lista 02

Сomentários

Transcrição

lista 02
HISTÓRIA
PROFESSOR
VICTOR CRETI
1
Questão 01 - (FGV/2016)
A partir do século XV, com o périplo africano, a exploração do litoral da África permitiu que
os portugueses estabelecessem feitorias e intensificassem suas atividades mercantis. A
respeito das atividades comerciais que se desenvolviam no continente africano a partir do
século XV, assinale a afirmação correta.
a) As rotas internas da África só se articularam ao circuito mercantil do Mediterrâneo com
a expansão marítima e com a transposição do Cabo das Tormentas.
b) As rotas saarianas haviam sido intensificadas com a expansão islâmica e articularamse ao processo de expansão comercial que envolveu também as rotas asiáticas de
especiarias.
c) As rotas africanas do Saara foram interrompidas com o périplo português, que ampliou
e acelerou o escoamento dos produtos do interior do continente.
d) O comércio interno do continente africano baseavase no tráfico de escravos e no
escravismo, sistema de exploração e venda de seres humanos, criado na África.
e) As atividades mercantis africanas dependiam do trânsito de mercadorias de luxo vindas
da Ásia, dado que o continente africano não produzia esse tipo de mercadoria.
TEXTO: 1 - Comuns às questões: 2, 3
(...) os mitos e o imaginário fantástico medieval não foram subitamente subtraídos da
mentalidade coletiva europeia durante o século XVI. (...) Conforme Laura de Mello e Sousa,
“parece lícito considerar que, conhecido o Índico e desmitificado o seu universo fantástico,
o Atlântico passará a ocupar papel análogo no imaginário do europeu quatrocentista”.
(VILARDAGA, José Carlos. Lastros de viagem: expectativas,
projeções e descobertas portuguesas no Índico (1498- 1554). São Paulo: Annablume, 2010, p. 197)
Questão 02 - (PUCCamp SP/2016)
Se no século XVI a presença de mitos e do imaginário fantástico se fazia notar nas artes e
na literatura europeia, como em Os Lusíadas, de Camões, no Brasil isso não ocorria
porque
a) as tendências literárias mais sistemáticas no país privilegiavam as formas clássicas.
b) predominava entre nós a inclinação para as teses do Indianismo.
c) nossas manifestações literárias consistiam em descrições informativas e textos
religiosos.
d) os jesuítas opunham-se a qualquer divulgação de literatura calcada em mitos pagãos.
e) não era do interesse do colonizador permitir a difusão da alta cultura europeia entre
nós.
Questão 03 - (PUCCamp SP/2016)
O imaginário que povoou as crenças dos viajantes no contexto da expansão marítima
europeia pressupunha a
a) presença de perigos mortais advindos de forças sobrenaturais no então denominado
Mar Sangrento ou Vermelho em função do número de tragédias que ocorriam durante
sua travessia.
2
b) certeza de que o chamado Mar Oceano se conectava ao Pacífico, por meio de uma
passagem que posteriormente seria nomeada como Estreito de Gibraltar.
c) existência de monstros marinhos, ondas gigantescas e outros tipos de ameaça no
chamado Mar Tenebroso, como era conhecido o Atlântico.
d) dúvida em relação à possibilidade de circunavegação da terra, pois a primeira volta
completa ao mundo só ocorreu no final do século XVI, quando Colombo prosseguiu em
sua busca de uma rota para as Índias.
e) necessidade de que em toda expedição houvesse um padre e um grande crucifixo,
artifícios que impediriam qualquer ameaça durante a travessia, inclusive epidemias
como o escorbuto, causadas pela falta de higiene.
Questão 04 - (Fac. Direito de Sorocaba SP/2016)
O mundo convulsionado e agonizante que se desestruturou a partir do século XIV foi o que
se lançou à procura de novos mercados, deixando-se enredar por um misto de atração e
pânico do desconhecido, ora tecendo considerações positivas (edênicas), ora negativas
(demoníacas) sobre as terras que se iam desvendando ante seus olhos.
(Laura de Mello e Souza, O diabo e a Terra de Santa Cruz. Adaptado)
A partir das afirmações da historiadora, é correto inserir a expansão marítima no contexto
de
a) retrocesso tecnológico, devido às superstições da Idade Média, que impediam o
processo criativo.
b) aceitação da diversidade cultural, incluindo o politeísmo dos indígenas, graças à
Reforma Protestante.
c) abandono da mentalidade clássica, marcada pelo fanatismo, em função da hegemonia
da burguesia.
d) transição dos valores religiosos medievais para a Modernidade, em meio às novidades
técnicas.
e) intenso racionalismo, por influência dos filósofos iluministas, que desencadeou a
revolução científica.
Questão 05 - (FAMEMA SP/2016)
De fato, apesar da relativa igualdade em termos estratégicos e tecnológicos, os
europeus contavam com uma arma muito mais potente que as armas de fogo: as doenças
contagiosas. Assim como em outras partes do Novo Mundo no século XVI, os contágios
surtiram efeito devastador no litoral brasileiro.
(John Manuel Monteiro. Negros da terra, 1994. Adaptado.)
O historiador identifica um fator que favoreceu
a)
b)
c)
d)
e)
a hegemonia portuguesa nas rotas do tráfico negreiro.
a colonização de povoamento na América hispânica.
o processo de conquista do interior nas colônias inglesas.
o domínio europeu sobre os povos pré-colombianos.
a organização das Cruzadas contra os infiéis.
3
TEXTO: 2 - Comum à questão: 6
Os diários, as memórias e as crônicas de viagens escritas por marinheiros,
comerciantes, militares, missionários e exploradores, ao lado das cartas náuticas, seriam
as principais fontes de conhecimento e representação da África dos séculos XV ao XVIII.
A barbárie dos costumes, o paganismo e a violência cotidiana foram atribuídos aos
africanos ao mesmo tempo em que se justificava a sua escravização no Novo Mundo. A
desumanização de suas práticas serviria como justificativa compensatória para a
coisificação dos negros e para o uso de sua força de trabalho nas plantations da América.
Questão 06 - (UNESP SP/2016)
(Regina Claro. Olhar a África, 2012. Adaptado.)
A partir do texto, é correto afirmar que a dominação europeia da África, entre os séculos XV
e XVIII,
a) derivou prioritariamente dos valores do islamismo, aprisionando os corpos dos
africanos para, com o sacrifício, salvar suas almas.
b) foi um esforço humanitário, que visava libertar povos oprimidos por práticas culturais e
hábitos pré-históricos e selvagens.
c) baseou-se em avanços científicos e em pressupostos liberais, voltados à eliminação de
preconceitos raciais e sociais.
d) sustentou-se no comércio e na construção de um imaginário acerca do continente
africano, que legitimava a ideia de superioridade europeia.
e) fundamentou-se nas orientações dos relatos de viajantes, que mostravam fascínio e
respeito pelas culturas nativas africanas.
TEXTO: 3 - Comuns às questões: 7, 8
É o comércio que os interessa [aos europeus que vêm para a América, a partir do século
XV], e daí o relativo desprezo por este território primitivo e vazio que é a América; e
inversamente, o prestígio do Oriente, onde não faltava objeto para atividades mercantis. [...]
Os problemas de novo sistema de colonização, envolvendo a ocupação de territórios
quase desertos e primitivos, terão feição variada, dependendo em cada caso das
circunstâncias particulares com que se apresentam. A primeira delas será a natureza dos
gêneros aproveitáveis que cada um daqueles territórios proporcionará.
Questão 07 - (Famerp SP/2015)
(Caio Prado Júnior. Formação do Brasil contemporâneo, 1987.)
É possível afirmar que a chegada dos europeus à América, a partir do século XV, deve ser
analisada à luz
a) das preocupações econômicas europeias e da reorganização das rotas marítimas, que
provocou uma ampliação significativa dos empreendimentos mercantis.
b) dos esforços europeus para imediato povoamento e ocupação dos novos territórios, a
fim de permitir o início dos intercâmbios mercantis.
c) das dificuldades demográficas que a Europa atravessava, com a redução abrupta da
população e o aumento da oferta de trabalho.
d) dos problemas sociais e políticos que as coroas europeias enfrentavam, devido ao
crescimento do movimento operário e ao agravamento das disputas dinásticas.
e) da abundância de especiarias e alimentos na Europa, que obrigava os países a se
aventurarem em busca de novos mercados consumidores.
4
Questão 08 - (Famerp SP/2015)
A afirmação de que as primeiras preocupações de explorar bens da colônia variaram de
acordo com “a natureza dos gêneros aproveitáveis que cada um daqueles territórios
proporcionará” pode ser exemplificada, no caso do Brasil,
a)
b)
c)
d)
e)
pela agricultura exportadora, estabelecida no Sudeste.
pelo extrativismo vegetal, nas regiões costeiras da colônia.
pela agricultura de subsistência, estabelecida em todo o litoral.
pela utilização imediata de mão de obra escrava, vinda da África.
pelo extrativismo mineral, nas áreas centrais da colônia.
Questão 09 - (Mackenzie SP/2015)
Durante o século XV, a Europa experimentou o início de uma expansão marítima, que é um
marco no início da europeização do mundo. Entre os motivos que levaram os portugueses
a buscarem a Expansão Marítima, podemos apontar
a) a queda de Constantinopla para o império turco otomano, em 1453, levando os países
católicos a buscarem um novo caminho que os conduzissem à Terra Santa.
b) o crescimento da circulação monetária e a consequente estabilização dos preços, na
época, permitindo o acúmulo de que passou a ser investido nas empreitadas
marítimas.
c) o fortalecimento do poder dos monarcas europeus, que passaram a governar em
caráter absolutista e centralizaram todas as decisões do Estado em suas mãos.
d) a consolidação do sistema de manufaturas controladas pelas grandes corporações de
ofício, que passaram a financiar a Expansão Marítima em busca de novos mercados
consumidores.
e) a necessidade da expansão comercial, que aumentaria os poderes do rei, manteria os
privilégios da nobreza e elevaria os lucros da burguesia, pois o controle comercial do
Mediterrâneo pertencia aos italianos.
Questão 10 - (UECE/2015)
Acerca do projeto de expansão marítima dos portugueses, que resultou na chegada às
terras americanas no século XVI, é INCORRETO afirmar que
a) atendia aos interesses de diversos grupos sociais e instituições, visto que era oferecida
uma saída para a retração econômica que Portugal vivenciava.
b) recebeu o apoio financeiro da nobreza e da burguesia, interessadas na exploração de
outras terras e na expansão do comércio.
c) conquistou o apoio dos segmentos médios da sociedade portuguesa que, desejosos de
encontrar novas fontes de renda, pretendiam mudar-se para as novas terras.
d) recebeu o apoio da Igreja que sonhava em conquistar novos fiéis e empreender seu
trabalho de catequese em territórios virgens.
5
Questão 11 - (UECE/2015)
A compreensão cristã do encontro dos portugueses com os primeiros habitantes da
América teve forte conotação maniqueísta: de um lado estava o bem, simbolizado pelos
europeus na sua suposta busca pelo paraíso; de outro, o mal, representado pelos
indígenas e suas práticas diabólicas.
Analise as afirmações abaixo acerca dessa compreensão.
I.
Tal compreensão foi alimentada por considerações imprecisas de alguns viajantes que
classificavam de “demoníacas” certas práticas culturais dos povos americanos.
II. A leitura das práticas dos povos americanos pelos europeus aliou a ideia da conquista
de novas terras com o desejo de levar a palavra de Deus àquelas criaturas
“demonizadas”.
III. O pensamento cristão português dissociava-se das ideias e políticas expansionistas;
desse modo, a propagação da fé era desvinculada da empresa marítima.
É correto o que se afirma em
a)
b)
c)
d)
I, II e III.
II e III apenas.
I e III apenas.
I e II apenas.
Questão 12 - (UNCISAL AL/2015)
A contestação francesa ao Tratado de Tordesilhas teve no monarca Francisco I o mais
veemente representante. Em 1540 chegou a dizer que “‘o sol brilhava tanto para ele como
para os outros’ e que ‘gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma este
dividira o mundo...’ Declarou também que só a ocupação criava o direito, que descobrir um
país, isto é, vê-lo ou atravessá-lo, não constituía um ato de posse e que considerava como
domínio estrangeiro unicamente ‘os lugares habitados e defendidos’. São essas as bases
da colonização moderna”.
MOUSNIER, Roland. História Geral das Civilizações. Tomo IV Os Séculos
XVI e XVII. Tomo IV. 2 Volumes. São Paulo: Diofel, 1958.
A crítica feita por Francisco I ao Tratado de Tordesilhas baseia-se
a) no uso da força, previsto no Tratado, como forma de efetivar a ocupação das novas
terras a serem descobertas.
b) na existência de documento papal, nunca trazido a público,que determinava em
testamento a divisão do mundo.
c) no fato de apenas países europeus terem direito às terras, deixando de fora os países
árabes do norte da África.
d) na divisão das terras ocidentais entre Portugal e Espanha, sem levar em consideração
as demais nações europeias.
e) na possibilidade de qualquer país ocupar novas terras, desde que as ocupasse de fato
segundo as regras do Tratado.
6
Questão 13 - (UNESP SP/2015)
Que significa o advento do século XVI? [...] Se essa passagem de século tem hoje um
sentido para nós, um sentido que talvez não tinha nos séculos anteriores, é porque vemos
que aí é que surgem as primícias da globalização. E essa globalização é mais que um
processo de expansão de origem ibérica, mesmo se o papel da península foi dominante.
[...] Em 1500, ainda estamos bem longe de uma economia mundial. No limiar do século
XVI, a globalização corresponde ao fato de setores do mundo que se ignoravam ou não se
frequentavam diretamente serem postos em contato uns com os outros.
(Serge Gruzinski. A passagem do século: 1480-1520, 1999.)
O texto
a) defende a ideia de que a expansão marítima dos séculos XV e XVI tenha provocado a
globalização, pois tal expansão eliminou as fronteiras nacionais.
b) rejeita a ideia de que a expansão marítima dos séculos XV e XVI tenha provocado a
globalização, pois muitos povos do mundo se desconheciam.
c) identifica a expansão marítima dos séculos XV e XVI com o atual contexto de
globalização, destacando, em ambos, a completa internacionalização da economia.
d) compara a expansão marítima dos séculos XV e XVI com o atual contexto de
globalização, demonstrando o papel central, em ambos, dos países ibéricos.
e) relaciona a expansão marítima dos séculos XV e XVI com o atual contexto de
globalização, ressalvando, porém, que são processos históricos distintos.
Questão 14 - (USP/2015)
O período histórico conhecido como “Era das Grandes Navegações” traria forte impacto na
história europeia: por exemplo, com a inclusão do continente americano nos novos mapasmúndi, com o estabelecimento de contatos com populações e culturas até então ignoradas
pelos europeus e com o conhecimento de novos elementos de fauna e flora. No entanto, as
atitudes dos europeus, perante o mundo, permaneceriam as mesmas em muitos outros
aspectos, como, por exemplo, com
a) o poder absoluto da burguesia, os saques e a apropriação de terras na própria Europa
e a prevalência de um catolicismo reformado a romper com suas matrizes judaicas.
b) o desinteresse por quaisquer sociedades consideradas bárbaras, o forte corporativismo
político a unir diferentes Estados europeus contra ameaças externas ao continente e a
crença na capacidade de liderança
espiritual da Igreja Romana.
c) o atraso tecnológico de seu continente em relação aos povos árabes e ao extremooriente, o poder onipresente da Igreja de origem medieval e a pluralidade religiosa a
harmonizar católicos e protestantes.
d) a concepção de superioridade da Europa em relação às demais culturas, o interesse
em explorar comercialmente outras partes do mundo e a intolerância diante de
quaisquer formas de religiosidade não cristãs.
e) a manutenção de ambientes culturais refratários à democratização da educação, o
poder absoluto da Igreja e os conflitos internos regionalistas e nacionalistas.
7
Questão 15 - (FATEC SP/2015)
Sobre as Grandes Navegações Portuguesas e seus desdobramentos históricos, é correto
afirmar que
a) esse contexto é fruto do processo revolucionário comandando pelo presidente Antônio
Salazar, que, posteriormente, utilizou as terras descobertas no além-mar para exilar
seus opositores políticos.
b) Portugal, interessado nas especiarias orientais, cujo comércio era controlado pelos
mercadores italianos e árabes, procurou novas rotas para atingir as Índias e eliminar
esses intermediários.
c) a fragmentação política do reino, consequência da Revolução de Avis, ocorrida em
1385, atrasou em pelo menos dois séculos o desenvolvimento das condições
necessárias para a realização das primeiras viagens.
d) Portugal foi o último reino europeu a se lançar na aventura das viagens marítimas,
devido, principalmente, a uma grande crise econômica, o que impediu o
desenvolvimento da tecnologia necessária para as travessias oceânicas.
e) os portugueses, impulsionados pela concorrência da economia da Inglaterra, optaram
por tomar posse da sua colônia americana, o Brasil, e iniciar a produção do algodão
que iria abastecer os mercados internacionais no século XVI.
Questão 16 - (UNIFOR CE/2015)
No século XII, na região da atual Cordilheira dos Andes, em especial nos territórios da
Bolívia e Peru, diversos grupos quíchuas se reuniram, construindo a cidade de Cuzco. De
qual civilização pré-colombiana o texto acima se refere?
a)
b)
c)
d)
e)
Guarani
Poti
Asteca
Maia
Inca
Questão 17 - (Unemat MT/2015)
“Tenochtitlán, uma cidade de canais, praças e mercados, pirâmides, templos, palácios,
lojas e residências, que começou numa ilha no lago Texcoco e estendeu-se para as praias
mais próximas com as quais se comunicava por estradas. Na época da conquista
espanhola, ela era uma orgulhosa metrópole de 200 mil habitantes, tão soberba que o
conquistador Bernal Diaz del Castillo registrou que mesmo ‘aqueles que estiveram em
Roma ou Constantinopla dizem que em termo de conforto, regularidade e população nunca
viram algo semelhante’”.
(PINSKY, Jaime et al. História da América através de textos. 3. ed. São Paulo: Contexto, 1991. Adaptado).
A cidade de Tenochtitlán era o centro de qual Império?
a)
b)
c)
d)
e)
Inca.
Asteca.
Maia.
Tolteca.
Tupinambá.
8
Questão 18 - (UEPA/2015)
Os conquistadores espanhóis dos povos da América Pré-Colombiana adaptaram as formas
de exploração do trabalho indígena, antes praticadas nos impérios Asteca e Inca (mita,
yanacona, coatequitl), aos interesses mercantilistas europeus. Isto foi possível em razão
da:
a) aliança firmada entre os conquistadores e os governantes locais em torno da
administração partilhada da força de trabalho.
b) servidão estatal vigente entre povos précolombianos corresponder à condição de
servidão que se impunha aos camponeses europeus no século XVI.
c) manutenção parcial da hierarquia preexistente nas sociedades ameríndias combinada
à exploração do trabalho de camponeses e servos do estado.
d) incompatibilidade da introdução de formas modernas de produção entre os povos
ameríndios, habituados ao trabalho compulsório.
e) abolição das formas tradicionais de exploração do trabalho e imposição de modernas
relações de produção.
Questão 19 - (IFSC/2015)
Os habitantes da América foram chamados de índios pelos europeus passando a ideia de
que era um povo único e homogêneo. Acontece que os diversos povos précolombianos são
muito diferentes uns dos outros variando desde a civilização Asteca até os Jês do Brasil.
Os antropólogos adotam critérios para classificar as tribos de acordo com alguns elementos
culturais.
Assinale a alternativa CORRETA.
a) Os primeiros europeus que chegaram à América estavam certos pois as pesquisas
realizadas pelos antropólogos confirmaram a homogeneidade do povo, do norte ao sul,
que habitava a região que foi chamada de América.
b) Hoje os antropólogos preferem classificar os povos indígenas de acordo com os
idiomas que falam, com base em troncos linguísticos estabelecidos após rigorosas
pesquisas.
c) As pesquisas arqueológicas realizadas no Brasil no século XX confirmaram queos
povos que habitam o país têm a mesma cultura quanto à organização política, aos ritos
religiosos e às regras sociais.
d) Não é possível saber como viviam os povos indígenas do Brasil antes da chegada de
Pedro Álvares Cabral porque esses grupos não dominavam a escrita.
e) Quando os portugueses chegaram ao Brasil, nenhuma tribo que aqui vivia sabia
cultivar alimentos nem dominavam a técnica da cerâmica, sobrevivendo apenas da
coleta daquilo que a natureza oferecia
Questão 20 - (UNICAMP SP/2014)
Desde o período neolítico os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas
agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats e do conhecimento
adquirido e transmitido entre os membros da comunidade.
Assinale a alternativa que estabelece corretamente a relação entre o povo habitante de
uma determinada área, o sistema produtivo por ele desenvolvido, as condições naturais
aproveitadas e os produtos cultivados.
9
a) Egípcios; uso da irrigação e drenagem; planícies úmidas e férteis dos rios Tigres e
Eufrates; arroz e café.
b) Incas; uso de terraços com técnicas de curvas de nível e irrigação de vales;
aproveitamento dos altiplanos andinos; batata e milho.
c) Chineses; uso intensivo dos terraços das altas montanhas; planalto de Anatólia no
extremo leste da Ásia; café e cacau.
d) Mesopotâmicos; uso de cultivos de inundação e de regadio; vales férteis dos rios
Ganges e Amarelo; cana-de-açúcar e feijão.
GABARITO:
1) Gab: B
2) Gab: C
3) Gab: C
4) Gab: D
5) Gab: D
8) Gab: B
9) Gab: E
10) Gab: C 11) Gab: D 12) Gab: D 13) Gab: E
15) Gab: B
16) Gab: E
17) Gab: B
18) Gab: C 19) Gab: B
6) Gab: D
20) Gab: B
7) Gab: A
14) Gab: D
www.visaoensino.com.br