Roche Brasil - Global Reporting Initiative

Сomentários

Transcrição

Roche Brasil - Global Reporting Initiative
Relatório de Sustentabilidade 2011
Agosto / 2012
mc reh-01295-2012
Relatório de
Sustentabilidade
Roche Brasil
Roche_RS__2011__BR__18_capa.indd 1
Para a Roche, o relacionamento com seus
públicos é parte essencial de seu negócio. Essa
responsabilidade a motivou a estabelecer relações
de diferentes formas e atuações, por meio de
informação, comunicação, acesso, formação
de conhecimento, parcerias, responsabilidades,
conscientização e campanhas.
8/29/12 6:11 PM
Relatório de Sustentabilidade 2011
Agosto / 2012
mc reh-01295-2012
Relatório de
Sustentabilidade
Roche Brasil
Para a Roche, o relacionamento com seus
públicos é parte essencial de seu negócio. Essa
responsabilidade a motivou a estabelecer relações
de diferentes formas e atuações, por meio de
informação, comunicação, acesso, formação
de conhecimento, parcerias, responsabilidades,
conscientização e campanhas.
Relatório de
Sustentabilidade
Roche Brasil
conteúdo
1. MENSAGEM AOS STAKEHOLDERS
03
2. SOBRE O RELATÓRIO
06
3. PERFIL DA ORGANIZAÇÃO
09
3.1. Grupo Roche
10
3.2. Roche Brasil 15
4. INOVAÇÃO E PESQUISA
25
4.1. Medicina Personalizada
26
4.2. Pesquisa e inovação no Grupo Roche
27
4.3. Inovação na Roche Farmacêutica Brasil
29
4.4. Inovação na Roche Diagnóstica Brasil
32
4.5. Parcerias para inovação e geração de conhecimento
33
5. ENGAJAMENTO E DIÁLOGO COM STAKEHOLDERS
35
5.1. Parcerias e Responsabilidades
36
5.2. Conscientização, Conhecimento e Campanhas
63
5.3. Acesso à Saúde
70
5.4. Comunicação e transparência
75
5.5. Atuação Ética e Compliance
83
6. MEIO AMBIENTE
89
6.1. Consumo de materiais e gestão de resíduos
91
6.2. Energia
94
6.3. Água
96
6.4. Emissões
97
6.5. Educação ambiental
7. SAÚDE E SEGURANÇA
98
101
7.1. Ambiente de trabalho seguro e saudável –
102
8. Reconhecimento
104
9. Balanço Social Ibase
106
10. Índice Remissivo GRI
110
11. FarmaSustentavel
117
12. Expediente
123
Para efeito de padronização, em todo o texto deste relatório a Roche é denominada como empresa, companhia, corporação ou Grupo. O termo “funcionários”
refere-se ao quadro efetivo de profissionais que trabalham na Roche , enquanto “colaboradores” engloba também, além de funcionários, estagiários, contratados,
temporários e terceiros.
2
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 2
8/24/12 5:20 PM
01. Mensagem aos Stakeholders
GRI 1.1, 1.2
Para nós, 2011 também foi marcado pela
continuidade e consolidação de ações iniciadas nos
anos anteriores, principalmente da nossa atuação
pioneira em medicina personalizada, por meio
da atuação conjunta de nossas duas Divisões, a
Farmacêutica e a Diagnóstica.
O ano de 2011 foi de muitas comemorações para nós. A Roche completou 80 anos no Brasil,
trazendo cada vez mais soluções inovadoras na área da saúde para a população brasileira, sempre
mantendo o ritmo inovador e o dinamismo. Estamos orgulhosos de nossa trajetória, aprendizados e
conquistas, com a certeza de que nenhum caminho pode ser percorrido sozinho.
Somos reconhecidos por sermos a empresa que mais investe em pesquisa no mundo
e propicia, localmente, acesso a tratamentos para diversas doenças. Investimos em
pesquisas, no desenvolvimento de produtos de diagnósticos e medicamentos de ponta, e,
o que é fundamental, sempre com um olhar voltado às pessoas, à saúde, ao bem estar e,
principalmente, à vida.
Para nós, 2011 também foi marcado pela continuidade e consolidação de ações iniciadas nos
anos anteriores, principalmente da nossa atuação pioneira em medicina personalizada, por
meio da atuação conjunta de nossas duas Divisões, a Farmacêutica e a Diagnóstica.
O nosso trabalho tem como foco o paciente e, para isso, concentramos nossos esforços
na busca por soluções inovadoras tanto para possibilitar um diagnóstico precoce, quanto
para oferecer um tratamento especializado. Temos a certeza de que, para oferecer o melhor
tratamento, é preciso diagnosticar cada vez mais cedo e melhor. Nos últimos anos, investimos
muito no desenvolvimento de soluções em medicina preventiva e personalizada. Ao avançar
tanto em pesquisa e inovação, a Roche tem se diferenciado no mercado farmacêutico por
oferecer soluções para necessidades médicas até então não atendidas.
Mensagem aos Stakeholders
3
Como resultado de todo esse trabalho, pudemos comemorar, em 2011, a aprovação do
registro no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do teste cobas ® 4800
BRAF V600 e do medicamento Zelboraf (vemurafenibe), que, ao atuarem conjuntamente no
diagnóstico e no tratamento de pacientes com melanoma em etapa avançada ou inoperável,
colocam em prática o nosso conceito de medicina personalizada.
Nesse último ano procuramos realizar uma verdadeira mudança cultural para tornar a Roche
um lugar ainda melhor para se trabalhar. Para nós, as pessoas são diferentes e é exatamente
isso que as deixa únicas e especiais. Aprender a enxergar o potencial nessa diversidade é
compreender a cultura que desejamos criar na Roche Brasil. Confiança, honestidade, respeito,
coragem, trabalho em equipe, paixão e atitude. São esses valores e princípios que nos guiam
na tarefa de construir um lugar melhor para se trabalhar e que seja, também, motivo de orgulho
para todos nós.
Um grande passo dado para conhecer melhor nossa gente foi voltar o nosso foco para a
maneira como engajamos, integramos e desenvolvemos nossos talentos. Para isso, realizamos
a pesquisa GEOS, primeira pesquisa de opinião feita com todos os funcionários do Grupo
Roche. Com ela, buscamos medir as necessidades, as expectativas e os anseios de nossos
funcionários e identificar as áreas para melhoria. Na Roche Brasil, os resultados foram
excelentes e tivemos índices de adesão e engajamento acima da média global e um dos
melhores entre todas as afiliadas.
Em 2011, também investimos muito nas obras da nova sede da Roche Farmacêutica, inaugurada
em 2012, na unidade Jaguaré, em São Paulo. O novo edifício segue os principais padrões
reconhecidos de sustentabilidade, como iluminação natural e acessibilidade. E mais uma vez
com o foco na nossa gente, o edifício foi feito com base no conceito open space, buscando
ampliar a integração entre os colaboradores.
A Roche Diagnóstica, por sua vez, teve seu Sistema de Gestão da Qualidade certificado em
novembro de 2011, conseguindo o excelente resultado de nenhuma não-conformidade. Esse
fato revela a nossa preocupação em alcançar índices cada vez mais elevados de satisfação de
nossos stakeholders, internos e externos, por meio da melhoria contínua de nossos processos.
4
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Acreditamos também que, ao promover parcerias em prol de soluções inovadoras,
reforçamos nossa capacidade de integrar os elementos da sustentabilidade ao negócio
de forma transversal. Nesse sentido, foi criado no segundo semestre de 2011 o Comitê de
Sustentabilidade, que tem como principal objetivo trazer a sustentabilidade para a gestão da
Roche Brasil, de maneira natural e concreta.
Ficamos muito felizes com o reconhecimento de nossa atuação global: a Roche foi classificada,
pelo terceiro ano consecutivo, como Líder do Supersetor de Saúde no Índice Dow Jones
de Sustentabilidade (Dow Jones Sustainability Indexes – DJSI), que avalia e classifica as
principais companhias do mundo a partir de uma profunda análise de desempenho econômico
corporativo, ambiental e social.
Por fim, em 2011, a Roche Diagnóstica Brasil atingiu a liderança absoluta no mercado brasileiro
de diagnóstico laboratorial, sendo atualmente uma das dez maiores afiliadas globais. Também
pudemos comemorar o crescimento do faturamento que consolidou a Roche Farmacêutica
Brasil na sexta posição entre as afiliadas globais. Esse crescimento, em patamares acima do
planejado, nos colocou como o segundo país que mais cresce dentro do Grupo Roche.
A Roche Brasil está crescendo, assim como o próprio país. Estamos crescendo em conjunto e,
certamente, continuaremos crescendo, de forma consistente e sustentável. A Roche, contando com
o apoio de todos os seus stakeholders, e o Brasil, com a força do seu povo. Todos esses resultados
mostram que estamos nos desenvolvendo como indivíduos e como organização.
Estamos convictos de que a sustentabilidade é fundamental para o sucesso dos negócios e de toda
a sociedade. Pretendemos registrar aqui, um pouco de nossa contribuição. Esse caminho é nosso!
Adriano Treve
Pedro Gonçalves
Presidente da Roche Farmacêutica Brasil
Presidente da Roche Diagnóstica Brasil
Mensagem aos Stakeholders
5
02. Sobre o Relatório
GRI 3.1, 3.2, 3.3, 3.5, 3.6, 3.7, 3.8, 3.10 e 3.11
Dando continuidade à prática anual de
comunicação com seus stakeholders e à
divulgação de seu desempenho e gestão em
sustentabilidade, este é o oitavo ano consecutivo
em que a Roche elabora seu Relatório de
Sustentabilidade, com base na metodologia GRI
(Global Reporting Initiative).
As informações presentes neste relatório são referentes à Roche Brasil no período de janeiro a dezembro
de 2011, considerando a Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. (Roche Farmacêutica) e a
Roche Diagnóstica Brasil Ltda. (Roche Diagnóstica), cujas sedes administrativas localizam-se em São
Paulo, bem como a fábrica pertencente à operação da Área Industrial Farmacêutica, no estado do Rio
de Janeiro, e os centros de distribuição da Farmacêutica, localizado em Anápolis (GO), e da Diagnóstica,
localizado em Itajaí (SC), este último foi inaugurado em novembro de 2010, no entanto, iniciou sua
operação em janeiro de 2011.
Dessa forma, o reporte será referente a toda a operação das duas empresas no Brasil, bem como aos
seus impactos econômicos, sociais e ambientais, classificando-se no nível B de aplicação das diretrizes
GRI. Mesmo sendo uma empresa de capital fechado, serão divulgadas as informações econômicas da
companhia. Buscando a evolução contínua de seus métodos de relato, a Roche Brasil procurou, em
2011, responder com maior ênfase àqueles indicadores considerados de maior relevância na matriz de
materialidade divulgada no relatório anterior. O conteúdo deste relatório foi, portanto, selecionado com
base na pesquisa realizada em 2010 junto aos seguintes stakeholders da Roche Brasil: fornecedores;
distribuidores; médicos; ONGs e associações de pacientes; hospitais, laboratórios e operadoras de
saúde; e funcionários.
6
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
O relatório também inclui os indicadores da FarmaSustentável, que estabelecem parâmetros mais
específicos do setor farmacêutico, respondidos ao longo do texto, com páginas identificadas ao fim
do material. Por fim, como nos anos anteriores, em 2011, não houve verificação por terceira parte
para o relatório.
Para a Roche, o relacionamento com seus públicos é parte essencial de seu negócio. Essa
responsabilidade a motivou a estabelecer relações de diferentes formas e atuações, por meio
de informação, comunicação, acesso, formação de conhecimento, parcerias, responsabilidades,
conscientização e campanhas.
Com o objetivo de valorizar a atuação diferenciada da empresa, optamos por organizar o relatório de
acordo com as iniciativas, ações e a forma de interação com os diversos públicos com os quais a Roche
se relaciona.
Sobre o Relatório
7
0
8
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
03
Perfil da
Organização
A Roche é referência
global em inovação
e em pesquisas e
desenvolvimento
de medicamentos
e produtos de
diagnósticos com
tecnologia de ponta.
Perfil da Organização
9
3.1.O Grupo Roche
GRI 2.2, 2.4, 2.5, 2.7, 2.8, 2.9
A Roche é uma das líderes mundiais na
pesquisa de produtos para a saúde, atuando
fortemente e de modo combinado nas áreas
farmacêutica e de diagnóstico.
Fundada em 1896, com sede em Basileia, na Suíça,
a Roche é uma das líderes mundiais na pesquisa de
produtos para a saúde, atuando fortemente e de modo
combinado nas áreas farmacêutica e de diagnóstico.
A Roche é a maior empresa de biotecnologia do
mundo, e tem medicamentos realmente diferenciados
para as áreas de oncologia, virologia, inflamação,
metabolismo e sistema nervoso central. Além disso,
a Roche é líder mundial em diagnóstico in vitro e
no diagnóstico tecidual de câncer e pioneira no
tratamento do diabetes. A estratégia de medicina
personalizada da Roche tem como foco o fornecimento
de medicamentos e ferramentas de diagnóstico que
possibilitem melhoras tangíveis na saúde, qualidade
de vida e sobrevida dos pacientes. O Grupo registrou
vendas de 42,5 bilhões de francos suíços (80,1 bilhões
de reais). A Genentech, nos Estados Unidos, é uma
subsidiária integral do Grupo Roche. A empresa tem
participação majoritária na Chugai Pharmaceutical, do
Japão.
Atualmente, a Roche dispõe, por meio de seus estudos
em novos medicamentos biológicos, de 13 moléculas
em estágio avançado de desenvolvimento, sendo
sete delas utilizadas em tratamentos de medicina
personalizada.
10
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Em 2011, a empresa apresentou resultados financeiros
excelentes, apesar da crise econômica mundial e do
ambiente desafiador, que colocou o setor de saúde
sob diversas pressões. Ainda assim, a Roche continuou
investindo fortemente em pesquisa — 8,07 bilhões de
francos suíços (15,2 bilhões de reais) durante o ano, o
que equivale a aproximadamente 20% das suas vendas
—, mantendo seu compromisso com a inovação.
3.1.1.Missão
GRI 4.8
O objetivo da Roche, como empresa líder no setor
da saúde, é criar, produzir e comercializar soluções
inovadoras de alta qualidade, que atendam às
necessidades médicas. Seus produtos e serviços
auxiliam na prevenção, no diagnóstico e no tratamento
de doenças, melhorando, assim, a saúde e a
qualidade de vida das pessoas. A empresa atua com
responsabilidade e ética, comprometendo-se com
o desenvolvimento sustentável e com o respeito às
necessidades do indivíduo, da sociedade e do meio
ambiente.
3.1.2.Valores
GRI 4.8
A Roche abraça a diversidade de cultura e
compartilha três valores fundamentais, presentes na
sua essência:
• Integridade: Somos abertos, honestos, éticos e
autênticos, de maneira consistente.
• Coragem: Somos empreendedores, portanto,
assumimos riscos e ultrapassamos limites.
• Paixão: Utilizamos a nossa motivação e dedicação
para estimular, envolver e inspirar os outros.
3.1.3. Modelo de negócio e estratégia do
Grupo Roche
Desde a sua fundação, em 1896, a missão da Roche
permanece praticamente inalterada, mantendo
como seus principais objetivos melhorar a saúde e
ajudar os pacientes a viver mais e melhor. O espírito
empreendedor e a inventividade de seus fundadores
definem, até hoje, a cultura da organização. Essas
características representam a base para avanços
médicos promovidos pela empresa. Durante a última
década, a Roche tem seguido uma estratégia de
desenvolvimento de medicamentos e produtos para
diagnósticos diferenciados, capazes de oferecer valor
para todo o sistema de saúde.
Modelo Estratégico do Grupo (O que fazemos)
Modelo de Gestão do Grupo (Como gerenciamos)
Nosso foco
Nossas Pessoas
Adequar o tratamento ao paciente
Integridade. Coragem. Paixão
O que nos distingue
Nosso processo de decisão
Excelência em ciência
Responsabilidade e transparência
Nossos resultados
Nossa estrutura
Valor para todos os stakeholders
Feita para inovar
Foco na inovação em produtos farmacêuticos
e de diagnósticos
Cada divisão, entretanto, mantém suas especificidades,
contando com gestão e objetivos distintos. A Divisão
Farmacêutica se esforça para descobrir e desenvolver
terapias-alvo pioneiras e melhores que as existentes,
por meio de um alto investimento em Pesquisa
e Desenvolvimento e foco nas seguintes áreas
estratégicas: oncologia, virologia, doenças inflamatórias
e autoimunes, doenças cardiovasculares e metabólicas,
e doenças do sistema nervoso central. A Divisão
Diagnóstica é a primeira do mundo em diagnósticos
in vitro, tendo um market-share global de 20%. Seu
sucesso contínuo está atrelado à inovação contínua
com novos lançamentos, alta tecnologia dos seus
sistemas e ao valor médico de seus testes.
A Roche está convencida de que a inovação em
saúde é o meio para oferecer produtos com melhor
custo-benefício para seus clientes. O alinhamento
estratégico da organização em torno das duas
divisões (Farmacêutica e Diagnóstica) e o incentivo
à colaboração interdivisional por meio da cadeia de
valor permitem à Roche ter uma vantagem competitiva
diferenciada: oferecer terapias especializadas com
valor médico e econômico maior do que os praticados
no mercado.
Perfil da Organização
11
Cuidado de saúde personalizado
Partindo da ideia de que as pessoas reagem de
maneira diferente aos medicamentos devido à variação
em sua composição genética, a Roche foca, cada
vez mais, seu trabalho em soluções de medicina
personalizada. Para isso, a empresa combina seus
conhecimentos em diagnósticos e farmacologia, o que
permite a atuação em todas as fases de um tratamento
de saúde: prevenção, diagnóstico, tratamento e
monitoramento de doenças. Assim, é possível perceber
quais pacientes reagem melhor aos tratamentos,
melhorando a relação custo-benefício, aumentando
a eficácia da investigação diagnóstica, diminuindo os
riscos de efeitos colaterais e melhorando a qualidade
de vida dos pacientes. Ou seja, com o foco em
medicina personalizada, a Roche oferece aos pacientes
soluções completas e mais precisas, por meio de
diagnósticos precoces e tratamentos mais eficazes.
Sustentabilidade e criação
de valor compartilhado
A maior contribuição da Roche para a sociedade
é o desenvolvimento de produtos que sejam bem
sucedidos em termos médicos e comerciais, com
criação de valor compartilhado junto a todos os seus
stakeholders. Assim, a capacidade da companhia
de melhorar a vida dos pacientes está largamente
relacionada à sua habilidade de integrar os elementos
da sustentabilidade por meio de suas operações e
de sua cultura, buscando aumentar o acesso de seus
produtos a um maior número de pessoas. Dessa forma,
a Roche trabalha com os conceitos de sustentabilidade
de maneira transversal em todas as suas atividades,
coordenando esses esforços por meio do Comitê de
Sustentabilidade.
12
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Empoderamento, capacitação
e incentivo à inovação
A Roche conta com uma rede global de centros
de investigação especializados, operando com um
elevado grau de autonomia. Além disso, a Roche
Farmacêutica tem parceria com diversas empresas em
todo o mundo em projetos de capacitação e inovação.
Essa abordagem reflete a visão da companhia de que
a pesquisa inovadora decorre do surgimento de novas
ideias e de que isso pode acontecer mais facilmente
em uma empresa com uma rede diversificada de
parceiros. Dessa forma, é possível levar experiência
e conhecimento a seus diversos públicos de
relacionamento, desde parceiros a colaboradores.
Utilização de vasto conhecimento
em biologia molecular
O entendimento da Roche sobre biologia molecular
a levou a fazer um investimento significativo em
engenharia genética e ciências moleculares, enquanto
essas abordagens ainda eram muito recentes. Hoje, a
Roche é uma empresa de biotecnologia reconhecida
mundialmente, com 14 produtos biológicos no
mercado, que constituem 65% da carteira de produtos
da companhia, índice que, no mercado, se restringe a
16%. Na área de diagnóstico molecular, a Roche utiliza
a tecnologia PCR (reação em cadeia da polimerase),
sendo uma referência neste mercado.
3.1.4. Principais destaques do Grupo Roche de 2011
Sustentabilidade
• Classificação da Roche como Líder do Supersetor de Saúde no Índice Dow Jones de
Sustentabilidade, pelo terceiro ano consecutivo.
• Melhora no impacto eco-balance* por colaborador de 4.3%, buscando atingir a meta de diminuir em
15% o impacto da companhia até 2020.
• Redução de 7,7% do consumo de energia.
Envolvimento com
a comunidade
• Início da construção de duas escolas, uma no Haiti e a outra no Paquistão, locais devastados devido a
desastres naturais.
• Início do projeto de construção de um colégio de formação de professores no Malawi, que pretende
formar 540 professores até 2013.
Nossa Gente
• Primeira pesquisa global com os funcionários da Roche com taxa média de participação de 80%.
• Aumento do número de mulheres em posição de liderança de 13% em 2009 para 18% em 2011,
seguindo a meta de chegar a 50% em 2014.
Pesquisa e
Desenvolvimento
• Excelente progresso no pipeline: 17 de 20 ensaios com resultados positivos, 24 aprovações de
medicamentos-chave, 21 aprovações regulatórias; 50 testes diagnósticos e 13 instrumentos lançados
nos principais mercados.
• Fortalecimento da posição de liderança em medicina personalizada com o lançamento do Zelboraf
(vemurafenibe) e teste de melanoma relacionado nos EUA.
• As Divisões Farmacêutica e Diagnóstica colaboraram em mais de 200 projetos em todas as áreas
terapêuticas de interesse da Roche.
Cadeia de Produção
• Estabelecimento de um protocolo unificado de auditoria de sustentabilidade para fornecedores, junto
com outros membros da indústria farmacêutica.
Mercado e acesso
• Manutenção da exploração de modelos de precificação diferenciados para aumentar o acesso aos
medicamentos Roche em mercados emergentes, como Programa de Assistência ao Paciente na China.
• Realização da terceira International Experience Exchange, evento anual para 130 organizações de
pacientes compartilharem desafios, melhores práticas e desenvolverem uma rede de relacionamentos.
Resultados Financeiros
e de Negócio
• Crescimento de vendas do Grupo de 2%, excluindo-se o Tamiflu® (fosfato de oseltamivir).
• Crescimento do faturamento da Diagnóstica de 6%, significativamente acima da média do mercado.
• Crescimento de 6% do lucro operacional, maior do que as vendas, em decorrência principalmente
das economias geradas pelo Programa de Excelência Operacional e pelas melhorias contínuas de
produtividade.
*O eco-balance é uma métrica criada pela Agência Suíça de Meio Ambiente (ou BundesamtfürUmwelt –AFU) que pesa as emissões de gases de efeito estufa e de
efluentes, a geração de resíduos, o consumo de energia, água e matéria-prima.
Perfil da Organização
13
3.1.5. Resultados Financeiros do Grupo
GRI EC1
Em 2011, o Grupo Roche apresentou resultados muito
positivos, apesar de o ano ter sido marcado por crises
econômicas e constante retração da demanda. O lucro
operacional cresceu mais rápido que as vendas e os
ganhos por ação (EPS- Earning Per Share) cresceram
a uma taxa de 11%. Também houve aumento de 1%
nas vendas do Grupo em câmbio constante (-10%
em francos suíços e +5% em dólares americanos),
resultando em um total de 42,5 bilhões de francos
suíços (80,1 bilhões de reais).
Apesar da queda das vendas de Avastin®
(bevacizumabe) e Tamiflu® (fosfato de oseltamivir),
menos utilizado a partir do fim do surto da gripe
A, causada pelo vírus H1N1, além dos impactos
das reformas nos sistemas de saúde, medidas de
austeridade e corte nos preços, o aumento da venda de
outros produtos compensou a situação desafiadora.
14
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
A Divisão Farmacêutica representou 77% das vendas
do Grupo, enquanto a Diagnóstica contribuiu com 23%.
O crescimento das vendas da Divisão Farmacêutica foi
fortemente impulsionado pelos mercados emergentes,
pela crescente demanda de produtos-chave em certos
países da Ásia e América Latina, notadamente a
China (+34%), a Venezuela (+76%) e o Brasil (+12%).
Na Roche Diagnóstica, com 20% de participação de
mercado, o crescimento de 6% em moedas locais
garantiu a liderança da divisão no mercado global
de IVD (In Vitro Diagnostics), resultado puxado
principalmente pela área de Professional Diagnostics,
segmento com forte desempenho em imunoensaios e
colocação de equipamentos.
Por outro lado, o fortalecimento do franco suíço frente
ao dólar e ao euro teve impacto negativo para os
resultados do Grupo, que são expressos na moeda
suíça.
3.2.Roche Brasil
A Roche no Brasil completou 80 anos em 2011,
oferecendo ao mercado brasileiro produtos
farmacêuticos e de diagnósticos com tecnologia
de ponta, auxiliando na elevação da qualidade
de vida da população. Por meio da medicina
personalizada, a Roche Brasil também tem
aumentado o acesso de seus produtos nos
mercados público e privado, contribuindo para
uma abordagem completa e individualizada do
ciclo terapêutico.
Desempenho Econômico da Roche no Brasil
GRI EC1
A Roche Brasil também apresentou resultados
financeiros muito positivos em 2011. As vendas das
duas Divisões no Brasil somaram R$ 2,51 bilhões,
sendo R$ 1,98 bilhão as vendas da Farmacêutica e
R$ 529,3 milhões as da Diagnóstica. As outras receitas
operacionais da Farmacêutica totalizaram R$ 10,7
milhões e as da Diagnóstica R$ 48,1 milhões.
Tanto a Divisão Farmacêutica como a Divisão
Diagnóstica cresceram acima das taxas do mercado
e aumentaram o market-share de seus principais
produtos. Esse crescimento consolidou a Roche
Farmacêutica na sexta posição entre as subsidiárias
globais e colocou o Brasil como o segundo país que
mais cresce, atrás somente da China. Já a Roche
Diagnóstica Brasil atingiu a liderança absoluta do
mercado brasileiro de diagnóstico laboratorial, sendo
atualmente uma das dez maiores afiliadas globais.
Perfil da Organização
Roche_RS__2011__BR__34.indd 15
15
8/24/12 5:20 PM
Desempenho Econômico
da Roche Brasil
Divisão
Diagnóstica
Divisão
Farmacêutica
529.288
1.986.641
-
10.673
48
70
436.077
1.568.303
Aluguel de propriedade
4.640
8.554
Taxas de licença
1.131
736
740
2.542
-
1.685
Valor Econômico Gerado (mil reais)
Receitas
Vendas líquidas
Receitas provenientes de investimentos financeiros
Venda de ativos
Valor Econômico Distribuído (mil reais)
Custos
Operacionais
Pagamentos para fornecedores
Custos de treinamento de empregados (com contratação
de instrutores/empresas externos)
Equipamentos de proteção para empregados
Outros
Salários e benefícios
aos empregados
Pagamento aos
provedores de capital
Pagamentos ao Governo
-
-
Total da folha de pagamento
36.911
201.449
Total de benefícios
15.656
16.327
-
185.219
Dividendos para todos os acionistas
Pagamentos de juros a instituições financeiras
Impostos brutos
Multas pagas
Investimentos na
comunidade e na
sociedade
Doações voluntárias
Patrocínio a serviços ou programas
3.2.1. Roche Farmacêutica
GRI 2.1, 2.2, 2.3, 2.4, 2.5, 2.6, 2.7, 2.8
A Roche Farmacêutica foi instituída formalmente
no Brasil em 1931, como Produtos Roche Químicos
e Farmacêuticos S.A. Com o objetivo de contribuir
para ampliar o acesso da população brasileira
a medicamentos, disseminar informações e
conhecimento e atuar de maneira ética e transparente,
a Divisão Farmacêutica da Roche no Brasil participa do
desenvolvimento e concentra-se na comercialização
de medicamentos de última geração nas suas áreas de
atuação.
Empregando 1.131 funcionários em suas três unidades,
a empresa atua como sociedade anônima de capital
fechado e tem sua sede administrativa na unidade
16
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
-
3
126.880
141.719
332
371
1
8
272
501
Jaguaré, na capital paulista. No Rio de Janeiro (RJ),
está instalada a Unidade Industrial de Jacarepaguá,
fábrica na qual são produzidos medicamentos que
geram cerca de 20% das vendas da filial brasileira.
De lá, desde 2009, também são feitas exportações de
Marcoumar® (femprocumona) para Alemanha, Áustria,
Bélgica, Dinamarca, Holanda, Luxemburgo, Suécia e
Suíça, e de Bactrim® (sulfametoxazol + trimetoprima)
para a Itália. A unidade brasileira ainda atende a 22
países da América Latina, entre eles Argentina, Chile,
Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Uruguai
e Venezuela, exportando 60 produtos, com 300
apresentações diferentes. Em Anápolis (GO), localizase o Centro de Distribuição e Armazenamento, que é
responsável pela distribuição de medicamentos para o
mercado nacional.
Unidades
de Negócios
Áreas de atuação
Principais medicamentos
Oncologia &
Hematologia
Medicamentos inovadores para o tratamento do câncer
• Avastin® (bevacizumabe)
colorretal, de mama, de pulmão, melanoma e linfoma.
• Herceptin® (trastuzumabe)
Medicamentos que atuam como fator de crescimento,
• MabThera® (rituximabe)
utilizados em terapia de suporte.
• Tarceva® (cloridrato de erlotinibe)
• Xeloda® (capecitabina)
• Zelboraf (vemurafenibe)
Virologia
& Sistema
Nervoso Central
Medicamentos para o tratamento de hepatites B
• Fuzeon® (enfuvirtida)
e C, Aids, fibrose cística, infecções em pacientes
• Pegasys® (alfapeginterferona 2a)
transplantados e doença de Parkinson.
• Prolopa® (levodopa + cloridrato de
benserazida)
• Pulmozyme® (alfadornase [rhDNase])
• Valcyte® (cloridrato de valganciclovir)
• Actemra® (tocilizumabe)
Imunologia/
Inflamação
Tratamentos de última geração para doenças reumáticas.
Outros
Produtos
Segmentos de metabolismo (osteoporose, obesidade
• Bonviva® (ibandronato de sódio)
e prevenção de diabetes), sistema nervoso central,
• Rivotril® (clonazepam)
dermatologia, entre outros.
• Roacutan® (isotretinoína)
• MabThera® (rituximabe)
• Tamiflu® (fosfato de oseltamivir)
• Xenical® (orlistate)
3.2.2. Roche Diagnóstica
GRI 2.1, 2.2, 2.3, 2.4, 2.5, 2.6, 2.7, 2.8, 2.9
Criada no Brasil em 1972, a Roche Diagnóstica Brasil
Ltda. emprega 312 funcionários. Desenvolvendo
produtos e serviços, a Divisão tem o objetivo de
proporcionar mais conforto aos pacientes, benefícios
clínicos e precisão na tomada de decisão, além do
melhor uso dos recursos financeiros. Assim, tornouse referência em testes e serviços profissionais
de detecção de patologias, que vão desde os
procedimentos de análises clínicas em laboratórios
hospitalares, de urgência, diagnóstico molecular,
diagnósticos para cuidados primários de saúde, testes
em tecidos em laboratórios de patologia, até sistemas
para o monitoramento e controle de diabetes.
Baseada em conceitos de automação e alta tecnologia,
a Roche Diagnóstica importa equipamentos e testes
dos centros de produção da Europa e dos Estados
Unidos atender ao mercado nacional, oferecendo
um grande portfólio de produtos exclusivos, serviços
e testes inovadores para pesquisadores, médicos,
pacientes, hospitais e laboratórios. Em 2011, a Roche
Diagnóstica realizou investimentos em equipamentos
médicos em um total de R$ 52,8 milhões. Devido a
esse investimento e a outras ações desenvolvidas na
Divisão, no final do ano, a Roche Diagnóstica Brasil
comemorou ótimos resultados: teve um aumento de
8,8% nas vendas e passou a ser líder do mercado de
diagnósticos in vitro, com 20% de participação no
mercado de diagnósticos in vitro e 67% do mercado
privado de tiras de medição de glicemia.
Perfil da Organização
17
No Brasil, a Roche Diagnóstica possui atualmente
cinco Unidades de Negócio: Roche Professional
Diagnostics (RPD), Roche Diabetes Care (RDC),
Roche Molecular Diagnostics (RMD), Roche Applied
Science (RAS) e Roche Tissue Diagnostics (RTD). A
divisão mantém a sua sede administrativa na unidade
Jaguaré, em São Paulo (SP), onde funciona o Centro
de Treinamento para orientação sobre o manuseio
de equipamentos. O novo centro de logística e
distribuição de produtos e equipamentos, instalado no
UNIDADES
DE NEGÓCIOS
ÁREAS DE ATUAÇÃO
PRINCIPAIS TESTES
PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS
DIAGNÓSTICO
PROFISSIONAL
Tem como foco os serviços profissionais de
• Marcadores Cardíacos
• cobas® 4000/ 6000/ 8000
diagnóstico, distribuídos em quatro segmentos
• Hepatites Virais
• cobas® c 111
principais:
• Marcadores Tumorais
• cobas® b 121/123/221
• Soluções utilizadas no local de atendimento ao
• Fertilidade
• cobas® h 232
• Hormônios
• cobas® u 411
• Marcadores Ósseos
• cobas® p 312/ 512 / 612
e grandes rotinas de laboratórios, com
• Hemograma
• cobas® p 501/ 701
equipamentos modulares, reagentes e
• Contagem
• Modular pre-analytics
paciente (soluções descentralizadas);
• Soluções completas para pequenas, médias
marcadores (soluções centralizadas e testes
especiais);
• Serviços especializados para o atendimento da
de Reticulócitos
• CoaguChek®
• AccuTrend
• XS-800i/1000i
área médica laboratorial, além de treinamento
• XT-1800i/2000i/400i
técnico e científico (professional services);
• Urisys 2400
• Consultoria laboratorial e tecnologia da
informação.
• XE 2100/5000
• SP-1000I
• HST-N
Áreas Clínicas:
• UF-1000i
• Química clínica
• Imunologia
• Hematologia
• Coagulação
• Urianálises
DIABETES
• Líder mundial em soluções para pessoas com
diabetes, como sistemas práticos, portáteis e
• Accu-Chek® Active
de fácil utilização, comercializados sob a marca
• Accu-Chek® Performa
Accu-Chek®.
• Accu-Chek® Performa Nano
• Também oferece sistemas de infusão contínua
18
• Accu-Chek® 360
• Accu-Chek® Smart Pix
de insulina, softwares e demais dispositivos de
• Accu-Chek® Spirit
gerenciamento e controle dos níveis de glicemia
• Accu-Chek®Nano
no sangue.
• Accu-Chek® Combo
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 18
8/24/12 5:20 PM
Parque da Saúde da cidade de Itajaí (SC), deu início
a suas atividades em 2011, ficando responsável pelo
fluxo de materiais e operações logísticas, bem como
pelo manuseio de novos equipamentos e reagentes
importados pela empresa. Com isso, desde 2011,
UNIDADES
DE NEGÓCIOS
DIAGNÓSTICO
MOLECULAR
ÁREAS DE ATUAÇÃO
• Pré-analíticos e sistemas de diagnóstico
molecular com total automação, que conferem
maior segurança para o laboratório liberar os
resultados com confiança no menor tempo
possível.
• Equipamentos com acesso remoto
• Soluções completas para pequenas, médias e
grandes rotinas
• Consultoria laboratorial para desenvolvimento
DIAGNÓSTICO
DE TECIDO
PRINCIPAIS TESTES
PRINCIPAIS
EQUIPAMENTOS
• Virologia: HIV, HCV, HCV, EBV, VZV,
Herpes 1/ 2 e CMV
• cobas® TaqMan
(Virologia)
• Saúde da Mulher: HPV, Genotipagem • cobas® Ampliprep
de HPV, CT e NG
(Virologia)
• Microbiologia: Teste para causadores • cobas® s 201
de Sepse, MTB, MRSA e VRE**
(Banco de Sangue)
• Bancos de sangue: Teste NAT
• cobas® 4800
Multiplex Completo (HIV-1 grupo M
(Saúde da Mulher e
e O, HIV-2, HCV e HBV); Testes NAT
Oncologia)
de projetos dedicados à realidade de cada
Duplex (Parvovirus B19 Quanti e HAV • Light Cycler
laboratório
Quali)
• Assessoria científica e técnica em todo o
CIÊNCIAS
DA VIDA
permaneceram em Itapevi, na Grande São Paulo, as
operações de reparo de instrumentos, treinamento
de engenharia e armazenagem de peças (ver mais
sobre a nova unidade no capítulo Engajamento de
Stakeholders, tópico Parceria com o Governo do Estado
de Santa Catarina).
(Microbiologia e
• Genômica e Oncologia:
território brasileiro e dedicada na central de
polimorfismos da CYP 450, t9/22,
atendimento (CARD)
K-RAS, EGFR, BRAF, fator II e V
Genômica)
• Sequenciamento PCR em tempo real
• GS Flex
para pesquisas em biotecnologia, principalmente
• Extração de ácidos nucleicos
• GS Junior
em genômica e celômica, áreas da ciência que
• Análise celular em tempo real
• Light Cycler
vêm transformando conhecimentos, dando nova
• Marcação não radiativa
• MagnaPure
dimensão ao tratamento das doenças.
• Transfecção celular
• F ornecedora de reagentes e de equipamentos
• Fornece sistemas automatizados de diagnóstico
• Anti-Ki67 (clone 30-9)
• BenchMark® GX
ao segmento de anatomia patológica. Seus
• Anti-progesterona (clone 1E2)
• BenchMark® XT
sistemas de reagentes e instrumentos são
• Anti-estrógeno (clone sp1)
• BenchMark® •
utilizados em histologia clínica, em citologia
• Anti-HER2 (clone 4B5)
e em laboratórios de pesquisa de fármacos.
• Hibridização In Situ para Her-2
Com a automação e a integração de sistemas,
ULTRA
• Nexes Special
Stains
a empresa oferece soluções para padronizar
e aperfeiçoar os processos de coloração
de lâminas, auxiliando os patologistas no
diagnóstico mais preciso e na recomendação
de tratamentos mais adequados aos pacientes.
Perfil da Organização
Roche_RS__2011__BR__34.indd 19
19
8/24/12 5:20 PM
3.2.3. Principais destaques de 2011 da Roche Brasil
3.2.3 Principais destaques de 2011 da Roche Brasil
Sustentabilidade
• Criação do Comitê de Sustentabilidade Roche Brasil.
• Certificação das operações da Roche Diagnóstica no Brasil com ISO 9001
Envolvimento com
a comunidade
• Realização da Pesquisa de Avaliação do Programa Vizinho Legal 10 anos
Nossa Gente
• Realização da pesquisa GEOS - a primeira pesquisa de opinião global para funcionários
• Programa Líderes Construindo o Futuro e Programa Vivendo a Visão (Roche Farmacêutica); e Programa de
Alinhamento de Competências Essenciais — PACE (Roche Diagnóstica)
Pesquisa e
Desenvolvimento
• Aumento de 10,5% de investimento em pesquisas clínicas no último ano
Cadeia de
Produção
• Os contratos com os distribuidores da Roche Diagnóstica foram alterados e passaram a incluir também as
diretrizes do Código de Conduta de Fornecedores e dessa forma cláusulas de direitos humanos e legislação
trabalhista
Mercado e acesso
• Em 2011, na Prefeitura de Campinas, o laboratório municipal foi reestruturado e automatizado por meio de
uma parceria com a Roche Diagnóstica e hoje oferece equipamentos e serviços de ponta gratuitamente
aos moradores da cidade.
• A Roche Farmacêutica patrocinou o registro de pacientes Biobadabrasil, promovido pela Sociedade
Brasileira de Reumatologia. Em 2011, este registro obteve dados de mais de 1.600 pacientes, em
comparação com 1.100 em 2010.
• Participação da Roche Farmacêutica nas discussões e na consulta pública para a aplicação da nova
regulamentação brasileira para medicamentos biológicos e biossimilares.
Resultados
Financeiros e
de Negócio
• A Roche Farmacêutica no Brasil tornou-se a sexta filial em faturamento e a segunda que mais cresce entre
as afiliadas do Grupo.
• A Roche Diagnóstica Brasil passou a ser líder do mercado de diagnósticos in vitro,
com 20% de participação no mercado de diagnóstico in vitro e 67% do mercado privado
de tiras de medição de glicemia.
Registros e
Regulamentações
20
• Aprovação do registro no Brasil pela Anvisa do medicamento Zelboraf (vemurafenibe) e do teste
diagnóstico cobas® 4800 BRAF V600 para melanoma metastático.
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
3.2.4. Governança Corporativa
Comitê de Sustentabilidade
GRI 4.1, 4.2, 4.3, 4.4, 4.6, 4.7, 4.9, 4.10, 4.11, LA13
No Brasil, as Divisões Farmacêutica e Diagnóstica
mantêm estruturas de governança distintas, em
função de como os seus negócios estão organizados
juridicamente. A Divisão Farmacêutica atua no Brasil
como uma sociedade anônima de capital fechado, não
realizando operações em bolsa de valores. Já a Divisão
Diagnóstica organiza-se como empresa limitada,
contando com quatro diretores estatutários. Embora o
corpo diretivo local das duas divisões tenha autonomia
na gestão dos negócios, as diretrizes estratégicas
e o planejamento orçamentário são aprovados
internacionalmente.
Comitês Executivos
Há um Comitê Executivo em cada Divisão
(Farmacêutica e Diagnóstica), formados por seus
respectivos presidentes, diretores e gerentes, com
reporte ao presidente. Suas principais funções são:
garantir o alinhamento da organização com o modelo
estratégico da Roche, difundindo seus valores e
competências; gerir e decidir sobre temas legais e
operacionais referentes à afiliada; aprovar planos
orçamentários anuais e seu monitoramento regular e
assegurar a excelência operacional e compliance da
afiliada com as normas do Grupo e regulações locais.
Comitê de Compliance
Na Roche Brasil há um único Comitê de Compliance,
que atua junto às duas divisões. Ele foi reestruturado
em 2011 e, atualmente, é composto pelos dois
Presidentes, pelos Compliance Officers da Roche
Brasil (um de cada divisão) e por um dos diretores
de Recursos Humanos. Esse diretor será o da
Farmacêutica, para os casos de compliance da
Diagnóstica e vice-versa. As decisões nesse comitê são
tomadas de forma consensual (ver mais no capítulo
Engajamento e Diálogo com Stakeholders, tópico
Atuação Ética e Compliance).
Em 2011 foi criado o Comitê de Sustentabilidade,
reunindo representantes das áreas mais estratégicas
da Roche Diagnóstica e da Roche Farmacêutica.
Esse Comitê começa a atuar em 2012 e se reporta
aos sponsors, formados pelos presidentes das duas
empresas, pela diretora de Recursos Humanos e pelo
diretor da Unidade Industrial da Divisão Farmacêutica.
Seu principal objetivo é garantir o cumprimento das
boas práticas em todas as áreas e atividades da
empresa e agregar valor à atuação da Roche Brasil,
enraizando preceitos da sustentabilidade na gestão.
Dessa forma, o comitê trará para a Roche Brasil
a sustentabilidade como parte integrante de sua
governança corporativa e passará a ser o responsável
por definir a estratégia da organização para questões
relacionadas a temas econômicos, ambientais e
sociais e também pelas avaliações de desempenho em
relação às metas estabelecidas para esses aspectos,
identificando os principais riscos e oportunidades.
Área de Projetos Especiais da Divisão
Farmacêutica
A área de Projetos Especiais é parte da governança
da Roche Farmacêutica e é responsável por gerenciar
o portfólio de projetos voltados ao negócio, desde a
formulação estratégica até o seu desdobramento em
projetos. Assim, é possível garantir que a organização
tenha métodos e práticas padronizados, porém flexíveis,
para a gestão, visando o alinhamento do escopo dos
projetos aos objetivos estratégicos da companhia.
Em 2011, foi realizado um extenso mapeamento
de todos os processos-chave internos da Diretoria
de Desenvolvimento de Negócios sendo possível
identificar aqueles mais críticos e pensar em novas
formas de estruturação, que foram colocadas em
prática neste ano. A área também tem como metas,
para 2012, a definição de indicadores de desempenho
para os processos críticos, a capacitação de pessoas
para gerenciamento de projetos, além de atuar
na gestão do projeto da nova ferramenta de CRM
(Customer Relationship Management):
o SalesForce.com. A nova ferramenta será adotada
não somente no Brasil, como também em toda a
América Latina.
Perfil da Organização
21
Sede administrativa – Roche Farmacêutica Brasil – Jaguaré – São Paulo
Dezembro de 2011
Organograma da Roche Farmacêutica Brasil
Presidência
Oncologia & Operação
de Vendas
Virologia & Sistema
Nervoso Central
Imunologia /
Inflamação
Acesso ao Mercado
Diretoria Médica
Industrial
Farmacêutica
Desenvolvimento de
Negócios
Jurídico & Compliance
Recursos Humanos e
Comunicação
Finanças & Serviços
Informática Brasil
A Roche Farmacêutica Brasil reporta-se diretamente à Presidência da América Latina. A afiliada brasileira também
sedia as diretorias de Recursos Humanos Regional, Desenvolvimento de Negócios para América Latina, Finanças
Regional, Informática Regional e Shared Service Center.
22
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Sede administrativa – Roche Diagnóstica Brasil – Jaguaré – São Paulo
Organograma da Roche Diagnóstica Brasil
Dezembro de 2011
Presidência
Diabetes Care
Diagnóstico
profissional
Diagnóstico
Molecular
Ciências da Vida
Diagnóstico de
Tecidos
Professional
Services
Finanças e
Serviços
Assuntos Legais
& Regulatórios
Recursos Humanos e
Comunicação
A Roche Diagnóstica Brasil reporta-se diretamente à Diretoria da sub-região América Latina da Divisão
Diagnóstica, a qual está sediada na filial brasileira. Estão também sediados no Brasil as áreas de Recursos
Humanos, Compliance, Marketing Clínico e Tecnologia da Informação Regionais.
Perfil da Organização
23
0
24
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
04
Inovação e
Pesquisa
Em toda a sua trajetória
a Roche sempre se
destacou por ser uma
das empresas do mundo
que mais investe em
soluções inovadoras de
saúde. Todos os anos,
aproximadamente 20%
do faturamento são
investidos em pesquisa e
desenvolvimento.
Inovação e Pesquisa
25
4.1. Medicina
Personalizada
A área de Pesquisa e Desenvolvimento da Roche
considera a medicina personalizada parte
integrante de sua estratégia.
Na Roche Brasil o ano de 2011 marca um aumento
dos investimentos em estudos locais, que cresceram
10,5% em relação ao ano anterior, taxa que deve
continuar crescente em 2012, com um grande fluxo de
lançamento de projetos e soluções em diagnósticos e
medicamentos.
Essa abordagem é particularmente importante, já que
a medicina personalizada começa no processo de
desenvolvimento dos medicamentos. Em alguns casos,
por exemplo, a colaboração resulta em uma droga
acoplada a um teste diagnóstico específico que orienta
o tratamento.
A reestruturação das divisões Farmacêutica e
Diagnóstica, implementada nos últimos anos, permite
que elas colaborem entre si, ao longo de toda a
cadeia de valor, da descoberta à comercialização.
Um exemplo representativo dessa parceira entre as
duas divisões no Brasil é o estudo clínico, iniciado
em 2010 e com término previsto em 2012, com a
finalidade de avaliar os resultados padronizados para o
diagnóstico de câncer de mama.
Gráfico ilustrativo do processo de medicina personalizada
Pesquisa e Desenvolvimento - etapas iniciais
Seleção
do alvo
Geração
compostobase
Fase de
descoberta
Fase 0
Fase I
Fase
exploratória
Desenvolvimento de
biomarcadores
Identificação do alvo
26
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Desenvolvimento clinico
Fase II
Fase III
Prova de
conceito
Diagnóstico atrelado
- viabilidade e utilidade
Seleção de pacientes
Pedido
registro
Comercialização
Mercado
Fase IV
Fase
Confirmatória
Lançamento de avaliação
pós-lançamento
Prescrição e monitoramento
personalizados
4.2. Pesquisa e inovação
no Grupo Roche
Para ampliar ainda mais sua atuação, a Roche
também faz parcerias e apoia estudos de centros
de pesquisas em diversos países, por meio de
capacitação e treinamento, intercâmbio de
conhecimento e apoio financeiro.
Na sede da Roche em Basileia, Suíça, encontrase um centro de excelência em pesquisa e
desenvolvimento que concentra especialistas de
diversas áreas, focados no desenvolvimento de novos
medicamentos e métodos diagnósticos. Além desse
centro, há, em diversas afiliadas, equipes focadas em
estudos e pesquisas clínicas, sejam independentes
ou em parceria com outras afiliadas ou com a
matriz. E para ampliar ainda mais sua atuação, a
Roche também faz parcerias e apoia estudos de
centros de pesquisas em diversos países, por meio
de capacitação e treinamento, intercâmbio de
conhecimento e apoio financeiro.
Em 2011, o Grupo investiu mais de 8,07 bilhões
de francos suíços (15,2 bilhões de reais) em
pesquisa e desenvolvimento. Atualmente, mais
de 330 mil pacientes estão participando de mais
de 2.100 estudos clínicos. Esse investimento,
tanto financeiro como de recursos de engenharia
genética, tem grande foco em pesquisa e na
construção de infraestrutura para o desenvolvimento
de medicamentos biológicos, que são os mais
avançados no campo dos estudos médicos e
farmacêuticos, além de terem os custos mais altos
de pesquisa e produção.
Em janeiro de 2012, a Divisão Farmacêutica
concentrava 122 projetos em desenvolvimento
clínico, 79 envolvendo novas moléculas e 43
envolvendo novas indicações ou extensões de
linha para medicamentos já existentes. Já a Divisão
Diagnóstica lançou, nos principais mercados, 50
novos testes e 13 instrumentos novos ou atualizados.
As duas Divisões estão colaborando em mais de 200
projetos em todas as áreas terapêuticas de interesse
da Roche.
O pipeline do Grupo hoje inclui também 13
moléculas em estágio avançado de desenvolvimento,
sendo que sete delas são voltadas para terapias
personalizadas. Enquanto a Divisão Farmacêutica
trabalha nos medicamentos, a Divisão Diagnóstica
desenvolve testes para orientar o uso adequado dos
novos compostos, reforçando o trabalho conjunto
dos dois segmentos da empresa.
Alguns dos principais estudos realizados em 2011,
no Grupo Roche foram:
• Cleópatra: estudo randomizado de Fase III,
que busca avaliar a segurança e a eficácia do
tratamento feito pela associação de Herceptin®
(trastuzumabe), docetaxel e pertuzumabe,
Inovação e Pesquisa
27
Marli Duarte Monteiro da Silva (Unidade Industrial Farmacêutica – Líquidos Estéreis)
em comparação com o tratamento feito pela
associação de Herceptin® (trastuzumabe), docetaxel
e um placebo, em pacientes com câncer de mama
metastático HER2-positivo, que não haviam sido
tratados anteriormente.
•A
thena: estudo publicado em setembro de 2011,
no American Jornal of Pathology, com o objetivo
de validar o teste cobas® 4800 HPV, demonstrar
o benefício de informações clínicas adicionais
fornecidas pelo teste de HPV frente ao resultado da
citologia, e avaliar o benefício em prever o risco da
progressão para doença cervical de alto grau pela
genotipagem do HPV16/18.
•O
ceans: estudo que compara a segurança e a
eficácia do tratamento feito pela associação de
Avastin® (bevacizumabe) com quimioterapia, versus
o tratamento feito apenas com quimioterapia
isolada. O estudo, iniciado em 2008, foi feito em
28
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
pacientes com câncer de ovário que, após seis
meses de tempo livre sem a doença, apresentaram
uma nova progressão no tumor. As mulheres que
receberam o tratamento associado com Avastin®
(bevacizumabe) experimentaram uma redução
de 52% no risco de progressão da doença, o que
significa um aumento de quatro meses no tempo
sem o câncer. Os resultados da pesquisa foram
apresentados para cerca de 30 mil pessoas durante
a 47ª Reunião Anual da Sociedade Americana de
Oncologia Clínica (Asco), na cidade de Chicago
(EUA).
•A
nálises de biomarcadores de NEOSPHERE: um
estudo de Fase II que avalia a combinação de
pertuzumabe, Herceptin® (trastuzumabe),
e quimioterapia em pessoas recém-diagnosticadas
com câncer de mama em estágio precoce
HER2-positivo.
4.3. Inovação na Roche
Farmacêutica Brasil
Os investimentos em pesquisa clínica
cresceram 10,5% em comparação a 2010. Essa
participação deve aumentar ainda mais nos
próximos anos, uma vez que novos centros de
pesquisa estão sendo criados no país, além do
aprimoramento dos já existentes.
Na Roche Farmacêutica, a Diretoria Médica é
a responsável pelas pesquisas clínicas. A área
consolidou-se em 2011 e tornou-se essencial
no papel de interligação entre a companhia e as
demandas da população. O objetivo da Diretoria
é perceber as áreas de maior necessidade
para focar suas pesquisas. Dentro da Diretoria
Médica, também foram unificadas no último ano
as áreas de Pesquisa Clínica Internacional e
Pesquisa Clínica Local, representando um modelo
de integração dentro da Roche. Responsável
pela condução dos estudos clínicos no Brasil, a
área conta atualmente com 105 colaboradores,
realizando, em 2011, 119 estudos clínicos, com
a parceria de aproximadamente 400 centros de
pesquisa e sete mil pacientes em estudos. Os
investimentos em pesquisa clínica cresceram
10,5% em comparação a 2010. Essa participação
deve aumentar ainda mais nos próximos anos,
uma vez que novos centros de pesquisa estão
sendo criados no país, além do aprimoramento
dos já existentes. Isso reflete a importância da
afiliada brasileira no desenvolvimento clínico dos
medicamentos Roche.
A Diretoria Médica divide seus estudos em duas
áreas. A primeira, chamada de Desenvolvimento
de Produto Global (ou Product Development
Global – PDG), é responsável por realizar os
estudos globais de novas moléculas e onde se
fazem os ensaios clínicos necessários para a
aprovação de um novo medicamento. Já a área de
GPS/PA (Global Product Strategy/Pharma Affiliate,
ou Estratégia de Produto Global/Afiliada Farma)
busca ampliar o acesso e os benefícios de seus
produtos, realizando estudos que buscam obter
informações adicionais dos produtos, incluindo as
que possam ser necessidades específicas para a
população brasileira.
Inovação e Pesquisa
29
Andrea Vieira (Unidade Industrial Farmacêutica – Líquidos Estéreis)
Como em todas as afiliadas, os trabalhos seguem
as diretrizes operacionais mundiais de pesquisa
clínica em seres humanos, denominadas GCP/
ICH (Good Clinical Practice/International
Conference on Harmonization, ou Boas Práticas
em Pesquisa Clínica/Conferência Internacional
em Harmonização).
Veja abaixo as principais metas da Diretoria
Médica em 2012:
• Investimento de R$10,5 milhões em estudos
de Fase IV, o que representa um incremento
de 31,1% em relação aos estudos conduzidos
em 2011;
Projetos em desenvolvimento
na área no Brasil em 2011
119
• S ubmissão para as autoridades regulatórias
dos processos de produtos novos:
pertuzumabe, Herceptin ® (trastuzumabe)
Subcutâneo e T-DM1;
• G arantia de supervisão segura para as
atividades que potencialmente desencadeiem
coleta de relatos de eventos adversos na afiliada
brasileira, incluindo estudos clínicos locais,
programas não intervencionistas (Programas
de Suporte ao Paciente e Pesquisas de
Mercado), websites & social media,
co-promoção com processos, procedimentos e
auditoria estabelecidos e evidenciados
em relatório mensal;
Pipeline de Pesquisa e Desenvolvimento
Projetos em desenvolvimento
Novos Produtos
41
Novas Indicações
78
Fase I
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
2
Fase II
25
Fase III
73
Fase IV
18
Farmacoeconomia
30
119
1
Nilo Guapyassu (Unidade Industrial Farmacêutica – Fabricação de Sólidos)
Seguem listadas algumas moléculas e suas respectivas indicações, que se encontram
em diferentes fases de pesquisa no Brasil:
indicações farmacêuticas
moléculas
Alzheimer
• Gantenerumab
Anemia renal
• Mircera® (betaepoetina-metoxipolietilenoglicol)
Artrite reumatoide
• Actemra® (tocilizumabe) • MabThera® (rituximabe) • Ocrelizumab
Asma
• Lebrikizumab
Câncer colorretal
• Avastin® (bevacizumabe) • Xeloda® (capecitabina)
Câncer de mama
• Avastin® (bevacizumabe) • Herceptin® (trastuzumabe) • Onartuzumab • Pertuzumabe • Trastuzumabe
Emtansine (TDM-1) • Xeloda® (capecitabina)
Câncer de ovário
• Avastin® (bevacizumabe)
Câncer de pulmão
• Avastin® (bevacizumabe) • Tarceva® (cloridrato de erlotinibe) • Onartuzumab
Câncer gástrico
• Avastin® (bevacizumabe) • Herceptin® (trastuzumabe) • Trastuzumabe Emtansine (TDM-1)• Onartuzumab
CARDIOMETABOLISMO
• Aleglitazar
Doença de Parkinson
• Prolopa® (levodopa + cloridrato de benserazida)
Esclerose múltipla
• Ocrelizumab
Esquizofrenia
• Bitopertin
Hepatite B
• Pegasys® (alfapeginterferona 2a)
Hepatite C
• Pegasys® (alfapeginterferona 2a) • Danoprevir • Mericitabine
Leucemia linfoide
• Obinutuzumab • MabThera® (rituximabe)
Linfoma
• MabThera® (rituximabe)
Linfoma não-Hodgkin
• Avastin® (bevacizumabe) • MabThera® (rituximabe) • Obinutuzumab
Melanoma
• Vemurafenibe
Transplante renal
• Valcyte® (cloridrato de valganciclovir)
Inovação e Pesquisa
31
4.4. I novação na Roche
Diagnóstica Brasil
A cada ano, a Roche traz inovações globais para o
mercado brasileiro de diagnósticos, beneficiando
pacientes que passam a ter acesso às mais
inovadoras soluções diagnósticas nas áreas de
diagnóstico in vitro e diabetes.
Em 2011 destacaram-se os seguintes lançamentos
no mercado brasileiro:
•T
este cobas® 4800 HPV:
Teste qualitativo in vitro usado para a detecção do vírus
HPV. Ele utiliza a técnica é de PCR (reação em cadeia da
polimerase) em tempo real, com detecção de 14 tipos
de HPV de alto risco numa única análise: identifica
individualmente os tipos HPV 16 e HPV 18, enquanto
detecta simultaneamente os outros 12 tipos de alto risco
HPV HR (31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59, 66 e 68)
agrupados.
•T
este cobas® 4800 BRAF V600:
Aprovado pela Anvisa em 2011, e a ser lançado no Brasil
em 2012, é um exame de diagnóstico por PCR (reação
em cadeia da polimerase) que detecta mutações de
BRAF V600 em amostras de tecido de melanoma
humano parafinado fixado em formalina (FFPE). Ele
será utilizado para identificar pacientes com tumores de
melanoma metastáticos mutantes de BRAF, juntamente
com o vemurafenibe, um medicamento investigativo
projetado para inibir seletivamente a forma mutante
da proteína BRAF encontrada em aproximadamente
metade de todos os casos de melanoma. Trata-se de
mais um caso de medicina personalizada e de atuação
conjunta da Roche Diagnóstica e Farmacêutica.
32
• Equipamento cobas 8000®:
Lançado em agosto de 2011, o analisador modular,
a ser utilizado na área de sorologia de laboratórios
com grande volume de testes, possibilita montar
módulos de acordo com a rotina e necessidades dos
clientes. Assim, ele agrega velocidade, tecnologia
e segurança aos grandes laboratórios e oferece
resultados de alta qualidade, muitas opções de
backup e processos totalmente automatizados.
• Equipamento cobas b123®:
O analisador point of care de gases,
eletrólitos e outros parâmetros críticos é voltado
para uso nas unidades de terapia intensiva, em
hospitais. O equipamento elimina problemas
com manipulação de amostras e reduz custos de
manutenção, com interface gráfica colorida que
orienta os usuários. O cobas b123® já rendeu um
prêmio de excelência em design médico à Roche
Diagnóstica, concedido pela revista internacional
IVC Technology. Com o equipamento,
a Roche Diagnóstica se destacou pelo
desenvolvimento de embalagens e insumos que
reduziram problemas de manuseio das amostras
sanguíneas, além de facilitar os processos de trabalho
com menor necessidade de manutenção
e redução de custos.
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 32
8/24/12 5:20 PM
4.5. Parcerias para
inovação e geração
de conhecimento
A Roche Brasil busca realizar parcerias com
instituições de pesquisa, tendo como objetivo
a troca de informação para a descoberta
de novos diagnósticos e medicamentos em
conjunto com a sociedade.
Nesse sentido, em 2011, a Divisão Diagnóstica
estabeleceu as seguintes parcerias:
• Parceria com a Fundação Evandro Chagas:
Foi estabelecido um convênio científico e tecnológico
entre a Roche Diagnóstica e a Fundação Evandro
Chagas com interveniência da Fundação Instituto para
o Desenvolvimento da Amazônia, voltado ao estudo
e caracterização de arboviroses na região amazônica
brasileira. O objetivo é fomentar o desenvolvimento
do conhecimento sobre novas espécies de arbovírus
que tenham potencial patogênico na região, para,
com isso, ter mais conhecimento sobre doenças
locais. A Roche Diagnóstica oferece o valor total de
R$ 98.178,26, na forma de três bolsas de estudos,
concedidas aos pesquisadores envolvidos no projeto,
além de treinamento e capacitação nas áreas de
sequenciamento de nova geração e workflow de PCR.
• Parceria com a Pontifícia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS): A
Roche Diagnóstica Brasil tomou parte do estudo
IRON (The Interlaboratory Robustness of NextGenerationSequencing), de caráter global, envolvendo
o laboratório do Prof. Bernardo Garicochea, da
PUC-RS, além de outros sete diferentes laboratórios,
em seis países. O trabalho deve dar origem a
uma publicação científica que apresentará as
novas descobertas na caracterização da leucemia
mielomonocítica crônica, por meio do uso da
tecnologia de sequenciamento de nova geração da
Roche, o GS FLX. O equipamento permite obter mais
informações sobre a doença, conhecimento que
pode levar ao desenvolvimento de tratamentos mais
eficazes, direcionados para as alterações genômicas
dos portadores dessa enfermidade.
Inovação e Pesquisa
33
0
34
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
05
Engajamento
e Diálogo com
Stakeholders
GRI 4.14, 4.15, 4.16, 4.17
A Roche considera que
o relacionamento com
seus diversos públicos é a
essência de seu negócio.
Por isso, a empresa
mantém e procura
aprimorar continuamente
o diálogo com seus
stakeholders, criando
valor compartilhado,
aumentando o acesso
a seus produtos e
possibilitando um maior
conhecimento sobre temas
de saúde e possibilidades de
diagnóstico e tratamento.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
35
5.1.Parcerias e
Responsabilidades
Os compromissos estabelecidos pela empresa
estão baseados em relacionamentos éticos e
transparentes, pautados por respeito, pelos
valores da Roche e pelos códigos seguidos pela
companhia.
Os compromissos estabelecidos pela empresa estão
baseados em relacionamentos éticos e transparentes,
pautados por respeito, pelos valores da Roche e pelos
códigos seguidos pela companhia: Código de Conduta
Global, Política de Doações, Códigos Setoriais, Código
de Ética Médica, Política de Compliance, Código de
Boas Práticas no Relacionamento com Governos,
Política Interna de Relacionamento com Profissionais
da Área de Saúde e o Código de Conduta do
Fornecedor. Para mais informações, acessar
www.roche.com.br.
Códigos setoriais
GRI PR6
A Roche Brasil segue os seguintes parâmetros
internacionais e nacionais de conduta ética requeridos
para o seu negócio:
• ICFR (Internal Control over Financial Reporting,
ou Controle Interno sobre as Demonstrações
Financeiras): Consiste em uma certificação exigida
para as empresas que operam na Bolsa de Valores
da Suíça, como é o caso do Grupo Roche, que
verifica milhares de controles internos nos balanços
fiscais e contábeis em todas as afiliadas do Grupo.
36
O ICFR reforça a explícita responsabilidade da
administração pelos controles internos que garantam
a integridade dos números contábeis e financeiros,
através de processos contínuos, confiáveis, seguros e
transparentes. Em 2011, o Brasil obteve o certificado
com regularidade pelo quinto ano consecutivo.
•C
ódigo EDMA: o Código de Ética da EDMA
(European Diagnostic Manufacturers Association,
ou Associação Europeia da Indústria Diagnóstica)
guia seus associados na interação com profissionais
da saúde a fim de promover o avanço da ciência
médica e aprimorar os cuidados com o paciente. O
Grupo Roche, como líder mundial da indústria de
diagnósticos in vitro, adota essas diretrizes para todas
as suas afiliadas.
•C
ódigo de Conduta Interfarma: a Roche segue
o Código de Conduta da Interfarma (Associação
da Indústria Farmacêutica de Pesquisa),
comprometendo-se a realizar esforços para a
educação e promoção de novas terapias que
beneficiam os pacientes, e com programas e ações
que valorizam a prática da medicina. Por meio
deste código, as associadas também consideram
imprescindível preservar a independência das
decisões tomadas por profissionais da saúde ao
prescrever medicamentos aos pacientes.
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 36
8/24/12 5:20 PM
• Código IFPMA: Aplicado no mercado brasileiro
desde 2008, a partir de uma adequação feita pela
Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa
(Interfarma), o Código da IFPMA (International
Federation of Pharmaceutical Manufacturers &
Associations, ou Federação Internacional das
Associações dos Fabricantes Farmacêuticos)
estabelece os preceitos para a promoção de produtos
farmacêuticos e para o relacionamento íntegro e
transparente da indústria com médicos e profissionais
da saúde, sem que haja qualquer vínculo comercial
ou comprometimento com a prescrição de produtos.
Segurança de produtos e proteção a pacientes
GRI PR1
A fim de resguardar a segurança dos produtos e
dos pacientes, a Roche Brasil adota como política
atualizar, sempre que necessário, todos os materiais
de comunicação dirigidos aos clientes, tais como
rótulos, embalagens, bulas, entre outros. Dessa forma,
a empresa visa, também, garantir a prescrição e o
consumo responsáveis e desencorajar os excessos e o
uso inadequado de medicamentos.
Os clientes da Roche Brasil também são alertados nos
casos de alterações nas características dos produtos
ou serviços, tais como composição, qualidade, prazos
de validade e peso, inclusive para que a empresa siga
medidas de caráter regulatório.
fazem parte das responsabilidades da área ambiental
da Divisão Diagnóstica. A segurança da cadeia fria
dos produtos, como reagentes, é preservada nos
deslocamentos entre o centro de distribuição e o
cliente, de acordo com as normas legais específicas.
Para assegurar a procedência de seus produtos, a
Divisão Farmacêutica da Roche desenvolveu um
sistema de segurança com o qual é possível atestar
a autenticidade dos medicamentos e identificar para
quem a Roche os vendeu, proporcionando maior
garantia e segurança aos pacientes.
Trata-se do selo de segurança Roche ID, desenvolvido
e aplicado nas embalagens dos produtos de oncologia
e hematologia: Avastin® (bevacizumabe), Herceptin®
(trastuzumabe), MabThera® (rituximabe), Tarceva®
(cloridrato de erlotinibe), Xeloda® (capecitabina) e
Actemra® (tocilizumabe).
O selo, que possuiu um número identificador
individualizado para cada embalagem, pode ter sua
autenticidade confirmada diretamente pelo telefone
0800 7720 289 do Serviço de Informações Roche (SIR)
ou, também, pelo website www.rocheid.com.br.
Selo de segurança Roche ID
Cuidados no transporte de produtos laboratoriais
perigosos e no manuseio de resíduos contaminados
Política de Qualidade do Grupo
Estamos comprometidos em melhorar a saúde e a qualidade de vida das pessoas através do desenvolvimento, da
fabricação, da entrega, da segurança e eficácia dos nossos produtos e prestando serviços de alta qualidade em
conformidade com os regulamentos aplicáveis.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
37
Em 2011, não foram registrados casos de extravio ou
roubo. Porém, quando isso acontece, a Roche tem
condições de publicar no website a informação de
quais são os selos envolvidos no extravio ou roubo,
além de mantê-los como inválidos no banco de dados
de autenticação.
Farmacovigilância
Tecnovigilância
O monitoramento contínuo envolve os ensaios clínicos
Fases I, II e III, realizados em seres humanos antes da
aprovação para uso na população, e nos estudos Fase
IV, de segurança, tolerabilidade e eficácia, continuando
em toda a fase de comercialização, quando a utilização
ocorre em grande escala. Seu objetivo é determinar
a incidência, a gravidade e a relação de causalidade
entre um evento adverso e um medicamento, com o
intuito de promover o planejamento de pesquisas e
análises que podem resultar em suporte para decisões
regulatórias, bem como em atualizações na bula,
permitindo uma melhor análise do risco-benefício, bem
como o uso apropriado do produto.
A Roche Diagnóstica realiza atividades regulares de
tecnovigilância de acordo com a RDC nº 67, de 21 de
dezembro de 2009, da Anvisa, que trata de normas
aplicáveis aos detentores de registro de produtos
para saúde no Brasil com vistas à segurança sanitária
desses produtos após a sua comercialização.
A tecnovigilância é um estudo, com análise e
investigação, de uma série de casos definidos a partir
da exposição a um risco comum, durante o uso de
um produto médico, que poderia ocasionar ou levar a
um agravo sério à saúde, desde que o usuário tenha
seguido as orientações do fabricante.
O relato desses eventos visa melhorar a segurança de
pacientes e usuários por meio da disseminação dessas
informações, prevenindo, minimizando ou reduzindo
a repetição de tais incidentes. Os relatos podem ser
feitos da seguinte forma:
• Eventos adversos: são queixas em que, direta ou
indiretamente, algum produto ou seu resultado possa
levar ou ter levado a uma séria deterioração da saúde
do paciente ou à sua morte.
• Reclamação ou queixa técnica: trata-se de
qualquer comunicação do cliente/usuário final
com a Roche Diagnóstica ou qualquer outra
forma de comunicação na fase pós-produção
(incluindo publicações científicas negativas) que
indique mau funcionamento, falha ou deterioração
nas características/desempenho de produtos e
equipamentos, como também qualquer inadequação
na rotulagem ou instruções de uso de um produto
colocado no mercado ou distribuído pela Roche
Diagnóstica.
38
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
A Farmacovigilância tem como missão garantir a
proteção e a segurança dos pacientes, disponibilizando
proativamente informações médicas sobre os
medicamentos da Roche Farmacêutica, em todo o seu
ciclo de vida.
Na Roche, a área faz parte do Sistema Global Roche de
Segurança de Medicamentos (Global Drug Safety) e,
por isso, atua de acordo com políticas e procedimentos
que visam ao cumprimento de regulamentações
nacionais da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
– Anvisa e Centro de Vigilância Sanitária do Estado de
São Paulo – CVS-SP, bem como, as regulamentações
e internacionais do Food and Drug Administration for
United States – FDA e European Medicines Agency for
Europe, Middle East and Africa – EMA. Além disso, a
empresa utiliza metodologias, que incluem o QRMQuality Risk Management, Inspection Preparediness e
OPA Optimization of Pharmacovigilance in the Affiliate.
5.1.1.Governo
A Roche mantém relacionamentos com representantes
do Governo Federal, principalmente do Ministério da
Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
(Anvisa), organismos responsáveis pela gestão pública
da saúde no Brasil, e também a Agência Nacional de
Saúde Suplementar (ANS), que regula as operadoras
de saúde do País. Além disso, realiza parcerias com
governos estaduais e municipais.
Mantendo sempre a ideia de parceria e ética, a
relação com esses diferentes órgãos do governo inclui:
registro de novos produtos, ampliação de uso e novas
indicações, aquisição de medicamentos e exames
diagnósticos para hospitais e laboratórios públicos e
discussão de políticas públicas na área da saúde. A
companhia também colabora tecnicamente fornecendo
informações em áreas mais gerais, como acesso ao
Posicionamento da Roche sobre medicamentos biológicos similares
Produtos biológicos inovadores, ou de referência, como, por exemplo, proteínas e anticorpos, estão perdendo
suas patentes e uma segunda onda de produtos, alegando serem similares a um produto inovador, vem sendo
desenvolvida e comercializada mundialmente. No entanto, a reprodução dos produtos biológicos é difícil, em
função de suas estruturas moleculares complexas e por serem obtidos em sistemas vivos através de processos de
produção altamente complexos, que são difíceis de reproduzir. As limitações dos métodos analíticos e dos testes
pré-clínicos, para caracterizar integralmente um medicamento biológico torna obrigatório conhecer os dados
clínicos para demonstrar a similaridade das propriedades moleculares, bem como a segurança e a eficácia do
medicamento de referência.
Por isso, a relação risco versus benefício deve ser cuidadosamente avaliada e monitorada, assim como
é necessária a implementação de um marco regulatório transparente e bem definido, abrangendo o
desenvolvimento, a aprovação e os procedimentos pós-registro. No Brasil, a RDC n° 55, de 16 de dezembro
de 2010, da Anvisa, estabelece as diretrizes para submissão e aprovação de produtos (biossimilares), que não
recebem essa nomenclatura pelas autoridades regulatórias do país e são chamados de “produtos biológicos”.
Assim, a Roche Brasil defende que a aprovação de um produto biológico (biossimilar) siga regras claras e bem
definidas que garantam a proteção da saúde pública. A empresa apoia a exigência de processos rigorosos no
desenvolvimento desses produtos, apresentando dados clínicos, não clínicos e os riscos de imunogenicidade para
demonstrar a similaridade de qualidade ao produto biológico de referência, bem como sua segurança e eficácia
clínica embasada em estudos comparativos específicos. Além disso, para a prescrição e distribuição segura e para
o acompanhamento eficaz de farmacovigilância pós-aprovação, é importante também que os diferentes produtos
possam ser claramente identificados e diferenciados.
Além disso, a empresa acredita que a regulamentação para produtos biológicos (biossimilares) promoverá e
servirá de incentivo para a realização de pesquisas inovadoras de novos medicamentos e para o progresso
da medicina. Por isso, a companhia se envolveu ativamente, em 2011, nas discussões setoriais sobre a
regulamentação destes produtos e pretende manter essa postura em 2012.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
39
sistema de saúde (ver mais no tópico Acesso deste
capítulo), e transferência de tecnologia e melhoria
de equipamentos e serviços públicos (ver mais neste
capítulo, Engajamento e Diálogo com Stakeholders,
tópico Conscientização, Conhecimento e Campanhas).
Participação na discussão de políticas públicas
GRI SO5
Um dos focos da atuação da Roche Brasil em parceria
com o governo é por meio da participação em
discussões, compartilhando conhecimento científico
e buscando dar suporte na elaboração de leis,
regulamentos e políticas efetivas para a saúde pública.
Os principais destaques de 2011 nesse sentido foram:
• realização do I Fórum de Políticas Públicas em
Reumatologia, que envolveu diversas áreas da
Roche Farmacêutica, contou com a presença de
importantes reumatologistas e farmacêuticos e teve
como objetivo abrir discussão sobre as prioridades
da reumatologia no Brasil, gestão de recursos e
financiamento da saúde;
• participação nas discussões e na consulta pública
para a aplicação da nova regulamentação brasileira
para medicamentos biológicos e biossimilares. Em
Aprovação do Zelboraf (vemurafenibe)+ Teste cobas® 4800 BRAF V600
Em 2011, a Roche Brasil comemorou a aprovação do registro no Brasil pela Anvisa do medicamento Zelboraf
(vemurafenibe) e do teste diagnóstico cobas® 4800 BRAF V600, que será lançado no mercado brasileiro em 2012.
O medicamento é utilizado no tratamento de pacientes com melanoma metastático, ou seja, câncer de pele em
fase avançada e inoperável, quando detectado por um teste diagnóstico também aprovado pela Anvisa para
detectar tumores com a mutação do gene BRAF.
O Zelboraf (vemurafenibe) destina-se apenas a pacientes cujas células tumorais do melanoma expressem nos
seus genes a mutação BRAF V600. Este é o primeiro e único medicamento personalizado que identifica pacientes
que poderão se beneficiar do tratamento aprovado no Brasil e que demonstrou melhorar a sobrevida dos
pacientes com a mutação BRAF V600E em estágio avançado da doença. Além disso, é um caso de sucesso de
parceria entre as duas divisões da Roche para o desenvolvimento da medicina personalizada.
Como funciona o Zelboraf (vemurafenibe)?
Nos melanomas positivos para a mutação BRAF, está presente uma forma anormal de BRAF, a BRAF V600E, que
contribui para o desenvolvimento do câncer ao permitir a multiplicação não controlada das células tumorais. A
substância ativa do Zelboraf, o vermurafenibe, é um inibidor dessa forma anormal de BRAF. Ao bloquear a ação da
proteína BRAF V600E, o Zelboraf (vemurafenibe) bloqueia a via de crescimento e disseminação do câncer.
40
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 40
8/24/12 5:20 PM
Valéria Clemente (Acesso ao Mercado)
dezembro de 2010, a Anvisa estabeleceu as diretrizes
para submissão e aprovação desses produtos e,
ao longo de 2011, foram promovidas discussões
conjuntas entre o governo e diversas associações
e empresas do setor para a definição de novos
marcos regulatórios (guias específicos por tipos de
moléculas). A Roche participou desse debate junto à
Anvisa e em conjunto com a Associação da Indústria
Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) (ver mais
sobre a posição da Roche sobre o tema no quadro na
página 39 );
• participação, por meio de entidades de classe,
das discussões para elaboração de novas
regulamentações da Anvisa, como as que dispõem
sobre a garantia da qualidade de medicamentos
importados, os procedimentos e condições de
realização de estudos de estabilidade para o registro
ou alterações pós-registro de produtos biológicos,
entre outras.
• participação, diretamente e por meio de entidades
de classe, nas discussões para elaboração de novas
regulamentações da Anvisa referentes a instruções
de uso de produtos médicos em meios não impressos,
contribuindo para reduzir a utilização de papel, bem
como para a definição de regras para ações de
campo na pós-comercialização (tecnovigilância).
Para 2012, a meta da empresa é continuar trabalhando
em parceria com o governo e ser reconhecida como
uma referência confiável no debate e aprimoramento
de políticas públicas, principalmente de tratamento
de diversos tipos de cânceres, da hepatite C, de artrite
reumatoide, entre outras doenças.
Registros e regulamentações
Uma das principais áreas de relacionamento com
governos também envolve o registro de medicamentos
e de testes e produtos diagnósticos, bem como a
submissão de dossiês para avaliação de tecnologias em
saúde. Nesses dossiês, a Roche fornece informações
completas e atualizadas sobre eficácia, segurança
e farmacoeconomia dos produtos (ver mais no item
Acesso). Esses protocolos, se aprovados, geram a
inclusão de medicamentos e testes diagnósticos no
sistema público de saúde brasileiro.
Por meio de uma equipe técnica devidamente
capacitada e com amplo domínio das legislações
referentes ao tema, a empresa procura garantir que
todos os requisitos necessários para o registro de seus
produtos e equipamentos sejam cumpridos, buscando
facilitar a atuação da Anvisa e possibilitar a aprovação
e a chegada dos produtos ao mercado brasileiro no
menor prazo possível.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
41
Em 2011, a Roche Diagnóstica submeteu para
aprovação da Anvisa 145 novas petições e, nesse
mesmo período, conseguiu a aprovação de 162, dentre
elas registro de novos itens, renovações e alterações de
produtos. Entre estes, destacam-se:
• aprovação do cobas® 4800 BRAF V600, utilizado
em conjunto com o medicamento como Zelboraf
(vemurafenibe);
• aprovação do HE 4, utilizado para avaliação do risco
de câncer epitelial de ovário;
• e aprovação KRAS, utilizado para a identificação de
mutações nos códons 12, 13 e 61 do gene KRAS em
DNA derivado de tecido de câncer colorretal humano.
Já em relação à Roche Farmacêutica, em 2011, foram
submetidos 386 e aprovados 115 processos, entre
alteração de bula, nova indicação, aprovação de
medicamentos, alteração de rotulagem, renovação
de registro, entre outros. Destaca-se a aprovação
do Zelboraf (vemurafenibe) para o tratamento de
melanoma metastático e a aprovação de novas
indicações, segundo tabela abaixo.
PRODUTO
INDICAÇÕES APROVADAS EM ANOS ANTERIORES
AMPLIAÇÕES DE USO E NOVAS
INDICAÇÕES APROVADAS EM 2011
HERCEPTIN®
(TRASTUZUMABE)
Indicado para tratamento de câncer de mama metastático
Câncer gástrico
HER2+ e câncer de mama inicial HER2+ após cirurgia,
quimioterapia (neoadjuvante ou adjuvante) e radioterapia
(quando aplicável).
MABTHERA®
(RITUXIMABE)
Indicado para linfoma não-Hodgkin e linfoma folicular como
Leucemia linfoide crônica
tratamento de manutenção e também para artrite reumatoide
(primeira linha e recaída)
em combinação com metotrexato.
TAMIFLU®
(FOSFATO DE OSELTAMIVIR)
Indicado para o tratamento e para
Tratamento e profilaxia da
a profilaxia de gripe em adultos e crianças
influenza em pacientes com
com idade superior a um ano.
insuficiência renal e profilaxia
da influenza em pacientes
imunocomprometidos
42
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 42
8/24/12 5:20 PM
5.1.2.Fornecedores
GRI EC6, HR1, HR2, HR6, HR7
Os fornecedores da Roche assumem um papel
importante para que a companhia mantenha a
qualidade de seus produtos e a sustentabilidade em
suas operações. Por isso, a empresa procura firmar
e manter parcerias sólidas com seus fornecedores,
acompanhando de perto suas atividades.
A seleção, a avaliação e a qualificação desses
parceiros comerciais seguem diretrizes corporativas
e locais, que visam respeitar a legislação trabalhista,
os direitos humanos e o meio ambiente. Durante
o processo de seleção de seus fornecedores, a
Roche faz um levantamento geral de sua atuação e
situação financeira, em que são avaliadas informações
comerciais, débitos no mercado, pagamento de
impostos, processos trabalhistas, etc. Quaisquer
empresas fornecedoras dos serviços e produtos
demandados estão aptas a participar da seleção,
não havendo política específica para contratação
de fornecedores locais. Ainda assim, na unidade
administrativa da Divisão Farmacêutica, 90% dos
produtos são adquiridos dentro do Estado de São Paulo
e, na unidade administrativa da Divisão Diagnóstica,
aproximadamente 17% do volume de transações são
realizadas em São Paulo.
Desde 2009, os contratos com os fornecedores mais
representativos seguem com um anexo denominado
Código de Conduta do Fornecedor, que incorpora
princípios relacionados à ética, ao trabalho, a saúde
e segurança, a questões ambientais e a sistemas de
gestão, além de tópicos como inovação e estabilidade
financeira. Além disso, buscando incentivar e
compartilhar os seus valores, a Roche dá preferência a
empresas que tenham incorporado a sustentabilidade
à sua gestão. Esse é o critério de desempate utilizado
para contratação, quando há fornecedores com as
mesmas condições de negociação. E para garantir
que os fornecedores atuem de acordo com os valores
e diretrizes da empresa, foram inseridas cláusulas
específicas nos contratos, que incluem, por exemplo,
o compromisso de respeitar os direitos humanos, a
legislação trabalhista e a não contratar mão de obra
infantil ou em regime análogo ao trabalho escravo.
Kathya Abissamra e Carolina Prieto (Finanças & Serviços)
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
43
5.1.3.Distribuidores
GRI HR6, HR7
Os distribuidores têm um papel estratégico na
cadeia de valor da Roche. Eles são responsáveis
por etapas importantes da comercialização e
distribuição dos produtos da empresa, como
a armazenagem e o transporte, que exigem
condições específicas para a manutenção da
qualidade e eficácia dos produtos. Por isso, são
estabelecidas obrigações compartilhadas, por
meio de contratos claros e sempre observando
as práticas de livre comércio e concorrência.
Em 2011, os contratos com os distribuidores da
Roche Diagnóstica foram alterados e passaram a
também incluir as diretrizes do Código de Conduta
de Fornecedores. Essa ação teve como objetivo
incluir cláusulas de direitos humanos, legislação
trabalhista, entre outras, e alinhar a atuação dos
distribuidores às diretrizes da Roche no que se
refere às principais práticas de sustentabilidade.
Desde 2007, os parceiros de cadeia seca (sem
refrigeração) e de cadeia fria (que necessitam
de refrigeração) são avaliados para garantir
que a qualidade, a segurança e a eficácia
dos medicamentos e produtos diagnósticos
sejam preservadas até a entrega aos clientes
e consumidores. Na Divisão Farmacêutica, os
processos internos são auditados anualmente
pela equipe de Garantia de Qualidade e as não
conformidades observadas são transformadas em
plano de ação com acompanhamento posterior.
Os parceiros externos são auditados a cada dois
anos, por uma equipe composta de colaboradores
de diversas áreas, como Garantia de Qualidade,
Distribuição e Segurança. A Divisão mantém um
serviço próprio de entrega, o Roche Express,
que possibilita que todo pedido colocado até 10
horas da manhã, de segunda a quinta-feira, tenha
sua entrega garantida em até 24 horas, saindo
44
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
do Centro de Distribuição e Armazenamento de
Anápolis, em Goiás. O transporte é gerenciado
pela Roche, que contrata outras empresas para
fazer a distribuição. Para aprimorar o processo de
logística, a empresa reúne-se mensalmente com
o operador logístico e as transportadoras para
discutir os processos e potenciais reduções de
riscos e custos.
No caso da Divisão Diagnóstica, são realizadas
duas auditorias nos processos dos parceiros
externos relativos às operações logísticas: uma
vez ao ano é feita auditoria interna pela área de
Qualidade Assegurada e uma vez a cada dois
anos, auditoria corporativa, pela área de Logística
da matriz. São verificadas questões de qualidade,
saúde, segurança, respeito à legislação trabalhista,
gestão de resíduos, consumo energético, entre
outras, visando garantir o atendimento às
diretrizes da Roche e à legislação local. Também
foi realizada em 2011 uma auditoria no novo
Centro de Distribuição em Itajaí (SC), com o
intuito de averiguar o fluxo de processos, as
condições físicas e de higienização, a realização
de inventários, treinamentos dos colaboradores e a
análise de riscos para o local.
Além disso, foi mantido em 2011 na Divisão
Diagnóstica, o atendimento direto aos laboratórios
clientes. As equipes da empresa trabalham junto
ao cliente para a atualização de informações,
realização de instalações, treinamentos e o
acompanhamento de chamados. Já em 2012, a
Logística pretende investir em ferramentas de
Tecnologia da Informação, com intuito de melhorar
a produtividade e obter maior controle dos dados
em menor espaço de tempo.
5.1.4. Operadoras de Saúde e Hospitais
A Roche relaciona-se com diferentes categorias
de clientes na condução dos seus negócios. Por
conta da diversidade de ações, a empresa considera
fundamental o desenvolvimento de estratégias
segmentadas de diálogo, de modo a permitir maior
efetividade em suas práticas comerciais, sempre
mantendo seus princípios e valores éticos, pautados em
uma conduta transparente.
5.1.4.1. Operadoras de Saúde
A Roche estabeleceu uma relação de confiança com as
operadoras de planos de saúde, levando informações
técnicas sobre as indicações, propriedades, efeitos
adversos e a eficácia dos produtos da empresa, assim
como conceitos de gestão e farmacoeconomia. Dessa
forma, é possível, muitas vezes, oferecer tecnologias
inovadoras respeitando a lógica do mercado,
algumas vezes diminuindo custos para as empresas,
minimizando conflitos e, acima de tudo, contribuindo
para que pacientes tenham acesso a tratamentos
adequados (ver mais neste capítulo, Engajamento e
Diálogo com Stakeholders, tópico Acesso).
Para aprofundar esse diálogo, a empresa disponibiliza
uma equipe de gerentes especializados, utilizando
informações científicas e em alguns casos ferramentas
farmacoeconômicas que customizam os dados de
acordo com as necessidades de cada operadora,
permitindo a decisão técnica e criteriosa dos gestores
do mercado privado, tendo sempre como foco os
pacientes.
Outra ação de destaque de 2011 foi o II Fórum Nacional
de Gestores em Saúde para executivos de Operadoras
de Saúde, realizado em novembro, na cidade do Rio
de Janeiro-RJ, onde aproximadamente 60 gestores e
auditores das principais operadoras tiveram acesso
a palestras de especialistas de vários segmentos
do mercado de saúde suplementar provocando um
debate construtivo. Os principais temas abordados
foram medicina personalizada e a importância dos
biomarcadores em oncologia, com base em dois
pilares. No primeiro, “Inovações, tendências e avanços
em saúde”, foram discutidos novos modelos de
negócio e remuneração e o risco sanitário das cópias
de biológicos. No segundo, “Regulatório”, foram
abordados os impactos no novo Rol de Procedimentos
da Agência Nacional de Saúde (ANS) para 2012. Além
disso, houve intenso debate sobre o direcionamento
do mercado privado, gestão por qualidade,
compartilhamento de riscos e responsabilidades,
contando com a presença de dois representantes da
ANS e de uma consultora, especialista em mercado
privado, representando uma real oportunidade de
aproximação entre diversos agentes do setor.
5.1.4.2. Hospitais e Laboratórios Clínicos
EC8
Com o objetivo de estabelecer políticas e parcerias
que atendam às demandas específicas de cada cliente,
a Roche possui estratégias personalizadas de ação,
que consideram os mais diferentes aspectos de cada
hospital e sua atuação, como porte, região, perfil
de clientes atendidos, função social e compromisso
público, entre outros.
Para tanto, desde 2009, a Divisão Diagnóstica conta
com uma área de consultoria laboratorial, formada por
uma equipe especializada, que elabora diagnóstico
e plano de trabalho para esses clientes. Assim, a
oferta de produtos e serviços pode ser adequada às
necessidades e aos recursos de cada centro de saúde,
o que inclui equipamento, reagentes, instalação, apoio
na adequação do espaço para receber o equipamento,
treinamento técnico, assistência pós-venda e assessoria
científica. Dessa forma, a Roche oferece a seus
clientes uma solução integrada, evitando desperdício
de recursos financeiros e físicos e tornando suas
operações mais sustentáveis e eficientes.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
45
Fabio Simões (Roche Professional Services)
5.1.4.3. Pesquisa de Satisfação da Roche
Diagnóstica
A Roche Diagnóstica realiza anualmente, por meio
de consultoria externa, uma pesquisa de satisfação
com clientes de suas unidades de negócio. O objetivo
é aprimorar constantemente a prestação de serviços
e medir o grau de satisfação dos clientes atendidos,
seguindo metodologia do Grupo Roche no que se
refere a planejamento, questionário e análise.
Em 2011, os dados foram levantados via entrevistas
telefônicas, por meio de questionário estruturado, com
listagem fornecida pelo cliente. Além da avaliação da
Roche, quando possível, o respondente avaliou outras
empresas, para que a pesquisa também indicasse
as forças e fragilidades do setor. A coleta de dados
ocorreu em novembro e dezembro de 2011, com
participação de 161 clientes em todo o território
nacional, dentro de um total de 267. Foram avaliadas 10
áreas/processos: produtos, entregas e pedidos, faturas,
suporte dos representantes de vendas, avaliação
dos representantes de vendas, instalação de novo
equipamento, treinamento, contato e atendimento
técnico-científico, contato e atendimento de logística e
comunicação.
A partir dos resultados da pesquisa, identificou-se que
os pontos fortes da companhia se concentram nas
áreas de relacionamento com os clientes, e os pontos
fracos estão nos serviços de dia a dia, como reparo de
equipamento, serviços do coordenador técnico para o
distribuidor, entregas e pedidos e atendimento técnico
científico ao cliente por telefone. Para 2012, a Roche
pretende fazer uma avaliação mais profunda destes
pontos que não foram satisfatoriamente avaliados
para definir um plano de ação que melhore o seu
desempenho nesses processos.
5.1.4.4. Pesquisa de Satisfação da Roche
Diabetes Care
GRI PR5
A Roche Diagnóstica realizou uma pesquisa para medir
o nível de satisfação dos principais clientes, entender
pontos fracos e fortes da Roche e identificar ações
de melhoria. A pesquisa quantitativa foi realizada com
43 principais clientes da Roche Diabetes Care, que
representam 80% das vendas.
Resultados gerais – (variação de 0 a 10):
• Nota média 8,12
• 35% de avaliações com nota 10
46
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
5.1.5.Comunidade
O relacionamento da Roche Farmacêutica com a
comunidade do seu entorno acontece por meio do
Programa Vizinho Legal. Criado em 2001, o programa
tem como principal meta promover impactos sociais
positivos por meio do compartilhamento de valores e
conhecimento e do empoderamento de indivíduos e da
comunidade do bairro do Jaguaré, em São Paulo.
O programa adota como pilar conceitual as diretrizes
do Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa
do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência
Familiar e Comunitária (2007-2015): centralidade da
família nas políticas públicas; reconhecimento das
competências da família na sua organização interna
e na superação de dificuldades; e fortalecimento
da autonomia do adolescente e do jovem adulto na
elaboração do seu projeto de vida. O programa também
adota o conceito de “empoderamento” como principal
estratégia política e social de ação; e os de “saúde”,
estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (um
estado de completo bem estar físico, mental e social e
não meramente ausência de doença ou enfermidade)
e presentes na Carta de Otawa (promoção da saúde
é o nome dado ao processo de capacitação da
comunidade para atuar na melhoria de sua qualidade
de vida e saúde, incluindo uma maior participação no
controle desse processo).
Além disso, o programa estimula a prática da cidadania
entre seus colaboradores, promovendo o trabalho
voluntário em três frentes de trabalho: saúde, esporte e
cultura.
5.1.5.1. Saúde
Como propósito de ampliar os conhecimentos da
comunidade sobre temas relacionados à saúde, o
programa estimula hábitos saudáveis e prevenção de
doenças. O objetivo é aumentar a conscientização
sobre diversos temas, promovendo uma melhoria da
saúde física, mental e emocional dos moradores da
comunidade. Além de campanhas e capacitações, o
programa oferece atendimento por meio de grupos
psicoeducativos para jovens e famílias; plantão de
psicólogos e grupos de orientação para 40 gestantes
da comunidade. Esses atendimentos e capacitações
são realizados por profissionais voluntários da área de
saúde, assistentes sociais e técnicos de segurança do
trabalho, além de duas psicólogas contratadas. 2011
foi um ano importante para o programa, pois marcou o
início de um alinhamento estratégico com as áreas de
negócio e instituição de saúde local.
5.1.5.2. Esporte
Esta frente de trabalho busca promover o
desenvolvimento pessoal e habilidades sociais de
crianças e jovens de 8 a 17 anos por meio da prática
de esportes. O programa também promove mobilização
comunitária na organização de espaços públicos
para atividades de recreação e lazer. Com o apoio das
escolas parceiras, instituições sociais e pais voluntários,
são oferecidos: passeios comunitários; aulas de
voleibol e futebol para crianças e jovens; participação
em eventos e campeonatos; organização de ruas de
lazer em família; e encaminhamento de jovens com
desempenho destacado para clubes profissionais. Em
2011, foram beneficiados 250 jovens e crianças.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
47
Visita do CEO do Grupo Roche, Severin Schwan, ao Programa Vizinho Legal
5.1.5.3. Cultura
Outra área do programa promove o desenvolvimento
sociocultural e das habilidades artísticas de alunos
das escolas públicas e de moradores do entorno, por
meio do acesso a diferentes atividades artísticas e
educacionais. Em 2011, foram oferecidas aulas de
teatro, dança (ballet, Le parkour e Hip hop), música
(banda, violão, violino, viola, violoncelo, contrabaixo
e canto) e aulas de inglês para 210 crianças e jovens
de 7 a 21 anos. Além dessas atividades, os jovens
envolvidos puderam ter acesso a passeios culturais;
apresentações em eventos artísticos, sociais e de lazer;
formação de grupos artísticos e encaminhamento de
talentos para escolas profissionalizantes.
Pelo quinto ano consecutivo, o Vizinho Legal manteve
a parceria com o Projeto Conexões, organizado pelo
National Theatre de Londres, pelo British Council,
pelo Teatro Escola Célia Helena, pelo Colégio São
Luís e pela Cultura Inglesa. Os jovens da Companhia
de Teatro Vizinho Legal participam, anualmente,
de uma mostra de teatro e, em 2011, 15 jovens
apresentaram o espetáculo “Contos que Cantam sobre
Pousospássaros”, de Cláudia Schapira.
São parceiros do Vizinho Legal, para as ações citadas:
Escola Estadual Deputado Augusto do Amaral, Escola
Estadual Maria Eugênia Martins, CEU Jaguaré, União
Cultural Brasil-Estados Unidos, Projeto Conexões,
48
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
McDonald’s (unidade Jaguaré), Projeto VIVO
EnCena, Congregação Santa Cruz (Centro Cultural
Profissionalizante, Programa Ação Família, Centro de
Atendimento Interdisciplinar), Instituto Reciclar, Rede
Interferência e UBS Vila Nova Jaguaré.
10 anos de Vizinho Legal
GRI SO1
Em 2011, ao completar 10 anos, o Vizinho Legal
realizou sua segunda pesquisa de avaliação (Pesquisa
de Avaliação do Vizinho Legal - PAVIL), com o objetivo
de mostrar os resultados e os impactos atingidos
em uma década de investimento social da Roche.
Realizada entre os meses de outubro de 2010 e
maio de 2011, a Pesquisa de Avaliação valeu-se de
técnicas quantitativas e qualitativas para a coleta de
dados e análises e ouviu tanto os colaboradores da
Roche como gestores, educadores, familiares, jovens
e representantes de instituições da comunidade.
Com o primeiro grupo, foi possível investigar as
percepções e as expectativas da empresa em relação
a esse investimento social. Já o segundo permitiu não
só avaliar a eficácia, a eficiência e a efetividade do
programa, mas também os impactos diretos e indiretos
causados na comunidade e na população atendida.
Em todos os aspectos avaliados do Desenvolvimento
Pessoal dos participantes – autoestima, autocontrole,
habilidades sociais, perspectivas de futuro e resiliência
–, os índices de sucesso foram muito expressivos. A
maioria dos participantes apresentou bom ou ótimo
desenvolvimento nos quesitos avaliados, reforçando a
causalidade entre participar do programa e desenvolver
de forma positiva tais requisitos. Os depoimentos de
familiares e ex-participantes revelaram mudanças
fundamentais em suas vidas com conquistas pessoais e
profissionais como resultado direto de sua vivência no
Programa Vizinho Legal. As escolas parceiras relataram
mudanças importantes na estrutura pedagógica e no
relacionamento “escola-alunos” e “escola-famílias”, em
decorrência de ações e da experiência de parceria com
as equipes dos projetos que compõem o programa.
Resultados da Pesquisa de Avaliação do Vizinho
Legal (PAVIL)
O trabalho realizado com gestantes também se
mostrou muito eficaz ao longo dos anos. Além de
palestras informativas, os grupos de discussão e de
sensibilização têm contribuído para mudanças nas
relações entre as mães e seus filhos. A aproximação
entre o projeto Saúde e as áreas de negócio da
Roche vem gerando resultados significativos, como a
realização de campanhas de saúde na comunidade.
Além disso, hoje, o programa atua com maior eficácia
em parceria com a Unidade Básica de Saúde do
Jaguaré. Assim, o trabalho com famílias ganha escala e
se fortalece com base nos pilares da sustentabilidade.
Na unidade de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, foram
doados dois mil quilos de alimentos não perecíveis e
produtos de higiene para moradores de rua, famílias
desabrigadas dos bairros de Jacarepaguá, Barra da
Tijuca e Recreio dos Bandeirantes. Por meio de outras
campanhas, também foram arrecadadas 350 unidades
de material escolar para instituições educativas na
comunidade de Cidade de Deus. Além disso, foram
envolvidos 96 alunos no Programa de Educação
Ambiental para escolas públicas de Jacarepaguá e
visita às instalações da fábrica.
Como se observa no gráfico abaixo, o Grupo
Experimental (jovens participantes do Vizinho Legal)
alcançou melhores resultados nos testes em todos os
quesitos, em comparação com o Grupo de Controle
(jovens não participantes do Vizinho Legal). Os
testes estatísticos realizados comprovam diferenças
significativas entre os grupos, demonstrando
claramente a influência positiva do Programa na vida
dos jovens da comunidade.
5.1.5.4 Ações sociais na Divisão
Industrial da Farmacêutica (RJ)
Outras informações sobre o relacionamento da Roche
Brasil com a comunidade e os resultados da Pesquisa
de Avaliação do Vizinho Legal são acessíveis pelo
portal www.roche.com.br
Autoestima, Resiliência e Perspectiva de Futuro
GRUPO EXPERIMENTAL
(jovens participantes do
vizinho Legal)
AUTOESTIMA NORMAL
GRUPO CONTROLE
(jovens não participantes do
Vizinho Legal)
39%
59%
RESILIENTES
84%
ACEITAÇÃO DE SI
57%
SENSO DE COMPETÊNCIA PESSOAL
ALTA perspectiva DE FUTURO
57%
6%
92%
71%
69%
22%
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
49
5.1.6.Nossa gente
A Roche investe fortemente em seus
colaboradores e busca ter em seus quadros
profissionais qualificados, motivados e que
incorporem cotidianamente os valores da
companhia. Para isso, em 2011, a Roche Brasil
teve como principiais focos o recrutamento
e o desenvolvimento de seus profissionais.
A companhia buscou identificar talentos
externos, mas principalmente aumentar as
possibilidades de carreira para os seus talentos
internos. Por meio de avaliações e programas de
desenvolvimento, foram capacitados funcionários
em todos os níveis, com o intuito de valorizar
seu potencial e melhorar o desempenho de suas
equipes e líderes.
Além disso, em outubro de 2011, o Grupo
Roche foi escolhido como uma das melhores
empregadoras multinacionais pelo instituto
Great Place to Work. Mais de 350 multinacionais
foram selecionadas para participar e apenas
três companhias de medicamentos foram
selecionadas.
Total de trabalhadores, por tipo de emprego, contrato de trabalho e região
GRI LA1
Especificação
Tipo de emprego
Integral
Meio-período
Divisão Farmacêutica
2010
2011
2010
2011
279*
312*
1.100*
1.080*
0*
0*
51*
51*
279*
312*
1.148*
1.129*
Por contrato de
trabalho
Prazo indeterminado
0
0
3
2
Por região
São Paulo
275
308
707
677
Rio de Janeiro
N/A
N/A
434
443
Goiás
N/A
N/A
10
11
Santa Catarina
4
4
N/A
N/A
Diretoria
5
7
15
16
Gerência
54
58
136
138
Chefia / Coordenação
24
26
144
133
Força de Vendas
66
167
219
198
130
54
381
405
0
0
256
241
Por categoria
funcional
Prazo determinado ou temporário
Administrativo
Operacional
Estagiários
Terceirizados
(*) O número total não inclui estagiários e terceiros.
N/A: não se aplica.
50
Divisão Diagnóstica
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
32
31
83
99
159
123
324
449
Marcelo Dourado (Qualidade), Marcelo Silva e Fernando Mazeo (Finanças & Serviços)
Número de desligamentos (*)
DIVISÃO DIAGNÓSTICA
POR FAIXA ETÁRIA
Total de demissões no período
Abaixo 30 anos
30 a 50 anos
Acima de 50 anos
POR GÊNERO
POR REGIÃO
DIVISÃO FARMACÊUTICA
2010
2011
2010
2011
36
33
302
173*
8
10
73
49
26
23
202
110
2
0
27
14
Masculino
21
17
154
87
Feminino
15
16
148
86
São Paulo
11
32
257
137
Rio de Janeiro
N/A
N/A
45
34
Goiás
N/A
N/A
0
2
0
1
N/A
N/A
Santa Catarina
(*) O número total não inclui estagiários e terceiros.
N/A: não se aplica.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
Roche_RS__2011__BR__34.indd 51
51
8/24/12 5:20 PM
Taxa de rotatividade (%) (*)
GRI LA2
Divisão
Diagnóstica
Por faixa etária
Por gênero
Por região
Divisão
Farmacêutica
2010
2011
2010
2011
Abaixo 30 anos
2,89
3
30,08
24,89
30 a 50 anos
9,39
7
15,66
11,86
Acima de 50 anos
0,72
0
12,39
13,64
Masculino
7,58
5
16,13
13,39
Feminino
5,42
5
20,47
15,79
São Paulo
3,97
10
23,68
19,15
Rio de Janeiro
N/A
N/A
8,08
7,66
Goiás
N/A
N/A
18,75
9,09
Santa Catarina
0,00
25
N/A
N/A
(*) O número total não inclui estagiários e terceiros.
N/A: não se aplica.
5.1.6.1. Desenvolvimento e treinamentos
O comprometimento da Roche com o desenvolvimento
de seus funcionários faz parte da história e da cultura
da companhia. Dessa forma, a Gestão de Talentos
orienta as ações nessa área, como parte do Modelo
Estratégico da empresa, oferecendo oportunidades
de treinamento e desenvolvimento de carreira a todos
os funcionários, desde capacitações técnicas até
programas de coaching para lideranças.
São oferecidos treinamentos técnicos de aprendizagem
e atualização contínuas, que desenvolvem
competências importantes para as necessidades do dia
a dia, bem como para manutenção da empregabilidade
no mercado farmacêutico e diagnóstico. Em 2011,
destacam-se os seguintes cursos presenciais
oferecidos para os funcionários do Jaguaré: Design de
Apresentação, Diálogo de Interesse de Carreira – CID,
Empowerment, Molecules to Market, Planejamento
e Organização, Relacionamento Interpessoal e
Comunicação, Relatórios em Excel e Reuniões Eficazes
e Programa de Formação de Multiplicadores.
Também são oferecidas oportunidades para os
funcionários realizarem cursos externos. Em 2011, mais
de 20 funcionários das duas Divisões matricularam-se
e frequentaram cursos de MBA por meio de convênios
com a Fundação Getúlio Vargas e a Universidade de
52
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
São Paulo, pelos quais a companhia oferece cursos de
pós-graduação com descontos de até 35% em relação
aos preços de mercado.
Os funcionários também têm acesso a cursos
de idiomas pagos pela companhia. Na Divisão
Diagnóstica, foi feita, em 2011, uma avaliação para
medir o nível de conhecimento em inglês e espanhol
de mais de 50% dos funcionários, oferecendo cursos
gratuitos para aqueles que demonstraram alguma
deficiência. Ao todo, 110 alunos tiveram acesso a
aulas de inglês presencial ou online na Divisão pelo
Programa Global English. Já na Divisão Farmacêutica,
os funcionários podem se candidatar voluntariamente e
aqueles que apresentam maior necessidade, de acordo
com o nível de conhecimento do idioma, são eleitos
para receber o benefício. Em 2011, foram beneficiados
134 funcionários, sendo 92 de setores administrativos e
42 da Força de Vendas.
Em 2011, a Roche Diagnóstica realizou mais de 460
treinamentos técnicos, científicos, sistemas e de
suporte operacional, em linhas de produtos de todas
as unidades de negócio da empresa. Com o objetivo
de preparar a equipe de serviço e do laboratório
para manusear nossas máquinas e testes, participam
deste treinamento não só funcionários, mas também
distribuidores Roche e alguns clientes
O Programa de Formação de Multiplicadores é um
programa da matriz, que começou a ser implementado
na Divisão Industrial Farmacêutica em 2011 e terá
continuidade ao longo de 2012, contando com três
módulos. Ao todo, 394 funcionários passaram por pelo
menos um desses cursos na Divisão Farmacêutica nas
áreas administrativas no último ano. Além disso, os
novos funcionários realizam cursos virtuais oferecidos
pela matriz, relacionados ao Código de Conduta
(ver mais no item Atuação Ética e Compliance), às
normas de segurança da informação e às práticas de
Segurança e Saúde do trabalho, com uma reciclagem
anual para todos os integrantes do corpo funcional da
empresa.
A Roche também desenvolve treinamentos específicos
para as equipes da Força de Vendas. Por meio do DAT
(Diagnóstico Anual de Treinamento de Vendas),
realizado pela primeira vez na Roche, toda a Força de
Vendas, Representantes e Gerentes de Território foram
submetidos a uma avaliação de conhecimentos com o
objetivo de apoiar atividades de reciclagem ao longo
do ano. Os resultados do DAT geraram insumos para
a revisão do Plano Anual de Treinamento de 2011 e
também para ações individuais de treinamento.
Outros dois programas merecem destaque em 2011.
O primeiro foi o programa de Indução para Novos
Gerentes de Território, cujo objetivo é preparar
os novos gerentes e capacitá-los para a gestão dos
funcionários da sua equipe, no que tange a questões
administrativas, de liderança e de negócios. Em 2012,
um novo programa será oferecido a esses funcionários:
o Strategic Commercial Leaders, que será realizado
em parceria com o Insper, e tem como intenção
capacitar os gerentes para a gestão estratégica dos
recursos e para a criação de planos de negócio mais
eficientes.
Programas de treinamento para as lideranças
A Roche Brasil procura sempre identificar, capacitar e
desenvolver suas lideranças. Alinhado à Visão Roche,
o Programa Líderes Construindo o Futuro, da Divisão
Farmacêutica, aposta no desenvolvimento de pessoas
para fazer da Roche um lugar melhor para se trabalhar.
Com o intuito de auxiliar os líderes da empresa no
desafio de desenvolver suas equipes, o programa,
criado em 2010, inclui workshops de formação,
avaliações e sessões de coaching individual. Em 2011,
foi ampliado para atender todos os profissionais em
cargos gerenciais e contou com 169 participantes.
Diversos resultados foram percebidos após os dois
primeiros anos do programa, especialmente um maior
alinhamento das práticas de gestão de pessoas na
companhia, bem como maiores integração e sinergia
entre o corpo gerencial, uma vez que os workshops
são compostos de participantes de diferentes áreas da
organização.
Além disso, o alto grau de engajamento dos
funcionários, demonstrado na pesquisa GEOS, é mais
um indicador na constante melhoria das competências
de gestão de pessoas por parte dos líderes da
empresa. A meta do Programa para 2012 é abarcar
também os coordenadores, o que significa incluir
aproximadamente mais 100 colaboradores.
Já na Roche Diagnóstica, o programa de líderes,
envolvendo diretores e gerentes da companhia, teve
início em 2010, com foco no desenvolvimento individual
em capacidades de liderança, comunicação com
eficácia, negociação e gestão financeira. Ao longo dos
últimos dois anos, o programa capacitou 45 líderes
e realizou os seguintes módulos de treinamento: o
papel do líder, trabalho em equipe e colaboração,
gerenciamento de conflitos, liderando para um melhor
desempenho; treinando e desenvolvendo colaboradores
e liderando mudanças.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
53
Média de horas de treinamento por ano, por categoria funcional
GRI LA10
Divisão Diagnóstica
Divisão Farmacêutica
2011
Categoria
funcional
Carga
horária
total
2011
Total de
trabalhadores
na categoria
Horas de
treinamento
por colaborador
Carga
horária
total
Total de
trabalhadores
na categoria
Horas de
treinamento por
colaborador
Diretoria
180
5
36,0
111
14
7,9
Gerência
3.038
59
51,5
12.270
246
49,9
Chefia /Coordenação
480
20
24,0
4.048
193
20,9
Força de Vendas
930
62
15,0
25.051
361
69,3
Administrativo
3.916
55
71,2
12.379
501
24,7
Operacional
2.376
72
33,0
18.357
494
37,1
Estagiários
N/A
N/A
N/A
2.071
110
18,8
10.920
273
40
74.287
1.919
38,7
Total
N/A: não se aplica.
5.1.6.2. Reconhecimento, gestão e
retenção de talentos
GRI LA11, LA12
A avaliação de desempenho e competências faz parte
da gestão de recursos humanos da Roche Brasil e
encoraja a interação e o diálogo aberto e construtivo
entre gestores e suas equipes. Esse processo está
alinhado ao padrão global do Grupo Roche e inclui o
reconhecimento financeiro, atrelado ao desempenho
profissional. Seguindo o modelo corporativo de
estabelecimento de metas e objetivos comuns e
individuais, 100% dos colaboradores passam por
análises de desempenho.
No caso do desenvolvimento de carreira, o processo
contempla: avaliação de competências, plano de
desenvolvimento (foco no cargo atual) e Diálogo de
Carreira (foco nas expectativas futuras de carreira).
Em 2011, na Roche Farmacêutica, 76% de funcionários
tiveram preenchida alguma dessas etapas de seu plano
de desenvolvimento, sendo que 38% dos funcionários
completaram as três etapas e outros 38% fizeram uma
ou duas. A meta para 2012 é aumentar o percentual
dos funcionários com plano de desenvolvimento
completo. Na Roche Diagnóstica, 100% dos
funcionários passaram pelo processo de avaliação de
desempenho e feedback.
54
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Como fase final do processo de avaliação de
desempenho, ocorre anualmente o que a empresa
chama de “calibração”. O objetivo é balizar os conceitos
e conhecimentos sobre avaliação de desempenho
entre todos os funcionários, garantindo a equidade e
mantendo níveis e padrões consistentes na avaliação.
Além disso, parte importante da gestão de talentos
e de carreiras é a identificação de profissionais
com alto potencial de liderança. Para garantir que a
Roche Farmacêutica tenha um conjunto robusto de
candidatos qualificados para a sucessão de posições
chaves, a companhia busca identificar sucessores em
diferentes fases de carreira, permitindo que qualquer
funcionário faça parte do processo, caso atenda aos
requisitos necessários. Buscando dar as melhores
oportunidades de desenvolvimento, a Roche Brasil
incentiva que seus funcionários tenham oportunidades
de trabalho em outras afiliadas da Roche. Em 2011,
oito funcionários da Roche Farmacêutica estavam
trabalhando na matriz na cidade da Basileia, Suíça.
A partir de 2012, a Roche Brasil introduzirá uma nova
abordagem de gestão de remuneração e desempenho
para promover o crescimento e inovação, bem como
compartilhar as recompensas do sucesso da empresa
com todos os funcionários . Os novos princípios de
gerenciamento de desempenho, visam relacionar
as recompensas individuais dos funcionários ao
desempenho da empresa e às metas corporativas,
ajudar os gestores a reconhecer melhor a performance
e assegurar uma ligação maior entre a performance
geral dos indivíduos e sua remuneração, incentivar o
diálogo de feedback e desenvolvimento e, finalmente,
um alinhamento global das práticas da empresa. Estes
novos princípios serão suportados operacionalmente
em todas as afiliadas pelo CHRIS (Sistema Comum de
Informações de RH).
Plano de Sucessão
Na Roche, o plano de sucessão faz parte do processo
de Gestão de Talentos. Gestão de Talentos é o processo
que orienta o desenvolvimento de funcionários em
todos os níveis. O termo talento se refere a todos os
funcionários. O desenvolvimento de profissionais é
parte do Modelo Estratégico da Roche e é visto um
fator essencial para o sucesso da empresa. Quando os
funcionários estão engajados, bem sucedidos em seus
papéis e sendo desenvolvidos, eles oferecem o seu
melhor desempenho.
Programa de Alinhamento das Competências
Essenciais (PACE) – Roche Diagnóstica
Em 2011, ocorreu a segunda edição do programa
da Roche Diagnóstica, que visa capacitar o
público interno para desenvolver as competências
comportamentais que estão alinhadas à estratégia
de negócios da empresa. O programa começa com
uma avaliação de desempenho, baseada nos valores
e competências da Roche, e, a partir daí, cria-se um
plano de desenvolvimento de competências para cada
funcionário. Os funcionários foram envolvidos, por meio
de treinamentos internos sobre gestão de pessoas
e de projetos, liderança, comunicação, entre outros
temas. Enquanto em 2010 só podiam participar aqueles
que fossem indicados por seus líderes, em 2011, os
funcionários puderam também se autocandidatar.
Ao longo do ano, o programa teve 1.152 horas de
treinamento e focou nos seguintes temas: influência
sem autoridade; gestão de projetos; comunicação;
execução; produtividade; técnicas de apresentação.
Programa Vivendo a Visão – Roche Farmacêutica
Parte importante da Gestão de Talentos é a
identificação de profissionais com alto potencial
de liderança, para garantir que a Roche tenha um
conjunto robusto de candidatos qualificados para a
sucessão de posições de liderança na companhia,
especialmente aquelas consideradas críticas para
o negócio. O objetivo é ter a pessoa certa, com as
habilidades certas, no cargo certo e no momento certo.
É possível identificar sucessores em diferentes fases
de carreira, portanto qualquer funcionário pode fazer
parte deste processo caso atenda aos requisitos
necessários para sua identificação. Como este é um
processo relativamente recente em nossa companhia,
esta identificação no Brasil vem sendo realizada em
fases. Todas as posições gerenciais e de reporte direto
a diretoria já são formalmente mapeados pelo Comitê
Executivo anualmente, e na maioria das áreas já se
realiza a discussão e identificação nos demais níveis
em conjunto com os gestores.
O programa de reconhecimento, lançado pela Roche
Farmacêutica em fevereiro de 2010, tem o objetivo
de valorizar atitudes e práticas internas positivas,
alinhadas à visão e aos objetivos de negócios da
companhia. Para participar, os funcionários podem
inscrever suas próprias iniciativas, projetos e atitudes,
ou também indicar a ação de outros, como forma de
reconhecimento interno. A premiação se dá em três
ciclos, em que um comitê, composto por funcionários
sorteados, escolhe as três melhores iniciativas de cada
ciclo. Em 2011, foram 70 inscrições, todas reconhecidas
e valorizadas, por meio de uma carta de agradecimento
do presidente.
A iniciativa vencedora do ano foi a de Adelerme
Cavalcanti, consultor na divisão Virologia & SNC,
em Belém – PA. O funcionário implementou, através
de um dos médicos que visita, um projeto visando
o diagnóstico da hepatite D/Delta, tratamento e
acompanhamento de tribos indígenas pertencentes ao
Vale do Javari (Tabatinga – AM). O projeto impactou
cerca de três mil índios, promovendo acesso ao
tratamento aos que necessitavam. Em agosto de 2011,
11 índios iniciaram o tratamento. Para 2012, o projeto
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
55
Janaína Lima e Elaine Marofa (Diretoria Médica)
continua e a expectativa é de que mais 50 índios sejam
beneficiados. Em 2012, o programa será reformulado,
para permitir a possibilidade de premiação de
iniciativas de equipes e também um aumento no valor
dos prêmios concedidos.
Novos Talentos
GRI EC7
Para buscar novos profissionais no mercado, a Roche
Brasil tem disponível no website http://careers.roche.
com/brasil, um Portal de Carreiras, espaço dedicado ao
cadastramento de currículos e gerenciamento online
do processo seletivo, dando prioridade aos candidatos
internos. A Força de Vendas da Roche Brasil prioriza a
contratação de representantes locais, de acordo com
a região de atuação, porém, no restante da empresa
não existem políticas específicas para a contratação de
mão de obra local.
5.1.6.3. Remuneração e benefícios
GRI EC3, EC5, LA3
A Roche Brasil busca manter uma política de
remuneração alinhada e atrelada ao desempenho dos
funcionários, sem que nenhum receba apenas o piso
salarial do país. A proporção entre o salário mais baixo
56
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
da companhia e o salário mínimo local é de 1,41 na
Divisão Farmacêutica e 3,22 na Diagnóstica.
As duas Divisões possuem política de benefícios
coerente com as melhores práticas de mercado e,
ao mesmo tempo, atraente para seus funcionários.
A empresa tem como diferenciais um programa de
compra de ações do Grupo Roche com desconto
para funcionários (Roche Connect); pagamento
de 14º salário; doação de medicamentos da Roche
para colaboradores e dependentes; programa
de medicamentos (subsídio de 80% na compra
de medicamentos de outros laboratórios), este
apenas para funcionários da Divisão Farmacêutica
e dependentes. Além disso, o plano de previdência
privada (RochePrev) é oferecido aos funcionários
do Brasil desde 1996, assegurando um importante
complemento para a aposentadoria regular ao
proporcionar uma contrapartida de até 200% sobre
a contribuição do participante. Abaixo listamos os
principais benefícios oferecidos pela companhia para
os diferentes tipos de funcionários. Em 2011, houve
melhorias significativas no pacote de benefícios para a
Força de Vendas, focando especialmente no plano de
assistência médica, que agora contempla a melhoria
tanto da rede credenciada, quanto nos valores de
reembolso.
Programa Qualidade de Vida
Estruturado a partir da identificação do perfil dos colaboradores, a Roche Brasil mantém, desde o ano 2000, o
Programa Roche de Promoção da Saúde e Qualidade de Vida, que tem como objetivo orientar e estimular novos
hábitos e um estilo de vida com equilíbrio da saúde física, mental e social e o equilíbrio entre vida profissional e
pessoal dos colaboradores, estendendo as ações aos familiares. O programa é desenvolvido em todas as unidades
da Roche Brasil.
O programa reforça a ideia de que ter um estilo de vida saudável começa pela informação e pelo conhecimento.
Assim, busca informar, educar e motivar pessoas para uma gestão positiva de sua saúde, oferecendo aos
participantes um conjunto diversificado de ações.
Iniciativas diferentes são realizadas a cada ano, tais como semana da saúde e qualidade de vida, campanha de
combate ao sedentarismo; palestras diversas sobre saúde, controle do estresse e relacionamento interpessoal;
ginástica laboral; entre outras. Mais detalhes estão disponíveis no portal www.roche.com.br.
Relação de benefícios da Roche Brasil a seus funcionários
Saúde
Funcionários
Estagiários
Planos médicos e odontológico
x
x
Medicina ocupacional
x
x
Doação de produtos e medicamentos Roche
x
x
Farmacêutica)
x
x
Complemento de auxílio-doença e acidente de trabalho
x
Auxílio-funeral
x
Terceiros
x
Programa de Medicamentos Roche (exclusivo para a Divisão
Previdência
privada
RochePrev
FINANÇAS
Roche Connect
x
Assistência financeira
x
Cooperativa de crédito
x
Seguro de vida em grupo
x
Auxílio-creche
x
Auxílio-material escolar
x
Auxílio-ótica (Unidade Jacarepaguá)
x
Day off no mês de aniversário (exclusivo para a Divisão Diagnóstica)
x
Dia a dia
x
x
Empréstimo para a compra de veículos (destinado aos funcionários
que atuam no campo, em cargos de gerência e diretoria)
x
Estacionamento interno
x
x
Horário flexível (Unidade Jaguaré)
x
x
Restaurante interno
x
x
x
Transporte fretado (ônibus/vans) e vale-transporte
x
x
x
x
Ticket car (auxílio-combustível – destinado aos funcionários que
possuem veículos financiados pela empresa)
x
Vale-alimentação
x
Vale-refeição (para a Força de Vendas e funções de campo)
x
x
Mais informações sobre os benefícios oferecidos podem ser encontrados no portal www.roche.com.br
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
57
5.1.6.4. Relacionamento com sindicatos
e associações de classe
GRI LA4, HR5
Todos os funcionários da Roche Brasil são abrangidos
por acordos de negociação coletiva. Na Divisão
Diagnóstica, os funcionários são representados pelo
Sindicato dos Comerciários. Já a Divisão Farmacêutica
relaciona-se com o Sindicato dos Trabalhadores
nas Indústrias Químicas, Farmacêuticas, Plásticas
e similares de São Paulo e região; o Sindicato dos
Propagandistas, Propagandistas Vendedores e
Vendedores de Produtos Farmacêuticos no Estado
de São Paulo e o Sindicato dos Trabalhadores de
Indústrias de Produtos Químicos para Fins Indústrias
do Município do Rio De Janeiro. Dessa forma, os
direitos dos funcionários de exercerem a liberdade de
associação sindical ou de participação em negociações
coletivas são integralmente garantidos.
• desenvolver funcionários e líderes nas competências
necessárias para promoção da inovação e inclusão;
5.1.6.5. Diversidade e inclusão
Na Roche Farmacêutica Brasil, das 124 posições de
liderança sênior (diretores e seus reportes diretos),
47% são ocupadas por mulheres, valor acima da
média global. Já na Roche Diagnóstica Brasil, das 65
posições de liderança sênior, 38% são de mulheres.
Apesar de ainda não terem sido implementadas, no
Brasil, iniciativas formais com relação à diversidade
de gênero, o tema tem sido discutido pela área de
Recursos Humanos das duas Divisões, juntamente com
os Comitês Executivos em reuniões formais. Além disso,
desde o início de 2011, a diversidade de gênero tem
sido levada em consideração no processo de gestão
de talentos, a fim de alcançar um equilíbrio adequado
entre gêneros, especialmente entre os altos potenciais
e sucessores identificados.
GRI LA13, LA14
Em 2011, os temas diversidade e inclusão ganharam
destaque e começaram a ser discutidos de forma mais
incisiva no Grupo Roche, com foco no aumento do
número de mulheres na organização, especialmente
em posições de liderança. Um dos principais objetivos
da área de Recursos Humanos do Grupo e também de
suas afiliadas foi oferecer uma cultura inclusiva, que
se baseia na diversidade de habilidade e experiências
de cada funcionário. Essas ações demonstram a
preocupação da empresa em dar maior espaço
para minorias, sempre tratando o tema com muita
naturalidade.
A meta global da companhia é aumentar o número
de mulheres em posições-chave e alcançar 50%
até 2014. A Roche acredita que o acompanhamento
do progresso frente a este objetivo permitirá a
identificação e resolução das barreiras reais ou
percebidas para o avanço das mulheres em posições
de liderança sênior. Esse acompanhamento também
auxiliará na realização da meta de aumentar
continuamente todas as formas de diversidade em
todos os níveis da organização, seguindo os seguintes
princípios corporativos:
58
• promover a seleção dos melhores candidatos
com uma diversidade de origens, experiências e
perspectivas;
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
• garantir uma gama variada de candidatos para
posições-chave em todos os níveis da organização;
• oferecer horários de trabalho flexíveis que refletem as
necessidades de uma força de trabalho diversificada;
• oferecer oportunidades para que todos os
funcionários possam continuamente descobrir,
aprender, desenvolver-se e contribuir;
• apoiar iniciativas definidas localmente para garantir
que as barreiras ao emprego ou a promoção sejam
identificadas e tratadas.
Perfil dos colaboradores por categoria, gênero e faixa etária - Divisão Farmacêutica
GRI LA13
2010
Categoria
2011
Homens
Mulheres
30 anos
50 anos
50 anos
11
4
0
12
3
11
5
0
13
3
76
60
7
118
11
70
68
5
120
13
64
80
38
96
10
66
67
23
101
9
141
78
22
182
15
131
67
17
165
16
Administrativo
136
245
165
199
17
145
260
158
229
18
Operacional
193
63
20
213
23
183
58
22
187
32
Estagiários
33
50
-
82
1
0
40
59
97
2
0
236
213
246
174
29
Presidência/
Abaixo de Entre 30 e Acima de
Homens
Mulheres Abaixo de Entre 30 e
30 anos
Acima
50 anos de 50 anos
Diretoria
Gerência
Chefia /
Coordenação
Força de
Vendas
Terceiros
-
Total
1234
-
-
-
1234
1679
1679
Perfil dos colaboradores por categoria, gênero e faixa etária - Divisão Diagnóstica
GRI LA13
2010
Categoria
Presidência/
Homens
Mulheres
2011
Abaixo de Entre 30 e Acima de
30 anos
50 anos
50 anos
Homens
Mulheres Abaixo de Entre 30 e
30 anos
Acima
50 anos de 50 anos
4
1
0
5
0
6
1
0
6
1
Gerência
31
23
6
43
5
34
24
3
49
6
Chefia /
13
11
4
20
0
13
13
3
23
0
38
28
11
52
3
70
97
32
126
9
Diretoria
Coordenação
Força
de Vendas
Administrativo
72
58
49
76
5
23
31
35
17
2
Operacional
N/A
N/A
N/A
N/A
N/A
N/A
N/A
N/A
N/A
N/A
Estagiários
15
N/D
17
N/D
31
1
N/D
0
N/D
18
13
N/D
51
72
30
N/D
1
N/D
N/D
Terceiros
Total
311
311
466
0
343*
N/A: não se aplica
N/D: não disponível
* este total não contempla terceiros, pois não há a informação por idade.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
59
Márcia Viotti (Roche Professional Diagnostics)
Percentual de mulheres no quadro de funcionários
Divisão Diagnóstica
Distribuição
Divisão Farmacêutica
2010
2011
2010
2011
Participação de mulheres no total de funcionários
43,3%
52,1%
46,1%
46,4%
Cargos de gerência ocupados por mulheres
42,3%
41,1%
44,1%
42,2%
Cargos de diretoria ocupados por mulheres
20%
16,6%
26,7%
33,3%
Proporção do salário médio das mulheres em relação aos homens,
por categoria funcional
GRI LA14
Divisão Diagnóstica
Categoria
2010
2011
2010
2011
Diretoria
11%
-5%
-1%
-10%
Gerência
-6%
17%
-8%
-13%
Chefia / Coordenação
3%
-7%
-8%
-4%
Força de Vendas
-13%
-3%
-8%
-8%
Administrativo
-14%
-4%
2%
11%
N/A
N/A
-15%
-10%
Operacional
N/A: não se aplica
Percentual de funcionários com deficiência
Divisão Diagnóstica
60
Divisão Farmacêutica
Divisão Farmacêutica
2010
2011
2010
2011
1,4
1,0
5,0
5,0
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
5.1.5.6. Engajamento
O Grupo Roche acredita que quanto maior o grau de
envolvimento dos funcionários na gestão da empresa,
melhor se torna o relacionamento entre todos. Assim,
com o objetivo de fortalecer o diálogo e estimular a
participação coletiva, a empresa tem realizado diversas
iniciativas. Um dos objetivos estratégicos para os
próximos cinco anos do Grupo Roche é atingir um
nível de 80% de engajamento, o que fará com que
a companhia esteja cada vez mais alinhada com
seus colaboradores. Para tanto, se torna essencial a
divulgação contínua de informações ao público interno,
promovendo o conhecimento sobre as diferentes áreas
da empresa, seus produtos e serviços, bem como suas
atividades e projetos.
Para os funcionários da Roche Farmacêutica Brasil,
foi instituído em 2009 o programa “Visioning”, que
visava uma transformação cultural na forma de
relacionamento e visão corporativa, liderado pelo
presidente e a alta liderança da companhia. Esse
planejamento estratégico gerou as diretrizes principais
que passaram a orientar as metas e os compromissos
individuais dos funcionários.
Esse processo teve início com um encontro de toda a
empresa em 2009. O objetivo deste primeiro encontro
foi alinhar toda a empresa com a Visão Roche Brasil,
estabelecendo pilares importantes para o crescimento
da empresa sem perder de vista a construção de um
ambiente de trabalho saudável e inspirador. Através
desse evento, todos os funcionários puderam ter
conhecimento dos objetivos de curto, médio e longo
prazos. Também foram realizados team buildings em
cada divisão ao longo de 2009 e 2010, para garantir o
entendimento da Visão e traduzir seu conteúdo para a
realidade de cada área, deixando claro ao funcionário
de que forma seu trabalho pode contribuir com os
objetivos da empresa.
E para disseminar a cultura que se quer criar na Roche
Brasil, foi criado o booklet – “O Jardim do Éden”,
lançado no início de 2011 e amplamente divulgado
a todos os funcionários, incluindo a entrega de uma
cópia impressa do booklet e uma versão eletrônica
disponível online. Trata-se de um documento redigido
pelo próprio Presidente da Roche Brasil com o apoio
do Comitê Executivo. Ele demonstra a crença da alta
liderança que a cultura de uma empresa não é apenas
uma pedra fundamental, mas sim a principal fonte
de competitividade, e o único elemento distintivo de
uma organização. Esse documento descreve que são
as pessoas que fazem, moldam e vivem a cultura de
uma empresa, que é constituída pelos seus valores.
A questão é como podemos transformar valores em
instrumentos práticos que possam ser utilizados no dia
a dia da empresa.
No final de 2011 a Visão foi revista para atualização
dos objetivos e também para torná-la ainda mais
inspiradora, unindo os elementos da Visão Roche e do
“Jardim do Éden” em um único painel. Essa Visão foi
apresentada a todos os funcionários nas Convenções
de início de ano em 2012, com algumas diretrizes
renovadas. Hoje, a empresa tem estabelecida uma visão
de futuro clara e inspiradora, que contém em sua base
os valores corporativos (integridade, coragem e paixão),
um conjunto de atitudes e comportamentos que
chamamos de “Nossa Essência”, um extrato do “Jardim
do Éden”, que demonstra qual o ambiente de trabalho
que a empresa deseja ter e qual é a forma aceita de se
fazer as coisas. Termos como ética, trabalho em equipe
e senso de humor fazem parte deste modelo.
Pesquisa de engajamento (GEOS-Global Employee
Opinion Survey)
Buscando aumentar o nível de engajamento interno, o
Grupo Roche criou, em 2011, a primeira pesquisa de
opinião global para seus funcionários. Ela foi realizada
em 20 idiomas e em todas as afiliadas. O questionário
buscava medir as necessidades, expectativas e anseios
dos funcionários e identificar as áreas para melhoria e
criação de programas efetivos de engajamento.
A pesquisa indicou um nível de engajamento global
de 62%, taxa levemente acima da média da indústria
farmacêutica. Os resultados gerais do Grupo indicam
que os funcionários sentem-se orgulhosos de trabalhar
na companhia e acreditam em seu futuro sucesso. Eles
também possuem um nível de satisfação elevado em
relação ao ambiente de trabalho, o que inclui fatores
como colegas, gerentes e condições físicas. Os pontos
de fraqueza revelados na pesquisa foram os processos
de tomada de decisão, processos de trabalho e
conexão entre funcionários e líderes seniores. Estas
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
61
áreas serão o foco das iniciativas do Comitê Executivo
Global nos primeiros meses de 2012 e devem afetar os
funcionários em todas as operações do Grupo,
que pretende continuar realizando a pesquisa a
cada 18 meses.
Na Roche Brasil, os resultados foram excelentes,
entre os melhores das afiliadas avaliadas. Os índices
de adesão à pesquisa da Divisão Diagnóstica e da
Farmacêutica foram de 93% e 88%, respectivamente.
Esses índices colocaram a afiliada brasileira em uma
posição de destaque entre as afiliadas de mesmo porte,
com um dos maiores índices de participação.
Os resultados da pesquisa demonstraram uma taxa
de engajamento de 71% na Roche Diagnóstica Brasil
e de 70% na Roche Farmacêutica Brasil, ambos bem
acima do nível global, de 62%. Esse índice demonstra
o quanto os funcionários das duas divisões estão
envolvidos e comprometidos com a empresa.
Resultados na Roche Farmacêutica Brasil
Destaques positivos:
• Reputação da companhia: 72% acham que a Roche é uma das melhores empresas do setor para se trabalhar;
• Senso de realização com o trabalho: 67% sentem-se realizados com suas atividades;
• Atividades de trabalho: 77% gostam de seu trabalho no dia a dia.
Pontos para melhoria:
• Processos: 73% dos funcionários acham que os processos da companhia não permitem que sejamos mais produtivos;
• Foco nas pessoas: 66% entendem que seu gestor poderia ter maior foco nas pessoas;
• Oportunidades de Carreira: 66% percebem que as oportunidades de carreira nem sempre estão claras para todos.
Resultados na Roche Diagnóstica Brasil
Destaques positivos:
• Reputação da companhia: 70% acham que a Roche é uma das melhores empresas do setor para se trabalhar;
• Atividades de trabalho: 70% dos funcionários gostam de seu trabalho no dia a dia;
• Senso de realização com o trabalho: 67% sentem-se realizados com suas atividades.
Pontos para melhoria:
• Processos: 85% acham que os processos da companhia não permitem que sejamos mais produtivos;
• Foco nas pessoas: 63% entendem que seu gestor poderia ter maior foco nas pessoas;
• Liderança: 55% acreditam que deveria haver melhorias em suas lideranças.
A partir desses resultados já foram estabelecidos grupos de trabalho para tratar dos pontos de melhoria.
62
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
5.2.Conscientização,
Conhecimento e
Campanhas
A Roche acredita que, ao compartilhar seu
conhecimento com a sociedade, contribui para o
aumento do acesso à informação, levando à redução
das desigualdades sociais de acesso, à prevenção e
ao tratamento de saúde, bem como a uma maior
autonomia de atuação do governo e das associações
de pacientes.
Um dos focos de atividades da Roche no
relacionamento com os seus stakeholders é a
promoção contínua do debate e da troca de
informações sobre temas relacionados à saúde. Dessa
forma, a Roche realiza e apoia congressos e eventos
para profissionais da saúde, campanhas de prevenção
de doenças, capacitações para associações de
pacientes e outras atividades que possibilitem o debate,
a circulação e a construção conjunta de conhecimento
com diversos grupos da sociedade.
Waldemar Tambarelli (portador de doença de Parkinson)
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
63
5.2.1.Associações de Pacientes
As associações de pacientes são parceiras importantes
para a Roche, compartilhando o interesse em ajudar
pacientes a compreender e controlar suas doenças,
incluindo o acesso oportuno e equitativo ao
tratamento que necessitam. A Roche pode contribuir
com uma variedade de habilidades, experiências e
conhecimentos que intensifiquem as atividades das
organizações de pacientes.
A Roche desenvolve com essas organizações um diálogo
aberto e busca promover o empoderamento de forma
transparente e ética. O relacionamento com os grupos de
pacientes permite à Roche ter maior conhecimento das
doenças, dos tratamentos e dos impactos das terapias na
vida dos pacientes e de seus familiares.
Nos últimos dois anos, a Divisão Farmacêutica viu esse
trabalho se intensificar, como fruto do desenvolvimento de
uma metodologia própria de gestão.
A atuação da Roche Brasil junto às associações de
pacientes segue as diretrizes do Grupo Roche, que
se baseiam nos seguintes princípios: integridade,
manutenção de independência, respeito, equidade,
transparência e benefício mútuo. Mais informações
podem ser acessadas por meio do site www.roche.com.br.
E para que todos os funcionários atuem de acordo com
essas diretrizes no relacionamento com as associações
de pacientes, a Roche Brasil desenvolveu um e-learning
que serve como ferramenta de treinamento para os
funcionários.
Atualmente, a Roche conta com aproximadamente
200 organizações cadastradas e realiza patrocínio a
diversos projetos, apoiando grupos de pacientes nas
áreas de Virologia, Imunologia e Oncologia. Além disso,
são promovidas capacitações nas quais a empresa
oferece ou patrocina cursos, oficinas e palestras para a
profissionalização e melhoria da gestão dessas ONGs.
64
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Em 2011, o Grupo Roche realizou o terceiro encontro
anual global para grupos de pacientes, que ocorreu em
Frankfurt, na Alemanha. Mais de 110 representantes
de grupos de pacientes de todos os continentes e de
diversas patologias participaram do evento. A delegação
brasileira, composta por 13 representantes de grupos
nas áreas de Imunologia, Oncologia, e Virologia, teve
participação ativa no evento. O programa foi desenvolvido
por um comitê internacional, composto por oito grupos de
pacientes (um do Brasil) e incluiu temas como: desafios
para as associações no quadro econômico atual, avanço
nos tratamentos e cuidados com os pacientes; e o papel
das organizações de pacientes na formulação de políticas
para a melhoria no acesso a saúde.
Outros destaques de 2011 foram os dois encontros das
ONGs de Parkinson, que ocorreram em Florianópolis
(SC) e São Paulo (SP), e que focaram na capacitação
das organizações participantes. Os principais temas
abordados foram a sucessão nas organizações sociais; a
gestão da assistência farmacêutica no SUS em relação à
doença de Parkinson e as principais formas de expressão
das demandas dos pacientes. Esses encontros reforçam
a importância da troca de informações e a importância
do trabalho conjunto entre as associações, a Roche e o
governo. Para a Roche, o relacionamento com grupos
de pacientes significa uma oportunidade concreta
para conhecer melhor a doença, o tratamento exigido
e compreender os seus impactos na vida do paciente e
de seus familiares. Já para os grupos de pacientes, os
benefícios podem levar em conta o acesso a informações
e conhecimentos específicos sobre a doença, o apoio
na articulação do relacionamento com outras redes de
contatos com interesses comuns e a participação em
reuniões e projetos que possam fortalecer o grupo.
5.2.2.Sociedade
A Roche acredita que o conhecimento sobre
os sintomas de diversas doenças possibilitam o
diagnóstico precoce e podem melhorar muito as
chances de cura e a qualidade de vida dos pacientes.
Por isso, a companhia promove diversas campanhas
de educação e conscientização que visam ampliar
o acesso da população à informação correta e aos
recursos diagnósticos e terapêuticos disponíveis,
bem como reforçar a importância da prevenção e do
diagnóstico precoce.
Campanhas e canais online
de acesso à informação
GRI EC8
Com o objetivo de sensibilizar a população e fornecer
informações relevantes sobre diversas doenças, seus
sintomas, diagnósticos e tratamentos, a Roche Brasil
realiza diversas campanhas e disponibiliza canais
online de comunicação. Em 2011, além dos websites
específicos das campanhas, a empresa também
reforçou sua atuação no meio digital com a criação de
perfis em redes sociais.
Viva bem com Parkinson
A campanha realizada em parceria com a Academia
Brasileira de Neurologia e a Associação Brasil
Parkinson, para marcar o Dia Mundial da Doença de
Parkinson, impactou aproximadamente
1,5 milhão de pessoas. Mais informações em
www.vivabemcomparkinson.com.br.
Campanha de conscientização sobre
fibrose cística
Dia 5 de setembro é considerado o Dia Nacional de
Divulgação da Fibrose Cística e a Roche, em parceria
com algumas associações de pacientes, realizou
campanha que promoveu diversas ações em metrôs,
hospitais, programas de televisão, revistas e websites,
divulgando informações sobre a doença, diagnóstico
e tratamento. Além disso, foram doadas cerca de 15
equipamentos para teste do suor, exame importante
utilizado para confirmar o diagnóstico da doença, aos
centros especializados de tratamento espalhados pelo
Brasil. Para conhecer mais sobre fibrose cística e saber
onde estão localizados os centros de tratamento no
Brasil, acesse http://www.gbefc.org.br/ (site do Grupo
Brasileiro de Estudos de Fibrose Cística).
Juntos contra o Linfoma
Lançada em 2009, a campanha trabalhou em 2011 a
educação médica participando de congressos médicos
de ginecologia, geriatria e infectologia para aprimorar
o conhecimento dos médicos sobre o diagnóstico da
doença. Além disso, a campanha teve sua divulgação
intensificada com um mês de spot de rádio nas principais
capitais do nordeste. O site www.juntoscontraolinfoma.
com.br teve 143.000 acessos em 2011.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
65
Dia Rosa / Mulher Consciente
Procura-C
Com o objetivo de sensibilizar as mulheres com idade
a partir dos 40 anos para a realização periódica da
mamografia para detecção precoce do câncer de mama,
a campanha passou, em 2011, por 12 estados, envolvendo
empresas privadas, associações de pacientes, secretarias
municipais e estaduais de saúde, prefeituras e governos
estaduais. O tema também conta com o apoio do
website www.mulherconsciente.com.br, que, em 2011,
contabilizou mais de 36.220 visitas.
A Roche também realizou uma campanha interna:
a maioria dos colaboradores aderiu à campanha
vestindo-se de rosa e foi realizada uma pesquisa entre
as funcionárias com mais de 40 anos para oferecer
mamografia para aquelas que ainda não haviam
realizado o exame em 2011.
Formada por cerca de seis representantes, a equipe
Procura-C é especializada em realizar campanhas de
detecção de pacientes portadores do vírus da hepatite
C. Através da utilização de testes rápidos anti-HCV
e a presença de médicos e enfermeiras, a equipe
organiza campanhas de informação e testagem em
shoppings, estações do metrô, supermercados e outros
locais com grande circulação de pessoas. Uma vez
identificado, o paciente é encaminhado para o Serviço
Público, para que exames complementares possam ser
feitos e, confirmado o diagnóstico, o tratamento possa
ser iniciado. A hepatite C é uma doença silenciosa
e que, se não tratada precocemente, pode acarretar
problemas sérios como cirrose e câncer hepático.
Em 2011, foram realizadas cerca de 180 campanhas,
com mais de 160 mil pessoas testadas. As principais
campanhas ocorreram nas cidades de São Paulo (SP),
Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Recife
(PE) e Florianópolis (SC). Para saber mais, visite o
website www.hepatites.com.br.
66
.
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Quimioral
Campanha Interna de Doação de Sangue
Com foco em quimioterapia oral e intravenosa, o
website http://www.quimioral.com.br/sc/quimioral/web/
teve mais de 32 mil acessos em 2011. Conteúdos gerais
sobre o tratamento de quimioterapia oral e intravenosa
podem ser acessados por pacientes, seus familiares
e interessados na internet. O website de serviços
tem o apoio institucional da Associação Brasileira de
Prevenção do Câncer de Intestino.
A Roche Brasil realiza anualmente uma campanha
interna de doação de sangue em parceria com o
Hospital Sírio Libanês. Em 2011, a campanha contou
com 172 candidatos a doações e 144 doações efetivas.
Esse total de doações representou 432 possíveis vidas
salvas por meio de transfusões de sangue.
Cucas
Qualidade de Vida para diabéticos
O website www.accu-chek.com.br fornece orientações
completas e atualizadas sobre a doença, os cuidados
necessários, os produtos disponíveis no mercado, os
tratamentos com Sistema de Infusão Contínua (SIC)
de insulina, além de dicas e eventos para melhorar a
qualidade de vida das pessoas com diabetes. Além
disso, disponibiliza as edições online da revista De
Bem com a Vida, uma publicação trimestral gratuita da
Roche Diagnóstica, dirigida aos portadores da doença.
Artrite Reumatoide
A campanha do Dia Mundial de Conscientização
sobre artrite reumatoide é uma iniciativa da Sociedade
Brasileira de Reumatologia, apoiada pela Roche. Além
disso, os pacientes têm a chance de conhecer mais
sobre a doença, seu diagnóstico e terapia pelo www.
artritereumatoide.com.br. O website traz orientações
sobre cuidados e recursos de adaptação.
O portal Companheiros Unidos contra a Acne (Cucas)
www.cucas.com.br oferece informações de suporte
ao tratamento dermatológico para jovens e pais, além
de dicas práticas de combate à acne e, em 2011,
contabilizou 23 mil acessos.
Controle de colesterol e glicemia
Com o objetivo de alertar sobre a importância de
hábitos saudáveis como forma de prevenção de
doenças cardiovasculares, a Roche Diagnóstica, em
parceria com grandes empresas como Unilever e Rede
Record realizou quatro campanhas para a população
ao longo de 2011. No total, foram cerca de 30 mil testes
de colesterol e de glicemia realizados nas cidades de
São Paulo (SP) e Brasília (DF).
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
67
5.2.3.Profissionais da saúde
A base do relacionamento da Roche com os
profissionais da saúde é a troca de informações e o
diálogo constante, com o objetivo de compartilhar
informações sobre os mais recentes estudos e
descobertas da comunidade científica e as mais
inovadoras e eficientes práticas presentes no mercado.
Esse diálogo é pautado pela ética, transparência
e responsabilidade e baseia-se na Política de
Relacionamento com Profissionais da Saúde.
As Divisões Farmacêutica e Diagnóstica conduzem um
extenso programa de educação continuada, voltado
para médicos, farmacêuticos, enfermeiros e outros
profissionais da saúde, promovendo maior acesso
desses profissionais à comunidade e melhorando o
atendimento a pacientes, com mais responsabilidade
e acuracidade na prescrição de diagnósticos e
medicamentos.
5.2.3.1. Educação Médica Continuada
A Educação Médica Continuada é uma das formas
mais importantes para a capacitação profissional
e o acesso a inovações em pesquisa, diagnóstico
e terapias, além da interação com especialistas de
diversos países. Ela ocorre por meio de treinamentos,
congressos e eventos da área de saúde promovidos ou
apoiados pela Roche Brasil, muitos deles em parceria
com as sociedades médicas brasileiras de várias
especialidades.
Em 2011, a Roche Farmacêutica realizou e patrocinou
444 eventos de interesse médico-científico dentro de
suas áreas de especialidades, no Brasil e no exterior,
com a participação total de 10.367 médicos. A empresa
esteve presente em 98 congressos nacionais e 29
internacionais.
Alguns destaques de 2011 em diferentes unidades da
empresa:
68
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
• A Unidade de Virologia & SNC da Roche
Farmacêutica participou ativamente dos principais
congressos, nacionais e internacionais sobre
Parkinson, fibrose cística e hepatites, investindo em
educação médica continuada, promovendo acesso e
disseminação de novas práticas nos diagnósticos e
tratamentos dessas doenças.
• A Unidade de Imunologia da Roche Farmacêutica
realizou diversos simpósios em eventos das
Sociedades de Reumatologia de diferentes estados
brasileiros. A unidade também organizou cerca de
40 mini-meetings ao longo do ano. A Roche também
realizou a edição de 2011 do evento Pós-EULAR
(Congresso da Liga Europeia contra o Reumatismo),
em São Paulo, iniciativa exclusiva da área de
Reumatologia da Divisão Farmacêutica, dirigida a
médicos reumatologistas e contou com centenas de
participantes.
• A unidade de Oncologia da Roche Farmacêutica
ofereceu suporte à Sociedade Brasileira de
Oncologia Clinica (SBOC) e Sociedade Brasileira de
Hematologia para o desenvolvimento de diretrizes
de tratamento e expansão das atividades de
aprimoramento profissional aos médicos oncologistas
e hematologistas.
• Foi realizada a nona edição do proCardio Symposium,
organizado pela Divisão Diagnóstica, para discutir
temas relacionados aos biomarcadores cardíacos,
suas aplicações, implicações e avanços.
• Outra organização conjunta das duas Divisões
(Diagnóstica e Farmacêutica) foi a palestra sobre
câncer gástrico no Congresso Brasileiro e Latino
americano em Maceió-CE, que contou com centenas
de participantes.
• A Unidade de Applied Science, da Divisão Diagnóstica
também participou de diversos eventos científicos
(congressos, simpósios, meetings) em 2011, na
condição de expositora e/ou patrocinadora.
Evelize Cobo (Roche Professional Services)
5.2.3.2. Plataformas online
Diálogo Roche (www.dialogoroche.com.br) –
Roche Farmacêutica
O portal reúne, de forma interativa e integrada,
informações e serviços destinados aos médicos e
profissionais da saúde, com a missão de conectar os
profissionais e estimular a troca de conhecimento
com os principais formadores de opinião do país. São
realizadas diversas ações de Educação Médica, como
os webmettings, cobertura online dos congressos
internacionais, acesso gratuito às principais referências
de conteúdos científicos como o Medline, que reúne
mais de 1.400 periódicos; Dynamed, com mais de 3.000
temas de medicina baseada em evidências e SMART
Image Base, que conta com mais de 11.000 ilustrações
e animações sobre diversas áreas médicas.
Durante o ano de 2011, o portal recebeu 174.254
usuários únicos, além de 437.691 acessos. O sucesso
do Diálogo Roche não somente ajuda a estreitar o
relacionamento com seus stakeholders locais, como
também reflete a relevância do site no setor. Segundo
pesquisa realizada em 2011 pela Datafolha para traçar
o perfil digital dos médicos brasileiros e entender seus
hábitos e costumes ao navegar na internet, o Diálogo
Roche se destacou, com 30% de citações, enquanto
a 2ª companhia mais visitada conta com apenas 13%.
Para os Oncologistas, a relevância do portal é ainda
maior, com 47% das citações, o que reflete a liderança
da Roche no segmento.
Roche Online (www.rocheonline.com.br) –
Roche Diagnóstica
O portal de treinamentos da Divisão Diagnóstica faz
parte do programa de educação continuada para
médicos, profissionais de laboratório e de saúde. A
tecnologia dos webmettings abrange aulas virtuais e
palestras interativas sobre temas variados da medicina
diagnóstica, especialmente nas áreas de ginecologia,
endocrinologia, cardiologia e clínica geral. Em 2011,
foram registrados mais de 10.000 acessos e 9 aulas
ministradas, sendo mais de 61% da participação
de profissionais médicos das mais diversidades
especialidades médicas.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
69
5.3.Acesso à Saúde
A companhia acredita que pode contribuir
para melhorar as condições e o acesso à
saúde por meio da troca de informações e
conhecimento com todos os stakeholders,
auxiliando na tomada de decisão informada.
O sistema público de saúde do Brasil foi estabelecido
sobre o conceito da universalidade, no qual todos os
brasileiros devem ter, por meio do governo, acesso a
todas as alternativas de saúde para suas necessidades.
Este é um objetivo bastante grandioso e, na visão
da Roche, atingir esse objetivo só é possível através
da atuação conjunta entre o setor farmacêutico,
governos, profissionais da saúde, sociedade civil
além dos atores do sistema suplementar de saúde.
A companhia acredita que pode contribuir para
melhorar as condições e o acesso à saúde por meio
da troca de informações e conhecimento com todos
os stakeholders, auxiliando na tomada de decisão
informada. Para isso, a Roche investe em eventos de
educação sobre o sistema de saúde, parcerias, políticas
de desconto e doações.
O tema também é abordado pela Visão 2015 da Roche
Farmacêutica (“Mais acesso para mais pacientes”). Em
2011, as ações da empresa nessa área continuaram
a seguir as diretrizes do projeto FarmaSustentável,
abrangendo os seguintes princípios: ampliação,
otimização e prevenção.
70
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Programas de suporte aos pacientes
Outra forma de a companhia conhecer melhor os
pacientes que se utilizam de seus medicamentos e
promover atendimento gratuito a essa parcela da
população são os canais de relacionamento. Por eles,
a companhia concede informações sobre doenças,
diagnósticos e medicamentos, sempre indicando a
visita a um médico para aprofundamento e diagnóstico
preciso.
Relacionar
Os pacientes com artrite reumatoide que fazem uso
de MabThera® (rituximabe) e Actemra® (tocilizumabe)
contam com informações da empresa através de um
atendimento especializado feito por profissionais da
saúde. O programa beneficiou cerca de 3.150 pacientes
em 2011, um aumento de 8% em comparação a 2010,
e mais de 600 médicos incluíram seus pacientes no
programa. O Relacionar também oferece treinamento
para profissionais de clínicas de infusão.
Informe-C
Biobadabrasil
No caso de portadores de hepatite C, o auxílio sobre
o diagnóstico, o tratamento e acompanhamento
da doença é feito pelo Informe C, um serviço de
atendimento aos pacientes feito por atendentes
capacitadas a esclarecer as principais dúvidas
relacionadas à hepatite C. Em 2011, foram atendidos
cerca de 1.600 pacientes.
Buscando entender melhor as características dos
pacientes de doenças reumatológicas no Brasil, a
Roche patrocinou junto com outros quatro laboratórios
farmacêuticos, o registro de pacientes Biobadabrasil,
promovido pela Sociedade Brasileira de Reumatologia.
Por meio de um registro online de pacientes de doenças
reumatológicas, é possível monitorar uma amostragem
significativa de pacientes em terapia biológica. Em 2011
este registro obteve dados de mais de 1.600 pacientes, em
comparação com 1.100 em 2010.
Política de Doações
A Roche Farmacêutica no Brasil tem uma Política de Doações baseada nos parâmetros da política global.
A empresa acredita na busca por maior acessibilidade, de forma contínua no longo prazo, investindo em
transferência de tecnologia a governos, políticas de baixos custos e contribuição técnica para a implementação de
políticas públicas que incluam o acesso a toda a sociedade e não somente a grupos específicos. De modo geral,
não é permitida a doação direta de medicamentos.
A política define quais pessoas ou entidades podem solicitar doações e determina como encaminhar os pedidos.
Além disso, foi instituído o Comitê de Doações, responsável pela análise das solicitações (exceto pedidos de
medicamentos Roche), considerando critérios como merecimento e coerência do projeto apoiado e alinhamento
com os valores e os princípios éticos da empresa, além dos impactos que as ações podem causar ao negócio da
empresa.
Para a Roche, as entidades passíveis de receber doações são institutos de pesquisa e de tratamento de pacientes,
associações e sociedades científicas, associações de pacientes ou de seus familiares, outras organizações
sem fins lucrativos de utilidade social (ONGs) ou fundações. Por outro lado, a empresa veda as doações para
organizações políticas e sindicais, associações ou organizações para defesa do consumidor, associações apenas
para médicos, associações desportivas ou pessoas físicas.
Como ação complementar, todos os contratos são acompanhados pela área de Compliance da Roche, a fim de
garantir que os recursos doados sejam utilizados corretamente. Já as doações de medicamentos a funcionários
devem ser encaminhadas por meio do Serviço de Saúde Ocupacional, devendo ser acompanhadas de prescrição
médica e outros documentos, como exames e laudos médicos, que comprovem a necessidade do tratamento.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
71
5.3.1.Governo
Aumentar o acesso a diagnósticos, medicamentos e
tratamentos de saúde por meio do sistema de saúde
público é um dos objetivos da Roche. A atuação da
empresa junto ao governo se dá de três formas: oferecendo
os melhores produtos e serviços a um número cada vez
maior de pacientes por meio do Sistema Único de Saúde;
contribuindo e participando da construção de políticas
públicas e regulamentações (vide item Conscientização,
conhecimento e campanhas); e por meio de treinamentos
e capacitações a funcionários de hospitais e laboratórios
públicos para aumentar a qualidade e eficiência dos
serviços e produtos oferecidos à população.
oferecendo sistemas de automação de alta eficiência e um
desenho adequado do laboratório, proporcionando desta
maneira um plano para que esses locais ofereçam serviços
diagnósticos da melhor qualidade possível. Na Prefeitura
de Campinas, o laboratório municipal foi reestruturado
e automatizado por meio de uma parceria com a Roche
e hoje oferece exames de qualidade gratuitamente aos
moradores da cidade através de equipamentos e serviços
de ponta.
A companhia tem pró-atividade na produção e atualização
permanentes de estudos sobre custos de utilização, análise
econômica, análise farmacoecônomica (ver quadro abaixo
Farmacoeconomia) e impacto financeiro na incorporação
de novas tecnologias pelo sistema de saúde. Nesse sentido,
a Roche já possui diversos contratos com o Ministério da
Saúde para aumentar a oferta de medicamentos.
Uma importante área de atuação da Roche junto aos
governos é a transferência de tecnologias para a fabricação
de medicamentos pelos institutos públicos de ciência e
tecnologia vinculados ao Ministério da Saúde, que sejam
de interesse do governo brasileiro. Para tanto, foi assinada
uma carta de intenções entre a Roche e o Ministério da
Saúde, englobando a transferência de conhecimento
técnico de produtos de alta tecnologia que ainda não
foram incorporadas por empresas nacionais, projetos
em pesquisa e desenvolvimento, visitas e intercâmbio
de cientistas, entre outras ações. Dessa forma, o acordo
reforça a capacidade do Sistema Único de Saúde (SUS) em
pesquisa e desenvolvimento (P&D), permitindo um melhor
atendimento à população.
A Roche Brasil também adota políticas internas
relacionadas a doações e transferências de tecnologia a
instituições públicas e laboratórios oficiais do governo que
possam colaborar para ampliar o acesso da população a
novos recursos para a promoção da saúde. Essa prática
ainda auxilia no desenvolvimento tecnológico dessas
instituições (ver mais em Conscientização, Conhecimento
e Campanhas). Uma ação de destaque em 2011, foi a
doação do equipamento xCELLigence, que permite realizar
experimentação em células vivas em tempo real, ao
Hospital do Câncer de Barretos.
Outra forma de atuação é a consultoria laboratorial. De
acordo com a demanda dos órgãos públicos, a equipe
de consultores especializados da Roche Diagnóstica faz
uma avaliação de toda a infraestrutura do hospital ou
laboratório, verificando processos diagnósticos e recursos,
72
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Capacitação e Transferência de tecnologia
Outra maneira que a empresa encontrou para compartilhar
conhecimento é a promoção de treinamentos para
profissionais de hospitais e laboratórios públicos
promovidos tanto pela Roche Diagnóstica, como pela
Farmacêutica.
A Divisão Diagnóstica possui funcionários especializados
para atender às demandas dos órgãos públicos e oferece
palestras e capacitações em diversos postos de saúde e
hospitais públicos, tanto para os profissionais da saúde
Farmacoeconomia
Os estudos farmacoeconômicos são grandes balizadores para se avaliar a introdução de novas tecnologias em
saúde, tanto no mercado público como no privado, analisando os benefícios clínicos e econômicos de uma terapia
recente em comparação com a tecnologia já existente.
A Divisão Farmacêutica elabora estudos farmacoeconômicos por produto oferecido ao mercado em todas as
áreas em que a empresa atua. Esses conteúdos são apresentados nas discussões com a Anvisa, Ministério da
Saúde, secretarias estaduais de saúde, convênios privados, além da comunidade médica. Além disso, representam
importante subsídio à classe médica nas recomendações feitas às operadoras de saúde para a cobertura de terapias
necessárias ao paciente.
No ano de 2011, a Divisão Farmacêutica realizou seis publicações de estudos farmacoeconômicos em revistas
científicas indexadas ou de congressos nacionais. Esses estudos, principalmente nas áreas de oncologia, virologia,
imunologia e inflamação, são baseados em metodologia da matriz, mas adaptados às realidades brasileiras,
auxiliando médicos a discutir eventuais negativas de cobertura com os convênios.
A companhia também realizou o evento ATS (Avaliação de Tecnologias em Saúde) para médicos reumatologistas
para debater as questões de judicialização na saúde e dificuldades de acesso aos medicamentos imunobiológicos
para o tratamento da Artrite Reumatoide. Além disso, A Roche organizou, em 2011, um Simpósio Satélite no
Congresso HTAi (Health Technology Assessment International) que discutiu o conceito da Medicina Personalizada e
seu impacto nos sistemas de saúde e prática médica.
A nova Lei nº 12.401, sancionada em 2011, fundamentou a análise farmacoeconômica como essencial para a tomada
de decisões por parte de órgãos governamentais. A lei dispõe sobre a assistência terapêutica e a incorporação de
tecnologia em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS e o decreto que a regulamenta dispõe sobre a
Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (CONITEC) e sobre o processo
administrativo para incorporação, exclusão e alteração de tecnologias em saúde pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
locais, como para educadores que repassam essas
informações aos pacientes. Em 2011, a área de Diabetes
Care da Diagnóstica realizou capacitações sobre o
diagnóstico e formas de melhorar a qualidade de vida de
pacientes com diabetes em postos de saúde de mais de
150 cidades em diversos estados brasileiros. Além disso,
a Roche apoia prefeituras e universidades públicas que
solicitem apoio para treinamentos e eventos.
A Divisão Farmacêutica continua contribuindo com o
processo de ATS (Avaliação de Tecnologias em Saúde),
que é um importante instrumento na definição de
políticas públicas em Saúde no Brasil.
Sua contribuição se dá através da participação no
desenvolvimento e educação continuada para a
sociedade médica, sociedade civil e órgãos públicos.
Em 2011 a Roche participou do
HTAi (Health Technology Assessment International)
onde realizou um Congresso Satélite que discutiu o
conceito de medicina personalizada, seu impacto nos
sistemas de saúde e prática médica.
A Roche acredita que assim exerce seu papel
propiciando ferramentas para as melhores
decisões em saúde.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
73
Waldemar Bucinskas (Roche Professional Services)
5.3.2.Operadoras de saúde e hospitais
Promover o acesso à saúde também exige um trabalho
articulado perante as operadoras de saúde, hospitais
privados e clínicas. O relacionamento da Roche com as
empresas operadoras de saúde está baseado no diálogo
permanente e na prestação de serviços, por meio dos
quais é possível levar informações sobre a qualidade e
a eficácia dos produtos da Roche, de modo a facilitar a
tomada de decisão quanto à cobertura ou não de um
determinado medicamento.
Uma das ferramentas utilizadas para aprofundar o
diálogo com as operadoras de saúde são os simuladores
farmacoeconômicos que podem customizar os dados
de acordo com necessidades específicas, permitindo a
decisão técnica e criteriosa dos gestores do mercado
privado. Esses estudos fornecem dados detalhados e
analíticos que subsidiam a avaliação técnica sobre o peso
74
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
do diagnóstico e do tratamento nas coberturas oferecidas
aos pacientes, servindo como parâmetro para a tomada
de decisão com base em critérios científicos.
A Divisão Farmacêutica tem trabalhado constantemente
para que alguns medicamentos passem a ser oferecidos
pelas operadoras. O maior exemplo é o tratamento
quimioterápico oral. A Roche procura mostrar que
este tipo de tratamento, que pode ser realizado em
domicílio, tem custos parecidos com os dos outros tipos
de quimioterapias, porém, oferecem maior qualidade
de vida aos pacientes durante o tratamento. A entrada
desses produtos no rol de cobertura dos planos de
saúde aumenta o acesso a milhares de pacientes que
terão opção de escolher por esse tipo de tratamento
quimioterápico.
5.4.Comunicação
e transparência
A Roche Brasil preza por formas de comunicação
claras e transparentes e, para isso, mantém
canais de atendimento rápido dirigidos a clientes,
pacientes, médicos, profissionais da saúde e
representantes da Força de Vendas, com o objetivo
de proporcionar uma comunicação fluida e
constante e aprimorar o conhecimento sobre suas
atividades e produtos.
Leandro Domingues (Finanças& Serviços)
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
75
5.4.1. Responsabilidade na comunicação
com clientes
5.4.1.1. Prescrição e Consumo
Responsáveis
GRI PR1, PR3
Como parte de sua atuação responsável, a Roche
atualiza, sempre que necessário, os materiais de
comunicação destinados a seus clientes, tais como
rótulos, embalagens, bulas, manuais de operação,
instruções de uso e termos de garantia. O objetivo
é garantir a prescrição e o consumo adequados,
desencorajando os excessos e o uso inadequado
de medicamentos e testes diagnósticos. Além disso,
a empresa alerta seus clientes quando ocorrem
alterações nas características de seus produtos ou
serviços, tais como composição, qualidade, prazos,
peso etc.
Para garantir a qualidade dos produtos ao longo
de toda a cadeia de distribuição, a empresa realiza,
ainda, treinamentos e capacitação de profissionais do
comércio farmacêutico (atacado e varejo) e operadores
logísticos, e mantém um programa de certificação de
boas práticas de manuseio, armazenagem e transporte
de produtos.
5.4.1.2. Canais de Relacionamento
GRI PR5
Serviço de Informações Roche –
Divisão Farmacêutica
O Serviço de Informações Roche (SIR) constitui um
dos principais canais de comunicação da Divisão
Farmacêutica com os seus clientes, reunindo uma
76
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
equipe de profissionais da área da saúde treinada para
atender às demandas de médicos, consumidores e
dos representantes da Força de Vendas da empresa.
Atualmente, existem canais exclusivos para os clientes,
seja por meio de contato telefônico, website, fale
conosco e atendimento online, bem como interações
com chats e blogs que atingem as redes sociais.
O percentual de reclamações em 2011 foi de 1,9% de
65.200 manifestações atendidas.
No último ano, o SIR foi premiado pela terceira vez
consecutiva em “Excelência em Serviços ao Cliente”
pela revista Consumidor Moderno, no segmento
Fármaco. Além disso, possui certificado ISO 9001:2008
desde 2004, atestando o seu sistema de gestão
da qualidade por meio da análise sistemática de
indicadores de performance, melhoria contínua em
seus processos e realização de pesquisa anual de
satisfação.
Números de atendimento em 2011 (médias mensais):
• 3.700 ligações telefônicas
• 980 e-mails
• 800 atendimentos online
Percentual de atendimento (baseado na meta de
atender todas as chamadas em até 20 segundos):
• 2010: 93%
• 2011: 95%
Números do atendimentos em 2011 (médias
mensais):
Os canais de contatos com os clientes são:
• Telefone
Médicos – 0800 7720 292
Consumidores – 0800 7720 289
Força de Vendas – 0800 7720 294
• E-mail e Atendimento Online
• www.roche.com.br e www.dialogoroche.com.br
• FAX 11 3719-4881
Central de Atendimento Roche Diagnóstica –
Divisão Diagnóstica
A Central de Atendimento Roche Diagnóstica (CARD)
é um canal de comunicação direto entre a empresa e
seus clientes, que conta com engenheiros, profissionais
da saúde e especialistas para garantir total assistência
ao funcionamento e à manutenção dos sistemas e
equipamentos comercializados pela empresa.
• 2.647 ligações telefônicas
• 541 e-mails
• Tempo médio de atendimento (minutos:segundos):
02:38
• Tempo médio de espera (minutos:segundos): 00:12
• Quantidade de chamados científicos: 2720
• Quantidade de chamados técnicos: 7040
• Número de reclamações e críticas de
consumidores(as): 39
• % de reclamações e críticas atendidas ou
solucionadas: 85%
Central de Atendimento
• Telefone: 0800 77 20 295
• E-mail: [email protected]
Em 2011, em função da implantação de um sistema de
gestão da qualidade com base na ISO 9001, a Roche
decidiu monitorar e criar planos de metas para atingir
o objetivo de redução de 15% das reclamações, a partir
de 2012.
Pesquisa de satisfação do SIR – Divisão Farmacêutica
A Roche Farmacêutica realiza pesquisas para a avaliação de cada um de seus canais de comunicação e serviços de
atendimento ao cliente. Com base nessas pesquisas foi realizada uma auditoria na prática de negócios e a partir daí foi
possivel fazer recomendações para melhora continua de cada um desses processos.
Resultados:
Grau de satisfação de cada grupo (variação de 0 a 5)
Grupo
Resultados
Resultados
Resultados
2009
2010
2011
Médicos
4,1
4,4
4,3
Outros profissionais da saúde
4,4
4,7
4,2
Gerentes médicos
4,0
4,5
4,7
Representantes da Força de Vendas
4,2
4,4
4,7
Consumidores
4,1
4,6
4,7
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
77
Patrícia Faustino, Fiorella Santos e Carlos Samassa (Imunologia / Inflamação)
78
Accu-Chek Responde – Divisão Diagnóstica
Números do atendimento em 2011 - total
Os pacientes com diabetes e seus familiares contam
com canais de relacionamento exclusivos para os
clientes da linha Accu-Chek®, da Divisão Diagnóstica.
Por meio desse canal, a empresa presta suporte
técnico ao uso dos produtos, esclarece dúvidas sobre
a automonitorização e indica os locais de venda.
Há um painel de indicadores diários e mensais que
proporcionam total visibilidade dos processos internos
da empresa. Além disso, é oferecido um programa de
fidelização aos clientes, o Programa de Bem com a
Vida, que beneficia os consumidores recorrentes dos
produtos Accu-Chek®.
• 131.766 chamadas atendidas
• Tempo médio de atendimento (minutos:segundos): 4:47
• Reclamações registradas (produto): 26.966
• Reclamações registradas (serviço): 7.587
Central de atendimento:
• Accu-Chek Responde 0800 77 20 126
• E-mail: [email protected]
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Roche_RS__2011__BR__34.indd 78
8/24/12 5:20 PM
5.4.2.Customer Relationship
Management (CRM)
O relacionamento da Força de Vendas da Divisão
Farmacêutica com médicos, profissionais da saúde
e operadoras de saúde é gerenciado pelo conceito
de CRM – Customer Relationship Management (ou
Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente).
Desde 2009, a empresa vem implantando estratégias de
segmentação para levar as mensagens científicas de
acordo com as necessidades dos clientes. Dessa forma,
as equipes de Força de Vendas e Marketing otimizam
o tempo e a qualidade das visitas médicas conforme
a classificação dos clientes e, consequentemente,
aumentam sua produtividade.
5.4.3.A Força de Vendas e a
Comunicação com
Profissionais da saúde As equipes de Força de Vendas da Roche Brasil
possibilitam o contato direto com os profissionais da
área de saúde na divulgação de informações científicas
sobre tratamentos e estudos de casos, além de convites
para a participação em programas de educação médica
continuada, simpósios e congressos. Dessa forma, a
Roche preocupa-se em oferecer treinamentos dirigidos a
esses funcionários durante a Convenção de Vendas anual,
organizada separadamente pelas duas Divisões e voltada
para as estratégias comerciais e institucionais dos dois
negócios. O objetivo é aprimorar o conhecimento
técnico desses profissionais, tanto em relação aos
temas de saúde como um todo, como em relação aos
produtos da Roche Brasil, visando uma melhor atuação
junto à classe médica.
Em 2011 foi desenvolvido o projeto Super Nova que
expandiu o uso de tablets e aplicativos personalizados
a todas as equipes da Força de Vendas da Roche
Farmacêutica desde fevereiro de 2012. O projeto
mobilizou toda a organização ao longo do ano de 2011,
através de equipes multidisciplinares, para garantir
a integração do aplicativo com sistemas da Roche e
possibilitar que a visita da Força de Vendas aos clientes e
profissionais da saúde seja mais ágil e personalizada.
A visão da Roche para a promoção digital não é apenas a
adaptação para o formato eletrônico, mas sim a recriação
da forma de aproximação com os profissionais do setor
de saúde. Neste cenário, o portal Diálogo Roche, já
estabelecido como uma fonte relevante de informações
para os médicos brasileiros, está integrado ao projeto
Super Nova, disponibilizando os conteúdos adicionais e
complementares aos promovidos pela Força de Vendas,
tais como cobertura de congressos internacionais e
webmeetings com formadores de opinião. Além disso, o
representante poderá compartilhar artigos científicos e
outros materiais diretamente com os médicos, através da
integração com o Serviço de Informações Roche.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
79
Andre Santos (Finanças & Serviços)
Números do Projeto Super Nova:
Educação Colaborativa ou Educação 2.0
• 192 representantes utilizando a Promoção Digital;
• 14 produtos/indicações;
• 88% dos médicos afirmaram sua preferência pelos
materiais digitais, ao invés de materiais impressos;
• 6.256 horas de treinamento para forças de vendas;
• 624 horas de workshops com as áreas internas.
A Divisão Farmacêutica introduziu o conceito de
educação colaborativa junto à equipe da Força de Vendas
da área de Virologia, por meio de um blog em que os
representantes puderam debater e aprender sobre os
temas de saúde relacionados a essa área. Em apenas uma
semana de lançado, o blog já contava com a participação
de diversos representantes e dos gerentes médicos.
Esse canal apoiou a introdução de novos conteúdos
junto a esses funcionários e acelerou o aprendizado de
suas aplicações no campo. O blog também serviu de
plataforma para o lançamento de outros programas, como
iniciativas de treinamentos da matriz.
Outra inovação foi o inicio da visitação médica pela Roche
Diagnóstica, com o objetivo de desenvolver um trabalho
consciente com a comunidade médica e os profissionais
da saúde e de capacitá-los para a prescrição consciente
dos exames laboratoriais. Ao longo do ano, mais de
10.000 médicos foram visitados, nas especialidades de
cardiologia e ginecologia, com foco para os testes de
Coagulação, Marcadores Cardíacos e HPV.
80
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Na equipe de vendas da área de Sistema Nervoso
Central, foi lançado um fórum sobre o programa “Aqui
tem Farmácia Popular”, um programa do Governo que
propicia descontos aos pacientes em uso da medicação
Prolopa® (levodopa + cloridrato de benserazida) para a
doença de Parkinson. O fórum contou com a participação
de representantes e gerentes de território que discutiram
sobre o funcionamento do programa, do tratamento e,
assim, puderam também trocar experiência acerca da sua
implementação em todo o país.
5.4.4.Imprensa
A imprensa desempenha um papel relevante na
disseminação de informações de saúde. A imprensa
aumenta o acesso à informação, bem como a
conscientização da sociedade sobre hábitos saudáveis
de prevenção e diagnóstico e sobre avanços da medicina
e da inovação farmacêutica. A companhia desenvolve,
portanto, diversas formas de relacionamento com os
profissionais do setor por meio de ações estruturadas e
relevantes para a empresa e para a sociedade.
Cada uma das Divisões da Roche Brasil (Diagnóstica e
Farmacêutica) conta com uma área de comunicação que
responde pelas atividades de assessoria de imprensa,
incluindo divulgação de informações por meio de press
releases, entrevistas coletivas, atendimento à imprensa,
entre outras. Quando há oportunidade, jornalistas são
convidados a participar de eventos da empresa, sejam
eles congressos técnicos, lançamentos de produtos ou
ações corporativas. Da mesma forma, profissionais
da área de comunicação e de assessoria de imprensa
da empresa participam de outros eventos
relacionados ao setor.
Entre as realizações de comunicação externa da Divisão
Diagnóstica, em 2011, destacam-se:
• criação e edição de três newsletters (Canal Distribuidor
Roche, Circulando e Núcleo);
• press trip com jornalistas brasileiros à sede do Grupo
Roche e planta da Diagnóstica, na Suíça;
• media training com porta-vozes;
• intensificação da divulgação de negócios da Divisão na
imprensa (geral e especializada) e do relacionamento
com mídia brasileira.
Entre as realizações de comunicação externa da Divisão
Farmacêutica, em 2011, destacam-se:
• press trip de apresentação dos resultados globais da
Roche – Basileia – Suíça
• press trip de biossimilares LATAM – São Francisco – EUA
• workshop para imprensa/jornalistas sobre novidades em
hepatites virais, em parceria com a Sociedade Brasileira
de Hepatologia.
• 2.600 matérias na imprensa brasileira.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
81
5.4.5.Nossa gente
A Roche trabalha para ampliar constantemente o grau de
envolvimento de seus funcionários na gestão da empresa,
promovendo uma comunicação clara, transparente e
uniforme entre todas as áreas e níveis hierárquicos.
Para tanto, desenvolve canais para atender às diferentes
necessidades e objetivos de informação, fortalecendo
o relacionamento e o diálogo com cada colaborador,
estimulando a participação coletiva e renovando seus
compromissos de maneira clara e transparente.
Principais atividades realizadas e veículos de
comunicação consolidados em 2011 com o público
interno:
Grupo Roche
• myRoche: publicação trimestral do Grupo Roche,
impressa e online, que reúne os projetos e eventos
de destaque desenvolvidos pelas afiliadas em todo o
mundo. É veiculado em alemão e inglês.
• Intranet: a plataforma digital comum às duas divisões
compartilha conteúdos corporativos de interesse dos
colaboradores, bem como informações sobre ações e
projetos das áreas da Roche Brasil e também
do Grupo Roche.
Divisão Farmacêutica Brasil:
• Canal Aberto: seção da intranet que permite aos
colaboradores o contato direto com a diretoria para
críticas, sugestões e esclarecimentos.
• Conta-Gotas: revista interna que veicula as principais
iniciativas e projetos da empresa no Brasil.
• Roche News: boletim eletrônico semanal com
informações sobre produtos, eventos, parcerias e outras
notícias de negócio. Todas as edições da publicação
ficam disponíveis na intranet.
• Roche na mídia: clipping diário das notícias
sobre a Roche Brasil veiculadas na imprensa
escrita, falada e digital.
• Vide Bula: jornal mural semanal com notícias sobre
a empresa e o mercado farmacêutico, informações
sobre recursos humanos e dicas de qualidade de vida
e cultura. Os murais são afixados nos pontos de maior
circulação dentro da unidade Jaguaré.
Divisão Diagnóstica Brasil:
• Lançamento, consolidação e avaliação das ferramentas:
- Intranet DIAnet Brasil
- Newsletter DIAnet Informa
- Jornal mural Diagnóstico Semanal
- TV Corporativa
• Realização de campanhas e eventos internos;
• Participação em três campanhas com colaboradores
globais (em parceria com a Divisão Farmacêutica).
• Encontro dos aniversariantes com o presidente: encontro Números da Intranet da Diagnóstica (DIAnet Brasil):
entre o Presidente e os aniversariantes do mês para
falar sobre o mercado farmacêutico e a evolução dos
• Média de 1.020 acessos por dia
negócios da empresa, entre outros temas relevantes.
•M
édia de 1.390 acessos às quartas-feiras (dia do envio
do newsletter semanal)
•Mural de fotos: quadro fixado no restaurante da unidade • Média de 555 usuários diferentes por dia
Jaguaré expõe fotos dos principais eventos realizados
pela Divisão Farmacêutica.
82
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
5.5.Atuação Ética e
Compliance
GRI HR6, HR7, SO2, SO3, SO4
Anualmente, a Roche Brasil reforça seu compromisso
com a ética, o respeito e a transparência nas relações
internas da organização, bem como com todos os seus
demais públicos, por meio de treinamento, atualização
ou criação de novos códigos.
Todos os novos funcionários são treinados em relação a
temas ligados a corrupção. Apesar de não haver processos
específicos de avaliação de riscos relacionados à
corrupção, a empresa oferece treinamentos sobre o tema.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
83
Eliana Leão (Divisão Médica)
5.5.1.Público Interno
GRI 4.6, 4.8, SO2, HR3
Um dos destaques de 2011 foi a atualização do Código
de Conduta do Grupo Roche, que passou a incluir temas
como responsabilidade social. O material foi distribuído a
todos os funcionários da companhia, que foram instruídos
sobre suas regras. No momento da contratação, todo
novo funcionário recebe um exemplar e assina um
documento comprometendo-se a seguir as condutas
definidas no código. Um dos aspectos importantes
tratados pelo código são os conflitos de interesses, que
merecem um capítulo específico no material. Todos os
novos funcionários recebem o Código de Conduta da
empresa e, em seguida, são submetidos a um treinamento
eletrônico sobre seu conteúdo.
Além disso, ao longo do ano, são realizadas palestras e
capacitações de Compliance e sobre os temas abordados
no Código. Em 2011, todos os colaboradores com acesso
à rede Roche foram convidados para fazer o treinamento.
Na Divisão Diagnóstica, foram realizadas sete
apresentações, incluindo as específicas para o Programa
anticorrupção da empresa.
84
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Compliance
A área de Compliance tem como atribuições ouvir, mediar
e solucionar eventuais conflitos de relacionamento,
atitude se desvios de conduta no ambiente de trabalho e
é composta por um Compliance Board e um Compliance
Officer. Este último é um profissional da área Jurídica,
responsável pela operacionalização das demandas e
pela gestão dos processos. Já o Compliance Board é
responsável por analisar e julgar os casos apresentados
pelo Compliance Officer e pela definição das punições,
quando aplicáveis.
Os canais de comunicação dos funcionários para
assuntos de compliance são quatro:
• 1º Canal: superior direto;
• 2º Canal: Compliance Officer da unidade;
• 3º Canal: Group Compliance Officer da Roche, na Suíça;
• 4º Canal: SpeakUpLine, serviço independente,
centralizado na Holanda, para encaminhar denúncias
(no idioma escolhido pelo funcionário), anonimamente,
por telefone ou sistema na internet.
5.5.2.Fornecedores e Distribuidores
Os contratos com fornecedores incorporam princípios
relacionados a ética, trabalho, saúde e segurança,
questões ambientais e sistemas de gestão, além de
tópicos como inovação e estabilidade financeira. A
Roche mantém contato próximo com os fornecedores
para verificar se suas operações estão de acordo com
os princípios da companhia.
• Introdução ao Código de Conduta para Fornecedores;
• Compromisso e Apoio aos Princípios para uma Gestão
Responsável;
• Princípios para uma Gestão Responsável: Ética,
Trabalho e Saúde & Segurança;
• Acordo Comercial para Distribuição e Programa
Anticorrupção do Grupo Roche;
• Licitações e Compliance para Distribuidores.
Em 2011, a Roche Diagnostica estendeu essa prática
ao relacionamento com os distribuidores e fez
treinamentos e capacitações sobre os seguintes temas:
Ramatys Teffeha e Wanderley Muzati (Distribuidores Roche)
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
85
5.5.3.Profissionais da saúde
A Política de Relacionamento com Profissionais da
Saúde da Divisão Farmacêutica tem o objetivo de
orientar a conduta e o diálogo com esse público
e veda a veiculação de propaganda de produtos a
profissionais que não sejam autorizados a prescrever
medicamentos e restringe a distribuição de amostras
grátis a médicos, em quantidade limitada e sem vínculo
ou contrapartida de prescrição. Além disso, ela busca
estimular a prescrição adequada de medicamentos,
a transparência no relacionamento profissional e
cumprimento da legislação vigente.
A Divisão Diagnóstica também passou a adotar
política semelhante para o relacionamento com esses
profissionais. Essa política foi criada pela matriz em
2010 e passou a ser adotada pela Divisão em 2011.
Em 2011 foi criado, na Diretoria Médica da Roche
Farmacêutica Brasil, o cargo de Healthcare Compliance
Officer, responsável pela análise e aprovação de
relacionamentos com profissionais da saúde locais e
internacionais.
O diálogo com a comunidade médica também é
pautado pelo Código de Ética Médica brasileiro, que foi
atualizado em 2010. Além de outros dispositivos para a
comunidade médica, o código estabelece bases éticas
para o relacionamento entre as empresas do setor
farmacêutico e os profissionais médicos, preservando
a independência profissional e a autonomia dos
pacientes e familiares, além de estabelecer parâmetros
para publicidade médica.
Comprometida com a qualidade de seus produtos e
serviços, a Divisão Diagnóstica decidiu implementar,
a partir de janeiro de 2010, um Sistema de Gestão
da Qualidade baseado neste padrão normativo.
Os requisitos da norma ISO 9001 atendem a
especificações técnicas internacionais, o que
expande o mercado da empresa em outros países.
Para alcançar o certificado foi necessário investir
em seminários e treinamentos com foco na melhoria
continua, na satisfação do cliente e em ações
corretivas e preventivas. O investimento, aliado ao
grande empenho e comprometimento de todos os
colaboradores, incluindo a alta direção da empresa, foi
vital em todas as etapas. Como resultado do esforço
conjunto, o Sistema de Gestão da Qualidade da Divisão
Diagnóstica foi certificado em novembro de 2011 com
zero não-conformidade.
A maior contribuição que a Roche pode trazer
aos profissionais da saúde é a informação, seja
para o conhecimento científico e das novas
alternativas de diagnóstico e terapia ou para a
instrução correta ao paciente. Essa premissa rege
os relacionamentos que a Roche Brasil estabelece
com médicos e profissionais da área de saúde,
mantendo a ética, a transparência e a verdade.
86
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Medical Clearance
A Divisão Farmacêutica mantém centralizado no
departamento de Suporte Médico Científico o processo
de Medical Clearance, que analisa e aprova qualquer
material impresso e eletrônico de divulgação médicocientífica produzido ou apoiado pela empresa e
dirigido a médicos, profissionais da saúde, pacientes,
consumidores e demais públicos, seguindo práticas
do Grupo Roche e resoluções da Anvisa. A revisão
cuidadosa abrange aspectos de cunho ético, jurídico,
científico e institucional e visa garantir a confiabilidade
e retidão das informações que a Roche Brasil
disponibiliza. Na Divisão Diagnóstica, a gestão da
correta aplicação da marca em materiais internos e
externos fica a cargo da área de Comunicação.
Engajamento e Diálogo com Stakeholders
87
0
88
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
06
Meio Ambiente
GRI EN14, EN26, EN30
Proteger as pessoas e o
meio ambiente é essencial
para o negócio da Roche.
Na companhia, os temas
de meio ambiente, saúde
e segurança são tratados
com o mesmo senso
de responsabilidade
e organização que os
temas de qualidade,
produtividade, inovação e
eficiência.
Meio Ambiente
89
A Roche Brasil tem buscado, em todas as suas operações
e processos, fazer uso racional dos recursos e empregar
tecnologias que minimizem os impactos ambientais da
empresa. O total de investimentos e gastos em proteção
ambiental da Roche Brasil em 2011 foi de R$ 778.000,00.
A Divisão Farmacêutica utiliza um Sistema de Gestão
Ambiental para gerenciar esses impactos, acompanhando
desde o consumo de matéria-prima até o uso de recursos
naturais como água e energia. A Unidade Industrial da
Divisão Farmacêutica, localizada em Jacarepaguá (RJ), é
considerada um Centro de Excelência Global em função
de sua eficiente administração dos indicadores ambientais.
A cada ano, a unidade estabelece metas mais altas que as
do ano anterior e implementa novos processos para atingilas. A unidade também realiza a gestão dos impactos na
biodiversidade, por meio do sistema de gestão ambiental
certificado pela ISO 14.001 e utiliza de metodologias para
determinar os riscos à biodiversidade, considerando os
aspectos e os impactos ambientais. As metas são definidas,
anualmente, a partir de monitoramentos e de relatórios
públicos.
90
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Já na Divisão Diagnóstica, a gestão ambiental está
concentrada nas instalações de sua sede administrativa,
uma vez que a empresa não possui plantas industriais no
país. Assim, segue as diretrizes corporativas para utilização
de recursos naturais e gestão de resíduos, monitorando
mensalmente os resultados alcançados. A Divisão também
disponibiliza, pela intranet, o manual de procedimentos de
Meio Ambiente, Saúde e Segurança e realiza treinamento
online para seus colaboradores sobre esse conteúdo
(RoSHE).
E para controlar os impactos de sua cadeia de valor, a Roche
Brasil também faz monitoramento da frota de distribuidores
contratada e realiza auditorias com seus fornecedores
e distribuidores para se certificar do cumprimento das
diretrizes de sustentabilidade presentes nos manuais de
conduta desses públicos.
6.1.Consumo de materiais
e gestão de resíduos
GRI EN1, EN2, EN22, EN24
A Roche Brasil incentiva a redução dos resíduos
gerados em suas unidades operacionais e
administrativas por meio da conscientização
dos colaboradores e do monitoramento de
seus processos internos, desde a produção e
armazenagem até o transporte e a distribuição.
A reciclagem, por exemplo, já é um processo consolidado na
Roche Brasil, envolvendo também seus parceiros comerciais.
A Unidade Industrial da Divisão Farmacêutica mantém
a coleta seletiva de resíduos orgânicos, recicláveis e
perigosos. Durante o processo produtivo, os materiais já
são separados na fonte de geração e encaminhados para o
centro de processamento de resíduos industriais, passando,
em seguida, por um co-processamento e/ou incineração.
A unidade também se encarrega da incineração de
medicamentos oriundos de carga roubada, lotes vencidos e
devoluções de produtos vendidos a clientes primários. Nos
escritórios também há lixeiras separadas para os descartes
recicláveis.
Materiais usados por peso (kg)
GRI EN1
Unidade Industrial Farmacêutica (Jacarepaguá)
Nome das matérias-primas
2009
2010
2011
Água purificada e para injetáveis
315.101
369.012
342.000
Glicerina
108.496
146.046
131.000
Açúcar
106.387
112.600
203.000
Proprileno Glicol
65.454
36.394
85.000
Lactose Anidra
51.722
104.154
50.000
Sulfametoxazol em pó
50.007
59.561
61.000
Obs.: O indicador não se aplica à Divisão Farmacêutica (unidade Jaguaré) e Diagnóstica por não
desenvolverem atividades fabris.
Meio Ambiente
91
Percentual de elementos e materiais provenientes de reciclagem
GRI EN2
Unidade Industrial Farmacêutica (Jacarepaguá)
Tipo de material
Água
Papel para impressão
2009
2010
2011
Metas 2012
2%
7%
12%
10%
84%
82%
82% Acima de 80%
A Roche e o Plano Nacional de Resíduos Sólidos
A Roche, sempre preocupada em reduzir o impacto ambiental e a melhoria da saúde pública, vem trabalhando a gestão
de resíduos em conformidade com a nova Política Nacional de Resíduos do governo brasileiro e diretrizes corporativas.
A empresa tem auditado seus prestadores de serviços, desenvolvido relatórios gerenciais (Laudos de Destruição de
Materiais) e com soluções adequadas a essa nova cadeia: reciclagem, mas nunca enviando os resíduos para aterros
sanitários.
Tanto que a Divisåo Diagnóstica foi convidada a participar do Grupo Técnico de Trabalho (GTT) de Eletromédicos, que
é formado por representantes do Governo Federal (Ministério de Desenvolvimento Indústria e Comércio, Ministério do
Meio Ambiente e Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa) por meio das associações de classes ABIMED e
CBDL, com o objetivo de formatar um plano federal para o atendimento à nova política. Nossa empresa foi reconhecida
por ter bastante experiência no tema e ser considerada modelo pela Anvisa com boas referências no processo interno
de Logística Reversa avaliado pela nossa matriz.
A Divisão Farmacêutica participa, desde 2011, de um grupo de discussão formado pelas indústrias farmacêuticas
e outras entidades ligadas à cadeia produtiva. Esse grupo, reunido pela Interfarma e Sindusfarma, trata questões
relevantes do tema. O GTT – Grupo de Trabalho Temático criado pela Anvisa, com a participação do poder público, setor
empresarial, instituições de ensino e entidades profissionais, busca discutir com todos os elos da cadeia, formas viáveis
de se construir um acordo setorial que atenda à Política Nacional de Resíduos Sólidos e beneficie a população.
Para que esse assunto também pudesse permear toda a empresa, a Divisão Farmacêutica criou um grupo de trabalho
interno composto por funcionários de diferentes áreas para discutir soluções e caminhos que possam colaborar na
construção de uma ação efetiva. A Roche seguirá em 2012 com as discussões até que se formalize um acordo do setor.
92
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Na Divisão Diagnóstica, as máquinas e os
equipamentos usados que serão descartados passam
por processo de descontaminação e separação de
materiais e a destinação final é dada por empresa
especializada e homologada. No caso dos produtos
da linha Accu-Chek®, que possuem garantia vitalícia,
em caso de falha do equipamento, a substituição
do produto pode ser solicitada junto à central de
atendimento exclusiva ou em farmácias credenciadas
em todo o Brasil. E para garantir a atuação correta
em toda sua cadeia de negócio, a Roche Diagnóstica
também realiza reuniões periódicas com seus
distribuidores para tratar de armazenamento e descarte
adequados, bem como auditorias específicas.
impressoras por modelos com tecnologia mais
avançada, que permitem a impressão de documentos
independente da distância física do usuário. Além
disso, a impressão só é iniciada a partir do momento
que o usuário passa seu crachá na impressora,
evitando assim desperdício de papel e falta de
segurança no manuseio de informações confidenciais.
Antes da implantação do projeto, em agosto de 2011,
eram utilizados 14 diferentes modelos de impressoras.
Atualmente são apenas quatro. Com isso, houve grande
impacto na redução dos consumíveis. A economia de
papel também é um fator importante desse projeto, que
alcançou 14% de redução em comparação ao mesmo
período de 2010. Trata-se de mais um projeto com
olhar cuidadoso e com compromisso com o impacto
causado no nosso planeta.
Na Divisão Farmacêutica foi implantado o projeto
Follow you Printer, que substituiu as antigas
Peso total de resíduos, por tipo e método de disposição (t)
GRI 3.9, EN22
Divisão Industrial
Farmacêutica
(Jacarepaguá)
2010
2011
Divisão
Farmacêutica
(Jaguaré)
2010
Divisão
Diagnóstica
(Jaguaré)
2011
2010
2011
Resíduos não perigosos (papel, papelão, vidro, plástico, metais etc.)
Aterro
323
314
265 N/A***
---*
0****
Reciclagem
212
264
78 N/A***
---*
1,67
535
578
1 N/A***
---*
1,67
0 18.680**
0,47
Total
Resíduos perigosos (resíduos químicos de produtos farmacêuticos)
Incineração
100
141
1
(*) Em 2010, a Divisão Diagnóstica estava em processo de estruturação do departamento de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, o que
impossibilitou o monitoramento dos resíduos não perigosos.
(**) A grande quantidade dos resíduos encaminhados para incineração deve-se ao fato de que havia produtos vencidos que
estavam estocados no Centro de Distribuição, aguardando homologação da empresa de incineração e licença junto à Cetesb.
(***) O trabalho de coleta e encaminhamento de resíduos, desde o início do ano, passou a ser conduzido e monitorado pela
administração do condomínio, portanto a Roche não tem mais informações sobre este item.
(****) A Roche Diagnóstica não disponibiliza resíduos em aterro.
Meio Ambiente
93
6.2.Energia
GRI EN3, EN4, EN5, EN6, EN7
O Grupo Roche tem trabalhado fortemente para
atingir seu objetivo de aumentar a eficiência
energética e reduzir seu consumo total de
energia. A meta global para cada afiliada é de
uma redução de 10% do consumo energético até
2014, baseado no que era consumido em 2009.
A Roche Brasil tem se esforçado para alcançar
essas metas.
Seu consumo de energia indireta é integralmente
proveniente de hidrelétricas, atingindo um total de 65.605
gigajoules. Em 2011 houve redução no consumo de
energia indireta nas sedes em São Paulo, que passou de
um total de 16.236 gigajoules para 12.857, uma redução
de 20,8%. Contribuíram para esse resultado a avaliação
da eficácia de equipamentos geradores de água gelada
para ar condicionado e a interrupção da refrigeração
com ar condicionado para alguns ambientes. Para 2012, a
tendência é manter essa redução já que o novo prédio sede
administrativa da Divisão Farmacêutica foi projetado visando
otimizar o consumo de energia elétrica.
94
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Por outro lado, em função do crescimento das demandas
nacionais e de exportação, foi necessária uma maior
intensidade da atividade fabril, acarretando um aumento
de consumo de energia na Unidade Industrial da
Divisão Farmacêutica. Comparado a 2010, o consumo
de energia direta e indireta aumentou em 5,3% e 17,1%
respectivamente. A unidade já vem implementando alguns
esforços para converter essa tendência e promover a
eficiência energética, como a substituição de uma caldeira
e de um chiller de amônia. Outra iniciativa de destaque
neste sentido foi a compra de energia no mercado livre pela
unidade de Jacarepaguá (RJ), o que reduzirá os custos com
energia em R$ 700 mil por ano.
Consumo de energia direta, discriminada por fonte de energia primária (gigajoules)
GRI 3.9, EN3
Divisão Industrial
Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Fontes
não-renováveis
Gás Natural
Gasolina
Diesel
GLP
GNC
Outros óleos
combustíveis e/ou fontes
não-renováveis
Subtotal fontes
não-renováveis
Fontes renováveis
Etanol
Consumo total de energia direta
% Energia não-renovável
% Energia renovável
Divisão
Farmacêutica
(Jaguaré)
Divisão
Diagnóstica
(Jaguaré)
2010
35.196
36
217
N/A
N/A
N/A
2011
37.072
26
213
N/A
N/A
N/A
2010
N/A
9.758**
87*
388
N/A
106.176
2011
N/A
10.317
147
296
N/A
107.714
2010
N/A
2.078
43
N/A
N/A
24.810
2011
N/A
11.453
0***
0***
N/A
4.640
35.449
37.311
116.409
118.474
26.931
16.093
30
35.479
99,92%
0.08%
45
37.356
99,88%
0.12%
40.777** 43.22645
157.186 161.700
74,06% 73,27%
23,94% 26,73%
6.068
32.999
81,61%
18,39%
1.999
18.092
88,95%
11,04%
(*) Os grupos geradores foram menos utilizados em 2010 em relação a 2011.
(**) Com base no histórico de abastecimento, passou a se considerar que cada veículo da frota circula,
em média, 2.000 km/mês, enquanto que, em 2009, estimou-se a média de 1.000 km/mês.
(***) Reportado junto com a Divisão Farmacêutica.
Consumo de energia per capita na unidade Jacarepaguá (gigajoules)
Consumo de energia indireta (EN 4)
Consumo de energia direta (EN 3)
Consumo de energia total
Número de funcionários
Consumo per capita
Redução do consumo per capita
(%) em relação ao ano anterior
2009
2010
2011
51.274
33.741
85.015
400
212,5
--
51.274
35.479
80.527
390
206,5
2,85%
52.748
37.311
90.059
443
203,2
1,60%
Meio Ambiente
95
6.3.Água
GRI EN8, EN9, EN10, EN21
A Roche apoia os esforços globais para a proteção
e conservação das fontes hídricas. A meta de
longo prazo do Grupo é reduzir o desperdício
de águas tóxicas em 20% até 2020, com base
nos níveis de 2015. A maior parte do consumo
de água da Roche Brasil é proveniente do
abastecimento público. O restante vem de poços
artesianos, no caso da unidade de São Paulo.
Na Unidade Industrial Farmacêutica, a água provém
de abastecimento público coletado pela Cedae no rio
Guandu. A Unidade reduziu o seu consumo em 6%
em comparação a 2010, superando a meta de 5%.
O descarte total de água foi de 101.664 m3,
para tratamento biológico até fase terciária.
A fábrica também fez o reúso de 12.858 m3
de água, para jardinagem e torre de
resfriamento, o que representou, em 2011,
12% de seu consumo total.
Consumo total de água (m³)
Unidade Industrial
Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Abastecimento público
ou de empresas privadas
Poço artesiano
Total
96
Divisão Diagnóstica
e Farmacêutica
(Jaguaré)
2010
2011
2010
2011
113.067
108.859
9.026
20.000
N/A
113.067
N/A
108.859
19.410
28.436
N/A
20.000
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
6.4.Emissões
GRI EN18
A Unidade Industrial Farmacêutica controlou,
em 2011, a queima de gás natural em caldeiras,
reduzindo as emissões em 22,1% em relação a 2010.
Em 2011, a Roche Brasil deu continuidade a seus
esforços para diminuir as emissões de gases do efeito
estufa, como o dióxido de carbono (CO2).
A meta global da empresa é a redução do balanço
ecológico em 15% no período entre 2010 e 2015. O
balanço ecológico é afetado, entre outros aspectos,
pela emissão de CO2. Além disso, a companhia espera
atingir essas metas por meio da substituição de
combustíveis fósseis por fontes renováveis.
A Unidade Industrial Farmacêutica controlou, em 2011,
a queima de gás natural em caldeiras, reduzindo as
emissões em 22,1% em relação a 2010. Já nas duas
unidades Jaguaré, onde não há atividade fabril, existe
uma proposta da matriz para que seja revisada a
Emissão de CO2(t)
GRI EN16
2010
Divisão Industrial Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Divisão Farmacêutica
(Jaguaré)
Divisão Diagnóstica (Jaguaré)
2011
3.145
2.450
9.057
8.072
1.613
2.599
política de viagens, visando reduzir o deslocamento de
pessoas. Em relação a outros gases, pretende-se traçar,
em 2012, um plano efetivo para que as operações da
empresa estejam livres do gás CFC até 2013, por meio
de eliminação e substituição de equipamentos.
Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio, por peso (kg)
GRI EN19
Unidade Industrial
Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Divisão Farmacêutica
(Jaguaré)
Divisão Diagnóstica
(Jaguaré)
2010
2011
2010
R22
13
41
0
163*
0
0
R12
0
0
0
0
0
0
26
153
41
14
0
0
R404A
2011
2010
2011
* O aumento da emissão de R22 se deu devido ao religamento de um
sistema de ar condicionado desligado em 2010
Meio Ambiente
97
6.5.Educação ambiental
Até novembro de 2011 foram treinados 80% dos
colaboradores da Divisão Industrial Farmacêutica
(Jacarepaguá) em um e-learning de educação
ambiental, com uma meta de atingir 100% até
fevereiro 2012.
O conteúdo é voltado para processos das operações e
atividades da Roche, como ISO 14000, reciclagem, coleta
seletiva e consumo energético. O treinamento pode ser
acessado pela Intranet.
Com o projeto social na área de Meio Ambiente, a Divisão
Industrial Farmacêutica envolveu 96 alunos no Programa
de Educação Ambiental para escolas públicas de
Jacarepaguá com visita às instalações da fábrica. Essa ação
foi consolidada em comemoração ao Dia Mundial do Meio
98
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Ambiente, em 05 junho, quando a fábrica recebe os alunos
de escolas públicas para treinamento e integração com a
comunidade.
A Divisão Diagnóstica treinou em 2011 mais de 400
colaboradores, alcançando um índice de 91% de seu público
interno. Com relação ao treinamento de biossegurança,
específico para a divisão, 100% dos colaboradores
foram treinados.
Sede administrativa – Roche Farmacêutica Brasil – Jaguaré – São Paulo
O Novo Prédio da Sede Administrativa da Divisão Farmacêutica
EN26
Em 2011, muitos esforços foram investidos na finalização da construção de um novo prédio, que foi inaugurado no
início de 2012. O novo edifício da Roche Farmacêutica, na unidade Jaguaré, em São Paulo contempla aspectos de
eficiência energética e acessibilidade e está baseado no conceito open space, buscando ampliar a integração entre
as pessoas.
A iluminação natural é utilizada em quase todos os seus espaços, por meio de vidros laminados de última geração,
que garantem o máximo de transparência com bloqueio de calor dos raios solares, e a iluminação interna é provida
de lâmpadas econômicas de alto rendimento (fluorescentes e leds).
No caso da água, o projeto também promove um consumo racional: os banheiros possuem sistemas de descarga
econômicos e seguros (caixa acoplada embutida) e torneiras automáticas de vazão reduzida. E no que tange à
acessibilidade, foi garantido o acesso a qualquer posição de trabalho, incluindo mesas especiais com ajuste de
altura quando necessário.
Toda a madeira utilizada é proveniente de uma área de manejo florestal no Estado do Pará e é certificada pelo FSC
(Forest Stewardship Council). As árvores da região de extração são inventariadas e catalogadas, assegurando um
saldo positivo entre aquelas que nascem e crescem e as que morrem ou são extraídas.
Meio Ambiente
99
Pedro Moraes e Júlio Jordão (Finanças & Serviços)
e Marcelo Dourado (Qualidade)
0
100
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
07
Saúde e
segurança
GRI EN14, EN26, EN30
A Roche Brasil é referência
para a matriz e para
demais empresas no setor
por sua preocupação com
a qualidade de vida e a
integridade física de seus
colaboradores no ambiente
de trabalho. O objetivo da
companhia é a proteção da
saúde e segurança de seus
principais públicos quanto
a possíveis riscos de sua
operação.
Saúde e segurança
101
7.1.Ambiente de trabalho
seguro e saudável
GRI LA8, LA9
A saúde e o bem-estar dos colaboradores são uma
das prioridades da Roche Brasil, que mantém uma
média de acidentes bem abaixo da meta da matriz.
Para tanto, são realizadas avaliações de riscos do local
de trabalho, conscientização e planos para redução da
exposição aos riscos.
A Roche acredita que educação, prevenção e treinamento
são os melhores meios para incentivar o engajamento e
a responsabilidade de seu público interno. Para tanto, a
empresa mantém um programa integrado de consulta,
inspeções de trabalho e formação em todas as áreas do
negócio. A abordagem da companhia é promover uma forte
cultura de segurança, que capacita todos os colaboradores
para relatar e tratar do assunto.
As Divisões Farmacêutica e Diagnóstica mantêm equipes
preparadas especialmente para ocorrências emergenciais
no ambiente de trabalho. O grupo recebe treinamentos para
enfrentar situações de combate a princípios de incêndio,
vazamentos de gases, derramamento de substâncias
químicas, abandono de área, emergência e primeiros
socorros, inclusive com uso de desfibrilador externo
automático, tendo abrangido, em 2011, 56 colaboradores
das duas Divisões. Além disso, todos os colaboradores
contratados de empresas externas que prestam seviços nas
dependências da Roche participam de uma integração com
a Área de Segurança do Trabalho antes de iniciarem as suas
atividades.
102
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
O acordo com os sindicatos e entidades de classe
também prevê temas relativos à segurança e saúde, tais
como: medidas de proteção ao trabalho (condições de
trabalho e segurança dos trabalhadores, treinamentos
contra incêndios), prevenção de acidentes com máquinas
e equipamentos, direito de recusa ao trabalho por risco
grave ou iminente, alimentação, transporte e ferramentas,
equipamentos de proteção individual, CIPA e exames
médicos periódicos. Ambas as Divisões contam com
Comissões Internas de Prevenção de Acidentes do
Trabalho (CIPAs), sendo constituída, na Farmacêutica, por
16 membros, e na Diagnóstica, por 12. Todos os membros
das duas CIPAs participaram, em 2011, de 20 horas de
treinamento obrigatório para a posse do cargo.
Além disso, a Equipe de Engenharia, Manutenção e
Segurança do Trabalho realiza monitoramento constante das
condições de temperatura (ar condicionado), iluminação e
mobiliário, em todos os ambientes de trabalho, procurando
também orientar os usuários sobre a maneira correta
de regulagem de cadeiras e sobre a utilização de outros
instrumentos de trabalho.
Índices de Saúde e Segurança - Taxas de lesões, doenças ocupacionais, dias perdidos, absenteísmo e óbitos
relacionados ao trabalho, por região
GRI LA7
2010
Divisão Industrial
Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Acidentes
Doenças
Ocupacionais
Óbitos
Nº total de dias perdidos
por acidentes de trabalho
Número de dias úteis
perdidos por acidentes de
trabalho
Taxa de Frequência
Taxa de gravidade
Roche Accident Rate
(RAR)
Nº total de casos
Nº relativo de casos
Nº total de dias perdidos
por doença ocupacional
Nº total de dias úteis
perdidos por doença
ocupacional
Nº total de casos
2011
Divisão
Farmacêutica
(Jaguaré)
Divisão
Diagnóstica
(Jaguaré)
21
44
0
1
15
45
7
28
0
1
9
29
2,3
13,8
0,01
0,6
28,4
0,05
0
0
0
1,1
1,1
1,1
0,7
10,5
0,01
0
0
0,01
0
0
0
1
0,00138
86
0
0
0
0
0
0
1
0,00904
365
0
0
0
0
53
0
0
251
0
0
0
0
0
0
0
Divisão Industrial
Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Divisão
Farmacêutica
(Jaguaré)
Divisão
Diagnóstica
(Jaguaré)
Participação dos colaboradores nos Comitês de Segurança e Saúde
GRI LA6
Divisão Industrial Farmacêutica
(Jacarepaguá)
Divisão Farmacêutica (Jaguaré)
Comitê de
Segurança
Comitê de
Segurança
Comitê de
Saúde
Divisão Diagnóstica (Jaguaré)
Comitê de
Saúde
Comitê de
Segurança
Comitê de
Saúde
Diretoria
100
100
10
10
30
10
Gerência
20
20
16
2
10
10
Chefia /
Coordenação
5
5
2
2
2
10
Força de Vendas
0
0
0
0
1
0
Administrativo
0
0
4
0
2
0
Operacional
4
4
0
0
0
0
Estagiários
0
0
0
0
0
0
Terceiros
0
0
0
0
0
0
Saúde e segurança
103
08. Reconhecimento
GRI 2.10
A Roche Brasil continua sendo reconhecida
por sua atuação responsável, sustentável e de
destaque na área de saúde e inovação. Em 2011,
recebeu diversos prêmios de várias instituições de
renome nacional e internacional.
Reconhecimento pela Matriz da Roche:
• MabHero – A matriz, através da equipe de MabThera® (rituximabe), organizou um concurso chamado MabHero,
com o objetivo de premiar as três melhores iniciativas em relação ao produto. Afiliadas do mundo inteiro
participaram da competição e a Roche Farmacêutica Brasil inscreveu dois projetos: Programa de Educação
Médica Continuada LyFE e Projeto de lançamento de MabThera®(rituximabe) no mercado público, que foi
premiado como uma das três melhores iniciativas, resultado de grandes esforços das equipes de Oncologia e
Acesso da Roche Farmacêutica em 2011.
Reconhecimento por instituições externas:
•P
rêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente (junho/2011) - A Roche conquistou
pelo terceiro ano consecutivo o primeiro lugar no Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao
Cliente, na categoria Fármaco. O prêmio é oferecido pela revista Consumidor Moderno, do Grupo Padrão, e
Instituto GFK.
•P
rêmio Exame Melhores & Maiores (julho/2011) - A Roche conquistou o primeiro lugar como a melhor
empresa do setor farmacêutico do anuário Exame Melhores & Maiores.
•A
s Melhores da Dinheiro (agosto/2011) – A Roche foi reconhecida como a empresa farmacêutica de maior
crescimento no Brasil e a oitava entre as empresas de todos os segmentos.
•T
op Social ADVB (agosto/2011) – A Roche recebeu o prêmio Top Social ADVB, organizado pela Associação dos
Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, pelas Campanhas de Conscientização e Prevenção em Saúde, como
Dia Rosa, Procura-C e Juntos contra o Linfoma, entre outras, promovidas em 2010.
104
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
• Instituto Ambiental Biosfera (agosto/2011) - A Roche, por intermédio da Divisão Industrial Farmacêutica,
recebeu o Diploma e a Medalha de Destaque Empresarial Brasileiro em Meio Ambiente e Desenvolvimento
Sustentável do Instituto Ambiental Biosfera, juntamente com outras 50 empresas brasileiras, pelo conjunto de
suas ações e iniciativas nesse setor. Essa premiação visa distinguir as empresas brasileiras que conduzem os
seus processos produtivos e serviços em consonância com as boas práticas ambientais e de desenvolvimento
sustentável, com atuação embasada nos princípios de responsabilidade social.
• “As 150 Melhores Empresas em Práticas de Gestão de Pessoas 2010” (setembro/2011) - A Roche
Farmacêutica Brasil recebeu o prêmio “As 150 Melhores Empresas de Práticas de Gestão de Pessoas / Empresas
Psicologicamente Saudáveis 2010”, concedido pela Gestão & RH Editora. A análise das Melhores Práticas foi
baseada em quatro categorias: Liderança, Desenvolvimento de Pessoas, Qualidade de Vida e Comunicação.
• Selo Empresa Cidadã Especial (outubro/2011) - A Câmara Municipal de São Paulo concedeu à Roche o Selo
Empresa Cidadã Especial - 2011/2012 por suas ações de responsabilidade social. Bienal, o prêmio foi instituído
em 1998 e condecora corporações alinhadas à prática da cidadania empresarial, por meio de iniciativas que
demonstram compromisso ético e responsabilidade socioambiental. Entre os itens avaliados estão a qualidade
de vida no ambiente de trabalho e projetos executados nas áreas de esporte, cultura e saúde, com base em
seus balanços sociais. A nominação “Especial” recebida pela Roche foi dada apenas às empresas que não
apenas se destacaram nos critérios de elegibilidade, como também superaram as expectativas do júri, evoluindo
anualmente nas ações descritas no balanço social (Relatório de Sustentabilidade).
• Prêmio Intangíveis Brasil (outubro/2011) - Pelo quarto ano consecutivo, a Roche Farmacêutica venceu o
Prêmio Intangíveis Brasil. O prêmio é uma iniciativa pioneira do Grupo Padrão e da DOM Strategy Partners, que
tem como missão reconhecer as empresas que praticam a excelência na gestão de seus ativos intangíveis.
• As Empresas Mais Admiradas 2011 (outubro/2011) – A Roche foi eleita a quarta empresa do segmento
farmacêutico mais admirada do Brasil.
• Prêmio Rio Export (novembro/2011) - A Divisão Industrial Farmacêutica recebeu, pelo sétimo ano consecutivo,
o Prêmio Rio Export, da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) na categoria “Destaque
como Exportador de Produtos com Alto Conteúdo Tecnológico” (2011). O fato de a fábrica da Roche no Brasil
ser um centro de excelência no fornecimento de medicamentos para a América Latina e obter autorização para
iniciar suas exportações para a Europa foram determinantes para a conquista do prêmio.
Reconhecimento de Instituições Externas ao Grupo Roche
• Roche, mais uma vez, foi nomeada pelo Índice Dow Jones de Sustentabilidade como a empresa líder
do Supersetor de Saúde (setembro/2011) - A Roche foi reconhecida, pelo terceiro ano consecutivo, como
a empresa de saúde mais sustentável a nível mundial pelo Índice Dow Jones de Sustentabilidade (Dow Jones
Sustainability Index – DJSI), que monitora a performance das empresas líderes no mundo no que diz respeito à
incorporação da sustentabilidade em sua gestão de negócio.
Reconhecimento
105
9. Balanço Social Ibase
Balanço Social Anual IBASE 2011
Roche Farmacêutica
1 - Base de Cálculo
2011Valor (Mil reais)
2010 Valor (Mil reais)
1.986.641
2.023.081
70.596
195.472
217.776
226.009
Receita líquida (RL)
Resultado operacional (RO)
Folha de pagamento bruta (FPB)
2 - Indicadores Sociais Internos
Valor
(mil)
% sobre
FPB
% sobre
RL
Valor
(mil)
% sobre
FPB
% sobre
RL
Alimentação
6.907
3,17
0,35
7.748
3,43
0,38
Encargos sociais compulsórios
55.403
25,44
2,79
54.066
23,92
2,67
Previdência privada
4.316
1,98
0,22
4.442
1,97
0,22
Saúde
9.427
4,33
0,47
9.476
4,19
0,47
Segurança e saúde no trabalho
1.930
0,89
0,10
1.765
0,78
0,09
241
0,11
0,01
312
0,14
0,02
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
2.542
1,17
0,13
2.489
1,10
0,12
Educação
Cultura
Capacitação e desenvolvimento profissional
Creches ou auxílio-creche
Participação nos lucros ou resultados
Outros
Total - Indicadores sociais internos
3 - Indicadores Sociais Externos
Educação
Cultura
Saúde e saneamento
Esporte
Combate à fome e segurança alimentar
0,00
0,00
163
0,07
0,01
7,42
0,81
19.562
8,66
0,97
7.320
3,36
0,37
8.161
3,61
0,40
104.240
4,87
5,25
108.184
47,87
5,35
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
326
0,46
0,02
370
0,19
0,02
85
0,12
0,00
59
0,03
0,00
179
0,25
0,01
320
0,16
0,02
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Outros
3.965
5,62
0,20
5.634
2,88
0,28
Total das contribuições para a sociedade
4.555
6,45
0,23
6.383
3,27
0,32
Tributos (excluídos encargos sociais)
146.919
208,11
7,40
204.242
104,49
10,10
Total - Indicadores sociais externos
151.474
214,56
7,63
210.625
107,75
10,41
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
655
0,93
0,03
644
0,33
0,03
5
0,01
0,00
5
0,00
0,00
660
0,93
0,03
649
0,33
0,03
4 - Indicadores Ambientais
Investimentos relacionados com a produção/ operação da empresa
Investimentos em programas e/ou projetos externos
Total dos investimentos em meio ambiente
Quanto ao estabelecimento de “metas anuais” para minimizar resíduos, o
consumo em geral na produção/operação e aumentar a eficácia na utilização de recursos naturais, a empresa
106
0
16.154
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
( ) não possui metas
( ) cumpre de 51 a 75%
( ) cumpre de 0 a 50%
( X ) cumpre de 76 a 100%
( ) não possui metas
( ) cumpre de 51 a 75%
( ) cumpre de 0 a 50%
( X ) cumpre de 76 a 100%
5 - Indicadores do Corpo Funcional
Nº de empregados(as) ao final do período
2011
2010
1.131
1.151
Nº de admissões durante o período
154
201
Nº de empregados(as) terceirizados(as)
449
324
Nº de estagiários(as)
99
83
Nº de empregados(as) acima de 45 anos
141
217
Nº de mulheres que trabalham na empresa
525
530
% de cargos de chefia ocupados por mulheres
45,0%
44,1%
Nº de negros(as) que trabalham na empresa
informação não sistematizada
informação não sistematizada
% de cargos de chefia ocupados por negros(as)
informação não sistematizada
informação não sistematizada
Nº de pessoas com deficiência ou necessidades especiais
6 - Informações relevantes quanto ao exercício da cidadania empresarial
55
58
2011 Valor (Mil reais)
Metas 2012
66,72
não disponível
Relação entre a maior e a menor remuneração na empresa
Número total de acidentes de trabalho
Os projetos sociais e ambientais desenvolvidos pela empresa foram
definidos por:
1
0
( ) direção
( X ) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
( ) direção
(X) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
( ) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
(X) todos(as)
+ Cipa
( ) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
(X) todos(as)
+ Cipa
( ) não se
envolve
( ) segue
as normas
da OIT
(X) incentiva e
segue a OIT
( ) não se
envolverá
( ) seguirá
as normas
da OIT
(X) incentivará
e seguirá
a OIT
A previdência privada contempla:
( ) direção
( ) direção e
gerências
(X) todos(as)
empregados(as)
( ) direção
( ) direção e
gerências
(X) todos(as)
empregados(as)
A participação dos lucros ou resultados contempla:
( ) direção
( ) direção e
gerências
(X)
todos(as)
empregados(as)
( ) direção
( ) direção e
gerências
(X) todos(as)
empregados(as)
( ) não são
considerados
(X) são
sugeridos
( ) são
exigidos
( ) não serão
considerados
(X) serão
sugeridos
( ) serão
exigidos
( ) não se
envolve
( ) apóia
(X) organiza e
incentiva
( ) não se
envolverá
( ) apoiará
(X) organizará e incentivará
Número total de reclamações e críticas de consumidores(as):
na empresa
1211
no procon
01
na justiça
08
na Justiça
não definido
no Procon
não definido
na Justiça
não definido
% de reclamações e críticas atendidas ou solucionadas:
na empresa
100%
no procon
100%
na Justiça
em andamento
100%
100%
100%
Os padrões de segurança e salubridade no ambiente de trabalho foram
definidos por:
Quanto à liberdade sindical, ao direito de negociação coletiva e à
representação interna dos(as) trabalhadores(as), a empresa:
Na seleção dos fornecedores, os mesmos padrões éticos e de
responsabilidade social e ambiental adotados pela empresa:
Quanto à participação de empregados(as) em programas de trabalho
voluntário, a empresa:
Valor adicionado total a distribuir (em mil R$):
Distribuição do Valor Adicionado (DVA):
7 - Outras informações
Em 2011: 737.265
Em 2010: 962.700
23% governo 28% colaboradores(as)
6% acionistas 33% terceiros
10% retido
25% governo 24% colaboradores(as)
4% acionistas 26% terceiros
21% retido
São considerados “outros” (indicadores sociais externos) em 2011 as Campanhas
de Conscientização (Movimento Rosa, Juntos contra o Linfoma e Hepatite C)
e Children’s Walk.
Balanço Social Ibase
Roche_RS__2011__BR__34.indd 107
107
8/24/12 5:20 PM
Balanço Social Anual IBASE 2011
Roche Diagnóstica
1 - Base de Cálculo
2011 Valor (Mil reais)
2010 Valor (Mil reais)
Receita líquida (RL)
529.288
398.505
Resultado operacional (RO)
-20.495
21.635
49.498
52.478
Folha de pagamento bruta (FPB)
2 - Indicadores Sociais Internos
Valor
(mil)
% sobre
FPB
% sobre
RL
Valor
(mil)
% sobre
FPB
% sobre
RL
Alimentação
1.224
2,47
0,26
962
1,83
0,24
15.667
31,65
3,31
19.969
38,05
4,94
1.215
2,45
0,26
969
1,85
0,24
Saúde
23.200
46,87
4,90
1.449
2,76
0,36
Segurança e saúde no trabalho
61.800
124,85
13,06
10
0,02
0,0
Encargos sociais compulsórios
Previdência privada
Educação
0
0,0
0,00
106
0,20
0,03
Cultura
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Capacitação e desenvolvimento profissional
0
0,00
0,00
695
1,32
0,17
44.007
88,91
9,30
25
0,05
0,01
3.351
6,77
0,71
2.852
5,43
0,70
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Creches ou auxílio-creche
Participação nos lucros ou resultados
Outros
Total - Indicadores sociais internos
150.464
303,98
31,80
27.037
51,52
6,68
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
Educação
0
0,00
0,00
3.294
15,22
0,83
Cultura
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Saúde e saneamento
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Esporte
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Combate à fome e segurança alimentar
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
Outros
0
0,00
0,00
50
0,23
0,01
Total das contribuições para a sociedade
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
112.664
-549,71
23,81
102.728
474,83
25,78
0
0,00
0,00
106.072
490,29
26,62
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
Valor
(mil)
% sobre
RO
% sobre
RL
103
45,49
0,02
73
1,07
0,02
0
0,00
0,00
0
0,00
0,00
103
45,49
0,02
73
1,07
0,02
3 - Indicadores Sociais Externos
Tributos (excluídos encargos sociais)
Total - Indicadores sociais externos
4 - Indicadores Ambientais
Investimentos relacionados com a produção/ operação da empresa
Investimentos em programas e/ou projetos externos
Total dos investimentos em meio ambiente
Quanto ao estabelecimento de “metas anuais” para minimizar resíduos, o
consumo em geral na produção/ operação e aumentar a eficácia na utilização de recursos naturais, a empresa
108
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
( ) não possui metas
( ) cumpre de 51 a 75%
( ) cumpre de 0 a 50%
( x ) cumpre de 76 a 100%
( ) não possui metas
( ) cumpre de 51 a 75%
( ) cumpre de 0 a 50%
( x ) cumpre de 76 a 100%
5 - Indicadores do Corpo Funcional
Nº de empregados(as) ao final do período
Nº de admissões durante o período
2011
2010
312
279
90
69
123
159
Nº de estagiários(as)
31
32
Nº de empregados(as) acima de 45 anos
42
30
Nº de mulheres que trabalham na empresa
139
139
% de cargos de chefia ocupados por mulheres
45%
43%
Nº de empregados(as) terceirizados(as)
Nº de negros(as) que trabalham na empresa
% de cargos de chefia ocupados por negros(as)
Nº de pessoas com deficiência ou necessidades especiais
6 - Informações relevantes quanto ao exercício da cidadania empresarial
0
0,00%
0,00%
3
4
2011 Valor (Mil reais)
Metas 2012
16,64
16,64
Relação entre a maior e a menor remuneração na empresa
Número total de acidentes de trabalho
Os projetos sociais e ambientais desenvolvidos pela empresa foram definidos por:
6
1
0
( ) direção
(X) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
( ) direção
(X) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
(X) direção e
gerências
( ) todos(as)
empregados(as)
( ) todos(as)
+ Cipa
(X) direção e
gerências
( ) direção e
gerências
( ) todos(as)
+ Cipa
( ) não se
envolve
( ) segue
as normas
da OIT
(X) incentiva e
segue a OIT
( ) não se
envolverá
( ) não se
envolverá
(X) incentiva e
segue a OIT
A previdência privada contempla:
( ) direção
( ) direção e
gerências
(X) todos(as)
empregados(as)
( ) direção
( ) direção
(X) todos(as)
empregados(as)
A participação dos lucros ou resultados contempla:
( ) direção
( ) direção e
gerências
(X) todos(as)
empregados(as)
( ) direção
( ) direção
(X) todos(as)
empregados(as)
( ) não são
considerados
(X) são
sugeridos
( ) são
exigidos
( ) não serão
considerados
( X ) serão
sugeridos
( ) serão
exigidos
( ) não se
envolve
( ) apoia
(X) organiza e
incentiva
( ) não se
envolverá
( ) não se
envolverá
(X) organizará
e incentivará
na empresa :
34.592
no Procon
0
na Justiça
0
na empresa
2.329
no Procon
0
na Justiça
0
na empresa:
85%
no Procon
0
na Justiça
0
na empresa:
80%
no Procon
0
na Justiça
0
Os padrões de segurança e salubridade no ambiente de trabalho foram
definidos por:
Quanto à liberdade sindical, ao direito de negociação coletiva e à representação interna dos(as) trabalhadores(as), a empresa:
Na seleção dos fornecedores, os mesmos padrões éticos e de
responsabilidade social e ambiental adotados pela empresa:
Quanto à participação de empregados(as) em programas de trabalho
voluntário, a empresa:
Número total de reclamações e críticas de consumidores(as):
% de reclamações e críticas atendidas ou solucionadas:
Valor adicionado total a distribuir (em mil R$):
Distribuição do Valor Adicionado (DVA):
Em 2011: R$ 105.177 mil
Em 2010: R$ 170.558 mil
58% governo 63% colaboradores(as)
3% terceiros 24% retido
60% governo 34% colaboradores(as)
2% terceiros 44% retido
7 – Outras informações
Balanço Social Ibase
109
10. Índice Remissivo GRI
GRI 3.12
INDICADORES GRI
110
RESPOSTA/PÁGINA DO RELATÓRIO
1
Estratégia e Análise
1.1
Declaração do Diretor – Presidente.
3
1.2
Descrição dos principais impactos, riscos
e oportunidades.
3
2
Perfil Organizacional
2.1
Nome da Organização.
16,17
2.2
Principais marcas, produtos e/ou serviços.
10, 16, 17
2.3
Estrutura operacional da organização.
16, 17
2.4
Localização da sede da organização.
10, 16, 17
2.5
Numero de países em que a organização opera.
10, 16, 17
2.6
Tipo e natureza jurídica da propriedade.
16, 17
2.7
Mercados Atendidos.
10, 16, 17
2.8
Porte da organização.
10, 16, 17
2.9
Principais mudanças referentes a porte,
estrutura ou participação acionária.
10, 17
2.10
Prêmios recebidos.
104
3
Parâmetros para o Relatório
3.1
Período coberto pelo relatório.
6
3.2
Data do relatório anterior mais recente.
6
3.3
Ciclo de emissão de relatórios.
6
3.4
Dados para contato em caso de perguntas relativas ao
relatório ou seu conteúdo.
123
3.5
Processo para definição do conteúdo do relatório.
6
3.6
Limites do relatório.
6
3.7
Declaração sobre quaisquer limitações específicas
quanto ao escopo ou ao limite do relatório.
6
3.8
Base para o relatório no que se refere a outras
instalações que possam afetar significativamente a
comparabilidade entre períodos e/ou entre organizações.
6
3.9
Técnicas de medição de dados e as bases de cálculo.
93, 95
3.10
Explicação das consequências de quaisquer
reformulações de informações fornecidas em
relatórios anteriores.
6
3.11
Mudanças significativas em comparação
com anos anteriores no que se refere a escopo,
limite ou métodos de medição aplicados no relatório.
6
3.12
Tabela que identifica a localização das
informações no relatório.
110
3.13
Politica e prática atual relativa à busca de
verificação externa para o relatório.
A Roche não realiza verificação externa. 4
Governança, Compromissos e Engajamento
4.1
Estrutura de governança da organização.
21
4.2
Indicação caso o presidente do mais alto órgão de
governança também seja um diretor executivo.
21
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
4.3
Para organizações com uma estrutura de administração
unitária, declaração de número de membros
independentes ou não executivos do mais alto órgão de
governança.
21
4.4
Mecanismos para que acionistas e empregados
façam recomendações ou deem orientações ao mais
alto órgão de governança.
21
4.5
Relação entre remuneração para membros do mais
alto órgão de governança, diretoria executiva e demais
executivos (incluindo acordos rescisórios) e o
desempenho da organização (incluindo desempenho
social e ambiental).
A política de remuneração dos executivos não
está diretamente vinculada ao desempenho
social e ambiental da empresa. 4.6
Processo em vigor no mais alto órgão de governança
para assegurar que conflitos de interesse sejam
evitados.
21, 84
4.7
Processo para determinação das qualificações e
conhecimento dos membros do mais alto órgão de
governança para definir a estratégia da organização
para questões relacionadas a temas econômicos,
ambientais e sociais.
21
4.8
Declarações de missão e valores, códigos de conduta e
princípios internos.
10, 11, 84
4.9
Procedimentos do mais alto órgão de governança
para supervisionar a identificação e gestão por
parte da organização do desempenho econômico,
ambiental e social.
21
4.10
Processos para a auto-avaliação do desempenho do
mais alto órgão de governança.
21
4.11
Explicação de se e como a organização aplica o
rincípio da precaução.
21
4.12
Cartas, princípios ou outras iniciativas desenvolvidas
externamente de caráter econômico, ambiental e social
que a organização subscreve ou endossa.
A Roche Brasil não aderiu formal e/ou
publicamente a quaisquer cartas, princípios e/
ou iniciativas de caráter econômico, ambiental
e social. 4.13
Participação em associações e/ou organismos
nacionais/internacionais de defesa.
Roche Farmacêutica: Interfarma – Associação
da Indústria Farmacêutica de Pesquisa;
Sindusfarma – Sindicato da Indústria de
Produtos Farmacêuticos no Estado de São
Paulo; Sinfar – Sindicato dos Farmacêuticos
no Estado de São Paulo; Sicat – Sindicato
do Comércio Atacadista de Anápolis;
ABRH-SP – Associação Brasileira de
Recursos Humanos-SP; FIESP – Federação
das Indústrias do Estado de São Paulo;
AMCHAM – Câmara Americana de Comércio;
SWISSCAM – Câmara de Comércio SuíçoBrasileira; ACIJA – Associação Comercial
e Indústria de Jacarepaguá; FIRJAN –
Federação das Indústrias do Estado do Rio
de Janeiro; CRF – Conselho Regional de
Farmácia.
Roche
Diagnóstica: CBDL – Câmara Brasileira de
Diagnóstico Laboratorial; ABCV - Associação
Brasileira das Empresas de Ciências da
Vida; ABIMED - Associação Brasileira dos
Importadores de Equipamentos, Produtos e
Suprimentos Médico-Hospitalares; ABIMO –
Associação Brasileira de Indústria de Artigos
e Equipamentos Médicos, Odontológicos,
Hospitalares; AMCHAM – Câmara Americana
de Comércio.
Índice Remissivo GRI
111
4.14
Relação de grupos de stakeholders engajados pela
organização.
35
4.15
Base para a identificação e seleção de stakeholders
com os quais se engajar.
35
4.16
Abordagens para o engajamento dos stakeholders,
incluindo a frequencia do engajamento por tipo e por
grupos de stakeholders.
35
4.17
Principais temas e preocupações que foram levantados
por meio do engajamento dos stakeholders e que
medidas a organização tem adotado para tratá-los.
35
DESEMPENHO ECONÔMICO
EC1
Valor econômico direto gerado e distribuído, incluindo
receitas, custos operacionais, remuneração de
empregados, doações, e outros investimentos na
comunidade, lucros acumulados e pagamentos para
provedores de capital e governos.
14, 15
EC2
Implicações financeiras e outros riscos e oportunidades
para as atividades da organização devido a mudanças
climáticas.
Não houve cálculo de riscos e implicações
financeiras de mudanças climáticas para a
Roche Brasil.
EC3
Cobertura das obrigações do plano de pensão de
benefício definido que a organização oferece.
56
EC5
Variação da proporção do salário mais baixo
comparado ao salário mínimo local em unidades
operacionais importantes.
56
EC6
Políticas, práticas e proporção de gastos com fornecedores
locais em unidades operacionais importantes.
43
EC7
Procedimentos para contratação local e proporção de
membros de alta gerência recrutados na comunidade
local em unidades operacionais importantes.
56
EC8
Desenvolvimento e impacto de investimentos em
infraestrutura e serviços oferecidos, principalmente
para benefício público, por meio de engajamento
comercial, em espécie ou atividade pro bono.
43, 45, 65
EC9
Identificação e descrição de impactos
econômicos indiretos significativos, incluindo a
extensão dos impactos.
A Roche Brasil não realizou estudos para
identificação e descrição de seus impactos
indiretos significativos
DESEMPENHO AMBIENTAL
112
EN1
Materiais usados por peso ou volume
91
EN2
Percentual dos materiais usados provenientes de
reciclagem.
91, 92
EN3
Consumo de energia direta discriminado por fonte de
energia primária.
94, 95
EN4
Consumo de energia indireta discriminado
por fonte de energia primária.
94
EN5
Energia economizada devido a melhorias
em conservação e eficiência.
94
EN6
Iniciativas para fornecer produtos e serviços com baixo
consumo de energia, ou que usem energia gerada por
recursos renováveis, e a redução na necessidade de
energia resultante dessas iniciativas.
94
EN7
Iniciativas para reduzir o consumo de energia
indireta e as reduções obtidas.
94
EN8
Total de retirada de água por fonte.
96
EN9
Fontes hídricas significativamente afetadas
por retirada de água.
96
EN10
Percentual e volume total de
água reciclada e reutilizada.
96
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
EN11
Localização e tamanho da área possuída, arrendada ou
administrada dentro de áreas protegidas, ou adjacente
a elas, e áreas de alto índice de biodiversidade fora das
áreas protegidas.
As instalações das Divisões Farmacêutica
e Diagnóstica não se encontram em áreas
protegidas ou adjacentes a elas, nem em áreas
de alto índice de biodiversidade.
EN12
Descrição de impactos significativos na biodiversidade
de atividades, produtos e serviços em áreas protegidas
e em áreas de alto índice de biodiversidade fora das
áreas protegidas.
Não houve impactos significativos na biodiversidade associados a atividades ou produtos da
empresa em 2011.
EN13
Habitats protegidos ou restaurados.
A Roche Brasil não possui iniciativas de proteção ou restauração de habitats.
EN14
Estratégias, medidas em vigor e planos futuros para a
gestão de impactos na biodiversidade.
89,101
EN15
Número de espécies na Lista Vermelha da IUCN e em
listas nacionais de conservação com habitats em áreas
afetadas por operações, discriminadas pelo nível de
risco de extinção.
A Roche Brasil não possui operações em
localidades onde existam espécies em risco de
extinção.
EN16
Total de emissões diretas e indiretas de
gases de efeito estufa, por peso.
97
EN18
Iniciativas para reduzir as emissões de
gases de efeito estufa e as reduções obtidas.
97
EN19
Emissões de substâncias destruidoras da camada de
ozônio, por peso.
97
EN20
NOx, SOx e outras emissões atmosféricas
significativas, por tipo e peso.
Não se aplica.
EN21
Descarte total de água, por qualidade e destinação.
96
EN22
Peso total de resíduos, por tipo e método de disposição.
91, 93
EN23
Número e volume total de derramamentos
significativos.
Não houve derramamentos registrados pela
Roche Brasil.
EN24
Peso de resíduos transportados, importados,
exportados ou tratados considerados perigosos nos
termos da Convenção da Basiléia - Anexos I,II,III
e VIII, e percentual de carregamentos de resíduos
transportados internacionalmente.
91
EN25
Identificação, tamanho, status de proteção e índice de
biodiversidade de corpos d’água e habitats relacionados
significativamente afetados por descartes de água e
drenagem realizados pela organização relatora.
As Divisões Farmacêutica e Diagnóstica não
alteram, significativamente, o volume e/ou a
qualidade de corpos d’água no desempenho
de suas atividades.
EN26
Iniciativas para mitigar os impactos ambientais de
produtos e serviços e a extensão da redução desses
impactos.
89,99,101
EN28
Valor monetário de multas significativas e número
total de sanções não-monetárias resultantes da não
conformidade com leis e regulamentos ambientais.
Em 2011, não houve, na Roche Brasil, multas
significativas e sanções não monetárias
resultantes de não conformidade com Elis e
regulamentos ambientais.
EN30
Total de investimentos e gastos em
proteção ambiental, por tipo.
89,101
DESEMPENHO SOCIAL | PRÁTICAS TRABALHISTAS E TRABALHO DECENTE
LA1
Total de trabalhadores por tipo de emprego, contrato de
trabalho e região.
50
LA2
Número total e taxa de rotatividade de empregados por
faixa etária, gênero e região.
52
LA3
Benefícios oferecidos a empregados de tempo integral
que não são oferecidos a empregados temporários
ou em regime de meio período, discriminados pelas
principais operações.
56
LA4
Percentual de empregados abrangidos por acordos de
negociação coletiva.
58
Índice Remissivo GRI
113
LA5
Prazo mínimo para notificação com antecedência
referente a mudanças operacionais, incluindo se
esse procedimento está especificado em acordos de
negociação coletiva.
A Roche não possui informações que possam
evidenciar ou mensurar um prazo mínimo para
notificar, com antecedência, eventuais mudanças operacionais.
LA6
Percentual dos empregados representados em comitês
formais de segurança e saúde, compostos por gestores
e trabalhadores, que ajudam no monitoramento e
aconselhamento sobre programas de segurança e
saúde ocupacional.
103
LA7
Taxas de lesões, doenças ocupacionais, dias perdidos,
absenteísmo e óbitos relacionados ao trabalho, por
região.
103
LA8
Programas de educação, treinamento, aconselhamento,
prevenção e controle de risco em andamento para dar
assistência a empregados e seus familiares.
102
LA9
Temas relativos a segurança e saúde cobertos por
acordos formais com sindicatos.
102
LA10
Média de horas de treinamento por ano, por
empregado, discriminadas por categoria funcional.
54
LA11
Programas para gestão de competências e
aprendizagem contínua que apoiam a continuidade da
empregabilidade dos funcionários e para gerenciar o
fim da carreira.
54
LA12
Percentual de empregados que recebem regularmente
análises de desempenho e de desenvolvimento de
carreira.
54
LA13
Composição dos grupos responsáveis pela governança
corporativa e discriminação de empregados por
categoria, de acordo com gênero, faixa etária, minorias
e outros indicadores de diversidade.
21, 58, 59
LA14
Proporção de salário base entre homens e mulheres,
por categoria funcional.
58, 60
DESEMPENHO SOCIAL | DIREITOS HUMANOS
114
HR1
Percentual e número total de contratos de investimento
significativos que incluam cláusulas referentes
a direitos humanos ou que foram submetidos a
avaliações referentes a direitos humanos.
43
HR2
Percentual de empresas contratadas e fornecedores
críticos que foram submetidos a avaliações referentes a
direitos humanos e as medidas tomadas.
43
HR3
Total de horas de treinamento para empregados em
políticas e procedimentos relativos a aspectos de direitos humanos relevantes para as operações, incluindo o
percentual de empregados que recebeu treinamento.
84
HR4
Número total de casos de discriminação e as medidas
tomadas.
Não há registro de casos de discriminação na
Roche Brasil, em 2011.
HR5
Operações identificadas em que o direito de exercer a
liberdade de associação e a negociação coletiva pode
estar correndo risco significativo e as medidas tomadas
para apoiar esse direito.
58
HR6
Operações identificadas como de risco significativo de
ocorrência de trabalho infantil e as medidas tomadas
para contribuir para a abolição do trabalho infantil.
43, 44, 83
HR7
Operações identificadas como de risco significativo de
ocorrência de trabalho forçado ou análogo ao escravo e
as medidas tomadas para contribuir para a erradicação
do trabalho forçado ou análogo ao escravo.
43, 44, 83
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
HR8
Porcentagem do pessoal de segurança submetido
a treinamento nas políticas ou procedimentos da
organização relativos a aspectos de direitos humanos
que sejam relevantes às operações.
Na Unidade Industrial Farmacêutica, todo
o quadro funcional da área de segurança é
submetido a treinamentos relacionados a direitos
humanos. Na unidade Jaguaré a contratação da
equipe de segurança é de responsabilidade da
administradora do condomínio.
HR9
Número total de casos de violação de direitos dos
povos indígenas.
Não há registro de quaisquer ocorrências
dessa natureza, na Roche Brasil, em
decorrência do cumprimento de leis e políticas
internas. DESEMPENHO SOCIAL | SOCIEDADE
SO1
Natureza, escopo e eficácia de quaisquer programas e
práticas para avaliar e gerir os impactos das
operações nas comunidades, incluindo a entrada,
operação e saída.
48
SO2
Percentual e número total de unidades de negócios
submetidas a avaliações de riscos relacionados a
corrupção.
83, 84
SO3
Percentual de empregados treinados nas políticas e
procedimentos anticorrupção da organização.
83
SO4
Medidas tomadas em resposta a casos de corrupção.
83
SO5
Posições quanto a políticas públicas e participação na
elaboração de políticas públicas e lobbies.
40
SO6
Valor total de contribuições financeiras e em espécie
para partidos políticos, ou instituições relacionadas,
discriminadas por país.
A Roche Brasil, em seguimento à política
corporativa, não pode fazer qualquer
contribuição de finalidade político-partidária,
nem mesmo por meio das associações.
SO7
Número total de ações judiciais por concorrência
desleal, práticas de truste e monopólio e seus
resultados.
Não há registro de qualquer ação judicial
por concorrência desleal, práticas de truste
e monopólio na Roche Brasil, no período
coberto pelo relatório. SO8
Valor monetário de multas significativas e número
total de sanções não-monetárias resultantes da nãoconformidade com as leis e regulamentos.
A Roche Brasil não recebeu multas ou
sanções por não-conformidades com leis e
regulamentos em 2011. DESEMPENHO SOCIAL | RESPONSABILIDADE PELO PRODUTO
PR1
Fases do ciclo de vida de produtos e serviços em
que os impactos na saúde e segurança são avaliados
visando melhoria, e o percentual de produtos e serviços
sujeitos a esses procedimentos.
37, 76
PR2
Número total de casos de não-conformidade com
regulamentos e códigos voluntários relacionados aos
impactos causados por produtos e serviço na saúde e
segurança durante o ciclo de vida, discriminados por
tipo de resultado.
Em 2011, na Roche Brasil, não houve casos
de não-conformidade com regulamentos e
códigos voluntários relacionados aos impactos
causados por produtos e serviço na saúde e
segurança durante o ciclo de vida.
PR3
Tipo de informação sobre produtos e serviços exigida
por procedimentos de rotulagem, e o percentual de
produtos e serviços sujeitos a tais exigências.
76
PR4
Número total de casos de não-conformidade com
regulamentos e códigos voluntários relacionados
a informações e rotulagem de produtos e serviços,
discriminados por tipo de resultado.
Em 2011, na Roche Brasil, não houve casos
de não-conformidade com regulamentos e
códigos voluntários relacionados a informações
e rotulagem de produtos e serviços.
PR5
Práticas relacionadas à satisfação do cliente, incluindo
resultados de pesquisas que medem essa satisfação.
46, 76
PR6
Programas de adesão às leis, normas e códigos
voluntários relacionados a comunicações de marketing,
incluindo publicidade, promoção e patrocínio.
36
Índice Remissivo GRI
115
116
PR7
Número total de casos de não-conformidade com
regulamentos e códigos voluntários relativos a
comunicações de marketing, incluindo publicidade,
promoção e patrocínio, discriminados por tipo de
resultado.
Em 2011, a Divisão Farmacêutica não
recebeu nenhuma autuação relativa a nãoconformidades em materiais promocionais e
de comunicação.
PR8
Número total de reclamações comprovadas relativas a
violação de privacidade e perda de dados de clientes.
Não houve registro de reclamações relativas à
violação de privacidade e perda de dados de
clientes em 2011, na Roche Brasil.
PR9
Valor monetário de multas (significativas) por nãoconformidade com leis e regulamentos relativos ao
fornecimento e uso de produtos e serviços.
Em 2011, na Roche Brasil, não houve registro
de multas por não-conformidade com leis e
regulamentos relativos ao fornecimento e uso
de produtos e serviços.
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
11. FarmaSustentavel
Indicadores FarmaSustentavel
Resposta/Página
do Relatório
MAXIMIZAÇÃO DO ACESSO ÀS TERAPIAS (AC)
AC
1
A empresa possui iniciativas para ampliar o acesso da população, principalmente de
baixa renda, a medicamentos existentes e novos medicamentos.
AC
1.1
Programas de descontos com administração própria ou de terceiros, baseados em análise do
perfil socioeconômico dos pacientes/usuários.
70
AC
1.2
Programas estruturados e centralizados de doação de produtos para populações e/ou
comunidades específicas.
70
AC
1.3
Acordos de transferência de tecnologia de produtos em fase final de proteção por patente
firmados com Universidades e/ou Governos locais.
33, 39, 68, 70, 72,
AC
1.4
Existência de programas por área (RH, Marketing etc), não centralizados mas que
apresentam como escopo final tornar alguns dos produtos da Companhia acessíveis para
uma dada população e/ou comunidade.
56
AC
2
A empresa auxilia as autoridades locais de saúde, considerando todas as instâncias
federativas (União, Estados e Municípios), na adequada gestão dos recursos
aplicados nos programas de assistência farmacêutica.
AC
2.1
Suporte ao desenvolvimento e/ou estímulo à aplicação de diretrizes (guidelines/algorítimos)
terapêuticas através de programas de educação continuada dirigida a profissionais da saúde.
65, 68, 72, 76, 79, 104
AC
2.2
Aprimoramento de técnicas e dispositivos de diagnóstico que garantam maior
precisão no processo-diagnóstico conduzido pelos profissionais de saúde.
3, 20, 27, 32, 39
AC
2.3
Suporte ao desenvolvimento de estudos de caráter epidemiológico buscando um
dimensionamento mais preciso da incidência das patologias e do perfil dos pacientes
acometidos.
27, 29, 72
AC
2.4
Manutenção de programas de suporte aos pacientes e cuidadores que estimulem o uso
adequado dos produtos e assim garanta maior efetividade terapêutica.
11, 27, 64, 70
AC
2.5
Desenvolvimento contínuo de ferramentas e dispositivos que ampliem
a aderência dos pacientes-usuários à terapia.
64, 70
Outros
68
AC
3
A empresa investe/participa de programas de prevenção e conscientização da
população, de forma a racionalizar o fluxo de novos pacientes ao sistema de saúde.
AC
3.1
Suporte e estímulo a iniciativas que busquem ampliar o nível de acesso e entendimento da
população a informações sobre prevenção e diagnóstico precoce.
65, 81
AC
3.2
Suporte e/ou estímulo a iniciativas de diagnóstico precoce de patologias crônicas.
65
Outros
Outros
FarmaSustentavel
117
ENGAJAMENTO DE PÚBLICOS DE INTERESSE (ENG)
ENG
1
A empresa busca estabelecer canais que permitam o contato
permanente e o entendimento das necessidades de pacientes.
ENG
1.1
Serviços de apoio e suporte aos pacientes-usuários como: call center, serviço de
enfermagem, suporte psicológico etc.
64, 76
ENG
1.2
Pesquisas de opinião realizadas periodicamente junto a pacientes-usuários, cuidadores e
familiares buscando mapear as demandas inerentes a esses.
46
Outros
ENG
2
A empresa busca, permanentemente, entender as demandas de pacientes e ONGs
representativas de grupos de pacientes.
ENG
2.1
Entendimento das necessidades e demandas de pacientes, grupos de pacientes e ONGs
através de comitês e fóruns permanentes de discussão.
64
ENG
2.2
Estímulo e incentivo à profissionalização das entidades e grupos de pacientes, visando
a formação de atores sociais autônomos e independentes, capazes de representarem e
defenderem os interesses dos pacientes.
64
Outros
ENG
3
Garantir às instituições pagadoras, públicas ou privadas, análise técnica e discussão
sobre os motivos da aquisição dos produtos e os valores a serem pagos por estes.
ENG
3.1
Existência de área/equipe Corporativa especializada no diálogo e contato permanente com as
instituições, entidades e empresas pagadoras.
70
ENG
3.2
Pró-atividade na produção e atualização permanentes de estudos sobre custo de utilização,
análise econômica, análise farmacoecônomica e impacto financeiro na incorporação de
novas tecnologias pelo Sistema de Saúde.
73
ENG
4
Estabelecer uma relação comercial justa com os parceiros comerciais (distribuição),
observando os limites e a capacidade de estoque, os preços e os prazos de cada um
ENG
4.1
Existência de políticas formais expressas através de contratos e que garantam uma relação
comercial transparente, equilibrada e justa para ambas as partes, com definição de papéis e
responsabilidades claras.
43, 44, 85
ENG
4.2
Existência de código de conduta firmado entre as partes, com responsabilidades e escopo de
ação claros.
43, 44, 85
Outros
Outros
118
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
ENG
5
Contribuir para o desenvolvimento contínuo de seus parceiros comerciais (varejo),
por meio de iniciativas de capacitação em áreas técnicas e de gestão.
ENG
5.1
Existência de programas de educação continuada voltados
a capacitação técnica dos profissionais do varejo.
20, 76
ENG
5.2
Iniciativas de cooperação com entidades representativas da classe, visando o
treinamento e o desenvolvimento dos profissionais do segmento.
não se aplica
ENG
5.3
Existência de código de conduta firmado entre as partes, com
responsabilidades e escopo de ação claros.
43, 44, 85
Outros
ENG
6
A empresa estimula o diálogo com os profissionais dos diversos tipos de veículos
de comunicação, utilizando-os como forma de fazer chegar a todos os públicos de
interesse as opiniões, as posições oficiais e os pronunciamentos da organização
sobre temas relacionados à Corporação ou/e ao Setor.
ENG
6.1
Estímulo à realização de Press Conferences com profissionais da área, bem como envio
sistemático de Press Releases para veículos em geral.
81
ENG
6.2
Envio de profissionais da área a eventos nacionais e internacionais que abordem temas
relativos à Empresa e/ou ao Setor, buscando com isso um melhor entendimento dos veículos
de imprensa e comunicação locais sobre os negócios da empresa e as dinâmicas do setor.
81
ENG
6.3
Publicação de Relatórios Anuais trazendo resultados e informações sobre Sustentabilidade,
Responsabilidade Social e iniciativas que impactem a Sociedade Civil como um todo.
6
Outros
ENG
7
A empresa estimula o diálogo com a Classe Médica, buscando entender suas
demandas e necessidades, através de canais específicos que facilitem esse
processo e o tornem sistemático e quantificável.
ENG
7.1
Realização de pesquisas anuais direcionadas à Classe Médica e realizada por institutos
independentes de pesquisa para levantamento de críticas, opiniões e sugestões quanto as
práticas de negócios, comunicação e marketing da Empresa.
76
ENG
7.2
Realização de pesquisas anuais direcionadas à Classe Médica e realizada por institutos
independentes de pesquisa sobre a imagem de produtos e reputação da Empresa.
76
ENG
7.3
Existência de Comitê Consultivo formado exclusivamente por médicos que opinem sobre o
desenvolvimento de materiais promocionais, sobre a estratégia de comunicação da Empresa,
e avalie a qualidade da informação dos mesmos.
86
Outros
FarmaSustentavel
119
INOVAÇÃO EM PRODUÇÃO, LOGÍSTICA, DISTRIBUIÇÃO, NEGÓCIOS E PRODUTOS (INOV)
INOV
1
NA PRODUÇÃO - A empresa busca de forma contínua a otimização de seus
processos produtivos, otimizando a utilização dos insumos aplicados, direta ou
indiretamente, na produção.
INOV
1.1
Possui no país planta(s) produtora(s) de Classe Mundial na(s) qual(is) é(são) produzido(s)
produto(s) comercializado(s) no próprio país, sendo ainda importante plataforma exportadora
para outros mercados em que a Corporação atua.
16
INOV
1.2
Possui programa permanente de melhoria com foco na implementação de formas inovadoras
de utilização de insumos como energia, água e gerenciamento de resíduos.
88, 91, 92, 93
INOV
1.3
A planta produtiva é benchmark dentro do Setor, tendo desenvolvido práticas que
posteriormente foram adotadas por outras empresas do segmento nos últimos 24 meses.
100
INOV
1.4
Adotou nos últimos 12 meses uma nova tecnologia e/ou um novo processo responsável pela
otimização de parte ou de todo o processo produtivo (Ex. redução do uso de matéria-prima,
água, energia ou geração de resíduos).
91, 92, 93
Outros
INOV
2
LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO - A empresa investe na eficiência dos processos de
logística e distribuição, a fim de garantir a manutenção das características originais
dos produtos no decorrer de todo o processo de movimentação, armazenamento e
distribuição.
INOV
2.1
Auditoria sistemática dos processo internos e dos processos dos parceiros externos relativos
às operações logísticas.
44, 88, 91
INOV
2.2
Certificação própria ou de terceiros (Institutos, Entidades etc) dos processo internos e dos
processos dos parceiros externos relativos às operações logísticas.
20
INOV
2.3
Busca continuada da melhoria dos processos de logística através de práticas formais de
benchmark com empresas do próprio setor.
No ano de 2011 não
foi executado nenhum
programa formal de
benchmark.
INOV
2.4
Realização de fóruns ou encontros periódicos que estimulem o desenvolvimento de
processos inovadores capazes de aportar valor à etapa logística através da redução de
custos, redução de riscos e impactos ao meio ambiente.
91
INOV
3
NEGÓCIOS - A empresa observa princípios de governança e transparência,
permitindo a todos os públicos de interesse pleno acesso a informações e, com isso,
um processo decisório equilibrado e justo.
INOV
3.1
Publicação de relatórios de sustentabilidade com foco na melhoria dos processos de gestão.
6
INOV
3.2
Bonificação dos executivos das áreas de negócios atrelada a indicadores de sustentabilidade.
não se aplica
INOV
3.3
Existência de Comitê de Inovação permanente para melhoria e/ou implementação de
novas práticas e modelos de negócios, com foco em princípios de sustentabilidade e
responsabilidade socioambiental.
3, 11, 20, 21
Outros
120
INOV
4
DE PRODUTOS - A empresa busca continuamente o desenvolvimento de novos
produtos, com comprovado valor terapêutico adicional.
INOV
4.1
A empresa possui em andamento pelo menos 1 estudo clínico fase I
multicêntrico envolvendo o país.
29
INOV
4.2
A empresa possui em andamento pelo menos 1 estudo clínico fase II
multicêntrico envolvendo o país.
29
INOV
4.3
A empresa possui em andamento pelo menos 1 estudo clínico fase III
multicêntrico envolvendo o país.
29
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
INOV
4.4
A empresa lançou nos últimos 24 meses pelo menos um novo produto de
pesquisa/referência no mercado local.
40, 42
Outros
INOV
5
DE PRODUTOS - A empresa possui iniciativas de pesquisa e desenvolvimento de
novas indicações de uso, para produtos já estabelecidos no mercado.
INOV
5.1
A empresa possui em andamento pelo menos 1 estudo clínico fase III multicêntrico
envolvendo o país.
29
INOV
5.2
A empresa possui em andamento pelo menos 1 estudo clínico multicêntrico fase IV
envolvendo o país.
29
INOV
5.3
A empresa lançou nos últimos 24 meses pelo menos uma nova indicação para produto já
estabelecido no mercado local.
39
Outros
INOV
6
DE PRODUTOS - A empresa possui iniciativas de pesquisa e desenvolvimento de
novas formulações, que permitam maior aderência ao tratamento e comodidade aos
pacientes, para produtos já estabelecidos no mercado.
INOV
6.1
A empresa lançou nos últimos 24 meses pelo menos UMA nova forma farmacêutica, com
adição de valor, para um produto já estabelecido no mercado.
não
INOV
6.2
A empresa lançou nos últimos 24 meses pelo menos UM novo dispositivo/acessório para
um produto já estabelecido no mercado, e que amplia a facilidade de uso/administração do
produto ou a aderência ao tratamento.
não
Outros
INOV
7
DE PRODUTOS - A empresa possui iniciativas de pesquisa e desenvolvimento
de produtos novos ou já existentes, com foco em adequações que atendam as
necessidades e características das populações dos mercados e/ou regiões
em que atua.
INOV
7.1
Acordos de transferência de conhecimento e/ou tecnologia para Insituições de pesquisa,
Universidades ou orgãos Governamentais com foco no desenvolvimento de tratamentos para
patologia locais (Ex. Doenças tropicais em geral, Doença de Chagas, Malária, Febre amarela,
Dengue, etc)
33
INOV
7.2
A empresa possui novos produtos, produtos já estabelecidos ou apresentações específicas de
seus produtos visando atender demandas locais no tratamento de patologias típicas do país em
que opera.
72
Outros
ESTÍMULO AO CONSUMO E PRESCRIÇÃO RESPONSÁVEIS (CONS)
CONS
1
A empresa estimula o consumo responsável, por parte dos pacientes, desencorajando
qualquer tipo de excesso e utilização inadequada de seus produtos.
CONS
1.1
Programas ou campanhas permanentes de informação e conscientização de pacientes para
produtos de prescrição, e conscientização de consumidores para produtos de venda livre,
alertando-os sobre os riscos no uso de medicamentos sem orientação de profissionais da
saúde.
Não se aplica. A Roche
não tem produtos de
venda livre. Todos os
seus medicamentos
necessitam de
prescrição médica,
o que pressupõe a
devida orientação.
FarmaSustentavel
121
CONS
1.2
Programas de orientação aos profissionais do varejo (farmacêuticos) estimulando-os a sempre
orientar os pacientes e consumidores sobre os riscos da utilização de medicamentos sem
orientação de profissionais da saúde, ou sem a observância das orientações do fabricante.
Não se aplica. A
Roche não tem
produtos de venda
livre. Todos os seus
medicamentos
necessitam de
prescrição médica,
o que pressupõe a
devida orientação.
CONS
1.3
Suporte a iniciativas oriundas de entidades de classe, sociedades da profissionais de saúde ou
sindicatos profissionais que desencoragem a automedicação e/ou autoprescrição.
Não se aplica. A
Roche não tem
produtos de venda
livre. Todos os seus
medicamentos
necessitam de
prescrição médica,
o que pressupõe a
devida orientação.
Outros
CONS
2
A empresa mantém um nível de informação adequado aos pacientes, usuários e
consumidores, em linguagem clara e acessível, a fim de evitar a utilização inadequada
de seus produtos.
CONS
2.1
Manutenção de Conselho Consultivo ou promoção de Fóruns, formados por representantes
da Classe Médica, pacientes, consumidores, associações representativas e etc, para o
desenvolvimento de materiais de caráter informativo voltados ao público leigo.
86
Outros
CONS
3
A empresa possui programas estruturados e sistemáticos de educação, voltados aos
profissionais da saúde.
CONS
3.1
Existência de programas de educação médica continuada voltados à capacitação dos
profissionais de medicina na prescrição adequada dos produtos da Empresa.
68
CONS
3.2
Programas em parceria com Universidades, Sociedades Médicas ou Hospitais buscando a
capacitação continuada dos profissionais de medicina
68
CONS
3.3
Participação ativa em Congressos Médicos Nacionais e regionais priorizando a realização de
Simpósios e/ou a discussão de temas relevantes na capacitação dos profissionais de medicina.
63, 65, 68, 69, 72, 79
Outros
CONS
4
A empresa possui programas de orientação e acompanhamento dos canais de
distribuição, a fim de garantir armazenagem, distribuição, comercialização e
dispensação adequadas de seus produtos.
CONS
4.1
Iniciativas de cooperação com entidades representativas da classe, sindicatos ou associações
visando o treinamento e o desenvolvimento dos profissionais que atuam no segmento do
atacado e do varejo.
CONS
5
A empresa contribui para a capacitação dos profissionais que atuam no varejo e
são responsáveis, direta ou indiretamente, pela manipulação, fracionamento ou
dispensação de medicamentos.
CONS
5.1
Iniciativas de cooperação com entidades representativas da classe, visando o treinamento e o
desenvolvimento dos profissionais do ponto de vendas.
não se aplica
Outros
Outros
122
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
não se aplica
12. Expediente
GRI 3.4
Coordenação e edição
Ana Paula Delgado, Deise Mistura, Fátima Viscarra, Luciana Regattieri e Rosicler Rodriguez.
Apoio na identificação, fornecimento e conformidade de conteúdo:
Adriano Treve, Ana Claudia Hasegawa, Ana Júlia Reis, Ana Paula Bueno, Ana Paula Delgado, André Rios,
Andressa Arb, Angelita Muras, Anita Silva, Antonio Silva, Caio Buschinelli, Camila Ferrigno, Carlos Isonaka, Cecília
Hashizume, Christophe Rispal, Claudia Scordamaglia, Cristina Amorin, Daniela Gonçalves, Deise Mistura, Denise
Horato, Ding Xu, Douglas Constantinov, Eduardo Custódio, Eduardo Santos, Elaine Marofa, Fabiana Aliperti, Fábio
Ivankovich, Fatima Pereira, Fatima Viscarra, Fernanda Mendes, Fernando Almeida, Fernando Barros, Fernando
Mazeo, Flávia Darzé, Flávia Pierre, Flávio Zemella, Gabriele Filkauskas, Giacinto D’Ettorre, Hamilcar Souza, Hans
Stach, Ives Takemoto, Leandro Domingues, Lênio Alvarenga, Liana Oliveira, Ligia Coelho, Lorice Scalise, Luciana
Akamine, Luciana Regattieri, Luciana Vasconcelos, Luciano Oliveira, Luiz Gurgel, Maira Guzzo, Marcelo Dourado,
Marcia Chagas, Márcia Issa, Marcia Viotti, Marco Aurélio Kurlbaum, Marco Cruz, Maria Cristina Santos, Marina
Rocha, Marisa Dinnocenzo, Maurício Fremder, Mauricio Lima, Mauricio Rossi, Miguel Fracasso, Neli Cordeiro,
Oriol Gonzalez, Patricia Barbosa, Patricia Coelho, Paula Santos, Paulo Barbosa, Paulo Junqueira, Pedro Gonçalves,
Rafael Souza, Ramon Cavalcante, Renata Prado, Ricardo Fonseca, Ricardo Silva, Rodrigo Andersen, Rodrigo Cezar,
Rodrigo DiazDeVivar, Rogério Nakamura, Ronízia Moura, Rosa Nakahira, Rosicler Rodriguez, Rosimeiri Silveira,
Samuel Togashi, Sandra Andreo, Sergio Barbosa, Sidnei Souza, Soraya Araújo, Tatiana Gaban, Tatiane Oyakawa,
Thiago Pinheiro, Thiago Scantamburlo, Thiago Togashi, Valéria Clemente, Vivian Oliveira, Weber Sgrignoli, Wilson
Lopes, Wilson Tortorelli
Consultoria GRI, texto e apuração:
Visão Sustentável
Projeto gráfico e diagramação:
Casa2: Comunicação e Design
Fotos
Arquivo Roche: capa, p.7, p.8, p.14, p.24, p.34, p.63, p.66, p.81, p.83, p.87, p.88.
Fotógrafo Guto Marques: capa, p.2, p.22-23, p.28, p.30-31, p.41, p.43, p.46, p.48, p.51, p.56, p.60, p.69, p.74-75, p.78,
p.80, p.84-85, p.90, p.99, p.100.
Tiragem
800 exemplares
Impresso em agosto de 2012
Para acesso à versão eletrônica deste relatório, obter mais informações ou enviar sugestões sobre a
Responsabilidade Social Corporativa da Roche Brasil, consulte o portal www.roche.com.br
Contatos
Para contato, esclarecimento de dúvidas, críticas e sugestões a Roche disponibiliza o endereço de contato:
[email protected]
Expediente
123
Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A.
Av. Engenheiro Billings, 1.729 – Jaguaré
05321-900 – São Paulo – SP
Caixa postal 1513 – 01059-970
Unidade Industrial
Estrada dos Bandeirantes, 2.020 – Jacarepaguá
22775-109 – Rio de Janeiro – RJ
Caixa postal 70.600 – 22741-970
Centro de Distribuição - Divisão Farmacêutica
Rodovia BR 153, km 42, Parte C – Parque Calixtópolis
75135-040 – Anápolis – GO
Roche Diagnóstica Brasil Ltda.
Av. Engenheiro Billings, 1.729, prédio 38 – Jaguaré
São Paulo – SP – 05321-010
Repair Shop
Av. Portugal, 1.100 – Itaqui
Itapevi – SP – 06696-060
Centro de Distribuição - Divisão Diagnóstica
Rod. SC 486 Antonio Heil, km 4, s/n, Parte 3 – Itaipava
Itajaí – SC - 88316-003
Direitos Reservados
É proibida a reprodução total ou parcial deste relatório sem a prévia autorização de Produtos Roche Químicos e
Farmacêuticos S.A. e Roche Diagnóstica Brasil Ltda.
124
Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011
Relatório de Sustentabilidade 2011
Agosto / 2012
mc reh-01295-2012
Relatório de
Sustentabilidade
Roche Brasil
Roche_RS__2011__BR__18_capa.indd 1
Para a Roche, o relacionamento com seus
públicos é parte essencial de seu negócio. Essa
responsabilidade a motivou a estabelecer relações
de diferentes formas e atuações, por meio de
informação, comunicação, acesso, formação
de conhecimento, parcerias, responsabilidades,
conscientização e campanhas.
8/29/12 6:16 PM

Documentos relacionados