gerando valor através da agricultura e

Сomentários

Transcrição

gerando valor através da agricultura e
OUTUBRO • 2013
GERANDO VALOR
ATRAVÉS DA AGRICULTURA
E DESENVOLVIMENTO
DE TERRAS
A EMPRESA
VISÃO GERAL DA COMPANHIA

Controlada do Grupo SLC: 68 anos de experiência no setor
agrícola e 20 anos de joint-venture com a John Deere

319,6(1) mil hectares de área própria (inclui ~111 mil ha de
reservas legais, APP’s e outros)

282,5 mil hectares de área plantada na safra 2012/13:

124 mil ha plantado em área própria

31 mil ha plantados na SLC LandCo

75,9 mil ha arrendados

51,6 mil ha segunda safra

Entre as maiores do Brasil:
(I) Em termos de área própria
(II) Na produção de soja, milho e algodão

Índices de produtividade superiores às médias latinoamericana e norte-americana

16 fazendas localizadas estrategicamente no Brasil
(1) Inclui
72,7 mil ha da SLC LandCo
3
NOSSO MODELO DE NEGÓCIO
4
ESTRUTURA DE CONTROLE
Programa de ADR Nível 1: Lançamento 8 de agosto de 2011 – Ticker: SLCJY
5
ESTRUTURA CORPORATIVA
6
LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA E
DIVERSIFICADA DE PROPRIEDADES
7
FAZENDA PAIAGUÁS
– MATO
GROSSO
FAZENDA
PAIAGUÁS
– MATO
GROSSO
SLC Agrícola
2.089 EMPREGOS FIXOS
1.507 EMPREGOS TEMPORÁRIOS
CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO:
GRÃOS: 478.140 ton (64% da produção 2012/13)
ALGODÃO: 109.981 ton (89% da produção 2012/13)
88
CICLO DE PRODUÇÃO
9
ESTRATÉGIA DE HEDGE
*
2013
2014
73
28
2,1098
2,2710
2013
2014
98
20
88,91
89,18
2013
2014
89
21
13,88
13,05
*Em 30 de Julho de 2013
10
PRINCIPAIS FORNECEDORES & CLIENTES
11
DIVERSIFICAÇÃO E FLEXIBILIDADE
NO PORTFÓLIO DE CULTURAS
ÁREA PLANTADA 2011/12 (248.1K HA)
RECEITA (2012)*
MILHO
14%
ALGODÃO
(35k ha)
SOJA
OUTROS
61%
46%
2%
(114k ha)
(3k ha)
OUTROS
3%
ALGODÃO
38%
MILHO
OUTROS
2%
(6k ha)
MILHO
OUTROS
2%
12%
17%
(49k ha)
26%
RECEITA (2013)*
ÁREA PLANTADA 2012/13 (282.5K HA)
MILHO
SOJA
10%
(95k ha)
ALGODÃO
27%
(76k ha)
SOJA
SOJA
31%
ALGODÃO
55%
54%
(151k ha)
*Estimado
Outros: Café, trigo, milho semente, girassol e sorgo
12
12
CUSTO DE PRODUÇÃO
13
PERFORMANCE
OPERACIONAL
RH & SUSTENTABILIDADE
ATENÇÃO ESPECIAL PARA O FUNCIONÁRIO E O MEIO AMBIENTE
~
15
PRODUTIVIDADE
SOJA
ALGODÃO
MÉDIA 5 ANOS: 2008/09 A 2012/13 – KG/HA (Bushel/Acre)
MÉDIA 5 ANOS: 2008/09 A 2012/13 – KG/HA (Bale/Acre)
MILHO
MÉDIA 5 ANOS: 2008/09 A 2012/13 – KG/HA (Bushel/Acre)
Fonte: USDA e SLC Agrícola
16
ESTADO-DA-ARTE NA GESTÃO E NA TECNOLOGIA
PRINCIPAIS FATORES PARA EFICIÊNCIA OPERACIONAL
17
VISÃO GERAL
DO MERCADO
MACRO TENDÊNCIAS
FORTE DEMANDA, BAIXOS ESTOQUES, MAIS ÁREA NECESSÁRIA
POPULAÇÃO MUNDIAL – RURAL X URBANA
ESTOQUES VS CONSUMO (SOJA, MILHO, TRIGO, ARROZ)
40%
100
"Choque de
demanda"
31%
30%
25%
Urbano
80
Porcentagem
Revolução
Verde
35%
Rural
60
40
22%
21%
20%
20
0
15%
1950
1970
1990
2010
2030
2050
10%
1964/65
1971/72
1978/79
1985/86
1992/93
1999/00
2006/07 2013/14**
60
MAIS TERRA SERÁ NECESSÁRIO PARA ATENDER DEMANDA
400
Projeção
350
50
Demanda
(soja, milho e trigo)
300
40
250
China (1961-2040)
200
30
20
Produtividade
150
India (1961-2050)
100
Brasil (1961-2045)
10
Área plantada
50
Fonte: USDA, FAO, GOLDMAN SACHS
2012/13*
2009/10
2006/07
2003/04
2000/01
1997/98
1994/95
1991/92
1988/89
1985/86
1982/83
30000
1979/80
25000
1976/77
15000
20000
PIB per capita
1973/74
10000
1970/71
5000
1967/68
0
0
1964/65
Consumo de Proteína (per capita)
PIB PER CAPITA (US$) X CONSUMO DE PROTEÍNA (KG)
19
DEMANDA POTENCIAL DE SOJA EM 2023
(E A NECESSIDADE DE AUMENTO DE ÁREA...)
Fonte: USDA e SLC Agrícola. Obs: Área adicional necessária foi calculada considerando 1% de crescimento na produtividade *Baseado nos dados do USDA
20
BRASIL
CELEIRO DO MUNDO
BRASIL NO RANKING MUNDIAL
Produtos
Produção
Exportação
Açúcar
1º
1º
Café
1º
1º
Suco de Laranja
1º
1º
Carne Bovina
2º
1º
Complexo de Soja
2º
2º
Aves
3º
1º
Milho
3º
4º
Suínos
3º
3º
Algodão
5º
4º
NÍVEIS DE PRECIPITAÇÃO
Precipitação média (mm)
400
Maranhão
Mato Grosso
Austrália
EUA (1)
USO DA TERRA NO BRASIL
Milhões de
Hectares
% Área Total
Floresta Amazônica
360
42,3%
Pastagem
222
26,1%
Culturas anuais
75
8,8%
Culturas permanentes
22
2,6%
Florestas Plantadas
5
0,6%
Outros usos
121
14,2%
Disponível para Agricultura
46
5,4%
Total
851
100%
Utilizada pela Agricultura
97
Fonte: IBGE, Censo Agropecuário 2006.
PRINCIPAIS FATORES GEOGRÁFICOS
Excelentes Condições:
300
Temperatura estável
200
Precipitações regulares
100
Energia solar abundante
0
Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai
Fonte: USDA
(1)
Memphis
O período produtivo dura o ano todo
Topografia plana
21
ALGODÃO
PREÇO DO ALGODÃO
300
IMPORTAÇÃO TOTAL: Indonésia, Bangladesh, Turquia, Pasquistão
450
ICE-NYBOT
13,5
ESALQ
390
ESALQ R$ (Eixo Direito)
240
Milhões de Fardos
US¢/lb
R$¢/lb
210
120
150
9,8
2005/06
270
9,6
2004/05
330
180
12,4
12,0
11,0
12,0
12,9
10,9
8,8
60
RELAÇÃO ESTOQUE VS. CONSUMO
100
Consumo
120
100
Estoque Final China
70%
90
Estoques Finais Mundiais (Excl. China)
60%
80
Estoque vs. Consumo
50%
70
milhões de fardos
milhões de f ardos
2013/14**
2012/13*
2011/12
Produção
2010/11
140
2009/10
OFERTA & DEMANDA MUNDIAL
2008/09
30
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
Fonte: ICE/NYBOT ; ESALQ –24/09/2013
Contratos futuros
2007/08
0
2006/07
90
80
60
40
60
40%
50
30%
40
30
20%
'
20
20
0
0%
2013/14**
2012/13*
2011/12
2010/11
2009/10
2008/09
2007/08
2006/07
2005/06
2004/05
2003/04
2002/03
2001/02
2000/01
2013/14**
2012/13*
2011/12
Fonte:USDA e Cotton Outlook *Estimado **Projetado 10/09/2013
2010/11
2009/10
2008/09
2007/08
2006/07
2005/06
2004/05
2003/04
2002/03
2001/02
2000/01
0
10%
10
22
ALGODÃO ²
DIFERENCIAL EM RELAÇÃO AO PREÇO ICE (NYBOT)
Mercado Interno
10,0
100%
8,0
90%
Exportação via Tradings
Exportações Diretas
8,3
Mercado Interno
Exportação via Tradings
Exportações Diretas
100%
30%
37%
90%
3,9
66%
1,6
82%
50%
0,0
47%
52%
47%
34%
34%
31%
34%
13%
15%
9%
0%
12
11
/
11
10
/
10
09
/
09
08
/
08
07
/
07
06
/
06
05
/
05
04
/
12
55%
63%
59%
20%
15%
10%
9%
11
/
11
10
/
10
09
/
09
08
/
08
07
/
07
06
/
06
05
04
/
03
/
03
02
/
2011/2012
2010/2011
2009/2010
2008/2009
2007/2008
2006/2007
02
30%
34%
13%
2005/2006
2004/2005
2003/2004
2002/2003
01
/
34%
31%
-6,5
04
-6,5
-8,0
0%
1,20
67%
40%
04
-4,8
34%
82%
03
/
-4,3
66%
(E
)
47%
66%
69%
55%
50%
12
/1
3
47%
67%
-2,5
52%
66%
60%
-0,3
-1,4
63%
59%
05
/
40%
-2,0
30%
-4,0
20%
-6,0
10%
48%
53%
(E
)
60%
2,0
53%
70%
13
66%
69%
30%
37%
41%
03
US¢/lb
66%
80%
12
/
48%
53%
02
/
53%
4,0
70%
02
41%
01
/
6,0
80%
1,00
EVOLUÇÃO DOS MERCADOS DE ALGODÃO NA SLC
0,80
0,60
0,40
Fonte: SLC Agrícola
23
SOJA
PREÇO DA SOJA
23
20
IMPORTAÇÃO CHINESA
ESALQ
45
80
CBOT
40
70
milhões de toneladas
ESALQ R$ (Eixo Direito)
US$/bushel
17
30
14
25
R$/bushel
35
20
11
18
Consumo
milhões de toneladas
200
150
100
35,0%
Estoques Finais (Eixo Esquerdo)
Estoque vs.Consumo
16
250
milhões de toneladas
2013/14**
2012/13*
2011/12
2010/11
2009/10
2008/09
2007/08
EUA - ESTOQUE VS. CONSUMO
300
Produção
2006/07
OFERTA & DEMANDA MUNDIAL
2005/06
2014
2004/05
2013
2003/04
2012
Contratos Futuros
2002/03
2011
2001/02
2010
2000/01
2009
30
0
5
Fonte: CBOT ; ESALQ – 24/Set/2013
40
10
10
5
2008
50
20
15
8
60
30,0%
14
25,0%
12
10
20,0%
8
15,0%
6
10,0%
4
50
2013/14**
2012/13*
2011/12
2010/11
2009/10
2008/09
2007/08
2006/07
2005/06
2004/05
2003/04
2002/03
2001/02
2013/14*
*
2012/13*
2011/12
2010/11
2009/10
2008/09
2007/08
2006/07
2005/06
2004/05
2003/04
2002/03
2001/02
Fonte:USDA *Estimado **Projetado em 10/09/2013
2000/01
0
2000/01
0
5,0%
2
0,0%
24
MILHO
PREÇO DO MILHO
US$/bushel
8
18
ESALQ
18
16
ESALQ R$ (Eixo Direito)
16
14
CBOT
14
7
12
6
10
5
de toneladas
Milhões
tons
million
9
CHINA COMO IMPORTADOR LÍQUIDO
20
RS/ bushel
10
8
4
6
2
2013/14**
2012/13*
60
de toneladas
Milhões
tons
million
milhões de toneladas
Consumo
Estoques Finais (eixo esquerdo)
30,0%
Estoque vs. Consumo
2013/14**
2012/13*
0,0%
2011/12
0
2010/11
5,0%
2009/10
10
2008/09
10,0%
2007/08
20
2006/07
15,0%
2005/06
30
2004/05
20,0%
2003/04
40
2002/03
25,0%
2001/02
50
2000/01
2013/14**
2012/13*
2011/12
2010/11
2009/10
2008/09
2007/08
2006/07
2005/06
2004/05
2003/04
2002/03
2001/02
2000/01
Fonte:USDA *Estimado **Projetado em 10/09/2013
2011/12
Produção
2010/11
EUA - ESTOQUE VS. CONSUMO
OFERTA & DEMANDA MUNDIAL
1.000
900
800
700
600
500
400
300
200
100
0
2009/10
2014
2008/09
0
2007/08
2012
2013
Contratos Futuros
4
2006/07
2008
2009
2010
2011
Fonte: CBOT ; ESALQ – 24/09/2013
6
2005/06
2
8
2004/05
2
10
2003/04
4
Importação
12
2002/03
3
Exportação
25
25
FERTILIZANTES
PREÇOS E RELAÇÃO DE TROCA
RELAÇÃO DE TROCA
FERTILIZANTES (TON) VS ALGODÃO (ARROBA)
PREÇOS
1200
1100
1000
900
800
700
600
500
400
300
200
100
0
KCL Vancouver
Uréia Mar Negro
2013
2012
2011
2007
2006
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
U$/ton
Médias *
Histórica
2010
DAP - Golfo EUA
DAP - Golfo EUA
2009
Uréia Mar Negro
2008
KCL Vancouver
65
60
55
50
45
40
35
30
25
20
15
10
5
0
* Desde 1993
RELAÇÃO DE TROCA
FERTILIZANTES (TON) VS MILHO (BUSHEL)
DAP - Golfo EUA
RELAÇÃO DE TROCA
FERTILIZANTES (TON) VS SOJA (BUSHEL)
KCL Vancouver
70
65
60
55
50
45
40
35
30
25
20
15
10
5
0
DAP - Golfo EUA
140
KCL Vancouver
120
Uréia Mar Negro
100
*
Médias
Históricas
Médias *
Históricas
80
60
40
* Desde 1993
* Desde 1993
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
0
2006
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
2002
2001
2000
20
26
CRIAÇÃO DE VALOR
ATRAVÉS DA TERRA
O MERCADO DE TERRAS NO BRASIL
GRANDES OPORTUNIDADES NA TRANSFORMAÇÃO DA TERRA
Oeste da Bahia
- Terra Bruta: USD 2.300/ha
- Fazenda Panorama: USD 8.600/ha
Mato Grosso
-Pastagem: USD 3.000/ha
- Fazenda Paiaguás: USD 6.100/ha
Goiás
- Terra Bruta: USD 2.800/ha
- Pastagem: USD 4.500/ha
- Fazenda Pamplona: USD 7.800/ha
Mato Grosso do Sul
-Pastagem: USD 3.200/ha
- Fazenda Planalto: USD 11.000/ha
Terra bruta
APRECIAÇÃO DA TERRA NO BRASIL
(ex. inflação)
PRINCIPAIS FATORES NA PRECIFICAÇÃO DA TERRA
38,0%
(1)
7,3% (1)
7,0%
5 Anos
12 Meses
Pasto
Fatores
Primários
Terra como
nova Classe
de Ativo
Rentabilidade
da Terra
Fatores de
Suporte
Preço da
Commodities
Produtividade
Agrícola
Escassez
36 Meses
Anualizado
Fonte: Informa Economics /FNP.
28
APRECIAÇÃO & GIRO DE ATIVOS
-
29
INFRAESTRUTURA
(PRINCIPAIS PROJETOS PARA OS PRÓXIMOS 5 ANOS)
30
ABERTURA DE ÁREAS
31
AQUISIÇÃO/ARRENDAMENTO DE TERRA POR
ESTRANGEIROS NO BRASIL
STATUS ATUAL DA LEGISLAÇÃO
OS FATOS







Agosto, 2010 - A Advocacia Geral da União (AGU) deu novo entendimento a uma lei antiga (nº 5.709, de 1971), através de uma
Opinião Legal.
São limites legais (não proibições) de aquisição e arrendamento de terras por estrangeiros
 25% da área de um município
 40% (dos 25%) por país
 O cartório do município é o responsável pelo controle.
O conceito de “estrangeiros” para propósitos da lei, é uma companhia estrangeira ou uma companhia brasileira cujo controle de
voto pertence a estrangeiros
INCRA terá que aprovar toda transação envolvendo estrangeiros
Junho, 2011 – O congresso cria um comitê especial para discutir o assunto, pressionados pelo setor privado
Maio, 2012 – O comitê aprova um projeto de lei (do congressista Marcos Montes) restringindo a compra de terra apenas para
NGO’s e SWF
Há ainda várias outras etapas a serem implementadas, para que projeto seja concluído (aprovação em outros comitês, Plenário
do Congresso, Senado e Presidência)
CONCLUSÕES



Tradings estrangeiras financiam ~1/3 da necessidade de capital da safra brasileira, normalmente tomando terra em garantia.
Cartórios de Registro de Imóveis não são capazes atualmente de mapear proprietários estrangeiros e controlar os limites.
Fundos/Entidades estrangeiras têm realizado parcerias com empresas brasileiras, visando construir estruturas corporativas
que possam adquirir terras sem restrição.

Os limites são aplicados apenas a empresas que possuem o controle do voto em mãos de estrangeiros.
32
PERFORMANCE
FINANCEIRA
DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS
RECEITA LÍQUIDA(1) (R$/MILHÕES)
(1)
EBITDA(1) – GERAÇÃO DE CAIXA (R$/MILHÕES)
LUCRO LÍQUIDO (R$/MILHÕES)
APRECIAÇÃO DE TERRAS LÍQUIDA
Excluindo efeitos (não-caixa) dos ativos biológicos *Janeiro-Junho
*Ajustado pela participação da SLC Agrícola na subsidiária SLC LandCo
34
DÍVIDA LÍQUIDA
Taxas Médias Anuais de Juros (%)
Indexador
2T13
1T13
Consolidado
2T13
1T13
(R$ mil)
Aplicados no Imobilizado
Finame – BNDES
Fundos Constitucionais(1)
Financiamento de Investimento
Pré e TJLP
Pré
US$ e Libor
6,37%
7,32%
5,74%
6,48%
7,29%
5,74%
86.202
71.381
20.195
177.778
82.056
92.864
21.304
196.224
Aplicados no Capital de Giro
Crédito Rural
Fundos Constitucionais(1)
Capital de Giro
Financiamento a Exportação
Financiamento a Exportação
Pré
Pré
Pré e CDI
CDI
US$ + Libor
6,06%
7,23%
9,90%
8,65%
4,09%
5,98%
6,07%
7,23%
9,90%
4,03%
5,77%
195.096
52.949
59.653
80.106
345.692
733.496
911.274
228.210
683.064
2,38x
25,3%
205.424
51.869
58.246
331.867
647.406
843.630
300.722
542.908
1,93x
19,0%
Total do Endividamento
(-) Caixa
(=) Dívida Líquida
Dívida Líquida/EBITDA Ajustado
Dívida Líquida/Valor Líquido dos Ativos
PERFIL DA DÍVIDA – 2T13 (%)
60%
59%
41%
40%
Custo médio
ponderado R$:
7,19% a.a.
Custo médio
ponderado US$:
4,18% a.a.
Curto Prazo Longo Prazo
R$
US$
35
AVALIAÇÃO DA TERRA &
INDICADORES FINANCEIROS
Retorno sobre o Capital Investido - ROIC
2011
170
2012
73
NAV Potencial (R$/Ação)
(R$ milhões)
Resultado Operacional Ajustado
2009
9
2010
88
1S13
88
Apreciação de Terras Líquida (1)
Resultado Operacional c/ Terras
Capital Investido
Retorno sobre o Capital Investido
(1)
Baseado em laudo Deloitte
163
181
2.125
8,5%
(36)
179
273
380
52
349
346
468
2.179 2.572 3.063 3.475
2,4% 13,6% 11,3% 13,5%
6,7
30,7
40,4
2,9
NAV Atual LandCo Banco de
NAV
Terras Potencial
GANHO ESTIMADO COM A TRANSFORMAÇÃO DE TERRA
Valor Líquido dos Ativos - NAV
Avaliação Deloitte 2013
(R$ milhões)
Terras
Fazenda
(1)
1.993
(1)(2)
462
748
91
669
Fazenda Pamplona, GO
Caixa
Subtotal
224
4.188
Fazenda Panorama, BA
Fornecedores & Dívidas relativas a compra de terras (2)
Dívida Bruta
Subtotal
Valor Líquido dos Ativos
Valor Líquido dos Ativos por Ação
235
911
1.147
3.041
30,7
Terras SLC LandCo
Infra-estrutura (excl. terras)
Contas a Receber (excl. derivativos)
Estoques / Ativos Biológicos (excl. parte não-caixa)
(2)
(1)
Considerando laudo Deloitte 2013, líquido de impostos
(2)
Ajustado pela participação da SLC Agrícola na SLC LandCo
Fazenda Planalto, MS
Fazenda Parnaíba, MA
Fazenda Planorte, MT
Fazenda Paiaguás, MT
Fazenda Planeste, MA
Fazenda Piratini, BA
Fazenda Palmares, BA
Fazenda Parnaguá, PI
Fazenda Pejuçara, MT
Fazenda Paineira, PI
Fazenda Parceiro, PI
Fazenda Perdizes, MT
TOTAIS
Área
Agricultável
(ha)
R$ mil
12.492
224.342
13.128
331.712
24.260
305.364
17.315
256.728
21.232
298.605
7.398
145.456
13.315
220.203
18.109
176.404
14.281
173.185
17.500
86.708
2.933
42.627
8.500
83.471
25.000
168.079
9.275
165.731
204.738
2.678.616
R$/ha
17.959
25.268
12.587
14.827
14.064
19.662
16.538
9.741
12.127
4.955
14.534
9.820
6.723
17.869
13.083
Fazendas
LandCo
+18% YoY
36
ESTRATÉGIA DE
CRESCIMENTO
SLC LANDCO
VISÃO GERAL DO PROJETO
POTENCIAL DE VALORIZAÇÃO DA TERRA
ESTRUTURA DE CONTROLE
 Valiance irá contribuir com US$238,6 milhões
e no final das 4 “tranches” terá participação de
49,4%
 SLC LandCo será a responsável pelo
desembolso relativo a:
 Aquisição das áreas
 Abertura e Limpeza das áreas
 Aplicação de corretivos
 Construção da Infraestrutura
GOVERNANÇA CORPORATIVA
 A SLC Agrícola irá arrendar e operar –
pagando preços de mercado – as terras da SLC
LandCo, assim que as mesmas se encontrarem
prontas para plantio
 Ofertas de terras recebidas pela SLC Agrícola
serão primeiro submetidas à análise da SLC
LandCo.
38
JOINT VENTURE – “Grupo Dois Vales”
39
JOINT VENTURE – “Mitsui & Co. Ltda.”
40
HISTÓRICO DE ÁREA PLANTADA
& ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO
EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO EM ÁREA PLANTADA
HISTÓRICO DE ÁREA PLANTADA (mil Ha)
282
CAGR 2006/07 – 2012/13: 15.6%
220
(mil Ha)
227
223
248
CAGR 2011/12 – 2020/21: 12.3%
171
310
117
460
2020/21
2019/20
 LandCo: ~55,7 mil hectares de área plantada
2018/19
 Redução de custos através de tecnologia
avançada
580
700
PREVISÃO DE ÁREA PLANTADA – 2020/21
ALGODÃO
Algodão
 Novas culturas: Girassol e Cana-de-açúcar
 Aumento da produção através de áreas
arrendadas e de segunda safra
2017/18
2016/17
 Banco de Terras: ~43 mil hectares
2015/16
EXPANSÃO
2014/15
10/11 11/12 12/13
Área Arrendada
2013/14
06/07 07/08 08/09 09/10
Safrinha
Área Própria
350
400
520
640
SOJA
Soja
Novas
OUTRAS
Culturas
CULTURAS
Milho
MILHO
41
[email protected]
+55 51 3230.7799
+55 51 3230.7864
www.slcagricola.com.br/ri
Rua Bernardo Pires, 128 • 4º andar
90620-010 • Porto Alegre, RS • Brasil
DISCLAIMER
Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais
declarações têm como base crenças e suposições de nossa Administração e informações a que
a Companhia atualmente tem acesso. Declarações sobre eventos futuros incluem informações
sobre nossas intenções, crenças ou expectativas atuais, assim como aquelas dos membros do
Conselho de Administração e Diretores da Companhia.
As ressalvas com relação a declarações e informações acerca do futuro também incluem
informações sobre resultados operacionais possíveis ou presumidos, bem como declarações que
são precedidas, seguidas ou que incluem as palavras "acredita", "poderá", "irá", "continua",
"espera", "prevê", "pretende", "planeja", "estima" ou expressões semelhantes.
As declarações e informações sobre o futuro não são garantias de desempenho. Elas envolvem
riscos, incertezas e suposições porque se referem a eventos futuros, dependendo, portanto, de
circunstâncias que poderão ocorrer ou não. Os resultados futuros e a criação de valor para os
acionistas poderão diferir de maneira significativa daqueles expressos ou sugeridos pelas
declarações com relação ao futuro. Muitos dos fatores que irão determinar estes resultados e
valores estão além da nossa capacidade de controle ou previsão.
43

Documentos relacionados