Relatório Final - Agronegócio e Educação

Сomentários

Transcrição

Relatório Final - Agronegócio e Educação
RELATÓRIO FINAL DE TRABALHO
GRUPO JOSÉ DE ALENCAR
PROGRAMA APÓSTOLOS DA INOVAÇÃO
Fortaleza/CE – Julho/2012
1
SUMÁRIO
Sumário................................................................................................................................................................. 2
Objetivos ............................................................................................................................................................... 5
Contatos ............................................................................................................................................................... 6
Introdução ............................................................................................................................................................ 7
Análise Setorial e Desafios- Setor: Agronegócios................................................................................................9
Análise Setorial: Agronegócios ................................................................................................................... 10
Subsetores.........................................................................................................................................13
Banana .............................................................................................................................................. 13
Carnaúba........................................................................................................................................... 16
Leite .................................................................................................................................................. 19
Tilapicultura ...................................................................................................................................... 21
Cajucultura........................................................................................................................................ 27
Camarão............................................................................................................................................ 34
Floricultura........................................................................................................................................ 35
Apicultura ......................................................................................................................................... 39
Análise Setorial e Desafios- Setor: Educação .....................................................................................................44
Análise Setorial: Educação .......................................................................................................................... 45
Educação Básica .................................................................................................................................. 46
Educação de Jovens e Adultos - EJA....................................................................................................50
Educação Superior..............................................................................................................................51
Ensino Profissionalizante....................................................................................................................53
Educação de Nível Mundial no Brasil .................................................................................................54
Educação Livre ...................................................................................................................................59
Mapeamento...................................................................................................................................60
Validação.........................................................................................................................................62
Benchmarking Educação....................................................................................................................................68
Análise dos Desafios e Startups..........................................................................................................................75
Subsetor: Fruticultura ................................................................................................................................. 76
2
STARTUP: ........................................................................................................................................... 76
STARTUP: ........................................................................................................................................... 77
STARTUP: ........................................................................................................................................... 77
STARTUP: ........................................................................................................................................... 78
Subsetor: Apicultura ................................................................................................................................... 79
STARTUP: .............................................................................................................................................. 80
Subsetor: Piscicultura (Tilápia) ................................................................................................................... 80
STARTUP:............................................................................................................................................... 80
STARTUP:............................................................................................................................................... 81
STARTUP:............................................................................................................................................... 81
STARTUP: .............................................................................................................................................. 82
Subsetor: Carcinicultura ............................................................................................................................. 82
STARTUP:............................................................................................................................................... 82
STARTUP: ............................................................................................................................................... 83
STARTUP: ............................................................................................................................................... 83
Subsetor: Pecuária (leite) ............................................................................................................................ 84
STARTUP: ............................................................................................................................................... 84
Subsetor: Floricultura ................................................................................................................................... 84
STARTUP: ............................................................................................................................................... 85
STARTUP: ............................................................................................................................................... 85
STARTUP: ............................................................................................................................................... 86
Subsetor: Carnaúba ........................................................................................................................................ 86
STARTUP: ................................................................................................................................................ 86
STARTUP: ................................................................................................................................................ 87
STARTUP: ................................................................................................................................................ 88
Subsetor: Educação ......................................................................................................................................... 88
STARTUP: ................................................................................................................................................. 88
STARTUP: ................................................................................................................................................. 89
STARTUP: ................................................................................................................................................. 90
3
STARTUP: .................................................................................................................................................. 90
STARTUP: .................................................................................................................................................. 91
STARTUP: .................................................................................................................................................. 91
CONCLUSÕES ...................................................................................................................................................... 92
AGRADECIMENTOS ............................................................................................................................................. 92
REFERÊNCIAS ...................................................................................................................................................... 93
4
OBJETIVOS
Os objetivos definidos para o grupo José de Alencar são:



Realizar a análise de dois setores (Agronegócios e Educação) da economia cearense;
Identificar os principais desafios e oportunidades de negócios de cada um dos
setores estudados;
No setor de educação, definimos como objetivo principal a validação da etapa
presencial do Projeto Educação Livre.
5
CONTATOS
Tabela 1: Nomes e contatos dos Membros do Grupo José de Alencar, ligado ao Projeto Apóstolos da Inovação.
Membros
Ana Kelle
Antonio Cesar
Natan Franco
Saulo Martins
Email
[email protected]
[email protected]
[email protected]
[email protected]
Telefone
(85)88509473
(12) 81328211
(12) 81956659
(12) 8182-9392
Skype
acesarcunha
natanfranco
saulo.mart.c
Tabela 2: Nomes e contatos dos Mentores do Grupo José de Alencar, ligado ao Projeto Apóstolos da Inovação.
Mentores
Júlio Alves
Pedro Souza
Felipe Cavalcante
Jonâthas Alverne
Email
Telefone
[email protected]
(61)82878383
[email protected] (11)81254494
[email protected]
[email protected]
(11)92509993
Skype
pha.souza
jonathas.alverne
6
INTRODUÇÃO
O grupo José de Alencar estudou, indentificou desafios e apresentou oportunidades de
negócios para os setores de Agronegócios e Educação dentro da conjuntura econômica do Ceará.
Isso foi feito principalmente a partir de quatro frentes: pesquisa sobre os setores em entidades como
IPECE, IBGE e associações de classses; visita às empresas referências nas áreas, como Embrapa e
Secretaria de Educação; entrevistas com pesquisadores e empresários dos setores e discussões nos
grupos. A metodologia adotada para o trabalho para abordar essas frentes está especificada no
fluxograma abaixo.
Figura 1: Metodologia usada pelo grupo para executar o trabalho
No primeiro momento foi feita uma reunião de alinhamento onde os times receberam os
setores da economia cearense a serem estudados.
Tendo em vista que os dois setores definidos para o grupo são muito abrangentes, o grupo
decidiu dividí-los em subsetores e realizar um estudo prévio dos mesmos para iniciar os trabalhos. O
setor de Agronegócios ficou dividido em: Fruticultura (caju e banana), Pecuária (leite), Psicultura
(tilápia), Apicultura (mel) e o Extrativisto de Carnaúba. O setor de Educação ficou dividido em:
Educação Básica e Fundamental, Superior, Profissional e Elearning. Os estudos serviram tanto para
identificarmos os principais desafios dos subsetores como também para levantarmos as principais
referências nos setores Empresarial, Público e de Pesquisa.
7
Levantadas essas referências, foram realizadas visitas e encontros para conseguirmos
entender de perto quais são os principais problemas nos subsetores. A partir desse conhecimento,
foi possível listar os principais Desafios e Oportunidades de cada subsetor.
Lista feita, foi necessário fazer uma Análise de Viabilidade (sugestão: Matriz BCG com eixos x
investimento e y demanda) afim de entendermos quais os problemas que valem a pena serem
resolvidos. Após isso, sugerimos algumas soluções para os desafios e oportunidades que passaram
pela análise e disso surgiu o primeiro banco de ideias.
Nesse banco ainda precisávamos de mais um filtro para priorizarmos as ideais nas quais
investiríamos primeiro (sugestão: fazer uma análisa envoltória de dados criando um índice de
qualidade para cada ideia). Feito isso, conseguimos uma lista organizada de possíveis startups a
serem criadas, que é o output final desse primeiro estágio do trabalho.
8
ANALISE SETORIAL E DESAFIOS
SETOR – AGRONEGÓCIOS
9
ANÁLISE SETORIAL: AGRONEGÓCIOS
A cadeia produtiva do agronegócio é bastante extensa e dependente de vários setores da
economia estadual, nacional e mundial. O fluxo da cadeia de produção se inicia com os fornecedores
de insumos, que fornecem principalmente rações, adubos e medicamentos aos produtores
agropecuários, que por sua vez produzirão uma grande variedade de produtos naturais. Estes
produtos serão destinados ao setor agroindustrial para passarem por uma série de processos de
beneficiamento, que variam desde uma simples lavagem até modificações físico-químicas. Saindo da
indústria o produto já está pronto para o consumo e para que seja transportado para as prateleiras
dos supermercados para ser vendido ao consumidor final.
Já o fluxo de capital e informação acontece no sentido contrário ao de produção. O
consumidor compra os produtos da rede de distribuição varejista, que compram da rede de
distribuição atacadista, que por sua vez compram da indústria, que compra a matéria-prima dos
produtores, que finalmente compram os recursos agropecuários dos fornecedores de insumos. A
figura 1 apresenta a cadeia produtiva até então descrita.
Figura 2: Contextos holísticos do agronegócio (Fonte: IBGE – Produção Agrícola Municipal)
A cadeia produtiva do agronegócio do Ceará tem participação de 5,6% na formação do
Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Além dos produtos tradicionais, líderes da pauta de
exportações, como amêndoas de castanha de caju, lagosta e cera de carnaúba, outros produtos
estão abrindo mercados para exportações, como mel natural, sucos de frutas, pimenta, camarão,
frutas frescas e flores. A participação do País, na formação do PIB, é de 10,2%. Nas exportações, o
agronegócio brasileiro tem participação de 42%, enquanto o do Ceará chega a 52%. As exportações
do agronegócio brasileiro atingiram US$ 30,6 bilhões em 2003. O crescimento foi de 23,3% sobre
2002, cujo montante atingiu US$ 24,8 bilhões. O volume representou, também, 41,9% das
exportações totais do País, gerando saldo (exportações menos importações) de US$ 25,8 bilhões,
27% a mais comparando com 2002. [Diário do Nordeste].
10
Figura 3: Participação dos principais produtos exportados do agronegócio cearense, 3º trimestre de 2011.
(Fonte: MDIC)
A produção do setor agropecuário cearense no ano de 2011 foi de plena recuperação,
principalmente devido à regulação das chuvas durante o ano, o que causou um crescimento da
agricultura de sequeiro e um crescimento na agricultura irrigada, segundo a ADECE (Agência de
Desenvolvimento do Estado do Ceará).
Hoje a economia cearense não é mais totalmente baseada nas atividades agropecuárias,
porém, ainda existe um leque de atividades bastante diversificado e com crescente importância,
principalmente nos cultivos não tradicionais, como a produção de frutas, legumes e piscicultura no
Vale do Rio Jaguaribe e de flores na Serra da Ibiapaba. Ainda assim, algumas atividades tradicionais
mantêm a sua importância no cenário agropecuário do Estado, como a produção de castanha de caju
e ceras vegetais, principalmente a cera de carnaúba. A tabela 3 apresenta alguns dados do IBGE
sobre a produção agrícola na lavoura permanente a na lavoura temporária no Ceará em 2010.
Tabela 3: Quantidade de banana produzida no Ceará (Fonte: IBGE – Produção Agrícola Municipal)
Quantidade produzida no Ceará (2010)
Lavoura permanente
Quantidade
Lavoura temporária (t)
Quantidade
Banana (cacho) (Toneladas)
445.169 Cana-de-açúcar
Coco-da-baía (Mil frutos)
263.684 Mandioca
620.964
Maracujá (Toneladas)
159.886 Milho (em grão)
174.955
Mamão (Toneladas)
102.878 Melão
153.161
Urucum (semente) (Toneladas)
75 Tomate
2.306.004
114.564
11
Manga (Toneladas)
46.84 Feijão (em grão)
83.286
Castanha de caju (Toneladas)
39.596 Arroz (sem casca)
63.868
Laranja (Toneladas)
15.952 Melancia
50.324
Limão (Toneladas)
Uva (Toneladas)
8.339 Batata-doce
6.65 Abacaxi (Mil frutos)
15.277
11.451
Abacate (Toneladas)
4.163 Sorgo (em grão)
5.544
Café (em grão) (Toneladas)
3.224 Mamona (baga)
4.942
Tangerina (Toneladas)
2.207 Soja (em grão)
3.417
Como visto na Tabela 3, alguns produtos como a banana, o coco-da-baía, o maracujá, a canade-açúcar e a mandioca apresentam certo destaque quanto à quantidade produzida em 2010, sendo
grande parte deles destinado ao consumo interno e a outros estados do país.
Mesmo com o crescimento do uso de tecnologia, tanto na agricultura, através de projetos de
irrigação e utilização de máquinas, quanto na pecuária, principalmente através de melhoramento
genético, o Ceará ainda se apresenta, no cenário nacional, como um Estado que não investe em
tecnologia do campo. Uma prova disso é que 70% dos empregos oriundos da agropecuária são
absorvidos pela agricultura de sequeiro, como apresentado na tabela 4.
Tabela 4: Indicadores dos principais produtos da agropecuária. (Fonte: IBGE, SEAGRI-DAS, EMATERCE,
INSTITUTO AGROPOLOS, PERÍMETROS PÚBLICOS DE IRRIGAÇÃO, PRODUTORES;Elaboração: ADECE 2009:
Previsão)
.
O Ceará tem posição geográfica de destaque, pois se localiza a apenas algumas horas dos
principais destinos da Europa e dos Estados Unidos. Em termos de infraestrutura o Ceará conta com
apenas um aeroporto internacional (Aeroporto Internacional Pinto Martins, Fortaleza) e outros oito
regionais.
12
O porto do Pecém é um moderno terminal integrado ao Complexo Industrial e Portuário do
Pecém (CIPP), concebido com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento econômico do Ceará.
Suas instalações de acostagem contam com dois píeres: um destinado a produtos siderúrgicos, cargas
gerais e contêineres e outro destinado a granéis de líquidos, derivados e petróleo, onde se encontra
instalado o terminal de regaseificação da Petrobrás. O Complexo Industrial e Portuário do Pecém
(CIPP) está recebendo vários investimentos em infraestrutura que proporcionarão expansão nas suas
atividades. A confirmação da chegada de importantes empreendimentos, como a Refinaria de
Petrobrás Premium II, a Companhia Siderúrgica do Pecém, a termoelétrica e a ferrovia
Transnordestina, entre outros, fez da ampliação do CIPP uma necessidade estratégica.
O setor de agronegócios no estado do Ceará tem um grande potencial de crescimento para
os próximos anos. Todas as etapas da cadeia de produção podem ser melhoradas e adaptadas para
um crescimento da produtividade. Alguns desafios são crônicos, como os altos preços dos insumos, a
falta de mão-de-obra especializada e a falta de utilização de tecnologia no campo. Essas barreiras
podem ser superadas não só através de mudanças profundas e estratégicas nos setores da
economia, como através da transformação destes desafios em oportunidades de novos negócios.
SUBSETORES:
BANANA
As bananas constituem o alimento básico de milhões de pessoas em vários países em via de
desenvolvimento. Em 2005, a Índia liderou a produção mundial de bananas, representando cerca de
23% da produtividade mundial, sendo que a maioria se destina ao consumo interno. Os quatro países
que mais exportam são o Equador, a Costa Rica, as Filipinas, e a Colômbia, que somam cerca de dois
terços das exportações mundiais, exportando cada um mais de um milhão de toneladas. De acordo
com as estatísticas da Food and Agriculture Organization (FAO), só o Equador é responsável por mais
de 30% das exportações globais.
A maioria dos produtores por todo o mundo pratica agricultura de baixa escala e
de subsistência. Já que as bananas são frutas não sazonais, estando disponíveis durante todo o ano,
podem ser utilizadas durante as estações mais susceptíveis de escassez alimentar. É por esta razão
que o cultivo de banana tem uma grande importância em qualquer sistema sustentado de luta
contra a fome.
Nos últimos anos, a competição em nível de preços por parte dos supermercados tem
diminuído ainda mais as já baixas margens de lucro da maioria dos produtores de banana. As
principais empresas do ramo, como as americanas Chiquita, Del Monte e Dole e a irlandesa
Fyffes têm as suas próprias plantações no Equador, na Colômbia, na Costa Rica e Honduras. Tais
plantações exigem grande e intensivo investimento de capital e de know how, tornando os
proprietários das grandes e lucrativas plantações extremamente influentes em nível econômico e
político nos seus países, em detrimento dos pequenos produtores.
A banana é o segundo fruto mais produzido e consumido no Brasil, sendo que o país já ocupa
o segundo lugar no ranking da produção mundial. O fruto é consumido tanto como sobremesa
quanto como acompanhamento nas refeições, e ocupa 0,87% do total das despesas de alimentação
dos brasileiros em geral. A maior parte da produção provém do Nordeste do país, onde são
13
produzidos 34% do volume total nacional, seguido das Regiões Norte (26%), Sudeste (24%), Sul (10%)
e Centro-Oeste (6%).
A tabela 5 indica que o Ceará ocupa uma posição de destaque nacional na produção de
bananas. Está na sétima posição na produção nacional e na terceira posição na produção do
Nordeste, ficando atrás de Pernambuco e da campeã Bahia.
Tabela 5: Quantidade de bananas produzida em 2010 na lavoura permanente. (Fonte: IBGE Produção Agrícola Municipal)
Quantidade de bananas (cacho) produzida
(Toneladas) em 2010 na Lavoura permanente
Unidade da Federação
Quantidade
São Paulo
1.231.823
Bahia
1.079.050
Santa Catarina
663.892
Minas Gerais
654.444
Pará
539.979
Pernambuco
517.285
Ceará
445.169
Paraná
237.267
Paraíba
209.38
A participação no Valor Bruto da Produção Agrícola (VBP) da Fruticultura no terceiro
semestre de 2011 no Estado é de 37.85% com valor da produção da ordem de 167 milhões de reais,
de acordo com o Boletim do Agronegócio Cearense (3º semestre- 2011) elaborado pelo Instituto de
Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará- IPECE.
O Ceará já foi o maior produtor de banana do Brasil, mas em função da maior parte da
produção ser ainda de sequeiro, apresentando uma qualidade que não atende às exigências dos
consumidores, o Estado hoje é importador de banana de qualidade. O Ceará apresenta vantagens
comparativas para a produção de frutas sob o regime de irrigação o que vem sendo incentivado pelo
governo do estado.
A produção de bananas no Maciço de Baturité, que produz bananas em regime de sequeiro,
não tem conseguido atender aos requisitos de qualidade, dificultando sua comercialização junto aos
14
supermercados. Apesar de configurar-se ainda como grande produtor de banana, o Ceará é hoje
importador do produto, notadamente aquele de melhor qualidade. Diferentemente, a região do
Baixo Jaguaribe tem atendido às exigências dos supermercados porque conta com acesso à
informação, utilização de tecnologia de irrigação e tratamentos pós-colheita adequados, que são
alguns dos fatores responsáveis pela produção de uma banana com as características exigidas pelo
consumidor. A figura 4 faz um paralelo entre a área plantada, colhida, quantidade produzida e valor
da produção na lavoura permanente:
Figura 4: Relação entre a área plantada, colhida, quanitdade produzida e valor da produção da lavoura
permanente. (Fonte: IBGE Produção Agrícola Municipal)
A tabela 6 mostra que a área plantada da região de Baturité é quase cinco vezes maior do
que a área plantada no Baixo Jaguaribe, porém a produção da primeira região não chega nem ao
dobro do que é produzido na segunda. Fazendo uma estimativa, se o Baixo Jaguaribe plantasse uma
área igual a área do Maciço de Baturité ele produziria quase o triplo do que se produz hoje na região
serrana.
Tabela 6: Lavoura permanente da banana na região de Baturité e do Baixo Jaguaribe. (Fonte:IBGE. Produção
Agrícola Municipal)
Porém existem fatores que poderiam tornar a agroindústria da banana no Maciço de Baturité
bastante competitiva. O primeiro fator é a grande oferta de banana na região, principalmente a
15
oferta de bananas orgânicas, já que teoricamente não é utilizado nenhum tipo de agrotóxico. Como a
oferta de bananas na região é grande e não existe um atravessador, o preço da banana In Natura é
inferior ao de outras regiões produtoras. Um segundo fator é a questão da proximidade das serras
com a cidade de Fortaleza. Enquanto Limoeiro do Norte, a cidade com maior produção do Baixo
Jaguaribe, fica cerca de 190 km de distância de Fortaleza, Redenção, a maior produtora do Maciço de
Baturité, fica a apenas 52 km da capital do estado.
Segundo o relato de um produtor que tem uma indústria artesanal de banana-passa no
município de Palmácia, no Maciço de Baturité, um quilo de banana In Natura é vendido a cinquenta
centavos a um atravessador, já um quilo de banana-passa é vendido a doze reais no supermercado.
Portanto, o Maciço de Baturité poderia agregar valor a sua grande produção de bananas e se tornar
um polo agroindustrial da fruta. Existem vários produtos no mundo originados da banana, como:
farinha de banana, geleias, pastilhas, doces cristalizados, banana-passa, molhos de banana, biscoitos,
sucos, manteiga, banana em calda, banana chips, essências, polpas, sopinhas para bebês e produtos
derivados da casca da banana e da flor da bananeira.
Nas pesquisas e entrevistas, os desafios mais recorrentes desse subsetor foram:












Utilização de tecnologia na produção.
Desenvolvimento de sistemas de irrigação.
Inicialização do pomar utilizando mudas certificadas.
Desenvolvimento de viveiros para produção de mudas selecionadas.
Educação para os produtores nos processos de pós-colheita.
Melhoramento no manejo da cultura.
Utilização de galpões de beneficiamento.
Utilização de Caixas adequadas para o transporte.
Eliminar os atravessadores da cadeia produtiva.
Desenvolvimento de uma cultura de cooperativismo.
Melhorias na gestão da produção.
Incentivar industrialização da banana.
Vamos aprofundar cada um desses desafios nos próximos tópicos.
CARNAÚBA
A carnaúba (Copernicia prunifera) é a palmeira que habita o Nordeste brasileiro, nos estados
do Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. A presença dessa palmeira representa a criação de milhares
de empregos diretos e indiretos, principalmente nos períodos mais secos do ano. A safra de carnaúba
se estende de agosto a setembro, quando acontece o corte da palha para a fabricação da cera.
Do ponto de vista econômico, a cera de carnaúba é considerada uma das principais
atividades extrativas do Estado. Segundo a Agência do Desenvolvimento do Estado do Ceará –
ADECE, em 2011 a cera de carnaúba ocupou a sétima posição entre os itens com maior exportação
do Ceará, passando dos 58 milhões de dólares com crescimento de 33,4% em relação a 2010.
Continua crescente a demanda internacional pela cera de carnaúba como consequência de usos
16
industriais específicos, como o revestimento de frutos “in natura” e a produção de cápsulas de
remédios. Nesses casos, a cera de carnaúba é produto fundamental e, praticamente, insubstituível
por suas características orgânicas. A cera de carnaúba também está presente em outras aplicações,
como na indústria de cosméticos, na fabricação de giz de cera, na indústria de produtos para limpeza,
na fabricação de papel carbono, na indústria de embalagens biodegradáveis, em filmes plásticos e
fotográficos, na indústria de tintas, em produtos para polimento e até mesmo na indústria de fogos
de artifício. Conforme demonstrado na figura 5, o Ceará vem evoluindo nas exportações de cera de
carnaúba.
Figura 5: Evolução das exportações de cera de carnaúba no Ceará. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
O mercado externo é o mercado prioritário da cera de carnaúba, já que aproximadamente
90% da sua produção são destinados ao mercado internacional. Conforme a figura 6, os principais
destinos de exportação da cera são a Europa, o Japão e os Estados Unidos, gerando ocupação para
mais de 100 mil famílias de baixa renda no período de julho a dezembro, justamente os meses em
que há grande carência de ocupação produtiva na agricultura familiar das regiões de produção.
Figura 6: Destino das exportações de cera de carnaúba. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
17
Entre os meses de julho e fevereiro, época da safra, a coleta das folhas verdes das
carnaubeiras é feita com destreza pelos nativos da área, que para tanto utilizam uma grande vara, na
ponta da qual existe um instrumento cortante. Recolhidas, as folhas são postas para secar ao sol,
etapa insubstituível para o desprendimento do pó cerífero, que é feito por outro eficiente processo
secular, o do batimento das folhas. Esse processo causa perdas da ordem de 35% devido à ação dos
ventos e das chuvas. Porém existem outros métodos de secagem com rendimento superior ao
procedimento de secagem no chão batido, como a secagem em estaleiro e a secagem utilizando
secador solar, mas esses processos são pouco utilizados nas regiões produtoras.
O uso do secador solar, além de aumentar a produção do pó cerífero e da cera, produz
também um pó mais limpo, de melhor qualidade e, por isso, com preço superior de mercado. Outras
vantagens deste método são: aumento no rendimento do pó, a palha não fica úmida, o vendo não
dispersa o pó, a palha não ficará apodrecida por causa da chuva, não há necessidade de virar a palha,
reduz o tempo de secagem, ocupa pouco espaço e reduz a mão-de-obra.
Tabela 7: Rendimento de secagem da palha da carnaubeira. (Fonte: ADECE)
Tipos de secagem da palha
Especificação
Chão batido
Estaleiro
Secador Solar
Produção de Pó
5.5 kg
6.3 kg
7.2 kg
Rendimento de Cera
3.5 kg
4.0 kg
6.6 kg
Rendimento
64%
74%
92%
Durante o processo de secagem e batição da palha, deve-se atentar para a devida separação
entre o pó da palha e o pó do olho, garantindo a integridade do produto. Qualquer mistura entre o
pó do olho e o pó da palha caracteriza adulteração do produto, desqualificando seu uso na indústria,
podendo acarretar sua devolução.
Depois de feita a extração, o pó é cozido e coado em grandes prensas de madeira. Esse
processo primitivo é, na maioria das vezes, substituído pela utilização de extratores que fazem uso
de solventes. O resfriamento, então, é feito em tanques rasos, depois do qual o produto é quebrado
em pedras de cor amarelo esverdeada ou marrom escura, que é a cera bruta, pronta para o
beneficiamento. No beneficiamento final, a cera é submetida ao derretimento em tachos ou
autoclaves. O processo se completa, respectivamente, pela centrifugação, filtração, clareamento e
embalagem, o que garante a pureza e a qualidade das variedades oferecidas ao mercado.
Empresas como as americanas Mothers e Hi-Tech produzem a partir da cera produtos para
polimento e limpeza de automóveis. No México, a empresa Multiceras fabrica uma grande variedade
de produtos derivados da carnaúba e investe fortemente em pesquisa, desenvolvimento e inovação
através do Candelilla Institute.
Nas pesquisas e entrevistas, os desafios mais recorrentes desse subsetor foram:

Combate ao desmatamento desordenado
18









Incentivo ao plantio
Mudar/substituir/ melhorar processo de secagem das palhas a céu aberto.
Melhoria das condições de trabalho
Trabalho de marketing dos exportadores visando a ampliação do mercado
Incentivar a criação de indústrias de produtos derivados da cera no Nordeste,
principalmente no Estado do Ceará.
Eliminar os atravessadores.
Incentivar a cooperação entre os produtores.
Marketing da carnaúba
Incentivo a P&D I
Vamos aprofundar cada um desses desafios nos próximos tópicos.
LEITE
O Estado do Ceará tem cerca de 95% de seu território inserido na região do Semiárido, o que
coloca a atividade primária vulnerável ao fenômeno da seca e compele ao uso de práticas
conservacionistas de solo para melhorar a produtividade e a sustentabilidade da produção primária,
principal fator do crescimento da produção leiteira no Estado entre 1995 e 2006. As propriedades,
em sua grande maioria, contam até 500 hectares, caracterizando-as como mini e pequenas
propriedades. Cerca de 78% produzem até 100 litros de leite por dia.
Figura 7: Evolução da produção de leite no Ceará. (Fonte: Embrapa Gado de Leite)
A mão-de-obra que se dedica à produção de leite no Estado tem baixo nível de escolaridade
e é extremamente baixo o nível de controle da propriedade. Uma prova disso é a forma de
reprodução dos animais, que é feita por monta a campo, ou seja, completamente sem controle.
Os principais obstáculos apresentados pelos produtores para a produção de leite são
questões relacionadas a preços de insumos e de produtos, e os desafios de menor importância são
aqueles representados por tecnologia e assistência técnica. Outro problema que vem alarmando
todo o setor de agronegócios é o êxodo rural. Muitos dos filhos dos produtores de leite têm deixado
o campo e mudando o foco de suas atividades, ou seja, não está mais havendo um processo natural
19
de renovação dos produtores de leite, como acontecia no passado. Porém esse processo de migração
tem diminuído nas últimas décadas.
O Estado de Ceará possui um consumo domiciliar per capita de leite e derivados de apenas
61,8 litros/ano, totalizando 505,7 milhões de litros por ano. Este número é baixo quando
confrontado, inclusive, com a média nacional, de 79,3 litros/habitante/ano. Porém a produção de
leite no estado tem um grande potencial de crescimento, pois o Ceará está com déficit na oferta de
leite e o consumo só aumenta, principalmente, devido aos programas do Governo Federal, como o
Bolsa Família.
Tabela 8: Estimativa de produção total, consumo domiciliar e excedente e déficit de oferta de leite
(em milhões de litros – 2006) (Fonte: IBGE. Elaboração: Embrapa Gado de Leite)
No que se refere ao setor de processamento, a indústria láctea do Estado processa somente
40% da produção que corresponde a 75% do consumo. Portanto, somente 30% do leite consumido
pelo cearense é efetivamente produzido e processado pelo setor cearense. As empresas são em sua
grande maioria de porte pequeno e médio e produzem produtos com baixo valor agregado.
Os principais produtos processados nas empresas são: leite pasteurizado e longa-vida,
queijos, bebida láctea, ricota, creme de nata, requeijão e queijo frescal de búfalo. Existe também a
produção de manteiga, manteiga de garrafa e ricota.
Figura 8: Principais produtos processados nas empresas de laticínios. (Fonte: Embrapa Gado de Leite)
Os produtos de maior valor agregado participam muito pouco da cesta de consumo das
famílias cearenses. Os queijos e requeijão, juntos, representam apenas 14,5% do consumo no Estado
20
enquanto no Brasil essa participação é de 22%. Portanto, ainda há muitas oportunidades na
agroindústria leiteira cearense.
Nas pesquisas e entrevistas, os desafios mais recorrentes desse subsetor foram:




Reprodução feita completamente sem controle.
Principais obstáculos dos produtores: preços de insumos e produtos. Tecnologia e
assistência técnica são obstáculos menores.
Baixa formação de técnicos e profissionais que se dediquem a produção de leite.
A indústria do estado processa somente 40% da produção.
Vamos aprofundar cada um desses daesafios nos próximos tópicos.
TILAPICULTURA
A piscicultura é uma das áreas da aquicultura, cujo objetivo é o processo de produção em
cativeiro de organismos com habitat predominantemente aquático, tais como peixes, camarões e
outras espécies. O negócio da aquicultura apresenta-se como uma atividade alternativa à prática
extrativista (que tem ultrapassado seus limites sustentáveis) e revela-se como uma opção
interessante, pois, além de ser uma excelente fonte de renda para os criadores, é uma alternativa
para a pesca comercial e não causa grandes impactos ambientais. Além disso, de acordo com a Food
and Agriculture Organization (FAO), o desenvolvimento da piscicultura se explica pelo esgotamento
da capacidade da pesca nos oceanos. Segundo o organismo internacional, a captura anual de 100
milhões de toneladas de peixe nos oceanos representa o limite da atividade e a piscicultura é o setor
capaz de viabilizar a equação oferta/demanda de peixes.
O setor de piscicultura é considerado o maior agronegócio do mundo, participando com 16%
da oferta mundial de proteína animal. Soma U$ 55 bilhões em exportações anuais e é um mercado
duas vezes maior do que o complexo de soja, sete vezes maior do que o negócio da carne bovina e
nove vezes maior em relação à carne de frango. A figura abaixo demonstra a evolução da produção
de peixes de cultivo no Brasil.
Figura 9: Produção de peixes de cultivo no Brasi. (Fonte: SOBER)
21
Apesar da grande extensão do litoral brasileiro e das reservas de água doce do país, há um
déficit de US$ 1 bilhão no comércio de pescado no país, alimentado pelo forte crescimento no
consumo de peixes como o salmão, e a entrada, no mercado, da produção chinesa, que é o maior
produto mundial.
A aquicultura, no Brasil, saiu do zero nos anos 80 para uma produção de 415 mil toneladas
em 2009, e é justamente o aquecimento da demanda externa que está dando novos contornos à
aquicultura brasileira, porém, esse valor ainda significa menos de 0,5% da produção mundial. De
acordo com a tabela 9, em 2008 o Brasil ocupava a 16ª posição no ranking de países produtores de
pescados.
Tabela 9: Maiores produtores de pescado em 2008. (Fonte: Departamento Nacional de Obras Contra as SecasDNOCS)
Em relação à aquicultura continental, o grupo de peixes que mais tem se destacado para a
ampliação dos mercados interno e externo de produtos aquícolas é o da tilápia. Nativas da África,
Israel e Jordânia, as tilápias apresentam fácil reprodução, carne branca de excelente qualidade,
ótimo valor de mercado, baixos custos de produção e se adaptam aos sistemas de cultivo mais
extensivos até os mais intensivos, podendo ser cultivadas em águas com salinidades elevadas e
temperaturas elevadas.
O Brasil apresenta excelentes condições para a exploração da tilápia e poderá tornar-se o
maior produtor de tilápia cultivada do mundo. A tilápia é o grupo de peixes que mais cresce do ponto
de vista da produção em cativeiro, chegando a ser a segunda espécie mais cultivada em todo o
mundo, e a primeira no Brasil. No entanto, para a tilápia brasileira conseguir atingir uma fatia do
mercado internacional, será preciso que tenha preço e qualidade capazes de competir com os países
asiáticos. A evolução da produção da tilápia no Brasil é demonstrada na figura 10.
Figura 10: Evolução da produção da tilápia no Brasil. (Fonte: Ministério de Pesca e Aquicultura- MPA)
22
As principais espécies de peixes produzidas no Brasil são a tilápia, (155 mil toneladas em
2010), seguida da carpa (94 mil ton) e do tambaqui (54 mil ton). Os Estados Unidos são o principal
importador de tilápia, chegando a ser o quinto pescado com maior consumo per capita no País em
2006. Outros mercados que se evidenciam são: Arábia Saudita, Canadá, Reino Unido, Países Baixos,
França, Kuwait e Japão. A Europa é um mercado em ascensão, havendo uma tendência de substituir
peixes tradicionais pela tilápia.
Nos açudes federais, a prevalência de peixes da espécie tilápia do Nilo é facilmente notada,
conforme demonstrado na figura 11.
Figura 11: Produção de pescados nos açudes federais. (Fonte: DNOCS -2011)
Na soma das espécies, o estado do Ceará ocupa a quarta posição em volume de produção da
aquicultura, precedido por Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina. O sistema utilizado no
Ceará para a produção de pescados é o sistema de tanque-rede, onde o controle dos aspectos que
impactam diretamente o custo e a produtividade não depende fortemente da natureza e do meio
ambiente, já que esse sistema permite maior controle dos riscos da dinâmica ambiental, o que
contribui para que as condições de produção sejam mais favoráveis.
O Ceará, com um recurso de água doce estimado em 18 bilhões de m³, é o maior produtor de
tilápia do Brasil, com uma produção média anual variando entre 22 e 24 mil toneladas, e a projeção é
de crescimento da demanda. No Ceará, a tilapicultura se expandiu e a sua exploração em tanquesrede tem perspectiva de crescimento tanto para atender ao mercado interno, quanto o externo. De
acordo com a figura 12, o Ceará vem evoluindo nas exportações de pescado, fato que pode ser
explicado, dentre outros fatores, pelo cultivo da tilápia em tanques redes.
23
Figura 12: Exportações de peixes no Ceará. (Fonte: MDIC)
Entre fevereiro de 2011 e igual período de 2012, a produção de tilápia no Ceará registrou um
incremento de 50%, conforme dados da Associação Cearense de Aquicultores (Aceaq), esse
crescimento tem sido possível devido à ampliação da área para produção de tilápia, a partir de
direcionamentos do governo federal, que normatizou o parque aquícola do açude Castanhão,
localizado no município de Nova Jaguaribara.
Atualmente, o Ceará responde por 20% do total de tilápia produzido no País. Segundo dados
da Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece), a tilápia é produzida em 60 açudes no
Estado, distribuídos em 57 municípios, agregando cerca de 980 produtores, que têm um potencial de
200 mil toneladas de produção anual, porém, a quantidade produzida atualmente está muito aquém
deste potencial, demonstrando a necessidade de desenvolver estudos que otimizem o
aproveitamento do potencial hídrico cearense.
Entre os fatores que contribuíram para a expansão da tilapicultura no Ceará, está a mudança
na cultura da tilápia, que, segundo o diretor técnico da Aceaq, Horácio Sousa, passou a ser criada em
cativeiro, deixando de se alimentar de lodo e outros peixes menores e passando a receber apenas
ração. Dessa forma, o peixe, que antes não era tão apreciado devido ao sabor terroso, hoje é
comercializado em restaurantes de alto padrão, sendo conhecido por um público diversificado. Os
principais destinos das exportações de peixes do Ceará estão descritos na figura a seguir:
Figura 13: Destino das exportações de peixes. (Fonte: MDIC)
24
O setor produtivo de tilapicultura do Ceará tem representação na Câmara Setorial da Tilápia,
que congrega os principais polos de produção como, por exemplo, o do açude Castanhão que se
apresenta como um dos maiores parques aquícolas legalizados pelo Governo Federal.
O Castanhão é um dos 13 açudes da Bacia do Médio Jaguaribe. Está construído sobre o leito
do rio Jaguaribe e possui 441 mil quilômetros quadrados, aproximadamente, sendo responsável por
20% de toda a produção atual de tilápia do Ceará e pela maior produção da espécie no país. O
Castanhão tem características físico-químicas e um regime de ventos ideal, dispondo de calor, sol e
vento para a oxigenação da água. Hoje, no Castanhão, são cerca de 170 produtores e mais 30
pessoas que trabalham numa associação de beneficiamento na cidade de Jaguaribara. A produção é
de aproximadamente 180 toneladas por mês, porém, o beneficiamento é pequeno para a
infraestrutura instalada. Faltam equipamentos e tecnologia para aumentar o processo.
O Açude Orós é um dos maiores produtores de tilápia do Estado, com 3.200 gaiolas do peixe.
A criação de tilápia em gaiolas nos açudes públicos da região Centro-Sul representa uma importante
fonte de renda para cerca de 500 famílias. A produção regional estimada é de 150 toneladas por
mês. Uma característica marcante é que o trabalho é feito de maneira associativa, sendo 36
associações de piscicultores, cada uma congregando entre 7 e 12 pessoas (média de 10 pessoas),
geralmente chefes de família (em média 10 famílias por associação). Estas associações reúnem cerca
de 6.200 tanques-rede no açude de Orós e estima que a produção média mensal destas associações
varia entre 10 e 20 toneladas de tilápia. Na tabela a seguir é possível visualizar a evolução do número
de tanques redes instalados no açude e o aumento da produção de tilápias.
Tabela 10: Tilapicultura em tanques rede no açude Orós, CE. (Fonte: Panorama da Aquicultura)
A tilapicultura é um dos segmentos do agronegócio cearense que mais cresce e se apresenta
como um grande potencial de mercado. Com o couro é feito calçados e bolsas. As espinhas se
transformam em farinha. Das vísceras, são retirados óleos comestíveis e óleo para produção de
energia renovável, biodiesel. A escama também é aproveitada industrialmente.
Os números que o setor apresenta, confirmam toda essa evolução e legitimam a confiança
para cenários positivos de expansão da atividade produtiva no Estado.
25
Segundo a Aceaq, a tilapicultura gera 3 mil empregos diretos no estado. São
aproximadamente 1 mil produtores ao todo e o mercado encontra-se em expansão, porém, Apesar
da facilidade de cultivo e dos bons índices de desempenho, o crescimento efetivo do mercado
dependerá da superação de algumas barreiras que limitam o seu potencial, tendo em vista que o
cenário aponta para um mercado cada vez mais competitivo, com maior oferta de produto nos
mercados locais e regionais, exigindo um aumento na escala de industrialização da tilápia para atingir
novos mercados e mais consumidores. A seguir temos um lista de empresas referência que atuam no
setor e os principais desafios encontrados pelas mesmas.
A AGROPESCA
É uma empresa genuinamente Cearense que tem investido continuamente na cadeia
produtiva da Tilápia em seus diversos estágios, desde a Larvicultura, passando pela fase de
terminação em tanques rede até a comercialização da Tilápia junto aos seus clientes em todo
o estado do Ceará. Como parte de seu plano de expansão, a Agropesca adquiriu no ano de 2009 a
empresa BRFISH, produtora de alevinos e juvenis de Tilápia e a partir de então passou a ter uma das
mais modernas Larviculturas do país, com capacidade de produção de 4 milhões de alevinos
revertidos de Tilápia por mês. Com esta unidade, localizada no município de São Gonçalo do
Amarante a empresa tem condições de suprir a crescente demanda por alevinos de Tilápia em todo o
estado do Ceará, bem como em vários da região Nordeste, como Piauí, Maranhão, Rio Grande do
Norte, Paraíba e Bahia. A BRFISH foi a primeira Larvicultura do Brasil a produzir e comercializar
alevinos de Tilápia já aclimatados em água salgada, Tilápia Salt, tendo fornecido alevinos a diversas
empresas produtoras de camarão e que viram no policultivo com a Tilápia uma boa opção de
rendimentos. A Agropesca conta com uma unidade administrativa em Fortaleza e mais
duas unidades de terminação e engorda de Tilápias, sendo uma localizada no Distrito de Sítios
Novos- Caucaia e a outra no Município de Pacajus (AGROPESCA, 2012).
PISCIS
PISCIS Indústria e Comércio Ltda, constituída formalmente no ano de 2009 teve como
origem as pesquisas sobre o aproveitamento de resíduos de peixes. Os resultados preliminares
indicaram a necessidade de desenvolver produtos a partir dos resíduos de peixes existentes no
entorno do açude Castanhão no Ceará. Além dos resultados que se vislumbrava, o aproveitamento
dos resíduos de peixe indicava também uma solução inovadora para um subproduto poluente do
leito do açude e dos lençóis freáticos existentes no entorno. Assim nasce a empresa PISCIS, a partir
da experiência que seu fundador possui em nutrição animal e gestão de negócios, associado às
pesquisas do doutorado. A Empresa é incubada do Instituto CENTEC - Instituto Centro de Ensino
Tecnológico, teve projetos aprovados pelo Programa PRIME- Primeira Empresa Inovadora (FINEP) e
Fundo de Inovação Tecnológica do Ceará (FUNCAP).Antes da atuação da PISCIS, os piscicultores não
tinham destino adequado para as vísceras e a PISCIS implantou quiosques para coleta, sistema de
transporte e processamento, beneficiando diretamente o meio ambiente e remunerando os
piscicultores pelo fornecimento, gerando negócio onde antes não existia (PISCIS, 2012).
26
APLAGES
A Associação de Processadores e Piscicultores de Jaguaribara e Larges – Aplages, é
responsável pela produção do filé de peixe e utilização dos subprodutos para a produção de bolinhas,
fishburguer, linguiça entre outros. Os produtores também reutilizam o couro por meio do curtimento
da pele da tilápia, onde confeccionam objetos artesanais como bolsas, cintos, chaveiros entre outros
artigos. Os itens produzidos pela associação são comercializados ou repassados a instituições sociais.
A associação foi fundada em 2005 por moradores de Jaguaribara que viram no tratamento do peixe
uma nova atividade econômica que aqueceu a produção de pescado local. Os produtores e
associados da Aplages fazem parte dos grupos produtivos de piscicultura que trabalham diretamente
no açude com o cultivo da tilápia na região do Vale do Jaguaribe. A associação de Jaguaribara realiza
o processamento do pescado, que inclui a limpeza, a descamação, a evisceração, e a filetagem do
peixe. A carcaça segue para uma máquina que realiza a separação da carne dos ossos, e logo em
seguida a moagem do alimento. As sobras existentes desses processos são combinadas com
ingredientes que originam os subprodutos do peixe, onde são embutidos e logo após, embalados e
armazenados para a comercialização (O Estado, 2012).
Nas pesquisas e entrevistas, os desafios mais recorrentes desse subsetor foram:









Perdas elevadas de alevinos e morte de peixes pelo inadequado manejo,
Melhor infraestrutura de suporte ao beneficiamento e comercialização do pescado.
Há a necessidade de adoção de um manejo sanitário preventivo. Vacinação de
alevinos e juvenis para as principais enfermidades dos cultivos.
Adequado descarte ou aproveitamento de animais mortos.
Destinação correta para os resíduos do processamento.
Falta de transferência da tecnologia e estímulo ao desenvolvimento de iniciativas
locais de produção de alevinos
Falta de acompanhamento contínuo da qualidade de água e indicadores da qualidade
ambiental.
Manejo inadequado da alimentação e nutrição.
Subutilização do potencial de águas;
Vamos aprofundar cada um desses desafios nos próximos tópicos.
CAJUCULTURA
Até a década de 70 a cajucultura no Brasil era considerada uma atividade puramente
extrativista, com uma rápida expansão da área cultivada que nem sempre era adaptável à cultura e
cujo material genético era de inferior qualidade. Além de serem adotadas práticas de desmatamento
sem manejo florestal adequado, com uso intensivo do fogo no controle da vegetação nativa e sem o
uso de corretivo e adubação, os produtores não tinham uma atenção voltada ao controle de pragas e
doenças.
Esta realidade vem sendo modificada e a cajucultura enfrentou um processo de transição,
passando a ser reconhecida como uma atividade semi extrativista, incentivada principalmente pela
Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), que viabilizou o acesso a incentivos
fiscais e financeiros e proporcionou o estabelecimento de grandes plantações que fomentaram o
27
crescimento controlado do cultivo do caju. Conforme descrito na Tabela 11, atualmente o Brasil
ocupa o quinto lugar no ranking dos principais países produtores de castanha de caju:
Tabela 11: Principais países produtores de castanha de caju. (Fonte: Food and Agriculture
Organization)
Já no mercado internacional de exportação da amêndoa, que é conseguida por meio do
beneficiamento da castanha de caju, a Índia e o Vietnam são os principais concorrentes do Brasil,
ficando em destaque a Índia, que tem a vantagem de contar com mão de obra intensiva e que
importa aproximadamente a metade do suprimento de matéria prima (castanha in natura) oriunda
de países africanos (AMYOT, 2009). Porém, a qualidade da castanha de caju oriunda de países
africanos está aquém da exigência do mercado internacional, o que tem provocado a sobra da
matéria prima bruta, equalizando os preços internacionais das amêndoas. A castanha de caju é a
principal matéria prima utilizada pela indústria de processamento, e dela se obtém a amêndoa de
castanha de caju (ACC), e se extrai o líquido da casca da castanha (LCC), produtos que são destinados
ao consumo interno e à exportação.
O cultivo do caju é realizado em vários Estados do Brasil, no entanto, a sua importância
socioeconômica se destaca na Região Nordeste, onde a cajucultura se consolidou como uma
atividade de grande influência para a geração de renda e sustentabilidade no setor de agronegócio.
A cajucultura é realizada principalmente em municípios distribuídos nos Estados do Ceará,
Piauí, Rio Grande do Norte, Maranhão e Bahia, proporcionando uma safra anual de castanhas de caju
que gira em torno de 320 mil toneladas. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE, 2011), o Nordeste tem uma área plantada superior a 750 mil hectares, e responde por
aproximadamente 97% da produção nacional de caju. Neste cenário, destacam-se os Estados do
Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte, como maiores produtores nacionais e responsáveis por 100% da
exportação brasileira de castanha de caju “in natura”, conforme demonstrado na figura 14:
28
Figura 14 : Exportações da castanha de caju por Estado produtor. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
O Ceará é o maior produtor de castanha de caju do Nordeste, contribuindo com mais de 50%
da produção nacional. A Cadeia Produtiva da cajucultura está presente em aproximadamente 60
municípios cearenses, exercendo um papel importante na conjuntura socioeconômica do Estado.
Dentre os quinze principais municípios nordestinos produtores de castanha de caju, sete estão
localizados no estado do Ceará, com destaque para os municípios de Beberibe, Cascavel e Fortim, por
apresentarem maior pluviosidade e, apesar de terem solos arenosos, são terrenos que conseguem
reter água para o crescimento da planta.
De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), órgão ligado ao Ministério do
Desenvolvimento Indústria e Comercio Exterior, a castanha de caju ocupou o primeiro lugar na pauta
de exportações do Estado do Ceará, representando 13,67% do total das exportações cearenses em
2011, sem contar a venda do LCC. A figura 15 mostra a evolução nas exportações de castanha de caju
no Ceará, e a figura 16 demonstra os principais destinos das exportações de castanha de caju do
Ceará:
Figura 15: Exportações da castanha de caju. (Fonte: MDIC/SECEX; Elaboração: ADECE)
29
Figura 16: Destino das exportações cearenses da castanha de caju. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
A importância social do caju no Nordeste do Brasil pode ser traduzida levando-se em
consideração o número de empregos diretos e indiretos que gera. Mesmo sendo sazonal, a
cajucultura, para o semiárido nordestino, representa uma oportunidade de obtenção de renda
durante a entressafra das culturas tradicionais tais como milho, feijão e algodão, contribuindo assim,
para a redução do êxodo rural durante este período. Ao lado do aspecto econômico, os produtos
derivados do caju detêm ainda grande importância alimentar para o produtor rural, porém, tendo
em vista a demanda dos mercados internacionais pelos diversos tipos de castanha, percebe-se uma
transição durante a produção agrícola, que passa a não ser destinada somente à subsistência do
agricultor, mas, prioritariamente à geração de renda.
De acordo com o Sindicato das Indústrias de Beneficiamento de Castanha de Caju e
Amêndoas Vegetais do Estado do Ceará (SINDICAJU, 2012), dos empregos gerados pela cajucultura
no Estado, mais de 170 mil estão no campo e de 12 a 15 mil na indústria, além de aproximadamente
350 mil empregos indiretos nos dois segmentos.
A castanha alimenta um parque industrial formado por cerca de doze indústrias de
beneficiamento de grande porte, com capacidade para processar até 420.000 toneladas de ACC e
45.000 toneladas de LCC/ ano.
Para que a matéria prima da ACC e do LCC fique apta ao uso, é necessário que ela passe por
um processo que inclui a limpeza e a secagem da castanha, processo que ainda é realizado de
maneira arcaica, com a castanha exposta ao sol e com trabalho manual de revirá-la para que ela
seque por completo.
O pedúnculo ou pseudofruto, ainda é pouco aproveitado, sendo evidenciado um desperdício
de aproximadamente 90% do total produzido (OLIVEIRA, 2009). Esse desperdício é fruto da colheita
inadequada ou da alta perecibilidade do produto, que requer ainda uma refrigeração e uma
embalagem adequada. O pseudofruto pode ser consumido in natura ou ser utilizado para a
30
fabricação de doces e a extração de polpas para sucos e outras bebidas, o bagaço resultante pode ser
utilizado para ração animal, mediante processamento adequado, para a obtenção de um corante
amarelo natural, extraído do tanino, que por sua vez, tem vastas aplicações industriais, como o
curtimento do couro. Da casca da castanha do caju, por sua vez, é extraído o líquido da casca da
castanha de caju (LCC), com aplicações nobres em indústrias químicas como, por exemplo, na
fabricação de tintas, lubrificantes e cosméticos, e os resíduos das cascas são destinados para a
produção de combustível para caldeiras e fornos.
O aproveitamento integral do caju é uma oportunidade de aumento de renda e redução nos
custos de produção dos pequenos produtores, contudo, estes produtores não estão capacitados e
não possuem acesso às tecnologias necessárias para o aproveitamento e beneficiamento do
pedúnculo. A utilização de instrumentos e introdução de novas tecnologias visando diminuir o
desperdício do caju possibilitará o surgimento e o fortalecimento de novos elos na cadeia produtiva,
integrando-a e consolidando-a.
Atualmente o parque industrial de beneficiamento da castanha de caju processa em torno de
300 mil toneladas de ACC/ano, absorvendo toda a produção local e chegando, por vezes, a importar
de estados vizinhos para atender a demanda crescente.
A prática da extração mecanizada da ACC aumenta consideravelmente o número de
amêndoas quebradas, impactando na qualidade percebida pelo cliente final e reduzindo a
competitividade frente aos produtores internacionais.
Como se observa na figura 17, a cajucultura é uma atividade sujeita à sazonalidade, e sua
produção não é linear, sofrendo as influências do período não chuvoso. Embora a área em mil (h)
permanecesse praticamente a mesma durante os anos de 2010 e 2011, houve uma redução da
produção cearense em função da falta de chuvas do ano safra 2010, ratificando a proporcionalidade
direta entre o rendimento da produção e a quantidade de chuvas.
450
400
350
300
250
200
150
100
50
0
Produção( em mil t)
Área em mil( h)
Rendimento
2008
2010
2011
Figura 17: Comportamento da cultura da castanha de caju. (Fonte: IBGE)
31
Segundo o SINDCAJU, 30% da área plantada hoje no Estado do Ceará é improdutiva,
impactando no atendimento da demanda local e internacional. O SINDICAJU enfatiza que os
principais fatores de comprometimento da produtividade da área plantada são a idade dos cajueiros
e a falta de melhoramento genético que possibilite uma recuperação dos cajuais. Hoje existe uma
técnica de melhoramento genético do caju, que permite produzir espécies simétricas e homogêneas,
e com a garantia de moldar a estatura da planta para a colheita, regular o tamanho e a cor da
amêndoa e do pseudofruto, acelerar o início da produção, e aumentar a produtividade dos pomares.
Porém, essa tecnologia ainda não é acessível a todos os produtores, e os investimentos públicos para
a aderência dessa técnica ainda é deficitário.
O potencial de ganhos para os produtores que utilizam clones do cajueiro anão precoce, que
incorpora todos esses avanços tecnológicos, ou para os que substituem a copa dos cajueiros
tradicionais pela de cajueiros anões precoces, é muito elevado em comparação aos que produzem
plantas originais cultivadas de forma semi extrativista.
A substituição do cajueiro comum pelo cajueiro anão precoce traz uma série de benefícios
que são elencados na tabela 12.
Tabela 12: Diferenças entre o cajueiro anão precoce e o cajueiro comum. (Fonte: Cajueiro anão precoce folder - EMBRAPA – CNPAT)
Principais diferenças entre o cajueiro anão precoce (CAP) e o cajueiro comum (CC)
Características
(CAP)
(CC)
1° ano
3° ano
3° ano em diante
8º ano em diante
Altura da planta
Até 6 metros
Até 14 metros
Envergadura da planta
8 a 10 metros
13 a 16 metros
Produção de castanha
1300 kg/ha
250 kg/ha
Início da produção
Produção econômica
Por se tratar de uma produção sazonal, os produtores sofrem a ação dos intermediários, que
durante os períodos de safras compram o produto existente mais barato para revender às indústrias
durante o período das entressafras, afetando a competitividade do pequeno produtor.
No contexto geral, o que podemos levar em considerações é que a cajucultura no Ceará
demanda por ações que possam introduzir novas tecnologias e capacitação dos produtores, evitando
o desperdício e aumentando a produtividade e a competitividade no mercado interno e externo. A
32
seguir temos uma lista de empresas referência que atuam no setor e os principais desafios
encontrados pelas mesmas.
VIKORO:
A empresa desenvolveu o projeto de utilização de taninos vegetais, extraídos das podas dos
cajueiros, em substituição ao cromo para recurtição do couro. O novo produto foi desenvolvido pela
equipe da Vikoro, empresa instalada no Parque Tecnológico do Nutec. A vantagem competitiva da
nova empresa é que seu produto não é poluente, não agride o meio ambiente, além de ser 20% mais
barato que o cromo, que tem agentes cancerígenos, como afirma Edmar Vieira Filho, diretor da
Vikoro. O tanino vegetal minimiza perdas econômicas e ambientais e contribui assim para o
incremento de um setor, o coureiro calçadista, que produz 100 mil pares de calçados/dia, e é de
grande importância para a nossa economia, pois seus produtos estão no topo da pauta de
exportações do Ceará.
SABOR TROPICAL:
Através de um projeto feito em parceria com a Embrapa Agroindústria Tropical, a empresa
cearense Sabor Tropical, fabricante de cajuína, pretende lançar no mercado, em aproximadamente
dois anos, corantes naturais extraídos do bagaço do pedúnculo de caju. Comisso, além de oferecer
uma alternativa para os corantes artificiais, cada vez menos aceitos pelos consumidores, ela
pretende resolver um problema do setor de cajucultura, atualmente: dar um destino para os
resíduos da produção de suco e cajuína. De acordo com Fernando Furlani, diretor da Sabor Tropical,
um dos principais benefícios dos corantes é que eles irão permitir um aproveitamento melhor do
bagaço do caju. Ele, hoje, é pouco usado e isso é um problema, porque são geradas toneladas desse
material e ele precisa ter um destino. Outra vantagem, segundo ele, é que o bagaço do caju permite
a fabricação de corantes amarelos de tonalidades difíceis de obter no mercado a partir de fontes
naturais.
Outras que atuam no beneficiamento da castanha de caju são: Ferreira ind. Comércio e
exportação LTDA – AFICEL Amêndoas do Brasil LTDA.Cascaju agroindustrial S.A.CIA. Industrial de
óleos do nordeste – CIONECompanhia brasileira de resinas – RESIBRASEuroalimentos LTDA.Iracema
indústria e comércio de castanhas de caju LTDA.USIBRÁS – usina brasileira de óleos e castanha ltda.
Nas pesquisas e entrevistas desafios mais recorrentes desse subsetor foram:




Falta de disponibilidade de tecnologias para modernização e expansão de todos os
elos da cadeia produtiva;
Elevada capacidade ociosa das indústrias de processamento;
Desperdício dos subprodutos;
Falta de apoio e incentivo às APLs do caju;
Vamos aprofundar cada um desses desafios nos próximos tópicos.
33
CAMARÃO
O Ceará e o Rio Grande do Norte continuam sendo os maiores produtores de camarão de
cativeiro do Brasil. Devido a problemas no mercado internacional como a taxação extra ao produto
brasileiro nos Estados Unidos e o câmbio desfavorável, os produtores direcionam a produção para o
mercado interno, que se encontra aquecido nos últimos anos.
Figura 18: Evolução das exportações de camarão no Ceará. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
A carcinicultura - criação de camarão marinho em cativeiro - é praticada em mais de 50
países. No Brasil, sua predominância ocorre na região Nordeste, onde as condições climáticas são
mais favoráveis. Tal região possibilita o cultivo durante todos os dias do ano e proporciona uma
média de 2,5 ciclos anuais, superiores em cerca de 20% se comparados aos países asiáticos de maior
produção, que utilizam anualmente uma média de 240 dias para o cultivo, suficientes para a
realização de dois ciclos. Um ciclo dura entre 90 e 120 dias e compreende toda a extensão do cultivo,
indo da fase pós-larva1 até a fase adulta. Existe perspectiva de expansão nas regiões Sul e Sudeste,
onde alguns empreendimentos têm obtido considerável produtividade e com condições para a
realização de dois ciclos de cultivo/ano, igualando-se aos maiores produtores mundiais, os orientais
(SOBER, 2012).
Portanto, é importante entender a realidade da carcinicultura, em termos da estrutura
setorial atual no Ceará, das tendências, desafios e oportunidades apresentadas para o segmento.
Ressalte-se a importância do tema para a economia do Estado no que se refere às possibilidades
existentes de contribuir para o crescimento econômico e conseqüente melhoria de seus indicadores
sociais. Parte da região nordestina, por seus climas e solos característicos, não favorece, na maioria
das vezes, possibilidade de exploração da atividade agrícola em nível comercial em decorrência da
intermitência das chuvas e da dificuldade de armazenamento de água. Nesse horizonte de
intempéries climáticas e pobreza dos solos, surge uma atividade que não utiliza a água das chuvas
em seu processo de cultivo, que vem estimulando investimentos locais e atraindo investidores
dispostos a desenvolver uma atividade lucrativa, com tecnologia disponível e com resultados
evidenciados em outras partes do mundo.
34
Em síntese, a idéia é de apresentar subsídios para a elaboração de estratégias que
transformem as vantagens comparativas cearenses em efetivas vantagens competitivas. A premissa
básica é de que as potencialidades características de vantagens comparativas não se converterão em
vantagens competitivas efetivas se o setor não implementar um processo de clustering, ou seja,
intensificação da cooperação dentro da cadeia produtiva.
De acordo com a Associação Cearense dos Criadores de Camarão (ACCC), o Estado possui
hoje mais de 80 fazendas de cultivo de camarão no Ceará, distribuídas em 5.546 hectares. Ao lado do
Rio Grande do Norte, o Ceará é um dos principais produtores de camarão do País, fazendo com que a
região Nordeste seja responsável por praticamente toda a produção nacional.
Nas pesquisas e entrevistas, os desafios mais recorrentes desse subsetor foram:








Padronização dos níveis de oxigênio nos viveiros
Dificuldade de recursos na genética
Melhorias na cadeia produtiva
Produção de ração – gargalo tecnológico
Incentivo a tecnologia
Desperdício de resíduos (casca do camarão)
Falta de benchmarking (nacional e internacional)
Estreitamento da fronteira empresa-escola
Vamos aprofundar cada um desses desafios nos próximos tópicos
FLORICULTURA
Na floricultura, as exportações obtiveram um crescimento excelente, percebido após uma
redução durante dois anos seguidos, chegando a um nível recorde do setor. O Ceará continua sendo
um dos maiores exportadores nacionais, sendo o segundo nas exportações totais dos produtos da
floricultura do Brasil. No entanto, perdeu o 1º lugar como exportador brasileiro de rosas, sendo
agora o 3º exportador nacional. As exportações saíram de US$ 3,3 para US$ 5,0 milhões, com
crescimento de 52% (ADECE, 2012).
O resultado da floricultura cearense chega a ser surpreendente em virtude das condições
recessivas que permanecem vigorando nos principais mercados internacionais importadores, o
câmbio desfavorável e a logística de exportação inadequada para o setor. Apesar do aumento das
exportações, continua ocorrendo a preferência dos produtores pelo mercado interno, que
permanece aquecido.
35
Figura 19: Evolução das exportações de flores no Ceará. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
É importante ressaltar que um dos fatores que tem contribuído para o sucesso das
exportações cearenses, além do incentivo governamental e melhoria da infraestrutura e da
tecnologia, é a existência de um terminal de flores no Aeroporto Internacional de Fortaleza. É
o único do País a possuir uma câmara fria para armazenar os produtos da floricultura, durante o
processo de comercialização. O Terminal de Logística de Cargas (Teca) da Infraero possui três
câmaras frias para flores, pescados e frutas.
Basicamente o Estado do Ceará quanto ao mercado fornecedor importa do estado de São
Paulo, quase em sua totalidade, as mudas e sementes. Em relação aos demais itens, tais como:
bandejas, estufas, sistemas de irrigação, dentre outros, são adquiridos no mercado interno,
através de comércios especializados e representantes comerciais.
No que se refere ao nível tecnológico utilizado, segundo os consultores especialistas,
apesar do esforço realizado por todos os atores envolvidos na atividade, ainda pode ser
considerado baixo, principalmente, em relação aos pequenos produtores que cultivam plantas
36
ornamentais. Já em relação ao cultivo de rosas e flores tropicais verifica-se um bom nível
tecnológico, pela própria exigência que o seu cultivo requer.
Alguns fatores de risco, segundo estudo setorial do SEBRAE/CE e , podem inibir o avanço
da floricultura no Estado, tais como: o acentuado grau de amadorismo praticado pelas pessoas
envolvidas no setor, caracterizando pouca profissionalização e baixa especialização na produção;
poucos canais de comercialização; carências tecnológicas referentes à propagação in vitro, falta
de controle de pragas e doenças, pós-colheita e adaptação das novas variedades de flores; a
falta de planejamento da produção e na comercialização; a baixa renda de grande parte da
população, atrelada ao fato de que a população cearense ainda não criou o hábito nem a
cultura de comprar produtos de floricultura, especialmente fora das datas tradicionais, como
dias dos namorados, das mães etc; a desigualdade tributária praticada em cada estado da federação.
Além disso, alguns fatores têm contribuído para o sucesso das MPE, neste setor, a saber:
investimento inicial relativamente baixo; a diversidade de opção de produção propiciada pelas
boas condições climáticas, principalmente; incentivos governamentais, instituições de apoio
tecnológico, dentre outros.
Em relação aos fatores de insucesso, podemos destacar: a pouca visão empresarial,
caracterizada pelo amadorismo; a dificuldade de acesso ao crédito; o baixo volume de produção;
o baixo mix de produtos; o alto custo dos insumos, principalmente de embalagens de papelão,
que tem preço alto e qualidade insatisfatória; a falta de ações de marketing etc.
No tocante à qualidade de gestão, de acordo com o gestor estadual do SEBRAE/CE e
consultores especialistas, os micro e pequenos empresários do setor de floricultura, apesar de
receberem uma quantidade relativamente satisfatória de consultoria e capacitação gerencial,
oferecida pelo SEBRAE, principalmente, através de cursos, tais como: Iniciando um pequeno
grande negócio – rural; Gerenciando a empresa com sucesso; Aprender a empreender e
Juntos somos fortes, dentre outros, não estãoconseguindo absorver o conteúdo, ou caso
contrário, não estão praticando o conhecimento recebido em sala de aula, no dia a dia do
gerenciamento do negócio. Por esta razão, poderíamos classificar como baixo, o nível de gestão
desses negócios.
No tocante à demanda por recursos de terceiros, existe uma parcela significativa que busca
por estes recursos, sendo mais expressiva, na modalidade capital de giro, caracterizado: pelo
custeio de insumos e matéria-prima. A demanda de recursos para investimento fixo ocorre,
principalmente, naqueles empresários que estão iniciando o negócio.
As necessidades, assim como as dificuldades enfrentadas pelas MPE do setor são capital de
giro, aquisição de máquinas e equipamentos e a compra de matéria-prima e insumos, dentre outros.
Entre 1999 e 2004 houve um aumento da ordem de 742% na área plantada que passou de 19
para 160 hectares. A exportação cresceu de R$ 320 mil em 2001 para R$ 5,5 milhões em 2004,
quando 18% da exportação de produtos perecíveis pelo aeroporto de Fortaleza foi de produtos da
floricultura (TERRA DAS FLORES).
O plantio de flores é menos predatório para o meio ambiente do que culturas tradicionais
locais, como a cana-de-açúcar, ainda mais pela preocupação com o desenvolvimento de produtos
orgânicos.
37
O fator custo de transporte obteve uma avaliação negativa. Apesar da proximidade dos
países importadores quando comparado com outros produtores nacionais, e dos investimentos
recentes em infraestrutura (portos e aeroportos), os custos de logística para a obtenção de insumos
ou para o despacho da mercadoria são ainda muito altos. Este é um gargalo comumente associado a
este tipo de cultura, as flores são leves, mas ocupam um grande volume, envolvendo altos custos.
Para os grandes produtores o problema é que não há voos suficientes entre Fortaleza e Amsterdã
para acomodar toda a produção e isto faz com que o produto brasileiro possa vir a ser visto com
ressalvas pelos importadores.
A dispersão espacial, ou seja, a distância entre fornecedores de insumos e produtores é tida
como de influência negativa, pois dificulta e imobiliza os produtores, já que a atividade necessita de
matérias-prima sofisticadas que só são encontradas em mercados distantes como Fortaleza e até São
Paulo.
Segundo o relatório sobre o setor elaborado pelo SEBRAE-CE, de Novembro de 2006, as
principais dificuldades encontradas pelo setor são: deficiência técnica e gerencial de produtores e
varejistas; raras tecnologias apropriadas às condições regionais; pouca mão-de-obra qualificada; falta
de planejamento estratégico na produção; poucas informações de mercado com vistas à orientação
da produção; baixo nível organizacional e associativo do setor; promoções deficientes dos produtos
para os consumidores; ausência de padrões de embalagens; deficiência no transporte dos
produtos com a utilização de veículos improvisados; alto custo de transporte; perdas elevadas
pelo caráter perecível dos produtos; aumento da concorrência interna com a entrada de
empresas especializadas de outras regiões; aumentar o nível de profissionalização e especialização
da produção; superar carências tecnológicas nas áreas de reprodução, sistemas de produção,
fitossanidade e pós-colheita; planejamento da comercialização estabelecendo normas de
padronização e estimulando novos canais de comercialização; estimular o aumento do consumo
interno através de ações de marketing; ampliar o acesso ao mercado internacional; organizar a
logística de distribuição; intensificar a capacitação gerencial e tecnológica dos produtores; melhorar
a estrutura administrativa e financeira das empresas; realizar o planejamento estratégico da
produção; ampliar a presença da extensão rural no setor; ampliar o acesso dos produtores e
varejistas ao crédito; melhorar o nível organizacional e associativo do setor
Vale ressaltar que estas dificuldades transformam-se em oportunidades desde que se
apliquem ações corretivas adequadas. Apesar de promissora, a atividade de floricultura precisa
avançar e para isso todos os atores envolvidos na cadeia produtiva do setor terão que superar
alguns desafios: promover a realização de estudos mais aprofundados sobre o agronegócio das
flores; realizar pesquisas tecnológicas nas áreas de reprodução, sistemas de produção,
fitossanidade e pós-colheita; estabelecer normas de padronização; divulgar e aplicar novas
tecnologias; identificar espécies nativas com potencial ornamental; estimular o aumento do
consumo interno através de propagandas; ampliar o acesso ao mercado internacional; organizar a
logística de distribuição; intensificar a capacitação gerencial e tecnológica dos produtores;
melhorar a estrutura administrativa e financeira das empresas; realizar o planejamento
estratégico da produção; ampliar a presença da extensão rural no setor; ampliar o acesso dos
produtores e varejistas ao crédito; melhorar o nível organizacional e associativo do setor.
38
Atualmente as principais referências em floricultura são: Rosas Reijers, considerada a mior
produtora de rosas do país; Cearosa; Floranet, empresa especializada na organização de estratégias
de comercialização de Flores e plantas ornamentais com qualidade diferenciada; Cooperflora,
Cooperativa dos Floricultores; Flor Brasileira.
Holambra – SP, conhecida como Cidade das Flores, é o principal pólo de produção de flores e
plantas ornamentais do Brasil,
APICULTURA
A exportação de mel natural vem aumentando ano após ano, permitindo que o estado
abrisse mais uma porta para o mercado externo, passando a exercer um papel importante na
apicultura nacional e demonstrando possuir potencial. Em 2010, devido à escassez de chuvas, os
exportadores tiveram que conviver com a pouca oferta do mel. Em 2011 as exportações passaram
de US$ 9,7 milhões para US$ 12,8 milhões, com aumento expressivo de 31,4%. No entanto, o estado,
que era o 2º maior exportador de mel do país, passou a 3º ficando atrás do estado de São Paulo e
Santa Catarina (ADECE, 2011). As figura 22, 23 e 24 expõem essa realidade.
Figura 22: Exportações do mel de abelha no Ceará. (Fonte: MDIC; Elaboração: ADECE)
39
A apicultura nacional virou a página de uma história de produção incipiente e limitada ao
consumo local, para um cenário atual, onde o Brasil desponta como o 11º mais importante produtor
mundial e o 5º em exportação. O mel brasileiro é hoje cobiçado pelos principais mercados
internacionais, por ser livre de defensivos e pelo excelente padrão de qualidade. Em 10 anos, a
produção triplicou e as exportações deram um salto de mais de 9.000%, segundo dados da CBA
(Confederação Brasileira de Apicultura).
Apesar de o mercado interno ter potencial para absorver parte da produção naciona, alguns
problemas devem ser solucionados para se concretizze tal cenário.

Problemas Relativos à Divulgação: os produtos apícolas não tem divulgação alguma
namídia, o que mantém a visão histórica e equivocada de que o mel é apenas um
remédio, em detrimento de sua utilização como alimento barato e saudável. Deve-se
buscar a formação de hábitos alimentares dos consumidores, para que os produtos
apícolas sejam consumidos diariamente como alimento.

Problemas Relativos à Comercialização: o preço elevado pago pelo consumidor,
frente ao que o apicultor recebe com a venda do produto, muitas vezes,
ultrapassando aumentos de 500%, o que desestimula o aumento do consumo per
capita e não remunera adequadamente o apicultor, nem o estimula a buscar
alternativas para o aumento da qualidade do produto.

Problemas Relativos à Infraestrutura: Percebe-se que, atualmente, o Brasil
desenvolve, básica e quase exclusivamente, a produção de mel, sendo ainda reduzido
o aproveitamento dos outros produtos apícolas diretos (geléia real, pólen, própolis e
cera) que diversificariam e poderia agregar valor a toda a cadeia produtiva. No
entanto, o processo de certificação da produção como orgânica pode despertar o
interesse dos apicultores pelos demais produtos, principalmente se ficar claro que a
comercialização será facilitada pela conquista desses novos mercados e os preços
sejam compensadores. Quanto aos custos, o frete é elevado devido às grandes
distâncias a serem percorridas e as condições das infraestruturas de transporte no
Brasil serem deficientes, devendo-se buscar soluções logísticas, como a criação de
centros de distribuição e comercialização em pontos estratégicos do País. Há
também a necessidade da adequação das instalações de extração e beneficiamento
do mel e dos demais produtos apícolas. Atualmente, em muitos casos, as condições
dos locais onde são realizadas essas operações são muito variáveis, inclusive sem
qualquer tipo de serviço de inspeção sanitária (SIF - Serviço de Inspeção Federal, SIEServiço de Inspeção Estadual ou SIM - Serviço de Inspeção Municipal). Dentro deste
quadro, o mesmo ocorre com as embalagens utilizadas para o envase, transporte,
comercialização e consumo que devem, igualmente, ser adequadas e padronizadas,
reduzindo ou evitando o uso de embalagens inadequadas, utilizadas por muitos
pequenos produtores no comércio informal dos produtos apícolas. Além disso, é
necessário a exploração dos demais produtos apícolas diretos (geleia real, pólen,
própolis e cera), de maior valor agreagado, diminuindo a dependência direta do mel.
A cera, muitas vezes desprezada na coleta sem treinamento feita por produtores não
qualificados, passa cada vez mais a ser aproveitada. Hoje vários produtores se
40
beneficiam com as máquinas processadoras de cera. Sabe-se que as abelhas se
alimentam de mel – sua fonte energética – e de pólen – de onde retiram proteína. Os
dois produtos são também excelentes alimentos para os humanos. As propriedades
nutritivas do mel são bem conhecidas, mas o consumo é relativamente baixo entre
os brasileiros. Quanto ao pólen, seu consumo é quase sempre voltado às práticas de
medicina alternativa, mas desconhecido pela maioria da população como fonte
alimentar.

Problemas Relativos à Oferta: Em termos de infraestrutura e regulamentação do
setor, é necessária a utilização de insumos, materiais e equipamentos padronizados e
de boa qualidade, com custos competitivos, o que deve ser uma exigência dos
produtores. os produtos apícolas, mesmo considerados agrupadamente, não se
apresentam como um “mix” de produtos amplo o suficiente para gerar negociações
favoráveis, junto a grandes redes de supermercados ou farmácias, por exemplo.
Sugerir que o setor se aproximasse de grandes redes de supermercados e farmácias,
e de grandes distribuidores, que já trabalham com marcas próprias, de forma a
utilizar sua estrutura logística, comercial, de marca e de divulgação, ampliando, com
isso, a imagem do mel junto ao público consumidor final.

Problemas Relativos à Qualidade: é necessário que haja a obrigatoriedade da
realização de análises laboratoriais que atestem a idoneidade dos produtos apícolas,
assim como a ausência de substâncias contaminantes e/ou potencialmente
patogênicas, bem como a certificação por entidades credenciadas, no caso do mel
orgânico, nos mercados aos quais será destinado (nacional e/ou internacional).

Problemas Relativos à Capacitação dos Produtores: necessidade de ampliação do
nível de profissionalização, em todas as etapas da cadeia de produção e de
comercialização, inclusive com o enfoque de que a ocupação na apicultura deve ser
exercida como a atividade econômica principal do indivíduo, pois ainda é vista, por
muitos, como uma atividade secundária e paralela às suas atividades profissionais.

Problemas Relativos às Necessidades de Financiamento: deve-se buscar linhas de
crédito, com base no fato de que a apicultura gera um baixo impacto ambiental,
contribuindo para a conservação do meio ambiente e das comunidades tradicionais,
indígenas e pecuaristas.

Problemas Relativos à Organização do Setor: há a necessidade de desenvolvimento
de uma cultura associativista/cooperativista entre os apicultores, já que muitos
atuam de maneira isolada e não reconhecem ou simplesmente ignoram os benefícios
oriundos dos esforços serem encaminhados em grupo. Dessa forma, pode-se ganhar
eficiência em logística de produção, comercialização e distribuição. Assim, o setor de
mel pode ser alavancado rapidamente, uma vez que esta estruturação poderia
maximizar trocas de experiências e tecnologias, reduzir custos (que seriam diluídos
entre os integrantes) e ganho no poder de negociação com distribuidores e
varejistas. Essa organização viabiliza a criação de centrais de estocagem,
41
comercialização e distribuição de produtos, reduzindo os custos com fretes. Além
disso, também propiciaria eliminar uma das principais deficiêmcias do setor que é a
falta de uma marca que una os conceitos de qualidade e desejabilidade junto ao
consumidor final.
Verifica-se que no setor de mel, as principais barreiras ao desenvolvimento sustentável e
consolidado do segmento são: a grande informalidade do setor, envolvendo a sonegação, o
desrespeito às regras ambientais e a produção e comercialização de mel para fins de subsistência; os
problemas regulatórios, como o excesso de burocracia e os impostos elevados; a deficiência da
infraestrutura, incluindo aí a concentração dos estabelecimentos processadores de mel em
determinadas regiões, unidades e estabelecimentos industriais que processam mel de forma
inadequada ou que necessitam de adequações para obter o SIF (Serviço de Inspeção Federal) ou o
SIE(Serviço de Inspeção Estadual), um sistema de transportes precário, limites reduzidos de
estocagem, entre outros; o baixo consumo per capita do mercado nacional.
Com este cenário, existem diversas estratégias para mudar a realidade brasileira do mel e
outros produtos apícolas, podendo ser citadas: a potencialização do consumo do mel, como
apiterápico; a ampliação do consumo como alimento, por meio do estímulo do seu consumo em
vários espaços como, por exemplo, escolas, centros de saúde, estabelecimentos públicos, dentre
outros; incentivo ao consumo de outros produtos apícolas, como o pólen, a própolis e a geléia real
como alimento ou mesmo com suplemento alimentar; financiamentos para constituição e
adequação de casas de mel e entrepostos comerciais, e; estruturação da oferta, através da
organização dos produtores (cooperativas, centrais, consórcios, condomínios, centrais de compra e
venda, e outras formas de associação)
É importante lembrar que o estímulo à produção e comercialização de mel orgânico pode
gerar um aumento do consumo e das exportações deste produto. O mercado internacional atual é
bastante favorável aos produtos apícolas orgânicos e aos obtidos em locais onde o uso de
agroquímicos é reduzido, como é o caso do Brasil.
As experiências na apicultura demonstram que a produção de mel é uma atividade muito
rentável, podendo chegar a altos índices de lucratividade, incorrendo em poucos custos. De modo
geral, a apicultura mostra-se como uma boa opção para geração de renda no campo. Sugere-se que
programas que incentivem a apicultura no Ceará sejam levados em consideração por parte dos
órgãos governamentais, pois a atividade tem-se mostrado com bons índices de rentabilidade e baixos
custos operacionais, além das condições preexistentes na região, o que certamente viabilizaria o seu
desenvolvimento no meio rural, proporcionando ao homem do campo mais uma ocupação e fonte
de renda. Seria importante, também, o incentivo ao consumo de mel, através de estratégias de
vendas que enfatizassem que o mel é um alimento e que possui grande valor nutritivo. Além disso, a
importância da manutenção da qualidade do produto para garantir a confiança do consumidor.
Antes da a Central de Cooperativas Apícolas do Semi-Árido Brasileiro – CASA APIS, a história
era sempre a mesma: o apicultor produzia o mel e depois vendia a preços insignificantes para
atravessadores. Quem ficava com os lucros eram os atravessadores. Outro fator desfavorável era a
forma artesanal que os apicultores colhiam o mel. A idéia de criar uma central de processamento e
comercialização do mel e derivados foi muito bem sucedida. Atualmente a CASA APIS é uma
realidade e beneficia quase duas mil famílias de 34 municípios piauienses e cearenses, sendo que os
42
cearenses são minoria. A CASA APIS além de agregar mais valor ao mel, promove a expansão do
mercado e abertura para a exportação do produto. Esse caso de sucesso mostra que é nevessário
sensibilizar os apicultores para a importância do cooperativismo.
Picos, no sul do Piauí, é referência no Brasil na produção de mel e derivados. Segundoa a
revista Carta Capital: “Em Picos, as cooperativas transformaram o mel em produto de exportação”.
Uma das principais referências de Picos é a Central de Cooperativas Apícolas do Semi-Árido
Brasileiro, Casa Apis. Além disso, em Teresina (PI) fica o Laboratório de Controle da Qualidade de
Produtos Apícolas, que é o laboratório de referência em mel e derivados no Brasil.
43
ANÁLISE SETORIAL E DESAFIOS
SETOR – EDUCAÇÃO
44
ANALISE SETORIAL: EDUCAÇÃO
A construção de um sistema educacional democrático, justo e equitativo apresenta-se como
uma tarefa prodigiosa, pois envolve temas diversos como: acesso, fluxo, aprendizagem, formação de
professores (inicial e continuada), carreira docente, projeto pedagógico, avaliações, definição das
expectativas de aprendizagem, financiamento, ordenamento legal. Dessa forma, surge um desafio
que demanda envolvimento de toda a sociedade, talvez, por várias gerações.
Com tantos temas, formamos o ponto de partida para a análise das informações aqui
reunidas: o quadro de desigualdades educacionais pede que a sociedade como um todo tome
consciência do tamanho desse desafio e indica que as políticas públicas devem necessariamente
estar imbuídas de um sentido de urgência. A figura 25 apresenta uma realidade enfrentada pela pela
sociedade quanto à alfabetização das crianças.
Figura 25: Taxa de crianças alfabetizadas com 8 anos de idade. (Fonte: Censo Demográfico 2010/ IBGE)
Sob qualquer ponto de vista, seja o da conjuntura global, na qual o conhecimento se tornou
o principal ativo, seja pela diminuição das diferenças sociais que se colocam no caminho de um
desenvolvimento justo, a melhoria da Educação requer decisão, persistência e coragem do país.
Do ponto de vista da aprendizagem, a Avaliação Brasileira do Ciclo de Alfabetização (Prova
ABC) – divulgada em 2011 – mostrou que 51 em cada 100 crianças da rede pública não aprenderam o
adequado em relação à leitura para o 3o ano do Ensino Fundamental, no Brasil.
No decorrer da Educação Básica, cai a porcentagem de crianças que aprendem o que é
esperado em cada série, conforme verificado na figura 26 Isso ocorre, em parte, porque o
aprendizado nas primeiras séries é estruturante e tem impacto ao longo da escolaridade. É um
45
quadro que se mostra muito grave em todo o país, e ainda pior no Norte e no Nordeste brasileiro.
Mais uma vez, também as desigualdades dos contextos socioeconômicos regionais influenciam os
resultados negativos.
Figura 26: Percentual de crianças que atingiram um nível adequado em Matemática e Português na escala Saeb
em 2009- Ensino Fundamental.
Aproximadamente um terço dos alunos que deveriam estar no Ensino Médio permanece no
Fundamental. As diferenças se estendem em todas as etapas escolares e vão se acumulando até
desembocarem no Ensino Médio, que apresenta altas taxas de evasão e repetência, com baixos
índices de aprendizagem. Concluída a Educação Básica, menos de 30% dos estudantes dominam o
conteúdo esperado em Língua Portuguesa. Em Matemática, esse percentual é de apenas 11%
(ANUÁRIO DA EDUCAÇÃO, 2012).
Desestimulados com a falta de perspectiva pós-Médio, acumulando lacunas de aprendizagem
que dificultam o aproveitamento escolar, saturados por um currículo inchado e pouco ligado às suas
problemáticas reais, parte dos jovens deixa a escola precocemente.
EDUCAÇÃO BÁSICA
Países com população mais jovem enfrentam maior demanda por Educação Básica, ou seja,
precisam oferecer mais vagas proporcionalmente em creches e escolas. Conforme a figura27 a
população brasileira está envelhecendo, e isso tem impacto sobre as matrículas no Ensino
Fundamental, por exemplo.
46
Figura 27: População por faixa etária. (Fonte: IBGE, Censo Demográfico)
O Brasil é o maior mercado de Educação Básica da América Latina, com cerca de 58 milhões
de alunos matriculados, de acordo com o relatório Indicadores Estadísticos del Sistema Educativo del
Mercosur, e o sexto maior mercado do mundo no Ensino Superior, segundo dados da UNESCO de
2006. O foco dos investimentos do Governo Brasileiro nos últimos anos tem sido a promoção e a
disseminação da Educação Básica, para o qual destina aproximadamente 80% da verba de educação.
De acordo com a figura 28, a rede pública de ensino concentra cerca de 86% das matrículas da
Educação Básica, segundo o Censo Escolar de 2009 do INEP.
47
Figura 28: Matrícula escolar por instituições públicas e privadas. (Fonte: INEP/MEC)
A Educação Básica no Brasil está dividida em três ciclos de ensino: ensino infantil, ensino
fundamental e ensino médio. No Brasil, a educação básica inicia-se geralmente aos 3 ou 4 anos de
idade e tem uma duração média de aproximadamente 14 ou 15 anos.
O Brasil fez grandes progressos em educação básica nos últimos dez anos com aumentos
significativos na base de matrículas e nas taxas de conclusão do ensino fundamental e do ensino
médio. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) sobre o setor
de educação, a taxa líquida de matrícula no ensino fundamental nas regiões metropolitanas do país,
que mede o número de alunos matriculados versus o número total da população entre 7 e 14 anos
de idade, aumentou de 91,3% em 1995 para 95,5% em 2005. A mesma pesquisa indicou que a taxa
líquida de matrícula no ensino médio teve um aumento ainda mais significativo, de 30,1% em 1995
para 54,6% em 2005. A proporção de pessoas com educação média completa no Brasil subiu de 25%
na força de trabalho ocupada em 1993 para 33% em 2003.
De acordo com os dados do relatório “Global Education Digest 2006” elaborado pela
UNESCO, as taxas médias de alfabetização do Brasil entre o período de 2000 a 2004 foram de 89%
entre a população adulta (acima de 15 anos) e 97% entre a população jovem (de 15 a 24 anos), acima
da média mundial em ambos os casos.
ANALFABETISMO
Embora a taxa de analfabetismo do país tenha caído de 10% para 9,7% das pessoas com 15
anos ou mais de idade, entre 2008 e 2009 (a quinta queda consecutiva na Pesquisa Nacional por
Amostra de Domicílios – Pnad), esse percentual ainda representa 14,1 milhões de pessoas, conform
visto na figura 29.
48
Figura 29: Taxa de analfabetismo- pessoas com 15 anos ou mais de idade. (Fonte: PNAD/IBGE)
São consideradas analfabetas funcionais as pessoas analfabetas e aquelas que, mesmo
sabendo ler e escrever frases simples, não possuem as habilidades necessárias para satisfazer às
demandas do seu dia a dia e se desenvolver pessoal e profissionalmente. Isso inclui, por exemplo,
entender um bilhete ou uma notícia de jornal. Na tabela 13 são expressos os níveis de analfabetismo
e alfabetismo funcionais .
Tabela 13: Nível de alfabetização segundo a faixa etária- 2009. (Fonte: Instituto Paulo Montenegro)
ESCOLAS
O Brasil contava em 2010 com quase 195 mil escolas, segundo os dados disponibilizados pelo
Ministério da Educação. As unidades de ensino municipais predominam no Ensino Fundamental,
enquanto a maioria dos estabelecimentos que oferecem Ensino Médio é estadual.
Figura 30: Número de Estabelecimentos de Educação Básica por Dependência Administrativa- 2010. (Fonte:
Censo da Educação básica 2010)
49
Figura 31: Número de Matrículas na Educação Básica por Dependência Administrativa- 2010. (Fonte: Censo da
Educação básica 2010)
EJA - EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
A Educação de Jovens e Adultos (EJA) atende pessoas que não tiveram oportunidade de
concluir o Ensino Fundamental ou o Ensino Médio na idade adequada. Um dos desafios enfrentados
para atender esse público são os altos índices de evasão: 42,7% dos 8 milhões de brasileiros que
frequentaram classes de EJA até 2006 não concluíram nenhum segmento do curso, segundo a
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2007. Os dados do Ministério da Educação
mostram que a oferta de Educação de Jovens e Adultos (EJA) está concentrada na área urbana. No
entanto, há uma carência significativa desse tipo de ensino nas zonas rurais. Também segundo o
MEC, a taxa de atendimento do EJA Médio no campo é de apenas 2,64%. Além disso, enquanto 9,7%
dos brasileiros com 15 anos ou mais não são alfabetizados, esse percentual no campo chega a 23,2%.
Figura 32: EJA, Matrículas 2010- Ensino fundamental +Ensino Médio. Fonte: Censo da Educação Básica
De acordo com Timothy D. Ireland da Universidade Federal da Paraíba – Coordenador da
Cátedra da Unesco de Educação de Jovens e Adultos:
“O Brasil enfrenta enormes desafios com relação à Educação da sua população jovem e
adulta. Embora a simples taxa de analfabetismo seja frequentemente o dado que ganhe mais
visibilidade, os que são considerados analfabetos (incluindo-se os chamados analfabetos funcionais)
somados aos que não concluíram o ensino fundamental formam uma camada que atinge mais da
metade da população acima de 15 anos de idade. Essa camada – que representa a demanda
potencial para Educação de Jovens e Adultos (EJA) – é superior ao número total de alunos atualmente
atendidos no Ensino Básico regular.
As estatísticas tendem a revelar apenas uma face da EJA – a escolar. Mas a EJA possui outras
dimensões igualmente críticas: formação e (re)qualificação para o trabalho, Educação cidadã,
Educação ambiental, expressões culturais, Educação para a saúde etc. É nesse sentido amplo que a
Educação prepara as pessoas para a vida e contribui para a empregabilidade e mobilidade social dos
50
cidadãos. Mesmo que se mostrassem apenas estatísticas da EJA escolar, o atendimento atual não
passa dos 10% da demanda potencial, prejudicado ainda por índices de abandono e evasão, bem
como por questionamentos quanto à existência de quadros profissionais formados para trabalhar
com as especificidades desse campo educacional.
Nesse sentido, há, pelo menos, três fatores a serem considerados. Primeiro: estratégias e
formatos que mobilizem a população de jovens e adultos, com diminuição do hiato entre a demanda
potencial e real da EJA. Segundo: qualidade e relevância social dos programas ofertados – nesse
quesito, as universidades já desempenham um papel fundamental na formação de bons educadores,
que pode ser incrementado. Terceiro: efetivação de políticas de intersetoralidade que articulem
políticas sociais cujos sujeitos são muito parecidos.
EDUCAÇÃO SUPERIOR
As matrículas no Ensino Superior no Brasil cresceram 110% entre 2001 e 2010, segundo os
dados do Censo da Educação Superior do Ministério da Educação (MEC). Dessa forma, o total de
alunos matriculados chegou a 6,4 milhões de pessoas. As vagas ainda se concentram nas instituições
privadas: 74,2% do total. No Brasil, 12% dos adultos entre 35 e 44 anos completaram o Ensino
Superior segundo dados da publicação “Education at a Glance 2010”, da OCDE. No Chile, esse
percentual é de 24%, e nos Estados Unidos chega a 43%. O Ensino Superior é a última etapa da
Educação. O número de jovens que conseguem chegar a esse ponto de sua formação e daqueles que
concluem seu curso de graduação são indicadores importantes das oportunidades educacionais
oferecidas à população de um país.
Figura 33: Ingressantes em cursos de Graduação. (Fonte: INEP/MEC)
Mesmo já sendo um mercado de dimensão internacional, o Ensino Superior do País ainda
possui um alto potencial de crescimento, dado o baixo nível de penetração deste mercado quando
comparado a outras nações, inclusive países emergentes. Conforme dados da UNESCO publicados
em 2006, enquanto no Brasil apenas 20% dos jovens em idade teórica de cursar o Ensino Superior
freqüentam esse segmento, esse índice chega a 43% no Chile e 61% na Argentina. Já pelo nível etário
adotado pelo MEC, menos de 14% da população em idade de cursar o Ensino Superior (entre 18 e 24
51
anos) estava matriculada em instituições de Ensino Superior em 2008; um índice ainda muito abaixo
da meta do Governo Federal traçada em 2000 no Plano Nacional de Educação, que era de 30%.
Adicionalmente, o mercado brasileiro do Ensino Superior é caracterizado pela sua
fragmentação, contando com mais de 2.200 instituições privadas em 2008, segundo informações do
MEC. Destas, 90% possui menos de 5.000 alunos matriculados, conforme figura 34.
Figura 34: Instituições de Ensino Superior. (Fonte: INEP/MEC)
De acordo com os critérios da UNESCO, o mercado brasileiro de Ensino Superior foi o sexto
maior do mundo em 2004, com aproximadamente 3,6 milhões de alunos matriculados, embora
dados do MEC indiquem que o número de alunos matriculados seja 4,2 milhões no mesmo período.
Em 2008, segundo o MEC, o número de alunos matriculados no Ensino Superior passou de 5,1
milhões.
Figura 35: Número de alunos matriculados no Ensino Superior. (Fonte: MEC)
52
A busca crescente por conhecimento e por mão-de-obra qualificada tem impulsionado o
crescimento da demanda por cursos de Ensino Superior. No Brasil, possuir um diploma superior
causa um aumento salarial de 171% na renda média do indivíduo, segundo dados do estudo feito
pela Hoper Educacional sobre tendências e perspectivas de 2005 a 2010. Em especial, há uma
tendência de a classe trabalhadora buscar maior qualificação, gerando demanda por Ensino Superior.
Figura 36: Aumento salarial para trabalhadores com diploma superior.
Diferentemente do segmento da Educação Básica, o Ensino Superior é dominado por
entidades privadas, as quais foram responsáveis por grande parte do crescimento no número total
de matrículas nos últimos anos, consolidando seu papel de principal provedor de Ensino Superior no
Brasil.
ENSINO PROFISSIONALIZANTE
A procura pela Educação Profissional — que inclui o Ensino Técnico, de nível médio, e a
Educação Tecnológica, de nível superior — vem aumentando ano a ano e as três esferas de governo
tentam acompanhar essa tendência com a ampliação do número de vagas. A proporção de
matrículas no Ensino Técnico em relação ao total do Ensino Médio se aproxima dos 15%, mas ainda
está distante dos 30% verificados nos países de longa tradição em oferecer esse tipo de formação aos
jovens.
Os gráficos mostram a concentração da oferta de Educação Profissional na região Sudeste,
seguida, com certa distância, pela região Sul. Destaca-se também o peso da rede privada de escolas
técnicas. Para complementar, vale ressaltar que 48% dos alunos da Educação Profissional estudam
em escolas particulares, enquanto as redes estaduais respondem por 35% das matrículas, a rede
federal por 14,5% e as redes municipais por 2,5%.
Atualmente o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) é o
principal programa do governo federal na área da Educação Profissional, criado no dia 26 de Outubro
53
de 2011, por meio da Lei nº 12.513/2011. Tem como objetivo principal expandir, interiorizar e
democratizar a oferta de cursos de Educação Profissional e Tecnológica (EPT) para a população
brasileira. Para tanto, prevê uma série de subprogramas, projetos e ações de assistência técnica e
financeira.
Para alcançar a meta do governo federal de 8 milhões de vagas no âmbito do Pronatec, os
investimentos federais devem somar R$ 24 bilhões até 2014, o que inclui apoio financeiro às redes
estaduais e municipais e facilitação das formas de acesso à rede privada. A rede federal profissional e
tecnológica deve ser ampliada para 562 unidades, presentes em 512 municípios de todo o país. Meta
para 2014: 8 milhões de vagas com o Pronatec.
Figura 37: Estabelecimentos de Educação Profissional de nível médio. (Fonte: MEC/INEP)
EDUCAÇÃO DE NÍVEL MUNDIAL NO BRASIL
Se os avanços da Educação brasileira no campo do atendimento foram grandes nos últimos
anos, há muito que fazer quando se trata de qualidade. Para acompanhar a aprendizagem dos
alunos, são realizadas avaliações educacionais em larga escala, como a Prova Brasil. A partir delas é
possível estabelecer metas de longo prazo e perseguir resultados mais expressivos, conforme
indicado na figura 38.
54
Figura 38: Evolução de Desempenho de alunos brasileiros.
De acordo com a análise dos resultados, verifica-se que no 5º ano, na média Brasil, as escolas
públicas alcançam as metas de Matemática, mas quase todas as regiões ficam abaixo das metas em
Português , já no 9º ano, o desempenho público piora nas duas disciplinas e o percentual de alunos
que alcançam desempenho adequado em Matemática chega ao menor nível.
Na comparação com outros países, a partir do relatório Education at a Glance 2011, da
Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE), em 2008, o investimento
médio por aluno no Brasil só era maior que o da China. Em média, por aluno, o país investe US$
2.416,10 por ano. A Suíça, que dispõe do maior investimento, contabiliza US$ 14.976,81 por aluno
por ano, ou seja, 6,2 vezes o montante brasileiro. Os dados estão dispostos na figura 39.
55
Figura 39: Gastos anuais por estudante, do Ensino Fundamental ao Superior.
56
O MEC/INEP desenvolveu um índice de desempenho escolar chamado IDEB (Índice de
Desenvolvimento da Educação Básica). Com uma nota do IDEB para praticamente todas as escolas,
aproximadamente 5.000 sistemas escolares municipais, 26 sistemas estaduais e o Distrito Federal,
cada segmento do sistema de educação brasileira tem um ponto de referência para medir quão bem
seus estudantes estão aprendendo e quão eficientemente sua escola ou sistema escolar está se
desempenhando. Nenhum outro grande país com regime federativo no mundo conseguiu este feito.
Porém, os métodos eficazes de aferição de desempenho, mostram que a educação no Brasil
ainda enfrenta desafios de ordem estrutural, impactando diretamente no aprendizado do aluno, e
estas deficiências se tornam mais claras se comparadas com o desempenho de alunos de outros
países.
A disparidade nas habilidades de matemática entre o estudante médio de Xangai e o
estudante médio brasileiro mostradas na figura 40 é de aproximadamente 5 anos letivos. As
implicações são graves, já que sabe-se que o que os estudantes realmente aprendem (medido numa
escala de testes mundiais como o PISA) é o que realmente conta para o crescimento econômico e
não quantos anos de escolaridade que completam. O Brasil mantém uma das taxas mais elevadas de
repetência do mundo, apesar de pesquisas indicarem que a repetição é uma estratégia ineficaz para
aumentar a aprendizagem.
Figura 40: Desempenho em Matemática no PISA do Brasil e de seletos países, 2000-2009. (Fonte: OCDE, 2010)
O nível de gastos atual do Brasil, verificado na figura 41 deveria estar produzindo resultados
melhores. Os países da OCDE gastam em média 2 vezes mais por estudante no ensino superior que
ao nível fundamental, o Brasil gasta quase 6 vezes mais. O gasto público na educação em 2007 foi de
5,2% do PIB, acima da média de 4,8% dos países da OCDE. O Brasil também gasta mais do que o
México, Chile, Índia e Indonésia, que têm perfis demográficos semelhantes. A figura 41 faz uma
correlação entre a quantidade gasta por estudante no Brasil e em outros países, e a figura 42
estratifica esses gastos por níveis educacionais.
57
Figura 41: Gastos com a educação no Brasil. (Fonte: Tesouro Nacional do Brasil; OCDE)
Figura 42: Gasto por estudante em diferentes níveis educacionais em relação a custos por unidade no ensino
primário, 2007.
Existe uma carência quase que completa de pesquisas de custo-efetividade que poderiam
orientar os investimentos e políticas nessas áreas. A chance de estudar essas reformas e programas
sistematicamente faz com que o Brasil seja um dos melhores laboratórios mundiais para gerar
evidências globais sobre “o que funciona” na educação. Um esforço federal dedicado para
incentivar e disseminar estas ricas experiências mais eficazmente através da avaliação de impacto
rigorosa talvez seja o caminho mais rápido para alcançar uma educação de nível mundial.
No Brasil, a carreira docente se tornou uma profissão de baixa categoria que não consegue
atrair os candidatos de alto rendimento acadêmico. Os dados indicam que os professores são
recrutados do terço inferior dos estudantes do ensino médio, já em Singapura, Coréia e Finlândia os
professores vêm do terço superior. A melhoria da qualidade dos professores no Brasil exigirá o
recrutamento de indivíduos de mais alta capacidade, o apoio ao melhoramento contínuo da prática,
58
e a recompensa pelo desempenho. Tanto o governo federal quanto alguns governos estaduais e
locais já iniciaram reformas nessas áreas, com programas de bônus para professores nos estados de
Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo e no município do Rio de Janeiro.
Professores brasileiros usam uma proporção substancial do tempo em sala de aula
praticando atividades rotineiras como fazendo a chamada e recolhendo deveres de casa. Uma alta
proporção de professores também não faz uso dos materiais de aprendizagem disponíveis, e de 4364 por cento do tempo os estudantes estão visivelmente desocupados (em países da OCDE, o ponto
de referência para estudantes desocupados é de 6 por cento ou menos do tempo). Em vez de cursos
teóricos, os programas de formação profissional projetados a partir das evidências das observações
em sala de aula usam vídeos e exercícios práticos para ensinar técnicas eficazes de uso do tempo na
sala de aula, do uso de materiais de aprendizagem e para manter os estudantes ocupados na tarefa.
Além da deficiência encontrada na formação do docente, existem ainda as questões
subjacentes ao baixo nível de aprendizagem das crianças de famílias pobres, que se tornam mais
complexas uma vez que os sistemas educacionais alcançam a cobertura universal. A questão central
de igualdade na educação brasileira mudou de igualdades do acesso à igualdade da aprendizagem.
Figura 43: Escolaridade média concluída e resultados de aprendizagem do PISA, por quintil de renda.
EDUCAÇÃO LIVRE
Em estudo desenvolvido pelo Sistema FIRJAN em 2011 a fim de compreender o
comportamento do setor produtivo face o perfil do mercado de trabalho brasileiro, verificou-se que
42,1% das indústrias aumentaram a quantidade de funcionários e que 63,3% aumentarão até 2016.
Nesta perspectiva, o estudo também mostra que 53% das indústrias não preencheram a maioria das
vagas disponibilizadas e 47% das indústrias preencheram praticamente todas as vagas, porém não
estão plenamente satisfeitas com os profissionais contratados, pois estes não possuem a proficiência
necessária para assumir as oportunidades profissionais oferecidas. Dessa maneira, a ausência de
59
características e competências pessoais compromete a qualidade da mão-de-obra brasileira. Prova
disso é que cerca de 90% das empresas enfrentam dificuldades na contratação de profissionais
devido a falta de proficiência nas seguintes competências, que podem ser desenvolvidas na Educação
Básica, através, por exemplo, do desenvolvimento de habilidades matemáticas:




Capacidade para resolver problemas;
Capacidade de agir face ao imprevisto;
Persistência em superar dificuldades do dia-a-dia;
Capacidade de observar e interpretar dados.
Outro estudo, realizado a partir do PNAD, mostra que no Brasil há cerca de 23 milhões de
pessoas de 15 a 30 anos de idade, com acesso a internet, com menos de 2 salários mínimos per
capita e com no máximo ensino médio completo. Nesse público, aproximadamente 38% está
desempregado. Além disso, a penetração da formação técnica e profissionalizante apresentou
crescimento de 33% no período de 2007 a 2010.
Tais dados, bem como a realidade apresentada para o perfil profissional do mercado
brasileiro motivam a concepção do Projeto Educação Livre. O Projeto Educação Livre consiste
basicamente no desenvolvimento de uma plataforma interativa que pretende prover capacitação,
aperfeiçoamento e inserção de jovens no mercado de trabalho através de soluções tecnológicas que
permitam a criação de itinerários pedagógicos adaptativos ao perfil do usuário, além do acesso
aprendizado livre utilizando mecanismos de colaboração mútua. A plataforma permitirá a interação
com objetos educacionais já existentes na internet de maneira integrada aos itinerários formativos,
com abordagens pedagógicas não tradicionais e com foco na experiência de uso do usuário por
meiro da utilização de mecanismos lúdicos, como jogos, vídeos, animações, dentre outros.
MAPEAMENTO
Educação no Ceará
A taxa de matrícula bruta mede o total de estudantes em determinado nível de ensino,
indepedentemente da idade, em relação à população na faixa etária oficialmente correspondente a
este nível. A taxa líquida de matrícula indica qual proporção de pessoas de uma determinada faixa
etária estuda no nível de ensino oficialmente correspondente a esta faixa etária. As figuras seguintes
mostram os dados do Estado do Ceará:
Figura 44: Taxa de matrícula -2009. (Fonte: Pnad/IBGE)
60
Figura 45: Taxa de distorção idade- série-2010. (Fonte: MEC/INEP/Deed)
Figura 46: Taxa de rendimento – 2010. (Fonte: MEC/Inep/Deep)
A educação no Ceará demanda por ações que venham minimizar os óbices ao acesso do
conhecimento. A tabela 14 demonstra que a taxa de analfabetismo de pessoas com 15 anos ou mais
ainda é bastante expressivo, e essas pessoas acabam sendo, de certa forma, marginalizadas,
apresentando maiores dificuldades para serem inseridas no mercado de trabalho. Inserir essas
pessoas e promover uma trasnformação social das mesmas é um desafio que a educação no Ceará
enfrenta hoje.
Tabela 14: Raio X da educação no Ceará. (Fonte: IBGE/MEC/Inep)
61
VALIDAÇÃO
O Ceará realmente tem um cenário adequado para a implementação da etapa presencial do
Educação Livre. Além das elevadas taxas de analfabetismo funcional, há industrias instaladas nessas
áreas que tem alta demanda por profissionais de nível técnico. Boas regiões para início do Projeto
seriam: Complexo Portuário do Pecém, Cariri, Sobral e Região Metropolitana de Fortaleza, pois se
adequam ao perfil do público-alvo do Projeto. Nelas, além de uma alta densidade demográfica,
temos uma população com alto índice de analfabetismo funcional e se encontram próximas aos
principais polos industriais do Estado.
Segundo o subsecretário de educação do Ceará, a implementação do Projeto deve ser
rigorosa com a realidade. Os estudos quantitativos por si só não demonstram a realidade de cada
município. Além disso, a relação entre o investimento e o número de pessoas impactadas deve ser
bem observada. Muitas vezes aloca-se um investimento muito grande para um público muito
pequeno, enquanto outras vezes peca-se na qualidade por atingir um público muito alto. Projetos de
alta escala (alguns do Governo Federal, por exemplo) geralmente não se adaptam a realidade
específica de cada município.
Tanto no Ceará como em outros estados do Brasil existem muitas inciativas (principalmente
focadas em e-learning) governamentais que além de ser pontuais não tem o nível de profissionalismo
tão elevado. Uma boa ideia para o Educação Livre é se tornar um Hub para essas iniciativas. Como
caso de grande sucesso temos o “The Open University” iniciado na Ingletarra e adaptado para o
Brasil desde 2005, mas com muito a evoluir em relação ao modelo inglês.
Pensando na etapa presencial do Educação Livre teríamos possibilidade de inciar em três
principais frentes:
- Presencial: Necessitaria de um engajamento de professores públicos. Não é muito viável, pois os
professores geralmente não se adaptam muito bem a novas tecnologias de ensino. Além disso, a
carga horária deles geralmente já está completa necessitando muitas vezes de professores
substitutos.
- Semipresencial: Os alunos teriam tanto aulas via plataforma virtual num laboratório coletivo,
quanto aulas tradicionais dadas nesse mesmo laboratório por um monitor.
- Elearning (com a presença de um monitor): Semelhante ao semipresencial, com a diferença que
todo o aprendizado se da completamente através das aulas via plataforma virtual. Estudos mostram
que o índice de evasão nesse modelo é mais elevado.
Um
caso
para
se
analisar
é
o
programa
do
Governo
e-Jovem
(http://www.ed.net.br/ejovemce2010/portalNovo/). O projeto e-Jovem é uma iniciativa do Governo
do Estado do Ceará, por intermédio da Secretaria de Educação – SEDUC cuja proposta visa oferecer
formação em tecnologia da informação e comunicação tendo como princípios básicos a formação
continuada, o protagonismo e empreendedorismo juvenil e a qualificação profissional,
oportunizando melhores condições de inserção no mundo do trablho e geração de emprego e renda
para jovens concluintes do Ensino Médio e egressos da rede pública estadual.
Para tal, propõe uma formação complementar de jovens egressos e concluintes do ensino
médio regular das escolas públicas do Estado do Ceará dividida em dois módulos:
62
Módulo I: Linguagens básicas nas áreas de Matemática, Português, Inglês Instrumental, Raciocínio
Lógico, Informática Básica e Empreendedorismo Social. A grade curricular deste módulo proporciona
conteúdos transversais que permitem um processo de aprendizagem integrado e preparatório para
Módulo II.
Módulo II: Este módulo possui um caráter bem mais técnico e específico na área de informática no
sentido amplo. Linguagens Específicas: Informática e Linux básico; Inglês técnico; Projetos Web;
Inkscape; Gimp; HTML, CSS e Dreamweaver; Flash; Framework – Joomla; Lógica de programação –
Scratch e Phyton; PHP; Hardware; Redes de computadores; Linux Intermediário; Empreendedorismo;
Programação Java; Iniciação à computação gráfica; Iniciação á gravação, composição musical,
mixagem de áudio, à edição não linear de vídeo e áudio.
Foram feitas algumas experiências iniciais de ensino. Hoje, as aulas do módulo I do projeto eJovem são baseadas na metodologia de Educação à distância no formato semipresencial e este
modelo apresentou o menor índice de evasão e maior eficiência de ensino. A educação à distância é
um meio imprescindível para alcançar os municípios de áreas mais distantes do Estado com carência
de professores especializados. O maior problema enfrentado atualmente para escalar o projeto é
que a plataforma de ensino ainda é paga. A grade do curso segue o modelo da tabela 15 a seguir:
Tabela 15: Carga horária e grade curricular (2009/2010). (Fonte: SEDUC)
O Governo do Estado do Ceará, através da SEDUC é o encarregado na aplicação dos recursos
necessários para a implantação e manutenção dos laboratórios de informática, a aquisição e
63
distribuição dos equipamentos necessários, o material didático e, a preparação, treinamento e
conseqüente disponibilização de recursos humanos qualificados para executar funções nos diversos
níveis de coordenação, supervisores, monitores e instrutores para o projeto.
A gestão e implementação do projeto é estruturado institucionalmente da seguinte forma:
Grupo Gestor: Responsável pela normatização de todo o processo, constituído de representantes da
SEDUC e do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia (IFCE) através do Centro de Pesquisa
e Qualificação Tecnológica (CPQT). Este último tem a tarefa de acompanhar a execução e a avaliação
do processo nas escolas. Cabe ao CPQT disponibilizar quadros profissionais preparados para atuar
tanto nas relações pedagógicas quando tecnológicas do módulo II.
Supervisores: Este conjunto de profissionais faz parte do Grupo Gestor e tem o encargo de fazer a
ponte de ligação entre a coordenação e as escolas. Os supervisores são responsáveis pelo
acompanhamento dos instrutores e monitores. É também função do supervisor acompanhar os
projetos sociais desenvolvidos pelos alunos no módulo I.
Instrutores: Profissionais técnicos selecionados e orientados pelo CPQT, para ministrar as aulas do
Módulo II, com uma metodologia presencial. O trabalho dos instrutores é apoiado por material
didático (apostilas) e uma plataforma que funciona pela Internet para disponibilizar materiais
multimídia, como vídeo aula, tutoriais, trabalhos práticos e exercícios dirigidos.
Tutores: São o apoio direto do instrutor na produção de material didático, treinamento e suporte
educacional aos alunos.
Monitores: Este grupo se constitui por universitários regularmente matriculados e cursando seus
respectivos cursos. Não possuem as capacidades e funções dos instrutores, por esta razão, são
utilizados apenas no Módulo I. Apoiam o aluno em sala, facilitando o processo pedagógico e criando
condições para a integração efetiva do grupo, gerando um ambiente de construção coletiva.
Professor Web: A equipe de professores web é formada por três profissionais e dois estagiários
contratados pela Educandus. O trabalho consiste em prover um canal permanente de comunicação
dos alunos do Módulo I para responder as suas dúvidas em todas as atividades a ser realizadas. Entre
a suas responsabilidades cabe destacar que os professores web devem responder às dúvidas dos
alunos postadas na plataforma digital em um período de 24 horas. O cumprimento deste prazo é de
grande relevância na medida em que o cronograma pode sofrer atrasos caso exista demora na
resolução das dúvidas.
Educadores Sociais: Sua função é promover iniciativas de apoio e incentivo ao protagonismo social
juvenil, para isto se criou na grade curricular a disciplina empreendedorismo Social. Deve induzir a
uma maior consciência e envolvimento do jovem cursando diante das necessidades da comunidade
local, buscando estratégias que contribuam na resolução de problemas no seu entorno social.
O ambiente físico para realização do projeto geralmente é um laboratório ocioso de uma
escola municipal parceira do programa. Inicialmente, os jovens do programa eram divididos em dois
por computador tanto para aumentar a abrangência quanto para compartilharem dúvidas e
conhecimentos. Entretanto, percebeu-se que o componente que estava menos atuante no uso da
64
plataforma perdia sua atenção e desfocava o grupo. Hoje, no modelo do programa cada computador
é usado por apenas um jovem.
A plataforma também é desenhada para permitir competições no site e construir uma
biblioteca virtual para os alunos. Foi elaborada também, uma rede social virtual para a troca de
experiências entre seus usuários. Na rede, os jovens e corpo docente postam idéias, fotos, poesias,
notícias do mercado de trabalho e dicas relacionadas ao conteúdo das aulas dos projetos. Os
conteúdos pedagógicos e o material didático são elaborados pela Educandus e fazem parte do
orçamento do projeto. Esta empresa também participou na proposta metodológica do projeto.
Na área de empreendorismo social o e-Jovem obteve a colaboração da Ashoka Brasil,
instituição com reconhecida experiência internacional no trabalho da prática social. A metodologia
usada pela Ashoka é o programa Geração Muda Mundo, focado em fomentar projetos sociais. A
elaboração de um projeto nos moldes desta metodologia é condição necessária para a conclusão do
curso. O ambiente tecnológico previu a utilização nos processos de aprendizagem de softwares
livres, tecnologias de comunicação em redes virtuais gratuitos e técnicas de manutenção de
hardware. Assim, o aluno não encontraria – no futuro – problemas de recursos financeiros ante a
possibilidade de iniciar um projeto empreendedor.
Os softwares aceleram a dinâmica do projeto e aumentam a perspectiva futura de utilização
visto que possuem códigos disponíveis para serem estudados e reutilizados. A manutenção de
hardware é talvez uma das áreas de maior dinâmica no mercado de trabalho do setor na região
Nordeste. Assim, o e - Jovem disponibiliza conhecimentos sobre os componentes físicos do sistema
de computação, memória principal e auxiliar, processador, placa mãe, entre outros.
Hoje o programa atende apenas 3000 jovens no Estado, mas tem demanda para muito mais.
O perfil dos alunos do e-Jovem se também se alinha perfeitamente com o público alvo do Educação
Livre. Para isso, basta observar o infografo abaixo.
Tabela 16: Distribuição dos alunos por faixa etária. (Fonte: Projeto e Jovem. IETS, 2010)
Um dos fatores que incide no aproveitamento, por parte do aluno, do conteúdo do e-Jovem
é a permanente utilização do computador e de internet em ambientes além do recinto escolar.
65
Assim, pode-se observar que o grau de utilização de computador em casa é muito baixo entre os
alunos do módulo I (70% não utilizam o computador em casa). Esta porcentagem é menor entre os
alunos do módulo II: 48%.
Entre os alunos que utilizam computador em casa aproximadamente 20% o faz para uso
pessoal nos dois módulos. O número de alunos que utiliza o computador em casa para uso
profissional é reduzido.
No caso da utilização de computador e/ou internet no trabalho as porcentagens de quem
não usa computador são ainda maiores do que a utilização nos domicílios: 83% no módulo I e 61% no
módulo II não utilizam computador no trabalho.
Tabela 17: Distribuição dos alunos segundo o uso das TICS. (Fonte: Projeto e Jovem. IETS, 2010)
De forma inversa, quando questionados sobre a utilização de computador e/ou internet em
lan houses, apenas 1 de cada 4 alunos não utiliza este ambiente, tanto no módulo I quanto no
módulo II. Como é de se esperar, os alunos de ambos os módulos utilizam intensamente computador
e/ou internet na escola ou na faculdade. Apenas 20% dos alunos do módulo I não utilizam
computador e/ou internet na escola ou faculdade e 17% no módulo II.
A figura 47 (frequência de uso da internet em horários além dos oferecidos pelo projeto)
mostra a frequência de acesso à internet dos alunos de ambos os módulos. As porcentagens são
maiores no caso da frequência diária e da frequência de acesso de dois a cinco dias na semana dos
alunos do módulo II (33% e 35%, respectivamente) quando comparados com os alunos do módulo I
66
(21% e 27%, respectivamente). Na medida em que a frequência diminui os alunos do módulo I
apresentaram maiores porcentagens quando comparados com os alunos do módulo II.
Figura 47: Frequência de uso da internet em horários além dos oferecidos pelo projeto. ( Fonte: Projeto e Jovem.
IETS, 2010)
Acreditamos que a etapada presencial do Projeto Educação Livre deve ser realizada em
parceria com uma ou mais iniciativas já realizadas pelo Governo do Estado ou Municípios locais. Os
estudos realizados pelo grupo indicam que uma boa opção é realizar uma parceria com o projeto eJovem especialmente no módulo I, pois ambos tem muitas premissas semelhantes. São elas:



Metodologia de ensino baseada em EaD;
Perfil do público alvo: jovens de 15-29 anos que ainda não se inseriram no mercado de
trabalho;
Inserção desse jovem no mercado de trabalho a partir da preparação do mesmo para cursos
profissionalizantes;
Outra possível parceria a ser realizada para implementação da etapa presencial do Educação
Livre é com o Pronatec. Criado no dia 26 de Outubro de 2011 com a sanção da Lei nº
12.513/2011 pela Presidenta Dilma Rousseff, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e
Emprego (Pronatec) tem como objetivo principal expandir, interiorizar e democratizar a oferta de
cursos de Educação Profissional e Tecnológica (EPT) para a população brasileira. Para tanto, prevê
uma série de subprogramas, projetos e ações de assistência técnica e financeira que juntos
oferecerão oito milhões de vagas a brasileiros de diferentes perfis nos próximos quatro anos. Os
destaques do Pronatec são:




A criação da Bolsa-Formação a criação do FIES Técnico;
A consolidação da Rede e-Tec Brasil;
O fomento às redes estaduais de EPT por intermédio do Brasil Profissionalizado;
A expansão da Rede Federal de Educação Profissional Tecnológica (EPT).
67
A primeira etapa do projeto é a seleção dos participantes. Mesmo com os pré- requisitos do
Programa a demanda ainda é muito maior que a oferta. Para isso, existe uma fase inicial do
Programa chamada aperfeiçoamento pedagógico.
Na etapa de aperfeiçoamento pedagógico o aluno se preparará para receber os cursos de
formação profissional. Ao final dessa etapa, o aluno deverá ter aprendido todos os conhecimentos
que serão pré-requisitos para sua formação técnica.
A etapa presencial do Projeto Educação Livre também pode funcionar em parceria com o
Pronatec com algumas pequenas ressalvas. A capacidade instalada do programa já está no limite.
Provavelmente a melhor maneira dessa parceria acontecer seria a inserção do Projeto Educação
Livre na etapa de aperfeiçoamento pedagógico. Os pontos positivos são:


Menor esforço gasto com logística, pois o Pronatec já prevê entrada na maioria dos
municípios cearenses;
Aplicação imediata do projeto na formação profissionalizante.
Finalmente, pelos encontros que tivemos com profissionais referências no setor pudemos
observar que a melhor maneira de instalar a etapa presencial Projeto Educação Livre é em parcerias
com iniciativas já existentes. São exemplos delas: e-Jovem, programa Luz do Saber, Pronatec, SENAI,
CIPP, UTD, SDA e lideranças locais nos municípios escolhidos. Os pontos indicados para início do
projeto (Complexo Industrial do Porto do Pecém, região metropolitanta de Fortaleza, Sobral e Cariri)
foram escolhidos por se alinharem com os pré- requisitos definidos: inclusão digital, analfabetismo
funcional e proximidade com polos industriais. O próximo passo para validação do Projeto será
benchmarking de iniciativas já realizam ações em educação.
BENCHMARKING EDUCAÇÃO
o
REDE EMANCIPA MOVIMENTO SOCIAL DE CURSINHOS POPULARES
A Rede Emancipa é um movimento social de cursinhos pré-universitários populares que luta pelo
direito à universidade para todos, principalmente para o estudante da escola pública. O movimento é
construído pelos professores e estudantes, através das aulas regulares e mobilizações em defesa da
educação.
Fundada na cidade de São Paulo em 2007, a Rede Emancipa começa 2011 com nove cursinhos no
estado de São Paulo e inaugurando unidades em Porto Alegre (RS), Distrito Federal e Belém(PA),
proporcionando mais de 1300 vagas para alunos.
Com uma equipe de mais de 150 professores e coordenadores, construímos um projeto político
pedagógico que vai além do ensino para o vestibular. Trabalhamos com o potencial emancipador da
educação, do que está presente cotidiano e na vida do estudante, e para ampliar e diversificar seu
universo cultural. O cursinho é local onde os alunos compartilham e constroem conhecimentos que
enriquecem suas visões de mundo e os instigam a serem sujeitos sociais ativos e criativos na
sociedade.
68
Organizamos a Rede Emancipa não apenas para ser parte do projeto individual de cada um, mas
como uma alternativa de construção de um projeto coletivo, que defende uma verdadeira
democratização do acesso à universidade e a educação pública, gratuita e de qualidade. Assim, nossa
preocupação não se limita àqueles jovens que serão aprovados no vestibular, se estende também
aos que não serão. Nesse projeto se engajam professores, alunos e ex-alunos universitários!
Benchmarking: Educação de qualidade para pessoas de baixa renda
o
SISTEMA PONTUAL DE ENSINO
O Sistema Pontual de Ensino é uma plataforma de conhecimento que promove a inclusão digital
dos alunos da rede pública, através de auxilio no ingresso nas universidades. Esse auxílio se dá de
forma sistemática, em que os estudantes realizam atividades periódicas como complemento da
educação obtida nas escolas.
Sabe-se que o sistema público de ensino brasileiro é totalmente carente de professores
qualificados e alunos motivados. Percebendo essas deficiências, o Sistema Pontual oferece, além de
aulas e material de qualidade, formas de motivar o aluno a realmente estudar e conseguir ingressar
em uma boa universidade.
Para essa motivação, ofereceremos na plataforma um sistema de pontuação no qual a cada
atividade realizada pelo aluno – simulados, listas de exercícios, aulas assistidas – acumulará pontos.
Eles poderão trocá-los por prêmios na “loja” do Sistema. Com isso, não apenas os melhores
colocados nos simulados serão premiados, mas todos terão a oportunidade de serem agraciados.
Benchmarking: Motivação dos alunos através de um sistema de pontuação baseado nas atividades
do aluno, em que os pontos podem ser trocados por prêmios. Meritocracia.
o
CASD VESTIBULARES
O Curso Alberto Santos Dumont é uma instituição sem fins lucrativos com uma proposta
filantrópica de atender à população carente de São José dos Campos e região, oferecendo ensino de
qualidade àqueles que não podem arcar com os custos de um pré-vestibular comercial. O cursinho
possui sede própria que foi construída por meio de doações de parceiros e empresas, entre eles:
Instituto Embraer, Petrobras, Banco Santander e Prefeitura Municipal de São José dos Campos.
Atendendo atualmente em torno de 520 alunos. A seleção desses alunos ocorre por uma
prova chamada "Vestibulinho" e uma posterior avaliação de renda. A procura pelo Vestibulinho tem
sido cada vez maior, chegando a 2711 inscritos em 2011.
Toda a gestão do curso é realizada exclusivamente por alunos de graduação do ITA,
enquanto o corpo docente é formado em sua maioria por alunos do ITA, contando com apoio de
alunos de outras universidades públicas como USP e Unicamp. Além da habitual rotina acadêmica,
são desenvolvidas outras atividades, como palestras vocacionais e educacionais dos mais diversos
setores. O material didático utilizado é elaborado pelos próprios professores e repassado
gratuitamente aos alunos.
69
Ao proporcionar uma alternativa de qualidade a alunos de poucos recursos financeiros, o
CASD Vestibulares realiza um valioso trabalho social com a obtenção de altos índices de aprovações
em faculdades públicas, o que o posiciona como um dos cursos pré-vestibular noturno com os
maiores índices de aprovação da região do Vale do Paraíba, superando o desempenho de cursinhos
particulares tradicionais. O resultado de todo o trabalho desenvolvido pelos voluntários do CASD
Vestibulares pode ser acompanhado por meio das aprovações obtidas nos principais vestibulares do
país nos últimos anos, como ITA, IME, USP, UNICAMP, UNESP, UNIFESP e UFSCar.
Benchmarking: Educação de qualidade para pessoas de baixa renda com pouco acesso um material
bem preparado.
o
INSTITUTO SEMEAR
Dados do ensino público superior mostram que o perfil social do estudante universitário
contrasta com o da população egressa do ensino médio. Dos poucos que conseguem vencer a
barreira da escassez do acesso ao ensino de qualidade nos níveis médio e fundamental, menos ainda
alcançam êxito na vida acadêmica universitária e profissional. Grande parte nem chega a se formar,
causando aumento da evasão, principalmente pela falta de recursos financeiros. Essa é uma
realidade frequente, por exemplo, nas histórias de ex-alunos do CASD Vestibulares, os quais,
ingressados em universidades longe de suas casas, não conseguem manter-se por razão da limitação
financeira e da falta de perspectivas, acabando, não raro, por abandonar o curso.
Desse pequeno grupo de alunos universitários financeiramente desfavorecidos, há ainda
aqueles com grande potencial empreendedor, acadêmico ou profissional. Esses talentos são, muitas
vezes, desperdiçados pelos motivos acima citados.
Portanto, há necessidade de romper com esse ciclo de desperdício causado pela
desigualdade de oportunidades. O Instituto Semear tem o objetivo de criar um mecanismo de apoio
ao aluno nessa situação, para que ele consiga seguir o curso em igualdade com qualquer outro
universitário, não importando a classe social na qual está inserido. Todavia, somente o apoio
financeiro não basta. É preciso ainda desenvolver as potencialidades desses jovens talentosos a fim
de formar profissionais completos, capazes de sobrepujar as limitações sócio-econômicas e construir
uma carreira de sucesso. Este passo é fundamental para ativar a mobilidade social, diminuir a
pobreza e a desigualdade e criar exemplos vitoriosos de superação.
Ademais, o esforço deve ainda ser disseminado. Cultivando consciência social junto a mentes
empreendedoras e pró-ativas, convém criar um “meio de propagação” desta causa e ajudar a formar,
além de profissionais competentes, cidadãos engajados no enfrentamento dos problemas sociais do
país.
Cidadãos esses que levarão consigo a responsabilidade moral e social de passar adiante o
investimento que lhes foi dedicado, semeeando mais gente e ajudando a construir uma nova geração
de vencedores.
Benchmarking: Diminuir o índice de evasão de universidades públicas
70
o
KHAN ACADEMY
A Khan Academy é uma organização não governamental que tem como objetivo contribuir
para a melhoria da educação por meio de vídeo-aulas online disponibilizadas gratuitamente. Além
dos vídeos, o site conta com um módulo de exercícios e um painel que permite ao usuário
acompanhar seu desempenho. Todo conteúdo é aberto.
Projetos que utilizam o audiovisual como recurso para uma aprendizagem mais dinâmica e
interessante têm recebido cada vez mais espaço na educação. Os vídeos estão ganhando tradução
para o português, e educadores e alunos do Brasil já têm à sua disposição um canal com quase 700
aulas. A Fundação Lemann, que realiza ações de incentivo à educação pública brasileira, é a
responsável pela iniciativa. Por enquanto, os vídeos traduzidos tratam somente de matérias ligadas
ao ramo das ciências exatas, como aritmética, biologia, química e física. O objetivo, porém, é
conseguir ter em português todos os vídeos do canal.
A página original do projeto já possui mais de 4 milhões de acessos, e disponibiliza um
número superior a 2.800 vídeos educacionais, com explicações e exercícios gratuitos sobre variados
temas. Essa grande visibilidade também pode ser explicada pelo apoio dado por Bill Gates, que logo
se interessou pelo potencial educativo da iniciativa
Benchmarking: Recurso audiovisual online para auxiliar o aprendizado
o
OPEN STUDY
Trata-se de uma rede social de aprendizagem. Open Study é um serviço gratuito para formar
grupos de estudo online. Através do ambiente estudantes de todas as partes podem fazer e
responder perguntas de outros estudantes.
Por que usar Open Study? Estudantes: Obter ajuda sempre que precisar; Sua rede de estudos
está sempre disponível; Aprender a ajudar. Educadores: Contato com os alunos através de uma rede
social de aprendizagem; Criar grupos de estudos para ajudar os estudantes; Reconhecer quais alunos
precisam de ajuda.
Benchmarking: Aprendizado por uma plataforma que permite relacionamento entre os usuários
o
GERA VENTURE CAPITAL
Gera é uma empresa de investimento focada em educação no Brasil. Investimos em
empreendedores de alto potencial com o duplo objetivo de gerar grande impacto na educação e
atrativos retornos financeiros.
Benchmarking: Realiza investimentos em educação
71
o
BOPYRA
BoPyra é uma plataforma multimídia para treinamento profissional especializado e conexão
de mão de obra qualificada à oportunidade de emprego.
Benchmarking: Novas tecnologias para o ensino técnico
o
QMÁGICO
QMágico é uma plataforma de educação on-line, que tem como objetivo conectar os
brasileiros à oportunidade de se educar. Visa contribuir para que instituições de ensino possam
utilizar metodologias educacionais com base tecnológica em sala de aula. Oferece diversos serviços
que envolvem conteúdo pedagógico, por meio de vídeo aulas, e disponibilização de uma plataforma
que pode ser personalizada e customizada a partir da necessidade de cada estudante ou instituição
de ensino.
Benchmarking: Conteúdo audiovisual de qualidade online, blendlearning
o
KIDUCA
O Kiduca é uma cidade virtual estilo MMO (Massively Multiplayer Online) que contém um
conjunto de softwares educacionais em formato de jogos, que visam incluir o aluno, social e
digitalmente, através de uma linguagem e formato atraente e interativo. Seu principal diferencial é o
alinhamento com a grade curricular do ensino fundamental I e II, ajudando o professor a aliar o
aprendizado de sala de aula com a aplicabilidade do computador, motivando o aluno a
estudar/aprender brincando.
Benchmarking: Gamificação
o
GEEKIE
A Geekie entende que o modelo atual de ensino ainda não usufrui das possibilidades
apresentadas pela tecnologia, dentre elas o que chamamos de personalização. A nossa plataforma,
cujo acesso se dá pela internet, é capaz de identificar características intrínsecas a cada aluno a partir
de suas interações. Com a informação colhida, adaptamos a experiência de acordo com o perfil e o
objetivo de cada usuário. Dentro da Geekie, cada aluno tem uma experiência única, e a apresentação
do conteúdo, os exercícios, as revisões, e tantos outros elementos são moldados para que cada um
consiga desenvolver o máximo do seu potencial. Por isso temos um time tão diferenciado. Pois
acreditamos no potencial de transformar a educação utilizando a tecnologia para focar naquilo que,
obviamente, é o elemento mais importante de todo o processo de aprendizagem: o aluno.
Benchmarking: Aprendizado individual e de forma adaptativa de acordo com o perfil do aluno.
72
o
BACKPACKER
Backpacker é um curso gamificado online, uma nova maneira de aprender idiomas. Sendo
envolvente e divertido, o Backpacker é a melhor solução para milhões de brasileiros que precisam
aprender idiomas de forma básica, rápida e de baixo custo.
Benchmarking: Gamificação
o
EASYAULA
Atualmente, no Brasil, o mercado de aulas particulares é informal e ineficiente. As
informaçães sobre demanda e oferta estão desorganizadas, espalhadas em classificados gerais,
murais de prédios e de escolas, em postes, nas agendas de coordenadores de colégios, em páginas
pessoais publicadas na Internet e no boca-a-boca.
Os professores particulares sofrem com a falta de um sistema eficiente de divulgação, e,
mesmo gastando tempo e dinheiro na tentativa de divulgar o seu trabalho, muitas vezes se vêem
vítimas da falta de contatos e conhecimento sobre o mercado local.
Para os alunos interessados em aulas particulares, o maior problema consiste em encontrar
professores de qualidade por um preço justo.
Buscando a solução para esses problemas, o Easyaula é a plataforma que conecta alunos e
professores particulares de qualquer assunto, desde matemática e física até culinária, música,
idiomas e dança. Para o professor, é a melhor ferramenta de divulgação e fonte de renda extra. Para
o aluno, o local certo para encontrar professores confiáveis
Benchmarking: Conecta professores e alunos
o
DOSSIER DIGITAL
Considere-se um jovem que trabalha, no mercado informal, como lavador de automóveis. De
posse de um smartphone, que aplicativo gostaria que existisse para apoia-lo no seu trabalho?
Certamente, a melhor pessoa para responder essa pergunta seria o próprio jovem. A Dossier Digital
provê uma plataforma de criação e venda, em massa e a baixo custo, aplicativos tecnológicos para
uso como instrumento de trabalho, direcionados às classes C e D, concebidos por quem mais
conhece suas demandas: jovens de baixa-renda.
O estudo Global Enterpreneurship Monitor, que avalia o mercado empresarial em todo o
mundo, indicou, em 2010, que existiam 21 milhões de novos empreendedores no Brasil. A esse
número somam-se mais 4 milhões de trabalhadores autônomos (dados do IBGE). Em comum, esse
contingente de novos profissionais têm a falta de estrutura tecnológica para tocar seus negócios.
Os números fazem parte de um vídeo de apresentação da plataforma MeuSoft, criada pela
empresa de tecnologia Dossier Digital. As estatísticas, aliadas ao crescimento da Classe C nos últimos
anos, desenham um panorama que tem chamado atenção de economistas e empresários dentro e
fora do país. Mesmo que indiretamente, os números ajudaram a impulsionar a criação da MeuSoft,
que é voltada especialmente para esse público.
73
A ideia é que esses novos empreendedores desenvolvam seus próprios aplicativos para
dinamizar os processos com os quais trabalham e, além disso, possam comercializá-los para
pequenos prestadores de serviços que vivem no mesmo contexto. “Um jovem com um irmão que
tem um lava-jato, produz aplicativo para o lava-jato; outro cuja a mãe faz doce sob encomendas, faz
aplicativos para informatizar algum aspecto da doceria, e assim por diante”, ilustra Sebastião
Cartaxo, arquiteto de software e fundador da Dossier Digital.
Com o cadastro na plataforma, o usuário passa a fazer parte de uma rede colaborativa. A
Meu Soft dá a ele os subsídios (dados e informações) para que ele desenvolva seus aplicativos.
Concluída esta etapa, os produtos passam por uma avaliação da empresa e, se estiverem aptos,
ganham o selo de qualidade da Dossier Digital. Por fim, os usuários colocam suas criações para
comercialização no site virtual da companhia.
Apesar de parecer complicado, os criadores garantem que não é necessário conhecimento
técnico para criar um aplicativo. O próprio empreendedor pode desenvolver sua ferramenta, basta
saber o que quer cadastrar e movimentar e, então, gerar o aplicativo final.
Benchmarking: Criação de aplicativos para o auxílio profissionalizante
o
NOS.VC
A Nós.vc utilizou práticas de interação entre empresa e usuários na internet para criar um
site baseado em crowdlearning. O internauta tem a oportunidade de aprender e ensinar junto com
pessoas apaixonadas pelos mesmos assuntos. Os idealizadores acreditam que o aprendizado deve vir
de um processo inspirador, e não, somente restrito a educação garantida pelas instituições de
ensino. Há em todos os lugares pessoas, tanto com conhecimentos relevantes para passar a frente,
quanto também para aprender coisas novas.
Nele é possível criar um curso, workshop ou debate sobre qualquer assunto. Após passar por
uma aprovação a fase seguinte é a votação popular para viabilizar ou não a ideia.O candidato a líder
deve descrever a proposta, falar um pouco sobre seu currículo, definir duração, custo de inscrições e
em que lugar irá acontecer. A forma de funcionamento da votação das propostas enviadas é bem
simples. O usuário escolhe quantas estrelas quer dar para a sugestão de encontro, preenche seu
nome, e-mail e cidade. Além, de comentar em um mural associado ao Facebook e compartilhar nas
redes sociais. Para se inscrever em encontros já confirmados, basta ir na opção “me inscrever” para
visualizar quais estão abertos ou esperar pela confirmação via e-mail, caso tenha votado em algum e
colocado seus dados.
Benchmarking: Aprendizado informal e soft-skills
o
ZEPPELIN GAME
A empresa surgiu no mercado com o objetivo de oferecer uma plataforma virtual
educacional voltada para o acompanhamento do desempenho de alunos do Ensino Médio na
prova do ENEM. Atualmente, a empresa está focada no desenvolvimento de jogos
educacionais virtuais interativos, que podem ser customizados e adaptados à realidade dos
alunos do Ensino Fundamental de escolas públicas ou privadas.
Benchmarking: Gameficação voltada à educação.
74
ANÁLISE DOS DESAFIOS
E
STARTUPS
75
SUBSETOR: FRUTICULTURA
Desafio 1: Desperdícios de resíduos na cajucultura
Descrição:
A indústria da cajucultura ainda é extremamente focada na extração da castanha para aproveitamento
da amêndoa. O pedúnculo, na maioria dos casos, é desperdiçado na hora da colheita. Já existem
diversas aplicações para agregar valor ao caju, mas essa oportunidade ainda não é aproveitada em
escala.
Oportunidade: Beneficiamento do caju aproveitando as aplicações já existentes, como na produção de polpa,
corantes naturais, mel, rapadura, refrigerante, doces curtição e outros produtos.
Benchmarking: Sabor Tropical (Incubada na Embrapa Agroindústria Tropical)
Investimento Inicial: Matéria prima, know how (Embrapa), Mão-de-obra.
Demanda: Consumo interno e exportação.
Riscos: Tecnologia, mão-de-obra.
Perfil do Empreendedor: Mão na massa.
S TARTUP:
Criação de uma empresa para beneficiamento do pedúnculo do caju.
Desafio 2: Marketing
Descrição:
Observou-se que na maioria das empresas cearenses, especialmente na área de agronegócios, que o
marketing do produto ainda não é especializado. Desde a identidade visual até a propaganda o foco
dos produtores é no menor preço. Estudos da Embrapa indicam que o mercado está se tornando mais
sensível à qualidade.
Oportunidade:
Na cultura do melão já temos um produtor que está focando na qualidade do produto e agregando
mais valor na venda (melão rei da Itaueira). Investimentos em marketing nessa área e/ou na produção
de frutas de maior qualidade favorece a criação um novo mercado.
Benchmarking: Itaueira.
Investimento Inicial: Mão de obra
Demanda: Mercado Interno
Riscos: Mão de obra
76
Perfil do Empreendedor: Pesquisador, criativo.
STARTUP :
Criação de uma empresa de marketing para o setor de agronegócios, voltada para o público
nordestino.
Desafio 3: Embalagens
Descrição:
Existe uma clara limitação no setor de embalagens no Estado. Normalmente as grandes indústrias,
como as indústrias de processamento de leite, precisam comprar embalagens de outras regiões,
principalmente do Sudeste, onde se encontram as principais indústrias do país. Na indústria de leite,
por exemplo, só a embalagem corresponde cerca de 40% do custo do produto.
Oportunidade 1:
Grandes empresas do setor alimentício como a americana Del Monte vendem produtos naturais,
utilizando de embalagens específicas, como embalagens de atmosfera modificada. A Del Monte
consegue embalar várias frutas em uma mesma embalagem, aumentam o tempo de validade do
produto e vendem o produto a um preço bem superior do que a fruta In Natura. Como o Estado é um
grande exportador de sucos de frutas e de frutas In Natura, empresas de embalagens locais poderiam
deixar esses produtos ainda bem mais competitivos. Existem projetos de desenvolvimento de
embalagens comestíveis na Embrapa Agroindústria Tropical, porém a principal carência das indústrias
são outros tipos de embalagens, principalmente as utilizadas no transporte.
Oportunidade 2:
Novos produtos: salada de frutas naturais com embalagem especial e refrigerada em uma geladeira
própria, para ser consumida dentro de no máximo uma semana. Esse produto poderia ser vendido em
supermercados, shoppings, eventos, escolas e em vários outros pontos de venda.
Benchmarking: Embrapa Agroindústria Tropical, Betânia, Jandaia.
Investimento Inicial: Pesquisa, pagamento de royalty e know how, máquinas.
Demanda: (Oportunidade 1) Empresas alimentícias, (Oportunidade 2) Mercado Interno
Riscos: Alta tecnologia incluída
Perfil do Empreendedor: Pesquisador, visionário, com grande network.
STARTUP:
Empresa de desenvolvimento e fabricação de embalagens. Empresa de industrialização de frutas
utilizando embalagens especiais.
77
Desafio 4: Beneficiamento de frutas
Descrição:
Com os projetos de irrigação do Governo a região do Vale do Rio Jaguaribe está cada vez mais
qualificada para a produção de produtos de alta qualidade, como as frutas e hortaliças. Os principais
supermercados do Estado, impulsionados pela exigência do consumidor está cada vez mais
preocupado em vender produtos frutíferos de alta qualidade. Porém existe um setor do agronegócio
do Estado que é pouco explorado, a agroindústria.
Oportunidade:
Fortalecimento da agroindústria estadual através da industrialização e do beneficiamento de produtos
agrícolas. Os perímetros irrigados do Ceará já estão bem adiantados quanto à produção de frutas “In
Natura”, não dando nenhuma chance a outras regiões não irrigadas. As regiões não irrigadas podem
atuar de forma complementar as regiões irrigadas, focando na agroindústria, ou seja, no
beneficiamento de produtos do agronegócios. A região do Maciço de Baturité é um exemplo disso:
apesar da grande produção de banana, a produtividade (quantidade produzida/hectares) ainda é
muito baixa, devido a não utilização das técnicas mais modernas. Com isso a região não consegue ser
competitiva na produção de frutas “In Natura”. A região do Maciço de Baturité fica a apenas 52km de
Fortaleza e ainda é a maior produtora de banana do estado, além de outras culturas, como o café
orgânico e o chuchu. Os produtores de banana vendem o seu produto para um atravessador que irá
vender mais caro para os pequenos mercados.
Benchmarking: Del Monte, Chiquita, Fyffles.
Investimento Inicial: Máquinas, treinamento de mão de obra
Demanda: Mercado Interno.
Riscos: Mão de obra
Perfil do Empreendedor: Visionário, vendedor.
STARTUP:
1) Indústrias de produtos da banana na Região do Maciço de Baturité.
2) Empresa para identificar oportunidades no agronegócio.
Desafio 5: Irrigação no Semiárido
Descrição:
A irrigação, muitas vezes, é um determinante de geração de renda para os pequenos agricultores do
semiárido cearense durante a seca. Há uma dificuldade imensa em encontrar água na região do
semiárido e quando encontrada no subsolo, muitas vezes essa água é de péssima qualidade para a
agricultura, pois apresenta características de salubridade. Porém o Estado do Ceará é rico em rios
78
temporários e em açudes e essa vantagem é aproveitada através da utilização da técnica de barragem
subterrânea.
Oportunidade:
Existe a necessidade de uma bomba com saída de água suficiente para irrigar as lavouras durante a
estação seca. No Mianmar, existe um tipo de bomba de pedal que está obtendo muita aceitação dos
agricultores, pois atende a necessidade de irrigação de pequenas propriedades com uma boa
performance, e a um preço de comercialização aceitável. O sucesso foi tão grande que somente nos
seis primeiros meses de comercialização, foram vendidas mais de 4.500 bombas para os pequenos
agricultores. A utilização dessa bomba em barragens subterrâneas seria uma forma de distribuir a
água armazenada para os pequenos agricultores.
Benchmarking: International Development Enterprises Myanmar, Ashoka.
Investimento Inicial: Compra de bombas. Desenvolvimento de bombas de baixo custo.
Demanda: Pequenos agricultores, cooperativas, Governo.
Riscos: Não adequação das bombas nos projetos de barragem subterrânea.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor Social.
STARTUP:
Startup de desenvolvimento de bombas para irrigação no semiárido.
SUBSETOR: APICULTURA
Desafio 1: Agregar valor aos produtos da Apicultura
Descrição:
A cera de abelha normalmente é descartada durante os processos de extração de mel de abelha,
devido principalmente a falta de empresas que comprem esse material e pela falta de treinamento
dos apicultores. A cera é um item muito valorizado na indústria de cosméticos e de alimentos.
Oportunidade:
Utilização da cera na indústria de cosméticos, medicamentos (encapsulamentos) e alimentos.
Benchmarking: Apicultores.
Investimento Inicial: Mão de obra, treinamento, máquinas.
Demanda: Mercado Interno e externo.
Riscos: Falta de competitividade inicial.
Perfil do Empreendedor: Pesquisador, vendedor.
79
STARTUP:
1) Indústria de produtos da cera e do mel de abelha.
2) Distribuidora de produtos da apicultura.
SUBSETOR: PISCICULTURA (TILÁPIA)
Desafio 1: Desperdício de resíduos
Descrição:
O Ceará é o maior produtor de tilápias do Brasil. A produção ocorre em viveiros espalhados em toda
extensão dos açudes. Apesar de já existirem empresas como a PISCIS que extraem o óleo das vísceras
por compostagem a poluição e o desperdício das vísceras nos grandes açudes ainda é um grande
desafio para indústria cearense.
Oportunidade:
Criar uma máquina para extração do óleo da tilápia. Essa máquina já está sendo desenvolvida no
NUTEC como parceria do governo do estado com a Petrobrás. Uma startup voltada para a coletada das
vísceras e/ou comercialização da máquina é uma boa oportunidade de negócio.
Benchmarking:Ekipar (incubada da NUTEC)
Investimento Inicial: Equipamentos, Know How, Matéria prima, Mão de Obra.
Demanda: Indústria de biodiesel (mercado interno e externo), Indústria de ração animal.
Riscos: Aderência do consumidor, desenvolvimento de tecnologia.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor pesquisador, técnico.
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na coleta e beneficiamento do óleo da tilápia.
Desafio 2: Perda de alevinos por morte durante o transporte
Descrição:
Os pequenos produtores de tilápia em redes tanque têm dificuldade de conseguir alevinos com boa
qualidade genética e com reversão sexual. Muitas vezes esses produtores têm que fazer a compra
destes alevinos de um distribuidor distante, o que contribui para a morte de vários peixes durante o
transporte.
Oportunidade:
Criação de uma empresa que realize o processo de venda de alevinos para os pequenos produtores e
que esteja localizada em um ponto logístico estratégico, reduzindo o risco durante o transporte.
Benchmarking: AGROPESCA – Empresa de produção de alevinos
80
Investimento Inicial: Instalações físicas. Know how, Equipamentos.
Demanda: Tilapicultura local.
Riscos: Concorrência, relação custo benefício.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor mão na massa
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na produção de alevinos com reversão sexual.
Desafio 3: Nível de oxigênio nos açudes.
Descrição:
O tratamento da água dos açudes e viveiros nessas duas práticas ainda é muito manual. Tanto as
máquinas de aeração quanto os procedimentos de medição evoluiram pouco desde o começo do
cultivo.
Oportunidade 1:
Desenvolvimento de máquinas mais eficientes para manter o nível de oxigênio da água nos padrões
definidos aumentando assim a produtividade dos viveiros.
Benchmarking: ALFAMEC: Soluções Ambientais.
Investimento Inicial: Equipamentos, Mão de Obra.
Demanda: Piscicultura e carcinicultura (mercado interno e externo)
Riscos: Concorrência do mercado externo, dificuldade para contratar mão de obra qualificada.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor mão na massa
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na fabricação de aeradores para piscicultura e carcinicultura.
Oportunidade2:
Monitoramento remoto. Ainda existe muita oportunidade na produção em cativeiros no Ceará. Um
grande gargalo existente é a necessidade do produtor estar sempre visitando seus viveiros.
Benchmarking: GeoCrop: empresa especializada em monitoramento remoto.
81
Investimento Inicial: Know how, Equipamentos.
Demanda:Piscicultura e carcinicultura (mercado local e externo)
Riscos: Aderência do consumidor, relação custo benefício.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor técnico
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na monitoração remota de tanques rede ou viveiros.
SUBSETOR: CARCINICULTURA
Desafio 1: Nível de oxigênio nos açudes.
Descrição:
O tratamento da água dos açudes e viveiros nessas duas práticas ainda é muito manual. Tanto as
máquinas de aeração quanto os procedimentos de medição evoluiram pouco desde o começo do
cultivo.
Oportunidade1:
Desenvolvimento de máquinas mais eficientes para manter o nível de oxigênio da água nos padrões
definidos aumentando assim a produtividade dos viveiros.
Benchmarking: ALFAMEC: Soluções Ambientais.
Investimento Inicial: Equipamentos, Mão de Obra.
Demanda:Piscicultura e carcinicultura (mercado interno e externo)
Riscos: Concorrência do mercado externo, dificuldade para contratar mão de obra qualificada.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor mão na massa
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na fabricação de aeradores para piscicultura e carcinicultura.
82
Oportunidade2:
Monitoramento remoto. Ainda existe muita oportunidade na produção em cativeiros no Ceará. Um
grande gargalo existente é a necessidade do produtor estar sempre visitando seus viveiros.
Benchmarking: GeoCrop: empresa especializada em monitoramento remoto.
Investimento Inicial: Know how, Equipamentos.
Demanda:Piscicultura e carcinicultura (mercado local e externo)
Riscos: Aderência do consumidor, relação custo benefício.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor técnico
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na monitoração remota de tanques rede ou viveiros.
Desafio 2: Desperdício de resíduos
Descrição:
Grande parte do camarão criado em cativeiro em comercializado sem cabeça e sem casca. Atualmente
grande parte do que é reaproveitado é usado para ração na pecuária e o resto é queimado ou
enterrado prejudicando o meio ambiente.
Oportunidade:
Hoje, já existem muitos estudos e algumas startups atuando no reaproveitamento desses resíduos
principalmente com o uso da Quitina e Quitosana em diversas aplicações como utilização na indústria
de cosméticos e embalagens biodegradáveis.
Benchmarking: Polymar Indústria Comércio Importação e Exportação Ltda. (desincubada da Padetec)
Investimento Inicial: Know How, Matéria prima, Equipamentos, Mão de Obra.
Demanda:Fármacos (consumo interno e exportação), Indústria de cosméticos e embalagens biodegradáveis.
Riscos: Falta de Tecnologia e mão-de-obra especializada, aceitação e aderência do público-alvo.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor pesquisador técnico científico.
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada na coleta e beneficiamento dos resíduos do camarão.
83
SUBSETOR: PECUÁRIA (LEITE)
Desafio 1: Logística
Descrição:
A indústria do leite é um tipo de commodity, logo qualquer melhoria nos processos resulta num
grande benefício para a empresa. O grande desafio da pecuária leiteira no Ceará é reduzir gastos com
a logística visto que tanto os produtores estão dispersos no estado quando a distribuição é feita para
muitos pontos de venda.
Oportunidade 1:
Outros setores da economia brasileira como o aeroportuário já tem estudos desenvolvidos em
logística e as universidades de ponta já tem know how no assunto. Criar uma empresa para realizar os
mesmos estudos e aplicá-los no agronegócio com preços competitivos com as do exterios.
Oportunidade 2:
Ainda relacionada à logística existe uma clara oportunidade de integração da rede de distribuição para
empresas não concorrentes. Temos poucas commodities no Ceará e geralmente elas terceirizam
vários sistemas de distribuição. Uma empresa terceirizada que compartilhasse os gastos de
distribuição de duas ou mais empresas é uma boa oportunidade de negócios.
Oportunidade 3:
Melhoramento da rota de distribuição do leite através do uso softwares que se baseassem em
variáveis dinâmicas, como trânsito, chuvas, interrupção de vias e outras variáveis estáticas como,
distância, tempo para entrega e quantidade transportada, para calcular a melhor rota possível.
STARTUP:
1) Empresa de logística para integrar a distribuição de produtos de leite não concorrentes.
2) Empresa de TI para desenvolvimento de software que desenvolve as melhores rotas de
distribuição.
SUBSETOR: FLORICULTURA
Desafio 1: Reduzir o custo logístico e a perdas devido ao armazenamento e transporte inadequados.
Descrição:
As flores são leves, mas ocupam um grande volume e além disso devem ser transportadas em
resfriadas. Muitas vezes os pequenos produtores transportam seus produtos de forma improvisada, o
que prejudica a vida útil das flores, pois é um produto perecível. Além disso, não há uma padronização
das embalagens. A maioria das flores é transportada em caixas de papelão o que aumenta as chances
de proliferação de fungos e bactérias. As embalagens para esses produtos também representam um
custo significativo.
84
Oportunidade 1:
Criação de uma empresa especializada no transporte refrigerado dos produtos da floricultura.
Benchmarking: Transtim transportadora especializada no transporte de flores
Investimento Inicial: Equipamentos, transportes adaptados, mão de obra.
Demanda: Mercado interno e externo de floricultura
Riscos: Demanda para suprir a oferta do serviço, concorrência.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor Mao na massa
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada no transporte refrigerado dos produtos da floricultura.
Oportunidade 2: Desenvolver embalagens próprias para o transporte desses produtos.
Benchmarking: Empresa especializada em embalagens para a floricultura.
Investimento Inicial: Equipamentos, mão de obra, know how, matéria prima
Demanda: Mercado interno e externo de floricultura.
Riscos: Demanda para suprir a oferta do serviço, Aderência do consumidor.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor Mao na massa
STARTUP:
Criação de uma empresa especializada no desenvolvimento de embalagens próprias para o transporte
desses produtos.
Desafio 2: Marketing.
Descrição:
Observou-se que na maioria das empresas cearenses, especialmente na área de agronegócios, o
marketing do produto ainda não é especializado. Desde a identidade visual até a propaganda o foco
dos produtores é no menor preço, no entanto, estudos revelam que o consumidor contemporâneo
está muito sensível à qualidade.
Oportunidade 1:
Criação de uma empresa de marketing especializada no público cearense, no sentido de adequar não
só os produtos da região ao público, como também os produtos de outras partes do país.
85
Benchmarking: Empresa especializada em marketing local.
Investimento Inicial: Mão de obra qualificada, capacitação e treinamento voltado ao marketing local.
Demanda:Mercado interno de floricultura
Riscos: O mercado cearense pode não estar suscetível ao consumo de flores.
Perfil do Empreendedor: Empreendedor pesquisador.
STARTUP:
Criação de uma empresa de marketing especializada no público cearense.
SUBSETOR: CARNAÚBA
Desafio 1: Evitar o desperdício.
Descrição:
Existem três principais métodos para extração do pó. No processo de secagem no chão batido após o
corte da palha o “junteirto” forma feixes de 25 palhas que pendura na cangalha de um jumento e
transporta para uma área aberta onde as palhas serão secas. Nessa área as folhas ficam expostas ao
sol e ao vento extração do pó cerífero, tendo um desperdício de cerca de 35% do pó da carnaúba.
Oportunidade:
Toda a cadeia de produção da carnaúba necessita de melhorias, principalmente nas técnicas de
extração do pó e na fabricação da cera. Utilizar processos mais eficientes como o secador solar (92%
de aproveitamento) desenvolvido na Universidade Federal do Piauí. Criação de uma máquina ou
processo de extração da cera reduzindo o desperdício e a mão de obra.
Benchmarking: Sindicarnaúba, Natural Wax.
Investimento Inicial: Máquinas, treinamento de pessoal.
Demanda: Mercado externo.
Riscos: Aumento do preço.
Perfil do Empreendedor:Visionário.
STARTUP:
Empresa de desenvolvimento de máquinas para o setor da carnaúba.
86
Desafio 2: Beneficiamento e industrialização da cera de carnaúba
Descrição:
O Ceará juntamente com o Piauí e o Rio Grande do Norte são os maiores produtores de cera de
carnaúba do mundo, mesmo com os procedimentos incorretos de extração do pó da carnaúba e da
fabricação da cera. A oferta de matéria prima é gigantesca e crescente, mas faltam indústrias que
industrializem a cera para a produção de outros produtos. Nos Estados Unidos, principal importador
da cera de carnaúba, juntamente com o Japão e a Europa, a cera é transformada em vários produtos
importantes e que são importados pelo Brasil, como as ceras para polimento automotivo.
Oportunidade:
Criação de empresas de beneficiamento e industrialização da cera de carnaúba para fabricação de
produtos, como ceras para revestimento de frutos, ceras para polimento, produtos de limpeza,
cosméticos, papel carbono, embalagens biodegradáveis, filmes plásticos e fotográficos, tintas e até
mesmo em fogos de artifício. Hoje, a maioria dos produtos da cera de carnaúba são fabricados no
exterior.
Benchmarking: Sindicarnaúba, Natural Wax.
Investimento Inicial: Máquinas, pesquisas, know how, royalties, mão de obra especializada, outras matérias
primas.
Demanda: Mercado interno e externo.
Riscos: Alto investimento, falta de investidores e tempo de mercado.
Perfil do Empreendedor: Pesquisador, grande rede de contatos.
STARTUP:
Criação de indústria de produtos da carnaúba.
Desafio 3: Venda da cera diretamente para as indústrias do exterior.
Descrição:
A cera de carnaúba que é exportada para o exterior primeiramente é vendido a uma distribuidora, que
venderá a cera para as indústrias.
Oportunidade:
Negociar a cera de carnaúba diretamente com as fábricas estrangeiras pode ser um fator importante
para aumentar o lucro.
Benchmarking: Distribuidoras, Ceará Portos, conhecedores do mercado estrangeiro.
Investimento Inicial: Logística.
Demanda: Mercado Externo.
87
Riscos: Negociação no exterior
Perfil do Empreendedor: Vendedor
STARTUP:
Distribuidora da cera de carnaúba para o mercado externo
SUBSETOR: EDUCAÇÃO
Desafio 1: Digitalização do material de ensino
Descrição:
Um dos grandes desafios da Educação brasileira é a digitalização dos principais livros e apostilas das
escolas. No Ceará não é diferente, as escolas particulares cearenses são muito competitivas e estão
aderindo a tendência de digitalização do material didático. A maioria das instituições de ensino ainda
não digitalizaram seu material por dois grandes motivos: eles focam suas melhorias nas práticas de
ensino e produção do material (não está no corebusiness) e existe uma falta de técnicos em
diagramação para contratar.
Oportunidade 1:
Criar uma empresas especializada em digitalizar material didático. O grande diferencial seria que além
da diagramação essa empresa de base tecnológica também criaria uma plataforma interativa para o
material. Semelhante às revistas digitalizadas nos tables essa empresa associaria o material a
videoaulas, infogramas etc.
Oportunidade 2:
Criar um centro de formação técnica em diagramação. A demanda é muito alta e a oferta é baixa.
Benchmarking: Empresas de tecnologia, editoras, escolas e governo.
Investimento Inicial: Computadores, Pessoas especializadas.
Demanda: Escolas, Universidades, editoras, empresas.
Riscos: Falta de mão de obra inicial.
STARTUP:
Criar uma empresas especializada em digitalizar material didático.
88
Desafio 2: Baixo desempenho escolar no ensino
Descrição:
Sabe-se que o nível educacional do Brasil é baixo, especialmente do Nordeste, especialmente do
Ceará. Alguns dos fatores que mais influenciam nesse baixo desempenho são: professores ruins,
pouco incentivo do governo e material didático ruim.
Oportunidade 1:
O Ceará tem um nível altíssimo de ensino particular em escolas de ensino básico, fundamental e
médio. Isso se deve, entre outros fatores, ao tratamento quase a nível empresarial dos sistemas de
ensino. Uma consultoria especializada em aplicar esses sistemas de gestão tanto no ensino público
quanto no privado é uma boa oportunidade de negócio.
Oportunidade 2:
Algumas instituições de ensino privadas já se especializaram, a partir da criação de Sistemas de Ensino,
em vender seu material didático de alta qualidade e um treinamento para outras escolas no Brasil
usarem. A criação de um Sistema de Ensino especializado em atuar em escolar públicas aumentaria o
nível de ensino público brasileiro.
Oportunidade 3:
Politica Pública de incentivo aos professores e diretores de escolas públicas brasileiras. Inspirado em
algumas iniciativas já existentes nos EUA e em outros países como o Teach for América o Brasil
poderia criar uma política pública voltada para recrutar os melhores universitários (e mestrandos)
para passar um ano ensinando em escolas públicas do Brasil. O processo seletivo, a remuneração e o
status desse professor são fatores de fundamental importância para que essa política funcione. Ainda
no mesmo assunto, a aplicação de um sistema meritocrático em escolas públicas (como o PAIC)
baseado em competitividade nas escolas e bônus salariais para os diretores e professores das escolas
com maior desempenho aumentaria o rendimento escolar público cearense.
Benchmarking: Teach for America, Open University, Sistema Ari de Sá.
STARTUP:
1) Consultoria em gestão escolar. (Oportunidade 1).
2) Aplicação do Sistema de Ensino no setor público. (Oportunidade 2).
Desafio 3: Fazer com que os alunos gostem de frequentar as escolas e principalmente as aulas.
Descrição:
Muitas vezes, principalmente nas escolas públicas do Brasil, o que leva o aluno as escolas, não são as
aulas e sim a merenda escolar e o esporte. Um dos principais motivos são os métodos de ensino
arcaicos, não interativos e muito menos estimulantes.
Oportunidade:
89
Novas metodologias de ensino como as utilizadas no Educação Livre, onde o aluno tem contato com
uma imensa variedade de vídeo aulas.
Benchmarking: Educação Livre, Projeto E-jovem, Projeto Luz do Saber.
Investimento Inicial: Computadores, pessoal.
Demanda: Educação Básica e Média
Riscos: Como vender.
Perfil do Empreendedor: Visionário, criativo
STARTUP:
Consultoria para desenvolvimento de novas metodologias de ensino.
Desafio 4: Falta de mão de obra especializada para as indústrias
Descrição:
As grandes indústrias que estão se instalando no Ceará sentem faltas de mão de obra especializada,
especialmente os técnicos. Dessa forma, acabam trazendo trabalhadores de outros estados e até
outros países. Além disso, algumas empresas tem que formar os próprios técnicos.
Oportunidade:
Criar um Centro de Formação Técnica no modelo B2B, em que as empresas que precisam de técnicos
contratam o centro para formar a mão de obra necessária.
Benchmarking: Prominp, Pronatec, Senai, CEPEP, CENTEC, SECITECE, Indústrias.
Investimento Inicial: Treinamento
Demanda: Todo o setor industrial
Riscos: Não continuidade do projeto.
STARTUP:
Criar um Centro de Formação Técnica no modelo B2B
Desafio 5: Universalizar o Ensino a Distância
Descrição:
Ensino Superior do País ainda possua um alto potencial de crescimento, dado o baixo nível de
penetração deste mercado quando comparado a outras nações, inclusive países emergentes.
Conforme dados da UNESCO publicados em 2006, enquanto no Brasil apenas 20% dos jovens em
idade teórica de cursar o Ensino Superior frequentam esse segmento, esse índice chega a 43% no Chile
e 61% na Argentina. Já pelo nível etário adotado pelo MEC, menos de 14% da população em idade de
cursar o Ensino Superior estava matriculada em instituições de Ensino Superior em 2008. A busca
crescente por conhecimento e por mão-de-obra qualificada tem impulsionado o crescimento da
90
demanda por cursos de Ensino Superior. No Brasil, possuir um diploma superior causa um aumento
salarial de 171% na renda média do indivíduo, segundo dados do estudo feito pela Hoper Educacional
sobre tendências e perspectivas de 2005 a 2010. Em especial, há uma tendência da classe
trabalhadora buscar maior qualificação, gerando demanda por Ensino Superior
Oportunidade: Criar Faculdade Especializada em Ensino Superior a Distância.
Benchmarking: Sistema Ari de Sá, Qmágico.
Investimento Inicial: Professores, computadores, novas tecnologias.
Demanda: Setor industrial, Escolas de nível médio, Universidades, Faculdades, Empresas.
Riscos: Marketing, muita demanda, controle de qualidade.
STARTUP:
Faculdade Especializada em Ensino Superior a Distância.
Desafio 6: Treinamento para o setor de agronegócios.
Descrição:
A mão de obra em geral é pouco qualificada, entretanto o SEBRAE realiza seminários, treinamentos
com os produtores do interior do estado. Foi detectado que muitos produtores não conseguem
absorver todas as técnicas e práticas ensinadas. O que evidencia um problema no aprendizado desses
produtores, que está diretamente relacionada com o baixo grau de instrução.
Oportunidade: Ensino da Educação Básica, Soft-Skills (Educação Livre).
STARTUP:
Oferecimento de cursos técnicos profissionalizantes.
91
CONCLUSÕES
O programa Apóstolos da Inovação foi, antes de tudo, um trabalho de imersão. Em apenas 3
semanas, 12 jovens imergiram em estudos, visitas, entrevistas e discussões para realizar um estudo
sobre 6 setores da economia cearense. Como toda imersão, o envolvimento foi alto e o aprendizado
também.
Como principais objetivos do Grupo José de Alencar tínhamos: estudo de dois setores da
economia cearense, a criação de um banco de ideias de oportunidades de negócio e a validação da
etapa presencial do Projeto Educação Livre. Levando em consideração a metodologia adotada pelo
grupo, os três objetivos foram atingidos. Levando em consideração o tempo e a dimensão do
trabalho para que os objetivos fossem atingidos, reduzimos algumas etapas do projeto que deixamos
como sugestão para os próximos passos: aplicação de um filtro quantitivo para todas as
oportunidades de novos negócios e rankeamento das mesmas por ordem de executabilidade.
Vale ressaltar, entretanto, que a visão do projeto é a criação de um ecossistema de
empreendedorismo no Ceará. E apesar de que os estudos feitos são passos importantes para a
criação desse ecossistema e muito úteis para novos empreendedores cearenses, a participação dos
Apóstolos na nova fase do projeto é essencial. A rede já foi criada. A utilização dessa rede para
constantes feedbacks sobre como dar os próximos passos pode ser uma boa oportunidade para o
início desse ecossistema.
Finalmente, analisando o projeto Inova Ceará Startups como um todo, acreditamos que a
iniciativa está em um ótimo caminho. Pode-se dizer que o maior aprendizado que tiramos dessa
imersão foi que o Ceará já tem muitas iniciativas que estimulam o empreendedorismo, além de um
bom ambiente para manter os cearenses fomentando a economia do Estado. Basta conectá-los para
criar esse ecossistema de empreendedorismo tão desejado.
AGRADECIMENTOS
Tendo em vista o escopo do trabalho, algumas vezes o grupo perde o foco. Por nos ajudar a
manter o foco, a definir prioridades e adotar uma boa estratégica de execução, agradecemos
a Leonardo Esmeraldo, Anderson Espíndola, Marcos Tavares e todos os mentores represantados aqui
por Pedro Souza. Boa parte do nosso trabalho não seria feito sem apoio. Especialmente por se tratar
de um trabalho que envolveu entrevistas, visitas, interações e discussões. Agradecemos ao INDI,
representado por Carlos Matos, Ricardo Sabadia e Kelly Whitehurst por todo apoio operacional e
estratégico. Aos Senhores Sérgio Moreira, Roberto Macêdo, Carlos Pacheco, Natália Pacheco e Júlio
Alves pela oportunidade e constantes feedbacks.
Finalmente, agradecemos a todos os colaboradores, entrevistados e pessoas que
acreditaram na nossa visão e com certeza continuarão presentes na criação desse ambiente
empreendedor no Ceará.
92
REFERÊNCIAS
Balanço das Exportações Cearenses de 2011 com Foco no Agronegócio. Relatório. Agência de
Desenvolvimento do Estado do Ceará S/A – ADECE.
Competitividade da cadeia produtiva do leite no Ceará: produção primária. Relatório.
Embrapa Gado de Leite. Juiz de Fora, MG, 2008
Boletim do Agronegócio Cearense 2010 e Perspectivas para 2011. Relatório. Governo do
Estado do Ceará, Secretaria do Planejamento e Gestão (SEPLAG), Instituto de Pesquisa e
Estratégia Econômica do Ceará (IPECE).
Boletim Do Agronegócio Cearense, 3º Trimestre 2011. Relatório. Governo do Estado do
Ceará, Secretaria do Planejamento e Gestão (SEPLAG), Instituto de Pesquisa e Estratégia
Econômica do Ceará (IPECE).
Competitividade da Cadeia Produtiva do Leite no Ceará: Análise de Ambientes. Relatório.
Embrapa Gado de Leite. Juiz de Fora, MG, 2008
SOUZA, Jane Mary Gondim de. Sistema Agroindustrial da Banana no Ceará: Um estudo
comparativo entre as regiões do Baixo Jaguaribe e Maciço de Baturité sob o enfoque do
agronegócio.
Principais Produtos Hortigranjeiros Comercializados 2012 – CEASA/CE. Disponível em <
http://files.ceasa-ce.com.br/site/ppmensais-2012.htm> Acesso em 20/07/2012.
Análise da Indústria de caju: inserção de micro e pequenas empresas nomercado
internacional. 2006. USAID/ BRASIL. Disponível em <
http://pdf.usaid.gov/pdf_docs/PNADM250.pdf > Acesso em: 15/07/2012.
GUANZIROLI, Carlos E. Entraves ao desenvolvimento da cajucultura no Nordeste: margens
de comercialização ou aumentos de Produtividade e de escala. 2009. Disponível em <
http://w3.ufsm.br/extensaorural/art4ed18.pdf> Acesso em: 13/07/2012.
PISCIS. Disponível em: <http://www.piscis.ind.br/> Acesso em: 10/07/2012.
OLIVEIRA, Leonel Gois Lima. Integração da Cadeia Produtiva do Agronegócio do Caju ao
Desenvolvimento Sustentável. UFC, 2009. Disponível em <
http: /www.uece.br/cmaad/index.php/arquivos/doc.../50-leoneloliveira> Acesso em
19/07/2012.
PINHO, Lívia Xerez Pinheiro. Aproveitamento do resíduo do pedúnculo do caju. 2009. UFC.
Disponível em: < http://www.ppgcta.ufc.br/liviapinho.pdf> Acesso em: 23/07/2012.
Anuário Brasileiro da Educação Básica. 2012. Relatório. Disponível em:
<http://www.moderna.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8A8A83376FC2C
9013776334AAE47F0> Acesso em 23/07/2012.
93
A Floricultura no Ceará, Novembro de 2006, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
do Estado do Ceará (SEBRAE-CE)
Estudo Setorial Floricultura, 2005, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado
do Ceará (SEBRAE-CE)
Informações de Mercado sobre Mel e Derivados da Colméia, Relatório Completo, Série
Mercado, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e M.Stortti Business
Consulting Group.
Projeto Apis - Apicultura Integrada e Sustentável: Estudo Setorial Piloto Apicultura, Jan
2005, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará (SEBRAE-CE).
Câmara setorial do caju. Disponível em: <
http://www.adece.ce.gov.br/index.php/br/cajucultura> Acesso em 22/07/2012.
Desperdício do caju. Disponível em: <
http://www.oestadoce.com.br/?acao=noticias&subacao=ler_noticia&cadernoID=8&noticiaID
=32882> Acesso em: 20/07/2012.
Produção de tilápia tem expansão de 50%. Disponível em : <
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1115698> Acesso em 20/07/2012.
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira- INEP. Disponível em:
<http://portal.inep.gov.br/basica-censo>. Acesso em 12/07/12.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br
> Acesso em 15/07/12.
Ministério da Educação- MEC. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/> Acesso em:
15/07/12
Avaliação do projeto e Jovem. Instituo de Estudos do Trabalho e Sociedade- IETS. Disponível
em: < http://www.iets.org.br/IMG/pdf/doc-2062.pdf> Acesso em: 21/07/12.
94

Documentos relacionados