Microsoft PowerPoint - Apresenta\347\343o2 - Anclivepa-SP

Сomentários

Transcrição

Microsoft PowerPoint - Apresenta\347\343o2 - Anclivepa-SP
Introdução
• origem há aproximadamente 310 e 250 milhões de anos
(Era Paleozóica)
• semelhança com os anfíbios da época
• aquisição de características evolucionárias
• domínio do meio terrestre
• Ictyostega
- 1º vertebrado dotado de patas
para locomoção em terra firme
- transição entre peixes e
anfíbios
- 250 milhões de anos atrás
1
• Conquista do meio terrestre
“não dependência do meio aquático para
reprodução ou desenvolvimento, em pelo
menos uma fase da vida”
• Conquista do meio terrestre
(anfíbios e répteis)
- aquisição de esqueleto apendicular, em pelo menos
uma fase da vida, em algumas espécies
- perda da conformação hidrodinâmica – pescoço com
movimento
2
• Conquista do meio terrestre
(répteis)
- pele relativamente impermeável –
epiderme mais espessa
- diferenciação das glândulas lacrimais
- pálpebras
- Conquista do meio terrestre
(répteis)
- fisiologia renal desenvolvida
- intestino grosso mais extenso
- respiração pulmonada em todas as fases da vida
(costelas para sugar o ar)
3
• Conquista do meio terrestre
- fecundação interna e órgãos copuladores
- filhotes completamente formados ao nascimento
- Surgimento do ovo amniótico
com presença de casca!
Paleozóica
Triássico 250 milhões
Mesozóica
Jurássico 125 milhões
Cretáceo 60 milhões
Pangea
Dinossauros
Fim dos répteis
gigantes
Paleogeno
Cenozóica
Neogeno
Quaternário
Eras do gelo
Pleistoceno 10.000
Holoceno presente
4
• Período Cretáceo
- das 63 ordens de répteis, 4 sobreviveram até
os dias atuais:
-
Crocodyla
Rhynchocephalia
Squamata
Testudinata
- Ordem Crocodyla – crocodilianos (23 espécies)
- Ordem Rhynchocephalia – tuataras (2 espécies)
- Ordem Squamata – lagartos (4675 espécies)
serpentes (2940 espécies)
anfisbenas (160 espécies)
- Ordem Testudinata – quelônios (302 espécies)
(Testudines ou Chelonia)
5
Classificação Taxonômica dos Répteis
(Systema Naturae – 1758, Linnaeus
taxa - agrupamento)
Reino ANIMALIA
Phylum CORDATA (notocorda)
Subphylum VERTEBRATA
Classe REPTILIA
Sub classe ANAPSIDA
Sub classe DIAPSIDA
(ausência de aberturas no crânio)
Ordem COTYLOSAURIA (extinta)*
Ordem TESTUDINATA
ou CHELONIA
jabutis, cágados e
tartarugas
(aberturas temporais no crânio)
infraclasse LEPIDOSAURIA
ordem SQUAMATA
demais ordens extintas
infraclasse ARCHOSAURIA
ordem CROCODILIA
demais ordens extintas
2 ordens – Dinossauros
1 ordem – ancestrais das aves
lagartos, serpentes,
crocodilianos
anfisbenas e tuartaras** (o. Rynchocephalia**)
*répteis mais primitivos e que deram origem a quase todos répteis modernos
• Répteis - mais de 300 milhões de anos
• Aves – mais de 70 milhões
• Mamíferos – 65 milhões
- Os répteis continuam sua evolução, seguindo
paralelamente à evolução das aves e dos
mamíferos
- Não há classe mais evoluída que outra, apenas
especializações adaptativas que a Natureza
impôs
6
Nomenclatura
• Variável segundo o país
• No Brasil:
- Jabuti – quelônio terrestre
- Cágado – quelônio de água doce
- Tartaruga – quelônio de água marinha
“tortoise” – quelônios estritamente terrestres
”turtle” – definição variável segundo país
“terrapin” – sem tradução para o português
EUA
“tortoise” quelônios
terrestres
“turtle”
“terrapin”
quelônios
aquáticos e
terrestres
quelônios
marinhos
ou água
doce
Inglaterra
Austrália
quelônios
terrestres
termo bem
abrangente
quelônios
marinhos
quelônios
de água
doce
7
“Espécies mais comuns de répteis em cativeiro”
Prof. Ms. Cristina Fotin
Anclivepa-SP
Espécies mais comuns
• Chelonoidis carbonaria
(jabuti piranga)
- peso adulto 6-12 kg
- 80 a 100 anos de vida
- terrestre
- floresta tropical – região Central do Brasil
- onívoro/herbívoro
- 30 – 50 cm carapaça
- escamas vermelhas em cabeça e patas
8
Espécies mais comuns
• Chelonoidis denticulata
(jabuti tinga)
-
peso adulto 8 a 15 kg
80 a 100 anos de vida
terrestre
florestas densas(Norte do Brasil)
onívoro
40 a 70 cm carapaça
escamas amarelas cabeça e patas
Espécies mais comuns
• Trachemys dorbignyi
(tigre dágua)
-
30 anos de vida
sul Brasil, Uruguai e Argentina
aquática
onívora
22 a 26 cm carapaça
manchas contínuas no plastrão
9
Espécies mais comuns
• Trachemys scripta elegans
-
(tartaruga orelha vermelha)
30 anos de vida
EUA até norte Am. do Sul
aquática
onívora/carnívora
29 cm carapaça
linha vemelha sobre ouvidos
manchas arredondadas em plastrão
Espécies mais comuns
• Trachemys adiutrix
-
(tigre d’água brasileiro)
Única espécie endêmica da região amazônica
Maranhão, Piauí (evidências)
Particularidades anatômicas
Hibernação soterrada na areia
STATUS DE CONSERVAÇÃO E ESTRUTURA POPULACIONAL DA TARTARUGA ENDÊMICA DO MARANHÃO,
TRACHEMYS ADIUTRIX, NA ILHA DE CURUPU
BARRETO, L.¹;RIBEIRO, A.B.N.²; RIBEIRO, L.E.S.²; AZEVEDO,R.R3
Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil, 23 a 28 de Setembro de 2007, Caxambu - MG
10
Espécies mais comuns
• Hydromedusa tectifera
(cágado pescoço de cobra)
-
Peso adulto 0,9 a 1,5 kg
Brasil, Argentina,Uruguai e Paraguai
Carnívoro
22 cm carapaça fêmea
• Phrynops geoffroanus
(Cágado de barbicha)
- Desde Amazônia até Paraguai
- 35 cm
- Carnívoro: peixes e insetos
11
•
-
•
-
Phrynops hilarii
(Cágado de lagoa)
Sul e Sudeste do Brasil
Peixes e invertebrados
2 barbelos no pescoço
Faixa negra (narinas e olhos)
Acantochelys spiixi
(Cágado feio)
Sudeste e Centro-Oeste do Brasil
Peixes e invertebrados
Escamas em forma de espinhos no
pescoço
Espécies mais comuns
• Podocnemis unifilis
(tracajá)
- Peso adulto 8 kg
- Aquático
- Norte, NE e Centro-Oeste do
Brasil
- Onívoro, herbívoro (adulto)
- 45 cm de carapaça fêmea
12
• Chelus fimbriatus
(Matá-Matá)
- Até 44 cm
- Centro e Norte da América do Sul
- carnívora
Espécies mais comuns
• (Chelydra serpentina)
Tartaruga mordedora
- Peso adulto 100-110 kg
- América do Norte até norte da
América do Sul
- carnívora
- pouca velocidade
- apreende presas próximas,
permanecendo imóvel e
projetando longo pescoço
13
• Família Iguanidae
• Maior parte dos lagartos do Novo
Mundo
• Iguana iguana
• sinimbu, camaleão, iguana verde*
ou iguana comum*
• México ao Brasil central e Paraguai
• caatinga e florestas úmidas
• arborícola
• Herbívoro
* designação em língua inglesa
Iguana iguana
•
•
•
•
•
30-40 ovos, uma desova por ano
60-75 dias incubação
15 anos de vida
até 1,75 m
até 4,5 a 6,5 kg
14
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Família Teiidae
Teiú – Tupinambis sp
sul da Amazônia até Argentina e Uruguai
cerrado, caatinga e matas
terrícola (sobre capim ou pedras)
hábitos diurnos, muito ativo
vertebrados,moluscos, artrópodes, vegetais e ovos
16 anos de vida
20-36 ovos 60-90 dias
TC ótima 35oc
Tupinambis merianae
15
Tupinambis teguixim
• Família Agamidae
• Maior parte dos lagartos
do Velho Mundo
• Dragões
• Dragão barbado
• 30 – 60 cm
• Insetos, vegetais,
pequenos mamíferos e
lagartos
• Solitário
• Diurno
16
• Família Gekkonidae
• Mais de 1000
espécies
• Pequenos ou médios
• Vocalização típica
• Noturnos ou diurnos e
arborícolas
• insetívoros
• Aderência dos pés
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Gecko-leopardo
20-25 cm (cativeiro 15 cm)
Lagartos e invertebrados
Solitário
Noturno
Terrestres
Ambiente árido,desértico,
semi-árido
Irã, iraque, Afeganistão,
Paquistão, noroeste Índia
Dedos não aderentes
Presença de pálpebras
17
•
•
•
•
Gecko gecko (Tokay gecko)
Tamanho grande (20-40 cm)
Noturno
Noroeste da Índia, Ásia, Indonésia e Nova
Guiné
• Florestas tropicais
• Insetos e pequenos vertebrados
• Família Scincidae
• Lagarto de língua
azul
• Austrália
• Onívoro
• Diurnos e terrestres
• vivíparos
18
Serpentes
•
-
Mais comuns:
Família Boidae*
Família Colubridae*
Família Elapidae
Família Viperidae
Boidae
• Serpentes constrictoras
• Populares como “pets” devido à docilidade
• Inclue serpentes gigantes
(anacondas e piton reticulada)
• Boas
- vivíparas
- Américas Norte, Central e Sul
• Pitons
- ovíparas
- África, Ásia e Australia
19
Colubridae
• 70% das espécies de serpentes (1700 sp)
• Distribuição mundial (exceto Australia)
• Comuns na América do Norte
20

Documentos relacionados

Reprodução e desenvolvimento - Prof. Daniel Oliveira Mesquita

Reprodução e desenvolvimento - Prof. Daniel Oliveira Mesquita Maioria tem os dois sexos Maioria tem gametas masculinos e femininos Maior parte da nutrição do feto está no ovo Machos e fêmeas tem investimento parental desigual

Leia mais