indústria de bebidas

Сomentários

Transcrição

indústria de bebidas
DEPEC – Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos
INDÚSTRIA DE BEBIDAS
AGOSTO DE 2016
O DEPEC – BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções.
Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser
tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de
natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são
assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas
informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.
PRODUTOS
A INDÚSTRIA DE BEBIDAS PODE SER DIVIDIDA EM:
 Bebidas alcoólicas: cervejas, champanhe, aguardente, gim,
vodca, uísque, licores, conhaque, rum, vinhos;
 Bebidas não-alcoólicas: refrigerantes, águas minerais,
águas tônicas e isotônicas.
MERCADO DE BEBIDAS - 2009
Refrigerantes e
refrescos
46%
Embalagem
Cevada
Açúcar
cristal
Indústria de
bebidas
R$ 88,2
bilhões
Cervejas e
chopes
42%
Cachaça
7%
Outros
12%
Vinhos
2,5%
Água mineral
2,5%
FONTE: IBGE - PIA
ELABORAÇÃO: BRADESCO
TIPOS DE CERVEJA
 Atualmente existem mais de 20 mil tipos de cerveja no mundo, que podem ser
segmentadas em duas grandes famílias:
 Ale: cervejas de alta fermentação, consideradas mais encorpadas e
servidas em temperatura mais elevada
 Lager: cervejas de baixa fermentação, são guardadas por semanas ou
meses até clarear e amadurecer. Possuem sabor moderadamente amargo
 As diferenças estão no teor alcoólico, na fermentação e no uso dos quatro
ingredientes principais: água, malte, lúpulo e fermento;
 No Brasil, mais de 90% do consumo é de cervejas do tipo Pielsen, da família
Lager, com teor alcoólico médio de cor clara.
PRINCIPAIS TIPOS DE CERVEJA
Cerveja
Pilsen
Dortm under
Stout
Porter
Weissbier
München
Bock
Malzibier
Ale
Ice
Origem
República Checa
Alem anha
Inglaterra
Inglaterra
Alem anha
Alem anha
Alem anha
Alem anha
Inglaterra
Canadá
FONTE: SINDICERV
ELABORAÇÃO: BRADESCO
Coloração
Clara
Clara
Escura
Escura
Clara
Escura
Escura
Escura
Clara e averm elhada
Clara
Teor alcoólico
Médio
Médio
Alto
Alto
Médio
Médio
Alto
Alto
Médio ou alto
Alto
PRINCIPAIS ETAPAS DO PROCESSO PRODUTIVO DA CERVEJA
Obtenção do
malte
Seleção e limpeza
dos grãos
Embebidação:
adição de água
Germinação: grãos
colocados em estufa
entre 5 e 8 dias
Interrupção do processo
de germinação e
secagem dos grãos
Preparação do
mosto
Moagem do malte
Maceração (malte é
misturado à água
quente) e adjunto
(milho, arroz e trigo)
Filtração e fervura do
mosto
Centrifugação e
resfriamento do
mosto
Fermentação
Fermentação
aeróbia: reprodução
das leveduras
Fermentação
anaeróbia:
conversão dos
açúcares em CO2 e
álcool
Processamento da
cerveja
Engarrafamento
da cerveja
Maturação:cerveja
em descanso à
baixa temperatura
por período entre 15
a 60 dias
Lavagem de garrafas
Envase propriamente
dito
Filtração: limpeza
final do produto
Carbonatação:
injeção de gás
carbônico
Pasteurização:
aquecimento
seguido por rápido
esfriamento
Rotulagem e
embalagem
PRINCIPAIS ETAPAS DO PROCESSO PRODUTIVO DO REFRIGERANTE
Preparo do xarope
simples
Diluição do açúcar em
água quente, seguido
de cozimento
Clarificação e
purificação
Filtração e
resfriamento da calda
Xarope composto
Incorporação de aditivos
– sucos naturais,
conservantes, corantes,
antioxidante, extratos
vegetais (cola e guaraná)
Nesta etapa que os
refrigerantes são
distinguidos em cor,
sabor, odor
Fabricação do
refrigerante
Carbonação: adição de
CO2 ao xarope
composto
Lavagem de garrafas
Envase propriamente
dito
Rotulagem e embalagem
SAZONALIDADE
SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DE BEBIDAS – 1991 – 2013
Part. %
10,5%
10,0%
10,0%
9,5%
9,3%
9,4%
9,0%
8,6%
8,5%
8,2%
8,1%
8,1%
8,0%
8,0%
7,8%
7,5%
7,7%
7,5%
7,3%
7,0%
6,5%
6,0%
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
SAZONALIDADE DO CONSUMO DE REFRIGERANTES – 2005 - 2009
Part. %
11%
10%
10%
10%
09%
09%
09%
09%
08%
09%
08%
08%
08%
08%
08%
08%
07%
07%
jun
jul
08%
07%
07%
06%
jan
fev
mar
abr
mai
FONTE: ABIR
ELABORAÇÃO: BRADESCO
ago
set
out
nov
dez
 o consumo de cerveja e de refrigerantes é mais elevado
no período de verão, nas festas natalinas e no
Carnaval;
 Cerca de 40% das vendas de cerveja são realizadas
entre dezembro e fevereiro.
CUSTOS DE
PRODUÇÃO
PARTICIPAÇÃO % DOS CUSTOS NA PRODUÇÃO DE CERVEJAS E
REFRIGERANTES – 2010
DEPRECIAÇÃO
7%
MÃO DE OBRA
6%
OUTROS
14%
EMBALAGENS
44%
FONTE: AMBEV
ELABORAÇÃO: BRADESCO
MATÉRIAS-PRIMAS
29%
CÁLCULO DO PREÇO FINAL DA CERVEJA – PARTICIPAÇÃO % POR
AGENTE
Agentes
Impostos
Indústria
Varejo
Distribuidores
Total
FONTE: SINDICERV
ELABORAÇÃO: BRADESCO
2009
35.6
26.3
26.6
11.5
100
FORNECEDORES
PRINCIPAIS MATÉRIAS-PRIMAS PARA A PRODUÇÃO DE CERVEJAS E
REFRIGERANTES
 Cerveja:
 Cevada;
 Malte (70% importados do Mercosul e da Europa);
 Lúpulo (importado).
 O malte é um extrato, formado a partir da semente de cevada, por um processo de
umidificação no qual ocorre a germinação. A cerveja é uma bebida produzida a
partir da fermentação de cereais;
 A indústria de refrigerantes importa o concentrado à base de cola;
 Outros insumos importantes para a produção de cervejas e refrigerantes:
 Açúcar cristal,
 Água,
 Sucos de frutas,
 Gás carbônico;
 Embalagens.
AS IMPORTAÇÕES DE
CERVEJA RESPONDEM
APENAS POR 0,1% DA
PRODUÇÃO NACIONAL.
PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE CERVEJA – 2010
Reino Unido
México
1.8%
1.8%
Outros
5.4%
Irlanda
2.4%
Bélgica
3.6%
Uruguai
28.3%
Alemanha
12.7%
Holanda
19.9%
Argentina
24.1%
FONTE: EUROMONITOR
ELABORAÇÃO: BRADESCO
REGIONALIZAÇÃO
PARTICIPAÇÃO % DOS ESTABELECIMENTOS E DOS EMPREGADOS
NA INDÚSTRIA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR REGIÃO - 2012
buição setorial do IED em 2011 (jan-abr) fonte BC
Centro-Oeste
4,8%
Norte
2,0%
Nordeste
15,1%
ESTABELECIMENTOS
Sudeste
42,9%
BEBIDAS ALCOOLICAS
Sul
35,2%
Centro-oeste
9,1%
Sul
14,3%
EMPREGADOS
FONTE: RAIS
ELABORAÇÃO: BRADESCO
Norte
3,5%
Sudeste
43,0%
Nordeste
30,1%
NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS
ALCOÓLICAS POR ESTADO - 2012
RS
MG
SP
SC
RJ
PR
PE
BA
ES
CE
GO
PB
MT
DF
MS
PI
RN
MA
PA
RO
AL
AM
SE
AC
AP
RR
279
230
192
98
78
64
51
40
37
32
31
30
11
9
9
9
8
8
7
7
6
6
5
3
1
1
0
50
100
FONTE: RAIS
ELABORAÇÃO: BRADESCO
150
200
250
300
PARTICIPAÇÃO % DOS ESTABELECIMENTOS E DE EMPREGADOS NA
INDÚSTRIA DE BEBIDAS NÃO-ALCOÓLICAS POR REGIÃO - 2012
Distribuição setorial do IED em 2011 (jan-abr) fonte BC
Norte
8,5%
FONTE: STN
Centro-Oeste
8,0%
Sudeste
39,8%
Sul
14,9%
ESTABELECIMENTOS
Fabricação de Bebidas Não-Alcoólicas
Nordeste
28,9%
Norte
7,8%
Centro-oeste
10,8%
Sudeste
42,7%
Sul
12,4%
EMPREGADOS
FONTE: RAIS
ELABORAÇÃO: BRADESCO
Nordeste
26,3%
NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS NÃOALCOÓLICAS POR ESTADO - 2011
SP
MG
RJ
PE
CE
PR
RS
SC
BA
GO
PA
RN
MT
AL
AM
ES
RO
MA
PB
PI
MS
SE
DF
AC
TO
AP
RR
230
107
94
94
73
65
57
46
46
38
35
32
28
23
22
19
17
16
15
15
14
13
10
9
7
3
3
0
50
100
FONTE: RAIS
ELABORAÇÃO: BRADESCO
150
200
250
O ESTADO DE SÃO PAULO E
O GRANDE RIO DE JANEIRO
RESPONDEM POR CERCA
DE 40% DO CONSUMO DE
REFRIGERANTES.
Consumo por região
CONSUMO DE REFRIGERANTES
POR REGIÃO – 2010
Nordeste
3,230
Sul
2,761
Sudeste (exGrande SP e
interior)
2,654
Gde São
Paulo
2,346
Interior SP
2,139
Gde Rio de
Janeiro
1,282
Centro Oeste
1,092
Norte
899
0
500
1,000
FONTE: ABIR / CANADEAN
ELABORAÇÃO: BRADESCO
1,500
2,000
2,500
Milhões de litros
3,000
3,500
PARTICIPAÇÃO % DO CONSUMO
DE
REFRIGERANTES
POR REGIÃO –
Consumo por
região
- em %
2010
Nordeste
19.7%
Sul
16.8%
Sudeste (exGrande SP e
interior)
16.2%
Gde São
Paulo
14.3%
Interior SP
13.0%
Gde Rio de
Janeiro
7.8%
Centro Oeste
6.7%
Norte
5.5%
0%
5%
10%
FONTE: ABIR / CANADEAN
ELABORAÇÃO: BRADESCO
15%
20%
25%
CONSUMO PER CAPITA DE REFRIGERANTES POR REGIÃO – 2010
Gde São Paulo
119.68
Gde Rio de
Janeiro
110.58
Sul
101.52
Interior SP
98.8
Sudeste exceto
RJ e SP
97.62
Centro Oeste
75.8
Nordeste
60.81
Norte
55.99
0
20
40
FONTE: ABIR / CANADEAN
ELABORAÇÃO: BRADESCO
60
80
100
120
140
RANKING
MUNDIAL
Ranking Mundial de Produção de cerveja
RANKING MUNDIAL DE
PRODUÇÃO DE CERVEJA – 2010
China
24.3%
Estados
Unidos
12.3%
Brasil
6.2%
Rússia
5.6%
Alemanha
5.2%
México
4.3%
Japão
3.2%
Reino Unido
2.4%
Polônia
1.8%
Espanha
1.8%
Ucrânia
1.7%
África do Sul
1.6%
Países Baixos
1.3%
0%
6%
FONTE: LAFIS
ELABORAÇÃO: BRADESCO
12%
18%
24%
30%
Mundial de Produção
de cerveja DE DE CERVEJA – 2010
RANKING MUNDIAL DERanking
CONSUMO
PER CAPITA
República
Tcheca
144.0
Alemanha
107.0
Áustria
106.0
Irlanda
99.0
Reino Unido
81.0
Venezuela
80.0
Espanha
80.0
EUA
79.0
Rússia
73.0
Canadá
66.0
Brasil
58.0
0
20
40
60
FONTE: LAFIS
ELABORAÇÃO: BRADESCO
80
100
120
140
160
NOS ÚLTIMOS ANOS A INDÚSTRIA
MUNDIAL DE CERVEJA PASSOU POR
UM PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO, O
QUE ACARRETOU EM MUDANÇAS NO
RANKING DO SETOR. A PRINCIPAL FOI A
FUSÃO ENTRE A AMBEV E A
INTERBREW, GERANDO A INBEV.
RANKING
NACIONAL
MARKET SHARE DAS FABRICANTES DE CERVEJA – 1990-2000-2011
Market share por empresa - 2000 (fonte: SINDICERV)
Market share por empresa - 1990 (fonte: SINDICERV)
Schincariol
0,8%
Petrópolis
3%
Outras
0,8%
Outras
2%
1990
FEMSA/Kaiser
9,8%
2000
Schincariol
9%
FEMSA/Kaiser
18%
Ambev
68%
Market share por empresa (fonte: SINDICERV)
Ambev
88,6%
2011
Outras
1.5%
FEMSA
8.5%
Schincariol/Kirin
10.0%
Petrópolis
10.2%
Ambev
69.8%
FONTE: SINDICERV
ELABORAÇÃO: BRADESCO
2011 – fonte: AC Nielsen - in Lafis
 Ambev: Skol, Brahma, Antarctica e Bohemia;
 Femsa: Kaiser, Bavária, Heineken, Sol, Xingu, Santa
Cerva, Dos equis;
 Schincariol: Nova Schin, Alpen Pilsen, NS2 e Primus;
 Petrópolis: Crystal, Itaipava e Petra.
CONSUMIDORES
 Segundo a Nielsen 59% das vendas de uísques são
realizadas em supermercados e varejistas
especializados em bebidas, sendo o restante em
bares e restaurantes;
 80% das vendas de cachaça são realizadas em
bares.
 As exportações de cerveja respondem apenas por 0,5% da produção
nacional;
 O principal canal de distribuição são os bares (45%), seguidos pelos
supermercados (34%);
 Cerca de 30% da distribuição é feita pela própria rede;

As mulheres vêm ganhando espaço e hoje representam 35% do
consumo nacional;
 A Classe C é que mais consome cerveja no Brasil, com cerca de 41% do
consumo.
PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE CERVEJA – 2010
Canadá
1.9%
Suriname
2.3%
EUA
1.4%
Outros
4.3%
Peru
7.7%
Paraguai
48.3%
Bolívia
34.0%
FONTE: SINDICERV
ELABORAÇÃO: BRADESCO
CONSUMO DE BEBIDAS NÃO ALCOOLICAS POR TIPO - 2010
Sucos e néctares
1.3%
Isotônicos
0.4%
Chá gelado
0.3%
Refrescos
3.8%
Energéticos
0.2%
Suco concentrado
4.3%
Sucos em pó
10.6%
Refrigerantes
41.6%
Água engarrafada
14.8%
Águas de galão
22.8%
FONTE: ABIR/ CANADEAN LIQUID INTELLIGENCE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
FATORES DE
RISCO
A CONCORRÊNCIA É BASTANTE ACIRRADA NO SEGMENTO DE BEBIDAS, E
PARA MANTER O MARKET SHARE, SÃO NECESSÁRIOS INVESTIMENTOS EM:
 Propaganda;
 Lançamentos constantes de novos produtos;
 Logística e distribuição. A localização das plantas
industriais próximas ao mercado consumidor e fornecedor
e a capilaridade da rede de distribuição são muito
importantes para a estratégia das empresas,
principalmente em razão da quantidade de pequenos
pontos de venda e da existência de embalagens
retornáveis. As pequenas e médias empresas atuam de
forma regional, atendendo o mercado próximo de sua
localização.

Por não ser um item de primeira necessidade, o consumo de bebidas é
dependente da renda da população, sendo que elevações de preços ou queda na
renda levam os consumidores à substituição de bebidas de marca por outras
mais populares;

Fatores climáticos influenciam de modo diferente o consumo de bebida nas
regiões Sudeste e Sul. Dessa forma, um inverno menos rigoroso nessas regiões
faz com que os consumidores prefiram cerveja e refrigerante ao invés de vinho.
Ocorre o oposto no caso de verão com temperaturas mais baixas que o habitual;

Câmbio afeta parte dos custos do setor, tais como: embalagens, combustíveis,
malte para cerveja, xarope de cola para refrigerantes;

Preços de commodities como o açúcar afetam os custos de produção.

Forte concorrência intra-setorial, entre tipos de bebidas que podem ser
substitutas como refrigerantes, sucos, águas saborizadas e chás.
CENÁRIO ATUAL
E TENDÊNCIAS
Bebidas
PRODUÇÃO DE BEBIDAS
14,0%
em m ilhõesUS$
12,0%
11,2%
10,0%
8,0%
5,8%
6,0%
6,4%
7,1%
7,0%
5,4%
4,0%
1,3%
2,0%
0,3%
0,0%
-0,1%
-0,1%
-2,0%
-2,1%
-4,0%
-4,1%
-6,0%
-5,4%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
2015
2014
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
2005
2004
2003
-8,0%
jun/05
set/05
dez/05
mar/06
jun/06
set/06
dez/06
mar/07
jun/07
set/07
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
mar/13
jun/13
set/13
dez/13
mar/14
jun/14
set/14
dez/14
mar/15
jun/15
set/15
dez/15
mar/16
jun/16
3.11 Fabricação de bebidas
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS – VAR. % DA MÉDIA MÓVEL DE 12
MESES
15.0%
12.7%
10.0% 8.8%
7.8%
5.0%
4.4%
3.3%
2.0%
0.0%
-0.6%
-5.0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
-0.6%
-2.2%
-3.6%
-10.0%
2.0%
jun/05
set/05
dez/05
mar/06
jun/06
set/06
dez/06
mar/07
jun/07
set/07
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
mar/13
jun/13
set/13
dez/13
mar/14
jun/14
set/14
dez/14
mar/15
jun/15
set/15
dez/15
mar/16
jun/16
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS ALCOÓLICAS – VAR. % DA MÉDIA
MÓVEL DE 12 MESES
11.1 Fabricação de bebidas alcoólicas
12.0%
10.0%
8.6%
10.6%
8.0%
6.7%
6.0%
4.0%
2.3%
-4.0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
2.6%
2.2%
1.3%
0.0%
-0.2%
-0.6%
-2.0%
-1.7%
-3.5%
-6.0%
-8.0%
jun/05
set/05
dez/05
mar/06
jun/06
set/06
dez/06
mar/07
jun/07
set/07
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
mar/13
jun/13
set/13
dez/13
mar/14
jun/14
set/14
dez/14
mar/15
jun/15
set/15
dez/15
mar/16
jun/16
11.2 Fabricação de bebidas não-alcoólicas
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS NÃO ALCOÓLICAS – VAR. % DA
MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES
20.0%
15.0%
14.9%
9.9%
11.0%
10.0%
5.0%
5.2%
4.0%
3.0%
0.0%
0.5%
-1.4%
-5.0%
-3.8%
-10.0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
-3.9%
-5.0%
jun/08
ago/08
out/08
dez/08
fev/09
abr/09
jun/09
ago/09
out/09
dez/09
fev/10
abr/10
jun/10
ago/10
out/10
dez/10
fev/11
abr/11
jun/11
ago/11
out/11
dez/11
fev/12
abr/12
jun/12
ago/12
out/12
dez/12
fev/13
abr/13
jun/13
ago/13
out/13
dez/13
fev/14
abr/14
jun/14
ago/14
out/14
dez/14
fev/15
abr/15
jun/15
ago/15
out/15
dez/15
fev/16
abr/16
jun/16
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS EM MINAS GERAIS – VAR. % DA
MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES
20.0%
Brasil
Minas Gerais
15.0%
12.5%
10.0%
8.6%
5.0%
3.5%
1.5%
-1.9%
-0.6%
-3.2%
-7.6%
-10.0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
-8.0%
3.8%
2.0%
5.6%
0.0%
-2.1%
-3.6%
-2.2%
-4.7%
-6.3%
-7.8%
-15.0%
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS NO RIO DE JANEIRO – VAR. % DA
MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES
Brasil
18.0%
16.7%
Rio de Janeiro
12.7%
13.0%
8.0%
3.5%
2.0%
3.0%
1.0%
-0.6%
-0.2%
-0.6%
-2.0%
-2.2%
-3.2%
-4.7%
-7.0%
-6.5%
-7.2%
-8.6%
-9.0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
jun/16
mar/16
dez/15
set/15
jun/15
mar/15
dez/14
set/14
jun/14
mar/14
dez/13
set/13
jun/13
mar/13
dez/12
set/12
jun/12
mar/12
dez/11
set/11
jun/11
mar/11
dez/10
set/10
jun/10
mar/10
dez/09
set/09
jun/09
mar/09
dez/08
set/08
jun/08
-12.0%
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS EM SÃO PAULO – VAR. % DA
MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES
20.0%
Brasil
São Paulo
15.0%
12.7%
9.5%
10.0%
6.1%
4.9%
5.0%
2.2%
2.0%
1.2%
1.3%
0.0%
-0.3%
-0.6%
-2.2%
-2.9%
-3.6%
-5.0%
-4.6%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
jun/16
mar/16
dez/15
set/15
jun/15
mar/15
dez/14
set/14
jun/14
mar/14
dez/13
set/13
jun/13
mar/13
dez/12
set/12
jun/12
mar/12
dez/11
set/11
jun/11
mar/11
dez/10
set/10
jun/10
mar/10
dez/09
set/09
jun/09
mar/09
dez/08
set/08
jun/08
-10.0%
19.0%
-1.0%
jun/08
ago/08
out/08
dez/08
fev/09
abr/09
jun/09
ago/09
out/09
dez/09
fev/10
abr/10
jun/10
ago/10
out/10
dez/10
fev/11
abr/11
jun/11
ago/11
out/11
dez/11
fev/12
abr/12
jun/12
ago/12
out/12
dez/12
fev/13
abr/13
jun/13
ago/13
out/13
dez/13
fev/14
abr/14
jun/14
ago/14
out/14
dez/14
fev/15
abr/15
jun/15
ago/15
out/15
dez/15
fev/16
abr/16
jun/16
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS NO PARANÁ – VAR. % DA MÉDIA
MÓVEL DE 12 MESES
Brasil
Paraná
14.0%
14.2%
9.0%
5.7%
-0.6%
7.1%
4.9%
4.0%
4.1%
2.0%
3.1%
-0.1%
-6.0%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
-0.6%
0.2%
-1.5%
-2.0%
-2.2%
-3.6%
-4.7%
-11.0%
PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE BEBIDAS NO RIO GRANDE DO SUL – VAR.
% DA MÉDIA MÓVEL DE 12 MESES
Brasil
12.7%
Rio Grande do Sul
12.5%
10.9%
9.8%
8.9%
7.5%
5.1%
2.0%
2.5%
-0.6%
-0.6%
-2.5%
-2.2%
-0.9%
-3.6%
-3.9%
-7.5%
-10.1%
-11.5%
FONTE: IBGE
ELABORAÇÃO: BRADESCO
jun/16
mar/16
dez/15
set/15
jun/15
mar/15
dez/14
set/14
jun/14
mar/14
dez/13
set/13
jun/13
mar/13
dez/12
set/12
jun/12
mar/12
dez/11
set/11
jun/11
mar/11
dez/10
set/10
jun/10
mar/10
dez/09
set/09
jun/09
mar/09
dez/08
set/08
jun/08
-12.5%
GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPEGO COM CARTEIRA ASSINADA NA
– ACUMULADO EM 12 MESES
FABRICAÇÃO DE BEBIDAS
FABRICAÇÃO
DE BEBIDAS
INDÚSTRIA
DE BEBIDAS
Nº de vagas
12,000
10,393
10,316
10,000
9,839
9,083
7,942
8,000
6,738
6,891
7,189
6,319
6,000
4,694
4,830
4,986
4,498
4,000
3,293
2,000
0
2,300
336
-2,000
-2,708
-4,000
jan/08
mar/08
mai/08
jul/08
set/08
nov/08
jan/09
mar/09
mai/09
jul/09
set/09
nov/09
jan/10
mar/10
mai/10
jul/10
set/10
nov/10
jan/11
mar/11
mai/11
jul/11
set/11
nov/11
jan/12
mar/12
mai/12
jul/12
set/12
nov/12
jan/13
mar/13
mai/13
jul/13
set/13
nov/13
jan/14
mar/14
mai/14
jul/14
set/14
nov/14
jan/15
mar/15
mai/15
jul/15
set/15
nov/15
jan/16
mar/16
mai/16
jul/16
-6,000
FONTE: CAGED
ELABORAÇÃO: BRADESCO
DEPEC-BRADESCO
www.economiaemdia.com.br
Equipe Técnica
Octavio de Barros - Diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos
Fernando Honorato Barbosa – Superintendente Executivo
Economistas: Ana Maria Bonomi Barufi / Andréa Bastos Damico / Ariana Stephanie Zerbinatti / Constantin Jancso / Daniela Cunha de Lima / Ellen
Regina Steter / Estevão Augusto Oller Scripilliti / Fabiana D’Atri / Igor Velecico / Leandro Câmara Negrão / Marcio Aldred Gregory / Myriã Tatiany Neves
Bast / Priscila Pacheco Trigo / Regina Helena Couto Silva / Thomas Henrique Schreurs Pires
Estagiários: Bruno Sanchez Honório / Carlos Henrique Gomes de Brito / Christian Frederico M. Moraes / Fabio Rafael Otheguy Fernandes / Mariana
Silva de Freitas / Rafael Martins Murrer