direção artística luísa taveira

Сomentários

Transcrição

direção artística luísa taveira
DIREÇÃO ARTÍSTICA
LUÍSA TAVEIRA
BG
Março
dias 12, 13, 14,
19, 20, 21, 26, 27
e 28 às 21h
dias 15, 22 e 29
às 16h
Escolas
18 de março às 15h
PROGRAMA DE HOMENAGEM AO
BALLET GULBENKIAN
EM ASSOCIAÇÃO COM A FUNDAÇÃO
CALOUSTE GULBENKIAN
TREZE GESTOS DE
UM CORPO
OLGA RORIZ
SERÁ QUE É UMA
ESTRELA?
VASCO
WELLENKAMP
A FUNDAÇÃO EDP
É MECENAS PRINCIPAL DA COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO
E MECENAS EXCLUSIVO DA DIGRESSÃO NACIONAL
O Ballet Gulbenkian é memória
inextinguível da arte e, em particular,
da dança em Portugal. Evocar o
seu repertório e individualidades
indissociáveis da sua história é a
homenagem que a CNB lhe presta.
TWILIGHT
HANS VAN MANEN
MINUS 16
OHAD NAHARIN
Será que é uma Estrela?
Andreia Mota
Ensaio de palco
NOS 50 ANOS
DA CRIAÇÃO
DO BALLET
GULBENKIAN
¯¯¯
¯¯¯
¯¯¯
¯¯¯
TRAZER A
HISTÓRIA
PARA PERTO
¯¯¯ Cristina Peres,
¯¯¯ Março 2015
Mensagem da Fundação Calouste
Gulbenkian
Artur Santos Silva,
Fevereiro 2015
Foi com todo o interesse que a Fundação Calouste
Gulbenkian decidiu apoiar a justificada iniciativa da
Companhia Nacional de Bailado de apresentar no ano
de 2015 um programa de homenagem ao Ballet Gulbenkian, assinalando a passagem dos 50 anos sobre a
criação deste agrupamento artístico.
Este gesto, apresentando coreografias que marcaram
de forma indelével o percurso do Ballet Gulbenkian
bem como a estreia de uma obra cujo autor manteve
uma estreita ligação com a Companhia, permite revisitar uma memória que constitui uma parte integrante do
património artístico nacional.
Com esta associação, a Fundação Calouste Gulbenkian
pretendeu também significar um sentido reconhecimento a todos aqueles que, a título individual ou de
forma coletiva, contribuíram e contribuem hoje com a
sua dedicação, como o fez no passado o Ballet Gulbenkian, para a difusão e o desenvolvimento da Dança
em Portugal. —
A distância a que nos encontramos de um certo período histórico e do conjunto da produção artística que
nele aconteceu determina o modo como nos situamos
perante o repertório. Aquele que já tiver sido classificado como clássico resolve-nos o problema da comparação porque aceitamos só dele conhecer versões.
Inversamente, quanto mais próximo ele está de nós,
mais o julgamos por intermédio de uma espécie de
sentido de propriedade personalizado, que nos leva a
incluir no juízo a medida da nossa relação de contemporaneidade com ele.
O repertório que nos é contemporâneo beneficia menos
da rarefação dos critérios próprios da época em que foi
apresentado pela primeira vez ao público. Porém, em paralelo, a avaliação que fazemos dele está também dependente daquilo que se alterou entretanto na nossa faculdade de julgar por ação do que constituiu entretanto novidade. E porque o tempo não pára, as distâncias relativas a
que nos encontramos dessas obras representam, em si,
oportunidades de reflexão sobre o lugar que ocupam na
nossa apreciação do conjunto alargado do repertório que
fomos conhecendo, de que nos fomos apropriando e, desse modo, incluindo no nosso arquivo pessoal.
Estes dois parágrafos servem para nos determos sobre
um privilégio que nos é oferecido pelas companhias de
repertório e que não deveríamos tomar por garantido.
Como uma coleção de peças coreográficas só ganha
vida ao ser interpretada, um espetáculo de homenagem como o que Companhia Nacional de Bailado
agora propõe, leva-nos necessariamente a repescar
“matéria” do nosso património pessoal para nos reencontrarmos com elas. Talvez estas quatro peças juntas
nos levem até a refletir sobre o lugar onde elas foram
por nós guardadas no espaço do nosso património individual das artes. Na verdade, isto não acontece porque esse nosso “material pessoal” esteja diretamente
implicado nestas peças que compõem o programa
deste espetáculo, mas porque esse “material” reage
à nossa relação com as coreografias, na medida em
que é convocado a passar de novo por um quadro de
referenciação significativo.
O espólio artístico do Ballet Gulbenkian pode ser inextinguível, porém a sua atualização depende de oportunidades como a que oferece este presente programa
de homenagem. Neste sentido, o facto de ele ser dançado pelos bailarinos da CNB atualiza-o, já que é desse modo que a dança existe de cada vez que é feita:
sendo dançada. Ao mesmo tempo, a interpretação das
peças pelos bailarinos da CNB insufla-lhes uma nova
existência efémera. E fá-lo reforçada por uma nova
criação encomendada pela CNB a Vasco Wellenkamp,
um coreógrafo que sela a ligação entre as duas companhias. É da sua autoria uma das linguagens coreográficas e cénicas significativas do Ballet Gulbenkian e
Wellenkamp foi diretor artístico da CNB em anos mais
recentes.
A história do Ballet Gulbenkian e do seu impacto no
tecido artístico nacional não está fechada nem se resume em quatro peças de outros tantos coreógrafos.
Ao homenagear o Ballet Gulbenkian em associação
com a Fundação Calouste Gulbenkian a CNB põe simultaneamente à disposição dos seus bailarinos mais
uma coleção de material coreográfico de qualidade
irrepetível, enriquecendo o seu património individual
com a oportunidade de o reverem e de, através da sua
interpretação, sublinharem hoje as mais finas qualidades dos produtos da imaginação de Olga Roriz, Vasco
Wellenkamp, Hans van Manen e Ohad Naharin, no
contexto daquilo que a CNB é hoje.
Do ponto de vista formal, estas quatro peças são assinadas por coreógrafos representativos do repertório do
Ballet Gulbenkian. Olga Roriz e Vasco Wellenkamp em
particular nos anos 80 e 90. Ohad Naharin chegou nos
últimos anos da companhia e as suas peças passaram
a ter apresentação assídua, e Hans van Manen, um
dos autores que terá sido mais dançado ao longo dos
40 anos da companhia. Se quisermos, teremos neste
“BG” um conjunto de visões diferentes da contemporaneidade, à altura do que foi um dos traços distintivos
do Ballet Gulbenkian, em especial a partir dos anos 70.
A nova criação de Wellenkamp – Será que é uma Estrela? conta com a cumplicidade artística entre a sua
linguagem coreográfica e a voz da cantora Maria João
interpretando música de autores brasileiros. Treze Gestos de um Corpo fazia já parte do repertório da CNB e
é uma coreografia que ilustra um traço da companhia
na época em que Olga Roriz compunha para ela numa
linguagem vigorosa pautada por uma dramaturgia de
movimento. Se quisermos, Minus 16 pertence também
a essa lógica com aquilo que é próprio ao vocabulário
de Ohad Naharin. O dueto Twilight de Hans van Manen
tem a tessitura coreográfica composta a partir da interação de um homem e uma mulher, um pas-de-deux
que fornece material de dança à altura dos melhores
intérpretes como o foram, no Ballet Gulbenkian, Graça
Barroso e Isabel Queiroz. A homenagem a estas duas
bailarinas é também intenção expressa da CNB. —
Twilight
Barbora Hruskova e Carlos Pinillos
Ensaio de palco
TREZE GESTOS
DE UM CORPO
Olga Roriz
coreografia
António Emiliano
música
Nuno Carinhas
cenografia e figurinos
Orlando Worm
desenho de luz
Carlos Pinillos
assistente da coreógrafa
Ana Lacerda
ensaiadora
Estreia mundial
Ballet Gulbenkian,
Lisboa, Grande Auditório
Gulbenkian, 25 de março
de 1987
Estreia pela CNB
Lisboa, Teatro Camões,
8 de março de 2007
OLGA RORIZ
COREOGRAFIA
—
Olga Roriz, natural de Viana do Castelo teve como formação
artística na área da Dança o curso da Escola de Dança do
Teatro Nacional de S. Carlos, com Ana Ivanova, e o curso
da Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa.
Em 1976 ingressou no elenco do Ballet Gulbenkian, sob a
direção de Jorge Salavisa, permanecendo até 1992, tendo sido
primeira bailarina e coreógrafa principal. Em maio de 1992
assumiu a direção artística da Companhia de Dança de Lisboa.
Em fevereiro de 1995 fundou a Companhia Olga Roriz, da qual
é diretora e coreógrafa. O seu reportório na área da dança,
teatro e vídeo é constituído por mais de 90 obras, onde se
destacam as peças Treze Gestos de um Corpo, Isolda, Casta
Diva, Pedro e Inês, Paraíso, Electra, Nortada e A Sagração
da Primavera. Criou e remontou peças para um vasto número
de companhias nacionais e estrangeiras entre elas o Ballet
Gulbenkian e Companhia Nacional de Bailado (Portugal), Ballet
Teatro Guaira (Brasil), Ballets de Monte Carlo (Mónaco), Ballet
Nacional de Espanha, English National Ballet (Reino Unido),
American Reportory Ballet (E.U.A.), Maggio Danza e Alla Scala
(Itália). Internacionalmente os seus trabalhos foram apresentados nas principais capitais Europeias, assim como nos E.U.A.,
Brasil, Japão, Egito, Cabo Verde, Senegal e Tailândia. Tem um
vasto percurso de criação de movimento para o teatro e ópera.
Na área do cinema realizou três filmes, Felicitações Madame,
A Sesta e Interiores. Várias das suas obras estão editadas em
DVD pela produtora Real Ficção, realizadas por Rui Simões.
Uma extensa biografia sobre a sua vida e obra foi editada em
2006, pela Assírio&Alvim, com texto de Mónica Guerreiro.
Desde 1982 Olga Roriz tem sido distinguida com relevantes
prémios nacionais e estrangeiros. Entre eles destacam-se o
1º Prémio do Concurso de Dança de Osaka-Japão (1988),
Prémio da melhor coreografia da revista londrina Time-Out
(1993), Prémio Almada (2004), Condecoração com a insígnia da
Ordem do Infante D. Henrique – Grande Oficial pelo Presidente
da República (2004), Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de
Autores e Mileniumbcp (2008), Prémio da Latinidade (2012). —
Será que é uma Estrela?
Miguel Ramalho
Ensaio de palco
SERÁ QUE É
UMA ESTRELA?
Vasco Wellenkamp
coreografia
Liliana Mendonça
figurinos
Estreia mundial
Companhia Nacional
de Bailado,
Lisboa, Teatro Camões,
12 de março de 2015
VASCO WELLENKAMP
COREOGRAFIA
MARIA JOÃO
VOZ
JOÃO FARINHA
PIANO
—
—
—
Vasco Wellenkamp ingressou, em 1968, no Ballet Gulbenkian.
Maria João construiu uma surpreendente e brilhante carreira,
João Farinha, músico e compositor português, inicia os seus
De 1973 a 1975 foi bolseiro do Ministério da Educação em Nova
pautada pela participação nos mais conceituados festivais de
estudos aos impensáveis 19 anos, em Lisboa, para grande
Iorque, na Escola de Dança Contemporânea de Martha Graham.
jazz da Europa e do mundo. Um percurso iniciado na Escola de
apreensão dos seus pais. Passa por algumas escolas de música
Ainda em Nova Iorque frequentou o curso de composição
Jazz do Hot Clube de Portugal e que, em poucos anos, extrapo-
como o Hot Clube de Portugal (Filipe Melo), a Academia de
coreográfica de Merce Cunningham e trabalhou com Valentina
lou fronteiras, fazendo de Maria João uma das poucas cantoras
Amadores de Música (Alexandre Diniz, Mário Delgado) e o
Pereyslavec, no American Ballet Theatre. Em 1978, como bolsei-
portuguesas aclamadas no estrangeiro. Possuidora de um estilo
Prins Claus Conservatorium da Holanda (Marc Van Roon) onde
ro da Fundação Gulbenkian, frequentou o curso para coreógra-
único, tornou-se num ponto de referência no difícil e competitivo
contacta com músicos de todo o mundo. Em 2008 cruza-se com
fos e compositores da Universidade de Surrey, em Inglaterra.
campo da música improvisada. Uma capacidade vocal notável
a cantora Maria João com quem descobre ter grande afinidade
Vítor José
desenho de luz
CANÇÕES
De 1977 a 1996 desempenhou as funções de coreógrafo resi-
e uma intensidade interpretativa singular valeram-lhe não só o
musical e com quem começa a apresentar-se profissionalmen-
Eu sei que vou te amar
dente, professor de Dança Moderna e ensaiador do Ballet
reconhecimento internacional, como a figuração na galeria das
te. Através destes concertos com a cantora tem a oportunidade
Maria João
voz
(Tom Jobim / Vinicius de
Gulbenkian. Em 1975 foi nomeado professor de Dança Moderna
melhores cantoras da atualidade. Unânimes no aplauso, crítica
de tocar dentro e fora do país (Itália, França, Espanha, Grécia,
Moraes);
da Escola de Dança do Conservatório Nacional e, em 1983,
e público nomearam-na “uma voz levada às últimas consequên-
Chile), em reputadas salas portuguesas como o Centro Cultu-
Eu te amo (Tom Jobim /
professor coordenador da Escola Superior de Dança de Lisboa.
cias”, declarando-a “uma cantora que não para de evoluir”.
ral de Belém, a Gulbenkian ou o Hot Clube de Portugal e com
Chico Buarque);
Vasco Wellenkamp coreografou no Brasil para o Ballet do Teatro
Para além da sua parceria com Mário Laginha, gravou em nome
alguns músicos de topo da cena jazz portuguesa como Júlio
Beatriz (Edu Lobo / Chico
Municipal de São Paulo, o Ballet de Niterói, a Cia. Cisne Negro
próprio: Sol, João, disco dedicado ao cancioneiro popular do
Resende, Joel Silva (cúmplices companheiros do projeto OGRE)
Buarque).
e o Ballet Guaíra, na Argentina para o Ballet Contemporâneo
Brasil, Amoras e Framboesas com a Orquestra Jazz de Mato-
e também Mário Delgado, Carlos Barretto, Bernardo Moreira e
do Teatro San Martin, na Inglaterra, para o Extemporary Dance
sinhos e Electrodoméstico com o OGRE, o seu mais recente
Bruno Pedroso. —
Theater, o Dance TheaterComune e a Companhia Focus On, na
projeto entre muitas outras participações. A nível internacional
Suíça para o Ballet du do Grand Theatre de Gèneve, na Itália
trabalhou com prestigiados nomes da música, tais como Aki
para o Balletto di Toscana, na Croácia para o Teatro da Ópera
Takase, Bobo Stenson, Christof Lauer, Gilberto Gil, Joe Zawinul,
de Zagreb, na Áustria Oper Graz. Em janeiro de 1999 criou a
Laureen Newton, Lenine, Ginga, Wolfgang Muthspiel, Trilok
Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo que dirigiu
Gurtu, Ralph Towner, Manu Katché, Saxofour, Brussels Jazz
até outubro de 2007. Foi nomeado Diretor Artístico do Festival
Orchestra, Frankfurt Big Band, entre outros, tendo ainda no seu
de Sintra, em setembro de 2003. Vasco Wellenkamp foi galar-
portfólio um dueto com Bobby McFerrin. —
João Farinha
piano
Patrícia Henriques
assistente do coreógrafo
Marta Sobreira
ensaiadora
Foi no silêncio da tua ausência que coreografei, para ti, estas
três canções de amor.
Alguns dias antes de partires, quando te peguei ao colo para te
deitar, percebi que tentavas levantar o braço para me abraçares. Ajudei-te a levantá-lo e a enlaçá-lo no meu pescoço. Pouco
tempo depois foste embora. Mais tarde, sonhei que tinhas
voltado para me dares esse abraço de despedida. Estavas ali e
o teu abraço era tão quente, tão verdadeiro, tão real. Eu, louco
de alegria, pensei que era tudo mentira e que não tinhas partido.
Pedi-te para me contares como é o outro lado da vida. Serenamente, distanciaste-te um pouco de mim e disseste: não posso
contar, meu amor, não posso. E desapareceste-me outra vez.
Esse abraço, que guardarei até ao fim dos meus dias, esteve
sempre presente nesta obra que te dedico. —
¯¯¯ Vasco Wellenkamp,
¯¯¯ Fevereiro 2015
doado, em 1996, com a medalha de ouro e o prémio para o
melhor coreógrafo, no II Concurso Internacional de Dança do
Japão, com a obra A Voz e a Paixão. Em 1994, a 10 de junho, foi
condecorado com o grau de Comendador da Ordem do Infante
D. Henrique, por sua Excelência o Senhor Presidente da República, Dr. Mário Soares. Entre 2007 e 2010 dirigiu artisticamente a Companhia Nacional de Bailado. Em novembro de 2010,
retomou o cargo de Diretor Artístico da Companhia Portuguesa
de Bailado Contemporâneo. Em 2014, a co-produção, FADO/
Ritual e Sombras, que coreografou para a CPBC e o IDT, ganhou
o primeiro prémio, na categoria “escolha do público” para a
melhor produção apresentada na Holanda. —
TWILIGHT
Hans van Manen
coreografia
John Cage
música
Jean-Paul Vroom
cenografia e figurinos
Jan Hofstra
desenho de luz
Paulo Pacheco
piano
Nathalie Caris
assistente do coreógrafo
Fátima Brito
ensaiadora
O telão de Twilight
é propriedade do
Birmingham Royal Ballet
Estreia mundial
Ballet Nacional da
Holanda, Rotterdam
Theatre, Holanda,
20 de junho de 1972
Estreia pelo Ballet
Gulbenkian
Lisboa, Grande Auditório
Gulbenkian, 24 de março
de 1979
Estreia pela CNB
Lisboa, Teatro Camões,
12 de março de 2015
HANS VAN MANEN
COREOGRAFIA
PAULO PACHECO
PIANO
—
—
Hans van Manen é natural de Amstelveen, Holanda. Estu-
Natural dos Açores, formou-se no Conservatório de Ponta
dou dança com Sonia Gaskell, Françoise Adret e Nora Kiss.
Delgada com António Teves. Concluiu a Licenciatura em Música
Iniciou a carreira profissional em 1951, no Ballet Recital de
na Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou na
Sonia Gaskell, e em 1952 no Ballet da Ópera da Holanda,
classe do pianista Miguel Henriques e música de câmara com
onde coreografou o primeiro bailado, Feestgericht, em 1957.
Olga Prats. Obteve o grau de Mestre em Artes Musicais – Piano
Após uma passagem pelos Ballets de Paris, de Roland Petit,
Performance – pela Universidade do Norte do Texas, EUA, sob
ingressou no Nederlands Dans Theater, onde trabalhou como
a orientação do eminente pedagogo Vladimir Viardo. Comple-
bailarino, coreógrafo e, de 1961 a 1971, como Diretor Artístico.
mentou os seus estudos em música de câmara no programa de
Seguiram-se dois anos como coreógrafo freelancer e, em 1973,
especialização Chamber Music Center. Presentemente, frequen-
Hans van Manen ocupou a posição de Coreógrafo Residente
ta o Doutoramento em Artes Musicais na Faculdade de Ciên-
e Mestre de Bailado no Ballet Nacional da Holanda. As suas
cias Sociais e Humanas, UNL / ESML. É detentor do 1º Prémio
coreografias têm sido apresentadas em companhias como o
de Música de Câmara – nível superior – no Prémio Jovens
Ballet de Estugarda, a Ópera de Berlim, o Ballet de Houston,
Músicos com o barítono Rui Baeta; o 3º Prémio no “Concerto
o Ballet Nacional do Canadá, Ballet da Pensilvânia, The Royal
Piano Competition MTNA”; finalista nos Concursos Helena Sá
Ballet, o Ballet Real da Dinamarca, o Ballet Scapino, a Ópera
e Costa, Nina Wideman Piano Competition e “UNT – Piano
de Viena, o Tanzforum de Colónia e a Companhia de Alvin Ailey.
Competition”. Apresentou-se a solo com as seguintes orques-
Para a Nederlands Dans Theater, à qual regressou em 1988,
tras: Sinfónica Juvenil, Metropolitana de Lisboa, Filarmonia das
van Manen criou mais de 60 bailados, sendo alguns deles:
Beiras e Nacional do Porto. Partilha o palco com o flautista Nuno
Sinfonia em 3 Andamentos, Metaphors, Five Sketches, Squa-
Inácio, desde 2004, e é membro fundador do Trio.pt, Trio Max
res, Mutations, Grosse Fugue, Opus Lemaître, Canções sem
Bruch, Trio Lisboa e Triunvirato. Colabora regularmente com a
Palavras, Andante e Fantasia. Para o Ballet Nacional da Holan-
Orchestrutópica e gravou para a Antena 2. Leciona a disciplina
da criou, entre outros, Twilight, Adágio Hammerklavier, Sagra-
de Música de Câmara na Escola Superior de Música de Lisboa
ção da Primavera, Cinco Tangos, Bits and Pieces e Three Pieces
e na Academia Nacional Superior de Orquestra. É membro da
for Het. Para o Royal Ballet, van Manen criou Four Schumann
European Chamber Music Teachers Association. —
Pieces. Ao completar 35 anos de carreira como coreógrafo, foi
armado Cavaleiro da Ordem de Orange Nassau, pela Rainha da
Holanda. Em 1993 foi-lhe também atribuído o Prémio Alemão
da Dança, pela sua influência na dança na Alemanha, durante
mais de 20 anos. Hans van Manen é também um reconhecido
fotógrafo. Em Portugal, o Ballet Gulbenkian dançou sete das
suas coreografias, entre 1978 e 1997, das quais se destacam
Canções Sem Palavras, Cinco Tangos e Grosse Fugue. Em 2003,
a CNB estreou Cinco Tangos e Solo, e nos dois anos subsequentes respetivamente Kammerballet e Sarcasm. Em 2015,
Hans van Manen tornou-se membro da Academia Holandesa
para as Artes. —
MINUS 16
Ohad Naharin
coreografia e figurinos
Bambi
desenho de luz
Erez Zohar
assistente do coreógrafo
Rui Alexandre
ensaiador
Estreia mundial
Nederlands Dans Theater II,
Lucent DansTheater, Haia,
Holanda,
11 de Novembro de 1999
Estreia pela CNB
Lisboa, Teatro Camões,
12 de março de 2015
o Ballet Gulbenkian
dançou a versão Minus 7
cujo primeiro espetáculo
ocorreu em Lisboa, Grande
Auditório Gulbenkian,
19 de junho de 2002
MÚSICA
colagem de composições de diversos autores
OHAD NAHARIN
COREOGRAFIA
BAILARINOS PRINCIPAIS Adeline Charpentier; Ana Lacerda; Barbora Hruskova; Filipa de Castro; Filomena Pinto; Inês Amaral; Peggy Konik;
—
Santos; Yurina Miura; Andrea Bena; Brent Williamson; Luis d’Albergaria; BAILARINOS CORIFEUS Andreia Pinho; Annabel Barnes; Catarina
DIREÇÃO ARTÍSTICA Luísa Taveira
Solange Melo; Alexandre Fernandes; Carlos Pinillos; Mário Franco; BAILARINOS SOLISTAS Fátima Brito; Isabel Galriça; Mariana Paz; Paulina
C’est magnifique
Nisi Dominus (Psalm 126),
Ohad Naharin tem sido aclamado como um dos mais proemi-
Lourenço; Henriett Ventura; Irina de Oliveira; Maria João Pinto; Marta Sobreira; Armando Maciel; Dominic Whitbrook; Freek Damen; Miguel
Nelson Riddle & his
R.608 James Bowman
nentes coreógrafos contemporâneos mundiais. Diretor artístico
Ramalho; Tom Colin; Xavier Carmo CORPO DE BAILE África Sobrino; Alexandra Rolfe; Almudena Maldonado; Andreia Mota; Carla Pereira;
orchestra;
(Vivaldi)
da companhia de dança israelita Batsheva, desde 1990, tem-na
Catarina Grilo; Charmaine Du Mont; Elsa Madeira; Filipa Pinhão; Florencia Siciliano; Inês Ferrer; Inês Moura; Isabel Frederico; Júlia Roca;
Adios Mi Chaparrita
Somewhere over the
guiado segundo uma visão artística audaz e revigorado o seu
Leonor de Jesus; Margarida Pimenta; Maria Santos; Marina Figueiredo; Melissa Parsons; Patricia Keleher; Shanti Mouget; Sílvia Santos;
Perez Prado and his
rainbow
repertório com as suas coreografias cativantes. Naharin criou
Susana Matos; Tatiana Grenkova; Zoe Roberts; Christian Schwarm; Dukin Seo; Filipe Macedo; Frederico Gameiro; João Carlos Petrucci; José
orchestra
adapted by Marusha (D.J.)
mais de vinte trabalhos para a companhia principal e para
Carlos Oliveira; Kilian Souc; Lourenço Ferreira; Nuno Fernandes; Ricardo Limão; Tiago Coelho BAILARINOS ESTAGIÁRIOS Calum Collins;
(L.F. Esperon / B. Marcus);
(Harold Arlen & E.Y.
o agrupamento júnior, Batsheva Ensemble. Para além disso
Joshua Earl;
Solamente Una Vez
Perez Prado
(Agustin Lara / R. Gilbert);
Patrícia
Perez Prado and his
orchestra;
I can’t belive that you’re in
love with me
John Buzon trio & his
orchestra;
Allays in my heart
Perez Prado
It must be true
Hamburg)
Hooray For Hollywood
(cha cha)
Don Swan & his orchestra
(John H. Mercer & Richard
E. Whiting)
Sway
Dean Martin
recriou mais de dez outras obras e trabalhou trechos do seu
reportório para criar Decadance, um espetáculo em constante
MESTRES DE BAILADO Fernando Duarte (coordenador); Maria Palmeirim ENSAIADOR Rui Alexandre ADJUNTO DA DIREÇÃO
evolução. Naharin iniciou os seus estudos com a companhia
ARTÍSTICA João Costa COORDENADORA MUSICAL Ana Paula Ferreira COORDENADORA ARTÍSTICA EXECUTIVA Filipa Rola
de dança da Batsheva, em 1974. No seu primeiro ano, Martha
COORDENADOR DE PROJETOS ESPECIAIS Rui Lopes Graça INSTRUTOR DE DANÇA NA PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE
Graham convidou-o para se juntar à sua companhia em Nova
LESÕES Didier Chazeu PROFESSORA DE DANÇA CONVIDADA Irena Milovan**; PIANISTAS CONVIDADOS Humberto Ruaz**; Jorge
York. Nessa cidade estudou na Escola do American Ballet,
Silva**; Hugo Oliveira**
treinou no Juilliard Scholl e apurou a sua técnica com Maggie
Black e David Howard. Em 1980 formou a Companhia de Dança
Ohad Naharin. Recebeu encomendas de companhias de renome
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO OPART Presidente José de Monterroso Teixeira; Vogal Sandra Simões; Vogal Adriano Jordão
mundial como a Companhia de Dança Contemporânea Kibbutz
DIREÇÃO DE ESPETÁCULOS CNB Diretora Margarida Mendes; Carla Almeida (coordenadora); Bruno Silva (digressão e eventos); Natacha
Asia 2001
e Nederlands Dans Theater. Naharin foi também pioneiro na
Fernandes (assistente) ATELIER DE COSTURA CNB Paula Marinho (coordenadora); Adelaide Pedro Paulo; Ana Fernandes; Cristina Fernandes;
Nocturne Op. 9 nº 2 in
criação de uma inovadora linguagem de movimento: Gaga
Conceição Santos; Helena Marques DIREÇÃO TÉCNICA CNB Diretora Cristina Piedade; Sector de Maquinaria Alves Forte (chefe de
E flat major
que enfatiza a exploração da sensação e disponibilidade para
sector); Miguel Osório; Carlos Reis* Sector de Som e Audiovisuais Bruno Gonçalves (chefe de sector); Paulo Fernandes Sector de Luz Vítor
Chopin
o movimento, tornando-se no método principal de treino para
José (chefe de sector); Pedro Mendes Sector de Palco Ricardo Alegria; Frederico Godinho; Marco Jardim DIREÇÃO DE CENA CNB Diretor
(P.B. Ruiz & N. Gimbel)
os bailarinos da Batsheva. Os talentos de Naharin fizeram-no
Henrique Andrade; Vanda França (assistente / contrarregra) Conservação do Guarda Roupa Carla Cruz (coordenadora) DEPARTAMENTO
The John Buzon trio & his
acumular uma série de prémios e menções honrosas. Em Israel,
DE COMUNICAÇÃO CNB Cristina de Jesus (coordenadora); Pedro Mascarenhas Canais Internet José Luís Costa Vídeo e Arquivo Digital
orchestra;
recebeu o Doutoramento Honoris Causa de Filosofia, pelo Insti-
Marco Arantes Design João Campos** Bilheteira Anabel Segura; Ana Rita Ferreira; Luísa Lourenço; Rita Martins ENSAIOS GERAIS
Hava Nagila
tuto da Ciência de Weizmann, o prestigiado prémio israelita
SOLIDÁRIOS CNB Luis Moreira*** (coordenador) DIREÇÃO FINANCEIRA E ADMINISTRATIVA OPART Diretora Vanda Simões; António
(traditional music)
para Dança, o prémio Jewish Culture Achievement atribuído
Pinheiro; Edna Narciso; Fátima Ramos; Marco Prezado (TOC); Susana Santos Limpeza e Economato Lurdes Mesquita; Maria Conceição
Dick Dale
pela Fundação da Cultura Judaica, o Doutoramento Honoris
Pereira; Maria de Lurdes Moura; Maria do Céu Cardoso; Maria Isabel Sousa; Maria Teresa Gonçalves DIREÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
Causa de Filosofia pela Universidade Hebraica e ainda o prémio
OPART Diretor Paulo Veríssimo; Sofia Teopisto; Vânia Guerreiro; Zulmira Mendes GABINETE DE GESTÃO DO PATRIMÓNIO OPART Nuno
EMET na categoria de Arte e Cultura. Naharin foi também
Cassiano (coordenador); António Silva; André Viola; Armando Cardoso; Artur Ramos; Carlos Santos Silva; Daniel Lima; João Alegria; Manuel
condecorado com a Ordem de Cavaleiro das Artes e das Letras
Carvalho; Rui Rodrigues; Sandra Correia e Sandro Cardoso (estágio) GABINETE JURÍDICO OPART Fernanda Rodrigues (coordenadora);
pelo governo francês, recebeu em dois anos consecutivos o
Anabela Tavares; Inês Amaral; Juliana Mimoso** Secretária do Conselho de Administração Regina Sutre SERVIÇOS DE FISIOTERAPIA
prémio New York Dance and Performance – Bessie, o prémio
CNB Fisiogaspar** SERVIÇOS DE INFORMÁTICA OPART Infocut
Echad Mi Yodea
(traditional music)
arranged and played by
Ohad Naharin and the Tractor’s Revenge
Lifetime Achievement do Festival de Dança Americana Samuel
H. Scripps, o prémio da Dance Magazine e, em 2013, o seu mais
recente Doutoramento Honoris Causa, pela Juilliard. —
* Licença sem vencimento
** Prestadores de serviço
*** Regime de voluntariado
BILHETEIRAS E RESERVAS
Teatro Camões
Quarta a domingo
das 13h às 18h (01 nov – 30 abr)
das 14h às 19h (01 mai – 31 out)
Dias de espetáculo até meia-hora após
o início do espetáculo.
Telef. 218 923 477
PRÓXIMOS ESPETÁCULOS
TEATRO CAMÕES 29 ABR—10 MAI
Teatro Nacional de São Carlos
Segunda a sexta das 13h às 19h
Telef. 213 253 045/6
Ticketline
www.ticketline.pt
Telef. 707 234 234
Lojas Abreu, Fnac, Worten,
El Corte Inglés, C.C. Dolce Vita
CONTACTOS
Teatro Camões
Passeio do Neptuno, Parque das Nações,
1990 - 193 Lisboa
Telef. 218 923 470
INFORMAÇÕES AO PÚBLICO
Não é permitida a entrada na sala enquanto
o espetáculo está a decorrer (DL n.º 23/2014,
de 14 de fevereiro); É expressamente proibido filmar, fotografar ou gravar durante
os espetáculos; É proibido fumar e comer/
beber dentro da sala de espetáculos; Não
se esqueça de, antes de entrar no auditório,
desligar o seu telemóvel; Os menores de 6
anos não poderão assistir ao espetáculo nos
termos do DL n.º 23/2014, de 14 de fevereiro;
O programa pode ser alterado por motivos
imprevistos.
Espetáculo M/6
FOTOGRAFIAS © BRUNO SIMÃO
MEDIA PARTNER:
APOIOS À DIVULGAÇÃO
WWW.CNB.PT // WWW.FACEBOOK.COM/CNBPORTUGAL
CICLO DE
CONFERÊNCIAS
TEATRO CAMÕES
21 ABRIL ÀS 18H30
ENTRADA GRATUITA
EU NÃO PERCEBO
NADA DE DANÇA
TEMA 3: O QUE FAZ QUE
UM CLÁSSICO SEJA UM CLÁSSICO?
CRISTINA PERES
CURADORIA
E MODERAÇÃO
RICARDO SALÓ
JOANA MANUEL
CONVIDADOS

Documentos relacionados

direção artística luísa taveira

direção artística luísa taveira Há nesta coreografia, oficialmente estreada em 1935, outros elementos que nos reenviam para a estética romântica, ou melhor, para a forma como ela é convocada por Mikhail Fokine, em Les Sylphides (...

Leia mais

Programa - Companhia Nacional de Bailado

Programa - Companhia Nacional de Bailado de Martha Graham, onde se formou em Dança Moderna. Ainda em Nova Iorque, frequentou o curso de composição coreográfica de Merce Cunningham e trabalhou com Valentina Pereyslavec no American Ballet T...

Leia mais