Argentina - Universidad de San Andrés

Сomentários

Transcrição

Argentina - Universidad de San Andrés
Opera Mundi
ASSINE 0800 703 3000
Page 1 of 3
BATE-PAPO
E-MAIL
SAC
BUSCAR
VOIP
E-MAIL GRÁTIS
SHOPPING
ÍNDICE PRINCIPAL
6
29/10/2010 - 08:17 | Luciana Taddeo | Buenos Aires
Argentina: chanceler afirma que Cristina será
candidata, mas analistas apontam Scioli
O ministro de Relações Exteriores da Argentina, Héctor Timerman, afirmou na noite desta quinta-feira
(28/10), que a presidente Cristina Kirchner será candidata para as eleições presidenciais do país em
2011. A declaração foi dada para a rede de televisão CNN durante o velório do ex-presidente Néstor
Kirchner, vítima de uma parada cardiorrespiratória na manhã de quarta-feira (27/10).
Partido Verde francês declara apoio a
Dilma e diz que sua vitória é única
forma de avançar debate ecológico no
país
“Cristina vai ser candidata dos argentinos e a ganhadora das eleições, não tenho nenhuma dúvida”,
anunciou o chanceler, segundo a agência de notícias Télam. “Nós dizíamos que poderia ser ele ou ela,
agora com certeza será ela”, afirmou. Quando questionado, no entanto, sobre a confirmação da
afirmação, o diplomata recuou: “Não está decidido, porque é uma coisa que ela é quem tem que decidir,
mas sabe que tem o meu apoio”, disse.
Mujica diz apoiar Dilma por ser quem
"mais convém" ao Uruguai
África do Sul: Em campanha contra
HIV, atores de filmes pornô usam
camisinha em cena
Efe
Presidente de El Salvador diz acreditar
em vitória de Dilma no 2º turno
Chávez nacionaliza filial de fabricante
de garrafas dos EUA
5
Câmera Sony
Diversos
modelos a
partir de R$
299
GPS Multilaser
Notebooks
A partir de apenas
R$ 251. Aproveite!
Diversas marcas a
partir de 12x de R$
91,59
Samsung Star
TV
Pen Drives
O apoio demonstrado à Cristina é visto como termômetro pelo peronismo para as próximas eleições, em 2011
As declarações do chanceler retratam as incertezas sobre o futuro panorama político argentino após a
morte de Néstor Kirchner, assim como as expectativas em relação a como se organizará o cenário para
as eleições presidenciais de 2011. Se há alguns meses a conjuntura política do país gerava dúvidas
sobre qual cônjuge do casal presidencial tentaria se eleger como próximo presidente e como os partidos
opositores se articulariam para combatê-lo, o recente acontecimento traz novos questionamentos.
Os principais deles remetem aos desafios que a presidente enfrentará para dar continuidade ao seu
mandato sem o apoio do marido e às incertezas em relação à organização da coalizão Frente para a
Vitória para a campanha eleitoral do ano que vem. “Ainda é muito cedo para fazer avaliações, pois não
sabemos como Cristina pode reagir na ausência de seu marido e principal sustento político”, afirmou ao
Opera Mundi o analista Marcelo Leiras, diretor das licenciaturas em Ciência Política e Relações
Internacionais da Universidade de San Andrés.
3
Há pouco mais de um mês, Leiras considerava que Kirchner emitia sinais de que queria voltar à Casa
Rosada e que provavelmente seria o candidato pelo kirchnerismo em 2011. Para ele, hoje é precoce
tentar prever como se comporá o cenário eleitoral a partir de agora. “A formação dos quadros políticos
dependerá de como a reação popular diante da morte de Kirchner vai afetar a imagem do governo e o
ânimo de Cristina”, explicou.
O pesquisador de sociologia histórica da política argentina pelo Conselho Nacional de Investigações
Científicas e Técnicas (Conicet), Nicolás Damin, acredita que a morte do ex-presidente terá um papel
importante no futuro desenho da opinião pública: “Os argentinos têm uma forma muito particular de lidar
com seus líderes mortos, como aconteceu com o general Juan Domingo Perón e com Raúl Alfonsín. A
figura de Néstor vai somar muito neste aspecto e os níveis de aceitação do governo vão crescer
fortemente”, disse.
Desbloqueado a
partir de R$ 599.
Confira!
Diversos modelos a
partir de R$ 19,90
6
4
A Imagem dos Sonhos
Agora é realidade. Novas TVs LG com
tecnologia IPS. Conheça o site!
www.painelips.com.br
Smirnoff Exchange
Mande o Melhor das Baladas da Sua
Cidade Para Outro País! Acesse
Facebook.com/SmirnoffBrasil
Caminhe com um Gigante!
Conheça o Hamilton, Dê uma Volta em
Interlagos e veja a F1 do Paddock.
www.facebook.com/johnniewalkerbrasil
Mais anúncios
Segundo o sociólogo, a massiva presença de pessoas na Casa Rosada para se despedir do expresidente no dia de sua morte e no velório pode ser avaliada, no interior do peronismo, “como uma clara
http://operamundi.uol.com.br/noticias/ARGENTINA+CHANCELER+AFIRMA+QUE+CRI...
01/11/10
Opera Mundi
Page 2 of 3
opção dos cidadãos argentinos pelo kirchnerismo”.
Leia mais
Morre Néstor Kirchner, ex-presidente da Argentina
Argentinos lotam a Praça de Maio para homenagear Néstor Kirchner
Amorim diz que morte de Kirchner é perda para América do Sul
Avós da Praça de Maio dizem que Kirchner deu a vida pela Argentina
Eleito durante crise, Kirchner se tornou uma das figuras políticas mais importantes da Argentina
Galeria de imagens: Líderes mundiais homenageiam ex-presidente Néstor Kirchner
Galeria de imagens: Argentinos vão à Praça de Maio para homenagear ex-presidente Néstor Kirchner
Perda do líder
O diretor do Centro de Investigações Políticas (Cipol), Marcos Novaro, no entanto, apesar de acreditar
que as tendências não se evidenciarão em curto prazo, acredita que o kirchnerismo passará por uma
renovação. Para ele, com a morte de Kirchner, o governo sofrerá com a falta de seu principal “armador”.
“O kirchnerismo perdeu a pessoa que se encarregava de mobilizar e disciplinar a base política de
prefeitos, governadores e sindicalistas que o apóiam. Este líder era Néstor, que é insubstituível”, afirmou.
A opinião de Novaro sobre o protagonismo de Kirchner na atuação de Cristina coincide com a de outros
analistas. “O kirchnerismo é uma força política potente, mas muito heterogênea. A atividade política
intensa de Néstor mantinha esta coalizão em movimento e na ofensiva”, explicou Leiras. “A morte do expresidente complica a gestão política do dia a dia devido à grande quantidade de decisões que recaíam
sobre ele, por ser chefe do Partido Justicialista e referência máxima dos grupos que o acompanham e
que, às vezes, têm conflitos entre si”, disse Damin.
Como consequência, uma das possibilidades vislumbradas pelo diretor do Cipol é o surgimento de um
pós-kirchnerismo e que a grande questão que emerge é quem seria o candidato com força para
representá-lo. Segundo ele, os agrupamentos dentro do Partido Justicialista que ultrapassavam o
Peronismo Federal – cujos integrantes são conhecidos como peronistas dissidentes, com tendências
direitistas – já tinham começado a desenhar um projeto de sucessão do governo Kirchner, encarnado,
principalmente, em Daniel Scioli, atual governador da província de Buenos Aires.
Efe
As largas filas para velar o corpo de Kirchner continuaram por toda a noite e na manhã desta sexta-feira
Candidato iminente
Deputado da cidade de Buenos Aires entre 1997 e 2002 e secretário de Turismo e de Esportes durante o
governo interino de Eduardo Duhalde (2002-2003), o político também traz em seu currículo a vicepresidência da Argentina durante a administração de Néstor Kirchner (2003-2007). Com a morte do expresidente, o político assumirá a liderança do Partido Justicialista, segundo confirmou ontem o deputado
Jorge Landau à agência Télam.
“Scioli é um dos mais bem posicionados para suceder o kirchnerismo. Acho que Cristina tem poucas
chances, ela nunca foi armadora da coalizão, nem sequer foi chefe de governo, estava como uma
presidente substituta. Para os funcionários do governo e os sindicalistas, a liderança sempre foi Néstor.
Cristina leva o peso do sobrenome, mas este não é aceito pelos dissidentes, enquanto o de Scioli sim”,
afirmou Novaro, que acredita que a candidatura da presidente implica uma divisão no peronismo: “Tenho
a impressão de que os prefeitos e governadores hoje têm menos necessidade de correr o risco de apoiar
Cristina do que quando Néstor estava vivo.”
O pesquisador Gabriel Puricelli, um dos coordenadores do Laboratório de Políticas Públicas em Buenos
Aires, corrobora que Néstor Kirchner faleceu em um momento em que Scioli emergia como concorrente à
http://operamundi.uol.com.br/noticias/ARGENTINA+CHANCELER+AFIRMA+QUE+CRI...
01/11/10
Opera Mundi
Page 3 of 3
candidatura presidencial. “Sua ideologia e seu estilo são mais parecidos à da ideologia média da base de
apoio do governo, mas próxima que a de Cristina e seu esposo, e se ele realmente tem aspirações
presidenciais, a ausência de Kirchner do cenário eleitoral lhe favorece muito”, analisou.
Segundo ele, muitos do Peronismo Federal estavam calculando entre buscar outras alianças ou esperar
que a campanha dos Kirchner se decantasse e que candidatura do governador viesse à tona. “Mas
Cristina ganhará crescente apoio da opinião pública e os passos de Scioli deverão ser discretos”,
completou.
Leia mais:
O legado deixado por Néstor Kirchner
Casamento Igualitário na Argentina. E no Brasil?
América do Sul à beira do futuro
Inconstitucionalidade do acordo EUA-Colômbia
Diplomacia brasileira: o contraste entre a inércia passada e o dinamismo atual
Chances para a oposição
Uma das derivações de um peronismo dividido seria o aumento da força dos partidos de oposição, que
até a morte do ex-presidente não tinham mostrado capacidade de formar alianças para enfrentar o
kirchnerismo. “Se o peronismo não conseguir mostrar indícios de resolver suas eleições internas agora,
com a ausência de Néstor, abrirá a única possibilidade de que a oposição dispersa e fraturada seja
favorecida”, afirmou Novaro.
Maurício Macri, segundo ele, é um dos nomes fortes para competir com um peronismo desunido. Prefeito
da cidade de Buenos Aires, Macri é líder do partido Proposta Republicana (PRO), com tendência de
centro-direita que, apesar de divergências, formou com Felipe Solá, ex-governador da província de
Buenos Aires e Francisco De Narváez, do Peronismo Federal, a coligação União–PRO para as eleições
legislativas de 2009, e superou os votos da Frente para a Vitória no parlamento.
“Com Cristina candidata, Macri tem mais chances, porque os dissidentes e grupos de interesse vão
confluir em sua direção rapidamente. Tudo dependerá do que acontecer dentro do peronismo, se há
reconciliação, com Scioli, a dissidência vai desaparecer”, afirmou Novaro.
Consequências
Além de sentirem a perda do ex-presidente, setores argentinos temem pelo fim do atual governo, que
teve grande enfoque nos programas de distribuição de renda, inclusão social e Direitos Humanos.
Para Damin, muitos movimentos que dependem da aliança com o governo, como a central sindical CGT
(Confederação Geral do Trabalho), que poderiam diluir-se sem uma sucessão kirchnerista. “Os
movimentos sociais da periferia representam milhares de pessoas que sabem que seu futuro está ligado
às próximas eleições. O caso da CGT não é tão preocupante quanto à obtenção de recursos, mas este
aspecto afeta diretamente os movimentos sociais sim”, disse.
Siga o Opera Mundi no Twitter
Notícias
Perfis
Entrevistas
Especiais
Opinião
Dicas
Esportes
Vídeos
Links
Expediente
Contato
Newsletter
Opera Mundi é melhor visualizado com Mozilla Firefox, Google Crome ou Internet Explorer 7
http://operamundi.uol.com.br/noticias/ARGENTINA+CHANCELER+AFIRMA+QUE+CRI...
01/11/10

Documentos relacionados

OS GOVERNOS KIRCHNER E AS “NOVAS - EAIC

OS GOVERNOS KIRCHNER E AS “NOVAS - EAIC pela crise financeira e política. Assim faz com que durante o início de seu governo e de sua forte iniciativa política para o combate à impunidade e criação normas de acordo com regras instituciona...

Leia mais