10.03.2009 às 23:22 Impressões da Costa Rica 4

Сomentários

Transcrição

10.03.2009 às 23:22 Impressões da Costa Rica 4
10.03.2009 às 23:22
Impressões da Costa Rica 4: revolução, ‘paredón’ e beleza
Homero Fonseca
Como toda e qualquer revolução, o Movimento
de Libertação Nacional da Costa Rica, vitorioso
em 1948, teve marchas e contramarchas,
tendências conflitantes e confusões. Mas
prevaleceram, no geral, as concepções do seu
principal líder, Don Pepe Figueres. Uma delas foi
a de evitar uma repressão feroz contra os
partidários do regime deposto. Henrietta Boggs,
a jovem americana que se tornara, agora,
primeira dama do País, conta, no seu livro
“Casada con una Leyenda – Don Pepe”, que,
após a rendição das tropas governistas “como a
muitas outras pessoas, a mim pareceu que os
termos do Pacto de Paz eram demasiado
clementes
com
os
culpados,
porém
evidentemente se havia decidido que o país
necessitava de paz acima de tudo”.
Questionando o marido – do qual se separaria
alguns depois, acusando-o de, obcecado em
construir uma nova república, ser um marido e
pai ausente – Henrietta ouviu o que seria o ‘leitmotiv’ de sucessivos discursos dele: “As armas nos deram a vitória, mas
somente as leis nos farão livres”. Assim, ao invés do “paredón” a revolução costarriquenha notabilizou-se, entre outros
aspectos, pela anistia.
Os contrarrevolucionários se refugiaram na Nicarágua, a partir de onde, com o apoio do ditador Anastacio Somoza, num
primeiro momento e dele e mais Trujillo, da República Dominicana, num segundo, tentaram invadir o país e desestabilizar o
novo regime, segundo derrotados nas duas tentativas, apesar de a Costa Rica ter extinto seu Exército. Algo parecido com o
que aconteceria, 12 anos depois, em Cuba, na fracassada invasão da Baía dos Porcos.
Don Pepe Figueres
O escritor e político (Partido Verde) Alfredo Sirkis , que também andou pela Costa Rica há alguns anos, analisa as diferenças
nos desenlaces das revoluções costarriquenha e cubana com base na geopolítica e nas personalidades e origem social de
seus principais líderes:
“A revolução de 1948 foi de certa forma uma prévia do que poderia ter sido a revolução cubana, 11 anos mais tarde. É
provável que o levante popular de Don Pepe Figueres inspirasse Fidel, em Sierra Maestra, quando daquela sua famosa
entrevista ao jornalista Herbert Mathews, do New York Times, em 1959. No caso cubano fizeram a grande diferença histórica
a quase imediata hostilidade norte-americana, a dinâmica implacavelmente polarizadora da guerra fria -- em 48, ainda nos
primórdios, em 60, no apogeu-- e a personalidade de Fidel Castro. Há quem atribua a diferença entre Fidel e Pepe à idade e
origem social: Pepe, filho de um modesto médico catalão, era um pequeno fazendeiro e tinha 42 anos quando liderou a
revolução. Fidel, filho de um grande latifundiário de origem galega, era estudante quando chefiou o assalto ao quartel de
Moncada depois do qual conheceu apenas a prisão, o exílio e Sierra Maestra. Pepe era acostumado a ouvir, negociar,
comerciar, regatear. Fidel, nascera para mandar e ser obedecido.”
E continua:
“Pepe apoiou a revolução cubana, em 59, com dinheiro e armas, da mesma forma com que, duas décadas mais tarde,
ajudaria os sandinistas, a ponto de seu próprio filho ter participado dos combates nas fileiras da FSLN. Em ambos os casos
Pepe acabou rompendo com os revolucionários uma vez consolidados no poder. Pepe colocava-se como arauto de uma
“esquerda democrática”, adepto da social-democracia de estilo europeu, ou, como gostava de se classificar, um “socialista
utópico”.
Acrescento eu, para se entender melhor o pensamento desse fazendeiro-engenheiro-humanista, trechos de discursos e
escritos de Don Pepe Figueres coletados pelo sociólogo Manuel Barahona Montero (“Don Pepe Figueres: ideario y legado”,
in www.elespiritudel48.org/multi/legado.ppt):
- "Cada vez que tratamos de estabilizar nossos preços [referindo-se aos produtos de exportação] a um nível que nos permita
viver e progredir, somos tachados de ‘socializantes’, ‘rosados’ ou o que esteja na moda. O respeitável é o ‘mercado livre’,
com alternativas de fome e de festa para nossos povos, porém com muita mais fome que festa”.
Muito iluministicamente, afirmava:
- “O estudo, a técnica, a ciência constituem a única solução possível do problema nacional. La reforma deve consistir em
libertar o homem do trabalho rude; em acabar com o homem-motor e substituí-lo pelo homem-pensante. O trabalho rude
desgasta e produz pouco. O trabalho técnico enaltece e produz mais”.
E, por fim, esta pérola: “A guerra contra a miséria extrema não deve ser somente a atuação de um organismo, nem o trabalho
de um certo número de cidadãos de boa vontade. Há de ser, em realidade, igual que a limpeza e o cultivo da beleza, uma
atitude nacional”.
NÃO LEMBRO DE HAVER LIDO, NUNCA, QUALQUER DISCURSO OU CITAÇÃO DE UM CHEFE DE GOVERNO FALANDO
EM LIMPEZA E
BELEZA COMO ATITUDES NACIONAIS.

Documentos relacionados