parâmetro descrição imagem síntese funcional

Сomentários

Transcrição

parâmetro descrição imagem síntese funcional
PARÂMETRO
DESCRIÇÃO
IMAGEM
SÍNTESE
FUNCIONAL
ENTORNO
A RESIDÊNCIA LOCALIZA-SE NA ESQUINA DA AVENIDA 8 COM A
AVENIDA GENESEE, AMBAS DE SENTIDO DUPLO. A QUADRA ONDE
SE ENCONTRA O TERRENO É FORMADA QUASE QUE
COMPLETAMENTE POR RESIDÊNCIAS DE ALTO PADRÃO, E É
MARGEADA PELA RUA OGDEN DR. E W. OLYMPIC BLV. O LOTE,
DIFERENTEMENTE DOS VIZINHOS POSSUI FORMA TRAPEZOIDAL
POR ESTAR LOCALIZADO NA ESQUINA.
IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS
ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO
OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS
EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE,
DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA
ITO
AO
NID
AVENIDA GENESEE
AVE
IMPLANTAÇÃO
IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA
PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S)
ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O
AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA
O LOTE
A EDIFICAÇÃO SE IMPLANTA EM MEIO A VASTOS ESPAÇOS LIVRES,
INTERNAMENTE COM OS PÁTIOS E RECUOS E EXTERNAMENTE
ATRAVÉS DE UMA RELAÇÃO COM OS ESPAÇOS PÚBLICOS, SENDO A
VEGETAÇÃO A DELIMITADORA DOS ESPAÇOS.
O ACESSO SE DÁ UNICAMENTE PELA AVENIDA 8 (FACHADA NORTE),
QUE TEM SENTIDO DUPLO E SE INTERLIGA A AV. GENESEE.
A FACHADA NORTE POSSUI O RECUO INTEGRADO AO PASSEIO
PÚBLICO, QUE COM OS ARBUSTOS DELIMITAM O LOTE E A LEITURA
DA FACHADA QUANDO VISTA DA RUA.
ESPAÇO SEMI-PÚBLICO
ESPAÇO PRIVADO
AVENIDA OITO
EDIFICAÇÃO
RU
AD
AV
EN
RO
GD
EN
IDA
GE
NE
SE
E
VEGETAÇÃO (ARBUSTOS)
PLANTA DE IMPLANTAÇÃO
ESCALA
TOPOGRAFIA
1/1000
10
30
40m
IDENTIFICAR EM MEDIDA A TOPOGRAFIA DO
LOTE INTERFERE NA CONFIGURAÇÃO DO
PROJETO TANTO NA GEOMETRIA QUANTO NA
VOLUMETRIA
O TERRENO É PREDOMINANTEMENTE PLANO E BASICAMENTE NÃO
INTERFERE NAS SOLUÇÕES ARQUITETÔNICAS DA EDIFICAÇÃO.
PERCEBEMOS APENAS DOIS NÍVEIS PRINCIPAIS, NO ENTANTO, O
PLANO GERAL DA CASA ACONTECE NUM MESMO NÍVEL - ELEVADO
DA RUA. PARA A INTEGRAÇÃO EXISTE UMA SUAVE ESCADA NO
ACESSO PRINCIPAL E UMA RAMPA PARA AO ACESSO À GARAGEM.
lppm - da - ufpb
casa buck
rudolf schindler
califórnia - eua
1934
alunos anna raquel serrano
artur rodrigues
flávio tavares
jéssica lucena
thiago melo
CORTE LONGITUDINAL
ESCALA
1/300
3
9
12m
PARÂMETRO
DESCRIÇÃO
ORIENTAÇÃO
SOLAR/
INSOLAÇÃO
IDENTIFICAR A INTERFERÊNCIA DA
ORIENTAÇÃO SOLAR/INSOLAÇÃO NA
CONFIGURAÇÃO NO PROJETO, NA
DETERMINAÇÃO DA LOCALIZAÇÃO DOS
SETORES
IMAGEM
SÍNTESE
SETOR SOCIAL
OS DORMITÓRIOS LOCALIZAM-SE NAS PORÇÕES SUL E LESTE DO
TERRENO, COM O INTUITO DE RESGUARDÁ-LOS DA FORTE
INSOLAÇÃO. NAS FACHADAS MAIS ATINGIDAS PELA INSOLAÇÃO
ENCONTRA-SE O SETOR DE SERVIÇO E GARAGEM.
NO PÁTIO PRINCIPAL, PORÇÃO LESTE DO TERRENO, A
PROLONGAÇÃO DAS COBERTAS DIMINUI A INSOLAÇÃO NOS
SETORES SOCIAIS.
SOBE
SETOR ÍNTIMO
SOBE
SETOR SERVIÇO
SOBE
PÁTIO
SOBE
SOBE
PLANTA BAIXA - TÉRREO
ESCALA
CIRCULAÇÃO E
ACESSOS
5
1/500
IDENTIFICAR COMO AS RELAÇÕES DE ACESSO
E CIRCULAÇÃO OCORREM NO INTERIOR DO
LOTE, IDENTIFICAR O(S) ACESSO(S) EXTERIOR
- INTERIOR E A COMO SE ORGANIZA A
CIRCULAÇÃO NO INTERIOR DA EDIFICAÇÃO,
OS PRINCIPAIS FLUXOS ENTRE OS AMBIENTES
E/OU SETORES
15
20m
ACESSO SOCIAL PAVIMENTO
SUPERIOR
A RESIDÊNCIA POSSUI DOIS ACESSOS PRINCIPAIS , SENDO UM
PARA PEDESTRES E OUTRO PARA VEÍCULOS, ESTE ÚLTIMO COM
TRÊS ENTRADAS. UMA ENTRADA SECUNDÁRIA, ENTRE ESTES DOIS
ACESSOS CONECTA O EXTERIOR COM A COZINHA ATRAVÉS DO
NICHO DO JARDIM. NO INTERIOR A CIRCULAÇÃO SE DÁ DE MANEIRA
DIFUSA, SENDO OS "HALLS" RESPONSÁVEIS PELA DISTRIBUIÇÃO
DOS FLUXOS E ACESSOS.
ACESSO AUTOMÓVEIS
SOBE
SOBE
ACESSO SERVIÇO
SOBE
ACESSO SOCIAL
CIRCULAÇÃO
SOBE
ACESSO
ACESSO
ACESSO
SOBE
ACESSO
PLANTA BAIXA - TÉRREO
ESCALA
ZONEAMENTO/
SETORIZAÇÃO
5
1/500
IDENTIFICAR OS USOS DOS AMBIENTES E
AGRUPÁ-LOS SEGUNDO ZONAS/SETORES
AFINS E ANALISAR A ARTICULAÇÃO ENTRE OS
SETORES
15
20m
SETOR SOCIAL
O SETOR ÍNTIMO DA CASA É DISPOSTO NA PARTE SUL, ENQUANTO
A ÁREA SOCIAL É DISTRIBUIDA À NORDESTE, SE ABRINDO PARA O
PÁTIO PRINCIPAL. A ZONA DE SERVIÇO ESTÁ LOCALIZADA A
NOROESTE E OS JARDINS ESTÃO DISTRIBUIDOS EM TODA A
EXTREMIDADE DO LOTE, OCUPANDO OS ESPAÇOS LIVRES. A
INTERLIGAÇÃO ENTRE OS SETORES OCORRE POR MEIO DOS
HALLS.
SETOR ÍNTIMO
SOBE
SOBE
SETOR SERVIÇO
SOBE
PÁTIO
HALL
SOBE
SOBE
lppm - da - ufpb
casa buck
rudolf schindler
califórnia - eua
1934
alunos anna raquel serrano
artur rodrigues
flávio tavares
jéssica lucena
thiago melo
PLANTA BAIXA - TÉRREO
ESCALA
1/500
5
15
20m
PARÂMETRO
DESCRIÇÃO
ORGANIZAÇÃO
ESPACIAL
ANALISAR O ESPAÇO NO INTERIOR DO
EDIFÍCIO EM PLANTA E CORTE E AS
IMPLICAÇÕES DAS SOLUÇÕES ESPACIAIS EM
TERMOS DE CONFORTO, FUNCIONALIDADE,
LUMINOSIDADE, RELAÇÕES DE
AMPLIDÃO/CONFINAMENTO, JOGO DE PISOS
EM NÍVEIS, ETC.
IMAGEM
SÍNTESE
A CASA ACOLHE DOIS GRANDES PÁTIOS LIGADOS AO INTERIOR
ATRAVÉS DE ABERTURAS QUE GARANTEM ILUMINAÇÃO E
VENTILAÇÃO CRUZADA. JANELAS EM FITA E OUTROS ELEMENTOS
TRANSLÚCIDOS POR VEZES CONFUNDEM A CONTINUIDADE
ESPACIAL. O ESPAÇO INTERIOR FLUIDO É FORMADO DA VARIAÇÃO
DO PÉ DIREITO EM FUNÇÃO DO USO DESTE, AINDA COM ALGUNS
AMBIENTES CONFINADOS. NO PAVIMENTO SUPERIOR, O SETOR
ÍNTIMO É SEPARADO POR UM DESNÍVEL.
FORMAL
GEOMETRIA DA
FORMA DE
OCUPAÇÃO
ANALISANDO BIDIMENSIONALMENTE, PERCEBEMOS A
DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL EM FORMAS DE HÉLICE, CENTRADAS NO
HALL PRINCIPAL DA CASA. NO PRIMEIRO PAVIMENTO, VEMOS A
MESMA DIVISÃO DOS ESPAÇOS POR SETORES. O RESTANTE DO
LOTE É OCUPADO PELOS PÁTIOS E JARDINS.
PÁTIO
IDENTIFICAR COMO SE ORGANIZAM
BIDIMENSIONALMENTE OS ESPAÇOS: DE
FORMA LINEAR, RADIAL, CONCÊNTRICA,
RELAÇÕES DE HIERARQUIA, ESTANQUEIDADE
E CONTINUIDADE ESPACIAL
USO SOCIAL
USO SERVIÇO
USO ÍNTIMO
HALL
PLANTA BAIXA - TÉRREO
ESCALA
1/500
PLANTA BAIXA - 1º PAV
ESCALA
VOLUMETRIA
lppm - da - ufpb
casa buck
rudolf schindler
califórnia - eua
1934
alunos anna raquel serrano
artur rodrigues
flávio tavares
jéssica lucena
thiago melo
IDENTIFICAR OS PRINCÍPIOS ADOTADOS PARA
A PROPOSTA DE VOLUMETRIA: ESPAÇOS
DELIMITADOS/DEFINIDOS POR PLANOS,
VOLUME ÚNICO, JOGO DE VOLUMES,
VOLUMES DIFERENTES PARA CADA BLOCO DE
ATIVIDADES, EDIFICAÇÃO SOB SOBRE-TETO,
“ESTRATÉGIAS COMPOSITIVAS” SIMÉTRICAS
OU ASSIMÉTRICAS (DINÂMICAS OU
ESTÁTICAS), RELAÇÃO CHEIOS/VAZIOS
(ABERTURAS/FECHAMENTOS). VERIFICAR QUE
ELEMENTOS GERAM A PROPOSTA
VOLUMÉTRICA: O ENTORNO, O PROGRAMA, A
ESTRUTURA OU UMA IDIOSSINCRASIA
QUALQUER
1/500
5
15
20m
COMPLEXOS VOLUMES ENTRELAÇADOS, ARTICULADAS SEÇÕES.
PARÂMETRO
DESCRIÇÃO
"FACHADAS"
IDENTIFICAR QUE ELEMENTOS DA
IMAGEM
SÍNTESE
AS FACHADAS SE COMPORTAM MAIS COMO UMA SÉRIE DE
VOLUMES ARTICULADOS DO QUE COMO UMA FACHADA PLANA.
ESSES PLANOS SÃO INTERDEPENDENTES MAS MANTÊM A UNIDADE
ATRAVÉS DOS MATERIAIS. OS DIVERSOS RASGOS COMPLEMENTAM
A IDEIA DE CONTINUIDADE.
PROPOSTA VOLUMÉTRICA CONFORMAM AS
“FACHADAS” OU SE AS FACHADAS SÃO
INDEPENDENTES; SE HÁ OCORRÊNCIA DE
ESTRATÉGIAS COMPOSITIVAS (DE
ALINHAMENTOS, MATERIAIS, ETC.) E DO USO
DE ORNAMENTOS.
FACHADA NORTE
ESCALA
1/300
3
9
12m
CONSTRUTIVO
MATERIAIS
COBERTURA
A CASA FOI CONSTRUÍDA COM UMA ESTRUTURA DE MADEIRA, E
ACABAMENTO EM ESTUQUE E GESSO. AS COBERTAS TAMBÉM
SEGUEM O PADRÃO CONSTRUTIVO GERAL. UMA COBERTA NO
PAVIMENTO SUPERIOR DO PÁTIO TRASEIRO É EXECUTADO EM
ESTRUTURA DE MADEIRA E TELHA TRANSLÚCIDA.
O OBJETIVO DESTE ITEM É IDENTIFICAR OS
DIFERENTES MATERIAIS UTILIZADOS E SUAS
RELAÇÕES COM A FORMA DA CASA E A
LÓGICA CONSTRUTIVA
AS COBERTAS PREDOMINANTEMENTE POSSUEM UMA LEVE
INCLINAÇÃO. AS LAJES PLANAS FICAM RESTRITAS A DETALHES,
COMO ALGUNS PROLONGAMENTOS DE LAJES E FECHAMENTOS DE
ARMÁRIOS E CHAMINÉS. OS PLANOS DE COBERTAS CONFIGURAM,
EM SUA MAIORIA, APENAS UMA ÁGUA, COM EXCEÇÃO DA COBERTA
SOBRE PARTE DO 1º PAVIMENTO QUE POSSUI DUAS ÁGUAS COM
CALHA CENTRAL.
PLANA
PRETENDE-SE IDENTIFICAR A SOLUÇÃO DE
COBERTURA (PLANA, INCLINADA, TELHA,
CASCA, MISTA, ETC.) E OS DISTINTOS
ELEMENTOS QUE A COMPÕE
(MADEIRAMENTO, TELHAS, CALHAS, LAJES,
VIGAS, PINGADEIRAS, ARREMATES, ETC.) E
COMPREENDER O FUNCIONAMENTO
DESTES COMPONENTES COMO PARTE DE
UM SISTEMA ÚNICO
INCLINADA - UMA ÁGUA
INCLINADA - DUAS ÁGUAS
lppm - da - ufpb
casa buck
rudolf schindler
califórnia - eua
1934
alunos anna raquel serrano
artur rodrigues
flávio tavares
jéssica lucena
thiago melo
PLANTA DE COBERTA
ESCALA
1/500
5
15
20m
PARÂMETRO
DESCRIÇÃO
ELEMENTOS DE
ADEQUAÇÃO
CLIMÁTICOS
PRETENDE-SE DISTINGUIR OS DIFERENTES
ELEMENTOS DE ADEQUAÇÃO CLIMÁTICOS FILTROS, VEDAÇÕES, BRISES, EMPENAS -,
CADA UM DELES MARCADO POR MATERIAIS
E FORMAS DE FUNCIONAMENTO
DIFERENTES
SISTEMAS DE
ABERTURAS
O OBJETIVO NESTE ITEM É IDENTIFICAR A
ESPECIFICIDADE DAS ESQUADRIAS DA CASA MATERIAIS, FORMAS DE ABRIR, TAMANHOS,
ETC.
IMAGEM
SÍNTESE
A PRESENÇA DE GRANDES ABERTURAS PROPORCIONAM À CASA
UMA FLUÍDEZ ESSENCIAL AO AMBIENTE, E SE RELACIONAM AOS
GRANDES PÁTIOS - QUE PROPORCIONAM UM ADEQUADO
MICROCLIMA À HABITAÇÃO JUNTO COM A MACIÇA PRESENÇA DE
VEGETAÇÃO. DUAS CHAMINÉS PROPORCIONAM O CONFORTO NO
PERÍODO MAIS FRIO.
AS ESQUADRIAS SÃO, EM SUA MAIORIA, DE CORRER, EM
ESTRUTURA DE ALUMÍNIO E VIDRO, EXCETUANDO-SE AS PORTAS
INTERNAS, QUE SÃO DE GIRO E EM MADEIRA.
AS PORTAS QUE SE ABREM PARA AS ÁREAS ABERTAS SÃO AMPLAS
E PREENCHEM TODO O VÃO, DE PISO A TETO, LOCALIZADAS NAS
ÁREAS SOCIAIS DA CASA. ENQUANTO AS QUE SE SITUAM NAS
FACHADAS E NOS SETORES ÍNTIMOS SÃO MENORES, DANDO MAIS
PRIVACIDADE AOS AMBIENTES. ALÉM DAS JANELAS ALTAS QUE
POR VEZES FAZEM O FECHAMENTO DA DIFERENÇA DE NÍVEL
ENTRE AS LAJES.
JANELAS DE CORRER
PAINÉIS DE CORRER/PISO A
TETO
JANELAS ALTAS DE CORRER
(EM FITA)
JANELA FIXA
PLANTA BAIXA - TÉRREO
ESCALA
lppm - da - ufpb
casa buck
rudolf schindler
califórnia - eua
1934
alunos anna raquel serrano
artur rodrigues
flávio tavares
jéssica lucena
thiago melo
1/500
PLANTA BAIXA - 1º PAV
ESCALA
1/500
5
15
20m

Documentos relacionados

quadro analítico

quadro analítico COBERTURA COBERTURA (PLANA, INCLINADA, TELHA, CASCA, MISTA, ETC.) E OS DISTINTOS (MADEIRAMENTO, TELHAS, CALHAS, LAJES, VIGAS, PINGADEIRAS, ARREMATES, ETC.) E COMPREENDER O FUNCIONAMENTO DESTES COMP...

Leia mais