curso de inverno - Université Paris 1 Panthéon

Сomentários

Transcrição

curso de inverno - Université Paris 1 Panthéon
CURSO DE INVERNO
Convênio FIESP e Universidade Paris 1 PANTHÉON-SORBONNE
Plano e Horário do Curso de Inverno
Disciplinas
Gestão Empresarial - IAE (Sorbonne
Graduate Business School)
Direito Internacional Privado- Sorbonne
Law School - Centre Panthéon
Arquitetura Sustentável – le 8 au Centre
Panthéon
INHA c/ Retrofit
Ceremonia, com entrega dos
certificados
História da Arte
Cité de l'Architecture et du Patrimoine
Data
Horário
08-nov
10h45 às
13h45
10h às 13h
14h00 às
17h00
10-nov
15h30 às
18h30
08-nov
10h00 às
13h30
09-nov
17h30 às
20h
10-nov
19 às 21h
11-nov
11h às
13h30
09-nov
10-nov
Carga
horária
6 horas
Sala
Sala A 213, Edificio A, segundo andar
Sala du Conselho, Edificio A, 7° andar
6 horas
6 horas
Sala 1 Galerie Soufflot, centre
Panthéon
Sala 1 Galerie Soufflot, centre
Panthéon
Salle Vasari
INHA 2 rue Vivienne 75002
Appartement Décanal, Centre
Panthéon
Palais de Chaillot
1 place du Trocadéro
75116 Paris
Arquitetura Sustentável
Syllabus 1
A CASA DA MOEDA DE PARIS
Projeto Metalmorfoses
[Em curso – 2009-2012]
Metalmorfoses, projeto de modernização da Casa da Moeda de Paris localizada no « hotel de
la Monnaie » contruída por Jacques Denis Antoine, provoca uma dupla resposta
arquitetônica : de um lado, a redescoberta da arquitetura neoclássica de primeira ordem e, de
outro lado, a aplicação de uma expressão contemporânea ao projeto cujo traço ultrapassa os
modos e apresenta um caráter duradouro à sustenabilidade e poder desta arquitetura. Em tal
caso, a criação só nascerá pela confrontação do contexto atual com a memória do passado.
A intervenção arquitetônica e museológica ganham um espaço particular neste projeto :
iniciar o percurso experimental de descoberta das oficinas, onde trabalha-se o metal no
interior de peças de metal dispostas nos pátios dos prédios em pedra. Essas peças em si falam
da moeda e das medalhas sob todas as suas formas. Elas abrigam uma cenografia sensorial
que explicita as etapas invocadas. Algumas destas peças se abrem sobre as oficinas afim de
permitir a confrontação entre o real e sua explicação.
O outro grande desafio deste projeto, garantia de seu sucesso, é sua descoberta sobre a
cidade : percorrer o prédio através de seus pátios, formando vários espaços interiores.
Comprender a história da formação do prédio nos dá as chaves para sua abertura : à época da
construção do compartimento de Philippe Auguste, era possível circular no revés do baluarte,
lá onde Jules-Hardouin-Mansart construiu em seguida o hotel de Conti, hoje prejudicado pelas
estruturas das oficinas. A re-abertura dessa passagem, agora pública, proporcionará um
verdadeiro passeio urbano. Ela oferece a ocasião de redescobrir um espaço particular,
clássico e exceptional entre pátio e jardim.
À localização do jardim perdido, um cenário verde contemporâneo é criado. Neste jardim de
água, as linhas de flores são implantadas de acordo com os eixos construtivos da arquitetura
do hotel. Seus reflexos se misturam com a da fachada.
Philippe PROST
Após ter consagrado uma dezena de anos à pesquisa, em 1991, Philippe Prost foi chamado à cabeceira da
cidadela de Belle-Île-en-Mer, para uma aventura que durará 15 anos. Atualmente, ele reuniu para um trabalho de
longo prazo uma quinzena de pessoas, que partilham com ele a mesma paixão e a mesma exigência. Este
trabalho é caracterizado por um respeito do local, de sua história, da sua geografia, por uma análise aprofundada
da questão colocada pelo programa, pela escolha de uma lógica construtiva e de materiais duradouros, enfim, por
uma presença constante no canteiro de obras. Em todos os projetos conduzidos a diferentes escalas, memória e
contexto fundamentam a criação.
Philippe Prost, arquiteto e urbanista, professor da École Nationale Supérieure d'Architecture de Paris-Belleville,
fundou sua agência de arquitetura AAPP em Paris em 1993.
Após ter consagrado uma dezena de anos à pesquisa, ele foi chamado à cabeceira da cidadela de Belle-Île-enMer, para uma aventura que durará 15 anos. Em 2004, ele obtém uma menção à l’Équerre d'argent para a
construção de um conjunto de habitações em Paris e, em 2006, ele ganhou o concurso para a construção do
L’état-major de l’armée de terre, no coração da Escola Militar de Paris.
Sua agência desenvolveu um polo de cinema de animação na antiga Cartoucherie nationale Bourg-lès-Valence,
projeto nomeado para o l’Équerre d'argent 2009 e levado atualmente a casas culturais. Em todos esses projetos,
levados à diferentes escalas, memória e contexto estruturaram a criação.
Philippe Prost publicou vários artigos e obras, principalmente sobre arquitetura militar, dentre os quais Vauban,
o estilo da inteligência, uma obra fonte para a arquitetura contemporânea, Prêmio do livro de arquitetura da
Academia de Arquitetura em 2008.
TRAJETÓRIA
1983, Arquiteto DPLG, École d’Architecture de Versailles;
1985, D.E.E.S. em Urbanismo, Université de Paris VIII Saint-Denis;
1986, D.E.A em Urbanismo, Université de Paris VIII, E.N.P.C. Paris;
1989, D.S.A em Arquitetura e Patrimônio, École de Chaillot, Paris;
Professor da École Nationale Supérieure d'Architecture de Paris-Belleville.
PRÊMIOS
2004, Mention au prix de l’Équerre d’Argent du Groupe Moniteur – Logements Zac Réunion, Paris 20e
. Maître d’ouvrage : RIVP;
2006, Ruban du Patrimoine pour la Ville de Martigues – Fort de Bouc, Martigues. Maître d’ouvrage :
Ville de Martigues;
2006, Mention Projet Prix Rhônalpin du Patrimoine – La Cour des Images, Bourg-lès-Valence. Maître
d’ouvrage : Ville de Bourg-lès-Valence;
2007, Prix de l’Association Vauban – Fort de Bouc, Martigues. Maître d’ouvrage : Ville de Martigues;
2008, Prix du livre d’architecture décerné par l’Académie d’architecture, arc-en-rêve centre
d’architecture, France-Culture et Archiscopie – Vauban : Le style de l’intelligence. Une œuvre source
pour l’architecture contemporaine;
2009, Nominé au prix de l’Équerre d’Argent du Groupe Moniteur – La Cour des Images, Bourg-lèsValence . Maître d’ouvrage : Ville de Bourg-lès-Valence.
PROJETOS
A Casa da Moeda de Paris: MétaLmorphoses – Casa da Moeda de Paris, responsável pela obra;
Centro de desenvolvimento coreográfico du Val de Marne – Conselho Geral du Val de Marne,
responsável pela obra;
Escola Militar, État major de l’armée de Terre, Paris 7e – Ministério da Defesa, responsável pela obra;
Reconversão dos sítios de defesa d’Arras – Comunidade Urbana d’Arras, responsável pela obra (estudo
urbano);
Parque Arqueológico d’Alésia, Centro de Interpretação e Museu de Arqueologia – Conselho Geral da
Côte d’Or, responsável pela obra (estudo e definição).
REALIZAÇÕES
Cidadela Vauban, Belle-Ile-en-Mer, Restauração, reutilização et valorização do local – M. et Mme
Larquetoux, responsável pela obra;
Construção de 45 habitações sociais THPE em Clichy-sous-Bois – Imobiliária 3F, responsável pela
obra;
Serviços dos canais da vila de Paris sobre a Darse du Fond de Rouvray – Semavip, responsável pela
obra;
A corte das imagens, polo de desenho animado – Ville de Bourg-lès-Valence, responsável pela obra;
Zac Réunion, Paris 20e, Construção de 67 habitações novas e reabilitadas – R.I.V.P., responsável pela
obra;
Museu da Marinha de Loire, Châteauneuf-sur-Loire, Reabilitação dos antigos estábulos do castelo e
museografia – Vila do Châteauneuf-sur-Loire, responsável pela obra.
Perfil
Professor, ENSA de Paris-Belleville
Campo disciplinar: história e cultura da arquitetura
Pesquisador do laboratório IPRAUS, ENSA de Paris-Belleville
Formação Universitária
Arquiteto DPLG, École d’Architecture de Versailles, 1983
DESS em Urbanismo, Université de Paris 8, 1985
Diploma de Estudos Aprofundados em Urbanimo, Université Paris 8, École Nationale des Ponts et
Chaussées de Paris, 1986
Diploma do Centro de Estudos Superiores de História e de Conservação de Monumentos Antigos, École
de Chaillot, Paris, 1989
Prêmios
Prix du livre d’architecture décerné par l’Académie d’Architecture, arc-en-rêve centre d’architecture,
France Culture et Archiscopie, 2008
Prix de l’Association Vauban, Fort de Bouc, Martigues, 2007
Mention Projet Prix Rhonalpin du Patrimoine, Cartoucherie nationale Bourg-lès-Valence, 2006
Ruban du Patrimoine, Fort de Bouc, Martigues, 2006
Mention au prix de l’Équerre d’Argent du Groupe Moniteur, Logements ZAC Réunion, Paris 19e.,
2004
Temas de Pesquisa Desenvolvidos
Autor de Arquitetura militar das fortificações: partindo da questão de defesa da Europa, mais
precisamente da França, do XVI° ao XX° séculos, os temas desenvolvidos tratam particularmente da
relação ao contexto (geográfico, histórico, topográfico...), da elaboração das formas em função da
utilização e das tecnologias e, por fim, a pesquisa da economia de meios colocada em prática e a
perenidade das realizações que dela resultam.
Autor das questões patrimoniais relativas à arquitetura, a cidade e a paisagem: aproximação teórica e
prática do XVIII° ao XX° séculos, na França e na Europa, através da análise de textos fundadores e de
projetos exemplares.
Responsabilidades Administrativas e Científicas
Desde 2002, Presidente da Associação Avenir et Patrimoine
Desde 1991, Membro do Conselho de Adminitração da Associação Vauban
Ensino no Master
Curso de história da arquitetura, arquitetura militar
Studio reutilização de edifícios
Seminário patrimônio e projeto
Bibliografia Selecionada
PROST, P., Vauban, le style de l’intelligence. Une œuvre source pour l’architecture contemporaine. Paris,
ArchiBooks, 2007
PROST, P., « La remise en cause de la guerre de siège et de la fortification bastionnée » in Vauban, bâtisseur du
Roi Soleil, Paris, Somogy éditions d’art, Cité de l’architecture et du Patrimoine, Musée des Plans-Reliefs, 2007
PROST, P., « La citadelle de Belle-Ile-en-Mer » in Vauban, bâtisseur du Roi Soleil, Paris, Somogy éditions
d’art, Cité de l’architecture et du Patrimoine, Musée des Plans-Reliefs, 2007
PROST, P., « Penser et construire aujourd’hui en pierre », in AMC n°174 (novembre 2007)
PROST, P., « La problématique de la restauration du patrimoine de Vauban » in Cahiers de la LUR, Patrimoine
et cadre de vie, 174, janvier-mars 2007
PROST, P., « Jardins et fortifications, un art du terrain », in Georges Farhat (éd.), André Le Nôtre, Fragments
d’un paysage culturel [actes de colloque], Domaine de Sceaux, Musée de l’Ile de France, 2006
PROST, P., « Penser un lieu pour la danse », Repères. Cahiers de danse, n°18 (2006)
Arquitetura Sustentável
Syllabus 2
A intensificação do subúrbio: um novo modo de
desenvolvimento urbano …
O projeto de pesquisa BIMBY (« Build in My Back Yard ») objetiva a definição, em curto prazo, de uma nova faixa de
crescimento da cidade, que será capaz de intervir lá onde as faixas « clássicas » são incapazes de intervir: no seio das zonas
periféricas existentes, que representam a grande maioria da superfície urbanizada na France e, certamente, na Europa.
Selecionada em 2009 pela Agência Nacional de Pesquisa no que visa à chamada de projetos para « Cidades Sustentáveis », o
projeto BIMBY unificou 10 parcerias públicas:
> as Comunidades de Aglomeração de Rouen et de Saint-Quentin-en-Yvelines,
> a CAUE de l’Eure,
> as Écoles Nationales Supérieures d’Architecture de Paris Belleville, Rouen et Marseille,
> o LATTS (ENPC) e o RIVES (ENTPE),
> assim como dois escritórios de estudos da Rede Científica e Tecnológica do MEEDDTL : o CETE Normandie Centre
(gestão do projeto) e o CETE Ile-de-France (co-responsável).
… iniciada pelo habitante, controlada pelo município…
A hipótese central do projeto BIMBY é a seguinte: é a capacidade dos atores urbanos (habitantes, técnicos, eleitos) de
mobilizar o setor imobiliário das zonas periféricas existentes que permitirá financiar a renovação e a densificação progressiva
desses bairros. De fato, observamos que no maior número dos casos, o interesse dos indivíduos (principalmente por dividir
um terreno para melhor valorizar seu bem no mercado imobiliário) pode intervir no seio dos interesses da coletividade
(propondo uma oferta diversificada de habitações individuais sobre o seu território sem gerar expansão urbana):
- se nos soubermos encorajar, controlar e canalizar essas iniciativas individuais por uma definição de regras de urbanismo
adequadas e colocar a disposição ao proprietário uma consultoria em matéria de arquitetura e urbanismo denso.
- se nós os alvejarmos nos momentos onde os interesses individuais e coletivos se encontram, principalmente no momento da
vendas das casas individuais, ou na ocasião de eventos e de projetos de vida dos habitantes.
Nos bairros bem dotados de aglomerações, a soma do valor do terreno criado pelas parcelas da divisão e da casa amputada do
terreno é superior ao valor inicial da própria casa.
A operação permite ao proprietário melhor valorizar seu patrimônio e de lhe mobilizar, todo ou parcialmente, a fim de
financiar seus projetos.
Ela permite ao município de criar um canteiro de obras dentro de um bairro já atendido e equipado.
Dessa forma, são dezenas de milhares de espaços a construir que podem estar livres a cada ano nas zonas periféricas
construídas nessas últimas décadas, sem gerar qualquer crescimento urbano e a um custo mínimo para a coletividade, e
dentro de um contexto de escassez crescente de terrenos nos grandes aglomerados franceses.
…
objetivando fazer emergir a cidade sustentável das
próprias zonas periféricas já existentes.
As perspectivas oferecidas por essa nova faixa nos convida a mudar a forma com a qual nós vislumbramos atualmente o
crescimento nas cidades da França. Nesse sentido, nosso trabalho sugere:
> Do um ponto de vista econômico: que é possível fabricar um urbanismo sob medida e a um menor custo para a
coletividade, sem aquisição de novas terras, permitindo ao conjunto de proprietários de casas individuais de mobilizar uma
parte do seu patrimônio para financiar a realização de seus projetos, principalmente cedendo uma parte do seu terreno para
valorizá-la tornando-a um novo espaço disponível para construção.
> Do ponto de vista do meio ambiente: que é possível construir, nesses locais produzidos unitariamente e dentro das zonas
urbanas existentes, a partir da casa individual e não causando expansão urbana, mantendo a densidade baixa e sem causar
pressão imobiliária, essa dentro das quantidades que permitiriam de responder a cada ano a uma parte significativa da
demanda por habitação.
> Do ponto de vista social: que dando ao indivíduo um papel forte de responsável pela produção de habitação, nós damos à
sociedade importantes incentivos para emplacar uma política urbana ambiciosa, fundada sobre a sinergia dos projetos dos
indivíduos e dos projetos da sociedade, e fazendo um apelo às empresas locais de construção, que são as mais econômicas e
as que mais criam empregos.
David MIET
29 de novembro 1980
06 50 89 20 11
[email protected]
> Engenheiro Civil e Arquiteto
> Chefe da Unidade de Inovação, Design e Estratégias Urbanas do CETE Ile-de-France (Ministério da
Ecologia)
> Gerente do Projeto ANR Bimby www.bimby.fr
> Fundador do “Terra in Design” www.terraindesign.fr
FORMAÇÃO
Em curso
Doutorado em Arquitetura na Ecole Nationale Supérieure d’Architecture de
Marseille : « Continuações e divisões do trabalho de arquitetura ».
2005
Diploma de Arquitetura do Setor Público: Ecole d’Architecture de Lyon,
especialidade em « Cidades e Regiões ».
2003
Diploma em Engenharia Civil do Setor Público: ENTPE, especialidade em
« Planejamento e Gestão Urbana ».
1998-2000
Classes Preparatórias em Matemática Superior e Especial pelo Lycée Hoche à
Versailles.
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
2010-2011
Fundador da Terra in Desing, oferecendo serviços à particulares (consultoria
em divisão de terrenos/terras e projetos de casas em áreas densas), à cidades
(estratégias de evolução de áreas suburbanas) e também às organizações
(conhecimento do negócio arquitetura).
2008-2011
Chefe da Unidade de Inovação, Design e Estratégias Urbanas do CETE Ile-deFrance (MEEDDTL). Equipe com oito funcionários que reúnem as
competências em arquitetura, urbanismo, sociologia, planejamento e
engenharia urbana:
* Pesquisas Desenvolvidas (extrato) :
- Corresponsável do projeto « Build in My Back Yard » (Dezembro de 2009 –
Dezembro de 2012), vencedor do concurso ANR « Cidade Sustentável », em
2009. O projeto tinha como objetivo desenvolver estratégias para a
intensificação, diversificação e regeneração dos tecidos suburbanos. Parceiros:
CETE NC, LROP, LATTS, AUS, ENSA Marseille ENSA Paris Belleville,
ENSA Rouen, CAUE27, CA Rouen, CA Saint-Quentin-en-Yvelines.
- Responsável pelo projeto FERRET (Jan 2009 - Jan 2012), vencedor do
concurso ANR « Cidade Sustentável » em 2008, impulsionada pela CETE Ilede-France e cujo tema aborda a organização de obras discretas em áreas
urbanas. Parceiros: LROP, UVSQ, PIA, RATP, EGIS, SECORAIL, 6T, Cidade
de Paris, CU Lille Métropole.
* Metodologia de Produção (extrato):
Formulação de modelos multidisciplinares de desenvolvimento de espaços
públicos; desenvolvimento de uma metodologia de elaboração, distribuição e
cooperativa de projetos urbanos; desenvolvimento de um software de
formalização e organização de conhecimento de negócios para ajudar na
elaboração de estratégias de gestão. Parceiros: STIF, USIRF, CERTU, Cidade
de Paris, CETE NC, CG92.
* Projetos Urbanos (extrato):
Estudos de requalificação e reestruturação das vias urbanas (RN184 na floresta
de Saint-Germain-en-Laye, e na travessia da cidade de Eragny, Route de la
Reine em Boulogne-Billancourt). Colocando em prática as metodologias de
teste e ferramentas de design desenvolvidas como parte das atividades de
pesquisa. Entidades responsáveis: DREIF, CG92.
2003-2007
Arquiteto - Engenheiro de pesquisas no setor de Inovações e Desenvolvimento
Urbano no CETE Ile-de-France (DRIEA, MEEDDTL):
* Projeto de Pesquisa Europeia NR2C, « New Road Construction Concept »,
liderada pelo LCPC: responsável pela parte urbana da pesquisa (2003-2007), que visa
desenvolver uma base de conhecimento projetada para auxiliar o projeto arquitetônico
destinada a suportar a elaboração das cooperativas e na distribuição dos projetos para
espaços públicos e vias multimodais.
* Estudos Retrospectivos nas áreas de planejamento das ruas, o desenho das vias de
transporte em faixas exclusivas e formas intermediárias de habitação.
Administração
Syllabus 1
Prof. Stéphane Saussier
9 Nov. 10h45 às 13h45
Sala A 213, Edificio A, segundo andar
IAE: 21 rue Brocca
75013
Parcerias Público-Privadas para fornecer Serviços Públicos:
Oportunidade ou Ilusão?
Por três décadas, as licitações para aquisição de serviços públicos (como
abastecimento de água, transporte público, saneamento básico, além de
educação, pesquisa e saúde, etc), vêm sofrendo um processo de intensas
mudanças, não só em países desenvolvidos, como também nos menos
desenvolvidos. Em ambos, tanto a nível nacional, como local, as autoridades
públicas têm se mostrado dispostas a introduzir novos regimes de regulação e a
modificar os procedimentos de licitação a fim de permitir a participação do setor
privado e melhorar o desempenho. Parcerias público-privadas são vistas
frequentemente como uma perfeita solução organizacional para o fornecimento
de serviços públicos e aliviar as restrições financeiras das autoridades públicas
(local). Refletir sobre essas questões está no topo da agenda dos profissionais e
dos tomadores de decisão (policy-makers). Ao mesmo tempo, também tem
gerado um novo fluxo de pesquisa teórica e empírica, o que redefine nossa
compreensão sobre os limites entre a esfera pública e privada.
O objetivo desse curso é fornecer uma breve introdução sobre o que podemos
aprender com os recentes estudos empíricos e desenvolvimentos teóricos
relacionados à concepção de governanças eficientes para os serviços públicos.
Mais precisamente, nós falaremos de questões tais como:
- os limites das Parcerias Público-Privadas
- a concepção contratual dos acordos publico-privados
- o impacto do quadro institucional no projeto de governança
- os respectivos méritos da delegação e PFI
- a praticabilidade e a eficiência de mecanismos alternativos de concessão (isto
é, leilão e negociação).
Stéphane SAUSSIER
Email : [email protected]
Website : http://www.webssa.net
Stéphane Saussier é professor de Ciências Econômicas. Ele dirige, desde Maio de 2009, a Catedra de
pesquisa sobre Economia das Parcerias Público-Privadas, localizada no Instituto de Administração de
Empresas de Paris – IAE Sorbonne, assim como o programa de MBA desse mesmo instituto. Além
disso, ele é desde 2008, Conselheiro Científico no Conselho de Análise Econômica (CAE). Seus
trabalhos tratam da análise das escolhas contratuais dos agentes econômicos. Ele se interessa
principalmente pelas questões de organização dos serviços públicos e da eficácia das parcerias
público-privadas.
Áreas de especialização:
- Estratégia industrial
- Gestão das organizações
- Serviços públicos e parcerias público-privadas
- Contratos
- Instituições e organizações
Títulos acadêmicos:
- 2000 : Professor titular em Economia
- 1997 : Doutorado em Economia, Universidade Paris I Panthéon Sorbonne
Percurso profissional:
- Desde 2009 : Diretor do Mestrado de Administração de empresas do IAE
- Desde 2009 : Diretor da Cátedra de Economia das Parcerias Público-Privadas (http://www.chaireeppp.org)
- Desde 2008 : Membro do GREGOR (Grupo de Pesquisa em Economia e Gestão das Organizações),
IAE de Paris, Universidade Paris 1 Panthéon Sorbonne
- Desde 2007 : Consultor científico do Conselho de Análise Econômica (CAE) (http://www.cae.gouv.fr/)
PUBLICAÇÕES :
Livros
- C.LAMIREAU, S.SAUSSIER (2007), « Economie des Coûts de Transaction : Théorie et
Applications », 128 pages, Ed. Repères
Capítulos de livros
- D.CHABAUD, A.LAVITT, S.SAUSSIER (2010), « Incentives and Control in Company-owned
versus Franchised Outlets: An Empirical Study at a Chain Level », New Developments in the Theory
of Networks: Franchising, Alliances and Cooperatives
- S.SAUSSIER (2008), « Microéconomie », Encyclopædia Universalis
- E.BROUSSEAU, S.SAUSSIER (2008), « Contracting with Government », Handbook of Strategic
Management, à paraître in (dir). Ed. J. Nickerson et B. Silverman, Edward Elgar
- E.BERTRAND, S.SAUSSIER (2008), « Ronald H. Coase », Les grands auteurs en économie des
organisations EMS éditeurs
- P.GARROUSTE, S.SAUSSIER (2008), « Theories of the Firm », New Institutional Economics: a
guidebook Cambridge University Press
- S.SAUSSIER (2007), « L’indétermination du prix dans les contrats : le point de vue du l’économiste
», Conférences mensuelles de la cour de cassation, Le droit et l'économie des relations contractuelles,
LGDJ, in (dir). C. Jamin
- S.SAUSSIER (2005), « Theory of Optimal Contract: Modeling Contractual Relationships »,
Institutional Economics and its Applications to the Analysis of Post-soviet Economies, Chapter 3,
Septembre, 384 pages , VT: Ashgate, in (dir). Anatoly Gretchenko & Anton Oleynik (eds.),, Moscow,
Aldershot, Hants and Burlington Russie, Septembre
- C.LAMIREAU, S.SAUSSIER (2005), « Governance Choices and Performances », New Ideas in
Contracting and Organizational Economics Researc, 71-89, Norwell MA : Kluwer Academic
Publishers, in (dir). J. Harvey (ed.)
Artigos
- J.BEUVE, S.SAUSSIER (2012), « Interfirm Cooperation in Strategic Relationships: The Role of
Formal Contract », Industrial and Corporate Change
- M.AMARAL, S.SAUSSIER, A.YVRANDE (2011), « Does Competition for the Field Improve Cost
Efficiency? Evidence from the London Bus Tendering Model », Journal of Transport Economics and
Policy
- T.PENARD, E.RAYNAUD, S.SAUSSIER (2011), « Monitoring Policy and Organizational Forms in
Franchised Chains », International Journal of the Economics and Business
- S.SAUSSIER (2010), « Solving The "Selective Intervention" Puzzle. Some Thoughts About The
Theory of The Firm », Revue d'Economie Industrielle
- S.SAUSSIER, C.STAROPOLI, A.YVRANDE (2009), « Public-Private Agreements, Institutions,
and Competition: When Economic Theory Meets Facts », Review of Industrial Organization, Vol. 35,
1-18
- M.AMARAL, S.SAUSSIER, A.YVRANDE (2009), « Corruption, Collusion, and other Strategic
Behaviors: The Case of Local Transport in London and France », Utilities Policy, Vol 17, pp. 166-175
- C.BESSY, E.BROUSSEAU, S.SAUSSIER (2008), « Price schemes in Technology Licensing
Agreements: a Typology », Research Policy, à paraître.
- A.PLUNKET, S.SAUSSIER (2008), « La dimension spatiale dans le choix des collectivités de
déléguer leurs services publics : le cas de la distribution d'eau en France », Revue d'Economie
Industrielle, n°123, 45-65
- B.DEFFAINS, M.DORIAT-DUBAN, E.PFISTER, S.SAUSSIER (2007), « How laws and
institutions may affect organizational choices: The Case of Franchising », European Journal of Law
and Economics, Volume 21, Number 1, p.53-78
- L.ATHIAS, S.SAUSSIER (2007), « Un Partenariat Public-Privé rigide ou flexible ? Théorie et
application aux contrats de concessions routières à péage », Revue Economique, 58, 565-576, 2007.
- E.CHONG, F.HUET, S.SAUSSIER, F.STEINER (2006), « Public-Private Partnerships and Prices:
Evidence From Water Distribution in France », Review of Industrial Organization, 29, #1-2, 149-169.
- E.CHONG, F.HUET, S.SAUSSIER (2006), « Auctions, Ex post Competition and Prices », Annals of
Public and Cooperative Economics, Volume 77, Number 4, p.524-561, (2006)
Resumos
- P.GARROUSTE, S.SAUSSIER (2005), « The Alternative Theories of the Firm », Journal of
Economic Behavior and Organization, 58 (2), 178-199
- T.PENARD, E.RAYNAUD, S.SAUSSIER (2004), « Théorie des contrats et réseaux de franchise :
analyse et enseignement », Revue Française d’Economie, 18, 151-192
- C.MENARD, S.SAUSSIER (2003), « La délégation de service public comme mode organisationnel
efficace de la distribution d’eau en France : Théories et évidences empiriques », Economie Publique,
12, 99-129
- T.PENARD, E.RAYNAUD, S.SAUSSIER (2003), « Franchise Mix as a stable organization form ?
An Empirical Analysis Using French Data », Journal of Marketing Channel, 10, 3/4, 5-32
- F.HUET, S.SAUSSIER (2003), « The Provision of Public Interest Services through Private Law
Contracts », European Business Organization Law Review, 4, 403-428.
- A.PLUNKET, S.SAUSSIER (2003), « Human Asset Specificity in Alternative Theories of the firm:
How to rule out competing views? », Economie et Institutions, 3, 103-130.
- M.FARES, S.SAUSSIER (2002), « Contrats Incomplets et Coûts de Transaction », Revue Française
d'Economie, 2/3, 193-230.
- S.SAUSSIER (2000), « Transaction Costs and Contractual Completeness », Journal of Economic
Behavior and Organization, Vol. 42 (2), 189-206
- C.MENARD, S.SAUSSIER (2000), « Contractual Choices and Performances: The Case of Water
distribution in France », », Revue d'Economie Industrielle, 92, 385-404
- S.MASTEN, S.SAUSSIER (2000), « Econometrics of Contracts: An Assessment of Developments in
the Empirical Litterature of Contracting », Revue d'Economie Industrielle, 92, 215-237.
- S.SAUSSIER (1999), « Transaction Cost Economics and Contract Duration : An Empirical Analysis
of EDF Coal Contracts », Recherches Economiques de Louvain, Vol 65, n°1, 3-21
- S.SAUSSIER (1999), « Coûts de transaction et choix contractuels : un test économétrique sur une
entreprise publique », 145 (4), 169-180
- S.SAUSSIER (1998), « Théorie des coûts de transaction et durée des contrats : une analyse
empirique », Economie et Prévision, 135 (4-5), pp. 137-147
- J.BEUVE, S.SAUSSIER (0001), « Interfirm Cooperation in Strategic Relationships: The Role of
Formal Contract », 2012
Anais de conferências
- E.CHONG, C.DESRIEUX, S.SAUSSIER (2009), « Putting all one’s eggs in one Basket: Relational
contracts and the provision of local public services », NBER Conference, BOSTON, MIT USA, 19
novembre 2009
Relatórios de pesquisa
- B.DEFFAINS, C.LAMIREAU, S.SAUSSIER (2007), « jeu stratégique des acteurs et contrats publics
», Ministère de la Justice, dans le cadre du programme Analyse Economique du Droit.
- S.SAUSSIER (2004), « La mixité des réseaux de franchise : logique économique et influence sur la
nature de la relation de franchise », DECAS, MINEFI.
- S.SAUSSIER (2004), « Les modes de gestion de l’eau : quelle efficacité ? », Ministère de l’Ecologie
et du Développement Durable (MEDD).
Administração
Syllabus 2
Prof. Christine Pochet
10 Nov. 10h às 13H
Sala du Conselho, Edificio A, 7° andar
IAE 21 rue Broca
75013
Direito Societário e sistemas nacionais de governança corporativa
Em termos de governança corporativa, a tese segundo a qual o direito é importante (law
matters), foi abordada pela primeira vez por LaPorta et al. (1998)1. Segundo os autores, a qualidade da
proteção jurídica que beneficiam os acionistas minoritários em um dado país, influencia diretamente o
desenvolvimento dos mercados financeiros nesse país, e, por conseguinte, o seu crescimento
econômico. Uma comparação realizada entre os direitos dos principais países desenvolvidos,
considerando o critério de qualidade, leva os autores a concluírem que o direito comum anglosaxônico protege muito melhor os direitos dos acionistas minoritários do que o direito escrito, em
vigor, nos países da Europa continental ou no Japão. Tal constatação leva a uma recomendação: A fim
de reforçar os direitos dos acionistas minoritários, a maioria dos países deveria passar por uma reforma
profunda de seus direitos societários 2.
Como resposta a essa chamada para revisão de suas regras de governança, dentro de um
contexto de escândalos financeiros em ambos os lados do Atlântico, uma série de iniciativas
legislativas surgiu, de repente, no fim da década de 90, proveniente de diferentes países. Na França,
por exemplo, a adoção da lei sobre as novas regulações econômicas em 2001, permitiu a integração ao
direito societário francês de princípios de governança originários do direito anglo-saxônico (limitação
do acúmulo de mandatos dos administradores, transparência das remunerações dos dirigentes, entre
outros).
Nesse sentido, o que pensar do impacto dessas reformas sobre os sistemas nacionais de
governança? Como é comum afirmar, essas reformas favorecem uma convergência entre elas mesmas?
Para responder a essas questões, nós nos questionamos primeiramente sobre o significado do termo
convergência, aplicado aos sistemas nacionais de governança. Nós veremos em seguida que, de um
ponto de vista formal, o mimetismo legislativo nacional tende, de fato, a atenuar as diferenças entre os
sistemas nacionais de governança. No entanto, esse processo de aproximação conhece limites que nós
destacaremos.
1
La Porta R., Lopez-de-Silanes F., Shleifer A., Vishny R. (1998), “Law and Finance”, Journal of Political
Economy, 106, pp. 1113-55.
2
La Porta R., Lopez-de-Silanes F., Shleifer A., Vishny R. (1999b), “Investor Protection: Origins, Consequences,
Reform”, NBER, Working Paper 7428.
Christine POCHET
Christine Pochet iniciou sua carreira no colégio franco-japonês em Tóquio, e foi professora
pesquisadora do Instituto de Administração de Empresas (IAE) de Toulouse e
do IAE de Tours, Instituto este que ela dirigiu entre 2005 e 2007.
Desde 2007, ela é professora pesquisadora no IAE de Paris e ensina disciplinas sobre o controle de
gestão. Ela foi responsável durante um period pelo programa de mestrado em Contabilidade, Controle
e Auditoria, e foi responsável também pelo MBA Internacional deste mesmo instituto.
Christine Pochet é professor titular em Ciências da Administração, diretora do IAE de Paris, onde
ensina controle de gestão e governance corporativa, e presidente da AssociaçãoFrancófona de
Contabilidade.
Pochet é ex-aluna da Escola Normal Superior (ENS) de Cachan e possui doutorado em economia pela
Universidade Paris-Dauphine.
Entre as áreas de pesquisa de seu interesse estão a governance corporativa e as normas de
contabilidade e auditoria.
Áreas de especialização:
•Controle organizacional
•Governança corporativa
Áreas de interesse complementares:
•Economia das parcerias público-privadas
•Estudos sobre pedagiamento de rodovias
•Análise financeira
•Regulamentação das profissões financeiras
Títulos acadêmicos :
•2005 :Professor titular em Adminitração
•2004 :Habilitação para dirigir Pesquisas, Universidade Toulouse I
•2000 :Doutorado em Ciências da Administração, Universidade Paris Dauphine
•1990 :Professor adjunto em Economia e Adminitração
•1980 :Mestrado em Economia, Universidade Paris 1 Panthéon Sorbonne
Percurso profissional:
•Desde maio 2009 :Diretora IAE de Paris, Universidade Paris1 Panthéon Sorbonne
•Desde setembro 2004: Professora titular, IAE de Paris, Universidade Paris 1 Panthéon Sorbonne
•2005-2007 :Professora titular e diretora,IAE de Tours, UniversidadeFrançois Rabelais
•1995 :Professor associado, IAE de Toulouse, Universidade de CiênciasSociais
•1987-1995 : Professor adjunto visitante, IAE de Toulouse, Universidade de CiênciasSociais
•1987-1994 : Professor adjunto em Economia e Adminitração, Liceu franco-japonês de Tóquio
•1983-1986 : Professor substituto, ENS de Cachan
Cursos ministrados:
•Controle de gestão (seminário de pesquisa)
•Diagnóstico financeiro
•Controle, auditoria e organização
PUBLICAÇÕES:
Livros
•I.MARTINEZ, C.POCHET (2005), « Frontière(s) », Presses de l’Université des Sciences Sociales de
Toulouse
•I.MARTINEZ, C.POCHET (2004), « Mesure(s) », Presses de l’Université des Sciences Sociales de
Toulouse
Capítulos de livros
•C.POCHET (2008), « A la recherche de l'auditeur indépendant», Le management?: fondements et
renouvellements Ed. Sciences Humaines, in (dir). G. Schmidt (coord.), Paris
•C.POCHET (2008), « Audit: régulation», Encyclopédie de Comptabilité, Contrôle de Gestion et Audit
ed. Economica., in (dir). B. Colasse
•C.POCHET (2008), « De la loi Badinter à la sauvegarde des entreprises : les enjeux de la réforme en
termes de gouvernance des entreprises en difficulté », Gouvernance juridique et fiscale, à paraître,
Ed.Lavoisier, in (dir). J-L.Rossignol (ed.)
•C.POCHET, A.REITELLI (2007), « Fusions-acquisitions : le rôle de l'auditeur interne », Audit
interne: enjeux et pratiques à l'international Eyrolles, Les Editions d’Organisation, in (dir). E. Bertin
(dir)
•C.POCHET (2007), « Analyse institutionnelle comparée du contrôle de la profession d’auditeur en
France et aux Etats-Unis : les cas du Haut Conseil du commissariat aux comptes et du Public
Company Accounting Oversight Board», Mélanges en l’honneur de P. Spitéri Presses de l’Université
des Sciences Sociales de ToulousE, in (dir). H. Penan éd.
•C.POCHET (2002), « L’évolution récente du système japonais de gouvernance: vers un nouvel
équilibre entre marché et hiérarchie ? », dans Marché(s) et Hiérarchie(s), Presses de l’Université des
Sciences Sociales de Toulouse, L. Cailluetet M. Saboly éds._2002 »,
Artigos
•B.COLASSE, C.POCHET (2009), « De la genèse du nouveau Conseil National de la Comptabilité
(2007): un cas d’isomorphisme institutionnel? », Comptabilité, Contrôle, Audit, à paraître
•C.POCHET (2007), « La régulation de la profession d’auditeur en France et aux Etats-Unis
:étudecomparée du H3C et du PCAOB », Revue Française de Gouvernance d'Entreprise, n°1, pp. 93111
•C. POCHET (2006), « Fédéralisme, droit des sociétés et gouvernance d’entreprise: quelles leçons
l’Europe peut-elle tirer de l’expérience américaine ? », Revue Internationale de Droit économique,
n°3, pp. 285-316
•C.POCHET (2005), « Learning process and the dynamics of corporate governance systems: the case
of Japan », Advances in International Management, vol. 17, pp.31-60
•C.POCHET, H.YEO (2004), « Les comités spécialisés des entreprises françaises cotées: mécanismes
de gouvernance ou simples dispositifs esthétiques? », Comptabilité, Contrôle, Audit, tome 10, vol. 2,
pp. 31-54
•A.ALCOUFFE, H.JUNG YEO, C.POCHET (2003), « CEO reciprocal interlocks in French
corporations. », Journal of Management and Governance, vol. 7, n°1, pp. 87-108
•C.POCHET (2002), « Institutional complementarities within corporate governance systems: A
comparative study of bankruptcy rules. », Journal of Management and Governance, vol. 6, n°4, pp.
343-381
•C.POCHET (2001), « Le gouvernement de l'entreprise défaillante: étude de trente plans de
continuation », Finance, Contrôle, Stratégie, vol. 4, n°2, pp. 149-181. »,
•C.POCHET (2001), « Traitement légal de la défaillance et gouvernance: une comparaison
internationale » , Revue Internationale de Droit Économique, vol.15, n°4, pp. 465-488. »,
•C.POCHET (2000), « Audit d'acquisition et expertise indépendante dans les opérations de fusionsacquisitions : le cas Aérospatiale-Matra », Finance, Contrôle, Stratégie, vol. 3, n°3, pp. 181-209 »,
Anais de conferências
•M.HAZGUI , C.LESAGE, C.POCHET (2011), « Independent audit oversight authorities: a
comparative study of the United States, the United Kingdom and France », American Accounting
Association (AAA), Denvers, Colorado USA , 5 au 8 Août.
•M.HAZGUI , C.LESAGE, C.POCHET (2011), « Independent audit oversight authorities: a
comparative study», International conference on Governance, Montréal Canada, 30-31
•M.HAZGUI , C.LESAGE, C.POCHET (2011), « Independent audit oversight: a comparative study »,
European Accounting Association (EAA), Rome Italy
•M.HAZGUI , C.POCHET (2009), « Analyse des relations entre les auditeurs légaux et leur autorité
de contrôle : le cas français », Association Francophone de Comptabilité (AFC), Strasbourg France,
28 -29 mai
•B.COLASSE, C.POCHET (2008), « De la genèse du nouveau CNC : un cas d'isomorphisme
institutionnel ? », Association Francophone de Comptabilité (AFC), Cergy-Pontoise France, 28-30
mai
•C.POCHET, A.SENY KAN (2008), « Privatisation du secteur autoroutier français et gouvernance
partenariale : le cas Vinci-ASF », Association Francophone de Comptabilité (AFC), Cergy-Pontoise
France, 28-30 mai
•C.POCHET (2007), « Fusions-acquisitions à l'international: le rôle de l'audit interne », L'audit interne
dans les groups internationaux: son organisation, ses enjeux, ses défis, 25-sept.
•C.POCHET (2007), « Du redressement judiciaire à la sauvegarde des entreprises: les enjeux de la
réforme en termes de gouvernance des entreprises en difficulté», Congrès International de
Gouvernance d’Entreprise (CIGE), Genève Suisse, Mai
•C.POCHET (2007), « Efficiency versus legitimacy: the drivers of institutional change in auditing
regulation in France and the United States », European Accounting Association (EAA), Lisbonne
Portugal, Avril
•C.POCHET (2005), « Federalism, Corporate Law and corporate Governance : What can Europe
Learn from the American Experience ?», institute for Business History workshop, European
Integration and Corporate Managerial, Social and Cultural values, Wien, septembre. », Institute for
Business History workshop, European Integration and Corporate Managerial, Social and Cultural
values, Vienne Autriche, Septembre
•C.POCHET (2004), « Fédéralisme, droit des sociétés et gouvernance d’entreprise: quelles leçons
l’Europe peut-elle tirer de l’expérience américaine ? », Colloque international Gouvernance et
Juricomptabilité, Les enjeux, HEC, Montréal, Québec Canada, Juin
•C.POCHET (2004), « Comment interpréter la diffusion des standards anglo-saxons de gouvernance
au sein des entreprises françaises cotées ? L’exemple des comités de surveillance », Association
Francophone de Comptabilité (AFC), Orléans France, Mai.
Direito Internacional Privado
Syllabus
Prof. Didier Boden et Jeremy Heymann
8 de Nov. 14H às 17H
10 nov. 15h30 às 18h30
Sala 1 Galerie Soufflot
Centre Panthéon
12 Place du Panthéon
O
DIP
francês
e
brasileiro
dos
contratos
de
transferência
tecnológica
O Módulo de direito internacional privado será dedicado aos contratos de transferência tecnológica.
Após revisar os diferentes contratos através dos quais uma transferência de tecnológia pode ser
realizada (cessão de direitos de propriedade intelectual, licença, contrato de know how, franquia, etc.),
o palestrante posicionará esses diferentes contratos no contexto internacional dos negócios concluídos:
Se tais contratos são concluídos entre franceses e brasileiros, será possível escolher a lei aplicável ao
contrato? Os tribunais franceses e brasileiros diante dos quais as ações nascidas do contrato tiverem
sido instauradas respeitarão essa escolha? Será possível escolher com antecedência, através de uma
cláusula de eleição de foro, os tribunais onde a ação de uma ou outra das duas partes poderia ser
proposta? Tal escolha será respeitada por um juiz, francês ou brasileiro, chamado a pronunciar-se a
despeito da cláusula de eleição de foro? Na presença de uma cláusula de escolha da lei aplicável ou na
falta desta, qual lei será aplicada ao contrato pelo juiz, francês ou brasileiro, em que tiverem sido
instauradas as ações nascidas do contrato? Sob quais condições o julgamento proferido pelo tribunal
de um dos dois países poderá ser reconhecido e executado no outro país? Sob quais condições e em
qual medida as partes no contrato poderiam tornar sua relação contratual mais previsível, recorrendo à
arbitragem?
Sessão I.- Apresentação Geral.
Data: 8 de novembro 2011, das 14:00 às 15:25 na sala 1 do Centre Panthéon.
I.- Tipos de contratos: Cessão de direitos de propriedade intelectual (patentes, marcas e desenhos e
modelos), licença, contrato de Know how, franquia, aquisição de material ou de equipamentos,
contratos de consultoria,co-empresa sem personalidade jurídica distinta, co-empresa com
personalidade jurídica distinta (filial comum).
II.- Apresentação do problema de elaboração do contrato internacional sob a perspectiva do processo.
"Escolha" da lei e do tribunal. "Escolha" da arbitragem. O que pode acontecer a essas "escolhas"
quando o litígio sobrevirá.
Sessão II.- O Contencioso dos contratos de transferência de tecnologia diante dos tribunais nacionais.
Data: 8 de novembro de 2011, das 15:30 às 17:00 na Sala 1 no Centre Panthéon.
I.- Competência internacional dos tribunais franceses e brasileiros em matéria de contratos de
transferência de tecnologia.
II.- Reconhecimento e execução dos julgamentos franceses no Brasil e brasileiros na França em
matéria de contratos de transferência de tecnologia.
Sessão III.- Determinação da lei aplicável ao contencioso de contratos de transferência de tecnologia
se um tribunal estadual é chamado a pronunciar-se.
Data: 10 novembro de 2011 das 15:30 às 16:55 na Sala 1 no Centre Panthéon.
I.- Determinação da lei aplicável no DIP francês nos contratos de transferência de tecnologia.
II.- Determinação da lei aplicável no DIP brasileiro nos contratos de transferência de tecnologia.
Sessão IV.- 17H às 18h30 Contencioso arbitral dos contratos de transferência de tecnologia.
I. - As regras francesas e brasileiras relativas à arbitragem internacional.
II .- Execução das decisões arbitrais na França e no Brasil.
Didier BODEN
I.- Estado civil.
Sobrenome : BODEN
Nomes : Didier Philippe Maurice Jacques
Data de nascimento : 28 de janeiro de 1969
Cidade natal : Liège (Bélgica)
Nacionalidade : Belga
Endereço : 9, rue Fourcade, 75015 Paris
Telefone e fax : + 33 (0) 1 56 08 09 38
E-mail : [email protected], [email protected], [email protected]
II.- Títulos universitários et funções atuais.
1.- Doutor em Direito (Prêmio Dupin aîné).
2.- Maître de conférences (professor associado) na Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne,
encarregado dos cursos de Direito do Comércio Internacional (curso de 3° ano de graduação e de
ultimo ano de graduação [M1]), Liberdades fundamentais e direito dos negócios (curso de Mestrado
[M2, pós-graduação]), Direito dos conflitos de leis e de jurisdições aprofundado (curso de Mestrado
[M2, pós-graduação]), Direito da distribuição (curso de Mestrado [M2, pós-graduação]).
3.- Professor encarregado do curso anual de Direito internacional privado (em francês) no Instituto de
Direito de Negocios Internacionais do Cairo.
4.- Presidente da associação de direito francês “Centro de estudos jurídicos europeus de Urbino”.
Professor convidado pela Universidade de Urbino (2006, 2008-2011).
5.- Pesquisador na UMR de droit comparé de Paris [Unidade mista de pesquisa em Direito comparado
de Paris] e no Centre d’étude des relations privées internationales [Centro de estudos das relações
privadas internacionais] da Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne.
6.- Membro eleito do Conselho da UFR [Unidade de formação e de pesquisa] 07 de Estudos
internacionais e europeus e membro eleito do Comitê cientifico consultivo em direito privado e ciências
criminais da Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne.
7.- Professor na Universidade Toulouse 2 Le Mirail do curso de Historia da integração latinoamericana (em francês).
8.- Profesor honorario da Faculdade de direito da Universidade San Martín de Porres (Lima, Peru).
9.- Professor convidado na Academia judiciaria eslovaca, encarregado dos seminários de Direito da
família francês (em francês), Direito internacional privado de origem comunitária (em francês) e
Direito comunitário (em francês) (2006, 2007, 2009).
10.- Professor convidado na Universidade São Judas Tadeu de São Paulo (Brasil, 2007, 2009), na
Universidade Federal do Paraná (Brasil, 2009), na Universidade Nacional de Rosario (Argentina, 2009)
e na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Brasil, 2009, 2010).
III.- Disciplinas ensinadas.
A.- Direito privado.
1.- Introdução geral ao direito privado (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(1995-1999),
Centro
de
formação
jurídica
(2002-2003,
http://www.centredeformationjuridique.com/).
2.- Direito das pessoas (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (1995-1999 e
2005-2006), Academia judiciaria eslovaca (Eslováquia, 2006), Centro de formação jurídica
(2002-2003).
3.- Direito da família (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (1995-1999,
2005-2006, 2009), Academia judiciaria eslovaca (Eslováquia, 2006), Centro de formação
jurídica (2002-2003).
4.- Direito internacional privado (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(2004-2006 e 2008-2012), Instituto de Direito de Negocios Internacionais do Cairo (20112012), Universidade de Urbino (Itália, 2006, 2009, 2011), Academia judiciaria eslovaca
(Eslováquia, 2006, 2007, 2009), Universidade São Judas Tadeu de São Paulo (Brasil, 2009),
Direção dos assuntos jurídicos do Ministério francês da Economia, das Finanças e da Industria
(2003-2004), Centro de formação jurídica (2002-2005).
5.- Direito interpessoal privado (em francês), Academia africana de teoria do direito (Bélgica,
2004).
6.- Direito dos bens (em francês), Centro de formação jurídica (2002-2003).
7.- Direito das sucessões e das liberalidades (em francês), Centro de formação jurídica (20022005).
8.- Direito comparado da responsabilidade civil (em francês), Universidade de La Rochelle
(2005-2006).
9.- Direito dos contratos especiais (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(2005-2006).
10.- Direito comercial (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (2005-2006).
11.- Direito do comércio internacional (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(2006-2012).
12.- Relações coletivas de trabalho (em inglês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(2006-2007).
13.- Propriedade industrial (em inglês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (2006-2007).
14.- Direito bancário internacional (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(2008-2010).
15.- Direito da distribuição (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (20082012).
B.- Direitos europeus e latino-americanos.
1.- Relações entre as duas ordens jurídicas europeias (em francês), Universidade Paris 1
Panthéon-Sorbonne (1997-2008), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Brasil, 2010).
2.- Historia da construção europeia (em francês), Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
(2001-2010), Universidade Toulouse 2 Le Mirail (2008-2011), Universidade Nacional de
Rosario (Argentina, 2009, em espanhol), Universidade de Urbino (Itália, 2008, 2010),
Universidade São Judas Tadeu de São Paulo (Brasil, 2007), Universidade San Martín de Porres
em Lima (Peru, 2007, em espanhol).
3.- Direito comunitário, Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (2001-2002 em francês, e
2006-2007 em inglês), Academia judiciaria eslovaca (Eslováquia, 2009, em francês).
4.- Proteção europeia dos direitos humanos / Liberdades fundamentais (em francês),
Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (2003-2012), Universidade Toulouse 2 Le Mirail
(2008-2011).
5.- Historia da integração latino-americana (em francês), Universidade Toulouse 2 Le Mirail
(2008-2012).
6.- Proteção dos direitos humanos na América Latina (em francês), Universidade Toulouse 2
Le Mirail (2008-2011).
C.- Outros.
1.- Frances jurídico, Conseil des Marchés Financiers (uma das instituições cuja função deu
origem à Autoridade francesa dos mercados financeiros : http://www.amf-france.org/) (2002).
2.- Formação à pesquisa bibliográfica e à redação de relatórios (em inglês), Universidade
Paris 1 Panthéon-Sorbonne (2006-2007).
IV.- Publicações.
- Artigos.
1.- «Le droit belge sous l’Occupation» [O direito belga sob a Ocupação], in : Dominique
GROS (dir.), Le droit antisémite de Vichy [O direito anti-semita de Vichy], rev. Le Genre
humain, n° 30-31, Paris : Seuil, 1996, pp. 543-558 ; reed. in : La Lettre de l’Association pour
la Recherche à l’EHESS, n° 24, set.-dez. 2000, pp. 1-8.
2.- «Le retard pris par la Belgique pour transposer la directive 1999/44/CE “sur certains
aspects de la vente et des garanties des biens de consommation”» [O atraso da Bélgica na
transposição da diretiva 1999/44/CE “relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e
das garantias a ela relativas”], Zeitschrift für Gemeinschaftsprivatrecht / European Community
Private Law Review / Revue de droit privé communautaire, 2004.190-193.
3.- «Le pluralisme juridique en droit international privé» [O pluralismo jurídico em direito
internacional privado], Archives de philosophie du droit 2005 (vol. 49), pp. 225-266.
4.- (Com Mathias AUDIT), «The present situation of private international law in France» [A
situação atual do direito internacional privado na França], in : Thomas SIMONS (dir.), The
present situation of private international law in the European Union [A situação atual do
direito internacional privado na União Europeia], rev. European Legal Forum - Forum iuris
communis Europae 2005.I.257-320, esp. 276-278.
5.- (Com e em tanto que colaborador de Guy CANIVET), «Activisme judiciaire et prudence
interprétative» [Ativismo judiciário e prudência interpretativa], Archives de philosophie du
droit 2006 (vol. 50), pp. 7-32.
6.- «L’influence réciproque du droit de la famille et des moeurs en France» [A influência
reciproca do direito da família e da moral e bons costumes na França], La Chine et le Droit [A
China e o Direito], boletim editado pela Embaixada da França na China e pela Fundação pelo
direito continental, jan-fev. 2008, pp. 13-17.
7.- «Derecho de la integración y relaciones entre órdenes jurídicos en Europa» [Direito da
integração e relações entre ordens jurídicas na Europa], in : Christian LARROUMET, Didier
BODEN (et al.), Internacionalización del derecho en un mundo globalizado
[Internacionalização do Direito em um mundo globalizado], Lima : Facultad de derecho
USMP, 2008, pp. 27-39.
8.- «Comparatisme» [Comparatismo], in : Joël ADRIANTSIMBAZOVINA, Hélène GAUDIN,
Jean-Pierre MARGUÉNAUD, Stéphane RIALS, Frédéric SUDRE (dir.), Dictionnaire des
droits de l’homme [Dicionario dos direitos humanos], Paris : PUF, 2008, pp. 183-187.
Jeremy HEYMANN
Jeremy HEYMANN est docteur en droit de l'Université Paris I – Panthéon-Sorbonne et maître de conférences
dans cette même Université depuis 2010. Spécialiste de droit international privé et de droit des obligations, ses
enseignements portent essentiellement sur ces matières, au niveau M1, M2 et LL. M.
Né le 22 juin 1980 (31 ans)
CURSUS UNIVERSITAIRE
- 2003-2009 :
Thèse de Doctorat en Droit privé (sous la direction de Mme le Professeur H. MUIR
WATT)
Sujet : Le Droit international privé à l’épreuve du fédéralisme européen
Université PARIS I - Panthéon Sorbonne, mention Très Honorable avec les
félicitations du jury.
Thèse couronnée du Prix Henri CAPITANT et du Prix solennel André ISORÉ, décernés
par la Chancellerie des Universités de Paris (2010) ; Prix de thèse de l’École doctorale
de droit international et européen de l’Université PARIS I - Panthéon Sorbonne (2010).
- 2002-2003 :
D.E.A. de Droit international privé et Droit du commerce international
Université PARIS I - Panthéon Sorbonne, mention Assez Bien
- 2001-2002 :
Maîtrise de Droit des affaires - Droit international
Université PARIS I - Panthéon Sorbonne, mention Assez Bien
- 2000-2001 :
Licence de droit ERASMUS
Université de LEIDEN (Pays-Bas), Université PARIS XII, mention Assez Bien
EXPÉRIENCE UNIVERSITAIRE (ENSEIGNEMENT)
- depuis 2010 :
Maître de conférences en droit privé
École de droit de la Sorbonne (Université Paris I)
- 2009-2010 :
Chargé d’enseignement (Travaux dirigés)
Université PARIS-EST Créteil Val de Marne (UPEC - Paris XII)
- 2007-2008 :
Chargé d’enseignement (Travaux dirigés)
Université PARIS-SUD (PARIS XI)
- 2005-2007 :
A.T.E.R. (Attaché Temporaire d’Enseignement et de Recherche)
Université PARIS-SUD (PARIS XI)
- 2003-2005 :
Chargé d’enseignement (Travaux dirigés)
Université PARIS I - Panthéon Sorbonne
PUBLICATIONS
Ouvrage :
- Le droit international privé à l’épreuve du fédéralisme européen, Préface H. MUIR WATT, Economica, Coll.
Recherches
juridiques, 2010.
Articles :
- “The Relationship between EU Law and Private International Law Revisited: Of Diagonal Conflicts and the
Means
to Resolve Them”, Yearbook of Private International Law (2011), à paraître.
2/2
- “De la citoyenneté de l’Union comme révélateur de la nature de l’Union européenne (à propos de l’arrêt
Rottmann)”,
Europe, juin 2010, Étude n° 7, p. 5.
Notes :
- Note sous CJUE, 22 décembre 2010, Sayn-Wittgenstein, Clunet (3) 2011, Comm. 17.
- Note sous CJCE, 16 décembre 2008, Cartesio, Rev. crit. DIP, 2009.548.
- Note sous CJCE, 13 décembre 2005, Sevic Systems AG, Rev. crit. DIP, 2006.662.
LANGUES
- Anglais : courant
- Espagnol : courant
- Allemand : lu, écrit, parlé (niveau 4)
- Italien : lu, écrit, parlé (niveau 2)
- Néerlandais : notions
[email protected]
História da Arte
Syllabus
Cité de l'architecture et du patrimoine au Palais de Chaillot
Prof. Françoise Docquiert
Sexta feira, 11 novembro
11H
Entre a Torre Eiffel e a praça do Trocadéro, a Cité de l'Architecture et du Patrimoine ocupa
uma asa inteira do Palácio de Chaillot. Ela apresenta em seu museu aproximadamente 1000
anos de história da arquitetura através de galerias de moldes, pinturas de muros e vitrais, bem
como àquelas da arquitetura moderna e contemporânea. As reproduções em tamanho real de
partes de monumentos, os documentos originais, as maquetes, os vídeos e os terminais
multimídia animam esse percurso pela arquitetura francesa e sua decoração, do século XII até
hoje em dia.
Você vai descobrir durante essa visita, cujo tema é "Incontournables", as obras primas das
coleções da Cité, que irá vos familiarizar com a história da arquitetura da idade média aos dias
de hoje.