Samaritano 1_4.qxd - Hospital Samaritano

Сomentários

Transcrição

Samaritano 1_4.qxd - Hospital Samaritano
Samaritano 1_4.qxp
4
9/2/2009
15:48
Page 1
Goiânia, setembro de 2007
Atenções básicas de saúde previnem
veias com paredes mes varizes, ou veias
nos resistentes, até as
varicosas, são veias
ocupacionais, como,
dilatadas, com vopor exemplo, a longa
lume aumentado, que fipermanência sentada
cam tortuosas e alongadas
ou parada em pé. Tamcom o decorrer do tempo.
bém são importantes
Podem se apresentar de difatores desencadeanversas formas: apenas como minúsculas linhas Jonivan Siqueira tes, a obesidade (ganho
significativo de peso), o
avermelhadas serpentinode Oliveira uso de anticoncepciosas (telangiectasias) ou
nais hormonais, a vida
mais calibrosas azuladas, CRM 8551
sedentária, o tabagisou ainda como grandes Angiologista
mo e muitas gestações,
condões varicosos que salque resultam na acutam o plano da pele. Para quem já
está pensando na saia e no biquíni mulação de varizes.
de verão, ainda é tempo de tratar. A
seguir, confira informações sobre a Predominância e complicações
A ocorrência de varizes predoença, com o angiologista e cirurgião vascular Jonivan Siqueira domina no sexo feminino e nos
membros inferiores. Normalde Oliveira.
mente, o fator estético, a beleza
plástica, é o que mais preocupa.
Causas das varizes
São múltiplas as causas das va- No entanto, a variz é uma doenrizes, desde a mais relevante, que ça que, se não tratada, pode deé a genética (questão familiar), sencadear grandes problemas
onde herda-se a tendência a ter de saúde. As veias dilatadas
A
varizes
provocam dor, cansaço, câimbra, formigamentos e inchaço.
Dentre as complicações decorrentes das varizes, podemos citar a tromboflebite (coagulação
do sangue no vaso varicoso superficial), a formação de pigmentação (manchas) na perna
(dermatite ócrea), a insuficiência venosa crônica (inchaço na
perna e dores persistentes) e
trombose venosa profunda.
Prevenção
São importantes as atenções
básicas de saúde em geral, como a prática de atividades físicas regular de baixo impacto
(natação, hidroginástica e caminhada etc), a manutenção
do peso adequado e a adoção
de uma dieta saudável e rica
em fibras e líquidos. No período de gestação, é importante o
acompanhamento do médico e
o uso regular da meia elástica
de compressão.
Tratamento
Para tratar as varizes de pequeno calibre, existem a escleroterapia
química (feita com glicose, único líquido esclerosante que é natural. É
a mais utilizada, bastante segura e
com ótimos resultados) e aquelas
feitas através do método a laser (microvarizes e telangiectasias, para face e pés. Há melhores resultados
quando combinada com as aplicações com glicose). As microcirurgias são realizadas para as varizes
de médio calibre, que são aquelas
em que não se deve aplicar esclerosante ou laser pelo risco de hiperpigmentação. As cirurgias ficam reservadas para as varizes de maior
calibre. Esse procedimento é feito
com minúsculas incisões e a utilização de agulhas tipo crochê. Habitualmente não necessitam de sutura. Técnicas avançadas, novos equipamentos e tecnologias garantem
segurança e eficiência no tratamento. Procure o seu cirurgião vascular/angiologista.
Ano 1. Nº 6. setembro de 2007.
C
om a meta de buscar cada vez mais melhorar a
qualidade de assistência
ao usuário e as condições de trabalho dos profissionais, o Hospital Samaritano está desenvolvendo um projeto voltado para a
Humanização Hospitalar, que
inclui uma série de reformas já
iniciadas. Com a iniciativa, a diretoria do hospital pretende
proporcionar um ambiente
mais agradável, onde as atividades diárias sejam desenvolvidas de forma mais harmoniosa e
resultem no melhor atendimento ao paciente.
Atualmente, a melhoria da
qualidade e a humanização do
atendimento são indispensáveis
para o hospital, que está sintonizado com as novas práticas da
atualidade. Especialistas que
trabalham com essa nova cultura afirmam que a mudança do
ambiente hospitalar traz benefícios como a redução do tempo
de internação e aumento do
bem-estar geral dos pacientes e
Análise crítica da RDC 45
Discutindo os sistemas fechado
e aberto de soluções parenterais
Y
NUTRICIONISTA LORENA BRAGA FERREIRA
MACHADO CRN 3755 - nutricionista do
Comercial da PSH - Nutri
A população de Goiânia será beneficiada,
em breve, com um novo serviço de Saúde
que disponibilizará aparelhos de última
geração para oferecer atendimento marcado pela excelência. Trata-se do Centro
de Cardiologia Clínica e Intervencionista
Cardiovascular que será inaugurado no
Hospital Samaritano, sob a responsabilidade dos especialistas Dr. Roberto Freire e
Dr. João Nicolau. Aguarde!
K
FARMACÊUTICA ANA CLÁUDIA BATISTA
CAMPOS CRF 5138 - coordenadora de Produção
da PSH - Nutri
Serviço de qualidade
C
nos metabólicos no paciente. A possibilidade de se adicionar à nutrição industrializada os elementos faltantes
vai contra o que dita a RDC 45, porque
poderia implicar na contaminação do
sistema. Contrapondo-se, a bolsa de
nutrição personalizada oferece ao
prescritor a oportunidade de planejar
melhor a terapia, priorizando as verdadeiras necessidades do paciente.
Na utilização e manipulação de nutrições parenterais e enterais, a segurança em todas as ações é primordial e necessita da atuação conjunta de uma
equipe multiprofissional para definir os
procedimentos a serem adotados. Entendendo assim, a PSH - Nutri entregase ao desafio de manter a confecção de
nutrições manipuladas dentro dos padrões estabelecidos pela RDC 45 - sistema fechado, engajando-se na luta em
prol do seu maior objetivo: garantir a
saúde a seus pacientes.
M
A
RDC 45 existe desde 2003 e agora
desperta mais atenção, porque o
cumprimento das novas regras,
que valem a partir de 2008, exige um posicionamento crítico, com ações práticas. A RDC 45 regulamenta a utilização
de soluções parenterais em serviços de
saúde, trazendo como foco principal a
troca do sistema aberto pelo sistema fechado de utilização de soluções parenterais em serviços de saúde.
Sob o foco comercial, o sistema aberto permite prescrições individualizadas,
adequadas às necessidades do paciente,
enquanto no sistema fechado as prescrições são firmadas em formulações préestabelecidas - fixas. À luz do que define
a RDC 45, no sistema fechado as soluções parenterais não entram em contato
com o meio ambiente, durante o preparo e a administração, enquanto no sistema aberto existe esse contato.
Do ponto de vista nutricional, a
composição das bolsas industrializadas é fixa quanto ao volume e ao
conteúdo de macronutrientes e eletrólitos, não contendo vitaminas e oligoelementos. Em longo prazo, seu uso
sem administração dos elementos que
faltam pode causar desnutrição e da-
Samaritano
aposta na humanização
da auto-estima dos funcionários, com diminuição das faltas de trabalho
entre a equipe de saúde.
Esses estudiosos afirmam que se trata de um
processo que vai aos poucos determinando o surgimento de instrumentos
capazes de facilitar o trabalho e a convivência social, na busca de melhores resultados. No Brasil, as discussões
sobre o tema conseguiram um
resultado de peso com a instituição, em 200l, através de Medida
Provisória, do Programa Nacional de Humanização da
Assistência Hospitalar (PNHAH). O projeto de humanização da atenção e da gestão
em saúde, que passou a ser
uma política nacional e recebeu a denominação de HumanizaSUS em 2003, é desenvolvido pelo Ministério da
Saúde e propõe mudanças no
modelo de gestão no Sistema
Único de Saúde (SUS).
Samaritano 2_3.qxp
2
9/2/2009
15:48
Page 1
Goiânia, setembro de 2007
Goiânia, setembro de 2007
Artigo
Réveillon em
editorial
Araxá
L
ocalizada no Triângulo Mineiro, em Minas Gerais, a cidade de
Araxá é uma das sugestões de viagem de fim de ano da AtivaIdade Turismo (fone 62-3945-2702).
1º DIA - 29/12 (sábado) - Goiânia / Araxá (490 km)
Saída às 7 horas da Praça do Sol. Durante a viagem, atividades recreativas e lanche de bordo. Parada para almoço (não incluído).
Chegada, recepção e hospedagem. Passeios em seguida e, após o
jantar (incluído), caminhada digestiva.
A importância do psicodrama
em grupos terapêuticos com pacientes
oncológicos e seus cuidadores
conteúdos que o oportunizassem explorar
suas dores latentes, sua sensibilidade e receios. Ele almejava, além de sua “cura física”,
relacionar-se com a saúde mais desejada e
aclamada - a saúde da alma, das palavras
não ditas, dos temores repreendidos.
Em contato com a teoria moreniana, a psicoterapeuta também pôde perceber que outro
grande legado deixado pelo pai do Psicodrama
(Jacob Levy Moreno) é pertinente à cura através da ação, compreendida no seu sentido
mais amplo: ação física, mental e emocional.
O psicodrama ensina que somos responsáveis
pela nossa vida, pelo nosso drama e história, e
é através da nossa ação que reescrevemos nosso roteiro e redirecionamos nossa vida.
O papel da psicodramista não é agir pelo
paciente, mas orientar, acompanhar e conscientizá-lo neste caminhar rumo a si mesmo,
utilizando ou mobilizando não só a psique,
mas o EU fisiológico (corpo), psicológico e social. Desse movimento percebe-se que a mudança terapêutica revela-se no paciente/cuidador através do novo desempenho de papéis,
não mais cristalizados, enfim, funcionais, ade-
quados e criativos, levando-o à espontaneidade que favorece a saúde e autenticidade, o verdadeiro homem saudável
de Moreno.
Discorrer sobre o tema saúde e doença, enfocando o
câncer, seu tratamento, acompanhamento psicológico, fatores que ajudam a melhorar a conduta do paciente frente
à doença, sua luta por mudança e melhora, foi, sem a menor dúvida, um dos momentos mais gratificantes que a psicoterapeuta pôde experimentar em termos profissionais,
haja vista que ela atua na área da psicooncologia e considera esse campo de valor inestimável!
Assim como percebeu Moreno, ao iniciar seu trabalho
com grupos, o maior ganho que as pessoas tinham era que
umas beneficiavam as outras, também assim o fez a psicoterapeuta: percebeu que a cada reunião realizada os membros interligavam-se cada vez mais, ajudavam-se, compartilhavam suas experiências; as mudanças iam sendo possibilitadas. No grupo, cada pessoa ajuda a outra e, ao final, o
que se tem é um grupo fortalecido e próspero. Sendo essa,
então, a essência plantada por Moreno e agora disseminada pela psicodramista diretora desse grupo.
RITA DE CÁSSIA REIS RABELO JÁCOMO - psicóloga,
psicodramista, responsável pela Psicologia Clínica e
Departamento de Recursos Humanos do Hemolabor
Y
K
Observação: Cabe ressaltar que a paciente descrita nesse trabalho monográfico - “Márcia” -, comparece regularmente à manutenção de seu tratamento oncológico e que, sempre que assim o procede,
comparece também à reunião grupal psicoterapêutica, tendo sido a última vez no dia 04-09-2007, apresentando-se em excelente estado de saúde, tanto físico, quanto mental.
C
S
abemos da expectativa em relação à
projeção de crescimento do Samaritano, mas a resposta não é fácil. Dentro das
possibilidades, estamos desenvolvendo, de
forma gradativa, projetos que atingem UTI,
centro cirúrgico, internação etc. Mas, hoje,
são grandes as dificuldades dos hospitais,
que atuam com percentual de 90% de
clientes de convênios
que remuneram mal os Dr. Americano
procedimentos, atra- Guimarães Rosa
sam os pagamentos, Diretor do Hospital
Samaritano
glosam contas etc.
Em função disso,
foi criada uma associação de classe, chamada AHPACEG,
que conseguiu em curto espaço de tempo várias alterações de tabelas de preço.
A interferência do Ministério Público,
que defende o consumidor, também ajudou nas negociações. Mas persistem
problemas, como, por exemplo, as glosas, que, acreditamos, serão resolvidos
com o diálogo AHPACEG/ convênios,
sob a hábil e sábia direção do Dr. Luiz
Mauro (Hospital Santa Helena).
Outro problema dos hospitais é a carga tributária, que traz dificuldades de
fluxo de caixa. Alguns médicos, especialmente os anestesistas do SAS (Serviço de
Anestesia Samaritano), com recursos
próprios, trazem benefícios para o Samaritano, com contrapartida na exclusividade de serviços, ou seja, a fidelização de
trabalho por parte dos cirurgiões com
esses anestesistas. Este trabalho, se desempenhado com o Samaritano por outros médicos (fidelização), gerará lucros e
melhor entendimento.
Acredito muito no grupo Samaritano,
sócios e colegas, e juntos faremos o necessário. Mais que este trabalho, é bom
lembrar que a união, a ética e o entendimento de todos os envolvidos serão a força maior e o que fará a diferença. Contamos com a colaboração de todos!
O
M
A força da parceria
trabalho monográfico apresentado
nas duas edições anteriores desse jornal será então, agora, concluído. Tal
trabalho foi desenvolvido dentro do laboratório Hemolabor, Goiânia-GO, o qual oferece,
dentre muitas outras especialidades, o serviço
de psicooncologia. O caso clínico descrito nessa monografia ilustrou a eficácia da utilização
do psicodrama como teoria e método de tratamento, alcançando, assim, o objetivo desse estudo. Segue-se então, a conclusão:
Atenta a cada momento do grupo e procurando agir de acordo com o que ele precisava, a psicoterapeuta, no papel de diretora,
põde acompanhar a experiência ali
vivida, priorizando sua manutenção e
o desenvolvimento da coesão interna.
O vínculo terapêutico fortalecido ofereceu condições, manteve e estimulou uma
relação adequada, que teve como frutos o
desenvolvimento e o crescimento emocional, tanto dos pacientes/cuidadores quanto
da psicoterapeuta.
O psicodrama levou o paciente a adquirir
cada vez mais consciência do seu drama, de
perceber-se no mundo, reconhecendo os papéis que evitava ou desempenhava sem espontaneidade-criatividade. Deste modo, permitiu-se a recriação da identidade de todos os
membros do grupo.
A partir do que foi exposto no trabalho, pode-se concluir que o homem adoece e atinge
sua cura na relação - com o outro e consigo
mesmo. Assim sendo, dentro do grupo, o paciente teve dupla chance de encontrar sua
“cura”. Teve oportunidade de reencontrar-se e,
ao mesmo tempo, conceber o próximo, de
uma forma ampliada para além dos limites
câncer e não câncer. O paciente/cuidador recebeu e ofereceu oportunidades inerentes ao
grupo, permitindo-se levar para lá conteúdos mais íntimos seus. Ele extravasou os limites do câncer, percebeu-se, viu-se como
um ser humano que buscava tratar-se e não
tratar somente sua doença. Desse modo,
quando sentiu-se acolhido, tranqüilo e
confiante, começou a levar para o grupo
3
2º DIA - 30/12 (domingo) - Dia livre
Café da manhã, caminhada pelas trilhas da Estância do Barreiro,
alongamento na área da piscina com monitor, hidroginástica e jogos aquáticos, almoço incluído. À tarde, passeio pelo Lago de
Caiaque ou Pedalinho, massagem de pedras quentes nas Termas. Á
noite, um drinque no Scotch Bar.
3º DIA - 31/12 (segunda-feira) - City tour e réveillon
Café da manhã, passeio com visita a locais como Museu Sacro, Igrejas, Museu Histórico de Araxá (Dona Beja) e Árvore dos Enforcados,
parada para compras, almoço (incluído). À tarde, massagem seguida de banho na piscina Emanatória de água mineral aquecida a 37º.
À noite, ceia e baile de réveillon.
4º DIA - 01/01/08 (terça-feira) - Retorno a Goiânia
Na primeira manhã de 2008, será servido um delicioso brunch. Às
14 horas, retorno a Goiânia, com chegada e desembarque na Praça
do Sol.
Informativo
n Ecocardiograma fluxo em cores
n Endoscopia digestiva
n Gastroplastia
n PH Metria
n Eletrocardiograma
HOSPITAL SAMARITANO DE GOIÂNIA
FONE: (62) 3237-1700 / FAX: (62) 3237-1830
Pça. Walter Santos nº 1, Setor Coimbra, Goiânia-GO
site: www.hospsamaritano.com.br
email: [email protected]
PRONTO-SOCORRO: 3237-1700
n Serviços de Oncologia
n UTI (geral)
n Internações (suíte, apartamento e
enfermaria)
n Queimaduras
n Raio X convencional e constrastado
Jornalista responsável
Augusta Araújo
Comercialização
Rose Mary C. Luiz
n Tomografia computadorizada
n Ultra-sonografia
n Duplex Scan
n Análise Clínica
Avenida Perimetral
nº 1,060, Apt. 2,
Setor Coimbra
Fone/Fax: (62) 3941 7676
n Citologia
n Anatomia Patológica
n Hemodinâmica