Confeitaria

Сomentários

Transcrição

Confeitaria
Cyan Magenta Yellow Black
Ed. 98 - Nov/Dez 2008
Órgão oficial de divulgação da AIPESP - Associação da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado de São Paulo
Veículo dirigido ao setor de Panificação e Confeitaria
Entrevista
Presidente da Abip e Aipesp
falam sobre o ano positivo
da panificação
Aipesp
Confira os melhores momentos
do jantar de confraternização
Bê-a-Bá da
Confeitaria
Menos açúcar x Mais sabor
Pesquisa
Guia da Copa
Produtos de marca
própria crescem 31%
Investindo nos
momentos de consumo
Alimentação
Fora do Lar
As padarias e a crise
Cyan Magenta Yellow Black
Editorial
Alimentação Fora do Lar
As padarias e a crise. Como enfrentá-la?
É tempo de refletir
Órgão Oficial da AIPESP Associação
da Indústria de Panificação e
Confeitaria do estado de São Paulo.
Tem como público-alvo os
empresários da panificação e
confeitaria, técnicos e líderes
do setor no Brasil.
Os artigos publicados neste jornal
são de responsabilidade de seus
autores, não refletindo
necessariamente na opinião
de seus editores.
Jornal da Panificação
Rua Magalhães de Castro, 974
Butantã - Cep: 05502-001 - São
Paulo/SP - Tel.: (11) 3569-8222
EXPEDIENTE
Direção: Regiane R. C. Pastoriza
[email protected]
Editora: Karina Oliveira
MTb 40.181/SP
[email protected]
Tels.: (11) 2212-3058 / 9288-6903
Editoração: Marcelo Polo
Roberto Jr.
[email protected]
Tiragem: 10 mil exemplares
DIRETORIA DA AIPESP
GESTÃO 2006-2009
Presidente: Alfredo Carreira
1º Vice-pres.: Evaristo R.
Gonzáles
2º Vice-pres.: Dialino dos S.
Rosário
1º Secretário: Adelino da Ponte
2º Secretário: José Olavo Gilberto
1º Tesoureiro: Antero José Pereira
2º Tesoureiro: Fernando P.
Azevedo
CONSELHO
Comissão Administrativa
Adilson Sartori, Adriano dos S.
Pereira, Manuel Alves R. Pereira e
Rubens Casselhas
Comissão Fiscal
Armênio Soares Ferreira, Carlos
Elias G. Perregil, Cássio Luciano B.
Barbosa e Jaime da Conceição
Padeiro
Comissão Técnica
Altair Defavari, Júlio César Diniz,
Rui Manoel R. Gonçalves e Wagner
Vale Ferreira
Após um ano com resultados positivos, mesmo com a existência da
crise, só posso começar este nosso bate-papo dizendo uma frase de
Henry Ford, o inventor do automóvel: “Reunir-se é preciso, permanecer
juntos é um progresso e trabalhar juntos é sucesso”. Este pensamento
traduz os objetivos da Aipesp e, ao mesmo tempo, resume todas as
atividades executadas brilhantemente neste ano. Certamente também é
com este pensamento que queremos encerrar o ano para darmos início a
2009 com novos projetos.
Esse otimismo é fundamental para que a Aipesp, e até mesmo o País,
seja perseverante diante da crise que o mundo está vivendo. A própria
retórica da área econômica do governo mudou. Não se fala mais em
procurar saída para a crise, mas encontrar caminhos que consolidem a
recuperação econômica, transformando-a em crescimento consistente e
duradouro.
Aproveitem o final do ano para refletir, valorizar suas conquistas e
analisar suas realizações. Planejem maneiras para transformar cada
projeto futuro em uma grande vitória. Para isso, façam um balanço de
sua vida pessoal e profissional. Coloque no papel os pontos positivos e
negativos, até mesmo para vocês visualizem com facilidade o que está bom, ruim e o que deve ser
melhorado. Feito isso, planejem as suas atividades para o próximo ano, estipulem metas, pois são elas que
nos ajudam a alcançar os nossos objetivos. Qualquer negócio, mesmo a nossa vida, exige
PLANEJAMENTO.
Sejam proativos, dêem idéias, sugiram novas ações. A Aipesp precisa da participação de todos para
crescer e acertar cada vez mais. Incentive o seu amigo da loja vizinha a participar, por exemplo, das
convenções estaduais da Aipesp, para que também possa adquirir mais conhecimento e ajudar o setor a
crescer cada vez mais. O aperfeiçoamento constante é necessário para que tenhamos um futuro cada vez
mais próspero e promissor.
Desde já, agradeço o empenho de nossos diretores, assim como a confiança das empresas parceiras. A
cada dia aprendemos com a experiência de cada um. Dizemos seguramente que vocês são a peça-chave
para a evolução da Aipesp.
Na seção Entrevista, teremos um bate-papo que a redação realizou comigo, falando pela panificação no
estado de São Paulo; e com o Alexandre Pereira, que fez uma análise do setor a nível Brasil.
Desejo que o espírito do Natal esteja presente em nossos lares e que o Ano Novo nos traga paz, saúde e
o que cada um precisar para encarar a vida com o melhor olhar. Boas festas!
Alfredo Carreira
Presidente da AIPESP
Queridos leitores,
Saibam que a melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos
corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em
nossa caminhada pela vida.
Em nome de toda a equipe do Jornal da Panificação, agradeço a todas as empresas
parceiras de 2008, aos articulistas, entrevistados, leitores e a toda diretoria da
Aipesp por acreditarem no trabalho realizado pelo jornal. Isso é o que eu chamo de
parcerias de sucesso! Vocês são os facilitadores para que o Jornal possa ser feito e
entregue às panificadoras gratuitamente.
De presente, quero um Natal iluminado, não de árvores cheias de enfeites, mas de
estrelas de amor, paz, alegria e saúde caindo sobre cada um de nós. Tenham um
feliz Natal e um Ano Novo repleto de esperança de um amanhã melhor. Até 2009!
Karina Oliveira
Editora
Relação dos Sindicatos e Associações do Estado de São Paulo filiados à AIPESP
Sind. Ind. Panif. Conf. de Bauru
Fone: (14) 3227-2656
Sind. Ind. Panif. Conf. de Campinas
Fone: (19) 3243-3422
AIPESP
Associação da Indústria de
Panificação e Confeitaria do Estado
de São Paulo
Rua Santo Amaro, 313 6º andar
Cep: 01315-001 São Paulo/SP
Tel.: (11) 3107-5266
[email protected]
www.aipesp.org.br
2
Sind. Ind. Panif. Conf. de Santos
Assoc. Prop. De Padarias de Santos
Fone: (13) 3231-1503
Sind. Ind. Panif. Conf. Vale do Paraíba,
Litoral Norte e Região
Fone: (12) 3622-6737
Sind. Ind. Panif. Conf. de São Paulo
Assoc. dos Inds. Panif. Conf. de São Paulo
Fone: (11) 3291-3700
Sind. Ind. Panif. Conf. de Santo André
Assoc. dos Inds. Panif. Conf. do Grande
ABC - Fone: (11) 4994-8177
Sind. Ind. Panif. Conf. de Franca e Região
Fone: (16) 3722-9322
Assoc. Ind. Panif. Conf. de Piracicaba
Fone: (19) 3413-0946
Sind. Ind. Panif. de Araraquara e Região
Fone: (16) 3332-7557
Sind. Ind. Panif. Conf. de Sorocaba
Fone: (15) 3227-8444
Sem dúvida, a partir de setembro de 2008, o mundo mudou. A
crise originada nos Estados Unidos se espalhou pela Europa, Ásia e,
com certeza, deverá “bater à porta” dos países emergentes,
incluindo o Brasil.
Não devemos nos iludir achando que nossas economias não
serão afetadas, porque certamente teremos um 2009 com retração
de demanda. Podemos até discutir a intensidade da crise, mas não o
fato dela existir.
O grande conselho é preparar nossos negócios para enfrentar a
“tempestade”. Sem dúvida, se ela vier, estaremos preparados para
enfrentá-la. Caso ela não seja tão intensa, ótimo. Aproveitamos
para colocar em ordem os nossos negócios.
2. Controle financeiro
O controle do dinheiro que entra e que sai (ou seja, o fluxo de
caixa) é fundamental.
Compras
devemos iniciar a fase de “compras conscientes”,
só comprar o estritamente necessário, evitando grandes
estoques, pois o custo é muito alto. Aumente a freqüência de
compras, com lotes menores, e fique atento aos juros nos
preços à prazo – se necessário, compre à vista.
Caixa controle diário de seu fluxo. Verifique muito bem seus
compromissos e sempre projete para os próximos 30 dias –
isto dá tempo de tomar algumas medidas. Olhe bem o custo
dos cartões, vales e afins. Fique atento à este custo financeiro.
O que deverá acontecer com as padarias?
Partindo da base de que as padarias são constituídas por três
setores: produção própria (pães e doces), revenda de produtos de
terceiros (frios, refrigerantes, etc.) e food service (copa,
restaurante e lanchonetes), acreditamos que a revenda de terceiros
sofrerá uma queda de demanda, digamos que perderão espaço para
os supermercados, que estarão com preços agressivos.
Na venda de pães e doces, a briga com o supermercado deverá
continuar intensa, mas a padaria leva a vantagem do serviço,
qualidade e variedade de produtos. Esta briga, aos poucos, a
padaria vai ganhando.
Com relação ao setor de serviços de alimentação, a padaria tem
uma grande oportunidade. Ela não só pode consolidar uma melhor
posição nos serviços de café-da-manhã; como aqueles
estabelecimentos que servem almoço por quilo, pizzas e sanduíches
receberão um novo público – oriundo de restaurantes self-service e
a la carte, procurando reduzir o seu ticket médio, seja no sanduíche
ou no serviço por quilo.
Em outras palavras, mais uma vez a padaria descobre esta
“missão”, um fator que impulsionará o crescimento das padarias em
plena crise.
O que devemos fazer para enfrentar a crise?
Não pretendemos dar as soluções completas para enfrentar a
crise, mas sem dúvida são orientações que, independente da crise,
devemos avaliar e implementar.
3. Equipe – alta produtividade
Só contrate o necessário, sem prejudicar o atendimento. Exija e
cobre, mas remunere, envolva o funcionário, faça-o participar,
estimule e premie os melhores. Aqui não tem “papo”: exija, mas
motive.
4. “Por a padaria para fora”
Serviços de catering
vender os produtos da padaria para
terceiros (indústrias, restaurantes, hotéis, buffet, etc). É
preciso visitar as redondezas da padaria, conhecer o seu
público potencial, levar material promocional e fotos,
divulgando seus produtos e serviços. Existem padarias em
que 40% do seu faturamento vêm de “fora da padaria”.
Serviços de delivery
incentive a venda às residências,
divulgue o serviço, monte seu cadastro de clientes e estimule
as compras eletrônicas (via site ou e-mail). Distribua folhetos
com produtos específicos para o delivery.
Finalmente, com ou sem crise, o cliente satisfeito é o mais
importante, ele sempre volta. Pode até mudar seu nível de despesa,
mas está sempre na padaria. Para isto, não é suficiente atender
bem, ter produtos de qualidade a preços acessíveis; é preciso gostar
de clientes, de pessoas e ter paixão pelo que faz.
1. Medidas de controle
Entramos na “neurose” de controlar:
Despesas
devemos classificá-las e medi-las
permanentemente. Aquelas “não essenciais”, não tenha
piedade, corte!
Sind. Ind. Panif. Conf. Ribeirão Preto
Fone: (16) 3610-0134
Assoc. Panif. de Jundiaí
Fone: (11) 4522-7801
Sind. Ind. Panif. Conf. de S.J. do Rio
Preto - Fone: (17) 3222-6926
Custos
em especial os custos de produção. Respeite as
fichas técnicas, monitore o consumo de ingredientes. A equipe
deverá colaborar, mas ela tem que ter consciência de que está
sendo controlada.
É difícil controlar todos os itens de produção? Bom, neste caso,
pegue os principais itens (a curva ABC), aqueles que representam o
maior faturamento, são eles que devem ser controlados. Não
esqueça de controlar as famosas perdas. “Pesquise o lixo”, você
pode ter um grande susto.
Enzo Donna
Diretor da ECD Consultoria em
Food Service e coordenador do
GDP - Grupo de Desenvolvimento
de Panificadores
Tel: 11 4786-1952
23
Cyan Magenta Yellow Black
Teste
Você possui perfil empreendedor?
Constituir o próprio negócio é o desejo de muitos profissionais,
independente do sexo ou da faixa etária. Obter a independência
profissional, não precisar consultar terceiros para tomar decisões e
encarar desafios, como a acirrada competitividade junto à
concorrência, são experiências que muitos anseiam viver
diariamente.
Porém, para tornar-se um empresário de sucesso não basta
querer, é necessário que a pessoa reúna uma série de características
imprescindíveis em um empreendedor. Grande parte dos
empreendedores de sucesso possui perfis semelhantes, e isso não é
apenas uma coincidência.
Faça o teste elaborado pela Associação Comercial Empresarial do
Brasil (ACEB) e descubra se você tem o perfil empreendedor, e se
possui chances de obter sucesso ao montar seu próprio negócio.
1 - Ao realizar trabalhos em grupo, você:
a) Sempre dá idéias, opiniões e gosta de participar de todo o
processo de elaboração do trabalho;
b) Nunca participa efetivamente e adora quando os outros
integrantes fazem tudo por você;
c) Dá boas idéias e colabora, mas só quando pedem sua ajuda.
2 - Ao terminar os estudos, qual foi a sua reação?
a) Ficou extremamente inseguro, porque não tinha noção do que
faria dali pra frente e por isso demorou a decidir que carreira
seguir;
b) Apesar do medo, decidiu ir à luta e traçar metas profissionais;
c) Sentiu-se bastante contente e confiante em enfrentar os
desafios que a vida iria lhe proporcionar.
3 - No início de sua carreira profissional, você:
a) Tentava adquirir conhecimentos e experiência com os demais
funcionários, mas nunca acreditou que isto o levaria a crescer
profissionalmente;
b) Sempre observava os profissionais à sua volta, principalmente
os mais experientes, a fim de acumular conhecimentos que o
fizessem crescer;
c) Não dava a mínima para o que os outros estavam fazendo, o
importante era cumprir as suas tarefas.
4 - Em sua vida profissional, quando surgem outras
oportunidades de emprego você:
a) Nunca as aceita, por mais positivas que elas sejam. A idéia de
encarar um novo desafio o deixa muito inseguro;
b) Fica extremamente contente por ter surgido a oportunidade de
ascender profissionalmente em um ambiente novo e na
companhia de outros profissionais;
c) Analisa durante dias se esta será a melhor escolha e, se chegar
conclusão de que não tem nada a perder, aceita o desafio.
5a)
b)
c)
22
Em qual dos perfis abaixo você melhor se encaixa?
O líder;
O observador;
O flexível.
6 - Com que freqüência você se informa sobre economia e o
mundo dos negócios?
a) Pelo menos três vezes por semana;
b) Todos os dias, de preferência de manhã e à noite;
c) Nunca. Fica sabendo das novidades somente quando alguém
7 - Como você toma decisões importantes na sua vida
profissional ou pessoal?
a) Consulta a opinião de amigos e parentes, mas a decisão final
sempre é sua;
b) Sempre coloca a opinião das pessoas próximas a você em
primeiro lugar, afinal, elas gostam de você e só querem o seu
bem;
c) Não escuta a opinião de terceiros. Você é a pessoa mais indicada
para tomar suas próprias decisões e traçar o seu caminho.
8 - Se algo der errado em algum projeto profissional, você:
a) Não se deixa abalar, afinal, para que as coisas sejam resolvidas é
necessário manter a calma;
b) Acredita que tudo irá se resolver da melhor maneira, mas que é
preciso trabalhar para que a melhora aconteça;
c) Acha que o mundo está desabando e que, por mais que você se
esforce, nada poderá ajudá-lo a resolver o problema.
9 - Você se considera criativo?
a) Sim. Sempre procuro transformar idéias simples em negócios
efetivos;
b) Não. Por mais que eu me esforce para ter idéias
empreendedoras, nada me vem à cabeça;
c) Às vezes. Em dias de muita inspiração consigo ter idéias que
possivelmente resultarão em bons negócios.
10 -Como você projeta sua vida para daqui 5 anos?
a) Procuro não pensar no futuro, pois meu sucesso depende muito
da oportunidade dada por outras pessoas;
b) Tenho vários planos, entre eles o de montar meu próprio
negócio. Porém, não tenho muita certeza de que dará certo, pois
muitas empresas fecham logo no início de sua existência;
c) Imagino-me um empreendedor de sucesso, com meu próprio
negócio concretizado e bastante competitivo no mercado. Tenho
este anseio e só depende de mim alcançá-lo.
questões
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
respostas
A
B
C
0
2
1
0
2
1
1
1
2
0
0
1
2
2
1
2
0
2
0
1
0
2
0
1
0
0
2
0
1
2
Resultado:
De 0 a 6 pontos: Você não possui o perfil empreendedor. Se o seu grande objetivo
profissional é constituir seu próprio negócio, é necessário que você mude diversas
características se quiser obter sucesso. Comece se informando mais sobre o ramo
em que quer atuar, procure ser mais otimista, ativo e mais seguro no momento de
tomar decisões. Porém, não é interessante forçar a barra. Se você não nasceu para
ser empresário, com certeza encontrará sua aptidão e obterá sucesso no que se
propor a fazer.
De 7 a 14 pontos: Se sua intenção é investir em um empreendimento, ainda
faltam alguns passos importantes para que você consiga êxito. Você pode ser
criativo, mas tem dificuldades em administrar uma equipe. Ou gosta de enfrentar
desafios, mas sente-se inseguro no momento de tomar decisões importantes...
Administrar uma empresa é uma tarefa difícil e requer bastante preparação.
Portanto, você precisa se aperfeiçoar, e somente após se sentir seguro deve aceitar
este desafio.
De 15 a 21 pontos: Você nasceu para o empreendedorismo, pois possui as
principais características que um empresário necessita ter: otimismo, criatividade,
independência e espírito de liderança. Você sente-se à vontade para tomar
decisões difíceis, adora encarar desafios e sabe aproveitar as oportunidades.
Portanto, se você sempre objetivou ter seu próprio negócio, agora mais que nunca
você sabe que tem grandes chances de montá-lo, administrá-lo com excelência e
caminhar rumo ao sucesso!
3
Cyan Magenta Yellow Black
Aipesp
Aipesp encerra o ano com chave de ouro
A Associação da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado
de São Paulo (Aipesp) chegou ao final de 2008 com a sensação de
dever cumprido. Além das conquistas alcançadas pelo setor, as
quatro convenções estaduais da Aipesp (Jundiaí, Araraquara, São
José do Rio Preto e Dracena), realizadas no decorrer do ano, foram
um sucesso.
Como um gesto de agradecimento, o presidente da Aipesp,
Alfredo Carreira, em nome de toda a diretoria, convidou as empresas
parceiras deste ano para o Jantar de Confraternização com show de
tango, realizado em 11 de novembro, no restaurante Bracia Parrilla,
em São Paulo.
Marcos Madureira (Souza Cruz )
e Alfredo Carreira (pres. Aipesp)
Souza Cruz Araraquara e Campinas
Bunge Alimentos
Perdigão
André Feher e Cida Falcão (Coca-Cola
Femsa Brasil) com Alfredo Carreira
Alfredo Carreira e
Luciana Ventura (MM Informática)
Ronaldo Góz (Ryco), Julio Dinis
(Sindipan SP) e George Lebedenco (Ryco)
Alfredo Carreira com proprietários
da Panif. Trigonella
Humberto Silva (pres. do Sind. S.J.Rio Preto),
Cássio Barbosa (pres. da Assoc. Piracicaba),
Carlos Alberto (ex-pres. Aipesp) com sua esposa,
Rubens Casselhas (diretor Aipesp) e
Jorge Kirilko (pres. Sind. Vale do Paraíba)
4
Na ocasião, Carreira chamou à frente os representantes de cada
empresa para a entrega de uma lembrança e, mais uma vez,
agradecê-los por mais um ano de parceria. E, na seqüência, também
presenteou os diretores da entidade. “Estou muito contente, pois
fechamos o ano com chave de ouro, graças à união da diretoria e aos
parceiros que sempre acreditaram na Aipesp. Ressaltarei sempre o
nome dessas empresas, pois é graças a elas que uma boa parte dos
nossos projetos são concretizados”, finaliza ele sorridente.
As empresas parceiras deste ano foram: ANACONDA, BUNGE
ALIMENTOS, COCA-COLA FEMSA BRASIL, COCA-COLA SPAIPA, MM
INFORMÁTICA, NESTLÉ FOODSERVICE, NITA, PERDIGÃO,
PURATOS, RYCO PÃO DE QUEIJO E SOUZA CRUZ.
Antero Pereira (pres. do Sindipan
Aipan SP) e Alfredo Carreira
Levi e Cássio Barbosa (Assoc. Piracicaba)
com suas esposas
Diretores do Sindipan/Aipan-SP
Diretoria Sipan Aipan ABC
Alfredo Carreira com sua esposa Neide
Ronaldo Góz (Ryco), Hugo Tosta (Sindipan SP),
George Lebedenco (Ryco), Carlos Perregil ,
Dialino dos Santos (pres. do Sind. Santos) e
Jaime Padeiro (pres. da Assoc. Santos)
Ana Maria (sec. Aipesp), Karina Oliveira
(editora do JP),
Manuel Alves (Aipan SP) e Neide
Guia da Copa
INVESTINDO NOS MOMENTOS
DE CONSUMO
Atentas aos hábitos de consumo dos seus clientes,
as padarias vêm agregando ainda mais valor ao
seu negócio.
Fotos:
A panificação é um negócio extremamente dinâmico. Num
único espaço, o cliente obtém vários momentos de
consumo/compra: café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde
e jantar. E para manter a fidelização, alguns cuidados são essenciais
para que ele tenha sempre vontade de voltar à loja, afinal, o
consumidor enxerga a padaria como extensão da sua casa.
Portanto, a busca é sempre pela diversidade e frescor.
De forma dinâmica e ilustrativa, a consultora master do
Propan, Carolina Câmara, apontou durante a sua apresentação
sobre 'FoodService na padaria – Contribuindo para a construção de
resultados' na 56ª Convenção Nacional da Abip alguns cuidados que
o panificador deve ter com o seu mix de produtos, entre outros
assuntos relacionados. “O setor tem investido na diversidade de
produtos, na exposição, no agregamento do valor ao negócio, assim
como nos momentos de consumo. Hoje, o panificador já entende
que o seu cliente quer novidade sempre, caso contrário ele a busca
em outra loja, o que de forma alguma pode acontecer”, ressalta ela.
Trabalhar novas formas de encantar e levar ao consumidor algo
novo, inusitado, mesmo que em serviço, são algumas das técnicas
evoluídas no setor de alimentação, tentando assim dar mais
consistência às padarias frente à competitividade presente nos dias
de hoje.
Mas para isso, o panificador precisa conhecer o seu público, os
seus hábitos de consumo para oferecer produtos e serviços
adequados. É preciso ter lojas mais completas, porque o cliente não
quer comer sempre a mesma coisa. Mas também não adianta
encher a padaria de variedades que não estejam de acordo com o
perfil dos seus consumidores. Assim como no setor
padaria/confeitaria, os funcionários da copa devem estar atentos à
apresentação e reposição do mix. Os salgados, por exemplo, não
devem ser abastecidos na estufa exageradamente. Coloque apenas
alguns e trabalhe com a reposição constante. Essa técnica dá ao
cliente a sensação de que há sempre produtos frescos, além de
estimular o consumo. “O conceito de frescor está relacionado ao
fornecimento na hora e não ao processo recente”, explica Carolina.
Praticidade x Sabor x Qualidade
Com a falta de tempo da população, inclusive para fazer as
principais refeições do dia, uma das suas prioridades tem sido a
praticidade e agilidade, sem abrir mão do sabor, frescor e da
qualidade, que neste caso também está atrelada à alimentação
mais saudável. Uma das alternativas é o lanche natural,
considerado um alimento prático, por já estar embalado, saboroso e
mais nutritivo em relação aos tradicionais. “O panificador não pode
esquecer de precificar e saborizar os lanches, com o intuito de
agilizar o atendimento. Sem contar que os alimentos precificados
são os preferidos dos clientes, porque ao ver o valor, ele identifica se
pode ou não adquiri-lo”, alerta.
A apresentação visual também vale para os alimentos expostos
no buffet de café da manhã, almoço ou jantar, afinal, o consumidor
“come” com os olhos. Conseqüentemente, consome mais por
associar a imagem apresentada ao sabor.
Ainda com foco na praticidade, algumas padarias já
disponibilizam um espaço para comercializar salgados forneados e
congelados embalados à vácuo. “Se o cliente, após um árduo dia de
trabalho, ainda receberá visita em casa, por exemplo, ele sabendo
sxc.hu
que na padaria próxima ao serviço ou à casa há esse tipo de produto,
sxc.hu
ele não pensará duas vezes. Como os salgados não são totalmente
assados, precisam ser levados ao forno por uns 20 minutos, o
frescor será uma das vantagens”, explica Carolina acrescentando
que o panificador não pode esquecer de colocar uma etiqueta com o
modo de preparo.
Para saber se os serviços e produtos oferecidos em sua loja são
bons e suficientes, além de pesquisar com os clientes, visite outras
padarias da sua cidade e região. Verifique o que estão oferecendo ou
fazendo de inovador. Tenha em mente que o plantio é opcional, mas
a colheita deve ser obrigatória.
Deixe apenas alguns salgados na estufa e trabalhe com
resposição constante. Assim, o cliente achará que os produtos
estão sempre frescos. O restante, deixe na produção.
DICAS:
- Identifique os hábitos de consumo dos seus clientes
para oferecer produtos e serviços adequados.
- Diversifique parte do seu mix, pois o cliente não quer
comer sempre a mesma coisa.
- Trabalhe com a reposição constante de salgados na
estufa para demonstrar que sempre há produtos
frescos, além de estimular o consumo.
- O conceito de frescor está relacionado
fornecimento na hora e não ao processo recente.
ao
- Os clientes adoram produtos precificados, pois
facilitam a compra.
- Visite padarias da sua região para avaliar os serviços
oferecidos e prestados pela sua loja.
21
19
Cyan Magenta Yellow Black
Acontece
Aipesp
22ª Festa da Primavera regada a muita música e descontração
Maior pão do mundo é brasileiro
Pão gigante pesa 1,5 tonelada.
Foto: Divulgação
O Sindicato da Indústria de
Panificação e Confeitaria do
Estado do Paraná (Sipcep), em
parceria com a Líder
Equipamentos, Moinhos
Anaconda e apoio da Associação
Brasileira da Indústria de
Panificação (Abip), produziu o
maior pão do mundo com 1,5
tonelada.
Produzido nas instalações da
Cerâmica GAL, em Curitiba,
num forno de 20 metros, o pão
gigante foi registrado pelo
Guinness World Records - o
Livro dos Recordes.
Para produzi-lo, mais de
trinta profissionais trabalharam
das 7h às 15h. A super receita
levou 1.000 kg de farinha de
trigo, 1440 ovos, 40 kg de
fermento, 100 kg de açúcar, 20
kg de sal, 40 kg de margarina,
40 kg de leite em pó, 2 kg de
lecitina de soja, 2 kg de extrato
de malte, 4 litros de azeite de
oliva, 320 litros de água e 20 kg
de banha (para untar a forma).
O peso e o processo foram
criteriosamente analisados pelo
Guiness Word Record e Instituto
de Pesos e Medidas do Paraná
(Ipem), para que o processo
fosse encaminhado a Londres,
na Inglaterra, para fazer a
homologação do recorde. Ao
término, o pão foi distribuído à
obra social Pequeno Cotolengo,
que atende jovens portadores
de deficiência de Curitiba, e para
o público que prestigiou o
evento.
Roberto Leal dá um show
de simpatia no palco.
Safra de trigo crescerá 50%
A produção de trigo na safra 2009 está estimada em 5,72 milhões
de toneladas, superior em 49,6% (1,90 milhão de toneladas), em
relação à safra anterior, de acordo com levantamento da Companhia
Nacional de Abastecimento (Conab). A expansão de 31,4% na área
plantada, sobretudo na região Sul, principal produtor, e o aumento da
produtividade média nacional (13,8%) com relação à safra anterior
impulsionaram o crescimento.
A elevação da área também foi estimulada pelos preços praticados
no mercado Internacional, que estiveram, na época do plantio, acima
do custo de produção, e à alta do preço mínimo de garantia do
governo.
A produtividade média nacional continua maior do que a da safra
2008, em virtude de maior nível tecnológico aplicado durante o ciclo
da cultura. Porém, caso as chuvas permaneçam intensas no Rio
Grande do Sul, onde haverá colheita até dezembro, e no Paraná, onde
restam aproximadamente 20% da área a ser colhida, pode ocorrer
uma queda na produção. (Fonte: InvestNews)
Festas Natalinas aquecem as vendas de chocolate
No final do ano, os fabricantes de chocolate estimulam o desejo
dos consumidores, exercendo toda a sua criatividade com o
lançamento de produtos alusivos à época, seja em formatos,
embalagens ou no conceito. Como resultado, o crescimento das
vendas no mercado de chocolates, nesta época, vem ocorrendo de
forma consistente nos últimos anos. A data é vista, inclusive, por
alguns fabricantes como uma segunda Páscoa.
Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria de
Chocolate, Cacau, Amendoin, Balas e Derivados (Abicab), Ursulino
Netto, a estimativa para dezembro é de que as vendas de produtos
de chocolate de uso continuado
(barras, bombons e tabletes)
cheguem a 26,1 mil toneladas,
representando um crescimento
de aproximadamente 10% em
comparação à média dos demais
meses do ano e 5% acima do
mesmo período em 2007. A média
mensal de 2008 foi de 23,8 mil
toneladas, cerca de 4,8% maior
que a do ano passado, que foi de
20
22,7 mil toneladas.
Divulgação
Ticket lança cartão
para funcionários
recém-admitidos e
temporários
O Cartão RH, criado pela
Ticket, chega ao mercado para
agilizar o processo de
pagamento de benefícios para
funcionários recémcontratados. O mesmo poderá
ser utilizado desde o primeiro
dia de trabalho até a chegada
do benefício definitivo. Dessa
forma, o cartão poderá ser
reutilizado por outro recémadmitido, inclusive com a
Após o show,
Guilherme & Santiago receberam
os fãs no camarim.
Em novembro, milhares de panificadores
de São Paulo e região participaram da 22ª
Festa da Primavera, promovida pelo
Sindipan/Aipan-SP em seu clube de campo
Ceripan, localizado em Ibiúna, SP.
Os participantes foram recebidos com
muita música e entretenimento. Enquanto
os adultos dançavam ao som das atrações
musicais Roberto Leal, Guilherme &
Santiago e Tonyan do Forró, as crianças e
adolescentes se divertiam nos diversos
brinquedos disponíveis para todas as faixas
etárias. “Adoro essa festa. Sempre que
posso, venho e trago minha família, porque é
um dos momentos que temos para reunir a
família, além de sairmos do estresse da
cidade de São Paulo. Aqui, conseguimos unir
o útil ao agradável: assistimos aos shows,
dançamos, saboreamos as novidades das
empresas expositoras e o meu sobrinho de 2
anos se diverte nesse montante de
brinquedos. E como presente, ainda
conseguimos entrar no camarim e tirar uma
foto com Guilherme & Santiago, de quem
somos fãs”, comenta sorridente Jucélia
Bezerra da Costa.
Para um dos organizadores do evento e
d i r e t o r d o S i n d i p a n / A i p a n -S P, Ru i
Gonçalves, é muito gratificante ver milhares
de panificadores e seus familiares se
interagindo.
“Organizar uma festa deste porte não é
fácil, mas quando vemos todos os
convidados sorrindo a todo momento,
sentimo-nos realizados, porque esta é a
melhor resposta que podemos ter sobre
como foi o evento”, ressalta ele dizendo que
não pode deixar de agradecer o apoio de
todos os envolvidos na realização da festa.
Entre os convidados estavam o
deputado federal Arnaldo Faria de Sá, o
deputado estadual Vicente Cândido, ambos
grandes parceiros da panificação, o
prefeito de Ibiúna, Fábio Bello de Oliveira,
além de panificadores de outros estados.
No evento também houve sorteio de
brindes, distribuição de mini panetones,
além de outros produtos servidos pelos
patrocinadores.
O presidente do Sindipan/Aipan-SP,
Antero Pereira, aproveitou a ocasião para
chamar ao palco os representantes de cada
empresa patrocinadora para agradecer o
apoio e homenageá-los com uma
lembrança. Foram eles: Aroumar –
distribuidora de produtos alimentícios,
Café Gourmet Santa Monica, Coca-Cola
Femsa Brasil, Kibon, Mafran, Moinho
Anaconda, Ocrim – Farinha de Trigo Mirella,
Perdigão, Ryco Pão de Queijo e Souza Cruz.
Foto: Divulgação
emissão de uma nova senha.
Segundo o gerente de
marketing e produtos
Maximiliano Fernandes, o gestor
de RH poderá fazer o pedido do
cartão pela internet, assim
como acompanhar o saldo,
status de utilização e
vencimento.
Antero Pereira (pres. Sindipan-Aipan SP),
deputado federal Arnaldo Faria de Sá e
Alfredo Carreira (pres. Aipesp)
Diretoria da Aipesp
No alto, Evaristo González
(pres. Sindpan Bauru)
com diretores do Sipan-Aipan ABC)
Coca-Cola Femsa Brasil, entre outros
patrocinadores, foram homenageados
no palco.
Alguns patrocinadores
Aroumar
Kibon
Abiepan completa 20 anos
O mês de outubro foi de
muita comemoração para a
Associação Brasileira das
Indústrias de Equipamentos
para Panificação, Biscoitos e
Massas Alimentícias
(Abiepan), que completou 20
anos de muita luta e vitórias.
Fundada em 10 de outubro de
1988 por alguns empresários
do segmento, que se reuniram
no Clube Babemberg, no
Brooklin, em São Paulo, SP,
para discutir o setor e
compartilhar do mesmo
objetivo: buscar as melhores
ações para que as empresas
obtenham os melhores
resultados. “A Abiepan possui
28 associados que, hoje,
representam cerca de 80% do
mercado brasileiro de máquinas
e equipamentos do setor. Temos
uma enorme satisfação em
contribuir para um setor em
constante evolução, levando
modernidade e sucesso nas
exportações”, enfatiza Armando
Ta d d e i J ú n i o r, s e c r e t á r i o
executivo da associação.
Este ano, a entidade também
realizou a eleição de diretoria
para o biênio 2008-2010, que
manteve Marco Antonio Coelho,
da Maquipão, como presidente e
Antonio Marco Tafaro, da
Brasforno, como vice. Sucesso a
todos!
Moinho Anaconda
Café Gourmet Santa Mônica
Souza Cruz
OCRIM - F. trigo Mirella
Perdigão
Ryco Pão de Queijo
5
Cyan Magenta Yellow Black
Acontece
Aipesp
Convenção da Abip enfatiza o aperfeiçoamento da gestão
Mais uma vitória da panificação brasileira
Mesa de
abertura da
Convenção
Alexandre Pereira, pres. da Abip, alerta:
“2009 não será um ano fácil”.
Membros da diretoria da Aipesp
prestigiam a convenção.
A cidade de São Bernardo do Campo,
SP, foi a escolhida pela Associação
Brasileira da Indústria de Panificação e
Confeitaria (Abip) para sediar a sua 56ª
Convenção Nacional, realizada no dia 28
de novembro, no Cenforpe.
Na abertura, comporam a mesa
Antônio Carlos Henriques e Manuel Melim,
presidentes do Sipan Aipan ABC;
Alexandre Pereira, presidente da Abip;
Alfredo Carreira, presidente da Aipesp;
Sérgio Moretti, diretor do Sesi de Santo
André; Ramos de Oliveira, subprefeito de
Rio Grande da Serra representando o
prefeito de São Bernardo; Eduardo
Antônio Nogueira, representando o
prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi; e o
deputado federal Arnaldo Faria de Sá.
Antônio Carlos Henriques ressaltou a
sua alegria em concretizar um sonho das
diretorias do Sipan Aipan ABC, que era o
de realizar a convenção da Abip em sua
região. Segundo ele, o objetivo visa reunir
as lideranças da panificação brasileira
para que, juntos, possam entender e
estudar melhor o setor em geral. “O
evento foi preparado para ajudar na
gestão de nossas lojas, na qualidade do
atendimento, na produção, enfim, para
entendermos o quanto o setor de
panificação é importante, inclusive para a
economia brasileira”, explica ele.
Foi graças à união das entidades
representativas da categoria que o setor
panificação fechou o ano com saldo
positivo, mesmo após vivenciado duas
crises: a do trigo e a mundial. Mas o
presidente da Abip deu um alerta: “O ano
de 2009 não será fácil. Entraremos o ano
com otimismo, mas com cautela”,
pondera ele.
Durante sua explanação, o presidente
da Aipesp ressaltou que, de todo o
trabalho que está sendo e será realizado,
o grande beneficiado é o cliente. E que,
por isso, tem a certeza de que os
convidados chegarão ao final do evento
dizendo: “Valeu a pena participar”.
E foi com esta certeza que as
autoridades deram início às atividades do
dia, cientes de que de o momento da
panificação é de profissionalização e de
crescimento. “O aumento do faturamento
das padarias deve-se ao investimento que
o setor vem fazendo no aperfeiçoamento
da gestão, na ampliação do mix de
produtos e, agora, como tendência de
investir nos momentos de consumo”,
explica Alexandre.
A programação contou com quatro
clínicas, todas apresentadas no período
da manhã e da tarde: “Lançamento de
Novos Produtos – Planejamento,
Execução e Avaliação”, “Utilizando a
Tecnologia no Processo de Produção –
Pré-pesagem, Congelamento e Central de
Produção”, FoodService na Padaria –
Contribuindo para a Construção de
Resultados” e “Tecnologia da Informação
– Contribuindo para a Construção de
Resultados”.
O evento foi realizado pelo Sipan Aipan
ABC, Abip e Aipesp; contou com o
patrocínio das empresas COCA-COLA
FEMSA BRASIL - SOL, SORVEPAN, SOUZA
CRUZ, OCRIM – FARINHA DE TRIGO
MIRELLA, BRASFORNO, ITAIQUARA,
BUNGE ALIMENTOS, MM INFORMÁTICA,
FRIGORÍFICO MARBA e CNI; e o apoio da
Fiesp, Sebrae-SP, Instituto Tecnológico da
Panificação e Confeitaria (ITPC) e Propan.
Sipacc alerta:
cuidado com ligações de golpistas!
6
Advogado Abel Simões
Departamento jurídico do Sipacc
O Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de Campinas e Região (Sipacc)
informa que vários panificadores da região têm recebido telefonemas de um suposto
golpista cobrando um anúncio na lista telefônica. Segundo ele, o título está no cartório de
títulos e documentos em São Paulo e vai para protesto, caso não seja pago no dia. Para
isso, exigem uma quantia em dinheiro a ser depositada na conta bancária indicada por
eles.
Ignorem, pois é mentira! Trata-se de um golpe. O advogado Abel Simões Ferreira, do
departamento jurídico do Sipac, explica que um título não pode ser protestado fora da
cidade onde está estabelecida a padaria.
Para mais esclarecimentos, entrar em contato com Abel nos telefones (19) 32433422 / 8197-3129.
Foto: Divulgação
Makro lança
espaço Speciale
com produtos
diferenciados
O Makro inaugurou na loja Vila Maria o espaço Speciale Adega &
Emporium, composto por uma área de 500 m² que compreende
uma adega climatizada com bebidas nacionais e importadas,
charutaria, sortimento de embutidos, defumados, queijos,
temperos e especiarias, chocolates finos e cafés especiais, além de
uma cozinha experimental para cursos de capacitação de clientes
em Gastronomia e Enologia, com capacidade para 120 pessoas. “O
Speciale é um conceito inovador por oferecer aos nossos clientes um
criterioso sortimento de produtos diferenciados, que são referência
no segmento gastronômico e a preços competitivos. Queremos
oferecer aos nossos clientes a oportunidade de melhorarem a sua
oferta aos seus consumidores finais”, afirma Rubens Batista Junior,
presidente do Makro no Brasil.
Visite a Paranapão 2009
O Sindicato da Indústria da Panificação e Confeitaria do Estado
do Paraná (Sipcep) convida os empresários e profissionais de
ambos os setores a participarem da Paranapão 2009 – 4ª Feira de
Produtos e Serviços para Panificação, a se realizar de 30 de
setembro a 2 de outubro de 2009, no Centro de Eventos da
Fiep/Cietep. Os 50 expositores do Brasil e do exterior apresentarão,
entre as novidades, os próximos passos para que este seja um
negócio cada vez mais rentável. Mais informações: (41) 32337643.
Moradores solitários são
consumidores exigentes
A Market Analysis, instituto de pesquisa e opinião pública,
realizou um estudo sobre os hábitos de consumo de pessoas que
moram sozinhas nas oito principais capitais do país, entre elas, São
Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife,
Salvador e Brasília. O resultado mostra que este público é mais
exigente, busca melhores preços
(80%) e possuem hábitos menos
saudáveis.
O diretor da Market Analysis,
Fabián Echegaray, relata que
passeios a bares e restaurantes
foram citados por 42% contra 21%
da população em geral, assim como
comer em redes fast foods
constantemente também foi
comentado por 36% dos
entrevistados. Deste grupo, 66%
revelaram ingerir doces e
chocolates.
Foto: Divulgação
Fabián Echegaray,
da Market Analysis.
O deputado Arnaldo
Faria de Sá e o
presidente da Aipesp,
Alfredo Carreira,
comemoram o veto do
presidente Lula
referente ao projeto
que previa a adição
obrigatória de
derivados de mandioca
ao pão.
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetou o projeto de lei do
deputado Aldo Rebelo que previa a mistura obrigatória de derivados de
mandioca na farinha de trigo comprada pelos governos federal,
estaduais e municipais.
Uma das justificativas apresentadas por Lula é a dificuldade que o
Poder Público teria para comprovar se o produto a ser adquirido teria a
composição proposta, o que, segundo o argumento, encareceria a
farinha. Outra explicação foi a de que, com a participação pouco
expressiva do Estado no total de compras do produto no mercado, os
benefícios da proposta não seriam alcançados. A mistura de farinha de
mandioca à de trigo já é corrente no mercado privado, mas não
compulsória.
O veto presidencial ao regime tributário especial ocorreu em
virtude de a farinha de trigo, pura ou misturada, já não embutir a
contribuição de PIS/PASEP e da Cofins.
A decisão foi muito comemorada pela panificação brasileira, assim
como pelo deputado federal Arnaldo Faria de Sá, que tanto lutou por
esta vitória. “Um dos motivos de não concordarmos com a inserção de
derivados de mandioca na farinha de trigo é a descaracterização do pão
francês, além de outros pontos, como o aumento da farinha”, explica
Alfredo Carreira, presidente da Aipesp. “Nós mostramos que o trigo já é
um cereal muito nutritivo e rico em fibras. A adição da mandioca seria
apenas para aumentar as calorias”, acrescenta o deputado.
O mesmo não aconteceu com representantes da cadeia de
produção de mandioca e seus derivados, que viam no projeto uma
alternativa de ampliar seu mercado. "Foi uma surpresa porque o
projeto passou por ampla discussão, ficou anos na Câmara dos
Deputados e um ano e meio no Senado", afirma Ivo Pierin Júnior,
presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Amido de
Mandioca (Abam).
O projeto previa adição gradativa de farinha de mandioca à de
trigo. Ela seria de 3% no primeiro ano, 5% no segundo e de 10% a
partir do terceiro. Quando a mistura máxima passasse a vigorar, um
mercado de 50 mil toneladas anuais seria criado, segundo estimativa
da Abam feita depois da aprovação do projeto no Senado. Esse
adicional representaria quase 10% do mercado total de amido de
mandioca no país, que é atualmente de cerca de 600 mil toneladas.
Sesinho: a revista
educativa do Sesi
O Serviço Social da Indústria (Sesi)
enviou aos sindicatos e associações de
panificação e confeitaria de todo o
Brasil a sua revista educativa Sesinho.
Nela foram abordados alguns temas,
entre eles, as sacolas plásticas usadas
para carregar compras. Elas podem até
ser úteis, mas cada vez mais são um
grande problema para o meio
ambiente. Por intermédio das
historinhas, o Sesinho apresenta as
19
possíveis alternativas de uso.
Cyan Magenta Yellow Black
Bê-a-Bá da Confeitaria
Aipesp
Ingredientes:
300g de Massa Fillo Arosa
3 colheres (sopa) de margarina
ou manteiga derretida
CF
Cocada
na Fillo
Recheio:
1 lata de leite condensado
100g de coco ralado
1 colher (sopa) de margarina
ou manteiga sem sal
200ml de creme de leite
Açúcar e canela em pó a gosto
Modo de Preparo:
Descongele a Massa Fillo Arosa
conforme as instruções da
embalagem. Leve ao fogo
brando o leite condensado, a
manteiga e o coco ralado.
Deixe engrossar um pouco
como se fosse um beijinho
mole. Desligue o fogo e
misture o creme de leite.
Deixe esfriar.
Montagem:
Corte a massa em quadrados de 5
x 5 cm. Intercale 3 quadrados de
massa com margarina ou
manteiga derretida. Monte a
massa em forminha, tipo para
empadinha, e coloque o recheio já
frio. Asse em forno pré-aquecido
(140ºC) por aproximadamente 20
minutos ou até que o recheio
fique levemente dourado.
Dica:
Polvilhe-os com açúcar e canela.
Tempo de Preparo: 45 minutos
Rendimento: 24 unidades
Receita cedida pelo Centro de
Culinária Arosa.
Ingredientes sa Massa:
700 g Tegral Torta Dulcerio
245 g ovos
140 ml água
105 ml óleo
200 ml licor de cassis
1000 ml Dulcerio Três
Leches
Creme de papaia:
400 g mamão papaia
120 g açúcar
120 g gemas
150 g ovos
150 g manteiga
8 g gelatina
Dulcerio
Papaia
com Cassis
18
O jornalista e empresário João Doria
Jr. fechou o ciclo de palestras,
apresentadas na Convenção da Abip,
abordando a importância da
"Criatividade para vender o pão nosso
de cada dia".
Em sua explanção, Doria apontou os
dez quesitos fundamentais para cada
panificador/empresário evoluir e
alcançar os seus objetivos.
João Doria Jr.
1. MANTER O EQUILÍBRIO. Este
estado permitirá que você tome
as melhores decisões, mesmo
diante de qualquer dificuldade.
2. ACREDITAR NO SEU PROJETO.
Caso contrário, você não será
capaz de fazer com que as outras
pessoas acreditem no que você
está propondo.
Conseqüentemente, não fará
inclusive boas vendas.
Foto: Divulgação
D
P
Criatividade para vender o pão nosso de cada dia
Mousse de pistache:
160 g Chantypak
50 g Decorcrem branco
30 g pistache moído
e torrado.
Decoração:
Belcolade amargo
cereja
caramelo
Cobertura:
80 g Harmony neutro
Modo de preparo:
Massa: 1- Bater o Tegral
Torta Dulcerio, os ovos
e a água por 5 minutos, na
velocidade alta.
2- Acrescentar o óleo e
bater mais 2 minutos na
velocidade baixa. Misturar as
nozes.
3- Colocar a massa em 4
formas (balerine).
4- Assar por cerca de 25
minutos à 150ºC.
Creme de papaia:
1- Cozinhar o mamão papaia e
o açúcar.
2- Bater as gemas, ovos e o
restante do açúcar. Adicionar o
papaia à mistura e continuar
cozinhando até atingir 72ºC.
3- Retirar do fogo, adicionar
manteiga e, por último, a
gelatina.
4- Dividir em 4 aros de 13 cm
e congelar.
3. TRABALHAR EM EQUIPE. Você
precisa entender que o
colaborador está em sua
empresa para ajudá-lo a
prosperar. O sucesso do seu
negócio é graças ao preparo da
equipe.
4. TER FOCO. Saiba, com
clareza, o que você e a sua
empresa desejam. O brasileiro
tende à dispersão por ter o
hábito de fazer tudo ao mesmo
tempo, o que não é um bom
caminho. Tenha, no máximo,
dois objetivos e trabalhe com
perseverança.
5. TER DISCIPLINA. Ajuda você a
orientar e melhorar a sua vida. A
partir do momento que há mais
disciplina, você passa a ter mais
foco e tempo disponível para
conseguir fazer mais coisas, além
de cumprir os prazos.
Chantal Brissac, Marília Miragaia, Bruno de Catão,
Maria Cecília Nunes, Janaína Demarque e Reberson Ricci
Vencedores do Prêmio de Jornalismo 2008
6. NEGOCIAR SOLUÇÕES.
Fundamental para superar
qualquer dificuldade.
7. ENSINAR PELO EXEMPLO. Na
sua padaria, você é o exemplo para
os seus funcionários. E, no dia-adia, para os seus colegas,
parceiros, entre outras pessoas.
8. SER PERSEVERANTE. Ser
perseverante é persistir no seu
objetivo para, conseqüentemente,
alcançá-lo. Ser perseverante é não
desistir.
9. ESTAR SINTONIZADO. É não
perder a sintonia de capturar
informações. A leitura, a
participação em palestras, ouvir
rádio, assistir ao jornal, entre
outros, são fundamentais. Tudo
isso melhora a sintonia com o
mundo e, com ela, a capacidade de
informação, além de torná-lo mais
importantes e diferenciá-los em
relação a outras pessoas no seu
negócio.
10. TER HUMILDADE. Ninguém
vence na vida sem humildade. O
exercício da humildade é também
de fé. Fazer uma auto-análise no
final do dia o ajudará a detectar
onde acertou e errou.
O Sindipan e a Aipan-SP fizeram a entrega da segunda edição do
“Prêmio de Jornalismo Sindipan/Aipan-SP”, realizado durante a
Festa da Primavera, no dia 30 de novembro, em seu clube de campo
Ceripan. O concurso tem como objetivo estimular a divulgação do
setor de panificação e confeitaria, os benefícios do pão e a
importância do pão na alimentação humana.
Neste ano, 42 trabalhos foram selecionados e avaliados por um
júri especializado. Confira abaixo os três primeiros colocados de
cada mídia:
Mídia Eletrônica (televisão, rádio e internet)
1º colocado
Matéria: Massa do bem –EPTV Campinas (TV Globo)
Premiado: Reberson Ricci Ius
Prêmio: Pacote para IBA, em Dusseldorf, na Alemanha + 500 euros
2º colocado
Matéria: Evolução das padarias paulistanas – TV Bandeirantes
Premiado: Bruno de Catão Mascarenhas
Prêmio: Pacote de 7 dias para Portugal + 500 euros
Mídia Impressa (revistas, jornais e suplementos)
1º colocado
Matéria: Pãozinho global – Revista da Folha (Folha de S.Paulo)
Premiado: Marília Miragaia
Prêmio: Pacote para IBA, em Dusseldorf, na Alemanha + 500 euros
2º colocado
Matéria: Segundo lar – Jornal Folha de S.Paulo
Premiado: Chantal Brissac
Prêmio: Pacote de 7 dias para Portugal + 500 euros
Montagem:
1- Umedecer as bases de
balerine com Tegral Torta
Dulcerio com Dulcerio Três
Leches.
2- Colocar o creme de papaia
congelado, aplicar o Harmony
sobre o creme.
3- Aplicar a mousse na lateral
em formato de gotas.
4- Decorar com caramelo,
cerejas e Belcolade amargo.
Rendimento: 4 tortas de 800 g.
Foto: Divulgação
Receita cedida pela
Puratos do Brasil.
7
Cyan Magenta Yellow Black
Aipesp
Dracena sediou a
43ª Convenção Estadual da Aipesp
empregadores, uma comissão de negociação salarial do Sindicato de
Bauru. Considerando que a maioria dos eventos direcionados ao
setor acontece na capital, este encontro é um marco e demonstra
toda a grandeza e representatividade da categoria no interior
paulista.
O encontro foi organizado pelo consultor de marketing do
Sindipan/Aipan-SP, sob o patrocínio das empresas BUNGE
ALIMENTOS, COCA-COLA, MM INFORMÁTICA, NESTLÉ
FOODSERVICE, PERDIGÃO, SELMI e SOUZA CRUZ; e apoio do
Sebrae-SP e Senai São Paulo.
Mesmo com 12 padarias em Dracena,
o evento recebeu cerca de 120 panificadores
da cidade e região.
Mesa de abertura
As lideranças da panificação do estado de São Paulo estiveram em
Dracena, SP, no dia 13 de novembro, para participar da 43ª
Convenção Estadual da Aipesp, realizada em parceria com o Sindicato
da Indústria de Panificação e Confeitaria de Bauru (Sindpan Bauru).
O evento contou com a presença de aproximadamente 120
participantes - entre panificadores, funcionários e estudantes da área
-, que tiveram a oportunidade de assistir as palestras e partilhar das
novas tendências do setor. "Ficamos muito satisfeitos com o número
de participantes, uma vez que a cidade de Dracena possui 12
padarias. Conseguimos alcançar o nosso objetivo, que é unir o setor e
levar informação como meio de atualização profissional", explica
Evaristo González, presidente do Sindpan Bauru.
Na abertura da convenção, Evaristo ressaltou a sua alegria ao ver a
sala praticamente lotada, significando que os panificadores da região
estão ávidos por novidades. “Este é um dos objetivos da Aipesp, levar
a informação a todas as regiões do estado de São Paulo e unir cada
vez mais o setor”, comenta.
Os convidados assistiram palestras com temas de extrema
importância para o dia-a-dia da padaria, entre elas: “Informatização
na Padaria” (MM Informática), “Programa de Alimentos Seguros –
PAS” (Sebrae-SP), “Opções de Treinamento” (Senai-SP) e “101
Formas de Atrair o Cliente para a Padaria”, ministrada pelo consultor
Luciano Fregapani. No final, ainda participaram do sorteio de brindes
oferecidos pelos patrocinadores.
Neste mesmo dia, entre a reunião da Aipesp, realizada logo pela
manhã, e o início da convenção, foram negociados os salários dos
trabalhadores do setor, data-base novembro, representados por doze
sindicatos da categoria e pela Federação dos Trabalhadores nas
Indústrias de Alimentação do Estado de São Paulo; e pelos
Diretoria da Aipesp reunida durante almoço
que antecedeu a convenção.
Notícia Apan Jundiaí
Quer economizar de 35% a 40% em sua conta de água?
A Associação dos Panificadores de Jundiaí e Região
fechou parceria com um fabricante de BLOQUEADOR DE
AR, de São Paulo, SP, conseguindo preço bem reduzido
para os associados. O aparelho não interfere no
fornecimento de água, apenas bloqueia a passagem do
ar, permitindo que você pague somente o que realmente
consumir. A sua manutenção é feita a cada 5 anos ou
quando necessário. Além disso, dispensa a supervisão
da Companhia de Saneamento.
8
sxc.hu
Segundo o presidente da Apan, Adriano dos Santos,
algumas panificadoras adquiriam o bloqueador e os
valores das contas foram reduzidos em cerca de 35%.
"No mercado, o valor cobrado pela peça e instalação é de
R$ 450. Com a parceria, o custo foi reduzido para R$
360, válido também para residências, e o pagamento
pode ser feito em 28, 56 e 84 dias, ou a combinar",
explica ele ressaltando que este preço vale apenas para
bloqueadores de ¾ polegadas.
O acúmulo de ar ocorre devido a rompimento da
rede de distribuição, falta de água, rodízio, manutenção,
falhas no bombeamento, entre outros. Ao restabelecer o
fornecimento, a água ocupa o espaço nas tubulações e
empurra o ar existente, obrigando-o a sair para as
tubulações de água dos consumidores. Institutos oficiais
comprovaram, por meio de laudos técnicos, que a
passagem de ar é marcada pelo hidrômetro como
consumo de água. Conseqüentemente, os consumidores
pagam duas vezes mais por algo que não existe.
Adriano conta que após 3 meses de economia, a
associação abrirá um processo administrativo contra as
concessionárias pedindo o ressarcimento do valor
cobrado indevidamente nos últimos 5 anos.
Os interessados em adquirir o aparelho devem entrar
em contato com a Apan no telefone (11) 4522-7801. A
entrega e instalação são imediatas.
Cyan Magenta Yellow Black
Bê-a-Bá da Confeitaria
Aipesp
Intercâmbio na Panificação
MENOS AÇÚCAR X MAIS SABOR
Como fazer uma pâtisserie atrativa, adequada à
nova realidade, sem pecar pelos exageros do açúcar
e gorduras das receitas antigas.
Foto:
A mudança dos hábitos alimentares da população,
principalmente ao trocar as tradicionais refeições no lar pela
alimentação por conveniência, marca a expansão do mercado
foodservice. Este movimento pode ser verificado pelo grande
número de restaurantes, lanchonetes, cafeterias e padarias que
oferecem refeições rápidas, atendendo a necessidade crescente de
um público com um novo estilo de vida.
Com este movimento, percebemos que a conveniência
alimentar traz praticidade, mas também inúmeros problemas para a
saúde humana. A comprovação desse fato está no aumento de
doenças cardiovasculares, diabetes, além dos problemas com
sobrepeso e obesidade. Porém, as tendências já apontam uma
parcela de consumidores mais informada e que busca hábitos mais
saudáveis.
Para atender o público crescente que se preocupa com qualidade
de vida, surgiu a necessidade de mudança por parte dos
profissionais da alimentação: como fazer uma pâtisserie atrativa,
adequada à nova realidade, sem pecar pelos exageros do açúcar e
gorduras das receitas antigas?
Podemos citar o que ocorreu, nos últimos anos, com a pâtisserie
portuguesa. Tradicionalmente, Portugal é lembrado pelo aspecto da
doçura na confeitaria, mas um trabalho notável dos profissionais
daquele país em busca de novas texturas e na exploração dos
sabores, diminuiu a ênfase na doçura.
No Brasil, a oferta de produtos preparados à base de gorduras
ainda é muito intensa. O uso exagerado do chantilly é um claro
exemplo do excesso de tradicionalismo. Ao mesmo tempo em que
não é tão saudável cobrir um bolo com chantilly, também é pouco
criativo. Hoje, temos muitas opções para tornar o produto mais
atrativo, tal como trabalhar os recheios, misturando o chantilly com
chocolate ou a uma geléia de brilho, ou ainda a um purê de frutas.
Na área de panificação, as mudanças chegaram com uma ampla
gama de itens oferecidos pela indústria. As novas alternativas vão
desde pré-misturas com grãos, sementes, até produtos energéticos
e funcionais. Com esta variedade é possível preparar sanduíches,
canapés e lanches saudáveis em formatos diferenciados dos pães.
Prepare sanduíches,
canapés, entre outros
produtos, com prémisturas contendo grãos
e sementes, e em
formatos diferenciados.
sxc.hu
Igualmente ampla é a oferta de produtos da categoria diet e light
Foto:
e, mais recente, a inserção da categoria orgânica.
À Emulzint
disposição
daqueles que querem diferenciar seus produtos, estão também prémisturas como açaí, centeio, soja, girassol, multigrãos e, em
especial, a quinoa que vem revolucionando o mundo gastronômico.
Trata-se de uma semente rica em fibras e proteínas, altas
concentrações de sais minerais e pouquíssimo açúcar.
Felizmente, já existem estabelecimentos no Brasil que começam
a trabalhar na diversificação. O movimento ainda é recente, porém
alguns já percebem nitidamente a necessidade de atender um novo
consumidor.
Como alternativa para quebrar o tabu que liga sobremesas e
lanches a itens ruins para a dieta, precisamos criar sobremesas
usando produtos saudáveis. Trabalhar com frutas é uma alternativa,
mesmo que isso acarrete novos desafios para usufruir o frescor que
proporcionam. O mesmo acontece com o chocolate: sempre foram
muito doces e, hoje, encontramos bons trabalhos que privilegiam os
novos sabores, ao invés da doçura.
Criar um portfólio mais saudável é dever de cada profissional,
não só pelo compromisso com o bem-estar, mas por destacar o
estabelecimento ao oferecer produtos com appeal mais tentador,
envolvendo saúde e sabor.
DICAS:
Faça uma pâtisserie atrativa, sem pecar no
exagero de açúcar e gorduras.
No Brasil, o uso excessivo de chantilly é tradição,
porém pouco criativo. Portanto, trabalhe com os
recheios, misturando o chantilly com chocolate ou
a uma geléia de brilho, ou ainda a um purê de
frutas.
Diferencie os seus produtos
categorias diet, light e orgânica.
investindo
Crie um portifólio mais saudável, envolvendo
saúde e sabor.
Raul Concer
[email protected]
16
Foto:
Divulgação
nas
Membros da CIPAN
Líderes da panificação de todo o mundo estiveram em São Paulo, de
15 a 18 de outubro, para participar do Congresso Internacional da
Panificação, realizado pela Union Internationale de La Boulangerie et de
la Boulangerie-Patisserie (UIB) em parceria com o Sindipan/Aipan-SP, e
do Congresso Interamericano, promovido pela Confederação
Interamericana da Indústria do Pão (CIPAN). Durante o congresso
houve, inclusive, a eleição da sua nova diretoria. O evento foi promovido
com o apoio da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e
Confeitaria (Abip) e do Instituto do Desenvolvimento de Panificação e
Confeitaria (IDPC), e patrocinado pelas empresas Coca-Cola Femsa
Brasil, Souza Cruz e Sindustrigo.
Segundo o presidente do Sindipan/Aipan-SP, Antero Pereira, esta é
a primeira vez que a UIB realiza o seu congresso no continente
americano. Entre os objetivos do encontro estão discutir o atual cenário
da panificação e suas tendências, bem como os impactos causados pela
crise do trigo e pela crise econômica mundial, além de definir estratégias
que evidenciem e aprimorem o setor cada vez mais. “A oportunidade foi
propícia para mostrarmos aos participantes como se encontra a
panificação brasileira por meio de visitas a algumas padarias, onde
almoçamos e jantamos, e escolas de panificação, como a do nosso IDPC
e do Senai ”, comenta ele.
Durante as visitações, o que mais se ouvia eram elogios e disparos
de flashes. O atual e o ex-presidente da UIB, Peter Becker e Bert
Kolkman, ressaltaram sua satisfação ao ver o nível das padarias de São
Paulo, além da ampla variedade de produtos ofertada. “A panificação
paulistana está muito bem. Vimos uma gama variedade de pães e doces,
todos bem apresentáveis e apetitosos. O que nos chamou a atenção
também foi o fato de as padarias servirem refeições com a mesma
qualidade dos restaurantes. Com isso, conseguem atrair o cliente por
mais vezes num único dia”, declara Peter. “Na Holanda ainda não focamos
neste serviço, mas certamente estamos levando esta ótima
oportunidade, apesar de as padarias de lá serem bem menores que as
daqui”, acrescenta Kolkman.
Mão-de-obra qualificada
No primeiro dia, membros da panificação nacional e internacional
receberam a imprensa no prédio da Fiesp. Na ocasião, Antero comentou
que, apesar da ótima fase da panificação brasileira, a qualificação
profissional ainda precisa ser aprimorada.
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores, Chiquinho Pereira,
concordou e explicou que muitos dos padeiros e confeiteiros, apesar de
realizarem um bom trabalho na produção, têm pouco estudo.
Conseqüentemente, a entidade acaba tendo que priorizar a
alfabetização para, depois, focar em cursos de qualificação profissional.
Outro assunto abordado por Chiquinho foi o bom relacionamento
entre o sindicato patronal e o dos trabalhadores: “A nossa parceria foi
muito feliz, afinal, os objetivos de ambos são os mesmos: melhorar o
setor e o desempenho dos funcionários e das padarias”, pontuou.
Panificação passa ao lado da crise
Quando o assunto foi as duas crises enfrentadas este ano, Peter
Becker declarou não acreditar em desabastecimento de trigo e afirmou
que a atual crise econômica não o preocupa, por não afetar diretamente
a panificação. Porém, alertou que o setor deve acompanhar os reflexos
do mercado. Antero também ressaltou a criatividade dos brasileiros em
buscar novas alternativas lucrativas.
Na seqüência, o presidente da Abip disse que o pior da crise do trigo
já passou e que o Brasil está se preparando para se livrar da
dependência da Argentina e do Canadá. Para ele, o governo brasileiro
deveria incentivar mais o plantio de trigo. “Temos que valorizar o nosso
solo fértil e o clima favorável”, ressalta ele.
Confraternização no Ceripan
Para fechar os três dias de evento com chave de ouro, no sábado, dia
18, todos foram para o Ceripan, o clube de campo do Sindipan-SP, em
Ibiúna, para selar todos os aprendizados e saborear uma deliciosa
feijoada, com direito a muito samba no pé. Aproveitando o dia meio
chuvoso, Antero, em seu discurso de agradecimento, disse que aquela
chuva eram as suas lágrimas de alegria pelo sucesso dos eventos e
confraternização de todos.
Antero Pereira (Sindipan/Aipan-SP) homenageia
membros da UIB
Pedro Pereira (pres. Sind. Trabalhadores), Alfredo
Carreira (Aipesp) e Manuel Alves (Aipan-SP)
Evento é encerrado com muito samba no pé
Cyan Magenta Yellow Black
Pesquisa & Dicas
Homenagem
NEILE SADO:
UMA MULHER
DE GARRA E FÉ
Neile Sado
Neile Gonçalves dos Santos Rosário Sado tinha 36 anos quando faleceu,
no dia 31 de outubro, durante tentativa de assalto na Ponta da Praia, em
Santos, SP. Ela é filha de Dialino dos Santos, presidente do Sindicato dos
Panificadores de Santos e Região, onde Neile trabalhou há mais de dez anos
desde estagiária em direito até gerente geral.
Podemos dizer que a Neile é o que chamamos de uma verdadeira
mulher: filha, irmã, esposa, mãe, empresária, companheira, amiga, uma
mulher de garra e de fé. O seu carisma, a sua disposição para ajudar o
próximo, a sua verdadeira amizade - aliás, ela sempre chamava as pessoas
que gostava de amiga ou amigo – são algumas das qualidades que
permanecem na lembrança de cada um.
Neile praticamente "nasceu" dentro de uma padaria. Ela, inclusive,
segundo Dialino, foi sua sócia por 15 anos. Neile também se formou em
direito e exerceu a profissão, juntamente com o pai, que também é
advogado, até os seus últimos dias de vida. "As nossas entidades sempre
tiveram excelentes advogados, mas costumo dizer que ela era a melhor,
porque para ela não existia o impossível. Além disso, não se importava se ia
ou não receber. A ela interessava apenas a padaria estar aberta. Emocionome muito, porque ela sentia-se realizada quando podia fazer algo pelo
panificador. E é isso que a tornava ainda mais especial", relata Jaime Padeiro,
presidente da associação de Santos.
Assim como toda mulher, Neile tinha o sonho de formar uma família.
Casou-se com Ricardo Sado e teve dois amados filhos: Rafael e Rodrigo, de 8
e 5 anos. Aliás, ela tinha orgulho de duas coisas na vida: de pertencer ao
mundo da panificação e de ter formado uma família.
Nesse meio tempo, Neile perdeu uma pessoa muito querida: a sua mãe.
A partir desse momento, ela, como filha, esteve ainda mais presente na vida
do pai, acompanhando-o inclusive nos eventos do setor.
Para os conhecidos, Neile era incansável. Se não bastasse ser filha, irmã,
esposa, mãe, advogada e administradora do sindicato, Neile também era
empresária. À noite, após o seu trabalho na entidade, Neile ia para casa
curtir a família e produzir semi-jóias para, aos sábados, comercializar em um
conceituado salão de cabeleireiro da cidade. O seu talento era tanto que,
além de participar de entrevistas em programas de televisão da região para
apresentar as suas artes, Neile também era convidada para desfiles de moda
da região. As suas semi-jóias compunham o figurino das modelos.
E é por tudo isso e muito mais que a sua ida foi dolorosa para muitos.
Mas como aprendemos que sempre há um lado bom para tudo na vida, é
melhor que visualizemos o ocorrido sob um novo olhar. Abranda a dor dos
que ficam e fortalecerá a Neile, que foi trabalhar ao lado do Pai. Para os que
não acreditam numa vida após a morte, podemos dizer que ela conseguiu
10
descansar o corpo após um dia agitado.
Fecham-se as cortinas da vida, mas apenas por um instante. É hora de
colocar a cabeça no travesseiro; chorar, se for preciso; repensar sobre a vida,
sobre as pessoas que amamos e que, muitas vezes, não damos a devida
atenção. Essa pausa é fundamental para nos recompormos e observarmos
que o ente querido está presente em cada detalhe da vida: no sorriso de um
dos familiares; nos gestos ou palavras de pessoas próximas; no formato dos
olhos, da boca, no tipo ou corte de cabelo, no formato dos dedos,
principalmente dos filhos; numa roupa que alguém possa usar, remetendonos à lembrança de um modelo ou cor preferida; enfim... foi para isso que
Deus nos deixou a lembrança, para estarmos sempre "ao lado" de quem
amamos.
Bom, agora é hora de acordar. Abrem-se as cortinas para observarmos
com mais atenção cada detalhe da vida; olharmos com mais carinho as
pessoas que nos cercam; transmitirmos uma palavra doce àquela que,
talvez, apenas não saiba ser doce.
A vida é muito simples e bela, mas ainda falta um pouco mais de duas
gotinhas essenciais para tornar-se especial: o amor e o respeito pelo
próximo. Fim do mundo? Não, o começo de uma nova era. A cada dia
nascem crianças inteligentes, evoluídas... A cada dia, as pessoas têm mais
fé, apegam-se a Deus... A cada dia, após tragédias neste mundo, as pessoas
descobrem que, mesmo tendo pouco, ainda têm o que dividir com o
próximo. A cada dia, as pessoas descobrem que podem ser melhores... E
enquanto há esse pensamento em cada um de nós, teremos sempre a
certeza de que o nosso hoje será melhor que ontem, assim como o amanhã
será melhor que hoje.
Depoimentos
"A Neile sempre foi uma amigona, uma pessoa muito especial. Eu fui
padrinho de casamento dela, assim como também sou padrinho do seu
filho mais velho, o Rafael. A nossa amizade tem mais de dez anos. Posso
dizer que acompanhei o seu crescimento pessoal e profissional. O que
mais lembro dela é a atenção que tinha com o próximo, além do seu alto
astral. Ela tinha orgulho em ajudar o panificador". (Jaime Padeiro – pres.
da Assoc. Santos)
"Foi uma perda muito grande para a família e para o setor da panificação
santista e paulista. Ela era batalhadora, ajudava muito o pai no
sindicato. A sua ida, de forma violenta, e por ser muito jovem, deixounos muito tristes. Acredito que seja a maior perda que tivemos neste
ano". (Alfredo Carreira – pres. da Aipesp)
"Ao lembrar da Neile, vejo uma menina sempre fazendo o melhor para a
panificação da sua região. Ela era uma ótima filha, mãe e secretária da
panificação. Sem contar que era ela quem coordenada o jantar de
Santos. Ela era amiga dos amigos e certamente fará falta não somente
para o sindicato da sua região, como para a panificação de toda São
Paulo". (Antero Pereira – pres. do Sindipan/Aipan-SP)
"A Neile tinha entusiasmo de realizar serviços no sindicato e associação
de Santos. Tudo o que fazia era em benefício dos panificadores da
região. Ela também tinha orgulho de seu marido e filhos, na família que
tinha constituído. Que Deus ilumine a todos eles". (Evaristo González –
pres. Sindpan Bauru)
Combate a incêndio
Marca própria
tem aumento de 31%
em novos produtos
Olhando para o desenho ao lado, é
fácil perceber como seria difícil, em
situação de emergência, chegar até os
equipamentos de combate a incêndio.
Em muitos casos, por descuido,
pressa ou falta de espaço, acabamos
deixando o local de trabalho
“entulhado”.
Neide Montesano, da Abmapro:
“O trabalho conjunto entre indústria
e varejo é essencial para o
desenvolvimento do setor”.
E como resolver...
- A primeira atitude: limpar o local.
- Descartar o que não tem utilidade.
- Acondicionar as sobras e resíduos
em local adequado. No desenho,
apagamos o que está errado e
deixamos o local destinado ao
hidrante e extintor de fácil acesso a
todos, em qualquer situação de
emergência.
Produtos de marca própria são um ótimo negócio para
fabricantes, varejistas e consumidores. O 14º Estudo Anual de
Marcas Próprias 2008, realizado pela Nielsen, mostra que o número
de itens de marca própria cresceu 31% entre agosto de 2007 e julho
de 2008, alcançando um total de mais 45 mil produtos disponíveis
em 25% das 644 empresas participantes da pesquisa. “O trabalho
conjunto entre indústria e varejo será fundamental para entender o
comportamento e as necessidades do consumidor e fazer com que a
marca própria cresça cada vez mais”, afirma Neide Montesano,
presidente da Associação Brasileira de Marcas Próprias e
Terceirização (Abmapro).
De acordo com o estudo, os itens de marca própria estão cada
vez mais presentes nos lares brasileiros, alcançando quase metade
das residências do País (48,9%), o equivalente a aproximadamente
18 milhões de domicílios. O levantamento aponta que, apesar de
81% do setor estar posicionado como low price (preço baixo), os
produtos premium (produtos de posicionamento de preço mais alto)
também têm destaque. Além disso, a penetração das marcas
próprias é maior nas classes A e B (54,7%), mas também ocupa
espaço nas classes C, D e E (47,5%).
O perfil dos maiores consumidores de marcas próprias é “maduro
bem-sucedido”, classificado pela Nielsen como pessoas com nível
sócio-econômico alto e médio-alto, e lares com quatro ou cinco
pessoas.
No Brasil
- O número de produtos de marcas próprias cresceu 31% no
período de agosto de 2007 a julho de 2008. Destaque para o
crescimento do número de itens da cesta alimentar, bebidas e
limpeza.
- No primeiro semestre desse ano, 48,9% dos domicílios
brasileiros compraram marca própria pelo menos uma vez,
representando aproximadamente 18 milhões de lares.
- O número de organizações que trabalham com marca própria e
participaram do estudo permanece estável.
- Entre os seis “clusters” de estilos de vida do painel da Nielsen,
destaque para os “maduros bem-sucedidos”.
No mundo
- A Europa continua sendo a região onde as marcas próprias têm
o maior nível de desenvolvimento. Suíça (46%) e Reino Unido (43%)
são os países onde a marca própria tem maior participação.
- Com exceção da Bélgica, Alemanha e Finlândia, que tiveram
leve retração, todos os mercados apresentam crescimento na
participação em valor das marcas próprias.
- Nos EUA, as marcas próprias ganham importância, com
participação de 16% nas vendas, em valor, realizadas nos
supermercados, drogarias e varejo em geral.
- Na América Latina, a Argentina é o país com maior penetração
das marcas próprias, com 7,7% de participação em valor.
Facilite o seu trabalho
1. Seja prático
Separe e descarte aquilo que não é
mais usado. Assim você abre espaço
para trabalhar e ganha tempo.
2. Organize-se
Guarde, acondicione e sinalize os
utensílios ou equipamentos que você
utiliza diariamente. Seja prático e
organizado: assim fica fácil encontrar
os utensílios na hora em que
precisar.
3. Limpeza
Manter limpo o ambiente é a
fórmula do sucesso! Elimine as
fontes de sujeira ou os objetos
estranhos do local e deixe o lixo
fechado, fora da área de produção.
4. Asseio
Quando a gente tem saúde, tudo
fica mais fácil. Portanto, cuide de seu
corpo, mente e da sua aparência
externa.
5. Autodisciplina
Tudo aquilo que der certo deve ser
mantido. O que deu errado deve ser
corrigido sem medo de mudar. O
importante é criar o hábito de
observar e seguir as orientações à
risca.
Dicas extraídas do Manual de
Segurança e Saúde no Trabalho –
Indústria de Panificação, do Sesi-SP. Os
interessados em adquiri-lo devem ligar
para (11) 3834-0664 ou enviar email para
[email protected]
15
Cyan Magenta Yellow Black
Artigo
A Previdência social e seus critérios
de avaliação para doenças
relacionadas ao trabalho
Dicas para o empresário evitar problemas e eventuais
indenizações:
- Se o NTEP for caracterizado, a empresa tem quinze dias para
fazer a contestação;
Desde 1° de abril de 2007 está em vigor o Nexo Técnico
Epidemiológico Previdenciário (NTEP), um benefício concedido aos
trabalhadores afastados por doenças consideradas laborais por
presunção epidemiológica, ou seja, a patologia de um trabalhador
está relacionada ao Código Nacional de Atividade Econômica (CNAE).
A Previdência dedicou-se quatro anos à elaboração deste cruzamento.
Até então, a instituição justificava a concessão dos auxílios a causas
médicas com base na perícia médica.
Se a Previdência indicar que o fato de trabalhar numa empresa x
aumenta o risco de desenvolver uma determinada doença, esta
patologia será qualificada como 'relacionada ao trabalho' e caberá à
empresa inverter o ônus da prova, ou seja, provar o contrário.
Vejo o NTEP com reservas, pois os dados que servem de parâmetro
para caracterizar o nexo foram estratificados por atividade econômica
e desprezaram variáveis, como região, idade, gênero, atividade ou
cargo. Além do surgimento de uma doença parecer unicausal, ou seja,
só o trabalho a provoca. Se tomarmos como exemplo a perda auditiva
induzida por ruído, ela só pode ser considerada doença ocupacional se
a exposição ao trabalho desencadear ou agravar o quadro. Só que o
comprometimento da audição também é resultante de exposição a
níveis elevados de pressão sonora em shows, estádios de futebol,
metrô, trem, envelhecimento do aparelho auditivo, traumas acústicos
motivados por explosões ou tiros e doenças congênitas ou adquiridas,
como rubéola e diabetes.
Relacionar uma doença ao CNAE 'confunde' a caracterização do
nexo, pois a patologia deveria estar relacionada a uma determinada
função ou atividade e não a uma atividade econômica, que é bastante
abrangente. Com isso, podemos até macular um determinado
segmento, relacionando a ele determinado nexo.
O NTEP também estabelece nexo presumido entre a Classificação
Internacional de Doenças (CID) e o CNAE para casos em que a doença
não é ocupacional ou não tem relação com a atividade – como a
diabetes em colaboradores que trabalham em panificadoras, por
exemplo -, mas deixou de fora atividades econômicas importantes,
como teleatendimento, fabricação de automóveis, entre outras.
14
- É preciso apresentar à perícia médica da Previdência o
Relatório Anual do PCMSO, que comprova a baixa incidência ou
a não incidência de determinadas doenças na empresa, o
PPRA;
Vitrine
Barras de cereais
A barra SupraSoy Laranja com Chocolate
possui 103 calorias, 7 g de proteína isolada
de soja, frutas desidratadas e 0% de
gordura trans. Cada caixa contém 20 barras
de 25 g cada. Josapar: 0800-531 800.
Creme vegetal
O creme vegetal Soya Lanche está
disponível em embalagens retangulares de
500g, em substituição aos potes redondos.
O produto não necessita de refrigeração
para armazenagem, facilitando o manuseio
e a estocagem.
Bunge Alimentos: 0800-7275 544.
Isotônico
O i9 Hidrotônico sabor tangerina é uma
bebida leve e que traz concentração
equilibrada de sais minerais. O lançamento
está disponível em garrafa proprietária de
500 ml e com modelo de tampa que facilita
o consumo em trânsito. Coca-Cola Femsa
Brasil: 0800-7271 100.
Bolos Premium
A linha Gold de Misturas para Bolos
Premium resulta em cremosidade e maciez
nos quatro sabores disponíveis: brownie
(faz petit gateau), chococo, limão cremoso
e fubá. Algumas de suas vantagens são
menor tempo de batimento, não esfarela e
evita desperdício. Pode ser encontrado em
embalagem de 5 kg.
Mauri: 0800-7033 699.
Chopp sem álcool
As padarias já podem oferecer aos seus
clientes a mais recente inovação da marca
Sol: o primeiro chopp sem álcool do País. A
sua fórmula foi desenvolvida para manter a
cremosidade e o aroma do Chopp Sol.
Coca-Cola Femsa Brasil: 0800-7271 100.
Cilindro
O Cilindro Automático Laminador foi
construído para serviços pesados e de
várias capacidades. Os seus cilindros são
de aço inox e todas as partes móveis são
montadas sobre rolamentos blindados. O
equipamento possui esteiras de transporte
em material sanitário atóxico branco,
sistema de coletor de farinha, temporizador
para programar tempos de trabalho,
sistema preciso de regulagem de espessura
da lâmina de massa e raspadores para
limpeza dos rolos. Eco: (11) 5563-2452.
- inexistência da exposição aos agentes nocivos acima dos
limites de tolerância; análise ergonômica; histórico detalhado
do trabalhador; levantamento bibliográfico relevante (livros
ou artigos indexados), além de outros materiais que possam
colaborar na defesa;
- Monte um arquivo de informações relevantes que, num
eventual problema de NTEP, sirva como prova. O exame
admissional, por exemplo, é a oportunidade de provar
eventuais patologias pré-existentes. Negligenciar este
processo é comprar um passivo sem necessidade;
- Se necessário, faça exames complementares para elucidar
eventuais dúvidas decorrentes do quadro de saúde do futuro
funcionário;
Picolé e Sorvete
O achocolatado da marca Nescau
transformou-se em picolé, chegando aos
pontos-de-venda com o preço sugerido de
R$ 1. Outra novidade é o sorvete Alpino,
produzido com base de creme de leite e
pedaços de chocolate Alpino. O lançamento
não contém glúten e gordura trans e está
sendo comercializado em pote de 1 litro.
Nestlé Sorvetes: 0800-7702 460.
Chocolate
Chipshow são gotinhas de chocolate ao leite
ou meio amargo resistentes a altas
temperaturas. Por conta disso, são ideais
para aplicação em cookies, muffins,
chocotones, entre outros produtos que vão
ao forno. O produto está disponível em
embalagens de 1 kg e 8 kg.
Harald: (11) 4156-9002.
- Peça ao médico do trabalho que faça uma boa anamnese com
o funcionário: cheque se ele tem atividades extra laborais, se
pratica atividades físicas, quais os seus hobbies, se faz uso de
medicamentos e se possui algum tipo de vício;
- Estabeleça uma rotina de exames médicos periódicos. Assim,
será possível fazer o diagnóstico periódico, reversão ou
estabilização de um quadro de saúde que, futuramente, pode
virar um grande problema;
- Crie e implante programas preventivos. De nada valem as
ações se elas estiverem, apenas, no papel;
- Prevenir é sempre a melhor medida. Problemas relacionados
à saúde e segurança geram impactos, muitas vezes
irreversíveis, sobre a imagem da empresa com todos os seus
stakeholders.
Antonio Carlos Vendrame é engenheiro de segurança do
trabalho; perito da Justiça do Trabalho, Cível e Federal; e diretor da
Vendrame Consultores Associados. Contatos – site:
www.vendrame.com.br, email: [email protected] e fone:
(11) 2262-4733.
Casa Paulista
Distribuidora Exclusiva em
São José do Rio Preto e Região
RaulConfeitarias
Concer
Produtos para Padarias,
e Sorveterias
(17) 4009 2000
Rua XV de Novembro, 2710 - Centro
CEP: 15015-110 - São José do Rio Preto - SP
11
Cyan Magenta Yellow Black
Entrevista
O ano positivo da panificação brasileira
aconteceu em Dracena e contou com a presença de aproximadamente
120 panificadores da cidade e região. Para uma cidade com 12 padarias,
este número é extraordinário. Em São José do Rio Preto, que é uma
cidade maior, tivemos 400 panificadores.
Equipamento
Equipamentos
acompanham as
exigências
do mercado
JP – O mesmo pode ser dito do Propan?
Alexandre – O Propan foi criado em 2000 com o objetivo de melhorar a
gestão das padarias e o desempenho dos empresários que operam no
segmento. Hoje, cerca de 4 mil padarias no Brasil já fizeram Propan, que
é um curso com duração de 7 meses e que o dono padaria fica
totalmente voltado para a escola. Essas empresas, hoje, experimentam
um resultado operacional na média de 20%.
JP – A ampliação de uma padaria leva à melhoria da loja vizinha?
Alfredo Carreira (Aipesp)
e Alexandre Pereira (Abip)
O setor de panificação e confeitaria é realmente vencedor. Talvez
não seja nem arriscado dizer inabalável, pois mesmo após enfrentar
duas crises em 2008, a do trigo e a mundial, uma em cada semestre,
manteve-se praticamente intacto, conseguindo inclusive fechar o ano
positivamente.
Para entender e enfatizar esta evolução significativa da categoria, a
redação do JP convidou dois líderes da panificação brasileira: Alfredo
Carreira, presidente da Aipesp, e Alexandre Pereira, presidente da Abip.
JP – Alexandre, como o setor de panificação fechou o ano?
Alexandre – O segmento registrou resultados dos mais positivos. O
faturamento cresceu 12%, em relação a 2007, saltando de R$ 39,61
bilhões para aproximadamente R$ 44,36 bilhões. O número de
freqüentadores de loja/dia saltou de 36,4 milhões para 44,24 milhões.
Também tivemos aumento do número de lojas em 20,8%, passando de
52.286 para 63.200; e de postos de trabalho, que cresceu 21,5%,
subindo de 624 mil para 758.448 no mesmo período.
JP – E como ficou o consumo per capita de pão no Brasil?
Alexandre – A Abip registrou aumento de consumo brasileiro per capita
de pão de 1,5%, crescendo de 33 kg para 33,5 kg anuais por habitante,
o que ainda é muito baixo se compararmos com outros países.
JP – Podemos dizer, então, que a panificação brasileira passou
ao lado da crise do trigo e mundial?
Alfredo – Não exatamente. No mês de outubro, por exemplo, houve
redução no faturamento de 20%. Mas foi com a crise que tivemos a
plena certeza de que o setor está fortalecido.
Alexandre – Concordo com o Alfredo. Nós estamos no ano da maior
crise que já tivemos nos últimos 20 anos. Iniciamos 2008 com a crise do
trigo, entre março de 2007 e abril de 2008, período em que tivemos um
aumento de 100% da farinha de trigo e com possibilidade de
desabastecimento naquele momento. Mesmo com esta crise,
conseguimos baixar o quilo do pão francês de R$ 6,20 para R$ 5,90
(média nacional), na época fizemos até um acordo com o Guido
Mantega. E como resposta, o governo desonerou o PIS/Cofins da farinha
de trigo, do pão francês. Vale ressaltar que na história da panificação, o
setor nunca baixou o seu preço. Estávamos firmes com isso e agora no
segundo semestre veio a crise mundial. Conseqüentemente, a farinha
de trigo está aumentando de novo, não ao patamar que chegou em abril,
mas está tendo um aumento considerável. Nós fizemos um acordo em
não aumentarmos o valor do pão até o final do ano. Mesmo porque, a
nossa expectativa era de que o dólar se estabilizasse em torno de R$
2,10, porém está chegando a quase R$ 2,50. Se esta média se mantiver,
certamente teremos aumento para o próximo ano. Mas vamos aguardar
até o final do ano.
JP – Alfredo, você acredita que as convenções da Aipesp
contribuem para a evolução do setor?
Alfredo – Não tenho dúvida. Este ano, realizamos quatro convenções e
todas elas, sem exceção, foram sucesso absoluto. Os convidados já
queriam saber quando será a próxima. A última edição, por exemplo,
12
Alexandre – Com certeza. No caso das padarias capacitadas pelo
Propan, o raio de influência das 4 mil padarias pode ser multiplicado por
três. Se eu faço Propan e melhoro a minha padaria como um todo,
certamente as padarias próximas a mim, mesmo que não fizeram o
curso, melhorarão o seu negócio para concorrer com a minha. Então,
empiricamente, o setor começa a melhorar. Nos últimos oito anos, entre
25% e 30% das padarias brasileiras tiveram melhora significativa em
suas lojas por conta disso.
JP – A Aipesp atingiu as suas metas propostas para 2008?
Alfredo – Foi melhor do que esperávamos. Quando o setor trabalha
unido, já diz o ditado: unidos venceremos.
JP – Dentre os esforços realizados pela Abip em 2008, quais você
destaca Alexandre?
Marco Antônio Coelho, presidente
da Abiepan: “Graças ao
intercâmbio entre as empresas de
equipamentos e seus clientes que
as máquinas estão mais seguras,
compactas e com múltiplas
funções”.
Nos últimos anos, o segmento de padarias deu um salto de
qualidade com a modernização das lojas. Os investimentos na copa,
na oferta de uma gama de opções de refeições e lanches,
conseqüentemente, favoreceu, o setor de equipamentos e
acessórios.
De acordo o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de
Equipamentos para Panificação, Biscoitos e Massas Alimentícias
(Abiepan), Marco Antonio Coelho, as empresas de equipamentos e
acessórios vêm acompanhando de perto esta evolução, quer no
concerne à qualidade dos equipamentos oferecidos, como no nível
de exigência dos clientes. “O nosso setor cresce e se aperfeiçoa
constantemente, sempre em busca por produtos cada vez melhores.
Por isso digo que ambos os setores serão sempre progressistas e
inovadores”, explica ele acrescentando que os acessórios têm
atendido, inclusive, os padrões de higiene previstos. “Existe um
projeto para 2009 de se criar uma norma padrão que trate dos
materiais empregados e formas de construção para os acessórios de
panificação”, relata.
Devido à evolução da panificação, Marco Antônio conta que as
exigências por parte dos panificadores aumentaram. Antigamente,
a busca era por bons produtos. Diferente de agora que também
visam uma boa assistência técnica, eficiência energética,
produtividade, otimização do espaço ocupado e segurança para o
usuário do equipamento. “Para acompanhar de perto as exigências
e necessidades do mercado, sempre que possível, os
representantes de cada empresa visitam os seus clientes. As feiras
do setor são outro meio para ouvir as sugestões”, explica ele.
E Foi graças a esse intercâmbio que os associados da Abiepan
apresentaram na Fipan deste ano as três principais tendências do
segmento: compactação dos equipamentos, visto que hoje o
fator espaço é de fundamental importância, principalmente pelo
elevado custo da área ocupada por um estabelecimento;
multiplicação das funções de um equipamento, visando
diminuir o custo da mão de obra; e sistemas de segurança.
Para 2009, a Abiepan prevê o estudo das Normas para
modeladoras e fatiadoras de pães, item este que tem recebido
especial atenção pela entidade, que hoje lidera uma Comissão de
Estudos ativa junto à Associação Brasileira de Normas Técnicas
(ABNT). “As normas estudadas para amassadeiras e batedeiras
planetárias já estão em fase de consulta nacional, assim como a
revisão da NBR 13865, de cilindros para massas, está sendo
finalizada”, comenta ele. A associação também pretende avançar no
programa de promoção comercial no exterior por meio da parceria
Abiepan e Apex Brasil, além de iniciar o programa de eficiência
energética para fornos elétricos em parceria com o Inmetro.
Alexandre – Eu destaco o pleito (acatado pelo governo federal) de
redução do PIS/Cofins incidente sobre o trigo e derivados, a isenção da
TEC para importação de trigo de países não integrantes do MERCOSUL e
a suspensão do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha
Mercante (AFRMM), que reduziram substancialmente o preço da
matéria-prima para as padarias.
JP – No início da nossa entrevista, Alexandre, você comentou
que a Abip está preparando algumas ações para se livrar da
crise. Você pode adiantar algumas?
Alexandre – Claro que sim. Nós fechamos parceria com a empresa 3D
Impact Media para trabalhar com mídia indoor. À princípio, 25 padarias
de São Paulo já receberam a TV de plasma de terceira dimensão, mas
pretendemos ampliar este número para 100 lojas. Dessa forma, as
padarias poderão apresentar aos clientes o seu vídeo institucional, mas
sem áudio, assim como os produtos expostos na loja em promoção,
estimulando inclusive o aumento do ticket médio. Se o panificador
quiser, ele pode inclusive comercializar o espaço com algum fornecedor.
A Abip também criará o Programa Padaria, que será transmitido em
canal aberto e também via essas TVs; e o curso de capacitação à
distância. Na realidade, apenas resumi as ações, mas cada uma delas é
bem interessante e utilizaremos os veículos de comunicação para
informar os panificadores, além do nosso site www.abip.org.br.
JP – Quais as perspectivas para 2009?
Alfredo – As melhores, com certeza. Em março de 2009 haverá nova
eleição, mas independente disso, acredito que a Aipesp continuará
apoiando as entidades locais, para que possamos fortalecer o setor cada
vez mais. Na próxima reunião, agendaremos as convenções a serem
realizadas em 2009.
Alexandre – O Alfredo falou tudo. Assim como a Aipesp fortalece as
regiões que a entidade abrange, a Abip também trabalha para isso. Sem
o apoio das entidades associadas à Abip, não conseguiremos realizar um
bom trabalho. Ou seja, se nossas ações estão dando certo, é porque
todos estão trabalhando em prol de um setor em franca expansão.
Estamos comemorando um segmento com musculatura definida para
continuar crescendo nos próximos anos.
13

Documentos relacionados