anais eletrônico

Сomentários

Transcrição

anais eletrônico
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
ANAIS ELETRÔNICO
busca
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
1
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
TRABALHOS CIENTÍFICOS
2
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
MENSAGEM DO PRESIDENTE
Prezados Colegas,
É com grande satisfação, em nome da comissão
organizadora, que apresentamos os ANAIS
ELETRÔNICOS DO XXIII Congresso Brasileiro
de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial
(COBRAC) que aconteceeu de 25 a 29 de agosto
de 2015, no Bahia Othon Palace Hotel, em Salvador,
Bahia.
Você poderá fazer BUSCAS por quaisquer palavras
que desejar, imprimir ou navegar por toda a obra.
A preparação destes Anais foi fruto de nossa parceria
com a editora Dental Press International.
Inovação é a palavra que definiu o XXIII COBRAC! Que
esta iniciativa possa fortalecer nossa especialidade e
contamos com você nos nossos próximos eventos.
Forte abraço.
Fernando Bastos Pereira Junior
Presidente COBRAC 2015
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
3
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1 (3) :1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Comissão Organizadora
PRESIDENTE
Fernando Bastos Pereira Junior
Presidente de Honra
Onaldo Aguiar
Secretário Geral
Pedro Pinto Berenguer
COMISSÃO CIENTÍFICA
Roberto Almeida de Azevedo
André Carlos de Freitas
Sandra de Cássia Santana Sardinha
Adriano Freitas de Assis
Antônio Márcio Teixeira Marchionni
COMISSÃO DE DIVULGAÇÃO
Lívia Prates Soares Zerbinati
Eugênio Arcadinos Leite
FINANCEIRO
Nelson Ribeiro Neto
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
4
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1 (3) :1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
DIRETORIA GESTÃO 2016-2017
DIRETORIA EXECUTIVA
Presidente: Sylvio Luiz Costa de Moraes
Vice-presidente: Manoel de Jesus Rodrigues Mello
Secretário Geral: Alexandre Maurity de Paula Afonso
Diretor Financeiro: Hernando Valentim da Rocha Junior
Diretor Científico: Renata Pittela Cançado
Diretor Executivo: Márcio de Moraes
Consultores internacionais:
Luiz Henrique Moreira Marinho
Paulo da Costa Rodrigues
Suplentes:
Marcos Pitta
Eduardo Hochuli Vieira
Comissões assessoras
Comissão de Análise Regional de Mercado de Trabalho para Cirurgiões Buco-Maxilo-Faciais do Brasil: Antonio Brito
e Fernanda Brasil Daura Jorge Boos Lima
Comissão de Avaliação dos Residentes: Marcelo Marotta Araújo
Comissão de Bioética e Recomendação de Boas Práticas: Sérgio Antônio Schiefferdecker
Comissão de Criação do Selo de Qualidade do Colégio: Fernando Cesar Amazonas Lima e João Vitor Canellas
Comissão de e-learning: Ricardo José de Holanda Vasconcelos
Comissão de Ensino à Distância: João Carlos Birnfeld Wagner
Comissão de Ensino e Treinamento em Residência: José Thiers Carneiro Junior
Comissão de Implantação do Board Brasileiro & Internacional: Gabriel Pires Pastore, Waldemar Daudt Polido e
Fernando Melhem Elias
Comissão de Informática e Identidade Audiovisual: Rafael Vago Cypriano e Rafael Seabra Louro
Comissão de Interlocução com Entidades Internacionais: José Rodrigues Laureano Filho + Gabriel Pires Pastore,
Nicolas Homsi, Marcelo Melo Soares, Paulo da Costa Rodrigues e Leandro Napier
Comissão de Interlocução com o MEC & CFO de Interesse da Especialidade: Marisa Aparecida Cabrini Gabrielli,
Liogi Iwaki Filho e Marcelo Marotta Araújo
Comissão de Organização de Eventos Regionais e Nacional: Coordenador do Capítulo + Diretor Executivo +
Conselheiro designado
Comissão de Planejamento Estratégico: Nicolas Homsi, Gabriel Pires Pastore, Luciano Mauro Del Santo, Daniel
Falbo Martins de Souza
Comissão de Redes Sociais: Edmundo Marques do Nascimento Junior
Comissão Social: Aira Maria Bonfim Santos
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
5
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1 (3) :1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Revista JBCOMFS
Editor-Chefe: Belmiro Cavalcanti do Egito Vasconcelos
Editor-Adjunto: Gabriela Granja Porto
Eventos
Presidente do ENNEC 2016: Jean Glaydson de Souza Fialho
Presidente do COPAC 2016: José Flávio Ribeiro Torezan
Presidente do COBRAC 2017: Luciano Mauro Del Santo
Presidente do ENNEC 2018: Alagoas
Presidente do ICOMS 2019: Luiz Henrique Moreira Marinho
Conselho Geral
Titulares
Antenor Araújo – SP
Clóvis Prada – SP
Clóvis Marzola – SP
Eduardo Hochuli Vieira – SP
Eduardo Seixas Cardoso – SP
João Gualberto C. Luz – SP
Jonathas Daniel Paggi Claus – SC
Liogi Iwaki Filho – PR
José Thiers Carneiro Junior – PA
Luiz Henrique Moreira Marinho – MG
Nicolas Homsi – RJ
Paulo José D’Albuquerque Medeiros – RJ
Paulo da Costa Rodrigues – RJ
Ricardo José de Holanda Vasconcelos – PE
Sérgio Antônio Schiefferdecker – RS
Presidente Anterior José Nazareno Gil – SC
Suplentes
Alan Panarello – GO
Cassio Edward Sverzut – SP
David Moraes de Oliveira – PE
Maiolino Thomaz Fonseca Oliveira – MG
Ricardo Pereira Mattos – RJ
Coordenadores dos capítulos
CAP II (MT, MS, TO, GO, DF) - Alan Panarello
CAP III (PI, MA, PA, AM, RO, RR, AP, AC) - Julio Cesar de Paulo Cravinhos
CAP IV (PB, RN) - Hécio Henrique Araújo de Morais
CAP V (SE, AL) - Álvaro Bezerra Cardoso
CAP VI (MG) - Sergio Monteiro Lima Junior
CAP VII (RJ) - Ricardo Pereira Mattos
CAP VIII (SP) - José Flávio Ribeiro Torezan
CAP IX (PR) - Leandro Eduardo Kluppel
CAP X (PE) - David Moraes de Oliveira
CAP XI (RS) - Bruna Rodrigues Fronza
CAP XII (CE) - Lécio Pitombeira Pinto
CAP XIII (ES) - André Alberto Camara Puppin
CAP XIV (SC) - Jonathas Daniel Paggi Claus
CAP XV (BA) - André Carlos de Freitas
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
6
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1 (3) :1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Adjuntos dos Capítulos
CAP II - Fabio Calandrini Rodrigues – DF
CAP II - Paulo Henrique de Souza Castro – MT
CAP II - José Afonso de Almeida – TO
CAP II - Fabio Calandrini Rodrigues – DF
CAP II - Eduardo Giordano de Barros – MS
CAP III - Lucas Machado de Menezes – PA
CAP III - Marcel Kiyoshi Lima Kimura – AM
CAP III - Luis Raimundo Serra Rabêlo – MA
CAP III - Robson Reis – Titular – RO e AC
CAP III - Laurivan Colares Feitosa – AP
CAP III - Dennis Dinelly de Souza – RR
CAP IV - Rafael Grotta Grempel – PB
CAP V - Ricardo Viana Bessa Nogueira – AL
CAP VI - Maiolino Thomaz Fonseca Oliveira – Uberlândia
CAP VI - Sandro Isaías Santana – Sul de Minas
CAP VII - Roberto Gomes dos Santos – RJ
CAP VIII - Fernando Melhem Elias – SP
Cassio Edward Sverzut – SP
Rubens Guimarães Filho – SP
CAP IX - Davani Latarullo Costa – PR
CAP XI - Rodrigo Sofia da Rocha – RS
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
7
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1 (3) :1-651 - Suplemento Online
ANAIS ELETRÔNICO
busca
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Fórum científico
Apresentação: Fórum científico
908 – AVALIAÇÃO MECÂNICA DE QUATRO MÉTODOS DE
FIXAÇÃO INTERNA ESTÁVEL EM DOIS DESENHOS DE
OSTEOTOMIA SAGITAL DO RAMO MANDIBULAR
Autores: CAROLINA SANTOS VENTURA DE SOUZA*; ZARINA TÁTIA BARBOSA VIEIRA DOS SANTOS;
CLARICE MAIA SOARES DE ALCÂNTARA PINTO; JOSÉ RICARDO DE ALBERGARIA-BARBOSA
Introdução: Objetivo: Avaliar a resistência mecânica de quatro métodos de fixação interna funcionalmente estável (FIFE) em dois desenhos de osteotomia sagital do ramo mandibular (OSRM) , quando submetidos ao carregamento linear. Materiais e Métodos: Dois modelos de osteotomia foram feitos em hemimandíbulas de poliuretano
e divididos em dois grupos, ambos com 20 amostras: Grupo I - osteotomia angular e grupo II - osteotomia linear.
Depois de um avanço de 5 mm do segmento distal, os segmentos ósseos foram fixados com diferentes sistemas
de placa/parafuso de 2,0 mm, estabelecendo os subgrupos: (A) , uma placa reta convencional de 4 furos, (B) , uma
placa reta convencional de 4 furos associado a um parafuso bicortical, (C) , uma placa reta com travamento de
4 furos, (D) , uma placa reta com travamento de 4 furos associado a um parafuso bicortical. As amostras, foram
então, submetidas ao carregamento linear a uma velocidade de 1 mm/min, até alcançar a carga de pico e falha do
sistema. Resultados: Pelo teste de Tukey, o grupo de uma placa convencional associado a um parafuso bicortical
mostrou ter uma carga superior a 3 mm de deslocamento (87,42 ± 4,86 N) estatisticamente significativa em comparação com o de uma placa convencional com parafusos monocorticais (p <0,01) e uma placa com travamento
com parafusos mocorticais (p <0,01). O grupo de uma placa de travamento associado a um parafuso bicortical
mostrou ter uma carga superior a 3 mm de deslocamento (72,47 ± 4,86 N) estatisticamente significativa em
comparação com o de uma placa convencional com parafusos monocorticais (p = 0,02) e uma placa com travamento com parafusos mocorticais (p = 0,01). Não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos:
uma placa convencional com parafusos monocorticais e uma placa com travamento com parafusos mocorticais
(p = 0,65); uma placa convencional associado a um parafuso bicortical e uma placa com travamento associado a
parafuso bicortical (p = 0,15). A osteotomia angular apresentou maior resistência mecânica em 3 mm de deslocamento do que a linear. No entanto, o único grupo que apresentou diferença estatisticamente significante foi o
grupo A (p = 0,05). Conclusão: não houve diferença entre o sistema de fixação placa/parafuso convencional e com
travamento; a adição de um parafuso bicortical na região retromolar promoveu uma melhor estabilização dos
sistemas de fixação. A OSRM angular apresentou melhor resistência mecânica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
9
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Fórum científico
Apresentação: Fórum científico
910 – AVALIAÇÃO DE AMOSTRAS TECIDUAIS CIRCUNJACENTES
A PLACAS DE TITÂNIO REMOVIDAS DE PACIENTES
Autores: CLARICE MAIA SOARES DE ALCÂNTARA PINTO*; CAROLINA SANTOS VENTURA DE SOUZA;
MÁRCIO DE MORAES
Introdução: O objetivo do presente estudo foi avaliar os achados histológicos de amostras de tecidos adjacentes
a placas de titânio, removidas de pacientes devido indicações clínicas, e identificar a composição das partículas
metálicas encontradas nestes tecidos. Materiais e Métodos: A população experimental incluiu 38 pacientes dos
quais placas e parafusos associados foram removidos e a curetagem de um espécime de tecido mole adjacente
foi realizada durante a remoção das placas. Todas as amostras de tecido foram analisadas por microscopia óptica
e os seguintes aspectos foram avaliados: presença de pigmentos, osso vital ou desvitalizado, células gigantes,
tecido de granulação, fibrose e inflamação. Amostras em que pigmentos metálicos foram encontrados na análise
por microscopia óptica foram avaliadas também através de microscopia eletrônica de varredura (MEV) e espectroscopia por energia dispersiva de raios-X (EDS). Os prontuários dos pacientes foram avaliados para obtenção
dos seguintes dados: tipo de procedimento cirúrgico que levou à instalação das placas e parafusos, tempo entre a
instalação e remoção desses dispositivos (período de retenção) , indicação para remoção das placas e parafusos e
sítio anatômico da remoção. Resultados: Quarenta e quatro amostras de tecido foram removidas de 38 pacientes.
Infecção foi a principal razão para a remoção das placas. Trinta e três amostras de tecido foram obtidas durante
a remoção de placas mandibulares, 8 amostras foram obtidas a partir da maxila, 2 espécimes foram obtidos do
complexo zigomático e em um caso o sítio anatômico não estava especificado nos registros histopatológicos.
Todos os tecidos moles mostraram graus variados de fibrose. Pigmentos metálicos foram identificados em 42
das 44 amostras. Destes 42 espécimes, quarenta foram avaliados através de análises por MEV e EDS. Pigmentos
metálicos foram identificados no MEV e a natureza dos pigmentos foi confirmada utilizando a análise por EDS.
Além do titânio, outros metais e elementos não-metálicos foram encontrados na análise por EDS. Conclusão:
Apesar da identificação de partículas metálicas nas amostras teciduais avaliadas, os resultados do estudo sugerem
que as placas e parafusos de titânio para osteossíntese apresentam um comportamento inerte e, portanto, não há
necessidade de remoção destes implantes após o período de reparo ósseo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
10
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Fórum científico
Apresentação: Fórum científico
911 – ANÁLISE COMPARATIVA DE ENXERTOS ÓSSEOS
AUTÓGENOS E XENÓGENOS EM BLOCO PARA AUMENTO DE
ESPESSURA DO REBORDO MAXILAR
Autores: RAFAEL GUIMARÃES LIMA*; TITO GUIMARÃES LIMA; BRUNO SALES SOTTO-MAIOR;
CARLOS EDUARDO FRANCISCHONE
Introdução: A cirurgia de enxerto ósseo autógeno para aumento de espessura em defeitos ósseos maxilares pode
ser considerado um procedimento seguro e efetivo. Entretanto apresentam algumas desvantagens como aumento da morbidade e quantidade limitada. Desta forma, biomateriais como o Bio-Oss Block (Geistlich AG, Wolhusen, Switzerland) , composto por um preparo de matriz mineral de osso bovino esponjoso em bloco, é uma
alternativa terapêutica. O objetivo desse estudo foi avaliar a estabilidade (reabsorção óssea) dos enxertos autógeno e xenógeno em bloco, bem como a estabilidade primária dos implantes nas áreas enxertadas. Foram selecionados oito pacientes com dois defeitos anteriores em espessura óssea maxilar. Nesses pacientes foram fixados
um enxerto autógeno em bloco do ramo mandibular de um lado e um xenógeno (Bio-Oss Block, Geistlich AG,
Wolhusen, Switzerland) do outro e cobertos com uma membrana de colágeno (Bio-Gide, Geistlich AG, Wolhusen,
Switzerland). Antes e após a fixação dos enxertos foi realizada a medição da espessura óssea vestíbulo-palatina à
mesial da cabeça expandida do parafuso de fixação com o uso de um espessímetro. Após seis meses, foi realizada a outra mensuração clínica da espessura óssea no mesmo local e instalados um implante Cone Morse Alvim
cônico de 3.5x10mm (Neodent, Curitiba, Brasil) em cada enxerto. A estabilidade primária foi mensurada com
torquímetro cirúrgico no momento da instalação dos implantes. Para a avaliação tomográfica foram realizados
3 exames: pré-operatório, pós-operatório imediato e 6 meses de pós-operatório. Nos três exames tomográficos
foram selecionados os cortes sagitais do centro do enxerto em bloco autógeno e do Bio-Oss Block e realizado
mensurações lineares. O resultado clínico da espessura pós-enxerto em 6 meses no autógeno apresentou média
de 7,4mm, tendo média inicial de 3,4mm e reabsorção em 2,6%, e no Bio-Oss Block teve média de 8,9mm, de
3,3mm e 7,3%, respectivamente. O resultado tomográfico da espessura pós-enxerto em 6 meses no autógeno
apresentou média de 7,8mm, tendo média inicial de 3,7mm e reabsorção em 0%, e no Bio-Oss Block teve média
de 9,3mm, de 3,6mm e 2,1%, respectivamente. O torque de inserção do implante apresentou média de 32 ±
22Ncm nos casos de enxerto autógeno e de 18 ± 9Ncm nos casos de enxerto xenógeno. Concluímos que a utilização do enxerto ósseo em bloco xenógeno consegue obter espessura satisfatória e estabilidade primária suficiente
para o sucesso do tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
11
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
39 – LESÃO MIXOIDE EM CÔNDILO – RELATO DE CASO
INCOMUM
Autores: EVERALDO PINHEIRO DE ANDRADE LIMA* (UFPE); DANYEL ELIAS DA CRUZ PEREZ (UFP);
RODRIGO MARINHO FALCÃO BATISTA (UFP); THALLES MOREIRA SUASSUNA (UFP);
RÔMULO OLIVEIRA DE HOLLANDA VALENTE (UFP)
Introdução: O mixoma odontogênico é definido como um tumor de origem mesenquimal, benigno, de crescimento lento e localmente invasivo, podendo causar perfuração da cortical óssea. O tumor consiste de um tecido
mucoide abundante com presença de colágeno que substitui o tecido esponjoso e expande as corticais, sendo
a região posterior da mandíbula o local mais comum. Mixomas localizados no côndilo mandibular são extremamente raros, com apenas dois casos publicados na literatura de língua inglesa. A sintomatologia pode ser
expansão da cortical óssea, parestesia, ulcerações e deslocamento dentário. No entanto, o mixoma é uma lesão
usualmente assintomática, sendo muitos casos diagnosticados tardiamente em exames de rotina. Imaginologicamente, os mixomas são radiolúcidos/hipodensos, unilocular ou multilocular com bordas bem definidas, apresentando trabéculas ósseas dispostas de tal forma a dar um aspecto de “raquete de tênis”, “bolhas de sabão” ou
“favo de mel. Entretanto, lesões com aspecto misto podem estar presentes devido a focos de calcificação do osso
residual no interior da lesão, não sendo decorrentes de uma neoformação óssea. O diagnóstico final é realizado
através do exame histopatológico. Apesar do mixoma ser classificado como um tumor odontogênico de origem
mesenquimal, a sua origem odontogênica ainda é motivo de debate. O tratamento do mixoma é cirúrgico, sendo
que a extensão da cirurgia depende do tamanho da lesão e do seu comportamento, podendo variar desde uma
curetagem conservadora com crioterapia a uma ressecção cirúrgica. A curetagem está associada a uma elevada
taxa de recidivas, pois o mixoma, devido a sua substância mixoide infiltra o osso medular adjacente, indo além
das margens radiográficas visíveis. O objetivo do presente relato foi descrever um caso de lesão condilar em que
a paciente do sexo feminino, 42 anos, melanoderma que deu entrada ao Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Getulio Vargas-PE encaminhada por um cirurgião-dentista para avaliação de uma
lesão condilar. A paciente não apresentava queixas álgicas e nem aumento de volume facial. Imaginologicamente
apresentava uma lesão em região condilar esquerda, hipodensa com a presença de um trabeculado ósseo em seu
interior. Inicialmente, foi realizada uma osteotomia da cortical da face lateral do côndilo com o objetivo de acessar a lesão condilar e foi realizada a curetagem, sendo enviada ao exame histopatológico, onde foi identificada
uma neoplasia mixoide de baixo grau. Em um segundo tempo cirúrgico, foi realizada uma nova abordagem da
face lateral condilar e observou-se uma neoformação óssea importante, sendo curetado o remanescente da lesão
mixoide, osteotomia periférica e posterior criocirurgia. Ambos os tempos cirúrgicos foram realizados sob anestesia geral e através de um acesso pré-auricular. Atualmente, a paciente se encontra com 12 meses pós-operatórios
sem sinais clínicos e imaginológicos de recidiva da lesão.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
12
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
51 – TRATAMENTO NÃO CIRÚRGICO DE TRAVAMENTO
MANDIBULAR (“CLOSED-LOCK”) COM DESLOCAMENTO
ANTERIOR DE DISCO ARTICULAR: RELATO DE CASO.
Autores: GILBERTO LEAL GRADE* (UFPel); ÂNGELO NIEMCZEWSKI BOBROWSKI (UFPel);
MARCOS ANTONIO TORRIANI (UFPel); LETÍCIA KIRST POST (UFPel); OTACÍLIO LUIZ CHAGAS JUNIOR (UFPel)
Introdução: As desordens temporomandibulares (DTM) afetam a articulação temporomandibular (ATM) , músculos mastigatórios e estruturas adjacentes. Estima-se que 2% dos casos de DTM estão associados ao travamento
mandibular, com deslocamento do disco articular anteriormente sem redução, esta é considerada uma desordem
complexa que leva a limitação de abertura bucal e dor, interfere na função e tem intima relação com doenças degenerativas da ATM. Há um consenso de que o tratamento clínico deve preceder o tratamento cirúrgico, mesmo
assim há relatos da preferência pelo tratamento cirúrgico isolado. O tratamento clínico compreende fisioterapia
severa, relaxantes musculares, reabilitação oral e placas inter oclusais, podendo ocorrer de forma conjunta ou
individual, de acordo com o caso. O estudo e o entendimento do histórico da doença devem ser considerados na
escolha do tratamento. Deve-se levar em conta que, normalmente, o tempo entre o aparecimento dos primeiros
sintomas até o travamento mandibular e a procura pelo tratamento é longo. Partindo desta premissa, o objetivo
deste trabalho é de apresentar um caso de uma paciente do sexo feminino, 17 anos, leucoderma, que apresentou
um travamento mandibular com histórico de desenvolvimento de sintomas 2 anos pós trauma em região de mento. A paciente apresentava um deslocamento anterior severo do disco articular esquerdo e formação de osteófito
na superfície articular do côndilo do mesmo lado à tomografia computadorizada de feixe cônico e ressonância
magnética nuclear. O tratamento de escolha inicial foi o não cirúrgico, tendo um acompanhamento de 1 ano e 2
meses com melhora significativa na abertura bucal, de 28mm inicial para 43mm final, e função, ausência de dor
e reposicionamento do disco.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
13
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
101 – RECONSTRUÇÃO COSTOCONDRAL ASSOCIADA A
ENXERTO DE GORDURA NO TRATAMENTO DE ANQUILOSE DA
ATM EM CRIANÇAS: RELATO DE CASO
Autores: RAISSA PINHEIRO MORAES* (UFMA);EIDER GUIMARÃES BASTOS (UFMA);
LUIS RAIMUNDO SERRA RABÊLO (UFMA); PAULO MARIA SANTOS RABÊLO JÚNIOR (UFMA);
ELESBÃO FERREIRA VIANA JÚNIOR (UFMA)
Introdução: A anquilose da articulação temporomandibular (ATM) pode ser definida como a união fibrosa e/
ou óssea dos componentes articulares, podendo ter como etiologia traumas, infecções, doenças sistêmicas. A
anquilose na infância pode prejudicar o crescimento mandibular, causando, posteriormente, assimetria facial
severa. O objetivo do presente trabalho consiste em relatar o tratamento para anquilose de ATM unilateral e
reconstrução imediata com enxerto constocondral em uma paciente do sexo feminino, 08 anos de idade, com
história de parto laborioso com emprego de fórceps, queixando-se de “não consigo abrir a boca.” Além disso, a
paciente apresentava dificuldade de mastigação, fonação e higiene oral. Ao exame físico, foi possível observar
assimetria facial, com desvio do mento para o lado esquerdo, além de má oclusão e limitação de abertura bucal.
Os exames radiográficos confirmaram a suspeita de diagnóstico, sendo observada a presença de área anquilótica
na ATM esquerda, além de hiperplasia do processo coronoide. A paciente foi internada em ambiente hospitalar
e sob anestesia geral foi realizada a remoção da área de anquilose e do processo coronoide ipsilateral. Além disso,
foi removido o enxerto do sexto arco intercostal, fixando-o com parafusos do sistema 2.0mm; foi utilizada tecido
gorduroso como material interposicional a fim de prevenir a formação de osso heterotópico. O enxerto utilizado
tem como vantagens a presença de uma anatomia compatível com a do côndilo, manutenção da altura do ramo
mandibular e a presença de um potencial de crescimento. Atualmente, a paciente se encontra com quatro anos de
acompanhamento pós-operatório, sendo possível verificar uma abertura bucal satisfatória, boa oclusão, melhora
da simetria facial, além de um retorno a normalidade das funções anteriormente comprometidas e a satisfação
da paciente com o resultado da cirurgia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
14
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
114 – RECONSTRUÇÃO BILATERAL DA ARTICULAÇÃO
TEMPORO-MANDIBULAR COM PRÓTESES TMJ CUSTOMIZADAS
PÓS ANQUILOSE TRAUMÁTICA: RELATO DE CASO.
Autores: THAIZ CARRERA ARRABAL FERNANDES* (NUCLÉO SAÚDE ARRABAL);
PEDRO SABADINI (NUCLÉO SAÚDE ARRABAL); RUBENS GUIMARÃES FILHO (UNIVERSIDADE DE TAUBATE);
PIETRY DE TARSO INÃ ALVES MALAQUIAS (NUCLÉO SAÚDE ARRABAL); MÁRCIA GABRIELLA BARROS (ODONTOSCAN)
Introdução: A reconstrução dos defeitos ósseos congênitos ou adquiridos da articulação têmporo-mandibular
(ATM) , tem sido um desafio para o Cirurgião Buco-Maxilo-Facial. O uso de materiais alopásticos excluem a necessidade de área doadora, minimizando a morbidade. O presente trabalho tem o objetivo de apresentar o caso
de uma paciente vítima de acidente motociclístico acomentendo a face com fratura de alta intensidade do tipo
complexa de mandíbula, em sínfise e nas cabeças da mandíbula bilateralmente com deslocamento significativo.
Foi submetida a procedimento cirúrgico imediato para redução e fixação das fraturas com placas e parafusos de
titânio evoluindo com boa cicatrização e sem intercorrências. No acompanhamento pós-operatório tardio (03
anos) evoluiu com dor acentuada, assimetria facial e limitação severa de abertura bucal de forma progressiva,
mesmo com acompanhamento fisioterápico, até atingir abertura máxima de 08 mm. Devido as limitações sociais
e funcionais relacionadas à fala, dor, alimentação e higiene oral, planejou-se a instalação de próteses articulares
customizadas bilateralmente para devolver a função dos movimentos mandibulares e reinserção social. A descrição do caso enfoca nas dificuldades encontradas no pré, trans e pós-operatório, visto que envolve a instalação de
duas próteses de alto custo associada à osteotomia em região anterior de mandíbula no tratamento da anquilose
e correção de distopia oclusal mandibular gerada pelo trauma prévio. No pós-operatório houve melhora na limitação da abertura bucal, assimetria facial, e critérios subjetivos como cefaleia, dificuldade de mastigar, dor local
e o grau de satisfação do paciente no pós-operatório. O resultado é favorável após 01 ano de acompanhamento
de instalação das próteses, com boa função, estética e estabilidade, demonstrando que a prótese customizada
concepts é um opção eficaz e previsível para reconstrução total da atm no tratamento de aquilose têmporo-mandibular pós trauma de face.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
15
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
118 – ASPECTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES
NO EXAME DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Autores: LÍDIA DE ALMEIDA CÂNDIDO VARGAS (*) (UFJF); JOSEMAR PARREIRA GUIMARÃES (UFJF);
LUCAS NARDELLI MONTEIRO DE CASTRO (UFJF); JOÃO PAULO MARINHO DE RESENDE (UFJF);
EDUARDO STEHLING URBANO (UFJF)
Introdução: Este estudo teve como objetivo revisar a literatura sobre as diversas apresentações das Disfunções
Temporomandibulares no exame de Ressonância Magnética, assim como a importância do mesmo no diagnóstico das patologias associadas à Articulação Temporomandibular. Além disso, expõe casos clínicos com o intuito
de reconhecer, no exame em questão, as alterações de suas estruturas e suas aparências, fazendo uma análise
comparativa entre os mesmos. De acordo com a revisão feita observou-se que a Ressonância Magnética tem sido
o exame de escolha para a avaliação das alterações da ATM, sendo considerado o padrão ouro para o estudo da
mesma, pois permite que, mesmo um clínico experiente, tenha informações adicionais como quantificação do
deslocamento, deformações do disco e detecção de condições inflamatórias que não são adquiridas somente no
exame físico da articulação, obtendo-se assim um diagnóstico mais objetivo. Esse exame permite a avaliação de
diversas patologias da ATM, sendo mais indicado principalmente para os tecidos moles, devido sua resolução de
contraste melhorado. É importante ainda ressaltar que o conhecimento da anatomia normal da articulação é fundamental para o reconhecimento das alterações patológicas. Foi possível perceber que muitos clínicos não sabem
a verdadeira natureza da anormalidade que tratam, pois não utilizam imagens para realizar o seu diagnóstico de
rotina, porém, quando solicitarem qualquer exame de imagem, devem ter o conhecimento necessário para avaliar
e interpretar os dados ali contidos, pois o sucesso do tratamento depende da relação entre a adequada indicação
do exame, do correto diagnóstico e da interação entre os achados da imagem e do exame clínico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
16
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
119 – ANQUILOSE DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR
BILATERAL E RECONSTRUÇÃO COM ENXERTO
COSTOCONDRAL EM PACIENTE COM ARTRITE IDIOPÁTICA
JUVENIL: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: DHAYANNA ROLEMBERG GAMA CABRAL* (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC);
VALTUIR BARBOSA FELIX (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC);
KATHARINA JUCÁ DE MORAES FERNANDES (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC);
JOSÉ ANDRÉ BERNARDINO DOS SANTOS (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC);
ANTÔNIO JOSÉ CASADO RAMALHO (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC)
Introdução: A Artrite idiopática juvenil (AIJ) é definida como a doença reumática autoimune inflamatória mais
comum da infância, constitui um grupo heterogêneo de doenças com 7 subtipos distintos. A morbidade da AIJ
pode ser extensa, causando nos indivíduos acometidos anormalidades de crescimento graves e presença de limitações por deficiências. Nos estudos mais recentes, foi observado que o envolvimento da articulação temporomandibular (ATM) pela AIJ varia entre 17% a 87%, podendo ocasionar alterações do crescimento craniofacial
pelo comprometimento do centro de crescimento condilar e a micrognatia. O objetivo deste trabalho foi relatar
um caso de uma paciente, 13 anos de idade, que compareceu ao ambulatório de cirurgia com queixa de limitação
de abertura de boca há 3 anos referindo ser portadora de AIJ em tratamento com reumatologista, apresentando
deformidades nas mãos (mãos em garra) e nos pés. Paciente se queixava de muitas dores articulares e possuía
anquilose de toda a coluna cervical. Ao exame físico loco-regional extra-oral, apresentava evidente limitação de
abertura de boca (5mm) e côndilos palpáveis na fossa mandibular, porém com discreta mobilidade. Foram solicitados exames laboratoriais com finalidade no tratamento cirúrgico e exames de imagem que evidenciaram total
soldadura do côndilo na fossa mandibular bilateralmente. Na cirurgia, a paciente foi submetida à intubação nasotraqueal com auxílio da nasofibroscopia e operada sob anestesia geral. A cirurgia transcorreu sem intercorrências,
na qual a paciente evoluiu com abertura de 40 mm no trans-operatório. No pós-operatório de 7 dias, paciente
apresentou abertura bucal de 30mm e no pós-operatório tardio de 1 ano evoluiu com abertura final de 40mm.
Concluímos que o tratamento para a anquilose da ATM é cirúrgico com a remoção da massa anquilótica e, quando
necessário reconstrução articular em pacientes em fase de crescimento, o enxerto costocondral representa ainda
o padrão ouro devido a sua similaridade biológica e potencial de crescimento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
17
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
131 – CONDILECTOMIA ALTA PARA TRATAMENTO DE
HIPERPLASIA CONDILAR
Autores: FELIPE ALEXANDER CALDAS AFONSO* (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP);
BRUNO HENRIQUE DE OLIVEIRA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP);
JOSÉ BENEDITO DIAS LEMOS (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP);
FLÁVIO WELLINGTON DA SILVA FERRAZ (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP);
SHAJADI CARLOS PARDO KABA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP)
Introdução: A Hiperplasia condilar (HC) é uma patologia benigna mandibular incomum que é caracterizada por
um desenvolvimento progressivo de assimetria facial, consequência de um crescimento unilateral excessivo da
cartilagem condilar. Vários métodos tem sido usados para diagnosticar HC, incluindo estudos radiográficos, cintilografia óssea e avaliação histopatológica. A tomografia computadorizada (TC) tem contribuído para estabelecer o aspecto patológico e morfológico condilar. O escaneamento de tomografia computadorizada óssea por
emissão de fóton único é uma ferramenta diagnóstica essencial para visualização da hiperatividade do côndilo.
O tratamento é primariamente cirúrgico, com ou sem ortodontia, e depende do grau de severidade e do estado
do crescimento condilar, podendo consistir de condilectomia alta, cirurgia ortognática ou até uma combinação
de ambas. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso de HC tratado no serviço de residência em Cirurgia e
Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Universitário da USP. Paciente G.A.T, 15 anos, sexo feminino, leucoderma, atendida em Abril de 2014 com história de desvio de linha média mandibular progressivo. Ao exame
extra-oral foi observado assimetria facial devido a desvio da região do mento à esquerda. À oroscopia observou-se desvio da linha média mandibular de 9mm à esquerda, overjet negativo e deformidade dentofacial tipo III, e
laterognatismo à esquerda. Na TC e Imagem por Ressonância Magnética observou-se aumento da cabeça e colo
condilar direito. Foi solicitado uma cintilografia óssea, que confirmou região de crescimento ativo moderado no
côndilo mandibular direito. Foi solicitado a instalação de aparelho ortodôntico para a paciente, e a mesma foi
submetida à cirurgia de condilectomia alta. Com 1 mês de pós-operatório a paciente evoluiu bem, sem queixas
ou complicações, apresentando melhora do aspecto oclusal e da assimetria, estando com 7mm de desvio da linha média mandibular à esquerda e mordida topo-a-topo anterior. A paciente está programada para retorno de
acompanhamento de 6 meses em junho de 2015. Conclui-se que o tratamento de Hiperplasia Condilar a partir
de condilectomia alta foi uma alternativa de tratamento satisfatória para esta paciente, podendo a cirurgia ortognática, dependendo da evolução do caso, ser um tratamento coadjuvante necessário para alcançar um excelente
resultado. Palavras-chave: Côndilo Mandibular; Hiperplasia; Cirurgia Ortognática.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
18
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
133 – ARTROSCOPIA DE LISE E LAVAGEM NO TRATAMENTO DE
DESARRANJOS INTERNOS DA ATM: RELATO DE CASO
Autores: CARLOS ALYSSON ARAGÃO LIMA* (HGVP); DANIEL DA PAIXÃO UYEDA (HGVP);
ALEXANDRE MACHADO TORRES (HGVP); ROGÉRIO DE ALMEIDA SILVA (HGVP);
MÁRIO CESAR PEREIRA BRINHOLE (HGVP)
Introdução: A etiopatogenia da disfunção temporomandibular (DTM) ainda é controversa, não existe consenso
a respeito do papel do deslocamento anterior do disco articular no desencadeamento dos sintomas das DTMs.
Quando o paciente queixa-se de dor articular e/ou limitação de abertura bucal e é refratário ao tratamento conservador, procedimentos artroscópicos podem ser propostos. O objetivo deste trabalho é relatar a utilização da
artroscopia de lise e lavagem no tratamento dos desarranjos internos da articulação temporomandibular, através
de apresentação de caso clínico. Paciente, feminino, 45 anos, com queixa de dor em ouvidos e em face, Escala
Visual Analógica (EVA) de 8, com evolução de 5 anos. Ao exame físico, notou-se mialgia bilateral em masseter
e temporal, artralgia e estalidos recíprocos e bilaterais durante movimentos mandibulares, abertura de boca de
36 mm, uso de próteses fixas desajustadas, com interferências durante a lateralidade. Ao exame de ressonância
magnética evidenciou-se deslocamento anterior do disco com redução. Inicialmente, foi proposto tratamento
conservador, sendo prescrito anti-inflamatório não esteirodal por 5 dias, relaxante muscular de ação central por
7 dias, mecanoterapia de abertura de boca, compressas mornas em face, uso de placa mordida com guia canino de
uso noturno. Ao final do período de 3 meses houve melhora significativa das dores musculares e da dor articular
direita, porém sem resolução da artralgia esquerda . Realizou-se artroscopia de lise e lavagem da ATM esquerda
por meio da técnica de single point, sob anestesia geral. A paciente evoluiu bem, sem queixas álgicas e com boa
abertura de boca (42mm) , e atualmente (9 meses) segue estável, EVA de 2 e em acompanhamento trimestral. A
boa evolução desta paciente leva a crer que a artroscopia da ATM é método seguro, eficaz e minimamente invasivo que possibilita melhor diagnóstico, boa função articular com redução significativa das artralgias. Descritores:
Artroscopia, Transtornos da Articulação Temporomandibular, Artralgia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
19
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
156 – CIRURGIA ARTROSCÓPICA NO TRATAMENTO DA
LUXAÇÃO MANDIBULAR
Autor: MARCELO AUGUSTO CINI*
Introdução: Dentre as diversas disfunções temporomandibulares, uma particularmente se destaca nos atendimentos de urgência e emergência médica. A luxação da mandíbula ocorre quando a cabeça da mandíbula ultrapassa e permanece anteriormente ao vértice da tuberosidade, resultando em dor e incapacidade de fechar a boca.
Para tanto, existem varias formas de tratamento, que caminham desde tratamentos conservadores, podendo
chegar a indicações cirúrgicas. Objetivo: Levantar os artigos que abordam o tratamento cirúrgico por via artrocópica da luxação mandibular e observar quais modalidades cirúrgicas são possíveis por esta via. Método:
Foi realizado um levantamento bibliográfico nas bases de dados Pubmed, LILACS e BVS, de 1989 a abril de
2015, cruzando-se os seguintes descritores consultados no DeCS e MeSH: artroscopia versus luxações versus
articulação temporomandibular. Como critérios de inclusão foram analisados relato de casos e séries de casos, de
aspectos metodológicos aleatórios, que relacionassem o tratamento cirúrgico da luxação de mandíbula por via
artroscópica, limitados para o idioma em inglês. Foram excluídos os artigos cujos estudos não eram relacionados
à cirurgia artroscópica da articulação temporomandibular, ou cirurgias artroscópicas para tratamento do deslocamento do disco articular. Resultados: Após cruzamento dos descritores de todos os modos possíveis e aplicação
dos critérios de inclusão e exclusão, 06 estudos foram incluídos e estão resumidos na tabela 1. Conclusão: A
cirurgia artroscópica para luxação da mandíbula se mostrou uma alternativa interessante aos casos em que não
existe adesão do paciente ao tratamento conservador, ou o mesmo não se faz efetivo. Dentre das possibilidades
cirúrgicas por esta via destacamos a aplicação de substancias esclerosantes na zona retrodiscal, a eminectomia e a
miotomia do músculo pterigoideo lateral com cauterização da zona retro discal. Entretanto é importante salientar que esta técnica requer uma grande curva de aprendizado. E finalmente, estudos mais bem desenhados e com
maiores acompanhamentos devem ser realizados para garantir a efetividade do procedimento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
20
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
158 – TRATAMENTO DA LUXAÇÃO MANDIBULAR RECIDIVANTE
COM INFUSÃO SANGUÍNEA AUTÓLOGA: RELATO DE CASO
Autores: RENAN FERREIRA TRINDADE* (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);
DEYVID SILVA REBOUÇAS (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);
THAISE GOMES FERREIRA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);
ANA CAROLINA LEMOS PIMENTEL (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);
ADRIANO FREITAS DE ASSIS (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: A luxação da articulação temporomandibular ocorre quando a cabeça da mandíbula move-se para
fora da cavidade glenoide ultrapassando os limites da eminência articular e permanecendo travada nesta posição, impossibilitando o fechamento da boca pelo paciente. Episódios recorrentes em curtos períodos de tempo
caracterizam a luxação mandibular recidivante. Diferentes técnicas cirúrgicas e não-cirúrgicas têm sido descritas
na literatura como opção de tratamento para a luxação mandibular recidivante. Dentre as técnicas mais conservadoras, a infusão de sangue autólogo nos espaços intra-articular e peri-articular, apesar da incerteza do seu mecanismo de ação, tem apresentado bons resultados na literatura. Trata-se de uma técnica pouco invasiva, simples,
segura e de baixo custo que não requer anestesia geral e minimiza possíveis complicações pós-operatórias relacionadas às incisões cirúrgicas, tais como lesões ao nervo facial, infecção ou dor. O objetivo deste trabalho é relatar
o caso clínico de uma paciente, gênero feminino, 24 anos, feoderma, que compareceu ao Serviço de Cirurgia e
Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (CTBMF) do Hospital Geral Roberto Santos queixando-se de luxação mandibular a cerca de 04 meses com histórico de mais de cinco episódios semanais. A paciente foi submetida à infusão
de sangue autólogo em articulação temporomandibular bilateral sob anestesia local. Atualmente, encontra-se em
acompanhamento pós-operatório pela equipe CTBMF, apresentando melhora significativa. Concluímos que esta
abordagem conservadora pode ser pensada como alternativa antes da realização de uma intervenção cirúrgica
mais invasiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
21
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
162 – CONDROMATOSE SINOVIAL DE ATM: RELATO DE CASO
Autores: FERNANDO ZAHORCSAK* (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO);
FÁBIO RICARDO LOUREIRO SATO (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO);
ROGÉRIO DE ALMEIDA SILVA (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO);
ALEXANDRE MACHADO TORRES (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO);
MARK JON SANTANA SABEY (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO)
Introdução: Condromatose Sinovial de ATM: Relato de Caso A condromatose sinovial da articulação temporomandibular (ATM) é uma condição rara, benigna caracterizada pela formação de cartilagem metaplásica na membrana sinovial das articulações resultando em numerosos corpos osteocartilaginosos aderidos ao tecido articular
ou livres na cavidade. O envolvimento da ATM é incomum, cerca de 200 casos foram relatados na literatura de
língua inglesa. Geralmente ocorre no espaço articular superior da ATM, o que torna o tratamento por via artroscópica possível. O objetivo do presente trabalho é descrever um caso clínico de condromatose sinovial em ATM
direita, suas características clínicas, imaginológicas, tratamento e evolução. Os sintomas incluem dor pré-auricular, edema, limitação da abertura bucal, alteração oclusal e crepitação. Algumas características imaginológicas
correlacionados com condromatose sinovial são: edema em tecido mole, corpos livres calcificadas, alargamento
dos espaços articulares, limitação de movimento, irregularidade da superfície articular, esclerose ou hiperostose
da fossa mandibular e côndilo. No entanto, nenhum destes elementos são patognomônicos de condromatose
sinovial. No caso em questão, a paciente do sexo feminino, 27 anos, melanoderma, com dor intensa em ATM
direita (EVA = 9) há um ano e limitação de abertura de 9 mm, sendo realizado tratamento conservador com placa
miorelaxante há 8 meses e sem melhoras. Ao Exame de Ressonância magnética nuclear apresentava imagem com
hipercaptação em compartimento superior de ATM direita. Foi realizada artroscopia em ATM direita e observado
numerosos corpos aderidos e livres, compatíveis com condromatose sinovial, devido ao volume dos corpos, que
impossibilitava a remoção artroscópica, partiu-se para a cirurgia aberta no mesmo tempo operatório. A peça cirúrgica foi enviada para análise anatomopatológica, sendo confirmada a hipótese de condromatose sinovial. A paciente encontra-se em seis meses de acompanhamento, sem sintomas e com boa abertura bucal. A condromatose
sinovial é uma condição rara nas ATM, o tratamento cirúrgico é fundamental à resolução dos sinais e sintomas,
possibilitando ao paciente uma melhora da qualidade de vida e retorno às suas atividades cotidianas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
22
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
171 – DISCOPEXIA DA ATM - DUPLA ANCORAGEM
Autores: SAULO RENATO FERRAZ* (UNIARARAS - HRC); SELMAR ALVES LOBO JR (UNIARARAS - HRC);
CRISTIAN ALEXANDRE CORREA (UNIARARAS - HRC); DOUGLAS ROGERIO OLIVEIRA (UNIARARAS - HRC);
FERNANDO PIMENTA XAVIER (UNIARARAS - HRC)
Introdução: As desordens da ATM assolam grande parte da população mundial, já que se trata de uma articulação
extremamente dinâmica e complexa do corpo humano, o que acaba favorecendo o surgimento de tais desarranjos. Dentre as patologias da ATM podemos citar àquelas extra-articulares ou musculares, que demandam de tratamento principalmente clínico e as intra-articulares, como os deslocamentos discais sem redução, que quando
não respondem bem a uma terapia clínica pouco invasiva, podem ter indicação cirúrgica. Sendo assim, o presente
trabalho visa relatar um caso clínico de abordagem cirúrgica da ATM, como forma de tratamento para o deslocamento anterior do disco articular sem redução, refratário a tratamentos menos invasivos como a artroscopia.
Clinicamente, tal alteração estava associada à intensa sintomatologia álgica e limitação de abertura bucal. Como
metodologia de tratamento, foi realizada a discopexia bilateral da ATM, através dos acessos cirúrgicos endoaurais e reposicionamento dos discos articulares sobre a cabeça da mandíbula. Foram utilizadas duas mini-âncoras
fixadas na região mais póstero-lateral do côndilo mandibular e realizadas suturas dos discos para estabilizá-los
em sua posição ideal.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
23
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
178 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ANQUILOSE DA ATM
UTILIZANDO O DISCO ARTICULAR REMANESCENTE PARA
INTERPOSIÇÃO
Autores: DANIEL JORGE DA SILVA MONTEIRO DE FREITAS* (UFBA);CLARISSE SAMARA DE ANDRADE (UFBA);
MAYSA NOGUEIRA DE BARROS MELO (UFBA); RODRIGO TAVARES BONFIM (UFBA);
ROBERTO ALMEIDA DE AZEVEDO (UFBA)
Introdução: A anquilose da articulação temporomandibular (A.T.M) é à união do complexo disco-côndilo à superfície articular do osso temporal. A anquilose da A.T.M possui etiologia multifatorial, sendo trauma associada
a fratura condilar a causa mais comum. A anquilose causa diversos distúrbios funcionais nos pacientes acometidos, principalmente limitação de abertura bucal reduzindo a capacidade de mastigar. O diagnóstico é feito pela
correlação dos aspectos clínicos e imaginológicos. Existem diversos relatos na literatura sobre o tratamento e a
abordagem cirúrgica para anquilose da A.T.M, porém o primordial é remover totalmente a massa anquilótica. O
objetivo do presente trabalho é relatar um caso de tratamento cirúrgico da anquilose da ATM, com interposição
do próprio disco articular, devolvendo ao paciente as funções importantes relacionadas à movimentação mandibular.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
24
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
219 – RECONSTRUÇÃO DA ATM EM FERIMENTO POR ARMA DE
FOGO
Autores: CÁSSIA DOS SANTOS MACHADO VAZ* (PUCRS);RICARDO CONCI (PUCRS);
CAMILA KUNZ (PUCRS); CLÁITON HEITZ (PUCRS);
Introdução: A articulação têmporo-mandibular (ATM) é uma das articulações sinoviais mais complexas do corpo
humano, que permite tanto o movimento de rotação, quanto o movimento de translação. O côndilo é um dos
principais componentes da ATM e defeitos nesta estrutura, muitas vezes levam a grave deformidade facial e
dificuldade mastigatória. Deformidades congênitas, lesões traumáticas ou tumores podem requerer remoção do
côndilo deformado e reconstrução do mesmo para manter a função. Em relação as lesões traumáticas, encontram-se por exemplo, as causadas por arma de fogo. Reconstrução do côndilo mandibular, disco e fossa temporal
são importantes. Este processo é classificado em duas categorias, reconstrução autógena da ATM e reconstrução
com prótese da ATM. Existem muitos métodos para a reconstrução autógena da ATM, incluindo enxertos costocondrais, enxerto esternoclavicular e enxertos vascularizados de metatarso. O osso metatarsal tem uma longa
história como substituição da cabeça da mandíbula. O metatarso vascularizado tem sido descrito para reconstrução em casos de anquilose. Este trabalho tem por objetivo relatar um caso clínico de reconstrução condilar,
com enxerto autógeno metatarsal para tratamento de anquilose consequente a trauma em ferimento por arma
de fogo. Relato de caso: Paciente do sexo feminino, 24 anos, encaminhada ao Serviço de Cirurgia e Traumatologia
Bucomaxilofacial do Hospital Cristo Redentor apresentando sequela por ferimento por arma de fogo em ATM direita há 4 meses. Como consequência do trauma, apresentava limitação de abertura bucal e paralisia hemifacial à
direita. A indicação do tratamento foi de condilectomia e reconstrução da ATM direita utilizando enxerto autógeno do terceiro metatarso. Paciente acompanhada clinicamente por 2 anos, não apresentando recidiva de abertura
bucal. O risco de degeneração e reanquilose do enxerto autógeno de metatarso são baixos, especialmente quando
utilizado como enxerto vascularizado. A articulação MTP (metatarso falangeana) é menor do que a ATM, por isso
cabe facilmente dentro dos limites da fossa glenoide. A articulação MTP é uma articulação simples que não segue
os mesmos movimentos da ATM, e, portanto, excursão lateral é restrita.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
25
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
234 – AVALIAÇÃO COMPARATIVA DO NÍVEL DE ESTRESSE E
DEPRESSÃO ENTRE PACIENTES PORTADORES DE DISFUNÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR
Autores: ANDREIA FERREIRA RIBEIRO* (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE-CRUZ VERMELHA BRASILEIRA);
SAMUEL DE SOUZA MORAES (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE-CRUZ VERMELHA BRASILEIRA);
FÁBIO RICARDO LOUREIRO SATO (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE-CRUZ VERMELHA BRASILEIRA);
ERICA CRISTINA MARCHIORI (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE-CRUZ VERMELHA BRASILEIRA);
ROGER WILLIAN FERNANDES MOREIRA (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE-CRUZ VERMELHA BRASILEIRA)
Introdução: Com base nos conceitos etiológicos atuais, fatores físicos e condições sistêmicas, e os fatores psicológicos são responsáveis pelo direcionamento e manutenção da DTM. Estresse, depressão e ansiedade podem mudar o limiar para a dor do indivíduo através da alteração dos impulsos nociceptivos do sistema nervoso central e
dos neurotransmissores. Além disso, estas alterações psicológicas aumentam a frequência,intensidade e duração
dos hábitos parafuncionais, tais como apertamento dos dentes e bruxismo, que causa hiperatividade dos músculos da mastigação, sobrecarga na articulação temporomandibular e maior morbidade ao paciente. O estress pode
ser influenciado pela nutrição, estado geral de saúde, fadiga, idade ou estado mental. Estas variações (não só na
mesma pessoa, mas também entre diferentes indivíduos) , explica por que a gravidade de estresse emocional não
influencia diretamente a mesma maneira a gravidade dos sintomas ou grau de disfunção em diferentes pacientes.
O objetivo desse estudo foi fazer uma avaliação prospectiva e comparativa do nível de estresse e depressão entre
paciente saudáveis e com diagnóstico de disfunção temporomandibular. Para esse estudo, foram selecionados
10 paciente com quadro de disfunção temporomandibular, tendo como critérios de inclusão dor articular e/ou
muscular (EVA&#8805;5) e/ou abertura de boca inferior a 40 mm. Para os pacientes saudáveis, como critérios de
exclusão, eles não poderiam ter histórico ou quadro atual de DTM ou depressão. Como instrumento de mensuração, para avaliar o nível de estresse foi utilizada a escala PSS - Perceived Stress Scale (Cohen et al., 1983) , e para a
depressão a escala de Beck – BDI (Beck et al., 1996). Os resultados mostraram que em relação ao estresse, cuja escala varia entre 0 e 56, os paciente com DTM tiveram uma média de 27,8 (DP = 4,12) , enquanto os paciente sem
DTM tiveram uma média de 33,2 (DP = 9,77) , que quando submetidos a teste t de Student, não foi encontrada
diferença estatisticamente significante (p=0,207). Em relação ao nível de depressão, para os pacientes portadores
de DTM, 20% foram classificados como tendo depressão leve, e no caso dos paciente sem DTM, somente 10%
foram classificados como depressão leve. Quando submetidos ao teste estatístico de qui-quadrado, identificamos
que essa diferença também não se mostrou estatisticamente significante (p = 0,531). Dessa forma, conclui-se que
o grupo de paciente que tinham quadro de DTM não apresentaram maior prevalência de depressão e estresse em
relação ao grupo controle.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
26
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
236 – PRÓTESE TOTAL DE ATM E SUAS INDICAÇÕES:
AVALIAÇÃO DE 11 CASOS
Autores: ANDREIA FERREIRA RIBEIRO* (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE - CRUZ VERMELHA BRASILEIRA
FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO);SAMUEL DE SOUZA MORAES (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE - CRUZ
VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); FABIO RICARDO LOUREIRO SATO (HOSPITAL
DOS DEFEITOS DA FACE - CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ERICA CRISTINA
MARCHIORI (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE - CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DE SÃO
PAULO); ROGER WILLIAN FERNANDES MOREIRA (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE - CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO)
Introdução: A articulação temporomandibular (ATM) é uma das articulações mais complexas do corpo, capaz de
realizar movimentos de translação e rotação, sendo formada pelo componente mandibular (côndilo) e craniano
(cavidade glenoide) , músculos e ligamentos. É dividida em dois compartimentos, um superior e outro inferior
separados pelo disco articular. A ATM pode ser afetada por lesões que alteram sua morfologia e comprometem
sua função, levando o cirurgião, algumas vezes, a ter a necessidade de ressecá-la e reconstruí-la. A preservação da
funcionalidade da ATM é essencial para a fisiologia do sistema estomatognático e, portanto, a perda da função
deve ser tratada tão breve quanto for possível. A reconstrução dos defeitos ósseos articulares, congênitos ou adquiridos (traumáticos) , pode ser realizado com enxertos autógenos ou mesmo com materiais aloplásticos, que
excluem a necessidade de área doadora, minimizando a morbidade. Entre estes, destacamos as próteses totais
articulares, que estão indicadas para o tratamento de pacientes que foram submetidos à múltiplas cirurgias da
ATM sem sucesso, inflamações crônicas ou reabsorção patológica da ATM, doenças autoimunes ou doenças do
colágeno, anquiloses, sequelas de trauma, deformidades congênitas ou tumores na região da ATM. Este estudo
avaliou as indicações de prótese total de ATM em 11 pacientes atendidos no Hospital dos Defeitos da Face – Cruz
Vermelha Brasileira, Filial do Estado de São Paulo no período de dois anos, sendo 8 mulheres e 3 homens, sendo
6 bilaterais e 5 unilaterais. Os resultados corroboram com dados da literatura os quais demonstraram que as mulheres são as mais acometidas por desordens na ATM necessitam de sua substituição, com média de 37,75 anos
de idade, sendo que as alterações degenerativas e as anquiloses foram as indicações mais frequentes. Pode-se
concluir, portanto, que a substituição total da ATM por prótese é uma modalidade de tratamento segura e eficaz
para pacientes que necessitam de reconstrução articular, restabelecendo as funções mandibulares, favorecendo a
mastigação e fonação e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
27
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
359 – RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR E DE ATM, COM O USO DE
METILMETACRILATO NA SUBSTITUIÇÃO DO CÔNDILO: RELATO
DE CASO
Autores: RÔMULO GOMES DOS ANJOS* (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ);
OLAVO HOSTON (HOSPITAL DE EMERGÊNCIA E TRAUMA SENADOR HUMBERTO LUCENA);
TALVANE SOBREIRA (HOSPITAL DE EMERGÊNCIA E TRAUMA SENADOR HUMBERTO LUCENA)
Introdução: A reconstrução mandibular envolvendo a ATM é um dos grandes desafios da cirurgia Bucomaxilofacial, devido à complexidade desta articulação, e as possíveis complicações estéticas e funcionais. Atualmente diversas técnicas e materiais têm sido utilizados, enxertos autógenos vascularizados ou não, materiais aloplásticos,
como a prótese total de côndilo em titânio, dentre outros. O uso do metilmetacrilato em cirurgias de reconstrução está amplamente difundido na literatura, inclusive na neurocirurgia, diversos estudos realizados nas décadas
de 60 e 70 comprovam a importância deste material nas reconstruções de ATM. O presente trabalho relata um
caso de um paciente de 45 anos de idade com queixa de aumento substancial de volume em mandíbula do lado
direito, de crescimento lento e indolor, porém com a evolução e o comprometimento funcional episódios álgicos
surgiram, apresentava ainda dislalia e disfagia, além do comprometimento estético. Os exames de imagem mostraram uma lesão radiolúcida multilocular, com margens bem definidas, reabsorção radicular e extensa destruição óssea envolvendo o côndilo, ramo, ângulo e corpo da mandíbula do lado direito. A hipótese diagnóstica foi de
ameloblastoma multicistico, o que foi confirmado com o anatomopatológico após a cirurgia. O planejamento da
reabilitação se deu com o auxilio da prototipagem para modelagem da placa e do côndilo, sendo este em metilmetacrilato, a remoção dos elementos dentários se deu 15 dias antes da programação cirúrgica. A ressecção total da
lesão com margem de segurança foi o tratamento de escolha para o caso, a placa de reconstrução do sistema 2.7
foi fixada na região anterior da mandíbula com 5 parafusos, e a prótese de côndilo inserida na cápsula da ATM.
Após 12 meses o paciente apresenta-se sem queixas clínicas, com abertura bucal e movimentos mandibulares satisfatórios. Conclui-se que apesar da disponibilidade de técnicas e materiais modernos, o uso do metilmetacrilato
mostra-se como uma boa opção de tratamento por ser um material que provoca mínima reação inflamatória, de
fácil disponibilidade, de melhor adaptação anatômica local e baixo custo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
28
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
382 – TRATAMENTO DE ANQUILOSE DE ATM BILATERAL COM
PRÓTESE TOTAL CUSTOMIZADA EM ESTÁGIO ÚNICO
Autores: AUGUSTO PAIXAO MORAIS MATEUS* (PUC-MG);
GUILHERME LACERDA DE TOLEDO (SERVIÇO DE CTBMF DO HOSPITAL DA BALEIA/CENTRARE);
LUIS FELIPE LUKSCHAL BARBOSA (SERVIÇO DE CTBMF DO HOSPITAL DA BALEIA/CENTRARE);
SEBASTIÃO CRISTIAN BUENO (SERVIÇO DE CTBMF DO HOSPITAL DA BALEIA/CENTRARE);
MARCIO BRUNO FIGUEIREDO AMARAL (SERVIÇO DE CTBMF DO HOSPITAL DA BALEIA/CENTRARE)
Introdução: A anquilose é uma condição em que há limitação parcial ou total dos movimentos articulares devido
à aderência óssea ou pela adesão fibrosa dos componentes do conjunto. Quando esta ocorre na infância, ou em
idade de crescimento, pode causar assimetria facial, por hipodesenvolvimento do lado afetado. No caso da ocorrência bilateral, pode não haver assimetria facial, porém pode provocar severa retrognatia. Paciente C.H.S, 22
anos, gênero masculino, feoderma foi encaminhado ao Hospital da Baleia em janeiro de 2010 apresentando ao
exame físico, limitação severa de abertura bucal, ausência de movimentos articulares, retrognatismo acentuado
com quadros de ronco e hipoanéia/apneia durante o sono. Durante a anamnese o paciente relatou histórico de
infecção durante a infância evoluindo posteriormente com diminuição progressiva da abertura bucal. Foi diagnosticado com anquilose óssea (tipo IV) sendo submetido a três procedimentos cirúrgicos pela técnica de artroplastia bilateral de ATM com gap ósseo de pelo menos 1cm associado a rotação de fácias e músculos temporais
durante o período de crescimento. Evoluiu com recidiva apresentando nova anquilose óssea (tipo IV) após três
intervenções cirúrgicas. Diante do insucesso com as técnicas convencionais de artroplastia foi proposto a substituição protética total das duas articulações através de próteses totais customizadas. Para a confecção das próteses
foi confeccionado um protótipo do crânio do paciente a partir de tomografia conforme requerido pelo fabricante
(TMJ Concepts). O protótipo foi operado deixando um gap de pelo menos 2 cm para permitir a instalação das
próteses e a mandíbula posicionada corrigindo parte da discrepância antero-posterior. O biomodelo operado
foi então enviado ao fabricante para confecção das próteses em cera que foram posteriormente aprovadas pelo
cirurgião e as próteses definitivas confeccionadas. Optou-se pela artroplastia de ATM’s com remoção da massa anquilótica e intalacao das próteses customizadas em estágio único. O procedimento cirúrgico foi realizado
após intubação naso-traqueal com auxílio de fibroscópio devido a impossibilidade de laringoscopia convencional.
Acessos cirúrgicos pré-auriculares de Al-kayat and Bradley e acessos submandibulares foram realizados bilateralmente para permitir a remoção da massa anquilótica, confecção das novas fossas articulares e instalação das
próteses customizadas. Paciente teve abertura bucal de 50mm no período transoperatório. Para melhor resultado
estécio facial, uma mentoplastia de avanço de 10mm foi realizada. Paciente encontra-se com 1 ano de controle
pós-operatório mantendo 50mm de abertura bucal e funções mastigatória, fonatória de deglutição devolvidas.
Relata também melhora do quadro de apneia e ronco. Este trabalho tem como objetivo apresentar um caso clínico de um paciente multiplamente operado de anquilose bilateral da ATM sendo feito por fim uma cirurgia em
estágio único de substituição da ATM por prótese total customizada.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
29
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
383 – USO DE PRÓTESES TOTAIS CUSTOMIZADAS DE
ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: SÉRIE DE CASOS
Autores: HAROLDO ABUANA OSÓRIO JUNIOR* (UFRN); DANIELLE CLARISSE BARBOSA COSTA (UFRN);
ADRIANO ROCHA GERMANO (UFRN); PETRUS PEREIRA GOMES (UFRN);
JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UFRN)
Introdução: As cirurgias da Articulação Temporomandibular (ATM) devem ser consideradas mediante estabelecimento de diagnóstico preciso e, sobretudo, na impossibilidade de tratamento com terapias conservadoras. As
indicações para o uso de próteses totais nas ATM`s são diversas, incluindo múltiplas cirurgias prévias de ATM,
falha em reconstrução autógena, doenças artríticas inflamatórias, doenças autoimunes, anquilose (fibrosa/óssea)
, tumores envolvendo ATM/mandíbula proximal, outras doenças de ATM em fase avançada. Os pacientes para os
quais a substituição articular está indicada podem cursar com uma diminuição importante na qualidade de vida,
apresentando deformidades dentofaciais, maloclusão, obstrução das vias aéreas, dor e disfunção. Até meados
dos anos 80, tais dispositivos protéticos eram usados principalmente nos casos de anquilose, traumas, cirurgias
ablativas ou doenças articulares avançadas. Nos anos subsequentes, o uso das próteses passou também a ser incorporado ao tratamento de desarranjos internos da articulação bem como para os casos de pacientes submetidos
à múltiplas terapias mal sucedidas, cirúrgicas ou não cirúrgicas. A reconstrução da Articulação Temporomandibular visa reduzir o sofrimento dos pacientes, melhorar a função articular, bem como reduzir morbidades. O êxito
da substituição articular pode ser evidenciado pela redução da sintomatologia dolorosa, aumento da abertura
bucal e capacidade de alimentação sem restrições de dieta. O objetivo deste trabalho é relatar uma série de casos
referente aos pacientes tratados com uso de próteses totais customizadas de ATM, na Residência de Cirurgia e
Traumatologa Buço-Maxilo-Facial (UFRN) , correlacionando aos dados mais atuais encontrados na literatura.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
30
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
557 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ANQUILOSE DA
ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: RELATO DE 5 CASOS
Autores: VITOR JOSÉ DA FONSECA* (HC-UFMG); JOANNA FARIAS DA CUNHA (HC-UFMG);
LUIZ FELIPE CARDOSO LEHMAN (HC-UFMG); FELIPE EDUARDO BAIRES CAMPOS (HC-UFMG);
WAGNER HENRIQUES DE CASTRO (HC-UFMG)
Introdução: A anquilose é caracterizada pelo processo de substituição dos tecidos articulares por tecido ósseo ou
fibro-ósseo. Levando a união entre os componentes ósseos da articulação temporomandibular (ATM). Os fatores
etiológicos mais comumente descritos são o trauma, doença reumática, radioterapia, processos infecciosos locais
agudo e crônico, complicações pós-operatórias de procedimentos cirúrgicos na ATM. A anquilose gera distúrbio
funcionais graves, como na mastigação, respiração e fonação, impede e/ou limita o desenvolvimento normal do
complexo dento-esquelético maxilo-mandibular. Dentre as formas de tratamento cirúrgicos propostos temos a
artroplastia com ou sem interposição de material aloplástico ou de tecidos artroplastia associada a distração osteogênica multivetorial, e ainda, substituição total da articulação por prótese aloplástica de ATM ou por enxerto
costocondral. O presente trabalho tem como objetivo descrever 05 casos de tratamento cirúrgico de anquiloses
realizados pelo Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital das Clínicas da Universidade
Federal de Minas Gerais (HC-UFMG). A média de idade dos pacientes era de 21,8 anos ( 06 a 53 anos). A média de
abertura bucal passiva inicial dos pacientes foi de 4,4mm ( mínimo: 00mm e máximo: 09mm ). Foram adotados
diferentes protocolos cirúrgicos através da realização de artroplastia intreposicional aliada a coronoidectomia.
Em todos os casos foi instituído protocolo de fisioterapia mandibular ativa a partir do terceiro dia pós-operatório
e mantidos por período de tempo indefinido. Após 06 meses de acompanhamento os pacientes apresentaram
média de abertura mandibular de 27,8mm ( mínimo: 20mm e máximo37mm ). Os pacientes que receberam
enxertia apresentam bom aspecto clínico e tomográfico, sem evidência de reabsorção ou sobrecrescimento dos
mesmos. As técnicas utilizadas se mostraram eficazes, apresentando bons resultados funcionais e com baixo
índice de complicações. Maior tempo de proservação e procedimentos cirúrgicos adicionais ainda são necessários
para conclusão dos casos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
31
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
688 – EMBOLIZAÇÃO SELETIVA DA ARTÉRIA MAXILAR EM
CASO DE ANQUILOSE DA ATM
Autores: PAULO ALEXANDRE DA SILVA* (HOSPITAL VIVALLE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS);
LEONARD DUARTE MOREIRA (FACULDADE SÃO LEOPOLDO MANDIC);
GABRIEL CIQUEIRA SANTOS (HOSPITAL VIVALLE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS)
Introdução: A Cirurgia para liberação da anquilose da Articulação Tempromandibular (ATM) é um procedimento
que apresenta alguns riscos transoperatórios e dentre eles os acidentes vasculares como a hemorragia da artéria
maxilar, é o mais preocupante. Uma avaliação pré operatória com angiotomografia computadorizada é de grande
valia para determinar a relação entre a artéria maxilar e a massa anquilótica. Diversos autores tem relatado a
utilização da embolização seletiva da artéria maxilar nos casos de anquilose da ATM nos casos de íntima relação
anatômica, múltiplas cirurgias prévias e em casos de fibroaquilose. O presente relato de caso trata-se de uma
anquilose unilateral com íntima relação coma artéria maxilar onde foi realizado a embolização prévia e a reconstrução imediata com prótese total customizada da ATM. Relato de Caso: Paciente gênero feminino 13 anos de
idade, com anquilose unilateral com histórico de múltiplas cirurgias bilaterais para liberação da massa anquilótica, com recidiva à direita. A avaliação através angiotomografia revelou uma íntima relação anatômica entre a
massa anquilótica e artéria maxilar. Foi realizada a embolização seletiva da artéria maxilar direita e após 48 horas
foi submetida à liberação do bloco anquilótico e instalação da prótese total customizada da ATM. Conclusão:
Nos casos de íntima relação entre a massa aquilótica e a artéria maxilar constatados através de angiotomografia
computadorizada, a embolização seletiva pré operatória é um procedimento auxiliar seguro, de baixa morbidade
e eficaz para prevenção graves hemorragias transoperatórias durante a liberação da anquilose da ATM.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
32
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
708 – CIRURGIA ORTOGÁTICA EM PACIENTES COM DOENÇAS
REUMÁTICAS
Autores: PAMELA SANTOS LIRA* (UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP);GUSTAVO SCALON; MARCOS PITTA
Introdução: As articulações temporomandibulares (ATM) são estruturas que sustentam a carga exercida pela
mandíbula em suas varias funções. Algumas doenças sistêmicas estão relacionadas a problemas de perda de volume ósseo nestas articulações. Esta perda de volume ósseo é considerada como processo de reabsorção, levando
o paciente a apresentar alterações dentoesqueléticas. Para a resolução destas deformidades nestes pacientes a
cirurgia ortognática é realizada com o objetivo de restabelecer a parte funcional e equilíbrio do sistema estomatognático junto com a melhora do perfil estético da face. Contudo, como todo o procedimento cirúrgico envolve
sucesso e riscos de insucesso, a avaliação detalhada das ATM´s deve ser realizada antecipadamente com o cirurgião para que o correto plano de tratamento seja realizado, principalmente em pacientes que já apresentam
histórico de problemas articulares prévios ou diagnosticados com doenças reumáticas. A reabsorção condilar da
mandíbula caracteriza-se por uma perda de volume ósseo da ATM, com algumas características clínicas, a diminuição da altura do ramo da mandíbula com consequência desenvolvendo uma mordida aberta anterior, retrusão
mandibular, padrão dentário classe II. Realizado o diagnostico, o plano de tratamento pode variar de acordo o
prognostico de cada caso, que pode variar do tratamento clínico medicamentoso e cirúrgico com substituição total das articulações. O objetivo deste trabalho apresentar um caso clínico de uma paciente com doença reumática
que foi submetida a cirurgia ortognática e tratada com medicamentos para prevenção da reabsorção dos côndilos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
33
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia da ATM
811 – ARTROPLASTIA EM CÔNDILO BÍFIDO: RELATO DE CASO
CLÍNICO
Autores: JEFFERSON MOURA VIEIRA* (HOSPITAL DE BASE DE BAURU);
CIRO BORGES DUAILIBE DE DEUS (HOSPITAL DE BASE DE BAURU);
PAULO ZUPELARI GONÇALVES (HOSPITAL DE BASE DE BAURU); CLÓVIS MARZOLA (HOSPITAL DE BASE DE
BAURU); CLÁUDIO MALDONADO PASTORI (HOSPITAL DE BASE DE BAURU)
Introdução: Artroplastia em Côndilo Bífido – Relato de Caso Clínico O côndilo mandibular bífido é uma condição
rara na qual o mesmo se encontra duplicado, uni ou bi-lateralmente e com orientação latero-medial ou ântero-posterior. Sua descoberta muitas vezes é através de radiografias panorâmicas de rotina. Pode permanecer assintomático, assim como pode apresentar diminuição da capacidade de abertura bucal, movimentos de abertura
seguidos de sintomatologia álgica, dificuldade de deglutição (disfagia) , desvio da mandíbula para o lado afetado,
entre outros. As possibilidades de tratamentos vão desde o simples acompanhamento radiográfico associados
a exames de cintilografias ósseas podendo atingir até o tratamento cirúrgico para a reanatomização do côndilo
mandibular. Este trabalho tem por finalidade apresentar um caso de uma paciente de 53 anos, gênero feminino,
acometida por côndilo bífido do tipo ântero-posterior da articulação temporomandibular ao lado direito, apresentando dor aguda extremamente incapacitante e importante dificuldade de oclusão e fonação. O planejamento
para a mesma foi a intervenção cirúrgica através de um acesso de Rowe e ostectomia para remoção da porção
bífida seguida da reanatomização e plastia condilar. O pós-operatório consistiu em acompanhamento fisioterápico e fonoaudiológico por um período de 6 meses iniciando imediatamente após a operação e regressão total da
sintomatologia dolorosa. Palavras-chave: ATM; côndilo mandibular; transtornos da articulação
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
34
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
34 – AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE PARESTESIA APÓS EXODONTIA
DO TERCEIRO MOLAR INFERIOR, CORRELACIONANDO
TOPOGRAFICAMENTE O DENTE COM O CANAL MANDIBULAR:
ESTUDO CLÍNICO E POR IMAGEM
Autores: VINÍCIUS RIO VERDE MELO MUNIZ* (FOUFBA);FÁBIO DE FREITAS PEREIRA FREIRE (FOUFBA);
IGOR LERNER HORA RIBEIRO (FOUFBA); JOSÉ RODRIGO MEGA ROCHA (FOUFBA);
IEDA MARGARIDA CRUSOÉ ROCHA REBELLO (FOUFBA)
Introdução: Este trabalho buscou contribuir através de avaliações de imagens pré-operatórias, na identificação
das situações anatômicas que possam apresentar maior risco de causar parestesia do nervo alveolar inferior durante a exodontia de terceiros molares inferiores (3Ms). Participaram do estudo 67 pacientes que se submeteram
aos exames de radiografia panorâmica e tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC) na avaliação pré-operatória para exodontia de 100 terceiros molares inferiores. A TCFC foi utilizada na determinação da relação
das raízes dos 3Ms com o canal mandibular (CM) e com o curso deste. Foram avaliados sinais radiográficos, correlacionando-os com os achados clínicos e tomográficos, no intuito de determinar relações de maior e menor risco
de parestesia. A alteração neurossensorial do nervo alveolar inferior foi avaliada após o 7º dia pós-operatório e,
nos casos em que o paciente evoluiu com sinais e sintomas de parestesia, foram realizados acompanhamento e
registros sensoriais. Achados clínicos e imaginológicos foram comparados por meio dos testes qui quadrado e de
Fisher. Na TCFC, a avaliação quanto à relação entre as raízes dos 3Ms e o CM teve 11 (11,0%) casos classificados
como ausentes, 66 (66,0%) com relação de vizinhança e 23 (23,0%) casos com classificação de situação de risco.
Já a relação do curso do CM com os 3Ms, obteve os seguintes resultados: 03 (3,0%) casos de curso vestibular do
CM, 40 (40,0%) com o posicionamento lingual, 46 (46,0%) com o CM cursando abaixo das raízes e em 11 (11,0%)
casos o CM passando entre as raízes. A ocorrência da parestesia foi observada (TCFC) nos casos em que o 3M
estava em uma relação de vizinhança ou em situação de risco com o CM, tendo ocorrido em 04 casos (57,1%) e 03
casos (42,9%) respectivamente, do total de 07 casos de parestesia. Quanto ao curso do canal mandibular, o déficit
neurológico ocorreu em 04 casos (57,1%) quando o CM estava localizado lingualmente aos 3Ms, e em 03 casos
(42,9%) quando estava localizado abaixo das raízes. Deve-se considerar que a melhor forma de prevenção da parestesia é a realização de um acurado planejamento pré-operatório com o conhecimento adequado da anatomia e
o uso de técnicas cirúrgicas apropriadas. Para tal, a TCFC fornece detalhes anatômicos úteis e sem sobreposição
para o planejamento cirúrgico. Descritores: Parestesia, Terceiro molar, Tomografia computadorizada, Radiografia
panorâmica, Nervo alveolar inferior.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
35
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
100 – CIRURGIA ODONTOLÓGICA EM PACIENTE PORTADOR DE
HIPOFIBRINOGENEMIA: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: KAOHANA THAIS DA SILVA* (Unioeste); MAICON PAVELSKI (Unioeste); GERALDO LUIS GRIZA (Unioeste);
ELEONOR ÁLVARO GARBIN JÚNIOR (Unioeste); NATASHA MAGRO ÉRNICA (Unioeste)
Introdução: O fibrinogênio é uma proteína do sangue, fundamental na fase final de coagulação sanguínea. A
hipofibrinogenemia é uma doença hemorrágica rara, onde ocorre uma deficiência quantitativa na produção do fibrinogênio, também conhecido como fator I. Os níveis sanguíneos de fibrinogênio se encontram em quantidades
menores de 100 mg/dl de sangue, comprometendo a capacidade de coagulação sanguínea do paciente, que pode
permanecer assintomático por longos períodos, ou apresentar desde sangramentos pequenos até hemorragias
graves, de origem espontânea ou, mais comumente, relacionada a traumas ou intervenções cirúrgicas invasivas.
Os sintomas irão variar de acordo com a quantidade de fibrinogênio produzido pelo organismo e sua capacidade
de funcionamento. Nos casos de pacientes diagnosticados com essa condição, é importante que haja discussão
do caso com o hematologista responsável para se definir o esquema de tratamento, tendo-se em vista o tipo de
procedimento e a disponibilidade de recurso terapêutico. O tratamento visa proporcionar a reposição dos fatores
da coagulação que se encontram deficientes. Sendo que atualmente, o tratamento da hipofibrinogenemia pode
ser feito através de componentes obtidos do plasma sanguíneo, como o concentrado de fibrinogênio, o crioprecipitado, ou mesmo do plasma fresco congelado (PFC). O presente estudo tem como objetivo relatar a conduta pré,
trans e pós-operatória de um paciente portador de hipofibrinogenemia, com necessidade de cirurgia odontológica para exodontia de terceiros molares. Relato de Caso: Paciente F.P., 18 anos, portador de fissura labiopalatina e
hipofibrogenemia, procurou o Centro Especializado de Atendimento a Portadores de Anomalias Craniofaciais do
Hospital Universitário do Oeste do Paraná – CEAPAC/UNIOESTE, para remoção dos terceiros molares. Devido
ao relato da existência da coagulopatia, após orientação do hematologista, o planejamento cirúrgico baseou-se
em administração de fibrinigênio concentrado duas horas antes da cirurgia, seguida da realização de exames de
tempo de ativação da protrombina (TAP) e tempo de ativação parcial da tromboplastina (KPTT). O resultado dos
exames encontrou-se dentro da normalidade. A cirurgia foi realizada e o transoperatório decorreu normalmente,
com sangramento comparável a não portadores da alteração. Realizou-se somente hemostasia com compressão
local com gaze por 5 minutos. O paciente foi acompanhado e evoluiu sem intercorrências. Conclusão: Os pacientes portadores de hiofibrinogenemia podem ser submetidos a qualquer procedimento cirúrgico odontológico,
desde que sejam tomados os cuidados necessários, após planejamento do cirurgião-dentista em conjunto com o
hematologista, visando maior segurança e conforto ao paciente e à equipe profissional.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
36
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
127 – COMPARAÇÃO DO USO DA DEXAMETASONA E
DICLOFENACO SÓDICO NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO EM
CIRURGIAS DE TERCEIROS MOLARES
Autores: CARLOS ALYSSON ARAGÃO LIMA* (HGVP); VINICIUS TATSUMOTO FAVARINI (HGVP);
ALEXANDRE MACHADO TORRES (HGVP); ROGÉRIO DE ALMEIDA SILVA (HGVP); FÁBIO RICARDO LOUREIRO
SATO (HGVP)
Introdução: Objetivo: Comparar o potencial anti-inflamatório de dois protocolos farmacoterápicos, através dos
parâmetros de dor, trismo e edema, após a exodontia de terceiros molares; Metodologia: Foram selecionados
30 pacientes com inclusões simétricas dos terceiros molares, segundo classificação de inclusão dentária de Pell
e Gregory, que foram submetidos a dois procedimentos cirúrgicos, direito e esquerdo, sendo que em ambas as
cirurgias administrou-se dexametasona 8 mg no pré-operatório, com manutenção da dexametasona 8mg/dia
por 3 dias em um lado e diclofenaco sódico 150 mg/dia por 3 dias no outro, de forma randomizada, cruzada e
duplo-cego de modo que todos os pacientes funcionaram como controle de si mesmos (boca dividida). As demais
medicações utilizadas no pós-operatório, analgésico de resgate e antibioticoterapia, foram idênticas para todos
os pacientes. As variáveis analisadas foram à escala visual analógica de dor (EVA) , número total de analgésicos
consumidos, edema e trismo (de forma objetiva) , que foram analisados estatisticamente através do teste “t” de
Student. Resultados: Não houve diferença em relação à duração dos procedimentos (p=0,986) e a dor na EVA no
pós-operatório imediato (p=0,723). O consumo de dipirona foi maior (p<0,05) quando se utilizou do protocolo com diclofenaco sódico. A redução de abertura bucal (p<0,05) e o edema (p<0,05) foram significativamente
menores quando se utilizou do protocolo com a manutenção da dexametasona no pós-operatório. Conclusão: O
protocolo medicamentoso com a manutenção da dexametasona no pós-operatório foi mais efetivo no controle da
dor, do trismo e do edema, após exodontia de terceiros molares, quando comparado ao protocolo com diclofenaco
sódico. Descritores: Dexametasona, Trismo, Diclofenaco
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
37
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
143 – COADMINISTRAÇÃO DE DEXAMETASONA COM
NIMESULIDA NO CONTROLE DA DOR, EDEMA E TRISMO PÓSOPERATÓRIO
Autores: RICARDO JOSÉ DE HOLANDA VASCONCELLOS* (FOP/UPE); RENATA MOURA XAVIER DANTAS (FOP/
UPE); JIMMY CHARLES MELO BARBALHO (FOP/UPE); TASIANA GUEDES (FOP/UPE)
Introdução: Dor, edema e trismo são complicações que ocorrem, frequentemente, nas cirurgias para remoção
de terceiros molares. Como consequência do trauma cirúrgico, essas respostas inflamatórias induzem a um pós-operatório desconfortável quando não se utilizam fármacos que atuem no controle dos mesmos. O objetivo do
presente estudo foi comparar o efeito da coadministração de 8 mg de dexametasona e 100 mg de nimesulida
administrada 1 hora antes da remoção de terceiros molares inferiores posicionados simetricamente. O estudo
consistiu em um ensaio clínico, prospectivo, randomizado, duplo-cego, envolvendo 40 pacientes que foram randomizados e alocados em 2 grupos pelo método split-mouth: Grupo 1 (dexametasona e placebo) e grupo 2 (dexametasona e nimesulida). Cada paciente foi submetido a 2 cirurgias em diferentes ocasiões sob anestesia local.
Os seguintes parâmetros foram avaliados: Dor (EVA) , número total de analgésicos de resgate consumidos, tempo
necessário para o consumo do primeiro analgésico de resgate, edema, trismo e satisfação dos pacientes. Diferenças estatisticamente significantes foram encontradas nas variáveis dor no tempo de 2, 4, 12 horas, número total
de analgésicos de resgate e tempo necessário para o consumo do primeiro analgésico de resgate (p<0,05) , com os
maiores valores ocorrendo durante a administração de dexametasona e nimesulida. O edema e trismo durante
a administração das duas terapêuticas apresentaram valores reduzidos. As duas terapêuticas concederam satisfação aos pacientes. A administração de dexametasona isoladamente não apresenta benefícios sobre a dor, mas
atua na redução do edema e trismo pós-operatório. A coadministração de dexametasona e nimesulida apresenta
benefícios sobre a dor, edema e trismo em cirurgias para remoção de terceiros molares.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
38
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
206 – A IMPORTÂNCIA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
EM FEIXE CÔNICO NA LOCALIZAÇÃO DE DENTES EM POSIÇÃO
ECTÓPICA
Autores: JULYANA GUNDIM DE CARVALHO* (UNIEVANGELICA - CENTRO UNIVERSITARIO);
PROF. MS. ITALO CORDEIRO DE TOLEDO (UNIEVANGELICA - CENTRO UNIVERSITARIO)
Introdução: A IMPORTÂNCIA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA EM FEIXE CÔNICO NA LOCALIZAÇÃO DE DENTES EM POSIÇÃO ECTÓPICA. O termo erupção ectópica pode ser usado abrangentemente para
caracterizar dentes que se desenvolveram em local desconforme do esperado na arcada dentária, podendo estar
inclusos nos seios faciais, apófise coronoide, fossas nasais, interior dos tecidos, entre outras estruturas anatômicas da face. O diagnóstico desta condição é feito através de exame clínico e radiográfico de forma convencional,
mesmo com diversas possibilidades e técnicas radiográficas que permitem visualizar o elemento dentário, o exame possibilita apenas a visualização bidimensional com presença de sobreposições. Para a realização do plano
de tratamento, planejamento cirúrgico e prognóstico do caso, se torna essencial que o cirurgião dentista saiba a
exata localização do dente e sua relação com estruturas adjacentes. No final da década de noventa o surgimentos
do aparelho de Tomografia Computadorizada Volumétrica para imagens odontológicas, com a técnica do feixe cônico trouxe a disseminação de seu uso no ramo. O uso da Tomografia Computadorizada em feixe cônico (TCFC)
tem se tornado essencial por fornecer ao cirurgião-dentista detalhes tridimensionais, menos distorção, precisa
localização dos dentes, sua relação com dentes vizinhos, acidentes anatômicos e distância das corticais, possibilitando um plano de tratamento, planejamento cirúrgico, e prognóstico, mais precisos. O presente trabalho tem
como propósito mencionar a importância da TCFC para o planejamento cirúrgico de dentes ectópicos. Descritores: Cirurgia bucal; tomografia computadorizada de feixe cônico; inclusões ectópicas; diagnóstico por imagem.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
39
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
294 – UTILIZAÇÃO DE ÁCIDO TRANEXÂMICO PARA
HEMOSTASIA LOCAL APÓS EXODONTIAS UNITÁRIAS EM
PACIENTES QUE FAZEM USO DE VARFARINA: ESTUDO CLÍNICO
E RANDOMIZADO
Autores: LUIZ CARLOS ALVES JÚNIOR* (UFRN); SALOMÃO ISRAEL MONTEIRO LOURENÇO QUEIROZ (UFRN);
ADRIANO ROCHA GERMANO (UFRN); PETRUS PEREIRA GOMES (UFRN); JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA
(UFRN)
Introdução: O presente trabalho trata-se de um ensaio clínico, controlado, cego e randomizado com pacientes
em terapia anticoagulante com varfarina comparando medidas de hemostáticos locais para o controle do sangramento pós-exodontias. Para isso foram empregados dois métodos de hemostasia local, sendo o grupo I (controle)
utilizando somente irrigação, compressão com gaze com soro fisiológico e sutura e o grupo II (estudo) utilizando
irrigação, compressa com gaze embebida com ácido tranexâmico e sutura. A amostra foi composta de 37 pacientes com media de idade de 45,5 anos, sendo 62,2% do sexo feminino. Após randomização 20 foram alocados para
o grupo controle e 17 para o grupo estudo, sendo realizado um procedimento cirúrgico por paciente. O tempo
de realização do procedimento cirúrgico durou em média 30,9 (±7,5) minutos. Todas variáveis que poderiam interferir no desfecho foram semelhantes entre os grupos, não sendo verificadas diferenças significativas (p>0,05).
Na avaliação da hemostasia imediata a média para conseguir o estancamento do sangramento foi de 9,1 (±3,6)
minutos. No grupo estudo o tempo para conseguir essa hemostasia foi bem menor se comparado com o controle,
sendo essa diferença (6,018 / IC 95%: 4,677-7,359) estatisticamente significante (p<0,001). Avaliando o controle
do sangramento de forma mediata o uso do ácido tranexâmico se mostrou mais associado significativamente
com a não ocorrência de sangramento, principalmente nas primeiras 24h. Assim sendo essa medida de hemostasia local de forma tópica como compressa com gazes e irrigação local foi eficaz como um protocolo de hemostasia
local na redução do tempo de hemostasia imediata e prevenção do sangramento mediato.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
40
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
310 – CONTROLE DA ANSIEDADE ODONTOLÓGICA: ESTUDO
COMPARATIVO DO MIDAZOLAM E ÓXIDO NITROSO EM
PACIENTES SUBMETIDOS A EXTRAÇÕES DE TERCEIROS
MOLARES
Autores: DARKLILSON PEREIRA SANTOS* (FORP/USP); MARCUS ANTÔNIO BRÊDA-JÚNIOR (FORP/USP);
EMANUELA PRADO FERRAZ (FORP/USP); FABÍOLA SINGARETTI DE OLIVEIRA (FORP/USP);
VALDEMAR MALLET DA ROCHA-BARROS (FORP/USP)
Introdução: Embora o emprego de anestesia local torne a extração de terceiros molares um procedimento praticamente indolor, a intervenção cirúrgica frequentemente leva a manifestações de ansiedade com diferentes implicações clínicas. Pacientes com moderado ou alto grau de ansiedade podem ser beneficiados mediante o emprego
de sedação oral ou sedação consciente com a mistura de óxido nitroso e oxigênio. O objetivo deste trabalho é avaliar comparativamente o efeito do midazolam e do óxido nitroso associado ao oxigênio em extrações de terceiros
molares inferiores, na alteração do nível de ansiedade dos pacientes por meio da dosagem de cortisol salivar, no
nível de saturação de oxigênio, na frequência cardíaca e na pressão arterial. Realizou-se um estudo split-mouth,
no qual vinte e oito pacientes do gênero masculino foram submetidos à extração de terceiros molares inferiores
sob anestesia local e sedação com midazolam e óxido nitroso associado ao oxigênio. Foram obtidos dados objetivos (dosagem de cortisol salivar, saturação de oxigênio, frequência cardíaca e pressão arterial) e subjetivos (Escala
de Ansiedade Odontológica de Corah). Por meio do cortisol salivar, quarenta minutos após a administração do
midazolam, houve diferença estatisticamente significante quando comparado com o valor médio basal, não ocorrendo o mesmo com o óxido nitroso associado ao oxigênio. O nível de saturação de oxigênio, a frequência cardíaca
e a pressão arterial mantiveram-se estáveis, dentro dos padrões aceitáveis. O midazolam foi o método de sedação
mais eficaz para redução do nível de cortisol salivar. Ambas as técnicas de sedação mostraram-se seguras, sem
alterações significativas na saturação de oxigênio, frequência cardíaca e pressão arterial. Palavras-chave: midazolam; óxido nitroso; cirurgia dento-alveolar
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
41
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
337 – REMOÇÃO DE AGULHA FRATURADA PRÓXIMO A BASE DE
CRÂNIO:
RELATO DE CASO
Autores: EDUARDO SANTANA JACOB* (FORP/USP);BRUNO HENRIQUE MARINHEIRO (FORP/USP);
LUIZ FERNANDO GRACINDO (FORP/USP); ALEXANDRE ELIAS TRIVELLATO (FORP/USP);
CASSIO EDVARD SVERZUT (FORP/USP)
Introdução: Acidentes e complicações durante a anestesia local são comuns apesar do número reduzido de relatos
na literatura. O cirurgião Buco-Maxilo-Facial em especial, devido ao uso rotineiro das técnicas anestésicas e ao maior
conhecimento anatômico da área, acaba sendo solicitado para tratamento dessas complicações. Dentre os possíveis
acidentes, a fratura de agulha é incomum. Com a evolução tecnológica, agulhas descartáveis de aço inoxidável flexível
foram fabricadas, tornando raro esta ocorrência. Razões para este acidente podem estar associadas a falha na fabricação da agulha, erros na execução da técnica e movimentação súbita do paciente durante a punção. O bloqueio do nervo
alveolar inferior é relatado com maior frequência nos casos de fratura de agulha, com o fragmento geralmente alojado
no espaço pterigomandibular. Dor, risco de dano adicional as estruturas anatômicas e o aspecto psicológico do paciente
e do profissional justificam a remoção da agulha fraturada na maioria dos casos. Caso o fragmento da agulha esteja
posicionado profundamente aos tecidos moles, sua remoção imediata geralmente não é indicada. A remoção tardia
baseia-se na expectativa de formação de um tecido cicatricial encapsulando a agulha a fim de que sua remoção seja facilitada após algumas semanas. O objetivo deste trabalho é relatar o caso de uma paciente, do gênero feminino, 30 anos,
a qual foi encaminhada ao serviço de Residência de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais da Faculdade de
Odontologia de Ribeirão Preto - USP com histórico de fratura de agulha durante o bloqueio do nervo alveolar inferior
direito ocorrido no mesmo dia. O acidente ocorreu durante uma consulta de rotina em um consultório odontológico,
onde o profissional após a fratura, informou a mesma do ocorrido e encaminhou ao serviço para tratamento do caso.
Ao exame físico, notava-se discreta limitação de abertura bucal e desvio mandibular durante a abertura bucal para a
esquerda. Queixas álgicas e parestesia eram ausentes. A tomografia computadorizada mostrava a agulha no espaço
pterigomandibular, medialmente ao ramo mandibular direito. A conduta inicial da equipe foi aguardar 8 semanas para
a remoção do fragmento de agulha com a esperada formação de tecido cicatricial local. Após esse período, um novo
exame tomográfico foi realizado, evidenciando uma migração da agulha em direção a base de crânio, estando próximo
ao processo estiloide e demais estruturas locais. A angiotomografia foi solicitada da região, evidenciando proximidade
do fragmento com vasos sanguíneos calibrosos. A paciente foi submetida a cirurgia para remoção do fragmento de
agulha, sob anestesia geral. O procedimento cirúrgico foi realizado sem intercorrências pelo acesso intrabucal na região
do espaço pterigomandibular, e com o auxílio do intensificador de imagem, foi possível sua localização e consequente
remoção. Pequena limitação de abertura bucal e discretas quixas álgicas durante a alimentação foram as queixas pós-operatória.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
42
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
464 – RARA COMPLICAÇÃO APÓS REMOÇÃO DE TERCEIRO
MOLAR SUPERIOR: RELATO DE CASO
Autores: FABRICIO DE LAMARE RAMOS* (HUWC-UFC); ALEXANDRE SIMÕES NOGUEIRA (HUWC-UFC);
FÁBIO WILDSON GURGEL COSTA (HUWC-UFC); ALEXANDRE MARANHÃO MENEZES NETO (HUWC-UFC);
EDUARDO COSTA STUDART SOARES (HUWC-UFC)
Introdução: A remoção de terceiros molares é um dos procedimentos mais comuns realizados pelos cirurgiões
bucomaxilofaciais, sendo a frequência de complicações entre 2,6% e 30,9%. As complicações relatadas na literatura variam desde trismo e hemorragia até abscesso cerebral e asfixia por hematoma. O presente trabalho tem
como objetivo descrever um relato de caso de paciente com processo infeccioso persistente em espaço bucal após
exodontia de terceiro molar superior, sem causa identificável. Paciente, sexo feminino, 26 anos, normossistêmica, foi encaminhada ao Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário Walter
Cantídio, após exodontia do elemento dentário 28. O exame clínico inicial revelou quadro clínico compatível
com abscesso de origem odontogênica envolvendo a hemi-face do lado esquerdo, além de drenagem espontânea
via alveolar, sob uso de amoxicilina. A conduta inicial foi a mudança do regime terapêutico para amoxicilina e
ácido clavulânico, seguido pelo acréscimo de metronidazol, ambas as tentativas não obtiveram sucesso. Diante
da evolução do quadro e da falta de cooperação da paciente, realizou-se a drenagem por via intra-oral em centro
cirúrgico sob sedação. A falta de involução do quadro após 10 dias da realização da primeira drenagem cirúrgica,
inclusive com recrudescimento do edema facial e reinício da dor, optou-se pela internação hospitalar, antibioticoterapia endovenosa, realização de tomografia computadorizada e novo procedimento cirúrgico. Agora sob
anestesia geral, o segundo procedimento de drenagem foi realizado por acesso extra-oral, sendo encontrado uma
gaze no leito da infecção. Após essa intervenção, ocorreu involução do edema e da dor, sendo debelada o quadro
de infecção. Atualmente, o paciente se encontra com 6 meses de acompanhamento sem sinais e sintomas de infecção. Tal situação serve para alertar o cirurgião bucomaxilofacial de que, embora seja incomum, a causa do insucesso de uma infecção refratária pode estar relacionada a presença de um corpo estranho na intimidade tecidual.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
43
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
468 – EXODONTIA DE CANINO INCLUSO
Autores: WALDECK NEIVA EULÁLIO NETO* (UFPI); ALAN LEANDRO CARVALHO DE FARIAS (UFPI);
LUIDE MICHAEL RODRIGUES FRANÇA MARINHO (UFPI); PROF. DR. WALTER LEAL DE MOURA (UFPI);
PROF. CARLOS EDUARDO MENDONÇA BATISTA (UFPI)
Introdução: Os caninos superiores permanentes, depois dos terceiros molares, apresentam maior ocorrência de
impactação, especialmente na região palatina. A principal causa de impactação é a ausência de espaço na arcada
dentária e o gênero mais acometido de acordo com a literatura tem sido o feminino, na segunda década de vida
com ocorrência unilateral. O diagnóstico precoce através de radiografia de rotina tem contribuído para a manutenção e restabelecimento da posição deste dente na arcada dentária, entretanto nem sempre o tratamento
conservador é indicado e assim o procedimento de extração por vezes é a primeira opção. A escolha do tratamento deve ser baseada numa série de fatores, tais como: idade do paciente, grau de cooperação e receptividade ao
tratamento, relação maxilomandibular, comprimento dos arcos dentais, posição do dente incluso, anquilose ou
dilaceração do dente. O objetivo do presente trabalho é relatar um caso de uma paciente que foi encaminhada
pelo ortodontista ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário-UFPI
apresentando inclusão de canino superior em região anterior de maxila no qual o tratamento de escolha foi a sua
remoção cirúrgica. O procedimento evoluiu sem complicações e o paciente encontra-se em acompanhamento
ambulatorial neste serviço. Em vista destes argumentos, é importante que o cirurgião Bucomaxilofacial tenha
conhecimento técnico-científico para o correto tratamento das inclusões dos caninos permanentes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
44
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
578 – EFEITO DA APLICAÇÃO DA LASERTERAPIA NO PÓSOPERATÓRIO DE EXODONTIA DOS TERCEIROS MOLARES
INFERIORES
Autores: RAYZA RECHETNICOU* (LADCO/CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA);
RENATA LAIS ALMEIDA CRUZ (DEPARTAMENTO DE CIRURGIA BUCA E MAXILOFACIAL. HOSPITAL DAS CLÍNICAS
- UFG); LUCIANE REZENDE COSTA (DEPARTAMENTO DE CIRURGIA BUCAL E MAXILOFACIAL. UFG);
GIOVANNI GASPERINI (DEPARTAMENTO DE CIRURGIA BUCA E MAXILOFACIAL. HOSPITAL DAS CLÍNICAS - UFG);
MÁRIO SERRA FERREIRA (DEPARTAMENTO DE CIRURGIA BUCAL. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANAPOLIS - UNIEVANGÉLICA)
Introdução: Este trabalho teve por objetivos investigar a ação do laser de baixa intensidade em exodontia de
terceiros molares inferiores, por meio da aplicação de infravermelho, no pós operatório imediato e testar assim
duas hipóteses: a aplicação de laser reduz o edema pós-operatório (1) e reduz a sintomatologia dolorosa (2).
Para o exposto, foram selecionados dezenove pacientes saudáveis que se submeteram a exodontia dos terceiros
molares em sessão única. A terapia do laser de baixa intensidade consistiu na aplicação extra-oral e intra-oral
de um lado da face após a cirurgia (lado irradiado). A aplicação no outro lado foi simulada (lado não-irradiado).
O lado irradiado e não-irradiado foram comparados em relação ao edema e dor. A avaliação da dor realizou-se
por meio de escala analógica de dor no pós-operatório imediato, primeiro, segundo e terceiro dia. O edema
foi avaliado somente no terceiro dia. O lado irradiado apresentou menor edema no terceiro dia com diferença estatisticamente significante quando comparado ao lado não irradiado. Entretanto, a dor não apresentou
diferença entre os lados estudados. De acordo com os parâmetros utilizados neste estudo, concluiu-se que a
aplicação do laser em baixa intensidade promoveu redução de edema no pós-operatório, porém não teve efeito
sobre a sintomatologia dolorosa.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
45
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
581 – CIRURGIA PRÉ-PROTÉTICA COM LASER DE DIODO EM
PACIENTE PÓS-ONCOLÓGICO
Autores: BERNARDO OTTONI BRAGA BARREIRO* (PUCRS); FERNANDO DE OLIVEIRA ANDRIOLA (PUCRS);
AUGUSTO WINGER (PUCRS); ROGÉRIO PAGNONCELLI (PUCRS);
Introdução: Lesões tumorais malignas em face, muitas vezes, necessitam de ressecção cirúrgica com margem de
segurança e deslocamento de tecido para fazer o fechamento do sítio operatório. Na odontologia o carcinoma espinocelular é a neoplasia maligna mais frequente em mucosa bucal (NEVILLE, 2009; MONTERO; PATEL, 2015).
Na área operada há alterações nos tecidos moles, forma-se tecido de cicatrização que não possui as mesmas características biomecânicas dos tecidos originais, a reabilitação bucal desses pacientes pode ser difícil pela fibrose
local. Várias técnicas podem ser utilizadas para cirurgias pré-protéticas de remoção de bridas e aprofundamento
de fundo de vestíbulo bucal, essas podem ser feitas com bisturi frio, bisturi elétrico e/ou laser cirúrgico (ILÁRIA,
2015). Relato do caso clínico: A paciente, I.S.C. do sexo feminino com 63 anos de idade e sem comorbidades sistêmicas, fez remoção cirúrgica de lesão tumoral em mucosa jugal do lado direito. No exame anátomo patológico
o diagnóstico foi de carcinoma espinocelular bem diferenciado, superficial e com limites cirúrgicos livres. Cinco
anos após a remoção do carcinoma foi realizada a remoção das bridas e aprofundamento de sulco vestibular, sob
anestesia local infiltrativa, com laser cirúrgico de diodo com um comprimento de onda contínua de 808 nm. As
incisões, luz laser infravermelho de alta potência, foram feitas com aplicação de 3 W de potência do laser. Previamente ao procedimento cirúrgico pré-protético a paciente foi moldada e foram confeccionadas duas goteiras para
serem usadas nos primeiros quinze dias pós-operatórios. Discussão: O uso do Laser Cirúrgico de Diodo é uma
alternativa para cirurgias pré-protéticas de aumento do fundo de sulco e remoção das bridas vestibulares e pode
ser usada com segurança em procedimentos cirúrgicos ambulatórias. O laser cirúrgico apresenta como vantagem
menor sangramento tanto durante o procedimento quanto no pós-operatório, comparando ao bisturi frio e elétrico (ILÁRIA, 2015; GARGARI, 2011).
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
46
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
674 – COMPLICAÇÃO EM EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR
COM NECESSIDADE DE INTERVENÇÃO CIRÚRGICA EM ÂMBITO
HOSPITALAR
Autores: FERNANDA MARIA RODRIGUES FERREIRA* (UNINOVAFAPI); WALTER LEAL DE MOURA (UFPI);
LUIDE MICHAEL RODRIGUES FRANÇA MARINHO (UFPI); CARLOS EDUARDO MENDONÇA BATISTA (UFPI);
MARIA CAROLINA BONA LEITE (UNINOVAFAPI)
Introdução: A exodontia de terceiros molares configura-se como o procedimento mais comumente realizado na
especialidade de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. A remoção cirúrgica de terceiros molares pode resultar em uma série de complicações como dor, trismo, edema, sangramento, alveolite, fraturas dento-alveolares,
injúrias periodontais a dentes adjacentes e/ou a ATM, parestesia temporária ou permanente, infecções abrangendo espaços faciais, fratura óssea da tuberosidade maxilar e/ou da mandíbula, comunicações buco-sinusais,
deslocamento de dentes para regiões anatômicas nobres, entre outras. Atenção aos detalhes cirúrgicos, incluindo
o preparo do paciente, a assepsia, o manejo cuidadoso dos tecidos, o controle da força aplicada com o instrumental, o controle da hemostasia e as adequadas instruções pós-operatórias, devem ser observados, a fim de evitar
eventuais acidentes e complicações. Este trabalho tem por objetivo relatar o caso do paciente C.C.F.F, 17 anos,
que compareceu ao consultório do cirurgião dentista com quadro álgico referente ao 3º molar inferior esquerdo e
limitação de abertura bucal. Diagnosticado com pericoronarite, o paciente foi submetido à intervenção cirúrgica,
em âmbito ambulatorial, para remoção do elemento dentário. Contudo, no transoperatório, ocorreu um acidente
que resultou em um deslocamento do dente para espaço medial e inferior da mandíbula. Devido à posição a qual
o dente fora deslocado, o paciente apresentava muita dor, sialorréia e trismo; inviabilizando a execução do procedimento na cadeira odontológica. O paciente foi então encaminhado ao ambulatório do serviço de CTBMF do
Hospital de Urgência de Teresina (HUT) para avaliação e posterior tratamento. Após acurada anamnese, exame
físico e avaliação da Tomografia Computadorizada afim de se obter, com precisão, a real posição do dente; o paciente foi levado ao centro cirúrgico do HUT, onde foi realizado o procedimento sob anestesia geral. O dente foi
retirado do espaço para o qual foi deslocado e o paciente evoluiu bem, sem queixas ou indícios de complicações
pós-cirúrgicas. Descritores: Terceiro molar; cirurgia bucal; trismo
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
47
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
804 – CORTICOTOMIA ASSOCIADA À ORTODONTIA COMO
COADJUVANTE NAS MOVIMENTAÇÕES DENTÁRIAS E RELATO
DE CASO CLÍNICO
Autores: CIRO BORGES DUAILIBE DE DEUS* (HOSPITAL DE BASE DE BAURU);
JEFFERSON MOURA VIEIRA (HOSPITAL DE BASE DE BAURU);
AILTON GARCIA BOGALHO JÚNIOR (HOSPITAL DE BASE DE BAURU);
PAULO ZUPELARI GONÇALVES (HOSPITAL DE BASE DE BAURU);
CLÁUDIO MALDONADO PASTORI (HOSPITAL DE BASE DE BAURU)
Introdução: Corticotomia é definida como uma osteotomia limitada à cortical óssea, tendo sido utilizada como
procedimento auxiliar no tratamento ortodôntico de maloclusões diversas. É um procedimento cirúrgico de remoção parcial da camada cortical de osso alveolar seguido imediatamente da aplicação de forças ortodônticas.
Quando esta terapêutica é adotada, o tempo de tratamento é reduzido consideravelmente devido à diminuição
da densidade óssea e, consequente diminuição da resistência ao movimento ortodôntico. O conceito mais novo
de corticotomia é suportado pelo Fenômeno Aceleratório Regional (Rapid Acceleratory Phenomenon - RAP) , caracterizado pela aceleração do metabolismo ósseo, além do decréscimo da densidade óssea localizada. O presente
estudo reporta um caso clínico-cirúrgico de tratamento ortodôntico em associação com a cirurgia da corticotomia com finalidade de agilizar as movimentações dentárias. Palavras-chave: corticotomia; osteotomia; cortical;
ortodôntico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
48
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
808 – TRACIONAMENTO DE CANINO ASSOCIADO À
CORTICOTOMIA EM PACIENTE ADULTO: RELATO DE CASO
Autores: DAURO DOUGLAS OLIVEIRA* (PUC Minas); DANIEL FONSECA DOS SANTOS (PUC Minas);
LARISSA SALGADO DA MATTA CID PINTO (PUC Minas); RICARDO GONTIJO HOUARA (PUC Minas);
BRUNO FRANCO DE OLIVEIRA (PUC Minas)
Introdução: O tracionamento ortodôntico-cirúrgico de caninos impactados comumente representa um desafio
para a ortodontia. Para alcançar resultados favoráveis esse tratamento requer uma boa abordagem interdisciplinar entre cirurgião e ortodontista. Inicialmente, através da técnica cirúrgica empregada e, posteriormente, com
um sistema eficiente de aplicação de força. Quando essa situação é encontrada em pacientes adultos o tratamento
passa a ser ainda mais desafiador, podendo requerer diferentes condutas na técnica cirúrgica. O objetivo desse
relato de caso é demonstrar o tracionamento de canino incluso associado com corticotomia em uma paciente de
55 anos. No mesmo momento da colagem do botão ortodôntico, as corticotomias foram realizadas contornando
a coroa do canino incluso e na direção do movimento a ser realizado, com a finalidade de diminuir a resistência
da cortical e aumentar o “turnover” celular na região. A tração foi feita com auxílio de implante ortodôntico.
Conseguiu-se ao final do tratamento o ideal posicionamento do canino, sem comprometimento periodontal ou
reabsorções radiculares. Portanto, a corticotomia é uma excelente técnica para auxiliar a movimentação dentária
num tempo mais rápido que o convencional, além de ser uma ótima indicação em tratamento ortodôntico em
pacientes adultos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
49
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia endoscópica, navegação e novas tecnologias
227 – TRATAMENTO MINIMAMENTE INVASIVO EM PACIENTES
TRAUMATIZADOS COM FRATURAS ORBITAIS PÓSCRANIOTOMIA
Autores: GONZALO MARTINOVIC GUZMAN* (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO);
DANIELA CONTANZA ESPINOZA ESPINOZA (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO);
JERKO RAFFO SOLARI (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO);
JAIME MAYORGA MALDONADO (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO)
Introdução: O trauma de alta energia é cada vez mais frequente e muitas vezes é necessário um tratamento cirúrgico multidisciplinar. Fatores como álcool e drogas, juntamente com o comportamento irresponsável de adolescentes e adultos jovens, tem contribuído a aumento de acidentes automobilísticos e da violência que produzem
vários tipos de trauma. A paciente N.A.J.C., 21 anos de idade, sem história mórbida de importância sofreu um
acidente de carro por excesso de velocidade, e o passageiro no assento traseiro sestava em cinto de segurança e
bêbado. Foi diagnosticada com TCE aberto grave e contusão pulmonar. No TAC DE cérebro feito inicialmente
revelou-se fratura cominutiva fronto-temporal, se estendendo ao osso parietal directo, coleção extradural que
compromete a espessura da região fronto-parietal até 8 mm com várias bolhas de gás, foco de contusão hemorrágica adjacente à fratura frontoparietal e fratura cominutiva deslocada da base do crânio, de parede lateral, medial
e assoalho da órbita earco zigomático, associado com hemosinus. O tratamento de emergência em HMS consistiu
em esquirlectomía ampla e limpeza, descompressão doosso temporal, craniotomia frontal direita paramediana
e drenagem do hematoma extradural e instalação de captor PIC. Tratamento de fratura orbitozigomática é diferente para pior prognóstico de pacientes e com risco de vida. O paciente foi operado 5 dias pós-craniotomia
pela equipe de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial e ENT para descompressão e fratura orbital endoscópica, redução e
fixação de fratura zigomático. Durante a cirurgia é possível remover o fragmento de osso é comprimindo o músculo recto médio também é removido múltiplos fragmentos ósseos esfenoidais. O tratamento endoscópico foi
indicado neste caso por causa da incapacidade de acessar o fragmento de osso etmoide sem fazer o acesso amplo
e a possibilidade de danificar as estruturas oculares. Além disso, este tipo de tratamento tem muitas vantagens
dentre as quais destacamos a possibilidade de fazer pequenas incisões, é menos traumática, a menor associação
de complicações da ferida cirúrgica, gera menos estresse pós-operatória e causa menos dor e favorece uma recuperação mais rápida, mas tem desvantagens, bem como a necessidade de adquirir equipamentos e instrumentos
especiais, exige formação de pessoal médico, requer treinamento do cirurgião para conseguir uma boa coordenação olho-mão e a percepção tátil é alterada. Apesar disso, temos de considerar este tratamento, pois permite
“Miniaturizar nossos olhos e esticar as mãos para fazer as intervenções [...] em sites que você só tem acesso a ele
o faria por incisões muito extensas.” A cirurgia endoscópica é uma opção de tratamento muito útil e temos de ter
isso em conta, a fim de oferecer aos nossos pacientes o melhor tratamento possível.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
50
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia endoscópica, navegação e novas tecnologias
828 – AUXÍLIO DOS BIOMODELOS EM CIRURGIAS FACIAIS
RECONSTRUTIVAS: SÉRIE DE CASOS
Autores: DEYVID DA SILVA REBOUÇAS* (Ebmsp); EDUARDO DE LIMA ANDRADE (Ebmsp);
TILA FORTUNA COSTA (Ebmsp); THIAGO SOARES DE FARIAS (Ebmsp); ADRIANO FREITAS DE ASSIS (Ebmsp)
Introdução: Os defeitos ósseos na região maxilofacial podem ser consequências de traumas, exérese de tumores
e anomalias congênitas e suas reconstruções apresentam-se como um grande desafio ao cirurgião, visto que a
arquitetura facial apresenta uma anatomia complexa. Os biomodelos são obtidos através de tomografia computadorizada do paciente e sua utilização pode contribuir no processo diagnóstico por possibilitar estudo tridimensional do defeito do esqueleto facial, auxilia no planejamento cirúrgico, permite simular as manobras cirúrgicas
que serão realizadas, acura a previsão dos tipos e da extensão dos materiais de síntese e de reconstrução que serão
utilizados, bem como permite a customização de prótese previamente a cirurgia, o que viabiliza uma melhor
adaptação destas ao contorno facial. A cirurgia bucomaxilofacial realizada com o uso de biomodelos apresenta
diversas vantagens, tais como: previsibilidade dos movimentos cirúrgicos e das dificuldades operatórias, planejamento da forma dos materiais de enxerto, modelagem prévia dos materiais de síntese, redução do tempo da
cirurgia, menor risco de infecção, menor morbidade. O objetivo deste trabalho é demonstrar as vantagens do uso
do bioprotótipo na cirurgia bucomaxilofacial através do relato de 05 casos que foram conduzidos no Serviço de
Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública/Hospital Geral Roberto Santos. Palavras-chaves: Traumatismos faciais, Ossos Faciais, Reconstrução.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
51
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
64 – ALTERNATIVA PARA EXPANSÃO DA MAXILA
CIRURGICAMENTE ASSISTIDA
Autores: GUILHERME SCHULDT* (UFPR); RODRIGO LIMA (PUCPR); MICHELLE FERNANDES FAST (UNIVERSIDADE POSITIVO); TUANNY CARVALHO DE LIMA NASCIMENTO (HOSPITAL ERASTO GARTNER); JOÃO LUIZ CARLINI
(UFPR)
Introdução: A expansão da maxila assistida cirurgicamente é uma técnica utilizada para corrigir a deficiência
transversal da maxila, que é uma anomalia dentofacial relacionada à diminuição do arco superior em relação ao
arco inferior. É aplicada em pacientes no final da adolescência e em adultos devido à maturidade esquelética,
causando a obliteração da sutura intermaxilar, que exige o procedimento ortodôntico, e associado ao cirúrgico.
Tem como objetivo descrever através da técnica modificada e apontar as possíveis vantagens com esta modificação, como a manutenção da estética, a maior estabilidade ao longo prazo, o retorno. Diferentemente da técnica
convencional, onde a osteotomia é realizada na sutura intermaxilar, na técnica modificada as osteotomias são
realizadas entre o canino e o incisivo lateral, e como resultado obtivemos uma melhor estética, já que os diastemas são mais discretos, a cicatrização óssea é mais rápida pela menor diástase óssea gerada, apresenta um retorno mais rápido à ortodontia, maior estabilidade num curto prazo, as forças sobre as estruturas periodontais são
minimizadas, evita mudança da linha media e facilita o alinhamento, principalmente dos caninos. Concluindo
uma melhora da estética no pós-operatório imediato visto que são formados dois diastemas menores; maior estabilidade à curto prazo, visto que as diástases ósseas são menores facilitando a cicatrização óssea; retorno precoce
para tratamento ortodôntico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
52
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
72 – EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA CIRURGICAMENTE
ASSISTIDA
Autores: TATIANA RAMIRES BARONE* (IAMSPE); MICHEL BURIHAN CAHALI (IAMSPE); JOSE ROBERTO BARONE
(IAMSPE)
Introdução: A deficiência transversal da maxila é uma anomalia dentofacial relacionada à diminuição do diâmetro
do arco maxilar. Esta situação patológica também denominada de atresia maxilar, é frequentemente encontrada
em pacientes que apresentam mordida cruzada posterior e apinhamento dental na região anterior. Este tipo de
deformidade está muitas vezes associado a deficiência respiratória nasal, sendo um importante fator etiopatogênico. O tratamento destas deformidades podem ser feitos através da ortopedia funcional dos maxilares, ou través
das expansões cirúrgicas da maxila, ficando na dependência da idade do paciente e também no grau da atresia
maxilar . O presente trabalho aborda os principais aspectos ligados a Expansão Rápida da Maxila Cirurgicamente
Assistida, desde suas indicações, técnicas cirúrgicas e tipos de aparelhos expansores utilizados.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
53
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
74 – AVALIAÇÃO DA POSIÇÃO ANATÔMICA DO CANAL
MANDIBULAR EM RELAÇÃO AOS SEGMENTOS DA OSTEOTOMIA
SAGITAL DO RAMO MANDIBULAR
Autores: VICTOR DINIZ BORBOREMA DOS SANTOS* (UFRN); MÁRCIO MENEZES NOVAES (UFRN);
JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UFRN); PETRUS PEREIRA GOMES (UFRN); ADRIANO ROCHA GERMANO
(UFRN)
Introdução: Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a relação tomográfica da posição anatômica do canal
mandibular, com a posição trans-operatória do nervo alveolar inferior após a separação da osteotomia sagital do
ramo mandibular. Neste estudo transversal prospectivo, foram avaliadas 20 tomografias computadorizadas de
pacientes portadores de deformidades dentofaciais que se submeteram a osteotomia sagital do ramo mandibular
bilateralmente. Foram realizadas medidas como a distância do canal mandibular à superfície interna da cortical
bucal e lingual, espessura da mandíbula, densidade óssea (unidades Hounsfield) e proporção de osso medular e
cortical em 3 regiões diferentes. Analisou-se, no trans-operatório, em qual segmento o nervo ficou aderido após
a separação da osteotomia sagital do ramo mandibular e estes dados foram correlacionados. Das 40 osteotomias
avaliadas, foi observado que a espessura mandibular, a distância do canal mandibular à cortical bucal e a distância
do canal mandibular a cortical lingual estão relacionadas significativamente (p<0,05) com a posição trans-operatória do nervo alveolar inferior. Palavras chave: Osteotomia sagital do ramo mandibular; Nervo Mandibular;
Cirurgia ortognática.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
54
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
107 – COMPARAÇÃO NA ESTABILIDADE NA FIXAÇÃO DA
OSTEOTOMIA SAGITAL DO RAMO MANDIBULAR ENTRE DOIS
TIPOS DE PLACAS DE TITÂNIO: ESTUDO BIOMECÂNICO EM
MANDÍBULAS DE CARNEIRO
Autores: GUILHERME DOS SANTOS TRENTO* (UFPR); PAOLA FERNANDA COTAIT DE LUCAS CORSO (UFPR);
CAMILA DE OLIVEIRA TOMAZ (UFPR); LEANDRO EDUARDO KLUPPEL (UFPR); RAFAELA SCARIOT (UFPR)
Introdução: O presente estudo teve por objetivo avaliar comparativamente, in vitro, a estabilidade biomecânica
promovida pela fixação da osteotomia sagital de ramo mandibular quando da utilização de dois diferentes formatos de placas de titânio. Sete mandíbulas de carneiro preservadas e de pesos semelhantes foram selecionadas,
dissecadas com completa remoção de estruturas moles e seccionadas em sua linha média, dividindo as hemimandíbulas em dois grupos. Após realizar osteotomia sagital de ramo mandibular, com auxílio de serra reciprocante
e conforme técnica descrita amplamente na literatura, seguido de avanço de 5mm, as hemimandíbulas direitas
receberam a fixação com 1 placa reta com 4 furos e 4 parafusos monocorticais (grupo controle) e as hemimandíbulas esquerdas receberam fixação com 1 placa formato “L” com 4 furos e 4 parafusos monocorticais. Em seguida,
foram realizados testes mecânicos de carregamento linear com o objetivo de avaliar a resistência dos sistemas de
fixação às forças exercidas sobre os segmentos ósseos. As médias (desvio-padrão) dos valores da carga compressiva foram 70.68N (22.26) para as placas retas, enquanto que, para as placas em formato L, os valores obtidos
foram 78.80N (32.54). Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística utilizando o Teste t de Student
para amostras independentes, demonstrando que os dois sistemas de fixação testados apresentam resistência
semelhante ao deslocamento durante o teste de flexão.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
55
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
128 – TRATAMENTO CIRÚRGICO COM PLANEJAMENTO DIGITAL
DE MICROSSOMIA HEMIFACIAL: RELATO DE CASO
Autores: JOÃO NUNES NOGUEIRA NETO* (UFBA/HUPES; HSA/OSID);
GABRIEL QUEIROZ VASCONCELOS OLIVEIRA (UFBA/HUPES; HSA/OSID);
ANDERSON DA SILVA MACIEL (UFBA/HUPES; HSA/OSID); ARLEI CERQUEIRA (UFBA/HUPES; HSA/OSID);
WEBER CEO CAVALCANTE (UFBA/HUPES; HSA/OSID)
Introdução: O tratamento de pacientes portadores de deformidades congênitas cursando com assimetrias faciais
constitui um grande desafio. A microssomia hemifacial é a segunda anomalia facial mais frequente entretanto
sua etiologia não é totalmente conhecida. Sabe que o incorreto desenvolvimento durante a fase embrionária nos
primeiros e segundos arcos branquiais afetem as estruturas derivadas. O nível de comprometimento é variável,
podendo acometer regiões: auricular, ocular, padrão esquelético e tecido mole adjacente; individualmente ou em
conjunto. Seu correto planejamento e tratamento é desafiador para o cirurgião devido às limitações impostas
pela anomalia. As informações obtidas através de documentações orto-cirúrgicas convencionais não se mostram
suficientes para o planejamento. Devido à imprecisão nas fases iniciais, as etapas de montagem em articulador
e cirurgia de modelos são prejudicadas, e os splints interdentários irão incorporar os erros acumulados ao longo
deste processo. Com o advento da Tomografia Computadorizada Cone Beam somada à utilização de softwares
operacionais, o planejamento digital ganhou destaque nos últimos anos, principalmente para casos complexos,
com resultados mais precisos e previsíveis. Existem diversos softwares disponíveis no mercado e cabe ao cirurgião utilizar aquele que melhor se adequa às suas necessidades e ao tratamento proposto. Assim, o objetivo do
presente trabalho é relatar um caso de paciente do gênero feminino, 18 anos, portadora de microssomia hemifacial, submetida à cirurgia ortognática utilizando o planejamento digital.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
56
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
166 – A UTILIZAÇÃO DO POLIMETILMETACRILATO NA
CORREÇÃO CIRÚRGICA DOS DEFEITOS MAXILOFACIAS
Autores: DANIEL JORGE DA SILVA MONTEIRO DE FREITAS* (UFBA); RAFAEL FERNANDES DE ALMEIDA NERI
(UFBA); CLARISSE SAMARA DE ANDRADE (UFBA); WEBER CÉO CAVALCANTE (UFBA);
Introdução: A correção dos defeitos na região maxilofacial sempre foi um grande desafio para os cirurgiões buco-maxilo-faciais, entre muitas dificuldades a própria escolha de materiais reconstrutivos já se constitui num desafio devido a todos os pré-requisitos necessários ao material “ideal”. Na cirurgia Bucomaxilofacial, o uso do osso
autógeno ainda é o padrão ouro para as reconstruções, porém os materiais aloplásticos vem se tornando uma
alternativa muito interessante. Acreditamos que Polimetilmetacrilato é uma alternativa segura e eficaz na camuflagem de defeitos faciais, tornando-se uma excelente opção para substituição óssea. O objetivo desse trabalho
é apresentar as vantagens e desvantagens da utilização do PMM na cirurgia bucomaxilofacial e correlacionando
com casos clínicos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
57
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
172 – USO DO CONTRA-ÂNGULO PARA FIR EM CIRURGIA
ORTOGNÁTICA
Autores: RICHELI RODRIGUES DE SOUZA* (PUCRS); GABRIEL PORTELLA POZZOBON (PUCRS); ORION LUIZ
HAAS (PUCRS); OTÁVIO EMMEL BECKER (PUCRS); ROGÉRIO BELLE DE OLIVEIRA (PUCRS)
Introdução: Este trabalho visa apresentar o uso do contra-ângulo para Fixação Interna Rígida da osteotomia
sagital bilateral em cirurgia ortognática. Como vantagens pode-se destacar a ausência de acessos transcutâneo
e consequentemente ausência de cicatrizes em face. Além disso, o processo de adaptação e colocação das placas
e parafusos se mostra eficaz, respeitando os princípios biomecânicos de fixação interna rígida. Por conta da
grande importância da estética que este trabalho surge, evidenciando uma excelente alternativa que diminui o
risco de cicatrizes faciais a zero. Para se obter bons resultados estéticos todas as estapas em cirurgia ortognática
devem ser realizados intra-oral, sem acessos em pele, evitando assim a possibilidade de formação de cicatrizes
não-estéticas. Entretanto, para realizar a adaptação das miniplacas e parafusos na região posterior mandibular
é dificultada pela necessidade de manter a angulação ideal de inserção destes dispositivos. Portanto, para uma
abordagem adequada às colocação das miniplacas e parafusos o uso de acesso transcutâneo e trocater é utilizado pata FIR das OSSB assim como em fraturas de ângulo mandibular. O uso de trocater e acesso transcutâneo
estão associados a uma incidência de 18% de formação de cicatriz em face. A posição da abordagem para o uso
do Trocater é frequentemente desfavorável esteticamente. Portanto em um conceito estético atual da cirurgia
ortognática, nenhum tipo de cicatriz facial deve ocorrer pois o procedimento visa a melhora estética e funcional
dos pacientes. O objetivo do trabalho é descrever a técnica do uso de contra-ângulo para fixação de miniplacas e
parafusos na região posterior de mandíbula.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
58
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
193 – OSTEOTOMIA MÉDIA MANDIBULAR
Autores: JERKO RAFFO* (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO);
DANIELA CONTANZA ESPINOZA ESPINOZA (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO);
FRANCISCO LOPETEGUI (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO); ANTONIO NUÑEZ (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO); MACARENA SALAS (HOSPITAL MILITAR DE SANTIAGO)
Introdução: A cirurgia ortognática será o tratamento de escolha para pacientes com dysmorphosis craniofacial
e vai nos ajudar a oferecer aos pacientes não apenas a função adequada e oclusão, mas também uma melhora
estética variável que irá depender das características de cada paciente e objetivos funcionais. As dysmorphosis
Craniofacial devem ser avaliadas com cuidado, e tratamento de cada caso deve ser planejado considerando as
anomalias sagitais, verticais e transversais. As discrepâncias transversais podem ocorrer a nível dentário ou esquelético, e sua causa vai ser variada, mas sempre vai ser uma deferência entre a largura da maxila e da mandíbula, gerando uma relação oclusal inversa entre pré-molares e molares superiores e inferiores. Ao longo da história
corrigir anomalias transversas tem sido baseadas na expansão del maxilar dentoalveolar, ortopédico, cirurgicamente assistida ou através da segmentação de osteotomia Fort I, mas a osteotomia mandibular média combinada
com osteotomia bilateral filial, apesar de ser pouco utilizado, mostrou ter vários benefícios e uma estabilidade
superior pós-processamento. Existem relatos do uso da osteotomía media desde o início dos anos 60, mas não
foi até 1976 que os primeiros relatos de casos foram publicados. Vários autores têm descrito a osteotomia médio
mandíbula inferior combinada com outros segmentações para obter um resultado estético mais favorável, além
de uma maior estabilidade pós-operatório ao evitar a inclinação molar com forças ortodônticos para expandir ou
reduzir a largura do maxilar ou da mandíbula. Este procedimento estabeleceu estágios e pode ser realizado antes
ou depois da intervenção do maxilar onde esta é necessária. O primeiro passo é a realização de osteotomia sagital
de ramo bilateral seguida de colocação de tala intermaxillar (splint) com cabos elásticos ou fios para estabilizar
a mandíbula e facilitar a realização da osteotomia média mandibular e mentoplastia. O próximo passo é a técnica de mentoplastia para evitar a criação de passos e resultados nao desejados ao nível do queixo. Em seguida,
realiza-s cuidadosamente com a ajuda de fechamento e talhadeiras a osteotomia média mandibular que se estendem do cume ósseo inferior ao rebordo alveolar entre os incisivos centrais, obtendo-se assim cinco segmentos
mandibulares (2 ramo, 2 corpo 1 mandibular e queixo). Neste momento deve ser ajustado para os segmentos de
tala intermaxilar e estabilizar novamente, e, em seguida, fixá-los em conjunto com placas de osteossíntese. Esta
técnica cirúrgica é rara e dá bons resultados e estáveis, mas há poucos relatos de casos. Devido a isso, é necessário
aumentar o número de publicações e estudos para melhorar evidência científica existente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
59
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
214 – DELÍRIO PÓS ANESTÉSICO EM PACIENTE JOVEM
SUBMETIDO A CIRURGIA ORTOGNÁTICA
Autores: FERNANDA HERRERA DA COSTA* (UEL); RENAN BORDINI CARDOSO (UEL);
CECÍLIA LUIZ PEREIRA STABILE (UEL); GLAYKON ALEX VITTI STABILE (UEL);
Introdução: Delírio é definido como uma síndrome mental orgânica, de início rápido e agudo, decorrente de
quebra da homeostase cerebral e desorganização da atividade neural. É caracterizado por alteração das funções
cognitivas com redução no nível de consciência e desorganização de pensamentos, não atribuíveis a demência
prévia. Pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais frequente em pacientes idosos e frequentemente naqueles
que possuem doenças degenerativas pré-existentes. Embora a fisiopatologia seja pouco compreendida, estudos
apontam que dentre os principais fatores que podem levar ao delírio estão os fármacos utilizados para indução
de anestesia geral (hipnóticos, drogas anticolinérgicas e bloqueadores de receptores H2) , principalmente aqueles
relacionados a cirurgias de longa duração. No caso do delírio que ocorre no período pós-anestésico (DPA) , sua
classificação se dá em emergencial, aquele que surge até as primeiras 24 horas, e tardio, que ocorre após um intervalo lúcido de mais de um dia. O tratamento para essa entidade é realizado por equipe multidisciplinar, podendo
ser realizado por estímulos específicos cognitivos juntamente com intervenções farmacológicas para o controle
dos sintomas agudos. O caso relatado é de uma paciente jovem, 24 anos, gênero feminino, sem antecedente de
transtorno mental, sem história, sinal ou sintoma de patologias nos últimos dois anos, submetida a cirurgia ortognática bimaxilar com duração anestésica de 05 horas. Nas primeiras 24 horas pós-operatórias, a paciente não
apresentou alteração neurológica ou de humor que justificasse a manutenção da internação hospitalar. Após alta,
porém, ela passou a apresentar sintomas característicos de agitação, confusão mental e delírios de auto-controle
e foi, então, atendida em caráter de urgência por um psiquiatra. Após avaliação clínica conjunta com a equipe de
anestesiologia foi constatado um episódio de surto psicótico decorrente de delírio pós-anestésico tardio. O presente trabalho tem como objetivo primário, por meio de uma revisão e relato de caso inédito na área de Cirurgia
e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, a apresentação e caracterização do delírio pós-anestésico como complicação
anestésica e pós-operatória de cirurgia ortognática.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
60
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
340 – MUDANÇA DOS TECIDOS MOLES NASAIS E VOLUME
NASAL APÓS AVANÇO CIRÚRGICO BIMAXILAR
Autores: JOÃO EUDES TEIXEIRA PINHO FILHO* (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
MURILO ALVES TEIXEIRA NETO (CIRURGIÃO DENTISTA); PHELYPE MAIA ARAUJO (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
ABRAHAO CAVALCANTE GOMES DE SOUZA CARVALHO (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
RENATO LUIZ MAIA NOGUEIRA (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL)
Introdução: A cirurgia ortognática é realizada quando se pretende corrigir deformidades dento-esqueléticas, visando melhorar a função e estética do paciente. Estudos relatam que a mudança do tecido mole após avanço
maxilar via osteotomia Le Fort I pode variar entre 33% a 100%. Através da tomografia computadorizada de
feixe cônico (TCFC) o diagnóstico da morfologia facial torna-se mais preciso ao fornecer informações valiosas
ao cirurgião bucomaxilofacial. Este trabalho propõe-se a analisar mudanças teciduais e volumétricas nasais em
pacientes submetidos a avanço bimaxilar associado ou não à mentoplastia de avanço ou rotação anti-horária do
plano oclusal. No estudo foram analisados volume nasal, largura da base alar e asa do nariz através de exames
tomográficos realizados no mesmo aparelho, do tipo Cone Bean I-Cat® (Imaging Science, Hatfield, PA) , seguindo
o mesmo protocolo de aquisição, com cortes tomográficos de 0,4 mm, nos períodos (T1) , pré-operatório; (T2) ,
pós-operatório imediato de quinze dias, e (T3) , pós-operatório tardio de seis meses. A amostra foi de 22 pacientes (12 homens; 10 mulheres) com idade entre 20 e 35 anos. Os dados foram submetidos aos testes t pareado e
de wilcoxon (dados sem normalidade) através do softwareSigmastat 3.0, sendo o nível de significância (P <0,05)
e a realização da análise descritiva simples através do software Excel 2010 para os dados que não apresentaram
diferença estatisticamente significante. Os resultados mostraram que os pacientes tiveram um aumento significante na largura da base alar entre T1 e T2 (P = 0,002) , mantendo-se estável entre T2 e T3 (P=0,568). Em relação
a asa do nariz observou-se aumento entre T1 e T2 (P = 0,001) e entre T2 e T3, não foi constatada significância
estatística (P=0,323).Quanto ao volume nasal não foi observado alteração significante entre T1 e T2 (P = 0,081)
bem como entre T2 e T3 (P=0,294). Assim conclui-se que houve aumento na largura da base alar e largura alar
entre T1 e T2, mantendo-se estável entre T2 e T3, o que indica uma estabilidade da técnica realizada. A sutura da
base alar evitou o alargamento durante o movimento de avanço maxilar, entretanto na largura alar observou-se
um aumento. Quanto ao volume nasal anterior não foi possível determinar uma previsibilidade.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
61
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
349 – AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DO LÁBIO SUPERIOR E
ÂNGULO NASOLABIAL APÓS AVANÇO CIRÚRGICO BIMAXILAR
Autores: JOÃO EUDES TEIXEIRA PINHO FILHO* (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
MURILO ALVES TEIXEIRA NETO (CIRURGIÃO DENTISTA); PHELYPE MAIA ARAUJO (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
ABRAHAO CAVALCANTE GOMES DE SOUZA CARVALHO (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
RENATO LUIZ MAIA NOGUEIRA (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL)
Introdução: Mudanças dos tecidos moles faciais ocorrem após realização da cirurgia ortognática em pacientes
portadores de deformidades dento-esqueléticas. Estudos relatam que a espessura do lábio superior e ângulo
nasolabial podem sofrer alterações após avanço maxilar e rotação anti-horária. Através da tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC) o diagnóstico da morfologia facial torna-se mais preciso ao fornecer informações
valiosas ao cirurgião bucomaxilofacial. Este trabalho propõe-se a analisar mudanças teciduais em pacientes submetidos a avanço bimaxilar associado ou não à mentoplastia de avanço ou rotação anti-horária do plano oclusal.
No estudo foram analisados a espessura do lábio superior e o ângulo nasolabial através de exames tomográficos
realizados no mesmo aparelho, do tipo Cone Bean I-Cat® (Imaging Science, Hatfield, PA) , seguindo o mesmo
protocolo de aquisição, com cortes tomográficos de 0,4 mm, nos períodos (T1) , pré-operatório; (T2) , pós-operatório imediato de quinze dias, e (T3) , pós-operatório tardio de seis meses. A amostra foi de 22 pacientes (12
homens; 10 mulheres) com idade entre 20 e 35 anos. Os dados foram submetidos ao testes t pareado através
do software Sigmastat 3.0, sendo o nível de significância (P <0,05) e a realização da análise descritiva simples
através do software Excel 2010 para os dados que não apresentaram diferença estatisticamente significante. Os
resultados mostraram que os pacientes tiveram um aumento significante na espessura do lábio superior entre T1
e T2 (P< 0,001) e uma diminuição entre T2 e T3 (P< 0,001).Analisando as diferenças entre o T1 e o T3, constatou-se que a alteração ocasionada com o tratamento não apresentou significância (P=0,176). Em relação ao ângulo
nasolabial observou-se ausência de significância entre T1 e T2 (P = 0,920) , bem como entre T2 e T3 (P=0,272).
Assim conclui-se que na espessura do lábio não houve uma diferença significante entre T1 e T3, demonstrando
uma manutenção da espessura labial e, que no ângulo nasolabial não foi possível determinar uma previsibilidade.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
62
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
357 – OSTEOTOMIA VÉRTICO-SAGITAL MODIFICADA TECHNICAL NOTE
Autores: BRUNO GOMES DA SILVA* (HOSPITAL DAS CLINICAS - UFG); GIOVANNI GASPERINI (HOSPITAL DAS
CLINICAS - UFG); RENATO DE TOLEDO BREGUEZ (HOSPITAL DAS CLINICAS - UFG)
Introdução: Choung em 1992 descreveu pela primeira vez uma osteotomia mandibular indicada principalmente
para o tratamento de prognatismo mandibular e, subsequentemente, para o tratamento de hiperplasia e fraturas
condilares. Este procedimento foi chamado Osteotomia Intra-oral Vértico-sagital do Ramo (OVSRM) , uma técnica semelhante à osteotomia vertical do ramo mandibular. Consiste em um procedimento relativamente seguro
com baixos índices de complicações, podendo ser utilizada quando se pretende realizar recuos mandibulares, pequenos avanços, e giro por apresentar um maior contato entre os fragmentos ósseos. As possíveis complicações
são inerentes às osteotomias mandibulares em função da proximidade de estruturas anatômicas importantes
como artéria maxilar e nervo alveolar inferior. Desde então, técnicas alternativas são desenvolvidas a fim de
minimizar esses problemas. Além de potencialmente reduzir tais problemas, OVSRM tem como vantagens sua
simplicidade e rapidez de execução. Desde a primeira descrição da técnica de osteotomia vértico-sagital, outros
autores relataram modificações a fim de melhorá-la, apresentando alternativas de corte que são mais seguros em
relação às estruturas anatômicas, fornecendo maior visibilidade e maior facilidade na execução. Uma técnica de
osteotomia vértico-sagital é descrita neste trabalho, com objetivo de simplificar a técnica já consagrada, reduzindo o tempo de execução e mantendo a segurança em relação às estruturas anatômicas adjacentes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
63
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
363 – ANÁLISE CRÍTICA DO POSICIONAMENTO DA CABEÇA EM
PLANEJAMENTO DE CIRURGIA ORTOGNÁTICA
Autores: BRUNO GOMES DA SILVA* (HOSPITAL DAS CLINICAS - UFG); GIOVANNI GASPERINI (HOSPITAL DAS
CLINICAS - UFG)
Introdução: Para realização de planejamento de cirurgia ortognática, o posicionamento da cabeça é fundamental
e interfere no resultado cirúrgico. Atualmente existem duas formas distintas de se posicionar a cabeça do paciente, posição natura de cabeça (PNC) e colocando-se plano horizontal de Frankfurt (PHF) paralelo ao solo. O registro com precisão da PNC é fundamental para os cirurgiões no diagnóstico e tratamento de pacientes com deormidades craniomaxilofaciais e com a cabeça fora da PNC, a quantificação da deformidade é muitas vezes imprecisa.
O PHF é baseado em pontos de referência intracranianos que não são estáveis e sua relação vertical é sujeita à
variação biológica. Paciente que apresentam diagnóstico de deformidade dento-facial (DDF) tendem a mascarar
suas deformidades aterando a PNC, logo para o planejamento cirúrgico e análise facial é necessário a correção
dessa posição e estudos mostram que a PNC é alterada após cirurgia ortognática. A literatura não mostra como
e para quanto deve ser a correção da posição de cabeça e se a PNC sofre alterações, por que deve ser utilizada
como referência em cirurgia ortognática? Teoricamente, o plano sagital mediano (PSM) deve ficar perpendicular
ao solo e este plano pode ser delimitado através de 3 pontos, ponto médio da distância intercantal, filtro do lábio
e básio. Uma vez determinado PSM, yaw e roll podem ser corrigidos, pois matematicamente e geometricamente
são planos perpendiculares ao PSM. O grande problema no posicionamento da cabeça é determinação do pitch,
uma vez que estudos mostram variação da posição de cabeça de +8° a -11° em relação a linha horizontal verdadeira. Essa discrepância de 19° altera de forma significativa o planejamento e resultado final da cirurgia com mudança no plano oclusal. Há a necessidade de estabelecimento de um método eficaz de posicionamento de cabeça em
cirurgia ortognática que não traga alterações significativas no resultado final, pois a literatura não relata maneira
efetiva de como determinar o pitch. Pesquisas futuras devem ser realizadas para solucionar essa questão trazendo
uma segurança maior no planejamento de cirurgias ortognáticas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
64
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
375 – ANÁLISE COMPARATIVA REFERENTE AO PLANEJAMENTO
VIRTUAL 2D E 3D EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA: RELATO DE
CASO CLÍNICO
Autores: RAÍ HEIDENREICH* (UFSC); JOSÉ NAZARENO GIL (UFSC); ANDRÉ LUIS BIM (USP);
MARIANA SAIDELES MARTINS (UFSC); MATHEUS SPINELLA (UEM)
Introdução: A cirurgia ortognática tem como objetivo a correção de diferentes deformidades dentofaciais, reestabelecendo os ossos gnáticos à uma oclusão funcional e estável, permitindo respiração adequada com a concomitante melhora na estética facial. Para o cirurgião obter sucesso em seu resultado pós-cirúrgico e visualizar a real
situação de seu paciente com resolubilidade, é imprescindível um planejamento preciso para que o trans-cirúrgico
seja bem executado. Atualmente existem o planejamento bidimensional (2D) e o planejamento tridimensional
(3D). O planejamento 2D consiste-se em análises cefalométricas em software, a partir de tele radiografias de
norma lateral. Permite simulação do resultado final em duas dimensões e comparação com a própria foto do paciente, facilitando a comunicação profissional-paciente. O planejamento 3D surge como uma nova possibilidade
de planejamento, onde através de tomografia computadorizada, o cirurgião teria uma visualização tridimensional do resultado da cirurgia proposta, sendo uma opção interessante em casos de assimetria facial. Permitem o
desenho das osteotomias, planejamento da posição de placas e parafusos, localização de estruturas nobres como
o nervo alveolar inferior, prevê áreas de toque ósseo, indica necessidades de desgastes, permitem comparação
de relações ósseas virtuais com o ato cirúrgico, além de uma previsibilidade de posicionamento de tecido mole,
ilustrando uma visão ao paciente de frente das alterações planejadas. Através desta análise virtual, é confeccionado um guia cirúrgico para ser usado durante o procedimento. Em relação ao planejamento 2D, há basicamente
dois problemas, um seria que os parâmetros medidos são limitados, onde uma análise cefalométrica ideal deveria
proporcionar informações tridimensionais que concedem tamanho, forma, posição e orientação das diferentes
formas faciais. O outro seria que a maioria das medidas cefalométricas 2D são distorcidas na presença de assimetria facial, além de exigir cirurgia em modelo para confecção de guia cirúrgico. Atualmente, estamos passando
por uma mudança de paradigma, de como nós fazemos a transição de 2D para imagens 3D. Essa transição foi facilitada com a introdução da tomografia computadorizada de feixe cônico, que permite a aquisição de imagens 3D
em um ambiente de escritório com mínima radiação. No entanto, muitas questões importantes com cefalometria
3D permanece a serem abordados. Estes problemas têm incluído a falta de fidelidade dos sistemas de referência
internas e algumas medições em 3D, e a falta de ferramentas para avaliar e medir simetria facial. O objetivo deste
trabalho é relatar um caso clínico de laterognatismo, associado à analise das possíveis vantagens e desvantagens
dos planejamentos 2D e 3D para a cirurgia ortognática, para que o cirurgião, tendo em vista as reais situações de
ambos os sistemas, tome a melhor conduta de planejamento para otimizar seus resultados finais e ter uma boa
previsibilidade clínica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
65
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
416 – OSTEOTOMIA EM L INVERTIDO INTRABUCAL: RELATO
DE TRÊS CASOS
Autores: TUANNY CARVALHO DE LIMA DO NASCIMENTO* (CAIF/AFISSUR - HOSPITAL ERASTO GAERTNER);
JOÃO LUIZ CARLINI (CAIF/AFISSUR); CASSIA BIRON (CAIF/AFISSUR); MAURÍCIO ROMANOWSKI (CAIF/AFISSUR); GUILHERME SCHULDT (CAIF/AFISSUR)
Introdução: Alguns fatores devem ser analisados para a seleção da melhor técnica para correção do prognatismo
ou retrognatismo. Busca-se versatilidade, ausência de alteração neuro-sensorial, fixação rígida, estabilizadas cirúrgica e domínio da técnica 1,2,3,4. Uma alternativa cirúrgica para: a resolução de grandes avanços mandibulares; pacientes com côndilos comprometidos e mordidas abertas onde a mandíbula será a opção para fechamento, a osteotomia L invertido é uma opção. Formas de tratamento: A osteotomia em L-invertido pode ser feita
via acesso extra-oral ou intra-oral. No entanto, o acesso extra-oral é mais simples, porém, necessita de acesso
transcutâneo, sendo assim, relativamente esquecida por alguns profissionais devido apelo estético. A técnica
está indicada para: grandes avanços (+12 mm) com rotação anti-horária; aos pacientes que apresentam pouco
tecido ósseo medular na região da osteotomia, dificultando a osteotomia sagital; para pacientes que apresentam
alterações condilares; e para reintervenções em pacientes que já foram submetidos a osteotomia sagital. Para a
osteotonia L invertida no acesso intra oral observa-se algumas dificuldades, como: posicionamento do segmento
condilar, fixação do enxerto e a fixação interna rígida, visto que devemos posicionar o côndilo, o enxerto e as
miniplacas com parafusos via trocater. O tempo de bloqueio intermaxilar, foi de duas semanas após uso intermitente de elásticos, de acordo com a orientação da ortodontia. Metodologia: Apresentaremos relato de três casos:
1 -Paciente tratada anquilose anteriormente a técnica de osteotomia em L invertido; 2- Paciente com presença
de mordida aberta; 3- Paciente submetido a reintervenção cirúrgica (realizou sagital anteriormente) e côndilos
comprometidos. Resultados: Os casos apresentados apresentaram evolução satisfatória, boa estabilidade a longo
prazo. Considerações finais: A osteotomia L invertido intrabucal mostrou-se eficiente na resolução dos casos
apresentados e deve ser considerada como uma boa alternativa para as osteotomias mandibulares. Refências: 1.
Muto T, Akizuki K, Tsuchida N et al. Modified intraoral inverted ‘L’ osteotomy: a technique for good visibility,
greater bony overlap, and rigid fixation. J Oral Maxillofac Surg 2008; 66 (6) : 1309–1315. 2. Medeiros PJ, Ritto F.
Indications for the Inverted-L Osteotomy: Report of 3 Cases. J Oral Maxillofac Surg 2009; 67:444-447. 3. Baek
RM, Lee SW. A new condyle repositionable plate for sagittal split ramus osteotomy. J Craniofac Surg 2010; 21 (2)
: 489–490. 4. Hwang K, Nam YS, Han SH. Vulnerable structures during intraoral sagittal split ramus osteotomy.
J Craniofac Surg 2009; 20 (1) : 229–232.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
66
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
474 – SUTURA DUPLO V-Y COMO MÉTODO DE CONTROLE
DA EXPOSIÇÃO DO VERMELHÃO DO LÁBIO SUPERIOR EM
PACIENTE CLASSE III. RELATO DE CASO
Autores: FRANCISCO SAMUEL RODRIGUES CARVALHO* (HUWC-UFC);
MARCELO LEITE MACHADO DA SILVEIRA (HUWC-UFC); TÁCIO PINHEIRO BEZERRA (HUWC-UFC);
HENRIQUE CLASEN SCARPARO (HUWC-UFC); EDUARDO COSTA STUDART SOARES (HUWC-UFC)
Introdução: A cirurgia ortognática visa corrigir as discrepâncias oclusais e esqueléticas, bem como proporcionar a melhora da estética e da harmonia facial. A análise e o planejamento pré-operatório permitem identificar possíveis pontos
de limitação e intervir no plano de tratamento visando melhorar o desfecho do caso. A estética nasolabial, apresenta
impacto no perfil facial desses pacientes, sendo necessário considerar a morfologia do lábio superior quando da realização da osteotomia Le Fort I e, tem sido tópico de considerável interesse dos cirurgiões buco-maxilo-faciais ao longo do
tempo. Tem-se observado que mudanças na morfologia labial e nasal externa estão relacionadas tanto com a direção
quanto com a magnitude do reposicionamento maxilar, sendo as maiores mudanças nos reposicionamentos superior
e/ou anterior da maxila. Além disso, fatores como espessura dos tecidos moles, tempo decorrido desde a cirurgia, cicatrização da ferida cirúrgica, técnicas de fechamento da ferida e técnicas cirúrgicas empregadas tem impacto profundo
sobre os desfechos nos tecidos moles. Tais mudanças têm se mostrado dependentes da espessura dos tecidos moles.
Indivíduos com lábios finos tem uma maior correlação de previsibilidade entre a magnitude do movimento ósseo e as
alterações nos tecidos moles, quando comparados a perfis mais espessos.O objetivo do presente trabalho é relatar o
caso de uma paciente do sexo feminino, 20 anos, com acentuada discrepância maxilo-mandibular, evidente protrusão
mandibular, área paranasal plana, lábio superior curto com porção central projetada e terços laterais afinados. Baseado
nesses achados a paciente foi diagnosticada com deformidade dento facial do tipo classe III e a cirurgia ortognática foi
estabelecida como melhor modalidade de tratamento a ser instituída. Algumas limitações foram observadas durante a
realização do planejamento pré-operatório como pequena discrepância dentária comparada com a discrepância esquelética, acentuada inclinação dos incisivos superiores (38º) e espessura do vermelhão do lábio superior, sendo grande
na porção central e estreita nos terços laterais. Após análise facial, cefalométrica e simulação computacional, a paciente
foi submetida a avanço mandibular com intrusão posterior e rotação horária do plano oclusal, completando a cirurgia
do terço médio com a sutura do lábio superior com a técnica do duplo V-Y. Em seguida, foi realizada a auto-rotação da
mandíbula com encaixe da oclusão. Esse planejamento além de obter um padrão de oclusão classe I com perfil facial
harmônico, permitiu uma melhor angulação do plano oclusal e dos incisivos superiores. Os riscos inerentes de encurtamento das porções laterais do lábio e aumento da porção central foram melhor controlados com a sutura duplo V-Y.
A satisfação relatada pela paciente e familiares nos permite sugerir que o emprego destes artifícios cirúrgicos devem
sempre ser considerados quando as características esqueléticas e de tecidos moles permitir.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
67
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
533 – TRATAMENTO DE BIPROTRUSÃO COM A TÉCNICA
CIRÚRGICA DE OSTEOTOMIA SUBAPICAL ANTERIOR DE
MANDÍBULA E SEGMENTAR DA MAXILA: RELATO DE CASO
CLÍNICO
Autores: PAULINE MAGALHÃES CARDOSO (*) (UFBA/HOSPITAL SANTO ANTONIO-OSID);
CLARISSE SAMARA DE ANDRADE (UFBA/HOSPITAL SANTO ANTONIO-OSID);
INGRID ESTEVES DE VILLERMOR AMARAL (UFBA/HOSPITAL SANTO ANTONIO-OSID);
PAULO RIBEIRO DE QUEIROZ NETO (UFBA/HOSPITAL SANTO ANTONIO-OSID);
ROBERTO ALMEIDA DE AZEVEDO (UFBA/HOSPITAL SANTO ANTONIO-OSID)
Introdução: Em casos de pacientes com protrusão mandibular e maxilar acentuada, quando optado por realizar
tratamento apenas ortodôntico, tanto o resultado estético quanto a estabilidade oclusal geralmente são prejudicadas. Sendo assim o objetivo desse trabalho é relatar um caso clínico onde a paciente do gênero feminino de
30 anos, edêntula parcial, portadora de uma biprotrusão acentuada contudo possuia um posicionamento satisfatório do pogônio. A paciente se encontrava com 10 anos de tratamento ortodôntico. Avaliando essas condições
optou-se por realizar osteotomia Le Fort I segmentada, com exodontia do primeiro pré-molar direito. A segmentação foi realizada na região da unidade 14 e na região referente a unidade 25 que já se encontrava ausente.
Na mandíbula foi realizada osteotomia subapical anterior, com exodontia imediata dos primeiros pré-molares.
Paciente atualmente se encontra com 13 meses de acompanhamento pós-cirúrgico, apresentando oclusão estável
e satisfação estética.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
68
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
582 – REPOSIÇÃO CIRÚRGICA DA PRÉ MAXILA EM PACIENTE
PORTADOR DE FISSURA PALATAL
Autores: AMANDA LOPES* (UP); RODRIGO DOMINGOS DE LIMA (CAIF); JOÃO LUIZ CARLINI (UFPR)
Introdução: A Abordagem multidisciplinar dos pacientes fissurados bilaterais é controversa na literatura principalmente relacionada a pré maxila. Que muitas vezes encontra-se totalmente deslocada no espaço em relação a
maxila. Alguns protocolos preconizam não intervir cirurgicamente na pré maxila para evitar possíveis alterações
no crescimento da maxila tratando apenas ortopedicamente. Porem observamos que além da deformidade dentofacial importante há um comprometimento estético social para o paciente. Dessa forma propomos intervenção
cirúrgica na pré maxila promovendo o seu reposicionamento, realizando os enxertos ósseos nas fissuras devolvendo o arco dental maxilar, propiciando a erupção dos caninos permanentes. O caso clinico em questão refere-se
a uma paciente, sexo feminino, que entrou no protocolo do Centro de atendimento integral ao fissurado (CAIF)
que aborda pacientes fissurados bilaterais da seguinte maneira: A primeira intervenção foi realizada aos 4 meses
de idade com uma queiloplastia (Tecnica de Spina) em 2 tempos. Aguardou-se 18 meses para palatoplastia. Aos 6
anos de idade iniciou-se a intervenção ortodôntica preventiva com a instalação de expansor tipo Haas modificado
(Borboleta) , visto que a paciente apresentava mordida cruzada bilateral e uma exagerada projeção da pré maxila.
Após concluída a expansão de tal maneira que permitisse que a pré maxila pudesse se encaixar na maxila. Programou-se cirurgia de reposição da pré maxila usando guia cirúrgico pré fabricado e enxerto de crista ilíaca para
o preenchimento das fissuras. Apos 2 meses de contenção com guia cirúrgico a paciente foi encaminhada para o
tratamento ortodôntico. Foi realizado uma queiloplastia para aprofundamento de fundo de vestíbulo para melhorar a exposição dos incisivos superiores. Realizado o controle através de tomografia cone-bean e atualmente
encontra-se em alta do tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
69
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
684 – ACURÁCIA EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA BIMAXILAR AVALIAÇÃO BIDIMENSIONAL E TRIDIMENSIONAL
Autores: NEIMAR SCOLARI* (PUCRS); ORION LUIZ HAAS JÚNIOR (PUCRS); LUCAS DA SILVA MEIRELLES (PUCRS); OTÁVIO HEMMEL BECKER (PUCRS); ROGÉRIO BELLE DE OLIVEIRA (PUCRS)
Introdução: Objetivo: avaliar a acurácia e a precisão do método de avaliação manual dos resultados, realizado a
partir de radiografias teleperfil em 20 pacientes padrão facial classe II e III submetidos à Cirurgia Ortognática
Bimaxilar, comparando-o com a avaliação tridimensional realizada a partir de Tomografias Computadorizadas
de face do tipo Cone-Beam (TCCB) nos períodos pré e pós-operatório (6 meses) , em cirurgias iniciadas pela
maxila. Materiais e Métodos: As cirurgias foram realizadas no Hospital São Lucas da PUCRS. Traçados manuais
e tridimensionais foram feitos, respectivamente, em telerradiografias de perfil e em Tomografias computadorizada cone-beam com o Dolphin Imaging Software, por 2 avaliadores independentes, sendo um deles cegado em
relação aos movimentos cirúrgicos propostos para cada paciente. Foi desenvolvida uma análise cefalométrica
customizada e aplicada às duas formas de avaliação (manual e tridimensional). Sobre os traçados, foram avaliadas 9 medidas pré e pós-operatórias. Dessas medidas, quatro foram verticais em relação ao Plano horizontal de
Frankfurt e serviram para mensuração das mudanças maxilomandibulares no sentido vertical, e cinco foram horizontais em relação à Linha N-perp, representando as mudanças maxilomandibulares no sentido ântero-posterior. Para avaliar a confiabilidade intra e inter-examinador metade dos traçados foi refeito após 30 dias. A acurácia
foi medida através da raiz do erro quadrático da média (RMSE). A precisão foi calculada a partir da comparação
dos desvios-padrão. Resultados: o método tridimensional de avaliação apresentou melhor acurácia e precisão
quando comparado ao método manual. As médias dos escores das diferenças entre os movimentos planejados
e os movimentos executados em cada um dos métodos de avaliação foram menores no grupo do método de
avaliação tridimensional para todas as cinco variáveis analisadas (P<0,05). Conclusões: os movimentos previstos
são identificados no período pós-operatório. O método tridimensional é mais preciso e mais acurado para avaliar e quantificar esses movimentos. O conhecimento e a experiência do cirurgião responsável pelo tratamento
representa parte fundamental no tratamento para que seja reproduzido no paciente no trans-cirúrgico, aquilo
que realmente foi planejado. Palavras-chave: Cirurgia Ortognática, Cefalometria, Tomografia Computadorizada
Cone-Beam, Acurácia, Precisão
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
70
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
690 – OSTEOTOMIA SAGITAL DE RAMO EM CIRURGIA
ORTOGNÁTICA
Autores: ILSON DIVINO DO NASCIMENTO FILHO* (DISCENTE EM ODONTOLOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO
UNIRG); VALÉRIA DE LEMOS BRANDÃO (DISCENTE EM MEDICINA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG);
ALLAN MARANHÃO GUERRA (DISCENTE EM ODONTOLOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG);
Introdução: A técnica da osteotomia sagital do ramo é um procedimento cirúrgico ortognático que proporciona o
manejo de avanços e recuos mandibulares. Sua indicação é mais frequente para pacientes com deformidades mandibulares, como prognatismo e retrognatismo. Trauner e Obwegeser descreveram essa técnica em 1957, desde
então aconteceram modificações com o intuito de reduzir complicações e para uma reprodução mais simplificada.
Essa técnica possui excelente cicatrização óssea e estabilidade entre o segmento proximal e distal, ocasionado por
uma ampla área de relações entre os segmentos ósseos. O trans cirúrgico consiste em realizar diversas osteotomias em diferentes locais anatômicos como: na cortical lingual do ramo, acima da língula, borda anterior do ramo
até a região dos molares inferiores, vertical na face lateral do corpo até a borda inferior da mandíbula. Conhecer
a conjuntura da técnica cirúrgica de osteotomia de ramo ajuda a traçar planos de tratamento mais eficazes. Este
trabalho tem por objetivo descrever as características do procedimento de osteotomia sagital de ramo, bem como
suas indicações, desvantagens e complicações. Palavras-chaves: Cirurgia ortognática, Osteotomia mandibular,
Anormalidade Maxilomandibular.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
71
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
699 – AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA PERDA SANGUÍNEA
APÓS CIRURGIA ORTOGNÁTICA EM RELAÇÃO AO TIPO DE
PROCEDIMENTO E IDADE DO PACIENTE NO HOSPITAL DOS
DEFEITOS DA FACE - SÃO PAULO
Autores: PRISCILA MONTEIRO JARDIM* (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); MAGNO LIBERATO (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA
BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); FABIO SATO (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ
VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ERICA MARCHIORI (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA
FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ROGER MOREIRA (HOSPITAL DOS
DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO)
Introdução: Este estudo prospectivo objetivou avaliar a perda sanguínea após cirurgia ortognática em 14 pacientes atendidos pelo serviço de cirurgia Bucomaxilofacial do Hospital dos Defeitos da Face da Cruz Vermelha Brasileira, Filial do Estado de São Paulo. Foram solicitados hemograma pré-operatório e pós-operatório imediato (POI)
, tendo como variáveis os níveis de eritrócitos, hemoglobina e hematócrito. Outras variáveis como idade do paciente e tipo de cirurgia realizada (cirurgia monomaxilar, cirurgia bimaxilar, cirurgia bimaxilar com segmentação
de maxila) também foram avaliadas. Os dados foram submetidos à análise estatística com nível de significância
de p<0,05. Dos 14 pacientes, 5 eram do gênero masculino e 9 do feminino. A média de idade foi de 29 anos, com
desvio padrão (DP) de 11 anos. Do total de cirurgias, 9 foram bimaxilares, 3 foram bimaxilares com segmentação
maxilar e 3 monomaxilares. A média de queda dos eritrócitos foi de 0,74 10^6/mm3, para a hemoglobina foi de
2,11 g/dL e para o hematócrito de 6,47%. Correlacionando o dado laboratorial com o tipo de cirurgia encontramos que a média de queda de eritrócitos, hemoglobina e hematócrito para as cirurgias bimaxilares foi 0,66; 1,91;
5,97; para as cirurgias bimaxilares com segmentação foi 1,14; 3,1; 9,96; e para as monomaxilares foi 0,56; 1,63;
4,3. Em relação à idade, as respectivas variações para as faixas etárias entre 20-30 anos foram 0,70; 2,04; 6,16;
para 31-40 anos 0,58; 1,65; 5,1; e acima de 41 anos 0,96; 2,6; 8,3. Os dados foram submetidos à análise estatística
através do teste de Kruskal-Wallis, não evidenciando diferença estatisticamente significante para a variação dos
eritrócitos (p=0,181) , hemoglobina (p=0,260) e hematócrito (p=0,107) em relação ao tipo de cirurgia. O mesmo teste foi aplicado para as faixas etárias, não demonstrando também diferença estatisticamente significante
entre 20-30 anos (p=0,149) , 31-40 (p=0,306) e acima de 41 anos (p=0,189). Nossos resultados demonstraram
uma pequena variação em relação aos exames laboratoriais após a realização da cirurgia ortognática, no entanto
sem diferença estatisticamente significante considerando-se como variáveis o tipo de procedimento realizado e
a idade do paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
72
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
701 – AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DA
RESPOSTA INFLAMATÓRIA SISTÊMICA EM CIRURGIAS BUCOMAXILO-FACIAIS
Autores: PRISCILA MONTEIRO JARDIM (*) (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRAFILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO);MAGNO LIBERATO (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA
BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ERICA MARCHIORI (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ
VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); FABIO SATO (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACECRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ROGER MOREIRA (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO)
Introdução: SIRS é a resposta do organismo a um insulto variado, como infecção, trauma, queimadura e estresse cirúrgico, com a presença de pelo menos dois dos critérios de diagnóstico (febre- temperatura corporal > 38ºC ou hipotermia, temperatura corporal < 36ºC, taquicardia – frequência cardíaca > 90 bpm, taquipnéia – frequência respiratória >
20 rpm ou PaCO2 < 32 mmHg, leucocitose ou leucopenia – leucócitos > 12.000 cels/mm3 ou <4.000 cels/mm3, ou a
presença de > 10% de formas jovens (bastões). Os sintomas da Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica (SIRS)
apresentado imediatamente após a cirurgia foram recentemente considerados como potenciais avisos de complicações
pós-operatórias iminentes à falência de múltiplos órgãos. Diversos trabalhos discutem a relação entre o stress operatório e SIRS no campo da cirurgia digestiva, mas esses estudos são escassos no campo da cirurgia buco-maxilo-faciais.
PROPOSTA: Realizar um estudo prospectivo a fim de analisar a incidência da Síndrome de Resposta Inflamatória
Sistêmica no pós-operatório de pacientes submetidos a cirurgias buco-maxilo-faciais no período de Junho/2013 a
Junho/2014. MATERIAIS E MÉTODOS: Foram selecionados pacientes sem distinção de gênero, idade ou etiologia
que se submeteram à cirurgias buco-maxilo-faciais, sob anestesia geral, permanecendo internados por um período de
24h a contar do momento de internação. Foram colhidos dados dos sinais vitais (temperatura, frequência cardíaca,
frequência respiratória) e contagem de plaquetas no pré-operatório. Solicitado na prescrição do paciente a verificação
dos mesmos sinais vitais no pós-operatório com intervalos de 08/08 horas até o momento da alta hospitalar. Solicitado também Contagem de Plaquetas e Gasometria Arterial. Pacientes que apresentaram anormalidade nos seus sinais
vitais ou exames laboratoriais no período pré-operatório foram excluídos do estudo, totalizando uma amostra de 31
pacientes submetidos à pesquisa. RESULTADOS: Colocados em uma tabela com a idade, tipo de procedimento, sinais
vitais (Temperatura, frequência cardíaca, frequência respiratória) , concentração de CO2 e numero de plaquetas, foi
constatado que a prevalência foi de 10 pacientes apresentando sinais de SIRS, sendo todos com dois sinais entre os
quatro preestabelecidos. CONCLUSÃO: A prevalência dos pacientes que evoluem com SIRS, submetidos a cirurgia
buco-maxilo-facial é de 32,25%; É imprescindível ao cirurgião buco-maxilo-facial que saiba quais são os valores de referência dos sinais vitais e exames laboratoriais, assim como interpretá-los para manter a saúde geral do paciente; Uma
maior amostra de pacientes dever ser coletada para otimizar dos resultados da pesquisa realizada.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
73
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
702 – ACHADOS IMAGINOLÓGICOS DE TC E RMN DE ATM
VERUS SINAIS E SINTOMAS DE PACIENTES COM DISFUNÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR.
Autores: PRISCILA MONTEIRO JARDIM (*) (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRAFILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO);SAMUEL DE SOUZA MORAES (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ
VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ERICA MARCHIORI (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA
FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); FABIO SATO (HOSPITAL DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO); ROGER MOREIRA (HOSPITAL
DOS DEFEITOS DA FACE- CRUZ VERMELHA BRASILEIRA- FILIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO)
Introdução: Desarranjos nas articulações têmporo-mandibulares (ATMs) são condições relativamente comuns,
mais ocorrentes em mulheres acima de 40 anos de idade. As desordens têmporo-mandibulares (DTMs) podem
ser musculares ou intra-articulares, e pertencem a um dos mais desafiadores campos de atuação do cirurgião
buco-maxilo-facial. Normalmente são caracterizadas por dor, diminuição da função e mobilidade e ainda pela
ocorrência de sons articulares como cliquese crepitação. Os exames complementares são de extrema importância
para o diagnóstico das patologias que acometem a ATM, bem como para o planejamento do tratamento. Auxiliam na investigação do estágio atual da doença, além de auxiliar na investigação da etiologia em alguns casos. A
tomografia computadorizada (TC) em seus cortes coronais, axiais e sagitais, bem como a reconstrução em 3 dimensões (3D) tem por objetivo avaliar as partes ósseas da ATM: cavidade glenoide, eminência articular e côndilo
mandibular. É possível detectar a presença de erosões, osteófitos e cistos subcondrais, reabsorção condilar, hipo
ou hiperexcursão condilar, redução do espaço intra-articular e perda de corticalização condilar e da eminência
articular. A ressonância magnética nuclear (RMN) fornece informações sobre a condição dos tecidos moles da
articulação, incluindo disco articular, músculos, ligamentos, cartilagem e cápsula articular. Além disso, a porção
medular do tecido ósseo também é bem visualizada. Com este exame de imagem é possível identificar formato alterado do disco articular, podendo sugerir uma possível perfuração discal (esta só é possível de ser visualizada no
trans-operatório); derrame articular; deslocamento do disco com ou sem redução. Baseados nessas informações,
o objetivo deste estudo retrospectivo é correlacionar a sintomatologia das DTMs com os achados imaginológicos
(TC e RMN) de pacientes atendidos pela equipe de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-faciais do Hospital dos
Defeitos da Face da Cruz Vermelha Brasileira - Filial do Estado de São Paulo, no período de 2 anos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
74
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
705 – EMPREGO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO E CIRURGIA
ORTOGNÁTICA NO TRATAMENTO DE UMA PACIENTE COM
ATROFIA SEVERA DE REBORDO ALVEOLAR
Autores: AECIO ABNER CAMPOS PINTO JUNIOR (*) (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG);FELIPE EDUARDO BAIRES CAMPOS (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG); LUIZ FELIPE CARDOSO LEHMAN (HOSPITAL DAS CLÍNICAS
DA UFMG); JOANNA FARIAS DA CUNHA (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG); WAGNER HENRIQUES DE CASTRO (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG)
Introdução: A reabilitação dentária de pacientes portadores de rebordos alveolares atróficos constitui-se em um
desafio para o cirurgião-dentista, uma vez que frequentemente requer uma abordagem terapêutica complexa,
multiprofissional e muitas vezes a necessidade de submeter o pacientes a vários procedimento cirúrgicos. O presente trabalho relata o caso clínico de uma paciente do gênero feminino, 61 anos, que compareceu ao Serviço de
CTBMF do Hospital das Clínicas da UFMG, com queixas estéticas, funcionais e relacionadas à instabilidade de
suas próteses dentárias removíveis. Clinicamente, a mesma apresentava padrão de crescimento facial III, edêntula, com rebordos alveolares severamente atróficos. A paciente não apresentava lesões importantes de tecidos
moles da cavidade bucal ou esqueleto facial, nem outras comorbidades. O plano de tratamento proposto, e aceito
pela paciente, foi de uma abordagem multidisciplinar dividida em três etapas. A primeira seria a reconstrução do
rebordo alveolar da maxila através da enxertia óssea autógena proveniente de crista ilíaca anterior, sob anestesia
geral. A segunda etapa implicaria na instalação de implantes dentários osseointegráveis, sob anestesia local, quatro meses após o primeiro procedimento. Finalmente, após o período de osseointegração dos implantes, e com
próteses dentárias provisórias implanto-suportadas fixadas em classe III de Angle, a paciente seria submetida
a uma cirurgia ortognática, sob anestesia geral, para correção posição esquelética da maxila. O tratamento foi
executado conforme planejado, não ocorrendo nenhuma intercorrência. A paciente encontra-se em acompanhamento pós-operatório de dois anos, sem queixas, com oclusão estável e satisfeita com o resultado do tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
75
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
711 – ENTENDIMENTOS DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO
PAULO SOBRE A COBERTURA DE CIRURGIA ORTOGNÁTICA
PELOS PLANOS DE SAÚDE
Autores: MARILIA DE OLIVEIRA COELHO DUTRA LEAL (*) (UNICAMP);GILBERTO PAIVA DE CARVALHO (UFRR);
RUBENS GONÇALVES TEIXEIRA (SL MANDIC); CLÁUDIO ROBERTO PACHECO JODAS (SL MANDIC); EDUARDO
DARUGE JÚNIOR (UNICAMP)
Introdução: As solicitações de cirurgia ortognática na especialidade Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Faciais
(CTBMF) por parte dos pacientes é uma constante atualmente. De igual modo, o são as negativas de cobertura
por parte das operadoras de planos privados de assistência à saúde (OPPAS). Nesse contexto, há um incremento
da quantidade de processos, o que aumenta proporcionalmente a importância do conhecimento das características dessas demandas no intuito de estabelecer uma orientação fundamentada para cirurgião buco maxilo facial
(Cbmf) nas suas solicitações de cirurgia. Em face de tal quadro, torna-se fundamental a verificação dos entendimentos dos Tribunais sobre a cobertura de cirurgias ortognáticas por parte das OPPAS, sobretudo se considerada
a inexistência de pesquisas que se preocupem em analisar o tema em âmbito local e/ou nacional. O objetivo desse
trabalho foi realizar um levantamento da jurisprudência no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) , no ano de
2014, a respeito das ações referentes à negativa de cobertura de cirurgia ortognática por OPPAS. O presente estudo foi realizado por meio de análise documental, utilizando-se a internet, com finalidade de fazer a pesquisa no
Tribunal de Justiça de São Paulo (instância de segundo grau). Fez-se o acesso à página: www.tjsp.jus.br; no campo
“Jurisprudência (Pesquisa livre) ” usou-se as palavras-chave: buco maxilo facial E plano de saude E negativa de
cobertura e no campo “Data do julgamento” digitou-se: “01/01/2014 até 31/12/2014”. Obteve-se 128 acórdãos
e leu-se um a um, na busca por processos referentes à solicitação de cirurgia ortognática. Elaborou-se uma planilha no programa Excel a fim de determinar os seguintes dados: nome do requerente/requerido, sexo, operadora
envolvida, data do julgamento, Comarca, número do processo e resultado da ação para o paciente (favorável/
desfavorável). Separou-se 59 acórdãos pertinentes à cirurgia ortognática, desse total: 57% dos casos são do sexo
feminino e 43% são do sexo masculino; a Unimed responde por 35% desses acórdãos, a Sul América por 32%
e os demais são de outras operadoras; no 1º semestre do ano têm 26 casos e no 2º existem 33; há 40 acórdãos
na Capital, dez em Campinas e os demais em outras Comarcas; somente dois casos foram desfavoráveis aos pacientes, nos outros 57, as decisões da Corte foram favoráveis. Portanto conclui-se que: há uma grande incidência
de acórdãos de cirurgia ortognática no TJSP em 2014; há prevalência de casos do sexo feminino; a Unimed é a
operadora com maior número de casos; há um maior número de processos no segundo semestre de 2014; a maior
parte das ações é da Capital, com 67% dos casos e 96% das decisões são favoráveis aos pacientes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
76
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
715 – AVALIAÇÃO CLÍNICA DAS DESORDENS
TEMPOROMANDIBULARES EM PACIENTES SUBMETIDOS À
CIRURGIA ORTOGNÁTICA
Autores: PAOLA FERNANDA COTAIT DE LUCAS CORSO (*) (UFPR);ALINE MONISE SEBASTIANI (UFPR); NELSON
LUIS BARBOSA REBELLATO (UFPR); DELSON JOÃO DA COSTA (UFPR); RAFAELA SCARIOT DE MORAES (UFPR)
Introdução: A relação entre as disfunções da articulação temporomandibular (DTM) e as deformidades dentofaciais tem sido amplamente debatida na literatura, da mesma forma, é discutido a influência da correção destas
deformidades com tratamento ortodôntico cirúrgico nestas disfunções. Foi realizado um estudo prospectivo no
qual todos os pacientes que foram submetidos a cirurgia ortognática no Serviço de Cirurgia e Traumatologia
buco-maxilo-faciais da Universidade Federal do Paraná, passaram por uma avaliação subjetiva e objetiva através
do uso de questionários e exame clínico no período prévio a cirurgia ortognática (T1) , no período pós-operatório
de quatro semanas (T2) e no período pós-operatório de seis meses (T3). Esses dados foram comparados com as
variáveis dos pacientes e com as variáveis cirúrgicas. A prevalência de DTM seis meses após a cirurgia ortognática foi significativamente menor. Pacientes portadores de má-oclusão Classe III apresentaram mais resultados
favoráveis. O gênero feminino apresentou maior prevalência de Desordens Musculares (DM) pré-operatórias.
Houve melhora significante das DM apenas de T2 para T3 e a melhora foi mais significativa no gênero masculino.
Pacientes com deformidades verticais apresentaram piora significativa das DM de T1 para T2. Houve diminuição
significante do estalido. Não houve diferenças importantes para deslocamento de disco e artralgia. A abertura
bucal com e sem dor teve piora de T1 para T2 e melhora de T1 e T2 para T3, ambas significativas. Os pacientes
submetidos a cirurgia de maxila isolada apresentaram melhor abertura bucal pós-operatória, assim como os
submetidos a fixação com parafusos monocorticais. A cirurgia ortognática influencia positivamente a disfunção
temporomandibular, apresentando melhores resultados em pacientes com má-oclusão Classe III.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
77
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
738 – APARELHO DISJUNTOR DE BATTISTETTI: UMA
NOVA PROPOSTA EM EXPANSÃO RÁPIDA DE MAXILA
CIRURGICAMENTE ASSISTIDA
Autores: FLAVIO H. SILVERA TOMAZI (*) (PUC/RS);CLAITON HEITZ (PUC/RS); RICARDO AUGUSTO CONCI (PUC/
RS); GUILHERME BATTISTETTI (UNIOESTE/PR); MARCELO MATOS ROCHA (UFMG/MG)
Introdução: A Expansão Rápida de Maxila Cirurgicamente Assisitida (ERMCA) é uma modalidade cirúrgica indicada para corrigir discrepâncias transversais entre os maxilares. Essa discrepância se manifesta, principalmente,
através de mordida cruzada posterior, corredor bucal acentuado e apinhamento dental. Existem vários tipos de
técnicas e dispositivos usados para promover a separação sagital das maxilas, sendo os mais comuns os dispositivos de Hyrax e Hass, que são dento-suportados ou muco-dento-suportados. Alguns modelos de dispositivos
ósseo-suportados também são relatados na literatura, porém seu custo elevado acaba inviabilizando o uso em
muitos casos. Battistetti, junto com nossa colaboração, desenvolveu um aparelho ósseo suportado personalizado
através de solda de placas de aço a um torno central que é instalado sob a mucosa, diretamente no osso do palato para auxiliar a ERMCA, especialmente em pacientes edentados ou com problemas periodontais. O aparelho
disjuntos de Battistetti apresenta um custo muito inferior quando comparado aos dispositivos ósseo-suportados
presentes no mercado, o que favor e ao acesso dos pacientes. O dispositivo encontra-se em fase de testes, e esperamos em breve, lançá-lo no mercado para benefício da comunidade científica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
78
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
755 – AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES
SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOGNÁTICA
Autores: WANDERLEY DA SILVA FÉLIX JUNIOR (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ);PAOLA FERNANDA
COTAIT DE LUCAS CORSO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); LEONARDO SILVA BENATO (UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ); NELSON LUIS BARBOSA REBELLATO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); LEANDRO EDUARDO KLUPPEL (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ)
Introdução: O objetivo do estudo foi avaliar o estado nutricional através de dados antropométricos e percentual
de perda de peso de 36 pacientes submetidos à cirurgia ortognática nos períodos pré e pós operatório de 10, 40
e 90 dias. Materiais e Métodos: Estudo clínico prospectivo longitudinal com pacientes cirúrgicos, portadores de
deformidade dentofacial. Foram aferidos Peso Atual (PA) e estatura. Com o resultado obtido do peso atual, foram
calculados os percentuais de perda de peso involuntária. A gravidade da perda de peso foi classificada como moderada quando entre 1-2% e intensa quando superior a 2%, valores inferiores foram desconsiderados. Os valores
obtidos de peso e estatura foram utilizados para o cálculo do IMC, obtido a partir da divisão da medida do peso
aferido pela medida da altura aferida ao quadrado. Resultados: Ao confrontar os dados dos pacientes submetidos
à cirurgia monomaxilar com os das cirurgias bimaxilares percebemos que não há diferença estatística, tanto no
IMC, quanto na perda de peso, nos diferentes tempos, pós operatório, 10, 40, e 90 dias. O peso e o IMC foram
similares entre os grupos nas quatro avaliações realizadas (p=0,754 e p=0,671) , bem como, o %PP foi semelhante
entre os tempos de PO (p=0,163). Entre os grupos avaliados, de indivíduos submetidos à cirurgia monomaxilar e bimaxilar, o %PP foi semelhante entre todos os tempos avaliados (PO de 10 dias, p=0,074; PO de 40 dias,
p=0,531 e PO de 90 dias, p=0,131; Porém percebemos uma porcentagem expressiva de perda de peso intensa,
com mais de 2% de 95% nas cirurgias monomaxilares e 100% nas bimaxilares num pós operatório de 10 dias.
Conclusões: Os pacientes têm uma perda de peso corporal considerável nos primeiros 10 dias de pós operatório,
que se mantém até o 40º dia, e retomam aos níveis normais entre o 60º e 90º dia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
79
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
764 – RECONSTRUÇÃO DA ARTICULAÇÃO
TÊMPOROMANDIBULAR COM PRÓTESE CUSTOMIZADA:
RELATO DE CASO.
Autores: ANDRE LUIS CHIODI BIM (*) (UFSC);MATHEUS SPINELLA (UFSC); MURILO CHIARELLI (HOSPITAL GOVERNADOR CELSO RAMOS); MARCOS PITTA (); JOSÉ NAZARENO GIL (UFSC)
Introdução: A artrite reumatoide é a doença autoimune mais comum que afeta a articulação temporomandibular
dentre outras doenças inflamatórias sistêmicas como psoríase, lupus eritematoso, espondilite anquilosante e
gota. Geralmente causam progressiva reabsorção das estruturas articulares resultando em retrognatismo mandibular, perda de dimensão vertical do ramo mandibular, plano oclusal alto, oclusão classe II, mordida aberta
anterior e desarranjo articular seguido de cefaléia constantes, dor, estalos, trismo e perda da função mastigatória.
Embora inicialmente predomine o processo de reabsorção, nos estágios finais a anquilose pode estar presente
devido à hipomobilidade prolongada. Através da ressonância magnética e tomografia computadorizada podemos
constatar a reabsorção e estreitamento médio-lateral do côndilo, reabsorção da eminência articular e o disco
articular que frequentemente encontra-se envolto de tecido reacional. O tratamento mais previsível da articulação temporomandibular em pacientes com artrite reumatoide consiste em reconstrução com prótese bilateral,
coronoidectomia bilateral, cirurgia ortognática com rotação anti-horário do plano oclusal e avanço mandibular.
Existem outras opções de tratamento como o uso de enxertos autógenos como retalhos de fáscia e músculo temporal, enxertos costocondrais e osteotomia vertical de ramo, entretanto por se tratar de uma doença autoimune o
sucesso e a estabilidade a longo prazo torna essas técnicas pouco utilizadas. A reconstrução da ATM com material
aloplástico é a melhor opção, pois elimina a progressão da doença, melhora a função e estética, podendo reduzir
ou eliminar a dor. O objetivo do trabalho é demonstrar as características da doença e todo planejamento cirúrgico
para obtenção de resultados previsíveis visando restabelecer a função, respiração e estética.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
80
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
769 – QUEILOPLASTIA PRIMÁRIA SEGUIDA DA INSTALAÇÃO DE
DISPOSITIVO NASAL: RELATO DE CASO CLÍNICO.
Autores: RAQUEL BASTOS VASCONCELOS (*) (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);JOSÉ FERREIRA DA CUNHA
(HOSPITAL ALBERT SABIN); ASSIS FELIPE MEDEIROS ALBUQUERQUE (HOSPITAL ALBERT SABIN);
Introdução: A fissura labiopalatina é a quarta maior deformidade encontrada em recém nascido e mais comum
defeito congênito da face. Por sua alta incidência, requer uma atenção e cuidados especiais, já que as fissuras
labiopalatinas podem potencialmente ter significativas consequências para esses pacientes no decorrer da sua
vida, devido a problemas estéticos, funcionais e sociais. As cirurgias de queiloplastia para tratamento de fissuras
labiais, estão em constante evolução técnica a procura de um resultado estético e funcional cada vez melhor, haja
visto que os resultados obtidos demostram que o labio curto com deformidade remanescente, que é uma das
características do paciente portador de fissura labio palatina, vêm se utilizando algumas manobras de rinoplastia juntamente com a primeira cirurgia, proporcionando assim um resultado satisfatório durante a infância. Os
princípios delineados para manipulação dos tecidos moles evoluíram gradativamente e integram-se ao arsenal
de princípios da cirurgia plástica moderna. De acordo com a literatura, deve-se realizar um acompanhamento
do paciente até os dezoito anos de idade sendo a queiloplastia a primeira cirurgia a ser realizada, em geral aos 3
meses de idade e com o intuito de diminuir os procedimentos cirúrgicos, a rinoplastia vem sendo utilizada com o
primeira etapa cirúrgica . O objetivo desse trabalho é apresentar um caso de uma paciente I.S.S., sexo feminino,
apresentando dois anos de idade, portadora de fissura labiopalatina transforame procurou o serviço de Cirurgia
do Hospital Infantil Albert Sabin para tratamento cirúrgico primário. Foi utilizada a técnica de queiloplastia de
Fisher com rinoplastia, associada à cirurgia foi instalado um dispositivo nasal, com intuito de manutenção do resultado da rinoplastia realizada .A paciente encontra-se com 6 meses de pós-operatórios, em queixas e com bom
resultado estético e manutenção do arcabouço nasal após a remoção do dispositivo nasal.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
81
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
773 – PLANEJAMENTO VIRTUAL 3D EM CIRURGIA
ORTOGNÁTICA
Autores: FRANCISCO CLOVIS ROMBE FILHO (*) (FMSLM);SÉRGIO LUIS DE MIRANDA (HIAE); ROBERTO MORENO
(HIAE); RAFAEL ALVES DE MIRANDA (HIAE); ADONAI CHEIN JUNIOR (HIAE)
Introdução: A cirurgia ortognática deixou de ser um procedimento com finalidade exclusivamente funcional e a
estética facial consagrou-se como um dos objetivos mais importantes da cirurgia e da ortodontia. A evolução dos
conceitos envolvidos no diagnóstico e plano de tratamento tem crescido incomparavelmente. As metas para o
tratamento dos pacientes tornaram-se mais amplas, levando ao desenvolvimento de novas ferramentas de diagnóstico. Dentre elas, destaca-se o planejamento cirúrgico digital em três dimensões, o qual proporciona maior
previsibilidade e padronização de toda base de dados clínica. Considerando a análise clínica soberana e imprescindível ao planejamento de sucesso, mas podemos hoje incluir a previsão dos planejamentos virtuais como um
fator decisivo neste processo. Os guias cirúrgicos, antes produzidos por meio de cirurgias de modelos em gesso,
hoje podem ser realizados por softwares com a prototipagem de guias cirúrgicos e polímeros, somente com a
supervisão do cirurgião. Este trabalho tem como objetivo a apresentação de um caso clínico com a utilização do
planejamento cirúrgico virtual em 3D.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
82
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
782 – OSTEOTOMIA LE FORT II PARA CORREÇÃO DE
DEFORMIDADE DENTOFACIAL TIPO CLASSE III
Autores: THIAGO VINÍCIUS RODRIGUES REIS (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ);CAMILA DE OLIVEIRA
TOMAZ (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); LEANDRO EDUARDO KLUPPEL (UNIVERSIDADE FEDERAL DO
PARANÁ); DELSON JOÃO DA COSTA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); NELSON LUIS BARBOSA REBELLATO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ)
Introdução: A cirurgia ortognática da maxila foi descrita primeiramente, em 1859, por Von Langenback. Em
1901, Le Fort publicou sua clássica descrição dos planos naturais da fratura maxilar. Em 1927, Wassmund, fez a
primeira descrição da osteotomia Le Fort I para a correção de deformidades do terço médio da face. As osteotomias que se estendem à tradicional de Le Fort I têm sido chamadas por muitos nomes. A utilização deste grupo
de osteotomias é muito limitada, em relação à expansão, e os movimentos rotacionais e de torque (MILORO,
2008). Este trabalho visa relatar um caso de tratamento orto-cirúrgico para correção de deformidade dento-facial
tipo classe III resultante de sequela de fratura do terço médio da face. O tratamento proposto foi a osteotomia
Le Fort II. Foi utilizado acesso bicoronal, palpebral inferior e intra-oral e fixação com placas e parafusos sistema
2.0. O paciente encontre-se satisfeito com a estética, relata melhora mastigatória, respiratória e fonatória e não
apresenta queixa oftálmica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
83
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
802 – REOPERAÇÃO DE CIRURGIA ORTOGNÁTICA MAL
SUCEDIDA: RELATO DE CASO CLINICO
Autores: LUIS FERNANDO AZAMBUJA ALCALDE (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP);EDUARDO SANT´ANA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP); RENATO YASSUTAKA FARIA YAEDÚ (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP); LETÍCIA LIANA CHIHARA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE
BAURU - USP); (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP)
Introdução: A cirurgia ortognática consiste na correção de deformidades ósseas dos maxilares em relação à base
do crânio buscando a melhoria das funções de mastigação, deglutição e respiração, assim como proporcionar ao
paciente um equilíbrio facial harmônico. Análise de modelos, análise cefalométrica e análise facial em conjunto
devem proporcionar os pilares para um diagnóstico de sucesso. Quando o diagóstico fica aquém do desejado o
plano de tratamento não será o ideal acarretando em problemas no trans e/ou pós operatório.O presente trabalho
relata o caso da paciente V.M.S. do gênero feminino, 19 anos, leucoderma, a qual foi encaminhada ao ambulatório de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Faculdade de Odontologia de Bauru – USP com queixa
principal de ´´queixo torto``. A paciente relatava já ter sido operada duas vezes por outra equipe. Uma primeira
cirurgia ortognática para correção da deformidade dentofacial e uma segunda cirurgia com o intuito de debelar
uma infecção pós operatoria. A mesma relatava nao estar satisfeita com o resultado da cirurgia. Após anamnese
detalhada, análise facial, análise cefalometrica com tomografia e exame dos medelos de gesso, observou-se laterognatismo mandibular à esquerda bem como excesso vertical de maxila à direita. A paciente foi submetida a cirurgia ortognática para correção da deformidade dentofacial através da técnica de osteotomia le fort I de maxila e
osteotomia sagital bilateral com fixação interna rigida hibrida mais mentoplastia. O presente trabalho tem como
objetivo relatar uma reoperação de uma cirurgia ortognática mal sucedida com o uso de enxerto heterógeno e
fixação interna rígida híbrida. Palavras-chave: Cirurgia Ortognática, Osteotomia Sagital do Ramo Mandibular,
Assimetria facial
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
84
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
807 – EFICÁCIA DA TERAPIA A LASER DE BAIXA INTENSIDADE
NA REDUÇÃO DO EDEMA, DOR E PARESTESIA NO PÓS
OPERATÓRIO DE CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS: ESTUDO
RANDOMIZADO DUPLO CEGO CRUZADO
Autores: ITALO CORDEIRO DE TOLEDO (*) (HOSPITAL DAS CLINICAS UFG);GIOVANNI GASPERINI (HOSPITAL
DAS CLINICAS UFG);
Introdução: Este estudo teve como objetivo verificar a eficácia do uso de um protocolo de terapia laser de baixa
intensidade para redução do edema, dor e disturbios neurossensoriais após cirurgias ortognáticas. Dez pacientes
foram submetidos a osteotomia sagital bilateral com osteotomia Le Fort I recebendo aplicação da terapia laser de
baixa intensidade em um dos lados e foram avaliados num periodo de 60 dias. O protocolo utilizado foi aplicação
intra oral (&#955; = 660 nm (vermelho) , ED = 5J/cm2, t = 10 s / ponto, P = 20 mW, E = 1,2 J por ponto) e extra
oral (&#955; = 789 nm de infravermelho) , DE = 30J/cm2, t = 20 s / ponto, P = 60 mW, E = 1,2 J por ponto) nos
três primeiros dias pós operatorios . Depois do quarto dia, dez aplicações intra-orais e extra-orais foram realizadas (&#955; = 780nm (IR) , DE = 70J/cm2, P = 70 mW, t = 40 / ponto, E = J 2,8, por ponto). Os dados pós operatorios entre os lados irradiados e não irradiados foram comparados e submetidos ao teste estatístico de Wilcoxon.
Houve a recuperação da sensibilidade do labio inferior nos dois lados, mas no lado irradiado, essa recuperação
foi mais rápida. O edema foi avaliado através do coeficiente de edema e a dor através de uma escala analogical
visual. Não houve diferença estatisticamente significante entre o edema e a dor na avaliação imediatamente após
a cirurgia entre os dois lados. O edema foi significantemente menor no lado irradiado nas outras avaliações pós
operatórias (2.15 para 0.21) e lado não irradiado (2.72 para 1.29). A percepção de dor foi menos intensa do lado
irradiado em 24 horas (1.20 vs 3.4) e 3 dias (0.60 vs 2.10) , mas a partir do sétimo dia não observou-se dor xiii em
nenhum dos lados. O protocolo de terapia laser de baixa intensidade aqui descrito melhora a resposta dos tecidos
e reduzir a dor e inchaço resultante de cirurgias ortognáticas e acelerar a recuperação de distúrbios neurossensoriais resultantes da osteotomia sagital bilateral do ramo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
85
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
813 – BENEFICIO ANTECIPADO EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA:
RELATO DE CASO.
Autores: JÉSSIKA SOUZA DE CARVALHO (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA);LÍVIA MARIA
ANDRADE DE FREITAS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA); ADRIANO FREITAS DE ASSIS
(ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); MATHEUS MELO PITHON (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO
SUDOESTE DA BAHIA); RICARDO ALVES DE SOUZA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA)
Introdução: O tratamento de deformidades dentofaciais severas é um desafio para ortodontia. Angle (1903) já
afirmava que o método para correção desse tipo de deformidade seria a combinação de ortodontia e cirurgia. A
cirurgia ortognática trata das deformidades dentofaciais e tem se tornado escolha para esses pacientes. O tratamento é multidisciplinar possibilitando a correção da oclusão inadequada, melhora da condição respiratória,
elevação da autoestima, maior satisfação com a estética facial e dental e resolução de possíveis dores musculares e/ou articulares. O tratamento ortodôntico convencionalmente feito é baseado: no diagnóstico, preparo
ortodôntico pré-cirúrgico, cirurgia propriamente dita e finalização ortodôntica. Este método tem sido usado há
décadas e tem demonstrado efetividade. Porém, durante este preparo, o paciente aguarda cerca de 1 ano e meio
até a cirurgia, e muitas vezes observa-se piora no quadro estético. Na busca por minimizar este período de espera
do paciente, introduziu-se um novo método chamado: Beneficio Antecipado. Este protocolo baseia-se em, após
o diagnóstico orto-cirúrgico, planejar todas as fases do tratamento, montar o aparelho ortodôntico e operar o
paciente. Então, depois se realiza o tratamento ortodôntico propriamente dito. O beneficio antecipado corrige
a posição das bases ósseas e desequilíbrio de tecidos moles e auxilia na movimentação dentária, por o período
pós-cirúrgico ter um turnover metabólico. Este relato de caso conduz o tratamento pela abordagem do beneficio
antecipado. Paciente S.R., 35 anos, leucoderma, mesofacial, com perfil demasiadamente convexo, bi-retruso, padrão facial de Classe II e má-oclusão dentária de Angle de Classe I, com apinhamento moderado. O planejamento
seguiu-se com: Osteotomia tipo Le Fort I com segmentação (3 segmentos) entre lateral e canino, avanço de 5
mm e intrusão anterior de 2 mm em maxila. Osteotomia sagital bilateral do ramo mandibular, avanço de 8 mm
em mandíbula. E osteotomia horizontal basilar do mento com avanço de 4 mm. Em resumo, para minimizar o
tempo de tratamento, número de cirurgias e possibilitar ao paciente a redução de custos, desconforto de dois
pós-operatórios, além dos benefícios já citados, foi proposto a realização da cirurgia com beneficio antecipado,
proporcionando assim melhorias estéticas e funcionais ao paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
86
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
822 – AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E DO STRESS DE
DIFERENTES MÉTODOS DE FIXAÇÃO INTERNA ESTÁVEL
UTILIZADOS EM OSTEOTOMIA SAGITAL DOS RAMOS
MANDIBULARES: ANÁLISE ATRAVÉS DE ELEMENTOS FINITOS
Autores: BRUNO VIEZZER FERNANDES (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ);DIEGO JOSÉ STRINGHINI
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); WANDERLEY DA SILVA FÉLIX JR. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); RAFAELA SCARIOT (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); DELSON JOÃO DA COSTA (UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ)
Introdução: A estabilização dos segmentos ósseos após a osteotomia sagital dos ramos mandibulares (OSRM) tem
evoluído com as diferentes técnicas de fixação disponíveis atualmente. A fixação interna estável (FIE) utilizando sistemas de placas e parafusos tem sido usada mundialmente durante os últimos 20 anos, apresentando altas taxas de
sucesso clínico. Vários sistemas de fixação podem ser utilizados, através de placas e parafusos. Os sistemas de placas
e parafusos locking foram introduzidos recentemente apresentando vantagens quando comparados com o sistema
convencional. Dentre as vantagens do sistema locking temos a menor perda de parafusos, melhor estabilidade, menor
necessidade de adaptação da placa e menor alteração da relação oclusal. Muitos estudos tem sido desenvolvidos para
avaliar a utilização deste novo sistema avaliando a estabilidade após a OSRM. Objetivos: O propósito deste estudo é
avaliar por meio de análise com elementos finitos o stress mecânico e estabilidade sobre o material de fixação com a
utilização de nove diferentes formas de osteossíntese após OSRM. Materiais e Métodos: Um modelo tridimensional
de uma hemimandíbula foi obtido a partir de uma imagem tomográfica. A fim de obter um modelo tridimensional
simétrico, a mesma foi espelhada. Todas as irregularidades desta imagem foram removidas, uma OSRM foi simulada
e um avanço de 5 mm do segmento distal foi realizado. A partir deste modelo, nove diferentes tipos de FIE foram avaliados. As forças foram aplicadas nas inserções dos músculos da mastigação e um anteparo foi colocado sobre a oclusal
dos dentes, permanecendo as cabeças mandibulares como eixo de rotação. Os valores dos intervalos do stress sobre as
placas e parafusos foram verificados em cada método de fixação. O deslocamento entre os segmentos osteotomizados
foi verificado através de intervalos milimétricos. Resultados: Como sugerido pela literatura os parafusos bicorticais
dispostos em L invertido obtiveram o menor deslocamento, já o modelo com a menor tensão foi o com duas placas
convencionais. Os resultados mostraram que as tensões foram melhor distribuídas através das placas locking, e que os
parafusos do tipo locking apresentaram maior concentração de tensões. Os valores de deslocamento nos modelos com
placas locking foram menores, quando comparados aos das placas convencionais. Conclusão: As placas do sistema locking quando usadas para fixação das OSRM suportam tensões maiores quando comparadas as placas convencionais,
o que acarreta em um menor deslocamento dos segmentos osteotomizados quando submetidos a cargas semelhantes
às exercidas pelos músculos da mastigação. Palavras-Chave: Fixação interna de fraturas; Osteotomia sagital do ramo
mandibular; Análise de elementos finitos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
87
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
877 – SEQUÊNCIA CIRÚRGICA DE HIPERPLASIA CONDILAR
ATIVA
Autores: CARLOS EDUARDO CHRZANOWSKI PEREIRA DE SOUZA (*) ();MIGUEL ÂNGELO RIBEIRO SCHEFFER ();
RENATO SCHRODER DOS SANTOS (); (); ()
Introdução: Muitas das assimetrias faciais podem ser originadas devidos a distúrbios de crescimento. Uma das
principais áreas de crescimento mandibular é o côndilo mandibular, e quando este desenvolvimento ocorre de
forma exacerbada, denominamos de hiperplasia condilar. A Hiperplasia condilar (HC) pode ser originária de vários fatores como um simples desenvolvimento exagerado do côndilo mandibular ou como um desenvolvimento
neoplásico nessa área. Dependendo da velocidade e época que esta condição ocorre, a assimetria pode comprometer todo o complexo maxilomandibular. Algumas opções de tratamento são disponíveis para as hiperplasias
condilares, no entando é consenso que a remoção do centro de crescimento, quando este está ativo, é unânime,
quando objetivamos um tratamento com estabilidade esquelética. Este trabalho visa discutir os aspectos da hiperplasia condilar, bem como apresentar uma sequência cirúrgica para a assimetria facial decorrente de hiperplasia condilar ativa. A paciente, do gênero feminino, com 28 anos, apresentava-se com deformidade maxilomandibular progressiva, evoluindo para dor articular não-provocada e má-oclusão. O diagnóstico foi obtido através
de exame clínico e de imagem. Após constatada a hiperplasia condilar ativa, a paciente foi submetida à cirurgia
articular para remoção do centro de crescimento, discopexia, cirurgia ortognática combinada e mentoplastia. Em
um período de acompanhamento de 11 meses, a paciente encontra-se com estabilidade esquelética e satisfeita
com o resultado estético-funcional. A cirurgia articular, concomitante a cirurgia ortognática é capaz de prover um
resultado favorável e estável para as assimetrias faciais decorrentes da hiperplasia condilar
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
88
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
888 – AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOGNÁTICA ENTRE 2011 E 2013
EM SALVADOR-BA.
Autores: DEYVID DA SILVA REBOUÇAS (*) (ESCOLA BAHAINA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);DIEGO MAIA
DE OLIVEIRA BARBOSA (ESCOLA BAHAINA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); ADRIANO SILVA PEREZ (ESCOLA
BAHAINA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); FERNANDO BASTOS PEREIRA JUNIOR (ESCOLA BAHAINA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); ADRIANO FREITAS DE ASSIS (ESCOLA BAHAINA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: A cirurgia ortognática tem como objetivo a correção de deformidades maxilofaciais através de movimentações cirúrgicas das estruturas esqueléticas e dos elementos dentários. Esta forma de tratamento pode
promover melhora das alterações funcionais devido a obtenção de uma mastigação adequada, restabelecimento
das funções fonéticas e respiratórias, além da promoção de harmonia facial. Porém, para se obter o sucesso no
tratamento, deve-se considerar, principalmente, a satisfação do paciente. O objetivo deste trabalho é avaliar a
satisfação dos pacientes que foram submetidos à cirurgia ortognática no período de 2011 até 2013, através de
um estudo transversal realizado no serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Escola Bahiana de
Medicina e Saúde Pública localizado na cidade de Salvador-BA. Aplicou-se um questionário estruturado em 36
pacientes, realizou-se uma análise descritiva para caracterizar a amostra quanto aos dados biográficos, padrão
facial, satisfação geral e específica, antes e após a cirurgia, obteve-se as médias dos valores atribuídos aos aspectos
estética, mastigação, respiração e fonação para o período anterior e posterior à cirurgia e calculou-se a diferença
das médias dos dois momentos. O Teste t. pareado foi utilizado para avaliar a significância estatística da diferença
das médias da amostra total, separadas por gênero, classificação dento-esquelética e faixa etária e o Teste Anova
para identificar se havia diferença com significância estatística entre os estratos. Observou-se que a cirurgia ortognática proporcionou melhora em todos os quesitos avaliados e encontrou-se diferença entre o período posterior e o anterior com significância estatística para os aspectos estética e mastigação entre os gêneros masculino
e feminino, portadores de deformidade classe II e III e em todas as faixas etárias dos indivíduos estudados e da
amostra total. Palavras-chave: Cirurgia Ortognática, Satisfação do Paciente, Anormalidades Maxilofaciais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
89
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
894 – TRATAMENTO CIRÚRGICO EM PACIENTE PADRÃO III COM
DEFICIÊNCIA MAXILAR VERTICAL
Autores: LUIDE MICHAEL RODRIGUES FRANÇA MARINHO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI);JULIO CESAR
DE PAULO CRAVINHOS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); MARCUS BARRETO VASCONCELOS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); INGRID MADEIRA DE BARROS NUNES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); ALAN
LEANDRO CARVALHO DE FARIAS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI)
Introdução: O desenvolvimento apropriado da forma e função craniofaciais é um processo complexo e sujeito a
intervenções por muitos fatores que podem provocar alterações no padrão de crescimento; resultando em uma
morfologia anormal do esqueleto facial e uma má-oclusão associada. Estas deformidades dentofaciais necessitam
de intervenção conjunta da ortodontia e cirurgia ortognática para que resultados estéticos e funcionais sejam alcançados. A face, por ser formada de um conjunto estrutural complexo que envolve ossos, tecidos moles, dentes e
outros órgãos deve ser bem analisada antes de qualquer intervenção cirúrgica; uma vez que alterações realizadas
repercutirão em todas as estruturas associadas. A análise facial é um procedimento individualizado que permite
a definição do padrão facial do indivíduo, classificando a desordem esquelética e/ou dentária e possibilitando um
planejamento das alterações desejadas e sua repercussão às estruturas faciais. Em um paciente que apresenta
um padrão de deficiência maxilar vertical associada à deformidade mandibular, a classe III esquelética revela um
excesso relativo ou absoluto da mandíbula. A maxila, hipoplásica no sentido vertical, também apresenta-se deficiente no sentido ântero-posterior. Os aspectos principais deste padrão, que podem ser enumerados numa vista
frontal, são uma face curta, com redução acentuada no terço inferior, exposição negativa dos incisivos superiores
em repouso, sorriso com pouca expressão dos dentes superiores, sulco nasogeniano profundo e sulco mentolabial profundo. As características em perfil são o terço inferior encurtado, lábio inferior retraído, projeção do mento deficiente e profundidade do sulco mentolabial. A correção cirúrgica deste padrão de deformidade se dá pela
técnica de rebaixamento da maxila por meio da osteotomia total do tipo Le Fort I e Osteotomia Sagital Bilateral
do Ramo Mandibular para correção do posicionamento mandibular, caso haja necessidade de reposicionamento
desta; associada a aplicação de fixação interna através de placas e parafusos, o que permite uma significativa
sobreposição óssea, adequada cicatrização e estabilidade pós-operatória. Este trabalho tem por objetivo relatar
o tratamento cirúrgico de um paciente portador de deformidade dento-esquelética padrão III, com deficiência
maxilar vertical. O paciente foi submetido a procedimento cirúrgico que consiste no giro horário do plano oclusal
para correção da deficiência vertical/ântero-posterior maxilar e reposicionamento mandibular. O pós-operatório
tem apontado para um bom resultado, com significativa melhora do padrão dento-esquelético, oclusão final mantida, estável, sem queixas álgicas em região pré-auricular e quaisquer outras alterações dignas de nota.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
90
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
897 – TRATAMENTO CIRÚRGICO EM PACIENTE PADRÃO III COM
DEFICIÊNCIA MAXILAR ÂNTERO-POSTERIOR
Autores: LUIDE MICHAEL RODRIGUES FRANÇA MARINHO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI);JULIO CESAR
DE PAULO CRAVINHOS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); INGRID MADEIRA DE BARROS NUNES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); JOANALVA CLAUDINO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI);
Introdução: O desenvolvimento apropriado da forma e função craniofaciais é um processo complexo e sujeito a
intervenções por muitos fatores que podem provocar alterações no padrão de crescimento; resultando em uma
morfologia anormal do esqueleto facial e uma má-oclusão associada. Estas deformidades dentofaciais necessitam
de intervenção conjunta da ortodontia e cirurgia ortognática para que resultados estéticos e funcionais sejam alcançados. A face, por ser formada de um conjunto estrutural complexo que envolve ossos, tecidos moles, dentes e
outros órgãos deve ser bem analisada antes de qualquer intervenção cirúrgica; uma vez que alterações realizadas
repercutirão em todas as estruturas associadas. A análise facial é um procedimento individualizado que permite
a definição do padrão facial do indivíduo, classificando a desordem esquelética e/ou dentária e possibilitando um
planejamento das alterações desejadas e sua repercussão às estruturas faciais. Em um paciente que apresenta deformidade dento-esquelética padrão III de grande magnitude, uma combinação do excesso mandibular A-P com
a deficiência maxilar A-P é muito comum. Os aspectos principais deste padrão que podem ser enumerados são o
achatamento e concavidade das regiões malar e paranasal, nariz grande, abertura do ângulo nasolabial, perda de
suporte do lábio superior, possível pseudo- exoftalmia, mento posicionado para anterior, região submentoniana longa e ângulo cervical fechado. A correção cirúrgica deste padrão de deformidade se dá por meio de avanço
maxilar pela técnica de osteotomia total do tipo Le Fort I e Osteotomia Sagital Bilateral do Ramo Mandibular
para recuo da mandíbula; associada a aplicação de fixação interna através de placas e parafusos, o que permite
uma significativa sobreposição óssea, adequada cicatrização e estabilidade pós-operatória. Este trabalho tem por
objetivo relatar o tratamento cirúrgico de um paciente portador de deformidade dento-esquelética padrão III, associada à deformidade maxilar anteroposterior. O paciente foi submetido a procedimento cirúrgico que consistiu
em avançar a maxila, e promover um giro anti-horário da mandíbula e em seguida, a realização de mentoplastia.
O pós-operatório tem apontado para um bom resultado, com significativa melhora do padrão dento-esquelético,
oclusão final mantida, estável, sem queixas álgicas em região pré-auricular e quaisquer outras alterações dignas
de nota.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
91
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Distracção osteogênica
125 – RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR APÓS
HEMIMANDIBULETOMIA EM PACIENTE PEDIÁTRICO COM USO
DE DISTRAÇÃO OSTEOGÊNICA, RELATO DE CASO.
Autores: RODRIGO GONÇALVES (*) (SANTA CASA DE PIRACICABA);PAULO AFONSO DE OLIVEIRA JR. (SANTA
CASA DE PIRACICABA); ARMANDO DE BARROS (SANTA CASA DE PIRACICABA); DANILO DRESSANO (SANTA
CASA DE PIRACICABA); FELIPE CALILE FRANCK (SANTA CASA DE PIRACICABA)
Introdução: A reconstrução mandibular em pacientes pediátricos apresenta um alto grau de dificuldade, pois
estes pacientes não possuem áreas doadoras para enxertos autógenos que com segurança possam ser utilizadas
sem afetar o padrão de crescimento nestas áreas, principalmente quando se trata de grandes reconstruções na
região maxilo-facial. Com o advento da distração osteogênica (DO) e as devidas adaptações para o esqueleto crânio-facial, abriram-se novas perspectivas de tratamento para estes pacientes, com a possibilidade de reduzir de
forma intensa as sequelas oriundas deste tipo de tratamento. No presente relato iremos abordar o tratamento de
um paciente pediátrico que foi submetido à ressecção de um tumor dois anos antes e apresentava grande defeito
ósseo segmentar em corpo e ramo mandibular e fratura da placa de reconstrução utilizada nesta primeira cirurgia. O paciente apresentava dor local, disfagia, dificuldade de abertura bucal. Foram realizados novos exames de
imagem, confeccionado um protótipo e em vista do quadro apresentado, o tratamento proposto foi a remoção da
placa fraturada, a instalação de uma nova placa de reconstrução, uma osteotomia no segmento mandibular distal,
após a instalação de um distrator mandibular, e a realização de distração osteogênica (DO) , para a formação de
um novo osso no corpo mandibular. Após o período de contenção, foi realizada a remoção do aparelho distrator
e preenchimento com substituto ósseo nos defeitos ainda apresentados. O paciente segue em acompanhamento
com nossa equipe. A distração osteogênica (DO) se mostrou uma opção eficaz na reconstrução mandibular em
pacientes pediátricos vítimas de patologias mutilantes. Palavras-chave: Distração osteogênica. Distração mandibular. Reconstrução mandibular. Paciente pediátrico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
92
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Distracção osteogênica
157 – TRANSPORTE ÓSSEO POR DISTRAÇÃO OSTEOGÊNICA
PARA RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR: RELATO DE 2 CASOS
CLÍNICOS.
Autores: LETÍCIA ALMEIDA CHEFFER (*) (SERVIÇO DE CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL DA UFBA/HSA-OSID/
HGE/HUPES);ANDERSON MACIEL (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); ARLEI CERQUEIRA (SERVIÇO DE
CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL DA UFBA/HSA-OSID/HGE/HUPES); WEBER CEO CAVALCANTE (SERVIÇO DE
CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL DA UFBA/HSA-OSID/HGE/HUPES);
Introdução: A reconstrução mandibular é um dos procedimentos mais desafiadores da Cirurgia Bucomaxilofacial, principalmente quando envolve reconstrução de grandes perdas ósseas. Atualmente existem vários procedimentos que se propõem à reconstrução mandibular, cada um com suas vantagens, desvantagens e limitações
específicas. Entretanto, seus resultados finais, ainda assim, são imprevisíveis e sujeitos a muitas variáveis. Uma
modalidade para reconstrução de grande perda da continuidade mandibular é a distração osteogênica (DO). O
presente trabalho tem como objetivo demonstrar a utilização da DO em dois casos de reconstrução após ressecção de tumores mandibulares benignos que causaram defeitos de continuidade mandibular maiores do que
8 centímetros e incluíram o arco central da mandíbula. A técnica de transporte ósseo envolve a criação de osso
e tecidos moles para preenchimento de um defeito à custa da movimentação de um disco de transporte ósseo,
com formação de novos tecidos ao longo da via percorrida até a fixação do disco ao osso hospedeiro. A distração
osteogênica (DO) é classificada de acordo com o número de segmentos ósseos como bifocal, trifocal, tetrafocal,
pentafocal e assim sucessivamente. Esta técnica está bem indicada para pacientes clinicamente comprometidos
que necessitam de cirurgia reconstrutiva sem grandes enxertias ósseas, como tratamento alternativo para reintervenção após insucesso de reconstruções com enxertos, para minimizar custos do procedimento e redução do
tempo de hospitalização. Além disso, a DO é realizada para reconstrução após remoção de tumores benignos,
defeitos devido lesões por projétil de arma de fogo, manejo de osteomielite e tratamento de má ou não união. A
DO é conhecida como processo de formação óssea entre duas superfícies obtidas por osteotomia sob forças de
tensão-estresse, envolvidas pelo periósteo e a preservação do mesmo deve ser considerada como fundamento
biológico mais importante para o sucesso deste procedimento. Os pacientes tratados por meio de transporte ósseo com DO apresentam uma melhor condição clínica em termos de neoformação óssea e de tecidos moles, cujas
características são idênticas as suas estruturas adjacentes. Assim, a qualidade e a quantidade de osso e mucosa
são ideais para instalação de implantes osteointegrados, permitindo uma reconstrução final estética e funcional,
com estabilidade a longo prazo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
93
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Distracção osteogênica
195 – AVALIAÇÃO DA VIA AÉREA NASAL EM PACIENTES
SUBMETIDOS A EXPANSÃO CIRÚRGICA ASSISTIDA DE MAXILA.
Autores: RENATA MOURA XAVIER DANTAS (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP/UPE);IVSON SOUZA CATUNDA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP/UPE); BELMIRO CAVALCANTI
DO EGITO VASCONCELOS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP/UPE); ANTÔNIO FIGUEIREDO CAUBI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP/UPE); MARCELO VICTOR OMENA CALDAS
COSTA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP/UPE)
Introdução: Na deficiência transversa da maxila a distância entre as paredes laterais da cavidade nasal e o septo
nasal está frequentemente diminuída. Esta diminuição acarreta uma maior resistência ao fluxo aéreo nasal com
consequente dificuldade respiratória nasal. A expansão maxilar cirurgicamente assistida (EMCA) é usada para
tratar essa discrepância. O objetivo do presente estudo foi identificar alterações na via aérea nasal em pacientes
que tenham sido submetidos a EMCA. Consistiu em um estudo prospectivo, com uma amostra de 10 pacientes
submetidos a EMCA, e que concordaram em participar em todas as fases do estudo. A aquisição de dados envolveu uso de questionários para avaliação subjetiva da permeabilidade nasal um questionário, espelho milimetrado
de Glatzel como método de mensuração objetiva da função nasal, e medidas angulares da válvula nasal interna
(VNI) , abertura intermaxilar, largura nasal (abertura piriforme) e a área nasal vista por tomografia computadorizada multislice em cortes perpendiculares ao fluxo aéreo na região da VNI, tanto no pré-operatório e pós-operatório. A largura nasal aumentou em todos os pacientes após EMCA (aumento médio: 1,29 mm). A abertura média
do espaço intermaxilar foi 5,30 mm. A via aérea nasal pós-operatória foi maior em oito pacientes (80%) , com um
aumento médio de 0,30 cm (2) (18,52%). Um aumento global significativo (P <0,05) no ângulo da válvula nasal
interna ocorreu no pós-operatório. A utilização do espelho de Glatzel revelou uma área menor de condensação
no pós-operatório em apenas um paciente. A via aérea nasal passou por uma mudança positiva após expansão
maxilar assistida cirurgicamente. Além disso, o ângulo de válvula nasal é sugerido como um novo parâmetro para
a análise desta melhoria.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
94
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Distracção osteogênica
700 – ESTUDO COMPARATIVO DIMENSIONAL TOMOGRÁFICO
DO CÔNDILO MANDIBULAR DE INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA
TRANSVERSAL DE MAXILA
Autores: EDUARDO STEDILE FIAMONCINI (*) (FOB - USP);ANDRÉA GUEDES BARRETO GONÇALES (FOB - USP);
EDUARDO SANCHES GONÇALES (FOB - USP); ANA LÚCIA ÁLVARES CAPELOZZA (FOB - USP);
Introdução: A deficiência transversal de maxila, caracteriza-se por mordida cruzada posterior unilateral ou bilateral, dentes apinhados e rotacionados e pelo formato ogival do palato. O tratamento em indivíduos adultos tem
sido realizado a partir da expansão de maxila cirurgicamente assistida (EMCA) , que resulta em efeitos esqueléticos e dentários no arco superior, com expectativa de efeitos no arco inferior. Neste estudo propõe-se avaliar
a ocorrência de alterações dimensionais nos côndilos mandibulares, de pacientes com deficiência transversal de
maxila submetidos a expansão cirurgicamente assistida em imagens obtidas por tomografias computadorizadas
de feixe cônico (TCFC) de catorze indivíduos com deficiência transversal de maxila, sendo cinco homens e nove
mulheres, com idades entre 24 e 28 anos. Na reformatação axial as medidas foram obtidas no sentido, póstero-anterior lateral, póstero-anterior central e póstero-anterior medial da superfície articular. Nas reformatações
coronais, mensurou-se os sentidos látero-medial superior, látero-medial inferior, látero-medial médio e súpero-inferior. Os valores obtidos e submetidos à análise estatística pelo teste t pareado. As medidas axial póstero-anterior lateral esquerda (-0,90mm) , coronal médio direita (-1,24mm) , coronal inferior esquerda (1,78mm) ,
coronal súpero-inferior direita (0,76mm) , axial póstero-anterior lateral (-0,74mm) e coronal inferior (-1,13mm)
apresentaram diferenças estatisticamente significantes. Após análise dos resultados obtidos na amostra estudada
conclui-se que em indivíduos com deficiência transversal de maxila e submetidos a EMCA, ocorreram alterações
dimensionais nos côndilos mandibulares, estas foram interpretadas como remodelação condilar fisiológica em
resposta a nova distribuição das forças mastigatórias, uma vez que caracterizaram-se tanto pelo aumento quanto
pela redução do côndilo, dependendo da posição da medida realizada.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
95
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Distracção osteogênica
750 – ANÁLISE TRIDIMENSIONAL TOMOGRÁFICA DO ESPAÇO
AÉREO FARÍNGEO DE INDIVÍDUOS SUBMETIDOS A EXPANSÃO
CIRURGICAMENTE ASSISTIDA DE MAXILA
Autores: EDUARDO STEDILE FIAMONCINI (*) (FOB - USP);VICTOR TIEGHI NETO (FOB - USP); EDUARDO SANCHES GONÇALES (FOB - USP); OSNY FERREIRA JÚNIOR (FOB - USP);
Introdução: A deficiência transversal da maxila caracteriza-se por mordida cruzada posterior unilateral ou bilateral, apinhamento e rotação dentais, além de palato ogival. Em adultos, seu tratamento é a expansão de maxila
cirurgicamente assistida (EMCA) , procedimento este que afeta não só os ossos, mas também os dentes, cavidade
nasal, espaço aéreo faríngeo, lábios e demais tecidos moles circundantes. O objetivo deste estudo foi avaliar, por
meio de análise retrospectiva 3D (volumétrica) , mudanças no espaço da via aérea faríngea após EMCA. Foram
realizadas mensurações pré e pós-operatórias em tomografias digitais volumétricas (CBCT) , por meio do software Dolphin Imaging 11,5, em 56 tomografias computadorizadas, em 4 períodos distintos (pré-operatório e
pós-operatórios de 15, 60 e 180 dias) , de 14 indivíduos que se submeteram a EMCA. Após coleta dos dados,
realisou-se análise estaística por meio do teste de Tukey, comparando as mudanças entre os períodos. Os resultados motraram ausência de diferenças estatisticamente significativas para o volume faríngeo total, nasofaríngeo
e faríngeo interior. No entanto encontrou-se diferença estatisticamente significativas (p<0,05) entre a porção
média do volume orofaríngeo no pós-operatório de 60 dias em relação ao pré-operatório, o que permitiu concluir
que a EMCA aumentou o volume da orofaringe, dos indivíduos envolvidos no estudo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
96
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
15 – OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA EM RECONSTRUÇÃO DE
MANDÍBULA COM ENXERTO AUTÓGENO DE CRISTA ILÍACA
ANTERIOR
Autores: JOAO FERNANDO VEIGA PIRES (*) (HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS);ANA CRISTINA BITTENCOURT
ARRUDA (HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS); ANGELA CRISTINA GONÇALVES TORRES (HOSPITAL NAVAL
MARCÍLIO DIAS); ALEXANDRE RAMALHO SALVATERRA (HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS); MARCOS VINICIUS
CORRÊA RAMOS (HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS)
Introdução: Todo paciente que apresente um defeito segmentar da mandíbula e que tenha condições clínicas adequadas
deve ser submetido a reconstrução mandibular. Sua indicação dependerá de fatores relacionados à lesão, ao paciente e
à necessidade de tratamentos adjuvantes. O padrão-ouro para reconstrução óssea mandibular consiste na utilização de
enxerto autógeno livre ou microvascularizado, com predileção pela crista ilíaca e fíbula respectivamente. No entanto,
um dos maiores desafios está na utilização de enxertos não vascularizados para reconstrução de defeitos maiores que
9 cm. Os retalhos de crista ilíaca e fíbula proporcionam maior quantidade de osso e são escolhidos no tratamento de
lesões que comprometem áreas extensas da mandíbula. O ilíaco apresenta uma forma que se adapta bem à curvatura lateral do arco mandibular, dispensando, muitas vezes, as osteotomias. Sua estrutura facilita o uso dos implantes
ósseointegrados. O uso da oxigenoterapia hiperbárica (OHB) surge, neste contexto, como uma excelente alternativa
complementar para as reconstruções ósseas, melhorando o prognóstico e aumentando a previsibilidade dos grandes
enxertos. Consiste na administração de oxigênio a 100% em uma pressão ambiente bem maior (geralmente próxima
de 2,5 ATA) do que a encontrada ao nível do mar, realizada no interior de câmaras hiperbáricas que podem ser individuais (hospedando apenas um paciente) ou múltiplas (com capacidade para hospedar vários pacientes). O caso clínico
relatado corresponde a uma paciente do sexo feminino de 21 anos de idade, com sequela devido à não consolidação da
osteotomia sagital de mandíbula no lado esquerdo para correção de deformidade dentofacial padrão III. A radiografia e
a tomografia computadorizada obtidas após 3 meses da realização do corte sagital e instalação de placas e parafusos de
titânio para realização do recuo mandibular, revelaram sequestro ósseo de um fragmento do segmento proximal que
se estendia da região de ângulo mandibular até molares inferiores. Foi realizado um segundo procedimento cirúrgico
com remoção do sequestro ósseo e placas e parafusos, seguidos da instalação de uma nova placa para manutenção
do volume ósseo e contorno mandibular. Seis meses depois, a paciente evoluiu com assimetria facial, maloclusão e
necessidade de um novo procedimento cirúrgico. O tratamento cirúrgico de escolha foi remoção da placa de titânio e
reconstrução mandibular com enxerto de crista ilíaca, placa de titânio 2.0 e tela reabsorvível. Como esquema de OHB,
a paciente foi submetida a 10 sessões hiperbáricas no pré-operatório e 20 sessões no pós-operatório. Seis meses após a
reconstrução mandibular, foi possível constatar uma neoformação óssea mandibular, além de preservação do contorno
mandibular e estética facial. A radiografia panorâmica revelou bom posicionamento do enxerto ósseo e manutenção
do volume ósseo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
97
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
18 – ESTUDO CLÍNICO RANDOMIZADO CONTROLADO DUPLO
CEGO PARA AVALIAÇÃO BIOLÓGICA DE DOIS SUBSTITUTOS
ÓSSEOS SINTÉTICOS
Autores: MARCELO JOSÉ PINHEIRO GUEDES DE UZEDA (*) (UFF);RODRIGO RESENDE (UFF); SUELEN SARTORETO (UFF); ADRIANA NOVELINO (UFF); MONICA CALASANS-MAIA (UFF)
Introdução: Enxertos autógenos têm sido a escolha ideal para regeneração de tecido ósseo em defeitos provocados por atrofias fisiológicas ou condições patológicas como traumas e tumores que envolvam o complexo dento-alveolar. No entanto,
existem restrições quanto a sua obtenção tais como a necessidade de um segundo sítio cirúrgico, o aumento da morbidade
com a necessidade de um longo período de recuperação do paciente, o risco aumentado de infecção, disponibilidade limitada
de área doadora, além da acentuada imprevisibilidade de sua reabsorção durante o período de cicatrização. Devido as suas
características físico-químicas semelhantes às dos tecidos ósseo e dentário, e por mostrar resultados que excedem aos alcançados pela hidroxiapatita estequiométrica (HA) , as cerâmicas a base de fosfato de cálcio têm sido indicadas como um substituto
ósseo bastante promissor para cirurgia ortopédica e maxilo-facial. Este estudo teve como objetivo avaliar o comportamento
biológico de dois substitutos ósseos de origem sintética (DentsCare/FGM®) comparados com um biomaterial de referencia
disponível no mercado (BoneCeramic®). Os biomateriais foram caracterizados através de Microscopia Eletrônica de varredura
(MEV) , Espectroscopia Raman, Difração de Raios X (DRX) e quantificação das fases de HA e TCP no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO). Este estudo foi aprovado
pelo Comitê de Ética através do Sistema Plataforma Brasil sob o nº XXX. Foram recrutados 48 voluntários livres e esclarecidos,
selecionados a partir de critérios físicos e psicológicos pré-estabelecidos. Os voluntários foram divididos aleatoriamente em
quatro grupos experimentais de 12 indivíduos cada, a saber: Biomaterial 1 ( B1) , Biomaterial 2 (B2) , BoneCeramic® e grupo
Coágulo e divididos em 2 períodos experimentais (3 e 6 meses). Todos os voluntários foram então submetidos a exodontia sob anestesia local, com enxertia imediata com os biomateriais de acordo com os grupos experimentais. Decorridos os
respectivos períodos experimentais foi realizada a remoção de uma amostra trefinada (2 x 6 mm) imediatamente antes da
instalação de cada implante dentário. Cinco amostras por grupo e período experimental foram obtidas para processamento e
inclusão em parafina para análise descritiva e histomorfométrica com ênfase na observação da formação do tecido ósseo, presença de tecido conjuntivo fibroso e presença dos biomateriais, enquanto uma amostra foi processada para inclusão em resina
para observação em microscopia de luz de campo claro. Os resultados mostraram que Biomaterial 1 após 6 meses apresentou
uma maior quantidade de osso neoformado quando comparado aos outros demais grupos (B2, BC, e Coágulo). Os materiais
experimentais mostram-se de fácil e excelente manuseio para preenchimento alveolar, além de radiopacos o suficiente para
acompanhamento e controle pós-operatório. Ambos permitiram a instalação dos implantes após 3 e 6 meses sem complicações ou perda dos implantes e preservaram a arquitetura alveolar. Concluímos que se tratam de materiais biocompatíveis e
osteocondutores, mostrando-se seguros e eficazes para uso em humanos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
98
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
76 – A INTER-RELAÇÃO ENTRE CIRURGIA ORTOGNÁTICA,
RECONSTRUÇÃO MAXILAR E IMPLANTES NO CONTEXTO DA
BELEZA PELA ANÁLISE FACIAL
Autores: PEDRO HENRIQUE SILVA GOMES FERREIRA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA UNESP);ROBERTA OKAMOTO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); IDELMO RANGEL
GARCIA-JUNIOR (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); WIRLEY GONÇALVES ASSUNÇÃO
(FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); LEONARDO PEREZ FAVERANI (FACULDADE DE
ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP)
Introdução: A grande parte da população que procura atendimento odontológico deseja melhorar a estética facial
e do sorriso, para ser inserida na sociedade em que vive. Nos indivíduos usuários de próteses totais, a reabsorção
fisiológica causa uma atrofia em principalmente da maxila, sendo necessária a realização de técnicas reconstrutoras e as vezes de movimentação das bases ósseas, para a maior estabilidade oclusal e harmonia facial. O objetivo
deste trabalho é abordar por meio de um caso clínico as características relacionadas com a reabilitação dos pacientes edêntulos, com indicação de cirurgia ortognática após reconstrução dos maxilares com enxerto ósseo. Paciente de 38 anos de idade, gênero feminino, procurou atendimento com queixa de insatisfação com o uso da prótese
total e pelo edentulismo parcial inferior, bem como pela insatisfação estética facial, após o uso prolongado da
prótese, radiograficamente a maxila apresentava uma reabsorção severa e extensão alveolar dos seios maxilares.
Em ambiente hospitalar, sob anestesia geral foi realizado a remoção do enxerto da crista ilíaca para reconstrução
maxilar em bloco associada ao levantamento bilateral do seio maxilar. Após 6 meses, realizou-se a instalação dos
implantes da maxila, juntamente com a extração dos dentes antero-inferiores e a instalação dos implantes na
região pós-exodôntica, para a confecção da prótese sobre-implantes, com carga imediata na mandíbula. Após a
reabilitação com as próteses implantossuportadas, a paciente se mostrou-se satisfeita com o resultado estético-funcional alcançado e se recusou a se submeter a cirurgia ortognática proposta no planejamento. Com isso, os
profissionais devem apresentar as opções terapêuticas aos pacientes, porém deve prevalecer a queixa principal
dos mesmos, desde que seja uma modalidade de tratamento viável.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
99
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
78 – EFEITO OSTEOCONDUTOR DO BONE CERAMIC® EM
DEFEITOS CRÍTICOS
Autores: PEDRO HENRIQUE SILVA GOMES FERREIRA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA
- UNESP);ANDRÉ LUIS DA SILVA FABRIS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); JOEL FERREIRA SANTIAGO-JUNIOR (); LEONARDO PEREZ FAVERANI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA
- UNESP); ROBERTA OKAMOTO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP)
Introdução: Os substitutos ósseos sintéticos com a propriedade osteocondutora são investigados há décadas e a
sua estrutura serve de arcabouço para a migração celular e deposição óssea oriunda das imediações, desta forma,
podem ser gradativamente reabsorvidos e simultaneamente substituídos por novo tecido ósseo. Neste contexto,
os biomateriais cerâmicos a base de fosfato de cálcio são utilizados com frequência na realidade clínica médica
e odontológica. Dentre estes, o Bone Ceramic® - Straumann (BC) composto por fosfato de cálcio bifásico, uma
combinação de hidroxiapatita (HA) a 60% em peso e 40% em peso de beta- tricálcio fosfato, é um substituto ósseo 100% sintético, com morfologia para estimular a formação de osso vital. O objetivo deste estudo foi avaliar
o potencial osteocondutor de grânulos de hidroxiapatita e beta- tricálcio fosfato (Bone Ceramic - Straumann®)
em defeitos ósseos críticos em calvária de ratos. Estes foram divididos em três grupos (n=8) , de acordo com o
material de preenchimento do defeito de 5mm: Grupo Coágulo (GC) , Grupo Osso Autógeno (GA) e Grupo Bone
Ceramic (GBC). Foi avaliada a área de tecido ósseo neoformado aos 14 e 28 dias. Foi Aplicado o teste ANOVA e
como pós-teste, Tukey (p<0,05). A imunoistoquímica avaliou a expressão de OC, RUNX 2, TRAP e VEGF. A microtomografia (micro ct) obteve a imagem tridimensional dos defeitos. O GBC foi totalmente preenchido por um
conglomerado de biomateriais e osso neoformado, estatisticamente superior ao GC, em ambos os períodos analisados (p<0,05). No GA foi notado fechamento total do defeito aos 28 dias e houve maior área de neoformação
óssea em todos os períodos analisados (p<0,05). O GC apresentou apenas tecido conjuntivo delgado fechando o
defeito ósseo. A proteína TRAP foi imunomarcada de forma leve, moderada para VEGF e, a osteocalcina se mostrou presente em todos os períodos analisados. As imagens obtidas pela micro ct mostraram o preenchimento
do defeito pelo BC e osso autógeno aos 14 e 28 dias. O GA evidenciou aos 28 dias compatibilidade com total
neoformação óssea. Portanto, a suplementação do BC foi favorável para o preenchimento do defeito ósseo até
o final do período analisado, porém com menor taxa de neoformação óssea quando comparado ao autoenxerto.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
100
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
96 – FECHAMENTO DE FÍSTULA BUCO-SINUSAL COM
ENXERTO ÓSSEO DE PAREDE ANTERIOR DO SEIO MAXILAR
Autores: LUIS FERREIRA DE ALMEIDA NETO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE);JOSÉ MURILO
BERNARDO NETO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE); JOSÉ CADMO WANDERLEY (UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE); JULIERME FERREIRA ROCHA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA
GRANDE); EDUARDO HOCHULI VIEIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA)
Introdução: A fístula buco-sinusal (FBS) consiste na comunicação persistente entre o seio maxilar e a cavidade
oral, sendo uma complicação decorrente de traumas, patologias ou extrações dentárias, ocorrendo mais frequentemente após a exodontia dos molares superiores devido a sua proximidade com o seio maxilar. Cefaléia, sinusite
maxilar, dor, transtornos na deglutição e tosse noturna são alguns dos sinais e sintomas relatados. A FBS menores que 2mm de diâmetro, tendem a fechar espontaneamente, na grande maioria dos casos, sem a necessidade
de abordagem cirúrgica. Casos de fístula buco-sinusal maiores que 3 mm necessitam de intervenção cirúrgica.
Técnicas cirúrgicas que utilizam retalhos (palatino, vestibular ou combinado) , enxerto ósseo e o enxerto pediculado do corpo adiposo da bochecha têm sido empregadas para esse propósito. Este trabalho teve por objetivo
descrever um caso clínico de FBS utilizando-se a técnica de enxerto ósseo da parede anterior do seio maxilar e
discutir as vantagens e limitações com relação às técnicas mais utilizadas. A técnica descrita é relativamente simples, oferecendo resultado satisfatório, com o mínimo de desconforto para o paciente e tempo cirúrgico reduzido.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
101
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
103 – AVALIAÇÃO DO EFEITO SISTÊMICO DA LLLT SOBRE O
REPARO DE DEFEITO CRÍTICO EM TÍBIA DE COELHOS APÓS
PREENCHIMENTO COM BIOMATERIAL: PROJETO PILOTO
Autores: ISABELA POLESI BERGAMASCHI (*) (UFRGS);FERNANDO VACILOTTO GOMES (AGOR/RS); LUCIANO
MAYER (AGOR/RS); CARLOS EDUARDO BARALDI (UFRGS);
Introdução: Os laseres não cirúrgicos são usados para fins terapêuticos desde a década de 1960 por suas características de baixa intensidade de energia e comprimento de onda capaz de penetrar nos tecidos, assim como,
pelos seus efeitos biomoduladores¹. As técnicas de reconstrução por meio de enxertia óssea evoluem de forma
exponencial na Odontologia atual², especialmente em se tratando de reconstrução dos processos alveolares dos
maxilares, onde as técnicas empregadas são ditadas pelo tipo de defeito a ser reconstruído e, em função deste,
pela forma como o material é empregado³. Pode-se utilizar o tecido ósseo na forma de blocos ou particulado sendo estes de origem xenógena, alógena ou autógena³. Alguns relatos na literatura apresentam resultados positivos
quando da associação do uso da LLLT aos enxertos ósseos realizados em defeitos críticos, quando aplicados in
loco4. O objetivo da pesquisa foi realizar a avaliação do efeito sistêmico do LLLT à distância sobre o processo de
reparo ósseo em áreas de enxertia óssea. Para tal, foram utilizadas 32 coelhos da raça Nova Zelândia divididos
em 2 grupos de 16 animais cada, sendo um controle (sem LLLT) e outro experimental (com LLLT). A tíbia esquerda foi acessada cirurgicamente por meio de incisão por planos da sua porção medial, expondo o tecido ósseo.
Uma perfuração com broca trefina de 4.1mm fora realizada, preenchida com osso liofilizado de origem bovina
(BIOOSS®) e recoberta com membrana reabsorvível (BIOGUIDE®) para posterior sutura dos planos musculares e
pele. O grupo experimental recebeu laserterapia, a qual foi realizada por meio de diodo infravermelho (GaAlAs) ,
830nm, na dose de 10J/cm2, pontual, com potência de 50 mW em emissão contínua, 7 aplicações com intervalos
de 48 horas. As aplicações de LLLT foram realizadas à distância (região da calota craniana) , longe da área operada.
O grupo controle recebeu a mesma manipulação dos animais do grupo experimental, porém sem a ativação do
aparelho laser. No trigésimo dia de pós-operatório, os animais foram mortos com sobre dosagem anestésica e
lâminas histológicas do tecido ósseo enxertado da tíbia foram realizadas com coloração em hematoxilina-eosina.
A avaliação histológica está sendo realizada para posterior tratamento estatístico. Referências ¹ Karu T. Photobiology of low-power laser effects. Health Phys. 1989 May;56 (5) :691-704. ² Brunski JB et al. Biomaterials and
biomechanics of oral and maxillofacial implants: current status and future developments. Int J Oral Maxillofac
Implants. 2000 Jan-Feb;15 (1) :15-46. ³ Gerbi ME et al.. Assessment of bone repair associated with the use of organic bovine bone and membrane irradiated at 830 nm. Photomed Laser Surg. 2005 Aug;23 (4) :382-8. 4 Cunha
MJ et al. Effect of low-level laser on bone defects treated with bovine or autogenous bone grafts: in vivo study in
rat calvaria. Biomed Res Int. 2014;2014:104230.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
102
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
124 – RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR COM ENXERTO ÓSSEO
AUTÓGENO: ESTUDO DE 46 CASOS
Autores: CAMILA CAMARINI (*) (IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO);RONALDO RODRIGUES DE FREITAS (IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO); FERNANDO MACIEL (IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO); MANUELA PINOTTI (IRMANDADE SANTA CASA DE
MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO); ALAN CANTO (IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO)
Introdução: Os defeitos na região craniomaxilofacial podem ocorrer devido a traumatismos, patologias, infecções, perda precoce de dentes, osteonecrose e de origem congênita. Apesar dos grandes avanços tecnológicos em
busca de alternativas que causem menor morbidade cirúrgica na reconstrução desses defeitos, o uso de enxertos
autógenos ainda hoje é considerado padrão ouro. Em relação a reconstrução de defeitos mandibulares, dependendo do tamanho, tipo e topografia do defeito, existe a opção dos enxertos livres e retalhos microvascularizados. Os
enxertos autógenos mais utilizados são a crista ilíaca, fíbula, costelas, rádio e escapula. O objetivo deste trabalho
é apresentar uma serie de casos tratados no serviço de Cirurgia e Buco Maxilo Facial, do Departamento de Cirurgia da Santa Casa de São Paulo, enfatizando a utilidade dos enxertos autógenos nas reconstruções mandibulares,
devolvendo aos pacientes a estética e função adequados.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
103
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
185 – RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR EM PACIENTE VÍTIMA DE
PROJÉTIL DE ARMA DE FOGO
Autores: RODRIGO RODRIUGES RODRIGUES (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE);ANTONIO BRUNNO GOMES MORORÓ (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); PETRUS PEREIRA
GOMES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); ADRIANO ROCHA GERMANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO
GRANDE DO NORTE)
Introdução: A anquilose da articulação têmporo-mandibular (ATM) é uma doença rara, resultante da fusão do
côndilo mandibular com a base do crânio, envolvendo alterações anátomo-clínicas. Trauma e infecção são os
principais fatores etiológicos dessa patologia, que tem como método de tratamento a terapia cirúrgica associada
à fisioterapia prolongada. Este trabalho relata o caso de um paciente do gênero masculino, 24 anos de idade, compareceu ao nosso serviço de Cirurgia e Traumatologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, tendo
sido vítima de agressão por arma de fogo e evoluindo com fratura cominutiva de mandíbula. Durante a anamnese
o paciente apresentou limitação de abertura bucal e disfagia. Ao exame físico apresentava edema em hemiface
do lado direito, má oclusão dentária e limitação de abertura bucal. O exame de imagem evidenciou fratura cominutiva na região posterior de maxila e região posterior de mandíbula abrangendo ramo e côndilo mandibular do
lado direito. O tratamento proposto foi a reconstrução do côndilo e ramo mandibular com enxerto costocondral.
Atualmente, o paciente apresenta 10 meses de acompanhamento pós-operatório, sem queixas, realizando movimentos mandibulares normais, oclusão satisfatória, abertura bucal de 50mm e sem déficits neurossensoriais.
O tratamento de escolha para a anquilose da ATM é cirúrgico, com a remoção do côndilo, associada ou não à
coronoidectomia, com a opção de se colocar algum material de interposição para evitar recidivas. É indispensável
à fisioterapia que deve ser instituída o mais breve possível.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
104
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
189 – TRATAMENTO CIRÚRGICO EM PACIENTES COM
ANQUILOSE DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR
Autores: RODRIGO RODRIUGES RODRIGUES (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE);ANTONIO BRUNNO GOMES MORORÓ (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); PETRUS PEREIRA
GOMES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); ADRIANO ROCHA GERMANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO
GRANDE DO NORTE)
Introdução: A articulação temporomandibular (ATM) é uma das articulações mais importantes do corpo humano. As causas mais comuns de anquilose incluem trauma, infecções locais ou sistêmicos e desordens sistêmicas.
O objetivo do presente trabalho é relatar três casos clínicos de anquilose de ATM. Caso 1: Paciente do gênero
feminino, 7 anos de idade, com queixa de não conseguir abrir a boca, apresentava histórico de trauma durante o
parto. Ao exame clínico, apresentava limitação de abertura bucal. Ao exame de imagem foi identificada uma massa anquilótica em ATM direita. O tratamento proposto foi à remoção da massa anquilótica, artroplastia e coronoidectomia ipslateral. A paciente encontra-se com 9 meses de pós-operatório, sem queixas, apresentando melhora
da fonação e deglutição, 29mm de abertura bucal. Caso 2: Paciente do gênero masculino, 48 anos de idade, com
queixa de limitação da abertura bucal após trauma pregresso em mandíbula. Ao exame clínico, apresentava limitação da abertura bucal. Ao exame de imagem foi observada anquilose do côndilo mandibular esquerdo. O tratamento de escolha foi artroplastia seguido da osteotomia vertical do ramo mandibular com deslizamento superior
do segmento distal. Atualmente, o paciente encontra-se com 03 anos de pós-operatório, sem queixas, apresentando melhora na mastigação e deglutição. Caso 3: Paciente do gênero feminino, 12 anos de idade, apresentava
queixa de não conseguir abrir a boca e com histórico de trauma durante o parto. Ao exame clínico, apresentava
limitação de abertura bucal. O tratamento inicial indicado foi artroplastia e enxerto costocondral livre bilateral
em 2007. Durante o acompanhamento de 05 anos, a mesma evoluiu com anquilose do enxerto. Em 2014, foi
realizado novo procedimento cirúrgico onde foram ressecadas as massas anquilóticas bilaterais e reconstrução
provisória com placa de reconstrução e côndilos confeccionados com resina acrílica. Posteriormente foi realizada
a confecção e instalação de próteses de ATM customizadas bilaterais. A paciente encontra-se com 6 meses de
pós-operatório, sem queixas, realizando movimentos normais de abertura bucal.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
105
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
198 – ANÁLISE IMUNOISTOQUÍMICA DO BETA TRICÁLCIO
FOSFATO COM OSSO AUTÓGENO NO LEVANTAMENTO DE SEIO
MAXILAR DE HUMANOS.
Autores: JOÃO PAULO BONARDI (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) );RODRIGO
DOS SANTOS PEREIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) ); FERNANDA BRASIL
JORGE DAURA BOOS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA (FOAR/UNESP) ); ROBERTA OKAMOTO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) ); EDUARDO HOCHULI-VIEIRA (FACULDADE
DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA (FOAR/UNESP) )
Introdução: A reabilitação dos pacientes edêntulos na região maxilar posterior com implantes osseointegrados
foi, durante muito tempo, um desafio aos cirurgiões dentistas. O motivo, especificamente, deve-se à uma possível
deficiência horizontal e vertical do remanescente ósseo, qualidade óssea desfavorável ou pneumatização do seio
maxilar. O procedimento cirúrgico de elevação da membrana sinusal e as exaustivas pesquisas sobre substitutos
ósseos vieram proporcionar o reestabelecimento da altura óssea local para a futura instalação dos implantes dentais. Este estudo faz uma análise imunoistoquimica do beta tricálcio fosfato misturado ao enxerto ósseo autógeno na proporção de 1:1 no levantamento de seio maxilar humano. Doze seios maxilares foram enxertados com
um enxerto ósseo autógeno (grupo controle) e nove seios maxilares foram enxertados com beta tricálcio fosfato
misturado com enxerto ósseo autógeno na proporção 1:1 (grupo teste). Após 6 meses de reparo ósseo, foram
obtidas biópsias simultâneas à colocação de implantes dentários que foram submetidos a análise imuno-histoquímica para o fator de transcrição relacionados com o Runt 2 (RUNX2) , fator de crescimento endotelial vascular
(VEGF) , a fosfatase ácida resistente ao tartarato (TRAP) , e osteocalcina. As imunomarcações das amostras no
grupo teste para RUNX2 e VEGF demonstrou um alto turnover celular comparado ao grupo controle, evidenciando um material com atividade osteogênica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
106
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
201 – AVALIAÇÃO DA OSTEOINDUÇÃO E OSTEOCONDUÇÃO DO
OSSO BOVINO INTEGRAL IMPLANTADO EM TECIDO MUSCULAR
E EM CALVÁRIA DE RATOS. ANÁLISE MICROSCÓPICA E
HISTOMÉTRICA.
Autores: LEONARDO DE FREITAS SILVA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP);ANA
PAULA FARNEZZI BASSI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); PAULO SÉRGIO PERRI DE
CARVALHO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); DANIELA PONZONI (FACULDADE DE
ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); ALESSANDRA MARCONDES ARANEGA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP)
Introdução: O trabalho teve como objetivo avaliar a propriedade biológica e a biocompatibilidade do osso composto e do osso integral de origem bovina implantados em cavidades ósseas de calota e no plano subcutâneo de
ratos. Foram utilizados 24 ratos que foram sacrificados após 15 e 45 dias. Os resultados do exame microscópico
das peças obtidas do subcutâneo mostraram aos 15 dias uma reação inflamatória ao redor das partículas do material com presença de células gigantes e aos 45 dias, observou-se diminuição da reação inflamatória e presença
de tecido conjuntivo fibroso ao redor das partículas com a presença de células gigantes. Não houve indícios de
formação óssea ectópica Nas peças histológicas obtidas da calota craniana, foi possível observar semelhança de
neoformação óssea no grupo controle aos 30 dias com 42,8% em comparação aos 22,6% do grupo Orthogen. Aos
60 dias havia 62,5% de neoformação óssea no grupo controle, 26% no grupo Orthogen. Foi possível concluir que
o osso composto e o osso integral de origem bovina são materiais biocompatíveis, possibilitam a neoformação
óssea devida suas qualidades osteocondutivas e não induzem a formação de osso ectópico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
107
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
210 – ANÁLISE HISTOMÉTRICA DO BETA TRICÁLCIO FOSFATO
COM OSSO AUTÓGENO NO LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR
DE HUMANOS.
Autores: JOÃO PAULO BONARDI (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) );RODRIGO
DOS SANTOS PEREIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) ); FERNANDA BRASIL
JORGE DAURA BOOS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA (FOAR/UNESP) ); LUIS FERNANDO
GORLA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA (FOAR/UNESP) ); EDUARDO HOCHULI-VIEIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA (FOAR/UNESP) )
Introdução: A reabilitação de pacientes edêntulos em região posterior da maxila apresentou-se, por muito tempo,
como um desafio aos cirurgiões dentistas. A deficiência óssea vertical proveniente da pneumatização do seio maxilar impossibilita a instalação de implantes dentais necessários para a reabilitação protética. Técnicas cirúrgicas
para a elevação da membrana sinusal e biomateriais para enxertia óssea permitiram que essa deficiência pudesse
ser reparada. O objetivo deste estudo foi comparar a taxa de neoformação óssea por histometria do beta-tricálcio
fosfato (&#946;-TCP) , misturado ao enxerto ósseo autógeno (1:1) com a taxa de neoformação do enxerto ósseo
autógeno puro na elevação cirúrgica do seio maxilar de humanos. Doze seios maxilares foram enxertados com
enxerto ósseo autógeno puro (grupo controle) e 9 com &#946;-TCP misturado ao enxerto ósseo autógeno (Grupo Teste). A taxa de neoformação óssea foi de 38,6% ± 10,5% e 25,4% ± 6,4% no grupo controle e grupo teste
respectivamente (p = 0,001). O &#946;-TCP misturado com enxerto ósseo autógeno demonstrou uma diferença
de neoformação óssea após 6 meses de reparação óssea, no entanto, são necessários estudos celulares e uma
avaliação a longo prazo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
108
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
237 – USO DE PROTEÍNA ÓSSEA MORFOGENÉTICA
RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 ASSOCIADA À OSSO BOVINO
LIOFILIZADO PARA RECONSTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA:
RELATO DE CASO
Autores: FABRÍCIO VIEIRA (*) (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);CLAITON HEITZ
(PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); GUILHERME FRITSCHER (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);
Introdução: Reconstruir a maxila ou a mandíbula em casos de perdas após ressecção de tumores, avulsões traumáticas ou mesmo reabsorção por desuso, é uma das tarefas mais difíceis na clínica do cirurgião bucomaxilofacial. As
limitações de disponibilidade óssea e a morbidade associada ao enxerto autógeno têm direcionado pesquisas por
substitutos ósseos. Com isto, as proteínas ósseas morfogenéticas (bone morphogenetic proteins ou BMP) vêm
mostrando um grande avanço nas possibilidades de enxertia óssea. O presente estudo tem como objetivo uma
revisão da literatura acerca da viabilidade da utilização de proteína morfogenética óssea recombinante na reconstrução dos maxilares, no qual se apresentará um caso clínico de maxila severamente atrófica reconstruída com
a associação de proteína óssea morfogenética recombinante sintética tipo 2 (Infuse Bone Graft®) e osso bovino
liofilizado (Bio-Oss®) para posterior reabilitação com implantes dentários. A utilização de rhBMP-2 mostrou-se
segura e eficaz, porém o alto custo desta modalidade de tratamento ainda é considerado um fator que dificulta o
desenvolvimento de pesquisas e a popularização de seu uso na clínica odontológica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
109
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
242 – UTILIZAÇÃO DE INFUSE ® BONE GARFT COMO
SUBSTITUTO ÓSSEO APÓS A EXCISÃO CIRÚRGICA DE FIBROMA
CEMENTO OSSIFICANTE, NA MANDÍBULA : RELATO DE CASO
CLÍNICO.
Autores: PATRICK ARCANGELO PERTEL (*) (FAESA;UFES);RAMON GAVASSONI (UFES); ROSSIENE MOTTA BERTOLLO (UFES); MARTHA ALAYDE ALCANTARA SALIM (UFES); DANIELA NASCIMENTO SILVA (UFES)
Introdução: O INFUSE® rhBMP-2 é um produto da engenharia genética obtido a partir da proteína óssea natural
humana . Utilizado para as técnicas de enxertia, ele estimula a formação óssea através de um procedimento seguro,menos invasivo e com tempo reduzido quando comparado com enxertos ósseos autógenos convencionais. O
INFUSE® rhBMP-2 é um produto composto basicamente por duas partes : proteína óssea orfogenética-2 humana
recombinada e uma esponja absorvível que servirá de veículo de transporte para a proteína. Após a aplicação
do produto no local onde se deseja ter a neoformação óssea, o produto será absorvido lentamente e ao mesmo
tempo ocorre a liberação da proteína morfogenética, as células multipotentes do organismo migram para o local
e são estimuladas a produzirem novo osso em um período de 4 a 9 meses dependendo da extensão óssea . Uma
das vantagens deste produto é que a utilização descarta a necessidade de um segundo sítio cirúrgico doador,
reduzindo assim o tempo e trauma cirúrgico, menor quantidade de drogas anestésicas, menor desconforto pós
operatório .Esse estudo relata um caso de um paciente, do gênero masculino, 61 anos que apresentava lesão de
crescimento lento diagnosticada através de exames por imagem (radiografia panorâmica e tomografia computadorizada de feixe cônico) e biópsia incisional como fibroma cemento ossificante localizado na mandíbula em
região posterior envolvendo o segundo pré molar e segundo molar do lado esquerdo. A lesão apresentava-se assintomática, e ao exame clínico intra bucal notava-se aumento de volume na região de rebordo alveolar mandibular. . O procedimento cirúrgico foi realizado em ambiente hospitalar sob anestesia geral, durante o procedimento
cirúrgico os elementos dentários envolvidos foram extraídos devido ao envolvimento e infecção secundária local
e após a excisão cirúrgica da lesão utilizando motor cirúrgico Piezzo® a fim de preservar possíveis lesões do nervo
alveolar inferior. Foi realizado a instalação do enxerto ósseo INFUSE® rhBMP-2, associado a placa de titânio sistema 2.0 looking. Foi utilizado regeneração com membrana BIOGUIDE® e BIOSS® apenas na área de exodontia do
elemento 38 não associado a lesão. Após período de 30 dias pós operatório realizou se nova tomada radiográfica
e observou se defeito ósseo e incio da neoformação óssea. Paciente ainda está em acompanhamento ambulatorial
periódico. Estudos mostraram que a capacidade de regeneração óssea promovida pelo rhBMP-2 é muito maior
quando comparada com outros substitutos ósseos existentes no mercado . O presente trabalho tem por objetivo
descrever a técnica cirúrgica para reconstrução óssea pós retirada de tumor na mandíbula e sua reconstrução com
o uso do INFUSE® rhBMP-2. Trabalho submetido ao comitê de ética em pesquisa UFES.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
110
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
284 – RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR COM PROTEÍNA ÓSSEA
MORFOGENÉTICA: RELATO DE CASO
Autores: DANIEL MARQUES NOVAES (*) (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO);ALBERTO FERREIRA
DA SILVA JUNIOR (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO); MARCIO TADASHI TINO (HOSPITAL DE
URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO); GUSTAVO SILVESTRE DE MAGALHAES ROCHA (HOSPITAL DE URGÊNCIAS
DE GOIÂNIA / SES-GO); RAUL SEABRA GUIMARÃES NETO (HOSPITAL GERAL DE GOIÂNIA / SES-GO)
Introdução: O reestabelecimento estético e funcional dos ossos da face pós tratamento cirúrgico de tumores dos
maxilares constitui um desafio, no entanto, estudos acerca das proteínas ósseas morfogenéticas apontam - nas
como uma alternativa promissora nas reconstruções, promovendo volume e distribuição óssea adequada. Assim
o objetivo deste trabalho é relatar o caso do paciente P. H. Q. M., 21 anos, diagnosticado com ameloblastoma multicístico localizado na região compreendida entre corpo e ramo mandibular esquerdo. Para o tratamento optou-se
pela ressecção tumoral em bloco com reconstrução imediata com proteína morfogenética (rhBMP-2). Após visualização da região a ser ressecada por meio de acesso submandibular, fixou-se uma placa de reconstrução previamente moldada por estudo de prototipagem estendendo-se da região parassinfisária esquerda até a cabeça da
mandíbula ipsilateral. Após a ressecção em bloco da região afetada, telas de titânio foram usadas para reproduzir
o formato anatômico da mandíbula e receberam esponjas de colágeno absorvíveis embebidas com rhBMP-2 (INFUSE®) e uma mistura de hidroxiapatita granulada (Bio-Oss®) e osso medular de crista ilíaca. Na tomografia de
controle pós operatório de 6 meses nota-se reparação óssea em desenvolvimento, com aspecto de normalidade,
sem sinais de recidiva local ou doença residual nos cotos cirúrgicos. Paciente segue em acompanhamento clínico
e imaginológico periódico para proservação do caso.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
111
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
297 – CARGA IMEDIATA EM PRÓTESE IMPLANTO-SUPORTADA
APÓS A RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR COM ENXERTO LIVRE
DE CRISTA ILÍACA
Autores: LÍVIA BONJARDIM LIMA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA);MAIOLINO THOMAZ FONSECA
OLIVEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); THIAGO DE ALMEIDA PRADO NAVES CARNEIRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); DARCENY ZANETTTA-BARBOSA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); PAULO CÉZAR SIMAMOTO-JÚNIOR (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA)
Introdução: A região da cabeça e do pescoço é comumente afetada em lesões por arma de fogo, podendo causar
defeitos estéticos e funcionais. Descontinuidade mandibular é um problema estético e funcional muito importante e sua reconstrução representa um desafio. A abertura, o fechamento, e os movimentos de lateralidade e
protrusão da boca são diminuídos e má oclusão pode ocorrer. O objetivo do trabalho é relatar o caso de um homem de 44 anos submetido a reconstrução de um defeito mandibular causado por arma de fogo, com enxerto
ósseo livre de crista ilíaca seguido da instalação de prótese implanto suportada sob carga imediata. Enxerto ósseo
autógeno é o tratamento mais previsível entre as opções disponíveis para a reconstrução de defeitos mandibulares. Pacientes reconstruídos podem obter bons resultados com implantes dentários e próteses com carga imediata. Este tratamento pode promover uma melhor função mastigatória, melhorando a capacidade de nutrição,
simetria facial, equilíbrio muscular, melhor dicção e também qualidade de vida. Palavras-chave: Enxerto ósseo;
Implantes; Carga imediata; Reconstrução. Apoio: Fapemig
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
112
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
415 – PROTOCOLO DE RECONSTRUÇÃO ALVEOLAR EM
PACIENTES COM FISSURA LABIOPALATINA DO CENTRO DE
REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRÂNIO FACIAIS DO OSID:
RELATO DE CASO
Autores: VANESSA OLIVEIRA BATISTA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA/ HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
(OSID) );CLARISSE SAMARA DE ANDRADE (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA/ HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
(OSID) ); JOÃO NUNES NOGUEIRA NETO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA/ HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
(OSID) ); BRÁULIO CARNEIRO JUNIOR (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA/ HOSPITAL SANTO ANTÔNIO (OSID);
ROBERTO ALMEIDA DE AZEVEDO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA/ HOSPITAL SANTO ANTÔNIO (OSID)
Introdução: As fissuras labiopalatais ocorrem quando há a falta de fusão entre os processos faciais embrionários
e palatinos. Como consequência das fissuras pré-forame incisivo completa e transforame incisivo, tem-se um
defeito ósseo alveolar, que pode ser preenchido com enxerto ósseo. Este enxerto pode ser realizado com materiais aloplásticos, alogênicos ou autógenos, sendo este o mais realizado. Os benefícios obtidos com esta técnica
incluem a estabilização da maxila, suporte ósseo para base alar e lábio, fechamento de comunicações e fístulas
oronasais, suporte ósseo para erupção dos elementos situados na região de defeito ósseo alveolar, adequado
suporte ósseo periodontal e quantidade óssea ideal para inserção de implantes. Em virtude da necessidade de
enxertia nos portadores de fissuras pré-forame incisivo completa e transforame incisivo e visando uma melhoria
na estética e função destes pacientes, torna-se necessário elucidar a aplicação do enxerto ósseo alveolar nos pacientes portadores de fissuras labiopalatais, bem como seus benefícios. O trabalho enfoca através de um relato de
caso a elucidação das indicações e vantagens dos enxertos ósseos alveolares em pacientes portadores de fissuras
labiopalatinas, e ressaltando o protocolo utilizado pela equipe de Cirurgia Bucomaxilofacial do Centro de Reabilitação de Anomalias Crânio Faciais das Obras Saciais Irmã Dulce, Salvador-BA.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
113
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
500 – LEVANTAMENTO DO ASSOALHO DE SEIO MAXILAR
UTILIZANDO BIOMATERIAL SINTÉTICO ASSOCIADO A OSSO
AUTÓGENO: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: ALANA KÉSIA PASTOR DA SILVA (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA);LUCCIANO
BRANDÃO DE LIMA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA); MARÍLIA LIMA PIMENTA ARAÚJO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA);
Introdução: O sucesso da reabilitação oral por meio dos implantes osteointegrados pode ser comprometido pela
falta de quantidade e qualidade óssea adequada, gerada pela reabsorção alveolar pós extração. Dessa forma, a
colocação de implantes na região posterior de maxila é um dos maiores desafios encontrados, devido à baixa
densidade óssea da região e pneumatização do seio maxilar. Para contornar essa limitação anatômica, a técnica cirúrgica de levantamento do seio maxilar tem sido vastamente empregada e é frequentemente acompanhada pela
inserção de biomateriais para corrigir o defeito alveolar e criar suporte ósseo necessário para osteointegração do
implante. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso clinico onde foi realizada a cirurgia de levantamento do
assoalho de seio maxilar utilizando um biomaterial a base de hidroxiapatita sintética (Alobone Poros®) associado
a osso autógeno coletado durante o trans-cirúrgico a fim de promover o aumento do rebordo posterior maxilar
para possibilitar a instalação de implantes. Após seis meses de acompanhamento radiográfico, observou-se ganho ósseo de 10 mm na região enxertada, tornando o prognóstico mais favorável para a reabilitação desta com
implantes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
114
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
698 – ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO DE REPARO DE
DEFEITOS ÓSSEOS REALIZADOS EM CALVÁRIA DE RATOS
PREENCHIDOS COM BETA TRICÁLCIO FOSFATO
Autores: BRUNO COELHO MENDES (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARAÇATUBA);LUCAS BORIN MOURA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA); JULIANA DA SILVA DREYER MENEZES (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA); RODRIGO DOS SANTOS PEREIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARAÇATUBA); EDUARDO HOCHULI VIEIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL
PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA)
Introdução: Com a popularização dos implantes dentários, houve um aumento na indicação para procedimentos
reconstrutivos alveolares. Enxertos ósseos são utilizados para reestabelecimento do volume alveolar para reabilitação com implantes dentários, aumentando assim a previsibilidade do tratamento. Entre os materiais disponíveis para a reabilitação destes defeitos maxilares, o enxerto autógeno é considerado o tratamento padrão de ouro,
no entanto, apresenta como desvantagem morbidade na região de sítio doador. Devido a este fato, biomateriais
são utilizados como alternativa de tratamento, sendo o &#946;-fosfato tricálcico (&#946;-TCP) é um material
aloplástico composto que tem semelhança química e cristalográfica com osso humano, apresentando potencial
osteocondutor. Este estudo avaliou a neoformação óssea resultante da utilização de &#946;-TCP, Chronos (Synthes® - Paoli / CA) em defeitos críticos criados em calvárias de ratos por meio de análises histomorfométrica e
comparativa com os resultados com o grupo controle em que o defeito foi preenchido com autógeno osso. As
relações intra e intergrupos foram estabelecidos em períodos de 14 e 28 dias e avaliados por análise de variância
de dois fatores (ANOVA). Aos 14 dias houve uma maior neoformação óssea no grupo controle, com diferença estatisticamente significativa quando comparado com o grupo experimental. Aos 28 dias, a diferença entre os dois
grupos foi mantida com maior formação óssea observada no grupo de controlo. O &#946;-TCP apresentou-se
como um material biocompatível, com rápida absorção e simultânea formação óssea, mas apresenta necessidade
de um tempo maior para a reparação do defeito ósseo em comparação com enxerto de osso autógeno.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
115
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
720 – ENXERTO ÓSSEO MICROVASCULARIZADO NA
RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR: RELATO DE CASO
Autores: EMERSON FILIPE DE CARVALHO NOGUEIRA (*) (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);AIRTON VIEIRA
LEITE SEGUNDO (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE); RICARDO JOSÉ DE HOLANDA VASCONCELOS (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); MARCUS ANTÔNIO BRÊDA JÚNIOR (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); HÉLDER
LIMA REBELO (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO)
Introdução: Grandes defeitos ósseos mandibulares podem ocorrer devido aos traumatismos e após ressecções de
tumores. As reconstruções desses defeitos tem sido um desafio aos cirurgiões, devido à complexidade significante da função e da estética. Reconstruções mandibulares superiores a 7cm apresentam maiores possibilidades de
insucesso quando utilizadas técnicas não vascularizadas. Para estes casos, os enxertos ósseos micro vascularizados são os mais indicados por apresentar resultados mais consistentes. A utilização de enxerto autógeno de crista
ilíaca é uma boa opção, pois fornece segmento ósseo significante, podendo ainda estar incluído a artéria e veia
circunflexa. Este trabalho relata o caso de paciente do sexo masculino, 43 anos de idade, que procurou o Serviço
de Bucomaxilofacial do Hospital Regional do Agreste em Caruaru/PE, com queixa de “crescimento da mandíbula”, assintomático, e com 5 anos de evolução. Ao exame físico facial, observou-se assimetria facial, lesão em
corpo mandibular direito, firme, endurecida, sem alteração na coloração da mucosa, e assintomática a palpação.
Na radiografia panorâmica dos maxilares, observou-se imagem radiolúcida em corpo e ângulo mandibular, bem
delimitada, e multilobular. A hipótese diagnóstica foi de ameloblastoma multicístico, confirmada após biópsia
incisional. A tomografia computadorizada sugeriu lesão de aproximadamente 6cm no seu maior comprimento.
Sendo assim, o planejamento cirúrgico foi de ressecção parcial de mandíbula seguida de reconstrução imediata
com placa e enxerto ósseo microvascularizado de crista ilíaca. O acesso cirúrgico de escolha foi o submandibular
estendido, onde foi realizado a ligadura da artéria e veia facial, com objetivo de receber o enxerto. Após exposição
do tumor, realizou-se a ressecção mandibular com serra reciprocante, e fixação dos cotos com placa de reconstrução do sistema 2.4 e a sutura intra bucal. O enxerto ósseo foi obtido, incluindo a artéria e veia circunflexa profunda, o qual foi posicionado no defeito ósseo mandibular, fixado com parafuso, e realizado a anastomose com
a artéria e veia facial, seguido de sutura por planos. No 7º dia de pós-operatório, o paciente apresentava discreto
quadro doloroso na região doadora (ilíaco); edema em região mandibular; suturas sem infecção ou deiscência;
oclusão dentária satisfatória; e, sem queixas na face. O mesmo está sendo acompanhado há 2 anos, sem sinais
de recidiva, e exames de imagem demonstrando satisfatório posicionamento e contorno do enxerto. O enxerto
de crista ilíaca microvascularizado demonstra ser uma técnica cirúrgica viável nas reconstruções mandibulares,
principalmente para os casos de grandes defeitos ósseos. Suas maiores vantagens são: ser osteocondutor; osteoindutor; ter possibilidade de oferecer grandes quantidades ósseas; além de permitir reabilitações dentárias
posteriores.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
116
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
737 – TRATAMENTO CIRÚRGICO E REABILITADOR DE TUMOR
ODONTOGÊNICO CÍSTICO CALCIFICANTE
Autores: SORAYA DA SILVA OLIVEIRA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA);RENATO BARJONA MIRANDA DE MIRANDA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); CLAUDIA JORDÃO SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); DARCENY ZANETTA BARBOSA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); JONAS
DANTAS BATISTA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA)
Introdução: Os cistos odontogênicos calcificantes (COC) geralmente se apresentam como lesões císticas, no entanto, também podem se apresentar como lesões sólidas com ocorrência central ou periférica. O (COC) representa 2% de todas as lesões odontogênicas na mandíbula. A Organização Mundial de Saúde renomeou essa
lesão como tumor odontogênico cístico calcificante (TOCC). É uma patologia rara decorrente de restos epiteliais
odontogênicos. Carcinoma odontogênico de células fantasmas (COCF) é a contraparte maligna deste tumor e
frequentemente surge da transformação maligna de TOCC após recorrências múltiplas. Seu crescimento é lento
e provoca expansão de tábuas ósseas, podendo danificar as estruturas adjacentes e causar reabsorção radicular.
Neste trabalho, apresentamos um caso clínico de TOCC em paciente do gênero feminino, de 64 anos, que apresentou queixa dolorosa com aumento volumétrico em região de rebordo anterior da mandíbula. Ao exame de
imagem, observou-se lesão radiolucente multilocular na região da sínfise mandibular. A biópsia incisional confirmou o diagnóstico de TOCC. O tratamento de escolha foi a ressecção cirúrgica do tumor, com instalação de
placa de reconstrução mandibular do sistema 2.9, bem como reconstrução óssea imediata com enxerto livre de
crista ilíaca, associada a 10 sessões de oxigenoterapia hiperbárica no pós-operatório. O paciente não apresentou
complicações pós-operatórias e não apresentou recidivas após quatro meses de acompanhamento. Após 6 meses,
foram instalados quatro implantes osseointegráveis e captura imediata de prótese total removível.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
117
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
744 – RECONSTRUÇÃO ÓSSEA COM ENXERTO AUTÓGENO,
HETERÓGENO E RHBMP-2 EM SEVERA ATROFIA
MANDIBULAR: RELATO DE CASO
Autores: GABRIEL CURY BATISTA MENDES (*) (UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO - BAURU/SP);GUSTAVO
BATISTA GROLLI KLEIN (UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO - BAURU/SP); MARCELO SALLES MUNERATO
(UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO - BAURU/SP); RICARDO ALEXANDRE GALDIOLI SENKO (UNIVERSIDADE
SAGRADO CORAÇÃO - BAURU/SP); PAULO DOMINGOS RIBEIRO JUNIOR (UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO
- BAURU/SP)
Introdução: A reabilitação oral implantossuportada em pacientes portadores de severas atrofias ósseas é um
grande desafio. Com o desenvolvimento crescente da implantodontia moderna, as grandes reconstruções se tornam cada vez menos frequentes na prática clínica. Entretanto, frente a atrofias ósseas severas a terapia com
implantes se torna muitas vezes impossível de ser alcançada sem procedimentos reconstrutivos prévios. Paciente
I.S., gênero feminino, 55 anos, edentulismo total superior e inferior, com queixa de instabilidade das próteses
totais, buscando tratamento com implantes osteointegráveis. Após avaliação com exames de imagens foi observado severa atrofia óssea dos maxilares, mais importante na mandíbula, com altura óssea na região anterior
inferior a 3mm. O plano de tratamento proposto foi a realização de procedimentos reconstrutivos previamente a
instalação dos implantes em ambos maxilares. Sob anestesia geral, foi realizado procedimento cirúrgico utilizando enxerto autógeno de crista ilíaca em bloco para reconstrução onlay da região anterior de mandíbula e maxila
bilateral, associados a biomaterial xenógeno (Bio-Oss®) e proteína morfogenética rhBMP-2 (Infuse Bone Graft®).
Aguardado o período de integração dos enxertos de 6 meses, realizou-se o planejamento reverso e confecção dos
guias cirúrgicos, e implantes osteointegráveis de conexão protética Cone Morse foram instalados em maxila e
mandíbula, sendo 4 em mandíbula e 8 em maxila. Devido a boa estabilidade inicial dos implantes, intermediários
protéticos foram instalados e sequencia para reabilitação em sistema de carga imediata foi seguida. Próteses implantossuportadas dento-gengivais metalo-acrílicas foram confeccionadas e instaladas 72 horas após a cirurgia.
Em controle pós-operatório de 12 meses, observa-se o sucesso da modalidade reabilitadora utilizada, restabelecendo funcional e esteticamente a paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
118
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
765 – RECONSTRUÇÃO FRONTO-ORBITO-ZIGOMÁTICO COM
PRÓTESES CUSTOMIZADAS EM PMMA
Autores: EDUARDO DE LIMA ANDRADE (*) (RESIDÊNCIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL. HGRS/EBMSP);GABRIELA DOS SANTOS LOPES (RESIDÊNCIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL. HGRS/EBMSP); THALES MORGAN GUIMARÃES SÁ (RESIDÊNCIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL. HGRS/EBMSP); GABRIELA MENDES
GONSALVES (RESIDÊNCIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL. HGRS/EBMSP); ADRIANO FREITAS DE ASSIS
(RESIDÊNCIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL. HGRS/EBMSP)
Introdução: Defeitos craniofaciais são alterações na anatomia e morfologia de ossos faciais que afetam o bem estar psicológico e social do indivíduo. Embora uma variedade de técnicas e substitutos ósseos para reconstrução de
áreas afetadas são descritas, o polimetil metacrilato (PMMA) , é um material aloplástico a base de resina acrílica,
biocompatível, não degradável, utilizado na reconstrução maxilofacial. O objetivo deste trabalho, é relatar o caso
de um paciente que compareceu ao serviço de cirurgia bucomaxilofacial do Hospital Geral Roberto Santos, no
ano de 2014, apresentando sequela de fratura Fronto-Orbito-Zigomático, decorrente de acidente motociclístico
no ano de 2012. Foi solicitado protótipo para melhor planejamento e confecção de próteses customizadas em
PMMA. O paciente foi submetido a procedimento cirúrgico sob anestesia geral e no momento encontra-se em
acompanhamento a cerca de seis meses. A avaliação pós operatória demonstrou excelente recuperação com bons
resultados estéticos e funcionais. Dessa forma, a reconstrução de defeitos craniofaciais é um desafio ao cirurgião
bucomaxilofacial. Através dos conhecimentos adquiridos pela formação odontológica, torna-se possível a customização de próteses em PMMA, as quais são uma boa opção e uso no serviço público.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
119
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
770 – AMELOBLASTOMA MANDIBULAR TRATADO POR
RESSECÇÃO ÓSSEA E RECONSTRUÇÃO IMEDIATA.
Autores: LUCAS SOUZA CERQUEIRA (*) (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA
E SAÚDE PÚBLICA);EDUARDO DE LIMA ANDRADE (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA
MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); CINTIA MIRANDA SANTOS (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); WASHINGTON GERALDO PELEGRINE ROCHA JÚNIOR (HOSPITAL GERAL
ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); ADRIANO FREITAS DE ASSIS (HOSPITAL
GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: AMELOBLASTOMA MANDIBULAR TRATADO POR RESSECÇÃO ÓSSEA E RECONSTRUÇÃO
IMEDIATA. MANDIBULAR AMELOBLASTOMA TREATED BY BONE RESECTION AND IMEDIATE RECONSTRUCTION. Resumo: Introdução: O ameloblastoma é um tumor odontogênico benigno, raro, que representa
1% dos tumores orais. Pode apresentar-se como lesão de grandes proporções com tumefação assintomática e
frequentemente acomete a mandíbula. Apesar de ser benigno, é um tumor de característica agressiva e pode
necessitar de terapêutica invasiva e mutiladora. As grandes ressecções ósseas, geralmente, são realizadas para o
tratamento destas lesões e podem resultar em grave sequela estética e funcional que afetam diretamente na qualidade de vida do indivíduo. A reconstrução desses casos representa um desafio para o cirurgião bucomaxilofacial,
sobretudo quando se busca preservar e/ou devolver a função e estética. Diante das possibilidades reabilitadoras
existentes na atualidade, os enxertos ósseos autógenos e as próteses mandibulares são opções biologicamente
mais viáveis. Objetivo: O objetivo deste trabalho é apresentar o caso clinico de uma paciente que compareceu
ao ambulatório do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Geral Roberto Santos/
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (HGRS/EBMSP) que foi submetida à ressecção de um segmento mandibular com desarticulação têmporomandibular para exérese de ameloblastoma e reconstrução imediata
com enxerto não-vascularizado de fíbula. Atualmente a paciente encontra-se em acompanhamento ambulatorial
e apresenta simetria facial, abertura bucal satisfatória, movimentos mandibulares preservados e contorno basilar da mandíbula simétrico. Conclusão: A técnica de reconstrução adotada possibilitou reabilitação da paciente,
manutenção parcial das funções e estética facial. Palavras chave: Ameloblastoma; Mandíbula; Reconstrução mandibular. Keywords: Ameloblastoma; Mandible; Mandibular Reconstruction.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
120
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
771 – RECONSTRUÇÃO DE DEFEITO MANDIBULAR PÓS
TRAUMÁTICO COM ENXERTO LIVRE
Autores: THALLES MOREIRA SUASSUNA (*) (HOSPITAL GETÚLIO VARGAS);RIEDEL FROTA SÁ NOGUEIRA NEVES
(HOSPITAL GETÚLIO VARGAS); MARIA CATARINA DA COSTA NETA (HOSPITAL GETÚLIO VARGAS); STEFANNY
TORRES DOS SANTOS (HOSPITAL GETÚLIO VARGAS); DANIELLA CRISTINA DA COSTA ARAÚJO (HOSPITAL
GETÚLIO VARGAS)
Introdução: Os defeitos de continuidade nos ossos gnáticos, e principalmente na mandíbula, não são incomuns.
Estas ocorrem normalmente em decorrência de processos patológicos ou de traumas de alta energia. Especialmente nos traumas causados por Projéteis de Arma de Fogo (PAF) , um efeito de fragmentação óssea pode acontecer e causar uma perda de substância irreversível, dado o grau de cominução encontrado nestas fraturas. Em se
concretizando a perda óssea, algumas alternativas podem ser ponderadas para tratamento, entre elas a reconstrução do defeito mandibular com enxerto autógeno e a fixação com sistemas de carga suportada. Dessa maneira
temos a vantagem de: impedir fadiga do material de síntese (já que o osso vai adquirir continuidade novamente)
, permitir um melhor resultado estético e prover função adequada, inclusive permitindo a instalação de implantes osseointegráveis na área enxertada. Dentre as áreas doadoras temos a calota craniana, tíbia, costela, fíbula,
escápula e as cristas anterior e posterior do osso ilíaco. Este último geralmente é a área de escolha dado a sua
grande disponibilidade de osso cortical e medular, embora o grau de reabsorção seja imprevisível. Este trabalho
tem como objetivo revisar aspectos das reconstruções mandibulares com enxerto autógeno livre. Paciente IGS,
25 anos, gênero masculino com história de agressão física por PAF na região de corpo mandibular. Na época foi
tratado emergencialmente em outro serviço fora do protocolo de fixação interna rígida vigente e após 3 anos
procurou atendimento ambulatorial. Clinicamente apresentava mobilidade atípica em mandíbula, reação inflamatória crônica, assimetria facial e relatos de sintomatologia espontânea. Tomograficamente se via segmentos
ósseos fora de posição, gap entre os segmentos mandibulares e dispositivos de fixação soltos. O caso foi planejado
com auxílio de prototipagem (baseado nos arquivos DICOM da tomografia) , onde se realizou a redução dos segmentos ósseos, ceroplastia (reproduzindo a área perdida e a ser enxertada) e modelagem da placa de reconstrução
perfil 2.3 mm. A cirurgia procedeu-se conforme planejamento no protótipo e foi utilizado enxerto de ilíaco de 6
cm para reconstrução do defeito na mandíbula. O paciente evoluiu sem complicações, encontra-se em acompanhamento pós-operatório de 10 meses, e em fase de planejamento para implantodontia. Podemos concluir que
o ilíaco permanece sendo uma área doadora de enxerto viável a maioria dos defeitos mandibulares de pequena
extensão, e onde haja leito receptor saudável.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
121
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
793 – RECONSTRUÇÃO DO REBORDO ALVEOLAR MAXILAR
COM ENXERTO DA REGIÃO ANTERIOR DE CRISTA ILÍACA E
REABILITAÇÃO COM PRÓTESE PROTOCOLO SUPERIOR SOBRE
IMPLANTES ANGULADOS – UM RELATO DE CASO
Autores: THIAGO VINÍCIUS RODRIGUES REIS (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ);GUILHERME DOS SANTOS TRENTO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); RICARDO PASQUINI FILHO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO
PARANÁ); DELSON JOÃO DA COSTA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ); NELSON LUIS BARBOSA REBELLATO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ)
Introdução: Defeitos ósseos maiores requerem sítios doadores distantes, visto que estes apresentam um maior
volume ósseo, fundamental para sua reconstrução. Áreas doadoras extrabucais, além das vantagens da obtenção
de grande volume ósseo e possibilidade de reconstrução de grandes defeitos, podem apresentar baixa morbidade
e fácil acesso, principalmente quando os enxertos são removidos da região anterior da crista ilíaca (MAZZONETTO, et al., 2012). Este trabalho visa relatar um caso de reconstrução da pré-maxila com enxerto autógeno de crista
ilíaca com posterior reabilitação com prótese protocolo sobre implantes inclinados de uma paciente atendida pelo
serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial da Universidade Federal do Paraná. A paciente C. F. S.,
41 anos, leucoderma, portadora de importante reabsorção do rebordo alveolar maxilar no sentido horizontal,
utilizava prótese total superior a mais de 10 anos. A paciente foi submetida à cirurgia, sob anestesia geral, para a
retirada de bloco ósseo córtico-medular na região anterior de crista ilíaca, com posterior colocação de seis implantes na pré-maxila, sendo que os posteriores foram angulados tangenciando a parede medial do seio maxilar para
aumentar o polígono de sustentação para posterior reabilitação com prótese protocolo superior. O tratamento
possibilitou a melhora estética, funcional, fonatória, além de devolver a paciente ao seu meio bio-psico-social e
cultural, garantindo a satisfação da paciente e dos profissionais envolvidos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
122
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
865 – RECONSTRUÇÃO COM PRÓTESE CUSTOMIZADA DE
POLIMETILMETACRILATO EM REGIÃO DE OSSO FRONTAL:
RELATO DE CASO
Autores: ANA CAROLINA LEMOS PIMENTEL (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA);THAISE
GOMES FERREIRA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); THALES MORGAN GUIMARAES SÁ
(ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); WASHINGTON GERALDO PELEGRINI ROCHA JUNIOR (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); ADRIANO FREITAS ASSIS (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E
SAUDE PUBLICA)
Introdução: O trauma em região frontal, não é raro, principalmente a depender da população estudada: área
geográfica, faixa etária, nível sócio-econômico-cultural, sendo correspondente à 08% dos traumas em face e estimado entre 06 e 12% das fraturas de face. As causas mais conhecidas de trauma em face na atualidade são os
acidentes automobilísticos e as agressões físicas. O tratamento das fraturas e deformidades facias desenvolveu-se
consideravelmente após a introdução da tomografia computadorizada (TC) no auxilio diagnóstico e no planejamento. Associado também à possibilidade de confecção do protótipo tridimensional, reproduzindo as condições
encontradas e possibilitando realizar as próteses e orteses customizadas previamente ao procedimento, assim
como simular o procedimento necessário a ser realizado, reduzindo assim o tempo cirúrgico e a morbidade do
procedimento. Os defeitos maxilo-faciais decorrentes de traumas e cirurgias mutiladoras provocam deformidades estéticos funcionais e resultam em sequelas que interferem diretamente na qualidade de vida dos indivíduos.
As técnicas de reconstrução craniofacial são complexas e existe a possibilidade da utilização de enxertos autógenos ou biomateriais. Dentre os biomateriais, o polimetilmetacrilato é uma resina de base acrílica considerada
uma boa opção para reconstrução de defeitos ósseos faciais, por possuir baixo custo, ser inerte, biotolerado,
diminuir o tempo cirúrgico, e permitir fácil manipulação e modelagem. O objetivo deste trabalho é relatar o caso
de um paciente de 45 anos de idade, que compareceu ao ambulatório de cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial (CTBMF) da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública/Hospital Geral Roberto Santos (EBMSP/HGRS)
devido a defeito ósseo em região frontal em decorrência de um acidente motociclistico há 01 ano que resultou
em um procedimento de craniotomia. Após o exame tomográfico foi realizado uma prototipagem do crânio para
posterior confecção de uma prótese de polimetilmetacrilato, o paciente foi submetido a cirurgia sob anestesia
geral para a fixação da prótese e correção do defeito em face. No momento o paciente encontra-se em acompanhamento ambulatorial pela equipe de CTBMF.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
123
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Enxertos ósseos e biomateriais
867 – RECONSTRUÇÃO DE DEFEITO CRANIOFACIAL COM
PRÓTESE DE POLIMETILMETACRILATO
Autores: THAISE GOMES FERREIRA (*) (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA E
SAÚDE PÚBLICA);VICTOR ARAUJO BARBOSA (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); IGOR RAFAEL GOMES CAVALCANTE (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/ESCOLA
BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); BRUNNA SANTOS BARRETO (HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS/
ESCOLA BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); ADRIANO FREITAS DE ASSIS (HOSPITAL GERAL ROBERTO
SANTOS/ESCOLA BAHIANA MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: A cranioplastia, no tratamento de sequelas cranianas, tem como objetivo a reabilitação mor¬fológica
e funcional do crânio. Podem-se identificar dois grupos principais de materiais utilizados para a reconstrução da
abóbada craniana, os enxertos ósseos e os materiais aloplásticos, como o titânio, o polietileno, a hidroxiapatita
e o polimetil metacrilato (PMMA). A confecção da prótese de PMMA pode ser executada no período pré-operatório, utilizando-se biomodelos de prototipagem rápida ou durante o procedimento cirúrgico, aplicando-se diretamente sobre os tecidos. A prototipagem rápida, como método auxiliar na cranioplastia, permite a simulação
de procedimentos na fase pré-operatória e a confecção de próteses personalizadas, reduzindo a morbidade, o
tempo cirúrgico e melhoran¬do os resultados obtidos. O objetivo do presente trabalho é apresentar a utilização
do PMMA na reconstrução craniofacial, por meio de um caso clínico de uma paciente do gênero feminino, 40
anos, que foi submetida a reconstrução de defeito craniano, com prótese pré-fabricada de PMMA e evidenciar
a necessidade estética e funcional deste tipo de abordagem cirúrgica. Palavras-chave: Reconstrução; Polimetil
metacrilato; Modelos anatômicos
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
124
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
70 – REABILITAÇÃO ORAL DE UMA MANDÍBULA
EXTREMAMENTE ATRÓFICA: RELATO DE CASO
Autores: EDUARDO AZOUBEL (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CÉARA);MARIA CECÍLIA FONSÊCA AZOUBEL
(ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); NEIANA CAROLINA RIOS RIBEIRO (ESCOLA BAHIANA DE
MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); BRIANA GÓES MONTEIRO (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);
ARTHUR SOARES OLIVEIRA (GOETHE UNIVERSITÄT)
Introdução: O edentulismo é um dos principais agravos que acometem a saúde bucal dos brasileiros, consequentemente a ausência dentária influencia na qualidade óssea dos maxilares onde a perda de função mastigatória
desencadeia o processo de atrofia óssea. A atrofia mandibular significa diminuição da massa óssea, tornando o
osso mais vulnerável às fraturas, com um processo de reparo prejudicado devido ao potencial osteogênico reduzido. Em virtude desses fatores o tratamento e a reabilitação oral desse tipo de paciente torna-se mais complexo.
A abordagem atual para esses tipos de caso alia modernas técnicas de enxertos ósseos associados a implantes osseointegrados permitindo assim a reabilitação protética, devolvendo ao paciente uma melhor qualidade de vida.
Contudo o propósito deste trabalho é demonstrar um caso clínico sobre a reabilitação de uma paciente com a
mandíbula severamente atrófica, através de estudo minucioso, com confecção de protótipo, implantes dentários
e inserção de placa de reconstrução como forma preventiva para uma possível fratura de mandíbula, descrevendo
passo a passo as suas características clínicas, cirúrgicas, periodontais e protéticas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
125
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
106 – ATUAÇÃO DA MELATONINA NO REPARO ÓSSEO NA
INTERFACE OSSO/IMPLANTE EM RATOS PINEALECTOMIZADOS
– ANÁLISES HISTOMÉTRICA E BIOMECÂNICA
Autores: TÁRIK OCON BRAGA POLO (*) (UNESP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - SP, BRASIL.);LETÍCIA PITOL PALIN (UNESP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - SP, BRASIL.); LEONARDO
PEREZ FAVERANI (UNESP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - SP, BRASIL.); DÓRIS HISSAKO
SUMIDA (UNESP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - SP, BRASIL.); ROBERTA OKAMOTO (UNESP
- FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - SP, BRASIL.)
Introdução: Os transtornos cronobiológicos afetam grande parte da população. Segundo estudos, a ausência da
melatonina promove aumento do estresse oxidativo celular e leva a atraso no reparo alveolar. Nesse sentido, este
trabalho teve como objetivo Investigar as alterações celulares e possíveis complicações que possam ocorrer junto
à interface (osso/implante) em ratos pinealectomizados. Foram utilizados 24 ratos Wistar machos, divididos
em três grupos: controle (CO) , pinealectomizados sem melatonina (PNX) e pinealectomizados com melatonina
(PNXm). Após 30 dias da pinealectomia, os animais receberam implante em cada tíbia. Por meio de gavagem, os
grupos PNX e PNXm receberam veiculo de solução e melatonina até a eutanásia aos 42 dias, respectivamente.
Posteriormente, foi realizada avaliação biomecânica e histométrica (ELCOI e AON) , utilizando p=0,05. Na análise biomecânica, os grupos PNX e PNXm não apresentaram diferença estatisticamente significante (p=0.500).
A análise de ELCOI, os grupos foram submetidos ao teste de normalidade de Shapiro-Wilk com uma determinação não paramétrica e o teste de Kruskal-Wallis apontou diferença estatisticamente significante entre os grupo
PNXm (7702.260) , CO (6514.809) e PNX (4450.339). Na análise de AON, os grupos foram submetidos ao teste
de normalidade de Shapiro-Wilk com uma determinação paramétrica teste ANOVA ONE WAY com pós teste de
Tukey que apresentou diferença estatisticamente significativa (p<0.001) entre os grupos PNXm vs PNX e entre
os grupos CO vs PNX, e (p=0.665) entre PNXm vs CO. De acordo com os resultados, conclui-se que a terapia com
melatonina favoreceu o reparo ósseo periimplantar em ratos pinealectomizados. Palavras-chave: Melatonina,
Glândula Pineal, Implantes Dentários. Agradecimento: Processo FAPESP - 2014/11920-6
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
126
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
116 – QUAL A AÇÃO DO ALENDRONATO NA NEOFORMAÇÃO
ÓSSEA PERIIMPLANTAR EM RATAS OSTEOPORÓTICAS?
Autores: PEDRO HENRIQUE SILVA GOMES FERREIRA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA UNESP);GABRIEL RAMALHO FERREIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); DANILA DE
OLIVEIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); LEONARDO PEREZ FAVERANI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA - UNESP); ROBERTA OKAMOTO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE
ARAÇATUBA - UNESP)
Introdução: O fenômeno da osseointegração promoveu grande avanço no tratamento para reabilitação bucal,
com prognóstico de sucesso próximo de 100%. Alguns fatores devem ser considerados visando a eficácia da osseointegração, tais como a qualidade do tecido ósseo que receberá o implante, sendo um fator determinante para
uma integração adequada do implante dentário com o osso, visto que as características micro-estruturais ósseas
influenciam na capacidade de suportar a transmissão e distribuição de forças fisiológicas. Uma das principais
causas de perda da qualidade óssea é a osteoporose, doença caracterizada por um aumento da porosidade do esqueleto resultante de uma redução da massa óssea, sendo suas formas mais comuns a senil e a pós-menopausa.
Como tratamento no brasil o medicamento de eleição é o alendronato, o qual exerce ação anti-reabsortiva, se
ligando à hidroxiapatita e inibindo o desenvolvimento de osteoclastos e vem sendo utilizado no tratamento da
osteoporose. O objetivo deste trabalho foi avaliar a interferência deste medicamento na expressão de proteínas
da matriz extracelular durante a osseointegração em ratas osteoporóticas. Foram utilizados os grupos experimentais: SHAM - 10 ratas submetidas à cirurgia fictícia e alimentadas com dieta balanceada; OVX-ST - 10 ratas
submetidas à ovariectomia bilateral, alimentadas com dieta pobre em cálcio (osteoporóticas) e sem tratamento
medicamentoso; e, OVX-ALE - 10 ratas submetidas à ovariectomia bilateral, alimentadas com dieta pobre em
cálcio (osteoporóticas) e tratadas com alendronato. Na metáfise tibial direita de cada animal foi instalado um
implante com superfície lisa e, na esquerda, com superfície tratada por duplo ataque ácido. A eutanásia dos animais foi realizada aos 14 e 42 dias após a instalação dos implantes, através de sobredosagem anestésica. As peças
foram processadas laboratorialmente e incluídas em parafina para a realização da análise imunoistoquímica. Foram analisadas as proteínas: fosfatase alcalina, osteopontina e RUNX2. As imunomarcações para OP e RUNX2
mostraram a presença de células da linhagem osteoblástica junto ao tecido ósseo neoformado nos grupos SHAM
e OVX-ALE. No grupo OVX-ST observou discreta presença de células positivas para RUNX2 presentes no tecido
conjuntivo reparacional. A fosfatase alcalina apresentou imunomarcação moderada no grupo OVX-ST, entretanto, apresentou-se discreta nos grupos SHAM E OVX-ALE. Pôde-se concluir que o alendronato além de diminuir
a osteoclastogênese, melhora a formação óssea e aumenta a expressão de células da linhagem osteoblástica durante a osseointegração.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
127
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
255 – A UTILIZAÇÃO DE IMPLANTES EM PACIENTES
IRRADIADOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA
Autores: YARA DE PAULA FARIAS (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ);YURI CAMPELO FRAGA (INSTITUTO
DR JOSÉ FROTA); RENATO LUIZ MAIA NOGUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); RAFAEL LIMA VERDE
OSTERNE (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); MANOEL DE JESUS MELLO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO
CEARÁ)
Introdução: Diversas neoplasias da região de cabeça e pescoço apresentam dentro das modalidades terapêuticas
a radioterapia, que podem apresentar complicações, variando deste mucosite e xerostomia até osterradionecrose
dos maxilares, representando desafios para a reabilitação oral. Existem controvérsias em relação ao uso de implantes nestes pacientes. Objetivou-se realizar uma revisão da literatura acerca do uso de implantes em ossos
irradiados, pois é de extrema relevância o conhecimento deste tema para que se possa analisar com bom senso
o uso de implantes dentários nestes pacientes. Foi realizada uma pesquisa na base de dados PubMed usando os
termos “dental”, “implant” e “irradiated”. Foram achados 97 artigos relevantes e selecionados 23. Como critério
de inclusão, utilizou-se: revisões sistemáticas, relatos de casos e série de casos. Como critério de exclusão, ultilizou-se: artigos publicados antes do ano 2000, implantes em enxerto ósseo, implantes extra-orais e artigos com
amostra menor que 10 pacientes. Existem dois grandes riscos do uso de implantes em pacientes irradiados, a
osteoradionecrose e a não osseointegração. A radiação promove uma diminuição da atividade osteoblástica e
osteoclástica, e da vascularidade. A diminuição do fluxo sanguíneo, células de defesa e nutrientes faz com que
estrutura óssea mandibular e maxilar sofra degeneração e perca a capacidade de regeneração. Todas essas alterações podem levar a redução da remodelação e viabilidade óssea, o que potencialmente afeta a osseointegração
dos implantes. Os tecidos irradiados, com o tempo, ficam mais fibróticos e hiposvascularizado, causando impacto
negativo na reabilitação com implante. Devido à sua alta densidade óssea e reduzido suporte arterial, a mandíbula é mais susceptível à osteorradionecrose. Quanto a osseointegração, maior índice de falha no período de
cicatrização que pacientes não-irradiados, sendo os melhores resultados em mandíbula, devido a alta estabilidade
do implante. A literatura atual não apresenta dados suficientes para a indicação absoluta de implantes em ossos
irradiados, sendo o senso clínico fundamental para o planejamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
128
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
298 – IMPLANTES INSTALADOS IMEDIATAMENTE AO
LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR COM UTILIZAÇÃO DE
COÁGULO
Autores: VALTHIERRE NUNES DE LIMA (*) (UNESP - ARAÇATUBA);ANA PAULA FARNEZI BASSI (UNESP - ARAÇATUBA); LEONARDO PEREZ FAVERANI (UNESP - ARAÇATUBA); FLÁVIA GASPARINI KIATAKE FONTÃO (ILAPEO CURITIBA); RICARDO PIOTO (ILAPEO - CURITIBA)
Introdução: A idealização de um substituto ósseo “ideal”, que diminua a morbidade cirúrgica e consiga manter as
propriedades de osteoindução, osteocondução e ascélulasosteoprogenitoras tem sido o principal foco das pesquisas atuais. Este estudo objetivou realizar um estudo clínico prospectivo de procedimento para sinusliftmaxilar na
região posterior da maxila, utilizando somente o coágulo sanguíneo como material de preenchimento. Material
e Método: 17 pacientes foram submetidos ao procedimento cirúrgico de sinuslift maxilar em 20 seios maxilares
operados e um total de 25 implantes instalados nestas regiões, com diâmetro de 4.3 mm.A mucosa sinusal foi
elevada juntamente com parede anterior da maxila osteotomizada, tornando-se o novo teto do seio maxilar,
sustentada pelos implantes instalados na mesma sessão. A altura óssea linear e mensuração da densidade óssea
pelos tons de cinza foram realizadas através de tomografia computadorizada (CT) no pós-operatório imediato
(Tinicial) , aos 3 meses (T1) e aos 51 meses (T2). Resultados: Na primeira fase somente 1 implante foi perdido
(96% de sucesso) e após a instalação das próteses até 51 meses de acompanhamento, nenhum implante foi
perdido (100% de sucesso na segunda fase). A altura óssea na comparação entre Tinicial (média de 5.940 mm)
x T1 (13.141 mm) , Tinicial x T2 (11.573 mm) foi estatisticamente significante (Teste -T pareado, p<0.001). A
comparação T1 x T2 também apresentou diferença estatística (Wilcoxon, P<0.001) , com uma perda média de
altura óssea de 1.57 mm.A densidade óssea aumentou no final do período analisado (menores valores de tons de
cinza – T2= 1588.368 x T1 = 1657.201) , entretanto sem diferenças estatisticamente significante (Teste-T pareado, P>0.05). Conclusão: Os resultados deste estudo nos encorajam a concluir que a técnica de sinuslift maxilar
com instalação imediata de implantes sem o uso de biomateriais, somente com o preenchimento com coágulo
pode ser realizada com altas taxas de sucesso, reduzindo a morbidade cirúrgica do enxerto autógeno e algumas
limitações dos demais substitutos ósseososteocondutores.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
129
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
325 – ESCLERODERMIA LINEAR FRONTAL “EN COUP DE
SABRE” ASSOCIADA A IMPLANTES OSSEINTEGRADOS
Autores: LEONARDO MATOS SANTOLIM ZANETTINI (*) (PUCRS);EDUARDO PITTAS DO CANTO (ITI); WALDEMAR
DAUDT POLIDO (ITI);
Introdução: RESUMO A esclerodermia localizada é uma doença inflamatória clinicamente distinta, afetando
principalmente a derme e gordura subcutânea. É caracterizada pela deposição excessiva de colagénio que conduz a um espessamento da derme e / ou tecidos subcutâneos, conduzindo finalmente a uma esclerose do tipo
cicatriz. A sua etiologia permanece indefinida. A esclerodermia linear “en coup de sabre” (LSC) é um subtipo de
esclerodermia localizada. LSCs geralmente desenvolvem-se na primeira ou segunda década de vida, apresentando-se como lesões de banda escleróticas com mais ou menos descoloração da pele da região fronto-parietal.
Atrofia involuntaria da pele, músculo, e até mesmo do osso pode ocorrer. Lesões “En Coup de Sabre” descritas
na literatura são principalmente na região frontal perto da linha média com orientação vertical. Além disso, problemas dentários são comuns em pessoas com esclerodermia. Estes tipos de problemas acontecem por uma série
de razões: abertura bucal limitada, tornando-se difícil cuidar dos dentes; boca seca causada por danos glândula
salivar acelerando a deterioração dos dentes; danos aos tecidos conjuntivos na boca podendo levar a dentes com
mobilidade. O objetivo deste trabalho é discutir, através da revisão da literatura e relato de caso, o caso de um paciente com esclerodermia linear frontal “en coup de sabre” associado à reabilitação oral com implantes dentários
e próteses implanto-suportadas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
130
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
331 – IMPLANTES CURTOS: ALTERNATIVA À ENXERTOS
ÓSSEOS EM MANDÍBULA POSTERIOR
Autores: LEONARDO MATOS SANTOLIM ZANETTINI (*) (PUCRS);CARLOS FORTUNA (ITI); WALDEMAR DAUDT
POLIDO (ITI);
Introdução: RESUMO Nos últimos 30 anos, a implantodontia sofreu grande aprimoramento de modelos e técnicas. Existem diversos fatores que limitam a colocação de implantes, incluindo volume e densidade insuficiente de
osso, o que é frequentemente encontrado em pacientes edêntulos com reabsorção severa de mandíbula. Com o
aprimoramento das técnicas de aumento ósseo, tais como enxertos ósseos, regeneração óssea guiada e distração
osteogênica, hoje tornou-se possível reabilitar muitos desses casos com implantes, embora os resultados clínicos
mostrem que aumentos verticais ósseos são limitados. Esses tratamentos aumentam o tempo de tratamento,
morbidade, complicações e custo. Na última década, o uso de implantes curtos tornou-se de grande interesse
entre cirurgiões. Estudos mostram que os implantes curtos (<8mm) têm os mesmos índices de sucesso e de perda óssea marginal que os implantes longos. O objetivo desse estudo é reportar, através da revisão de literatura
e relato de caso, a reabilitação oral com implantes curtos de 4mm em região posterior de mandíbula, essa sendo
uma alternativa viável à aumentos ósseos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
131
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
727 – ESTUDO COMPARATIVO DA INTERAÇÃO CELULAR ENTRE
QUATRO TIPOS DE IMPLANTES DENTÁRIOS
Autores: FABIANA FERREIRA ALVES (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO);NILTON JÚNIOR AZAMBUJA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE PAULISTA); MÁRCIA MARTINS
MARQUES (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO); MARIA CRISTINA ZINDEL
DEBONI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO); MARIA DA GRAÇA NACLÉRIO-HOMEM (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO)
Introdução: O tratamento de superfície dos implantes dentários é um critério importante para a osseointegração.
Considerando a variedade de modificações das superfícies encontradas, estas podem acelerar ou melhorar o processo de osseointegração. Para tanto foram estudadas as características da composição química e a rugosidade, a
partir das quais foram encontradas diferentes respostas celulares em estudos comparativos in vitro. O objetivo
deste estudo foi comparar a adesão e o crescimento dos OSTEO-1 em implantes dentários com diferentes tratamentos de superfície. Foram utilizados quatro tipos de implantes dentários comercialmente disponíveis, com
os seguintes tratamentos de superfície: (A) jateamento e condicionamento ácido com revestimento de fosfato e
cálcio (CaP); (B) duplo condicionamento ácido; (C) condicionamento ácido; (D) oxidação anódica. Os implantes
de mesmo tamanho foram fixados com dispositivo biocompatível no fundo dos poços das placas de cultura de
12 poços e cobertas com meio de cultura de células. Os OSTEO-1 foram colocados no corpo do implante. Nos
períodos de 24, 48 e 72 horas mais tarde, as culturas foram submetidas ao ensaio de redução de MTT para avaliar
a viabilidade celular. Os dados foram utilizados para analisar a adesão celular (24h) e para obter as curvas de crescimento das células (24, 48 e 72h). Os experimentos foram realizados em triplicata. Os dados foram comparados
por ANOVA, complementado pelo teste de Tukey (p <0,05). Os OSTEO-1 aderiram ao corpo de todos os tipos de
implantes testados. A maior taxa de crescimento celular foi observada em culturas semeadas sobre tratamento
de superfície A. O menor crescimento celular foi apresentado por culturas semeadas no tratamento de superfície
D (p <0,05). Com base nesta investigação in vitro é possível concluir que todos os implantes dentários testados,
independentemente do tratamento de superfície, não são citotóxicos para os OSTEO-1. No entanto, as características físico-químicas do tipo de tratamento de superfície dos implantes dentários influencia o crescimento
celular. A superfície A pareceu ter o comportamento mais compatível com os OSTEO-1, uma vez que promoveu
mais crescimento celular.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
132
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
776 – AVALIAÇÃO DO EFEITO DA LLLT SOBRE O REPARO
ÓSSEO PERIMPLANTAR: ANÁLISE POR MEV E ESTERIOLOGIA
Autores: LUCIANO MAYER (*) (UFBA);FERNANDO VACILOTTO GOMES (AGOR/RS); CARLOS EDUARDO BARALDI
(UFRGS); MARÍLIA GERHARDT DE OLIVEIRA (HOSPITAL CRISTO REDENTOR, GHC - MINISTÉRIO DA SAÚDE);
Introdução: Estudos prévios em animais relataram efeitos positivos da terapia laser de baixa intensidade (LLLT)
no reparo ósseo. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da LLLT no processo de reparo perimplantar, por meio
da microscopia eletrônica de varredura (MEV) e da estereologia da interface osso-implante. Trinta e dois coelhos
machos, da raça Nova Zelândia (Oryctolagus cuniculus) tiveram seus incisivos inferiores esquerdos removidos,
seguidos da inserção imediata de um implante osseointegrável de titânio no alvéolo dentário da amostra. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em quatro grupos: controle (C - não irradiado) e 3 experimentais em três
doses diferentes de LLLT (5 J/cm², 10 J /cm², 20 J/cm²) por sessão. O Laser (GaAlAs, &#955; = 830nm, 50mW,
CW) foi aplicado a cada 48 horas durante 13 dias (sete aplicações) , com início após a última sutura. Os animais
foram mortos e os tecidos preparados para MEV e análise estereológica. Os resultados mostraram valores significativamente superiores contato osso-implante (BIC) (p <0,05) em MEV e análise estereológica para o grupo 20
J/cm². Valores de área óssea foram melhores nos grupos irradiados. Sob as condições experimentais descritas, a
laserterapia melhora o reparo ósseo perimplantar, aumentando o BIC, bem como a neoformação óssea entre as
espiras do implante.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
133
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
786 – IMPLANTE CURTO VERSUS IMPLANTE LONGO. ANÁLISE
FOTOELÁSTICA DA DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES AO VARIAR A
ALTURA DA COROA PROTÉTICA.
Autores: VALDIR DE OLIVEIRA (*) (UNISA);CARLOS EDUARDO XAVIER S R S (UNISA); ANDRÉ CARVALHO RODRIGUEZ (UNISA); DANIELA MARTI COSTA (UNISA); MARCIO MARTINS (UNISA)
Introdução: A perda de elementos dentais dá início a uma das patologias orais mais importantes: a atrofia do rebordo alveolar. A reabilitação das áreas posteriores de maxila e mandíbula que, em muitos casos, não apresentam
altura óssea adequada para receber um implante de tamanho convencional, passa por procedimentos cirúrgicos
avançados de enxertia óssea para aumentar o rebordo atrófico, permitindo assim a instalação de implantes. Esse
procedimento causa morbidez, demanda um longo período de tempo e é dispendioso para o paciente, que nem
sempre está disposto a submeter-se a ele. O uso de implantes curtos (< 10 mm) tem sido avaliado há anos, para
suprir a necessidade desses pacientes portadores de severa atrofia de rebordo ósseo alveolar. Um dos problemas
apresentados na literatura é a possibilidade de falha que estes implantes apresentam por problemas biomecânicos, uma vez que recebem coroas de proporção algumas vezes maior que o seu tamanho. O presente trabalho
avaliou e comparou a distribuição de tensões ao redor de implantes curtos, de 6,0 mm de Ø x 5,7 mm de comprimento da marca Bicon®, USA, e implantes longos, de 4,5 mm de Ø x 11 mm de comprimento, do mesmo fabricante, variando a proporção coroa/implante de 1:1, 2:1, 3:1 e 4:1 (em relação ao implante curto) , aplicando cargas
verticais de 100 N e horizontais de 30 N. Os resultados mostraram que os implantes curtos avaliados apresentaram maior intensidade/concentração de tensões que os implantes longos, talvez por sua área superficial 21,85%
menor. De forma geral o estudo permitiu concluir que o padrão de distribuição de tensões entre o implante curto
e longo avaliados, mostra que o implante curto, desde que corretamente indicado, pode ser utilizado em lugar do
longo quando a altura óssea não permitir sua instalação, mesmo que a relação coroa/implante seja considerada
desfavorável.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
134
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
789 – REABILITAÇÃO DE MANDÍBULA ATRÓFICA POR MEIO
DE IMPLANTES E TRANSPOSIÇÃO BILATERAL DOS NERVOS
ALVEOLARES INFERIORES
Autores: LUIZ AUGUSTO DE SOUZA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE CAMPO GRANDE – UNIVERSIDADE
FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL-UFMS);MURILO MOURA OLIVEIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE
CAMPO GRANDE – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL-UFMS); GUSTAVO ADOLFO PEREIRA
TERRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE CAMPO GRANDE – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
DO SUL-UFMS); TÚLIO MARCOS KALIFECOÊLHO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE CAMPO GRANDE – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL-UFMS);
Introdução: A instalação de implantes, como opção na reabilitação oral, é uma realidade desta ultima década. Fator imprescindível
para o correto posicionamento dos implantes é a disponibilidade óssea alveolar. Quando a espessura ou altura óssea é insuficiente,
faz-se necessário realizar procedimentos prévios ou simultâneos a colocação dos implantes, como implantes curtos e ou inclinados.
Em casos mais limítrofes, ou seja, 3mm ou menos de osso na região posterior da mandíbula o reposicionamento do nervo alveolar
inferior (NAI) é a técnica mais indicada. O risco inerente a esse procedimento cirúrgico é o dano ao NAI, provocando hipoestesia, parestesia ou hiperestesia temporária ou permanente. O presente trabalho descreve um caso clínico de paciente de 52 anos,
sexo feminino que compareceu à Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul com necessidade de
reabilitação da mandíbula posterior através da colocação de implantes bilateralmente, uma vez que sua prótese parcial removível
se encontrava mal adaptada e a paciente não queria voltar a utilizar uma prótese móvel. De acordo com exames imaginológicos
foi verificado que altura óssea era de 3,5 mm do lado direito e 4,5 mm do lado esquerdo, da crista alveolar até do teto canal do
NAI, justificando a indicação da técnica. O tratamento foi realizado com medicação pré e pós operatória, sob anestesia local, por
meio da transposição do NAI esquerdo seguida pelafresagens e instalação de 3 implantes de 3,75 x 10 mm, uso de 1 frasco de
osso heterógeno e 1 membrana aposicionada sobre o enxerto. O NAI juntamente com o mentual foram posicionados vestibular
e posteriormente a sua posição original, concluindo-se o procedimento com sutura continua festonada e pontos simples nas incisões relaxante. A paciente foi acompanhada no pós-operatório do lado direito em 7, 15, 30, 60 e 90 e180 dias, apresentando boa
cicatrização, estabilidade dos implantes, ausência de sinais de infecção e com parestesia com sinais de remissão ao final de seis
meses. No pós-operatório dos 11 meses, a paciente ainda apresentava sintomas de hipoestesia, sendo medicada com Lyrica®. O
lado direito foi operado sete meses após o primeiro procedimento, seguindo o mesmo protocolo, instalados 2 implantes de 3,75 x
11,5 mm,. Houve parestesia no pós-operatório do procedimento, sendo que ao quinto mês a paciente apresentava hipoestesia, a
qual perdura após 15 meses do procedimento, mas apresentando sinais de remissão, como ocorreu no lado oposto.Concluímos que
a transposição do NAI em casos de severa atrofia de mandíbula em região posterior é um procedimento viável para obter uma reabilitação oral satisfatória, fornecendo estabilização suficiente aos implantes. Além disso, diminui o tempo de tratamento, números
de procedimento e custos aos pacientes. No caso de deficiência neurológica, os pacientes necessitam de avaliações periódicas no
pós operatório, porém a maior parte das deficiência se resolvem espontaneamente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
135
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Implantes ósseos integráveis
906 – ANÁLISE FOTOELÁSTICA EM MODELOS COM IMPLANTES
DISTAIS ANGULADOS EM UMA REABILITAÇÃO TIPO
PROTOCOLO.
Autores: MÁRIO SERRA FERREIRA (*) (DEPARTAMENTO DE CIRURGIA BUCAL. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE
ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA);PAULO CEZAR SIMAMOTO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); RAYZA
RECHETNICOU (LIGA ACADEMICA DE DIAGNÓSTICO E CIRURGIA ORAL. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA); SIMONE SOUZA SILVA SANT´ANA (DEPARTAMENTO DE CIRURGIA BUCAL. CENTRO
UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA); CÉLIO JESUS DO PRADO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE
UBERLÂNDIA)
Introdução: A reabilitação tipo protocolo é amplamente utilizada na implantodontia como forma de tratamento
para pacientes edêntulos totais. Inúmeros trabalhos citam sobre o número ideal de implantes concomitante com
a melhor escolha de intermediários protéticos. Este trabalho teve por objetivos investigar os campos de tensão
periimplantar gerados por cinco diferentes configurações em uma reabilitação mandibular, através da aplicação
de carga vertical sobre o cantiléver por meio da técnica de fotoelasticidade e testar duas hipóteses: a redução no
tamanho do cantiléver pela inclinação do implante distal diminui o gradiente de tensão (1) , e que o uso de pilares
angulados também favorece a distribuição de tensões (2). Para o exposto, foram confeccionadas cinco infraestruturas metálicas com intermediáos cônicos de perfil baixo, unidos a implantes tipo hexágono externo de 13 mm
por 3,75 mm, simulando configurações distintas de uma reabilitação tipo protocolo Branemark e inseridos em
resina fotoelástica para análise das tensões. Uma avaliação qualitativa e quantitativa das ordens de franjas e da
tensão cisalhante (t) foi realizada em 27 pontos localizados ao redor dos implantes, por meio de um carregamento aplicado verticalmente em dois pontos do cantiléver. Os grupos diferiram entre si pela variação da inclinação
do implante distal em 0° (grupo GC) , 17° (grupo G17) e 30° (grupo G30) , além da variação do intermediário reto
e angulado. Os dados foram analisados por meio de teste de análise de variância (ANOVA) e Tukey, para grupos
paramêtricos (P<0,05). Foram encontradas diferenças estatisticamente significantes entre os grupos. Os pontos
de maior tensão foram encontrados nos implantes distais nas regiões cervical e apical. Os grupos que apresentaram menor tensão foram o 30° angulado (G30A) e o 17° angulado (G17A). Os que atingiram maiores níveis de
tensão periimplantar foram o 17° reto (G17R) e o 0° (GC). A angulação do implante distal em 30° gera vantagem
mecânica, resultando na diminuição da tensão periimplantar. A utilização de micro-units angulados ofereceu
menores tensões entre os grupos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
136
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
7 – FASCEÍTE NECROSANTE ODONTOGÊNICA EM UMA
CRIANÇA DE 10 ANOS
Autores: CAIO CEZAR REBOUÇAS E CERQUEIRA (*) (HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL);DANIEL SARAIVA DE PAULA (HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL);
Introdução: A fasceíte necrotizante é um quadro grave, associado a processos infecciosos agressivos. Consiste
em uma séria inflamação da bainha muscular que leva a necrose do tecido subcutâneo e fascia adjacente. Muitas
vezes está diretamente relacionada a coleções purulentas, abscessos e mais comumente acomete a pacientes com
comorbidades sistêmicas. A exemplo de paciente diabéticos, angiopatas e imunossuprimidos. É um quadro pouco
comum e ainda mais raro em pacientes pediátricos e sem histórico de comprometimento sistêmico. Possui um
risco significativo de mortalidade e de deficiência de membros e perda de tecido Esse trabalho visa apresentar um
caso de fascíte necortizante, em um paciente hígido de 10 anos de idade, tendo com origem um abscesso odontogênico. Foi instituído tratamento padrão para o tratamento de infecções odontodogênicas, baseado na remoção
do foco, drenagem e antibioticotarapia. Além disso, foi realizada a excisão da pele necrótica e foram aplicados
curativos pós operatórios durante porservação. Por fim o fechamento final da pele.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
137
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
20 – ANGINA DE LUDWIG COM COMPROMETIMENTO CERVICAL
SEVERO – RELATO DE CASO
Autores: MARCUS ANTONIO BRÊDA JÚNIOR (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA - FOP-UPE);JOSÉ RICARDO
MIKAMI (HOSPITAL GERAL DO ESTADO - HGE - AL); RICARDO VIANA BESSA NOGUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS); MILKLE BRUNO PESSOA SANTOS (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC); BELMIRO CAVALCANTI DO EGITO VASCONCELOS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA - FOP - UPE)
Introdução: Angina de Ludwig é uma séria infecção, rápida evolução, caracterizada por uma celulite que afeta os
espaços submandibular, sublingual e submentoniano, de forma bilateral. Sua etiologia mais comum é a dentária
com cerca de 70% a 90% dos casos. Porém outros fatores podem contribuir para o surgimento da doença, como,
lacerações da mucosa oral, amigdalites e fraturas mandibulares. O diagnóstico é clínico e os achados do exame
físicos incluindo aumento de volume endurecido e tenso dos espaços submandibular e submentoniano, com
elevação e deslocamento da língua. Os pacientes apresentam dispneia, disfagia/odinofagia, associado à sialorréia
e febre alta. O trismo está frequentemente presente, indicando irritação direta dos músculos mastigatórios. Os
exames complementares incluem radiografias, para localização do possível foco odontogênico e a observação
das vias aéreas e tecidos moles cervicais, tomografia computadorizada e ressonância magnética que também são
utilizadas para determinar a extensão do processo infeccioso. Exames laboratoriais devem ser realizados para se
verificar alterações da série branca. A evolução desta infecção pode atingir áreas do pescoço podendo estender-se
até a glote. Pode estender-se ao espaço faríngeo lateral e o espaço retrofaríngeo. Esta disseminação pode evoluir
até o mediastino. O tratamento da angina de Ludwig concentra-se em torno de quatro atitudes: manutenção das
vias aéreas, incisão e drenagem cirúrgicas, antibioticoterapia e eliminação do foco infeccioso. Os microrganismos
envolvidos são aqueles presentes na flora oral, sendo então as infecções causadas por flora mista, envolvendo aeróbios e anaeróbios. Penicilinas como a ampicilina e a amoxicilina são antibióticos bactericidas bastante úteis no
tratamento da infecção odontogênica. Devido à sua efetividade contra patógenos aeróbios facultativos e anaeróbios, esses antibióticos são considerados de primeira escolha no tratamento de infecções da cavidade oral. Muitas
vezes é necessário associar outras substâncias para que se possa alcançar uma melhor atividade do antibiótico.
A adição de inibidores da beta-lactamase como o clavulanato/ácido clavulânico é de grande importância para aumentar a ação das penicilinas, possuindo a capacidade de desativar uma ampla variedade de enzimas beta-lactamases comumente produzidas por microorganismos resistentes às penicilinas e cefalosporinas. O metronidazol
é eficaz apenas contra infecções exclusivamente anaeróbias e em associação com outros antibióticos apresenta
bons resultados. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso clínico de uma angina de Ludwig grave, com
extensa disseminação para os espaços cervicais, enfatizando a importância do tratamento cirúrgico associado à
medicação endovenosa.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
138
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
23 – HAMARTOMA LEIOMIOMATOSO ASSOCIADO À
MALFORMAÇÃO LABIAL SUPERIOR: FOLLOW-UP DE 4 ANOS
Autores: CÉSAR VIANA TOLEDO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI);SAULO GABRIEL MOREIRA FALCI (UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI); MÁRIO
JOSÉ ROMAÑACH (UNIVERSIDADE DO RIO DE JANEIRO); ANA TEREZINHA MARQUES MESQUITA (UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI); CÁSSIO ROBERTO ROCHA DOS SANTOS (UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI)
Introdução: Hamartoma é uma malformação benigna localizada formada por proliferação de tecidos que normalmente são encontrados no local da lesão. Ele é formado durante o período de desenvolvimento da área afetada,
apresentando-se com tecidos normais desorganizados e mal definidos, sendo comumente encontrada no fígado,
baço, rins, pulmões, e pâncreas. Na cavidade oral, malformações vasculares são os hamartomas mais comuns,
mas outros tecidos podem predominar como: musculatura lisa e esquelética, nervos, gordura, tecido linfoide e
glândulas salivares e sebáceas. O Hamartoma leiomiomatoso (LH) da cavidade oral é composto predominantemente por músculo liso, provavelmente derivado de paredes dos vasos sanguíneos e geralmente se apresenta
como um nódulo pedunculado ou séssil na língua ou rebordo alveolar/gengival de pacientes em sua primeira
década de vida. Um paciente do sexo masculino, leucoderma de três meses de idade, foi encaminhado a clínica
de cirurgia oral da universidade do autor, apresentando uma malformação lábio superior associada a um nódulo
polipoide no rebordo alveolar anterior maxilar. Microscopicamente, o nódulo era predominantemente composto por uma proliferação de músculo liso não encapsuladas entremeadas por numerosos vasos sanguíneos de
tamanhos variados e fibras nervosas pequenas espalhadas. A análise do tecido do músculo liso foi positiva para
desmina e actina de músculo liso, enquanto que as células endoteliais foram destacadas por coloração com CD34.
O diagnóstico final foi de um hamartoma leiomiomatoso oral associado à malformação do lábio superior. Ocorreu excisão da lesão e queiloplastia. Após 4 anos de acompanhamento, o exame clínico mostrou que o paciente
apresenta diastema entre os incisivos centrais decíduos, porém o exame radiográfico mostrou desenvolvimento
normal dos incisivos permanentes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
139
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
59 – NEUROFIBROMA ISOLADO EM GENGIVA: RELATO DE
CASO
Autores: JOSÉ ALCIDES ALMEIDA DE ARRUDA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);JULIO LEO PIRES BENTO RADNAI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); ANA PAULA VERAS SOBRAL (FACULDADE DE ODONTOLOGIA
DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); EMANUEL DIAS DE OLIVEIRA E SILVA (FACULDADE DE
ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); MARCIA MARIA FONSECA DA SILVEIRA
(FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO)
Introdução: O neurofibroma é o tipo mais comum de neoplasia de nervo periférico em cavidade bucal, que pode
se originar de uma mistura variável de células de Schwann, células híbridas perineurais e fibroblastos intraneurais. Podem desenvolver-se como tumores solitários ou como componente da neurofibromatose tipo I (NF-1).
Apresentam-se como indolores, amolecidos, séssil ou pedunculado e variam em tamanho. A língua e mucosa
jugal são os locais mais comuns, sendo infrequente a região de palato, assoalho bucal e, raramente, gengiva. Ainda que ocasional, também pode originar-se intra-ósseo. O presente trabalho tem como objetivo relatar um caso
clínico insólito de uma paciente, 62 anos de idade, com um neurofibroma em região de gengiva entre os dentes
25 e 26, medindo aproximadamente 12,0 cm na sua maior dimensão sem associação com a NF-1. A relevância
deste relato de caso se dá pela importância do estabelecimento do diagnóstico, tratamento instituído e acompanhamento do paciente com este tipo de tumor dos tecidos moles, uma vez que o neurofibroma solitário pode ser
a primeira manifestação da NF-1. E, pela oportunidade de conscientização do cirurgião dentista no sentido do
diagnóstico das alterações que acometem o complexo maxilomandibular. Descritores: Neurofibroma em gengiva;
Células de Schwann; Tumores dos tecidos moles.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
140
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
61 – FASCEÍTE NECROTIZANTE CERVICAL EM DECORRÊNCIA
DE EXODONTIA: RELATO DE CASO
Autores: JOSÉ ALCIDES ALMEIDA DE ARRUDA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);GIOVANNA EMANUELLE CAVALCANTI PERRELLI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); EUGÊNIA LEAL DE FIGUEIREDO (FACULDADE DE
ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); ANA PAULA VERAS SOBRAL (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);
Introdução: Fasceíte Necrotizante (FN) é uma infecção extremamente rara, caracterizada por necrose dos tecidos
subcutâneos e das camadas fasciais. São fatores de risco para o desenvolvimento da FN, pacientes com: diabetes melittus, doença renal crônica, doença vascular periférica, desnutrição, idade avançada, obesidade, abuso de
álcool, uso de drogas endovenosas, cirurgias e úlceras isquêmicas. As manifestações clínicas na região de cabeça
e pescoço geralmente tem início agudo, caracterizado por dor intensa, edema, hiperemia, eritema e presença do
tecido necrótico; nos casos mais graves, obstrução das vias aéreas superiores. Esse trabalho tem por objetivo relatar um caso de uma paciente E.J.N., 73 anos de idade diagnosticada com FN na região cervical em decorrência
de exodontia. Logo, a apresentação desse raro caso clínico pode servir como orientação aos cirurgiões-dentistas
com a manutenção da cadeia asséptica e sempre acompanhar pós cirurgicamente pacientes com idade avançada
ou com outras alterações sistêmicas que podem aumentar o risco para o surgimento desta grave infecção. Descritores: Fasceíte Necrotizante Cervical; Infecção; Streptococcus
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
141
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
62 – EXTENSA MIÍASE EM REGIÃO RETROAURICULAR: RELATO
DE CASO
Autores: JOSÉ ALCIDES ALMEIDA DE ARRUDA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);GIOVANNA EMANUELLE CAVALCANTI PERRELLI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA
DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); IVSON SOUZA CATUNDA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE
ALAGOAS); MARIANA CRUZ GOUVEIA PERRELI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); CARLOS AUGUSTO PEREIRA DO LAGO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO)
Introdução: A miíase é uma patologia causada pela presença de larvas de moscas da ordem díptena, principalmente as Cochliomyia homnivorax e as Dermatóbia hominis em órgãos ou tecidos do homem e de outros animais. Mais comum em países do terceiro mundo, como os da América Latina, África, Oriente Médio e Ásia. É
uma enfermidade de maior incidência nos países de clima quente e úmido e pode estar associada à higienização
precária e/ou pacientes com saúde geral debilitada. As manifestações clínicas da miíase não são específicas e
variam de acordo com a área do corpo envolvida e com a espécie da mosca. O conhecimento dessa afecção pelo
cirurgião-dentista é de fundamental importância, uma vez que o estabelecimento do diagnóstico precoce pode
minimizar as sequelas e deformidades. O objetivo deste trabalho é descrever o comportamento clínico, suas
causas, consequências e, através de casos clínicos, detalhar as condutas necessárias para o tratamento desta enfermidade. Descritores: Miíase; Cochliomyia homnivor; Dermatóbia hominis; afecção
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
142
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
69 – OSTEONECROSE MAXILAR INDUZIDA POR
BISFOSFONATOS: UM RELATO DE CASO
Autores: EDUARDO AZOUBEL (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CÉARA);MARIA CECÍLIA FONSÊCA AZOUBEL
(ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); NEIANA CAROLINA RIOS RIBEIRO (ESCOLA BAHIANA DE
MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); BRIANA GÓES MONTEIRO (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);
PEDRO PINTO BERENGUER (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: Os bisfosfonatos (BPs) são inibidores da reabsorção óssea, sendo utilizados como terapia medicamentosa em pacientes com osteoporose e patologias associadas a perdas ósseas. O uso prolongado dos BPs tem
sido associado à ocorrência de osteonecrose dos maxilares (ONM) , podendo ser induzida por tratamentos cirúrgicos ou de forma espontânea sem nenhum tipo de intervenção odontológica. Com o aumento de casos de ONM
associada ao uso de BPs, é de suma importância o papel do cirurgião-dentista no acompanhamento destas lesões
necróticas, através do reconhecimento dos sinais e sintomas e elucidação das condutas a serem tomadas. Este
trabalho tem como objetivo a apresentação de um relato de caso clínico de osteonecrose de maxila associada ao
uso de bisfosfonato, descrevendo as características clínicas e imaginológicas da paciente em questão, assim como
o tratamento reabilitador escolhido.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
143
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
73 – OSTEONECROSE MAXILAR ASSOCIADA AO USO DE
BIFOSFONADO
Autores: MAICON DOUGLAS PAVELSKI (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE);ALINE ALVES LUCIANO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE); GERALDO LUÍS GRIZA
(UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE); NATASHA MAGRO ÉRNICA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE); ELEONOR ÁLVARO GARBIN JÚNIOR (UNIVERSIDADE ESTADUAL
DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE)
Introdução: Conceitualmente, a osteonecrose associada ao uso de bifosfonados é uma área de exposição óssea
em maxila ou mandíbula, ocorrendo em pacientes que estão ou estiveram sob uso desta medicação, não foram
irradiados na região maxilofacial e cuja lesão não cicatriza no período de oito semanas. Descrita pela primeira vez
em 2003, a necrose maxilar associada ao uso de bifosfonados vem aumentando sua incidência, pois estes medicamentos são os mais prescritos mundialmente para o tratamento de doenças relacionadas ao metabolismo ósseo
e na prevenção da osteoporose e osteopenia. Embora seus mecanismos de ação sejam conhecidos, sua etiologia,
formas de prevenção e tratamento ainda são desafios a serem vencidos. Sabe-se que estas drogas têm potencial
antiosteoclástico e antiangiogênico, os quais por sua vez, desfavorecem o turn over ósseo comprometendo o
processo de remodelação óssea. O diagnóstico é basicamente clínico, pois a lesão inicia-se como uma área óssea
exposta sem causa aparente. Mobilidade dental pode estar presente mesmo sem indícios de doença periodontal.
A lesão pode permanecer assintomática por anos e a dor referida, na maioria das vezes, está associada a uma
inflamação ou infecção dos tecidos suprajacentes. O tratamento dependerá do estágio no qual a lesão se encontra
e da extensão do tecido ósseo comprometido, variando desde controle dos fatores locais como higiene oral e colutórios bucais, até debridamento cirúrgico e sequestrectomia associados à antibioticoterapia tópica e sistêmica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
144
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
91 – FECHAMENTO DE FÍSTULAS ORAIS UTILIZANDO
RETALHO TEMPORAL
Autores: GUILHERME SCHULDT (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ);RODRIGO LIMA (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ); MICHELLE FERNANDES FAST (UNIVERSIDADE POSITIVO); TUANNY CARVALHO DE LIMA NASCIMENTO (HOSPITAL ERASTO GARTNER); JOÃO LUIZ CARLINI (UNIVERSIDADE FEDERAL DO
PARANÁ)
Introdução: As comunicações buconasais e/ou bucossinusais são situações que ocorrem por vários motivos como
exodontias mal sucedidas, ressecção de tumores, patologias congênitas e traumas. A extensão e localização das
comunicações são importantes quesitos para o planejamento da cirurgia para o fechamento destas fístulas. Várias são as técnicas preconizadas com retalho livres ou pediculados. Nestes destacamos o retalho vestibular, retalho da mucosa jugal, gordura, retalho palatino, retalho de língua, o retalho do músculo temporal ou a associação
destes. A decisão por optar pelo retalho do músculo temporal normalmente está descrito quando outras técnicas
falharam ou a comunicação tem dimensões que recomendam uma grande quantidade de tecido para recobrimento. O formato deste retalho pode variar de miofascial, mioósseo, ou miosteocutâneo. Vamos descrever a técnica
utilizada e exemplificar através de um caso clínico a aplicação do retalho do músculo temporal para fechamento
de defeitos orais extensos, evidenciando as vantagens e desvantagens da técnica utilizada. A escolha do retalho
temporal para fechamento de defeitos intraorais requer algumas considerações: para os pacientes que sofreram
radioterapia na região maxilofacial é desaconselhável, para pacientes calvos que não desejam uma cicatriz na
cabeça pode ser contraindicação.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
145
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
99 – FIBRODISPLASIA OSSIFICANTE: RELATO DE CASO
CLÍNICO
Autores: GUILHERME SCHULDT (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ);RODRIGO LIMA (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ); MICHELLE FERNANDES FAST (UNIVERSIDADE POSITIVO); TUANNY CARVALHO DE LIMA NASCIMENTO (HOSPITAL ERASTO GARTNER); JOÃO LUIZ CARLINI (UNIVERSIDADE FEDERAL DO
PARANÁ)
Introdução: A fibrodisplasia ossificante é uma formação óssea heterotópica não-neoplásica podendo envolver
músculos, tendões, aponeuroses e fáscias sendo tradicionalmente apresentada como um edema tecidual com
uma ossificação progressiva verificada radiograficamente. Esta patologia foi descrita pela primeira vez em 1648
por Patin como “a mulher que virou madeira”. Tendo como objetivo relatar um caso clínico de fibrodisplasia ossificante com comprometimento da região maxilofacial. O paciente foi tratado cirurgicamente e foram utilizadas
barreiras com membrana de titânio, fixadas com parafusos de titânio. Paciente acometido pela miosite ossificante, teve início após tratamento odontológico de rotina após anestesia alveolar inferior e evoluindo o quadro
de restrição de abertura até o trismo, sendo que no caso, estavam envolvidos os músculos pterigoideo lateral e
medial. Confirmação do diagnóstico ocorreu por biópsia incisional e procedeu-se com cirurgia para ressecção da
massa óssea formada na região que idealmente seria muscular e interposição com gordura abdominal na área
ressecada. Após recidiva excessiva, optou-se por uma nova cirurgia, desta vez interpondo lâminas de titânio com
0.5mm de espessura fixadas com parafusos do sistema 2.0 nas regiões ressecadas, numa tentativa de evitar reinserção muscular e possíveis recidivas. Após primeira intervenção cirúrgica, pós-operatório imediato foi obtido
35mm de abertura bucal, sendo prescrito sessões diárias de fisioterapia, uso de miorrelaxante e analgésico. Também foi prescrito a infiltração de triacinolona 2ml ao mês. Após 6 meses, a abertura limitou-se para 8mm, sendo
assim proposta uma nova cirurgia. Desta vez utilizando lâminas de titânio interpostas numa tentativa de evitar
a recidiva. A abertura bucal segue diminuindo gradativamente, sendo possível prever que num futuro próximo, a
paciente será submetida a uma nova cirurgia. Trata-se de uma patologia rara, onde as formas de tratamento são
paliativas com recidivas frequentes, sendo um quadro patológico que afeta muito a qualidade de vida do paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
146
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
110 – DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: DTM X SÍNDROME DE
CHIARI
Autores: JOÃO LUIZ GOMES CARNEIRO MONTEIRO (*) (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO);LÍVIA MIRELLE BARBOSOA (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); MARIANA CRUZ GOUVEIA PERRELLI (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO);
BELMIRO CAVALCANTI DO EGITO VASCONCELOS (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); CARLOS AUGUSTO PEREIRA
DO LAGO (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO)
Introdução: A Síndrome de Chiari descreve malformações na qual pode ocorrer uma herniação do cerebelo ao
longo da medula. Os sintomas iniciais podem ocorrer na infância, mas na maioria dos casos os sintomas aparecem entre 30 e 50 anos de idade. Os pacientes podem apresentar cefaléia, cervicalgia, dor em face, atrofia das
papilas linguais, disfagias, perda sensorial ao longo da distribuição do nervo trigêmeo, nistagmo, além de paresia
em membros inferiores. O objetivo desse trabalho é descrever o caso de uma paciente portadora da síndrome de
Chiare tipo I apresentando sintomas faciais. Este caso destaca a importância do conhecimento da síndrome para
um diagnóstico diferencial das patologias orais e maxilofaciais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
147
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
135 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE FIBROMA OSSIFICANTE EM
MAXILA: RELATO DE CASO
Autores: MAXINE ENNATA ALVES DE ALMEIDA (*) (UNIVERSIDADE NILTON LINS);CHRISTIAN BARTOLOMEU
RECCHIONI (INSTITUTO DA FACE DO AMAZONAS); VICTOR HUGO MARQUES COELHO (UNIVERSIDADE NILTON
LINS);
Introdução: O fibroma ossificante é uma neoplasia benigna relativamente comum, classificada como uma lesão
fibro-óssea. Sua etiologia é incerta, mas seu desenvolvimento é frequentemente associado a fatores irritantes
locais. Há uma predileção pelo sexo feminino, com maior acometimento da região de molares e pré-molares
inferiores, nas segunda e quarta década de vida. Clinicamente, caracteriza-se por um aumento volumétrico assintomático, podendo promover com o tempo, assimetria facial. O objetivo deste trabalho é descrever um caso
clínico-cirúrgico de fibroma ossificante localizado na região posterior de maxila direita. Paciente J.L.S.A, gênero
feminino, leucoderma, 27 anos, encaminhada por Cirurgião-Dentista ao ambulatório de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Adventista de Manaus, com queixa de assimetria facial e crescimento na região
posterior de maxila, lado direito. Relatou que a lesão era indolor com crescimento lento e tinha evolução há um
ano. Em anamnese a paciente não apresentava antecedentes de quaisquer alterações sistêmicas. Ao exame clínico intrabucal, notou-se tumefação rígida à palpação, recoberta por mucosa normal em região de tuberosidade
maxilar lado direito. Ao exame extrabucal notou-se assimetria facial sem presença de sintomatologia dolorosa.
Foi solicitada uma Tomografia Computadorizada, a mesma evidenciou focos radiopacos e zonas radiolúcidas
circundadas por linha radiolúcida bem delimitada. Formação sólida de grande densidade em íntimo contato com
a tuberosidade maxilar, alvéolos dentários e dentes 15, 16 e 18. Foram solicitados exames pré-operatórios e os
mesmos não apresentaram alterações. A paciente foi submetida à cirurgia de remoção da lesão juntamente com
os prováveis fatores irritantes. Realizada a remoção da lesão foi fixada tela reabsorvível . O material foi enviado
para avaliação anatomopatológica, onde o resultado foi diagnosticado como fibroma ossificante. Conclui-se que é
de extrema importância a identificação e eliminação de fatores locais potencialmente capazes de provocar lesões
proliferativas reacionais, de modo a evitar danos estético-funcionais ao paciente. Quando na presença destas
lesões é fundamental aliar o correto diagnóstico e a remoção completa da lesão para minimizar a tendência à
recidiva com a eliminação dos prováveis fatores etiológicos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
148
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
140 – FASCEÍTE NECROTIZANTE EM REGIÃO MAXILOFACIAL –
UMA COMPLICAÇÃO DE ORIGEM ODONTOGÊNICA: RELATO DE
CASO.
Autores: EDUARDO SANTANA JACOB (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO);LUIZ FERNANDO GRACINDO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO); BRUNO HENRIQUE MARINHEIRO
(FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO); CASSIO EDVARD SVERZUT (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO); ALEXANDRE ELIAS TRIVELLATO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO
PRETO)
Introdução: Fasceíte necrotizante (FN) é uma infecção rara, de rápida progressão que acomete a pele e os tecidos
subcutâneos, com ampla destruição do local afetado. O tronco e as extremidades são as áreas mais afetadas. A
FN é incomum na região de cabeça e pescoço, sendo as infecções odontogênicas as causas mais comuns. Alto
potencial letal é descrito na literatura. Dentre as classificações descritas, encontra-se a do tipo I, a qual é mais
comum após cirurgias em pacientes imunocomprometidos, e a do tipo II, ocorrendo após traumas prévios e em
pacientes saudáveis. O tratamento inclui a drenagem cirúrgica, o desbridamento local e a antibioticoterapia apropriada. Este trabalho objetiva relatar o caso de uma paciente do gênero feminino, 18 anos, com história médica
negativa que compareceu ao serviço alegando queixas álgicas na região de segundo molar inferior direito há aproximadamente uma semana. Ao exame físico notava-se tumefação em região submandibular e submentoniana
direita, com eritema e rubor local, e a presença de tecido necrótico em região submandibular direita. Trismo e
desidratação eram evidentes. Ao exame radiográfico notou-se a presença de lesão radiolúcida em região periapical do dente 47, e pela tomografia computadorizada observa-se a presença do processo infeccioso nos espaços
submandibulares bilaterais, submentoniano, temporal direito, bucal direito e faríngeo lateral direito. Exames
laboratoriais revelaram um quadro de leucocitose com desvio para a esquerda. Imediatamente, a paciente foi
submetida à drenagem cirúrgica sob anestesia geral associada à exodontia do 47, instalação de drenos de irrigação e de Penrose em acessos cirúrgicos e, o início da terapêutica antibiótica. A paciente seguiu sob os cuidados
adicionais da equipe do Centro de Terapia Intensiva do hospital a qual foi submetida ao procedimento. Curativos
diários foram trocados para acompanhamento da ferida cirúrgica e um desbridamento cirúrgico. Como terapia de
suporte, utilizou-se sessões de oxigenação hiperbárica. Embora contraditório na literatura, o uso da terapia com
oxigenação vem trazendo resultados clínicos satisfatórios em casos de infecções com necrose tecidual associada.
Após 3 semanas de internação hospitalar, a paciente recebeu alta e encontra-se em pós-operatório de oito meses
de tratamento. Um bom aspecto cicatricial, a manutenção da movimentação mandibular e uma boa abertura bucal garantiram o sucesso do tratamento. Cirurgia reconstrutiva adicional foi desconsiderada pela paciente e pela
equipe, devido à tênue cicatriz remanescente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
149
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
142 – SIALOLITO EM DUCTO DE GLÂNDULA SUBMANDIBULAR
- RELATO DE CASO
Autores: GABRIELA RIBEIRO DE ARAÚJO (*) (PONTIFÍCA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS);LEANDRO JUNQUEIRA DE OLIVEIRA (PONTIFÍCA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS); PAULO EDUARDO
ALENCAR DE SOUZA (PONTIFÍCA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS);
Introdução: Sialolitíase é uma patologia benigna caracterizada pela formação de cálculos salivares que se desenvolvem no interior do sistema ductal salivar. Apresenta crescimento gradual, provocando obstrução e aumento
de volume do ducto afetado, reduzindo o fluxo salivar e ocasional sintomatologia dolorosa. Se formam com maior
incidência, cerca de 80 a 90%, nas glândulas submandibulares devido as suas características anatômicas. Após o
diagnóstico confirmado por exames clínicos e radiográficos, o plano de tratamento pode variar desde o acompanhamento clínico até técnicas cirúrgicas intra ou extraorais, com preservação ou excisão da glândula. O presente
trabalho relata um caso clínico de paciente do sexo feminino, 61 anos de idade, que compareceu ao serviço de
Estomatologia do Departamento de Odontologia da Pontifíca Universidade Católica de Minas Gerais, queixando-se de incômodo abaixo da língua, com manifestação secundária e tempo de evolução indeterminado. Ao realizar o exame clínico extraoral, não se observou aumento de volume em face, alteração de cor e/ou temperatura
entretanto a região submandibular direita apresentava-se dolorida à palpação. Ao exame intra-oral observou-se
aumento de volume na porção anterior direita do soalho bucal, móvel, com consistência endurecida e presença de
fístula. Na radiografia oclusal de mandíbula, foi possível verificar área radiopaca, bem delimitada, assimétrica, de
aproximadamente 1,5 cm. Com a correlação dos achados clínicos e radiográficos, sugeriu-se a hipótese diagnóstica de um sialolito. Sendo assim, como forma de tratamento, foi adotada a excisão cirúrgica sob anestesia local.
Fez-se incisão no soalho bucal, na região do ducto da glândula submandibular direita seguida de dissecção romba,
a qual possibilitou a visualização direta e remoção do cálculo. Foi realizada limpeza do campo operatório, com
soro fisiológico e síntese através de sutura com pontos simples utilizando fio de seda 4.0. Como controle do pós-operatório foram prescritos analgésico e anti-inflamatório. O material obtido foi enviado para exame anatomopatológico no Laboratório de Patologia Bucal da PUC Minas. Após desmineralização em solução de EDTA a 10%,
os cortes histológicos mostraram laminações concêntricas de material calcificado circundando nichos de restos
orgânicos amorfos, confirmando o diagnóstico de sialolito. A paciente retornou no setímo dia após a cirurgia, e,
ao exame intra oral a região encontrava-se em processo de cicatrização. Sendo assim, os pontos foram removidos
e observou-se normalidade no fluxo salivar confirmada após a realização da manobra de ordenha.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
150
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
145 – CONDILECTOMIA BAIXA ASSOCIADA À CIRURGIA
ORTOGNÁTICA PARA TRATAMENTO DE OSTEOCONDROMA EM
CÔNDILO MANDIBULAR: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: DANIEL MIRANDA DE PAULA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA);LAISE FERNANDES TOURINHO
(UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); MAYSA NOGUEIRA DE BARROS MELO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); DANIEL BARROS RODRIGUES (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA);
Introdução: A hiperplasia condilar (HC) é um termo genérico utilizado para denominar condições que causam alteração de tamanho e forma do côndilo mandibular. De acordo com a classificação de Wolford et al. (2014) , o tipo
I usualmente se desenvolve na puberdade, tendo um vetor de crescimento predominantemente horizontal. O
tipo II, ou osteocondroma, pode ocorrer em qualquer idade, apresentando crescimento vertical, de caráter ilimitado. O tipo III inclui outros tipos de tumores benignos, como osteoma e neurofibroma, e o tipo IV inclui tumores
malignos, como condrossarcoma e mieloma múltiplo. O osteocondroma é um dos tumores ósseos benignos mais
comuns e, na região craniofacial, acomete predominantemente côndilo mandibular e processo coronoide. Dentre
as patologias ósseas benignas de côndilo mandibular, é considerado o tumor mais prevalente. Os principais sinais
resultantes do crescimento ósseo são assimetria facial e má-oclusão. O protocolo de tratamento preconizado é a
condilectomia, recontorno da forma do “novo” côndilo, reposicionamento de disco articular e, se indicado, cirurgia ortognática. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso clínico de hiperplasia condilar tipo II tratada com
condilectomia baixa, reposicionamento de disco articular e cirurgia ortognática. Paciente do gênero feminino,
45 anos, compareceu ao ambulatório do serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial da Universidade Federal da Bahia
queixando-se de dor e aumento de volume em região de ATM direita. Paciente negou ser portadora de patologias
de base e negou alergias medicamentosas e cirurgias prévias em região maxilofacial. Ao exame físico, observou-se
assimetria facial com desvio de mento à esquerda, assimetria do plano oclusal e abertura bucal limitada (28 mm).
Ao exame tomográfico, observou-se aumento do volume condilar e alongamento do colo do côndilo direito. Pela
avaliação da cintilografia óssea, observou-se aumento de atividade metabólica em côndilo direito, indicando um
crescimento ósseo ainda em atividade. Diagnosticada a HC tipo II, foi programada a abordagem cirúrgica para
controle do crescimento condilar e correção da má-oclusão. Sob anestesia geral, paciente foi submetida à condilectomia baixa após realização de acesso endaural. O remanescente do côndilo foi remodelado para simular um
novo côndilo e, em seguida, realizou-se reposicionamento de disco articular, com a utilização de uma âncora instalada na porção posterior do colo do côndilo. Para correção da má-oclusão, foi realizada uma osteotomia sagital
do lado direito, após realização de acesso de Obwegeser. No pós-operatório, paciente foi submetida a 10 sessões
de fisioterapia, visando restabelecer a abertura bucal máxima e diminuir a possibilidade de anquilose temporomandibular. Atualmente, paciente encontra-se em pós-operatório de 6 meses, sem queixas álgicas e/ou estéticas,
apresentando abertura bucal máxima (30 mm) e oclusão satisfatórias.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
151
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
149 – LESÃO FIBRO-ÓSSEA SINUSAL – RELATO DE DOIS CASOS
CLÍNICOS
Autores: MAYSA NOGUEIRA DE BARROS MELO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA);IÊDA MARIA CRUZOÉ-REBELLO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); ROBERTO ALMEIDA DE AZEVEDO (UNIVERSIDADE FEDERAL
DA BAHIA); BRÁULIO CARNEIRO JUNIOR (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA);
Introdução: Os seios maxilares são os maiores dos seios paranasais e constituem um espaço pneumático localizado dentro do osso maxilar bilateralmente. Têm proximidade com os ápices das unidades dentárias superiores e
permitem a proliferação de inúmeras entidades patológicas semelhantes no seu interior. Dentre elas destacam-se
as lesões fibro-ósseas, caracterizadas pelo desenvolvimento de tecido fibroso que gradualmente é substituído por
tecido ósseo, observado radiograficamente pela presença de áreas radiopacas em casos de lesões mais avançadas
(aspecto de vidro despolido). É comum que as mesmas, quando localizadas em seio maxilar, sejam diferenciadas através do estudo histopatológico, dentre elas: fibroma ossificante, odontoma complexo, displasia fibrosa
monostótica maxilar, osteoma, granuloma central de células gigantes. Os odontomas são considerados tumores
odontogênicos benignos mistos por originarem-se de células epiteliais e mesenquimais, e exibirem as estruturas
do tecido dentário (esmalte, cemento, polpa e dentina). Seu crescimento é lento e cessa quando o processo de
mineralização se completa. O odontoma é considerado complexo quando os tecidos odontogênicos estão dispostos de maneira desordenada constituindo-se basicamente de dentina imatura envolta por tecido conjuntivo
fibroso. Neste caso, os odontomas acabam assemelhando-se à outras lesões fibro-ósseas. Neste trabalho relatamos os aspectos clínicos e radiológicos de dois casos de odontoma em seio maxilar de grandes proporções, e as
principais características que permitem o diagnóstico diferencial com outras lesões fibro-ósseas que acometem a
região. O primeiro caso trata-se de paciente do gênero masculino de 43 anos de idade, que ao realizar radiografias
panorâmicas de rotina, teve lesão em região de seio maxilar direito identificada pelo cirurgião-dentista em março
de 2012. Foi encaminhado ao serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial da Universidade Federal da Bahia (UFBA) ,
quando foi solicitada tomografia computadorizada de feixe cônico da região maxilar direita. Ao suspeitar-se de
Odontoma, optou-se por realizar biópsia excisional sob anestesia geral, e obteve-se laudo histopatológico de
Odontoma complexo. O paciente permanece em acompanhamento até a presente data sem sinais de recidiva. O
segundo caso trata-se de lesão em seio maxilar esquerdo identificada por Odontopediatra em criança do gênero
feminino de 09 anos de idade. A mesma foi encaminhada ao serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial da UFBA em
janeiro de 2015 quando programou-se excisão cirúrgica da lesão sob anestesia geral ao suspeitar-se de Odontoma complexo. A paciente evolui até a presente data sem sinais de recidiva e o laudo histopatológico confirmou
que a lesão tratava-se de Odontoma complexo. O presente trabalho, portanto, ao relatar dois casos de odontoma
complexo acometendo seio maxilar, demonstra a importância do diagnóstico diferencial de lesões fibro-ósseas
em seio maxilar e seu adequado tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
152
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
154 – AMELOBLASTOMA EM MAXILA – RELATO DE CASO
CLÍNICO
Autores: MAYSA NOGUEIRA DE BARROS MELO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA);VILDEMAN RODRIGUES
DE ALMEIDA JUNIOR (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); CHRISTIANO SAMPAIO QUEIROZ (UNIVERSIDADE
FEDERAL DA BAHIA); JOÃO NUNES NOGUEIRA NETO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); ROBERTO ALMEIDA
DE AZEVEDO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA)
Introdução: Ameloblastomas são tumores odontogênicos benignos de origem epitelial, não mineralizados e que
apresentam um comportamento localmente agressivo e infiltrativo, o que resulta em sequelas mutilantes que
podem até mesmo oferecer risco a vida dos pacientes. O sítio mais acometido é a mandíbula e podem atingir
proporções variadas, de acordo com o tempo de evolução. Sua ocorrência varia de 10 a 30% em relação aos demais
tumores odontogênicos. São detectados em exame rotineiro radiográfico com finalidade clínica, entretanto, o
diagnóstico é feito por meio de exame histopatológico, embora os achados clínicos e estudos por imagem através
de radiografias panorâmicas e tomografia computadorizada (TC) contribuam sobremaneira para tal. Manifesta-se, geralmente, entre a terceira e quinta décadas de vida, e mais raramente outras faixas etárias, ainda que não
haja predileção por gênero. O tratamento pode ser conservador ou radical, a depender da extensão da lesão, a qual
possui potencial agressivo e recidivante. O presente trabalho tem como objetivo relatar um caso clínico de ameloblastoma em maxila com 3 anos de acompanhamento. Trata-se de paciente do gênero feminino, 29 anos de idade,
encaminhada no ano de 2012 ao serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia após consulta dom cirurgião-dentista que identificou alteração na radiografia panorâmica.
Estabelecida a hipótese diagnóstica de ameloblastoma realizou-se biópsia incisional, a qual confirmou que se
tratava de ameloblastoma. Realizou-se biópsia excisional seguida de osteotomia periférica da região em cerca de
1,5mm. A mesma mostrou sinais radiográficos de recidiva em maio de 2015, quando optou-se pela reintervenção
através da realização de maxilectomia da região 15 à região de túber direito. A paciente evolui em acompanhamento até o presente momento e o último laudo histopatológico confirmou que a lesão tratava-se de recidiva de
ameloblastoma. O presente trabalho, através do caso relatado, enfatiza a importância do acompanhamento em
longo prazo dos tumores odontogênicos, em especial o amelobloastoma, devido ao seu risco de recidivas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
153
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
164 – TÉCNICAS CIRÚRGICAS COMO MEDIDAS TERAPÊUTICAS
EM PACIENTES ACOMETIDOS POR OSTEONECROSE DOS
MAXILARES INDUZIDA POR BISFOSFONATOS: REVISÃO DE
LITERATURA
Autores: ROBERTA KAROLINY DE ALMEIDA DA MATTA (*) (FACULDADE DE MACAPÁ - FAMA);MILENA CRISTINA
COSTA DOS SANTOS (FACULDADE DE MACAPÁ - FAMA); PATRICIA LENORA DOS SANTOS BRAGA (FACULDADE
SÃO LEOPOLDO MANDIC - SLMANDIC); RUBENS PORTAL JUNIOR (FACULDADE DE MACAPÁ - FAMA);
Introdução: Os bisfosfonatos (BFs) constituem uma classe de medicamentos que diminuem a reabsorção óssea
pelos osteoclastos (reduzindo o tempo de vida útil e função destes) , sendo então, extensivamente utilizados
no tratamento de várias doenças ósseas, destacando-se a doença de Paget, hipercalcemia maligna, osteoporose
pós-menopausa e metástases ósseas associadas a tumores de tecidos moles (mama, próstata ou pulmões). Essas
drogas vêm sendo utilizadas em larga escala pelo mundo, apresentando real melhoria no tratamento dos casos
propostos, porém no ano 2003 foi descrito pela primeira vez, um novo efeito colateral tardio relacionado ao uso
crônico dos bisfosfonatos: a osteonecrose dos maxilares (ONM). Múltiplos fatores parecem estar relacionados
ao aparecimento desta condição patológica, como a duração da terapia com BFs, uso pela via endovenosa e exodontias. Apesar de vários trabalhos demonstrarem a baixa incidência desta complicação, este número tende a
crescer principalmente em decorrência ao aumento do número de pacientes que fazem uso destes medicamentos,
devendo o cirurgião dentista estar atento às possíveis complicações do advindas do uso dos BFs. O tratamento
dessa condição é bastante variado e seu protocolo terapêutico dependerá do grau clínico da doença, onde em
casos avançados muitas das vezes é necessário lançar mão de técnicas cirúrgicas. Para o manejo do osso necrótico exposto pode ser indicado, além de outras recomendações, o debridamento cirúrgico e/ou sequestrectomia,
técnicas as quais demonstram ser bastante efetivas em muitas ocasiões. Porém pacientes que apresentem casos
demasiadamente avançados com complicações como fraturas patológicas, presença de fístulas extraorais e extensas áreas de osso necrótico com presença de infecção, a ressecção parcial ou total do segmento ósseo afetado com
reconstrução imediata parece ser uma melhor opção de conduta terapêutica do que a realização de um tratamento mais conservador. Este trabalho tem por objetivo descrever as características e propriedades dos bisfosfonatos,
associando seu uso crônico ao aparecimento da osteonecrose dos maxilares, bem como os manejos cirúrgicos
indicados frente a determinados casos desta condição patológica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
154
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
165 – TÉCNICA PARA FIXAÇÃO DE PLACAS DE RECONSTRUÇÃO
MANDIBULAR PELO ACESSO INTRA-ORAL COM BROCAS
ADAPTADAS PARA CONTRA-ÂNGULO
Autores: LUCAS DA SILVA MEIRELLES (*) (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);ORION LUIZ HAAS JUNIOR (PUCRS); NEIMAR SCOLARI (PUCRS); VINÍCIUS NERY VIEGAS (PUCRS); ROGÉRIO
BELLE DE OLIVEIRA (PUCRS)
Introdução: Placas de reconstrução mandibular são utilizadas no tratamento do trauma mandibular e nas patologias onde existe a necessidade de realizar ressecções com margem cirúrgica ou evitar a fratura patológica após a
exérese. A fixação deste material ocorre, normalmente, pela abordagem extra-oral. Esta nota relata a técnica para
a fixação da placa de reconstrução pelo acesso intra-oral com o auxílio da prototipagem para modelagem prévia
da placa e o uso do contra-ângulo cirúrgico com brocas adaptadas para perfuração e inserção óssea dos parafusos
em áreas de difícil acesso. A técnica de fixação intra-oral evita o dano ao nervo marginal mandibular, a formação
de cicatrizes na face, minimiza o risco de exposição extra-oral da placa de reconstrução e diminui a morbidade
cirúrgica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
155
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
215 – TRATAMENTO CIRÚRGICO COM REABILITAÇÃO IMEDIATA
DE AMELOBLASTOMA DESMOPLÁSICO: RELATO DE CASO.
Autores: MARCELO SALLES MUNERATO (*) (UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO (USC) , BAURU-SP);GABRIEL CURY BATISTA MENDES (UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO (USC) , BAURU-SP); NATAIRA REGINA
MOMESSO (UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO (USC) , BAURU-SP); MARIZA AKEMI MATSUMOTO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (UNESP) , ARAÇATUBA-SP); PAULO DOMINGOS RIBEIRO JUNIOR
(UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO (USC) , BAURU-SP)
Introdução: O ameloblastoma desmoplásico tem como características histológicas um estroma densamente colagenizado e permeado por pequenas ilhas e cordões de epitélio tumoral odontogênico, com pouca tendência para
formar estruturas císticas. Clinicamente pode apresentar um aumento volumétrico indolor, localizado predominantemente na região anterior da mandíbula com pequena predileção pelo sexo masculino e baixa incidência
entre os tumores odontogênicos. Nos exames de imagem é descrito como uma lesão radiolúcida de limites pouco
nítidos, semelhante a bolhas de sabão e que pode mimetizar lesões fibro-ósseas. Reabsorção radicular e neoformação óssea podem estar presentes. O tratamento é controverso, mas a necessidade de excisão com adequada
margem de tecidos não envolvidos devido ao alto índice de recidivas é necessário. Os autores apresentam um
relato de caso clínico de um paciente do gênero feminino, 32 anos, apresentando aumento volumétrico intrabucal na região dos elementos 43 e 44, indolor, com discreta assimetria facial. Radiograficamente observou-se uma
lesão radiolúcida com limites pouco nítidos, multilobulada e reabsorção radicular evidente estendendo-se entre
os elementos 45 ao 34. Foi realizado uma biopsia incisional e com o exame anatomopatológico foi confirmado o
diagnóstico de ameloblatoma desmoplásico. Perante ao diagnóstico o plano de tratamento foi elaborado através
de uma mandibulectomia marginal envolvendo toda a área acometida pelo tumor. No mesmo momento o paciente foi submetido a instalação de implantes osteointegráveis e reabilitação oral com prótese fixa dento-gengival.
O paciente encontra-se em controle pós-operatório, possuindo no momento um acompanhamento de 20 meses
sem sinais de recidiva do tumor. Com a execução deste caso clínico pode ser considerado a inclusão no plano de
tratamento desses tumores odontogênicos, como uma alternativa, a reabilitação protética imediata com mínima
morbidade, apesar de algumas vezes o tratamento radical ser aplicado.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
156
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
216 – CORONOIDECTOMIA E OSTEOPLASTIA NO TRATAMENTO
DE LESÃO FIBRO-ÓSSEA MANDIBULAR EM PACIENTE
HEBIÁTRICO.
Autores: PEDRO HENRIQUE DE AZAMBUJA CARVALHO (*) (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL
DE PELOTAS);EDUARDO SOUZA ABDUCH RODRIGUES (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE
PELOTAS); LETÍCIA KIRST POST (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS); OTACÍLIO LUIZ
CHAGAS JÚNIOR (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS); MARCOS ANTONIO TORRIANI
(HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS)
Introdução: As lesões fibro-ósseas compõem um grupo de entidades patológicas benignas associadas à deposição
desordenada de colágeno e ossificação imatura. Estas lesões podem ser classificadas em três variantes semelhantes histologicamente, mas com comportamentos clínicos distintos: displasia fibrosa, displasia óssea e fibroma
ossificante. A displasia pode se apresentar de três formas: monostótica, envolvendo apenas um osso; poliostótica,
nos casos de dois ou mais ossos acometidos; ou então na síndrome de McCune-Albright, quando associada a máculas café-com-leite e alterações endócrinas. O diagnóstico diferencial inclui fibroma ossificante, osteossarcoma
central de baixo grau, granuloma de células gigantes e as outras lesões fibro-ósseas. Uma das chaves radiográficas
para o diagnóstico é a aparência de vidro fosco e a observância de limites mal definidos. O tratamento da displasia fibro-óssea é normalmente conservador, no entanto quando essas lesões causam extensas malformações ou
afetam a função e/ou estética, a cirurgia se apresenta como tratamento que busca a melhora da qualidade de vida.
Neste caso clínico o paciente L.S.L, com 13 anos de idade, sem comorbidades sistêmicas, apresentava aumento
de volume crescente em hemi-face esquerda há 9 meses, acometendo as regiões pré-auricular, retromandibular e
bucal, acompanhados de limitação progressiva de abertura de boca, com abertura interincisal de 8 mm. Ao exame
tomo e radiográfico se observou crescimento anormal do ramo mandibular e processo coronoide, sem envolvimento do côndilo e aspecto radiográfico de vidro despolido. Inicialmente foi realizada biópsia incisional do ramo
mandibular sob anestesia geral, sendo diagnosticada displasia fibrosa monostótica. Aos 21 dias após a biópsia
foi realizada nova cirurgia, sob anestesia geral, na qual se executou a coronoidectomia e plastia da face lateral
do ramo mandibular esquerdo. Antes da incisão foi realizada infiltração de bupivacaína a 0,5% com epinefrina
1:100.000 na linha da incisão. Após a incisão foi realizada divulsão dos tecidos até expor toda a face ascendente
do ramo. Na sequência, o processo coronoide foi removido ao nível da incisura mandibular. Após a remoção do
processo coronoide, a face lateral do ramo mandibular foi desgastada e regularizada com fresas, a fim de melhorar
o contorno facial. Após a cirurgia o paciente iniciou fisioterapia, atingindo em 90 dias de pós-operatório abertura
bucal de 30mm, com boa função. Atualmente apresenta abertura bucal de 35mm e melhora estética significativa. A partir do caso apresentado e da revista da literatura, pode se concluir que a plastia dos ossos afetados pela
displasia fibrosa permite a melhora no quadro estético e funcional dos pacientes acometidos por essa patologia.
Entretanto, deve-se acompanhar estes pacientes até a finalização do crescimento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
157
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
239 – LASER CIRÚRGICO PARA TRATAMENTO DE HIPERPLASIA
FIBROSA INFLAMATÓRIA: RELATO DE CASO
Autores: CAMILA KUNZ (*) (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL);LETICIA SCHER
(PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL); VLADIMIR DOURADO POLI (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL); CASSIA DOS SANTOS MACHADO VAZ (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL); ROGERIO MIRANDA PAGNONCELLI (PONTIFICIA UNIVERSIDADE
CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL)
Introdução: A hiperplasia fibrosa inflamatória (HFI) , também chamada de hiperplasia fibrosa traumática, é uma
proliferação benigna que provem de reação hiperplásica a um trauma crônico de baixa intensidade na cavidade
bucal. O tratamento indicado para a HFI é a remoção do fator etiológico, com excisão cirúrgica, que pode ser feito
com bisturi convencional, elétrico ou através do uso de laser cirúrgico. Atualmente, existem alguns tipos de laser
utilizados na odontologia e na cirurgia oral, dentre os quais se destaca o laser de diodo, que apresenta grandes e
confiáveis benefícios, em comparação a outros tipos. Este trabalho tem por objetivo apresentar um relato de caso
de remoção cirúrgica de paciente com HIF na cavidade oral, utilizando radiação laser de diodo (808nm). A palavra
LASER significa “amplificação da luz por emissão estimulada de radiação”. O laser cirúrgico de alta potência pode
ser utilizado para vários procedimentos cirúrgicos em tecidos moles ou duros, dentre os quais aumento de coroa
clínica, gengivoplastia, biópsias, em hemangiomas, para hemostasias, e outros. Especificamente sobre os sistemas de laser de diodo, podem ser utilizados no modo contínuo, pulsado ou micro-pulsado, através do contato ou
não aos tecidos, o que é decidido de acordo com a abordagem clínica, tratamento e método de escolha. Os lasers
de diodo tem comprimento de onda que variam de 810-980nm. No pós-operatótrio imediato constata-se uma
ferida em forma de crosta, seca em pele, úmida em mucosa, sem sangramento, desde um tecido inorgânico até
um tecido carbonizado com áreas amarelo vivo ao esbranquiçado. Relato de Caso clínico: Paciente, sexo feminino,
55 anos de idade, procurou atendimento relatando desconforto para se alimentar, em razão de presença de lesão
com aumento de volume, com evolução de aproximadamente 03 anos. Ao exame físico intra-oral, observou-se
múltiplas lesões exofíticas, ocupando praticamente toda mucosa jugal, do lado direito. Para o procedimento da
biópsia incisional foi utilizada anestesia local. Uma das lesões exofíticas foi removida em nível da base, a peça
cirúrgica foi e encaminhada ao exame anatomopatológico. O diagnóstico definitivo confirmou a lesão como hiperplasia fibrosa inflamatória. Após 15 dias da biópsia, foi realizada a remoção total das lesões. Decorridos 30
dias da primeira irradiação da lesão, foi realizado novo procedimento de vaporização para remoção da HFI. A
exérese total da lesão foi realizada em uma terceira e ultima etapa, também utilizando-se radiação laser de diodo,
com intervalo de tempo de 90 dias da irradiação anterior. O laser cirúrgico de alta potência pode ser utilizado para
uma variedade de procedimentos cirúrgicos em tecidos moles ou duros. As vantagens de utilizar o laser de alta
potência para cirurgia em tecidos moles são: hemostasia, redução de tuberosidade, redução de tempo cirúrgico,
ausência de sutura, redução de trauma, edema, cicatriz, dor e infecção pós-operatória.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
158
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
241 – EVOLUÇÃO DE TÉCNICA DESCOMPRESSIVA EM TUMOR
ODONTOGÊNICO CERATOCÍSTICO
Autores: CAMILA KUNZ (*) (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL);CASSIA DOS SANTOS MACHADO VAZ (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL); VLADIMIR DOURADO
POLI (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL); ROGERIO BELLE (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL); FABIO MAITO (PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO
GRANDE DO SUL)
Introdução: O Tumor Odontogênico Ceratocístico é um tumor epitelial que se origina a partir de restos de epitélio odontogênico, da lâmina dentária. Tem comportamento biológico agressivo, e uma alta taxa de recorrência.
São assintomáticos, com crescimento ântero-posterior através dos espaços da medula óssea. Radiograficamente,
a lesão aparece radiolúcida, uni ou multilocular, cercado por margens lisas ou com bordas irregulares. A mandíbula é a região mais afetada, sendo ramo e ângulo os mais frequentemente envolvidos . A taxa de recorrência varia
de 2,5% a 62,5% nos primeiros cinco anos após o tratamento (dependendo do tipo de tratamento realizado).
Esta taxa elevada pode ser explicada pela presença de restos epiteliais presentes na fina e friável cápsula de tecido
conjuntivo, e esta pode ser rompida com facilidade. Consequentemente, as células epiteliais tumorais podem ser
deixadas no local da cirurgia e, potencialmente, desencadear a recorrência, formando novo tumor. O TOC pode
ser tratado de forma conservadora ou agressiva, dependendo da sua evolução e extensão. O tratamento conservador inclui a descompressão, marsupialização, enucleação com ou sem a crioterapia; e o tratamento agressivo seria
a ressecção. Este trabalho tem por objetivo mostrar as vantagens, e como é efetiva a utilização da descompressão
no tratamento primário de Tumor Odontogênico Ceratocístico, através de um relato de caso clínico. Relato de
caso: Paciente do sexo feminino, de 48 anos, oriunda de Rio Grande/RS, lugar onde foi realizada a biópsia parcial/
incisional (em região de fundo de sulco mandibular, lado direito). O laudo da biópsia diagnosticou como Tumor
Odontogênico Ceratocístico. Clinicamente apresentava leve aumento de volume em terço inferior de hemi-face
direita. Foi colocado dispositivos de descompressão e a paciente foi acompanhada durante, aproximadamente,
1 ano, onde foram comparadas panorâmicas e verificado a evolução da lesão. A descompressão do TOC com
dispositivos é muito eficiente, regredindo a lesão ao formar novo osso na região; Com a descompressão, é possível remover a lesão sem, necessariamente, realizar a ressecção mandibular, optando por um tratamento mais
conservador.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
159
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
248 – MANEJO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE TUMOR MARROM DO
HIPERPARATIREOIDISMO EM PACIENTE COM DOENÇA RENAL.
Autores: RAÍSA CAVALCANTE DOURADO (*) (UFBA);GABRIEL QUEIROZ VASCONCELOS OLIVEIRA (UFBA); WEBER CEO CAVALCANTE (UFBA);
Introdução: As lesões de células gigantes são incomuns nos maxilares. No entanto, podem possuir comportamento agressivo, além da possibilidade de estarem associadas a doenças sistêmicas, como o hiperparatireoidismo. O tumor marrom do hiperparatireoidismo é um tipo de lesão óssea erosiva, causada pela atividade osteoclástica rápida e fibrose peritrabecular. Acomete principalmente extremidades dos ossos longos, a pélvis e costelas.
Quando acomete os maxilares, a mandíbula apresenta maior predileção, sendo raro em maxila. O tumor marrom
está relacionado ao aumento da secreção do paratormônio (PTH) que pode ser classificado em hiperparatireoidismo primário, em decorrência da hipersecreção do PTH pelas glândulas paratireoides, secundário, em pacientes
que apresentam deficiência de vitamina D e doenças renais, e quando não há controle nesses pacientes, pode-se
desenvolver uma formação adenomatosa caracterizando o hiperparatireoidismo terciário. O presente trabalho
tem o objetivo de relatar um caso de tumor marrom do hiperparatireoidismo terciário associado a paciente com
doença renal, acometendo a maxila, bem como evidenciar os aspectos relacionados ao manejo clínico e cirúrgico
destes pacientes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
160
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
264 – EXPRESSÃO DE RECEPTORES DA CALCITONINA EM
LESÃO CENTRAL DE CÉLULAS GIGANTES DO COMPLEXO
MAXILO-MANDIBULAR
Autores: LUCAS BORGES FLEURY FERNANDES (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS);ALLISSON FILIPE LOPES MARTINS (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS); ELISMAURO FRANCISCO DE MENDONÇA (UNIVERSIDADE
FEDERAL DE GOIÁS); PAULO OTAVIO SOUZA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS); MARÍLIA MORAES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS)
Introdução: A Lesão Central de Células Gigantes (LCCG) é uma lesão intraóssea que pode ser classificada em não
agressiva e agressiva. Devido aos defeitos estéticos e funcionais do tratamento cirúrgico da LCCG, terapias medicamentosas tem sido relatadas, como injeções de calcitonina. Há na literatura estudos que suportam o uso desses
medicamentos através da investigação da presença de receptores de calcitonina (RCT) em LCCG, no entanto não
existe consenso se todas as lesões expressam esses receptores e se existe alguma diferença entre lesões agressivas
e não agressivas. Estudo avaliou e comparou a expressão de receptores de calcitonina (RCT) em Lesão Central de
Células Gigantes (LCCG). Trinta e um casos foram selecionados do arquivo de blocos do Laboratório de Patologia
Bucal da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Goiás. As LCCG foram classificadas em não agressivas (n= 20) e agressivas (n= 11) de acordo com critérios clínicos e radiográficos. O RCT foi identificado através
da técnica de imunohistoquímica, com o método de polímeros. Para a análise quantitativa foram contadas as
células imunomarcadas e o total de células em oito campos consecutivos, diferenciando as células mononucleares
(CMO) das células gigantes multinucleadas (CGM). Foi realizado testes de correlação para verificar correlações
entre a expressão do RCT em CGM e CMO. Os grupos foram comparados utilizando o teste t de Mann Whitney
e o nível de significância foi aceito quando p<0,05. Foi verificada correlação entre a expressão do RCT em CMO
e CGM para todas as lesões analisadas (r=0.45; p<0.01) e nas lesões não agressivas (r=0,66; p<0,01). Adicionalmente, o RCT foi identificado em todos os casos analisados e não foram encontradas diferenças entre lesões
agressivas e não agressivas com relação à expressão do RCT. Os resultados indicam que as CGM são formadas
devido à fusão de células CMO. Além disso, os achados indicam que não existem diferenças na expressão do RCT
em LCCG não agressivas e agressivas, fortalecendo o uso de calcitonina para tratamento dessas lesões. Palavras-chave: Granuloma Central de Células Gigantes, Receptores de calcitonina, Células Gigantes Multinucleadas
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
161
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
267 – CISTO ORTOCERATINIZADO – RELATO DE CASO.
Autores: ERYKSSON SOUZA DE SOUZA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS);IGOR FIGUEIREDO
PEREIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); MARCELO DRUMMOND NAVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); RODRIGO CARVALHO PINTO COELHO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS);
AUGUSTO SETTE-DIAS (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS)
Introdução: O cisto ortoceratinizado (CO) escrito pela primeira vez em 1972 como uma variante do ceratocisto,
pela presença de uma camada ortoceratinizada na superfície do epitélio cístico e por apresentar uma menor
recorrência. No entanto com a nova classificação da OMS em 2005 reclassificou os ceratocistos como tumores
odontogênicos por apresentar um comportamento mais agressivo, portanto o CO foi reconhecido como uma
entidade única e distinta do tumor ceratocisto. Objetivo: O objetivo foi relatar um caso atípico de CO bem como
o diagnóstico e a conduta terapêutica no tratamento desta entidade patológica. Relato de caso: paciente gênero feminino, 19 anos, sem nenhuma alteração sistêmica, procurou a clínica de especialização em cirurgia e
traumatologia buco-maxilo-facial da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) , encaminhada pelo seu ortodontista após exames de imagem de rotina. Ao exame clínico,não apresentava tumefação em mucosa, sem
sinais flogísticos e assintomática. À tomografia computadorizada observou-se lesão radiolúcida unilocular, bem
delimitada na região distal do elemento 47 e ausência do elemento 48 sem histórico de exodontia. Ao exame de
imagem panorâmico do paciente aos 12 anos não se encontrava lesão prévia. Foi programado ato cirúrgico, com
punção aspirativa prévia, na qual obteve resposta negativa, e biópsia excisional, sob anestesia local, em seguida
o espécime foi enviando para exame histopatológico. Resultados: Ao exame, os cortes revelaram fragmento de
cápsula cística revestidos por epitélio estratificado pavimentoso ortoceratinizado com cavidade preenchida por
grande quantidade de fibrinas de ceratina, chegando diagnóstico histopatológico sendo um CO. Discussão: O CO
é uma entidade rara, pouco descrita na literatura. Clinicamente apresenta-se como uma lesão única, assintomática, predominante em região posterior de mandíbula em jovens do gênero masculino. Aos exames de imagem
apresenta-se como uma lesão unilocular, bem definida e sem estar associada com raízes de dentes e reabsorção.
Conclusão: O CO é uma entidade rara que pode clinicamente ser semelhante a outros cistos como cisto radicular,
periapical ou traumático. Em contraste com outros cistos de maior acometimento na cavidade oral, o CO é uma
lesão cística com grande potencial de crescimento e pequeno grau de recorrência, sendo o diagnóstico unicamente histopatológico e o tratamento remoção cirúrgico da lesão por completo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
162
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
273 – PREVALÊNCIA DE LESÕES BUCAIS NO SERVIÇO PÚBLICO
DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO – RS, BRASIL
Autores: MATEUS GIACOMIN (*) (UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO);GABRIEL DA ROCHA (UNIVERSIDADE DE
PASSO FUNDO); SAMARA ANDREOLLA LAZARO (UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO); PEDRO HENRIQUE SIGNORI (UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO); RENATO SAWAZAKI (UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO)
Introdução: Para o controle do câncer fazem-se necessárias informações de qualidade sobre sua distribuição de
incidência e mortalidade, o que possibilita melhor compreensão sobre a doença e seus determinantes, formulação de hipóteses causais, avaliação dos avanços tecnológicos aplicados à prevenção e tratamento, bem como a
efetividade da atenção à saúde. O câncer de boca é o quinto tipo de câncer em incidência no mundo, sendo que
no Brasil é o quinto tipo de câncer em incidência entre os homens e o sétimo entre as mulheres. O Instituto Nacional de Câncer estima que no ano de 2012 tenha ocorrido no Brasil 14.170 novos casos de neoplasia maligna
da cavidade oral, sendo 9.990 homens e 4.180 mulheres. O cirurgião-dentista ocupa uma posição estratégica no
reconhecimento das alterações que envolvem a cavidade bucal e o diagnóstico precoce constitui uma das formas
mais eficazes de combater uma doença. Objetivo: Esta pesquisa relatou a prevalência das patologias bucais que
acometeram os pacientes que procuraram o Serviço de Prevenção e Diagnóstico Precoce de Câncer de Boca na
rede Municipal de Saúde de Passo Fundo – RS entre janeiro de 2006 e dezembro de 2010. Materiais e Métodos:
O estudo foi realizado por meio de análise dos prontuários de atendimento de todos os pacientes atendidos neste
ambulatório. Foi feito um levantamento das lesões encontradas, associando os fatores de risco, gênero e idade
visando determinar a prevalências dessas patologias. As lesões foram classificadas em 8 grandes grupos (hiperplasias reacionais, lesões infecciosas e inflamatórias, patologia de glândulas salivares, tumores e cistos odontogênicos, neoplasias benignas, lesões cancerizáveis, neoplasias malignas e doenças autoimunes). Resultados: O
grupo das hiperplasias reacionais foi o mais prevalente com 31,3% dos casos. As lesões bucais acometem principalmente pacientes com mais de 40 anos. Conclusão: As lesões bucais acometem principalmente pacientes com
mais de 40 anos. Constatou-se que o grupo das hiperplasias reacionais foi o mais prevalente das lesões bucais. Até
os 30 anos o grupo das patologias de glândulas salivares foi o mais prevalente dentre todos os grupos de lesões.
Pacientes do gênero masculino, com mais de 40 anos, que apresentam fatores de riscos associados, são o grupo
mais propenso a desenvolver neoplasias malignas na cavidade bucal.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
163
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
275 – RETALHO PALATINO MODIFICADO PARA FECHAMENTO
DE FÍSTULA BUCONASAL
Autores: CAROLINA FERRAIRO DANIELETTO (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA);GUSTAVO ZANNA FERREIRA (UNICESUMAR); CAROLINA RESQUETTI LUPPI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ); VALTHIERRE NUNES DE LIMA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA); LIOGI IWAKI FILHO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ)
Introdução: A fístula buconasal é uma comunicação persistente entre as cavidades bucal e nasal. Pode ser congênita ou adquirida, através de traumatismos, infecções e após ressecções de tumores maxilares. O presente trabalho
tem por objetivo relatar e descrever uma técnica cirúrgica de rotação de retalho palatino modificada para o fechamento de fístula buconasal presente em um paciente submetido à ressecção de tumor benigno em maxila. Relato
de caso: Paciente aos 49 anos de idade, gênero masculino, leucoderma, compareceu ao ambulatório de Cirurgia e
Traumatologia Buco-Maxilo-Facial da Universidade Estadual de Maringá queixando-se de dificuldade na mastigação e deglutição, voz nasalizada, odor fétido advindo da cavidade bucal, e perda do convívio social. Durante a
anamnese, o paciente referiu como história da doença atual, ressecção de tumor benigno, adenoma pleomórfico
em palato duro há 6 meses, e negou alterações sistêmicas, vícios ou hábitos. Ao exame físico intrabucal, apresentava fístula buconasal medindo aproximadamente 1,5cm em seu maior diâmetro, localizada discretamente
à direita. Em tomografia computadorizada por feixe cônico, pode ser definida a extensão da lesão, e excluido a
possibilididade de um envolvimento com seio maxilar. Realizada prótese total obturadora, até o momento cirúrgico. A cirúrgia foi realizada sob anestesia geral para maior conforto do paciente, e a técnica cirúrgica utilizada foi
a rotação de retalho palatino, delineando a incisão apartir do fundo de vestíbulo do lado esquerdo, atravessando
o rebordo alveolar, estendendo-se próximo à região de inervação do nervo nasopalatino, e retornando ao lado
esquerdo passando em proximidade com a fístula buconasal, e sendo finalizada em palato mole. Modificada pela
realização de duas incisões retilíneas e paralelas de aproximadamente 1,5cm cada, localizadas em rebordo alveolar posterior direito, formando um túnel, no qual o retalho palatino foi envelopado e o ápice do retalho suturado
no fundo de vestíbulo direito, para conferior maior estabilidade ao retalho. Ao final, a sutura foi realizada com
Vicryl 4.0, e o reembasamento da prótese com cimento cirúrgico. O paciente foi orientado quanto à higiene e
cuidados locais. E seguiu-se com retornos periódicos. Discussão: Diversas são as técnicas existentes para o fechamento de fístulas buconasais, e a escolha da técnica mais adequada para cada caso dependerá, da extensão,
localização e complexidade do defeito. Considerações finais: A técnica de rotação de retalho palatino modificada
mostrou-se viável. Não houve recidiva da fístula buconasal ou necrose tecidual, respondendo positivamente à
modificação realizada. E a reabilitação funcional e estética, permitiu ao paciente um retorno ao convívio social.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
164
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
283 – CISTO DENTÍGERO EM CRIANÇA : RELATO DE CASO
CLÍNICO
Autores: CAMILA FIALHO DA SILVA NEVES DE ARAUJO (*) (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA);MARCIO TADASHI TINO (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA); GILBERTO FENELON DAS NEVES (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA); DANIEL MARQUES NOVAES (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA); BRUNO SOUSA PINTO
FERREIRA (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA)
Introdução: O Cisto Dentígero corresponde a 20% de todos os cistos epiteliais de desenvolvimento dos maxilares.
Pode ser definido como um cisto que inclui a coroa, e ocasionalmente as raízes, de terceiros molares inferiores,
caninos superiores e segundo pré-molares inferiores. São mais frequentes entre os 10 e 30 anos, assintomáticos,
podendo aumentar consideravelmente de tamanho causando expansão óssea e assimetria facial. Esses cistos podem deslocar o dente envolvido para distâncias consideráveis, havendo a possibilidade de reabsorção radicular de
dentes adjacentes. Este trabalho traz o relato de caso de cisto dentígero associado a um 2º pré-molar inferior em
paciente pediátrico, sendo tratado por meio dos métodos de Partsch I e II pela equipe de Cirurgia e Traumatologia
Buco-Maxilo-Facial do Hospital de Urgências de Goiânia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
165
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
296 – FIBROMA OSSIFICANTE EM MANDÍBULA: RELATO DE
CASO
Autores: DANIEL MARQUES NOVAES (*) (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO);BRUNO SOUSA
PINTO FERREIRA (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO); MARCIO TADASHI TINO (HOSPITAL DE
URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO); CAMILA FIALHO DA SILVA NEVES DE ARAÚJO (HOSPITAL DE URGÊNCIAS
DE GOIÂNIA / SES-GO); GILBERTO FENELON DAS NEVES (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA / SES-GO)
Introdução: O fibroma ossificante central é uma lesão rara, caracterizada pela substituição de tecido ósseo normal por tecido fibroso benigno contendo material mineralizado, que tem predileção pelo sexo feminino e ocorre
entre a terceira e quarta década de vida. Apresenta-se geralmente com o aumento volumétrico assintomático, de
evolução lenta, acometendo principalmente a mandíbula. Radiograficamente é radiolúcida ou mostrando graus
variados de radiopacidade com limites bem definidos. O objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico de uma
paciente; que foi encaminhada ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial de um hospital terciário
de referência da região Centro-Oeste, na cidade de Goiânia-Goiás; do gênero feminino, melanoderma, 41 anos,
com aumento de volume indolor em mandíbula há cerca de 12 meses. Ao exame intra-oral, evidenciou-se uma
elevação no fundo de vestíbulo inferior direito, na região dentes 43 e 44, com abaulamento da cortical óssea vestibular, de consistência fibroelástica recoberto por mucosa íntegra. Radiograficamente a lesão apresentou aspecto
radiolúcido com graus variados de radiopacidade no seu interior, com limites precisos, expansão da cortical óssea
com fenestração óssea vestibular, lesão lítica insuflativa com área hipodensa, envolvimento dos dentes 43 e 44
associadas a divergências e reabsorões radiculares. Após constatação da punção branca foi realizada a enucleação
total da lesão com fácil descolamento e remoção dos dentes. A peça cirúrgica foi enviada para exame histopatológico, revelaram fragmentos de tecido conjuntivo denso, bastante celularizado, constituída por fibroblastos fusiformes e intensa deposição colágena sem atipias celulares de padrão monótono, onde notam-se pequenos focos
ou ilhotas de material osteoide imaturo e irregular e trabéculas ósseas maduras que confirmou o diagnóstico de
fibroma ossificante central. No controle pós-operatório de dois meses a paciente encontra-se com evolução favorável. Apesar de não haver relatos de transformação maligna, é importante o diagnóstico precoce evitando que
estas lesões atinjam grandes tamanhos podendo comprometer estruturas anatômicas importantes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
166
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
300 – TRATAMENTO CONSERVADOR DE TUMOR
ODONTOGÊNICO QUERATOCISTO PELA TÉCNICA DE
TAPIZAMENTO – RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: PAULA CRISTINA COUTINHO (*) (UNIP CAMPUS FLAMBOYANT GOIÂNIA GOIÁS);RUBENS JORGE SILVEIRA (UNIP CAMPUS FLAMBOYANT GOIÂNIA GOIÁS); WEULER DOS SANTOS SILVA (UNIP CAMPUS FLAMBOYANT
GOIÂNIA GOIÁS); ALBERTO FERREIRA DA SILVA JUNIOR (UNIP CAMPUS FLAMBOYANT GOIÂNIA GOIÁS); LUCAS
ANTÔNIO DE CARVALHO E SILVA (UNIP CAMPUS FLAMBOYANT GOIÂNIA GOIÁS)
Introdução: O Tumor Odontogênico Queratocisto (TOQ) é uma lesão de provável origem odontogênica, natureza
benigna, evolução lenta e assintomática. É uma lesão intraóssea dos maxilares de comportamento invasivo-destrutivo, com alto índice de recidiva. A etiologia ainda não está totalmente esclarecida, existem duas teorias: uma
a partir de remanescentes da lâmina dentária e outra a partir da proliferação de células da camada basal ou do
epitélio oral. A Organização Mundial de Saúde 2005 (OMS) considera o queratocisto um tumor odontogênico, e
não, uma lesão cística, por conta de seu comportamento agressivo, alto índice de recidiva e devido suas características tumorais, enfatizando a natureza neoplásica. TOQ pode acometer pacientes de uma ampla faixa etária, com
pico de incidência entre a segunda e terceira década de vida. O sexo masculino é o mais acometido, sendo a mandíbula a região mais afetada, com elevada tendência de envolvimento da região posterior e geralmente associado
a um dente incluso, o siso. Clinicamente, manifesta-se como um aumento volumétrico. A expansão das corticais
ósseas pode ocorrer, o que pode levar a infecção secundária, tornando a lesão sintomática com ou sem drenagem
espontânea, bem como pode ocorrer parestesia do nervo alveolar inferior. O exame imaginológico do TOQ, é
de suma importância para estabelecer a hipótese diagnóstica, plano de tratamento e avaliar o prognóstico. Os
aspectos imaginológicos não estabelece um diagnóstico conclusivo pré-operatório. É imprescindível a realização
de biópsia seguida do exame histopatológico, para estabelecer o diagnóstico definitivo. Este trabalho tem como
objetivo relatar caso clínico de TOQ que acometeu a região de transição entre o corpo, ângulo e ramo ascendente
da mandíbula lado esquerdo. A lesão foi tratada de maneira conservadora, através de curetagem cuidadosa, ostectomia periférica nas áreas que permitiam a sua realização e por fim associação da técnica de enucleação com
marsupialização o que caracteriza a Técnica de Tapizamento. O tamponamento da cavidade foi feito com gaze
embebida com Reparil® Gel, e trocas de curativos a cada 3 dias, totalizando 28 curativos neste caso, assim ocorreu total epitelização (reparação por segunda intenção) da cavidade e não mais houve a necessidade do curativo.
Todos estes procedimentos foram executados de forma a evitar o risco de fratura mandibular, parestesia, bem
como evitar a ressecção mandibular local. Os autores mostrarão a sequencia do tratamento e o follow-up de 30,
60, 90 e 180, bem como o exame tomográfico pré e pós-operatório de 180 dias. Em decorrência da agressividade
da lesão e o alto índice de recidiva que está diretamente relacionado a técnica cirúrgica, se faz necessário o acompanhamento anual através de exames clínicos e imaginológicos para diagnosticar possível recidiva da lesão, principalmente nos casos tratados conservadoramente. No momento o paciente encontra-se em acompanhamento e
sem sinais e/ou sintomas de recidiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
167
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
308 – TRATAMENTO CIRÚRGICO E RECONSTRUTIVO DE
FIBROMA OSSIFICANTE JUVENIL EM MANDÍBULA: RELATO DE
CASO
Autores: LIVIA MIRELLE BARBOSA (*) (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO);JOÃO LUIZ GOMES CARNEIRO MONTEIRO
(HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); MARIANA VASCONCELOS DA CRUZ GOUVEIA (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO);
BELMIRO CAVALCANTI DO EGITO VASCONCELOS (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); CARLOS AUGUSTO PEREIRA
DO LAGO (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO)
Introdução: O fibroma ossificante juvenil (FOJ) é designado como um neoplasma fibro-ósseo benigno, observado
em indivíduos jovens. São descritas duas variantes clínico-patológicas, denominadas de fibroma ossificante juvenil trabecular (FOJtr) e fibroma ossificante juvenil psamomatoide (FOJps). Essas lesões, quando acometem ossos gnáticos, localizam-se preferencialmente em maxila, sendo incomum a apresentação de lesões em mandíbula.
O presente trabalho tem como objetivo descre¬ver um caso clínico de um FOJ em mandíbula, abordando suas
características clínicas, radiográficas e his-tológicas, sua forma de tratamento, além de discutir sobre reconstrução mandibular após ressecção mandibular, que é um tópico importante da cirurgia buco maxilo facial. Próteses
em titânio podem ser utilizadas com sucesso, porém devido ao seu alto custo e a dificuldade em consegui-la faz
com que outros materiais sejam utilizados. Neste trabalho relata-se a utilização da reconstrução mandibular com
metilmetacrilato.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
168
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
314 – MIXOMA ODONTOGÊNICO DE MANDÍBULA: ABORDAGEM
CIRÚRGICA COM USO DA SOLUÇÃO DE CARNOY
Autores: THALLYS EMANNUEL FERREIRA CLEMENTE (*) (UFRN);HAROLDO ABUANA OSÓRIO JÚNIOR (UFRN);
ADRIANO ROCHA GERMANO (UFRN); JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UFRN); PETRUS PEREIRA GOMES
(UFRN)
Introdução: O mixoma é uma lesão de natureza puramente odontogênica que ocorre exclusivamente nos ossos
gnáticos, sendo chamado por alguns autores de mixoma odontogênico. Embora seja uma neoplasia benigna, é
agressiva e tem grande potencial de recidiva e em decorrência desse comportamento muitos cirurgiões optam
pela abordagem mais radical. O trabalho relata paciente gênero feminino, 23 anos, procurou o Serviço de Cirurgia
e Traumatologia Buco-maxilo-facial da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (DOD-HUOL) com queixa
de dor associada ao elemento 38, refratária ao acesso à câmara pulpar. A radiografia panorâmica exibia imagem
radiolúcida circunscrita e unilocular que se iniciava no ápice do elemento 38 e se estendia posteriormente para
a região do ramo e borda inferior esquerda da mandíbula. Foi realizada a exodontia mais biópsia incisional da
lesão, confirmando o diagnóstico histopatológico de Mixoma Odontogênico. A abordagem cirurgica hospitalar
houve a curetagem periférica e autilização da solução de Carnoy. Apesar dos desafios de diagnóstico impostos
pela semelhança entre o mixoma odontogênico e outras lesões, tanto pelas características clínicas, radiográficas
quanto histopatológicas, o diagnóstico precoce, através da cuidadosa análise de todos os dados em conjunto,
pode abreviar o curso natural da lesão, limitando os danos causados através de adequado tratamento. A necessidade de acompanhamento do paciente é de grande importância, pois há grande risco de recidiva, o que influencia
no prognóstico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
169
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
319 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE CISTO DO DUCTO
NASOPALATINO - RELATO DE CASO
Autores: DIEGO FEIJAO ABREU (*) (INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA);MANOEL DE JESUS RODRIGUES MELLO (INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA); RENATO LUIZ MAIA NOGUEIRA (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL);
Introdução: O cisto do ducto nasopalatino é o cisto não-odontogênico mais comum da cavidade oral, correspondendo a aproximadamente 1% de todos os cistos dos maxilares. Sua patogênese é incerta, porém atribuída, na
literatura, a uma degeneração cística de remanescentes do ducto nasopalatino. O crescimento da lesão é geralmente lento e sintomatologia dolorosa pode ou não estar presente. Ocorre frequentemente entre a quarta e a
sexta década de vida e apresenta predileção pelo sexo masculino. O presente trabalho objetiva abordar um caso
clínico de cisto do ducto nasopalatino, suas características e a conduta adotada em seu tratamento. Paciente
M.R.N., sexo feminino, 39 anos, melanoderma, fumante, apresentou-se com queixa de aumento de volume em
região anterior de maxila, com evolução de quatro anos. Ao exame clínico, observou-se um abaulamento da cortical vestibular, firme à palpação, recoberto por mucosa oral com aspecto normal. Ao exame imaginológico, visualizou-se lesão radiolúcida, circunscrita, na região anterior de maxila, com cerca de 3,5 cm. A hipótese diagnóstica
estabelecida foi de cisto do ducto nasopalatino. A biopsia excisional foi a modalidade cirúrgica de tratamento. O
procedimento cirúrgico foi realizado sob anestesia geral e a lesão encaminhada para exame histopatológico. O
laudo obtido foi compatível com a hipótese diagnóstica pré-estabelecida. A paciente encontra-se atualmente em
acompanhamento ambulatorial pós-operatório de 2 anos, sem sinais de recidiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
170
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
333 – FIBROMA OSSIFICANTE CENTRAL EM MANDÍBULA:
RELATO DE UM CASO COM ÊNFASE NO DIAGNÓSTICO
HISTOPATOLOGICO DIFERENCIAL
Autores: JULIANA CAMPOS PINHEIRO (*) (UNIVERSIDADE TIRADENTES);JULIANA BATISTA DE MELO FONTE
(UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE); MARIA DE FÀTIMA BATISTA MELO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE); FRANCISCO DE ASSIS LIMA ALMEIDA JÚNIOR (UNIVERSIDADE TIRADENTES); RICARDO LUIZ CAVALCANTI
DE ALBUQUERQUE JÚNIOR (UNIVERSIDADE TIRADENTES)
Introdução: O fibroma ossificante central é um tumor fibro-ósseo benigno raro da região craniofacial, diagnosticado com uma combinação de exames clínicos, imaginológicos e histopatológicos. A lesão é assintomática, na
maioria dos casos, até o crescimento produzir tumefação visível e deformidade moderada. Problemas estéticos e
oclusais são frequentemente as primeiras manifestações dessas lesões. Ocorrem com maior frequência na mandíbula, porém podem ocorrer em outras regiões do corpo. Têm um bom prognóstico e uma baixa recorrência.
O objetivo deste trabalho é relatar o caso de uma paciente do sexo feminino, 48 anos, feoderma, apresentando
aumento de volume assintomático, de consistência pétrea e coloração rosa pálida, localizado na região lingual
dos dentes 31, 32 e 33, com um ano de evolução. A tomografia computadorizada de feixe cônico revelou lesão
central hipodensa bem delimitada, parcialmente preenchida por material hiperdenso, provocando abaulamento
de cortical óssea lingual. Foi realizada biópsia incisional, que revelou proliferação fusocelular imersa em tecido
conjuntivo fibroso, associada à deposição de trabéculas ósseas irregulares imaturas. O diagnóstico foi de Fibroma
Ossificante Central. O Fibroma Ossificante Central é uma neoplasia benigna fibro-óssea incomum que acomete
os ossos maxilares. Sua apresentação clinicopatológica pode determinar dificuldades diagnósticas, especialmente
com displasia fibrosa, fibroma ossificante juvenil e osteossarcoma de baixo grau. Desta forma, pretende-se neste
trabalho discutir critérios de diagnóstico diferencial e sua importância para o estabelecimento de uma conduta
terapêutica adequada.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
171
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
336 – OSTEOMA MANDIBULAR EM PACIENTE NÃO
SINDRÔMICO: RELATO DE CASO.
Autores: SORAIA RODRIGUES DE GOIS (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA);EDUARDO COSTA STUDART
SOARES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA); FABIO WILDSON GURGEL COSTA (UNIVERSIDADE FEDERAL
DO CEARA); RODRYGO NUNES TAVARES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA); MAYKEL SULLYVAN MARINHO
DE SOUZA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA)
Introdução: Osteoma mandibular em paciente não sindrômico: relato de caso. Os osteomas são lesões benignas
dos maxilares, raramente encontrados em outros ossos, as quais podem acometer o periósteo ou o osso medular.
É mais comum na mandíbula do que na maxila, em especial, na porção lingual do corpo ou no côndilo mandibular. Embora consideradas neoplasias por diversos autores, processos inflamatórios locais têm sido atribuídos ao
seu desenvolvimento. O tratamento baseia-se na excisão cirúrgica conservadora, visto que as lesões raramente
recidivam removidas completamente. O objetivo do presente trabalho é relatar o caso de uma paciente de 52
anos de idade, sexo feminino, que procurou atendimento queixando-se de uma aumento de volume indolor, de
crescimento lento, localizado na região de ângulo mandibular do lado esquerdo. A tomografia computadorizada
revelou uma massa hiperdensa, de contornos bem definidos, cuja base pediculada se inseria na porção basilar do
ângulo mandibular esquerdo. O tratamento consistiu da remoção cirúrgica, cujo exame histopatológico, confirmou a suspeita clínica de osteoma. A paciente foi então encaminhada ao Serviço de Gastroenterologia, o qual
descartou a possibilidade de síndrome de Gardner. Decorridos 12 meses de acompanhamento pós-operatório,
não há sinais de recidiva. O presente caso ressalta a relevância do trabalho multidisciplinar no diagnóstico correto
e consequentemente na melhor terapêutica a ser instituída em cada caso.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
172
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
338 – FIBRO-ODONTOMA AMELOBLÁSTICO EXPANSIVO EM
MANDÍBULA: RELATO DE CASO
Autores: THALLYS EMANNUEL FERREIRA CLEMENTE (*) (UFRN);MAURÍLIA RAQUEL DE SOUTO MEDEIROS
(UFRN); MARA LUANA BATISTA SEVERO (UFRN); MARIA LUIZA DINIZ DE SOUSA LOPES (UFRN); ERICKA JANINE
DANTAS DA SILVEIRA (UFRN)
Introdução: O fibro-odontoma ameloblástico (FOA) é um tumor odontogênico benigno raro, de origem mista de
epitélio e ectomesênquima odontogênico associados a presença de tecidos mineralizados dentários. Seu aspecto
radiográfico é de uma lesão radiolúcida bem definida, contendo níveis variados de material radiopaco de forma e
tamanho irregulares. O tratamento mais comum é a enucleação. O trabalho relata um caso de FOA diagnosticado
no Serviço de Diagnostico do Departamento de Patologia Oral- UFRN, além de relatar as características clinicas
histopatológicas e opções de tratamento para esse tumor.Paciente dez anos de idade, gênero masculino, procurou
atendimento odontológico devido a um ligeiro aumento de volume no rosto. Nos exames extra e intra-oral foi
detectada discreta assimetria facial do lado direito na região posterior de mandíbula, e aumento de volume na
região de fundo de vestíbulo bucal inferior do lado direito, após exames radiológicos e histopatológicos foi constatado o diagnostico de fibro-odontoma ameloblástico. Por esse tumor apresentar certa similaridade com outras
patologias, torna-se indispensável o diagnóstico diferencial com outros tumores, sendo que muitas vezes esse
diagnóstico só pode ser elucidado com testes histopatológicos. Apesar de incomum, o FOA deve ser considerado
no diagnóstico diferencial de lesões com padrão radiográfico misto radiolúcido-radiopaco, especialmente em casos de pacientes jovens.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
173
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
350 – ADENOMA PLEOMÓRFICO: RELATO DE CASO
Autores: MURILO ALVES TEIXEIRA NETO (*) (ACADEMIA CEARENSE DE ODONTOLOGIA);RAQUEL BASTOS
VASCONCELOS (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL); DIEGO FEIJÃO ABREU (INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA); JOÃO
EUDES TEIXEIRA DE PINHO FILHO (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL); JOSÉ LINCOLN PARENTE (CENTRO DE
ESPECIALIDADE ODONTOLÓGICAS)
Introdução: O adenoma pleomórfico ou tumor misto benigno é a neoplasia de glândulas salivares de maior incidência, tanto nas glândulas maiores como nas menores, derivados de uma mistura de elementos ductais e
mioepiteliais. A lesão prevalece no lobo superficial da glândula parótida, cuja frequência varia de 75% a 85%,
seguindo-se da submandibular com 8% e glândulas salivares menores com 7% a 15%. Os aspectos clínicos do
adenoma pleomórfico geralmente incluem lesões solitárias, ovoides e de margens bem delimitadas. Apresenta
crescimento lento e assintomático. A lesão é móvel, exceto quando ocorre no palato, ocorrendo mais frequentemente na 4ª e 5ª décadas de vida, com ligeira predominância no gênero feminino. O presente trabalho tem como
objetivo relatar um caso clínico em que uma paciente C.F.B., sexo feminino, de 36 anos de idade, compareceu ao
serviço de estomatologia do Ceo Centro, com queixa de aumento de volume em palato, de formato arredomndado e de superficie lisa em região de palato duro correspondente ao dente 21 ao 26. Não relatava dor no local
apesar de a lesão apresentar-se dura e de base sessil. Já submetida a uma biopsia incisional com diagnóstico de
adenoma pleomórfico. Indicando-se tratamento cirúrgico através de enucleação da lesão benigna localizada. Paciente se encontra em acompanhamento de 6 meses, sem queixas dolorosas ou de fonação e não apresentando
sinais clínicos de recidiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
174
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
355 – RETALHO DE LÍNGUA PARA FECHAMENTO DE
COMUNICAÇÃO BUCONASOSINUSAL
Autores: TUANNY CARVALHO DE LIMA DO NASCIMENTO (*) (CAIF/AFISSUR - HOSPITAL ERASTO GAERTNER);JOÃO LUIZ CARLINI (CAIF/AFISSUR); GUILHERME STRUJAK (CAIF/AFISSUR); CASSIA BIRON (CAIF/AFISSUR);
Introdução: INTRODUÇÃO, APRESENTAÇÃO E OBJETIVOS O desafio para o fechamento das comunicações
buconasosinusais está na escolha da melhor técnica e área doadora que proporciona tecido suficiente para o fechamento das fístulas. A escolha do retalho dependerá da localização, da extensão e do tipo de comunicação, se
é por: ressecção tumoral, fissuras uni ou bilaterais. O tratamento desses pacientes depende do local do problema
de comunicação, estruturas anatômicas afetadas, extensão e domínio da técnica pelo Cirurgião. O retalho pediculado de língua tem sido preconizado para fechamento de fístulas e fissuras extensas por oferecer um retalho
amplo, bem vascularizado, de execução relativamente simples e causa poucas sequelas ao sítio doador. Entretanto, requer grande colaboração do paciente, já que se recomenda um período (21 dias) no qual o retalho fica preso
ao pedículo. Dificultando a fonação, mastigação, deglutição e higiene do paciente. O trabalho apresentará uma
sequência de 11 casos de pacientes submetidos ao retalho pediculado de língua para fechamento de comunicação buconasosinusais. METODOLOGIA Pacientes tratados entre 2002-2012, selecionados para a serie de casos,
entre 8-56 anos (média de idade 32 anos, sendo 8 masculino e 3 femininos) , utilizando a técnica de retalho de
língua isolado ou associado com retalho de mucosa palatina. Entre os casos atendidos, anteriormente, apresentavam perda completa de pré-maxila (2 casos); hemimaxilectomia para ressecção tumoral (2 casos) e tratamento
de pacientes portadores de fissuras uni ou bilaterais (7 casos). Caso n idade sexo Origem da fístula Localização
enxerto implante complicações acompanhamento 1 8 m Fissura bilateral Palato duro Não Não Nenhuma 11 anos
2 27 m Fissura bilateral Fissura bilateral Não Não Nenhuma 10 anos 3 10 m Fissura bilateral Fissura bilateral Sim
Não Nenhuma 10 anos 4 17 m Necrose de pré -maxila (portador de fissura bilateral Região anterior de maxila
Sim Sim Nenhuma 8 anos 5 19 m Fissura bilateral Fissura Sim Sim Nenhuma 7 anos 6 56 f Complicação após
reconstrução de maxila Anterior de maxila Sim Sim Fístula residual (feito novo retalho de língua) 5 anos 7 36 f
Rececção tumoral Hemimaxila direita Sim Sim Nenhuma 5 anos 8 26 m Fissura unilateral Fissura unilateral Sim
Sim Nenhuma 5 anos 9 26 f Necrose de pré-maxila Região anterior de maxila Sim Sim Nenhuma 3 anos 10 33 m
Rececção tumoral Hemimaxila esquerda Sim Sim Nenhuma 2 anos 11 23 m Fissura bilateral Fissura bilateral Sim
Não Fístula residual (fechada em ambulatório) 2 anos RESULTADOS Entre os onze pacientes estudados apenas
um dos casos apresentou perda do retalho. CONSIDERAÇÕES FINAIS Trata-se de um procedimento seguro e
com altas taxas de sucesso, quando indicado para resolução de casos extremos, onde procedimentos prévios que
não obtiveram sucesso. Sendo a má desvantagem manter o paciente com o pedículo preso por 21 dias e a necessidade de um novo procedimento para sua secção.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
175
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
364 – USO DE PRÓTESE CRÂNIO-MANDIBULAR CUSTOMIZADA
PARA RECONSTRUÇÃO DE SEQUELA DE ENXERTO LIVRE
DE FÍBULA, NO TRATAMENTO DE MIXOMA DE GRANDES
PROPORÇÕES COM FOLLOW UP DE 14 ANOS.
Autores: DANILO DRESSANO (*) (SANTA CASA DE PIRACICABA);PAULO AFONSO DE OLIVEIRA JR. (SANTA CASA
DE PIRACICABA); ARMANDO DE BARROS (SANTA CASA DE PIRACICABA); RODRIGO GONÇALVES (SANTA CASA
DE PIRACICABA); FELIPE CALILE FRANCK (SANTA CASA DE PIRACICABA)
Introdução: Mixomas odontogênicos, embora sejam tumores benignos, se mostram bastante agressivos com
eminente tendência à recidiva quando tratado de modo conservador. Apresentam indicação de ressecção com
margens de segurança de 1,0 a 1,5 cm. O caso apresentado trata de um mixoma odontogênico, localizado em
hemimandibula direita, com evolução de 7 anos, onde primeiramente foi proposta a ressecção completa da lesão
e imediata reconstrução com enxerto autógeno livre de fíbula e placa de reconstrução locking. No acompanhamento pós-operatório (PO) mediato, a paciente apresentou processo infeccioso no sítio do enxerto, sendo tratada
com terapia antibiótica sistêmica, que se mostrou eficaz. A paciente continuou sendo acompanhada pelo nosso
departamento para controle PO constante por mais 5 anos, sem apresentar alterações importantes a mesma não
retornou mais ao serviço. Após 8 anos a paciente retornou ao nosso serviço referindo dores na região da articulação temporomandibular ao lado direito e dificuldade à abertura bucal. Exames por imagens foram solicitados, o
que revelou a fratura do segmento proximal do enxerto com migração deste para o espaço medial e deslocamento
da placa de reconstrução para o processo zigomático do osso temporal, fazendo com que a paciente articulasse a
placa com o arco zigomático e causando dores aos movimentos bucais e posteriormente evoluído para uma pseudo anquilose da placa ao osso. Em vista do quadro apresentado, o tratamento proposto foi a remoção da placa de
reconstrução com os remanescentes do enxerto livre fraturado e imediata instalação de prótese de mandíbula e
côndilo customizada TMJ Concepts. Em acompanhamento PO mediato de 8 meses, a paciente não refere queixas
álgicas, apresenta boa abertura da boca (40mm) , foi reabilitada com PPR e continua sendo acompanhada pelo
nosso departamento. Concluímos que a prótese de côndilo customizada é uma excelente opção e eficaz quando
utilizada em grandes reconstruções que envolvem o côndilo da mandíbula para paciente vítimas de patologias
mutilantes. Além de apresentar uma evidente estabilidade PO, simplifica o ato cirúrgico mostrando uma evidente
menor morbidade quando comparada à outras opções como o enxerto livre ou, até mesmo, microvascularizado
de fíbula . Palavras-chave: Prótese articular, prótese mandibular, mixoma.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
176
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
376 – OSTEOMIELITE SUPURATIVA CRÔNICA EM CRIANÇA
APÓS EXODONTIA DE DECÍDUO
Autores: LUCIANO CRUZ DE BARROS CALDAS (*) (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO);LÍVIA MIRELLE BARBOSA
(HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); JOÃO LUIZ GOMES CARNEIRO MONTEIRO (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); SUZANA CÉLIA DE AGUIAR SOARES CARNEIRO (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO); CARLOS AUGUSTO PEREIRA DO
LAGO (HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO)
Introdução: A osteomielite é um processo in&#64258;amatório agudo ou crônico nos espaços medulares ou nas
superfícies corticais do osso que se estende além do sítio inicial de envolvimento. A grande maioria de casos de
osteomielite é causada por infecção bacteriana e resulta em uma destruição lítica e expansiva do osso envolvido,
com supuração e formação de sequestro ósseo. A osteomielite supurativa pode ser dividida em aguda e crônica.
Na forma crônica, o tecido morto circundado atua como um reservatório para as bactérias, e os antibióticos têm
grande di&#64257;culdade em alcançar essa região. Este padrão começa a evoluir cerca de um mês após a disseminação da infecção aguda inicial e resulta em um processo latente que é difícil de ser resolvido, a não ser que o
problema seja tratado de modo agressivo. O objetivo deste trabalho é relatar um caso de osteomielite supurativa
crônica em uma paciente pediátrica com história de exodontia de dentes decíduos em região anterior de mandíbula e que evoluiu com uma infecção na região com tempo de evolução de seis meses.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
177
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
413 – FIBROMA OSSIFICANTE: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E
ACOMPANHAMENTO
FERNANDO DE OLIVEIRA ANDRIOLA (*) (HOSPITAL SÃO LUCAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO
GRANDE DO SUL);BERNARDO OTTONI BRAGA BARREIRO (HOSPITAL SÃO LUCAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE
CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); VALÉRIA RODRIGUES SARAIVA (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA
DO RIO GRANDE DO SUL); FABIO LUIZ DAL MORO MAITO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); GUILHERME GENEHR FRITSCHER (HOSPITAL SÃO LUCAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA
DO RIO GRANDE DO SUL)
Introdução: O Fibroma Ossificante é uma neoplasia fibro-óssea benigna dos maxilares que possui evolução lenta mas
com significativo potencial de crescimento. Tem preferência pela mandíbula, sexo feminino, geralmente entre a 3ª e 4ª
décadas de vida. Se apresenta como tecido fibroso intra-ósseo com variados graus de celularidade e material mineralizado no seu interior, resultando em aumento de volume indolor (0,2cm – 15cm) , podendo provocar assimetria facial.
Episódios raros de dor, parestesia, rompimento das corticais ósseas ou alteração na continuidade da mucosa. É uma
lesão bem demarcada do osso circundante, podendo estar, ou não, circundado por cápsula fibrosa. Pode causar mobilidade dentária, divergência e até reabsorção radicular, mas geralmente a vitalidade pulpar é mantida (Neville, 2009;
Paiva, 2009; Miloro, 2013; Yoshimura 2013). RELATO DE CASO CLÍNICO: Em novembro de 2013, a paciente realizou
uma radiografia panorâmica de rotina em que foi identificada uma imagem radiolúcida nos ápices dos dentes 42 a 45.
Testes de percussão e sensibilidade tiveram respostas positivas, sem sintomatologia, havendo uma pequena expansão
da cortical óssea por vestibular. Foram levantadas as hipóteses diagnósticas de Displasia Cementária Periapical, Lesão
Fibro-óssea Benigna e Lesão Central de Células Gigantes. Em dezembro de 2013 a paciente foi encaminhada para a
Estomatologia da PUCRS onde foram solicitados exames laboratoriais (hemograma completo, contagem de plaquetas,
glicemia, fósforo, cálcio, fosfatase alcalina, VSG, PTH, TTPA, TP, uréia e creatinina) , os quais não apresentaram qualquer alteração. Em abril de 2014 foi realizada biópsia incisional da lesão, junto ao Departamento de CTBMF da PUCRS,
e um fragmento sólido com consistência de osso medular foi encaminhado para exame anatomopatológico, com a
hipótese de lesão fibro-óssea benigna (Displasia Fibrosa, Fibroma Ossificante) ou Lesão Central de Células Gigantes.
No final do mês de abril foi divulgado o diagnóstico de Fibroma Ossificante. Após a biópsia, os dentes permaneceram
vitais, tendo a paciente relatado parestesia no lábio inferior por cerca de um mês. Entre os meses de maio e junho de
2014 foram realizados tratamentos endodônticos nos dentes 43 e 44, para futura realização de cirurgia para enucleação
do tumor. Após as endodontias, não foi relatado mobilidade ou movimentações dentárias, apenas expansão da cortical
vestibular. Foi realizada a contenção dos elementos dentários relacionados com a lesão com braquetes e fio ortodôntico
e, posteriormente, realizou-se a cirurgia e o acompanhamento pós-operatório clínico e radiográfico do caso. DISCUSSÃO: O caso foi acompanhado clínica e radiograficamente. Até o presente momento já se passaram 10 meses desde a
data da cirurgia, podendo-se observar, radiograficamente, o reparo ósseo gradual do defeito originado pela lesão. Clinicamente a paciente apresenta mucosa vestibular de coloração normal e sem alterações de volume, sugerindo ausência
de recidiva
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
178
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
419 – GLOSSECTOMIA PARCIAL EM PACIENTE PORTADOR DE
MACROGLOSSIA IDIOPATICA: RELATO DE CASO
Autores: CESAR AUGUSTO BORGES (*) (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO JOSE PANGELLA);DANIEL DA
PAIXÃO UYEDA (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO JOSE PANGELLA); ROGERIO DE ALMEIDA SILVA (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO JOSE PANGELLA); CARLOS ALYSSON ARAGÃO LIMA (HOSPITAL GERAL DE
VILA PENTEADO JOSE PANGELLA); DANIEL UYEDA PAIXÃO (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO JOSE PANGELLA)
Introdução: A macroglossia é uma patologia congênita ou adquirida de múltiplas etiologias e pode ser identificada como verdadeira, quando há um aumento excessivo da língua, ou relativa, quado esta é menor que a cavidade oral. Malformações vasculares, hipertrofia muscular são causas mais comuns de macroglossia verdadeira.
A macroglossia relativa pode ter como causa a micrognatia e a hipotonia muscular. A discrepância do tamanho
da língua com a cavidade oral pode resultar em deformidades dentofaciais, musculoesqueléticos, obstrução de
vias aéreas, e problemas na fala. Em crianças a diminuição da mobilidade da língua pode aumentar o risco de
aspiração por diminuir a capacidade de manipular líquido ou bolo alimentar na cavidade oral. O presente trabalho mostra um relato de caso de um paciente do gênero masculino de 22 anos de idade que procurou o serviço
de cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial do hospital geral de vila penteado com queixa de dificuldade de
fonação, má oclusão dentaria e estética facial, onde evidenciamos um prognatismo mandibular e macroglossia
com encaminhamento de avaliação do fonoaudiólogo. Identificando a necessidade de tratamento cirúrgico sob
anestesia geral e entubação nasotraqueal e optamos pela técnica de Obwegeser (orifício de fechadura) para a
correção da macroglossia do mesmo. A cirurgia correu sem intercorrências e o paciente seguiu entubado para a
preservação das vias aéreas de edema em região de orofaringe por mais dois dias. Cabe lembrar que independente
da escolha da técnica cirúrgica, pode haver complicações pós-operatórios, com deiscência de sutura, hemorragia
pós operatória, obstrução de vias aéreas, parestesia e hipomobilidade da língua. Apesar de desafiadora a cirurgia
de glossectomia parcial, quando bem indicada traz os benefícios do restabelecimento da fonação, deglutição, respiração e estética. Sem que o paciente perca as sensação de gustação e mobilidade da língua.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
179
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
448 – OSTEOTOMIA LE FORT I PARA REMOÇÃO DE MÚLTIPLOS
DENTES INCLUSOS EM PACIENTE COM ARTRITE REUMATOIDE
JUVENIL: RELATO DE UM CASO RARO
Autores: MAYKEL SULLYVAN MARINHO DE SOUZA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ);ALEXANDRE
SIMÕES NOGUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); RAFAEL LINARD AVELAR (UNIVERSIDADE FEDERAL
DO CEARÁ); SORAIA RODRIGUES DE GOIS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); EDUARDO COSTA STUDART
SOARES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ)
Introdução: Artrite reumatoide juvenil é uma doença reumática crônica comum na infância. Trata-se de um distúrbio autoimune que tem sido classificada em cinco subtipos de acordo com os sintomas clínicos vistos durante
os primeiros seis meses da doença. Na região maxilofacial, micrognatia, má oclusão, assimetria facial, e limitação de abertura bucal são os sinais clínicos mais observados, como resultado do comprometimento no sítio de
crescimento do côndilo mandibular. Não há relato na literatura da associação dessa patologia em pacientes com
amelogênese imperfeita e dentes inclusos nos maxilares. A osteotomia Le Fort I tem sido empregada com a finalidade de ressecar tumores de base de crânio e terço médio da face, tendo o benefício, não apenas de permitir
uma visão direta da área a ser operada, mas também de preservar tecido ósseo não comprometido por estas patologias. As desvantagens incluem os clássicos e raros acidentes e complicações peri e pós-operatória envolvidas
na osteotomia, tais como hemorragia, má oclusão, pseudoartrose ou não união, sinusite maxilar e denervação
dental. O objetivo do presente trabalho é relatar o caso de uma paciente do sexo feminino, 20 anos, portadora
de artrite reumatoide juvenil, que procurou atendimento queixando-se da ausência de múltiplos dentes na boca.
Os exames imaginológicos evidenciaram inúmeros dentes malformados e em inclusão profunda, tanto na maxila
quanto na mandíbula, com alguns deles associados às áreas radiolúcidas de margens bem definidas. Diante da
dificuldade de remover múltiplas unidades dentárias sob anestesia local e da destruição óssea decorrente de um
acesso transalveolar, optou-se pelo emprego da osteotomia Le Fort I para a exérese dos dentes. A paciente evoluiu
no pós-operatório com boa cicatrização óssea, estabilidade maxilar e recobrimento de tecido mole necessários
para a etapa de reabilitação funcional e estética, demonstrando a utilidade do emprego deste acesso cirúrgico na
remoção de múltiplos dentes inclusos em locais distantes do rebordo alveolar.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
180
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
461 – AMELOBLASTOMA ADENOIDE COM DENTINOIDE
Autores: ARTHUR JOSÉ BARBOSA DE FRANÇA (*) (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - FOP/UPE);EMANUEL
SÁVIO DE SOUZA ANDRADE (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); KAROLINE MARIA SANTOS DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO);
Introdução: O Ameloblastoma é o segundo tumor odontogênico mais comum,com comportamento clínico benigno,mas agressivo.Microscopicamente possui características clássicas e raramente provoca dificuldade de diagnóstico.Já o tumor odontogênico adenomatoide (TOA) ,antes considerado como uma variante do ameloblastoma,representa 3-7% de todos os tumores odontogênicos e geralmente ocorre na região anterior da maxila.Ao contrário
do ameloblastoma,o TOA é uma lesão circunscrita,menos agressiva e tem potencial de crescimento limitado.
Tendo isso em mente,os cirurgiões geralmente tomam uma abordagem mais conservadora no tratamento do
TOA em comparação ao ameloblastoma (MORIDANI, 2008).Se o tratamento do TOA é adequado,ele raramente recidiva.Dos vários casos do TOA relatados na literatura,apenas alguns apresentaram recorrência (FUKAYA
et al,1971;XIANG et al,2007) ,e um caso recorreu três vezes (TAKIGAMI et al,2008).Uma revisão completa da
literatura realizada em 2004 concluiu que as lesões que são relatadas como recorrentes do TOA,são quase certamente ameloblastoma adenoide com dentinoide (IDE et al,2009).O Ameloblastoma adenoide com dentinoide
é um tumor odontogênico raro que mostra características histopatológicas semelhantes ao Ameloblastoma e ao
TOA,juntamente com a formação de tecido duro.Desde a primeira ocorrência,apenas alguns casos desta entidade
foram relatados na literatura.Este relato de caso descreve um paciente de 45 anos que apresentou-se ao ambulatório da Faculdade de Odontologia de Yenepoya,queixando-se de aumento de volume na região ânterosuperior
esquerda da maxila,há duas semanas.Relatou que fez ‘canal’ em alguns dentes e duas cirurgias anteriores devido a
inchaços semelhantes na mesma região.Ao exame intraoral e à palpação,observou-se uma estrutura de superfície
lisa,macia,bem definida,volumosa,com cerca de 3×1cm de tamanho dos elementos 21 ao 23,causando obliteração vestibular parcial.Nos exames de imagem,verificou-se radiotransparência difusa na região.Foi dado um diagnóstico prévio de cisto radicular recorrente/TOA,e a enucleação foi aconselhada.Na avaliação histopatológica,as
lâminas mostraram estroma de tecido conjuntivo densamente colagenoso,com áreas escassas de epitélio odontogênico,mostrando aspectos característicos de um ameloblastoma do tipo plexiforme e formação de microcistos
que se assemelharam ao padrão ductal do TOA.O material extracelular era consistente com focos ocasionais de
dentinoide em formações tubulares.Devido à escassez de casos de ameloblastoma adenoide com dentinoide,o
comportamento e a gestão adequada desses tumores são incertas.Recorrências podem ter sido causadas por subdiagnóstico e tratamento inadequado feito na presunção de TOA.Assim,podemos considerar que a presente lesão
representa um raro caso de ameloblastoma adenoide com dentinoide.Portanto, todos os patologistas devem ter
um conhecimento aprofundado desta entidade e avaliar as lâminas microscópicas completamente e corretamente,a fim de fazer um diagnóstico preciso.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
181
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
463 – LESÃO MIOFIBROBLÁSTICA EM OSSO TEMPORAL
Autores: JÉSSICA HALICE NORONHA (*) (UNIVERSIDADE POSITIVO);LUCIANA SIGNORINI (UNIVERSIDADE POSITIVO); ANDREA OLIVEIRA GEBERT (UNIVERSIDADE POSITIVO); ANA PAULA RIBEIRO BRAOSI (UNIVERSIDADE
POSITIVO); LUIZ FERNANDO BLEGGI TORRES (CENTRO DE PATOLOGIA DE CURITIBA)
Introdução: Lesão miofibroblástica em osso temporal – relato de caso Autores: Jéssica Hálice Noronha, Luciana
Signorini, Andrea Oliveira Gebert, Ana Paula Ribeiro Braosi e Luiz Fernando Bleggi Torres. RESUMO: O tumor
miofibroblástico inflamatório (TMI) é uma lesão rara, com predileção por pulmões, cavidade abdominal e bexiga. A ocorrência na região de cabeça e pescoço é rara e, quando ocorre pode acometer seios paranasais e órbita.
Sua etiologia é incerta, havendo relatos que o correlacionam a traumas, etiologia viral (Epstein-Barr vírus) e a
alterações cromossômicas. O TMI é composto histologicamente por células fusiformes, com fibroblastos e miofibroblastos e um infiltrado linfoplasmocitário. Seus diagnósticos diferenciais recaem sobre o carcinoma de células
fusiformes, histiocitoma fibroso, fibrossarcoma, fasceíte nodular, tumor miogênico, miofibroblastoma, fibromatose e fibrossarcoma infantil congênito. O diagnóstico é realizado por imunohistoquímica, a qual será positiva
para vimentina, músculoliso específico e actina de músculo liso na maioria dos casos. O objetivo do presente
trabalho é relatar o caso de tumor miofibroblástico inflamatório em osso temporal. Relato de caso: Paciente R.S,
gênero feminino, leucoderma, de 27 anos com queixa estética e dor ao realizar abertura bucal com lesão nodular
fixa, dura à palpação, com cerca de 1,0 cm, localizada no processo zigomático do osso temporal com evolução
de aproximadamente um ano. A tomografia computadoriza revelou lesão exofítica em processo zigomático do
osso temporal esquerdo, com tecido mole circunferencial em torno da lesão. Foi realizada biópsia excisional sob
anestesia geral, com incisão pré auricular e osteotomia da lesão com motor ultrassônico, o espécime enviado ao
laboratório para análise histopatológica, o qual se revelou positivo para actina 1 a 4 de músculo liso e negativo
para desmina, S100, Ki 67 e CD34 Class II, condizente com lesão miofibroblástica com baixo grau de agressividade biológica. Atualmente a paciente se encontra em acompanhamento nove meses e sem recidivas. O tumor
miofibroblástico é uma lesão aparentemente benigna, mas apresenta uma similaridade com lesões malignas,
devido à sua agressividade e ao alto grau de destruição que causa nos tecidos, podendo ter desfechos fatais. Há
relatos, inclusive, de lesões metastáticas ou recorrentes em peritônio. Na região de cabeça e pescoço há poucos
relatos de lesões bem documentados. Histologicamente, a lesão se apresenta com aspecto fascicular de células
fusiformes, associadas a um infiltrado linfoplasmocitário e citoplasma eosinofílico mais claro. O diagnóstico definitivo geralmente é fechado por meio da imunohistoquímica, que pode mostrar um painel positivo para actina
de músculo liso, vimentina, desmina e citoqueratina, mas nem sempre, devendo-se correlacionar com os dados
clínicos e de imagem.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
182
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
499 – CISTO DERMOIDE DO ASSOALHO BUCAL: RELATO DE
CASO
Autores: PALENA ARAUJO PINTO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHAO);EIDER GUIMARÃES BASTOS
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHAO); JOSIMAR CAMELO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHAO);
LUIS RAIMUNDO SERRA RABÊLO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHAO);
Introdução: O cisto dermoide é uma lesão incomum na cabeça e no pescoço, com apenas 6,9% se apresentando
nestas regiões. Esta entidade tem sido descrita como um cisto de desenvolvimento que contem anexos da derme
como glândulas sudoríparas e sebáceas, folículos pilosos revestidos por epitélio escamoso estratificado. Cisto
dermoide pode ser dividido em três subgrupos: (1) cisto epidermoide (simples) , que são mais comuns, não contendo anexos da pele; (2) cisto dermoide (composto) , segundo mais comum contendo folículos sebáceos e sudoríperos; (3) teratoma (complexo) , mais incomuns por apresentarem elementos epiteliais e não epiteliais. Neste
trabalho, os autores apresentam um caso clínico de cisto dermoide localizado no assoalho da cavidade bucal, com
apresentação clínica. Nesse caso, a lesão já estava causando desconforto respiratório progressivo em virtude da
projeção posterior da língua em direção à orofaringe e dificuldade mastigatória, provenientes da grande extensão
da lesão. Paciente, gênero masculino, 45 anos de idade, pardo, apresentou-se à Faculdade de Odontologia da
Universidade Federal do Maranhão, com assimetria facial provocada por uma tumefação localizada na região
de assoalho bucal. O paciente queixava-se de disfagia e dificuldades respiratórias, principalmente quando em
posição supina. A lesão era mole à palpação com consistência “borrachoide”, com o tempo de evolução de 1 ano
e 2 meses. Não havia história de febre ou drenagem, envolvimento traumático nem linfadenopatia cervical. A
compressão externa da região das glândulas submandibulares produzia saliva de aparência normal dos orifícios
do ducto de Wharton. Na imagem da ressonância nuclear magnética observa-se uma massa sob o nível superior
do músculo milohioideo. Com o paciente em decúbito dorsal e intubação nasotraqueal, e por meio de uma incisão
retilínea na região ventral da língua, realizou-se o acesso, e em seguida, o descolamento para a exposição de toda
a lesão. Após a exérese, procedeu-se à sutura com fio poliglactina 910. No exame histopatológico, mostrou-se um
epitélio escamoso, apêndices das estruturas de pele e anexos de glândulas sebáceas, encapsuladas, compatível
com cisto dermoide. O caso apresentado, devido ao tempo de evolução e às possíveis consequências negativas
para o paciente, optou-se imediatamente pela excisão cirúrgica intrabucal, já que a localização anatômica da lesão
era acima dos músculos milohioideo e gêniohioideo. Quando o diagnóstico é precoce e a intervenção, correta, o
índice de recidiva torna-se raro. Descritores: cisto dermoide, soalho bucal, neoplasma
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
183
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
501 – PILOMATRICOMA - RELATO DE CASO
Autores: JÉSSICA HALICE NORONHA (*) (UNIVERSIDADE POSITIVO);MELISSA RODRIGUES ARAUJO (UNIVERSIDADE POSITIVO); FREDERICO DELIBERADOR (UNIVERSIDADE POSITIVO); ALLAN GIOVANINI (UNIVERSIDADE
POSITIVO); LUCAS CAETANO UETANABARO (UNIVERSIDADE POSITIVO)
Introdução: Epitelioma calcificante de Malherbe (Pilomatricoma) – relato de caso Autores: Jéssica Hálice Noronha, Frederico Deliberador, Melissa Rodrigues Araújo, Lucas Caetano Uetanabaro, Allan Giovanini. Resumo: O
epitelioma calcificante de Malherbe ou pilomatricoma é um tumor de pele benigno, raro, representando 0,12%
dos tumores de pele, que ocorre principalmente na face. Seu crescimento é lento e assintomático e tem origem
nas células da matriz do folículo piloso. Os pilomatricomas podem estar associados a distrofia miotônica (doença
de Steinert) , síndromes de Gardner, Turner, Rubinstein-Taybi e Soto e cistos dermoides. Os diagnósticos diferenciais são lipoma, reação a corpo estranho e carcinoma. O objetivo deste trabalho é relatar o caso clínico de paciente atendida no ambulatório de CTBMF da Universidade Positivo Curitiba - PR Relato de caso: Paciente K.M.S,
gênero feminino, 13 anos, sem histórico anterior de doenças ou síndromes, com queixa estética, assintomática e
tempo de evolução de 2 anos. Ao exame físico extra-oral observou-se à palpação lesão nodular subcutânea móvel,
aparentemente calcificada, de aproximadamente 1,5cm estendendo-se de região pré-auricular até a região retromandibular .A radiografia panorâmica não mostrou alterações de normalidade. A tomografia computadorizada
mostrou imagem radiopaca em região pré auricular e retromandibular supra óssea. Foi realizada biópsia excisional através de incisão retromandibular e o espécime removido foi enviado para análise histopatológica, que revelou lesão caracterizada por proliferação de pequenos blocos de células basaloides sem atipias e pequeno número
de células gigantes multinucleadas, além de grandes blocos de células escamosas anucleadas, com aspecto “em
sombra”, compatível com pilomatricoma. Paciente em acompanhamento de seis meses e sem sinais de recidivas,
sendo assim a completa excisão do pilomatricoma se mostrou uma boa opção de tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
184
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
502 – ABORDAGEM POUCO INVASIVA DE TUMOR
ODONTOGÊNICO CERATOCÍSTICO EXTENSO EM MANDÍBULA:
RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: MARIANA LIMA DE FIGUEIREDO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE);RODRIGO
RODRIGUES RODRIGUES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); ADRIANO ROCHA GERMANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); PETRUS PEREIRA GOMES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE); JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE)
Introdução: O Ceratocisto Odontogênico, agora denominado Tumor Odontogênico Ceratocístico (TOC) , é uma
entidade que foi incluída a partir de 2005 dentro do grupo dos tumores odontogênicos, devido a apresentar
características compatíveis com neoplasmas, como sua alta taxa de recorrência e mecanismo de crescimento
diferenciado. Originado a partir de remanescentes celulares da lâmina dentária ou da proliferação de pequenos
hamartomas epiteliais do epitélio gengival, frente a fatores inerentes desconhecidos do próprio epitélio ou da atividade enzimática na capsula fibrosa. Apresentam-se como uma lesão de evolução lenta, assintomática localizada
predominantemente na região posterior e no ramo ascendente da mandíbula, podendo estar associada algumas
vezes a dor, tumefação ou drenagem. Radiograficamente mostram-se na maioria das vezes como área radiotransparente uniloculares, associadas a dentes impactados. O seu diagnóstico é baseado em aspectos histopatológicos
onde apresenta revestimento epitelial do tipo estratificado paraceratinizado com células basais hipercromáticas
e mais externamente um tecido conjuntivo fibroso que pode conter cistos-satélites. O tratamento dos TOCs é
semelhante aos de outros cistos odontogênicos, isto é, baseado em enucleação, curetagem, marsupialização, descompressão, ostectomia, ressecção marginal ou segmentar, além da utilização de solução de Carnoy na loja cirúrgica, para reduzir a chance de recidiva, assim como o uso adjunto da crioterapia. Este trabalho apresenta 9 relatos
de casos de pacientes que procuraram o serviço de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial do Departamento de Odontologia
da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Dentre esses, 6 pacientes foram do sexo feminino e 3 do sexo
masculino, com idades entre 20 a 70 anos. Radiograficamente apresentaram-se como imagens radiotransparentes variando entre uni ou multiloculares, localizadas principalmente em ramo ascendente e corpo mandibular.
O tratamento proposto foi a remoção das lesões, em ambiente hospitalar, através de ostectomia, ressecção e
colocação de solução de Carnoy por 5 minutos, com apenas um caso em que foi realizada somente a enucleação.
Dentre os 9 casos, dois apresentaram recidiva, sendo uma segunda intervenção cirúrgica realizada através de
ostectomia, ressecção e colocação de solução de Carnoy por 5 minutos. Atualmente, os pacientes encontram-se
sob acompanhamento ambulatorial sem sinais clínicos e radiográficos de recidiva da lesão.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
185
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
506 – EFETIVIDADE DA HIGIENIZAÇÃO ORAL NA REDUÇÃO
DOS ÍNDICES DE PNEUMONIA ASSOCIADA A VENTILAÇÃO
MECÂNICA EM PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADES DE
TERAPIA INTENSIVA
Autores: ANDERSON STRINGARI (*) (UNIPLAC - UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE);ANELISE VIAPIANA MASIERO (UNIPLAC - UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE); LETÍCIA KAULING (UNIPLAC - UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE); PRISCILA ZANCHETT DA SILVA (UNIPLAC - UNIVERSIDADE DO PLANALTO
CATARINENSE); SUSANA RATH GARGIONI (UNIPLAC - UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE)
Introdução: As afecções bucais tem se mostrado como um importante fator de risco para o desenvolvimento de
doenças sistêmicas. Em pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) o quadro sistêmico pode
ser agravado uma vez que infecções bucais podem evoluir para infecções sistêmicas, resultando muitas vezes, no
óbito do paciente. Dentre as doenças sistêmicas, merece destaque a Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica
(PAV) , que segundo a literatura é a segunda causa de infecção hospitalar e a responsável por taxas significativas
de morbidade e mortalidade em pacientes de todas as idades. Neste contexto, o objetivo do presente estudo foi
avaliar a efetividade de um protocolo de higienização oral na redução nos índices de PAV em pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva em Hospitais de um município de médio porte da Serra Catarinense. O
presente estudo caracterizou-se como um estudo transversal, observacional descritivo, aprovado pelo Comitê
de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da UNIPLAC. Foi realizado em uma Unidade de Terapia Intesiva para
atendimento de pacientes adultos (UTI). Considerou-se como critérios de inclusão pacientes adultos, com idade
igual ou superior a 16 anos, internados na Unidade de Terapia Intensiva, sob ventilação mecânica por pelos menos de 24 horas e perspectiva de duração desta por período superior a 72 horas. O estudo foi desenvolvido em
duas etapas: 1º momento: Realizou-se o acompanhamento dos registros de incidência da (PAV) nos pacientes
internados na UTI de um Hospital Filantrópico de Grande Porte, durante o período de 3 meses consecutivos,
sem interferir no protocolo de higienização oral que era realizado pelos técnicos de enfermagem; 2º momento:
Instituição do protocolo padronizado de higiene oral e acompanhamento dos registros de incidência da (PAV) nos
pacientes internados na UTI, durante o período de 3 meses consecutivos. Neste período de 6 meses foram incluídos no estudo 59 pacientes, sendo 40 na primeira etapa e 19 na segunda etapa. Do total de pacientes 57,50% na
primeira etapa, e 47,40% na segunda etapa apresentaram PAV. A Análise estatística pelo teste do Qui-Quadrado
não identificou diferença estatística entre os grupos, (p= 0.2027) embora tenha se observado redução no percentual de incidência de PAV, após a instituição do protocolo padronizado de higienização oral. Acredita-se que este
resultado se justifica pelo número reduzido de pacientes da segunda etapa em relação à primeira.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
186
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
536 – DESCOMPRESSÃO DE EXTENSO TUMOR ODONTOGÊNICO
QUERATOCÍSTICO EM MANDÍBULA: RELATO DE CASO
Autores: BRUNO HENRIQUE MARINHEIRO (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO);EDUARDO
SANTANA JACOB (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO); RENATO TORRES AUGUSTO NETO
(FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO); CASSIO EDVARD SVERZU (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO PRETO); ALEXANDRE ELIAS TRIVELLATO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRAO
PRETO)
Introdução: Tumor odontogênico queratocístico (TOQ) é uma neoplasia intraóssea benigna de origem odontogênica com alta taxa de recorrência. A TOQ ocorre normalmente nos maxilares, na região posterior do corpo
e ramo ascendente da mandíbula, sendo sua ocorrência duas vezes maior do que na maxila. De acordo com a
literatura, TOQs tem uma taxa de incidência de 12 % a 14% entre a terceira e sexta décadas de vida e possui uma
maior predileção pelo gênero masculino, com uma proporção de 2:1. Diversos tipos de tratamento são descritos
na literatura. A descompressão é um método conservador de tratamento que tem sido utilizado com sucesso em
algumas patologias dos maxilares. O presente trabalho relata um caso de TOQ localizado em mandíbula e discute
a importância e a eficácia do tratamento utilizado. O caso se refere a uma paciente do gênero feminino, 47 de
anos, cuja queixa principal no atendimento inicial era assimetria facial à esquerda, trismo, alteração sensorial em
lábio e algesia durante a mastigação, com tempo de evolução impreciso pela mesma. Ao exame clínico notava-se
grande aumento de volume em região de ângulo mandibular à esquerda. A oroscopia, observou-se expansão das
corticais na região de ângulo e ramo mandibular. Por meio da radiografia panorâmica, verificamos que a lesão se
estendia para as regiões de ângulo, ramo ascendente, côndilo e coronoide mandibular. Solicitou-se tomografia
computadorizada para melhor avaliação das dimensões da lesão, planejamento da biópsia incisional e acompanhamento da evolução do tratamento. No momento da biópsia, a punção aspirativa revelou a presença de líquido
compatível com cisto. Assim, no mesmo ato, foram instalados 2 drenos, um na região mais superior do ângulo e
outro da região mais anterior. Após a descompressão de 20 meses, realizou-se a enucleação e curetagem local. A
lesão não apresentou recidiva durante o período de acompanhamento de 3 anos, após a cirurgia de enucleação.
A paciente não desenvolveu nenhuma alteração motora, com regressão da parestesia do nervo alveolar inferior,
retorno da simetria da face, neoformação óssea completa, além da melhora da abertura bucal. Dessa forma, observou-se que, apesar do diagnóstico de TOC, a opção do tratamento conservador não está descartada. Taxas de
sucesso deste tipo de tratamento com outras mais agressivas podem ser comparadas na literatura, possuindo o
benefício da menor morbidade e preservação de estruturas nobres.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
187
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
545 – OSTEOMA PERIFÉRICO ATÍPICO EM ARCO ZIGOMÁTICO:
RELATO DE CASO
Autores: CHRISTOPHER CADETE DE FIGUEIREDO (*) (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO ESTADO DA
PARAÍBA);IGOR FIGUEIREDO PEREIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); PLÍNIO NOBRE DE ASSIS
(UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); JORGE ANTÔNIO DIAZ CASTRO (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO
PESSOA); ADRIANO DUARTE QUINTANS (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO ESTADO DA PARAÍBA)
Introdução: Osteomas são lesões osteogénicas benignas caracterizadas pela proliferação de osso compacto e/ou
esponjoso. Podem ser central, periférico ou periostetal. A etiologia destas lesões permanece desconhecida. Geralmente é assintomática com crescimento lento. Muitas vezes é detectada acidentalmente no exame radiográfico
de rotina ou quando há assimetria facial ou disfunção. As localizações mais comum são o corpo da mandíbula e
o côndilo, osteomas em arcos zigomáticos são raros. Radiograficamente, osteomas periféricos são vistos como
uma imagem radiopaca oval, bem circunscrita ligada ao córtex por uma base ampla ou pedículo. Objetivo deste
trabalho é apresentar o tratamento de um caso de osteoma periférico em arco zigomático. Descrição do caso:
Paciente do gênero feminino, parda, 32 anos, foi atendida no Hospital Municipal Santa Izabel pelo Serviço de
Cirurgia e Tramautologia Bucomaxilofaciais com presença de aumento de volume em região de arco zigomático
direito acompanhado de sintomatologia dolorosa com evolução de 5 anos. Foi realizado a ressecção da lesão e
nos cotos restantes foi instalado uma placa de osteossíntese do sistema 2.0 mm. O diagnóstico do exame anatomohistopatológico foi de Osteoma periférico. Conclusão: A Paciente foi totalmente reabilitada funcionalmente e
esteticamente. Descritores: Osteoma, Arco Zigomático, Fixação Óssea
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
188
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
565 – MIXOMA EM REGIÃO POSTERIOR DE MAXILA: RELATO
DE CASO
Autores: TUANNY CARVALHO DE LIMA DO NASCIMENTO (*) (CAIF/AFISSUR - HOSPITAL ERASTO GAERTNER);LAURINDO MOACIR SASSI (HOSPITAL ERASTO GAERTNER); JOÃO LUIZ CARLINI (CAIF/AFISSUR); CASSIA
BIRON (CAIF/AFISSUR);
Introdução: O mixoma é uma neoplasia benigna mesenquimal, de crescimento lento, localmente agressivo e acomete tecidos duros e moles 1,2, 3,4,5,6. O tratamento recomendado é a ressecção óssea do tumor, com margem
de segurança. O maior desafio está no fechamento da ferida e posterior reconstrução da área afetada. METODOLOGIA Trata-se de um paciente leucoderma, 33 anos de idade, do gênero masculino, apresentou-se com aumento
de volume em região posterior de maxila à esquerda, com acesso endodôntico no dente 27. Foi realizado biópsia incisonal e o diagnóstico foi de mixoma. Optou-se pela ressecção total da lesão, através de acesso extraoral
(Weber Ferguson) e intrabucal envolvendo mucosa e dentes; fechamento da ferida intraoral através de retalho
conjugado de mucosa palatina e retalho pediculado de língua. RESULTADOS Após 21 dias, foi liberado o pedículo
da língua; observamos total fechamento da ferida operatória, sem indícios de recidiva da lesão; promoveu-se a
reconstrução alveolar com enxerto ósseo de crista ilíaca, implantes e prótese. CONSIDERAÇÕES FINAIS Mixoma odontogênico é uma lesão totalmente agressiva, requer enucleação da lesão com margem de segurança, e o
maior desafio está no fechamento da ferida e posterior reconstrução da área afetada. REFÊNCIAS 1. Allphin AL,
Manigilia AJ, Gregor RT, Sawyer R. Myxomas of the mandible and maxilla. Ear Nose Throat J 1993;72:280-4. 2.
Zachariades N, Papanicolaou S. Treatment of odontogenic myxoma - Review of the literature and report of three
cases. Ann Dent 1987;46:34-7. 3. Wachter BG, Steinberg MJ, Darrow DH, McGinn JD, Park AH. Odontogenic
myxoma of the maxilla: a report of two pediatric cases. Int J Pediatr Otorhinolaryngol 2003;67:389-93. 4. Piatelli A, Scarano A, Antinori A, Trisi P. Odontogenic myxoma of the mandible. Report of a case and review of the
literature. Acta Stomatol Belg 1994;91:101-10. 5. Simon ENM, Merkx MAW, Vuhahula E, Ngassapa D, Stoellinga
PJW. Odontogenic myxoma: a clinicopathological study of 33 cases. Int J Oral Maxillofac Surg 2004;33:333-7. 6.
Brites FC. Mixoma odontogênico – tratamento cirúrgico radical. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe v.12, n.4, p. 33-38, out./dez. 2012.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
189
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
580 – DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL E TRATAMENTO DE
EXTENSO LIPOMA
Autores: GUILHERME PIVATTO LOUZADA (*) (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);CLAITON HEITZ (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); FABIO DAL MORO MAITO
(PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); ANDRÉ XAVIER FAVORETTO (PONTIFÍCIA
UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); RICARDO GIACOMINI DE MARCO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL)
Introdução: O lipoma intra-oral é uma neoplasia benigna originada de tecido mesenquimal, composta por adipócitos maduros, sendo incomuns na cavidade oral e maxilofacial com incidência de apenas 1 a 4% de todos os
tumores benignos de mucosa oral. Como diagnóstico diferencial pode ser citado às lesões de glândulas salivares,
hiperplasias fibrosas, neurofibromas e o hemangioma. O tecido mesenquimal adiposo é usualmente coberto por
uma fina camada de cápsula fibrosa. Os lipomas apresentam-se como massas nodulares, sésseis ou pedunculadas, de consistência amolecida, aspecto gelatinoso e de superfície lisa, frequentemente são assintomáticos e
sem ulcerações. Sua etiologia e patogenicidade não está bem esclarecida, sendo relatada a influência de fatores
hormonais, endócrinos e inflamatórios. O diagnóstico final somente é obtido por meio de biópsia incisional ou
excisional, seguido de análise histológica. Seu tratamento é a excisão cirúrgica conservadora e recidivas não são
observadas. Objetivos: A proposta deste trabalho é relatar um caso de extenso lipoma intra-oral abordando a
importância do diagnóstico diferencial para tratamento. Relato do caso: Paciente do sexo masculino, 60 anos,
procurou o Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacaial da PUCRS vinculado ao Hospital São Lucas
para avaliar um aumento de volume na região massetérica do lado direito. A avaliação clinica e anamnese, foi
referido o surgimento de uma lesão de crescimento lento com evolução de aproximadamente 02 anos, indolor,
de consistência amolecida e limites precisos de forma arredondada. Foi solicitado Ecografia da região submandibular direita, onde observou-se ao nível subcutâneo, na região lateral direita da mandíbula imagem nodular com
ecogenicidade heterogênea (padrão ecográfico sólido) medindo 2,4 x 1,9 x 1,0 cm, podendo ser relacionada com
lipoma. Após realizar o tratamento cirúrgico excisional, foi enviado o espécime ao exame histopatológico, constatando em microscopia as características de Lipoma. Conclusão: Embora se trate de uma lesão rara e usualmente
com tamanho menor, as lesões de grande porte podem apresentar dificuldades diagnósticas e cirúrgicas, exigindo
para seu diagnóstico e tratamento exames complementares e técnicas cirúrgicas mais apuradas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
190
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
583 – TUMOR NEURECTODERMICO MELANOCITICO DA
INFÂNCIA ASSOCIADO A CISTO ODONTOGÊNICO: RELATO DE
CASO
Autores: PEDRO EVERTON MARQUES GOES (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);FRANCISCO PAULO
ARAUJO MAIA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); LUDMILA FIGUEIREDO DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); POLLIANNA MUNIZ ALVES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA); ANIBAL HENRIQUE
BARBOSA DE LUNA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA)
Introdução: O tumor neurectodérmico melanocítico da infância (TNMI) é um neoplasma benigno, raro, com origem nas células da crista neural, descrito pela primeira vez no ano de 1918. Apresenta-se, geralmente, como um
aumento de volume, séssil, recoberto por mucosa íntegra, que apresenta coloração arroxeada ou enegrecida em
algumas áreas. Acomete, principalmente, pacientes com idade inferior a um ano, tendo forte prevalência para o
envolvimento da maxila e ligeira predileção pelo gênero masculino. Assim, o presente trabalho objetiva descrever
o caso clínico de uma paciente, de 06 meses de idade, cuja genitora buscou atendimento no Serviço de Cirurgia e
Traumatologia Buco-maxilo-facial do Hospital Universitário Lauro Wanderley, queixando-se de ter “nascido um
caroço na boca” de sua filha. A inspeção extra-oral, evidenciou aumento de volume em região maxilar direita e área
paranasal, gerando apagamento do sulco naso-labial e elevação da asa nasal. Ao exame intra-oral, foi observado
aumento de volume, em maxila anterior direita, firme a palpação, recoberto por mucosa íntegra, com presença de
telangiectasias e área central de aspecto translúcido e coloração arroxeada. O exame tomográfico evidenciou área
hipodensa, circunscrita, com calcificações internas, mantendo íntimo contato com o dente 51 e gerando deslocamento anterior do mesmo. Foi realizada biópsia incisional, a qual mostrou diagnóstico compatível com TNMI
associado a cisto de origem odontogênica. Diante destes achados, foi planejada e realizada excisão cirúrgica da
lesão, seguida de curetagem e ostectomia periférica, sob anestesia geral. No momento, a paciente encontra-se
com 14 meses de acompanhamento pós-operatório sem sinais clínicos e/ou radiográficos de recidiva da lesão.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
191
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
607 – TUMOR MANDIBULAR EM PACIENTE PEDIÁTRICO:
RELATO DE CASO
Autores: LUDMILA SILVA DE FIGUEIREDO (*) (UFPB);ANÍBAL HENRIQUE BARBOSA LUNA (UFPB); PEDRO ÉVERTON MARQUES GÓES (UFPB); RODRIGO TOSCANO DE BRITO (UFPB); NATÁLIA LINS DE SOUZA (UFPB)
Introdução: O fibroma ameloblástico (FA) é um incomum tumor odontogênico beningo misto caracterizado por
proliferação neoplásica do epitélio e do ectomesênquima e constitui cerca de 2% dos tumores odontogênicos.
Acomete pacientes nas duas primeiras décadas de vida, pode estar associado a dente incluso (75%) ou falha na
erupção dentária. Não apresenta predileção por gênero e ocorre mais frequentemente na região posterior de
mandíbula (70%). O crescimento é lento, não infiltrativo, pode causar expansão das corticais ósseas bem como
deslocamento de elementos dentários. Geralmente é assintomático. Radiograficamente, observa-se imagem
radiolúcida com aspecto unilocular quando em menores dimensões e multilocular em maiores dimensões. As
margens da lesão tendem a ser bem definidas e podem mostrar-se esclerosadas. A detecção da lesão é realizada
através de exames radiográficos de rotina, quando há falha na erupção dentária ou devido à expansão óssea. O
diagnóstico se dá através do exame anatomopatológico. Histologicamente, apresenta-se como massa sólida de
tecido mole com superfície externa lisa. Cápsula definida pode ou não estar presente. Observa-se tecido mesenquimal rico em células, lembrando a papila dentária primitiva e proliferação do epitélio odontogênico em
aspecto de cordões estreitos e longos ou em pequenas ilhas que lembram o estágio folicular de desenvolvimento
do órgão do esmalte. A taxa de recidiva desta lesão varia na literatura de 0% a 18% e 43,5% conforme o estudo.
O tratamento apropriado é alvo de discussão. Preconiza-se tratamento inicial conservador. A excisão cirúrgica
mais agressiva deve ser reservada para lesões recorrentes. O presente trabalho objetiva relatar o caso do paciente
JPS, gênero masculino, 5 anos, que compareceu ao Hospital Universitário Lauro Wanderley com seu responsável queixando-se de “dente que ‘tá’ demorando a ‘nascer’ e inchaço na gengiva”. Ao exame físico de face, não se
detectou assimetrias. Ao exame intra-oral, observou-se aumento de volume em região anterior de mandíbula do
lado direito e retardo na erupção do dente 82. Ao exame tomográfico, detectou-se área hipodensa com dimensões médio-lateral de 3,8 centímetros e ântero-posterior de 1,4 centrímetros, estendendo-se do dente 83 até o
73, envolvendo o 82 e os germes dentários dos dentes 41, 42, 43, 44, 31, 32, 33 e 34. Após biópsia incisional, o
diagnóstico foi de fibroma ameloblástico. Realizou-se enucleação e curetagem da lesão, exodontia dos dentes 71,
72, 81, e 82 e germes dos dentes permanentes envolvidos na lesão. O paciente evoluiu satisfatoriamente e encontra-se em acompanhamento clínico e radiográfico há 10 meses sem sinais de recidiva. O diagnóstico precoce e
a instituição de tratamento conservador é primordial para diminuição da morbidade associada a procedimentos
cirúrgicos mais agressivos além de evitar deformidades cosméticas ao paciente. O prognóstico da lesão é bom,
mas é imprescindível acompanhamento regular dos pacientes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
192
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
626 – TRATAMENTO CIRURGICO PARA MICROSTOMIA APÓS
LESÃO POR PARACOCCIDIOIDOMICOSE - RELATO DE CASO
Autores: JOSÉ LEOZIR PEDROSO JUNIOR (*) (HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL - RO);ROGÉRIO B. MORAES
(HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL - RO); JOAZIR C. FERREIRA JR (HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL - RO);
CARLOS A. DE ARRUDA JR (HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL - RO); MARCO A. B. VASQUES (HOSPITAL REGIONAL DE CACOAL - RO)
Introdução: A Paracoccidioidomicose é uma infecção micótica sistêmica endêmica de grande incidência nos países
da América Latina. Quando não diagnosticada e tratada, pode levar ao rápido e progressivo envolvimento dos
pulmões, baço, fígado, órgãos linfoides do tubo digestivo e cavidade oral. O agente etiológico é um fungo denominado Paracoccidioides brasiliensis que vive livre na natureza, provavelmente nas plantas, no solo e na água. O
grande fator de risco para aquisição da infecção são as profissões ou atividades relacionadas ao manejo do solo
contaminado com o fungo, como por exemplo, atividades agrícolas, práticas de jardinagens, entre outros. Em
muitos casos a localização primária do fungo ocorre na mucosa bucal, apresentando sintomas como sialorréia,
halitose, sangramento no local da lesão, mobilidade dentária, dor, ardor e, ainda tumefação difusa no lábio e
lesões se estendendo para faringe e laringe. As lesões podem gerar odinofagia, diversos graus de disfonia, ou mesmo afonia . Outra complicação é a fibrose gerada pelo processo cicatricial, que dependendo da sua extensão pode
levar à microstomia . A microstomia é uma redução na abertura oral decorrente do processo de cicatrização hipertrófica, principalmente em região de comissura, que pode resultar em alterações na habilidade de se alimentar,
no controle de saliva, na higienização oral, dificuldades nos procedimentos odontológicos, além de deformidades
estéticas, associadas ao comprometimento dental e esquelético. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso
clínico, na qual o paciente N.N. 60 anos, masculino foi encaminhado ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilo Facial do Hospital Regional de Cacoal – Ro, com histórico de tratamento para Paracoccidioidomicose à
10 anos, com queixa de dificuldade de abertura bucal há 07 anos . Ao exame físico notou-se limitação de abertura
bucal, com intenso cordão fibroso em região de lábio superior e mucosa jugal lado direito, má higiene oral, compromentimento da saúde dentária e periodontal generalizada e pelo histórico e avaliação clínica foi diagnosticado
com microstomia proveniente de sequela fibrosa após tratamento para Paracoccidioidomicose. A remoção das
lesões ocorreu sob anestesia geral,através da técnica de Converse (1959) onde foi removida a fibrose cicatricial e o
reposicionamento da comissura labial, baseado na distância interpupilar. O resultado pós-operatório foi bastante
satisfatório onde notou-se melhora na abertura bucal e na motricidade labial, melhora na higiene oral, na dicção,
na alimentação e após 01 ano de acompanhamento os resultados positivos foram mantidos com ausência de recidiva e boa cicatrização das feridas. Foi concluído que a Paracoccidioidomicose é uma doença grave, que mesmo
tratada de maneira correta pode gerar diversas sequelas, entre elas a microstomia, que necessita de tratamento
cirúrgico adequado, garantindo resultados satisfatórios e qualidade de vida do paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
193
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
681 – DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CIRÚRGICO DE MÁCULA
MELANÓTICA ORAL
Autores: ILSON DIVINO DO NASCIMENTO FILHO (*) (DISCENTE EM ODONTOLOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO
UNIRG);VALÉRIA DE LEMOS BRANDÃO (DISCENTE EM MEDICINA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG); JAMIL
ELIAS DIB (DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG E CIRURGIÃO BUCOMAXILOFACIAL);
Introdução: As máculas melanóticas orais são pigmentações planas, marrons, azuis ou negras presentes na mucosa devido a um aumento centrado de células contendo melanina, que ocorre na zona de vermelhão do lábio
inferior, mucosa jugal, gengiva e palato, de etiologia ainda não esclarecida. Grande parte das amostras de biópsias
indicam predileção sexo feminino (2:1) , em pacientes brancos, com idade média de 43 anos. Clinicamente são
menores que 1 cm, não sofrem alterações aceleradas de tamanho ou cor. A lesão típica aparece como uma mácula
oval ou redonda, indolores, bem demarcada, podendo ser solitária ou, em menor incidência, múltiplas. A grande maioria aparece de forma lenta, porém ocasionalmente podem atingir seu diâmetro máximo rapidamente,
permanecendo constante depois disso. Este trabalho tem por objetivo descrever as características clínicas e o
tratamento da mácula melanótica oral relatando o caso de uma paciente de 47 anos de idade, de etnia oriental,
com uma pigmentação de coloração enegrecida bem definida, menor do que 7mm, assintomática, localizada em
mucosa labial inferior, sem elevação ou depressão em relação aos tecidos circunjacentes a lesão, com surgimento
de aproximadamente 3 anos. Foi realizado o procedimento cirúrgico de biópsia excisional, seguido de envio da
lesão em sua totalidade para exame histopatológico obtendo como resultado de mácula melanótica oral. Palavras-chaves: procedimento cirúrgico bucal, biópsia, pigmentação.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
194
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
683 – ESTUDO DA EXPRESSÃO DE PROTEÍNAS DA VIA
DE SINALIZAÇÃO WNT/&#946;-CATENINA EM TUMORES
ODONTOGÊNICOS QUERATOCÍSTICOS ANTES E APÓS A
MARSUPIALIZAÇÃO
Autores: LUIZ FERNANDO BARBOSA DE PAULO (*) (HOSPITAL DE CLINICAS, UNIVERSIDADE FEDERAL DE
UBERLANDIA);JOÃO PAULO SILVA SERVATO (DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ORAL, UNIVERSIDADE FEDERAL
DE UBERLANDIA); PAULO ROGÉRIO DE FARIA (DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ORAL, UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLANDIA); SERGIO VITORINO CARDOSO (DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ORAL, UNIVERSIDADE
FEDERAL DE UBERLANDIA); ADRIANO MOTA LOYOLA (DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ORAL, UNIVERSIDADE
FEDERAL DE UBERLANDIA)
Introdução: O Tumor Odontogênico Queratocístico (TOQ) consiste em um tumor benigno intraósseo de origem
epitelial odontogênica, uni ou multicístico, caracterizado histologicamente por um epitélio pavimentoso estratificado paraqueratinizado, com potencial infiltrativo agressivo e altas taxas de recorrência. Como uma forma mais
conservadora de tratamento, tem-se utilizado a marsupialização, a qual promove uma gradual redução do tamanho do cisto, bem como mudanças no tecido epitelial dos TOQ de epitélio paraqueratinizado para pavimentoso
estratificado não queratinizado. A ativação aberrante da via de sinalização Wnt/&#946;-catenina está associada
com o potencial de proliferação de células epiteliais, contribuindo para o desenvolvimento de neoplasias orais.
O objetivo desse estudo foi avaliar a associação entre as mudanças histopatológicas que ocorrem nos TOQ após
a marsupialização e a expressão das proteínas envolvidas na via de sinalização Wnt/&#946;-catenina (Wnt-1,
APC, GSK-3&#946;, &#946;-catenina, Lef-1, Ciclina D1, C-myc e Ki-67). Amostras teciduais de 15 casos de TOQ
antes e após a marsupialização foram submetidas ao processo de imuno-histoquímica, buscando a detecção das
proteínas citadas. Os achados demonstram que a marsupialização associada à enucleação de lesões pequenas
pode contribuir para reduzir a possibilidade de recidiva dos TOQ, tendo em vista que, nessa série, nenhuma
recorrência foi observada. O epitélio morfologicamente alterado (indiferenciado) do epitélio neoplásico após a
marsupialização apresenta modificações da expressão da via Wnt/&#61538;-Catenina, traduzida pela redução da
expressão de alguns produtos gênicos, o que pode sugerir que as mudanças morfológicas estejam associadas com
redução no nível de ativação da via.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
195
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
689 – FIBROMA DIAGNÓSTICO E PLANO DE TRATAMENTO
Autores: ILSON DIVINO DO NASCIMENTO FILHO (*) (DISCENTE EM ODONTOLOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO
UNIRG);VALÉRIA DE LEMOS BRANDÃO (DISCENTE EM MEDICINA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG);
Introdução: O fibroma é o “tumor” mais incidente da cavidade bucal, sendo melhor descrito como uma hiperplasia reacional do tecido conjuntivo fibroso causado por uma irritação local ou traumática. Há relatos de diferentes
pigmentações em sua extensão, podendo ser semelhantes à mucosa circunscrita a lesão, marrons ou acinzentadas. Podem acontecer em qualquer local na boca, sendo bem frequentes na linha de oclusão na mucosa jugal, mucosa labial, língua e gengiva. A maioria é séssil, apesar de alguns serem pedunculados. Comumente apresenta-se
como um nódulo indolor, a menos que esteja associado a uma ulceração traumática da superfície. Grande parte
das amostras de biópsias indicam predileção do sexo masculino (2:1) , mais comuns na 4ª e 6ª décadas de vida. O
tratamento consiste na excisão cirúrgica conservadora e posterior envio para análise histopatológica. A cirurgia
conservadora possui taxas mínimas de recidiva e a histopatologia deve ser realizada pois clinicamente podem haver características similares a outros tumores benignos ou malignos. O presente trabalho descreve o diagnóstico,
características e forma de tratamento do fibroma. Palavras-chaves: fibroma, diagnóstico bucal, estomatologia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
196
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
691 – HIPERPLASIA FIBROSA FOCAL: AVALIAÇÃO CLINICA E
HISTOPATOLÓGICA DE 193 CASOS DIAGNÓSTICADOS EM UM
SERVIÇO DE CIRURGIA ORAL E MAXILOFACIAL NO BRASIL
Autores: JULIANA CAMPOS PINHEIRO (*) (UNIVERSIDADE TIRADENTES);JOHN LENNON SILVA CUNHA (UNIVERSIDADE TIRADENTES); FRANCISCO DE ASSIS ALMEIDA LIMA JÚNIOR (UNIVERSIDADE TIRADENTES); LOARA
GABRIELLA ROQUE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE TIRADENTES); THIAGO DE SANTANA SANTOS (UNIVERSIDADE
TIRADENTES)
Introdução: A hiperplasia fibrosa focal (HFF) , ou fibroma traumático é uma lesão reacionária hiperplásica do tecido conjuntivo bucal. É a lesão mais comum na cavidade bucal, porém há uma escassez de estudos publicados a seu
respeito. Este trabalho teve como objetivo fazer um levantamento retrospectivo de casos de HFF em um período
de 18 anos. 193 casos foram analisados no período entre 1992 e 2009, na Universidade de Pernambuco, onde
somente os pacientes com diagnóstico histopatológico da lesão foram incluídos no estudo. Foram analisados os
dados com relação a idade e gênero do paciente, as características da lesão, presença de dor, histórico de trauma,
tratamento, acompanhamento e retorno do paciente. A análise dos dados foi feita limitando-se à descrição das
variáveis, proporções e médias, resumidas em imagens e gráficos. Nos casos analisados, a localização mais comum foi na mucosa bucal (61,7%) , seguida pelo lábio inferior (10,4%) e dorso da língua (5,7%). Em relação aos
resultados obtidos, 41,4% dos casos estavam concentrados na quinta década de vida, 70,5% eram do sexo feminino, 90,7% dos pacientes relataram a ocorrência de trauma prévio à lesão e apenas 7,8% relataram dor. As lesões
raramente ultrapassam 02 mm de diâmetro e o tratamento empregado em todos os casos foi a excisão cirúrgica
sob anestesia local. Este estudo é de grande importância pela divulgação de informações a respeito da HFF em
uma determinada região, abrindo a possibilidade de comparação com outros estudos realizados em diferentes
localidades.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
197
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
692 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE TUMOR ODONTOGÊNICO
CERATOCÍSTICO EM ADOLESCENTE – RELATO DE CASO
Autores: RICARDO JOSÉ DE HOLANDA VASCONCELLOS (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ
- UPE);PALOMA RODRIGUES GENÚ (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ - UPE); ANDRÉ VAJGEL FERNANDES (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ - UPE); ERICK ANDRÉS ALPACA ZEVALLOS (HOSPITAL
UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ - UPE); SAULO QUEIROZ DE ARAUJO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO
CRUZ - UPE)
Introdução: O ceratocisto odontogênico, atualmente denominado de tumor odontogênico ceratocístico, é uma
patologia do grupo dos tumores odontogênicos em decorrência das características análogas às neoplasias, como
a alta taxa de recorrência e mecanismo de crescimento distinto. De etiologia incerta, acredita-se estar relacionado
aos remanescentes epiteliais da lâmina dentária. Desenvolve-se comumente na região posterior da mandíbula,
com crescimento lento e assintomático através do trabeculado ósseo medular. Radiograficamente, o padrão unilocular é o mais frequente, entretanto também é encontrado com aspecto multilocular. O presente trabalho tem
como objetivo relatar o caso clínico de uma paciente jovem, portadora de tumor odontogênico ceratocístico em
região posterior de mandíbula, ocasionando deformidade facial perceptível. Inicialmente, foi indicada para cirurgia de ressecção óssea radical, em outro serviço, cujo planejamento foi alterado para curetagem da lesão devido à
localização e extensão da patologia, a idade da paciente e a consequente repercussão psicossocial da adolescente
diante de uma abordagem terapêutica agressiva. O procedimento foi executado sob anestesia geral por acesso
intrabucal. A paciente encontra-se com seguimento de oito anos, apresentando completo reestabelecimento do
arcabouço ósseo, sem sinais de recidiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
198
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
694 – ODONTOMA COMPLEXO EXTENSO ENVOLVENDO O SEIO
MAXILAR: RELATO DE CASO
Autores: BRUNO HENRIQUE DE OLIVEIRA (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP);FELIPE ALEXANDER CALDAS
AFONSO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP); JOSÉ BENEDITO DIAS LEMOS (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA
USP); MARCIA MARIA DE GOUVEIA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP); MONYQUE CUNHA TRINDADE (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA USP)
Introdução: O Odontoma é considerado o tumor mais frequente dos maxilares, tendo sido relatada a prevalência de 22% dentre todos os tumores odontogênicos. É definido como um tumor misto contendo células do
epitélio e ectomesênquima odontogênico, exibindo tecidos de origem dental diferenciados (esmalte, dentina,
cemento e polpa). Seu desenvolvimento se dá ao longo da formação da dentição, porém pode ser descoberto já
na fase adulta, sendo que em sua maioria, a descoberta se dá nos exames radiográficos de rotina para avaliação
de dentes não irrupcionados. A etiologia ainda é incerta, porém o trauma local, processos infecciosos, genética
e influências no desenvolvimento são causas possíveis. Radiograficamente e histologicamente eles são divididos
em dois padrões: composto e complexo, baseado no grau de diferenciação e similaridade morfológica com dentes
maduros. O Odontoma Composto caracteriza-se pela presença de estruturas semelhantes a dentes (dentículos)
, com um alto grau de diferenciação histológica, podendo ser diferenciadas áreas de esmalte, dentina, cemento e polpa. Frequentemente encontrados em regiões anteriores, geralmente impedindo a irrupção da dentição
permanente. Odontomas complexos mostram-se em um padrão amorfo. Usualmente, apresentam-se com mais
frequência em regiões posteriores de mandíbula e possuem um alto potencial de crescimento. O objetivo deste
trabalho é apresentar um relato de caso de um odontoma complexo extenso em região de seio maxilar esquerdo
com envolvimento de dente incluso. Paciente R.S.R, 28 anos, gênero feminino, parda, foi internada no Hospital
Universitário da USP em janeiro de 2015 com histórico de dor e aumento de volume em face há 10 dias, tendo
sido realizada antibioticoterapia e realização de tomografia computadorizada de face, a qual evidenciou lesão
óssea em vidro despolido em seio maxilar esquerdo associada com dente incluso. A paciente foi então submetida
a biópsia incisional da lesão sob anestesia local, no qual o laudo anatomopatológico definiu lesão com aspecto histológico compatível com odontoma complexo. A paciente foi submetida a procedimento cirúrgico sob anestesia
geral em março de 2015, para enucleação e curetagem local, tendo sido realizado o fechamento do defeito ósseo
com retalho de bola de bichat e reaproximação das margens para cicatrização por primeira intenção. A paciente
evoluiu bem no pós-operatório imediato, sem complicações. No pós-operatório de 02 meses a paciente encontrava-se bem, sem queixas estéticas ou funcionais, com boa simetria facial e ferida intra-oral totalmente cicatrizada
e de bom aspecto. Em conclusão, o tratamento de escolha para os odontomas é a remoção cirúrgica, sendo que o
potencial de recidiva é baixo, visto que no caso exposto acima, a abordagem conservadora permitiu a preservação
da anatomia local, com um adequado resultado estético final.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
199
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
697 – FRATURA PATOLÓGICA MANDIBULAR DECORRENTE DE
MIELOMA MÚLTIPLO
Autores: LUCAS BORIN MOURA (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA);LUIS FERNANDO DE OLIVEIRA GORLA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA); MARISA APARECIDA
CABRINI GABRIELLI (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA); MARIO FRANCISCO REAL
GABRIELLI (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA); VALFRIDO ANTONIO PEREIRA FILHO
(UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP/ARARAQUARA)
Introdução: O mieloma múltiplo é uma neoplasia caracterizada pela proliferação de células plasmocitoides secretoras de imunoglobulinas anormais, resultando em complicações locais e sistêmicas, como fraturas patológicas
e nefropatia. Clinicamente, tem predileção pela região posterior de mandíbula apresentando-se como uma área
unilocular bem delimitada ou área osteolítica com bordos mal definidos. Com maior incidência entre a quinta e
sétima década de vida, e maior predileção pelo sexo masculino 4:1. O objetivo da apresentação será relatar um
caso de paciente do sexo masculino, 70 anos, com fratura patológica em ângulo mandibular direito devido à
plasmocitoma, com histórico de fratura patológica em ângulo mandibular contralateral (esquerdo) , há 13 anos,
tratado em outro serviço e sem diagnóstico por escrito. Após investigação foi diagnosticado quadro de mieloma
múltiplo, porém antes do início do tratamento o paciente sofreu falência renal e óbito. O diagnóstico diferencial
é necessário neste padrão de lesão visto que o mieloma múltiplo apresenta uma taxa de sobrevida, em cinco
anos, de 5,7% e a presença de lesões mandibulares representam um estágio avançado da doença, necessitando o
tratamento em caráter de urgência.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
200
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
709 – GRANDE TUMOR ODONTOGÊNICO ADENOMATOIDE EM
MAXILA - RELATO DE CASO
Autores: DANILO DE PAULA RIBEIRO BORGES (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);ADRIANO SILVA PEREZ (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); RENAN FERREIRA TRINDADE (ESCOLA
BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); VICTOR ARAUJO BARBOSA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E
SAÚDE PÚBLICA); WILTON COSTA NETO (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: O tumor odontogênico adenomatoide (TOA) é uma lesão benigna derivado do epitélio odontogênico.
Descrito pela primeira vez por Ghosh em 1934, teve diversas denominações, dentre elas adamantinoma, adenoameloblastoma e tumor adenomatoide ameloblástico. No intuito de definir uma nomenclatura mais abrangente,
e evitar confusão entre os clínicos pelo uso do termo “Adenoamloblastoma”, Philipsen e Birn (1969) sugeriram
a terminologia “Tumor odontogênico adenomatoide”. O TOA representa 3% a 7% de todos os tumores odontogênicos, sendo considerado o quarto tipo mais comum. De crescimento lento e sem comportamento invasivo,
geralmente assintomático, pode causar expansão cortical e deslocamento dos dentes adjacentes. Seu diâmetro
varia entre 1,5 e 3 cm, sendo mais comum na região anterior da maxila. Sua ocorrência é maior em mulheres
entre a segunda e terceira décadas de vida. Radiograficamente, o TOA apresenta-se, em sua maioria, como lesões radiolúcidas uniloculares, bem circunscritas, podendo possuir áreas radiopacas no seu interior, associados
com frequência a um dente retido. Suas características radiográficas são similares a de outras lesões que afetam
a mesma região, como o cisto dentígero. Seu diagnóstico é histológico, e os achados são bem característicos. O
tratamento de eleição do TOA é a enucleação da lesão, apresentando índice de recidiva muito baixo. Neste trabalho é relatado um caso de tumor odontogênico adenomatoide, associado à coroa de um incisivo lateral superior
incluso, que levou a impacção do canino superior, em uma mulher de 25 anos de idade, melanoderma, bem como,
revisar os aspectos clínicos, radiográficos, biológicos e tratamento desta incomum lesão.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
201
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
714 – DIAGNÓSTICO DA SÍNDROME DE GARDNER A PARTIR DE
MANIFESTAÇÃO BUCO-MAXILO-FACIAL
Autores: BRUNNA SANTOS BARRETO (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);WASHINGTON
PELLEGRINI (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); CÍNTIA MIRANDA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); THAISE FERREIRA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); MARCIO
MARCHIONNI (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: A síndrome de Gardner é uma desordem rara, determinada por um gene autossômico dominante, na
qual aproximadamente um terço dos casos acontece espontaneamente e parece representar mutações genéticas.
Esta síndrome é considerada como parte de um espectro de doenças caracterizada por poliposecolorretal familial,
além de outras anormalidades gastrointestinais que são observadas juntas com uma variedade de achados que
podem envolver a pele, tecidos moles, retina, sistema esquelético e dentes. Anomalias orais e faciais são comumente observadas em pacientes afetados por esta desordem, entre elas, pode-se destacar a presença de odontomas, impactação de dentes e dentes supranumerários, embora este último achado não seja tão frequente nesta
síndrome. O presente trabalho tem como objetivo relatar o caso clínico de uma paciente do gênero feminino, 21
anos, que compareceu ao Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (CTBMF) , do Hospital Geral
Roberto Santos/Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, o qual foi diagnosticado com síndrome de Gardner,
por meio de manifestações Buco-Maxilo- Faciais: dentes supranumerários impactados, odontomas e agenesia
dentária. A partir destes sinais, foi realizada uma avaliação gastrenterológica e a presença de pólipos intestinais
foi confirmada, chegando-se ao diagnóstico final de síndrome de Gardner. A paciente foi submetida a cirurgia
sob anestesia geral para exodontia das unidades impactadas e exérese dos tumores. Atualmente, encontra-se em
acompanhamento pela equipe de CTBMF e pela equipe de cirurgia do aparelho digestivo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
202
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
716 – TRATAMENTO DE OSTEOMIELITE MANDIBULAR: RELATO
DE CASO
Autores: ALAN LEANDRO CARVALHO DE FARIAS (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ);THAÍS CRISTINA DE
ARAÚJO MOREIRA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO UFPI); WALTER LEAL DE MOURA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
UFPI); SIMEI ANDRÉ DA SILVA RODRIGUES FREIRE (); LUIDE MICHAEL RODRIGUES FRANÇA MARINHO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO UFPI)
Introdução: Osteomielite (OM) é definida como uma inflamação progressiva do osso e medula óssea e é encontrada mais comumente nos ossos que suportam os dentes no esqueleto facial. A OM é uma doença raramente encontrada em países desenvolvidos e tem maior incidência em nações subdesenvolvidas. Fatores locais, tais como
trauma e infecção dental, estão frequentemente associados com o aparecimento de OM. A presença de dentes
cria um caminho direto para o osso através de doença pulpar e periodontal. Os fatores sistêmicos que predispõem
os indivíduos a OM incluem diabetes, anemia, desnutrição, doenças malignas, estado imunocomprometido, e
outras doenças que se manifestam com hipovascularização do osso. Seu curso clínico é descrito como dor crônica
e inflamação com períodos de exacerbação. Complicações graves, tais como fraturas patológicas e lesões nervosas,
são comumente relatadas. O tratamento da OM é um grande desafio devido à localização anatômica e natureza
polimicrobiana da doença, além do estado fisiológico dos pacientes que geralmente está debilitado. A OM mais
comumente envolve a mandíbula, o que dificulta o seu tratamento. Antibióticos, anti-inflamatórios não esteroidais, e esteroides são amplamente administrados para controlar os sintomas, no entanto, eles raramente alteram
a frequência de recorrência e a duração da doença. As intervenções cirúrgicas de diferentes graus são geralmente
indicadas. No entanto, mesmo com condução adequada, o curso do tratamento podem se tornar extraordinariamente caro, com internações longas e administração de antibióticos prolongada, mostrando a importância do
diagnóstico e intervenção precoce. O objetivo do presente trabalho é relatar um caso de uma paciente que procurou o serviço de cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial do Hospital Universitário da Universidade Federal do
Piauí, tendo como queixa “dor nos dentes e mandíbula com secreção de pús”. A paciente era portadora de lúpus
eritematoso sistêmico foi encaminhada ao serviço de reuamatologia do mesmo hospital, onde foi internada parar
controle da doença de base e foi submetida a procedimento de exodontia dos dentes 41,42, 31 e raiz do 32,33 e
34 associado a exérese de fístulas cutâneas e decorticalização sob anestesia geral. A paciente evoluiu bem, sem
complicações ou queixas e melhora do quadro infeccioso e álgico. Em vista destes argumentos o diagnóstico e
intervenção precoce se fazem mandatórios, para um correto tratamento e obtenção de menores complicações
para o paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
203
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
717 – NEUROMA MUCOSO EM REGIÃO ANTERIOR DE
MANDÍBULA EM CRIANÇA: RELATO DE CASO
Autores: LUIZ AUGUSTO DE SOUZA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA (UFMS) );SÍLVIA ROBERTA CIESLAK
SANCHES X (FACULDADE DE ODONTOLOGIA (UFMS) ); OLÍVIA TOSTA DE MACEDO VIANNA MATEUS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA (UFMS) ); PAULA OLIVEIRA LOPES (FACULDADE DE ODONTOLOGIA (UFMS) ); ROSANA
MARA GIORDANO DE BARROS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA (UFMS) )
Introdução: Neuromas mucosos são um dos componentes do subtipo 2B das Neoplasias endócrinas múltiplas
(NEM) que são síndromes genéticas com caráter autossômico dominante, caracterizadas pelo envolvimento tumoral de glândulas endócrinas, divididas em dois tipos. A NEM tipo 1 tem desenvolvimento de tumores em glândulas adrenais, paratireoide, ilhotas pancreáticas e hipófise. Já a NEM tipo 2 subdividida em 2 tipos: A, acomete
as glândulas adrenais, paratireoide e tireoide. A NEM tipo 2B caracteriza-se por lesões nodulares ou tumorais
únicas ou múltiplas que na maioria das vezes se desenvolvem nos primeiros anos de vida, acometem a língua,
mucosa jugal, palato e gengiva – neuromas mucosos. Outros achados são as ganglioneuromatoses intestinais,
envolvimento tumoral maligno em tireoide e tumor benigno em glândulas adrenais. Os indivíduos apresentam
constituição corporal marfanoide e dolicocefalia. A face é estreita, os lábios espessos e protuberantes, mordida
anterior aberta e diastemas nos dentes anteriores. Apresenta-se caso clínico de paciente do gênero feminino,
parda, 5 anos, que compareceu ao serviço de “Diagnóstico Histopatológico em Doenças Bucais” na Faculdade de
Odontologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Foi encaminhada de um cirurgião bucomaxilofacial
para realizar exame histopatológico e prosseguimento do tratamento. Ao exame clínico, observou-se membros finos e alongados, manchas “café-com-leite” dispersas pelo tronco, bossa frontal e hipertelorismo, dentes decíduos,
germes dos permanentes em formação (radiograficamente) e lesão tumoral de base séssil em mucosa gengival
inferior na região dos elementos 72 ao 83, com textura e coloração semelhante à mucosa gengival e firme à palpação. Durante a anamnese foi observado que o pai da criança apresentava inúmeros nódulos moles e manchas de
coloração “café-com-leite” e uma bolsa tumoral na pele em região póstero-lateral do tórax, sugestivas de neurofibromatose tipo I. Na paciente, foi realizada biópsia incisional da lesão. De acordo com o exame histopatológico, o
tecido conjuntivo mostrava numerosos feixes nervosos com disposição circular e discreto espessamento do perineuro. Por meio da avaliação do quadro clínico e do laudo histopatológico de neuroma mucoso foi diagnosticada
Neoplasia Endócrina Múltipla tipo 2B. A paciente foi encaminhada ao endocrinologista, pediatra e geneticista.
Exames extra e intra-bucais minuciosos são imprescindíveis para que o paciente seja atendido de forma integral,
considerando que alterações bucais, por vezes, estão atreladas a doenças sistêmicas. A falta de patologistas especializados em doenças orais nos diferentes níveis de atenção em saúde faz com que o cirurgião bucomaxifacial
tenha, muitas das vezes, a responsabilidade profissional em suprir essa demanda, tanto na realização diagnóstico
quanto no encaminhamento. O diagnóstico precoce, realizado através da boca, determina melhora na qualidade
de vida dos pacientes e prognóstico favorável.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
204
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
726 – SIALÓLITO EM GLÂNDULA SUBLINGUAL: RELATO DE
CASO
Autores: JOÃO MARQUES MENDES NETO (*) (UESPI);THAÍS CRISTINA DE ARAÚJO MOREIRA (UFPI); ALA LEANDRO CARVALHO DE FARIAS (UFPI); LUIDE MICHAEL ROFRIGUES FRANÇA MARINHO (UFPI); ÉWERTON DANIEL
ROCHA RODRIGUES (UFPI)
Introdução: A sialolitíase é uma patologia caracterizada pela presença de calcificações de crescimento lento que
acometem as glândulas salivares e seus ductos. As glândulas maiores, principalmente a glândula submandibular,
são mais acometidas segundo a literatura. Acomete principalmente o gênero masculino e embora possam ocorrer
em qualquer idade sua incidência é maior em indivíduos entre 30 e 60 anos de idade. Em geral são assintomáticos
e sua evolução pode gerar edema e dor na região afetada, seu diagnóstico é clínico e radiográfico. O tratamento
depende da localização e tamanho do calculo salivar e pode variar desde procedimentos simples como a remoção
do cálculo do interior do ducto da glândula afetada até a exérese da glândula salivar, quando este está em seu interior. Objetivo do presente trabalho é apresentar um caso de uma paciente de iniciais M.M.M.S que compareceu
ao serviço ambulatorial de cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial do Hospital Universitário da Universidade
Federal do Piauí queixando-se de aumento de volume em região sublingual. Após exame clínico e imaginológico
chegou-se ao diagnóstico de sialólito em glândula sublingual, onde optou-se por sua remoção cirúrgica sob anestesia local em ambiente ambulatorial. A paciente evolui bem, sem sinais de complicações ou recidiva e encontra-se em acompanhamento pelo serviço. Em vista destes argumentos a sialolitíase é de ocorrência comum e se faz
necessário um correto diagnóstico para o tratamento satisfatório destas injúrias.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
205
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
735 – AVALIAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES
COM LUXAÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR
Autores: SAMARA PEREIRA QUEIROZ (*) (UFBA/OSID);WALTER SURUAGY MOTTA PADILHA (UFBA/OSID); ALEXANDRE MARTINS SEIXAS (UFBA/OSID); GEORGES SOUZA DE BURGHGRAVE (UFBA/OSID);
Introdução: As luxações da articulação temporomandibular consistem no travamento do côndilo em uma posição anormal, geralmente, anterior à eminência articular. Algumas doenças sistêmicas ou condições anatômicas
podem favorecer o deslocamento articular. Essa pesquisa tem como objetivo traçar o perfil epidemiológico de
pacientes com luxação da articulação temporomandibular que foram atendidos pela equipe de CTBMF do Hospital do Oeste, em Barreiras, na Bahia, no período de 2010 a 2014. O estudo foi retrospectivo e composto de 37
pacientes, que apresentaram 53 luxações. Os resultados mostraram um maior número de pacientes do gênero
feminino (51,4%) , na terceira década de vida (45,9%) e de luxação bilateral (73,6%). A idade média foi 35,19
anos, sendo a recidiva evidenciada em 45,9% dos indivíduos. O tempo de luxação variou de 0,25 até 96 horas e
o bocejo foi o principal fator etiológico (40,5%). Alterações psicológicas ou neurológicas e o uso de medicações
foram associados com a recidiva, notando uma relação estatisticamente significativa, com maior quantidade de
luxação nesses pacientes. Com isso, pode ser concluído que o quadro epidemiológico de luxação da articulação é
semelhante ao relatado na maioria dos estudos e que algumas condições psicológicas ou neurológicas, bem como
o uso de alguns tipos de medicamentos predispõem a sua ocorrência. Palavras-chave: Transtornos da Articulação
Temporomandibular; Luxações; Distonia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
206
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
753 – CISTO ODONTOGÊNICO CALCIFICANTE ASSOCIADO A
ODONTOMA COMPOSTO: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: ALISSON DOS SANTOS ALMEIDA (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA /HOSPITAL
GERAL ROBERTO SANTOS);THALES MORGAN GUIMARÃES DE SÁ (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE
PÚBLICA /HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS); EDUARDO DE LIMA ANDRADE (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA /HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS); BRUNNA SANTOS BARRETO (ESCOLA BAHIANA
DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA /HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS); ANTÔNIO MÁRCIO MARCHIONNI
(ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA /HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS)
Introdução: O cisto odontogênico calcificante é uma lesão rara que apresenta diversas variantes clínicas e histológicas. Suas características e comportamento clínico são bastante variáveis, podendo se portar como um cisto
ou como uma neoplasia agressiva. É uma lesão predominantemente intra-óssea que pode estar associado ou não
a dentes inclusos e a tumores odontogênicos, em especial ao odontoma. Os odontomas são os tumores odontogênicos mais comuns, formado pela proliferação excessiva de tecidos odontogênicos totalmente desenvolvidos,
sendo, por alguns autores, considerados harmatomas.O Objetivo é relatar um caso clínico de cisto odontogênico
calcificante associado a um odontoma composto tratados com enucleação e curetagem. Paciente do sexo masculino,04 anos,melanoderma,compareceu ao Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (CTBMF) ,
do Hospital Geral Roberto Santos/Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, com um aumento de volume em
região de parassínfise mandibular esquerda sem sintomatologia dolorosa e com evolução de cerca um ano. Radiograficamente observou-se uma área radiolúcida, bem definida, que causava expansão da cortical óssea vestibular
da mandíbula. No interior da lesão era possível observar estruturas radiopacas semelhantes a dentes. Foi realizada enucleação e curetagem da lesão e encaminhamento do material para estudo histopatológico, cujo diagnóstico
foi conclusivo para cisto odontogênico calcificante associado a odontoma composto. O paciente encontra-se no
décimo terceiro mês pós-operatório, fazendo acompanhamento ambulatorial e controle radiográfico da lesão, que
não apresentou até o momento sinais de recidiva. O cisto odontogênico calcificante é uma lesão peculiar, de variado comportamento clínico, que obriga o cirurgião dentista a avaliar e correlacionar cuidadosamente a história e
os achados clínicos e radiográficos, para definir a melhor forma de tratamento. Descritores : Cistos Ósseos; Cisto
Odontogênico Calcificante; Odontoma.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
207
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
757 – INTERCORRÊNCIAS PÓS OPERATÓRIAS NAS
RECONSTRUÇÕES CIRÚRGICAS APÓS EXÉRESE DE
AMELOBLASTOMA: RELATO DE 3 CASOS CLÍNICOS
Autores: LAURA MALTA LOBO FERREIRA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS);JANEYSA SANTOS
NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); PATRÍCIA MARIA DA COSTA REIS (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); MARCELO DRUMMOND NAVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS);
Introdução: Ameloblastomas são tumores odontogênicos que correspondem a 1% de todos os cistos e tumores
da cavidade bucal, e 10% dos tumores odontogênicos em mandíbula. São localmente agressivos podendo atingir
grandes extensões e causar severas deformidades faciais e prejuízos funcionais. Um completo conhecimento do
seu comportamento clínico/patológico associado a um tratamento adequado da doença é essencial para evitar
recidivas. Existem diversas formas de tratamento para os diferentes tipos de ameloblastoma, sendo o tratamento
cirúrgico radical - ampla ressecção e reconstrução imediata - o mais indicado para a maioria dos casos. As intercorrências pós-operatórias mais comuns citadas na literatura são exposição de placa de reconstrução, perda de
parafusos e fratura de placa de reconstrução. O objetivo do presente trabalho é descrever intercorrências pós-operatórias de cirurgias de exérese de ameloblastoma em três casos clínicos tratados cirurgicamente no Serviço
de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Municipal Odilon Behrens e Universidade Federal de
Minas Gerais (Belo Horizonte – Minas Gerais) e discutir as abordagens possíveis e condutas preventivas. Todos
os pacientes possuíam radiografia panorâmica e tomografia computadorizada prévias à cirurgia. Para os que
se submeteram a reconstrução mandibular foi utilizada a prototipagem da área a ser operada. Intercorrências
encontradas nos casos clínicos: Caso 1: exposição de placa de reconstrução; Caso 2: afrouxamento de parafusos;
Caso 3: fratura da placa de reconstrução.Vários fatores podem influenciar nas complicações pós-operatórias,
porém certas condutas prévias as podem minimizar. O diagnóstico precoce da lesão de ameloblastoma, por exemplo, diminui a morbidade do procedimento. O contato do paciente com a equipe multidisciplinar envolvida no
tratamento diminui o impacto e a insegurança do mesmo em relação ao tratamento. A reserva de sangue e CTI
antes da cirurgia também minimizam as complicações. A realização de traqueostomia eletiva para a cirurgia
mantém a via área do paciente pérvia caso haja formação de edema importante e desinserção muscular (comuns
nesses casos). A utilização de placas de tamanho e formato adequados diminui o risco de fratura e exposição das
mesmas. A fixação adequada dos parafusos previne o afrouxamento e perda dos mesmos. Se já instalada uma
intercorrência, deve-se realizar uma abordagem multidisciplinar do paciente, a fim de corrigi-la e proporcioná-lo
condições estéticas/funcionais satisfatórias, conforto e qualidade de vida.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
208
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
761 – TUMOR ODONTOGÊNICO ADENOMATOIDE EM PACIENTE
PEDIÁTRICO - RELATO DE CASO
Autores: BRUNA BARCELOS FERREIRA (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA);FERNANDA HERRERA DA
COSTA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA); JOÃO PAULO BONARDI (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA); RICARDO ALVES MATHEUS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA); CECILIA LUIZ PEREIRA-STABILE
(UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA)
Introdução: O tumor odontogênico adenomatoide (TOA) , é um tumor de origem epitelial com efeito indutivo
ao ectomesênquima, com capacidade de produzir material semelhante à dentina, representando 1,7% a 3% de
todos os tumores odontogênicos. É considerado uma neoplasia benigna, comum em pacientes jovens, do gênero
feminino. Possui maior predileção de ocorrência nas porções anteriores dos maxilares, sendo a região anterior de
maxila duas vezes mais acometida do que mandíbula. A maioria dos casos relatados são assintomáticos, envolvendo caninos permanentes, não excedendo mais que 3 cm. Geralmente são descobertos em exames radiográficos de rotina ou investigação da não irrupção de dentes permanentes na segunda década de vida. O objetivo deste
trabalho é relatar um caso de tumor odontogênico adenomatoide que foge dos padrões geralmente encontrados,
pois se relaciona a um canino decíduo incluso em mandíbula (elemento 73) , de uma paciente com seis anos de
idade, que teve o diagnóstico através de um exame radiográfico de rotina quando se investigava a causa de não
erupção do elemento dentário em questão, bem como, por meio de uma revisão de literatura, discutir características clínicas, radiográficas, histopatológicas e métodos de tratamentos. Discutir-se-á ainda a importância de
exames complementares para estabelecimento do correto diagnóstico e estabelecimento da conduta terapêutica
a ser empregada.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
209
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
785 – LESÃO CENTRAL DE CÉLULAS GIGANTES: UMA REVISÃO
DE LITERATURA E RELATO DE CASO COM USO DE INJEÇÃO
INTRALESIONAL DE CORTICOSTEROIDE
Autores: LUANDSON NUNES DOS SANTOS BARBOSA (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA);ANANDA LOBO P. COSTA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA); NATIELE VILAS BOAS SANTOS
(UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA); ANTÔNIO V. CÂNCIO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA
DE SANTANA); JENER G. FARIAS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA)
Introdução: A Lesão Central de Células Gigantes (LCCG) é uma lesão intraóssea benigna exclusiva dos ossos
gnáticos com predominância para o gênero feminino, que acomete com maior frequência a região anterior da
mandíbula, e que ainda gera controversas no meio científico. Visando coletar informações atuais acerca da LCCG
e discutir a aplicação de tratamentos alternativos para essa patologia, desenvolveu-se a presente revisão de literatura com o relato de caso clínico de uma paciente de 58 anos de idade, gênero feminino, faioderma e natural
de Jacobina/BA que, encaminhada pela Secretária Municipal de Saúde, procurou assistência odontológica no
Serviço de Estomatologia e Cirurgia Bucomaxilofacial da Santa Casa de São Félix – Bahia. Clinicamente, a paciente apresentava um aumento de volume na hemiface esquerda na área correspondente entre os elementos
dentários 21 a 24, sem sintomatologia dolorosa e com evolução lenta por um período de 10 meses. Os exames
clínicos radiográficos apontaram para a suspeita diagnóstica da LCCG, sendo confirmada após os resultados do
exame histopatológico das peças biopsiadas pela técnica incisional. Confirmado o diagnóstico de uma LCCG não
agressiva em região predominantemente anterior da maxila esquerda, escolheu-se a melhor forma terapêutica
para a paciente. Ao se considerar a possibilidade de comunicação buconasal, bucossinusal e outras deformidades
faciais decorrentes de uma terapia cirúrgica imediata, optou-se pelo uso de Injeção Intralesional de Corticosteroide. Após um ano, obtida uma relativa calcificação da lesão devido a ação do corticosteroide sobre os osteoclastos, a paciente foi submetida a uma osteoplastia sob anestesia geral, não apresentando recidivas 9 meses após.
Conclui-se que o tratamento da LCCG com Injeção Intralesional de Corticosteroide pré técnica cirúrgica pode ser
usado como uma alternativa para evitar graves defeitos faciais, que poderiam desenvolver distúrbios funcionais,
estéticos e psicológicos no paciente. Descritores: Lesão Central de Células Gigantes, Terapia, Corticosteroides,
Calcitonina, Interferons
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
210
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
791 – TUMOR ODONTOGÊNICO CERATOCÍSTICO EM REGIÃO DE
MENTO – RELATO DE CASO
Autores: VALDIR DE OLIVEIRA (*) (UNISA);CARLOS EDUARDO XAVIER S R S (UNISA); ANDRÉ CARVALHO RODRIGUEZ (UNISA); DANIELA MARTI COSTA (UNISA); MARCIO MARTINS (UNISA)
Introdução: O Tumor Odontogênico Ceratocístico - nova denominação para o Ceratocisto Odontogênico - é um
tumor que, acredita-se, pode ser originado por remanescentes da lâmina dentária, preferencialmente localizado
na mandíbula. De natureza benigna esse tumor tem evolução lenta e geralmente assintomática. Como característica apresenta em seu interior substância viscosa ou cremosa, que se forma a partir de sua cobertura epitelial.
Pode apresentar abaulamento das corticais ósseas. Por apresentar alto poder rescidivante, a solução dessa patologia desafia as soluções de tratamento propostas e requer acompanhamento através de exames de imagem,
por tempo ilimitado. O presente trabalho apresenta um caso ocorrido em paciente do sexo feminino, na terceira
década de vida, na região do mento e de grandes proporções, onde foi realizada a exérese da lesão e reforço mandibular com placa de reconstrução.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
211
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
794 – SÍNDROME DA ARDÊNCIA BUCAL (SAB) : AVALIAÇÃO DE
ALTERAÇÕES NERVOSAS PERIFÉRICAS EM LÍNGUA
Autores: ITALO CORDEIRO DE TOLEDO (*) (HOSPITAL DAS CLINICAS UFG);REJANE FARIA RIBEIRO-ROTTA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG); ALINE CARVALHO BATISTA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG); LUCIANO ALBERTO DE CASTRO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG); DIEGO ANTONIO COSTA ARANTES (FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG)
Introdução: A síndrome da ardência bucal (SAB) é uma condição dolorosa crônica, de origem incerta que pode
afetar vários sítios da mucosa bucal, sendo a língua o sítio mais frequente. Alguns estudos têm sugerido que a
ardência lingual nos pacientes portadores de SAB pode estar associada a alterações nervosas periféricas. Objetivo:
Avaliar a densidade e integridade de filetes nervosos (FN) na região subepitelial da mucosa lingual de pacientes
com diagnóstico de SAB primária. Materiais e Métodos: A densidade (por mm²) de FN periféricos foi avaliada
comparativamente em amostras de mucosa lingual de pacientes clinicamente diagnosticados com SAB primária
(n=12) e de indivíduos com ausência de sinais e sintomas de ardência (grupo controle) (n=11). FN S100+ (células
de Schwann positivas) e PGP 9.5+ (axônios íntegros positivos) foram identificados pela técnica da imuno-histoquímica (métodos de polímeros). Resultados: Os achados revelam que pacientes com SAB apresentam densidades similares de FN periféricos S100 + (mediana= 3,7/mm²) quando comparados ao grupo controle (mediana=
2,6/mm²) (P=0,65). A densidade de FN íntegros ou PGP 9.5+ também foi semelhante entre os grupos avaliados
(mediana= 0,7 e 0,8mm², respectivamente; P=0,72). Além disso, a relação entre FN S100+ / PGP 9.5+ nos pacientes com diagnóstico clínico de SAB e controles foi igual (P=0,7). Conclusão: Pacientes com diagnóstico clínico de
SAB primária não apresentaram alterações em morfologia, densidade e integridade de axônios de FN periféricos
em regiões sintomáticas da língua. A SAB primária é uma doença complexa, debilitante, cujo conhecimento de fatores envolvidos na sua etiopatogenia pode proporcionar que novas modalidades terapêuticas sejam instituídas a
partir de bases cientificas sólidas em beneficio do paciente. Os dados clínicos permanecem como mais relevantes
no processo de diagnóstico de SAB.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
212
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
797 – FRATURA PATOLÓGICA DE MANDÍBULA POR
OSTEONECROSE, INDUZIDA POR USO DE BISFOSFONATOS.
CASO CLÍNICO.
Autores: VALDIR DE OLIVEIRA (*) (UNISA);CARLOS EDUARDO XAVIER S R S (UNISA); ANDRÉ CARVALHO RODRIGUEZ (UNISA); DANIELA MARTI COSTA (UNISA); MARCIO MARTINS (UNISA)
Introdução: Osteonecrose é o termo utilizado para descrever a morte das células ósseas quando os osteócitos se
apresentam acelulares e necróticos. A necrose também destroi as células ósseas endoteliais, impedindo o fluxo de
sangue dentro do osso. Clinicamente, a osteonecrose da mandíbula apresenta lesões intra-orais com exposição
óssea que simulam abscesso dental ou osteomielite, com ulceração local da mucosa oral e dor. A osteonecrose dos
maxilares, pode se originar como uma reação adversa ao uso dos bisfosfonatos. Os bisfosfonatos são potentes inibidores da reabsorção e remodelação ósseas. Seu mecanismo de ação consiste na inibição da função dos osteoclastos. Causa desequilíbrio na remodelação óssea (também promove uma mudança na ação dos osteoblastos). Os
bisfosfonatos têm sido indicados para o tratamento de doenças do metabolismo ósseo e outras específicas. Atualmente, seu emprego terapêutico aumentou e, com ele, efeitos colaterais adversos, dos quais o mais importante
para nossa área de atuação é a indução da osteonecrose dos maxilares, uma complicação de difíceis tratamento e
solução. O exato mecanismo de desenvolvimento da osteonecrose dos maxilares induzida por bisfosfonatos bem
como seu tratamento definitivo ainda não estão plenamente estabelecidos. Porém alguns cuidados preventivos
podem ser tomados na tentativa de dirimir ou diminuir o aparecimento da doença. Neste trabalho apresentamos
um caso bastante severo onde a osteonecrose levou à fratura espontânea da mandíbula de um paciente, fazendo-se necessária intervenção cirúrgica para remoção da lesão e fixação com placa de reconstrução.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
213
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
799 – MIÍASE ORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER.
APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO
Autores: VALDIR DE OLIVEIRA (*) (UNISA);CARLOS EDUARDO XAVIER S R S (UNISA); ANDRÉ CARVALHO RODRIGUEZ (UNISA); DANIELA MARTI COSTA (UNISA); MARCIO MARTINS (UNISA)
Introdução: Miíase (doença da mosca – grego) é o termo para definir uma invasão de tecidos vivos de animais,
inclusive o homem, por ovos ou larvas de moscas da ordem díptera, sendo mais frequentemente observada em
países de clima tropical, como o Brasil. Sua ocorrência na cavidade bucal é rara, podendo manifestar-se em bolsas
periodontais, alvéolos pós extrações dentárias e outras localidades da cavidade bucal (gengivas, dentes, periodonto, língua).Os principais fatores predisponentes, são: falta de higiene bucal, senilidade, comprometimento neurológico e halitose severa, fatores presentes em muitos portadores da doença de Alzheimer. Este trabalho relata
um caso de Miíase bucal, em um paciente de 72 anos de idade, com doença de Alzheimer em estágio avançado,
trazido ao PS por parentes após a cuidadora perceber sangramento e presença de larvas em sua cavidade oral a
ponto de “causar sufocamento” do mesmo. O diagnóstico foi estabelecido clinicamente, por observação da infestação de larvas ativas em toda a cavidade oral. Foi prescrito o uso dos antibióticos Ivermectina e Metronidazol e
o paciente foi hospitalizado para debridamento do tecido necrótico, exodontia total e remoção das larvas. Após a
alta, cuidadora e parentes receberam orientações para prevenir uma reinfecção. No retorno para avaliação clínica
pós-operatória, após 25 dias o paciente apresentava cura total. O principal tratamento preconizado para a Miíase
baseia-se na remoção mecânica das larvas e prescrição de Ivermectina, via oral.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
214
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
803 – A INVIABILIDADE DE PROCEDIMENTOS EXODÔNTICOS
EM PACIENTES QUE FAZEM USO DE PAMIDRONATO E
ZOLEDRONATO
Autores: GUILHERME DE CARVALHO WANDERLEY (*) (UNIVERSIDADE POTIGUAR (UNP) );PABLO RAFAEL SALDANHA DE AZEVEDO TELES (UNIVERSIDADE POTIGUAR);
Introdução: Os bisfosfonatos (BFs) constituem uma classe de medicamentos que diminuem a reabsorção óssea
pelos osteoclastos, propiciando um tecido ósseo de alta densidade. Esses compostos são utilizados no tratamento
de doenças que afetam o metabolismo ósseo em associação com excessiva reabsorção, como a osteoporose pós-menopausa e a doença de Paget, e nos casos de hipercalcemia maligna ou metástases ósseas osteolíticas, estas últimas comuns em câncer de mama, pulmão ou próstata. Os BFs apresentam duas categorias de estrutura química
de cadeia R2, que são os BFs nitrogenados e os não-nitrogenados, ambos são internalizadas pelos osteoclastos
no processo de reabsorção óssea levando esta célula à morte por apoptose, por diferentes mecanismos de ação.
Os BFs não-nitrogenados ao serem metabolizados pelos osteoclastos passam a ser substratos na síntese de análogos citotóxicos da adenosina trifosfato (ATP) que provocam a morte da célula. Contudo, os BFs nitrogenados,
após reabsorvidos pelos osteoclastos parecem atuar interrompendo a via do mevalonato, responsável por guiar
a síntese do colesterol. A interrupção deste mecanismo faz com que o transporte vesicular intracelular seja comprometido, provocando a morte celular e afetando diretamente a reabsorção óssea, os mesmos podem apresentar
reações adversas, a maior parte focada no sistema digestivo. Embora estes medicamentos estejam em uso desde
1960, estudos quanto a complicação de Osteonecrose Associado aos Bisfosfanatos (OAB) dos ossos maxilares e
mandibular vem sendo divulgados a partir do ano de 2003. Mesmo que sua etiopatogenia permaneça incerta, a
atuação dos BFs é visto em diversos níveis: físico-químico, tecidual, celular e molecular. Estudos apontam que a
OAB é secundária aos mecanismos de ação dos BFs, que resultam em atividade antiosteoclástica e antiangiogênica, o que altera o metabolismo ósseo, inibindo a reabsorção óssea e diminuindo o turnover ósseo. Em estudos
realizados entre os anos de 2005 e 2008 envolvendo 447 pacientes, observou-se uma grande quantidade de
pacientes que faziam uso de pamidronato e zoledronato, medicamento de segunda geração de uso intravenoso,
indicado para doença de paget e neoplasias. Segundo estes estudos, 78,9% dos casos refere-se a procedimentos
exodônticos, onde 27,9% foram acometidos na maxila, 62,1% na mandíbula e 9,8% em ambos. Como mostrado,
os pacientes que fazem uso de BFs administrado por via parenteral parecem ser mais susceptíveis à OAB do que
os tratados por via oral. Pacientes que fazem uso de BFs e são submetidos a cirurgia dento-alveolar apresentam
risco sete vezes maior para OAB, sendo a mandíbula a mais afetada. Visto que o tratamento com o BFs nos casos
de neoplasias malignas e doença de Paget é imprescindível, cabe uma criteriosa avaliação de risco/beneficio em
curto, médio e longo prazo para o paciente, entretanto, uma avaliação odontológica anteriormente ao inicio do
tratamento com os BFs se faz necessário.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
215
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
837 – SÍNDROME DE MELKERSSON ROSENTHAL: DESAFIOS DE
DIAGNÓSTICO
Autores: LAÍSA BRENDA DE HOLANDA CAVALCANTI (*) (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);MARÍLIA GABRIELA
MENDES DE ALENCAR (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); EDMILSON ZACARIAS DA SILVA JÚNIOR (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); HELDER LIMA REBELO (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); BELMIRO CAVALCANTI
DO EGITO VASCONCELOS (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO)
Introdução: A Síndrome de Melkersson-Rosenthal (S.M.R.) é uma desordem incomum. Sua tríade completa consiste em edema orofacial, paralisia facial e língua fissurada, acometendo cerca de 25% dos casos. Sua forma oligossintomática engloba, no mínimo, duas das características mencionadas anteriormente, enquanto que a forma
monossintomática, considerada por alguns autores como queilite granulomatosa de Miescher, caracteriza-se pelo
envolvimento único dos lábios. Não há relatos que associem a S.M.R. à transformação maligna. Fatores hereditários, alérgicos e infecciosos têm sido associados como possíveis agentes etiológicos. Não há predileção por sexo
ou raça, embora existam relatos, sugerindo uma leve predileção pelo sexo feminino. O edema orofacial é manifestação dominante. O lábio superior é a localização preferencial, embora outras áreas da face possam ser afetadas,
incluindo mento, bochechas, região periorbital, mucosa oral, língua e gengiva. Em sua fase inicial, poderá regredir
rapidamente em horas ou dias, mas, após numerosas recidivas, torna-se de difícil regressão, gerando uma fibrose
localizada que resulta em aspecto deformante. A paralisia facial é um achado frequente. Os episódios são súbitos,
clinicamente indistinguíveis da paralisia de Bell, evidenciando-se meses a anos antes ou após, o edema orofacial.
A língua fissurada tem frequência relatada de 20 a 77% dos casos, não sendo um achado específico para a síndrome. Desta forma, o presente estudo visa corroborar a falta de conhecimento relacionado a etiologia dessa síndrome, resultando em poucos resultados no que se refere às várias modalidades terapêuticas para o tratamento da
Síndrome de Melkersson Rosenthal.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
216
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
858 – AMELOBLASTOMA ACANTOMATOSO DE CORPO E SÍNFISE
DE MANDÍBULA: RELATO DE UM CASO
Autores: MANOEL ROQUE PARAISO SANTOS FILHO (*) (UNIVERSIDADE TIRADENTES);EDVALDO DÓREA DOS
ANJOS (UNIVERSIDADE TIRADENTES); RICARDO LUIZ CAVALCANTI ALBUQUERQUE JÚNIOR (UNIVERSIDADE
TIRADENTES); MARIA DE FÁTIMA BATISTA DE MELO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE);
Introdução: O objetivo deste trabalho é relatar um caso de paciente do gênero feminino, 24 anos, feoderma,
apresentando aumento de volume em corpo e sínfise de mandíbula, lado direito, assintomático, com 4,0 cm de
diâmetro, e evolução de um ano. Tomografia cone beam revelou imagem hipodensa multilocular, bem delimitada,
estendendo-se da região do 32 ao 45, provocando expansão e perfuração da cortical vestibular. Realizada a biópsia incisional, observou-se histologicamente a proliferação de epitélio odontogênico em ilhas, com diferenciação
ameloblástica periférica e metaplasia escamosa central. O diagnóstico foi Ameloblastoma Acantomatoso. Foi realizada resecção subtotal de corpo e sínfese de mandíbula, paciente encontra-se há dez meses sem recidiva. O ameloblastoma é um tumor odontogênico benigno agressivo e com elevado potencial de recidiva. O reconhecimento
de suas características clínicas e imaginológicas pode auxiliar no estabelecimento do diagnóstico diferencial e da
conduta terapêutica adequada, contribuindo para um melhor prognóstico dos pacientes
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
217
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
864 – AMELOBLASTOMA UNICÍSTICO MURAL EM MAXILA:
RELATO DE CASO
Autores: WASHINGTON GERALDO PELLEGRINI ROCHA JUNIOR (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE
PUBLICA);LUCAS SOUZA CERQUEIRA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); IGOR RAFAEL
GOMES CAVALCANTE (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); GABRIELA MENDES GONÇALVES
(ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); ANTONIO MÁRCIO TEXEIRA MARCHIONNI (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA)
Introdução: O ameloblastoma é um tumor odontogênico de origem epitelial, que surgem dos restos da lâmina
dentária, de um órgão do esmalte em desenvolvimento, do revestimento epitelial de um cisto odontogênico ou
das células basais da mucosa oral. O ameloblastoma é um tumor odontogênico que pode acometer a mandíbula
ou maxila, sendo mais comum em mandíbula. É de crescimento lento, localmente invasivo, que apresentam um
curso benigno na maior parte dos casos, mas podem ser malignos devido a sua progressiva disseminação de
modo a envolver estruturas vitais. O objetivo desse trabalho é relatar caso clinico do paciente, sexo masculino, 46
anos, melanoderma, onde procurou o serviço de Cirurgia e Traumatoloia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Geral
Roberto Santos/Escola Bahiana de Medicida e Saúde Pública, relatando aumento de volume em região posterior
de maxila há aproximadamente 2 anos, após a exodontia das unidades 25 e 26. Foi realizado a biópsia para confirmação do diagnóstico, o paciente foi submetido à ressecção cirúrgica para tratamento do caso. O paciente foi
acompanhado por quinze meses pós-cirurgia e não foi observado indícios de recidiva. O paciente não aceitou
realizar reabilitação óssea e protética.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
218
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
869 – CISTO EPIDERMOIDE EM ASSOALHO BUCAL – RELATO
DE CASO
Autores: CÍNTIA MIRANDA SANTOS (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA);BRUNNA SANTOS
BARRETO (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); VICTOR ARAÚJO BARBOSA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA); LUCAS SOUZA CERQUEIRA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE
PUBLICA); ADRIANO SILVA PEREZ (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PUBLICA)
Introdução: O cisto epidermoide da cavidade oral é uma malformação de desenvolvimento rara que se caracteriza
por apresentar epitélio semelhante à epiderme. Geralmente, é considerado como uma forma cística benigna de
teratoma, um tumor de desenvolvimento constituído pelos três folhetos germinativos: ectoderma, mesoderma
e endoderma. Apresenta maior prevalência em crianças e adultos jovens, sem predileção por gênero. Os cistos
epidermoides da cavidade oral geralmente se situam na linha média do assoalho bucal e, dependendo do seu
tamanho e localização em relação ao músculo gênio-hioide, podem causar elevação da língua, disfagia, disfonia
e comprometimento de vias aéreas. O objetivo deste trabalho é relatar o caso de um cisto epidermoide na cavidade oral em um paciente de 19 anos, com aumento de volume no assoalho de boca e região submentoniana,
que ocasionava dificuldades na fala e na alimentação. São ressaltadas as características clínicas da lesão, o uso
de tomografia computadorizada (TC) e ressonância magnética (RM) para determinação da extensão da lesão, e
a enucleação por acesso intra-oral como tratamento. O exame histopatológico confirmou o diagnóstico clínico
de cisto epidermoide. Uma vez que a lesão atinja um volume que comprometa as vias aéreas, é imperativo que o
tratamento cirúrgico seja instituído o mais breve possível. Após a enucleação, a recidiva é rara.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
219
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
870 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE OSTEOQUIMIONECROSE
MANDIBULAR ASSOCIADA AO USO DE ALEDRONATO DE SÓDIO:
RELATO DE CASO
Autores: NEY ROBSON BEZERRA RIBEIRO (*) (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL, FORTALEZA-CE, BRASIL);RENATO
LUÍZ MAIA NOGUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ, FORTALEZA-CE, BRASIL); LEONARDO DE FREITAS
SILVA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO); DIEGO SANTIAGO DE MENDONÇA
(HOSPITAL BATISTA MEMORIAL, FORTALEZA-CE, BRASIL); DIEGO MATOS SANTANA (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL, FORTALEZA-CE, BRASIL)
Introdução: A osteonecrose mandibular associada ao uso dos bisfosfonatos orais é uma condição rara, caracterizada pela exposição de osso necrótico na região dos maxilares de pacientes que utilizaram ou estão fazendo uso
de bisfosfonatos. Estes são análogos sintéticos não metabolizados do pirofosfato capazes de se incorporar em tecidos mineralizados e inibir a função dos osteoclastos. Devido aos seus efeitos potentes sobre a reabsorção óssea
osteoclásticas, os bisfosfonatos são amplamente utilizados no tratamento e / ou prevenção de doenças metabólicas ósseas caracterizadas por atividade osteoclástica aumentada, tal como a osteoporose. Apesar dos benefícios
relacionados ao uso desses medicamentos, a osteonecrose dos maxilares tem sido reconhecida como a principal
complicação associada à terapia oral com bisfosfonatos. Os principais sinais e sintomas clínicos presentes na
osteonecrose incluem dor, mobilidade dentária, edema, eritema e ulceração. Os fatores de riscos relacionados à
osteonecrose dos maxilares incluem o tempo de exposição ao bisfosfonato, à droga utilizada, a via de administração e procedimentos cirúrgicos odontológicos. O tratamento de pacientes com diagnóstico estabelecido de osteonecrose dos maxilares associada à bisfosfonato consiste na eliminação da dor, controle da infecção dos tecidos
duros e moles, e minimizar a progressão ou ocorrência da doença. A abordagem cirúrgica esta indicada somente
para pacientes em estágios avançados da doença. O presente trabalho tem por objetivo relatar um caso de uma
paciente de 75 anos, gênero feminino, leucoderma, em tratamento de osteoporose com aledronato de sódio há
mais de cinco anos, que se queixava de disfagia, dor e supuração após realização de exodontias.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
220
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
871 – CONDILECTOMIA TOTAL E OSTEOTOMIA VERTICAL
DO RAMO MANDIBULAR COM DESLIZAMENTO DO
COTO PROXIMAL COMO TRATAMENTO CIRÚRGICO DE
OSTEOCONDROMA: RELATO DE CASO
Autores: NEY ROBSON BEZERRA RIBEIRO (*) (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL, FORTALEZA-CE, BRASIL);RAIMUNDO NONATO MAIA (HOSPITAL INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA, FORTALEZA-CE, BRASIL); LEONARDO DE
FREITAS SILVA (UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO); VALTHIERRE NUNES LIMA
(UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO); DIEGO MATOS SANTANA (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL, FORTALEZA-CE, BRASIL)
Introdução: Osteocondroma caracteriza-se por uma proliferação óssea exofítica de etiologia incerta, sendo localizado principalmente no fêmur ou na tíbia. Na região craniomaxilofacial o osteocondroma ainda é considerado raro devido à maioria dos ossos serem de origem intramembranosa Na mandíbula, o côndilo e o processo
coronoide são os locais mais acometidos. O protocolo de tratamento ideal para o osteocondroma condilar ainda
continua controverso, dentre as formas de tratamento, a condilectomia total tem sido mais relatada na literatura. O objetivo deste trabalho é relatar o caso de um paciente portador de osteocondroma em região de côndilo
mandibular tratado através da condilectomia total, seguida da reconstrução imediata do côndilo. Esta última foi
realizada através da osteotomia vertical do ramo e deslizamento do segmento proximal em direção a cavidade
articular. No momento o paciente encontra-se em acompanhamento pós-operatório de um ano e trinta dias, sem
sinais de recidiva ou queixas funcionais e estéticas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
221
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
872 – EXTENSO ODONTOMA EM MANDÍBULA: RELATO DE
CASO
Autores: IGOR RAFAEL GOMES CAVALCANTE (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);WILTON
COSTA NETO (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); DANILO DE PAULA RIBEIRO BORGES (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); ALISSON DOS SANTOS ALMEIDA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); CARLOS ELIAS DE FREITAS (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: Odontomas são lesões hamartomatosas compostas por esmalte maduro, dentina e polpa, e pode ser
classificado como composto ou complexo, dependendo da extensão da morfodiferenciação ou na sua semelhança
com os dentes normais. Eles são os tumores odontogênicos benignos mais comuns, constituindo 22 % de todos
os tumores odontogênicos da mandíbula . Eles são frequentemente não- agressivo e de crescimento lento na
natureza, e geralmente são diagnosticados em exames radiológicos de rotina na segunda década de vida . Nós
relatamos o caso de uma Lesão grande, indolor, localizado em região posterior da mandíbula direita, associado a
falta de primeiro e segundo molares inferiores direito, onde o uso de um biomodelo nos proporcionou um menor
tempo cirúrgico e um planejamento adequado. O diagnóstico foi confirmado após a excisão cirúrgica e análise
histopatológica da lesão, onde o laudo foi conclusivo para odontoma composto e complexo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
222
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
875 – TRATAMENTO DE FIBROMA ODONTOGÊNICO CENTRAL
EM SÍNFISE MANDIBULAR: RELATO DE CASO
Autores: MANOEL ROQUE PARAISO SANTOS FILHO (*) (UNIVERSIDADE TIRADENTES);JOSÉ CARLOS PEREIRA
(UNIVERSIDADE TIRADENTES); RICARDO LUIZ CAVALCANTI ALBUQUERQUE JÚNIOR (UNIVERSIDADE TIRADENTES); TITO MARCEL LIMA SANTOS (UNIVERSIDADE TIRADENTES); ANTONIO DIONÍZIO DE ALBUQUERQUE NETO
(UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS)
Introdução: O objetivo deste trabalho é relatar um caso de paciente do gênero masculino, 15 anos, melanoderma,
apresentando aumento de volume em sínfise de mandíbula, assintomático, com 5,0 cm de diâmetro, e evolução
de aproximadamente um ano. Tomografia cone beam revelou imagem hipodensa unilocular, bem delimitada, estendendo-se da região do 73 ao 44,envolvendo as unidades 33 e 43 (inclusos) , provocando expansão vestibular.
Realizada a biópsia incisional, observou-se histologicamente a proliferação de epitélio odontogênico com a presença de ilhas em forma de ninhos, apresentando tecido mixoide e matriz de fibras colágenas finas, diagnóstico
foi Fibroma Odontogênico Central. O tratamento realizado do FOC é a cirurgia conservadora pela enucleação
da lesão, de modo que a sua taxa de recorrência é mínima, estando geralmente associada a remoção incompleta
da lesão. O reconhecimento de suas características clínicas e imaginológicas pode auxiliar no estabelecimento
do diagnóstico diferencial e da conduta terapêutica adequada, contribuindo para um melhor prognóstico dos
pacientes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
223
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
880 – LESÕES ORAIS E RELAÇÃO COM A CONTAGEM DE
LINFÓCITOS T CD4+
Autores: JULIO LEITE DE ARAUJO JUNIOR (*) (FACULDADE LEÃO SAMPAIO);DAVID GOMES DE ALENCARGONDIM (FACULDADE LEÃO SAMPAIO); FRANCISCO AURÉLIO LUCCHESI SANDRINI (FACULDADE
LEÃO SAMPAIO); EDUARDO FERNANDO CHAVES MORENO (FACULDADE LEÃO SAMPAIO); IVO CAVALCANTE PITA-NETO (FACULDADE LEÃO SAMPAIO)
Introdução: Algumas lesões bucais são frequentes em pacientes portadores do HIV, em que se torna importante
que o cirurgião-dentista tenha conhecimento destas manifestações que podem levar a suspeita da presença do
vírus. Objetivo: realizar uma revista de literatura das principais manifestações bucais dos pacientes portadores de
HIV, abordando a análise do marcador laboratorial, o qual é a contagem de linfócitos T CD4, dentro da avaliação
da progressão da doença e a associação direta com o surgimento de manifestações na cavidade bucal. Material: As
lesões mais encontradas são causadas por infecções oportunistas fúngicas e virais, e processos neoplásicos. Dentre as doenças citadas neste trabalho compreendem a candidíase, leucoplasia pilosa, Herpes Simples, Sarcoma
de Kaposi dentre outros. Conclusão: Pode-se concluir a necessidade de acompanhamento da contagem de CD4,
junto ao infectologista, como exame que detecta a progressão da doença e prevê o surgimento de manifestações
das doenças oportunistas, assim como a avaliação da efetividade do tratamento realizado com drogas anti-retrovirais. Descritores: HIV; linfócitos T CD4-positivos; doenças da boca
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
224
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
892 – COLGAJO DE MÚSCULO TEMPORAL - SU UTILIDAD
RECONSTRUCTIVA EN CIRUGÍA ONCOLÓGICA DE CAVIDAD
ORAL
Autores: SEBASTIAN BERRHAU (*) (FACULTAD DE CIENCIAS MEDICAS UNLP - CATEDRA DE CIRUGIA A);MAURICIO JACIANSKY (INSTITUTO DE ONCOLOGÍA ROFFO); MARTIN VIZCARRA (PRACTICA PRIVADA); SEBASTIAN
CARELLA (PRACTICA PRIVADA); CARLOS RIES CENTENO (UNIVERSIDAD DEL SALVADOR)
Introdução: La resolución de los defectos de tamaño mediano o mayores resultantes de cirugías resectivas por
cáncer de cavidad oral puede ser compleja. Actualmente se cuenta con procedimientos microquirúrgicos reconstructivos que brindan apropiados resultados tanto funcionales como estéticos en el tratamiento de estos defectos. El colgajo de músculo temporal es un recurso válido ante la inconveniencia de realizar reconstrucciones
microquirúrgicas. Este colgajo consigue el cierre primario del defecto, logra una estética razonable, preserva una
adecuada función fonatoria y deglutoria, da soporte a rehabilitaciones protésicas y sus resultados son predecibles
a largo plazo. La técnica de elevación es sencilla en comparación a otros colgajos, el aporte vascular es confiable
y la localización en proximidad al área maxilofacial muestra practicidad en la tarea reconstructiva. En el presente
trabajo, basado sobre la experiencia adquirida en más de 60 casos, se resumen sus principios anatómicos, presentan sus indicaciones y contraindicaciones, ventajas y desventajas y se describe su técnica quirúrgica mediante
ejemplificación con casos clínicos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
225
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
896 – ABORDAGEM ESTÉTICA PARA DISPLASIA FIBROSA
CRANIOFACIAL-RELATO DE CASO
Autores: JULIO LEITE DE ARAUJO JUNIOR (*) (FACULDADE LEÃO SAMPIO);JÉFERSON MARTINS PEREIRA LUCENA FRANCO (FACULDADE LEÃO SAMPIO); EDUARDO COSTA STUDART SOARES (FACULDADE LEÃO SAMPIO);
ROMILDO JOSÉ SIQUEIRA BRINGEL (FACULDADE LEÃO SAMPIO); IVO CAVALCANTE PITA NETO (FACULDADE
LEÃO SAMPIO)
Introdução: A Displasia Fibrosa é uma doença que geralmente acomete mulheres jovens de caráter benigno rara,
assintomática de crescimento lente promovendo substituição do tecido óssea por tecido conjuntivo amorfo, promovendo deformação óssea, podendo invadir e provocar compressão de estruturas nobres. Objetivo: Apresentar um caso clinico de Displasia Fibrosa Crâniofacial, enfatizando o diagnóstico e tratamento através do acesso
intra-oral. Material e Método: Trata-se do relato de caso da paciente I. S. M, 21 anos de idade, sexo feminino,
feoderma, normossistêmica que procurou o serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial em Juazeiro do Norte – CE
com história de aos 8 anos de idade ter se submetido a cirurgia para displasia fibrosa maxilar esquerda, ciente
da possibilidade de recidiva. Apresentava queixa de aumento e volume facial. Ao exame clínico observou-se aumento de volume maxilar, duro a palpação com pele e mucosa de recobrimento de aspecto normal sem expansão
palatina, desvio da linha média facial e dental maxilar. Resultado: Realizada biópsia com laudo histopatológico
foi revelada displasia fibrosa corroborando com achados clínicos-imaginológicos. Foi realizado procedimento por
acesso intra-oral desgastando a lesão recontornando a face, baseado na prototipagem da paciente, sendo adicionado rinoplastia reparadora. Observou-se excelentes resultados estéticos na técnica cirúrgica com inexistência de
cicatrizes faciais. A paciente permanecerá acompanhada no pós-operatório para identificação de recidiva. Descritores: Maxila, Displasia Fibrosa, Técnica cirúrgica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
226
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
898 – REMOÇÃO DE OSTEOMA EM ARCO ZIGOMÁTICO
Autores: LUIDE MICHAEL RODRIGUES FRANÇA MARINHO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI);CARLOS
EDUARDO MENDONÇA BATISTA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); WALTER LEAL DE MOURA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI); ALAN LEANDRO CARVALHO DE FARIAS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI);
Introdução: Os osteomas são por definição lesões osteogênicas benignas que crescem devido à proliferação de
osso compacto maduro ou de osso medular. Estes são divididos em três grupos: periférico, central e extra-esquelético. Os osteomas são comumente encontrados na placa cortical dos ossos longos, contudo, também podem
afetar a região maxilofacial. Estas lesões podem surgir na superfície do osso como uma massa polipoide ou séssil,
ou podem ser localizados no osso medular. Geralmente, são detectados em adultos jovens e caracterizam-se por
serem lesões solitárias, assintomáticas e de crescimento lento; contudo, podem crescer excessivamente causando
assimetrias faciais e severas disfunções. Radiograficamente, os osteomas caracterizam-se por uma massa esclerótica bem circunscrita. O tratamento para os osteomas de pequeno porte, que não causem nenhuma alteração
funcional ou estética, consiste somente na proservação, com avaliações clínico-radiográficas periódicas. Lesões
que alcancem grandes dimensões, provocando déficits funcionais e prejuízos estéticos devem ser tratados cirurgicamente através de excisão destes. Os osteomas são totalmente benignos, não apresentando risco de malignização e recidivas, após sua total remoção. As localizações mais comuns nos ossos gnáticos são a região de côndilo
e corpo mandibular; contudo, os osteomas podem afetar outras regiões, como já foi relatado na literatura: canal
auditivo, placa pterigoidea, osso temporal, seios paranasais e arco zigomático. Este trabalho tem por objetivo
relatar o caso do paciente R.N.F.F que compareceu ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do
Hospital universitário de Teresina (HU-UFPI) , queixando-se de um aumento de volume na região de terço médio, lado esquerdo, mais especificamente na porção do arco zigomático, acompanhada de dor e limitação dos
movimentos mandibulares. Durante a avaliação inicial o paciente relatou que a lesão tinha o tempo de evolução
de aproximadamente 01 ano e que este crescimento se deu de maneira lenta e gradual. Após exame físico e de
imagem, constatou-se a presença de uma massa polipoide em arco zigomático esquerdo com padrão de crescimento látero-inferior. O paciente foi submetido à procedimento cirúrgico para remoção da massa tumoral óssea
e fora realizada uma plastia, seguida de instalação de uma placa do sistema 1.5mm na região do arco zigomático
para devolução do contorno e promoção de estabilidade dos cotos ósseos. A análise histopatológica revelou ser
uma lesão benigna composta de osso cortical, com pequenas áreas de osso medular, compatível com osteoma. O
pós-operatório tem apontado para um resultado satisfatório com bom contorno da região, sem assismetria facial,
ausência de dor aos movimentos mandibulares e sem limitações funcionais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
227
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Patologia oral e maxilo-facial
900 – FIBROMA OSSIFICANTE JUVENIL DE GRANDES
PROPORÇÕES: RELATO DE CASO
Autores: GUILHERME CÂNDIDO DO ESPÍRITO SANTO ROCHA (*) (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE
MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO);MARCELO MINHARRO CECCHETTI (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA
FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO); FLAVIO WELLINGTON DA SILVA FERRAZ (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO); MARIA PAULA SIQUEIRA
MELO PERES (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO);
ANDRÉ CAROLI ROCHA (HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO
PAULO)
Introdução: O fibroma ossificante juvenil é diferenciado do convencional principalmente devido a idade dos pacientes acometidos, local de aparecimento e ao comportamento clínico do mesmo, sem predileção por gênero. Na
maior parte dos casos são observados crescimento lento, circunscrito, sem continuidade óssea. Radiograficamente apresenta-se como uma lesão radiotransparente, bem delimitada com possíveis radiopacidades centrais, sendo
comumente encontrados na maxila, gerando assim um velamento do seiomaxilar quando este está acometido.
Ocorre com idades variadas desde os seis meses até os setenta anos de idade. Podem ser encontrados tanto na
maxila quanto na mandíbula, mas com predileção principal pela maxila, os quais são encontrados por exames
de imagem de rotina ou quando estes causam extensa expansão da cortical óssea gerando assimetrias faciais.
Existem complicações secundárias advindas desse crescimento que estão relacionadas com o comprometimento
de estruturas anatômicas adjacentes como: invasão de cavidades orbitárias, nasais, cranianas. Clinicamente demonstradas através de obstruções nasais, exoftalmias, proptoses, amauroses. Seu tratamento é variável, a depender de sua agressividade e extensão. A maioria apresenta crescimento lento e progressivo, porém alguns podem
se apresentar agressivos. Para lesões menores opta-se por uma abordagem simples e curetagem local. Já para lesões de grande monta com crescimento rápido, opta-se por ressecções amplas. Seu índice de recidiva varia de 30%
a 58%, não sendo descritas transformações malignas. O objetivo deste trabalho é relatar um caso de uma criança
do gênero masculino, 8 anos de idade, encaminhada da médica pediatra com queixa de aumento de volume
progressivo em região de terço médio de face a direita. Foi submetido em serviço externo a dois procedimentos
de plastia óssea sem melhora relevante na assimetria facial, comparecendo com laudo anatomopatológico e diagnóstico de fibroma ossificante juvenil. Ao exame físico extra oral apresentava assimetria facial devido aumento
de volume em região de terço médio de face a direita, exoftalmia de olho direito, acuidade visual preservada. Ao
exame físico intra oral apresentava abaulamento em palato duro a direita, deslocamento anterior dos elementos
dentários do primeiro quadrante, apagamento do fundo de vestíbulo a direita, mucosas normocoradas. Em tomografia de face apresentava expansão das corticais ósseas de aspecto misto comprometendo soalho orbitaria a
direita. Foi submetido à maxilectomia através do acesso de weber-fergusson e reconstrução do soalho de órbita
com enxerto de ilíaco. Encontra-se em pós operatório de um ano com função ocular preservada e ausência de
recidiva da lesão até o momento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
228
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Ronco e apnéia do sono
35 – AVANÇO BIMAXILAR EM PACIENTES PORTADORES DA
SÍNDROME DA APNEIA/HIPOPNEIA OBSTRUTIVA DO SONO
(SAHOS)
Autores: VINÍCIUS RIO VERDE MELO MUNIZ (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL
DA BAHIA);RAFAEL FERNANDES DE ALMEIDA NERI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA); THIAGO FELIPPE OLIVEIRA MACÊDO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DA BAHIA); ARLEI CERQUEIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA
BAHIA); WEBER CEO CAVALCANTI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA)
Introdução: A Síndrome da apneia/hipopneia obstrutiva do sono (SAHOS) é uma condição potencialmente fatal
que é caracterizada pelo colapso repetitivo da via aérea superior durante o sono. A polissonografia, um exame
multiparamétrico, continua sendo o exame padrão ouro para identificação da SAHOS e seu grau de severidade.
Diversas modalidades de tratamento estão disponíveis para estes pacientes, incluindo mudança de hábitos (posição do sono, diminuição do consumo de álcool e drogas com efeitos sedativos, perda de peso, dentre outros)
, pressão aérea positiva contínua, cirurgia de tecidos moles e cirurgia ortognatia. O avanço maxilo-mandibular
(AMM) é atualmente a técnica cirúrgica mais eficaz para o tratamento da SAHOS em adultos, pois amplia o espaço aéreo superior, expandindo as estruturas anexas de tecidos moles da faringe e língua, resultando na redução
do colapso faríngeo durante a pressão negativa resultante dos movimentos inspiratórios. No entanto, alguns
autores têm questionado a indicação generalizada do AMM devido à falta de dados multicêntricos e o potencial
aumento da morbidade. Portanto, o objetivo deste trabalho é apresentar um relato de caso clínico de um paciente portador de deformidade dentofacial em associação à SAHOS e hipertensão arterial sistêmica (HAS) que
foi submetido ao procedimento de AMM e discutir, brevemente, o que a literatura atual discursa sobre o tema
apresentado. Como resultado, foi possível observar um grande aumento de vias aéreas superiores no sentido
anteroposterior, após análise comparativa entre as radiografias cefalométricas de perfil pré e pós-operatórias,
além de apresentar resolução do quadro de HAS e melhora dos resultados polissonográficos, comprovando que
esta modalidade de tratamento é eficaz no tratamento da SAHOS quando bem indicada. Descritores: Cirurgia
ortognatia, Apneia, Polissonografia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
229
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Ronco e apnéia do sono
328 – TRATAMENTO DE APNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO POR
AVANÇO BIMAXILAR
Autores: ANDRÉ COELHO LOPES (*) (HOSPITAL POLICLIN);MARCELO MAROTTA ARAÚJO (HOSPITAL POLICLIN);
ANTENOR ARAÚJO (HOSPITAL POLICLIN); KAYO COSTA ALVES (HOSPITAL POLICLIN); IVAN JOSÉ MOREIRA DE
OLIVEIRA (HOSPITAL POLICLIN)
Introdução: A síndrome da apnéia obstrutiva do sono consiste em uma desordem comum em que ocorre um
colapso parcial ou total das vias aéreas na faringe durante o sono, apresentando grande potencial de causar consequências fisiológicas ao indivíduo, o que será proporcional ao número de eventos de apnéia por hora durante
o sono. Tal distúrbio respiratório traz consigo sintomas como disfunçãoo cognitiva, fadiga, sono durante o dia,
dificuldade de concentraçãoo, irritabilidade, depressão, podendo evoluir para problemas no trabalho e sociais.
Complicações sistémicas também podem ocorrer, como hipertensão, arritmia cardíaca, hipertensão pulmonar,
infarto e até morte. Tais complicações têm chamado atenção devido ao sério potencial de consequências fisiológicas aos portadores de síndrome da apnéia obstrutiva do sono. O diagnóstico é realizado por um exame físico com
uma anamnese detalhada em conjunto com exames de imagem e com uma polissonografia. O tratamento depende dos resultados dos exames de diagnóstico, em fases menos severas o tratamento consiste em apenas acompanhamento que envolve melhora na dieta, perda de peso e inclusão de exercícios físicos. O tratamento cirúrgico
é indicado quando não ocorre sucesso no conservador ou quando o paciente é anatomicamente comprometido
com espaços aéreos comprimidos. Em casos cirúrgicos o avanço bimaxilar é indicado. O principal objetivo deste
trabalho é realizar uma revisão literária e apresentar um caso clinico de um paciente R.M de 45 anos do gênero
masculino queixando-se de dificuldade respiratória e de dormir. O diagnostico de Síndrome de apnéia obstrutiva
do sono foi realizado por uma anamneses, exame físico, radiografias e polissonagrafia. O tratamento proposto foi
avanço cirúrgico de maxila e mandibula com um pós-operatório de 6 meses.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
230
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
11 – POLITRAUMA DE FACE RELATO CLÍNICO DE CASO
COMPLEXO
Autores: RONALDO DA SILVA LEMES (*) (RESIDÊNCIA HOSPITALAR DE BUCOMAXILOFACIAL DA SANTA CASA
DE MISERICORDIA DE PELOTAS);RONALDO DA SILVA LEMES (RESIDÊNCIA HOSPITALAR DE BUCOMAXILOFACIAL SANTA CASA DE MISERICORDIA DE PELOTAS); CLAUDEMIR APARECIDO GIRONDI (RESIDÊNCIA HOSPITALAR DE BUCOMAXILOFACIAL SANTA CASA DE MISERICORDIA DE PELOTAS); TIAGO PRESTES ALMEIDA (RESIDÊNCIA HOSPITALAR DE BUCOMAXILOFACIAL SANTA CASA DE MISERICORDIA DE PELOTAS); BIANCA JAQUES
LEMES (RESIDÊNCIA HOSPITALAR DE BUCOMAXILOFACIAL SANTA CASA DE MISERICORDIA DE PELOTAS)
Introdução: Politrauma de face, relato de caso clinico complexo O plolitrauma de face deve ser observado como uma entidade de grande importância na cirurgia Bucomaxiliofacial devido a sua gravidade ao paciente e a sua complexidade de
tratamento. No Relato de caso o paciente JLGF, de entrada no serviço de traumatologia bucomaxilofacial do Hospital
Santa Casa de Misericórdia de Pelotas (HSCMP) , transferido de outro setor do mesmo hospital, anteriormente recebera atendimento na unidade de Pronto Socorro de outro hospital. Quando do início de nosso atendimento já havia
se passado 14 dias do trauma facial, visualmente o pacientes apresentava pequenas lacerações e abrações de pele já em
avançado processo de cicatrização, uma considerável assimetria de facial e um hematoma orbital bilateral, sinais que
poderiam ser compatível com um trauma de baixa gravidade, no entrando ao ser interrogado e examinado clinicamente o paciente se queixava de uma intensa dor de cabeça, diplopia, tinha dificuldade de fala, deglutição e de realizar qualquer movimento mandibular, apresentava mobilidade do processo alveolar da maxila, crepitação a palpação do terço
médio da face, bem como uma oclusão anormal com contatos prematuros posteriores, sinais e sintomas que sugeriam
um trauma de maior gravidade. Entre os exames complementares de imagens disponíveis (RX, tomografia e tomografia computadorizada) se optou pela tomografia computadorizada com uma reconstrução 3D pois após exame clinico
já se esperava um quadro severo de politraumatimos; Através da tomografia com reconstrução foi possível identificar
14 fragmentos distinguíveis dos ossos da face, sendo acometido de fratura: a mandibular, os ossos maxilares de forma
cominutiva, os ossos nasais, os ossos zigomaticos, ambos arcos zigomáticos, além de fratura do septo nasal. Como não
havia fraturas na cavidade craniana a o anestesista fez a opção de intubação por via nasal, pela narina esquerda, uma
vez que os fragmento envolvendo essa narina tinham menor deslocamento; Após intubação o foi utilizado PVPI para
degermar a pele do paciente seguido de aposição de campos cirúrgicos e da confecção do bloqueio intermaxilar com uso
de barra de Herich. Tendo em vista a grande cominuidade dos ossos acometidos e a dificuldade de se expor, reduzir e
fixar todos os fragmentos optou-se por uma abordagem mais conservadora, com o objetivo de: reduzir e fixar o maior
número de fraturas trabalhando com pequenas incisões diminuindo o tempo cirúrgico e evitando o descolamento de
pequenos fragmentos; garantir uma correta e estável oclusão bem como movimentos mandibulares sem interferências; eliminar as queixas do paciente relativo as dores de cabeça e face além da dor ao mastigar e falar; eliminar a assimetria facial e diplopia. Com o uso de pequenas incisões os objetivos foram amplamente alcançados, restando apenas
uma pequena assimetria facial, que levando a gravidade e complexidade do caso foi julgada como satisfatória
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
231
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
19 – FRATURAS DAS PLACAS DE RECONSTRUÇÃO
MANDIBULAR: ETIOLOGIA E ANÁLISE MICROESTRUTURAL
Autores: CAIO CEZAR REBOUÇAS E CERQUEIRA (*) (HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL);EVERTON
LUIS SANTOS DA ROSA (HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL);
Introdução: O objetivo deste trabalho foi analisar a etiologia e biomecânica do sistema de fixação de placas 2,4
utilizadas em pacientes submetidos a reconstrução mandibular. Além disso, demonstrar pontos de nucleação de
trinca e observar se o biótipo do paciente, localização do defeito e do tipo de fixação tem influência sobre a fratura
placas. Este é um estudo retrospectivo, que procedeu-se no Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial
do Hospital de Base do Distrito Federal, entre os anos de 2003 e 2014. Foram incluídos todos os pacientes submetidos a reconstrução mandibular utilizando placas 2,4 placas, em um total de 30 pacientes. Deste montante, 3
pacientes (placas 01, 02 e 03) apresentaram fraturas das placas. Duas dessas placas fraturadas foram submetidos
a seis análises laboratoriais: macrofoto, estereomicroscopia, microscopia óptica, microscopia eletrônica, teste de
difração e teste de microdureza de Vickers. A terceira placa foi analisada apenas por microscopia eletrônica. Através da análise foi possível identificar pontos de nucleação de trinca, o que indica que a falha mecânica ocorreu
devido a fadiga, o estresse devido às dobras e à carga cíclica a que foram submetidos os hardwares. Portanto, as
placas fraturaram por carga cíclica e fadiga. Um rosto braquicefálico pode ter influência no processo devido ás
maiores forças musculares envolvidas. A localização do defeito mais problemático foi o ângulo mandibular. A fixação utilizada neste estudo tem grande taxa de sucesso (90%) em comparação com as outras opções geralmente
aplicadas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
232
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
37 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE FRATURA COMINUTIVA DE
MANDÍBULA ASSOCIADO COM ENXERTO AUTÓGENO - RELATO
DE CASO
Autores: EDSON LUIZ CETIRA FILHO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ);ARIEL VALENTE BEZERRA
(INSTITUTO DOUTOR JOSÉ FROTA); PHELYPE MAIA ARAÚJO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); MANOEL
DE JESUS RODRIGUES MELLO (INSTITUTO DOUTOR JOSÉ FROTA); RICARDO FRANKLIN GONDIM (INSTITUTO
DOUTOR JOSÉ FROTA)
Introdução: O presente trabalho tem por objetivo relatar o tratamento cirúrgico de um paciente vítima de acidente motociclístico com remoção de lesão fibroóssea e reconstrução com osso autógeno. Dentre as fraturas que
acometem o esqueleto facial, as fraturas de mandíbula destacam-se devido à sua alta frequência, cerca de 45%
segundo a Literatura, e limitações causadas ao paciente, como dor, parestesia, limitação de abertura bucal e má
oclusão. Algumas condições patológicas ósseas podem favorecer determinadas fraturas. As lesões fibro-ósseas
têm por característica a substituição de tecido ósseo sadio em tecido conjuntivo fibroso. Dentre as formas de tratamento para lesões fibro-ósseas dos maxilares, a ressecção cirúrgica é uma das opções que pode ser utilizada. E,
quando o trauma está associado com estes tipos de lesões, a tendência é gerar áreas maiores de defeitos ósseos,
requerendo o uso de artifícios que promovam um melhor prognóstico ao paciente, como o uso de autoenxertos,
como uma porção da crista do osso ilíaco. O paciente do gênero masculino, 21 anos de idade, foi levado a um hospital da cidade de Fortaleza após acidente motociclístico. Ao ser avaliado no serviço de Cirurgia e Traumatologia
Buco-Maxilo-Faciais, apresentou ao exame clínico mobilidade entre segmentos ósseos da mandíbula, edema facial do lado direito e equimose submandibular no lado direito. Relatou parestesia do lado direito inferiormente e
dor à manipulação óssea. Após exames clínico e imaginológico foi dado o diagnóstico de fratura de corpo mandibular direito associado à lesão de aspecto difuso e radiolúcido. Biópsia incisional foi realizada em que se obteve o
diagnóstico histopatológico de lesão fibroóssea benigna em mandíbula. O paciente foi submetido à cirurgia para
tratamento de fratura de mandíbula, remoção da lesão fibro-óssea e a reconstrução mandibular com placas do
sistema 2.4 mm lock. Biópsia excisional foi realizada, ratificando o diagnóstico inicial. Após 2 meses, foi utilizado
enxerto autógeno do osso ilíaco, instalando-o à região de loja cirúrgica relacionada com a ressecção da lesão citada, sendo mantida a reconstrução com placas do sistema 2.4 mm. Após 10 meses de pós-operatório, o paciente
encontra-se em fase de tratamento para reabilitação com prótese implantossuportada.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
233
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
41 – UTILIZAÇÃO DE PRÓTESE PERSONALIZADA DE
METILMETACRILATO E TELA DE TITÂNIO EM SEQUELA DE
FRATURA DO OSSO FRONTAL.
Autores: PEDRO HENRIQUE DA HORA SALES (*) (HOSPITAL INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA - IJF);DIEGO FEIJÃO
ABRE (HOSPITAL INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA - IJF); VINÍCIUS GABRIEL BARROS FLORENTINO (HOSPITAL INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA - IJF); MANOEL DE JESUS RODRIGUES MELLO (HOSPITAL INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA
- IJF); CARLOS VINÍCIUS MELO DA MOTA (HOSPITAL INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA - IJF)
Introdução: Os acidentes automobilísticos estão entre as causas mais comuns de fraturas faciais. Esses traumas
podem variar desde pequenas fraturas a traumas de alta energia ocasionando fraturas complexas ou deformações nos ossos faciais. As fraturas do osso frontal são fraturas pouco comuns no esqueleto facial mas quando
ocorrem geralmente necessitam de cirurgia aberta para redução e fixação o que geralmente envolve um alto custo
hospitalar e uma equipe multidisciplinar. Proposição: apresentar uma caso clínico de reconstrução de fratura
do osso frontal com prótese de metilmetacrilato e tela de titânio. Relato do Caso: Paciente W.A.M, 21 anos de
idade, gênero masculino, vitima de acidente automobilístico com trauma crânio-facial, atendido pela Cirurgia e
Traumatologia Buco-maxilo-facial portando sequela do trauma. A anamnese e o exame físico foi identificado um
defeito ósseo extenso em região frontal médio-lateral à esquerda, com destruição do pilar fronto-zigomático,
rebordo e teto supra-orbitário, glabela e pilar fronto-nasal. um exame tomográfico especifico foi realizado para a
confecção de um modelo tridimensional como parte do plano de tratamento. Para preenchimento do defeito foi
utilizada uma malha de titânio do sistema de 1,5 mm, para permitir a modelagem sobre o protótipo. Seguiu-se
a isto, o preenchimento do defeito com metilmetacrilato. O acesso coronal seguiu sobre esta cicatriz e permitiu
a visualização de toda a extensão da fratura, incluindo os contornos da órbita e os pilares a serem reconstruídos.
Seguiu-se a instalação da prótese com osteossíntese da malha de titânio utilizando parafusos do sistema de 1,5
mm.. Suturas suspensórias no pericrânio e músculo frontal foram realizadas. Um dreno de sucção foi instalado
e permaneceu por 48 horas. O retalho foi aproximado por primeira intenção com Vicryl 3-0 e a pele suturada
com pontos simples interrompidos de Nylon 3-0 monofilamentar. O paciente encontra-se no sexto mês pós-operatório e cursa assintomático, sem sinais flogísticos, sem complicações associadas à cirurgia até o momento.
Considerações finais: pacientes com sequela de trauma na área crânio-facial podem ser um verdadeiro desafio cirúrgico para a reconstrução. A utilização de biomodelos e imagens tridimensionais de alta qualidade, bem como a
presença de um equipe multidisciplinar são essenciais para a obtençãoo do melhor resultado estético e funcional
possível.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
234
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
54 – COMPLICAÇÃO EM RECONSTRUÇÃO ORBITÁRIA. RELATO
DE CASO.
Autores: EDUARDO SOUZA ABDUCH RODRIGUES (*) (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE
PELOTAS);PEDRO HENRIQUE DE AZAMBUJA CARVALHO (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL
DE PELOTAS); LETÍCIA KIRST POST (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS); MARCOS
ANTÔNIO TORRIANI (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS); OTACÍLIO LUIZ CHAGAS
JÚNIOR (HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS)
Introdução: As fraturas de órbita costumam ser de alta complexidade, devido às questões funcionais, relacionadas à mobilidade do globo ocular e acuidade visual, assim como repercussões estéticas, devido às alterações em
tecidos moles que circundam a órbita. Essas fraturas podem causar distopia, enoftalmia, exoftalmia, diplopia,
distúrbios sensoriais, e ainda cegueira traumática (amaurose) em virtude da agressão ao nervo óptico ou canal
óptico. Os principais fatores etiológicos dos traumas faciais são acidentes automobilísticos, agressão física, acidentes em práticas desportivas, quedas, e ferimentos por arma de fogo. As fraturas de órbita podem ser do tipo
“blow-out” ou “blow-in”, que significam a explosão do assoalho para o interior do seio maxilar ou para dentro
da própria cavidade orbital, levando a uma difícil previsão da projeção correta do globo ocular a ser estabelecida
no ato cirúrgico. O diagnóstico de fratura orbitária é feito com um adequado exame clínico e de imagem para
averiguar o grau e tipo de fratura. O tratamento necessita um planejamento detalhado, avaliando a necessidade
do uso de malha de titânio e sistema de placas e parafusos, para uma boa redução e fixação da fratura, e também
para que se possa devolver o volume adequado da órbita, existem diversos materiais para mimetizar a anatomia
orbitária e devolver função e estética, mas sua escolha é controversa. O tempo de reconstrução orbital é um
dos fatores determinantes no que diz respeito à incidência de possíveis complicações pós-operatórias, devido
a alterações nos tecidos moles envolvidos. Este trabalho visa apresentar um caso clínico de um paciente vítima
de acidente automobilístico, atendido no Pronto Socorro Municipal de Pelotas/RS pela equipe de Residência em
Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial da UFPel, o qual apresentava fratura complexa do terço médio de
face, e foi submetido a duas intervenções cirúrgicas: a primeira com redução e fixação dos fragmentos ósseos,
através de acesso coronal, infra-orbitário e intra-oral; uma segunda intervenção para restabelecer o volume e o
contorno adequado da cavidade orbitária. Esta última intervenção foi planejada utilizando, além de tomografia
computadorizada, um biomodelo, o qual foi encerado no intuído de prever as movimentações ósseas necessárias
para alcançar o objetivo. Pode-se concluir que as fraturas orbitárias configuram-se em um grande desafio para o
Cirurgião Buco-Maxilo-Facial, muitas vezes havendo a necessidade de procedimentos complementares.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
235
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
60 – TRATAMENTO DAS FRATURAS DE CÔNDILO MANDIBULAR:
REVISÃO DE LITERATURA
Autores: JEAN SERGIO DA SILVA (*) (FACSETE/ICOS);ANTONIO EUGENIO MAGNABOSCO NETO (FACSETE/
ICOS); AUGUSTO GEWEHR CAMILOTTI (FACSETE/ICOS); MARCELLO CREMA ALBERTON (FACSETE/ICOS); RAFAEL EVARISTO FERREIRA DOS SANTOS (FACSETE/ICOS)
Introdução: As fraturas de côndilo mandibular despertam grande interesse por parte dos pesquisadores e profissionais da área, por ainda não existir um consenso quanto à melhor forma de tratamento. Fraturas de côndilo podem ser gerenciados com tratamento conservador (incruenta) , ou seja, sem tratamento, fisioterapia, aparelhos
ortopédicos ou redução fechada. Já o tratamento aberto (cruento) inclui a fixação rígida interna, com colocação
de placa e parafusos. O propósito deste trabalho foi analisar, através de uma revisão bibliográfica, a comparação
das duas formas de tratamento para as fraturas de côndilo mandibular. Os procedimentos cirúrgicos devem ser
indicados em pacientes com má oclusão importante e persistente, deslocamento da cavidade glenoide, angulação
da cabeça superior a 45º e ausência de contato ósseo e presença de corpo estranho intracapsular. Palavras-chave:
Côndilo Mandibular. Fraturas Mandibulares. Fratura de Côndilo
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
236
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
86 – FRATURA DE MANDÍBULA CAUSADA POR PROJÉTIL NÃO
LETAL: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: KAOHANA THAIS DA SILVA (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ);ELEONOR ÁLVARO
GARBIN JÚNIOR (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ); NATASHA MAGRO ÉRNICA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ); LARISSA NICOLE PASQUALOTTO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE
DO PARANÁ); BRUNA DE REZENDE MARINS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ)
Introdução: As armas de fogo são amplamente associadas a lesões corporais, homicídios e suicídios. Utilizadas pelas forças policiais em todo o mundo, potencialmente podem provocar lesões caracterizadas por extensa destruição tecidual, cujo tratamento é complexo e costuma requerer grandes reconstruções. Na tentativa de
controlar situações de agitação social, manifestações, tumultos ou depredações sem, contudo, matar ou ferir
gravemente os participantes, a polícia vem utilizando armas com munição não letal. Atualmente, a munição
não letal mais utilizada em conflitos diretos pela policia é o projétil de borracha, com o principal de deter um
oponente sem causar-lhe lesões que necessitem de cuidados médicos especiais ou decorram em debilidade ou
dano permanente. Entretanto, vale ressaltar que esses projéteis podem, quando não manuseados corretamente,
causar grandes lesões e, inclusive, levar a óbito, a depender do peso corporal e da região do corpo atingida. Por
esse motivo, o alvo deve ser, principalmente, os membros inferiores, evitando-se, sobretudo, o ventre e a cabeça.
Relato de Caso: P.P.D., 43 anos, foi admitido no pronto socorro do Hospital Universitário do Oeste do Paraná,
vítima de ferimento por projétil não letal de arma de fogo, apresentando extensa lesão corto-contusa em face
transfixante para cavidade oral e fratura de corpo mandibular direito e ângulo mandibular esquerdo. Necessitou
receber tratamento imediato para fixação interna rígida da fratura e sutura da lesão. Conclusão: O uso de armas
munidas por projéteis não letais podem resultar em lesões potencialmente graves, quando negligenciadas as
regras de segurança em seu uso.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
237
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
105 – REDUÇÃO CRUENTA DE FRATURA DE PAREDE ANTERIOR
DE OSSO FRONTAL COM ACESSO BICORONAL: RELATO DE
CASO CLINICO
Autores: LARISSA NICOLE PASQUALOTTO (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ);RICARDO AUGUSTO CONCI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ); NATASHA MAGRO ÉRNICA (UNIVERSIDADE
ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ); GERALDO LUIS GRIZA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ);
CARLA SALVI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ)
Introdução:O osso frontal é localizado no neurocrânio,articulando-se com os ossos da face através das suturas
frontomaxilares, frontozigomáticas e frontonasais.A parede anterior tem resistência baixa às forças de impacto,
porém é protegida, de alguma forma, pelo contorno supraorbitário, mais proeminente e necessita de traumas
de alta energia para que ocorra a fratura. O seio frontal está intimamente associado ao teto da órbita, seios
etmoidais, nariz e fossa cerebral anterior, estando ausente em aproximadamente 4% da população. 5 a 15% da
incidência de todas as fraturas de face são fraturas de osso frontal,sendo destacados os acidentes por veículos
automotores, agressões e quedas como principais etiologias. Normalmente estão associadas às fraturas de terço
médio da face, principalmente as do complexo Naso-Orbito-Etmoidal e as do Complexo Zigomático.As intervenções nos casos de fratura de osso frontal são indicadas para evitar complicações imediatas de curto e médio
prazo, como extravasamento de líquido cefalorraquidiano, meningite e transmissão de infecção, além de evitar
complicações em longo prazo, tais como osteomielite, sinusite crônica, mucocele, abcesso cerebral e restauração
do contorno estético adequado.Existem três opções fundamentais para a resolução das fraturas de Osso Frontal:
tratamento não-cirúrgico; cirúrgico conservador e cirúrgico aberto. Em casos que necessita grande exposição da
região orbital, frontal e/ou nasal, o acesso bicoronal é bem empregado e aceito, porém comprometimentos estéticos podem surgir em pacientes com alopécia. RELATO DE CASO: Paciente do gênero masculino, 18 anos, vítima
de agressão física, com diagnóstico de fratura de parede anterior do Osso Frontal do lado esquerdo, apresentando comprometimento estético. Ao exame tomográfico, verificou-se fratura isolada da parede anterior do Osso
Frontal. O acesso de escolha para o tratamento foi o bicoronal. No pós-operatório imediato, observou-se melhora
significativa no contorno da parede anterior do Osso Frontal, o qual apresentava uma depressão pré-operatória
importante.CONCLUSÕES:A melhor ocasião para redução das fraturas de frontal depende de fatores como a
gravidade e extensão da lesão e de um exame físico completo do paciente. O procedimento deve sempre ser o
menos invasivo possível, executando sempre a exploração e limpeza da ferida cirúrgica, permeabilidade do ducto
nasofrontal e fixação adequada dos fragmentos ósseos para um bom contorno facial. O acesso bicoronal, embora
invasivo,proporciona adequado campo cirúrgico e uma redução e nivelamento ósseo satisfatório.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
238
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
126 – ESTUDO RETROSPECTIVO DE FRATURAS DE MANDÍBULA
EM UM HOSPITAL EM SÃO PAULO
Autores: VINICIUS TATSUMOTO FAVARINI (*) (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO);HENRIQUE PETEAN (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO); BEATRICE OGUSCO (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO); AMANDA DA
COSTA NARDIS (HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO); ROGÉRIO DE ALMEIDA SILVA (HOSPITAL GERAL DE
VILA PENTEADO)
Introdução: O trauma é uma das principais causas de óbito entre os indivíduos nas primeiras quatro décadas de
vida, sendo responsável por cerca de 80% das mortes que ocorrem na adolescência. De acordo com a Organização
Mundial da Saúde (OMS) , atualmente 5,8 milhões de pessoas no mundo vão a óbito por ano devido ao trauma,
correspondendo a 10% de todas as causas de morte. Dentre as inúmeras lesões ocorridas em centros de traumas
urbanos, o traumatismo facial é um dos mais prevalentes. Sendo que, dentre os ossos faciais, a mandíbula está
entre os ossos faciais de maior acometimento. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo epidemiológico
retrospectivo dos pacientes com fraturas de mandíbula, no hospital de referência para trauma Buco-Maxilo-Facial
na Zona Norte de São Paulo, no período de 03 anos (janeiro de 2012 a Dezembro de 2014). Foram encontrados
191 pacientes com 303 fraturas (1,58 fraturas por paciente) e idade média de 30,3 anos; o gênero masculino foi
acometido em uma proporção de 3,3:1. A etiologia mais prevalente foi o acidente de trânsito (37,1%) , seguido de
violência interpessoal (34%) e quedas (20%). Em termos da região da fratura, a cabeça da mandíbula foi mais acometida, com 86 fraturas (28,38%) , seguido do ângulo mandibular, com 78 fraturas (25,74%). O tratamento cirúrgico aberto das fraturas mandibulares foi realizado em 59,73% dos casos. A distribuição mensal foi semelhante em todos os meses do ano. Concluímos que acidentes de trânsito e agressões foram responsáveis, juntos, por
70,8% das fraturas mandibulares. Este fator causal é passível de regulação através de medidas sociais. É proposto
estudo que correlacione os traumas faciais com o abuso de álcool e entorpecentes. Desta forma, será possível o
desenvolvimento de políticas públicas de medidas preventivas direcionadas a reduzir a incidência destas fraturas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
239
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
137 – TRATAMENTO DE FRATURA LE FORT III EM PACIENTE
GERIATRICO: CASO CLÍNICO
Autores: MAXINE ENNATA ALVES DE ALMEIDA (*) (UNIVERSIDADE NILTON LINS);CHRISTIAN BARTOLOMEU
RECCHIONI (INSTITUTO DA FACE DO AMAZONAS); VICTOR HUGO MARQUES COELHO (UNIVERSIDADE NILTON
LINS);
Introdução: Fortes impactos no terço médio da face causam padrões recorrentes de fratura que seguem as três
linhas de fraqueza do esqueleto facial, descritas por Le Fort em 1901, seguindo a escala I, II e III. Estas fraturas
são responsáveis por 10-20% das fraturas faciais, sendo a classificação Le Fort III, também chamada de disjunção
crâniofacial, a de maior complexidade, onde a face desarticula-se do crânio e move-se em um bloco único, podendo permanecer suspensa somente por tecido mole. Geralmente ocorre pelas suturas zigomaticofrontal, maxilofrontal, nasofrontal, soalho de órbita, etmoide e esfenoide. Clinicamente podemos observar: equimose periorbitária bilateral, alterações visuais e do globo ocular, lesão ao nervo infra-orbitário, liquorréia, anosmia, assimetria
facial, epistaxe, crepitação e mobilidade fragmentária. O objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico de uma
paciente idosa do sexo feminino, feoderma, 60 anos, vítima de agressão física, evidenciando mobilidade do terço
médio a palpação, edema, hematoma periorbitário bilateral, maloclusão e perca do globo ocular lado esquerdo.
Foi solicitada uma Tomografia computadorizada de face, a mesma acusou fratura do tipo Le Fort III associada
à fratura de OPN e Mandíbula. Algumas semanas depois, a paciente foi submetida a tratamento cirúrgico para
redução e fixação das fraturas do terço médio da face, em ambiente hospitalar, sob anestesia geral. Realizaram-se
os acessos para as exposições dos traços de fraturas. As fraturas foram reduzidas e fixadas com placas e parafusos
de titânio. Não foi realizado o bloqueio maxilo-mandibular, pois a paciente apresentava-se edentula. No pós-operatório, a paciente evoluiu bem, observou-se bom aspecto cicatricial dentro das normalidades. A mesma já
foi encaminhada ao oftalmologista para avaliação e conduta relacionadas à perda ocular. O trauma facial é uma
realidade e acomete todas as idades. A técnica cirúrgica e materiais de fixação utilizados devem ser escolhidos
sempre visando à melhora e a longevidade do paciente. O acompanhamento do caso em longo prazo é essencial.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
240
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
148 – AVALIAÇÃO DE AMOSTRAS TECIDUAIS CIRCUNJACENTES
A PLACAS DE TITÂNIO REMOVIDAS DE PACIENTES
Autores: CLARICE MAIA SOARES DE ALCÂNTARA PINTO (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA
- UNICAMP);CAROLINA SANTOS VENTURA DE SOUZA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP); MÁRCIO DE MORAES (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP);
Introdução: O objetivo do presente estudo foi avaliar os achados histológicos de amostras de tecidos adjacentes
a placas de titânio, removidas de pacientes devido indicações clínicas, e identificar a composição das partículas
metálicas encontradas nestes tecidos. Materiais e Métodos: A população experimental incluiu 38 pacientes dos
quais placas e parafusos associados foram removidos e a curetagem de um espécime de tecido mole adjacente
foi realizada durante a remoção das placas. Todas as amostras de tecido foram analisadas por microscopia óptica
e os seguintes aspectos foram avaliados: presença de pigmentos, osso vital ou desvitalizado, células gigantes,
tecido de granulação, fibrose e inflamação. Amostras em que pigmentos metálicos foram encontrados na análise
por microscopia óptica foram avaliadas também através de microscopia eletrônica de varredura (MEV) e espectroscopia por energia dispersiva de raios-X (EDS). Os prontuários dos pacientes foram avaliados para obtenção
dos seguintes dados: tipo de procedimento cirúrgico que levou à instalação das placas e parafusos, tempo entre a
instalação e remoção desses dispositivos (período de retenção) , indicação para remoção das placas e parafusos e
sítio anatômico da remoção. Resultados: Quarenta e quatro amostras de tecido foram removidas de 38 pacientes.
Infecção foi a principal razão para a remoção das placas. Trinta e três amostras de tecido foram obtidas durante
a remoção de placas mandibulares, 8 amostras foram obtidas a partir da maxila, 2 espécimes foram obtidos do
complexo zigomático e em um caso o sítio anatômico não estava especificado nos registros histopatológicos.
Todos os tecidos moles mostraram graus variados de fibrose. Pigmentos metálicos foram identificados em 42
das 44 amostras. Destes 42 espécimes, quarenta foram avaliados através de análises por MEV e EDS. Pigmentos
metálicos foram identificados no MEV e a natureza dos pigmentos foi confirmada utilizando a análise por EDS.
Além do titânio, outros metais e elementos não-metálicos foram encontrados na análise por EDS. Conclusão:
Apesar da identificação de partículas metálicas nas amostras teciduais avaliadas, os resultados do estudo sugerem
que as placas e parafusos de titânio para osteossíntese apresentam um comportamento inerte e, portanto, não há
necessidade de remoção destes implantes após o período de reparo ósseo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
241
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
174 – OBLITERAÇÃO DO DUCTO NASOFRONTAL NO
TRATAMENTO DE FRATURA DO OSSO FRONTAL E MARGEM
SUPRA-ORBITÁRIA: CASO CLÍNICO.
Autores: JOÃO PAULO BONARDI (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) );TARIK
OCON BRAGA POLO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) ); CASSIANO COSTA SILVA
PEREIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) ); LEONARDO PEREZ FAVERANI (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) ); IDELMO RANGEL GARCIA-JÚNIOR (FACULDADE
DE ODONTOLOGIA DE ARAÇATUBA (FOA/UNESP) )
Introdução: Fraturas que envolvem as paredes do seio frontal normalmente são geradas por impacto de grande
intensidade, suas sequelas podem trazer transtornos estéticos e funcionais significativos, forçando o cirurgião
a realizar um minucioso planejamento para o tratamento adequado. O objetivo deste trabalho é relatar o caso
clínico de um paciente do gênero masculino, 26 anos, vitima de acidente trabalhista, atendido na Santa Casa
de Araçatuba, onde após avaliação da neurocirurgia a equipe de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial foi
solicitada para avaliação e conduta do caso. Após avaliação clinica e tomográfica, contatou-se fratura do osso
frontal e margem supraorbitária. Em ambiente hospitalar, sob anestesia geral, utilizou-se do acesso coronal para
reconstrução da parede anterior do seio frontal com obliteração do ducto nasofrontal e seio frontal com retalho
de pericrânio e musculo temporal direito, restabelecendo o contorno fronto-orbitário com malha de Titânio e
parafusos do sistema 1,5mm. No controle pós-operatório de 24 meses, notou-se restabelecimento estético-funcional da região frontal, sem quaisquer complicações. Conclui-se que o tratamento de fraturas de seio frontal no
tempo adequado é de extrema importância para o sucesso estético e funcional e quando há dano na patência do
ducto nasofrontal, sempre é necessária à obliteração do ducto para prevenir sequelas tardias.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
242
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
199 – DIFERENTES MÉTODOS DE FIXAÇÃO DE FRATURAS
CONDILARES ANALISADOS ATRAVÉS DE ELEMENTOS FINITOS
Autores: RICARDO AUGUSTO CONCI (*) (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);FLAVIO HENRIQUE DA SILVEIRA TOMAZI (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);
RICARDO GIACOMINI DE MARCO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); GUILHERME GENEHR FRITSCHER (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); CLAITON HEITZ
(PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL)
Introdução: Fraturas de côndilo mandibular representam um tema de grande importância dentro da Cirurgia e
Traumatologia Bucomaxilofacial, pela grande incidência dentre as fraturas faciais, além das inúmeras discussões
no que diz respeito às formas de tratamento, acessos cirúrgicos e o tipo de material que vai ser utilizado para
fixação das fraturas. O tratamento divide-se em cirúrgico e não-cirúrgico, e depende de algumas situações e indicações. Quando o tratamento cirúrgico é a escolha, deve-se buscar uma adequada redução das fraturas, além de
eficiente fixação interna para se obter um bom resultado final. Inúmeras configurações de placas, isoladas ou não,
com formatos e tamanhos variados, são utilizadas para a resolução cirúrgica das fraturas condilares. Almejando
aprimorar as vantagens e minimizar as desvantagens das técnicas de fixação, foi desenvolvido o parafuso Neck
Screw, visando a estabilidade necessária para a correta fixação através de um sistema de compressão dinâmica,
aumentando o contato entre os cotos fraturados, além de servir como aliado no momento da redução das fraturas. O presente trabalho tem como objetivo avaliar a fixação e a estabilidade das fraturas de côndilo mandibular
e comparar três técnicas de fixação, sendo que a primeira configuração apresenta uma placa de 2.0 mm, com 4
furos, com parafusos de 6 mm de comprimento, a segunda configuração apresenta duas placas, sendo uma de
1.5 mm e outra de 2.0 mm, ambas com 4 furos, com parafusos de 6 mm de comprimento e a última, apresenta
o parafuso Neck Screw. Os resultados demonstram uma melhor estabilidade quando do uso de duas placas, no
que diz respeito ao deslocamento das fraturas, deformação dos materiais de síntese e valores de tensões mínimas
e máximas. Os resultados com o parafuso Neck Screw são satisfatórios, semelhantes aos encontrados quando
da utilização de uma miniplaca, sendo, portanto, uma alternativa para redução e fixação das fraturas condilares,
desde que corretamente indicado e com sequência e técnica cirúrgica adequadas. PALAVRAS-CHAVE: Côndilo
mandibular; Neck Screw; Fraturas condilares.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
243
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
200 – DISGEUSIA COMO COMPLICAÇÃO DE FRATURA LE FORT
III: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: FERNANDA HERRERA DA COSTA (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA);THIAGO HENRIQUE
MARTINS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA); JOÃO PAULO BONARDI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE
LONDRINA); CECÍLIA LUIZ PEREIRA STABILE (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA); GLAYKON ALEX VITTI
STABILE (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA)
Introdução: Disgeusia é caracterizada pelo mau funcionamento dos sentidos químicos do paladar e do olfato.
Vários fatores podem estar relacionados ao desenvolvimento da disgeusia como a xerostomia, infecções bucais,
irradiações, uso de medicamentos, desordens cerebrais e trauma na região de cabeça e pescoço. Os primeiros
relatos sobre a perda do olfato e paladar após trauma craniano foram descritos na literatura médica em meados
de 1800. Segundo alguns autores, a disgeusia associada a trauma cefálico é rara, com incidência de 0,4-0,5%.
Seu mecanismo pós-traumático incluem lesões na língua, nos pares de nervos cranianos VII, IX, X ou no tronco
cerebral. O caso clínico relatado é de um paciente do gênero masculino, 32 anos de idade, vítima de acidente desportivo com traumatismo craniano leve e fraturas de face com alteração de oclusão. Na anamnese não apresentou
história médica relevante, negando hábitos, alergias e comorbidades. Por meio dos exames clínico e imaginológicos, foram diagnosticadas fraturas tipo Le Fort I e Le Fort III, tratadas por meio de redução e fixação interna
estável. Durante o controle pós-operatório, o paciente referiu melhora parcial da anosmia que já estava presente
no pré-operatório e desenvolvimento tardio de disgeusia por alteração dos sabores doce e salgado, a qual foi investigada por meio de exames clínicos como avaliação das papilas gustativas e fluxo salivar, testes gustativos com
soluções de sacarose 1M e NaCl 1M, aplicação tópica de chocolate com porcentagens de cacau variadas bem como
exames laboratoriais (concentração sérica de zinco e cobre) para diferenciar a disgeusia por desordem periférica
da causada por desordem central. O objetivo deste trabalho é, por meio de relato de caso clínico caracterizar a
disgeusia como uma complicação de fraturas Le Fort III, além de apresentar os testes e exames realizados para
definir o diagnóstico de disgeusia pós-traumática periférica.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
244
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
223 – TRATAMENTO DAS FRATURAS DO SEIO FRONTAL COM
ENVOLVIMENTO DO DUCTO NASO-FRONTAL
Autores: DANIELLE CLARISSE BARBOSA COSTA (*) (UFRN);HAROLDO ABUANA OSÓRIO JÚNIOR (UFRN); ADRIANO ROCHA GERMANO (UFRN); JOSÉ SANDRO PEREIRA DA SILVA (UFRN); PETRUS PEREIRA GOMES (UFRN)
Introdução: As fraturas do seio frontal compreendem de 5% a 15% de todas as fraturas craniomaxilofaciais, sendo o trauma de alta velocidade o principal fator etiológico. Apesar de sua baixa prevalência, o tratamento dessas
fraturas é controverso e complexo, e deve levar em consideração uma série de fatores, como o tipo de fratura,
envolvimento da parede posterior do seio frontal, dano ao ducto nasofrontal, status neurológico e presença de
fístula liquórica. Os objetivos do tratamento são a estética adequada e a saúde do seio frontal, e principalmente
evitar complicações a curto e a longo prazo, diante da intima relação com o cérebro. Na obstrução do ducto naso-frontal, o tratamento padrão consiste na obliteração do ducto, e quando o trauma envolve a parede posterior
do seio frontal, com deslocamento importante e/ou dano a dura máter, deve-se realizar a cranialização. Como alternativa à obliteração, pacientes com injúria moderada ao ducto naso-frontal serão submetidos a cateterização e
acompanhamento pós-operatório adequado. O trabalho relata dois casos clínicos operados no Serviço de Cirurgia
e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial da UFRN com trauma de face e fratura do seio frontal. O primeiro paciente,
vítima de acidente motociclístico dia 05 de março de 2011 evoluiu com fratura dos terços superior e médio da
face, dentre esses fratura da parede anterior do seio frontal com envolvimento do ducto naso-frontal. Nesse caso
em particular foi realizado a cateterização e posterior redução e fixação das fraturas. O segundo paciente, cuja
etiologia do trauma foi semelhante no dia 12 de janeiro de 2014, apresentou-se com fratura naso-órbito-etmoidal
e do seio frontal. Diante do envolvimento da parede posterior com deslocamento e fístula liquórica associada, a
abordagem consistiu em cranialização, com reparo da dura máter e obliteração do seio frontal. Ambos evoluíram
de forma satisfatória, sem queixas e sem complicações durante a evolução, demonstrando a indicação adequada
dos procedimentos. O planejamento cirúrgico das fraturas do seio frontal deve levar em consideração a análise
adequada de cada caso em particular, com observação detalhada da tomografia computadorizada e classificação
da fratura.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
245
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
233 – FRATURA COMPLEXA DE MANDÍBULA: TRATAMENTO EM
DOIS TEMPOS CIRÚRGICOS – RELATO DE CASO
Autores: FABRÍCIO VIEIRA (*) (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);RAFAEL DE
ARAÚJO NORONHA (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); BRUNA RODRIGUES
FRONZA (HOSPITAL CRISTO REDENTOR - PORTO ALEGRE, RS); ATHOS NILO BIER GRECO JÚNIOR (HOSPITAL
CRISTO REDENTOR - PORTO ALEGRE, RS); MICHEL MARTINS GUARENTI (HOSPITAL CRISTO REDENTOR - PORTO ALEGRE, RS)
Introdução: O trauma em mandíbula continua sendo um dos mais comuns e desafiadores dos traumas da prática
clínica do cirurgião bucomaxilofacial. A variação de envolvimento anatômico, mecanismos e formas da lesão podem ser desafiadores até mesmo para o cirurgião mais experiente. A causa é geralmente por crimes violentos ou
acidentes de viação. O objetivo do presente estudo é relatar um caso clínico com descrição da técnica abordada em
dois tempos cirúrgicos para o manejo de fratura complexa de mandíbula decorrente de acidente automobilístico.
No primeiro momento cirúrgico de urgência optou-se por restaurar o perímetro mandibular e oclusal intervindo
na fratura exposta/composta em que houve perda de substância da região sinfisária, realizando bloqueio maxilo
mandibular e fixação com mini placa e placa de reconstrução. Posteriormente foi realizada intervenção para o
reposicionamento das fraturas bilaterais de côndilo e processo coronoide através de redução aberta e fixação com
mini placas e parafusos. Observou-se um resultado satisfatório no tratamento em dois tempos cirúrgicos, sucesso que associamos à técnica cirúrgica, mas também influenciada pelo mecanismo da lesão, o perfil do paciente, e
o tempo decorrido entre o acidente e o tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
246
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
247 – DESLOCAMENTO DA CABEÇA DA MANDÍBULA PARA O
INTERIOR DA FOSSA CRANIANA MÉDIA: RELATO DE CASO
Autores: MARCIO TADASHI TINO (*) (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA - HUGO/SES-GO);CAMILA FIALHO
DA SILVA NEVES DE ARAUJO (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA - HUGO/SES-GO); ANDERSON MAGALHÃES PINTO (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA - HUGO/SES-GO); ROBSON RODRIGUES GARCIA (HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA - HUGO/SES-GO); REJANE FARIA RIBEIRO-ROTTA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS)
Introdução: Deslocamento traumático da cabeça da mandíbula para interior da fossa craniana média: Relato de
Caso Enquanto que as fraturas da cabeça da mandíbula são comuns entre os traumas faciais, o deslocamento
traumático do processo condilar para o interior da fossa craniana média, por meio da fossa mandibular, é raro.
Esta condição foi relatada pela primeira vez em 1963, e até o ano de 2012, apenas 45 casos foram relatados na
literatura em inglês. Este trabalho tem como objetivo relatar um caso de deslocamento traumático da cabeça da
mandíbula para interior da fossa craniana média, tratado cirurgicamente. Paciente de 21 anos, gênero masculino,
vítima de acidente motociclístico, apresentando traumatismo cranioencefálico associado a afundamento de frontal, limitação de abertura bucal, paralisia hemifacial no lado esquerdo, alteração de oclusão dentária às custas de
mordida cruzada à esquerda e mordida aberta no lado contralateral. Na tomografia computadorizada de crânio e
face constatou-se hematoma subaracnoide traumático temporal à esquerda, fratura comunitiva da parede anterior de seio frontal e deslocamento da cabeça esquerda da mandíbula para o interior da fossa craniana média, com
fratura da fossa mandibular. Foi realizado tratamento cirúrgico por meio de craniectomia temporal esquerda para
reposicionamento condilar, em conjunto com a equipe de neurocirurgia. A fossa mandibular foi reconstruída com
bloco de enxerto ósseo autógeno temporal assim como a fratura de frontal. Após o reestabelecimento da oclusão
dentária, mantivemos o bloqueio maxilomandibular com fios de aço por 04 semanas. Paciente encontra-se em
acompanhamento ambulatorial pelas equipes de cirurgia bucomaxilofacial e neurocirurgia, apresentando boa
abertura bucal, mantendo a paralisia em hemiface, sem outras sequelas neurológicas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
247
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
249 – RECONSTRUÇÃO MANDIBULAR APÓS FRATURA POR PAF:
RELATO DE CASO
Autores: SAMARA PEREIRA QUEIROZ (*) (UFBA/OSID);THIAGO SALDANHA DE LUCENA SANDE (UFBA/OSID);
ALEXANDRE MARTINS SEIXAS (UFBA/OSID); WALTER SURUAGY MOTTA PADILHA (UFBA/OSID); GEORGES SOUZA DE BURGHGRAVE (UFBA/OSID)
Introdução: Os ferimentos por arma de fogo têm sido constantes na região maxilofacial, com maior incidência
na mandíbula e causando normalmente fraturas cominutivas. Devido sua imprevisibilidade e alto risco de infecção a forma de tratamento clássica se constitui na irrigação com solução salina, debridamento, com remoção
de fragmentos do projétil, de restos dentários e de tecidos inviáveis, além de sutura e uma redução fechada com
barra de Erich e bloqueio maxilomandibular. Apesar disso, atualmente há uma maior quantidade de relatos de
realização de tratamento aberto e fixação interna nesses pacientes, já durante o atendimento inicial. O protocolo
de tratamento vai depender da experiência da equipe cirúrgica, do material de síntese disponível e das características de cada paciente, porém uma limpeza cirúrgica imediata e antibioticoterapia devem sempre ser seguidas.
O caso relatado é um paciente vítima de PAF em face, com fratura cominutiva de corpo e ramo mandibular, bem
como ferimento extenso em terço médio e inferior do lado esquerdo. Ele foi submetido, sob anestesia geral, a
irrigação e debridamento da ferida, cateterização do ducto da glândula parótida, redução e fixação dos fragmentos mandibulares aparentemente viáveis. Os fragmentos reduzidos não sofreram reabsorção e em um segundo
tempo cirúrgico a reconstrução óssea foi menor, sendo possível a utilização de enxerto de crista ilíaca. O objetivo
desse trabalho é apresentar um caso de fixação imediata de fratura mandibular após ferimento por arma de fogo
e discutir suas vantagens. Palavras-chave: Fraturas cominutivas; Lacerações; Reconstrução.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
248
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
265 – FRATURAS BILATERAIS DE CÔNDILO MANDIBULAR:
TRATAMENTO CIRÚRGICO X NÃO CIRÚRGICO
Autores: ÂNGELO NIEMCZEWSKI BOBROWSKI (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS);GILBERTO LEAL
GRADE (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS); LETÍCIA KIRST POST (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS);
MARCOS ANTONIO TORRIANI (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS); OTACÍLIO LUIZ CHAGAS JR. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS)
Introdução: A Mandíbula é a segunda parte do esqueleto maxilofacial mais comumente fraturada e, dentre as diversas localizações, o côndilo é acometido em cerca de 29,3% dos casos e tem seu tratamento controverso (cirúrgico ou não cirúrgico). O ensino tradicional, em muitos países, acredita que a abordagem não cirúrgica apresenta
resultados funcionais que, no seu conjunto, são satisfatórios e superam possíveis riscos da intervenção cirúrgica.
Os proponentes do tratamento cirúrgico têm como princípio base que o realinhamento anatômico da fratura e
a fixação esquelética são a melhor forma de alcançar bons resultados. O objetivo deste relato é apresentar dois
casos de Fratura Bilateral de Côndilo Mandibular em que, no primeiro, foi instituído o tratamento não cirúrgico e,
no segundo, foi instituído o tratamento de forma cirúrgica e apresentar seus resultados comparativamente. Ambos os pacientes, um de gênero feminino e 29 anos e outro de gênero masculino e 28 anos, foram encaminhados
ao serviço de residência em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, vítimas de acidente automobilístico
com fraturas bilateral de côndilo mandibular e sínfise-parassínfise e queixa de dor e desoclusão dentária. Um foi
submetido à osteossíntese da fratura de sínfise-parassínfise mandibular e tratamento não cirúrgico de côndilo bilateral, o outro, submetido à osteossíntese da fratura de sínfise-parassínfise mandibular e de côndilo mandibular
D. No pós-operatório os pacientes evoluíram bem, o tratado cirurgicamente apresentou complicações de fístula
salivar e paralisia no pós-operatório imediato e no atual acompanhamento, ambos, apresentam oclusão estável
e a abertura bucal de 33 e 39 mm. Quando bem indicados, tanto o tratamento cirúrgico como o não cirúrgico
podem ser aplicados, considerando cada caso na sua individualidade e com suas particularidades. A prevenção de
acidentes automobilísticos é uma forma de evitar novas fraturas e consequente as possíveis sequelas advindas na
vida do indivíduo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
249
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
279 – TRATAMENTO DE FRATURA PANFACIAL APÓS ACIDENTE
AUTOMOBILÍSTICO: RELATO DE CASO
Autores: LOURIVAL RAIMUNDO DOS SANTOS JUNIOR (*) (ILAPEO);DAVANI LATARULLO COSTA (ILAPEO); PAULO
EDUARDO PRZYSIEZNY (ILAPEO); MAX ERNEST FURLONG (ILAPEO);
Introdução: Tratamento de Fratura Panfacial Após Acidente Automobilístico: Relato de Caso Os acidentes automobilísticos são os principais responsáveis pelas fraturas que envolvem mais de um dos terços da face, denominadas de fraturas panfaciais ou complexas de face, necessitando de tratamento cirúrgico reabilitador estético e
funcional. Este trabalho tem como objetivo relatar o tratamento de fraturas complexas do terço médio e superior
de face em uma paciente vítima de acidente automobilístico e encaminhada ao serviço de urgência da especialidade Bucomaxilofacial do Hospital Angelina Caron na cidade de Curitiba- Pr. Paciente vítima de capotamento
de ônibus recebeu atendimento de suporte básico de vida imediato ao acidente em rodovia. A equipe Bucomaxilofacial foi acionada para realizar o atendimento primário ao paciente politraumatizado em face em pronto
socorro. Foram então realizados exames clínicos, físicos, radiográficos e descartado a possibilidade de fratura dos
ossos do neurocrânio, e então, obtido o diagnóstico de fratura complexa fronto-naso-orbitária e do tipo Le Fort
I bilateral. A conduta inicial foi de aguardar período de cinco dias para remissão do edema em face e posteriormente redução das fraturas e fixação interna rígida com mini-placas, parafusos e tela de reconstrução em uma
única etapa cirúrgica. Durante este período paciente permaneceu internada sob efeito de corticoide, analgesia e
antiinflamatório além de compressas de gelo em face. Procedimento realizado sob anestesia geral com entubação
orotraqueal. O acesso cirúrgico para RED + FIR (redução e fixação interna rígida) das fraturas de osso frontal e
superior de órbita foi o acesso coronal. Este acesso permite completa visualização dos traços de fratura e ampla
manipulação dos tecidos acometidos. Ainda, acesso palpebral inferior foi realizado bilateralmente para RED +
FIR das fraturas de rebordo infraorbitário. Acesso intraoral mucoperiosteal total foi realizado para visualização
da fratura do tipo Le Fort I. A fixação interna rígida foi realizada através dos sistemas de fixação 1.6mm e 2.0mm;
além de tela orbitária do sistema 1.6mm associada à membrana absorvível bio-gide. O procedimento cirúrgico foi
realizado em única etapa cirúrgica a acompanhamento clínico – radiográfico de longo prazo pode ser estabelecido.
Desta forma, podemos concluir que um correto atendimento primário, exatidão no diagnóstico, osteossíntese
dos segmentos fraturados e acompanhamento clínico e radiográfico são requisitos essenciais para o sucesso do
tratamento de fraturas panfaciais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
250
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
341 – TRAUMA COMPLEXO EM FACE POR MORDEDURA CANINA
EM PACIENTE PEDIÁTRICO: RELATO DE CASO
Autores: GUILHERME PIVATTO LOUZADA (*) (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO
SUL);CLAITON HEITZ (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); GUILHERME GENEHR
FRITSCHER (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL); MICHEL MARTINS GUARENTI
(PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL);
Introdução:Lesões faciais decorrentes de mordedura canina são frequentemente relatadas na literatura mundial,
principalmente em crianças menores de sete anos.Tais injúrias podem apresentar-se desde simples abrasões até
ferimentos profundos, irregulares e com grande perda de substância, podendo comprometer severamente padrões estéticos e funcionais das vítimas. Locais, como couro cabeludo, face e região cervical, são frequentemente
envolvidos.Na face, os locais mais acometidos são os lábios, a região de mento, o nariz e as orelhas. Relato de caso:Paciente, GBB, 4 anos, sexo masculino, leucoderma, vítima de ataque por mordedura de cão da raça American
Pit Bull Terrier.Deu entrada no Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, com assistência
inicial pela equipe de emergência, para realizar o primeiro atendimento visando à estabilização geral. Na sequencia do atendimento, as equipes de cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial e cirurgia plástica realizaram avaliação conjunta, onde se observou múltiplos ferimentos lacero-contusos em face e couro cabeludo, com comprometimento ósseo e de várias estruturas anatômicas importantes.Através do recurso de imagem por tomografia
computadorizada possibilitou-se visualizar múltiplas fraturas e avulsões ósseas em região de terço médio da face
além de macerações da mandíbula em região de ângulo e corpo direito.A avaliação oftalmológica resultou normal.
Paciente foi levado a bloco cirúrgico em caráter de emergência, sob anestesia geral, para proporcionar a limpeza
e descontaminação das feridas, junto ao procedimento de síntese dos ferimentos lacerados.Ocorreu a lesão da
glândula parótida esquerda com o arrancamento da porção superficial, mantendo a preservação do ducto.Devido
à cinemática forte do trauma que ocasionou fraturas cominutivas,optou-se por uma abordagem conservadora
as fraturas ósseas.Foi realizado terapia antibiótica com amoxicilina 1 grama + acido clavulânico 200mg, continuado por 7 dias na posologia de 500mg, via endovenosa, a cada oito horas.Devido à extensão dos ferimentos,
que provocaram grande perda sanguínea, foi optado pela transfusão de duas bolsas de concentrado de hemácias
no pré-operatório. A vacina anti-rábica foi realizada com uma dose nos dias 0 e 3 do pós operatório, onde se observou que o animal se manteve sadio, encerrando a terapia.Paciente iniciou logo com 14 dias de pós-operatório
trabalhos específicos com fisioterapeuta e fonoaudióloga para melhorar funções motoras e de fala.Após um mês
de pós-operatório, paciente apresenta boa recuperação.Objetivo:Relatar o caso de paciente pediátrico vítima de
mordedura canina, com extenso ferimento em face e couro cabeludo abordando o manejo inicial para tratamento.
Conclusão:A avaliação minuciosa do paciente vítima de trauma facial por mordedura canina deve ser prioridade
no primeiro atendimento, baseado em uma correta anamnese por uma equipe multiprofissional possibilitando
assim obter o sucesso do tratamento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
251
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
352 – REABILITAÇÃO IMPLANTAR PRÓXIMA A TRAÇO DE
FRATURA EM PARASSÍNFISE MANDIBULAR FIXADA PELA
TÉCNICA DO LAG SCREW: RELATO DE CASO.
Autores: MARCELO LEITE MACHADO DA SILVEIRA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ);FÁBIO WILDSON
GURGEL COSTA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); MARCELO FERRARO BEZERRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); FRANCISCO SAMUEL RODRIGUES CARVALHO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); EDUARDO COSTA STUDART SOARES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ)
Introdução: O tecido ósseo, após um episódio de fratura, passa por diferentes fases durante o processo de cicatrização. O advento da fixação interna rígida (FIR) veio para facilitar o processo de consolidação óssea, uma vez que
permite que a cicatrização aconteça de forma direta, sem a formação de calo ósseo. A técnica de lag screw, quando
empregada na região anterior da mandíbula tem mostrado elevada eficácia. O lag screw, além de imobilizar a
fratura, é capaz de manter uma compressão entre os cotos fraturados propiciando maior união interfragmentária
e facilitando assim o processo de cicatrização óssea direta. Por ser simples e versátil, essa técnica também proporciona redução do tempo cirúrgico quando comparado ao uso de placas de FIR e, consequentemente, diminuição
dos riscos de infecção pós-operatória. Além disso, a região anterior da mandíbula favorece a aplicação da técnica
devido à sua anatomia curva, corticais ósseas espessas e ausência de estrutura anatômica nobre na área de inserção dos parafusos. Poucos estudos na literatura tratam da realização de implantes osseointegrados em áreas
de cicatrização óssea pós-traumática ou próxima a áreas de fratura. Por esse motivo, e levando em consideração
os princípios de cicatrização óssea e osseointegração, relatamos aqui um caso de reabilitação implantar em área
de fratura mandibular tratada por meio da técnica do lag screw. O paciente, vítima de acidente motociclístico,
procurou atendimento apresentando fratura de parassínfise mandibular do lado esquerdo associada à perda dos
elementos 31, 41 e 42, a qual foi fixada utilizando-se dois parafusos de lag screw de 2.0mm. Após sete meses
da redução da fratura procedeu-se a instalação de dois implantes hexágono-externo e, em seguida, realizou-se a
reabilitação protética por meio de ponte fixa de 3 elementos. Atualmente o paciente encontra-se com um quinze
meses de acompanhamento pós-operatório, reabilitado do ponto de vista estético e funcional.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
252
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
373 – INSTALAÇÃO DE BARRA DE ERICH E FIXAÇÃO DA
PRÓTESE TOTAL PARA TRATAMENTO DE FRATURA BILATERAL
DE MANDÍBULA
Autores: ÁTILA ROBERTO RODRIGUES (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALZIRA VELANO/ ALFENAS-MG);PAULIANE FRANÇA CARLOS DE SOUSA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALZIRA VELANO/ ALFENAS-MG); SANDRO ISAÍAS
SANTANA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALZIRA VELANO/ ALFENAS-MG);
Introdução: A fratura bilateral de côndilo e ramo mandibular pode provocar o encurtamento da altura vertical da
região posterior da mandíbula, ocasionando uma mordida aberta anterior em pacientes dentados. Em fraturas
tratadas de forma não cirúrgica é realizado o bloqueio maxilomandibular, com o paciente em oclusão dentária,
por um determinado período seguido da elasticoterapia. No entanto, em pacientes desdentados totais ocorre a
dificuldade do restabelecimento da altura vertical do ramo mandibular, sendo o cirurgião obrigado a recorrer a
alternativas de estabilização, para o restabelecimento do correto posicionamento ósseo e harmonia do sistema
estomatognático. No presente relato, apresentamos um caso clínico de uma paciente vítima de queda da própria
altura, com laceração em região de mento e frontal, fratura de ramo mandibular à esquerda e fratura alta de
côndilo mandibular à direita, confirmadas em exame tomográfico, transferida ao Hospital Universitário Alzira
Velano em Alfenas. Ao exame clínico intra-oral, apresentava edentulismo total superior e inferior. As próteses se
encontravam com os familiares do paciente no momento da avaliação inicial, quando foram requisitadas e mantidas em solução desinfetante. Inicialmente foi realizada a instalação da barra de Erich nas próteses através da
confecção de perfurações interdentárias. Em seguida, após realização da avaliação pré-anestésica, a paciente foi
conduzida ao centro cirúrgico para tratamento inicial da fratura de ramo mandibular. Num primeiro momento,
sob anestesia geral, as próteses dentárias desinfetadas foram colocadas na paciente e verificada a possibilidade
de uma oclusão estável. Dessa maneira, usando parafusos de titânio, as próteses foram fixadas na maxila e na
mandíbula, e em seguida, foi realizado o bloqueio maxilo-mandibular com fio de aço. Em seguida, através do acesso transmassetérico, a fratura do ramo mandibular foi reduzida e fixada com placas e parafusos do sistema 2.0
mm. No período pós-operatório a paciente permaneceu com BMM através de elásticos, removidos após 15 dias,
quando a paciente apresentou manutenção da estabilidade oclusal envolvendo as próteses, ótima abertura bucal,
movimento de lateralidade e ausência de dor. Paciente se encontra ainda sob acompanhamento por um período
de 45 dias, para então realizar a remoção das próteses e orientação para confecção de novas próteses.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
253
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
378 – TRATAMENTO DE SEQUELA DE FRATURA FRONTONASO-ÓRBITO-ETMOIDAL APÓS 6 MESES DO TRAUMA: RELATO
DE CASO
Autores: THAIS DA SILVA FONSECA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ);CAIO DE ANDRADE HAGE (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); JENNIFER SANZYA SILVA DE ARAÚJO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); RAFAEL LOPES QUADROS DA SILVA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE
BARROS BARRETO); DIEGO PACHECO FERREIRA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO)
Introdução: Injúrias Fronto-Naso-Órbito-Etmoidal têm sido as fraturas mais complexas de ser tratada no dia-a-dia do Cirurgião Buco-Maxilo-Facial. Por causa da posição anatômica do complexo Fronto-Naso-Órbito-Etmoidal e da enorme quantidade de energia necessária para criar uma fratura nesta área, estas lesões são muitas vezes
severas à associação cranioencefálica. Acometem principalmente homens, com idade entre 20 e 30 anos, tendo
como principais agentes etiológicos acidentes automobilísticos, motociclísticos e agressões físicas. Exames complementares são fundamentais para o correto diagnóstico e planejamento cirúrgico. O tratamento das fraturas
Fronto-Naso-Órbito-Etmoidal de forma adequada e a possibilidade de acompanhamento pós-operatório para
proservação apresentam grande significado clínico, pois as sequelas geradas podem trazer transtornos funcionais
e estéticos importantes, que são de difícil reparação numa segunda intervenção cirúrgica. O presente trabalho
tem como objetivo expor um relato de caso de paciente de sexo masculino, 21 anos, vítima de acidente motociclístico, portando sequelas decorrentes de uma fratura Fronto-Naso-Órbito-Etmoidal após 6 meses do trauma,
foi submetido a cirurgia pela equipe de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário
João de Barros Barreto, sob anestesia geral, para redução e fixação das fraturas com placa, tela e parafusos de
titânio dos sistemas de 1,5mm e 2.0mm. O paciente evolui satisfatoriamente, com bom resultado estético.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
254
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
380 – TRATAMENTO DE TRAUMA DE COMPLEXO ZIGOMÁTICO
SEQUELADO: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: RAÍ HEIDENREICH (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA);JOSÉ NAZARENO GIL (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA); ANDRÉ LUIS BIM (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO); MARIANA SAIDELES MARTINS (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA); MATHEUS SPINELLA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ)
Introdução: O complexo zigomático orbitário (CZO) , devido a sua posição projetada na face, é frequentemente
envolvido em traumatismo e, depois do nariz, é a estrutura óssea facial mais sujeita a fraturas, perdendo principalmente projeção da face no sentido ântero-posterior. O osso zigoma articula-se com os ossos frontal, esfenoide,
temporal e maxilar, contribuindo significativamente para a resistência da face. É um osso piramidal, apresenta o
corpo robusto e quatro processos: temporal, orbital, maxilar e frontal. Tais processos se constituem nos pontos
de fragilidade do zigoma, ocorrendo, muitas vezes, sua simples separação pelas suturas dos ossos com os quais se
une, a denominada disjunção zigomática ou fratura do CZO. Inclui o rompimento das quatro suturas: zigomaticofrontal, zigomaticotemporal, zigomaticomaxilar e zigomaticoesfenoide. O arco zigomático pode ser fraturado
independentemente ou como parte da fratura do complexo zigomático. A etiologia das fraturas do CZO varia com
a distribuição demográfica do local estudado, sendo que normalmente é causado por acidentes por veículos motorizados, seguido das agressões interpessoais, acidentes esportivos, e quedas. Os sinais e sintomas que devem
ser investigados são: Edema e equimose periorbitária (mais comuns) , sensibilidade nervosa (principalmente parestesia do n. Infra-orbitário) , epistaxe, distopia, diplopia, enfisema, enoftalmo, exoftalmo, trismo e hemorragia
subconjuntival. Os exames de imagem são essenciais para promover o diagnóstico e o tratamento do trauma,
sendo o mais utilizados as radiografias (incidências de Waters e Hirtz) e a tomografia computadorizada (TC) em
cortes coronais e axiais e reconstrução tridimensional. A TC é especialmente útil no estudo do assoalho, parede
de órbita, presença de diásteses nas suturas (frontozigomática, esfenozigomática) e análise do comportamento
do deslocamento do segmento fraturado (medial ou lateral). As fraturas do complexo zigomático não são fatais
e geralmente são tratadas após lesões mais sérias serem estabilizadas e o edema ser resolvido 7 dias após estas
lesões. As lesões geralmente são tratadas de forma cruenta com fixação funcionalmente estável com mini-placas
e parafusos ou incruenta reduzindo o zigoma, de acordo com a severidade da lesão. As lesões que não são tratadas
neste período com o seu tratamento adiado de maneira imprópria, entram no processo de remodelação e consolidação de matriz óssea neo-formada, formando assim a sequela do complexo zigomático. O tratamento das sequelas consiste-se basicamente de confecção de protótipo, cirurgia no modelo, confecção de splint para orientação
no trans-operatório, acesso à fratura, osteotomia da sequela, redução do zigoma as suas demais articulações com
auxilio de splint, fixação interna e sutura em camadas. O objetivo deste trabalho é demonstrar um relato de caso
envolvendo redução cruenta de sequela de complexo zigomático com mini-placas e parafusos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
255
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
438 – FRATURA DE CÔNDILO PROVOCADA POR PAF: RELATO
DE CASO
Autores: ALEXANDRE MARANHÃOMENEZES NETO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ);ALEXANDRE
SIMÕES NOGUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); HENRIQUE CLASEN SCARPARO (UNIVERSIDADE
FEDERAL DO CEARÁ); EDUARDO COSTA STUDART SOARES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); FABRICIO
DE LAMARE RAMOS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ)
Introdução: O crescente aumento da violência fez com que as fraturas decorrentes por projétil de arma de fogo
constituíssem a segunda causa de morte mais prevalente, superada apenas pelos acidentes automobilísticos,
especialmente os motociclísticos. As fraturas mandibulares que tem como etiologia as armas de fogo, são de
difícil resolução devido à constantes casos de perda de substância decorrente do impacto do projétil, elevando a
probabilidade de não união, aumentando o risco de infecção e dificultando o tratamento final. A literatura atual
relata diversas abordagens no manejo destes ferimentos, com a finalidade de buscar reduzir as intercorrências.
O objetivo do presente trabalho é relatar um caso clínico de fratura condilar, provocada por um projétil de arma
de fogo. O paciente foi atendido inicialmente no Hospital Instituto José Frota, seguindo as diretrizes do ATLS.
Após estabilização pela equipe da cirurgia geral foi encaminhado para uma avaliação secundária no Serviço de
Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal
do Ceará onde foi revelado, um ferimento com apenas um orifício de entrada em região de ângulo mandibular
esquerdo. Durante a anamnese foi verificada queixa álgica durante movimentos mastigatórios e limitação de
abertura bucal. A radiografia panorâmica mostrou uma fratura de traço único em côndilo mandibular, sem perda
de substância e deslocamento ósseo. O paciente foi submetido à cirurgia, sob anestesia geral, onde foi realizado
acesso pelo orifício de entrada, redução cruenta da fratura e fixação interna rígida com duas placas do sistema
2.0. O paciente evoluiu muito bem, onde foi possível restabelecer uma mastigação adequada e boa cicatrização do
ferimento após 12 meses de pós-operatório.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
256
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
457 – TRATAMENTO CONSERVADOR DE FRATURA
UNILATERAL DE CÔNDILO ASSOCIADA Á FRATURA DE SÍNFISE
MANDIBULAR EM PACIENTE PEDIÁTRICO: RELATO DE CASO
Autores: VICTOR HUGO MARQUES COELHO (*) (UNIVERSIDADE NILTON LINS);CHRISTIAN BARTOLOMEU RECCHIONI (INSTITUTO DA FACE DO AMAZONAS); MAXINE ENNATA ALVES DE ALMEIDA (UNIVERSIDADE NILTON
LINS);
Introdução: O côndilo mandibular apresenta-se como um dos locais mais comumente acometidos nas fraturas
mandibulares, sendo, na maioria das vezes, decorrente de um trauma na região de sínfise ou de para-sínfise
mandibular. Seu tratamento em pacientes pediátricos difere do tratamento em adultos devido a fatores como
a cooperação do paciente, tempo de cicatrização e devido ao côndilo ser uma região importante de crescimento
ósseo. A escolha pelo tratamento cirúrgico ou conservador é motivo de controvérsias, devido às complicações
pós-tratamentos, uma das principais indicações para a redução cirúrgica consiste na impossibilidade de estabelecer a oclusão adequada pelo tratamento conservador. O presente trabalho objetiva relatar um caso clínico de
redução conservadora de fratura unilateral de côndilo associada à fratura de sínfise mandibular. Paciente J.C.T,
7 anos, gênero masculino, leucoderma, vítima de atropelamento, apresentou-se ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial do Hospital Adventista de Manaus. Durante a anamnese os sinais vitais estavam
normais e ausência de doenças sistêmicas. Ao exame físico pôde-se observar pequena escoriação em região de
mento, limitação da abertura bucal, sintomatologia álgica, assimetria facial e pequeno edema na região de articulação temporomandibular unilateral. Ao exame intraoral não foi encontrado nenhuma anormalidade. Na avaliação imagiológica foi solicitada Tomografia computadorizada, observando fratura de côndilo direito e de sínfise
mandibular. O tratamento consistiu em redução conservadora para a fratura de côndilo e redução cirúrgica na
fratura de sínfise mandibular utilizando placa e 5 parafusos absorvíveis, sob anestesia geral. Devido a fratura de
côndilo e flexibilidade da placa, foi realizado bloqueio maxilo mandibular por meio de barra de Erich. O sucesso
do tratamento conservador em crianças está correlacionado ao restabelecimento dos movimentos mandibulares
e principalmente uma oclusão adequada, além do acompanhamento por toda sua fase de crescimento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
257
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
549 – PREVALÊNCIA DAS INTERNAÇÕES DE PACIENTES
IDOSOS COM FRATURAS DO CRÂNIO E OSSOS DA FACE NA
REGIÃO NORTE E NORDESTE DO BRASIL.
Autores: CHRISTOPHER CADETE DE FIGUEIREDO (*) (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO ESTADO DA
PARAÍBA);IGOR FIGUEIREDO PEREIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); PLÍNIO NOBRE DE ASSIS
(UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); DAYANE DAYSE LOPES AVELINO DE ALMEIDA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); JOSÉ LACET DE LIMA JÚNIOR (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO ESTADO DA PARAÍBA)
Introdução: Os traumas de crânio e ossos da face podem representar 50% de todas as mortes traumáticas. Vemos
baixa incidência para pacientes maiores de 60 anos, devido a características íntimas da terceira idade, como pouca
atividade social e esportiva. Porém com a melhoria na qualidade de vida, a população idosa além de ter crescido
em todo o mundo, incorporou mudanças de atitudes, como um estilo de vida mais ativo, e se predispondo a um
maior risco de sofrer fraturas. Objetivo: Analisar o perfil das internações desses pacientes com fraturas faciais na
região Norte e Nordeste do Brasil, no período de 2010 a 2014. Metodologia: Utilizou-se uma abordagem indutiva
com procedimento comparativo-descritivo e técnica de documentação indireta. Os dados foram obtidos mediante consulta ao sítio do DATASUS, e as informações coletadas foram agrupadas nas seguintes faixas etárias de
acordo com o site: 60 a 69; 70 a 79; 80 anos ou mais, considerando as informações disponíveis para cada estado
das regiões. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva. Resultados: No ano de 2013, obteve-se
o maior número de notificações com 375 casos; em 2011 foi observado o menor índice de internações com 317;
Bahia se sobressaiu quanto ao número de internações no Nordeste com 276, e o Para no Norte com 324; 74,7%
das internações tratavam-se de indivíduos do gênero masculino e 68,9% dos pacientes internados estavam na faixa etária de 60 a 69 anos. Conclusão: Houve uma maior ocorrência de fraturas em indivíduos do sexo masculino
e a faixa etária mais acometida foi a de 60 a 69 anos. A Bahia foi o estado mais prevalente quanto ao número de
internações no Nordeste e o Para no Norte. Houve indícios de subnotificação no estado do Amazonas. Descritores: Fraturas Cranianas, Sistemas de Informação Hospitalar, Epidemiologia nos Serviços de Saúde.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
258
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
590 – UTILIZAÇÃO DE SISTEMA DE FIXAÇÃO ABSORVÍVEL EM
CASO DE FRATURA MANDIBULAR EM PACIENTE PEDIÁTRICO –
RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: WALLYSON LUIS MAUES DA FONSECA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ);WENDER LUIS BARROSO TAVARES (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); RADAMÉS BEZERRA MELO (HOSPITAL
UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); WILLY FERNANDES DE MEDEIROS (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
JOÃO DE BARROS BARRETO); YURI EDWARD DE SOUZA DAMASCENO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE
BARROS BARRETO)
Introdução: As fraturas faciais na infância são geralmente decorrentes de traumas de alta energia e seu tratamento está relacionado à fase de crescimento facial. Esses tipos de traumas são objeto de atenção especial no que tange ao diagnóstico e ao tratamento, devido às condições próprias da idade. Para o tratamento cirúrgico das fraturas
mandibulares em crianças, a fixação interna estável (FIE) utilizando-se miniplacas/parafusos de titânio pode
ser utilizada com inteiro sucesso. Mas, recentemente, destaca-se a utilização de materiais absorvíveis, os quais
apresentam algumas vantagens sobre dispositivos metálicos, especialmente em pacientes pediátricos. O sistema
de fixação reabsorvível apresenta resultados satisfatórios em pacientes em fase de crescimento, pois não impede
o desenvolvimento fisiológico dos ossos que sofreram fratura. Outras vantagens da utilização desse materiais
de fixação absorvíveis incluem: ausência de migração do material de fixação durante o período de crescimento;
eliminação de artefatos de imagem, quando da realização de exames; insensibilidade térmica nos locais de instalação do material; e elimina um segundo ato operatório para a remoção do material. Este trabalho relata um caso
de fratura mandibular em paciente pediátrico, 11 anos de idade, tratado com miniplacas e parafusos absorvíveis
pela equipe de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário João de Barros Barreto no
Hospital Geral da UNIMED de Belém do Pará.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
259
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
706 – RECONSTRUÇÃO DE OSSO FRONTAL E NASAL COM
ENXERTO DE PARIETAL: RELATO DE CASO
Autores: GABRIELA DOS SANTOS LOPES (*) (EBMSP);ALISSON DOS SANTOS ALMEIDA (EBMSP); WILTON COSTA NETO (EBMSP); MURILLO LEITE MASCARENHAS (EBMSP); CARLOS ELIAS DE FREITAS ()
Introdução: A craniotomia é um tratamento multilador que causa graves defeitos faciais trazendo a necessidade
de reconstruções. A cranioplastia é um procedimento cirúrgico para o tratamento dessas sequelas, que promove
uma reabilitação morfológica e funcional do crânio. Dentre as técnicas complexas de reconstrução existe a possibilidade da utilização de enxertos autógenos ou biomateriais. Porém o padrão ouro para esses tipos de reconstrução são os enxertos autógenos apesar da alta morbidade e a incidência de reabsorção. Os principais sítios doadores são a tábua externa do osso parietal, costelas e crista ilíaca.O objetivo deste trabalho é relatar o caso de um
paciente de 38 anos de idade, que compareceu ao ambulatório de cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial da
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública/Hospital Geral Roberto Santos (EBMSP/HGRS) devido a defeito em
osso frontal e dorso nasal em decorrência de um acidente desportivo. O paciente negou síncope e êmese pós trauma, negou alterações sistêmicas, uso crônico de fármacos e alergias medicamentosas. Após o exame tomográfico
foi programado a reconstrução do osso frontal e dorso nasal com enxerto de parietal. O paciente foi submetido a
cirurgia sob anestesia geral para a remoção e fixação do enxerto para a correção do defeito em face. No momento
o paciente encontra-se em acompanhamento ambulatorial pela equipe de cirurgia bucomaxilofacial.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
260
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
718 – TRATAMENTO DE SEQUELA DE FRATURA DE COMPLEXO
ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIO: RELATO DE CASO
Autores: ALAN LEANDRO CARVALHO DE FARIAS (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO UFPI);CARLOS EDUARDO
MENDONÇA BATISTA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO UFPI); WALTER LEAL DE MOURA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
UFPI); ANTONIEL DA SILVA SOARES (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO UFPI); ALAN GONÇALVES PINHEIRO (HOSPITAL
UNIVERSITÁRIO UFPI)
Introdução: O complexo zigomático-orbitário (CZO) atua como um importante componente da face e, devido
sua forma convexa e proeminência, está frequentemente envolvido em trauma facial, sendo apontado por vários
estudos como um dos ossos mais acometidos por fraturas faciais. Os mais comuns fatores etiológicos envolvidos
nestas lesões são violência interpessoal, acidentes de trânsito, quedas, e lesões esportivas. O CZO ocupa uma
posição-chave no aspecto anterolateral da face, o que contribui para definir a largura terço médio da face, e para
definir a forma e o contorno dos rebordos orbital inferior e lateral bem como projeção da bochecha. O tratamento
deve ser individualizado de acordo com cada caso e varia de abordagens conservadoras como o tratamento fechado, até redução aberta e fixação interna com placas, malhas de titânio e parafusos do sistema de 1.5mm em quatro pontos de suas articulações com ossos vizinhos. A complexidade da anatomia tridimensional do CZO torna
seu tratamento um desafio e sua má reconstrução pode gerar problemas como diplopia, distopia e enoftalmia que
são passíveis de correção, que por vezes necessitam de mais de um tempo cirúrgico. O presente trabalho tem por
objetivo relatar um caso de complicação de tratamento de fratura de CZO. O paciente havia sido tratado em outro
serviço e procurou o serviço de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário da Universidade Federal
do Piauí, com queixa estética e por apresentar fístula cutânea com presença de secreção purulenta. Após exame
clínico e de imagem o mesmo foi tratado em dois tempos cirúrgicos, onde o primeiro foi à remoção do sistema de
fixação e desbridamento e em um segundo momento através de uso de prototipagem, placas e malhas de titânio
do sistema 2.0mm e 1.5mm. O mesmo evoluiu bem no pós-operatório com melhora do quadro estético e funcional, sem sinais de complicação pós-operatória e encontra-se em acompanhamento. Em vista destes argumentos,
o cirurgião deve ter critério técnico-científico suficiente para a condução de sequelas das fraturas do CZO, tendo
em vista os prejuízos que as mesmas trazem nos quesitos estéticos, funcionais e psicossociais que proporcionam
aos indivíduos portadores destas lesões.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
261
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
719 – ACESSO INTRABUCAL PARA TRATAMENTO DE FRATURAS
CONDILARES
Autores: RICARDO JOSÉ DE HOLANDA VASCONCELLOS (*) (HOSPITAL UNIVERSITARIO OSWALDO CRUZ);ERICK
ANDRES ALPACA ZEVALLOS (HOSPITAL UNIVERSITARIO OSWALDO CRUZ); ANDRÉ VAJGEL FERNANDES (HOSPITAL UNIVERSITARIO OSWALDO CRUZ); DAVID MORAES DE OLIVEIRA (HOSPITAL UNIVERSITARIO OSWALDO
CRUZ); SAULO QUEIROZ DE ARAÚJO (HOSPITAL UNIVERSITARIO OSWALDO CRUZ)
Introdução: As fraturas de côndilo mandibular são um tipo de lesão traumática frequente, representando de
25% a 35% de todas as fraturas mandibulares reportadas. O tema das fraturas de côndilo mandibular provoca
maior discussão e controvérsia que qualquer outro tema do trauma maxilofacial no que concerne à classificação,
diagnostico, e manejo terapêutico. Podem ser tratadas mediante procedimento aberto ou fechado. As vantagens
e desvantagens de cada procedimento são comparados através das prováveis sequelas e riscos envolvidos, além
da particularidade de cada caso. No entanto, o que é melhor para o paciente deverá ser prioridade sem importar
com o que é confortável para o cirurgião. Diferentes métodos de osteossíntese são usados com funcionalidade e
resultados estáveis. Um procedimento com um sistema que permita a máxima estabilidade com mínimo trauma
durante sua inserção deve ser selecionado, além disso, o fácil manuseio aumenta a aceitação dos cirurgiões ao
procedimento. A abordagem intrabucal não é rotineiramente utilizada para o tratamento de fraturas condilares,
pois a redução das fraturas deslocadas pode ser dificultada pela visibilidade limitada do sitio da fratura. No entanto, o tratamento intrabucal pode ser viabilizado através de técnicas endoscópicas com instrumentos angulados.
Espelhos clínicos também têm sido utilizados para verificar a redução da borda posterior e a fixação. A recente
introdução de um sistema de chave angulada faz com que o uso da abordagem intrabucal para o tratamento das
fraturas subcondilares com deslocamento ou fraturas de colo de côndilo sejam viáveis sem a necessidade de instrumentos endoscópicos ou espelhos clínicos. O propósito dessa apresentação é demonstrar que a redução aberta
de fraturas condilares mediante uma abordagem intrabucal utilizando um sistema de chave angulada e sistema
de fixação interna, é uma alternativa viável de tratamento seguro e de rápido acesso para este tipo de fraturas
mandibulares.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
262
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
763 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS FRATURAS CONDILARES
Autores: BRUNA SILVA SANCHES (*) (UNIP);ALEXANDRE J PRATI (UNIP); DANIEL F. GALAFASSI (UNIP); MARCELO
N. CARNEIRO (UNIP); GABRIEL P. PASTORE (UNIP)
Introdução: O tratamento cirúrgico das fraturas do côndilo mandibular tem sido um assunto controverso há anos
na literatura, principalmente em relação à redução aberta ou tratamento conservador. Os côndilos mandibulares
representam os locais de maior acometimento das fraturas de mandíbula, podendo chegar a uma frequência
de ate 35% do total das fraturas mandibulares. Estas fraturas resultam na maioria das vezes de impactos na
região de sínfise e/ou parassinfise mandibular. O tratamento dessas fraturas pode ser conservador ou cirúrgico.
As indicações para o tratamento cirúrgico podem ser absolutas ou relativas, estas incluem: deslocamento do
côndilo fraturado, impossibilidade de obtenção de oclusão adequada por redução fechada, invasão da ATM por
corpo estranho, perda da dimensão vertical por fratura bilateral de côndilo e impedimento da função mandibular
normal. O tratamento conservador consiste na manutenção da oclusão por meio de elasticoterapia associada
a aparelho ortodôntico ou barra de Erich, restrição de dieta e fisioterapia. Quando o tratamento de escolha é o
cirúrgico, existem diferentes técnicas de fixação interna descritas, o objetivo do tratamento é reposicionamento
dos cotos fraturados restabelecendo a anatomia normal, de forma a eliminar ou diminuir o período de bloqueio
maxilomandibular pós-operatório, e restabelecer precocemente a função mandibular. O tratamento cruento está
associado a maior incidência de complicações pós–operatórias, como: remodelação ou reabsorção do côndilo,
infecção, hemorragia, fratura do materil de fixação, cicatrização hipertrófica e paralisia temporária/permanente
dos ramos do nervo facial. Apesar disto o tratamento não cirúrgico pode também resultar em sequelas, tais como
ocorrência de retrognatia, anquilose temporomandibular, assimetria facial, disfunção de ATM, desvios na abertura bucal e mordida aberta. O objetivo do presente trabalho é apresentar dois casos clínicos em que as fraturas
condilares foram tratadas cirurgicamente e evoluíram com resultado estético e funcional satisfatórios. O primeiro caso clinico: a um paciente, 22 anos, vitima de agressão física, evolui com fratura de côndilo bilateral, de sínfise
e Lanelong. Foi realizado tratamento cirúrgico por acesso submandibular e acesso retroauricular bilateral e acesso
intra-oral em fundo de vestíbulo da maxila mais redução e osteosintesse das fraturas com placas e parafusos. O
segundo caso clinico: paciente 40 anos, gênero masculino, vitima de acidente motociclístico, e evolui com fratura
de sínfise e condilo esquerdo que foram acessadas por acesso extra oral retromandibular e intra oral em fundo
de vestíbulo mandibular, redução e osteosintesse das fraturas com placas e parafusos. Após 1 mês no retorno
observou –se fratura do material de fixação do condilo, devido a pouca espessura e o mal posicionamento das
placas que não foram resistentes o suficiente pra evitar forças de torção do condilo. Foi reabordado e uma nova
redução e fixação foi realizada,
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
263
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
779 – FRATURA COMPLEXA DO TERÇO MÉDIO DA FACERELATO DE CASO
Autores: RENATO BARJONA M DE MIRANDA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA);SORAYA DA SILVA
OLIVEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); LAIR MAMBRINI (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); MARCELO CAETANO PARREIRA DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA); FLAVIANA SOARES
ROCHA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA)
Introdução: Fraturas do terço médio de face compreendem: Fraturas Le Fort I, II e III, Nasal, Seio Frontal, NOE,
Zigomático, órbita (paredes medial, lateral, assoalho e teto) e palato-alveolar. O tipo de fratura, a severidade, o
envolvimento de outras estruturas faciais e o tempo decorrido influenciam a modalidade de tratamento empregado. O presente trabalho expõe um caso de fratura complexa de terço médio de face. Paciente R.A.C., feoderma,
sexo masculino, 35 anos de idade, foi atendido pelo Serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial do Hospital de Clínicas
da Universidade Federal de Uberlândia após acidente motociclístico. Ao exame clínico, observou-se perda de
projeção do terço médio de face, degrau em rebordo infra-orbitário, região fronto-zigomática e arco zigomático
bilateralmente, além de mobilidade em maxila e ossos nasais. As imagens tridimensionais tomográficas confirmaram o diagnóstico clínico. Sob anestesia geral, as fraturas foram adequadamente reduzidas e fixadas com
placas e parafusos de titânio do sistema 2.0 e 1.5. O paciente permaneceu em acompanhamento ambulatorial,
apresentando boa cicatrização e nenhuma intercorrência pós-operatória. O exame clínico associado ao imaginológico é indispensável para o diagnóstico e seleção da conduta adequada para tratamento das fraturas complexas
da face. A fixação interna rígida proporciona excelentes resultados estéticos e funcionais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
264
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
790 – TRATAMENTO DE FRATURA DO TIPO BLOW-OUT
Autores: SORAYA DA SILVA OLIVEIRA (*) ();RENATO BARJONA MIRANDA DE MIRANDA (); CLAUDIA JORDÃO
SILVA (); LAIR MAMBRINI FURTADO (); JONAS DANTAS BATISTA ()
Introdução: As fraturas do complexo zigomático-orbitário são bastante frequentes e podem gerar grandes transtornos funcionais e estéticos. O tipo de fratura, a severidade e o envolvimento de outras estruturas faciais influenciam a modalidade de tratamento empregado. O presente trabalho expõe um caso clínico-cirúrgico de fratura do
complexo zigomático-orbitário esquerdo, envolvendo apenas o soalho orbitário, além de discutir a abordagem
utilizada para redução e fixação. Paciente L.S.P, feoderma, sexo masculino, 28 anos de idade, compareceu ao
Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de
Uberlândia, com queixas de visão dupla após cabeçada de gado. Ao exame clínico, observou-se oftalmoplegia,
distopia, além do relato de diplopia. Os exames imaginológicos confirmaram o diagnóstico clínico de fratura
do soalho orbitário esquerdo, com herniação de tecido proveniente do globo ocular. Paciente foi submetido a
procedimento cirúrgico sob anestesia geral, onde o tecido herniado foi removido do interior do seio maxilar e foi
instalada tela de titânio e parafusos do sistema 1,5mm. O paciente permaneceu em acompanhamento ambulatorial, apresentando boa cicatrização e nenhuma intercorrência pós-operatória. O diagnóstico clínico associado ao
imaginológico é indispensável para o diagnóstico e seleção da conduta adequada para tratamento das fraturas do
complexo zigomático-orbitário, além da fixação interna rígida que proporciona excelentes resultados do ponto de
vista estético e funcional.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
265
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
800 – USO DE TELA DE TITÂNIO PRÉ-MOLDADA ORBITÁRIA
PARA RECONSTRUÇÃO DA AREA CHAVE: RELATO DE CASO
Autores: GUILHERME CÂNDIDO DO ESPÍRITO SANTO ROCHA (*) (UNIVERSIDADE PAULISTA);ALEXANDRE JAVARONI PRATI (UNIVERSIDADE PAULISTA); LUCIANO MAURO DEL SANTO (UNIVERSIDADE PAULISTA); PATRICIA
RADAIC PASTORE (UNIVERSIDADE PAULISTA); DANIEL FREIRE GALLAFASSI (UNIVERSIDADE PAULISTA)
Introdução: Os traumas na região do complexo zigomático-maxillar (CZM) podem acarretar diversas deformidades estéticas e incapacidades funcionais que vão desde depressões faciais a deficiências na movimentação do
globo ocular. As fraturas do assoalho de orbita geralmente estão associadas ao deslocamento ósseo, ocasionado
pelas fraturas região zigomático-maxilar, cujas forcas comprometem as delgadas paredes orbitárias. Atualmente,
sua frequência aumentou em decorrência do maior número de acidentes de trânsito e violência urbana. O diagnóstico rápido e intervenção precoce são recomendados a fim de se prevenir sequelas, como: enoftalmo, distopia,
diplopia e limitação dos movimentos oculares. Muitas vezes fraturas de assoalho ocorrem concomitantemente
com fraturas de parede medial. A complexa geometria da órbita faz a reconstrução anatômica um procedimento
desafiador, principalmente quando acometem a área chave. O tratamento para fraturas de órbita pode ser instituído por diversas formas que são eleitas mediante o tamanho do defeito e da escolha do material reconstituinte.
Para o tratamento cirúrgico de fraturas das paredes orbitárias são utilizados vários tipos de materiais dentre
aloplásticos, alogênicos e autógenos. A seleção do material está relacionada a diversos fatores, como: tamanho
do defeito, paredes envolvidas, adaptação dos contornos internos, restauração do volume apropriado, tempo decorrido do trauma e experiência do cirurgião. O tratamento das fraturas de órbita é dividido entre o tratamento
conservador (com ou sem intervenção cirúrgica tardia, para sequelas persistentes) e o tratamento cirúrgico imediato. A eleição do tipo de tratamento obedecerá ao diagnóstico por imagem e a critérios patológicos funcionais
e motores. O objetivo deste trabalho é relatar o caso de um paciente do gênero masculino, de 16 anos de idade,
vítima de agressão física. Ao exame físico apresentava equimose e edema periorbitários a direita, ferimento corto-contuso suturado em pálpebra superior, ausência de enoftalmia, discreta oftalmoplegia em adução e supraversão do olho direito e hiposfagma. Em tomografia de face observa-se comprometimento do soalho orbitário
na sua região posterior e parede medial (área chave). Foi submetido a procedimento cirúrgico para reconstrução
do defeito orbitário com malha de titânio pré-moldada do sistema Matrix (MIDFACE Preformed Orbital Plates)
DepuySynthes através dos acessos subciliar a direita e coronal. Atualmente o paciente encontra-se com 01 mês de
pós-operatório com função e estética reestabelecidas. O uso da malha de titânio pré-moldada escolhida facilitou
o procedimento cirúrgico, diminuindo o tempo do mesmo e apresentando melhor adaptação ao sítio cirúrgico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
266
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
827 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE FRATURA DO COMPLEXO
ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIO: RELATO DE CASO
Autores: MOACIR TEOTÔNIO DOS SANTOS JUNIOR (*) ();MARCUS ANTONIO BRÊDA JÚNIOR (); MARCELO MAROTTA ARAUJO (); MILKLE BRUNO PESSOA SANTOS (); HÉLDER LIMA REBELO ()
Introdução: TRATAMENTO CIRÚRGICO DE FRATURA DO COMPLEXO ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIO: RELATO DE CASO Devido a sua localização anatômica proeminente, o complexo zigomático é a segunda estrutura
óssea da face mais acometida por fraturas, ficando atrás apenas da região nasal. Ocorrem frequentemente por
agressões físicas, acidentes de trânsito e práticas esportivas. Seu diagnóstico é dado através do exame clínico e
radiográfico associado à história do trauma (tipo, tempo decorrido e intensidade). Tais fraturas possuem sinais
característicos como assimetria facial por afundamento da região zigomática, deslocamento do ligamento palpebral lateral, deformidade da margem orbitaria, edema e equimose em região periorbital e do vestíbulo bucal da
maxila, equimose subconjuntival, enoftalmia, distopia, diplopia, hematoma palpebral, degrau na região dasutura
zigomático-frontal ou da margem orbitária inferior, degrau no pilar zigomático,parestesia do nervo infraorbitário, dor ao movimento da mandíbula e trismo. Exames radiográficos são imprescindíveis para o correto diagnóstico e tratamento, sendo indicadas as técnicas deWaters (observando o velamento do seio maxilar e fratura do
zigoma) e deHirtz (observando o grau de desvio ósseo apresentado pelo arco zigomático e a perda de projeção
ântero-posterior do zigoma). A Tomografia Computadorizada,devido àsua ausência de sobreposição de imagens
em relação as radiografias convencionais,é uma ferramenta utilizada facilitando a localização precisa das fraturas.
São classificadas segundo Knight e North a partir do grau de cominuição e seu deslocamento, ajudando assim
na escolha da melhor conduta terapêutica. Em fraturas deslocadastemcomo princípio básico a redução e fixação,
sendo o tratamento de escolha a fixação interna estável (FIE) , resultando em uma maior estabilidade, segurança
e diminuição de complicações pós-operatórias.Podem ser acessadas por via intra-oralpara o pilar zigomático,
supra-orbital na sobrancelha ou palpebral superior para sutura fronto-zigomática e para rebordo infraorbitário o
acesso subciliar outransconjuntival são alternativas disponíveis.Assim como nas fraturas maxilares, é indicado
usar placas mais delicadas e parafusos monocorticais para síntese óssea, sendo o número de pontos de fixação definido a partir do grau de deslocamento e complexidade da fratura. Este trabalho tem por objetivo expor um caso
do paciente com fratura do osso zigomático. O acesso utilizado foi o subciliar e em fundo de vestíbulo maxilar,
para fixação dos pontos referentes a cada acesso. Acompanhamento de 8 meses pós-operatório, exibindo adequada projeção Antero-posterior do osso zigomático, cicatriz subciliar quase que imperceptível e sem complicações
pós-operatórias com resultado satisfatório.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
267
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
836 – REMOÇÃO DE UM CORPO ESTRANHO EM REGIÃO DE
ÓRBITA ATRAVÉS DA ABORDAGEM TEMPORAL
Autores: LAÍSA BRENDA DE HOLANDA CAVALCANTI (*) (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO);TASIANA GUEDES
DE SOUZA DIAS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO NORTE); HÉCIO HENRIQUE ARAÚJO DE
MORAIS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO NORTE); HELDER LIMA REBELO (UNIVERSIDADE DE
PERNAMBUCO); JIMMY CHARLES MELO BARBALHO (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO)
Introdução: Acidentes com armas de fogo podem resultar em extensos traumas orbitais. Peças das armas podem
se desprender e impactar na região maxilofacial. Estas injúrias podem causar a perda da acuidade visual e prejudicar os movimentos oculares. Um tratamento multidisciplinar é requerido para lesões associadas com este tipo
de trauma. A tomografia computadorizada (T.C.) com reconstrução tridimensional é de suma importância para
determinar a localização precisa e o tamanho do objeto localizado do esqueleto facial, facilitando o planejamento
do acesso cirúrgico a ser utilizado. O acesso temporal é uma técnica fácil e simples, com mínimas complicações,
indicada para o acesso da fossa infratemporal. Este trabalho descreve o uso do acesso temporal em um paciente
do sexo masculino, 31 anos, feoderma, que compareceu ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital do Trauma em Campina Grande – PB, relatando ter sido vítima de acidente com uma culatra de
rifle que penetrou seu “rosto” no lado direito (sic). Ao exame clínico, foi verificado um objeto metálico penetrante
em região infraorbital direita e palpável em região temporal. O paciente relatou a perda de acuidade visual no
olho direito por causa do trauma e informou não ter nenhuma deficiência visual antes do acidente. Os exames
oftalmológicos constataram que a contusão no globo ocular direito desencadeou hemorragia interna importante
com lesões irreversíveis em estruturas internas, levando à perda total da acuidade visual. A T.C. com reconstrução
tridimensional (3D) revelou fraturas do osso zigomático e parede lateral direita da órbita na região de asa maior
do osso esfenoide. O corpo estranho era um objeto cilíndrico metálico que tinha passado através da órbita direita,
transfixando a asa maior do osso esfenoide e alojando-se na fossa infratemporal. O paciente foi preparado para
remoção do corpo estranho sob anestesia geral, onde foi obtida a exposição do objeto metálico, através do acesso
convencional, com uma incisão de 2 a 3 cm acima do arco zigomático na fáscia temporal, seguida da dissecção
através do lado interno da camada profunda fáscia temporal. O objeto metálico posteriormente foi seccionado
em duas partes com um alicate de corte para facilitar a remoção do mesmo. Imediatamente após a recuperação da
anestesia, um novo exame oftalmológico confirmou a perda de acuidade visual, ausência de reflexos pupilares e
a manutenção dos movimentos da musculatura extrínseca do olho. No primeiro ano de avaliação de acompanhamento, o paciente não apresentou nenhum tipo de queixa e teve um resultado estético aceitável.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
268
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
873 – ABORDAGEM CIRÚRGICA NO TRATAMENTO DE SEQUELA
DE FRATURA DO COMPLEXO ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIO:
RELATO DE CASO
Autores: THALES MORGAN GUIMARÃES SÁ (*) (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA);GABRIELA
MENDES GONÇALVES (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); CÍNTIA MIRANDA (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA); EDUARDO DE LIMA ANDRADE (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE
PÚBLICA); ADRIANO FREITAS DE ASSIS (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA)
Introdução: O trauma facial está frequentemente associado às injúrias do complexo zigomático-orbitário devido à
sua maior proeminência na face. Fraturas dessas estruturas comprometem significativamente o arcabouço ósseo
do olho, ocasionando defeitos estéticos e funcionais importantes ao paciente, como assimetria facial, enoftalmia
e diplopia. O tratamento de sequelas que envolvem o complexo zigomático-orbitário é um grande desafio para
o Cirurgião Buco-Maxilo-Facial, sendo a abordagem cirúrgica nesses casos complexa e delicada, exigindo bom
planejamento e experiência do profissional. Este trabalho se propõe a relatar um caso clínico de um paciente do
gênero masculino, 34 anos, vítima de acidente de trabalho há cerca de 02 anos, apresentando sequela de fratura
do complexo zigomático-orbitário esquerdo com acentuada distopia ocular, que foi tratado no serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Hospital Geral Roberto
Santos, em Salvador, Bahia, Brasil. A técnica de reconstrução adotada possibilitou a reabilitação e manutenção
parcial das funções e estética facial.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
269
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
874 – FRATURA DE MANDÍBULA POR PROJÉTIL DE ARMA DE
FOGO- RELATO DE CASO
Autores: GABRIELA MENDES GONÇALVES (*) (EBMSP);ANA CAROLINA PIMENTEL LEMOS (EBMSP); LUCAS
SOUZA CERQUEIRA (EBMSP); ALISSON DOS SANTOS ALMEIDA (EBMSP); ANTONIO MÁRCIO MARCHIONNI
(EBMSP)
Introdução: Fratura de mandíbula por projétil de arma de fogo – Relato de caso Mandibular fracture by firearm
Gonçalves, Gabriela Mendes1; Pimentel, Ana Carolina Lemos1; Cerqueira, Lucas Souza1; Almeida, Alisson dos
Santos1; Marchionni, Antônio Marcio2. 1- Residentes de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Escola
Bahiana de Medicina e Saúde Pública e Hospital Geral Roberto Santos 2- Preceptor da Residência de Cirurgia e
Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e Hospital Geral Roberto Santos
Resumo: Os traumas maxilofaciais que ocorrem em detrimento de projétil de arma de fogo são caracterizados
por ferimentos perfuro-contundentes que apresentam um padrão altamente variável, podendo lesar estruturas
vitais, resultando hemorragias de difícil controle e assim, necessitando de um atendimento multidisciplinar para
realizar o tratamento adequado. O perfil epidemiológico dos traumatismos faciais apresenta como agentes modificadores das relações interpessoais as mudanças sociais, urbanas e rurais, gerando ações de grande violência
física tanto de caráter pessoal quanto de grupo. 92,3% dos pacientes que apresentam traumatismos faciais por
projétil de arma de fogo são do gênero masculino enquanto o gênero feminino representa apenas 7,7% desses
casos, sendo a mandíbula a região mais acometida. Estes ferimentos resultam de forma frequente em fraturas
cominutivas com pequenos e múltiplos fragmentos. Os pacientes acometidos por essas fraturas podem apresentar mordida aberta anterior, limitação de abertura de boca e de lateralidade, desvio mandibular em abertura
máxima e em protrusão e mais raramente anquilose da articulação temporomandibular. O presente trabalho tem
como objetivo apresentar um relato de caso de uma paciente vítima de PAF e discutir os possíveis tratamentos
para as fraturas causadas por projétil de arma de fogo (PAF). Paciente, gênero masculino, 26 anos, melanoderma,
vitima de PAF em face e MID no dia. Cursando com trauma em face. Refere primeiro atendimento no Hospital
Dantas Bião na cidade de Alagoinhas- BA. Onde foi solicitada a avaliação com a equipe de Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial do HGRS em Salvador- BA. Nega alterações sistêmicas, nega alergias medicamentosas e uso
crônico de fármacos, refere etilismo social, nega tabagismo e uso de drogas ilícitas, paciente desdentado superior
e higiene oral satisfatória.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
270
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
879 – PSEUDOANEURISMA COMO COMPLICAÇÃO DE FRATURA
DE CÔNDILO MANDIBULAR: RELATO DE CASO
Autores: JULIO LEITE DE ARAUJO JUNIOR (*) (FACULDADE LEÃO SAMPAIO);DAVID GOMES DE ALENCAR GONDIM (FACULDADE LEÃO SAMPAIO); EDUARDO COSTA STUDART SOARES (FACULDADE LEÃO SAMPAIO); PAULO
CÉSAR SOLON (FACULDADE LEÃO SAMPAIO); IVO CAVALCANTE PITA NETO (FACULDADE LEÃO SAMPAIO)
Introdução: Pseudoaneurismas são complicações vasculares cada vez mais reconhecidas pelo avanço da tecnologia
na obtenção do diagnóstico, por meio clínicos, ultrassonografia (Eco Color Doppler) , tomografia computadorizada (angiotomografia) , ressonância magnética e angiografia. Esta condição pode ser tratada de forma expectante,
cirúrgica, por compressão, endovascular, embolizações, injeções de trombina, injeções de salina dentre outros.
Caso Clínico: Paciente I.I.S, do sexo masculino, feoderma, 18 anos idade, vítima de acidente motociclísticos encaminhado após 10 dias ao serviço de cirurgia bucomaxilofacial do Hospital Regional do Cariri-CE. Ao exame físico
foi observado considerável aumento de volume em região pré-auricular e submandibular a esquerda, pulsátil e
depressível a palpação, associado a dor. Apresentava maloclusão, limitação de abertura bucal, assimetria facial e
crepitação óssea em região de parassínfise mandibular a direita. Ao exame tomográfico foi evidenciado fratura
de colo do côndilo bilateral, processo coronoide à esquerda e parassínfise a direita. Diante da persistência do aumento de volume em região pre-auricular, foi solicitado uma angiotomografia e ultrassonografia com doppler dos
vasos cervicais, os quais confirmaram uma formação aneurismática associada a artéria carótida externa esquerda em região medial ao côndilo mandibular esquerdo. Após avaliação da equipe de radiologia intervencionista,
o paciente foi submetido à embolização seletiva da artéria carótida externa esquerda, seguido da regressão da
lesão e suspensão do procedimento cirurúrgico eletivo bucomaxilofacial para realização em um outro momento.
O resultado demonstrou que a embolização seletiva da artéria carótida externa foi uma opção viável, prática e
segura para o tratamento do pseudoaneurisma com resolução completa da lesão. Conclusão: Ressaltamos que os
pseudoaneurismas apresentam as fraturas faciais como fatores etiológicos raros, no entanto uma cuidadosa análise das suas características anatômicas assim como diagnóstico precoce concorrem para prevenção de acidentes
e complicações graves nas abordagens dos traumas de face. A angiotomografia e ultrassonografia com doppler
mostraram ser importantes métodos de diagnóstico, excelente alternativa na avaliação de pseudo-aneurisma
traumático de carótida aliada a interdisciplinaridade da cirurgia bucomaxilofacial com a cirurgia vascular e radio-intervenção Palavras-chave: Falso Aneurisma/terapia; Falso Aneurisma/ultrassonografia; embolização; Cirurgia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
271
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
882 – UTILIZAÇÃO DE FIXAÇÃO INTERNA ESTÁVEL PARA
TRATAMENTO DE FRATURA DE MANDIBULA EM CRIANÇA:
RELATO DE CASO.
Autores: MARIA SOCORRO FERREIRA (*) (FACULDADE LEÃO SAMPAIO);DAVID GOMES DE ALENCAR GONDIM
(CIRURGIÃO BUCO-MAXILO-FACIAL DO HOSPITAL REGIONAL DO CARIRI); IVO CAVALCANTE PITA NETO (CIRURGIÃO BUCO-MAXILO-FACIAL DO HOSPITAL REGIONAL DO CARIRI); FRANCISCO AURELIO LUCCHESI SANDRINI
(CIRURGIÃO BUCO-MAXILO-FACIAL DO HOSPITAL REGIONAL DO CARIRI); VILSON ROCHA CORTEZ TELES DE
ALENCAR (PROFESSOR DA FACULDADE LEÃO SAMPAIO)
Introdução: Fraturas do esqueleto facial são relativamente incomuns em crianças e adolescentes. Os pacientes
pediátricos compreendem menos de 15% de todas as fraturas faciais e é rara a ocorrência em crianças com a faixa
etária menor que cinco anos. Fatores sociais, culturais e de desenvolvimento estão intimamente relacionados
com a incidência. Observa-se um aumento na sua incidência à medida que as crianças iniciam a vida escolar e a
prática de atividades físicas. Apesar da proteção relativa proporcionada pela flexibilidade óssea durante essa faixa
etária, os traumas de grande energia cinética, impreterivelmente, ocasionam fraturas complexas. As particularidades anatômicas da mandíbula associadas à complexidade da fratura geram controvérsias em relação à terapêutica cirúrgica. Apesar da natureza conservadora do bloqueio maxilo-mandibular, a elevada morbidade relacionada
em especial à ATM e ao estado geral do paciente, supera os benefícios da técnica. A estabilidade tridimensional,
o reparo ósseo primário, o curto período de tratamento e a ausência de bloqueio maxilo-mandibular fazem da
fixação interna rígida (FIR) o método de escolha para o tratamento de fraturas mandibulares. Neste contexto, o
objetivo deste trabalho é apresentar o relato de caso da paciente T.A.S, 5 anos, leucoderma, gênero feminino, a
qual apresentou-se ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do hospital Regional do Cariricom
histórico de atropelamento há 7 dias. Após avaliação sistêmica, observamos, ao exame físico, assimetria facial,
mobilidade e crepitações ósseas na mandíbula e maloclusão. Ao exame tomográfico, observamos fratura de parassínfise mandibular direita e corpo à esquerda. O tratamento proposto foi a utilização de fixação interna estável
por meio da instalação de miniplacas do sistema 2.0mm, com parafusos monocorticais, visando o mínimo dano
aos germes dos dentes permanentes. Atualmente, a paciente encontra-se com satisfatório resultado estético e
funcional e aguarda para a remoção do material de osteossíntese no sexto mês de pós-operatório.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
272
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
887 – BLOQUEIO INTER-MAXILAR PELA TÉCNICA DE FIO
INTER-DENTAL CALIBROSO:
DESCRIÇÃO DA TÉCNICA
Autores: MATEUS DE CARVALHO URQUIZA (*) (FACULDADE INTEGRAL DIFERENCIAL DEVRY);ANDERSON DA
SILVA DOS ANJOS (FACULDADE INTEGRAL DIFERENCIAL DEVRY); FABRÍCIO MOREIRA SERRA E SILVA ();
Introdução: O tratamento das fraturas maxilo-mandibulares geralmente requer a oclusão dentária como referência para uma adequada redução. Uma variedade de técnicas de bloqueio intermaxilar é descrita na literatura,
mostrando suas indicações e contraindicações. A utilização de técnicas com fio de aço, barra de Erich e parafusos
de bloqueio, atualmente são as mais relatadas e utilizadas. O risco de acidentes, o tempo cirúrgico, o custo e
os danos aos dentes, são alguns dos pontos discutidos, quando se avalia as vantagens e desvantagens de cada
técnica. Assim, procuramos descrever uma opção de técnica simplificada e eficiente de bloqueio intermaxilar,
utilizando fio de aço calibroso.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
273
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
890 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE FRATURA DO COMPLEXO
ZIGOMÁTICO- ORBITÁRIO: RELATO DE CASO
Autores: DIEGO SANTIAGO DE MENDONÇA (*) (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL DE FORTALEZA);PEDRO HENRIQUE DA HORA SALES (INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA); NEY ROBSON BEZERRA RIBEIRO (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL DE FORTALEZA); DANIEL FACÓ DA SILVEIRA SANTOS (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL DE FORTALEZA);
Introdução: As fraturas de osso zigomático correspondem a um dos tipos de traumas faciais mais comuns, em
razão de sua projeção no esqueleto da face. Os principais fatores etiológicos associados a esse tipo de trauma são
acidentes de trânsito e agressão interpessoal. Existe uma leve predileção pelo sexo masculino e a faixa etária entre
3a e 5a décadas de vida é a mais acometida. O objetivo do presente trabalho é relatar o caso de um paciente do
sexo masculino, 23 anos, feoderma, vítima de acidente motociclísitico, que compareceu a um serviço especializado com queixa principal de “o meu rosto está torto e está dormente debaixo do olho”. O exame físico extra-oral
evidenciou assimetria facial, perda de projeção ântero-posterior em região correspondente à do osso zigomático
esquerdo e parestesia do nervo infra-orbitário ipsilateral. A oroscopia mostrou degrau ósseo em região do pilar
zigomático-maxilar esquerdo. A tomografia computadorizada confirmou a suspeita clínica de fratura do osso
zigomático esquerdo. O paciente foi submetido a tratamento cirúrgico dos segmentos fraturados com a utilização de acessos cirúrgicos vestibular maxilar e transconjuntival e por meio de osteossíntese com miniplacas e
parafusos do sistema 1.5. Atualmente, o paciente se encontra com 4 meses de acompanhamento pós-operatório,
apresentando abertura bucal satisfatória e sem queixas estéticas e/ou funcionais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
274
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
893 – FRACTURAS EN MANDIBULAS ATROFICAS TRATAMIENTO SEGUN EL PRINCIPIO DE CARGA SOPORTADA
Autores: SEBASTIAN BERRHAU (*) (FACULTAD DE CIENCIAS MEDICAS UNLP - CATEDRA DE CIRUGIA A);MAURICIO JACIANSKY (INSTITUTO DE ONCOLOGÍA ROFFO); FABIAN NADINI (PRACTICA PRIVADA); SEBASTIAN CARELLA (PRACTICA PRIVADA); CARLOS RIES CENTENO (UNIVERSIDAD DEL SALVADOR)
Introdução: INTRODUCCIÓN: Las fracturas de mandíbula atrófica son de compleja resolución. Debido a su baja
incidencia, no existen estudios de alto nivel de evidencia que avalen una modalidad terapéutica específica para su
tratamiento. OBJETIVO: Evaluar los resultados terapéuticos obtenidos con la reducción abierta y fijación interna
según el principio de carga soportada en el tratamiento de fracturas de mandíbulas atróficas. MATERIAL Y MÉTODO: Estudio retrospectivo observacional de aplicación en hospital municipal de tercer nivel y práctica privada.
Material: registros institucional y privado de fracturas mandibulares, período 1991-2014. Método: revisión de
historias clínicas de pacientes tratados por fracturas de mandíbula atrófica mediante reducción abierta y fijación
rígida interna según el principio de carga soportada. RESULTADOS: Se registraron 30 fracturas en 21 pacientes
con mandíbula atrófica, sobre un total de 410 pacientes con fracturas mandibulares (incidencia del 5,12%) , correspondiendo 26 (86,66%) al sexo femenino y 4 (13.33%) al sexo masculino. El rango de edad fue de 38 a 93 años
(media: 65,5 años). Todas se localizaron en el cuerpo mandibular. En 9 casos (42,85%) resultaron bilaterales. 25
fracturas fueron tratadas con placas 2.4-mm de reconstrucción mandibular y 5 con placas mandibulares 2.0-mm
de bloqueo, de 1.5 mm de perfil. No se evidenciaron complicaciones vinculadas a la consolidación ósea ni falla
del material de osteosíntesis. CONCLUSIÓN: La reducción abierta y fijación interna según el principio de carga
soportada es una terapéutica predecible y segura para el tratamiento de las fracturas en mandíbulas atróficas.
La mayoría de las publicaciones recientes comparten resultados similares y lo consideran el procedimiento de
elección actual.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
275
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Tema livre
Apresentação: Trauma maxilo-facial
895 – TRATAMENTO EMERGENCIAL DE FRATURA DE
MANDÍBULA - RELATO DE CASO
Autores: HELDER CAVALCANTE CARNEIRO JUNIIOR (*) (INSTITUTO DR JOSÉ FROTA - FORTALEZA,CE (REDIDENTE) );PAULO HENRIQUE RODRIGUES DE CARVALHO (INSTITUTO DR JOSÉ FROTA - FORTALEZA,CE (RESIDENTE)
); EDSON LUIZ CETIRA FILHO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - FORTALEZA,CE (ACADÊMICO) ); ARIEL
VALENTE BEZERRA (HOSPITAL BATISTA MEMORIAL - FORTALEZA,CE (ESPECIALISTA) ); RICARDO FRANKLIN
GONDIM (INSTITUTO DR JOSÉ FROTA - FORTALEZA,CE (ESPECIALISTA)
Introdução: Ligeiramente projetada anteriormente, a mandíbula é a segunda parte do esqueleto maxilofacial que
mais comumente fratura. As fraturas mandibulares podem ser provocadas por traumas diretos; por iatrogênias e
por patologias ósseas. No entanto, fatores são determinantes no padrão e severidade das fraturas faciais. Assim,
traumas de alta intensidade provocam fraturas faciais que podem comprometer de forma severa as via aéreas
superiores do paciente, a coluna cervical e a base do crânio, tendo em tais situações condições de emergência
clínica ou cirúrgica do paciente. Quando as fraturas mandibulares ocorrem bilaterais em parassínfise ou corpo e/
ou cominutivas, favoráveis ao deslocamento estão diretamente ligadas às situações de emergência, provocando
deslocamentos póstero-inferiores dos fragmentos e um retroposicionamento lingual dificultando assim a passagem de ar pela orofaringe. Este trabalho tem por objetivo relatar um caso de cirurgia de emergência de fratura
cominutiva de mandíbula realizada no Instituto Dr. José Frota (IJF) , Fortaleza- CE em um paciente, ANC, 25
anos, gênero masculino, vítima de acidente motociclístico e que se apresentou com politraumatismo facial. Após
avaliação da Neurocirurgia, da Cirurgia Geral e da Traumato-Ortopedia o paciente foi encaminhado e avaliado
pelo serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, apresentando-se consciente e dificuldade respiratória
em decúbito dorsal horizontal. Após anamnese não se constatou comorbidades. Clinicamente foram observadas
lesões abrasivas e laceração em terço médio e inferior de face; deslocamento com retrusão e deformidade do arco
mandibular; desoclusão dentária e mobilidade em mandíbula e maxila. Tomografia computadorizada confirmou
o diagnóstico de fratura de maxila, complexo zigomático esquerdo e fratura cominutiva de mandíbula. Em centro
cirúrgico paciente foi traqueostomizado e submetido à redução, imobilização e fixação das fraturas faciais. Fraturas mandibulares foram reduzidas e fixadas através dos acessos, submandibular e intraoral, através de placas e
parafusos do sistema 2.0mm e 2.4mm, este loking, obedecendo aos princípios anatômicos e de oclusão. A maxila
foi reposicionada e fixada somente na região anterior com sistema 2.0mm. Optou-se por realizar a cirurgia da
fratura do complexo zigomático em segundo tempo cirúrgico. Em acompanhamento pós-operatório observou-se
boa evolução clínica com estabilidade da oclusão, adequado contorno mandibular, restabelecimento a função
mastigatória, estética facial aceitável. Assim, as cirurgias de emergência na região bucomaxilofacial, consideramos que o restabelecimento da permeabilidade das vias aéreas superiores se concentra como o objetivo principal
no tratamento emergencial das fraturas de mandíbula, e quando possível, devemos perfazer o contorno facial,
a restauração da função mastigatória impedindo o desenvolvimento de infecções, devolvendo e/ou melhorando
assim a estética facial e dentária o reinserindo na sociedade.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
276
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
84 – ANQUILOSE DE ATM EM ADULTOS: RECONSTRUÇÃO COM
PRÓTESE EM METILMETACRILÁTO - RELATO DE CASO
Autores: CAIO DE ANDRADE HAGE (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO);PRISCILLA
FLORES SILVA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); FÁBIO LUIZ NEVES GONÇALVES (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); RADAMÉS BEZERRA MELO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
JOÃO DE BARROS BARRETO); THIAGO BRITO XAVIER (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO)
Introdução: A anquilose pode ser definida como sendo a fusão das superfícies articulares seja por tecido ósseo,
fibroso ou fibro-ósseo. A anquilose da articulação têmporo-mandibular (ATM) é uma condição que pode causar
problemas na mastigação, digestão, fala, aparência e higiene, o que também pode desencadear alterações psicológicas. A anquilose da ATM é classificada de acordo com a combinação do local (intra ou extra-articular) , tipo
de tecido envolvido (ósseo, fibroso ou fibro-ósseo) e a extensão da fusão (completa ou incompleta). Ela também
pode ser classificada segundo Sawhney (1986) em tipo I, no qual o côndilo está presente e possui apenas fibro-adesões; tipo II, onde há fusão óssea, o côndilo está remodelado, porém o pólo medial está intacto; tipo III, onde
já tem o bloco anquilótico, o ramo mandibular encontra-se fusionado ao arco zigomático, o pólo medial ainda
está intacto; e tipo IV, no qual já existe verdadeiro bloco anquilótico com anatomia totalmente alterada porque
o ramo está fusionado à base do crânio. A etiologia pode ser diversa incluindo trauma, condições inflamatórias
sistêmicas e locais, neoplasias e infecções na região da ATM. O fator etiológico mais comum está associado a
trauma ou infecção. Diversas técnicas têm sido citadas na literatura para o tratamento desta patologia, tais como
a artroplastia simples, interposicional e a reconstrução articular com materiais aloplásticos ou autógenos. Dessa
forma, o objetivo este trabalho é apresentar o caso clínico de uma paciente do sexo feminino, 27 anos, com histórico de infecção há 10 anos que procurou o serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo Facial do Hospital
Universitário João de Barros Barreto com queixas de disfagia, dislalia e apresentando abertura bucal máxima de
10mm tratada pela técnica da reconstrução articular com material aloplástico (prótese de metilmetacriláto) bem
como avaliar os resultados dessa cirurgia segundo esta técnica com ênfase no baixo custo do material, facilidade
de acesso e uma opção viável de tratamento a ser utilizado no sistema público de saúde (SUS).
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
277
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
104 – EMINECTOMIA: QUANDO INDICAR E COMO REALIZAR? –
RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: RODRIGO FIGUEIREDO DE BRITO RESENDE (*) (HEAPN);PAULO ROBERTO BARTHOLO (HEAPN); ANTONIO MARCOS PANTOJA (HEAPN); ROSANGELA VARELLA (HEAPN); MAURICIO MEIRELLES (HEAPN)
Introdução: A articulação temporomandibular é uma estrutura altamente especializada, que difere das demais articulações do corpo humano pelo fato dos seus movimentos serem sinérgicos e sincrônicos com a articulação do
lado oposto1, o que determina um deslocamento frequentemente bilateral e sempre em direção anterior, sendo a
. única articulação humana capaz de ser deslocada sem a ação de forças externas. A luxação mandibular pode ser
completa ou parcial e, como os ligamentos podem tornar-se mais ou menos estirados ou até mesmo rompidos,
a ATM se torna apta para deslocar novamente. Quando o deslocamento ocorre de forma constante e repetida, é
denominado habitual. Os sinais e sintomas comumente relatados e observados quando do deslocamento mandibular são boca aberta, mento protruído, espasmo muscular, salivação excessiva, fala dificultada além de dor nas
articulações. Em casos de deslocamento unilateral, a mandíbula se encontra desviada para o lado contra lateral
ao afetado. O objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico da paciente F.R, gênero feminino, leucoderma, 30
anos de idade, atendido no Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Estadual Adão
Pereira Nunes / RJ, onde o mesmo relatou dezesseis episódios de luxação de ATM. A paciente foi submetida a
eminectomia bilateral com a utilização de acesso endaural sob anestesia geral, sem intercorrências cirúrgicas. No
pós - operatório de 6 meses, não há novo episódio de luxação.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
278
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
108 – ARTROCENTESE: POR QUE INDICAR? – RELATO DE CASO
CLÍNICO
Autores: RODRIGO FIGUEIREDO DE BRITO RESENDE (*) (HEAPN);PAULO ROBERTO BARTHOLO (HEAPN); ANTONIO MARCOS PANTOJA (HEAPN); ROSANGELA VARELLA (HEAPN); MAURICIO MEIRELLES (HEAPN)
Introdução: A artrocentese é um procedimento minimamente invasivo realizado na articulação temporomandibular com baixo risco de complicações, alta taxa de sucesso e baixo um custo operacional. Este procedimento
pode ser realizado sob anestesia geral ou mesmo sob anestesia local, com ou sem sedação, sendo considerado
um procedimento de primeira linha para pacientes portadores de disfunção temporomandibular que não responderam a terapia conservadora. Dentre suas indicações de tratamento estão o deslocamento do disco articular
com redução ou sem redução, limitação da abertura bucal de origem articular, dor articular e outros desarranjos
internos na articulação. A técnica tradicional consiste em lavar e injetar medicações no espaço articular utilizando
duas agulhas nesse na região, sendo uma posicionada estrategicamente para entrada da solução de lavagem e a
outra para sua saída. Os pacientes tendem a ter resultados variados, dependendo do grau de sua doença. Estudos
mostram melhora significativa à dor, promovendo um aumento da mobilidade mandibular. Este trabalho tem
como objetivo, apresentar as indicações de artrocentese, assim como suas técnicas e medicações utilizadas em
literatura. O objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico do paciente W.R., gênero masculino, leucoderma, 32
anos de idade, atendido no Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial ddo Hospital Estadual Adão
Pereira Nunes / RJ, com história de trauma em terço inferior de face a cerca de um ano, onde o mesmo apresentava trismo severo de 4 mm. O paciente foi submetido a artrocentese bilateral sob anestesia geral, realizada com
auxílio do broncofibroscópio. Em seu pós - operatório imediato evolui com abertura satisfatória de 22 mm e após
sete dias com 37 mm em amplitude máxima.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
279
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
112 – ANQUILOSE BILATERAL DE MANDÍBULA: RELATO DE
CASO EM ADULTO
Autores: DANIEL FERREIRA DO NASCIMENTO (*) (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE);BRUNO LUIZ MENEZES
DE SOUZA (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE); ILKY POLLANSKY SILVA E FARIAS (HOSPITAL REGIONAL DO
AGRESTE); JOSÉ EUDES PROTÁZIO (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE); BELMINO CARLOS AMARAL TORRES
(HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE)
Introdução: A anquilose mandibular é a fusão da mandíbula à fossa da articulação temporomandibular, trazendo
limitações funcionais e de crescimento mandibular trazendo transtornos estéticos, tem como etiologia o trauma,
doença sistêmica e infecção como principais fatores desencadeadores. Objetivo: Relatar caso clínico no qual paciente apresenta anquilose bilateral de mandíbula e o tratamento realizado, bem como os achados da literatura.
Relato de Caso: Paciente com histórico de fratura bilateral de côndilo mandibular na infância não tratada, tendo como consequência a fusão do côndilo mandibular à fossa mandibular, apresentando limitação em abertura
bucal, deficiência em crescimento mandibular, foi submetido a procedimento cirúrgico para remoção de bloco
anquilótico bilateral através do protocolo de Kaban. Conclusão: Paciente ao ser submetido a procedimento de
remoção do bloco anquilótico através do protocolo de Kaban apresentou melhora funcional, no entanto, apenas
o tratamento cirúrgico não é o suficiente devendo o tratamento fisioterápico ser realizado para prevenção da recidiva, o déficit estético continua, devendo ser programado novo procedimento cirúrgico para melhorar a relação
maxilomandibular.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
280
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
113 – IMAGINOLOGIA DAS DISFUNÇÕES DA ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR
Autores: DANIEL FERREIRA DO NASCIMENTO (*) (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE);JEFFERSON LUIZ FIGUEIREIDO LEAL (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PERNAMBUCO/FOP); JULIANA JOB DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE
ESTADUAL DO PERNAMBUCO/FOP); BELMIRO CAVALCANTI DO EGITO VASCONCELOS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PERNAMBUCO/FOP); GABRIELA GRANJA PORTO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PERNAMBUCO/
FOP; HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE)
Introdução: A Disfunção temporomandibular (DTM) é o conjunto de condições que afetam a articulação temporomandibular (ATM) e/ou os músculos da mastigação, assim como os componentes teciduais adjacentes. Algumas mazelas podem acometer a ATM como: Lesões inflamatórias, doenças degenerativas, distúrbios posturais,
traumas e outras patologias, então é de grande importância o exame clínico e se necessário para um diagnóstico
preciso exames de imagem compatíveis com a hipótese diagnóstica para que seja planejado o melhor tratamento.
Objetivo: Reconhecer as principais disfunções da ATM e seus principais sinais e sintomas abordando casos clínicos, identificar os principais exames por imagem para diagnosticar as disfunções da ATM e relacionar os possíveis
exames imaginológicos com as diversas patologias da ATM. Conclusão: A solicitação de exames de imagem deve
ser baseada no exame clínico minucioso, tomografia computadorizada é o exame de escolha para observar as alterações ósseas da ATM, ressonância magnética é o exame indicado para observar alterações nas estruturas moles
da ATM, radiografias planas podem ser úteis para um diagnóstico inicial.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
281
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
120 – REABILITAÇÃO COM PRÓTESE DE ATM PERSONALIZADA:
CASO CLÍNICO
Autores: JULIANA TEREZINHA GARCIA (*) (HOSPITAL REGIONAL DE SÃO JOSÉ DRº HOMERO DE MIRANDA
GOMES - HRSJHMG);AIRA MARIA BONFIM SANTOS (PROFª DRª UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC); HENRIQUE TAVARES (CIRURGIÃO DENTISTA ESPECIALISTA EM PRÓTESE DENTÁRIA); EDUARDO MEURER (DRº EM CTBMF E CHEFE DO SERVIÇO DE CTBMF DO HRSJHMG);
Introdução: A necessidade de técnicas de reconstrução mandibular devido a doenças como traumas, neoplasias,
cistos entre outras, fez as próteses de Articulação Temporomandibular (ATM) evoluírem. Hoje em dia existem basicamente dois tipos de próteses aloplásticas para a ATM: as personalizadas e as pré-fabricadas. O objetivo deste
trabalho é apresentar um caso clínico tratado com prótese personalizada de ATM da empresa Promm, operado
no Hospital Regional de São José Drº Homero de Miranda Gomes – HRSJHMG em 2013. A paciente com historia de ameloblastoma multicistico em mandíbula tratada há mais de 11 anos com ressecção em bloco da lesão
e reconstrução com prótese de ATM, apresentou-se no presente Hospital com queixas como dor e má oclusão.
Apresentava limitação de abertura bucal além de desadaptação da prótese articular. Foi realizada cirurgia para a
troca da prótese. Optou-se por uma prótese personalizada. A paciente evoluiu bem no pós-operatório e já possui
acompanhamento de 1,5 anos sem intercorrências.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
282
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
146 – A UTILIZAÇÃO DA VISCOSSUPLEMENTAÇÃO NO MANEJO
DAS DESORDENS TEMPOROMANDIBULARES
Autores: LÍVIA MARIA VIDIGAL QUINTÃO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA);GLAUCIA VALIAS FILGUEIRAS (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); JOÃO PAULO MARINHO DE RESENDE (UNIVERSIDADE
FEDERAL DE JUIZ DE FORA); LUCAS NARDELLI MONTEIRO DE CASTRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE
FORA); EDUARDO STEHLING URBANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA)
Introdução: As disfunções temporomandibulares nas quais observa-se deslocamentos de disco com e sem redução muitas vezes estão associadas às alterações inflamatórias como sinovite, retrodiscite e capsulite ou alterações
degenerativas como osteoartrose e osteoartrite (BONOTTO, CUSTÓDIO E CUNALI, 2014). Diferentes abordagens têm sido propostas para o controle dessas disfunções, havendo tratamentos classificados como conservadores (fármacos, fisioterapia, placas oclusais estabilizadoras e reposicionadoras, orientações) , minimamente invasivos (infiltrações de hialuronato de sódio, de corticosteroides, artrocentese) e invasivos (artroscopia, artroplastia,
artrotomia) (JANUZZI e IWAKI FILHO, 2013). O ácido hialurônico (AH) é encontrado na matriz extracelular
de diversos tecidos conjuntivos, incluindo a cartilagem articular e o liquido sinovial. Tem um efeito mecânico e
metabólico. O conceito mecânico é baseado na função de lubrificação dos tecidos articulares, devido ao seu alto
peso molecular e o papel metabólico diz respeito à nutrição das peças avasculares da articulação, como o disco e
a cartilagem condilar (NARDINI, MASIERO e MARIONI, 2005; MANFREDINI et al., 2009; JANUZZI e IWAKI
FILHO, 2013). A viscossuplementação da ATM é uma técnica minimamente invasiva, que consiste na injeção intra-articular de hialuronato de sódio (HS) , principalmente no espaço articular superior, com o objetivo de eliminar ou diminuir a dor e proporcionar ganho funcional articular, promovendo melhora do liquido sinovial. Além
disso, essa substância, conforme seu peso molecular, pode aumentar a produção do AH natural pelas células
sinoviais, apresentando uma excelente propriedade terapêutica (MANFREDINI et al., 2009). Geralmente é realizada em associação com a artrocentese, sendo indicada no tratamento das seguintes condições: deslocamento
agudo e crônico do disco com redução e sem redução, osteoartrose, osteoartrite e doença articular degenerativa
(JANUZZI e IWAKI FILHO, 2013).
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
283
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
159 – A UTILIZAÇÃO DO ÁCIDO HIALURÔNICO NAS
ALTERAÇÕES DEGENERATIVAS DA ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR
Autores: LÍDIA DE ALMEIDA CÂNDIDO VARGAS (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA);LETÍCIA VENÂNCIO CALIL (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); DANIELA ALMEIDA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ
DE FORA); LUCAS NARDELLI MONTEIRO DE CASTRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); EDUARDO
STEHLING URBANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA)
Introdução: Estudo que teve objetivo de revisar a literatura baseada na técnica de Viscossuplementação, analisando a eficácia do protocolo padrão e a utilização do ácido hialurônico na mesma, incluindo um relato de caso clínico, no qual a terapia em questão foi utilizada. Doenças degenerativas da articulação temporomandibular (ATM)
são as causas, frequentemente, de dor orofacial, por isso, ao longo dos anos, várias abordagens têm sido propostas para controlar os sintomas e para melhorar a função da articulação; entre elas, a viscossuplementação com
injeções de ácido hialurônico vem ganhando difusão, sendo um dos tratamentos mais utilizados para a osteoartrite da ATM, onde a concentração e peso molecular do ácido hialurônico no fluido sinovial estão diminuídos. Sua
técnica consiste na suplementação e aumento das propriedades reativas do líquido sinovial, suprindo a barreira
viscoelástica, sob a qual a regeneração tecidual e função ocorrem. Ela é considerada uma técnica minimamente
invasiva, sendo que a injeção intra-articular é feita com o objetivo de eliminar ou diminuir a dor e proporcionar
ganho funcional articular, promovendo melhora qualitativa e quantitativa do liquido sinovial, além de ter menor
custo e ser eficaz à curto e médio prazo;. Concluiu-se que há necessidade de mais evidências sobre a potencial
eficácia da estratégia usada na viscossuplementação para gerenciar distúrbios degenerativos, além de desenvolver
um protocolo ideal que otimize no número de aplicações e proporcione uma técnica menos invasiva, nesse aspecto. O papel no comprometimento da lubrificação das articulações como fator de risco para desarranjos internos
da ATM e, subsequentemente, em distúrbios inflamatório-degenerativos fornece um razão para a realização da
viscossuplementação, que é apoiado pela evidência clínica de sua eficácia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
284
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
177 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ANQUILOSE
TEMPOROMANDIBULAR EM PACIENTE HEBIÁTRICO
UTILIZANDO ENXERTO COSTOCONDRAL: RELATO DE CASO
Autores: MARA MAGNOLER SAMPAIO MEI (*) (SANTA CASA DE CAMPO GRANDE-MS);EVERTON FLORIANO
PANCINI (SANTA CASA DE CAMPO GRANDE-MS); HUGO MITUO DE OLIVEIRA (SANTA CASA DE CAMPO GRANDE-MS);
Introdução: A anquilose da articulação temporomandibular consiste na fusão do processo condilar junto à fossa
mandibular, podendo ser óssea ou fibrosa. Possui etiologia multifatorial, decorrente à fatores congênitos, processos infecciosos na região articular, radioterapia e trauma. Essa aderência restringe os movimentos articulares,
limitando as funções fisiológicas como a mastigação, deglutição e fonação resultando ainda em problemas estéticos, psicossociais. O diagnóstico é obtido pela correlação dos sinais clínicos e imaginológicos. O tratamento consiste basicamente na ressecção do bloco anquilótico e reconstrução da articulação com interposição de material
autógeno ou alógeno e fisioterapia imediata. Por ventura, recidivas podem vir a suceder o tempo cirúrgico, o que
se torna um verdadeiro desafio para o cirurgião buco-maxilo-facial. Sendo assim, o presente trabalho tem por
objetivo descrever o caso do paciente gênero masculino, 15 anos, leucoderma, sem comorbidades, com histórico
de trauma durante o parto por uso de fórceps obstétrico e tratamento cirúrgico prévio na infância sem sucesso.
Relatava limitação de abertura bucal e assimetria facial. Após exame clínico e imaginológico foi diagnosticado
como portador de anquilose de ATM unilateral a direita classe IV de Sawhney. Foi realizado o tratamento cirúrgico através da osteotomia e osteoplastia do tecido anquilótico e reconstrução condilar com enxerto costocondral
associado à coronoidectomia contralateral. No pós-operatório imediato foi submetido à mobilização precoce e
efetiva fisioterapia, obtendo melhora na amplitude de abertura bucal assim como reestabelecimento das funções
mastigatórias, sendo observado manutenção do resultado em cinco meses de proservação. São ainda descritos as
vantagens, desafios e resultados satisfatórios do enxerto costocondral como material de reconstrução articular
nos pacientes em fase de crescimento assim como a necessidade do acompanhamento clínico e imaginológico
criterioso a longo prazo, o que corrobora com as evidências científicas pesquisadas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
285
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
243 – CASO CLÍNICO DE RESSECÇÃO DE ANQUILOSE ÓSSEA DE
ATM COM RECONSTRUÇÃO PROTÉTICA
Autores: FABIANO MARTINS (*) (HOSPITAL GERAL);ROGERIO ALMEIDA SILVA (HOSPITAL GERAL); DANIEL KAZUTOYO DA PAIXÃO UYEDA (HOSPITAL GERAL);
Introdução: Anquilose da articulação temporomandibular é uma condição patológica onde o côndilo encontra-se
fusionado à fossa articular por tecido ósseo, fibroso ou fibro-ósseo. Interfere na mastigação, fala, higienização
oral, e pode trazer um potencial risco de vida quando em uma situação de emergência este paciente necessita
reestabelecer uma via aérea segura através das manobras de chin lift, jaw thrust. Existem múltiplos fatores que
podem resultar na formação de uma anquilose de ATM, como trauma, infecção, artrite, cirurgia de ATM prévia,
deformidades congênitas e fatores idiopáticos. Trauma é a causa mais comum de anquilose da ATM somando
31% a 98% dos casos. Investigações epidemiológicas mostram que a idade do paciente e o tipo de trauma estão relacionados com a anquilose. Devido as crianças terem maior potencial de crescimento que os adultos elas
desenvolvem a anquilose com maior facilidade devido a reação tecidual exacerbada ao trauma. Uma fratura de
côndilo intracapsular, que danifica tanto tecido ósseo quanto tecidos moles adjacentes é a causa mais provável de
anquilose. Devido a sua evolução lenta, é muitas vezes negligenciada pelo paciente, que só procura tratamento
quando ocorre restrição total de abertura de boca. Seu diagnóstico no período inicial é difícil devido a ausência
de manifestações radiográficas. O tratamento incluí ressecção completa do tecido anquilótico, reconstrução da
ATM e correção da deformidade mandíbular remanescente. Vários métodos são descritos, como artroplastia
interposicional e reconstruções com enxertos autógenos ou materiais aloplásticos. Paciente do sexo feminino,
20 anos, deu entrada em nosso serviço em 2013 com história de fratura de mandíbula (côndilo) por acidente
automobilístico há 10 anos, referiu queixa de limitação de abertura bucal e assimetria facial. A mesma foi submetida à resseção da massa anquilótica, coronoidectomia ipsilateral e contralateral, reconstrução articular com
material aloplástico e osteotomia sagital mandibular para correção da deformidade mandibular. Concluímos que
a reconstrução com prótese de ATM de estoque, mostrou-se um método previsível, rápido, com baixa morbidade
e com retorno funcional rápido.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
286
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
258 – EMINECTOMIA: TRATAMENTO DE LUXAÇÃO DA
ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (ATM) E CASO CLÍNICO
Autores: MARIA EDUARDA BENÉ DE OLIVEIRA SABINO (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO RECIFE);THALLES MOREIRA SUASSUNA (HOSPITAL GETÚLIO VARGAS); MARCELO FRIAS DE MEDEIROS (HOSPITAL GETÚLIO
VARGAS); ADIMILSON JOSÉ DA SILVA JUNIOR
(UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); MARIA CATARINA DA COTA NETA (HOSPITAL GETÚLIO VARGAS)
Introdução: A luxação da articulação temporomandibular (ATM) é a perda parcial ou total do contato entre as
duas superfícies ósseas articulares, na qual o côndilo é movido para uma posição anormal em relação à fossa mandibular, podendo apresentar-se: anterior, posterior, superior, lateral ou medial ao tubérculo articular, e assim,
não volta à posição correta sem a intervenção de forças externas para a redução. Esta condição pode apresentar-se como um episódio isolado ou adquirir um caráter recorrente, necessitando, muitas vezes, de tratamento
cirúrgico. Basicamente existem duas modalidades cirúrgicas, uma com o objetivo de restringir a abertura bucal
(ancoragens e aumento da eminência articular com uso de anteparos) e a outra com a finalidade de promover
movimentos mandibulares livres (remoção da eminência articular). Paciente CO, 33 anos, gênero feminino e melanoderma compareceu ao Hospital da Face – HGA relatando episódios semanais de Luxação durante atividades
funcionais. Foi indicado e instituído o tratamento cirúrgico através da Eminectomia bilateral. A técnica consiste
em, através do acesso pré-auricular, expor o tubérculo articular, osteotomia na base deste e osteoplastia até ficar
nivelado com o arco zigomático. A paciente evoluiu sem intercorrências e com resolução das suas queixas. A
eminectomia é uma modalidade cirúrgica amplamente utilizada, relatada e aceita, desta forma, permanece como
sendo opção bastante viável para tratamento das Luxações de ATM.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
287
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
277 – ABORDAGEM SECUNDÁRIA APÓS TRATAMENTO
CIRÚRGICO DE LUXAÇÃO MANDIBULAR RECIDIVANTE:
RELATO DE CASO
Autores: ILKY POLLANSKY SILVA E FARIAS (*) (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE);RAFAEL DE SOUSA CARVALHO SABOiA (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE); DANIEL FERREIRA DO NASCIMENTO (HOSPITAL REGIONAL
DO AGRESTE); BRUNO LUIZ MENEZES DE SOUZA (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE); AIRTON VIEIRA LEITE
SEGUNDO (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE)
Introdução: A luxação da Articulação TemporoMandibular (ATM) ocorre quando o côndilo mandibular se move
para fora da fossa mandibular e permanece travado anteriormente à eminência articular, sendo sua ocorrência
repetitiva, geralmente associada à hipermobilidade mandibular e ao grau de inclinação da eminência articular. O
deslocamento anterior é o mais comum, podendo ser uni ou bilateral. Quando é unilateral, o paciente apresenta
desvio de linha mediana dos dentes mandibulares e do mento para o lado normal. Quando bilateral, não ocorre desvio de linha mediana dos dentes mandibulares nem do mento, e sim um falso prognatismo mandibular.
Na palpação, sente-se a ausência do côndilo na fossa articular. O paciente relata dor na região pré-auricular, na
ATM, dificuldades de deglutição e fonação, sialorréia e ruído durante a abertura da boca. A cada vez que ocorre a
luxação, há mais estiramento e rompimento do ligamento capsular, conduzindo a mais episódios. OBJETIVO: O
presente trabalho tem por objetivo relatar um caso de luxação mandibular recidivante pós-operatório. CONCLUSÃO: O tratamento da luxação mandibular recidivante demanda um diagnóstico e planejamento sistematizado,
haja vista a escolha da técnica cirúrgica ser dependente do estado geral do paciente, do número de episódios de
luxação, de ser uni ou bilateral e dos aspectos anatômicos da fossa mandibular e eminência articular. Os tratamentos cirúrgicos apresentam bons resultados, baixo índice de complicações e menor chance de recidiva, sendo
a eminectomia a primeira escolha no tratamento deste quadro clínico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
288
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
324 – CONSIDERAÇÕES ANATOMO CIRÚRGICAS NO ACESSO
AO CÔNDILO MANDIBULAR POR ABORDAGEM ENDAURAL,
RETROMANDIBULAR, PRÉ-AURICULAR E SUBMANDIBULAR
Autores: JANE DE FREITAS REIGOSA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA);LIVIA MARIA VIDIGAL
QUINTÃO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); JOÃO PAULO MARINHO DE RESENDE (UNIVERSIDADE
FEDERAL DE JUIZ DE FORA); LUCAS NARDELLI MONTEIRO DE CASTRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE
FORA); EDUARDO STEHLING URBANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA)
Introdução: O côndilo é um dos mais frequentes sítios de fraturas mandibulares, variando de 9 a 50% de todas
as fraturas maxilofaciais. A exemplo de redução de fraturas condilares e subcondilares existem as abordagens
retromandibular, pré auricular, submandibular e endaural. A escolha da abordagem cirúrgica é feita a partir da
localização da fratura e como melhor acessá-la para que se evite a possibilidade de possíveis danos ao nervo facial
ou artéria maxilar e a possibilidade de cicatrizes pós-operatórias. O presente estudo teve como objetivo a análise
comparativa dos acessos cirúrgicos ao côndilo mandibular, propondo a melhor abordagem de acordo com as características de cada caso. A revisão de literatura foi realizada através da base de dados Pubmed. No procedimento
cirúrgico a artéria maxilar está sob risco de injúria e tem estreita relação com a porção medial do côndilo mandibular. A abordagem retromandibular é ideal para a técnica de redução por osteossíntese e uso de miniplacas. O
acesso endaural permite uma excelente exposição das porções anterior, posterior e lateral da ATM. Inferiormente
a abordagem proporciona um bom acesso ao espaço inferior e colo do côndilo. A abordagem pré-auricular é o
acesso com a maior prevalência de uso e é ideal para o tratamento de fraturas das porções superiores do côndilo.
Incisão submandibular é a escolha ideal para fraturas do corpo mandibular e ângulo mandibular e é contraindicado para fraturas do ramo ou fraturas condilares média e alta, pois apresenta espaço restrito para exposição
e operação. É possível observar que o local anatômico das fraturas condilares e as características individuais de
cada paciente determinam a escolha da abordagem cirúrgica a ser utilizada. O risco de lesão do nervo facial está
presente em todos os acessos abordados. Para as fraturas altas de côndilo, o acesso pré-auricular é recomendado,
já as para as fraturas de colo de côndilo é indicado o acesso retromandibular e a abordagem endaural possibilita o
melhor resultado estético, dentre os diferentes acessos ao côndilo mandibular.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
289
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
327 – ARTROCENTESE COMO TRATAMENTO COADJUVANTE DE
DESORDENS TEMPOROMANDIBULARES
Autores: JANE DE FREITAS REIGOSA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA);ERICK DE ALMEIDA GONÇALVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); JOÃO PAULO MARINHO DE RESENDE (UNIVERSIDADE
FEDERAL DE JUIZ DE FORA); LUCAS NARDELLI MONTEIRO DE CASTRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE
FORA); EDUARDO STEHLING URBANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA)
Introdução: A desordem temporomandibular caracteriza-se como alterações estruturais e funcionais do sistema
estomatognático, que são caracterizadas por dor na articulação temporomandibular (ATM) , limitações em movimentos mandibulares, ruídos na ATM e sintomas otológicos. Diagnosticada a origem da disfunção temporomandibular institui-se os tratamentos conservadores da desordem. Entretanto, diante da não responsividade ao
tratamento conservador adotado, a artrocentese é a primeira linha de intervenção cirúrgica para a terapêutica
da condição. A artrocentese é um procedimento minimamente invasivo capaz de reduzir dor, sons articulares e
aumentar a abertura bucal. Define-se a artrocentese como sendo a lavagem da articulação e drenagem do fluído
articular podendo ser realizado uma viscossuplementação. É indicada nos casos de deslocamento anterior de disco sem redução, adesão de discos e desordens inflamatórias intracapsulares. O objetivo foi relatar o caso no qual
utilizou-se o procedimento de Artrocentese em um paciente com Desordem Temporomandibular e descrever a
técnica cirúrgica utilizada como terapia coadjuvante para esta patologia. No presente estudo o paciente apresentando Desordem Temporomandibular, dor pré-auricular, estalidos, crepitação, dor orofacial, incompetência
funcional mastigatória e usuário de longa data de placa miorrelaxante foi submetido à cirurgia de artrocentese
pela técnica com o uso de dois portais. Após a cirurgia o paciente apresentou melhora significativa do quadro
sintomatológico. Pode-se concluir que a artrocentese é uma intervenção cirúrgica eficaz para o tratamento coadjuvante das desordens temporomandibulares.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
290
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
361 – LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DOS PACIENTES
ATENDIDOS NA CLÍNICA MANGANELLO COM DESARRANJOS
DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR
Autores: ROBERTO GIL DE ALCÂNTARA MALLET (*) (CLÍNICA MANGANELLO);LUIZ CARLOS SOUZA MANGANELLO (CLÍNICA MANGANELLO);
Introdução: Neste estudo, realizamos o levantamento de 174 pacientes atendidos na Clínica Manganello, nos
anos de 2014 e 2015 (até o mês de Abril) , cuja queixa inicial foi de desarranjos na ATM. Identificamos que a
grande maioria destes pacientes, pertencem ao sexo feminino, numa faixa etária que vai dos 20 aos 40 anos de
idade. A presença de hábitos parafuncionais, ruídos articulares (ATM) e sintomatologia dolorosa em musculatura
mastigatória foram achados bastante frequentes (acima de 50% dos casos). A limitação de abertura bucal inicial
(menos de 30 mm) ocorreu em apenas 1% deles. 70% dos pacientes referiram, na primeira consulta, dor igual ou
maior que 04 usando a escala analógica visual (VAS).
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
291
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
377 – TRATAMENTO DA LUXAÇÃO RECIDIVANTE DO CÔNDILO
MANDIBULAR: COMPARAÇÃO ENTRE DUAS TÉCNICAS
CIRÚRGICAS
Autores: MÍRIAM THARSILA DE ASSIS OLIVEIRA (*) (ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR);AIRTON VIEIRA LEITE SEGUNDO (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE); ANA CARINE FERRAZ RAMEIRO (HOSPITAL
REGIONAL DO AGRESTE); EMERSON FELIPE DE CARVALHO NOGUEIRA (HOSPITAL REGIONAL DO AGRESTE);
Introdução: RESUMO A luxação recidivante do côndilo mandibular é caracterizada pelo seu deslocamento para
fora da fossa mandibular do osso temporal e não é capaz de retornar, permanecendo travado anteriormente à
eminência articular, de ocorrência repetitiva, e que, para voltar à posição fisiológica, é necessária redução manual.
A luxação pode ocorrer durante tratamentos odontológicos, laringoscopia para intubações endotraqueais, traumas na região facial, bocejos, dentre outros. O rompimento ou estiramento dos ligamentos da articulação, alterações anatômicas na inclinação e altura da eminência articular, bem como na profundidade da fossa mandibular e,
por fim, espasmos intensos no músculo pterigoideo lateral e abaixadores da mandíbula são os principais fatores
etiológicos da luxação do côndilo mandibular. Dificuldade de fechar a boca, depressão pré-auricular, tensão dos
músculos da mastigação e dor severa na região articular são os achados clínicos mais frequentes. O objetivo do
presente trabalho é relatar dois casos de luxação recidivante de côndilo mandibular tratados por técnicas cirúrgicas diferentes (eminectomia e inserção de anteparo com mini placa e parafuso) , bem como descrever as indicações, contraindicações, vantagens e desvantagens das duas técnicas. O relato de caso 1 trata-se de paciente do
sexo feminino, 24 anos, apresentando quadro de luxação de côndilo mandibular direito. A mesma relatou ocorrência de até 7 episódios por dia. Ao exame clínico, foi observado abertura bucal interincisal de 52 mm, perda dos
molares inferiores e má-oclusão dentária. O exame radiográfico revelou a presença de eminência articular direita
alta, sendo então realizado o tratamento cirúrgico de eminectomia. Paciente evoluiu bem e sem intercorrências,
abertura bucal de 50 mm e sem episódios de luxação com 1 ano e 3 meses de proservação. O caso clínico 2 trata-se
de paciente do sexo feminino, 46 anos, apresentando quadro de luxação bilateral. A paciente relatou ocorrência
de até 4 episódios por semana. Ao exame clínico, foi observado abertura bucal interincisal de 48 mm, ausência
de vários elementos dentários e queixa de dor em região de ATM. O exame radiográfico revelou a presença de
eminência articular baixa bilateral, sendo o tratamento cirúrgico realizado de colocação de anteparo com placa e
parafusos. A paciente evoluiu bem, sem intercorrências, abertura bucal de 45mm e sem episódios de luxação com
6 meses de proservação. O tratamento da LRCM demanda um diagnóstico e planejamento sistematizado, haja
vista a escolha da técnica cirúrgica ser dependente do estado geral do paciente, número de episódios de luxação,
ser uni ou bilateral e aspectos anatômicos da fossa mandibular e eminência articular. Os tratamentos cirúrgicos
apresentam menor chance de recidiva, sendo a eminectomia a primeira escolha no tratamento da LRCM. Palavras-chave: Côndilo mandibular, luxação, tratamento cirúrgico.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
292
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
407 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ANQUILOSE
TEMPOROMANDIBULAR EM PACIENTE COM SEQUELA DE
FRATURA MANDIBULAR.
Autores: MATHEUS DANTAS DE ARAÚJO BARRETTO (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN);LUANA MARIA FERREIRA NUNES (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN);
JEFFERSON ROCHA TENÓRIO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN); JOSÉ SANDRO
PEREIRA DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN); PETRUS PEREIRA GOMES
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN)
Introdução: As fraturas em ossos faciais acometem preferencialmente a mandíbula devido à sua posição e proeminência. O côndilo mandibular é o segundo sítio mais comumente afetado e o diagnóstico dessas fraturas se
dá através de um apurado exame clínico e imaginológico. Falha no processo de diagnóstico e tratamento desse
tipo de fratura pode levar ao quadro de Anquilose da Articulação Temporomandibular (AATM). A AATM associada ao trauma é uma complicação rara das fraturas mandibulares e está associada com fraturas intracapsulares,
imobilização prolongada da mandíbula, fraturas condilares não tratadas ou tratamento cirúrgico inadequado. As
principais modalidades de tratamento para a AATM incluem: artroplastia em gap, artroplastia interposicional e a
reconstrução articular com enxertos autógenos e aloplásticos. Além disso, a fisioterapia durante o pós-operatório
é essencial, pois trás resultados funcionais satisfatórios. O presente trabalho tem o objetivo de relatar o caso clínico de um paciente do gênero masculino, 20 anos de idade, vítima de acidente automobilístico que não realizou
tratamento cirúrgico imediato de fratura mandibular. O paciente buscou o serviço de cirurgia e traumatologia
buco-maxilo-facial da UFRN, queixando-se de limitação bucal. O exame clínico revelou severa limitação de abertura bucal (6mm) associada à assimetria facial, desvio mandibular para o lado esquerdo e aumento de volume na
região de ATM direita. A tomografia computadorizada constatou a presença de fratura de parassínfise esquerda e
fratura alta no côndilo mandibular direito, além da presença de AATM grau I de Shawney (adesão fibro-óssea leve
à moderada) no côndilo em questão. Com base nos achados clínicos e imaginológicos, o diagnóstico foi de AATM
secundária à trauma e o paciente foi submetido à tratamento cirúrgico com artroplastia interposicional utilizando retalho de fáscia e músculo temporal, e fixação interna rígida da ATM e parassínfise. O paciente seguiu com
fisioterapia pós-operatória para auxiliar o aspecto funcional da articulação. O pós-operatório de 5 anos constatou:
abertura interincisal máxima de 37mm, oclusão mantida e estável, ausência de danos nos ramos do nervo facial
e sem sinais de recidiva. O presente trabalho objetiva fazer o relato clínico de um caso de AATM pós-trauma bem
como trazer uma revisão crítica da literatura atual a cerca das modalidades de tratamento existentes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
293
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
412 – TRATAMENTO CIRÚRGICO DA LUXAÇÃO RECIDIVANTE
DO CÔNDILO MANDIBULAR: RELATO DE CASO
Autores: ELLEN CRISTINE DE CARVALHO SIQUERA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO);EMERSON
FILIPE DE CARVALHO NOGUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO); RICARDO JOSÉ DE HOLANDA
VASCONCELLOS (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO); TATIANA NUNES SILVA ALENCAR (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO); VANESSA PATRÍCIA DE LIMA LIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO)
Introdução: TRATAMENTO CIRÚRGICO DA LUXAÇÃO RECIDIVANTE DO CÔNDILO MANDIBULAR: RELATO DE CASO A luxação mandibular é considerada recidivante quando há ocorrência de pelo menos três episódios
num período de seis meses. Nesse tipo de luxação, o côndilo mandibular pode deslocar-se para posterior, lateral,
medial, superior, e anterior. Sendo o deslocamento anterior o mais frequente, podendo surgir durante abertura
bucal aumentada, como no bocejo, na manipulação da mandíbula durante tratamento dentário, no trauma, e
até mesmo no momento da intubação endotraqueal. Clinicamente, o paciente pode apresentar incapacidade de
fechar a boca, depressão pré-auricular, sialorréia, protusão do mento ou seu desvio para o lado oposto, tensão da
musculatura mastigatória e dor. O diagnóstico é clínico, porém exames de imagem, como radiografias e tomografias nos auxiliam na observância das estruturas articulares. Os tratamentos podem ser emergenciais através
da redução com a manobra de Nelaton; não-cirúrgicos, a exemplo da infiltração de substâncias esclerosantes; e
cirúrgicos, como a eminectomia ou colocação de anteparo com mini placa e parafuso. A eminectomia consiste na
remoção da eminência articular por meio de osteotomia, com objetivo de propiciar uma livre movimentação do
côndilo sem travamento. Atualmente, é o método terapêutico definitivo mais aceito, por apresentar bons resultados, menor risco de aderência e interferência na abertura durante a translação condilar. O presente trabalho
relata o caso de um paciente do sexo masculino, 22 anos, portador de necessidades especiais, atendido na emergência do Hospital Regional do Agreste, em Caruaru/PE, apresentando um quadro de luxação mandibular bilateral e histórico de ocorrência frequente. Realizou-se redução pela manobra de Nelaton, imobilização com a técnica
de Barton. Devido ao histórico de frequente recorrência do quadro clínico, o diagnóstico de luxação mandibular
recidivante foi estabelecido. Na radiografia panorâmica dos maxilares observou-se eminências articulares com
altura aumentada. O tratamento de escolha foi a eminectomia bilateral. Realizada sob anestesia geral, e acessos
pré-auricular extendido em um dos lados e endaural no lado contralateral. A eminência articular foi removida
através de osteotomias com brocas 702 e osteoplastia com broca maxicute, seguida pela sutura por planos. No 7º
dia, de pós-operatório, o paciente retornou sem queixas, e sem alterações na motricidade da musculatura facial.
Num seguimento de 24 meses, o paciente não apresentava sinais de recidiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
294
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
555 – TRATAMENTO CIRÚRGICO TARDIO DE FRATURA
CONDILAR COMPLEXA COM PRÓTESE DE ATM: RELATO DE
CASO
Autores: CHRISTOPHER CADETE DE FIGUEIREDO (*) (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO ESTADO DA
PARAÍBA);IGOR FIGUEIREDO PEREIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); JORGE ANTÔNIO DIAZ
CASTRO (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA); ADRIANO DUARTE QUINTANS (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO ESTADO DA PARAÍBA); JOSÉ LACET DE LIMA JÚNIOR (SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS NO
ESTADO DA PARAÍBA)
Introdução: Aproximadamente 30-36% das fraturas mandibulares ocorrem na região condilar. Historicamente as
fraturas condilares não são tratadas cirurgicamente, e sim de forma conservadora com o bloqueio maxilo-mandibular seguido de fisioterapia. O tratamento cirúrgico é indicado nos casos de: Côndilos deslocados e/ou desalojados, pacientes edêntulos, perda de altura de ramo mandibular e quando a manipulação fechada não conseguir
restabelecer a movimentação e/ou oclusão pré-trauma. Em casos de fibrose recorrente e/ou anquilose a prótese
de ATM deve ser considerada. Objetivo: Demonstrar o tratamento tardio de fratura condilar unilateral complexa, com instalação de prótese de ATM e avaliar os resultado dessa cirurgia. Relato do caso: Paciente do gênero
masculino, 47 anos, desdentado total, vítima de acidente de trabalho, apresentando sintomatologia dolorosa em
ATM esquerda, limitação e desvio da abertura bucal para a esquerda. Na TC foi observado a presença de fratura
condilar complexa na região, com fragmentos intermediários, intra e extra capsulares. A redução cirúrgica era
inviável, devido à cominução da fratura e ao edentulismo do paciente. Optou-se pela instalação de uma prótese de
ATM standard da W. Lorenz, porém a cirurgia só foi liberada pelo plano de saúde 60 dias após o trauma, isso promoveu um princípio de anquilose na ATM envolvida. Conclusão: A reconstrução cirúrgica com prótese de ATM
para o tratamento de fratura condilar complexa se mostrou eficaz. O paciente foi reabilitado funcionalmente e
esteticamente. Descritores: Articulação Temporomandibular, Anquilose, Prótese Mandibular.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
295
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
625 – HIPERPLASIA CONDILAR: RELATO DE CASO
Autores: ISABELLA CUNHA COSTA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);INGRID FABIANE COSTA DE
SOUZA CAVALCANTI (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); JOSÉ WILSON NOLETO RAMOS JÚNIOR (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); MARCOS ANTÔNIO FARIAS DE PAIVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);
MARINA MACEDO CORDEIRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA)
Introdução: A hiperplasia condilar é uma malformação incomum provocada pelo crescimento excessivo de um
dos côndilos mandibulares. Sua causa permanece desconhecida, embora distúrbios endócrinos, traumatismos e
problemas circulatórios locais sejam sugeridos como possíveis fatores etiológicos. Acomete adolescentes e adultos jovens, manifestando-se clinicamente como assimetria facial (laterognatismo para o lado oposto) , prognatismo, mordida cruzada e mordida aberta posterior do lado acometido. Em alguns casos podemos observar um
crescimento maxilar compensatório causando uma inclinação do plano oclusal. Radiograficamente pode manifestar-se como um aumento irregular da cabeça condílica, como um alongamento do colo o côndilo, ou como um
aumento de todo o ramo mandibular. A cintilografia tem sido utilizada rotineiramente para avaliar se a hiperplasia condilar está em atividade. Histologicamente, se o côndilo ainda apresenta atividade, observa-se proliferação
de cartilagem condilar. Muitas vezes, a hiperplasia condilar é uma condição autolimitante, sendo os casos com
deformidade residual tratados através de cirurgia ortognática. Os casos de pacientes em fase de crescimento que
apresentam atividade condilar podem ser submetidos à condilectomia alta, onde são removidos apenas os dois
terços superiores do côndilo (responsáveis pelo crescimento) , sendo esperado a harmonização do crescimento
facial. Já os casos de pacientes adultos em que a atividade condilar foi constatada, a condilectomia alta é preconizada, seguida de cirurgia ortognática em um segundo tempo cirúrgico para a correção da deformidade residual.
Objetivo: Relatar um caso clínico de hiperplasia condilar, tratada com sucesso por meio da técnica de condilectomia alta. Relato de caso: Será o relato de uma paciente melanoderma de 22 anos de idade (fig. 1) que se apresentou ao Serviço de Cirurgia Buco-maxilo-facial do Hospital Universitário Lauro Wanderley (UFPB) com a queixa
principal de que seu rosto estava “torto para o lado direito”. Ao exame clínico extra-oral observamos desvio da
linha média facial mandibular para direita. Já o exame intra-oral revelou um desvio da linha média dentária que
acompanhava á assimetria facial. A avaliação radiográfica e tomográfica demonstrou alongamento do ramo mandibular esquerdo e aumento da cabeça condílica do mesmo lado. O exame cintilográfico evidenciou atividade do
côndilo mandibular esquerdo. O tratamento preconizado foi a condilectomia alta através do acesso de Al-Kayat,
visando eliminar o crescimento excessivo do côndilo esquerdo, para posterior correção da deformidade através
de cirurgia ortognática. O segmento do côndilo removido foi enviado para exame histopatológico. A paciente encontra-se com oito meses de pós-operatório da cirurgia condilar, e está sendo preparada ortodonticamente para
ser submetida a cirurgia ortognática. Conclusão: A condilectomia altla demonstrou ser um procedimento efetivo
no tratamento da hiperplasia condilar.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
296
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
730 – RECONSTRUÇÃO DA ATM COM ENXERTO
COSTOCONDRAL: RELATO DE DOIS CASOS
Autores: TÂMARA MELO NUNES OTA (*) (UNIABO-PA);BRUNO THIAGO CRUZ E SILVA (UNIABO-PA); ANA KARLA
DA SILVA TABOSA (UNIABO-PA); FERNANDO JORDÃO DE SOUSA JUNIOR (UNIABO-PA); JOSE THIERS CARNEIRO JUNIOR (HOSPITAL OFIR LOYOLA E UNIABO-PA)
Introdução: RECONSTRUÇÃO DA ATM COM EXERTO COSTOCONDRAL: RELATO DE DOIS CASOS A Anquilose da Articulação Temporomandibular (ATM) pode ser definida como união das superfícies articulares impedindo assim a excursão normal da mandíbula, ocasionando alterações como desenvolvimento incompleto dos
ossos gnáticos, limitação de abertura bucal, assimetria facial, dificuldade de mastigação, disfonia, maloclusão e
distúrbios psicológicos. Os fatores causais principais para o acometimento da anquilose são trauma e infecção. Na
literatura são encontradas diversas formas de tratamento dentre elas a artroplastia simples, artroplastia interposicional e a excisão e reconstrução da articulação. Esta ultima, utilizando enxerto costocondral, representa uma
alternativa para o tratamento devido ao potencial de crescimento, com um excelente resultado pós-operatório. A
reconstrução da ATM com enxerto autógeno é uma preferência para os pacientes pediátricos devido ao potencial
de crescimento e remodelação da estrutura. Foi encaminhado ao Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Ophir Loyola, Belém, Pará, dois pacientes pediátricos com queixa de abertura de boca
reduzida. As crianças apresentavam clinicamente limitação de abertura bucal, assimetria facial leve, disfonia. Ao
exame tomográfico verificou-se imagem característica de anquilose articular, ambos acometendo a ATM direita.
Os pacientes foram submetidos a procedimento cirúrgico para excisão da massa anquilótica e reconstrução com
enxerto costocondral, seguido de fisioterapia pós-operatória. Não houve intercorrências no período pós-operatório. No momento apresentam-se em acompanhamento regular de 7 meses sem evidências de recidiva.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
297
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
749 – ACESSO CIRÚRGICO ENDAURAL PARA A ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR
Autores: BERNARDO FERREIRA BRASILEIRO (*) (UFS - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE);LAYSE BARRETO
OLIVEIRA BORGES (UFS - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE);
Introdução: Acesso cirúrgico endaural para a articulação temporomandibular Layse Barreto Oliveira Borges, Bernardo Ferreira Brasileiro. UFS - Universidade Federal de Sergipe O acesso pré-auricular tem sido usado com alto
índice de sucesso, e ao longo da evolução histórica da Cirurgia Bucomaxilofacial, várias modificações técnicas
desse acesso foram propostas para reduzir sequelas irreversíveis. Nishioka e Van Sickels (1987) publicaram uma
importante modificação do acesso pré-auricular ao desenhar uma incisão escondida em sua porção média atrás
da cartilagem tragal. A incisão é dividida em três partes: (1) o aspecto superior que é curvilíneo, do início da
cartilagem superior até o topo do tragus; (2) a porção pré-lobular, que se inicia do aspecto inferior do tragos até
a porca mais inferior do lobo da orelha e (3) a porcão média ou endaural, que conecta as duas incisões a partir
da prega cutânea que conecta as porções superior e inferior em relação ao tragus. Considerando-se os desafios
anatômicos deste acesso cirúrgico e os detalhes particulares desta modificação técnica a depender da indicação
clínica, este trabalho objetiva descrever o acesso endaural. Dois casos clínicos são apresentados para ilustrar o
acesso endaural para a região da articulação temporomandibular. Um caso contempla a abordagem articular para
tratamento de uma hiperplasia condilar por meio de uma condilectomia alta. A outra situação clínica descreve
a abordagem endaural para realização de uma eminectomia em paciente com luxação recidivante unilateral da
articulação temporomandibular. Em ambas situações, o acesso foi conduzido sem complicações, com adequada
exposição cirúrgica e sem sequelas nervosas pós-operatórias. O acesso tem demonstrado vantagens superiores
em relação ao acesso pré-auricular convencional ao oferecer resultados cosméticos superiores uma vez que a
incisão apresenta reparos que guiam o cirurgião durante o fechamento, diminuem a tensa de retração cicatricial
e torna menos visível o terço médio da incisão ao posicioná-la atrás da cartilagem tragal. Além disso, o acesso
cirúrgico endaural não apresenta risco de dano adicional aos ramos do nervo facial ou diminuição do campo operatório para procedimentos de exposição do côndilo ou eminência do osso temporal. Palavras-chave: Articulação
temporomandibular; cirurgia mandibular. Nishioka GJ, Van Sickels JE. Modified endaural incision for surgical
access to the temporomandibular joint. J Oral Maxillofac Surg. 1987 Dec;45 (12) :1080-1. Santos GS, Nogueira
LM, Sonoda CK, de Melo WM. Using endaural approach for temporomandibular joint access. J Craniofac Surg
2014 May;25 (3) :1142-3.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
298
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
762 – CIRURGIA ORTOGNÁTICA ASSOCIADA A PROTESE TOTAL
DE ATM : RELATO DE CASO
Autores: JOSE THIERS CARNEIRO JUNIOR (*) (HOSPITAL OPHIR LOYOLA / ABO-PA);ANA KARLA DA SILVA
TABOSA (HOSPITAL OPHIR LOYOLA / ABO-PA); TAMARA MELO NUNES OTA (HOSPITAL OPHIR LOYOLA / ABO-PA); DOUGLAS VOSS (HOSPITAL OPHIR LOYOLA / ABO-PA); BRUNO CRUZ E SILVA (HOSPITAL OPHIR LOYOLA /
ABO-PA)
Introdução: As deformidades dentofaciais e desordens da articulação temporomandibular (ATM) são patologias
comumente co-existentes, uma vez que patologias de ATM na maioria das vezes causam alteração do crescimento
normal da face. Os pacientes portadores de tais condições podem ter grande beneficio com abordagem cirúrgica
da ATM associada a cirurgia ortognática, pois certas alterações mostram melhores prognósticos com reconstrução articular através de próteses totais, como nos casos de processos remodeladores de hiperplasias e reabsorções
progressivas do côndilo articular. A cirurgia ortognática concomitantemente com a reconstrução das ATM´s,
possui grandes vantagens à reabilitação do paciente, visto que são procedimentos complementares, demonstrando que a estabilidade oclusal depende diretamente da estabilidade articular, existindo interdependência entre
ambas. A cirurgia ortognática e abordagem da ATM realizada no mesmo tempo cirúrgico requerem um planejamento cuidadoso e experiência do cirurgião para atuar nas duas regiões. O objetivo deste trabalho é apresentar
um caso clínico de paciente portador de má formação da ATM esquerda resultando em acentuada assimetria de
face, a qual foi submetida no mesmo tempo cirúrgico a cirurgia ortognática e colocação de prótese total de ATM.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
299
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
787 – TRATAMENTO DE ANQUILOSE DA ATM E UTILIZAÇÃO DO
PRÓPRIO CÔNDILO APÓS SUA REMODELAÇÃO: RELATO DE CASO
Autores: MILKLE BRUNO PESSOA SANTOS (*) (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC);ÂNGELO GUILHERME COSTA
MONTEIRO (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC); AMANDA CANSANÇÃO PONTES FONSECA (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC); CAMILA FLORES FRAGA DE CASTRO (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC); LAIS REGINA
COSTA AMORIM (CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC)
Introdução: TRATAMENTO DE ANQUILOSE DA ATM E UTILIZAÇÃO DO PRÓPRIO CÔNDILO APÓS SUA
REMODELAÇÃO: relato de caso A ATM (articulação temporomandibular) é uma articulação sinovial, bilateral,
com movimentos próprios, concomitantes, triaxial, que liga a mandíbula a base do crânio. A manutenção de sua
função habitual está muito ligada ao equilíbrio anátomo-funcional do sistema estomatognático. A anquilose da
ATM segundo Figueiredo et al. “refere-se à união intracapsular do complexo disco-côndilo à superfície articular
do osso temporal”. Sua classificação é de acordo com: a localização – intra ou extra-articular; o tipo de tecido –
fibroso, ósseo ou fibro-ósseo; a extensão da fusão – completa ou incompleta; segundo Sawhney em–tipo I (presença de côndilo e possui apenas fibro-adesões) , tipo II (há fusão óssea, o côndilo está remodelado, o pólo medial
está intacto) , tipo III (há o bloco anquilótico, o ramo mandibular está fusionado ao arco zigomático, o pólo medial
está intacto) e tipo IV (há verdadeiro bloco anquilótico com anatomia alterada porque o ramo está fusionado à
base do crânio). O trauma e a infecção local são as causas mais comuns. Ainda são fatores etiológicos: a radioterapia, neoplasias na ATM, cirurgias para excisão de tumores na ATM, otite média aguda, mastoidite, artrite
reumatoide, psoríase, doença óssea de Paget, artrite supurativa, lúpus eritematoso, dentre outros. Pereira Filho
et al. apud Miranda e Antonine concluíram que a anquilose da ATM pode acometer indivíduos de qualquer faixa
etária, sendo mais prevalente até os 10 anos de vida. O indivíduo portador pode apresentar impossibilidade de
movimentos mandibulares. Devido a essa limitação de movimentos, o portador tem a mastigação limitada ou ausente, dificuldade de comunicação, desfiguração facial, deficiência na higienização oral, distúrbios de crescimento
facial e mandibular, maloclusão, comprometimento agudo das vias respiratórias, dentre outras. A anquilose da
ATM causa no paciente um prejuízo social que leva a um prejuízo psicológico. O diagnóstico é clínico e deve ter
o auxílio de métodos de imagem, como: radiografia panorâmica, radiografia frontal e axial da ATM, ressonância
magnética e tomografia computadorizada (TC). A TC é o mais indispensável, suas incidências dos cortes axiais,
coronais e sagitais ajudam a identificar o tipo e abrangência levando a um melhor planejamento e diminuindo a
morbidade da cirurgia e, consequentemente, a um melhor pós-operatório. A terapia é cirúrgica, as técnicas mais
usadas, são: artroplastia simples, artroplastia interposicional e reconstrução articular com materiais aloplásticos
ou autógenos. Dentre os autógenos temos a remodelação do próprio côndilo, que pode ser fixado com o auxílio de
placas e parafusos. A fisioterapia pós-cirúrgica é uma grande aliada contra a recidiva da anquilose. Este trabalho
tem como objetivo relatar o tratamento cirúrgico de uma paciente portadora de anquilose unilateral da ATM do
tipo fibro-óssea.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
300
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
812 – EFICÁCIA DO INSAPONIFICÁVEL DE SOJA E ABACATE
NAS ARTRALGIAS E OSTEOARTRITES DA ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR
Autores: JESSICA CAROLINE AFONSO FERREIRA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO);IVSON SOUZA CATUNDA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO); BELMIRO CAVALCANTI DO EGITO
VASCONCELOS (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO); EMANUEL SÁVIO DE SOUZA ANDRADE
(FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO); DAVI FELIPE NEVES COSTA
Introdução: Objetivo: Avaliar através de um estudo preliminar a eficácia do Insaponificável de Soja e Abacate (ISA)
nos pacientes portadores de artralgia e osteoartrite (OA) da articulação temporomandibular (ATM). Pacientes e
Métodos: Tratou-se de ensaio clínico randomizado, duplo-cego, controlado por placebo. A Análise estatística foi
realizada em 14 mulheres com diagnóstico de artralgia e OA da ATM pelos Critérios de Diagnóstico em Pesquisa
dos Transtornos Temporomandibulares RDC/TMD, divididas em dois grupos: G1-Placebo (controle) e G2-ISA
(experimental). As variáveis dor foram determinadas pela EVA e o algômetro de pressão; a função mandibular foi
examinada através da mensuração dos movimentos mandibulares e a qualidade de vida pelo Oral Health Impact
Profile (OHIP-14). Todos os pacientes foram acompanhados por um período de 06 meses, sendo 4 meses utilizando a medicação. Resultados: Os resultados foram favoráveis ao uso do ISA para diminuição da sintomatologia
dolorosa e melhora da qualidade de vida. Também foi significativo a redução do uso de medicação de resgate do
grupo experimental comparado ao grupo controle. Conclusões: Mesmo em se tratando de um estudo preliminar
esta pesquisa traz fortes indícios do benefício do ISA em pacientes com doenças degenerativas e artralgia da
ATM, de forma que pesquisas adicionais com maior amostragem devem ser executadas.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
301
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia da ATM
852 – UTILIZAÇÃO DE MINI-ÂNCORAS NO TRATAMENTO
DA LUXAÇÃO RECIDIVANTE ANTERIOR DO CÔNDILO
MANDIBULAR
Autores: EDMILSON ZACARIAS DA SILVA JÚNIOR (*) (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO);MANOELA MOURA DE BORTOLI (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-FACULDADE
DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO); HÉLDER LIMA REBÊLO (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-FACULDADE
DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO); MARÍLIA GABRIELA MENDES DE ALENCAR (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO); BELMIRO CAVALCANTI DO EGITO VASCONCELOS (UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO)
Introdução: Quando o côndilo mandibular se desloca para fora da cavidade articular, ultrapassando as superfícies
articulares limítrofes e permanecendo travado nesta posição até que forças externas o reduzam, caracteriza-se a
luxação da articulação têmporo-mandibular. Sua ocorrência repetitiva, denominada de luxação recidivante, está
geralmente associada à hipermobilidade mandibular. Na maioria dos casos, a luxação apresenta-se como um episódio isolado, entretanto a luxação recorrente tem sua prevalência em torno de 3 a 7% da população em geral. É
uma condição que pode afetar bastante a qualidade de vida dos pacientes acometidos e merece atenção especial
no campo da Cirurgia Buco-Maxilo-Facial. O tratamento inicial é sempre o conservador, com o objetivo de evitarem-se procedimentos invasivos desnecessários. No entanto, quando de sua ineficácia, o tratamento cirúrgico
é o instituído. Em geral, existem duas modalidades de tratamento cirúrgico para a luxação recidivante de ATM,
uma com o objetivo de restringir a abertura bucal e outra com finalidade de promover movimentos mandibulares
livres (remoção da eminência articular) , cada uma com suas indicações, vantagens e desvantagens. O uso de mini-âncoras condilares como forma terapêutica para a luxação recidivante da ATM é uma opção válida, não altera a
anatomia articular e será explanado através de revisão na literatura adicionalmente ao relato de caso clínico, onde
este método foi utilizado com sucesso.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
302
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
95 – ANTI-INFLAMATÓRIOS E EXODONTIAS: REVISÃO DE
LITERATURA
Autores: FABRICIO MORAES PEREIRA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ);WILKELLY ALVES DE LIMA
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ); CHAIME PANTOJA DE SOUSA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ); LUÍS
ANTÔNIO LOUREIRO MAUÉS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ);
Introdução: A prática cirúrgica é comum na Odontologia e os traumas gerados podem gerar inflamação. Este
processo busca proteger o organismo frente a um estímulo agressivo previamente causado a partir de alguns mecanismos endógenos, que, exacerbados, podem levar a dor, edema e trismo. Neste caso, faz-se uso de fármacos
com ação anti-inflamatória, a fim de melhorar os estados pré- e pós-operatórios, levando bem-estar durante a
recuperação. Os mais comumente utilizados são os anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) e os corticosteroides, interferindo no metabolismo do ácido aracdônico para atenuação dos sinais de inflamação. O objetivo deste
trabalho é apresentar a atuação de diferentes tipos de anti-inflamatórios em processos de exodontia e discutir
acerca de suas vantagens e desvantagens. Este trabalho foi feito a partir revisão de literatura feita em 20 obras
científicas disponíveis em bases de dados online: Scielo, PUBMED, LILACS e Bireme. As obras pesquisadas avaliam o processo inflamatório a partir da exodontia de terceiro molar inferior, por ter graus de desconforto pré-,
trans- e pós-operatórios e intensidade inflamatória variáveis, junto a dor, edema e trismo, além de perceber o
conhecimento limitado de profissionais e acadêmicos acerca do uso dos fármacos anti-inflamatórios. As obras
avaliaram a ação medicamentosa de fármacos anti-inflamatórios, a partir de estudos cruzados, duplos cegos e
com sequência de tratamento aleatória. Os corticosteroides tiveram boa ação na redução do processo inflamatório, edema e ao trismo, com menor efeito na dor. Os AINEs, principalmente os seletivos para COX-2, tiveram boa
ação na redução do processo inflamatório, edema, trismo e dor. Interações entre diferentes anti-inflamatórios
e outras substâncias resultaram em boa redução dos sintomas, reduzindo a medicação analgésica adicional. Os
corticosteroides inativam a enzima fosfolipase A2, atenuando os efeitos da inflamação. Tem grande eficácia no
pré-operatório, pois diminuem o trismo e a dor, parcialmente, além de sua meia-vida mais longa permitir o uso
de dose única diária. Eles devem ser usados com cautela, pois causam efeitos sistêmicos, como a supressão do
eixo Hipotálamo-Hipófise-Adrenais. Para atenuar este efeito, esses fármacos devem ser usados de 3 a 5 dias no
pós-operatório evitando ingeri-los em períodos noturnos. Os AINEs agem na inibição das enzimas cicloxigenases
(COX-1 e COX-2). São mais usados os seletivos para COX-2, pois possuem menos efeitos adversos, principalmente no trato gastrointestinal. Deve haver cuidado na interação com medicamentos anti-hipertensivos, anti-coagulantes orais ou com pacientes com problemas renais. Há estudos que sugerem problemas cardiovasculares
e neurodegenerativos ao uso de inibidores da COX-2. Corticosteroides e AINEs são de grande importância para
o controle da inflamação, levando em consideração suas vantagens e desvantagens, e o conhecimento sobre as
condições de uso destes fármacos devem ser mais bem explorado.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
303
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
109 – TRANSPLANTE DENTÁRIO AUTÓGENO – RELATO DE
CASO
Autores: RAFAELA PEREIRA DE MORAES (*) (INSTITUTO ODONTOLÓGICO DO NORDESTE - MACEIÓ-AL);LAÍS
REGINA COSTA AMORIM (INSTITUTO ODONTOLÓGICO DO NORDESTE - MACEIÓ-AL); WANESSA BARROS DE
ABREU SANTANA (INSTITUTO ODONTOLÓGICO DO NORDESTE - MACEIÓ-AL); FELIPE ANDRÉ OMENA BISPO
(INSTITUTO ODONTOLÓGICO DO NORDESTE - MACEIÓ-AL); JOSÉ RICARDO MIKAMI (INSTITUTO ODONTOLÓGICO DO NORDESTE - MACEIÓ-AL)
Introdução: O transplante dentário autógeno pode ser definido como o movimento cirúrgico de um dente incluso
ou erupcionado de um local para outro, num mesmo indivíduo, em alvéolos de dentes recém extraídos ou preparados cirurgicamente. É uma opção de tratamento para reposição de elemento dentários quando há um dente
doador viável, podendo ser indicado em casos de agenesia dental e perda prematura de dentes devido a trauma,
cárie ou doença periodontal. Os autotransplantes dentários são influenciados por fatores pré e pós-operatórios
como a idade do paciente, estágio de desenvolvimento radicular, tipo do dente transplantado, trauma cirúrgico
durante a remoção do transplante, armazenamento após extração e sítio receptor. O objetivo deste trabalho
é exemplificar o sucesso do transplante dentário autógeno por meio de um caso clínico no qual o paciente foi
submetido ao transplante do dente 38 para o alvéolo do dente 37 que foi extraído devido à cárie extensa. O
acompanhamento pós-operatório de 1 ano revelou vitalidade pulpar, saúde periodontal, formação radicular, além
de função e estética adequadas do dente 38 transplantado. Estudos clínicos e experimentais confirmam que o
transplante dental é uma alternativa segura, rápida e economicamente viável e que, a depender de uma associação de uma boa técnica cirúrgica, atenção e habilidade do cirurgião e da cooperação do paciente, o prognóstico do
procedimento torna-se excelente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
304
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
121 – TÉCNICA DE EXODONTIA MINIMAMENTE TRAUMÁTICA
COM A UTILIZAÇÃO DE EXTRATOR DENTÁRIO
Autores: BETINA BELLOC CRESCENTE (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL);ANA PAULA POLETTO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL); ANDRESSA BERTOLO (UNIVERSIDADE FEDERAL
DO RIO GRANDE DO SUL); TAÍSE SIMONETTI (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL); ANGELO
LUIZ FREDDO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL)
Introdução: A exodontia é a intervenção cirúrgica mais antiga da odontologia, sendo, atualmente, um procedimento cirúrgico bastante comum dessa área. Dentre as suas indicações podemos destacar os restos radiculares,
dentes retidos, dentes destruídos por cárie e dentes com doença periodontal severa. Com o advento dos implantes osteointegráveis, que prescindem da preservação da tábua óssea vestibular e de um contorno gengival
adequado, novas técnicas estão sendo disponibilizadas, a fim de possibilitar uma exodontia menos traumática,
que cause menor morbidade aos pacientes e facilite a fase reabilitadora. A técnica de “extração atraumática” tem
por objetivo realizar a exodontia do dente no sentido vertical, preservado osso alveolar e mantendo a arquitetura óssea logo após a exodontia. Dentre essas novas técnicas de extração atraumática, o extrator dentário é um
aparelho instalado no dente a ser extraído que viabiliza a extração via alveolar, evitando movimentos pendulares
que, quando realizados, podem fraturar a tábua óssea. Este dispositivo pode ser utilizado em dentes com coroa
hígida ou remanescentes radiculares. O sucesso da técnica está diretamente relacionado ao conhecimento das
suas indicações e limitações de uso, assim como a correta utilização dos diferentes tipos de dispositivos. O presente trabalho tem por objetivo demonstrar dois casos clínicos de extração dentária por meio da utilização do
extrator dentário, demonstrando as suas indicações, vantagens e limitações. Os casos clínicos relatados neste
trabalho consistem dos pacientes M.R.A.S., de 59 anos, do sexo feminino e V.R.A.P., de 63 anos, do sexo feminino, as quais tinham indicação de extração dentária dos elementos 37, 35 e 36 respectivamente. Para os referidos
procedimentos foi optado pela utilização do extrator dentário, a fim de realizar uma extração menos invasiva,
proporcionando melhores condições para a fase de reabilitação protética. É possível constatar que os procedimentos obtiveram bons resultados trans e pós operatórios, reforçando as vantagens da técnica utilizada, como,
por exemplo, a manutenção de um contorno ósseo e gengival adequados. Entretanto, podemos destacar algumas
limitações da técnica, dentre elas a dificuldade de manejo do extrator dentário e a dificuldade de re-anestesia. Por
conseguinte, é imprescindível que o cirurgião-dentista tenha conhecimento das técnicas cirúrgicas disponíveis
para a extração dentária, a fim de que as indicações destas sejam respeitadas e os pacientes recebam a melhor
opção de tratamento existente. Palavras-chave: extração minimamente invasiva; extração minimamente traumática; extração atraumática
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
305
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
151 – EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA CIRURGICAMENTE
ASSISTIDA : RELATO DE CASO
Autores: IVNA FEIJÓ AMARANTE (*) (UNIVERSIDADE DE FORTALEZA);JOSÉ LINCOLN CARVALHO PARENTE
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ); VANESSA SAVASTANO DE CERQUEIRA RÊGO RIBEIRO (UNIVERSIDADE
DE FORTALEZA); RAYANA DE CARVALHO ALMEIDA (UNIVERSIDADE DE FORTALEZA); RAIMUNDO THOMPSON
GONÇALVES FILHO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ)
Introdução: A expansão rápida da maxila cirurgicamente assistida, é um eficiente tratamento de deficiências
transversais da maxila em pacientes adultos que possuem má oclusão, combinado de procedimentos ortodônticos e que promovem o aumento de espaço no arco dental, além de alinhar os dentes. A correção desse tipo de
deformidade torna-se, além de uma necessidade estética, um procedimento de ordem funcional, sendo postos
em causa valores como: discrepância maxilo-mandibular, prejuízo à estabilidade oclusal, constrição da cavidade
nasal, alterações fonéticas, respiração bucal, entre outros. Uma alternativa à ERM em adultos é a osteotomia
maxilar segmentada tipo Le Fort I. No entanto, a morbidade deste tipo de procedimento é consideravelmente
maior que a Le Fort I em apenas um único segmento. Então, a expansão rápida da maxila cirurgicamente assistida (ERMCA) é um método eficiente para o tratamento das deficiências maxilares em pacientes esqueleticamente
maduros com morbidade bem menor do que esses dois métodos. No presente caso, paciente de 32 anos, sexo
masculino, perdeu os incisivos aos 15 anos de idade em um acidente e devido a isso teve perda do perímetro do
arco e necessita realizar a ERMCA . O tratamento consistiu em incisões foram feitas em fundo de saco vestibular
de canino a primeiro molar superiores e incisão para realizar frenectomia labial. Após a sindesmotomia, foram
realizadas as osteotomias horizontais 5 mm acima dos ápices dentais da fossa piriforme ao pilar zigomático e em
Y na linha média e a ativação do Hyrax em 2 mm. Em seguida, foi realizado o uso de martelo e cinzel para soltar a
sutura palatina e permitir a ativação das maxilas em mais 3mm. Os 3 mm que foram abertos foram fechados e as
maxilas mobilizadas . As suturas foram feitas com vicryl 4.0. Foi prescrito amoxicilina 500 mg 8/8 horas durante
7 dias, dexametasona 4 mg de 8/8 horas durante 3 dias e dipirona 1 g se sentir dor. O presente caso concluiu
que esse tratamento é eficaz para atresia transversa de maxila, por ser uma técnica barata, simples e o paciente
evoluiu de forma satisfatória, apresentando edema e queixas álgicas compatível com o procedimento, ausência
de deiscências de sutura e infecções.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
306
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
205 – OSTEONECROSE MANDIBULAR POR USO DE
BIFOSFONATO: RELATO DE CASO CLÍNICO.
Autores: EMMANUEL LAWALL DOMINGOS (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ
DE FORA);EDUARDO STEHLING URBANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); JOAO PAULO MARINHO
DE RESENDE (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); LUCAS NARDELLI
MONTEIRO DE CASTRO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); CAROLINA
MENDONÇA CYRANKA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA)
Introdução: Os bifosfonatos são medicamentos amplamente utilizados em pacientes que apresentam reabsorção
óssea proveniente de doenças como mieloma múltiplo, doença de Paged, osteoporose e metástases ósseas. Entretanto, apesar de seus benefícios, um importante efeito colateral tem sido observado em pacientes que utilizam
essa classe de medicamentos: osteonecrose dos maxilares. O presente trabalho apresenta um relato de caso clínico no qual uma paciente, 70 anos, sexo feminino, desenvolveu osteonecrose mandibular após procedimento de
exodontia de dentes incisivos mandibulares. A paciente fazia uso de bifosfonato para tratamento de osteoporose.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
307
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
276 – FECHAMENTO DE FÍSTULA BUCOSINUSAL UTILIZANDO
ENXERTO PEDICULADO DO TECIDO ADIPOSO DA BOCHECHA:
RELATO DE CASO
Autores: ERYKSSON SOUZA DE SOUZA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS);IGOR FIGUEIREDO
PEREIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); FERNANDO LUCAS ALVES (UNIVERSIDADE FEDERAL
DE MINAS GERAIS); GUSTAVO CHIAVAIOLI (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS); LEANDRO NAPIER DE
SOUZA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS)
Introdução: O seio maxilar é um espaço pneumático encontrado na maxila bilateralmente. Muitas vezes esta em íntimo contato com os ápices da dentição posterior. Em algumas ocasiões de cirurgias traumáticas e/ou iatrogênicas pode
haver rompimento da membrana do seio maxilar ou incorporação de fragmentos dentários no espaço pneumático,
ocorrendo um acesso direto entre seio e cavidade oral que chamamos de fistula bucosinusal. Os critérios diagnósticos
dessas fístulas bucosinusal incluem manifestações clínicas de infecção e sinusite, características. Objetivo: é descrever
uma opção tratamento utilizando enxerto de tecido adiposo da bochecha para caso de fístula bucosinusal. Relato do
caso: paciente gênero feminino, 33 anos, sem nenhuma alteração sistêmica, procurou o ambulatório da cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial do hospital municipal Odilon Behrens referindo-se de dor após exodontia de elemento
dentário 15, com evolução de 1 semana. Ao exame clínico, presença de fístula bucosinusal em região de maxila direita
com relato de sinusite e sem uso de medicações. À tomografia computadorizada imagem sugestiva de fragmento dentário em seio maxilar direito. Foi prescrito terapia antibiótica (amoxicilina com ácido clavulânico) pré opertório e pós
operatório, medicação analgésica e realizado cirurgia para remoção de raiz no seio maxilar com uma incisão vestibular
maxilar e no mesmo tempo cirúrgico enxerto pediculado de tecido adiposo da bochecha para fístula e suturas. Resultados: Após um manejo adequado além de antibioticoterapia, a paciente retornou com 15 dias pós cirúrgico, onde foi realizado a remoção de sutura na qual não havia sinais fluogísticos, teve uma evolução satisfatória e a remissão do quadro
com uma regeneração tecidual e obliteração da comunicação. Discussão: Comunicações bucosinusal tendem a se fechar
sozinhas quando pequenas, variando de 1 a 2 mm e sem presença de infecção. O corpo adiposo da bochecha ou de
acordo com sua nomenclatura antiga, bola de bichat, é um tecido adiposo especializado, denominado de sissarcose. Na
fase adulta tem como função melhorar a motilidade muscular. O uso do tecido adiposo da bochecha trás uma serie de
vantagens para o tratamento de fístulas, por ser um procedimento simples, trás pouco desconforto ao paciente, baixo
índice de complicações e alta previsibilidade, encontra-se próximo ao local do defeito cirúrgico e gera menos cicatrizes
e distúrbios no vestíbulo do que um deslize de retalho. Como principais desvantagens descritas na literatura pode ser
citado o fato de só poder ser utilizada uma única vez e a chance de trismo pós-operatório, o que não foi visto neste caso.
Conclusões: O melhor tratamento para fístula bucosinusal é evita-la, realizando um bom planejamento e avaliação
criteriosa dos exames clínicos e de imagem. Quando ocorre, o tipo de tratamento a ser empregado varia de acordo com
tamanho, processos infecciosos, corpos estranhos, período de instalação e da habilidade do cirurgião.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
308
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
335 – FECHAMENTO DE FÍSTULA BUCO-SINUSAL - RELATO DE
DOIS CASOS CLÍNICOS
Autores: CARLOS VINICIUS AYRES MOREIRA (*) (ESTAGIÁRIO DO SERVIÇO DE CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA
BUCOMAXILOFACIAL - UFBA);PAULA RIZERIO D`ANDREA ESPINHEIRA (ESTAGIÁRIA DO SERVIÇO DE CIRURGIA
E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL - UFBA); ROBERTO AZEVEDO (PROFESSOR DE CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL - UFBA); BRAULIO CARNEIRO JUNIOR (PRECEPTOR DO SERVIÇO DE CIRURGIA
E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL - OBRAS SOCIAIS IRMÃ DULCE);
Introdução: A fístula Buco-Sinusal ou Oroantral é uma ocorrência patológica comum, caracterizada pela comunicação do seio maxilar com a cavidade bucal durante exodontias de elementos superiores posteriores cujas raízes
possuem intima relação com o seio. O diagnóstico destas comunicações deve ser feito através de métodos clínicos e imaginológicos. O tratamento deve ser realizado o mais precocemente possível, mas a conduta depende
da magnitude da comunicação, do agente causal e da existência de infecção nas estruturas envolvidas. Fistulas
pequenas normalmente regridem espontaneamente, porem quando apresentam diâmetro igual ou superior a 3
mm ou se a comunicação persistir devido a presença de uma infecção no seio maxilar, será necessário a utilização
de tratamento cirúrgico. Dentre as técnicas apresentadas pela literatura, o fechamento da fístula buco-sinusal
com retalho da mucosa vestibular e/ou palatina apresentam resultados satisfatórios. O Objetivo deste trabalho
é relatar dois casos clínicos de fechamento de fístula buco-sinusal, realizados com a técnica de deslizamento de
retalho vestibular, contribuindo assim na orientação dos profissionais quanto aos benefícios deste procedimento.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
309
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
339 – TRANSPLANTE DENTAL AUTÓGENO
Autores: ARIANE HERNANDEZ DE BARROS (*) (UNIT);LUCIANO SCHWATZ LESSA FILHO (UNIT); JOSÉ RODRIGUES LAUREANO FILHO (FOP-PE); JOSÉ RICARDO MIKAMI (); PEDROTHALLES BERNARDOS DE CARVALHO
NOGUEIRA (UNIT)
Introdução: O transplante dentário autógeno envolve o transplante imediato e sua implantação em um novo
alvéolo. Esse trabalho mostra o sucesso do transplante dentário autógeno por meio de um caso clínico no qual foi
submetido ao transplante do dente 38 para o alvéolo do dente 37 que foi extraído devido à cárie extensa. Durante
o exame clínico e radiográfico, notou-se uma cárie extensa do 37 com TVP negativo necrose pulpar e perfuração
do assoalho da câmara pulpar. Na técnica cirúrgica, foi realizada anestesia local, incisão, exodontia do dente
condenado, exodontia do dente doador 38, transplante, sutura e contenção com fio de aço e resina. O acompanhamento pós-operatório comprovou vitalidade pulpar, saúde periodontal, formação radicular, além de função
e estética adequadas do dente 38 transplantado. Sendo assim, de acordo com o relato clínico e estudos clínicos e
experimentais confirma-se que o transplante dental é uma alternativa segura, rápida e economicamente viável e
que, associado a uma boa técnica cirúrgica, realizada no menor tempo possível, atenção e habilidade do cirurgião
e da cooperação do paciente, o prognóstico do procedimento torna-se excelente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
310
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
351 – FRATURA MANDIBULAR EM DECORRÊNCIA DA REMOÇÃO
DO TERCEIRO MOLAR: RELATO DE CASO CLÍNICO
Autores: MIQUEIAS OLIVEIRA DE LIMA JUNIOR (*) (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS);FABIANO CONRADO GONÇALVES (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS); GUSTAVO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE
(UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS); ZENIMAR DA SILVA CHAGAS (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO
AMAZONAS); ANTHONY TAVARES LASMAR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS)
Introdução: As fraturas mandibulares durante à remoção de terceiros molares são uma intercorrência, às vezes,
com consequências graves. Ocorrem quando a força de resistência aplicada ao tecido ósseo é menor que as forças
aplicadas durante o procedimento e também está relacionada com a posição do dente incluso na mandíbula.
O objetivo deste relato será apresentar uma alternativa para o tratamento de uma intercorrência ocorrida durante a remoção cirúrgica de um terceiro molar impactado. Paciente do gênero feminino, 32 anos, compareceu
a policlínica odontológica da UEA relatando dor e assimetria facial. Na anamnese a paciente relatou ter feito a
remoção cirúrgica de um terceiro molar impactado há 30 dias, ao exame clínico observou-se má-oclusão, edema
e hematoma em região lingual, degrau ósseo à palpação intraoral, deslocamento e mobilidade da fratura durante
a manipulação, a mesma portava duas radiografias panorâmicas, uma pré-operatória evidenciando a presença de
um terceiro molar incluso verticalmente com as raízes basilar e uma segunda panorâmica onde se confirmava a
presença de uma fratura mandibular deslocada, além de uma extensa ostectomia, foi solicitado uma tomografia
computadorizada da fratura onde foi classificada como complexa em virtude da associação da extensa ostectomia com a patologia presente. O tratamento neste caso foi realizado sob anestesia geral por um acesso extraoral
submandibular, acesso ao sítio da fratura, redução funcional e anatômica utilizando-se para isso uma placa de
reconstrução do sistema 2.4. A paciente está em controle clínico e radiográfico e no momento apresenta-se em
bem estar geral. Contudo, o correto estudo e um planejamento individualizado devem ser sempre realizados.
Fatores de risco associados às fraturas mandibulares necessitam ser identificados e minimizados durante o procedimento cirúrgico, sendo necessário de imediato realizar uma abordagem preventiva, mas para isso é necessária
a experiência do cirurgião, estando preparado para uma abordagem mais conservadora, bem como diagnosticar,
tratar ou encaminhar o paciente, caso uma fratura indesejada ocorra.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
311
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
368 – AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO ANESTÉSICO TÓPICO
EMLA 5% COMPARADO AO PLACEBO EM ANESTESIAS
INFILTRATIVAS EM MAXILA
Autores: FERNANDA MARIA RODRIGUES FERREIRA (*) (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ – UNINOVAFAPI);LEONARDO ALONSO DE MOURA (CENTRO UNIVERSITÁRIO
DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ – UNINOVAFAPI); FRANCISCA MARYLYA GONÇALVES CRUZ (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ – UNINOVAFAPI); ISADORA MARÍLIA MORENO MOURÃO FERREIRA (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SAÚDE, CIÊNCIAS
HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ – UNINOVAFAPI); ISABELLE DE MENESES ARAGÃO (CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ – UNINOVAFAPI)
Introdução: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO ANESTÉSICO TÓPICO EMLA 5% COMPARADO AO PLACEBO EM
ANESTESIAS INFILTRATIVAS EM MAXILA O uso de anestésicos locais tópicos é um componente importante
da administração atraumática da anestesia, porém seus níveis de concentração elevados podem ser responsáveis
por complicações sistêmicas e uma técnica de injeção atraumática seguindo todos os passos pode reduzir a sensação dolorosa sem necessidade de uma anestesia tópica prévia. O objetivo desse estudo foi avaliar a eficácia do
anestésico tópico EMLA 5% comparado ao placebo (gel de clorexidina 0,12% e aromatizante) na redução da percepção de dor durante anestesias infiltrativas na maxila. O estudo foi do tipo ensaio clínico randomizado e duplo
cego. A amostra foi constituída por 30 indivíduos de ambos os sexos, com idade acima de 18 anos e menor de 50,
sem doenças sistêmicas, não possuindo alergia conhecida aos anestésicos tópicos e locais, sem problemas com
ansiedade ou pânico de anestesias infiltrativas e que necessitem de tratamento cirúrgico com infiltração de anestésico local na maxila, os procedimentos cirúrgicos foram realizados pelos acadêmicos do curso de odontologia do
Centro Universitário de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas, supervisionados pelos professores de cirurgia
da clínica. A eficácia anestésica das drogas foi avaliada através de um questionário de dor, escala de onze pontos
em caixa. Não foi observada diferença com significância estatística para grupo controle e grupo experimental (p
= 0,126). Conclui-se que EMLA e placebo tiveram o mesmo nível de eficácia. Não há necessidade de utilização de
anestésico tópico para realizar anestesia infiltrativa e o condicionamento psicológico do paciente é importante
para reduzir a ansiedade. A técnica atraumática é eficaz no alívio da sensação dolorosa. Palavras chave: Cirurgia
Bucal. Anestesia. Placebo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
312
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
428 – TRANSPLANTE DENTÁRIO AUTÓGENO E
REANATOMIZAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO ESTÉTICA E
FUNCIONAL – RELATO DE CASO
Autores: CHRISTIAN ALVES DOS SANTOS (*) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA);ADRIELI BUREY (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA); RICARDO TAKAHASHI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA);
GLAYKON ALEX VITTI STABILE (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA); MÁRCIO GRAMA HOEPPNER (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA)
Introdução: A realização de faceta direta com resina composta está indicada para dentes anteriores que apresentam alterações de cor e/ou forma, como também para a reanatomização dentária em situações de transplante
autógeno. O objetivo do presente trabalho é apresentar e discutir o tratamento integrado realizado para solucionar o problema estético em um paciente jovem, com agenesia dos dentes 21 e 22. Após avaliação clínica e radiográfica, foi discutido e proposto por profissionais das áreas de Ortodontia, Cirurgia, Endodontia e Dentística
Restauradora, a exodontia do dente 61, o preparo do alvéolo, a exodontia do dente 15 e o seu transplante no
alvéolo previamente preparado, na região correspondente ao dente 21. Previamente a etapa clínica cirúrgica, o
procedimento foi simulado em um modelo de gesso, obtido a partir da moldagem da arcada superior do paciente.
Decorrido 1 ano da fase cirúrgica, o dente 15 foi reanatomizado em incisivo central, com resina composta pela
técnica restauradora direta. Com base no resultado imediato obtido e após 2 anos de proservação do tratamento
restaurador, pode-se concluir que o tratamento realizado foi e se mostra satisfatório, e que a integração das diferentes áreas foi de suma importância.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
313
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
450 – ACESSO DE CALDWELL-LUC PARA REMOÇÃO DE RESTO
RADICULAR NO SEIO MAXILAR
Autores: CAIO ZUCOLOTO PEREIRA (*) (FAESA);PATRICK ARCANGELO PERTEL (FAESA); RENATO MARANO RODRIGUES (FAESA); GABRIELA MAYRINK GONÇALVES (FAESA); LILIANE SCHEIDEGGER ZANETTI (FAESA)
Introdução: Introdução O deslocamento acidental de elementos dentários e restos radiculares para o seio maxilar
é uma complicação comum durante as exodontias de dentes posteriores maxilares. O fragmento deve ser removido para prevenir infecções sinusais além de desconfortos associados a ocorrência de comunicação bucossinusal
gerada. A técnica cirúrgica mais utilizada para a remoção de corpos estranhos no seio maxilar tem sido o acesso
de Caldwell-Luc que consiste numa janela realizada na fossa canina por meio de osteotomia da cortical vestibular
da maxila. Objetivo O propósito deste trabalho é evidenciar por meio de um caso clínico, o acesso de Caldwell-Luc
na retirada de restos dentários impulsionados acidentalmente durante as exodontia. Metodologia Será apresentado um caso em que foi realizado o acesso de Caldwell-Luc para retirada de um resto radicular da raiz palatina
do dente 16 do interior do seio maxilar impulsionado ao seio maxilar acidentalmente no dia anterior. O alvéolo
da comunicação bucossinusal gerada foi fechada por sutura oclusiva após a remoção da raiz do interior do seio.
Resultado O acesso de Caldwell-Luc realizado sob anestesia local possibilitou a retirada da raiz do seio maxilar de
forma simples e segura. O tratamento imediato possibilitou a prevenção de infecções e desconfortos ao paciente,
que evoluiu com boa cicatrização dos tecidos. Discussão O seios maxilares apresentam-se adjacentes aos dentes
posteriores da maxila, o que aumenta a possibilidade de acidentes durante suas exodontias, que se realizadas com
manobras bruscas podem gerar lesões alveolares que impulsionam fragmentos para o interior do seio maxilar.
Estes acidentes devem ser tratados o mais breve possível para evitar complicações. O acesso de Caldwell-Luc tem
sido utilizado com sucesso por ser um método seguro, simples e com mínimas complicações. Muitos casos de corpos estranhos dentro do seio maxilar são descobertos em período tardio, quando já estão instalados os problemas
como infecções e fistulas bucossinusais. Entretanto, o tratamento cirúrgico recente deste acidente possibilitou o
fechamento do alvéolo apenas com sutura oclusiva, sem a utilização de retalhos adicionais. Em virtude do tempo
decorrido não havia fistula formada e nenhum processo infeccioso instalado, permitindo a cicatrização alveolar
e prevenindo as complicações. Conclusão O acesso de Caldwell-Luc associado a sutura oclusiva do alveolo dentário na intrusão acidental recente de raiz no seio maxilar possibilitou a prevenção de infecções e desconfortos ao
paciente que evoluiu com boa cicatrização dos tecidos. Referências 1 Huang IY, Chen CM, Chuang FH. Caldwell-Luc procedure for retrieval of displaced root in the maxillary sinus Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol
Endod. 2011 Dec;112 (6) : 59-63. 2 Simuntis R, Kubilius R, Vaitkus S. Odontogenic maxillary sinusitis: a review
Stomatologija. 2014;16 (2) :39-43
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
314
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
452 – CELULITE DE ORIGEM ODONTOGÊNICA –
RELATO DE CASO
Autores: KAROLINE GOMES DA SILVEIRA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);EDUARDO DE ALMEIDA
SOUTO MONTENEGRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); DIEGO DANTAS MOREIRA DE PAIVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); MARCOS ANTÔNIO FARIAS DE PAIVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);
ANIBAL HENRIQUE BARBOSA LUNA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA)
Introdução: A infecção odontogênica é uma patologia de origem dentária e periodontal. Aliados ao exame clínico,
os exames por imagens são importantes no diagnóstico e no planejamento cirúrgico. A tomografia computadorizada é o exame padrão ouro para observação dos espaços faciais acometidos e no grau de comprometimento de
vias aéreas. A interpretação dos achados clínicos e exames complementares nos assegura um diagnóstico definitivo, podendo ser realizado um tratamento imediato, já que pode acometer desde espaços faciais primários até os
espaços secundários, podendo levar a morte destes pacientes, se não devidamente tratados. O presente trabalho
tem como objetivo relatar o caso do paciente JSQ, sexo masculino, 21 anos, compareceu ao Hospital Universitário Lauro Wanderley queixando-se de dor intensa em região submandibular esquerda e no elemento dentário 37,
trismo, disfonia, dispneia e disfagia. Ao exame físico de face, verificou-se aumento de volume em região submandibular e submentoniana esquerda, hipertermia, hiperemia, febre, abertura bucal de 13mm e destruição coronária do dente 37. Ao exame tomográfico observou-se acometimento dos espaços submandibular e submentual
esquerdos e desvio da traqueia. O tratamento realizado foi exodontia de 37, drenagem extrabucal dos espaços
faciais, instalação de dreno sob anestesia geral e antibioticoterapia. Paciente evolui satisfatoriamente, sem sinais
de infecção. As infecções odontogênicas podem ser de rápida progressão e devem ser tratadas imediatamente,
pois podem levar o paciente a desenvolver sérias complicações, e até mesmo, óbito.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
315
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
504 – AUTOTRANSPLANTE DENTAL APÓS TRATAMENTO DE
AMELOBLASTOMA UNICÍSTICO: RELATO DE CASO
Autores: AMANDA SOARES COSTA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);LAYS NÓBREGA GOMES (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); JOSÉ WILSON NOLETO RAMOS JÚNIOR (UNIVERSIDADE FEDERAL DA
PARAÍBA); MARCOS ANTÔNIO FARIAS DE PAIVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); OLAVO SOUTO MONTENEGRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA)
Introdução: Autotransplante dentários é o nome da técnica onde um dente perdido ou ausente é substituído
por um dente transplantado do mesmo indivíduo. Nesta técnica, um dente natural é transferido do seu alvéolo
para outro alvéolo, o qual pode ser natural ou criado cirurgicamente. Os dentes podem ser perdidos por vários
motivos, dentre os quais lesões cariosas extensas, reabsorções radicular, doença periodontal, fratura coronoradicular, agenesias e aplasias de dentes. O objetivo deste trabalho será a apresentação de um caso clínico de um
paciente do gênero feminino, com 18 anos de idade, que compareceu à residência de Cirurgia e Traumatologia
Bucomaxilofacial do HUW / UFPB queixando-se de um aumento de volume em região de ramo mandibular do
lado esquerdo. Após os exames clínico, de imagem e biopsia, foi diagnosticado um ameloblastoma do tipo unicístico acometendo ramo e ângulo mandibular do mesmo lado. O tratamento da lesão tumoral implicou na perda
do terceiro e do segundo molar que estavam associados à lesão. A paciente foi submetida cerca de 8 meses após
o tratamento do ameloblastoma ao autotransplante do terceiro molar inferior do lado direito para substituir o
segundo molar inferior direito. O dente em questão foi abordado por meio de incisão em envelope, seguida de
remoção cautelosa do mesmo e posterior hidratação em gaze com soro fisiológico .Após a confecção do alvéolo
cirúrgico, foi realizada a implantação do elemento e realização de contenção semi-rígida com fio de nylon por
um período de 15 dias. Como o ápice ainda se encontrava aberto, optou-se pelo não tratamento endodôntico.
O caso foi conduzido com sucesso, com um período de acompanhamento pós-operatório de um ano, no qual o
dente apresentou cicatrização periodontal, sem sinais de reabsorção. O caso clínico em questão demonstrou que
a técnica de autotransplante dentário é um procedimento com bom prognóstico, sendo uma excelente alternativa
para substituir dentes ausentes.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
316
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
553 – O USO DO CORPO ADIPOSO DE FACE NO TRATAMENTO
DE UMA FÍSTULA ORONASAL: RELATO DE CASO
Autores: NATÁLIA LINS DE SOUZA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);ANÍBAL HENRIQUE BARBOSA
LUNA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); MARCOS ANTONIO FARIAS DE PAIVA (UNIVERSIDADE FEDERAL
DA PARAÍBA); KAROLINE GOMES DA SILVEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); EDUARDO DE ALMEIDA
SOUTO MONTENEGRO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA)
Introdução: A fístula oronasal é uma comunicação criada entre a cavidade nasal e a cavidade bucal, que tem
como fatores etiológicos a excisão cirúrgica de lesões patológicas, fissuras palatina, acidentes por arma de fogo,
deformidades da fossa nasal e inalação de cocaína. Os principais sintomas em pacientes que apresentam a fístula
oronasal são regurgitação de saliva e alimentos para dentro da cavidade nasal, halitose, problemas de dicção, insuficiência velofaringea e o déficit auditivo. Diversos métodos para o tratamento da fístula oronasal vem sendo
relatados na literatura, tais como enxertos, retalhos locais, retalhos distantes, retalhos do corpo adiposo de face,
entre outros. Entre os retalhos citados acima, o corpo adiposo bucal apresenta como vantagens a simplicidade e
facilidade da técnica intra-oral, rica vascularização, estética e a possibilidade de se adaptar bem ao defeito cirúrgico, sendo umas das principais formas de escolha no tratamento de defeitos intra-orais. Sendo assim, o presente
trabalho descreve o caso clínico da paciente MDVM, sexo feminino, 22 anos de idade, que se apresentou ao
Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial do Hospital Universitário Lauro Wanderley relatando regurgitação alimentar para cavidade nasal e dificuldade para falar, com histórico médico prévio de cirurgia ablativa
em maxila anterior para remoção de tumor. Ao exame físico a paciente apresentava um perfil côncavo, com perda
de sustentação nasal, ausência de porção anterior de maxila estendendo-se aos primeiros molares e a presença de
duas fístulas oronasais em fundo de sulco vestibular anterior. O tratamento da fístula consistiu da utilização do
retalho bilateral do corpo adiposo de face associado com retalho palatino deslizante. Paciente atualmente encontra-se em acompanhamento, apresentando mucosas íntegras, normocoradas com oclusão completa da fístula.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
317
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
591 – TRANSPLANTE DENTAL AUTÓGENO COMO ALTERNATIVA
PARA REABILITAÇÃO BUCAL: RELATO DE CASO
Autores: THAIS DA SILVA FONSECA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ);RAFAEL LOPES QUADROS DA SILVA
(HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); YURI DA SILVA PIMENTA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
JOÃO DE BARROS BARRETO); JENNIFER SANZYA SILVA DE ARAÚJO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); DIEGO PACHECO FERREIRA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO)
Introdução: O transplante dentário é a implantação de um dente autólogo em novo alvéolo. O momento ideal
para a realização deste procedimento é quando o dente atinge de metade a três quartos do comprimento radicular, e o forame apical está aberto, para que o término da rizogênese aconteça no leito receptor, deste modo provavelmente não sendo necessário o tratamento endodôntico. O objetivo desse trabalho é relatar um caso clínico de
autotransplante dentário realizado no Centro de Especialidades Odontológicas do Hospital Universitário João de
Barros Barreto da Universidade Federal do Pará. Paciente do gênero masculino, 16 anos, apresentava clinicamente pericoronarite relacionada ao elemento 38 e ao exame radiográfico apresentava o elemento 46 incluso em posição vestíbulo-lingual e provável dilaceração radicular. Foi optado pela realização da exodontia do dente 38 para
tratamento da pericoronarite, exodontia do dente 46 e realizado o preparo do alvéolo desta região para implantação do elemento 38 para reabilitação de um primeiro molar inferior direito. Após 12 meses de controle clínico e
radiográfico, ficou constatado que o dente transplantado para a posição de primeiro molar inferior direito possui
saúde periodontal e pulpar, pois possui vitalidade e ausência de bolsas periodontais e as imagens radiográficas
sugerem a continuidade da rizogênese no leito receptor. O transplante dental, quando corretamente indicado, é
uma boa alternativa terapêutica de baixo custo para reabilitações orais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
318
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
615 – FLUORESCÊNCIA ÓSSEA INDUZIDA POR DOXICICLINA:
A UTILIDADE DO MARCADOR ÓSSEO NO TRATAMENTO
CIRÚRGICO DE OSTEOMIELITES DOS MAXILARES
Autores: KAROLINE ARAUJO LIMA (*) (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS);GONÇALVES, P.S (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS); MOTTA-JUNIOR, J (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS);
Introdução: Fluorescência óssea induzida por Doxiciclina: a utilidade do marcador ósseo no tratamento cirúrgico
de osteomielites dos maxilares As osteomielites dos maxilares são definidas como um processo inflamatório da
porção medular do osso afetado, que pode desenvolver-se em consequência de infecções odontogênicas e estar
associada ou não a condições sistêmicas, com grande tendência a progredir pelos espaços medulares e invadir o
osso cortical, periósteo e tecido mole circunjacente. O debridamento cirúrgico e/ou ressecção da região acometida é a terapia de escolha para os estados avançados da doença, contudo, a execução de tal tratamento ainda
apresenta pouca padronização, devido à falta de modalidades de imagem que permitam a visualização dos limites
dessa inflamação no tecido ósseo, tendo como limites os sinais clínicos durante o ato operatório. Uma modalidade de tratamento auxiliar no ato operatório é a autofluorescência, obtida por meio da administração de derivados
da Tetraciclina, por período específico, associado a dispositivos que utilizam lâmpada fluorescente com raios ultravioleta. Esta modalidade de visualização trans-cirúrgica direta promove a distinção do tecido ósseo sadio, por
meio da fluorescência, o que auxilia no tratamento de osteomielite. O presente trabalho tem como objetivo relatar, através de um caso clínico, a aplicabilidade do uso de Doxiciclina associada à emissão de luz fluorescente durante um debridamento cirúrgico de osteomielite em corpo mandibular. Lima, K. A.*; Saunier, P.G; Motta-Junior
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
319
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
620 – ODONTECTOMIA PARCIAL INTENCIONAL: RELATO DE
CASO.
Autores: RÔMULO VINICIUS TRIGUEIRO MONTEIRO (*) (FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS);JOSÉ WILSON
NOLETO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA); JOSÉLIA DA SILVA LEITE (CENTRO DE ESPECIALIDADES
ODONTOLOGICA DE JOÃO PESSOA); MARCOS ANTÔNIO FARIAS DE PAIVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE); RAISSA VITORIA TRIGUEIRO DE ALMEIDA MONTEIRO (FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS)
Introdução: A odontectomia parcial intencional é uma técnica cirúrgica que visa a remoção parcial de um elemento dentário em situações especificas quando a sua total remoção aumentaria os riscos de fratura mandibular ou
de causar danos as estruturas adjacentes, nestes casos podemos optar pela permanência do segmento radicular
em seu alvéolo evitando tais complicações, porém tal técnica deve ser adotada durante o planejamento pré-operatório, e não como uma conduta de urgência durante o período transoperatório.Este trabalho tem como objetivo
descrever uma modificação da técnica de Odontectomia através de um casoclinico, onde relata um caso de uma
paciente de 26 anos, sexo feminino que se apresentou na Escola de Odontologia da Universidade Federal de Campina Grande para extração do terceiro molar inferior direito com indicação ortodôntica, após exames complementares como panorâmica o mesmo elemento apresentava-se em uma posição mesio-angulada onde suas raízes
mostravam grande intimidade com o canal mandibular e foi solicitado uma tomografia computadorizada onde
o mesmo observou âmbito contato direto com o canal mandibular onde o tratamento de escolha adotado foi a
odontectomia. A paciente foi reavaliada radiograficamente após 2 semanas e não relatou quaisquer sintomas. A
radiografia panorâmica após 24 meses não mostra sinais radiográficos de patologia e observou-se migração de
2 milímetros de raiz remanescente. O paciente foi monitorado sem reclamações de quaisquer queixas. Descritores:Exodontia, terceiros molares, cirurgia.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
320
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
622 – PROFILAXIA ANTIBIOTICA PARA ENDOCARDITE
INFECCIOSA EM CIRURGIAS ORAIS:ATUAIS DIRETRIZES
Autores: RAÍNA MARQUES DA CONCEIÇÃO (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO);WENDER LUÍZ BARROSO TAVARES (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); YURI EDWARD DE
SOUZA DAMASCENO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); WILLY FERNANDES DE MEDEIROS (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO); JENNIFER SANZYA SILVA DE ARAÚJO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JOÃO DE BARROS BARRETO)
Introdução: Endocardite infecciosa é uma infecção rara e grave que acomete o tecido de revestimento e válvulas
do coração, quando microorganismos entram na corrente sanguínea em um fenômeno denominado bacteremia,
e encontram ambiente propício para aderência e colonização em um endocárdio danificado. Se não tratada com
antibióticos, leva a morte, e em geral, apresentam tempo prolongado de tratamento. Partindo-se deste princípio
a profilaxia antibiótica foi pensada para prevenir a ocorrência de endocardite infecciosa, tendo por princípio a
administração de altas doses de antibiótico antes do procedimento cirúrgico, para que neste momento, a concentração plasmática do antibiótico seja máxima e atingira rapidamente para combate a bacteremia e reduzir o
risco de desenvolvimento de endocardite bacteriana. A técnica começou a ser empregada em odontologia quando
foram detectadas bactérias da flora oral em hemoculturas de pacientes portadores de EI e devido a associação
desta condição a má higiene oral e manifestação após procedimentos odontológicos. Deste modo passou a ser
realizada a cobertura antibiótica indiscriminadamente, para todo e qualquer tipo de procedimento odontológico que causem sangramento e em todos os pacientes, sem restrições, como realizado em 1992 pela Sociedade
Britânica para Quimioterapia Antimicrobiana (BSAC). Devido ao risco que o uso indiscriminado de antibióticos
oferece ao desenvolvimento de bactérias resistentes, as reações adversas e a falta de comprovação da efetividade
da profilaxia, esta conduta abrangente foi questionada e reformulada por outras entidades científicas, como fez
a Sociedade de Cardiologia (BCS) e Royal College Physicians (RCP) em 2004 que restringiu o uso de antibióticos
profiláticos em procedimentos odontológicos que causem bacteremia e em pacientes com comprometimento
sistêmico e que tenham realizado cirurgias cardíacas. Em 2006, a Sociedade Britânica para Quimioterapia Antimicrobiana reformulou suas diretrizes e restringiu a conduta profilática a pacientes com alto risco de morte e
a procedimentos em que haja manipulação dento gengival, os pacientes considerados de alto risco são os que já
possuem história prévia de endocardite, que possuam válvulas cardíacas protéticas ou shunts pulmonares. Ainda
sem comprovação da efetividade da terapia profilática, devido a falta de estudos controlados prospectivos randomizados, e da comprovação da ocorrência de bacteremia em atividades diárias como no ato de escovar os dentes,
mastigação vigorosa, uso do fio dental, entre outros, em 2008 o Instituto Nacional de Saúde e Excelêmcia Clínica
(NICE) , do Reino Unido, reformulou suas diretrizes, suspendendo a terapia profilática em qualquer situação,
incluindo em pacientes de alto risco, mediante estudos que apontam que a cobertura profilática não é garantia
de não ocorrência de endocardite, ou seja, há relatos de que mesmo seguindo o protocolo medicamentoso pré
cirúrgico, uma parcela dos pacientes ainda assim desenvolveram a doença,
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
321
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
788 – CONDUTA CLÍNICA APÓS INJÚRIAS AOS NERVOS
ALVEOLAR INFERIOR E LINGUAL DURANTE A REMOÇÃO DE
TERCEIROS MOLARES INFERIORES
Autores: CARLA ALVES VIEIRA (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA);MARIA HELENA RODRIGUES GALVÃO
(UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA); MARIÂNGELA DE ARAÚJO BARBOSA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA
PARAÍBA);
Introdução: A cirurgia de terceiros molares é um procedimento comum em cirurgia bucomaxilofacial. Entre as
complicações pós-cirúrgicas, temos as parestesias dos nervos alveolar inferior (NAI) e lingual (NL) que são frequentemente citadas na literatura graças à proximidade anatômica dessas estruturas com os dentes em questão.
Esse trabalho tem como objetivo sistematizar a conduta clínica do cirurgião-dentista frente a lesões dos NAI e NL
durante a remoção de terceiros molares inferiores através da análise documental da produção bibliográfica, obtida através de artigos disponíveis em bases de dados e livros texto. Três tipos de sintomatologia pós-operatória
podem ser relatados, a anestesia profunda, a parestesia e a disestesia que fazem referência a gravidade da injúria
aos nervos, e o cirurgião-dentista deve diagnosticar através de testes neurosensitivos e com auxílio de exames
complementares. Em casos de presença de corpos estranhos, obstrução do canal mandibular ou deslocamento
de fragmentos ósseos, a descompressão cirúrgica é indicada. Já em situações de injúria por infecção, antibióticos
poderão ser utilizados para tratamento inicial. Na compressão do nervo por edema pós-trauma, geralmente a
sensibilidade retorna gradativamente, podendo ser precedida do uso de corticoides ou a descompressão cirúrgica. Em todos os casos os pacientes devem passar por avaliações mensais para acompanhar se há remissão dos
sintomas. O tratamento cirúrgico deve ser considerado nos casos onde não há melhora nos primeiros 3 meses ou
quando no final dos 12 meses persiste um déficit substancial. Durante o tratamento o profissional pode lançar
mão de terapia medicamentosa, laser de baixa intensidade; fisioterapia e acupuntura. É necessário que os cirurgiões-dentistas tornem-se cientes das opções de tratamento para cada caso, que podem ser complexos e envolver
uma equipe multidisciplinar. O planejamento deve ser realizado em conjunto com o paciente que deve ser alertado quanto a imprevisibilidade da resposta ao tratamento. Diante do exposto, pôde-se observar que a Odontologia
ainda necessita de um campo de pesquisa mais efetivo no tocante ao tratamento das injúrias ao NL e NAI, para
que se possa oferecer alternativas ao paciente que visem devolver-lhe o estado de normalidade.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
322
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
841 – MÚLTIPLAS EXTRAÇÕES DE ELEMENTOS DENTÁRIOS
INCLUSOS – RELATO DE CASO
Autores: HÉRICKSON DE OLIVEIRA NASCIMENTO (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UFAL);JAIR QUEIROZ
DE OLIVEIRA NETO (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UFAL); MARCUS ANTÔNIO BRÊDA JÚNIOR (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO UPE); JOSÉ RICARDO MIKAMI (IDENT); RICARDO VIANA BESSA
NOGUEIRA (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UFAL)
Introdução: A ocorrência de múltiplos dentes inclusos num só paciente, na ausência de uma condição sistêmica
associada ou síndrome é considerada um fenômeno raro. A ocorrência de múltiplos dentes num só paciente, na
ausência de uma condição sistêmica associada ou síndrome é considerada um fenômeno raro. Dessa forma, a
hiperdontia consiste na alteração na quantidade do número de dentes considerados normais na dentição humana e representa uma das formas de anomalia dental, na qual existe um número acrescido de dentes ao esperado
para a respectiva dentição. Esses elementos dentais são chamados de supranumerários e são considerados dentes extras (ou adicionais) , erupicionados (ou não) , semelhantes em morfologia (ou não) aos demais dentes no
grupo ao qual eles estão associados. Os dentes supranumerários podem ser classificados como suplementares,
sendo aqueles que apresentam a morfologia similar à dentição normal e, rudimentares que apresentam diferentes formas, sendo menores e cônicos. Na grande maioria dos casos os pré-molares supranumerários tendem a
ser suplementares. O diagnóstico da hiperdontia está normalmente associado a algum distúrbio na erupção de
dentes permanentes, o que é confirmado muitas vezes por meio de exames clínicos e/ou radiografia de rotina.
Clinicamente, é possível associar aos supranumerários, maloclusões, cistos dentígeros, diastemas, apinhamentos
dentais, rotações dentais, inflamação gengival, abscesso periodontal e cárie no dente adjacente. As radiografias
dentais (panorâmicas, oclusais e periapicais) são de essencial valor para o diagnóstico dos dentes supra-numerários, por estes estarem quase sempre retidos e assintomáticos. O Objetivo desse trabalho é relatar o caso de um
paciente com necessidade de extração múltipla de elementos dentários inclusos, associado a uma hiperdontia severa dos maxilares ( 20 dentes inclusos, 16 supranumerários e 4 terceiros molares inclusos) no qual a abordagem
terapêutica foi a remoção dos dentes inclusos para a realização de movimentações ortodônticas. Baseado no exposto, o conhecimento por parte do cirurgião do manejo clínico e terapêutico da hiperdontia é muito importante
para o prognóstico e acompanhamento do paciente.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
323
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
854 – ENUCLEAÇÃO DE GRANDE CISTO RESIDUAL EM SEIO
MAXILAR, ASSOCIADO À FECHAMENTO SIMULTÂNEO DE
COMUNICAÇÃO BUCO SINUSAL: RELATO DE CASO.
Autores: GUILHERME BORGES MANTA (*) (HOSPITAL DR. FERNANDO MAURO PIRES DA ROCHA);FÁBIO LOPES
DUARTE (HOSPITAL DR. FERNANDO MAURO PIRES DA ROCHA); BASÍLIO ALMEIDA MILANI (HOSPITAL DR. FERNANDO MAURO PIRES DA ROCHA); MARCELO SHIWA (); FRANCISCO ORLANDO GIRALDI NETO (HOSPITAL DR.
FERNANDO MAURO PIRES DA ROCHA)
Introdução: Cistos são lesões revestidas por tecido epitelial contendo no seu interior substância líquida ou semi-sólida. Os cistos intra-ósseos são detectados em estágio inicial, apenas pelo exame radiográfico e quando
não tratados precocemente podem atingir grandes proporções,ocasionando áreas de extensas reabsorção óssea
por compressão e devido a sua característica expansiva, podendo até provocar deformidades ósseas extensas e
assimetria facial. Este trabalho tem por objetivo apresentar um caso de cisto residual em maxila resultante da
exodontia do 16, ocorrendo simultaneamente a fístula buco sinusal e, alcançando uma grande dimensão após a
invasão do seio maxilar. Causando assimetria facial em paciente leucodérmico, do sexo masculino com 23 anos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
324
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia dento-alveolar
885 – TRANSPLANTE DENTÁRIO AUTÓGENO COMO
ALTERNATIVA PARA REABILITAÇÃO ORAL
Autores: PAMELA SAUNIER GONÇALVES (*) (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS);PEDRO HENRIQUE
RIBEIRO ARANTES (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS); GUSTAVO ALBUQUERQUE (UNIVERSIDADE
DO ESTADO DO AMAZONAS); VALBER BARBOSA MARTINS (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS); MARCELO VINÍCIUS OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS)
Introdução: Transplante Dentário Autógeno Como Alternativa Para Reabilitação Oral GONÇALVES, P.S; ARANTES, P.H.R; ALBUQUERQUE, G; MARTINS, V.B; OLIVEIRA, M.V Apesar da evolução que se teve na saúde oral
no que diz respeito à prevenção, as extrações dentarias ainda ocorrem com muita frequência. O transplante
dental autógeno surge como excelente alternativa para reabilitação oral por ser um procedimento biologicamente aceitável, de baixo custo, que pode ser realizado com o individuo ainda jovem, tendo em vista que a idade do
paciente geralmente impede que outros tratamentos reabilitadores possam ser realizados devido ao crescimento
ósseo. O procedimento de autotransplante dentário consiste na movimentação cirúrgica de um dente do mesmo
indivíduo, no caso um terceiro molar, do seu lugar original para um alvéolo preparado ou já existente ocupado por
um dente que será extraído. É objetivo do presente artigo relatar um caso clinico de um paciente com destruição
cariosa acentuada do elemento 47, sendo realizado exodontia e autotransplante imediato do 48. Realizou-se a
exodontia do dente 47, seguido da exodontia do dente 48 e autotransplante imediato, plastia do alvéolo receptor, e contenção com sutura em toda extensão cirúrgica. Após 11 meses de proservação, há indícios clínicos e
radiográficos de sucesso do tratamento proposto sendo este uma excelente alternativa de reabilitação. A cirurgia
de autotransplante de terceiros molares com rizogênese incompleta ainda não é usualmente apresentada aos pacientes como alternativa de tratamento para reabilitação oral, porém, se seguido as condutas da maneira correta,
o sucesso será obtido.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
325
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia endoscópica, navegação e novas tecnologias
394 – UTILIZAÇÃO DE BIOMODELOS PARA PLANEJAMENTO EM
CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCO-MAXILO-FACIAL
Autores: HAROLDO ABUANA OSÓRIO JUNIOR (*) (UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO NORTE);DANIELLE CLARISSE BARBOSA COSTA (UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO NORTE); ADRIANO ROCHA
GERMANO (UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO NORTE); PETRUS PEREIRA GOMES (UNIVERSIDADE
FEDERALDO RIO GRANDE DO NORTE); JOSÉ SANDRO PEREIRADA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO
GRANDE DO NORTE)
Introdução: Biomodelagem representa um termo genérico usado para definir a capacidade de reproduzir a morfologia de uma estrutura biológica em um arcabouço sólido. Os biomodelos têm sido utilizados para planejamento
cirúrgico na área de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial desde 1985, sendo atualmente empregados em
cirurgias de deformidades craniofaciais, sequelas de traumas, patologias, próteses maxilofaciais, anomalias de articulação temporomandibular. Muitas são as vantagens descritas com o uso dos biomodelos, tais como: melhorar
a visualização imaginológica das estruturas, permitir simulação cirúrgica e otimizar planejamento pré operatório,
possibilitar a confecção de guias cirúrgicos, melhorar a compreensão dos pacientes quanto aos respectivos casos,
reduzir tempo operatório através da modelagem prévia de malhas/telas/placas, facilitar a comunicação da equipe.
Existem diferentes métodos para a confecção dos protótipos, sendo a estereolitografia um dos mais conhecidos
e relatados na literatura. Outro método comumente utilizado é o de sinterização seletiva à laser (SLS) , que
apresenta um custo inferior se comparado à estereolitografia, possibilitando o uso desses artifícios em serviços
públicos. O objetivo do presente trabalho visa relatar os casos operados na Residência de Cirurgia e Traumatologia Buço-Maxilo-Facial, no período compreendido entre 2011 e 2015, planejados com o auxílio de biomodelos.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
326
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia endoscópica, navegação e novas tecnologias
846 – VISCOSSUPLEMENTAÇÃO COMO OPÇÃO TERAPÊUTICA
PARA AS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES EM
PACIENTES COM HISTÓRIA DE ARTRITE REUMATOIDE
Autores: MAITÊ SANTIAGO NILZEN (*) (UNIVERSIDADE PAULISTA- UNIP);PATRICIA RADAIC (UNICAMP); GABRIEL
PASTORE (UNICAMP); DOUGLAS GOULART (UNICAMP); JULIANA M CAMPOS (UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP)
Introdução: Viscossuplementação como opção terapêutica para as disfunções temporomandibulares em pacientes com história de artrite reumatoide A articulação temporomandibularé revestida internamente por uma membrana que produz o líquido sinovial, que preenche o espaço articular superior e inferior. Este é responsável pela
nutrição e lubrificação dos tecidos articulares. A falta de coordenação do conjunto côndilo e disco articular, decorrem do colapso da função normal, pela incompetência dos ligamentos articulares laterais e lâmina retrodiscal.
Esta patologia está inserida no grupo de disfunção temporomandibular envolvendo o componente articular, descritos como os deslocamentos de disco com e sem redução. Essas disfunções podem estar associadas a alterações
inflamatórias como sinovite, retrodiscite e capsulite ou alterações degenerativas como osteoartrose e osteoartrite. O tratamento pode ser conservador como:repouso funcional, tratamento medicamentoso com anti-inflamatórios não esteroides (AINES) , utilização de dispositivos inter-oclusais, fisioterapia. Quando o tratamento conservador não apresenta resposta pode-se optar pelo tratamento cirúrgico. Os tratamentos cirúrgicos podem ser
invasivos, como abordagens abertas (discopexia) ou minimamente invasivos (artroscopia, artrocentese, injeções
intra-articulares de corticosteroides, viscossuplementação com ácido hialurônico- HA).A Viscossuplementação
com hialuronato de sódio aumenta a concentração e o peso molecular de HA no líquido sinovial, também ocorre
a liberação das zonas de aderências entre o disco articular e a fossa mandibular, há um aumentoda mobilidade articular permitindo melhor circulação do líquido sinovial. Além disso, este tratamento tem um efeito anti-inflamatório e analgésico devido a diminuição doatrito entre as superfícies articulares. O objetivo do presente trabalho
é relatar um caso clinico no qual foi empregado a terapia de viscossuplementaçãopara uma paciente refratária ao
tratamento conservador com placamiorrelaxante e fisioterapia. Paciente J.E.N, sexo feminino, 20 anos, procurou
atendimento relatando dor e crepitação na ATM, ao exame físico foi observada limitação de abertura bucal. A
paciente apresenta história de artrite reumatoide. Ao exame de ressonância magnética foi observado derrame
articular, osteófitos e remodelação condilar. A paciente estava não respondeu a terapia com placa miorrelaxante e
fisioterapia em tratamento há 2 anos.A paciente foi submetida a artroscopia da ATM bilateral associada a viscossuplementação. A paciente evoluitu sem complicação com melhora do quadro clínico de dor e limitação funcional
após seis meses de acompanhamento pós-operatório. A viscossuplementaçãomostrou-se uma medida terapêutica efetiva no restabelecimento funcional das ATM, a curto prazo.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
327
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
71 – CIRURGIA ORTOGNÁTICA ASSOCIADA A RECONSTRUÇÃO
DE MAXILA ATRÓFICA COM ENXERTO AUTÓGENO PARA
REABILITAÇÃO ORAL COM IMPLANTES ÓSSEO INTEGRAVEIS
Autores: THAIS CHAVES PENNER TAVARES (*) (ESCOLA SUPERIOR DA AMAZONIA - ESAMAZ);ROGERIO BENTES
KATO (ESCOLA SUPERIOR DA AMAZONIA - ESAMAZ); ALADIM GOMES LAMEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DO
PARA - UFPA); ISADORA REGIANE RODRIGUES MACEDO (CENTRO UNIVERSITARIO DO PARA - CESUPA);
Introdução: A atrofia maxilar severa é consequência de exodontias precoces, gerando muitas vezes uma discrepância maxilo mandibular de padrão III. No momento do planejamento, o cirurgião e o protesista devem discutir se apenas a reabilitação com enxertos, implantes e prótese serão suficiente para corrigir essa deformidade.
Quando esse tipo de tratamento não for suficiente para correção da deformidade deve-se lançar mão da cirurgia
ortognática para correção do posicionamento da maxila para o padrão facial I. De posse desses argumentos, o
objetivo desse trabalho é apresentar um relato de caso clínico em que se fez necessário a associação da cirurgia
ortognática com a técnica de enxertia para correção da deformidade dentofacial, juntamente com a colocação de
implantes osseointegráveis e prótese implanto-suportada. Paciente L.A.C. compareceu a Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Pará, no curso de especialização em Implantodontia para reabilitação oral de
maxila edentula. Após exame clinico e radiográfico observou-se uma severa atrofia de maxila pela perda precoce
dos elementos dentários, havendo necessidade de reconstrução com enxerto autógeno para futura colocação de
implantes e instalação de prótese implanto-suportada, porém durante o planejamento, verificou-se que apenas a
utilização da técnica de enxertia não seria suficiente para tirar a paciente do padrão III e devolve-la para o padrão
facial I, então optou-se pela realização da combinação das técnicas de avanço de maxila associada a enxertia óssea
com osso autógeno proveniente da crista ilíaca, durante o período de incorporação do enxerto, a paciente utilizou
uma prótese provisória sobre implantes temporários colocados no mesmo ato cirúrgico. A cirurgia foi realizada
com sucesso e 6 meses após o procedimento a paciente foi submetida a cirurgia de colocação de implantes e prótese com carga imediata. Concluímos que em pacientes com atrofia severa de maxila, com alteração do padrão
facial, a combinação da cirurgia ortognática com enxertia de osso autógeno para reabilitação com implantes e
próteses implanto-suportada torna-se fundamental para a correção estético- funcional.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
328
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
80 – A REABILITAÇÃO PROTÉTICA DAS DEFORMIDADES
BUCOMAXILOFACIAIS
Autores: GABRIELA LUIZA HOCHSCHEIDT (*) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL);JÚLIA ROST
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL); DEISE PONZONI (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL); ANGELO LUIZ FREDDO (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL); ADRIANA CORSETTI
(UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL)
Introdução: Deformidades faciais por perda de substância podem ser resultantes de causas genéticas (malformações congênitas) , traumáticas (acidentes em geral) , infecciosas (sífilis, leishmaniose, osteomielites) e patológicas
(tumores malignos e/ou benignos). Estas deformidades não só levam a sério comprometimento funcional e estético, mas possuem grande comprometimento psicossocial do paciente. O tratamento destes pacientes envolve
uma abordagem multidisciplinar, envolvendo, principalmente a Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais,
Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Prótese Bucomaxilofacial. A reconstrução cirúrgica dos tecidos é o método de
eleição, porém existem condições que podem contraindicar esse tipo de tratamento e indicar a reabilitação protética, como: possibilidade de recidiva do tumor, pacientes com fissura lábio palatal, onde há recidiva cirúrgica com
persistência de fístula e hipernasalidade, radioterapia prévia (afetando a vascularização da região) , extensão da
perda, condições de saúde e idade do paciente, fatores econômicos, resistência do paciente em submeter-se a intervenções cirúrgicas. Em virtude disso, este trabalho tem como terá como objetivo apresentar os relatos de casos
de diferentes possibilidades de reabilitações bucomaxilofaciais através de materiais aloplásticos, entre eles estão
a prótese obturadora intra-oral, prótese óculo-palpebral, prótese nasal, prótese ocular e prótese auricular. Todos
os pacientes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para divulgação das imagens para fins
didáticos. A partir dos casos apresentados, podemos devemos considerar que bons resultados estéticos e funcionais irão depender da escolha adequada da técnica e dos materiais a serem utilizados. E perceber que o principal
objetivo dos profissionais envolvidos será promover o resultado mais satisfatório, que englobe, principalmente os
aspectos psicossociais do paciente mutilado, promovendo o seu bem-estar físico, mental e social. A importância
da prótese bucomaxilofacial e a reabilitação do paciente, ressalta o papel indispensável da Odontologia na sociedade para o tratamento destes pacientes de alta complexidade.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
329
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
87 – TRATAMENTO DE DEFORMIDADE DENTOFACIAL CLASSE
III – UTILIZAÇÃO DE OSTEOTOMIA SECUNDÁRIA PARA
ALINHAMENTO PASSIVO APÓS OSTEOTOMIA SAGITAL DOS
RAMOS MANDIBULARES.
Autores: ALEX LANDUCCI (*) (UNIVERSIDADE POSITIVO);JESSICA HALICE NORONHA (UNIVERSIDADE POSITIVO); LEANDRO EDUARDO KLUPPEL (UNIVERSIDADE POSITIVO); RAFAELA SCARIOT (UNIVERSIDADE POSITIVO);
FREDERICO DELIBERADOR (UNIVERSIDADE POSITIVO)
Introdução: As maloclusões de classe III esqueléticas caracterizam-se pelo posicionamento mais anterior da mandíbula em relação à maxila, sendo que a discrepância pode ser causada pela deficiência anterior da maxila, prognatismo mandibular ou ambos. Uma relação dento-esquelética classe III, além dos prejuízos estéticos produz sérios
problemas funcionais, como a falta de contato entre os dentes, um posicionamento errôneo da língua, dificuldade na fala e dicção, entre outros. O presente trabalho objetiva a apresentação de um caso clinico do paciente
M.P.N.B., gênero masculino, 20 anos, ASA I, classe III com deficiência ântero posterior de maxila e prognatismo
mandibular severo. O paciente compareceu ao Serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial da Universidade Positivo –
Curitiba-PR, para tratamento cirúrgico da deformidade dentofacial. Após o preparo orto-cirúrgico e planejamento do caso, optou-se por cirurgia ortognática combinada, com realização de osteotomia Le Fort I para a maxila
e osteotomia sagital bilateral dos ramos mandibulares. Durante o trans-cirúrgico, após a realização e separação
dos segmentos mandibulares (dentado e condilar) , houve dificuldade no posicionamento passivo da mandíbula
para fixação. Optou-se por realizar osteotomias secundárias bilaterais em mandíbula. Desde 1989, esta técnica
é aplicada para promover um assentamento passivo e um bom alinhamento entre os seguimentos proximal e
distal, antes da aplicação dos dispositivos de fixação interna. A principal vantagem da realização da osteotomia
secundária é que ela elimina completamente qualquer tendência entre os fragmentos de interferir um com o
outro, removendo todas as áreas de contato prematuro de modo que a extremidade proximal do segmento possa
ser rodada de forma passiva em contato com o segmento distal. Não há outros métodos da eliminação dessas
áreas de contato prematuro de osso para grandes movimentos mandibulares. Tentar remover o contato prematuro do osso de dentro da osteotomia coloca em risco o nervo alveolar inferior e possui limitações na magnitude
do movimento. Outro benefício do uso da osteotomia secundária é que ele pode causar menos deslocamento da
cabeça da mandíbula por eliminar completamente qualquer interferência óssea possível entre os segmentos. A
principal desvantagem da osteotomia secundária é um suposto dano ao nervo alveolar que podem ocorrer devido
à manipulação do tecido e instrumentação na região da ostetomia. Após a realização da osteotomia secundária,
obteve-se um bom alinhamento dos segmentos. A região foi fixada com placas retas e parafusos do sistema 2.0.
Após 3 meses de acompanhamento, o paciente encontra-se com ótima evolução, abertura de boca normal, boa
estabilidade oclusal e não apresenta danos sensoriais.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
330
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
129 – AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO SEPTO NASAL NA
EXPANSÃO DE MAXILA CIRURGICAMENTE ASSISTIDA POR
MEIO DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE FEIXE CÔNICO
Autores: TAÍS FEITOSA LEITÃO DE OLIVEIRA (*) (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP);OSNY FERREIRA JÚNIOR (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP); EDUARDO SANCHES GONÇALES (FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU - USP); GÉSSYCA MOREIRA MELO DE FREITAS GUIMARÃES (FACULDADE DE
ODONTOLOGIA DE BAURU - USP);
Introdução: RESUMO A expansão da maxila cirurgicamente assistida (EMCA) é um procedimento cirúrgico indicado para a correção da atresia maxilar em pacientes que já atingiram a maturação óssea. Os efeitos da EMCA
são observados não só nos arcos dentários, maxilas e mandíbula, mas também na cavidade nasal, já que o septo
nasal encontra-se localizado no centro do assoalho nasal, apoiado sobre a sutura palatina mediana. O objetivo
deste estudo foi identificar a posição do septo nasal antes e após a separação cirúrgica das maxilas e avaliar sua
influência na movimentação da maxila do lado que foi deslocado. Foram avaliadas 56 tomografias computadorizadas de feixe cônico (TCFC) adquiridas no tomográfo i-CAT Classic®, com voxel de 0,3mm, de 14 indivíduos
submetidos à EMCA nos períodos pré-operatório e pós-operatório de 15, 60 e 180 dias. Inicialmente, as imagens
pós-operatórias foram visualizadas nas reformatações multiplanares, para identificar a qual maxila, direita ou esquerda, o septo nasal permaneceu ligado após a EMCA. Numa segunda etapa, foram realizadas medidas lineares
nas imagens correspondentes aos períodos pré e pós–operatórios. Essas medidas foram realizadas na reformatação axial imediatamente acima do aparelho expansor, de forma padronizada para cada paciente, e consistiram
da distância entre uma linha de referência central, que passava na espinha nasal anterior e no centro do forame
incisivo, dividindo o paciente em lado direito e esquerdo, até os caninos e molares direitos e esquerdos. O índice
kappa intraexaminador foi > 0,9. Para comparar as diferenças entre as médias dos dois grupos (lado ligado ao
septo nasal e não ligado ao septo nasal) foi utilizado o teste t. Em 78,6% dos pacientes o septo nasal permaneceu
ligado à maxila esquerda e em 21,4%, ligado à maxila direita. Em relação às medidas lineares, tanto na região de
caninos como na região de molares, observou–se que, no período pré-operatório, não havia diferença entre os
lados direito e esquerdo. Após a EMCA, houve diferença estatisticamente significante (p<0,05) , observando que
houve menor movimentação da maxila a qual o septo nasal permaneceu ligado. Portanto, pode–se concluir que a
expansão maxilar ocorre de forma assimétrica, pois a maxila que permanece ligada ao septo nasal, após a EMCA,
movimenta-se menos do que a maxila não ligada ao septo nasal.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
331
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
179 – REABILITAÇÃO OCULAR POR PRÓTESE
BUCOMAXILOFACIAL
Autores: LUIZA BASTOS NOZARI (*) (UFRGS);JOSÉ RICARDO BUSATTO (UFRGS); TAINARA MILNIKEL (UFRGS);
JÚLIA CHRIST DA SILVA (UFRGS); ADRIANA CORSETTI (UFRGS)
Introdução: A reabilitação protética sempre fez parte da história da humanidade; os primeiros relatos datam de
antes de cristo, quando diferentes civilizações buscavam realizar reposições artificiais com materiais que estavam
à disposição, desde madeira até pedras e metais preciosos. (MORONI, 1982). No século XIX, o alemão Ludwig
Muller Uri, que confeccionava olhos de vidro para bonecas, passou a confeccioná-los para humanos. Durante a 2ª
Guerra Mundial, quando a exportação foi proibida na Alemanha, as oculares passaram a ser confeccionadas com
resina acrílica nos Estados Unidos (RODE, 1968). A prótese bucomaxilofacial, contudo, figura-se como especialidade odontológica no Brasil, desde 1925, quando foi introduzida por João Luiz Alves (REZENDE, OLIVEIRA,
DIAS, 1986). A modalidade vem ganhando cada vez mais espaço e reconhecimento, juntamente com o aumento
da demanda, que se deve principalmente, no caso da prótese ocular, a traumas decorrentes da violência urbana
e doméstica (ORESTES-CARDOSO et al., 2012). A prótese ocular tem como objetivos reestabelecer a estética do
paciente, manter o tônus muscular prevenindo o colapso e a deformidade palpebral, proteger a cavidade anoftálmica de agressões e direcionar a secreção lacrimal, impedindo seu acúmulo. Apenas oculares feitas sob medida
para cada paciente têm a capacidade de atender a todas essas demandas. No presente trabalho, apresenta-se o
relato de caso de uma paciente que passou por enucleação do globo ocular esquerdo e fez uso de próteses oculares de estoque durante 41 anos. A paciente buscou o atendimento da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FO-UFRGS) para confecção de prótese ocular individualizada. Foi assinado
um Termo de Consentimento Informado, liberando o uso de sua imagem para fins didáticos. Como esperado a
paciente relatou melhora nos movimentos, maior conforto no uso da peça quando compara à anterior, além de
uma mudança significativa na questão estética. O relato nos confirma tamanha importância de individualização
das próteses oculares. A divulgação da prótese bucomaxilofacial como especialidade odontológica e a expansão
do número de profissionais na área também são de extrema importância, visto que, a exemplo de tantos outros,
a paciente utilizou próteses de estoque por 41 anos, sem nunca ao menos imaginar que um cirurgião dentista
poderia ajudá-la a melhorar sua condição.
© Journal of the Brazilian College of Oral and Maxillofacial Surgery
332
J Braz Coll Oral Maxillofac Surg. 2015 set-dez;1(3):1-651 - Suplemento Online
COBRAC 2015 : 25 a 29 de agosto de 2015 : Salvador - BA
TRABALHOS CIENTÍFICOS
Área: Vídeo poster
Apresentação: Cirurgia ortognática e estética facial
208 – INTERCORRÊNCIAS EM CIRURGIA ORTOGNÁTICA:
REVISÃO DE LITERATURA
Autores: EMMANUEL LAWALL DOMINGOS (*) (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ
DE FORA);EDUARDO STEHLING URBANO (UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); JOAO PAULO MARINHO
DE RESENDE (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); LUCAS NARDELLI
MONTEIRO DE CASTRO (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA); CAROLINA
MENDONÇA CYRANKA (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA)
Introdução: As cirurgias ortognáticas são utilizadas para a correção das deformidades dentofaciais. Como em
todo procedimento cirúrgico, intercorrências podem ocorrer durante os períodos trans e pós-operat&