infantojuvenil - Livraria da Vila

Transcrição

infantojuvenil - Livraria da Vila
Edição 125
●
Ano 11
●
Seu Jeito de Ler
LEMBRANÇA
Leitores ilustres
revelam suas
primeiras leituras
inesquecíveis
ENTREVISTA
O escritor Ziraldo
fala sobre livros,
crianças e educação
NÃO PERCA
Vista o seu e venha
para a Festa do Pijama
do Menino Maluquinho
PROMOÇÃO DO LIVRO
INFANTOJUVENIL
Nos dias 20 e 21 de setembro, todos os livros do
segmento com descontos a partir de 25%
●
Setembro 2014
2
ÍNDICE | setembro_2014
10especial
Os livros que marcaram a infância,
a adolescência ou a vida de
leitores muito especiais
16encontro
A Festa do Pijama, do Menino
Maluquinho, tem bate-papo
com Ziraldo e Anna
Muylaert na Fradique
18esporte
6entrevista
O alpinista Waldemar Niclevicz
lança O Brasil no topo do mundo
O escritor e jornalista Ziraldo fala
sobre livros, leitura e educação
5editorial
20lançamento
Mary del Priore autografa Do outro
lado – A história do sobrenatural
e do espiritismo
Por Samuel Seibel
21literatura
Ruy Castro é o convidado
do projeto Primeira Página
este mês, em SP
22retrato
O centenário de nascimento
do cantor e compositor
Lupicínio Rodrigues
24aconteceu
As atrações especiais
que movimentaram
nossas lojas em agosto
25programação
Ilustração: Dalcio Machado
14capa
Nos dias 20 e 21, uma nova
edição da Promoção do Livro
Infantojuvenil
Cursos, workshops,
lançamentos e todos os
programas da agenda
43nossas dicas
Sugestões para ver, ouvir e ler
NOSSAS LOJAS
FRADIQUE COUTINHO
R. Fradique Coutinho, 915
11 3814-5811
...............................................................
LORENA
Alameda Lorena, 1731
11 3062-1063
...............................................................
MOEMA
Av. Moema, 493
11 5052-3540
...............................................................
SHOPPING
PÁTIO HIGIENÓPOLIS
Av. Higienópolis, 618
11 3660-0230
...............................................................
SHOPPING JK IGUATEMI
Av. Juscelino Kubitscheck,
2041
11 5180-4790
...............................................................
SHOPPING CIDADE JARDIM
Av. Magalhães de Castro,
12000
11 3755-5811
...............................................................
Campinas
GALLERIA SHOPPING
Rod. Dom Pedro I, s/nº
19 3706-1200
...............................................................
Curitiba
SHOPPING PÁTIO BATEL
Av. do Batel, 1868
41 3020-3500
www.livrariadavila.com.br
Trabalhe conosco:
[email protected]
A Revista Vila Cultural é uma publicação mensal da Livraria da Vila • Editor-chefe: Samuel Seibel [email protected]
livrariadavila.com.br • Editor & Publicidade: Rafael Seibel [email protected] • Jornalista
responsável: Sérgio Araújo MTB - 4422 • Programação: Gil Torres [email protected], Julio César
Brugnari [email protected] e Ana Luiza Arra [email protected] • Revisão:
Valéria Palma • Colaboraram: Aruanda Leonel e Rodrigo Oliveira • Ilustração da Capa: Dalcio Machado
Capa & Diagramação: Jonas Ribeiro [email protected]
3
4
EDITORIAL | por Samuel Seibel
Redescobrir o caminho
N
os dias 23 e 24 de agosto fiz, pela primeira vez, uma prova esportiva que se chama Corrida de Aventura e envolve trekking,
canoagem e mountain bike. A prova é disputada em duplas
ou em quatro pessoas. Não é revezamento. Cada equipe fica junto
o tempo todo. Este é o primeiro desafio: conviver harmoniosamente
durante as longas horas da prova.
A grande diferença entre esta e outras modalidades esportivas do gênero – como triatlo, corrida ou ciclismo –, é que, além do contato intenso
com a natureza, na Aventura torna-se absolutamente imprescindível o
conhecimento sobre navegação. O que é isso? Leitura de mapa, uso
de bússola, além de estratégia para escolher o caminho (mais longo
e mais seguro ou mais curto e mais arriscado?).
Por que, afinal, conto tudo isso? Vou explicar. Logo no início do ciclismo,
interpretamos errado o mapa e perdemos a entrada que deveríamos
seguir para passar pelo Posto de Controle (são nove PCs). Esse erro
nos custou um adicional de 15 Km (a prova era de 25 Km) e mais
uma hora e meia de pedalada, com muitas, mas muitas subidas em
estradinhas de terra. Voltamos, retomamos o caminho certo, passamos
pelo PC, cruzamos o pórtico e ganhamos nossa suadíssima medalha.
Vimos pessoas que também se perderam e desistiram da prova.
Voltando para São Paulo, pensei: “Interessante isso na vida. Volta e
meia nos perdemos, ficamos sem rumo, mas persistimos, batalhamos
e achamos a estrada novamente. Pode ser difícil, doloroso, mas
retomar o caminho, ou descobrir um outro, compensa demais todo o
esforço despendido! E como é bom fazer esse percurso com pessoas
queridas.”
Parece “autoajuda”, mas reconheço que faz total sentido para mim.
Boa leitura. Abraços.
Samuel Seibel.
5
ENTREVISTA | Ziraldo
“Ler é mais importante que estudar”
se transformou numa das frases mais
famosas de Ziraldo, que participa da Festa
do Pijama, do Menino Maluquinho, no
sábado, 13 de setembro, na Livraria da Vila
da Fradique
6
E a luta continua
Dos mais importantes autores brasileiros, Ziraldo vai à festa
do Menino Maluquinho na Livraria da Vila e, como faz há
décadas, apresenta a solução para a educação no Brasil:
“tem que ensinar a ler e escrever como quem respira”
Z
históricos. No caso dele, sempre
com graça e ironia, ainda há o
mérito de ser um dos criadores
do famoso O Pasquim, “o jornal
não conformista” que fez história
na imprensa brasileira. Avesso a
qualquer nostalgia e sem jamais
se levar muito a sério, sobretudo
diante de elogios, o escritor que
priorizou o público infantil a partir
da década de 1980 está prestes
a completar 82 anos, no mês que
vem. Workaholic não confesso,
segue cheio de ideias, projetos,
disposição e cada vez mais
convicto de que “a coisa mais
importante do mundo” é ensinar as
crianças do Brasil “a ler, a escrever
e a fazer contas como se aprende
a respirar”. Ou seja: como algo
Foto: Marcelo Correa/Divulgação
iraldo vai às gargalhadas
quando ouve que, por
força de seu trabalho como
escritor, chargista ou jornalista,
acabou se transformando num
dos brasileiros mais influentes
e respeitados de sua geração,
que viveu, do começo ao fim, os
tempos da ditadura, de 1964 a
1984, entre tantos outros episódios
7
ENTREVISTA | Ziraldo
essencial e primordial, do qual
depende todo o resto para viver a
vida integralmente. “Quero ajudar a
melhorar o Brasil e tenho a solução
para a questão da educação no
país. É simples: a criança tem de
chegar na universidade lendo e
escrevendo como quem respira.
É só isso que a criança tem de
aprender na infância: ler, escrever
e contar”, diz.
Há décadas viajando pelo país,
Ziraldo tem levado pessoalmente
esse recado a lugares distantes,
em especial depois da criação de
seu ilustre Menino Maluquinho que,
sem nem contar o prestígio na TV,
no teatro, no cinema e até em jogos
eletrônicos, já ganhou mais de 100
edições em livros e, estima-se,
ultrapassa a marca de 3 milhões de
exemplares vendidos ao longo dos
últimos 40 anos. Entre os projetos
estrelados por sua “criatura” mais
ilustre está a coleção que a Editora
Melhoramentos lança a partir dos
episódios que foram roteirizados e
dirigidos por Anna Muylaert para
a televisão, em 2006, como Um
menino muito maluquinho. Anna é autora também dos textos
dos livros da coleção, que tem
ilustrações de Mig. Ela e Ziraldo
confirmam presença na big Festa
do Pijama (inspirada num dos
episódios/livros) do Menino Maluquinho, que acontece na Livraria
da Vila da Fradique no sábado,
dia 13 de setembro, a partir das
11h (leia nas próximas páginas). É
um motivo e tanto para fazer uma
festa da leitura, no astral – sempre
altíssimo – de Ziraldo.
Mineiro de Caratinga, o escritor assinou, ainda na década
de 1960, A turma do Pererê, a
primeira revista em quadrinhos
brasileira feita por um só autor. Os
quadrinhos que fez para adultos,
especialmente The Supermãe e
Mineirinho – o comequieto, até hoje
são citados por seus admiradores,
assim como FLICTS, seu primeiro
livro infantil, traduzido para vários idiomas. Otimista daqueles
que só tem olhos para as coisas
que melhoraram no Brasil, Ziraldo
concedeu a seguinte entrevista à
Vila Cultural:
8
Se você tem o que fazer, tudo vai se
ajeitando. E sempre digo que se você
trabalha não tem tempo de ficar velho.
Vila Cultural. Como começou
sua parceira com a diretora e
roteirista Anna Muylaert?
Ziraldo. Entrei em contato com
ela quando levamos O Menino
Maluquinho para a televisão. Ela
criava as histórias, os diálogos,
sempre de maneira sensacional,
inteligente e muito criativa. Quando
começou a fazer esse projeto, os
dois filhos da Anna tinham idades
diferentes, cinco e 10 anos. Daí
veio a ideia para fazer histórias do
Maluquinho em dois tempos, com
idades também distintas. Depois,
fizemos um filme, e agora a (editora) Melhoramentos está lançando,
numa linguagem de quadrinhos, a
coleção que traz essas histórias da
Anna, que tem um talento fora do
comum. O filme ou a série de TV
virar gibi é uma transposição muito
comum nos Estados Unidos, mas
no Brasil ainda acontece pouco.
E o desenhista, nesse caso, é o
Miguel Mendes, Mig, que trabalha comigo há muitos anos. E eu
fico só “sobrenadando”. Ou seja:
aprovo, desaprovo, sugiro, mas é
a criação das histórias é da Anna
e os quadrinhos do Miguel.
VC. A ideia, mesmo via quadrinhos, é cativar novos leitores?
Ziraldo. Exatamente. Num país
como o nosso, penso que devia
haver mais interesse dos governos
ou das editoras pelos livros infantis
porque você cria e forma o leitor na
infância. Por isso, sempre digo que
cabe ao autor de livros para crianças uma responsabilidade e um
trabalho enormes: o de conquistar
o leitor pelo prazer de ler. Inclusive
porque o país não foi desbravado,
por assim dizer, com um livro na
mão. Foi com a picareta e com a faca. Os caras vieram aqui para levar
o ouro, a cana, a madeira. E só. É
diferente, por exemplo, da história
dos Estados Unidos, onde o papiro
tinha literalmente outro papel. Mas
com a gente a conversa é outra e
devemos insistir, ainda hoje, para
que tudo que puder ser feito em
favor da leitura, para prestigiar o
livro, seja feito no Brasil. Por isso,é
que me empenho tanto nessas
feiras, nas “flips”, nos convites que
recebo. Para onde me convocam,
lá vou eu.
VC. Desde que começou essa
sua “batalha” pelo livro, as coisas melhoraram ou pioraram?
Ziraldo. Há hoje uma consciência
mais acentuada de que o ensino
fundamental devia dar ênfase
absoluta e total à leitura. As
pessoas sabem disso, mas não
há uma política ou uma medida
educacional no Brasil que enfatize
a leitura como prioridade. Não há
nada mais importante do que isso.
Porque você só pode educar uma
geração ou um cidadão se eles
sabem ler. O código principal do
aprendizado é a leitura. Você não
vai educar uma criança só contando casos para ela guardar na
memória. A mensagem importante
é gravada, documentada. Por isso
o livro é a coisa mais importante na
história da humanidade. O homem
só chegou à lua, por exemplo, por
causa do livro. Se não existisse o livro, o homem jamais teria chegado
à lua. Você não pode entender os
dados e o status da viagem só contando casos de um ao outro. Tem
que escrever. Mas se você escreve
e o povo não sabe ler, como é que
faz? Por isso a prioridade absoluta
tem que ser a leitura e os governos
brasileiros já deviam saber disso.
VC. É consenso que você é um
dos brasileiros mais influentes
da sua geração. Como lida com
esse elogio/constatação?
Ziraldo. Eu (às gargalhadas)? Você está brincando? Eu sou apenas
um agitador e o meu negócio é o
seguinte: o tipo de profissão que
Cabe ao autor de livros para crianças
uma responsabilidade enorme: o de
conquistar o leitor pelo prazer de ler.
me coube – porque destino você
não escolhe, o destino acontece
– permite que eu fale com muita
gente ao mesmo tempo. Muito
mais do que uma pessoa que tem
outro tipo de profissão. Falo com
muito mais gente do que um bancário ou um médico falaria. Tenho
consciência disso e não vou perder
essa chance. E também tenho
consciência de que nós nascemos
e vivemos num país em que as
coisas ainda estão todas por fazer.
Viajando pelo Brasil, eu percebi, já
há muito tempo, que a questão do
ensino fundamental ainda é muito
mecânica. Parece que ainda não
há consciência de que se está preparando as pessoas para o futuro
e para a vida. O que acontece hoje
então? A palavra de ordem agora
é inclusão. Ah, então tem que
incluir pelo teatro, pelo esporte...
E tem bandinha de música, tem
o diabo a quatro para incluir... E
eu normalmente pergunto: “Mas e
o livro? Que horas vocês mexem
com o livro?” E ninguém responde.
Aí, o menino faz teatro e começa
lá a sonhar que vai ser ator da TV
Globo e não precisa mais ler. Como
é que fica? Até agora só foram
dois, o Laranjinha e o Acerola, mas
todo mundo queria ir pra Globo...
Faz um curso de teatro na escola,
fala em inclusão e depois que bota
ele na vida real o que ele vai fazer?
Como é que vai ganhar o dinheirinho dele depois para pagar os
estudos ou criar a família? Por isso,
tem que ensinar a ler, a escrever
e a contar. O resto é progresso.
A escola fundamental tinha que
ensinar a ler, a escrever e a contar
como quem respira. E é esse o
discurso que eu vivo fazendo onde
quer que eu possa.
VC. Apesar de tudo isso, você
ainda é um otimista?
Ziraldo. Nós ainda vamos ser
um grande país. O Brasil está
melhorando muito. Nossa senhora
do céu. Uma coisa impressionante.
E a gente tem essa chance porque,
apesar de tudo, é um povo fácil
de trabalhar. Se você olhar as
manifestações que aconteceram
no ano passado, os quebra-quebras no Rio de Janeiro, por
exemplo, foram coisas, no fundo,
para tentar melhorar. Não era pra
derrubar o Brasil. A gente tem esse
traço: de achar que vai ser melhor.
Mas se pudesse melhorar pela
leitura e pelo ensino mais dirigido,
você cada dia melhoraria sim, de
verdade, o país.
VC. Quantas horas por dia você
trabalha?
Ziraldo. Tem uma frase do Cervantes, do Dom Quixote, em que ele
fala o seguinte: “Meu repouso é o
campo de batalha”. Eu sou mais ou
menos assim. Estamos conversando, mas estou aqui, rascunhando,
ligado no meu desenho. E não me
venha com história de me levar pra
praia... Eu chego lá e fico louco
para voltar. Meu prazer é ficar
na prancheta, criando as coisas
que eu faço e que me dão muito
prazer. É uma sorte muito grande
você poder viver daquilo que você
gosta. Dizem que sou workaholic,
mas não sou não...
VC. O lado bom e o lado ruim de
se viver 80 anos...
Ziraldo. A melhor parte é poder
ter acompanhado pelo menos 80
anos da história do seu país. Isso
é muito, muito bom, mais do que
interessante. Eu vi, por exemplo, o
meu pai esticando fios numa altura
de quinze metros para tentar fazer
um rádio funcionar... E começava
aquela chiadeira e papai, orgulhoso, dizia: “Eu vivi bastante para
ouvir isso. Preste atenção...” E
era o Ari Barroso narrando o jogo
do Flamengo. E eu não conseguia entender nada por causa da
qualidade da transmissão. E ver o
homem chegar na lua, rapaz! Isso
tudo aconteceu. O fato de estar
acompanhando a evolução do
mundo, do meu país, é um privilégio. Lembro-me do recenseamento
em que o Brasil tinha 45 milhões de
habitantes, nos anos de 1940. E eu
já estava prestando atenção. Então
tudo é divertido. E eu não tenho
esse papo de "ai, que pena disso,
que pena daquilo". Eu cumpri meu
tempo e já estou no lucro.
VC. Qual é o segredo para chegar
tão bem nessa idade?
Ziraldo. Eu acho que o segredo é
ter um trabalho que não te entedia
e nem te sacrifica. Todo mundo
que eu conheço e que tem esse
prazer no que faz vive mais. E só
um acidente de percurso pode
tirar você do caminho. Mas se
você tem o que fazer, tudo vai se
ajeitando. Eu sempre digo que se
você trabalha não tem tempo de
ficar velho.
VC. Eleições 2014. Suas perspectivas e percepções?
Ziraldo. Se você pensar direito,
olhando o panorama político atual
brasileiro, acaba se perguntando:
a quem você entregaria esse país
para a pessoa mudar completamente? Só que ninguém, nenhum
candidato pode dizer que vai mudar porque há uma conjuntura e o
presidente do país não dá conta
do país todo. Ele tem que delegar.
Aí, me pergunto: você acha que a
Dilma tem alguma culpa do PT ter
virado o que virou? Como controlar
essa gente toda? Nem mesmo numa família grande os membros são
todos confiáveis... Imagina num
partido. Acho que deve ser muito
difícil ser presidente. Ao votar num
político, você pelo menos acha que
encaminha alguma coisa. Mas eu
estava pensando o seguinte: a
Marina é uma pessoa incorruptível,
mas como é que ela vai fazer um
quadro para governar? Então tem
que pensar muito. A gente tem
lutado tanto para fazer um país
melhor desde que acabou a ditadura militar. O negócio é continuar
lutando. Por isso, a luta continua!
9
ESPECIAL
O prazer de ler
Fascínio, paixão, encantamento e descobertas
entre a magia e a razão. Eis alguns dos sentimentos
e experiências de leitores insuspeitos que revelaram
livros, autores e leituras marcantes à Vila Cultural
Ilustrações Dalcio Machado
“O primeiro livro que li na vida
foi A chave do tamanho, de Monteiro Lobato. Fiquei tão fascinado
com a história que não parei mais.
É interessante lembrar que, no
meu tempo de formação (os anos
1960), não havia propriamente
‘literatura juvenil’ direcionada para
as escolas. As escolas tinham
os livros e antologias didáticas –
textos que serviam basicamente
para exercícios gramaticais. O
que eu lia era por conta própria,
emprestando livros da Biblioteca
Pública do Paraná, e, mais tarde,
da biblioteca do Colégio Estadual do Paraná, onde fiz ginásio e
científico (como se dizia naquele
tempo). Lembro de dois autores,
além de Monteiro Lobato: Julio
Verne (Viagem ao centro da Terra,
Vinte mil léguas submarinas…)
e Conan Doyle (todos os contos
e romances com o personagem
Sherlock Holmes). É engraçado
que minha iniciação foi, por assim
dizer, ‘racionalizante’ – são três autores que defendem o progresso, o
valor da ciência e da inteligência,
a curiosidade e a investigação, e
combatem a ignorância e a superstição. É uma cultura que privilegia
antes a realidade que a magia,
por assim dizer. Era um sinal dos
tempos. Já nas décadas seguintes,
a imaginação e a magia estarão no
centro das atenções (caso da série
de Harry Potter, por exemplo).”
Cristovão Tezza, escritor
“Lembro-me que adorava as histórias de Andersen. Isso sem nem
imaginar que havia uma conexão
bem próxima e que fez entender a
reverência com que todos tratavam
uma ilustre tia-avó. Era a escritora
Maria Pezzè Pascolato, um orgulho
da família. Ela nasceu em Veneza
em abril de 1869 e, aos 12 anos,
falavas vários idiomas. Das mais
respeitadas intelectuais locais de
sua época foi justamente ela, eu
passei a me orgulhar, quem havia
traduzido para o italiano a obra de
Hans Christian Andersen, o autor
daqueles célebres contos infantis
que eu adorava. Também foi tradutora de textos de Shakespeare
para o teatro. Mais tarde, meus
interesses mudaram. Das palavras
de Marcel Proust, com as melhores
descrições de Paris de que se tem
notícia, as do casal existencialista
Simone de Beauvoir e Jean Paul
Sartre, ambos capazes de transformar costumes e perspectivas
de uma época, o texto sempre,
desde a infância (entendo agora!) nos coloca naquele estado
que supera os limites – às vezes
entediantes – da realidade para
passarmos à fantasia, quando for
o caso. Num momento da história
em que a soberania da imagem
é literalmente evidente, cuidar e
preservar o hábito da leitura pode
ter efeito tão importante, subversivo ou transgressor quanto, por
exemplo, cultivar as boas maneiras
no convívio humano.”
Costanza Pascolato, consultora e
autora de livros de moda
O primeiro livro que li na vida foi
A chave do tamanho, de Monteiro
Lobato. Fiquei tão fascinado com a
história que não parei mais.
Cristovão Tezza
ESPECIAL
“Aos 13 anos, quando comecei
a publicar meus cartuns em jornal,
meu ídolo maior era o Ziraldo. Hoje,
depois de quase 30 anos de carreira, Zira continua firme no lugar
mais alto do meu pódio de ídolos!
Sua versatilidade me conquistou,
ao mesmo tempo em que fazia
charges políticas contundentes,
era capaz de traduzir a infância
em obras geniais como O Menino
Maluquinho. Este livro me motivou
a começar a escrever, enchia as
gavetas com calhamaços de textos
e rabiscos! Depois de muitos anos,
comecei a trabalhar com o Ziraldo
no Pasquim21 e na revista Bundas.
Nos tornamos amigos. Quando o
Menino Maluquinho completou 25
anos, fui um dos 25 convidados
a participar de uma homenagem
em um livro, uma HQ coletiva onde
pude desenhar o menino 'que tinha
fogo no rabo' com meu próprio
traço.”
Dalcio Machado, ilustrador, escritor e autor da capa e das belas
ilustrações publicadas nesta
edição especial de Vila Cultural
“Por incrível que pareça, um
dicionário infantil era meu livro
favorito. Uma vez meu pai disse
que tudo o que quiséssemos saber encontraríamos lá, e com o
que encontrássemos poderíamos
montar as histórias que a gente
quisesse. Por isso, em casa, eu
sempre ficava esperando alguém
dizer uma palavra nova para voltar
ao dicionário e saber o que era,
mesmo que não entendesse nada.
E muitas vezes, se não encontrasse
a palavra no dicionário infantil, eu
sabia que ela estaria no livro para
adultos, mas queria ler aquele inteiro pra depois começar o outro...
Foi a minha primeira referência
com livros. Depois, os livros que
marcaram minha infância e se
tornaram os meus favoritos foram Marcelo, marmelo, martelo e
outras histórias, de Ruth Rocha,
e Não confunda, de Eva Furnari.
Eu lia e relia sempre. Nos dias de
educação física na escola, quem
quisesse tinha a opção de ir para
a biblioteca. E não importava os
inúmeros livros que tinha lá pra ler,
eu sempre queria ler estes dois.
Não sei explicar exatamente o que
me marcou neles, mas me lembro
que eu dava gargalhadas sozinha
quando lia. E era essa a sensação
que eu sempre buscava quando ia
começar algum livro.”
Takai, livreira que trabalha na
Livraria da Vila da Lorena
“Há muitos livros marcantes
na minha vida até o momento:
O pequeno príncipe (Antoine de
Saint-Exupéry) foi o primeiro eu
lembro de ter lido de cabo a rabo,
isso com 8 ou 9 anos. O Nome da
Rosa (Umberto Eco) foi o livro de
número 100 que li, ainda na minha
adolescência, quando eu fazia a
proeza de contar os livros que lia...
Hoje é mais complicado. Ulysses
(James Joyce) foi meu maior e melhor desafio; Flores do mal (Charles
Baudelaire), uma indicação de uma
amiga querida, me fez redescobrir a
poesia; Solaris (Stanislaw Lem) foi o
livro que me fez cair amores por FC.
Harry Potter e as relíquias da morte
(J. K. Rowling) foi o primeiro lido em
inglês, instigado pela curiosidade,
vide que a tradução demoraria
alguns meses para chegar. Demorei
muito mais que o normal, mas valeu
a pena. Madame Bovary (Gustave
Flaubert), o primeiro clássico que
não gostei e uma segunda leitura,
já mais velho, me fez concluir:
eu realmente não gosto. Estórias
Abensonhadas (Mia Couto) me fez
descobrir, na faculdade de Letras,
um pedaço da literatura africana,
pela qual acabei me apaixonando
nos últimos anos da faculdade.
Tinha certo preconceito com literatura contemporânea, pois consumi
muitos clássicos na juventude. Isso
era um pensamento bobo, pois
não se deve ter preconceitos com
nada na vida... Alguns livros foram
essenciais para erradicá-lo, aliás: A
estrada (Cormac McCarthy), 2666
(Roberto Bolaño), Primavera num
Espelho partido (Mario Benedetti),
Verão (J.M. Coetzee), e a lista aqui
fica extensa."
Rafael Menezes, livreiro que
trabalha na Livraria da Vila da
Fradique
“Adorei ler Monteiro Lobato
por causa dos personagens e da
língua ‘maneira’ dele. Emília é,
para mim, a grande personagem
da literatura infantil por diferentes
razões, entre elas a valorização do
imaginário. Emília critica os adultos
por não saberem se valer do pó de
pirlimpimpim e superar a distância
graças a ele. Nunca prescindi
deste pó de que eu me valho para
fazer a minha literatura.”
B e tt y M i l a n , p s i c a n a l i s t a e
escritora
12
Emília é, para mim, a grande
personagem da literatura infantil
por diferentes razões, entre elas a
valorização do imaginário.
Betty Milan
Meu pé de laranja lima, de José Mauro
de Vasconcelos, eu li e chorei, como
todo mundo. Clarice Niskier
“Além da coleção de Monteiro
Lobato, o livro infantil que mais me
marcou foi A fada que tinha ideias,
da Fernanda Lopes de Almeida.
Este é o primeiro livro que dou para
todas as crianças que nascem
na família ou ao meu redor. Clara
Luz é uma fada que duvida do
embolorado livro das fadas, uma
menina-fada que acredita que a
vida se dá na invenção e na reinvenção do mundo. Ela é curiosa,
aberta para o espanto e marcada
pela ousadia de se arriscar no
desconhecido, se abrir para a novidade da experiência. Talvez tenha
sido a primeira personagem com
quem me identifiquei, que admirei
e com quem quis me tornar o mais
parecida possível. Clara Luz mostra às crianças que desobedecer
aos adultos ou a quem está numa
posição de autoridade ou de chefia
às vezes é a coisa mais certa a fazer. É uma transgressora. Conheci
essa história quando ainda não
sabia ler, contada pela professora
da pré-escola. Depois, aprendi
a ler e a lia eu mesma, várias
vezes. Até hoje carrego Clara Luz,
minha pequena heroína, comigo. É
uma história para gente pequena,
mas que deve ser carregada para
sempre.”
Eliane Brum, jornalista e escritora
“Meu pé de laranja lima, de
José Mauro de Vasconcelos, eu
li e chorei, como todo mundo. A
relação do menino com a árvore
é uma das coisas mais lindas
desse mundo. Li com 13 anos.
Lembro que amei. E depois ganhei
o livro Coração de vidro, do mesmo autor, de que lembro também
com muito carinho. Capitães da
areia foi o primeiro livro de Jorge
Amado que li. Acho que tinha uns
15 anos. Fala da realidade das
crianças de rua de um ponto de
vista humano, poético, político,
jornalístico. Lembro que amei,
que adorei a narrativa e quando
acabei de ler quis recomeçar a
leitura. Perto do coração selvagem, de Clarice Lispector, ganhei
de presente do meu pai. E não
abri durante alguns dias, porque
fiquei encantada com o título. O
título abriu minha imaginação.
Quando resolvi ler, comecei pela
última página. Foi o primeiro livro
que li primeiro o final. Eu já o
amava. Os mandarins, de Simone
de Beauvoir, li quando já estava
na faculdade. Foi muito importante
pra mim. Fala das relações humanas dentro de um mesmo grupo
antes e depois da guerra. Gostaria
muito de reler este livro, que fala
de transformações.”
Clarice Niskier, atriz
Depois, aprendi a ler e a lia eu mesma,
várias vezes. Até hoje carrego Clara Luz,
minha pequena heroína, comigo.
Eliane Brum
“Foram marcantes em minhas
primeiras investidas na decifração
do código alfabético: as histórias
dos irmãos Grimm e os contos
de Hans Christian Andersen, que
minha mãe contava quando eu
ainda era analfabeto, e que atiçaram meu universo onírico; o
Tesouro da juventude, que meu
pai guardava numa estante aberta
aos pés de minha cama, e que me
respondia a tantas curiosidades; a
obra de Monteiro Lobato, que me
encantava pelos diálogos irônicos;
as aventuras de Tarzan, na obra
de Edgar Rice Burroughs, que
me transportavam ao exotismo
africano; e as revistas em quadrinhos de Walt Disney, em especial
o Pato Donald, que curiosamente
me despertou para a desigualdade social (achava um absurdo
o velho Patinhas nunca ajudar o
sobrinho Donald que, por sua vez,
se via obrigado a sustentar três
sobrinhos...).”
Frei Betto, religioso e escritor
13
CAPA
Universo de escolhas
Numa ação de incentivo à leitura que acontece há mais
de uma década, a edição 2014 da Promoção do Livro
Infantojuvenil dá descontos a partir de 25% em todo o
acervo do segmento nos dias 20 e 21 de setembro
Ilustrações Dalcio Machado
P
ensada como uma ação
sistemática de incentivo
à leitura, a Promoção do
Livro Infantojuvenil, realizada pela
Livraria da Vila em parceira com
diversas editoras, chega a sua
19ª edição e reduz em, no mínimo,
25% os preços de todos os livros
do segmento nos dias 20 e 21 de
setembro.
A ideia também é criar uma
oportunidade para reforçar coleções pessoais ou de bibliotecas
e escolas. Por isso, a promoção
mobiliza editoras e fornecedores,
que preparam seus acervos para
esta demanda.
Nos dias que antecedem a promoção, a Livraria Vila trabalha com
uma agenda especial, com hora
marcada, para visita de professores, coordenadores pedagógicos
e especialistas para a composição
de acervos das escolas, muitas
delas parceiras de longa data da
livraria. Os descontos oferecidos
nos livros não estão condicionados
aos pagamentos à vista e também
valem para os pagamentos no
cartão de crédito.
Há algumas gerações uma referência (leia nesta edição) quando
se pensa nos primeiros contatos das crianças brasileiras com
os livros, Monteiro Lobato, por
14
exemplo, é sempre uma ótima escolha. Disponibilizada pela editora
Globo, que detém os direitos sobre
a obra do autor, uma caixa com
oito títulos de Lobato – cujo preço
original é R$ 149,90 – sai, nos dois
dias da Promoção do Livro Infantojuvenil, por R$ 112. Reinações de
Narizinho, Viagem ao céu, O Saci,
Memórias de Emília, Caçadas de
Pedrinho, O Picapau Amarelo, A
reforma da natureza e A chave do
tamanho são os livros que vêm na
caixa para alegria de pequenos –
ou grandes – leitores que vão se
deliciar com a ilustre menina do
nariz arrebitado, a boneca de pano
pra lá de espevitada, o sabugo de
milho fidalgo e um garoto corajoso
e aventureiro, os personagens
principais da turma do Sítio do
Picapau Amarelo.
Atuais queridinhos de muitas
crianças, os porquinhos Peppa e
George aparecem ocupadíssimos
em O grande livro de atividades de
Peppa e George (Salamandra), de
Neville Astley e Mark Baker. Com
uma agenda repleta de compromissos, eles aproveitam, nesse
livro, para movimentar a rotina
das crianças com atividades bem
divertidas, desenhos para colorir,
adesivos e quebra-cabeças, entre
outras atrações, especialmente
pensadas para crianças a partir
de 3 anos de idade. De R$ 24,90,
o livro custa R$18,60 no nos dias
20 e 21 de setembro.
Promoção do Livro Infantojuvenil
Dias 20 e 21 de setembro, com
desconto de 25% em todos os
títulos do segmento de livros
infantojuvenis. Em São Paulo, nas
lojas da Fradique: sábado das 10h
às 20h, e domingo das 11h às 20h;
Lorena: sábado das 10h às 20h, e
domingo das 11h às 20h; Moema:
das 10h às 20h no sábado, e das
11h às 18h no domingo; e nas lojas
dos Shoppings Cidade Jardim,
JK Iguatemi e Pátio Higienópolis:
das 10h às 22h no sábado e do
meio-dia às 20h no domingo. Em
Campinas, na loja do Galleria
Shopping das 10h às 22h no
sábado e do meio-dia às 20h no
domingo. Em Curitiba, na loja
do Shopping Pátio Batel das 10h
às 22h no sábado e do meio-dia
às 20h no domingo. Condições
de pagamento: compras até R$
200 podem ser parceladas em 2
vezes, acima de R$ 200 em até
3 vezes e acima de R$ 300 em 4
vezes (Nestes valores, já serão
considerados os 25% de desconto
da promoção).
15
ENCONTRO
Festa do Pijama
O programa é imperdível para pais, mães e toda
a garotada: é só escolher o pijama predileto dos
pequenos, vesti-los e encontrar Ziraldo e Anna Muylaert
num sábado sob medida com o Menino Maluquinho
A
amizade, a ética e a pluralidade cultural são alguns
dos temas destacados em
Festa do Pijama, o livro da diretora e roteirista Anna Muylaert e do
escritor Ziraldo, com ilustrações
de Mig, feito a partir do episódio
homônimo para a televisão. Nas
páginas ou na tela, muitas travessuras acontecem quando o Menino
Maluquinho convida amigos para
dormir em sua casa. O mais divertido é que, como num túnel do
tempo, o ilustre personagem da
literatura infantojuvenil aparece,
nessa sequência de histórias, em
três idades diferentes: aos 5 anos,
aos 10 anos e já adulto, quando rememora e vivencia diversos
momentos de sua vida. Simples e
cativante, a trama também inspira
a Festa do Pijama que a Editora
Melhoramentos e a Livraria da Vila
promovem no dia 13 de setembro, um sábado, a partir das 11h
da manhã, na loja da Fradique,
com as presenças de Ziraldo e
Anna Muylaert.
O convite é para que todas as
crianças usem, na festa, seus pijamas favoritos para soltar a imaginação na hora de combinar leitura
e diversão. Além de autografarem
os livros, Ziraldo e Muylaert participam de um bate-papo com a
criançada. A coleção que garante
16
a presença da dupla na Livraria da
Vila tem ainda outros cinco títulos
que os pequenos leitores não vão
querer perder.
A breve e divertida biografia do
menino mais famoso do Brasil dá
o tom de O menino com a panela
na cabeça, numa imagem (que
está na capa do livro) reconhecível
ao primeiro olhar pelos fãs do
personagem. Em Adivinha que
dia é hoje?, outro episódio que
rendeu um volume da coleção, o
Maluquinho acorda no dia de seu
aniversário e se vê sozinho em
casa, com aquela questão que
assombra muitos aniversariantes,
não necessariamente na infância:
“Será que ninguém se lembrou do
dia mais importante do ano?”, o
menino se pergunta.
Outra historinha mais que divertida e que, neste caso, brinca com
gêneros é Maluquinho galã, uma
sequência de travessuras que se
passa quando uma das amigas da
escola do Menino Maluquinho sugere fazer um trabalho em grupo na
casa dele. O detalhe é que o grupo
é composto somente de meninas.
E o Maluquinho enfrenta uma tarde
de amores e confusões com as amigas. Num tom hilário, ilustrações e
texto revelam o estranhamento e o
envolvimento do Maluquinho com o
universo feminino, incluindo aí uma
aula sobre a deusa Vênus e sobre
o planeta que herdou seu nome.
Já em Feio, bonito, a história
tem a ver com a chegada da bela
Bianca, nova aluna na escola e que
mexe com o coração de todos os
garotos. Encantados com a beleza
da menina, os meninos armam uma
discussão sobre o que é beleza na
opinião de cada um. A partir daí,
o Menino Maluquinho segue em
busca de compreender, afinal, o
complexo conceito da verdadeira
beleza. Eu não sei arrumar, eu só
sei bagunçar! é outro episódio/livro
da série e brinca, com propriedade,
com a ideia sugerida no título. Ao
convidar amigos para ir a sua casa, eles aprontam todas e acabam
criando um problema-dúvida: será
Maluquinho vai deixar o quarto
dele tão bagunçado quanto está
agora?
Festa do Pijama
Bate-papo e sessão de autógrafos
com o escritor Ziraldo e a roteirista
e diretora Anna Muylaert para o
lançamento, pela Editora Melhoramentos, da coleção de livros do
Menino Maluquinho, inspirados na
série de programas feitos para a
televisão. Sábado, 13 de setembro,
a partir da 11h, na Livraria da Vila
da Fradique.
17
Ilustração: Ziraldo
LANÇAMENTO
No topo do mundo
O
alpinista Waldemar Niclevicz
lança no dia 25 de setembro,
na Livraria da Vila do Shopping Pátio Batel, em Curitiba, e no
dia 2 de outubro, na Livraria da Vila
do Shopping JK Iguatemi, em São
Paulo, sua autobiografia fotográfica.
Em A história do alpinista que se
dedicou a colocar o Brasil no topo
do mundo, Niclevicz documenta, em
mais de 400 páginas, os caminhos
que o levaram rumo a alguns dos
pontos mais altos do planeta. Com
texto bilíngue, em português e inglês,
o livro tem prefácio de Pelé e sai em
edição do autor em parceria com a
Comdesenho Estúdio e Editoria.
“É um testemunho do meu amor
pela montanha e pela fotografia”,
diz Niclevicz, que reúne, em ordem
cronológica, fotografias de toda a
sua trajetória de alpinista, desde o
seu primeiro contato com a montanha na Serra do Mar do Paraná,
até o alto das maiores montanhas
do mundo.
O livro e as imagens registram o
pioneirismo de um cidadão brasileiro
em um esporte ainda pouco popular
no país. Transforma-se num autêntico compêndio de alpinismo. Estão
retratados e descritos os aspectos
físicos, a história, os costumes e as
tradições das principais montanhas
da Terra, situadas da Antártida aos
Andes, do Alasca a Groenlândia,
dos Alpes a África, do Cáucaso ao
Pamir, do Himalaia ao Karakorum, da
Nova Zelândia a Tasmânia.
Nos 28 capítulos, há 1.320 imagens que revelam a beleza de paisagens raras, detalhes da flora e
fauna e também aspectos da cultura,
religião e arquitetura, mostrando a
riqueza das expedições do alpinista.
Conhecido por sua disciplina e determinação, Waldemar Niclevicz nasceu
em Foz do Iguaçu. Enfrentou e venceu as montanhas mais desafiadoras
do mundo, entre as quais o temível
K2, tendo sido o primeiro brasileiro a
escalar o Everest e a superar os Sete
Cumes, entre as maiores montanhas
de cada um dos continentes.
Lançamento
A história do alpinista que se dedicou
a colocar o Brasil no topo do mundo,
do alpinista Waldemar Niclevicz,
no dia 25 de setembro, na Livraria
da Vila do Shopping Pátio Batel,
em Curitiba, e no dia 2 de outubro,
na Livraria da Vila do Shopping JK
Iguatemi, em São Paulo.
18
Foto: Waldemar Niclevicz/ Divulgação
O alpinista Waldemar Niclevicz
reúne 1.320 imagens numa autobiografia
fotográfica que ele lança este mês na
Livraria da Vila do Shopping Pátio Batel, em Curitiba
A imagem grandiosa de Yosemite,
na Califórnia. Na página ao lado, a
caminho do Makalu, no Nepal.
19
HISTÓRIA
Mistérios na origem
A historiadora Mary del Priore
encontra o público na Livraria da Vila da Lorena
para um bate-papo e lançamento do livro sobre
a história do sobrenatural e do espiritismo no Brasil
A
20
A escritora e historiadora Mary del Priore
e com os que já partiram. Numa época em que o catolicismo
se mostrou decadente, explica
Del Priore, surge espaço para o
misticismo e a curiosidade da sociedade brasileira em saber o que
acontece e como é o “outro lado”.
Cartomantes, curandeiros e
exorcistas também têm sua importância na história do sobrenatural
do Brasil. Incluindo um caderno
de fotos, o livro trata, dentre outras questões, dos inimigos que
o misticismo enfrentou, como a
Igreja Católica e alguns setores
da imprensa, que buscavam a
todo custo desautorizar e satirizar
o que parecia ser uma ameaça às
tradições católicas.
Ex-professora de história da
Universidade de São Paulo e da
PUC/RJ, pós-doutorada na École
des Hautes Études en Sciences
Sociales, de Paris, Del Priore já
publicou mais de 40 livros e é
vencedora de vários prêmios literários nacionais e internacionais, como Jabuti, Casa Grande
& Senzala, APCA e Ars Latina,
entre outros.
Lançamento
Do outro lado – A história do sobrenatural e do espiritismo (Editora
Planeta), de Mary del Priore. A
autora participa de bate-papo com
leitores no dia 11 de setembro, às
19h, na Livraria da Vila da Lorena,
em São Paulo, e dia 29 de outubro
na Livraria da Vila do Shopping
Pátio Batel, em Curitiba.
Foto: Divulgação
escritora e historiadora
Mary del Priore participa
de bate-papo com os leitores para o lançamento, no dia 11
de setembro, às 19h, na Livraria
da Vila da Lorena, em São Paulo,
de seu novo livro, Do outro lado
– A história do sobrenatural e do
espiritismo (Editora Planeta), no
qual dedica-se uma vez mais a um
trabalho primoroso de pesquisa e
documentação histórica. Autora,
entre outros, de O príncipe maldito
e Histórias íntimas, Del Priore, que
esteve na Bienal Internacional do
Livro no mês passado em São
Paulo, também tem agendado um
encontro com os leitores de Curitiba, na Livraria da Vila do Shopping
Pátio Batel, no mês que vem, no
dia 29 de outubro.
Do outro lado trata especificamente da investigação da maneira
como nossos antepassados lidavam com o “mundo dos espíritos” e
foca sobretudo no desenvolvimento do espiritismo. Assim, alguns
aspectos essenciais e peculiares
da sociedade brasileira são revelados a partir de suas origens,
com crenças e histórias familiares
a muitos brasileiros, incluindo aí a
curiosa adoração que o país tem
por Allan Kardec, que nem em seu
país, a França, é tão conhecido
como aqui.
O livro também aborda fenômenos populares no passado, como o
magnetismo, o sonambulismo, as
“mesas volantes” e uma série de
outras formas para tentar entrar em
contato com o mundo sobrenatural
EVENTO
Ruy Castro ao vivo
Autor de algumas das melhores
biografias já publicadas no Brasil, o escritor
é o convidado do projeto Primeira Página e encontra
o público paulistano dia 23 de setembro no Tuca
Foto: Divulgação
O
projeto Primeira Página,
que já garantiu, em São
Paulo, encontros memoráveis com escritores como Ferreira
Gullar, Adélia Prado e Luis Fernando Verissimo, recebe no dia
23 de setembro, no palco do Tuca,
o escritor e jornalista Ruy Castro,
um dos biógrafos mais prestigiados do país. O autor de Chega de
saudade – A história e as histórias
da bossa nova (1990) e O anjo
pornográfico – A vida de Nelson
Rodrigues (1992), Estrela solitária
– Um brasileiro chamado Garrincha
(1995) e Carmen: uma biografia
(2006), sobre Carmem Miranda,
entre outros livros, promete compartilhar com o público, ao longo
de uma hora e meia, processos
criativos e histórias de bastidores
de sua obra, seguindo a premissa
original do projeto: um espaço
aberto para falar prioritariamente
de criação literária, livros e estilo
de cada autor convidado.
Além dos curadores e realizadores Cândida Morales e Clovys
Torres, que idealizaram o projeto,
o encontro habitualmente inclui
a presença de dois atores, que
fazem leituras de trechos da obra
do escritor, e um mediador que
conduz a conversa – neste caso,
sobre literatura, jornalismo, música
e biografias. Tudo num clima informal e descontraído, num cenário
inspirado na sua vida e obra. O
Primeira Página tem apoio cultural
da Livraria da Vila, que oferece
Ruy Castro participa do projeto Primeira Página este mês
para seus clientes, em todas as
suas unidades, 50% de desconto
nos ingressos.
No primeiro semestre, além
de Verissimo, Milton Hatoum e
Ruth Rocha marcaram presença
no projeto. Antes dos encontros
com os autores, leituras e rodas
de conversa sobre a vida e a obra
de cada um deles acontecem em
diversos espaços de São Paulo.
Segundo Cândida e Clovys, as
leituras começaram como saraus e
estão se transformando em clubes
de leitura do Primeira Página, cuja
programação pode ser conferida
no site www.primeirapagina.art.br.
Encontro com Ruy Castro
Dia 23 de setembro, às 20hs, no
Teatro Tuca (rua Monte Alegre,
1024, Perdizes). Ingressos: R$ 25
(meia-entrada) e R$ 50 (inteira). Os
ingressos podem ser adquiridos
na bilheteria do Tuca, nas lojas da
Livraria da Vila, onde os clientes
da livraria têm desconto de 50%,
no site www.ingressorapido.com.br
ou pelo telefone (11) 4003-1212.
21
RETRATO | Lupicínio Rodrigues (1914-1974)
O mestre do
samba-canção
U
m compositor que “inventou” a dor de cotovelo e
viveu cada uma delas com
tanta, tanta intensidade que só
conseguiu sobreviver a incontáveis
experiências e decepções amorosas graças a versos e melodias até
hoje cantados no melhor repertório
da música brasileira. Romântico
por vocação e boêmio por gosto e
escolhas pessoais, o gaúcho Lupicínio Rodrigues, cujo centenário
de nascimento é comemorado este
mês, já foi, em épocas diferentes,
citado, saudado e homenageado
por outros grandes artistas do País:
de Caetano Veloso e Cazuza a
Marisa Monte, de Arnaldo Antunes
a Elza Soares, de Adriana Calcanhoto a Maria Bethânia, de Simone
a Zizi Possi.
Assim, atualíssimo, Lupicínio
segue como uma das referências
mais importantes da música produzida no século passado no Brasil
para se manter incontornável pela
poesia contundente que fez com
a língua portuguesa. “Eu não sei
se o que trago no peito/ É ciúme,
despeito, amizade ou horror;/ Eu
só sei é que quando eu a vejo,/
Me dá um desejo de morte ou de
dor”, escreve Lupicínio, dramático
e visceral, em Nervos de aço, um
de seus sambas mais conhecidos
– e que foi regravado por diversos
intérpretes.
Além de experimentar a intensidade dos sentimentos, Lupi,
22
como era conhecido entre amigos,
também teve uma vida bastante animada, pra dizer o mínimo.
Quarto filho (de um total de 21) de
Abigail e do funcionário público
Francisco, Lupicínio nasceu no
dia 16 de setembro de 1914, em
Porto Alegre. Descobriu, primeiro,
sua vocação musical, ainda na infância, quando ficava cantarolando
na escola e tumultuava as aulas
na base do assobio. Logo depois,
na adolescência, veio o fascínio
pela vida boêmia e pela bebida
numa época repleta de serenatas
e paixões. Para tentar acalmar os
ânimos (e os hormônios) do garoto,
o pai mandou-o precocemente
para o Exército, como voluntário,
quando ele tinha só 15 anos – e já
havia composto até marchinha de
carnaval.
Fã de Noel Rosa, que Lupicínio
chegou a conhecer e impressionar,
ele voltou, na década de 1930, a
Porto Alegre, depois de dar baixa
no Exército, na cidade de Santa
Maria, onde obviamente se apaixonou, namorou e compôs muito. Ao
retornar à capital gaúcha, o compositor trabalhou na Faculdade de
Direito e foi finalmente reconhecido
por seu talento musical no ano
de 1938, com a música Se acaso
você chegasse. Foi o samba que o
tornou conhecido e abriu as portas
para que ele começasse a ter suas
músicas gravadas por Francisco
Alves, o Rei da Voz, grande cantor
da época, que eternizou músicas
como Nervos de aço, Quem há de
dizer e Cadeira vazia, respectivamente em 1947, 1948 e 1950.
Nessa época, o compositor
também escrevia para Orlando
Silva, outro ídolo nacional. A consagração de Lupicínio veio com a
gravação, pelo grupo Quitandinha
Serenaders, da música Felicidade,
até hoje na memória de muitas
gerações. Na década de 1950,
a cantora paulista Linda Batista
passou a ser a grande intérprete
de Lupicínio depois de gravar
Vingança, um clássico da MPB.
O sucesso era tamanho que ele
finalmente gravou seu primeiro
disco como cantor. “Eu tenho sofrido muito nas mãos das mulheres,
porque sou muito sentimental, mas
também tenho ganhado fortunas
com o que elas me fazem...”, escreveu Lupicínio numa dos textos
que estão em Foi assim, livro que
a L&PM publicou nos anos de 1990
e que foi organizado pelo filho do
compositor, Lupicínio Rodrigues
Filho, com crônicas publicadas
por seu pai no jornal Última Hora,
entre 1962 e 1963. Nos textos,
Lupicínio conta, sem mistérios,
sobre a autenticidade das histórias românticas que resultaram
em músicas inesquecíveis. Com
problemas cardíacos, Lupicínio
Rodrigues morreu em Porto Alegre,
há quarenta anos, em 27 de agosto
de 1974, aos 59 anos.
Ilustração: Jonas Ribeiro
Celebrado este mês, o centenário
de nascimento do compositor Lupicínio Rodrigues
evidencia que, pela intensidade que têm, o amor e
a dor de cotovelo podem sobreviver na forma de poesia
23
ACONTECEU
De idiomas e sotaques
O americano Michael Pollan, a neozeolandesa
Eleanor Catton, o português Almeida Faria, e os
brasileiros Luiz Roncari, Renato Meirelles e Celso
Athayde autografaram livros na temporada pós-flip
24
Guimarães Rosa, do professor
Luiz Roncari e da nova edição da
revista Teresa, editada pelo Departamento de Literatura Brasileira da
USP, que fez um número especial
sobre Romantismo, movimentaram
a loja da Fradique. Na loja do
JK Iguatemi, Renato Meirelles e
Celso Athayde receberam amigos
e convidados para o lançamento
de Radiografia das favelas brasileiras, que reúne números surpreendentes e reveladores sobre este
território e mostra porque é difícil
entender o Brasil sem entender as
favelas do país.
O escritor americano Michael Pollan na loja do Shopping JK Iguatemi
Renato Meirelles com o chef Alex Atala e a jornalista Ana Paula Padrão
Fotos: Gil Torres e Ernesto Henrique Eilers
T
ão logo terminou a Festa Literária de Paraty, no começo
de agosto, o clima pós-Flip
tomou conta da Livraria da Vila,
escolhida por autores estrangeiros
para marcar presença também
no roteiro cultural de São Paulo.
O escritor e jornalista americano
Michael Pollan autografou, na loja
do Shopping JK Iguatemi, Cozinhar
– Uma história natural da transformação (Intrínseca), em que dá
sequência à investigação sobre o
tema que fez de Pollan um best-seller: a comida e a forma como
nos alimentamos. Entre outros
livros, ele escreveu O Dilema do
onívoro, Regras da comida e Em
defesa da comida, os três publicados em português.
Na Livraria da Vila da Fradique,
a neozeolandesa Eleanor Catton
participou de um bate-papo com
o público para o lançamento de
Os luminares (Biblioteca Azul).
No limite entre o estranho e o fantástico, com estrutura inspirada
na astrologia, Os luminares tem
como pano de fundo a corrida do
ouro na Nova Zelândia do século
19, quando personagens tentam
desvendar a causa da morte de
um homem solitário e descobrir o
paradeiro de outro, que desaparece subitamente. Também na loja
da Fradique, o escritor português
Almeida Faria marcou presença no
relançamento de A paixão (Cosac
Naify), que teve leitura especial
pelo escritor Bernardo de Carvalho
e a participação da professora
Lilian Jacoto.
Os lançamentos de Buriti do
Brasil e da Grécia – Patriarcalismo e dionisismo no sertão de
PROGRAMAÇÃO | setembro_2014*
Garimpo de estórias
Foto: Paula Korosue
Teatro, cursos, música, oficinas e o
lançamento do livro Tempo de espalhar
pedras, de Estevão Azevedo, são algumas
atrações da agenda de setembro
Estevão Azevedo lança Tempo de espalhar pedras
(Cosac Naify) dia 18 de setembro, às 19h30, na Livraria
da Vila da Fradique. No romance, diversas tramas
se passam nos arredores do garimpo, “ num vilarejo
paulatinamente destruído por homens que, tomados
pelo desespero e pela cobiça, buscam sob vielas e
praças, sob salas, quartos, cozinhas e quintais suas
últimas esperanças de sobrevivência ou fortuna”.
25
PROGRAMAÇÃO | setembro_2014*
Lançamentos
Lorena
5/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
Tratamento cognitivocomportamental do estresse póstraumático
De Maria Emilia M. De Camargo e
Marisa Fortes
Atendimento psicoterapêutico no
luto
De Maria Helena Pereira Franco e
Karina Kunieda
Ed. Zagodoni
12/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
Inglês jurídico – Tradução e
terminologia
De Luciana Carvalho Fonseca
Ed. Lexema
2/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Meu cliente não voltou, e agora?
De Fátima Merlin
Ed. Poligrafia
13/9, SÁBADO, das 16h às 19h
Dicionário terminológico
bilíngue português/italiano das
subáreas do patrimônio cultural
e do patrimônio natural
De Rosemary Irene Castañeda Zanette
Ed. Appris
4/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Marco civil da internet
De Fabiano Del Masso, Juliana Abrusio
e Marco Aurélio Florêncio Filho
Ed. Thomson Reuters
17/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
A censura na lei e na marra
De Eloisa Aragão
Ed. Humanitas
Haverá bate-papo com a autora.
18/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Tempo de espalhar pedras
De Estevão Azevedo
Ed. Cosac Naify
Haverá bate-papo com o autor.
23/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Militares e militâncias
De Paulo Ribeiro da Cunha
Ed. UNESP
25/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
O livro do genograma
De Ceneide Maria de Oliveira Cerveny
Ed. Roca
27/9, SÁBADO, das 15h às 18h
Meraki: Escrevendo com a alma
De Tatiana Bonatti Peres, Giovanna
Ribeiro, Luiz Eduardo de Castilho e
Guilherme Teno Castilho
Ed. Lumen Juris
26
3/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Manual de direito econômico e
financeiro
De Janahim Dias Figueira
Ed. Almedina
4/9, QUINTA, das 19h às 21h30
O direito fundamental à saúde
mental no ambiente de trabalho
De Adriana Calvo
Ed. LTR
Haverá palestra com a autora.
6/9, SÁBADO, das 16h às 19h
O caso dos nove chineses
De Murilo Fiuza
Ed. Objetiva
8/9, SEGUNDA, das 18h30 às 21h30
Procedimento de manifestação
de interesse
De Gustavo Schiefler
Ed. Lúmen
9/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Um teste de resistores
De Marilia Garcia
Ed. 7 Letras
10/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Festa em miniaturas –
Comidinhas salgadas para
muitas ocasiões
De Flavia Calixto, Roberta Vianna e
Taissa Calixto
Ed. Senac
11/9, QUINTA, das 19h às 21h30
Do outro lado
De Mary del Priore
Ed. Planeta
14/9, DOMINGO, das 15h às 18h
Máscara – A vida não é um jogo
De Luiz Henrique Mazzaron
Ed. Novo século
16/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Melhores práticas para se
relacionar com a imprensa
De Paulo Piratininga
Ed. CLA
16/9, QUINTA, das 10h às 18h
Royalties do petróleo, minério e
energia
De Fernando Sacury Scaff
Ed. Thomson Reuters
17/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
A moda imita a vida – Como
construir uma marca de moda
De André Carvalhal
Ed. Estação das Letras e Cores
Haverá beta-papo com o autor.
18/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Pequenos arranjos do cotidiano
De Helena Lunardelli
Ed. Senac
23/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Poemas ao entardecer
De José Domingos de Lima Pezza
Ed. Independente
24/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Laputa
De José Antônio de Souza
Ed. Ficções
25/9, QUINTA, das 17h às 20h
Multilateralismo nas relações
internacionais
De Elena Lazarou
Ed. Elsevier
25/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
A$ $ete Chave$ do $uce$$o e
pro$peridade
De Alexandre Miraldo
Ed. Independente
* Programação sujeita a alteração.
Fradique
13/9, SÁBADO, das 16h às 19h
Ângelo Sobral desce aos infernos
De Ruy Espinheira Filho
Ame com inteligência emocional
De Carlos Serpeloni
Ed. Giostri
26/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
Atos de tradução: éticas,
intervenções, mediações
De Lenita Maria Rimoli Esteves
Vozes da tradução
De Lenita Maria Rimoli Esteves e
Viviane Veras
Ed. Humanitas
Shopping
JK Iguatemi
2/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Extraterrestres – Onde eles estão
e como a ciência tenta encontrálos
De Salvador Nogueira
Ed. Abril
Shopping
Pátio Higienópolis
3/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Gestão dos serviços: Limpeza
e desinfecção de superfícies e
processamento de roupas em
serviços de saúde
De Silvana Torres e Teresinha Covas
Lisboa
Ed. Sarvier
5/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
Cléo, minha eterna cãopanheira
De Larissa Rios
Ed. Prata
6/9, SÁBADO, das 16h às 19h
Da Coroa ao cajado
De Jacqueline Meirelles
Ed. Nova Sampa
10/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Transexualidade e direitos
humanos
De Camila de Jesus Mello Gonçalves
Ed. Juruá
18/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Tribunos, profetas e sacerdotes
Bolívar Lamounier
Ed. Companhia das Letras
24/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Tituba revisitada: Condé
em reencontro com Miller e
Hawthrone
De Lilian Cristina Corrêa
Ed. Appris
11/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
New York from Instagram
De Sergio Del Fiol
Independente
Haverá exposição.
13/9, SÁBADO, das 11h às 14h
Sistemas de alimentação
nucleora – Volume II
Ed. C4
17/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Motivação sem truques
De Meiry Kamia
Ed. Alta books
18/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Gamefication
De Flora Alves
Ed. DVS
19/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
O segredo do sucesso é ser
humano
De Susanne Andrade
Ed. Primavera Editorial
25/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Custo sem susto – Projetando
por objetivos
De Cilene Marques Gonçalves e Luiz
Henrique Ceotto
Ed. Nome da Rosa
30/9, TERÇA, das 18h30 às 21h30
Finanças pessoais – O que fazer
com meu dinheiro?
De Marcia Dessen
Ed. Trevisan
Haverá bate-papo com autora
Moema
20/9, SÁBADO, das 15h às 18h
Nosso paraíso divino
De Annet Madeira
Ed. Scortecci
25/9, QUINTA, das 18h30 às 21h30
Voz
De Mara Behlau e Glaucya Madazio
Ed. Revinter
Galleria
19/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
O quinto braço da cruz
De Joaquim Zailton Motta
Ed. Pontes
26/9, SEXTA, das 18h30 às 21h30
Somos inimputáveis – O
problema da redução da
maioridade penal
De José Alberto Cavagnini
Ed. Baraúna
Batel
17/9, QUARTA, das 18h30 às 21h30
Além do olhar
De Odegine Graça
Ed. IDEHI – Instituto de Desenvolvimento
Humano Integral
25/9, QUINTA, das 19 às 21h30
O Brasil no topo do mundo
De Waldemar Niclevicz
Ed. Independente
Haverá bate-papo com o autor.
27
PROGRAMAÇÃO | setembro_2014*
Palestras
12/9, SEXTA, das 19h45 às 20h30
Entre outras coisas
Com Lucas Casacio e Elladio Jardas
Baseado em pesquisas de ritmos e
estilos diversos e suas características
intrínsecas, além de uma busca por
uma identidade musical, surgiu um
repertório, arranjos, debates, ideias,
teorias e, acima de tudo, convicções
que deveriam ser testadas. Entre outras
coisas nada mais é que um resultado
natural, uma mostra da convergência
de pensamentos de dois músicos,
uma parceria em que os instrumentos
dialogam com a mesma importância.
Apoio: Tratore
Loja: Galleria Shopping (Campinas)
1/9, SEGUNDA, das 18h30 às 20h30
Palestra com Liberal Arts College
Com Fundação Estudar
Tire suas dúvidas com representantes
das faculdades Amherst, Middlebury
e Bates. Evento gratuito
Loja: Shopping JK Iguatemi
19/9, SEXTA, das 19h45 às 20h30
There’s no hard life with cuba
libre
Com Saulo Haikal
O álbum Saulo Haikal: There’s no
hard life with cuba libre reúne 10
faixas, todas escritas pelo artista,
que também gravou todos os
instrumentos. O disco possui uma
sonoridade eclética e muito própria,
com canções que passam desde
a influência do indie rock britânico
ao pop punk americano. A música
Fade out foi incluída na coletânea
internacional The world of brazilian
rock, álbum com músicas dos novos
talentos do indie rock brasileiro. Já
The sun behind the clouds foi incluída
na coletânea Brazilian alternative pop
hits Vol.2. Nas apresentações ao vivo,
Saulo se une ao baterista César Sartori
e ao baixista Bruno Bassan, compondo
o Saulo Haikal Trio.
Apoio: Fonomatic e Tratore
Loja: Shopping Pátio Higienópolis
28
3/9, QUARTA, das 19h30 às 21h30
Mais ainda: O desejo na
literatura e na psicanálise
Com Patrizia Corsetto, Renato Tardivo
e Niraldo de Oliveira Santos
O escritor e psicanalista Renato Tardivo
falará sobre a construção do desejo
na literatura, abordando a vertente
realidade/ficção. O psicanalista
Niraldo de Oliveira Santos norteará
sua fala, abordando o imperativo
de felicidade, que é imposto ao
sujeito, abrindo a discussão sobre
a articulação desejo x gozo na
contemporaneidade, principalmente
os modos de satisfação/”empuxo ao
gozo” e os efeitos disso no corpo.
Evento gratuito.
Loja: Lorena
6/9, SÁBADO, das 11h às 13h
Café Lacaniano: A cultura da
intolerância
Com João Angelo Fantini e Clóvis
Pereira dos Santos
Evento gratuito.
Loja: Fradique
9/9, TERÇA, das 19h às 21h30
Ciclo Palestras sobre Educação
Apoio: Galleria Shopping
10/9, QUARTA, das 19h30 às 21h
Coaching: Como despertar o
melhor que existe em você?
Com Mariana Stachiu e a Melissa
Camargo
O coaching é uma poderosa ferramenta
de desenvolvimento, aperfeiçoamento
e superação pessoal e profissional. É
um processo contínuo e planejado,
que tem como foco o alcance de
resultados e o aprimoramento de
habilidades e competências. A
palestra tem como objetivo demonstrar
os benefícios do trabalho de coaching
e como utilizar esta metodologia
na prática, abordando conceitos,
principais ferramentas e virtudes em
seu processo, além de auxiliar os
participantes no desenvolvimento
de competências e habilidades para
atingir seus objetivos pessoais e
profissionais.
Evento gratuito.
Inscrições: (41) 3342-8511 e-mail:
[email protected]
Apoio: IEME Comunicação
Loja: Shopping Pátio Batel
13/9, SÁBADO, das 11h às 13h
Sócrates ao Café: O Impact Hub
na construção dos laços sociais −
Fratria e colaboração
Com João Vitor Caires, Thaísa Barros
e Bernadette Biaggi
Os pactos entre irmãos no grupo
familiar e entre indivíduos pertencentes
a grupos sociais podem iluminar
para o crescimento ou propiciar
aprisionamentos narcísicos. O que
é necessário para que a Aliança
Social seja estabelecida e qual o
preço a pagar pela orfandade e não
participação em relações sociais
e culturais?
O Impact Hub é uma
rede mundial de empreendedores,
organizações e indivíduos interessados
que se conectam, se inspiram e
colaboram entre si para desenvolver
projetos e negócios capazes de
impactar positivamente a sociedade.
Nesse caminho, o desenvolvimento
de uma comunidade colaborativa de
empreendedores se torna essencial.
Apoio: Instituto Biaggi
Evento gratuito.
Loja: Shopping JK Iguatemi
13/9, SÁBADO, das 19h30 às 21h
Encontro de fãs: Divergente/
Insurgente/Convergente
Com Saga ViaHP
Evento gratuito.
Loja: Shopping Pátio Batel
17/9. QUARTA, das 19h às 21h
Diálogos entre culturas judaica e
contemporânea
Com Interface Cultural
Evento gratuito.
Loja: Shopping Pátio Higienópolis
20/9, SÁBADO, das 19h às 20h30
Encontro dos professores
Apoio: Moderna
Loja: Galleria Shopping
20/9, SÁBADO, das 10h30 às 13h30
Diálogos do Lacaneando:
Homossexualidades e
transexualidade
Com Patricia Porchat, Paulo Roberto
Ceccarelli e Rafael Kalaf Cossi
Os psicanalistas Paulo Roberto Ceccarelli, Patricia Porchat, e Rafael Kalaf
Cossi falarão sobre as homossexu-
Fotos: Divulgação
Pocket Shows
Cursos e Workshop
alidades e a transexualidade. Como
ser inquilino no próprio corpo? Como
entender a noção de gênero dentro da
psicanálise na contemporaneidade?
As várias homossexualidades podem
ser compreendidas pela psicanálise
sem as teorias de gênero? Quais as
diferenças entre transexualidade, travestismo e intersexo?
Evento gratuito.
Loja: Shopping Pátio Higienópolis
23/9, TERÇA, das 19h às 21h30
Pressa, conhecimento e
entrega: 2014 − Um mundo em
transformação
Com Sérgio Seixas e Lygia Franklin
de Oliveira
O que é necessário saber nos dias
de hoje? Afeto, sexo, poder e cultura.
Diagnóstico e terapêutica para um
homem assustado. Celulares, tablets,
redes sociais, TV paga... Rivotril, álcool,
Viagra e um baseado. O que tudo isso
significa para uma coletividade ansiosa
e distraída? Qual a identidade do
homem contemporâneo, bombardeado
por informações erosivas a psique? Um
sentimento de não ser ouvido, de não
ser tocado, de não ser considerado,
de não ser. O mundo deseja que eu
consuma, eu desejo me sentir incluído.
Qual é de fato o meu desejo?
Evento gratuito.
Loja: Shopping Pátio Batel
* Programação sujeita a alteração.
24/9, QUARTA, das 19h30 às 21h30
O amor e o mito de Paris e
Helena de Troia
Com Marcos Meier, Maria Mar ta
Ferreira, Luciana Chemim, Jeanine
Rolim e Eliana Muniz
Apoio: Ana Camargo Design
Valor: R$ 36
Inscrições: [email protected]
com.br
Loja: Shopping Pátio Batel
26/9, SEXTA, das 13h às 19h
Rio Music Conference
Loja: Shopping Pátio Batel
27/9, SÁBADO, das 11h às 12h45
A interculturalidade no contexto
contemporâneo − Expatriados
nas corporações
Com Lisette Weissmann
O mundo tem sofrido grandes
mudanças a partir da globalização.
O conceito de interculturalidade
modifica as redes, a comunicação,
os intercâmbios globais e o mundo
corporativo. Neste novo cenário é
fundamental desenvolver programas
de intercâmbio profissional baseados
em competências interculturais com o
objetivo de potencializar, compreender
e ampliar o conhecimento de uma cultura
global que integre essas diferenças
positivamente. Os expatriados são
aqueles sujeitos, funcionários das
empresas multinacionais nos quais
esses novos conceitos aparecem
com maior presença e a partir dos
quais pesquisamos o conceito de
interculturalidade.
Evento gratuito.
Loja: Galleria Shopping
27/9, SÁBADO, das 11h às 13h30
Diálogos do Lacaneando: O
feminino na psicanálise
Com Carla Françoia e Ana Suy Sesarino
Kuss
As psicanalistas Ana Suy Sesarino
Kuss e Carla Françoia vão abordar
a feminilidade em Freud e Lacan.
A questão da especificidade do
feminino constitui o ponto de partida
da psicanálise e também o ponto de
retorno constante à teoria freudiana.
O feminino na estética do corpo e a
relação das escritas do feminino e
a psicanálise também nortearão a
conversa.
Evento gratuito.
Loja: Shopping Pátio Batel
Sarau
27/9, SÁBADO, das 19h às 21h
Sarau dos Conversadores
Com Os Conversadores
Evento gratuito.
Loja: Lorena
Educacuca
Ciente de que as vivências e
experiências que o bebê recebe nos
primeiros anos de vida constituem
a base do que ele será no futuro, o
Educacuca promove um programa
de aprendizagem e desenvolvimento
global baseado em experiências
sensoriais e motoras e estímulos de
linguagem e raciocínio. Os grupos
são formados conforme a fase de
desenvolvimento em que o bebê se
encontra. Para agendamento de aula
experimental e informações sobre
horários para cada grupo, consulte o
site www.educacuca.com.br
Idade Permitida: 3 a 30 meses.
Terças e quintas – Loja: Lorena
Quartas – Loja: Fradique
16/9, TERÇA, das 14h às 19h
Workshop: Evento do luxo
Com Paulo Sergio
Loja: Shopping JK Iguatemi
27/9, SÁBADO, das 11h às 13h
Workshop sobre o TOEFL
Com Ana Virginia Kesselring
A Fundação Estudar, em parceria
com a Livraria da Vila, promoverá
um workshop para interessados em
realizar o TOEFL (Test of English as a
Foreign Language), um dos exames de
proficiência em inglês mais exigidos
pelas universidades estrangeiras,
tanto para cursos de graduação como
de pós-graduação. Entre as atividades
previstas estão exercícios de speaking
em duplas.
Evento gratuito.
Inscrições: www.estudarfora.org.br
Apoio: Fundação Estudar
Loja: Fradique
CineVila
Clube de Leitura
De 1/9 a 29/9, SEGUNDAS, das 19h30
às 21h30
Festival nacional
1/9 Vinicius
8/9 À deriva
15/9 O cheiro do ralo
22/9 Senna
29/9 O homem do futuro
Evento gratuito
Apoio: Paramount/Universal
Lojas: Galleria Shopping, Shopping
Pátio Batel e Shopping Pátio
Higienópolis.
25/9, QUINTA, das 19h30 às 21h
Leitura Compartilhada: Orlando
De Virginia Woolf
Com Os Espanadores
Evento gratuito.
Loja: Shopping Pátio Higienópolis
29/9, SEGUNDA, das 20h às 21h
Clube Penguin
Com Vinícius Chaves e Lívia Brito
Evento gratuito.
Loja: Lorena
29
PROGRAMAÇÃO | setembro_2014*
VILA DA CRIANÇA
Higienópolis
6/9, SÁBADO, das 16h às 17h
Oficina: O grande livro do Zack
Com Jonas Meirelles
Ed. Vergara & Riba
14/9, DOMINGO, das 16h às 17h
Oficina: O grande livro do Zack
Com Jonas Meirelles
Ed. Vergara & Riba
7/9, DOMINGO, das 16h às 17h
Oficina: Ah, as cores
Com Aline Gandolla
Ed. SM Edições
17/9, SÁBADO, das 16h às 17h30
Visita do personagem Elmer
O personagem estará na loja para
interagir e tirar fotos com as crianças.
Ed. WMF Martins Fontes
Livro: O cupido azul
Autor: Fernando Luiz Cipriano
Ilustrações Alexandre Araújo /
Estúdio Chanceler
Editora Intermeios
30
13/9, SÁBADO, das 18h às 21h
Lançamento: Feiticeira
De Ricardo Ramos Filho
Ed. Folia de Letras
* Programação sujeita a alteração.
Lorena
Moema
6/9, SÁBADO, das 16h às 17h
Oficina: Máquinas voadoras
Com Aline Gandolla
Ed. Vergara & Riba
7/9, DOMINGO, das 16h às 17h30
Visita do personagem Elmer
O personagem estará na loja para
interagir e tirar fotos com as crianças.
Ed. WMF Martins Fontes
13/9, SÁBADO, das 16h às 17h
Oficina: Máquinas voadoras
Com Aline Gandolla
Ed. Vergara & Riba
27/9, SEXTA, das 16h às 17h
Contação de histórias: Os ursos e
a espada
Com Samuca
SM Edições
JK Iguatemi
28/9, DOMINGO, das 15h às 18h
O menino que lia nuvens
de Ricardo Viveiros
Ed. Biruta
Fradique
6/9, SÁBADO, das 11h às 13h
Quem contou?
De Dilea Frate e Laerte
Ed. Companhia das Letrinhas
6/9, SÁBADO, das 15h às 18h
Rimas de lá e de cá
De José Jorge Letria & José Santos
Ed. Peirópolis
Haverá atividade infantil.
7/9, DOMINGO, das 15h às 18h
O mistério do Capiongo
Joaquim de Almeida
Ed. Scipione
14/9, DOMINGO, das 15h às 18h
Adoro listas!
De Daniela, José, Marcello e Paulo
Ed. Nova Fronteira
21/9, DOMINGO, das 16h às 17h30
Visita do personagem Elmer
O personagem estará na loja
para interagir e tirar fotos com as
crianças.
Ed. WMF Martins Fontes
13/9, SÁBADO, das 10h às 13h
Festa do Pijama com Ziraldo
De Ziraldo e Ana Muylaert
Ed. Melhoramentos
27/9, SÁBADO, das 15h às 18h
Cupido azul
De Fernando Luiz Cipriano
Ed. Intermeios
Haverá atividade infantil.
13/9, SÁBADO, das 16h às 17h
Contação de histórias: Filhote de
gato-gente
Com Marina Bastos
SM Edições
27/9, SÁBADO, das 15h às 18h
O conto que não existe
De Luiz Diaz
Ed. SESI
Haverá atividade infantil.
31
PROGRAMAÇÃO TEATRAL | setembro_2014*
Teatro Infantil
De 6/9 a 28/9, SÁBADOS e DOMINGOS, às 15h
Chapeuzinho Vermelho – Pela estrada afora
Clássica história dos Irmãos Grimm, fala de uma indefesa
menina que sai para levar os doces que sua mamãe fez
para sua avó. No caminho, ela acaba se distraindo com
os animais e não percebe a presença de um lobo muito
atrapalhado. Com toque de humor, ilustrado com uma
mensagem ecologicamente correta, a história alerta as
crianças para a importância da preservação da natureza.
Local: Shopping JK Iguatemi
Valor: R$ 30 inteira | R$ 15 meia-entrada
De 6/9 a 28/9, SÁBADOS e DOMINGOS, às 16h
Branca de Neve
Branca de Neve é um conto que agrada crianças e
adultos de todas as idades. Conta a história de uma
princesinha que fica órfã logo após o seu nascimento.
Depois de um ano, o pai se casa novamente com uma
mulher linda, porém escrava da vaidade. Expulsa de seu
castelo aos sete anos por inveja da madrasta, a menina
é abandonada pelo servo na floresta – miticamente, este
é o lugar desconhecido onde primeiro nos perdemos na
busca da verdade. Em meio a cantigas e brincadeiras de
roda, a verdadeira história de Branca de Neve é contada
com muito humor e interatividade por dois atores que
interpretam quase todas as personagens do clássico
dos irmãos Grimm, enquanto os sete anões são vividos
por crianças do público.
Local: Shopping Pátio Higienópolis
Valor: R$ 30 inteira | R$ 15 meia-entrada
João e o pé de feijão
A história conta que um menino, chamado João, vai
ao mercado a pedido de sua mãe com a finalidade de
vender uma vaca, devido a necessidades financeiras que
estavam passando. Quando a criança chega ao mercado,
um estranho lhe propõe cinco feijões mágicos em troca da
“Mumú”. Feita a troca, ele retorna para casa com os grãos
no bolso. Sua mãe se enfurece, pois João não fez o que
fora pedido e joga os feijões pela janela. Enquanto João
dorme, os feijões brotam e dão origem a gigantes pés de
feijão despontando no céu. João, curioso, decide subir e
lá em cima se depara com um mundo diferente, com um
castelo, um gigante e muitas aventuras surpreendentes.
Local: Shopping Pátio Batel de Curitiba
Valor: R$ 30 inteira | R$ 15 meia-entrada
32
De 06/9 a 26/10, SÁBADOS e DOMINGOS, às 16h
Cigarra X Formiga: A disputa!
O tradicional embate destes personagens tão conhecidos
entre os pequenos é apresentado em uma situação
inusitada: a Cigarra e a Formiga disputam um cargo na
"Diretoria dos Insetos", importante órgão que todos querem
fazer parte. É melhor sair de perto, pois elas prometem
lutar até o fim para saírem vencedoras nessa disputa
pra lá de bem-humorada e cheia de acontecimentos
inusitados.
Local: Galleria Shopping de Campinas
Valor: R$ 30 inteira | R$ 15 meia-entrada
* Programação sujeita a alteração.
De 6/9 a 28/9, SÁBADOS e DOMINGOS, às 16h
Teatro Adulto
De 6/9 a 28/9 – Exceto dia 7 de Setembro
SÁBADOS às 20h e DOMINGOS, às 18h
Tem alguém que nos odeia
A peça aborda a relação privada e amorosa de duas mulheres,
Maria, brasileira, e Cate, estrangeira, que decidem morar juntas.
Dentro do antigo e decadente apartamento herdado por Maria
elas vivem em conflito. Elas se veem obrigadas a enfrentar
agressões físicas e psicológicas de um homofóbico do prédio
que se torna um inimigo invisível.
*Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia Antônio José da Silva – Premiação
realizada numa parceria entre a FUNARTE e o Instituto Camões.
*Entre “As 10 peças mais bem avaliadas de 2013” pela Veja São Paulo,
recebeu 3 estrelas.
Local: Shopping JK Iguatemi
Valor: R$ 60 inteira | R$ 30 meia-entradaa
De 6/9 a 28/09, SÁBADOS às 20h e DOMINGOS, às 18h
Delas
O projeto traz como atividade central a apresentação
de uma performance que leva ao palco uma mistura de
encenação, música e literatura para tratar das diversas
complexidades do amor moderno. Baseado nos contos
e crônicas do livro “@[email protected]” (Editora Patuá), da autora
Helga Bevilacqua. Direção: Juliano Baroni.
Fotos: Divulgação
Local: Shopping Pátio Higienópolis
Valor: R$ 40 inteira | R$ 20 meia-entrada
Dias 22 e 29/8, SEXTAS, às 20h30
Show “Simplesmente Elis” –
Homenagem a Elis Regina
A inspiração na Pimentinha e em
suas interpretações nos levam ao
repertório de uma artista corajosa e
inconformada, que, sem máscaras,
juntava técnica, emoção e o poder
da palavra. Um show de pura emoção e talento para toda a família,
com uma proposta diferenciada,
inovadora, que promete momentos
inesquecíveis.
Dias 19/9 e 26/9, SEXTAS, às 20h30
Come together – Tributo aos
Beatles
O show tem o intuito não de fazer um
cover, mas sim uma releitura vocal e
instrumental das melhores faixas da
banda. Com arranjos do pianista Sílvio Venosa, o grupo vocal é formado
pelas grandes vozes de Biah Carfig, Leticia Veras, Osvaldo Romano,
Rebeca Elts e Tulio Zani, e promete
surpreender tanto os beatlemaníacos
como os alheios à banda.
Local: Shopping JK Iguatemi
Valor: R$ 60 inteira | R$ 30 meiaentrada
Local: Shopping JK Iguatemi
Valor: R$ 60 inteira | R$ 30 meiaentrada
TEATRO DA LIVRARIA DA VILA
Dia 29/9, SEGUNDA, às 20h30
Sous le ciel de Paris
Sob o céu de Paris surgiu a inspiração
para a criação deste show, uma
celebração à cultura francesa. O ator
e cantor Julio Mancini, acompanhado
de piano, contrabaixo e acordeon,
interpreta músicas que foram
imortalizadas nas vozes de Edith Piaf,
Charles Aznavour e Jacques Brel.
Local: Shopping JK Iguatemi
Valor: R$ 60 inteira | R$ 30 meiaentrada
Mais informações e ingressos: www.ingressorapido.com.br
33
34
35
36
37
38
39
40
41
Vila do Leitor
por Gabriel Shiguemoto*
* Gabriel Shiguemoto, paulistano de 34 anos, é um designer brasileiro que vive e trabalha em Tóquio desde 2008. No intervalo de suas
atividades profissionais – e quando não está no video-game – , "ShigueS" (como assina seus trabalhos) encontra tempo para praticar e treinar
um pouco ilustração. Fã de quadrinhos e de cinema de terror, suas criações geralmente fazem referências a monstros, zumbis, selvagens
e seres do mundo fantástico. A paixão pela arte influencia também seu trabalho em design, que é projetado com muitos desenhos e cores.
A página Vila do Leitor é um espaço aberto para todos aqueles que gostam de escrever, ilustrar e fotografar. Todos os interessados em ter
trabalhos aqui publicados devem mandar seus contos, crônicas ou poemas para o email: [email protected]
42
NOSSAS DICAS
MAIS VENDIDOS |agosto_2014
LI E GOSTEI
CDs
DVDs
Aruanda Leonel
Shopping Pátio Higienópolis
1º Verdade uma ilusão – Tour
2012/2013
Marisa Monte (Universal Music)
2º Meus quintais
Maria Bethânia (Biscoito Fino)
3º Corpo de baile
Monica Salmaso (Biscoito Fino)
4º Gilbertos samba
Gilberto Gil (Sony Music)
5º Eric Clapton & friends: The breeze
– An appreciation of JJ Cale
Eric Clapton (Universal Music)
1º Galinha Pintadinha 4
Vários (Som Livre)
2º Downton Abbey – 4ª Temporada
(Universal Pictures)
3º Frozen: Uma aventura congelante
(Buena Vista)
4º Rio 2
(FOX)
5º Verdade uma ilusão – Tour
2012/2013
Marisa Monte (Universal Music)
Ficção
Não Ficção
1º A festa da insignificância
Milan Kundera (Companhia das Letras)
2º A verdade sobre o caso Harry
Quebert
Joël Dicker (Intrínseca)
3º Nu, de botas
Antonio Prata (Companhia das Letras)
4º A culpa é das estrelas
John Green (Intrínseca)
5º O homem que amava os cachorros
Leonardo Padura Fuentes (Boitempo)
1º Getúlio – Da volta pela
consagração popular ao suicídio
1945-1954
Lira Neto (Companhia das Letras)
2º Destrua esse diário
Keri Smith (Intrínseca)
3º Pitadas da Rita
Rita Lobo (Panelinha)
4º Foco
Daniel Goleman (Objetiva)
5º Crianças francesas não fazem
manha
Pamela Druckerman (Fontanar)
Infantil
Juvenil
1º A história de Peppa
Mark Baker (Salamandra)
2º Peppa – A maior poça de lama do
mundo
Mark Baker (Salamandra)
3º Flubete
Dalcio Machado (Companhia das
Letras)
4º Olivia não quer ser princesa
Ian Falconer (Globinho)
5º A incrível caixa dos animais
Auzou (Publifolha)
1º Quem é você, Alasca? – O
primeiro amigo, a primeira garota, as
últimas palavras
John Green (WMF Martins Fontes)
2º Diário de um Banana – Maré de
azar
Jeff Kinney (Vergara & Riba)
3º Princesa adormecida
Paula Pimenta (Record)
4º Contos maravilhosos infantis e
domésticos
Irmãos Grimm (Cosac Naify)
5º Casa das estrelas – O universo
contado pelas crianças
Javier Naranjo (Foz)
Importados | adulto
Importados | infantojuvenil
1º Genesis
Sebastião Salgado (Taschen)
2º Where chefs eat
(Phaidon)
3º The fault in our stars
John Green (Penguin Books USA)
4º New brazilian house
Dominic Bradbury (Thames & Hudson)
5º Capital in the twenty – First
century
Thomas Piketty (Belknap Press)
1º Peppa pig: Play with Peppa hand
puppet book
(Ladybird books)
2º Peppa Pig: Marvellous magnet
book
(Ladybird books)
3º The very hungry caterpillar
Eric Carle (Penguin Books Usa)
4º Peppa Pig: Nursery rhymes and
songs
(Ladybird books)
5º Four: A divergent collection
Veronica Roth (Katherine Tegen Books)
Mulher, Estado e Revolução
Wendy Goldman
Como o bom livro de
história que é, Mulher,
Estado e Revolução,
de Wendy Goldman,
constrói um belíssimo
– e por vezes chocante – retrato de época
ao mesmo tempo que
nos remete a questões
atuais. As primeiras
décadas da sociedade soviética
e as experiências de libertação da
mulher de sua situação opressão
como trabalhadora doméstica e
proletária é o recorte da autora,
que trata também das políticas
familiares e de estatização das
tarefas domésticas, temas intimamente ligados à condição feminina
na época e talvez ainda hoje. Belo
texto e linda pesquisa.
Ed. Editora Boitempo
OUVI E GOSTEI
Rodrigo Oliveira
Shopping Pátio Batel
Kiss 40
Kiss
O álbum Kiss 40
reúne 40 faixas e
destaca uma música
de cada álbum lançado pelo grupo,
com
diferentes
versões de estúdio e faixas ao vivo,
além da inédita Reputation, de 1977.
Nada mais justo que uma das bandas mais influentes e impactantes
do rock ganhasse esta coletânea
comemorativa de seus mais de 100
milhões de discos vendidos ao longo de seus bem vividos 40 anos.
Universal Music
43
44

Documentos relacionados

promoção maluquinha

promoção maluquinha de educação sexual. Por ter trabalhado muito tempo como jornalista, entrevistando, a dinâmica de perguntas e respostas ficou

Leia mais