Template for Electronic Submission of Organic Letters - ENEQ

Сomentários

Transcrição

Template for Electronic Submission of Organic Letters - ENEQ
Divisão de Ensino de Química da Sociedade Brasileira de Química (ED/SBQ)
Departamento de Química da Universidade Federal de Ouro Preto (DEQUI/UFOP)
Área do trabalho:
IV MOMADIQ
A construção de mangás para o ensino de Química.
Thayse G. I. Silva*(IC)1, Danilo G. S. Mattos (IC)1, Eliane A. dos Santos (IC) 1, Daiane B. S. dos
Santos (IC) 1, Vitoria B. R. Szesze (IC)1 , José Maria Maciel (PQ)1, Leila Inês Follmann Freire (PQ)1,2.
Maria I. M. Nogueira (PG)3
[email protected]
1- Universidade estadual de Ponta Grossa 2- Universidade de São Paulo 3- Centro Universitário da Fundação
Educacional de Barretos
Palavras-Chave: Mangás, Ensino de Química, Alquimia
Introdução
A origem do mangá é do teatro de sombras ou
Oricun Shohatsu, no qual os artistas japoneses
percorriam vilarejos contando lendas através de
fantoches (no período feudal).
Os mangás são classificados de acordo com seu
público alvo, desse modo seus nomes definem a
que sexo e idade poderão interessar, definindo
também os gêneros das histórias, entre os quais se
tem: Shounen é direcionado ao público masculino
jovem e adolescente, tem base em enredos que
ressaltam a coragem e o companheirismo como
valores importantes para uma boa vida. Shoujo é
direcionado as meninas adolescentes, seus enredos
são sempre recheados de romance, beleza e
desenvolvimento dos sentimentos das personagens.
Josen significa “mulher madura”, com enredos um
pouco mais densos e centrados em problemas mais
complexos que o Shoujo. Seinen destinado a
homens maduros tem enredos densos centrados
em valores e atitudes esperadas de um homem na
comunidade japonesa. Existem vários subgêneros
que explicam o estilo da história como, por
exemplo, horror, ficção científica, aventura comédia
entre outros. Como pibidianos sentimos a
necessidade de sugerir novas propostas de
materiais e estratégias didáticas para estimular a
aprendizagem no ensino de química. Observando
em sala de aula o interesse dos alunos sobre
histórias e desenhos, pensamos em alguma
atividade que explorasse esse lado criativo deles e
ao mesmo tempo possibilitasse aprender assuntos
relacionados à química.
envolve fantasia e realidade em um ambiente
escolar.
(…) Masayuki Masumo, menina dedicada,
inteligente, que sempre chega adiantada na sala de
aula, está esperando por sua colega de classe
Mayume Michigo, que sempre está aprontando
alguma travessura. Masumo sempre se interessa
por algo diferente, mas sempre está quieta,
ninguém consegue imaginar os seus segredos.
Apesar de ser uma menina levada, Michigo guarda
os segredos de Masumo a sete chaves. Mas o que
não esperava era saber o novo interesse da amiga,
a Alquimia. A partir de uma aula de química em que
a professora menciona a existência da Alquimia e
de alguns processos químicos que seus praticantes
utilizavam, Masumo se interessa muito pelo assunto
e as duas começam a vivem grandes aventuras na
descoberta da história da Alquimia. Descobrindo
muitas coisas novas pelo mundo como, por
exemplo, a existência de um alquimista que viajou
pelo tempo para conhecer o mundo moderno e que
pode ensinar a elas muito sobre a Alquimia antiga
(...).
Um exemplo de partes do mangá produzido é
apresentado na figura 1. A partir do gênero
Shounen, a história engloba ficção científica,
fantasia, comédia e aventura.
Objetivos
O objetivo é a utilização de mangás como material
didático para o ensino de química com os alunos de
ensino
médio,
visando
desenvolver
sua
criatividade, sua linguagem, o estímulo à leitura e
aprender química de maneira diferenciada.
Descrição
Apresentamos um trecho da sinopse de uma
história de um mangá construído por pibidianos,
que engloba os gêneros Shoujo e Shonen, que
XVII Encontro Nacional de Ensino de Química (XVII ENEQ)
Ouro Preto, MG, Brasil – 19 a 22 de agosto de 2014.

Documentos relacionados

Baixar este arquivo PDF - IFSP-PRC

Baixar este arquivo PDF - IFSP-PRC ideologia é fortemente impregnada com a perspectiva CTS, e ao qual chamo a atenção dos professores de Ciências do ensino fundamental e médio. 2. As relações com CTS O debate sobre o uso de tecnolog...

Leia mais

MANGÁ E OS MODOS DE SUBJETIVAÇÃO

MANGÁ E OS MODOS DE SUBJETIVAÇÃO belo ou não, dentro desta mesma concepção de gênero anteriormente citada, onde as caraterísticas de meiguice e doçura eram consideradas como beleza física nas meninas, bem como a demonstração de li...

Leia mais