COLECCIÓN MÉTIERS D`ART MÉCANIQUES GRAVÉES

Сomentários

Transcrição

COLECCIÓN MÉTIERS D`ART MÉCANIQUES GRAVÉES
COLEÇÃO MÉTIERS D’ART MÉCANIQUES GRAVÉES
AS ORIGENS DA ORNAMENTAÇÃO TRADICIONAL
Por ocasião da celebração do seu 260.º aniversário, a manufatura Vacheron Constantin protagoniza
um extraordinário regresso às origens ao ampliar a sua coleção Métiers d’Art com dois relógios
cujos movimentos estão inteiramente gravados à mão, ao mais puro estilo clássico da
ornamentação tradicional. As placas e as pontes dos calibres de carga manual 2260 e 4400 estão
decorados com delicados motivos florais, que fazem lembrar as gravações dos primeiros relógios
de bolso que a Vacheron Constantin fabricou a partir de 1755. Estes dois movimentos
emblemáticos da manufatura, que se alojam numa preciosa caixa de platina, realçam uma
decoração tradicional «tom sobre tom», que denota pureza e sobriedade. As volutas e os
arabescos prestam homenagem à folha de acanto, uma extraordinária fonte de inspiração para
todas as artes desde a antiguidade. A complexa arte de gravação, presente na relojoaria desde as
suas origens, requer uma experiência e uma capacidade extraordinárias por parte do mestre
artesão, responsável por esculpir pequenas peças sem menosprezar a estética e a funcionalidade
exemplares. As gravações magistrais destes relógios conferem-lhes um caráter especial, tal como
certifica o Punção de Genebra.
Após uma refinada e etérea interpretação da arte do esqueleto ao mais puro estilo contemporâneo e
arquitetónico, a coleção Métiers d’Art da Vacheron Constantin presta uma elegante homenagem à
gravação tradicional dos movimentos de alta relojoaria. Os calibres 2260 e 4400 estão ornamentados
com motivos florais, inspirados na joalharia antiga, que realçam a beleza de ambos os movimentos
emblemáticos da manufatura. As volutas e os arabescos, que representam as tradições ornamentais
mais requintadas, estão gravados à mão nas peças funcionais e sublimam o seu extraordinário
mecanismo e atrativo excecional. As folhas de acanto que adornam ambos os movimentos —
arquétipo da decoração tradicional— são um ornamento característico da arquitetura clássica grega.
As suas primeiras representações remontam ao século V a.C., quando decoravam os capitéis das
colunas coríntias. A elegante forma da folha de acanto concede uma liberdade interpretativa infinita;
daí ter-se plasmado numa infinidade de obras de arte que compõem a história da civilização
ocidental, especialmente durante as épocas do Renascimento e do Barroco. Este elegante motivo
vegetal, que simboliza a eternidade, a vitória e a glória, ganhou espaço, século após século, em
diversos campos, como na gravura, na marchetaria, no bordado e na pintura. As suas particulares
curvas adornam vários movimentos do relógio de bolso que fazem parte da crème de la crème do
património da Vacheron Constantin. Posteriormente, toda uma série de extraordinárias decorações
artesanais adornaram vários calibres desenvolvidos pela manufatura: os motivos florais, no século
XVIII; as volutas, em meados do século XIX; os querubins e arabescos, nos anos 20; as «mil folhas»,
nos anos 40; e mais arabescos, nos anos 80. Em homenagem a esta arte ancestral, que foi buscar o
saber-fazer da manufatura desde as suas origens, a Vacheron Constantin elegeu a coleção Métiers
d’Art para dois relógios equipados com calibres inteiramente gravados à mão, ao mais puro estilo da
ornamentação tradicional.
A arte da gravação a uma escala infinitamente pequena
Embora seja verdade que a maleabilidade da folha de acanto permite aos artistas de todo o mundo
soltarem a sua criatividade, a gravação das peças funcionais de um movimento de alta relojoaria é
um trabalho incrivelmente delicado. Apenas os mestres gravadores mais virtuosos conseguem
imaginar o que representa semelhante trabalho em miniatura: a notável finura das peças a gravar
requer uma experiência e uma capacidade extraordinárias para plasmar os motivos sem
menosprezar a funcionalidade dos complexos mecanismos. De modo a enaltecer dois calibres
emblemáticos e demonstrar o talento dos seus artesãos, a manufatura Vacheron Constantin tomou a
arriscada decisão de não modificar em absoluto a composição dos movimentos. Isto quer dizer que
nenhuma peça foi aumentada para facilitar o trabalho do gravador, responsável por esculpir
superfícies com uma espessura inferior a um milímetro. Além do difícil desafio da miniaturização, a
delicadeza do trabalho radica na gravação dos motivos decorativos em peças que os artesãos
decoradores da manufatura biselaram, estiraram, perlaram e poliram previamente; à semelhança de
todos os movimentos desenvolvidos pela Vacheron Constantin, os calibres 2260 e 4400 apresentam
acabamentos de alta relojoaria excecionais. Na última fase deste extraordinário trabalho ornamental,
o mestre gravador executa sem garantias, sumamente concentrado e preocupado em não riscar as
superfícies perfeitamente acabadas. Primeiro, utiliza uma ferramenta chamada cinzel para aplicar
uma gravação linear através da qual se perfila o motivo. A seguir, retira cuidadosamente parte do
material, utilizando a técnica do champlevé. A operação de esvaziamento —a uma profundidade de
duas décimas de milímetro— serve para criar um efeito de volume e de relevo do motivo saliente.
Tendo em conta que algumas peças têm menos de 0,35 milímetros de espessura, o risco de perfurar
ou deformar o metal é significativo. O trabalho à volta dos biséis, no interior das pontes e das placas
e na cavidade dos rubis —que não devem sofrer a mais mínima alteração— é especialmente
meticuloso. Trata-se de um trabalho árduo e apaixonante: a gravação de um só calibre requer mais
de dez dias, e o resultado é um magnífico contraste entre o brilho dos motivos polidos e o
acabamento mate das restantes superfícies. A cor antracite, com um ligeiro toque de pátina, é
trabalhada com uma ponta diminuta para realçar o efeito de volume e relevo. Num engenhoso jogo
de luzes e sombras, os modelos Métiers d’Art Mécaniques Gravées apresentam uma original
interpretação da grande tradição da ornamentação que irradia sobriedade e elegância.
Métiers d’Art Mécaniques Gravées – tourbillon 14 dias: calibre 2260/1
Uma caixa redonda de platina 950 com um diâmetro de 41 milímetros e um bisel côncavo, que realça
a sua delicadeza, enquadram o calibre 2660/1 gravado, um movimento de tourbillon mecânico de
carga manual com uma extraordinária reserva de marcha de 14 dias. As funções das horas e dos
minutos, ligeiramente descentradas, fazem sobressair a jaula do tourbillon com um ponteiro
pequeno dos segundos. A leitura da reserva de marcha é facilitada mediante um ponteiro «de
arraste» ou «traînant», que indica a carga restante num setor de 280°. Trata-se de uma superfície
maior que a dos indicadores clássicos, que permite uma divisão exata em 14 dias —divididos, por sua
vez, em 12 horas— e facilita a legibilidade da reserva de marcha. A arquitetura do movimento de 231
peças consta de duas pontes grandes com delicados motivos florais e folhas de acanto gravados, os
quais podem ser contemplados através do fundo de cristal de safira da caixa, hermética até aos 30
metros de profundidade. No lado do mostrador do Métiers d’Art Mécaniques Gravées – tourbillon
14 dias da Vacheron Constantin, exibe-se a espetacular jaula do tourbillon em forma de cruz de
Malta, decorada com os acabamentos mais requintados. Agulhas de ouro branco, cor antracite,
percorrem o mostrador de cristal de safira, composto por duas partes bem diferenciadas: as zonas
mate, que garantem a legibilidade das graduações, gravadas e tintadas, do ponteiro pequeno dos
segundos e a reserva de marcha, e um círculo cinzento ardósia com a minuteria e uma cruz de Malta
de ouro branco. As volutas e os arabescos sublimes, que ficam a descoberto graças à transparência
do mostrador, realçam a enorme beleza e a singular elegância desta obra de arte de gravação
artesanal, que requer mais de uma semana de trabalho para um único movimento.
Métiers d’Art Mécaniques Gravées: calibre 4400/1
A coleção Métiers d’Art alberga uma interpretação sumamente delicada de um dos movimentos
básicos mais emblemáticos da manufatura Vacheron Constantin: o calibre de carga manual 4400.
Este calibre, gravado inteiramente à mão e alojado no interior de uma preciosa caixa redonda com
bisel côncavo que acentua a sua elegância e finura, aciona as funções da hora e dos minutos. O
movimento, composto por 127 peças, cuja espessura, idêntica ao original, exige uma precisão
admirável por parte do mestre gravador que as decora, possui ainda uma ampla reserva de marcha
de 3 dias. O modelo Métiers d’Art Mécaniques Gravées, desprovido de um mostrador que possa
obstaculizar a contemplação das extraordinárias gravações que adornam a placa e as pontes, ostenta
elegantes ponteiros de ouro branco, cujo cinzento-escuro combina perfeitamente com o cinzento
ardósia da minuteria, adornada com uma cruz de Malta de ouro branco. Os discretos motivos florais
ficam a descoberto graças à transparência do cristal de safira do lado do mostrador e do fundo da
caixa, hermética até aos 30 metros de profundidade. Trata-se de um trabalho requintado e delicado:
a gravação de um único calibre 4400/1 requer mais de dez dias.
Os novos modelos Métiers d’Art Mécaniques Gravées, que evocam as origens da ornamentação
tradicional de relógios, são o fruto de uma aliança ideal entre as técnicas relojoeiras e as artesanais
que, com tanta dedicação, a Vacheron Constantin perpetuou durante 260 anos. Estes dois modelos
excecionais e singulares só estão disponíveis nas lojas Vacheron Constantin.
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
Métiers d’Art Mécaniques Gravées – tourbillon 14 dias
Referência
6000A/000P-B025
Relógio distinguido com o Punção de Genebra
Disponível exclusivamente nas lojas Vacheron Constantin
Calibre
2260/1
Desenvolvido e manufaturado pela Vacheron Constantin
Mecânico, carga manual
29,1 mm de diâmetro
6,8 mm de espessura
Aproximadamente 336 horas (14 dias) de reserva de marcha
2,5 Hz (18.000 alternâncias/hora)
231 peças
31 rubis
Calibre gravado à mão, à frente e atrás, com o motivo das «folhas de acanto»
(gravado em talha doce e champlevé)
Indicações
Horas
Minutos
Ponteiro pequeno dos segundos às 6 na jaula do tourbillon
Reserva de marcha
Tourbillon
Caixa
Platina 950
41 mm de diâmetro, 12,35 mm de espessura
Fundo de cristal de safira transparente
Estanquidade testada a uma pressão de 3 bares (aproximadamente 30 metros
de profundidade)
Mostrador
Parte central: cristal de safira, indicações gravadas e tintadas
Parte externa: círculo metálico cor ardósia com a minuteria calcada
Bracelete
Pele de Alligator Mississippiensis azul escura, cosida à mão, acabamento
artesanal, grandes escamas quadradas
Fecho
Fivela de platina 950
Forma de meia cruz de Malta polida
Complemento
É entregue com uma lupa

Documentos relacionados

A fama granjeada pelo Royal Oak ao longo de três décadas e meia

A fama granjeada pelo Royal Oak ao longo de três décadas e meia bor. Com a nova geração de relógios com turbilhão produzidos aqui na Audemars Piguet conseguimos 70 horas de reserva de corda, quando antes conseguíamos ape­nas 48 horas. Conseguimos este pro­ gres...

Leia mais