(formato pdf) da Edição nº 4244 de 15.05.2014

Сomentários

Transcrição

(formato pdf) da Edição nº 4244 de 15.05.2014
15 de Maio de 2014
15
Maio
2014
SEMANÁRIO REGIONALISTA DE INSPIRAÇÃO CRISTÃ
Diretor: ALBERTO GERALDES BATISTA
Ano LXXXVI – N.º 4244
PUBLICAÇÕES
PERIÓDICAS
2350-999 TORRES NOVAS
TAXA PAGA
Autorizado pelos C.T.T.
a circular em invólucro
de plástico fechado.
Autorização
N.º D.E.
DE00192009SNC/GSCCS
Nota Semanal
A mulher, Fátima e os portugueses
António Vitalino, Bispo de Beja
Nestes dias Fátima atraiu ao seu
santuário milhares de pessoas de
todo o mundo. Embora nem todas
movidas pelas mesmas intenções,
no entanto a grande maioria por
causa da sua devoção a Nossa
Senhora, Maria, a mãe de Jesus, que
em 1917, na Cova da Iria, apareceu
a três crianças, Lúcia, Francisco e
Jacinta, confiando-lhes uma mensagem referente a todo mundo,
então em plena grande guerra, a
primeira das duas apelidadas de
grandes, cujo cenário foi o centro
da Europa, mas que, pela primeira
vez, envolveram todo o mundo,
enfrentando-se em dois blocos
opostos. Apesar de alguns homens
de Fátima e arredores terem partido
para o cenário de guerra, estas
crianças pouco sabiam da geografia
e da história do mundo.
É fascinante ler as diversas memórias da irmã Lúcia sobre os
acontecimentos, escritas a pedido
de várias autoridades eclesiásticas,
responsáveis pela investigação e
considerar muitos dos factos
importantes acontecidos posteriormente e relacionados com estas
aparições. Deslumbra-nos também
a atracção de Fátima sobre tantos
Sábado, dia 17 de Maio
Festival Terras
Sem Sombra
em Castro
Verde
Página 4
Animação
Missionária
na Diocese
de Beja
Página 5
Congresso Ibérico
de Pastoral
Penitenciária
Página 6
milhares de pessoas, muitas fazendo longos percursos a pé e
cumprindo promessas de muitos
modos, alguns pouco habituais.
Mas sobre isso não vou reflectir
nesta nota.
Ao longo da minha vida também
constatei o papel de Nossa Senhora
de Fátima na identidade dos portugueses, embora se trate de um
fenómeno com menos de cem anos,
mas que se liga a uma longa história
de devoção a Maria na Igreja e no
povo português. Como já referi
algumas vezes, noutros contextos,
entre os emigrantes, longe do seu
país, Fátima desempenha um papel
forte na identidade e na alma dos
portugueses, sendo factor de
unidade e de estabilidade em países
estranhos. Quando alguém mais
racionalizante queria rebaixar ou
retirar Fátima da mente e das
devoção dos portugueses, muitas
vezes ficava só ou apenas com
alguns amigos. Por esta altura do
mês de maio os emigrantes realizam
procissões e peregrinações a
santuários, mas levando a imagem
de Nossa Senhora de Fátima.
Muitos bispos portugueses são
solicitados para presidir, mas
também sacerdotes ou bispos dos
países onde vivem. São momentos
de muita emoção e de devoção a
Nossa Senhora, de envolvimento
das famílias e de aprofundamento
da unidade nacional.
Também aqui em Portugal acontece
algo semelhante. No Alentejo as
procissões com a imagem de Nossa
Senhora de Fátima atraem muitas
pessoas, também os homens. Até
mesmo a oração do rosário (o terço)
na igreja muitas vezes é mais
concorrida que a celebração da
missa. Recordo-me de uma terra,
onde decorria uma missão popular,
que os momentos comunitários da
missão tiveram de ser marcados
para a hora do rosário, e não da
missa, para que as pessoas afluissem em maior número.
Página 8
Maio celebra a Semana da Vida (11 a 18)
A Comissão Episcopal Laicado e
Família, através do Departamento
Nacional de Pastoral Familiar,
promove mais uma Semana da Vida,
de 11 a 18 de maio, deste ano com o
tema "Gerar vida, construir futuro".
O objetivo será ajudar a que “todas
as famílias possam fortalecer os
seus laços e acolher os valores da
vida, através de gestos concretos
de amor recíproco e do reforço de
uma cultura de grande apreço e
respeito pela dignidade humana”.
O texto de apresentação da iniciativa, disponível no site www.leigos
.pt, começa por apontar o dedo às
“sociedades europeias, “embriagadas numa cultura do descartável e
do facilitismo”, que “sob a capa de
modernismo têm vindo a descurar
o valor sagrado e inviolável da vida
humana”, para referir o actual
problema demográfico “com contornos preocupantes” em Portugal.
Lembrando o crescimento da população idosa, muitas vezes votada
ao abandono e à colidão, e a baixa
constante da natalidade, agravada
pela crescente emigração de casais
jovens, o documento defende que
“para inverter esta lógica é urgente
uma política de proteção às famílias
e à vida, capaz de criar condições
concretas para que os casais
tenham mais filhos e possam cuidar
mais uns dos outros”.
Apelando a que “a vida humana
seja revalorizada e acolhida como
dom precioso de Deus, sagrada e
inviolável”, aponta como caminho
o “diálogo mais próximo entre
gerações, numa cultura de encontro e partilha, para valorizar a
vida em todas as suas fases”. E
condena, especificamente, o abor-
to, o abandono e a eutanásia,
exigindo que “a ciência e a técnica
estejam sempre orientadas para o
homem e para o seu desenvolvimento integral”.
Neste contexto, a Semana da Vida
apresenta-se como “uma oportunidade e um desafio para cada
pessoa, grupo ou família, pensar em
melhorar a qualidade de vida, sua e
dos outros, nos âmbitos pessoal,
profissional e comunitário, inspirando-se nos autênticos valores
humanos e cristãos”.
Preço 0,50 • c/ IVA
Patriarca latino de
Jerusalém reza em
Fátima pelo
Médio Oriente
«em chamas»
D. Fouad Twal, patriarca latino de
Jerusalém, afirmou, no dia 12, em
Fátima que “o Médio Oriente está
em chamas” e a “situação geopolítica
é mais do que frágil” e pediu orações
por “todos os habitantes da região”.
“O Médio Oriente está em chamas.
A situação geopolítica é mais do que
frágil. Por todos os lados, há guerras
e rumores de guerra”, referiu D.
Fouad Twal na homilia da missa após
a Procissão de Velas, em Fátima, no
dia 12.
O patriarca latino de Jerusalém pediu,
no Santuário da Cova da Iria, que
“se cumpram as leis internacionais”
e que se reze por “todos os habitantes” da Terra Santa, “cristãos,
judeus, muçulmanos”.
“Podeis ajudá-los rezando por eles,
mas também - cada um no seu campo
de ação - contribuindo para que se
cumpram as leis internacionais e os
verdadeiros direitos das Nações, e
que volte a paz à Terra do Príncipe
da Paz”, afirmou D. Fouad Twal
“Vim apresentar a Nossa Senhora as
súplicas dos seus filhos do Médio
Oriente e do Mundo inteiro e, de um
modo especial, pedir-lhe pelas
necessidades dos cristãos e de
todos os habitantes da sua pátria: a
Terra Santa”, referiu.
Para D. Fouad Twal, Fátima “é um sinal
indiscutível da força de Maria Santíssima na história da Humanidade”.
O patriarca latino de Jerusalém
referiu-se à viagem do Papa Francisco à Terra Santa, nos dias 24 a 26
deste mês de maio, onde vai “como
peregrino” à Jordânia, Palestina e
Israel.
“Ajudemos o Papa na sua missão
de graça e de paz”, pediu D. Fouad
Twal aos peregrinos presentes no
Santuário De Fátima.
“Tomemos, também, o seu exemplo
e peregrinemos à Terra Santa, onde
estão as vossas raízes e onde se
concretizou a História da nossa
Salvação. Espero-vos a todos com
muito gosto!”, referiu.
D. Fouad Twal, patriarca latino de
Jerusalém, presidiu à peregrinação de
12 e 13 de maio ao Santuário de Fátima.

Documentos relacionados