficiais de saúde animal e inocuidade dos alimentos serão treinados
proximamente na administração de programas sanitários.
Inocuidade dos alimentos
Foi reconhecida a importância da região na produção e exportação de alimentos, assim como o
crescente desenvolvimento da indústria turística, fontes fundamentais de suporte da economia dos
países. Neste contexto, a inocuidade dos alimentos em seu impacto econômico, associado às perdas
no comércio, como na saúde pública relacionado com a morbi-mortalidade ocasionada pelas doenças
transmitidas por alimentos, é de extrema importância.
16
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
Para minimizar estes impactos, a OPAS/OMS, através do Instituto Pan-Americano de Proteção
dos Alimentos, INPPAZ, com sede em Buenos Aires, Argentina, tem desenvolvido atividades de
cooperação técnica na inocuidade dos alimentos para os países da região.
Esta situação foi mudada depois do 46º Conselho Diretivo da OPAS/OMS, reunido em Washington,
D.C., durante 26/27 de setembro 2005, que através da Resolução CD 46.6 pediu à Diretora da OPAS/
OMS a supressão do INPPAZ e a reorganização da cooperação técnica na Saúde Pública Veterinária.
Em atenção a essa Resolução, a Diretora da OPAS/OMS convocou recentemente um Grupo
Assessor Externo para que, entre outros aspectos, avalie a cooperação na Saúde Pública Veterinária
e recomende modelos alternativos de integração dos componentes da cooperação na saúde animal,
zoonoses e inocuidade dos alimentos.
O Grupo iniciará suas atividades com uma visita no dia 21 de abril próximo às instalações de
PANAFTOSA - OPAS/OMS, se subdividirá posteriormente em 3 grupos que visitarão vários países e
instituições latino-americanas. O informe do Grupo Assessor Externo deverá ser apresentado à
consideração da 138ª sessão do Comitê Executivo que se celebrará proximamente em Washington.
O informe foi apresentado à consideração dos delegados, que fizeram comentários ou observações
devidamente registradas.
3. SITUAÇÃO DOS PROGRAMAS NACIONAIS DE ERRADICAÇÃO
Dr. Victor Saraiva, Chefe da Unidade de Doenças Vesiculares, apresentou um sumário da
informação sobre os programas nacionais e a situação epidemiológica da febre aftosa no período,
enviada pelos países membros, destacando a manutenção da condição de endemismo no Equador
e na Venezuela, e as emergências registradas nos estados de Mato Grosso do Sul – MS; Paraná –
PR, no Brasil, e em Corrientes, Argentina. Foi possibilitada aos delegados destes países e do Paraguai
a apresentação de uma breve descrição das emergências e das medidas tomadas para seu controle
ou prevenção.
O delegado do Brasil apresentou um informe sobre a emergência em MS, e mencionou uma
situação observada no continente, na qual “não conseguimos vencer o último obstáculo”, representado
pelas emergências regionais, o que pode atrasar o alcance das metas do PHEFA. Apresentou uma
seqüência histórica de focos que caracteriza a persistência do vírus tipo O na região, com registro
quase anual desde o ano 2000 de focos deste tipo. Mencionou as emergências nacionais desde 1988
e reiterou a disposição do MAPA em manter a transparência da situação, apesar de que alguns países
com relações comerciais com Brasil tem imposto fortes medidas de restrição a produtos de regiões
distantes do foco, sem relação epidemiológica com o mesmo. Descreveu a seqüência de
acontecimentos relacionados com os 33 focos registrados no estado, e as ações tomadas para sua
erradicação, observando o apoio de PANAFTOSA - OPAS/OMS, principalmente na caracterização do
agente. Com referência aos focos de Paraná, não foi isolado vírus dos animais; no entanto, o MAPA
se baseou nos critérios de definição de foco da OIE, com base no diagnóstico sorológico, para
reconhecê-los. A vinculação com MS foi devida à entrada de animais desse estado antes da
identificação do foco. Reiterou a necessidade de que os países mostrem transparência em suas
ações e situações sanitárias, sem as quais não existirá credibilidade.
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
17
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
O delegado da Argentina mencionou que até o presente foram identificadas duas propriedades
afetadas. Indicou várias hipóteses da origem do foco, como endemismo residual, re-introdução, falhas
na vacina e na vacinação, e variante antigênica do vírus. Os estudos realizados apontam para a
variante local, a vacina comercialmente disponível confere proteção, mas falhas na forma como é
realizada a vacinação poderia ser uma das possíveis causas. As ações de erradicação foram tomadas
e o foco encerrado oficialmente. Continua a vigilância para determinar a estratégia a ser empregada
no futuro.
O representante do Paraguai, o Dr. Manuel Barboza, analisou a emergência no estado de Mato
Grosso do Sul, informando que o SENACSA instalou um operativo de emergência sanitária animal,
devido à situação, que foi considerada uma ameaça à pecuária paraguaia. Quando o foco foi
comunicado, entrou em ação um mecanismo e um decreto de emergência animal, ativando-se o
Sistema Nacional de Emergência Sanitária – SINAESA, nos terrenos em volta da área do foco no lado
brasileiro, com o apoio das forças armadas. A região foi atendida por 3 profissionais na fronteira, em
três sub-comissiões, Amambay, Canindeyú e Alto Paraná, com vacinações na zona perifocal e de
vigilância, sob supervisão do SENACSA. Foram realizadas vigilância ativa nas propriedades, vacinação
e restrição do trânsito através de postos, bloqueio informatizado da emissão de guias, fechamento
dos estabelecimentos e visitas de missões internacionais de FAO, UE, Chile e do CVP, em uma
missão coordenada por PANAFTOSA - OPAS/OMS. Em Ñeembucu, Misiones e Itapúa, devido a sua
proximidade a Corrientes, foi estabelecido um plano de prevenção para impedir a mobilizacão somente
desde Corrientes.
Os seguintes comentários foram feitos às apresentações: Dr. Castells, delegado do setor privado
do Uruguai, congratulou o Brasil pelas ações tomadas na ocasião da emergência e pelos conceitos
expressados pelo delegado referentes à transparência e à participação de PANAFTOSA - OPAS/
OMS em apoio à emergência; o Dr. Muzio, delegado do setor público do mesmo país, observou
que, pelas posições vistas na sub-região, estamos atrasados. Temos sido eficientes nas
emergências, no entanto, não devemos pensar em seguir atendendo somente estas situações.
Ele não está de acordo que se trata de um vírus regional. Ele acredita que é autóctone e necessita
de estudos especiais e de uma nova visão da atenção veterinária, de acordo a cada eco-sistema
diferente na região, sem excluir que o problema deve ser tratado regionalmente. O Dr. Salas SENASAG comentou que faz 2 anos que o GIEFA foi estruturado e até agora não foram observadas
ações concretas nem são organizadas atividades para executar as estratégias acordadas no Plano
de Ação 2005-2009. Ele apresentou uma proposta de resolução para estabelecer um compromisso
de todos na execução do Plano. O Dr.Belotto observou que os países tem gastado mais com as
emergências do que com a condução dos programas. Vacinar e supervisionar o processo deve ser
o eixo de nossas ações. O Dr. Prestell, delegado do setor privado da Bolívia, mencionou que no seu
país não foram obtidas vantagens reais pela existência de zona livre e que elas deveriam ser
reconhecidas nas tramitações comerciais.
Outros comentários dos delegados abordaram a persistência dos focos na sub-região desde o
ano 2000 e a importância da transparência e da credibilidade.
PANAFTOSA - OPAS/OMS apresentou um documento referente à situação da sub-região, que foi
distribuído entre os delegados para avaliação e discussão. Dr. Jaime Castells, delegado do setor
produtivo do Uruguai, fez uma menção de apoio ao documento.
18
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
4. INFORME SOBRE AS ATIVIDADES DO GIEFA
O Dr. Sebastião Guedes, presidente do GIEFA, descreveu as recentes atividades e a perspectiva
futura para a realização do Plano de Ação 2005-2009, no referente à sua administração e financiamento.
Reiterou que, em sua opinião, esta Comissão deve concentrar-se na febre aftosa. Concordou com a
reclamação da Bolívia pela demora no desenvolvimento das ações do GIEFA e pediu que a COSALFA
definisse as resoluções políticas desta natureza. Enumerou os motivos pela falta de concretização
dos programas, mencionou em detalhe a criação do GIEFA, os planos desenvolvidos para seu combate
e enfatizou o papel do GIEFA como complemento aos programas nacionais. Apresentou as áreas
prioritárias e as ações previstas no plano, citando a possibilidade em manter uma instituição para
apoiar a recepção de recursos para sua manutenção.
Destacou sua opinião pessoal referente à estrutura regional de coordenação e busca de recursos
externos de possíveis doadores. O estabelecimento de uma taxa de US$ 5 por tonelada de carne é
uma iniciativa em estudo. No seu critério, o apoio à Equador e Venezuela deve ser centralizado no
enfoque político. Alertou para a possibilidade de mudanças na atual regulamentação da OIE para
suprimir o estado de livre com vacinação. Isto ocasionaria grandes perdas ao comércio internacional
dos países da região.
O delegado do Brasil reiterou a necessidade de transparência nas relações internacionais e na
importância da participação de PANAFTOSA - OPAS/OMS nas missões internacionais e que os
países deveriam apoiar uma resolução que respalde e fortaleça PANAFTOSA - OPAS/OMS.
O delegado do setor privado da Colômbia instou aos países que fortaleçam as ações
de prevenção e controle no nível das fronteiras, compartilhando responsabilidades entre eles,
de acordo ao que está estabelecido nas linhas de ação do PHEFA. O Secretário ex officio da
COSALFA compartilhou a inquietude da Colômbia referente à proteção de fronteiras e às propostas
de mudanças no Código Terrestre, que deverão ser objeto de grupos de estudo de propostas
para a OIE.
Na opinião do delegado do setor público do Paraguai, a situação atual não é grave e, se observada
no contexto histórico, tem havido progresso e estão descritas as ações a serem tomadas nas áreas
críticas do PHEFA. Zonas de fronteira, assentamentos e áreas indígenas, devem receber atenção
especial. Pede que os países reiterem seu apoio político para a execução do Plano.
5. INFORME SOBRE ATIVIDADES DE LABORATÓRIO
A Dra. Ingrid Bergman, Chefe do Laboratório de PANAFTOSA - OPAS/OMS, mencionou as atividades
de laboratório, em especial o desenvolvimento de algumas linhas de pesquisa de provas diagnósticas
baseadas no NCP para outras espécies. Detalhou o apoio oferecido aos países na instalação e início
de trabalhos de rotina de diagnóstico e utilização dessas provas. Descreveu o trabalho de
caracterização de amostras e reiterou a necessidade de que os países enviem a PANAFTOSAOPAS/OMS as amostras de campo para atender às normas da OIE. Mencionou a participação do
laboratório nos processos de comparação internacional de provas com outros centros de referência
na Europa. Com referência aos acordos de intercâmbio de amostras, pos à disposição dos delegados
o texto de um Memorando de Entendimento para permitir o intercâmbio de amostras entre laboratórios
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
19
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
da rede, proposto pela OIE, que inclui 4 laboratórios. PANAFTOSA - OPAS/OMS ainda não assinou o
Memorando e para poder fazê-lo solicitou a respectiva posição oficial dos países membros.
O delegado do setor público da Argentina avaliou a função de PANAFTOSA - OPAS/OMS como
ente de referência regional e instou os países a enviar amostras para caracterização. Apoiou a
moção de construir urgentemente o laboratório de segurança P3+ em PANAFTOSA - OPAS/OMS,
ao mesmo tempo agradeceu o apoio na interpretação de provas de NCP em situações de terreno.
A moção também foi apoiada pelo Brasil que reiterou o compromisso de custear a construção do
laboratório mas que pela sua importância continental, deveria ser solicitada a contribuição de todos
os países.
6. INFORME SEMINARIO PRÉ-COSALFA
O Dr. Tamayo deu leitura ao informe final do Seminário sobre Aspectos Ecoprodutivos, Estrutura
e Funcionalidade dos Serviços Veterinários, no contexto das Metas do Plano Hemisférico de Erradicação
da Febre Aftosa, cujas recomendações apontam a melhoria do conhecimento da realidade produtivoepidemiológica como base das estratégias de controle e erradicação. As recomendações foram
aprovadas e coletadas na COSALFA. O documento final do Seminário se encontra no anexo 2.
7. INFORME DO SESA SOBRE AVANÇOS NOS PROGRAMAS NACIONAIS
Foi propiciada a oportunidade para que os delegados dos países apresentassem informações
sobre o nível de desenvolvimento dos seus programas nacionais.
A Dra. Alexandra Burbano e o Dr. Jorge Rosero, em representação do SESA/Equador, apresentaram
informação geral sobre a produção animal no país e detalharam a situação epidemiológica da doença
durante vários anos, analisando sua ocorrência sazonal e distribuição geográfica. Informaram sobre
as atividades de vacinação anti-aftosa no país, que são irregulares e heterogêneas, variando de 20 a
95% de cobertura. Detalharam os componentes do programa nacional, especialmente a distribuição
das responsabilidades entre os atores envolvidos. Mencionaram o convenio com APHIS e o BID para
o estabelecimento da capacidade de diagnóstico e o controle de trânsito de animais, concebidos
como componentes importantes da estratégia do programa nacional.
O Dr. Ernesto Salas, pelo SENASAG/Bolívia, detalhou o programa nacional, os alcances e
problemas epidemiológicos observados em cada região do país. Fez menção ao plano de controle/
erradicação tripartite com Argentina e Paraguai na região do Chaco e descreveu em detalhe o regime
de vacinação especial de acordo aos ecosistemas identificados na Bolívia.
A Eng. Betsaida Viáfara e o Sr. Héctor Medina, em representação da Venezuela, detalharam as
ações que estão desenvolvendo no país e os problemas de coordenação interna. Comentaram sobre
a distribuição da doença no país a partir de 2003. Fizeram menção especial da coordenação
internacional com Colômbia, levando em consideração o risco que representa a doença na fronteira
ocidental do país.
O delegado do setor privado da Bolívia queixou-se da disparidade entre os países, levando em
consideração que não tem sido vistas vantagens adicionais na criação de zonas livres e por esse
20
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
motivo argumentou que está contra as ações no Chaco. Esta questão foi contestada pelo Brasil, que
recordou todo o apoio que Bolívia tem recebido em vacinas e operativos de vacinação.
O representante do setor privado da Colômbia observou que em muitos países o registro de
coberturas vacinais é muito baixo e que isto deveria ser objeto de recomendação aos países, incluindose a vacinação de animais jovens, que em alguns países já não está sendo executada. Enfatizou que
devem realizar-se ciclos de vacinação duas vezes ao ano, coordenados lado e lado das fronteiras
internacionais, como uma estratégia obrigatória de trabalho conjunto.
Com referência à continuação das auditorias, foram emitidas várias opiniões e houve consenso
de que devem continuar de forma rotineira e não somente em ocasiões de emergência.
8. INFLUENZA AVIÁRIA: ESTATUS DA SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS
Devido a problemas de tempo, a secretaria se desculpou e cancelou a apresentação de um
informe sobre o estado da situação e perspectivas do combate à Influenza Aviária, no entanto, as
informações sobre as ações executadas pela OPAS/OMS podem ser vistas em www.paho.org.
9. APROVAÇÃO DAS RESOLUÇÕES
Nove propostas de resoluções foram elaboradas pela secretaria e colocadas à consideração dos
delegados. Depois de discutidas foram aprovadas com as observações de cada caso e se encontram
em anexo ao presente informe.
10. ENCERRAMENTO
A cerimônia de encerramento contou com a presença do Eng. Abel Viteri, Dr. Albino Belotto,
Dr. Miguel Genovese e Dr. Rodrigo Mena, Presidente da Federação de Pecuaristas do Equador, que
agradeceu aos delegados dos países membros e aos observadores nacionais e internacionais pela
participação, reiterando a melhor disposição da Federação em apoiar o combate à febre aftosa no
Equador. Foram entregues placas de agradecimento ao Sr. Prefeito de Guayas, Nicolás Lapentti e ao
Eng. Abel Viteri, Diretor do SESA, em reconhecimento do apoio e esforços recebidos para o controle
e erradicação da febre aftosa no Equador.
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
21
I N F O R M E
22
C E N T R O
P A N -
F I N A L
A M E R I C A N O
D E
-
X X X I I I
F E B R E
C O S A L F A
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
C E N T R O
P A N -
F I N A L
A M E R I C A N O
-
X X X I I I
D E
C O S A L F A
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
23
XXXIII COSALFA
Guaiaquil, Equador
6 e 7 de abril 2006
R E S O L U ÇÕES
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO I
Caracterização Epidemiológica
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
As últimas ocorrências de focos da febre aftosa no Cone Sul;
As análises da situação efetuadas pelos serviços veterinários dos países afetados e as avaliações
epidemiológicas realizadas por PANAFTOSA - OPAS/OMS, indicam a existência de áreas críticas destacadas no
PHEFA que poderiam explicar as origens das referidas ocorrências;
Estas áreas estão caracterizadas por condições ecológicas especiais e de sistemas de produção que dificultam
a operação e gestão de intervenção sanitária, tanto em alcançar níveis adequados de imunidade da população
como de vigilância e detecção da doença,
RESOLVE:
1. Solicitar a PANAFTOSA - OPAS/OMS que, conjuntamente com especialistas dos países, elabore pautas e
procedimentos estratégicos e operativos de intervenção sanitária tendentes à eliminação do problema.
2. Instar os países a aprofundar as caracterizações epidemiológicas dos seus territórios e dos seus sistemas
produtivos, que permitam identificar a eventual existência de condições de risco em seus territórios, e adequar
ações dos seus serviços veterinários para a eliminação das condições mencionadas, com base nas recomendações
que sejam estabelecidas.
(Aprovada na sessão plenária do dia
7 de abril de 2006)
C E N T R O
P A N - A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
27
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO II
III Oficina Internacional de Especialistas de Laboratório em Doenças Vesiculares
Atividades do Laboratório de Referência
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
A importância do apoio científico-técnico dos laboratórios de diagnóstico e controle de biológicos, para respaldar
a informação da situação sanitária alcançada nesta etapa do PHEFA, na América do Sul;
A necessidade de fortalecer aspectos do sistema de vigilância, tendentes a melhorar o baixo registro de
suspeitas notificadas e o seguimento das mesmas, inclusive em casos de suspeitas negativas para febre aftosa,
com o objetivo de contar com um diagnóstico conclusivo;
A importância da validação de novas metodologias, seguindo requisitos internacionalmente aceitos, o que
requer amostras com histórico epidemiológico conhecido e que sejam representativas da nossa Região;
A necessidade de manter e fortalecer a visão estratégica da luta regional que requer harmonização, equivalência e
transparência dos resultados de laboratório, seguindo enfoques internacionalmente harmonizados e aceitos pela OIE;
Os bons resultados obtidos por grupos de trabalho ad hoc conformados por profissionais de PANAFTOSA OPAS/OMS e dos países,
RESOLVE:
1. Endossar as recomendações da Oficina Internacional de Especialistas de Laboratório em Doenças
Vesiculares, 2005, realizado em PANAFTOSA - OPAS/OMS, em particular.
a) Dar início, em coordenação com PANAFTOSA - OPAS/OMS, à aplicação no campo da prova de I-ELISA
3ABC/EITB, em ovinos e suínos.
b) Que os países revisem e respondam, num prazo de 30 dias, à consulta realizada por PANAFTOSA - OPAS/
OMS sobre a categorização e disponibilidade do seu inventário de cepas.
c) Que amostras representativas de todos os eventos de febre aftosa na região sejam remetidas à PANAFTOSA OPAS/OMS para estudos de referência, acompanhadas com os resultados das análises efetuadas localmente.
d) Dar continuidade às oficinas de especialistas de laboratório e incentivar projetos de colaboração com os
países da região, em especial para a validação de métodos de diagnóstico sensíveis e rápidos de detecção,
como o RT-PCR e a validação de PCR para diagnóstico diferencial.
e) Que os países se pronunciem, num prazo de 30 dias a partir da data, sobre sua concordância ou não em
relação à assinatura por parte de PANAFTOSA - OPAS/OMS do Memorando de Entendimento dos laboratórios de referência da OIE/FAO. PANAFTOSA - OPAS/OMS assinará esse documento com a maioria
absoluta de aprovação por parte dos países, de acordo com o Estatuto da COSALFA.
f)
Conformar um grupo ad hoc com profissionais de epidemiologia e de laboratório dos países e de PANAFTOSA
- OPAS/OMS, visando uma correta interpretação dos resultados da vigilância epidemiológica e de efetuar,
nesse sentido, propostas de modificação no Código Sanitário para os Animais Terrestres da OIE.
(Aprovada na sessão plenária do dia
7 de abril de 2006
28
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO III
Laboratório de Biosegurança em PANAFTOSA - OPAS/OMS
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
A Declaração da III Oficina Internacional de Especialistas de Laboratório em Doenças Vesiculares;
A exigência da OIE para a manipulação de agentes de risco, entre os quais o Vírus da Febre Aftosa;
O reconhecimento de PANAFTOSA - OPAS/OMS como laboratório de referência em febre aftosa, e considerando
as dificuldades existentes para cumprir com suas funções e missões devido à falta de um laboratório de Biosegurança
Nível 3Agricultura,
RESOLVE:
1. Enfatizar a necessidade urgente de que se concretizem ações para dotar à PANAFTOSA-OPAS/OMS com
uma infra-estrutura que lhe permita cumprir com suas atividades de referência na região, reiteradamente
recomendadas por COSALFA.
2. Solicitar a PANAFTOSA - OPAS/OMS realizar gestões com os países membros sobre alternativas de
financiamento para efetivar a adequação do seu laboratório a esses requerimentos.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
29
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO IV
Planos Operativos de Ação do PHEFA
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
Que foi formulado, aprovado pelos países da região, e se encontra em execução o Plano Hemisférico de
Erradicação da Febre Aftosa – PHEFA 2005-2009:
Que o PHEFA define claramente os países e zonas críticas de intervenção, assim como os objetivos políticoestratégicas e ações prioritárias;
Que é necessário implementar mecanismos que possibilitem um melhor sistema de monitoração e avaliação
operativa do PHEFA nos níveis regional e nacional,
RESOLVE:
1. Encomendar ao GIEFA que formule, em coordenação com PANAFTOSA - OPAS/OMS e as iniciativas
regionais envolvidas, no âmbito do PHEFA, os planos operativos de ação à curto prazo que incluam: indicadores
de avaliação, instituições participantes e fontes de financiamento.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
30
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO V
Seminário Internacional “Aspectos ecoprodutivos, estrutura e funcionalidade
dos serviços veterinários, no contexto das metas do
Plano Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA)”
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
A importância do conhecimento dos processos produtivos, nos seus sistemas regionais de produção pecuária
e seu impacto na vulnerabilidade e receptividade de áreas com referência à febre aftosa;
A necessidade de fortalecer as estruturas da atenção veterinária e de reorientar os processos de controle e
erradicação;
Que ambos os conceitos foram tratados neste Seminário, o qual emitiu recomendações a esse respeito,
RESOLVE:
1. Endossar as recomendações do Seminário.
2. Solicitar à PANAFTOSA-OPAS/OMS que dê seguimento junto aos países para o cumprimento das
recomendações do Seminário.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
31
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO VI
Mitigação de Risco
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
Que as zonas fronteiriças entre os países constituem, por seus fatores estruturais e pelo dinamismo comercial,
territórios ou espaços geográficos objeto de especial atenção nas estratégias de prevenção, controle e erradicação;
Que existe o compromisso de integração, no âmbito dos convênios ou acordos sanitários fronteiriços, anunciado
no Plano de Ação 2005-2009,
RESOLVE:
1. Recomendar aos países que incorporem, no âmbito estratégico dos seus programas de erradicação, ações
nas distintas áreas fronteiriças que, de comum acordo, permitam a solução dos problemas sanitários potencializados
por deficiências estruturais e pelo comércio, com base em recursos técnicos e financeiros que permitam, a sua
vez, mitigar ou eliminar os riscos sanitários nas mobilizações dos animais para e desde estas zonas.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
32
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO VII
Regionalização em situações de emergência
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
Que extensas zonas da América do Sul tem sido reconhecidas internacionalmente como livres da febre aftosa
com e sem vacinação;
Que a re-introdução do agente nessas zonas afeta o estatus sanitário reconhecido de circuitos produtivos não
diretamente relacionados à zona afetada;
Que a suspensão do estatus reconhecido traz sérios problemas às relações comerciais regionais e internacionais,
RESOLVE:
1. Solicitar à PANAFTOSA-OPAS/OMS que revise, com a colaboração dos setores público e privado da
região, as experiências de focos de febre aftosa em zonas previamente reconhecidas como livres pela OIE,
propondo opções baseadas em conceitos epidemiológicos e não administrativos, de modo a não perder o
reconhecimento da totalidade do território.
2. Submeter os resultados desse estudo à OIE para sua análise pelos Grupos ad hoc de Febre Aftosa e de
Epidemiologia, e eventualmente apresentação ao Comitê Científico.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
33
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO VIII
Designação da sede da COSALFA XXXIV
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
O oferecimento feito pelo representante da Venezuela para ser a sede da XXXIV Reunião Ordinária da COSALFA,
RESOLVE:
1. Designar como sede da XXXIV Reunião Ordinária da COSALFA a cidade de San Cristóbal, Estado Táchira,
Venezuela, em data a ser definida em março de 2007.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
34
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
RESOLUÇÃO IX
Agradecimentos
A XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA DA COSALFA,
Considerando:
As excelentes condições oferecidas pelas autoridades oficiais e pelos representantes do setor privado do
Equador, em especial a atenção do pessoal do Serviço Equatoriano de Sanidade Agropecuária – SESA, para a
realização da XXXIII Reunião Ordinária da COSALFA,
RESOLVE:
1. Agradecer à República do Equador, na pessoa do Vice-Presidente Dr. Alejandro Serrano Aguilar, do ViceMinistro da Agricultura Dr. Hernán Chiriboga; ao Governo Provincial de Guayas, na pessoa do Econ. Nicolás
Lapentti e ao SESA, na pessoa do Eng. Agr. Abel Viteri e a todo o seu pessoal, assim como aos representantes
das Associações de Pecuaristas do país, pela gentil hospitalidade que recebemos na cidade de Guaiaquil.
(Aprovada na sessão plenária
do dia 7 de abril de 2006)
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
35
XXXIII COSALFA
Guaiaquil, EQuador
6 e 7 de abril 2006
ANEXOS
Anexo 1
AGENDA
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
ANEXO 1
COMISSÃO SUL AMERICANA DE LUTA CONTRA A FEBRE AFTOSA
XXXIII REUNIÃO ORDINÁRIA
Guaiaquil, Equador
06 e 07 Abril 2006
AGENDA
QUINTA-FEIRA, 06 de abril
09:00 - 09:30 - Abertura da Reunião.
09:30 - 10:00 - Informe da Secretaria ex officio.
10:00 - 10:15 - Discussão.
10:15 - 10:45 - Intervalo.
10:45 - 11:15 - Situação dos Programas Nacionais de Erradicação da Febre Aftosa:
„ Cono Sul
„ Área Andina
„ Área Amazônica e Brasil.
11:15 - 11:35 - Informe do processo de erradicação dos focos de Febre Aftosa no Brasil.
11:35 - 11:55 - Informe do processo de erradicação dos focos de Febre Aftosa na Argentina.
11:55 - 12:15 - Informe das medidas de prevenção da Febre Aftosa no Paraguai.
12:15 - 13:00 - Discussão.
13:00 - 14:30 - Almoço.
14:30 - 15:15 - Informe de atividades do Grupo Interamericano para a Erradicação da Febre Aftosa -GIEFA.
15:15 - 15:30 - Discussão.
15:30 - 16:15 - Informe sobre as atividades do laboratório de PANAFTOSA - OPAS/OMS.
16:15 - 16:30 - Discussão.
16:30 - 17:00 - Intervalo.
17:00 - 17:30 - Informe do Seminário "Aspectos ecoprodutivos, estrutura e funcionalidade dos serviços
veterinários no contexto das metas do Plano Hemisférico para a Erradicação da Febre Aftosa - PHEFA”.
17:30 - 18:00 - Discussão.
SEXTA-FEIRA, 07 de abril
09:00 - 10:00 - Informe de progresso dos Programas Nacionais de Erradicação da Febre Aftosa do Equador,
Bolívia e Venezuela.
10:00 - 10:15 - Discussão.
10:15 - 10:45 - Influenza Aviária: situação e perspectivas de ação.
10:45 - 11:00 - Discussão.
11:00 - 11:30 - Intervalo.
11:30 - 13:00 - Outros assuntos.
13:00 - 14:30 - Almoço.
14:30 - 15:30 - Apresentação e discussão das resoluções.
15:30 - 16:00 - Encerramento.
C E N T R O
P A N - A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
41
Anexo 2
INFORME FINAL - SEMINÁRIO INTERNACIONAL PRÉ-COSALFA
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
ANEXO 2
INFORME FINAL – SEMINÁRIO INTERNACIONAL PRÉ-COSALFA
ASPECTOS ECOPRODUTIVOS, ESTRUTURA E FUNCIONALIDADE
DOS SERVIÇOS VETERINÁRIOS NO CONTEXTO DAS METAS DO
PLANO HEMISFÉRICO DE ERRADICAÇÃO DA FEBRE AFTOSA
Guaiaquil, Equador – 3 e 4 de abril de 2006
Na cerimônia de abertura participaram o Eng. Hernán Chiriboga, Vice-Ministro da Agricultura e Pecuária
do Equador; o Eng. Abel Viteri, Diretor do Serviço Equatoriano de Sanidade Animal e o Dr. Miguel Angel
Genovese, Diretor Interino do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa – PANAFTOSA -OPAS/OMS.
Os objetivos do Seminário foram os seguintes:
a) Identificar mudanças nos sistemas de produção pecuária e fatores de risco associados à
ocorrência de febre aftosa na América do Sul,
b) Estabelecer as necessidades e alternativas para o fortalecimento dos sistemas oficiais da
atenção veterinária, e
c) Fortalecer a sustentação técnica e a estratégia operativa do Plano Hemisférico de Erradicação
da Febre Aftosa, período 2005-2009.
Participaram representantes dos serviços veterinários, organizações de pecuaristas e veterinários
com prática privada dos países sul-americanos, assim como da indústria farmacêutica veterinária,
dos laboratórios de diagnóstico, centros de educação superior, institutos de pesquisa e agências de
cooperação técnica e financeira internacional.
O Programa foi desenvolvido em cinco sessões de trabalho:
Sessão I: Os sistemas de produção e ecosistemas epidemiológicos, base de sustentação do
Plano Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa.
O conhecimento da situação produtivo-epidemiológica das diversas áreas de um país é necessário
para o desenho de estratégias para alcançar as metas do Plano Hemisférico. Os níveis de
vulnerabilidade e receptividade são as medidas para orientar as ações de controle.
Estes conceitos orientam o desenvolvimento da versão 2005-2009 do Plano de Ação e devem ser
utilizados pelos programas nacionais no desenvolvimento das ações de controle e erradicação.
Sessão II: Intervenção sanitária para a erradicação da febre aftosa: estrutura e gestão de qualidade
dos serviços veterinários.
Foi apresentado um breve resumo histórico da Organização Internacional de Saúde Animal – OIE,
sua visão atual dos serviços veterinários, a cooperação internacional e as normativas do Código
Sanitário para os Animais Terrestres, relacionadas com as funções básicas dos serviços veterinários.
Foram mencionados os mecanismos de auto-avaliação ou avaliação dos serviços, a previsão da
C E N T R O
P A N - A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
45
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
formação de uma equipe de auditores e a disponibilidade de um guia para a avaliação dos serviços
veterinários.
Foram analisados os componentes essenciais dos programas de erradicação da febre aftosa,
sua estrutura e a transcendência das funções operativas das unidades locais.
Apresentou-se, finalmente, a metodologia e experiências do processo de auditorias do Serviço de
Sanidade Animal do Brasil. No final da sessão foram informadas as experiências de auditorias dos
serviços veterinários realizadas por PANAFTOSA - OPAS/OMS.
Sessão III: Regionalização sanitária e reconhecimento de zonas ou países livres da febre aftosa.
Foram analisadas as disposições do Código Sanitário para os Animais Terrestres da OIE, com
referência à regionalização da febre aftosa. Foram comunicadas as experiências da Argentina, país
com vários processos de reconhecimento e suspensões de estatus alternados, devido à reaparição
da doença. Foram analisadas as eventuais alternativas de modificação do Código para melhorar as
possibilidades de regionalização e reconhecimento de áreas livres.
Destacou-se a cooperação de PANAFTOSA - OPAS/OMS para prover a base científico-técnica da
documentação que é apresentada pelos países à OIE, para o reconhecimento de zonas ou países
livres da febre aftosa.
Foram apresentadas as limitações das ferramentas atuais de diagnóstico, o número elevado de
resultados negativos e o baixo número de notificações de suspeitas da febre aftosa. Destacou-se
que é necessário fortalecer as ações de campo, garantir a qualidade das amostras, fortalecer o
diagnóstico de suspeitas e o uso de todas as provas recomendadas.
Reiterou-se a necessidade de contar com estratégias que permitam ter mecanismos de proteção
de fronteiras para todos os países.
Foram revisadas as estratégias adotadas pelos países no âmbito da mitigação dos riscos de
vulnerabilidade e receptividade, a obtenção, proteção e manutenção de áreas livres de febre aftosa
com vacinação.
Sessão IV: Componentes operativos essenciais para a obtenção e manutenção de zonas ou
países livres de febre aftosa com vacinação.
Foram analisadas as fortalezas e debilidades dos programas de vacinação antiaftosa e, partindo delas,
a necessidade de realizar monitoração da cobertura da imunidade e identificação de animais vacinados.
Apresentou-se a metodologia e experiências das pesquisas sobre cobertura da imunidade que se
realizam no Brasil e na Argentina.
Apresentaram-se os diferentes componentes do sistema de informação e vigilância epidemiológica
que permitem tomar decisões a nível local ou nacional, em situações de alerta.
Sessão V: Aspectos críticos para alcançar as metas do Plano Hemisférico de Erradicação da
Febre Aftosa, na sua fase final.
46
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
Considerando os itens mencionados, se resolve apresentar à consideração da XXXIII COSALFA
as seguintes recomendações:
Recomendação 1
Que os países atualizem suas caracterizações ecoprodutivas para reorientar a atenção veterinária
às zonas prioritárias.
Recomendação 2
Que os países fortaleçam o controle do trânsito, evitando que se transforme em mero mecanismo
de coleta de taxas.
Recomendação 3
Que se promova, no interior dos programas, uma cultura de auto-avaliação para a realização de
auditorias de acordo com as normas da OIE, aplicada às estruturas e à gestão de qualidade dos
serviços de atenção veterinária.
Recomendação 4
Que os países façam esforços de coordenação nacional e ajustem suas legislações para poder
atuar junto aos novos compromissos do PHEFA, em especial os países considerados críticos pelo
Plano.
Recomendação 5
Fortalecer as ações de campo para que o sistema de alerta, que deve incluir todos os atores
sociais e em especial os veterinários com prática privada, detecte e reporte as suspeitas.
Garantir a qualidade das amostras e fortalecer o diagnóstico utilizando todas as provas
recomendadas. Para as amostras negativas à Febre Aftosa e à Estomatite Vesicular, que seja aplicado
o diagnóstico diferencial baseado na detecção do agente e não só dos anticorpos.
Promover o uso de perfis populacionais de níveis de anticorpos, para a vigilância ativa da febre
aftosa.
Recomendação 6
Que os países desenvolvam processos para monitorar a vacinação e a avaliação da cobertura da
imunidade.
C E N T R O
P A N -
A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
47
Anexo 3
Avaliação do Seminário
I N F O R M E
F I N A L
-
X X X I I I
C O S A L F A
ANEXO 3
Avaliação do Seminário
Seminário Internacional: Aspectos ecoprodutivos, estrutura e funcionalidade dos serviços
veterinários no contexto das metas do Plano Hemisférico para a Erradicação da Febre Aftosa
Abril 2006, Equador
C E N T R O
P A N - A M E R I C A N O
D E
F E B R E
A F T O S A
-
O P A S / O M S
51
Anexo 4
LISTA DE PARTICIPANTES
54
Coordinador de
Análisis de Riesgo
Asesor de Gabinete
Especialista Sanidad Instituto Interamericano e
Agropecuaria e Inocui- Inocuidad de los Alimentos
dad de los Alimentos Regional Sur
Gastón María Funes *
Leonardo Oscar Mascitelli
Víctor Arrúa Maidana
* Delegado
Veterinary Officer
Asesor
Federico González Grey *
Cesar Vladimir Orozco Quezada
Director Técnico
Enrique Ernesto Argento
Presidente
Presidente
Carlos Alberto Diez
BOLÍVIA
Carlos Quaino Dellien
Gerente de
Investigaciones
Ana Maria Espinoza
United States Department of
Agriculture - Animal and Plant
Health Inspection Service
Federación de Ganaderos
de Beni y Pando
Secretaría de Agricultura,
Ganadería, Pesca y Alimentos
Servicio Nacional de Sanidad
y Calidad Agroalimentaria
Sociedad Rural Argentina
Servicio Nacional de Sanidad
y Calidad Agroalimentaria
Colegio de Veterinarios de la
Provincia de Buenos Aires
VETIA S.A.
VETIA S.A.
Director
Alejandro Gil
INSTITUIÇÃO
VETIA S.A.
CARGO
ARGENTINA
Abel Dante Contini
NOME COMPLETO
XXXIII COSALFA
(5411) 43078196
55
Avenida Ejercito Nacional, 153
Santa Cruz
Av. Cipriano Barace, 83 El Beni
Bernardo de Irigoyen, 88 Piso 5
Buenos Aires
Paseo Colón, 982/922 Buenos Aires
Paseo Colón, 367 - Buenos Aires
Distrito Federal
(5913) 3120230 - 3120226
3120225 - 31215
(591346) 22347
20483
(5411) 43348282
43451210
(5411) 43492584
(5411) 43340077
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(54221 -) 4232685 /4259419
154201778
(543327) 3327 448362
(543327) 448304
(543327) 42962158
T E L EFONE
Florida, 460 Buenos Aires, Distrito Federal (5411) 43244700
Paseo Colón, 367 - Buenos Aires
Distrito Federal
Calle 47, 386 La Plata - Buenos Aires
Ruta Panamericana KM 38.2,
Buenos Aires Distrito Federal
Ruta Panamericana KM 38.2,
Buenos Aires Distrito Federal
Ruta Panamericana KM 38.2,
Buenos Aires Distrito Federal
ENDEREÇO
LISTA DE PARTICIPANTES
Guaiaquil, Ecuador - 06 e 07 abril 2006
ANEXO 4
Vice Presidente
Representante
Epidemiólogo
Gerente Técnico
George Prestel Kern *
Héctor Campos López
Humberto Menacho Rojas
Roberto Aguilera Guzmán
Médico Veterinário/
Dirigente da Equipe
de Virología
Diretor Geral
Alexandre de Carvalho Braga
Altino Rodrigues Neto
* Delegado
Secretaria de Agricultura do
Estado do Rio Grande do Sul
Associação Brasileira dos
Importadores e Exportadores
de Carne
Antônio Jorge Camardelli
Antonio Machado de Aguiar
Fundo Emergencial de Febre
Aftosa do Estado de Mato Grosso
Instituto Mineiro de Agropecuária
Antonio Carlos Carvalho de Sousa Secretário Executivo
Diretor Executivo
Rua Marechal Deodoro, 450/12º andar
Curitiba - Parana
Av. Eng. Luis Carlos Berrini, 716/2º
São Paulo - SP
Av. Cipriano Barace, 83 El Beni
José Natusch S/N - Cercado,
Santa Cruz
Avenida Palca y Calle 54, La Paz
Av. Ejército Nacional esq.
Soliz de Olguín, Santa Cruz
Av. Ejército Nacional, 141
Santa Cruz
ENDEREÇO
(11) 3813-1277
(65) 36853514
(31) 32132198
(51) 34813711
(41) 3240275
9116-9186
(11) 55044333
(591346) 22347
20483
(591346) 27300 591
71130748
(5912) 2797272
2796151
(5913) 3351144
1145
(5913) 4625650
4627300
71362791
T E L EFONE
56
Av. Borges de Medeiros, 19º and., 1501 (51) 99754351
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1912
10º andar, Conjunto E - São Paulo
Sao Paulo
Alameda Annibal Molina, sn,
Porto Cuiabá Mato Grosso
Avenida dos Andradas, 1220
Belo Horizonte Minas Gerais
Centro de Pesquisas Veterinárias Estr. do Conde, 6000 Eldorado do Sul
Desidério Finamor - Secretaria de Rio Grande do Sul
Ciência e Tecnologia do Estado do
Rio Grande
Assessor de Pecuária Fundo de Desenvolvimento de
Agropecuária do Estado do
Paraná
VALLÉE S/A
Federación de Ganaderos de
Beni y Pando
Servicio Nacional de Sanidad
Agropecuaria e Inocuidad
Alimentaria - SENASAG
Instituto Interamericano de
Cooperación para la Agricultura IICA
Federación de Ganaderos de
Santa Cruz
Servicio Nacional de Sanidad
Agropecuaria e Inocuidad
Alimentaria
INSTITUIÇÃO
Alexandre Antonio Jacewicz
Gerente de
Exportações
Jefe Nacional de
Sanidad Animal
Ernesto Salas García *
BRASIL
Alexander Gomes Nascimento
CARGO
NOME COMPLETO
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
Presidente
Assistant Area Director United States Department of
Agriculture Animal and Plant
Health Inspection Service
Presidente
Chefa
Médico Veterinario
Chefe de Gabinete
Chefe
Gerente de Registro
de Produtos
Diretor Técnico
Coordenador
Area Director
Benedito Fortes de Arruda
David A. Ashford
Décio Coutinho
Diana Sione Barbosa Pinheiro
Fernando Henrique Sauter Groff
Fernando Torbay Gorayeb
Francisco Airton Nogueira
Heloiza Helena Baliza Pereira
Hygino Felipe de Carvalho
Jamil Gomes de Souza
Jeffrey Gavin Willnow
United States Department of
Agriculture Animal and Plant
Health Inspection Service
Ministério da Agricultura, Pecuária
e Abastecimento
Agencia Goiania de Defesa
Agropecuária
Vallée S.A.
Laboratório Nacional Agropecuário
Ministério da Agricultura, Pecuária
e Abastecimento
Assembléia Legislativa do Estado
de Mato Grosso
Secretaria da Agricultura e
Abastecimento do Estado do
Rio Grande do Sul - Ministerio da
Agricultura
Laboratório Nacional Agropecuário
Ministério da Agricultura, Pecuária
e Abastecimento
Instituto de Defesa Agropecuária
do Estado do MT
Conselho Federal de Medicina
Veterinária
Fundo para o Desenvolvimento
da Agropecuaria do Estado
de Goiás
Secretário Executivo
Aparecido dos Reis Pacheco
INSTITUIÇÃO
CARGO
NOME COMPLETO
(81) 81 - 32688834
o 3441
6311/3570
(65) 36442082
99821463
(11) 51867296
9435-9921
(61) 33227708
99840109
(62) 32249116
99529897
T E L EFONE
57
Rua Henri Dunant, 500 - São Paulo
Sao Paulo
Esplanada dos Ministérios, Bloco D
Anexo A - Brasília - Distrito Federal
Av. Portugal, 591 Qd J-10 Lote 06
Setor Oeste - Goiania - Goias
Av. Hum, 1500 Montes Claros
Minas Gerais
Av. Almirante Barroso, 1234
Belém - Para
Av B, Lote 6, S/N CPA - Cuiabá
Mato Grosso
(11) 51867480 - 7095
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(61) 32182701 - 32182315
2314 - 99714691
(62) 32018411
(38) 32297130
99861620
(91) 32268814
32264233
32264310
(65) 39016767
99813333
Av. Borges de Medeiros, 1501/19º and. (51) 81141500
Porto Alegre - Rio Grande do Sul
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n
Recife - Pernambuco
Av. B, s/n Ed. Ceres, 2 andar CPA Cuiabá Mato Grosso
Rua Henri Dunant, 500
São Paulo - Sao Paulo
SCS Q1 - LT E Nº 30, Ed. Ceará
- 14º andar Brasília Distrito Federal
Av. Goiás Sl 805/807, 112
Edif. Tropical
Centro - Goiania - Goias
ENDEREÇO
Presidente
Gerente Técnico
Especialista Agrícola
Gerente
Presidente
Fiscal Federal
Agropecuário
Superintendente
Chefe do Serviço de
Defesa Agropecuária
Presidente
Superintendente de
Produção Animal
José Antonio de Ávila
José Carlos Pinho Morgado
Juan Poveda
Mario Eduardo Pulga
Maurício Antônio do Vale Faria
Nilton Antônio de Morais
Paulo Antonio da Costa Bilégo
Plínio Leite Lopes
Sebastião da Costa Guedes
Sergio Luiz Lima Monteiro
* Delegado
CHILE
Hector Galleguillos *
ENDEREÇO
Instituto Mineiro de Agropecuária
Conselho Nacional de Pecuária
de Corte
Delegacia Federal da Agriucltura Ministério da Agricultura, Pecuária
e Abastecimento
Delegacia Federal da Agriucltura Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento
Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento
Agencia Goiania de Defesa
Agropecuária
BAYER S.A.
Banco Interamericano de
Desenvolvimento
Merial Saúde Animal Ltda.
Jefe - Subrogante
*Servicio Agrícola y Ganadero
Ministerio de Agricultura
(11) 31515351
82924468
(65) 36855598
(65) 3685-5678
7689
(61) 32182232
(62) 32018416
58
Avenida Bulnes, 140 PIso 7 Santiago
Region Metropolitana
(562) 3451424 - 3451402
97798397
(1204) 7892047
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
s[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected] [email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(11) 56945241 - 84469891
(61) 3317-4274
33174278
(19) 37075031
(65) 36853514
T E L EFONE
Av. dos Andradas, 1220 Belo Horizonte (31) 32135010
Minas Gerais
Praça da República, 180 São Paulo
Sao Paulo
Alameda Dr. Aníbal Molina,, s/n
Varzea Grande - Mato Grosso
Alameda Dr. Aníbal Molina, s/n
Varzea Grande - Mato Grosso
Esplanada dos Ministérios, Bloco D
Anexo A - Brasília - Distrito Federal
Av. Portugal, 591 Qd J-10 Lote 06
Setor Oeste - Goiania - Goias
Rua Domingos Jorge, 1000 São Paulo
SEN Quadra, 802 Conjunto F - Lote 39
Brasília - Distrito Federal
Av. Carlos Grimaldi, 1701 4º. and.
Campinas - Sao Paulo
Fundo Emergencial de Febre Aftosa Al. Dr. Anibal Molina, S/N. Anexo
Ministerio Agricultura Varzea Grande
MatoGrosso
Carnes Selecionadas de Caprinos
e Ovinos
INSTITUIÇÃO
Chief of Foot-and-Mouth Canadian Food Inspection Agency 1015 Arlington St. Suite T2300
Disease Division
National Centre for Foreign Animal Disease
Produtor
João Torres Dantas Neto
CANADÁ
Alfonso Clavijo
CARGO
NOME COMPLETO
Directora Regional
Médico Veterinario
Gerente Comercial
Director Científico
Karen Sliter
Patricio Vigneaux Simpson *
COLÔMBIA
Alfredo Sánchez Prada
Benito Eugenio Gutiérrez
Presidente
Gerente General
Presidente
Gerente Comercial
Gerente de Negocios
Internacionales
Veterinario Especialista
José Elías Borrero Solano
Libardo Mojica Rojas
Luis Augusto Mazariegos Godoy
Luis Herney Gomes Martinez
Luis Mazariegos Hurtado
Roberto Guzmán
* Delegado
Coordinador de la Área Federación Colombiana de
Científica de Sanidad Ganaderos
Animal
Ismael Zuñiga Arce *
*United States Department of
Agriculture - Animal and Plant
Health Inspection Service
Laboratorios LAVERLAM
Laboratorios LAVERLAM S/A
Laboratorios LAVERLAM
Limor de Colombia Ltda.
Empresa Colombiana de
Productos Veterinarios S.A.
Gerente de Producción Empresa Colombiana de
y Manufactura
Productos Veterinarios S.A.
*United States Department of
Agriculture - Animal and Plant
Health Inspection Service
Limor de Colombia Ltda.
Empresa Colombiana de
Productos Veterinarios S.A.
Federación Nacional de la Leche
*United States Department of
Agriculture - Animal and Plant
Health Inspection Service
INSTITUIÇÃO
Guillermo Antonio Restrepo Suárez
Darya Chehrezad
CARGO
NOME COMPLETO
T E L EFONE
59
Calle 22D Bis #47-51, Bogotá
Distrito - Capital
Carrera 5, 47-165 Vale del Cauca
Bogotá - Distrito - Capital
Carrera 5a, 47-165, Bogotá
Distrito - Capital
Carrera 5, 47-165 Vale del Cauca
Bogotá - Distrito - Capital
Avda. 15, 106-50 Oficina 507
Bogotá - Distrito - Capital
Av. El Dorado, # 82-93 Bogotá
Distrito - Capital
Calle 37, 14-31 Bogotá
Distrito - Capital
Av. El Dorado, # 82-93 Bogotá
Distrito - Capital
Calle 22D Bis #47-51, Bogotá
Distrito - Capital
Calle 33A # 76B-21
Av. El Dorado, # 82-93 Bogotá
Distrito - Capital
Lautaro, 220 Los Angeles VIII Región (Bio-Bio)
(571) 3152192
2327035
(572) 4474411
(571) 2443039
3104704702
(572) 4474411
(571) 6201023
6204236
(571) 4254815
4254815
(571) 5782020 ext 257
(571) 4254800
(571) 3152192
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(571) 5299397 / 5225082
(571) 4254818
(5643) 313359
9848109
Ave. Andrés Bello, 2800 U.S. Embassy (562) 3303490
Santiago Santiago Region Metropolitana
ENDEREÇO
Jefe de Laboratorios
Instituto Nacional de Higiene y
Veterinarios Zona Norte Medicina Tropical "Leopoldo
Izquieta Perez" - SESA
Anibal Mantilla
* Delegado
60
Avda. Eloy de Alfaro y Amazonas,
Quito Pichincha
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Celso Nazario Torres Martinez
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Carlos Echeverría Paredes
Pio Montufar, 2109 Manabi
Comisión Nacional de Erradicación Km 4.5 Av. Carlos Julio Arogemena,
de la Fiebre Aftosa en el Ecuador Edif. Guitig Guayaquil Guayas
Asociación de Ganaderos
Unidos somos Más
Betty Amarilys Franco Almeida
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Juan Coronel 905 y Esmeraldas,
Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Manabi
Avda. Eloy de Alfaro y Amazonas,
Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
800 m. Norte del Cruce Ipís,
Sede Central San Jose
800 m. Norte del Cruce Ipís,
Sede Central San Jose
ENDEREÇO
Celso García
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Antonio López
Coordinador
Director Técnico
Alex Fabricio Andrade Orlando*
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Gobierno Nacional de la
República del Ecuador
1º. Vicepresidente
Alejandro Serrano Aguilar
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria
Director General
EQUADOR
Abel Viteri Echenique
Instituto Interamericano de
Cooperación para la Agricultura
Instituto Interamericano de
Cooperación para la Agricultura
INSTITUIÇÃO
Alba Cecilia Moran Vaca
Subdirector General
CARGO
James Butler
COSTA RICA
Jaime Miñoz Reyes N.
NOME COMPLETO
(5934) 2203512
(5932) 2544472
2567232
2417091
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
(5932) 2690806
2690749
(5932) 2567232directo
2548823 - 2544476
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
(506) 2160195
(506) 2160222
T E L EFONE
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
Instituto Nacional de Higiene y
Medicina Tropical "Leopoldo
Izquieta Perez"/SESA
Asociación de Ganaderos del
Litoral y Galápagos
Presidente
Asesor
Flor Maria Villalva
Freddy Bustamante
Galo Izurieta
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Asociación de Ganaderos Unidos
somos Más
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Georgia Elena Mendoza Castañeda
Germán Jimenez
Gustavo Miño
61
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Pio Montufar, 2109 Manabi
Manabi
Pedro Pinto 610 y Avenida Napo,
Quito Pichincha
Ciudadela la FAE Av. Cosme Reneñl
y Cabo Ericcson Cañarejo, 38 Villa 9
Guayaquil - Guayas
Juan Coronel 905 y Esmeraldas,
Quito Pichincha
Asociación de Ganaderos Brown Suis
Manabi
Fernando Rosero
Pasteurizadora Quito S.A.
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
FACSIMILE E-MAIL
(5932) 2548823 ramal 125
2417091
(5932) 2651880
(5934) 2290136
(5932) 2690806
2690749
Av. Quito y Padre Solano, 402 - 3º Piso (5934) 2287795
Guayaquil Guayas
Manabi
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Gobierno Provincial de Napo
Ministerio de Agricultura y
Ganadería
Euclides Andrade Solórzano
T E L EFONE
Av. 25 de Julio y Pio Jaramillo, Manabi 2439394
Manabi
ENDEREÇO
Fabián Danilo Pérez Guerrero
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Enrique German Falcones Yagual
Médico Veterinario
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Efraín Villar
Universidad Agraria del Ecuador
Docente
Dédime Campos Quinto
INSTITUIÇÃO
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
CARGO
David Alejandro Restrepo Charvet
NOME COMPLETO
Comisión Nacional de Erradicación Km 4.5 Av. Carlos Julio Arogemena,
de la Fiebre Aftosa en el Ecuador Edif. Guitig Guayaquil Guayas
Director Ejecutivo
Vice Ministro
Jorge Delgado Tello *
Jorge Hernán Chiriboga Pareja
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Jorge Rosero Benalcázar
José Italo Perero Carrillo
* Delegado
Instituto Nacional de Higiene y
Medicina Tropical "Leopoldo
Izquieta Perez"/SESA
Asociación de Ganaderos de la
Sierra y Oriente
Jorge Ontaneda Andrade
José Miguel Torres Rivadeneira
PRONACA
Jorge Macas
Médico Veterinario
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Javier Rodríguez
*Ministerio de Agricultura y
Ganaderia
Comisión Nacional de Erradicación 12 de Abril y Cornelio Merchán
de la Fiebre Aftosa en el
Ecuador - CONEFA
Javier Edson Moncayo Mieles
62
Juan Coronel 905 y Esmeraldas,
Quito Pichincha
Manabi
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Calle Antonio Granda Centeno 704 y
Carondelet, Quito Pichincha
Avs. Eloy Alfaro y Amazonas,
Edf. MAG sexto piso Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Asociación de Ganaderos de Morona
Manabi
Pio Montufar, 2109 Manabi
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Manabi
ENDEREÇO
Iván Delgado Mancheno
Organización de las Naciones
Unidas para la Agricultura y la
Alimentación
Ivan Angulo Chacón
Representante de
FAO en Ecuador
Asociación de Ganaderos Unidos
somos Más
Iván Alvarado
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Jefe
Hernán Álvarez
INSTITUIÇÃO
Gobierno Provincial de Napo
CARGO
Heckel Augusto Rivadeneyra
NOME COMPLETO
5932) 2690806
2690749
(5932) 2567232 directo
2548823
2544476
(5932) 2444102
(5932) 2554620
2550502
(5934) 2203512
2201799 - 2207725
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
2417091
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
062887760
T E L EFONE
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
63
Comisión Nacional de Erradicación Km 4.5 Av. Carlos Julio Arogemena,
de la Fiebre Aftosa en el Ecuador Edif. Guitig Guayaquil Guayas
María Teresa de Alvarez
Av. 12 de Octubre, N24-584 Manabi
Manabi
Instituto Interamericano de
Cooperación para la Agricultura
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Luis Naveda Cedeño
Manabi
Marcelo Vivas
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Luis Felipe Ortiz Fuentes
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Cámara de Agricultura de Guayaquil
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Luis Escobar
Km 4.5 Av. Carlos Julio Arogemena,
Edif. Guitig Guayaquil Guayas
Avda. Eloy de Alfaro y Amazonas,
Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Av. Amazonas y UNP, N 37-102
Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
ENDEREÇO
Luis Salvador
Comisión Nacional de
Erradicación de la Fiebre
Aftosa en el Ecuador
Luis Ayala
Médico Veterinario
Servicio Ecuatoriano de
Sanidad Agropecuaria
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Lidia Alexandra Burbano Enriquez
Luis Angel Valdivieso Cevallos
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Leonel Quelal
Coordinadora
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Juan Collaguazo
Laboratorios Laverlam S.A.
Gerente General
Juan Carlos Robles Chavez
INSTITUIÇÃO
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
CARGO
José Yaguana
NOME COMPLETO
(5934) 2203512
(5932) 2945104
(5932) 2567232 directo
2548823
2544476
(5934) 2203512
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(5932) 2548823
2567232 ext: 136 - 137
98539262
(5932) 2567232 directo
2548823
2544476
(5932) 2567232 directo
2548823
2544476
(5932) 2263978
(5932) 2567232 directo
2548823
2544476
T E L EFONE
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Camara Ecuatoriana - Americana
de Comercio
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
*Ministerio de Agricultura y
Ganaderia
Asociación de Ganaderos
Holstein Friesian
Segundo Romero
Stephenson E. Bravo
Temistocles Elias Gilces Murillo
Teresita Valverde Paredes
Thelmo Hervas
Víctor López
Asociación de Ganaderos Unidos
somos Más
Roberto Leopoldo Tapia Alcívar
PRONACA
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria
Ricardo Ramón Zambrano Moreira
Santiago Salazar
*Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Ramón Intriago
Presidente
PRONACA
Patricio Wandemberg
Prefectura de la Provincia del Guayas Manabi
Prefeito
Nícolas Lapentti
64
Km 6 1/2 Autopista Delvalle, Manabi
Avs. Eloy Alfaro y Amazonas,
Edf. MAG sexto piso Quito Pichincha
Manabi
Manabi
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Pio Montufar, 2109 Manabi
Avda. Eloy de Alfaro y Amazonas,
Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Avda. Eloy Alfaro y Amazonas,
esq., Quito Pichincha
Servicio Ecuatoriano de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de
Agricultura y Ganadería
Ave. Mariana de Jesús E7-157,
La Pradera Quito Pichincha
ENDEREÇO
Nelson Robles
INSTITUIÇÃO
Instituto Interamericano de
Cooperación para la Agricultura
CARGO
Miguel Angel Arvelo Sánchez
NOME COMPLETO
2348328
(5932) 2567824
2553472
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
2417091
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
(5932) 2567232directo
2548823
2544476
(5932) 2909002
T E L EFONE
FACSIMILE E-MAIL
* Delegado
Juan Gay Gutiérrez
MÉXICO
Igor Romero Sosa
Juan Lubroth
ITÁLIA
Federica Monaco
GUIANA
Kenrick Elias*
Director Nacional de
Vigil. Epidemiológica
Medico Veterinario
Zootécnico
Senior Veterinary
Officer
Veterinary Officer
Chief
Especialista Agrícola
Ricardo Vargas del Valle
Nari Mon Repos East Coast
Demerara
1300 New York Avenue,
N.W., Washington
RRI - Box, 133 Illinois
1300 New York Avenue,
N.W., Washington
1300 New York Avenue,
N.W., Washington
4700 River Road, Unit 33, Maryland
Vía Quinto frente al Hotel Zaracay
(recinto ferial)
ENDEREÇO
Via delle Terme di Caracalla,
Room: C-548 Roma Lazio
65
Dirección General de Salud Animal Municipio Libre 377 - Piso 7/A Secret. de Agricultura, Ganadería, Santa Cruz Atoyac
Desarrollo Rural
Servicio Nacional de Sanidad,
Municipio Libre No. - Ala "A" Inocuidad y Calidad Agroalimentaria Piso 7Col. Santa Cruz Atoyac, 377
Animal Production & Health
Division Food & Agriculture
Organization of the United Nations
Instituto Zooprofilattico Sperimentale Via Campo Boario
dell'Abruzzo e del Molise
"G.Caporale"
Minister of Fisheries,
Crops and Livestock
Banco Interamericano de
Desarrollo
Illinois Soybean Board
President
Philip E. Bradshaw
Banco Interamericano de
Desarrollo
Banco Interamericano de
Desarrollo
Specialist
Gabriel Montes Llamas
*United States Department of
Agriculture - Animal and Plant
Health Inspection Service
Asociación de Ganaderos de
Santo Domingo de los Colorados
INSTITUIÇÃO
Jaime Estupiñán
Director Regional
CARGO
ESTADOS UNIDOS
Antonio Ramirez
Vinicio Arteaga
NOME COMPLETO
(5255) 91831000 - 33877
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(5255) 59051000 ext 51060
(39 06) 57054184
3482580768
(39) 861 - 332279
/3321
(592) 2269215
(1202) 6231931
(217) 8332446
(1202) 6231931
(1202) 6232082
(301) 7340616
(5932) 751481
T E L EFONE
CARGO
Chefe
Secretária
Estatístico
Representante
Especialista em
Prod. e Controle
de Biológicos
Consultor en Salud
Pública Veterinaria
Jefa de Laboratorio
Consultora en Salud
Pública Veterinaria
Consultor en Salud
Pública Veterinaria
Epidemiólogo
Consultor
Director interino
NOME COMPLETO
OPAS/OMS
Albino Belotto
Ana Cristina Aguiar da Silva
Antonio José Mendes da Silva
Diego Victoria
Gilfredo Comparsi Darsie
Hugo Tamayo
Ingrid Bergmann
Isabel Sánchez Soto
José Ismael Soriano
José Naranjo
Julio Cesar Augusto Pompei
Miguel Angel Genovese
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Organización Panamericana
de la Salud/Organización
Mundial de la Salud
Organización Panamericana
de la Salud/Organización
Mundial de la Salud
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Organización Panamericana
de la Salud/Organización
Mundial de la Salud
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Organización Panamericana
de la Salud/Organización
Mundial de la Salud
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Organización Panamericana
de la Salud/Organización
Mundial de la Salud
INSTITUIÇÃO
66
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Amazonas N. 2889 y Mariana de
Jesus, Quito Pichincha
Edificio "Faro del Río" Mcal. López
Esq. Estados Unidos, 957
Asunción Central
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av: Molina, 1915 La Molina Lima
Lima
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Amazonas N. 2889 y Mariana de
Jesus, Quito Pichincha
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
525 23rd St. N.W., Washington
ENDEREÇO
(5521) 3661-9002
82268886 /98031216
(5521) 3661-9050
(19) 97203223
(5521) 3661-9024
81432622
(5932) 2460330
2460215
(59521) 450495
450595
(5521) 36619056
(511) 4213030
(5521) 3661-9020
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(5932) 2460330 /246021
2460 2460332/296
99827989
(5521) 36619034
99121554
(5521) 3661-9003
81554815
(1202) 9743191
2022620239
T E L EFONE
Secretária
Comunicadora Social
Epidemiologista
Representante
Director Técnico
Director General
Raquel Paubel dos Santos
Rosane Rosa Hansen Lopes
Victor Emmanoel Vieira Saraiva
PANAMÁ
Abelardo De Gracía Scanapieco
Franklin Clavel
José Dimas Espinosa G.
* Delegado
Coordinador Nacional **Servicio Nacional de Calidad
del Programa de
y Salud Animal
Fiebre Aftosa
Manuel Adrián Barboza González
Asociación Rural del Paraguay
Vice Presidente 1º
Juan Carlos Granada *
Servicio Nacional de Salud
Animal
Presidente
Ministerio de Agricultura y
Ganadería
Comisión Panamá-Estados
Unidos para la Erradicación
y Prevención del Gusano
Barrenador del Ganado
Comisión Panamá-Estados
Unidos para la Erradicación
y Prevención del Gusano
Barrenador del Ganado
Organismo Internacional Regional
de Sanidad Agropecuaria
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
Centro Pan-Americano de
Febre Aftosa
INSTITUIÇÃO
Hugo Adolfo Corrales Irrazabal *
Viceministro de
Ganadería
Consultora
Monica Martini
PARAGUAI
Gerardo Jose Bogado Ayala
CARGO
NOME COMPLETO
67
Ruta Mcal. Estigarribia, Km. 10 1/2,
San Lorenzo Central
Ruta Transchaco KM 14 1/2,
Asuncion Central
Ruta Marechal Estigarribia,
Km 10 1/2 San Lorenzo
Ciencias Veterinarias casi
Ruta Mariscal Estigarribia, Km. 10.5
San Lorenzo Asuncion Central
Edificio 573, Altos de Curundu,
Panama
Calle Manuel E. Melo, Altos de Carundú, 573
Panama
Calle Maritza Alabarca,
Casas 1012 A-B Panama
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
Av. Presidente Kennedy, 7778
Duque de Caxias - Rio de Janeiro
ENDEREÇO
(59521) 505727
576435
(59521) 754412
(59521) 576435*
501374/ 507862
(59521) 523690
(507) 2326044
(507) 2326030
2326709
6128629
(507) 317-0903
(5521) 3661-9022
87477143
(5521) 3661-9047
81344236
(5521) 3661-9023
93117813
(5521) 3661-9004
T E L EFONE
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
Secretario de la
Junta Directiva
Secretario Técnico
Cienstista Agrícola
Directora General
Gerente Comercial
Ing. Agronomo
Jaime Castells Montes*
Recaredo Ugarte
Ricardo Romero
VENEZUELA
Betzaida Viafara Rey*
Fabio Marín Correa
Héctor Rafael Medina Castro *
* Delegado
Director General de
Servicios Ganaderos
Francisco Muzio*
URUGUAI
Antonio Alves Junior
Rosa Guerrero Cespedes
Director General de
Salud Animal
Director de Servicios
Técnicos
Primo Ricardo Feltes Bagnoli
PERÚ
Oscar Miguel Domínguez Falcón*
CARGO
NOME COMPLETO
Confederación Venezuelana de
Agricultores y Ganaderos
Biologicos LAVERLAM de
Venezuela, C.A.
Servicio Autónomo de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de la
Producción y el Comercio
*United States Department of
Agriculture - Animal and Plant
Health Inspection Service
Comité Veterinario Permanente
del Cono Sur
Associación Rural del Uruguay
Ministerio de Ganadería,
Agricultura y Pesca
Comisión de Representantes
Permanentes del MERCOSUR
Secretaría General de la
Comunidad Andina
*Servicio Nacional de Sanidad
Agraria - Ministerio de Agricultura
**Servicio Nacional de Calidad
y Salud Animal
INSTITUIÇÃO
68
Av. Urdaneta, Centro Finaciero Latino,
Piso 17 Oficina 9
Dependencias Federales
Urbanización Terrazas del Castillito,
Via San Diego c/c Lufe Local 6
Valencia Carabobo
Avenida Lecuna, Parque Central El Conde, Torre Este - Piso 12
Dependencias Federales
Lauro Muller, 1776 Montevideo
Constituyente, 1476 Piso 2
Montevideo
Av. Uruguay, 864 Montevideo
Constituyente, 1476 Montevideo
Luis Piera, 192 Artigas
Av. Paseo de la República, 3895
Lima - Lima
Av. La Molina, 1915 Lima - Lima
Ruta Mcal. Estigarribia, Km. 10 1/2,
San Lorenzo Central
ENDEREÇO
(58212) 5641083
(58241) 715717
(58212) 5420511
40414323739
(5982) 17702441
(5982) 4101793 Interno 135
(5982) 9020886
099362530
(5982) 4126305/ 4126369
99602475
4101990
(511) 4111400 anexo 1432
(511) 3133310
98707101
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected].gub.uy
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
(59521) 501374/ 576749
505727 /507862
T E L EFONE
Especialista Agrícola
Vicepresidente
Médico Veterinario
Jorge Andres Leon Paredes
Manuel Cipriano Heredia Concha
Pedro Arriaga
Servicio Autónomo de Sanidad
Agropecuaria - Ministerio de la
Producción y el Comercio
Federación Nacional de
Ganaderos de Venezuela FEDENAGA
USDA/APHIS/IS
Espec. Regional en
Instituto Interamericano de
Sanidad Agropecuaria Cooperación para la Agricultura
Jaime Humberto Flores Ponce
INSTITUIÇÃO
CARGO
NOME COMPLETO
69
Avenida Lecuna, Parque Central El Conde, Torre Este - Piso 12
Dependencias Federales
Av. Urdaneta, piso 18,
Ofic. 18-2 y 18-4,
Centro Financiero Latino
Embajada de Estados Unidos,
Urb. Colinas de Valle Arriba,
Caracas Distrito Federal
Esquina Puente Victoria a Ño Pastor
Edificio Centro Villasmil, Piso 11,
Oficina 1102 Dependencias Federales
ENDEREÇO
(58212) 5424177
5422514
0416 6124217
58 - 14567.012
(58212) 9078577
(58212) 5718055
T E L EFONE
[email protected]
[email protected]
[email protected]
FACSIMILE E-MAIL
70
Editado e impresso
em julho de 2006 no
CENTRO PAN-AMERICANO DE FEBRE AFTOSA - OPAS/OMS
Caixa Postal, 589, 20001-970, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
www.panaftosa.org.br

Documentos relacionados

Especial Rio sedia reunião internacional sobre Saúde e Agricultura

Especial Rio sedia reunião internacional sobre Saúde e Agricultura as políticas dos programas de erradicação da doença no continente americano. A COHEFA busca assegurar a vontade política dos países e setores privados da Região, coordenando e avaliando as ações do...

Leia mais