Carolina Andrade – SENAI/RJ

Сomentários

Transcrição

Carolina Andrade – SENAI/RJ
Atuação
At
ã d
do L
Laboratório
b
tó i de
d
Meio Ambiente do SENAI/RJ
para as Micro e Pequenas
p
q
Empresas
Agosto/2009
Agenda
ƒ Água superficiais e subterrâneas / legislação
pertinente
ƒ Efluentes
f
/ legislação pertinente
ƒ Capacidade técnica e operacional do CTSAmbiental
p
ƒ Atendimentos às empresas
2
Fontes de água no mundo
< 0,1 % água superficial (lagos, rios, atmosfera,
solo,
l biosfera)
bi f
)
94% água do mar
2% geleiras
4% águas subterrâneas
~4%
3
Fontes
o tes de água
Subterrânea
Superficial
4
Uso da água na indústria
~ 20% de toda a água usada pelo homem =
necessidade de uso no âmbito industrial
Percentual crescente – resultado do crescimento
industrial e uso em diferentes processos
Uso da água superficial, subterrânea e rede de água
tratada
5
Visão dos stakeholders
¾Ambientalistas
tanto indústria quanto governo ignoram o potencial irreversível e
cumulativo de impactos de longa duração, resultantes de
contaminações ou uso extremo das fontes de água;
¾Indústria
comprometida
tid com o uso responsável
á ld
da á
água
alguns setores são muito regulados
¾Governo
responsável pelos licenciamentos e fiscalização
6
Legislações e políticas do uso da água
¾Complexidade
p
estadual)
jjurisdicional
((legislação
g
ç
federal,,
¾Diferentes legislações/regulamentação sobre uso da
água
7
Legislação pertinente
ƒ PORTARIA Nº 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004 - Estabelece os
procedimentos
di
t
e responsabilidades
bilid d
relativos
l ti
ao controle
t l e
vigilância da qualidade da água para consumo humano
ƒ RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357 - Define as condições de
qualidade de água doce,
doce salina e salobra,
salobra segundo a classe
(tabelas I a IX)
ƒ RESOLUÇÃO CONAMA Nº 396 - Dispõe sobre a classificação e
diretrizes ambientais ppara o enquadramento
q
das águas
g
subterrâneas
8
Dados Internacionais – análises de
água
¾4 000 000 parâmetros :
• 1/3 microbiológicos 2/3 químicos
• pH, turbidez, cloro : ca. 250.000
¾Pesticidas
• 450 000 análises ((369 analitos))
¾Custo total no ano : ~ 11 000 000 euros (França)
www.watertwinning.saglik.gov.fr
9
Dados de análises de água
¾10% : amostragens
¾ 5 a 10% : pH, condutividade, cloro, turbidez, microbiologia
,
a 3% : NH4,, NO2,, NO3,, HCO3…
¾ 1,5%
¾ 1,5% a 3% :TOC , Fe, Al
¾ 0,5
05a1
1,5%:
5%: análises Pesticidas
Pesticidas, THM
THM, HPA : ~ 30 analitos
¾0,5 a 1,5%: metais pesados (Co, Cu, Pb, Mn, Mo,V, Zn, Sr)
¾<0 5% radioatividade
¾<0,5%:
di ti id d
¾<0,5%: DBO, DQO
www.watertwinning.saglik.gov.fr
10
Tratamento de efluentes ??
11
- Doméstico
- Industrial
12
Legislação pertinente
ƒ RESOLUÇÃO CONAMA Nº 397- Define as condições e padrões para lançamento
de efluentes
ƒ NT-202.R-10 CRITÉRIOS E PADRÕES PARA LANÇAMENTO DE EFLUENTES
LÍQUIDOS - Aplica-se
Aplica se aos lançamentos diretos ou indiretos de efluentes líquidos
líquidos,
provenientes de atividades poluidoras
ƒ NT
NT-213.R-4
213 R 4 - CRITÉRIOS E PADRÕES PARA CONTROLE DA TOXICIDADE EM
EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS - Critérios e Padrões para controle da
toxicidade em efluentes líquidos industriais
ƒ DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES
LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA - informação regular ao INEA sobre as
q
características qqualitativas e qquantitativas de seus efluentes líquidos
13
Legislações pertinentes
(CONAMA- 396)
Art. 16. As amostragens e análises das águas subterrâneas
deverão ser realizadas por laboratórios ou instituições que
possuam critérios e procedimentos de qualidade aceitos pelos
órgãos
g
responsáveis
p
ppelo monitoramento.
(DZ- 942)
66.33 - As análises de efluentes líquidos para atendimento ao
PROCON ÁGUA deverão ser efetuadas por laboratórios
credenciados pela FEEMA
14
Escolha de laboratório analítico
ƒ Pode-se confiar nos resultados analíticos de qualquer
laboratório?
– “Nenhum resultado é melhor que resultados errados”
ƒ C
Critérios
ité i apontados
t d em pesquisa
i dde mercado
d
(USA)
– Preço
– Prazo de entrega
– Confiabilidade nos resultados
15
Confiabilidade dos resultados
ƒ Como laboratório demonstra confiabilidade nos seus
resultados analíticos?
– Evidenciando q
que adere e atua conforme sistema da
garantia da qualidade analítica
ƒ BPL
ƒ NBR/ISO/IEC 17025
16
Infra estrutura Global
¾Cromatografia
Liquida
Gasosa
Massa
¾Mi bi l i
¾Microbiologia
Testes imunoenzimáticos
¾Espectroscopia
¾Química Geral
Atômica
Chama
Plasma
Infravermelho
UV/Vis
Análises Gravimétricas
A áli
Análises
P
Potenciométricas
t
i ét i
Análises Volumétricas
¾Calibração volumétrica
17
Recursos Humanos
™ 1Coordenador (PhD)
™ 3 Mestres
™ 2 Químicos
™ 2 Biólogos
™ 23 Técnicos químicos/ meio
ambiente
™ 3 Técnicos amostragem
™ 2 Auxiliares de laboratório
18
Acreditações/Credenciamentos
19
Participação em interlaboratoriais
¾PEP – CEDAE (2003 - 2009)
¾ABES - Franca SP – Associação Brasileira de Eng.
sanitária e Ambiental – (2005 – 2008)
¾IPT – Água Mineral e Efluente (2005, 2008)
¾PEP - SENAI-CETIND
SENAI CETIND - (Matriz
(M t i á
água)) (2008)
¾Rede Metrológica do RS (2006-2008)
¾ Burlington – Canada (Matriz água) (2009)
¾PEP – SENAI – CIC (2009)
¾INMETRO – Água (2009)
20
Desempenho em interlaboratoriais
21
Escolha de laboratório analítico
Instalações e
pessoall
Resultados em
ensaios de
proficiência
RASTREABILIDADE
Instrumentos e
metodologias
Padrões analíticos e
reagentes
t
22
Laboratório de
Análises em Meio
Ambiente
• Potabilidade
• Águas Superficiais e Subterrâneas
• Águas de Processos Industriais
• Águas residuárias - Efluentes líquidos
• Balneabilidade
• Resíduos Sólidos e Semi-sólidos
• Solos e Sedimentos
23
Análises por segmento
Segmento
Balneabilidade Potabilidade
Petróleo e Gás
0
1
Petroquímico
0
2
Siderúrgico
0
1
Naval
0
0
Metalúrgico
0
0
Metal-Mecânico
0
2
Q í i
Química
0
1
Postos de Combustíveis
0
0
Alimentos e Bebidas
0
3
Consultorias
0
4
Outros
Construção
0
2
UNOP
8
4
Outros
0
4
Sub total Pontuais (jan-junho)
8
24
Sub total Contratos anuais
0
11
Total
8
35
Superficiais e
subterrâneas
0
0
2
0
0
0
1
0
1
2
2
0
4
12
9
21
Água de processo
1
0
0
0
1
0
3
0
2
4
3
3
3
20
5
25
Solos e
Efluentes Resíduos sedimentos
2
2
0
0
1
0
1
0
2
3
0
0
1
0
0
2
2
0
4
2
1
0
0
0
5
0
0
16
0
3
4
2
3
6
0
0
10
3
0
54
12
9
44
2
1
98
14
10
* 211 projetos atendidos = > ~300 relatórios/mês
24
At
Atuação
ã d
do Lab
L b de
d Meio
M i Ambiente
A bi t
Priorização de Produtos do Lab Meio Ambiente
200
Balneabilidade
Habilida
ade SENAI/CT
TA
150
Potabilidade
Superficiais e Subterrâneas
Água de processo
100
Efluente
Resíduos
Solos e sedimentos
50
-
50
100
150
200
Atratividade
Demanda
25
Recomendações e conclusões
ƒ Necessidade de proteção da qualidade da água
subterrânea e superficial
ƒ Melhorar o uso da água (estratégias de reuso
ou minimização
i i i
ã d
de carga poluidora)
l id )
ƒ Uso racional da água -> influência na
localização de novos empreeendimentos
26
“E
E qualquer
desatenção, faça não
Pode ser a gota
d'ág a ....””
d'água
Chi Buarque,
Chico
B
1975
27
OBRIGADA!!
Carolina Andrade
[email protected] org br
[email protected]
28

Documentos relacionados

Glossário de Conceitos, Definições e Termos

Glossário de Conceitos, Definições e Termos foram escolhidos como indicadores de presença potencial de organismos patogênicos de origem fecal porque: a) existem em grande número na matéria fecal; b) algumas bactérias pertencentes se reproduz...

Leia mais