La importancia de la gestión y el liderazgo escolar en las

Сomentários

Transcrição

La importancia de la gestión y el liderazgo escolar en las
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
La importancia de la gestión y el liderazgo escolar en las
instituciones de Educación Media Superior Tecnológica
(CETIS y CBTIS) del estado de Tlaxcala
A importância da gestão escolar e liderança em instituições de Ensino
Superior Media Technology (CETIS e CBTIS) o estado de Tlaxcala
José Margarito Rivera Badillo
Universidad Popular Autónoma del Estado de Puebla
[email protected]
Judith Cavazos Arroyo
Universidad Popular Autónoma del Estado de Puebla
[email protected]
Resumen
El presente trabajo se perfila como una contribución en el área de gestión, dirección y
liderazgo escolar, atendiendo la necesidad de identificar las características de los estilos de
liderazgo que aplican los directivos de Instituciones de educación media superior
tecnológica (CETIS y CBTIS) del estado de Tlaxcala, México, y realizar una gestión eficaz
de los planteles. Los resultados obtenidos al realizar dieciocho entrevistas a profundidad a
directivos
de
estas
instituciones,
evidenciaron
diferentes
estilos
de
liderazgo
privilegiándose el estilo democrático. Asimismo, con las características encontradas se
establecieron las categorías que los directivos consideran aplicar en la ejecución de un
estilo de liderazgo: legitimidad, motivación, enfoque en la tarea-persona, trabajo en equipo,
toma de decisiones, autonomía, conocimientos y habilidades de los colaboradores para la
solución de problemas, reconocimiento, competitividad para establecer estrategias de
aprendizaje, valores, promoción de la cultura y la ética en la organización y gestión
humanista.
Palabras clave: Educación Media Superior, dirección, liderazgo, gestión escolar.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Resumo
Este trabalho está a emergir como uma contribuição na área de gestão, liderança e liderança
escolar, abordando a necessidade de identificar as características dos estilos de liderança
que se aplicam Instituições executivos estado tecnológico ensino secundário (CETIS e
CBTIS) Tlaxcala, México, e fazer uma gestão eficaz das escolas. Os resultados obtidos
através da realização de entrevistas em profundidade com dezoito gestores dessas
instituições, mostrou diferentes estilos de liderança privilegiando o estilo democrático.
Legitimidade, motivação, foco na tarefa pessoas, trabalho em equipe, tomada de decisão,
autonomia, conhecimento e competências: adição, com características encontradas
categorias que os gerentes de considerar a aplicação na execução de um estilo de liderança
foram estabelecidas parceiros para resolver problemas, a competitividade reconhecimento
para estabelecer estratégias de aprendizagem, valores, promoção da cultura e da ética na
organização e gestão humanista.
Palavras-chave: Ensino Superior Media, direção, liderança, gestão escolar.
Fecha Recepción:
Enero 2015
Fecha Aceptación: Abril 2015
Introdução
Este artigo é parte de uma investigação relacionada com as características dos estilos de
liderança e sua aplicação para a gestão da escola. A discussão sobre as questões de gestão
escolar e liderança na busca de instituições de ensino eficazes, é um fator que está
favorecido em busca científica para um modelo educacional para alcançar suas metas e
objetivos, de modo que RBM em uma liderança escolar tornou-se uma prioridade em
modelos educativos a nível internacional (OCDE, 2009).
Ao se referir à atividade educacional da escola e é a qualidade da educação, quase sempre
considerada a liderança como um dos itens prioritários; No entanto, a liderança é um dos
problemas continua a ser actualmente sobre a mesa para discussão e no campo das
contribuições teóricas, existe uma diferença entre um grupo com um líder e outra onde
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
existe uma falta de liderança. Neste sentido, autores como Bolman e Deal (1992) e
Leithwood (1994) argumentam que o desempenho dos líderes afeta o meio ambiente ea
cultura da organização escolar, perdendo o sentido de que os membros da escola dar a sua
trabalhar e dificultado a melhoria mudança e escola. Assim, o objetivo deste artigo é
identificar as características dos estilos de liderança dos gestores dos estabelecimentos de
Tecnologia de Educação Escolar no Estado de Tlaxcala (CETIS e CBTIS).
A revisão da literatura
Gestão Escolar. O exercício da gestão escolar é um dos pilares fundamentais da eficiência
organizacional de qualquer instituição de ensino. A gestão da escola e sua relação com a
liderança, são importantes para o desenvolvimento das instituições no que diz respeito à
aprendizagem, os professores, o currículo e seu conteúdo, permitindo que a qualidade do
ensino das investigações (Alfaro é alcançado, 2010). Vários autores têm redefinido o
conceito de gestão escolar, concordando que o termo refere-se ao governo da escola, a
participação dos diversos setores envolvidos no processo educacional na tomada de decisão
e ação para beneficiar os estudantes como atores principais o processo educacional
(Cantero e Celman, 1999; Casassus, 1997; Frigerio, 2004; Sandoval, 2002).
A gestão escolar e liderança eficaz pode melhorar a instituição de ensino a partir da
transformação de recursos humanos (Pozner, 1998), levando a gestão da escola não é
apenas uma abordagem transformativa, mas incluindo todos os elementos envolvidos no
processo permitindo que a educação de qualidade educacional existente nas escolas (SEP,
2009). Gestão escolar como um processo que vai além de mudanças administrativas
simples deve começar com uma dimensão integral, a fim de contribuir para a melhoria da
pessoa humana, precisamente porque as qualidades de educação hoje e extensos necessários
para áreas sociais (Cuenca, 2010).
Aqueles que fazem a gestão escolar deve ter habilidades de comunicação, motivação e
estimulação para formar equipes colaborativas, exercer um estilo de liderança que integra
todos os projetos e achar que a escola é eficaz (Carrillo, 2010). Para os autores deste artigo,
a gestão escolar feita a partir de liderança é um processo dinâmico que deve mapear os
aspectos pedagógicos da instituição educacional com administrativo de uma abordagem
espaços humanos, mas também deve haver uma maneira de integrar conhecimentos,
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
estratégias, esforços e recursos para assegurar uma instituição eficaz e voltada para o
futuro.
Portanto, as competências de gestão necessárias na administração são em relação às tarefas
de gestão escolar; de acordo com Garay e Uribe (2006) estas tarefas são: planejamento,
fortalecimento da liderança de gestão, gestão de processos, gestão de competências,
orientação professores para alunos, pais e sociedade, bem como Gestão de saída.
As contribuições feitas pelo coronel Carrasco e Moreno (2012) identificar os estilos de
gestão de diretores com base em quatro temas que se referem a valores positivos e
negativos da gestão escolar: 1) assumir a liderança, 2) ouvir e conhecer outros 3)
conhecimento, motivado para ter outro e, 4) a abordagem de diretor-gerente. Conseguir
uma gestão escolar eficaz é um dos desafios enfrentados pelos gestores de instituições de
ensino, gestão escolar entendida como uma ferramenta que sistematiza as acções que visem
atingir as metas e objetivos.
Da mesma forma, estudos de Garin e Castro (2010) resumiu quatro fatores-chave que
caracterizam a questão da gestão escolar e que afetam a qualidade da gestão das instituições
de ensino: 1) a gestão está envolvida em todos os processos gestão que ocorrem na escola,
2) gestão de escolas de hoje devem ser estabelecidas de forma participativa, 3) autonomia
institucional deve tornar-se a garantia para o desempenho eficaz de gestão e 4) gestão
escolar Ele representa uma profissão pouco atraente. Uma das contribuições interessantes
feitas em gestão escolar é Arroyo (2009), que afirma que a essência da gestão da política de
educação é a concorrência directa que é o processo de tomada de decisões relacionadas com
a identificação, design , gestão e desenvolvimento do que deve ser ensinado e aprendido
pelo ser social e da sociedade.
Liderança. Alguns dos primeiros estilos de liderança que foram estabelecidas foram
propostos por Lewin, Lippitt e White (1939), que propôs a teoria de que identificou três
estilos de liderança básicos: autocráticos, envolvendo um indivíduo com pouca confiança
no grupo, Ele acredita que o dinheiro é a única recompensa que motiva os funcionários e dá
ordens sem permitir que dúvidas; Democrata, compartilhado com o grupo de tomada de
decisão comunica objetivamente e elogia subordinados; e laissez-faire, que tem pouca
confiança em sua habilidade como um líder, não defina objectivos para o grupo e minimiza
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
a comunicação ea interação dos mesmos. Hallinger e Huber (2012) comentam que as
principais pesquisas sobre liderança escolar foram feitas em países desenvolvidos e
brancos, e só recentemente começaram a surgir em estudos sobre anglo realidades nãonacionais de liderança.
Como resultado destas investigações que geraram diferentes conceitos de liderança escolar,
por exemplo, Marin (1998) afirma que a liderança é o desenvolvimento de um conjunto
completo de expectativas, capacidades e competências para identificar, localizar, usar,
promover e incentivar o máximo os pontos fortes e energia de todos os recursos humanos
na organização escolar. Enquanto isso, Alfaro (2010) argumenta que a liderança da escola é
a arte de pessoas influência, dirigir e guiar para aprimorar seus talentos, motivados para
atingir os objectivos para o bem comum e da organização escolar.
Um dos mais renomados autores nos últimos tempos é Leithwood (2009), que argumenta
que a liderança é um fenômeno social que envolve um propósito e uma direção, que é
contextual e contingente, e é o trabalho de mobilização e influenciar os outros a alcançar
objetivos e intenções compartilhadas.
Referindo-se à liderança transacional, Bass (1985) descreve-o como o processo pelo qual o
líder reconhece que para o seguidor de seu trabalho e garantir que ele sempre procura por
seu desempenho garantido. Também considera que os líderes transacionais tendem a ter
uma atitude corretiva e orientado para resultados, que é especialmente útil em contextos
estáveis (Lupano e Castro, 2008). O relatório McKinsey conhecido descreve os sistemas
educacionais de maior sucesso no mundo, revelando o papel dos administradores a
concentrar o seu papel no exercício da liderança pedagógica (Barber e Mourshead, 2007).
Na última década, tanto os relatórios de organizações internacionais, tais como a produção
acadêmica em diferentes universidades e institutos de pesquisa sobre liderança, o stress que
isso envolve líderes e levou em uma cultura comum, onde todos são responsáveis por
contribuir para o resultado coletivo ( Leithwood e Louis, 2011). Significativamente é
Bolivar observação (2013), que observa que a liderança da escola pode ser a solução para
muitos dos problemas que surgem nas instituições de ensino. Outro estilo é a liderança
transformadora (Bass, 1985), que envolve um processo no qual os líderes permanentes tão
emocionalmente evocar respostas positivas de seus seguidores, e buscar uma mudança
permanente na organização. Lazo Vergara (2011) argumentam que o líder educacional deve
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
ser um visionário, que sonha em melhorar seu ambiente educacional, um pragmático de
avaliar cuidadosamente as conseqüências de seus atos, estimular o hábito de inquirir e
investigar, sendo um estudante constante da escolaridade , ensino e aprendizagem, com um
espírito aventureiro, uma atitude humilde e humana.
Além disso, a liderança distribuída (Spillane, 2006) determina que o endereço é uma
instituição de ensino que tem de assumir um tipo de liderança, ganhando o papel de líder e
refletindo elementos ou características que apóiam um estilo particular. Existem outros
tipos, tais como liderança situacional (Fiedler, 1967), que estuda variáveis
comportamentais, orientação ou motivação para a pessoa e orientação ou motivação para o
trabalho; liderança eficaz (Robinson, 2007), que está focada em melhorar a compreensão da
leitura, resolução de problemas e participação da classe dos estudantes; e de ensino, neste
sentido, Pont, estado Nusche e Moorman (2008) que este tipo de liderança se tornou uma
prioridade em instituições de ensino, uma vez que desempenha um papel crucial na
melhoria da prática do processo educacional no sala de aula, as políticas da escola e sua
relação com o ambiente externo.
Metodología
Através do uso de uma abordagem metodológica qualitativa foi procurado para responder
ao objetivo proposto para o qual foram considerados como parte deste processo, 18 gestores
de instituições de tecnologia superior do ensino secundário (Cetis e CBTIS) ao Estado de
Tlaxcala, quatro diretores, quatro diretores adjuntos, chefes de departamento de seis e dois
ex-executivos. Entre esses entrevistados, oito tiveram um grau de bacharel, oito, um médico
de mestrado e um é doutorando (Tabela 1).
Foi determinada para efeitos da presente pesquisa utilizando entrevista em profundidade
como técnica de coleta de informações e para o efeito foi utilizado um roteiro de entrevista
que identificou as características dos estilos de liderança dos gestores entrevistados. As
entrevistas foram realizadas em quatro locais de uma forma personalizada, garantindo a
confidencialidade respondente das informações e resultados. Todos os entrevistados
mostraram disposição para responder as perguntas do entrevistador.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Tabela 1. Características dos respondentes
Pseudónimo
Cargo
Antigüedad en el
cargo (años)
Antigüedad
en educación
(años)
Edad
Género
Estado civil
Lugar de
residencia
Último grado de
estudios
Jefe de
departamento
2.5
20
43
Mujer
Casada
Ciudad de
Tlaxcala
Maestría en
Análisis
Regional
2.Esteban
Hernández
Subdirector
académico
2
17
38
Hombre
Casado
Apizaco,
Tlaxcala
Candidato a
Doctor
3.Carolina
Duarte
Director
2.5
28
48
Mujer
Casada
Huamantla,
Tlaxcala.
Maestría
4.Armando
Tilayatzin
5.Tomás
Sánchez
Jefe de
departamento
Subdirector
académico
2
3
38
Hombre
Soltero
2 Meses
10
33
Hombre
Casado
Huamantla,
Tlaxcala
Ciudad de
Tlaxcala
Ingeniería
Industrial.
Ingeniería
Mecánica
1.Luisa
López
6.Antonio
Siles
Director
2.5
28
59
Hombre
Casado
Huamantla,
Tlaxcala
Ingeniero
Industrial
7.Marco
Antonio
Sánchez
Director
5
12
38
Hombre
Casado
Apetatitlán,
Tlaxcala
Maestría
8.Gerardo
López
Jefe de
departamento
4
15
39
Hombre
Casado
Maestría
9.Armando
Trápala
Subdirector
académico
3
14
40
hombre
Casado
Amaxac de
Guerrero,
Tlaxcala.
San Jorge
Tezoquipan,
Tlaxcala
10.Antonia
García
Jefe de
departamento
5
18
50
Mujer
Casada
Ixtacuixtla,
Tlaxcala
Licenciatura
Subdirector
académico
1.5
10
46
Hombre
Casado
Ciudad de
Tlaxcala,
Doctorado
12. Maribel
Gutiérrez
Jefe de
departamento
5
30
54
Mujer
Soltera
Ciudad de
Tlaxcala
Licenciatura
13.Juanita
Luna
Jefe de
departamento
1
14
42
Mujer
Soltera
Maestría
14.
José
Dávila
Ex director
4
25
52
Hombre
Casado
San Juan
Totolac,
Tlaxcala
Tlaxcala
15. Juan A.
López
16.Antonio
Arochi
Jefe de
departamento
Ex director
2
5
35
hombre
Casado
1
33
57
Hombre
Casado
17. Cristina
Rocha
Jefa de
departamento
1
7
32
Mujer
18. Calixto
Gutiérrez
Ex directivo
estatal
8
28
45
Hombre
11.Jaime
Martínez
Licenciatura
Licenciatura
en Derecho
Ciudad de
Puebla.
Ciudad de
Tlaxcala
Licenciatura
Soltera
Huamantla,
Tlaxcala
Licenciatura
Casado
San Juan
Totolac
Tlaxcala
Licenciatura
Maestría
Fuente: elaboración propia con información de los entrevistados.
Resultados
A análise identificou 13 categorias relacionadas com as características de liderança de
diretores, que são: legitimidade, motivação, foco na tarefa pessoas, trabalho em equipe,
tomada de decisão, autonomia, conhecimento e habilidades dos funcionários para resolver
problemas,
a
competitividade
reconhecimento
para
estabelecer
estratégias
aprendizagem, valores, promoção da cultura, ética e organização de gestão humanista.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
de
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
1. Legitimidade do acesso ao gerenciamento
As formas de acesso cargos de gestão em instituições de Ensino Superior Media
Technology (CETIS e CBTIS) no estado de Tlaxcala, contribuir para a legitimidade da
execução da gestão. Nesta categoria, os resultados obtidos e os entrevistados foram
mencionadas duas maneiras de fazer isso. O primeiro descreve os entrevistados é em
relação aos diretores realizou um exame competitivo ea segunda maneira implica que para
cobrir outros cargos de gestão (por exemplo, chefes de departamento e sub) pode ser
alcançado, a convite do diretor (um ). No entanto, atualmente exame e oposição a estas
posições é feita. Assim, alguns entrevistados comentaram executivos:
"É através de um concurso, citação emitida pela Secretaria e acatar as suas
orientações" (Carolina Duarte, diretor).
"Primeiro, é um convite para trabalhar lá no posto e, em seguida, se alguém aceita a
nomeação e dar" (Antonia Garcia, chefe do departamento).
1. Motivação dos gestores
Os resultados obtidos em relação a esta categoria mostrou que no local de trabalho, em seus
gerentes gerais comentou que é importante para a auto-motivar, mas também deve ser
maior motivação para seus seguidores. Alguns comentários:
"A motivação depende de si mesmo, no sentido em que se coloca um otimismo, boa
cara em coisas, pode-se transmitir o mesmo ao companheiro" (Tomas Sanchez, viceacadêmico).
"É importante para a motivação dos nossos superiores para revelar, assim, que o
trabalho é um bom desempenho; também pessoalmente também procurando fazer as
coisas direito, porque dessa forma, também se percebe que ele está respondendo ao
trabalho feito "(Maribel Gutiérrez, chefe do departamento).
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
2. Concentre-se na pessoa tarefa
Os resultados obtidos em relação a se concentrar na tarefa indicaram que os gestores
passam a maior parte do tempo a tarefas, em segundo lugar as pessoas e, finalmente, para
os acadêmicos. A este respeito, alguns respondentes comentou:
"Tenho que me concentrar nas tarefas, mas você precisa para ouvir as pessoas que
têm problemas pessoais, porque se você fechar gerar conflitos e parceiro dá a idéia de
que o que vem a funcionar se você tem o apoio de seu chefe" (Juan A. Lopez, chefe
do departamento).
"A equipe em que eu sou apenas têm muitas necessidades e às vezes também deve
dedicar ao que é parte de recursos humanos" (Luisa Lopez, chefe do departamento).
3. Trabalho em equipe
Os resultados mostram que alguns inquiridos consideram mais fácil trabalhar em equipe;
mas a experiência de outros executivos também revelam que a antiguidade dos associados e
atitude assumida pode complicar a geração de mudanças e melhorias na instituição. Alguns
entrevistados comentou:
"Não, eu digo que não é o trabalho em equipe difícil, desde o momento em que eles
compartilham o que são os objectivos, plano de trabalho, o projeto da instituição e se
as pessoas estão conscientes, sabe que vai trabalhar para boa escola "(Antonio Siles,
diretor).
"Na verdade, não é difícil de trabalhar como uma equipe, porque se fizermos um
trabalho colegial, nós fazemos uma boa equipa." (Esteban Hernandez, viceacadêmico).
"Por exemplo, para esta situação para obter os resultados que os pais querem ver
refletido no final, ele não depende apenas de professores, professores; depende da
instituição, a equipe que faz parte da gestão e os funcionários são Endereço tudo de
nada ". (Antonia Garcia, chefe do departamento).
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
5. Tomada de Decisão
Os gerentes dizem que as decisões relevantes são tomadas colegialmente, ou seja,
coletivamente. Ele considera que as decisões consensuais contribuir para estabelecer uma
cultura de colaboração dentro da instituição, de modo que os sucessos e as consequências
das decisões são realizadas em um grupo.
"A decisão está tomada abordar conjuntamente a certos indicadores e parâmetros
definidos por áreas centrais, porque o trabalho coletivo leva a melhores decisões"
(José Dávila, ex-diretor).
"Como eu havia mencionado, eu acho que (a decisão) é feita coletivamente."
(Esteban Hernandez, vice-acadêmico).
6. Autonomía
Os resultados mostraram que não é a autonomia, a criatividade ea liberdade para
desenvolver actividade profissional como gerente e líder de uma instituição de Ensino
Superior Media Technology (CETIS e CBTIS) no estado de Tlaxcala, no entanto, eles
devem aderir ao padrão e aos requisitos das autoridades centrais. Sobre alguns gestores
citados:
“Quando eu identificar a sua criatividade (de funcionários) e que a liberdade que eles
têm, começou a desenvolver a sua creativity'm delegaram responsabilidades a elas, o
que tornará possível dentro de sua liberdade para desenvolver a sua criatividade, com
um alto nível de autonomia "(Gerardo Lopez, chefe do departamento).
"Ele deve ter em conta a criatividade da equipe, como eu tenho observado que as suas
actividades sejam realizadas com maior liberdade e gosto." (Barulho Armando, viceacadêmico).
7. Conhecimento e habilidades dos funcionários para resolver problemas
A maioria dos gestores afirma que seus funcionários têm os conhecimentos, competências e
experiência no desenvolvimento de suas atividades, o que lhes permite tomar decisões e
resolver o problema imediatamente para ocorrer em sua área. Cerca de dois respondentes
comentou:
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
"Sim, é preciso ter confiança no pessoal que trabalha com os outros, para que eles
possam tomar decisões e resolver os problemas de suas áreas de trabalho sem ser
dada a presença do superior" (José Dávila, ex-diretor).
"Todos os colaboradores têm o conhecimento, as competências e habilidades para
resolver um problema" (Armando Tilayatzin, departamento).
8. Reconhecimento
Achamos que os gerentes em diferentes níveis da estrutura organizacional estabelecida
várias estratégias para reconhecer o trabalho de seus colaboradores no desenvolvimento de
suas responsabilidades. Então disse um entrevistado:
"Porque está avaliando neste caso mais de conformidade, desempenho, tempo e
forma de colaboradores. É uma maneira de reconhecer a sua motivação desempenho
através do reconhecimento de uma menção em qualquer caso definitivamente
reconhecê-lo ou pessoalmente pelo card "(Luisa Lopez, chefe do departamento).
9. Competitividade para estabelecer estratégias de aprendizagem
Produtos relacionados com esta categoria, os resultados estabelecem que os gestores vão
implementar mecanismos para os seus funcionários, principalmente professores, para ser
competitivo e estabelecer estratégias de aprendizagem para que os alunos envolvidos na
obtenção de conhecimento. Neste sentido, os entrevistados comentou:
"Definir estratégias de competitividade aplicados a situação acadêmica. Estamos em
um quadro competitivo em que temos de fazer propostas inovadoras, fazendo uso da
tecnologia da informação é uma prioridade "actividades (Gerardo Lopez, chefe do
departamento).
"Nós sentimos que temos o equipamento e estratégias, capacidade e competitividade
de professores para atender às necessidades dos alunos” (Armando Tilayatzin).
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
10. Valores
Os valores colocados em prática gestores são vistos como chave na implementação de
estilos de liderança em uma instituição. Sobre alguns dos entrevistados comentou:
"Respeito e responsabilidade são dois valores que eu sempre tento ser encontradas na
minha atividade de trabalho. Sabendo que temos diversidade de opinião e de ação, a
primeira coisa é respeitar as pessoas "(Carolina Duarte, diretor).
"A primeira e principal valores deve ser pessoal e profissional, então. Alguns dos
mais importantes são o respeito, a pontualidade, honestidade, legalidade e, sobretudo,
o trabalho em equipe "(Maria Luisa Lopez, chefe do departamento).
"Da minha perspectiva, os valores que eu tento refletir meus colegas são o respeito, a
ordem ea disciplina, eficiência, eficácia, economia de recursos" (Jaime Martinez,
vice-acadêmico).
"A honestidade e humildade, porque ser honesto com meus objetivos são alcançados
de trabalho, ea seguinte é ser humilde, porque nós não chegar a uma posição de
liderança saber tudo" (Calixto Gutierrez, um ex-oficial do estado).
11. Promoção da cultura
Os resultados obtidos relacionado a esta categoria mostrou que a maioria dos entrevistados
acreditam que as bases de um desenvolvimento integral de uma instituição de ensino, estão
a promoção da cultura, ligadas às artes plásticas. Alguns comentários foram:
"Cultura é necessário, a arte é necessário para o desenvolvimento de uma instituição.
São coisas inevitáveis para compreender como uma população, temos de
compreender sua cultura "(Jaime Martinez, vice-acadêmico).
"Se o nosso líder não tem essa visão de ciência, cultura, recreação e atividades
acadêmicas da ética, acho que não está bem localizado em que a educação é e como
ele deve ir" (Calixto Gutierrez, um ex-estado).
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
12. Ética Organizacional para o Desenvolvimento Integral
No que diz respeito a esta categoria, os executivos entrevistados comentou que ambos os
gerentes e funcionários devem exercer ética individual e profissional.
"Nós, como professores e como representantes de uma instituição, temos de praticar
uma verdadeira ética, temos de ter um interesse nas questões ambientais e sociais, entre
outras coisas" (Antonio Arochi, ex-diretor).
"Eu sempre acreditei que ambos os valores e ética, particularmente ética profissional
deve ser parte da cultura de trabalho, em todos os seus aspectos éticos; por assim dizer,
temos de ser muito imbuídos "(Jaime Martinez, vice-acadêmico).
13. Gestão humanista
Os entrevistados reconhecem o valor de um gerenciamento mais humanista, que envolve a
detecção de necessidades de funcionários, empatia, crescimento e desenvolvimento
humano. A esse respeito, comentou:
"O humanismo é um aspecto importante a ser considerado pelos líderes e da situação
humana nos permite conhecer e quais são as necessidades de nossos funcionários"
(Carolina Duarte, diretor).
"O humanismo é crucial porque não há desenvolvimento humano, se ficar preso, nós
éramos, nós tornar-se obsoleto, todos nós precisamos de desenvolver nós mesmos"
(Antonia Garcia, chefe do departamento).
Conclusão
Os gestores das instituições de Ensino Superior Media Technology (CETIS e CBTIS) o
estado de Tlaxcala oferece destacam-se como relevantes para a legitimidade da liderança,
motivação, foco na tarefa pessoas, trabalho em equipe, tomada de decisão, autonomia,
conhecimento e habilidades dos funcionários para resolver problemas, reconhecimento,
competição para estabelecer estratégias de aprendizagem, os valores, a promoção da
cultura, ética e organização de gestão humanista. Outra pesquisa coincidem com a
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
relevância de algumas dessas características no perfil do líder, enfatizando conhecimentos e
competências,
abordagem
ao trabalho
para
as
pessoas,
o
reconhecimento,
a
competitividade, valores, promoção da cultura, ética e organização de gestão e gestão
humanística (Boyatzi e McKee, 2002, 2009; UNESCO, 2012; Schlechty, 1997; Chavez,
2013; Porter, 1998; Beard, 1997; Lopez, 2012; Lussier e Achua, 2010; Wilber, 2000, 2007;
Muñoz, 2008; 2007; Kupers Marfan, 2011 e Lorenzo, 2012).
As características de liderança gerencial contribuir para a eficiência da gestão em
instituições de ensino, no entanto, é necessário que o líder de prática para que você possa
ser reconhecido por aqueles que todos os dias são parte da instituição que administrava. O
papel da direcção das escolas no desenvolvimento da gestão das instituições de ensino eo
estabelecimento de estratégias de aprendizagem contribuem para a geração de uma alta
eficiência educacional.
Porque muitas instituições de trabalho superior ensino secundário a partir de uma estrutura
organizacional vertical em que os gestores gerar direções e seus seguidores somente da
corrida, você precisa realmente fazer uma verdadeira liberdade e autonomia dos atores
envolvidos no ato educação, para permitir decisões para dar solução aos problemas que
surgem na instituição.
As características dos estilos de liderança dos gestores das instituições de ensino superior
secundário tecnológico (CETIS e CBTIS) são o produto de condições históricas que foram
gerados ao longo do tempo e que influenciam a eficiência da sua gestão da escola, de modo
é importante para definir o estilo de liderança e de gestão que desenvolver a gestão acima
mencionado. Eles também devem entender que a liderança educacional é um elemento
importante a realização de uma gestão eficaz da escola, por isso é conveniente notar que
essa interação tem de garantir que os membros da escola colaborar de forma consciente e
motivada para alcançar os objectivos e objetivos.
Em instituições de ensino superior tecnológico secundário (CETIS e CBTIS) o estado de
Tlaxcala, a maioria das funções desempenhadas pelos gestores são de natureza
administrativa, o que os impede de exercer liderança e gestão adequada da escola que
gerem.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Finalmente, nos tempos modernos em que visa reformar a educação e mudar as instituições
de ensino, dois elementos-chave são a liderança educacional e gestão escolar; É
conveniente notar que a conexão entre os dois elementos influenciar uma mudança
significativa na cultura organizacional e instituições educacionais acadêmicos.
Bibliografía
Alfaro, L. (2010). El componente liderazgo en la validación de un modelo de gestión
escolar hacia la calidad. Educação e Pesquisa, 36 (3), 79-106.
Arroyo, J. (2009). Gestión directiva del currículum. Revista Electrónica, Actualidades
Investigativas en educación, 9, 1-17.
Bass, B. M. (1981). Stogdill´s, hardbook of leadership: A Survey of theory and research,
Nueva York: Free Press.
Bass, B. M. (1987). Policy Implications of a new paradigm of leadership en military
leadership: Translations and future trends. Conferencia desarrollada en United
States Naval Academy. E.U.
Bass, B. M. & Avolio, B. (1990). Manual for the Multifactor Leadership Questionnaire.
Consulting Psychologists Press. Palo Alto, CA.
Bennis, W y Nanus, B. (1985). Leaders: The estrategies by taking charge. E.U: Harper &
Row. Publishers, N. Y.
Berne, E. (1975). Análisis Transaccional en Psicoterapia. Buenos Aires: Siglo XX.
Bolívar, A. (2010). ¿Cómo un liderazgo pedagógico y distribuido mejora los logros
académicos? Internacional de investigación educativa, 3, julio-diciembre.
Bolívar, A. (2010), Liderazgo para el aprendizaje. Organización y gestión educativa, 18
(enero-febrero), 15-20.
Bolívar, Antonio (2010). El liderazgo educativo y su papel en la mejora: una revisión actual
de sus posibilidades y limitaciones. Psicoperspectivas: individuo y sociedad,
9(2), 9-33.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Bolman, C. y Deal, T. (1995) Organización y liderazgo (Delaware, Addison- Wesley.
Wilmington).
Boyatzis,
R.
&
McKee,
A.
(2005). Resonant
Leadership:
Renewing Yourself
and Connecting With Others Through Mindfulness, Hope, and Compassion.
Harvard Business School Press. Boston.
Boyatzis, R. & McKee, A. (2005). Neuroscience and Leadership: the promise of insight.
Harvard Business School Press. Boston.
Bush, T. y Glover, D. (2003). School leadership: Concepts and evidence. NCSL. USA.
Cantero, G. y Celman, S. (1999). Un análisis alternativo. En SEP (ed.) Antología de gestión
escolar, SEP. México.
Campbell, R., Bridges, E., Corablly, J., Nystrand R. & Ramseyer, J. (1971). Introduction to
educational administration, 4a ed. Boston: Allyn and Bacon.
Casassus, J. (1997). Marcos conceptuales para el análisis de los cambios en la gestión los
sistemas educativos. En Antología de Gestión Escolar. 13-30 México.
Carriego, C. (2002). Gestionar una escuela comprometida con las demandas de su tiempo.
Iberoamericana de educación. Argentina.
Carrillo, V. (2010). La gestión escolar en las instituciones educativas. Sythesis, 46, 1-12.
Cortez, (2004). Estilos de liderazgo y motivación laboral. En el ambiente educativo Revista
de Ciencias Sociales (Cr). Vol. IV, núm. 106, 203-214. Costa Rica.
Drucker, P. (1992): Managing for the future, Ed. Truman Talley Books Dutton, New York.
Drucker, P. (1988): The coming of the new organization, Ed. Harvard bussiness Review,
enero-febrero, 45-33.
Freire, P. (2001). Pedagogía de la indignación. Madrid, España: Morata.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Fullan, M. (1996). Leadership for change. En K. Leihwood, J. Chapman, D. Corson, P.
Hallinger y A. Hart (Eds.), “International Handbook of Educational Leadership
and Administration” (701-722). Dordrecht: Kluwer Academic Publisher.
Gairín S. y Castro C. (2010) Situación actual de la dirección y gestión de los centros de
enseñanza obligatoria en España. Revista española de pedagogía. Año LXVIII, nº
247, septiembre-diciembre, 401-41
Kanungo, R. N. (2001). Ethical values of transactional and transformational leadership.
Canadian Journal of Administrative Sciences, 18, 4, 257.
Kertész, R., Atalaya, C. I. & Kertész V. R. (1978). Liderazgo transaccional. Como hacer
que lo haga la gente. Argentina: IPPEM.
Kepner, C. (1983). El nuevo directivo racional: análisis de problemas y toma decisiones.
México: Mc Graw-Hill.
Kotter, J., (1991). El directivo como líder y como ejecutivo: la simbiosis del éxito en:
Harvard Business Review.
Kouzes, J. M., & Posner, B. Z. (2007). The leadership challenge (4th ed.). San Francisco,
CA: Jossey-Bass.
Küpers, W. (2007). Perspectives on Integrating Leadership and Followership. International
Journal of Leadership Studies, 2, 194-221.
Küpers, W. & Statler, M. (2008). Practically wise leadership: toward an integral
understading. Culture and Organization. USA.
Kvale, S. (1996). Interviews: An introduction to qualitave research interviewing. Thousand
Oaks, CA, Sage.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Kvale, S. (2006). Interviewing between method and craft. Denmark: Department of
Psychology, University of Aarhus.
Leithwood, K. & Jatzi, D. (2006). Transformational school leadership for large. Scale
reform: Effects on students, teachers, and their classroom practices. School
effectiveness and school improvement, 17(2), 201-227.
Leithwood, K. Steinbach, R. Jantzi, D. (2002). School leadership and teachers motivation
to implement accountability. Educational Administration Quarterly, 38, 94-119.
Leithwood, K., et al., (1996). Transformational school leadership. In: K. LEITHWOOD, et
al. (eds.), International Handbok of educational leadership and administration.
Dordrecht, Kluwer. 785-840.
Leithwood, K. A., et al., (1999). Changing Leadership for Changing times. BuckinghamPhiladelphia, Open University Press, E.U.
Leithwood, K. (2004). El liderazgo con éxito. El liderazgo educacional transformador en un
mundo de políticas transaccionales. ICE Deusto, Actas del IV Congreso
Internacional sobre Dirección de Centros Educativos, 233-245.
Longo, M. F. (2008). Liderazgo distribuido, un elemento crítico para promover la
innovación. Capital humano, 226, p 84.
López, C. M. (2009). Educación Humanista Tomo 1, 2,3. Ed. Gernika. México.
López, Y. J. (2010) Liderazgo para sostener procesos de innovación en la escuela,
Curriculum y formación del profesorado, 14, 1 España.
López, C. M. y Gaeta, M.L. (2015). Ética y autorregulación en la formación de
profesionales de la educación. IBERO-UPAEP. México.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
López, Y. J. & Lavié, M. J. M. (2010). Liderazgo para sostener procesos de innovación en
la escuela. Profesorado. Curriculum y formación del profesorado. 72-92.
Lussier, R. y Anchua, C. (2010). Liderazgo. Teoría, aplicación y desarrollo de habilidades.
Cengage Learning. México.
Marín, C. (1998, Mayo). Toma de decisiones y liderazgo. Revista Acta Académica, 22, s. p.
Martínez, A. (2006). La investigación cualitativa (síntesis conceptual). Revista IIPSI.
Facultad de Psicología. (UNMSM) V. 9 No. 1. 123-146.
Maslow, A.(1972). El hombre autorrealizado, Kairós, Barcelona,
Meo, A. y Navarro, A. (1009) enseñando a hacer entrevistas, la profesión y el arte. Empíria.
Revista de metodología en ciencias sociales. No. 17 pp. 123-140
Mineduc (Ministerio de Educación) (2008 a). Situación del liderazgo educativo en
Chile, Santiago.
Mintzberg, H. (1991). Mintzberg y la dirección. Ed. Díaz Santos. Madrid, España.
Mogollón, A. (2006). Calidad y enfoques de la supervisión. Revista Ciencias de la
Educación, 1 (23), 29-46.
Murillo, J. F. (2011). Una dirección escolar para el cambio: Del liderazgo transformacional
al liderazgo distribuido. Pensamiento Imaginativo. España.
Muñoz, S. M. K. (2008) Liderazgo integral, OEvernorte.
Pont, Nusche y Moorman (2008). Mejorar el liderazgo escolar. Herramientas de trabajo.
Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económico.OCDE.
Pozner, P. (1997). El directivo como gestor de aprendizajes escolares. Buenos Aires,
AIQUE. Argentina.
Posner,
Ch.
(2004).
"Enseñanza
efectiva", Revista
Mexicana
de
Educativa (México), vol. IX, núm. 21, 277-318.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Investigación
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Ramírez, L. (2o12). Calidad escolar: Un nuevo ethos escolar. Educación. 36, 51-60.
Reyes, J.L. & Lara, R. G. (2011). El liderazgo integral en las organizaciones. Avances en
Psicología Latinoamericana, 29, 1, Colombia.
Riveros-Barrera, A. (2012). La distribución del liderazgo como estrategia de mejoramiento
institucional. Educación y Educadores. Vol. 15, No. 2, 289-301
Robinson, V., Lloyd, C. y Rowe, K. (2014). El impacto del liderazgo en los resultados de
los estudiantes. Un análisis de los efectos diferenciales de los estudiantes. Un
análisis de los efectos diferenciales de los tipos de liderazgo. Revista
Iberoamericana sobre calidad, eficiencia y cambio en educación, 12, 1-16.
Rodríguez, L. & Moreno, Z.(2013) Perspectivas de liderazgo consideradas por Bolman y
Deal: un análisis en los gerentes venezolanos. Telos. Revista de Estudios
Interdisciplinarios en Ciencias Sociales, Vol. 15, No. 1 (2013) 49 –63.
Rodríguez, D. y Opazo, P. (2007). Comunicaciones en la Organización. Ediciones
Universidad Católica de Chile, Santiago.
Ruiz e Ispizúa, La descodificación de la vida cotidiana, Bilbao, Universidad Deusto, 1989.
Taylor, S.J. y Bogdan, R. (2000). Introducción a los métodos cualitativos de investigación.
Ed. Paidós.
UNESCO. (2012). Directrices de la UNESCO para el reconocimiento, validez y
acreditación de los resultados del aprendizaje no formal. UNESCO. Alemania.
Schmelkes, S. & Manteca, E. (2001). Calidad de la educación y gestión escolar. En Gestión
Escolar. Programa y materiales de apoyo para el estudio. SEP. México. 25-38
Sergiovanni, T. J. (1992). Moral leadership. Getting the heart of school improvement San
Francisco: Jossey-Bass.
Sergiovanni, T. J. (2001). Leadership. What’s in it for schools? Londres, Routledge Falmer.
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE
Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo
ISSN 2007 - 7467
Semprum y Fue mayor. (2007). Un genuino estilo de liderazgo educativo. ¿Una realidad o
una ficción institucional. Laurus, 13, 23, 350-380.
Schwartz, H. and Jerry J. (1979) Qualitative Sociology: A Method to the Madness. The
Free Press. New York.
Wilber, K. (1997). Breve historia de todas las cosas. Barcelona: Kairós. Wilber, K. (2000)
A theory of everything. Boston.
Wilber, K. (2010). A Summary of My Psychological Model - Or Outline of an Integral
Psychology.
Wrigth, S. (2010, agosto). Perceptions are perspectives. Multi-rater assessment in integral
leadership development. Conferencia presentada en Integral Theory Conference,
Pleasant Hill, California.
ABDL (2004). Associacao Brazileira para o Desenvolvimiento de Lideranças: De lo
posible e los nuevos posibles. Disponible en: http://www.lead.org.br/
UNESCO-IIPE- IWGE (2012). From schooling to learning. Paris: UNESCO/ International
Institute
for
Educational
Planning.
http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002192/219289e.pdf
Vol. 6, Núm. 11
Julio - Diciembre 2015
RIDE

Documentos relacionados

El método del aprendizaje basado en problemas como una

El método del aprendizaje basado en problemas como una como parte das metodologias que os professores têm de atingir e envolver os alunos em ciência e investigação da engenharia de materiais; o principal objetivo é que os alunos apresentam suas descobe...

Leia mais

Impacto de las estancias profesionales en la formación del

Impacto de las estancias profesionales en la formación del engenheiros ainda requer uma base científica forte e amplo conhecimento dos processos, produtos e tecnologias (Aguilar, 2013).

Leia mais

Metodología para la transversalidad del eje medio ambiente

Metodología para la transversalidad del eje medio ambiente factible de adaptarse a otros ejes transversales, como derechos humanos, multiculturalidad y pobreza, pertinentes para el contexto educativo del estado de Guerrero.

Leia mais

Imprimir artigo

Imprimir artigo Como sabemos, a década de 50 do século XX, é marcada, em termos das teorias organizacionais e administrativas, pelas teorias das relações humanas e seus desenvolvimentos posteriores no âmbito do e...

Leia mais