caderno de programação - VIII Encontro Maranhense de História da

Сomentários

Transcrição

caderno de programação - VIII Encontro Maranhense de História da
1
VIII ENCONTRO MARANHENSE DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
OS SUJEITOS SILENCIADAOS NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
12 A 15 DE MAIO DE 2015
CADERNO DE PROGRAMAÇÃO
São Luís
2015
2
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
Prof. Dr. Natalino Salgado Filho
Reitor
Prof. Dr. Antonio José da Silva Oliveira
Vice-Reitor
Prof. Dr. Fernando Carvalho Silva
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
Prof. Dr. Cesar Augusto Castro
Diretor do Centro de Ciências Sociais
Profa. Dra. Mariza Borges Wall Barbosa de Carvalho
Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação
Profa. Dr. Aldinar Martins Bottentuit
Chefe do Departamento de Biblioteconomia
COMISSÕES E COMITÊS
COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO
Prof. Dr. Cesar Augusto Castro
Prof. Dr. Samuel Luis Velázquez Castellanos
Profa. Dra. Francisca das Chagas Silva Lima
Profa. Dra. Maria Mary Ferreira
Profa. Dra. Lucinete Mendes Marques
Profa. Dra. Iran de Maria Leitão Nunes
COMISSÃO DE APOIO
Secretaria Geral: Luciana Furtado/ Jarina Serra Santos
Limpeza: Tatila Oliveira Barroso/ Alan Brenno Santos
Monitoria: Alda Magarete Silva Farias Santiago/Mayra Cristhine dos Santos Cabral
Material: José Raimundo Macedo Ferreira Filho/Augusto César Castro Pereira
Equipamentos: Josivan Costa Coelho/ Matheus de Araújo Souza
Lançamento de Livros: Elisangela Pereira Gomes/Noé Nicácio Lima
Transporte: Phellype Kássio Barbosa da Silva
Impressos: Amaury Araújo Santos
Atendimento aos participantes do PARFOR: Andreia Monteiro Carvalho/Aldimar
Martins Bottentuit/Jessica Santana Lima
COMITÊ CIENTÍFICO
Prof. Dr. Antônio de Pádua de Carvalho Lopes (UFPI)
Profa Dra. Marlúcia Menezes de Paiva (UFRN)
Profa Dra. Maria Inês Sucupira Stamatto (UFRN)
Profa. Dr. Maria Juraci Maia Cavalcante (UFC)
Profa. Dra. Laura Alves de Araújo (UFPA)
Profa. Dra. Claudia Engler Cury (UFPB)
Profa. Dra. Cenidalva Teixeira (UFMA)
Profa. Dra. Zuleide Fernandes (URCA)
Designer Gráfico: Amaury Araujo Santos
Web Designer: Luciana Furtado
3
1 APRESENTAÇÃO
Mulheres, homens, crianças e jovens têm historicamente ficado à margem
da sociedade pelo modo de ser, de fazer e/ou de pensar. São sujeitos sem vozes, atores
sem rostos, gente sem feição que precisam, ainda, lutar para ocuparem lugares e
posições em um mundo que separa e exclui pelos aspectos étnico-raciais, pela
preferência sexual, pela cultura, pela religião, pelas condições socioeconômicas e
políticas e pelo nível de escolaridade. A dicotomia entre o certo e o errado, entre ser e
ter, e o lugar que estes sujeitos têm ocupado e vivido serve, infelizmente, para marcar as
diferenças entre iguais. Isso é um processo de longa duração.
As marcas deixadas em papéis, em imagens e na memória desses sujeitos
contribui para os pesquisadores trazerem à luz o que estava encoberto pelas névoas e as
matizes do preconceito racial, de gênero, de profissão e pelo nível e grau de
escolaridade, por exemplo,
A História e a História da Educação ao descortinar esse universo, fazendo
vir à tona, o que em tempos e em espaços múltiplos foi colocado nos rés do chão, nos
bastidores da vida cotidiana, no nosso entender, ganham novos contextos, novos objetos
e novas perspectivas.
Com essa intenção é que os pesquisadores do Núcleo de Estudos e
Documentação em História da Educação e das Práticas Leitoras (NEDHEL) escolheram
como tema central do VIII Encontro Maranhense de História da Educação (EMHE), OS
SUJEITOS SILENCIADOS PELA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO.
Para debater essa temática contamos com pesquisadores de várias
instituições brasileiras e maranhenses, a quem agradecemos pela prontidão em atender
ao nosso convite para as conferências e as mesas redondas que integram a programação
desta edição do EMHE.
Neste VIII EMHE foram inscritos 317 (trezentos e dezessete) trabalhos na
modalidade de comunicação oral e pôster e, aprovados 240 (duzentos e quarenta),
distribuídos pelos eixos temáticos:
EIXOS
NÚMERO DE TRABALHOS
(Comunicações Orais)
Gênero, Etnia e Infância na História da
60
4
Educação.
46
Pesquisa, Ensino e Fontes na História da
Educação.
Instituições e Políticas Educacionais.
70
Cultura Material e Disciplinas Escolares na
15
História da Educação.
Biografias, Intelectuais e Imprensa Escolar.
19
TOTAL
210
NÚMERO DE PÔSTERES
30
TOTAL GERAL
240
Este VIII EMHE é também um momento especial para o NEDHEL pela
comemoração dos dez anos de criação deste espaço do saber e do fazer história da
educação no Estado. A sua trajetória é marcada pela presença, passagem e contribuição
de inúmeras pessoas e instituições que de diversas maneiras e com inúmeros gestos
estimularam e impulsionam a sua caminhada.
Este núcleo surgiu pela necessidade de sistematizarmos estudos e pesquisas
e reunirmos pessoas interessadas pelo campo da História da Educação no Estado do
Maranhão. Desde 2005, foram desenvolvidas várias investigações, publicados inúmeros
trabalhos científicos e formado não só uma plêiade de jovens interessados por este
campo, como também tem oportunizado aos historiadores da educação do Estado,
manterem um fértil diálogo com colegas de várias IES nacionais e internacionais.
Esses estudos e essas relações têm contribuído para que as vozes dos
silenciados pela História da Educação Maranhense ocupem um lugar e assumam um
papel que faz com que a roda dos excluídos gire em sentido contrário, incluindo a todos
e a todas que ajudaram a construir uma ideia e um jeito de ser e de se viver nesta parte
do Brasil e do Mundo.
Assim acolhemos com os cheiros, os sabores e os ritmos do Maranhão e
com as belezas da Ilha de São Luís aos e às participantes desta VIII edição do EMHE.
Sejam bem-vindos, (e juntos) vamos entender, dar vida e voz AOS
SUJEITOS SILENCIADOS PELA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO.
Comissão Organizadora do VIII EMHE
5
2 INFORMAÇÕES GERAIS
Prezados participantes, do VIII Encontro Maranhense de História da Educação,
segue abaixo algumas informações importantes.
2.1 CERTIFICADOS
Serão expedidos os seguintes certificados
 Participação: entregue somente no último dia do evento, depois da
cerimônia de Encerramento.
 Comunicações Individuais: Entregue a tarde pelos monitores na
Secretaria do VIII EMHE no mesmo dia da apresentação do trabalho
 Pôsteres - Entregue pelos monitores na Secretaria do VIII EMHE
após a apresentação do trabalho.
OBS 1: Os participantes deverão carimbar sua ficha individual de frequência
da entrada e saída das conferências e mesas-redondas pela manhã e tarde (os
certificados serão entregues aqueles com 80% de frequência).
OBS 2: As fichas de frequência somente serão carimbadas ao término das
conferências e mesas-redondas.
2.2 LOCAL DAS ATIVIDADES
 A solenidade de abertura, as conferências e mesas redondas do VIII
EMHE serão realizadas nas dependências do Auditório da
Biblioteca Setorial do CCSO.
 As comunicações científicas serão realizadas nas Salas do Bloco E
(Salas 101 a 105) e Bloco F (Salas 201 a 205) do Centro de Ciências
Sociais
 As sessões de pôsteres serão realizadas no corredor do Bloco D do
Centro de Ciências Sociais.
2.3 RECURSOS PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS
 Em todas as salas de apresentação das comunicações estarão
disponíveis data-show e notebook;
 Cada sala terá um coordenador para acompanhar as apresentações
dos trabalhos e um monitor para quaisquer esclarecimentos.
6
 Para a sessão de pôsteres estará disponível um expositor com a
indicação numérica do stand do trabalho e um monitor para
quaisquer esclarecimentos
2.4 MATERIAIS DO EVENTO
 Os participantes inscritos receberão na sua pasta: CD-ROM, Bloco
de Notas, Caneta e Caderno de Programação ou outros materiais de
divulgação mediante a apresentação do comprovante de pagamento
bancário que será carimbado e entregue aos monitores.
OBS 3: Inscrições feitas no dia 12/05 ou 13/05 (até 12:00 horas) estarão
condicionadas à quantidade de materiais (CD-ROM, Bloco de Notas, Caneta e
Caderno de Programação)
2.5 SERVIÇOS
 Em frente ao Centro de Ciências Sociais existe ponto de ônibus com
destino ao Terminal da Integração da Praia Grande (Centro
Histórico);
 Aos participantes que desejarem fazer as suas refeições no
Restaurante Universitário (comida de ótima qualidade) poderão
comprar o seu bilhete como visitante no valor de R$ 8,00 (oito reais).
Horários: Almoço: 11:00h às 13:45 e Jantar: 17:00h às 19:00. O
cardápio
diário
pode
(WWW.ufma.br no link –
ser
consultado
no
site
da
UFMA
Restaurante
OBS 4: A Comissão Organizadora do VIII EMHE não se responsabiliza pela
alimentação e pelo alojamento dos participantes do VIII EMHE.

Serviço de Taxi – Ligue 3222-2222/3231-1010/3249- 9000

Serviços de Emergências na UFMA – No campus há um posto
médico (Huzinho) para pequenos atendimentos de saúde.
OBS 5: Outras informações e dúvidas procure um(a) monitor(a) identificado com
a camisa do VIII EMHE.
7
3 OBJETIVOS
 Possibilitar a reflexão sobre os sujeitos silenciados pela história da Educação;
 Fortalecer no âmbito da Região Nordeste e, em especial, no Maranhão os
estudos e as pesquisas em História da Educação;
 Divulgar as pesquisas e a produção em História da Educação do Estado do
Maranhão;
 Possibilitar a troca de experiência entre pesquisadores de História da Educação
maranhense e de outras localidades do país.
4 EIXOS TEMÁTICOS
1. Gênero, Etnia e Infância na História da Educação.
2. Pesquisa, Ensino e Fontes na História da Educação.
3. Instituições e Políticas Educacionais.
4. Cultura Material e Disciplinas Escolares na História da Educação.
5. Biografias, Intelectuais e Imprensa Escolar.
8
5 PROGRAMAÇÃO GERAL
DIA 12/05
10h às 16h - CREDENCIAMENTO - Auditório da Biblioteca Setorial do CCSO
17h às 18h - SOLENIDADE DE ABERTURA - Auditório Central da UFMA (CCSo)
18h às 19h. - Homenagem aos 10 anos do NEDHEL
Prof. Dr. Cesar Augusto Castro - Coordenador do NEDHEL
19h às 20h - CONFERÊNCIA DE ABERTURA
Profa. Dra. Diana Gonçalves Vidal (USP)
DIA 13/05
MANHÃ
8h às 10h:30 - Comunicações Individuais
10:30 às 12:30: MESA 1 - OS SUJEITOS SILENCIADOS PELAS CONDIÇÕES
SOCIOECONÔMICAS E POLÍTICAS
Profa. Dra. Francisca Geny Lustosa (UFC)
Profa. Dra. Sonia Câmara (UERJ)
Prof. Ms. Telmo Renato da Silva Araújo (UEPA)
TARDE
14h às 15h:30 - Sessão de Pôsteres
15h:30 às 18h:30: MESA 2 - OS SUJEITOS SILENCIADOS PELAS CONDIÇÕES
SEXUAIS E DE LUGAR
Prof.Dr. Antônio Carlos Ferreira Pinheiro (UFPB)
Prof.Dr. Elizeu Clementino (UNEB)
Profa. Dra. Irma Rizzini (UFRJ)
Prof.Dr. Cesar Augusto Castro (UFMA)
Coordenadora: Lucinete Mendes Marques (UFMA)
18h:30 às 19h:30 - Lançamento de Livros e apresentação do site do NEDHEL
Coordenadores: Profa. Elisângela Pereira Gomes/Prof. Msc. Nóe Nicácio Lima/Luciana
Furtado
9
DIA 14/05
MANHÃ
8h às 10h:30 - Comunicações Individuais
10h:30 às 12h:30: MESA 3 - OS SUJEITOS SILENCIADOS PELAS CONDIÇÕES
RELIGIOSAS E CULTURAIS
Profa. Dra. Vera Gaspar (UDESC)
Profa. Dra. Alessandra Schueller (UFF)
Profa. Dra. Sônia Araujo (UFPA)
Prof. Dr. Samuel Luis Velázquez Castellanos (UFMA)
TARDE
14h às 15h:30 - Sessão de Pôsteres
Coordenadora: Profa. Msc. Marcia Cordeiro Costa (UFMA)
15h:00 às 18h:30: MESA 4 - OS SUJEITOS SILENCIADOS PELAS CONDIÇÕES
ÉTNICO-RACIAIS E DE RELAÇÕES DE GÊNERO
Profa. Dra. Iran de Maria Leitão Nunes (UFMA)
Profa. Dra. Kátia Regis (UFMA)
Profa. Dra. Diomar das Graças Motta (UFMA)
Profa. Dra. Maria Mary Ferreira (UFMA)
Profa. Dra. Valeria Weigel (UFAM)
Coordenadora: Profa. Dra. Maria da Glória Serra Pinto de Alencar (UFMA
DIA 15/05
MANHÃ
8h às 10h - Comunicações Individuais
10h às 11h:30 - Mesa de Encerramento
Prof.Dr. Antônio de Pádua de Carvalho Lopes (UFPI)
Prof.Dr. José Gonçalves Gondra ( UERJ )
12h - Solenidade de Encerramento
10
6 PROGRAMAÇÃO DAS COMUNICAÇÕES
13/05
EIXO 1: GÊNERO, ETINIA E INFÂNCIA NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 101
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Elisangela Santos Amorim
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
EDWANA
ALMEIDA.
DE
INFANCIA EXCLUIDA: A REALIDADE DE
MENINAS RIBEIRINHAS NA AMAZÔNIA QUE
SOFREM ESCALPELAMENTO.
MANZKE;
VOZES
SILENCIADAS
NA
EDUCAÇÃO
CAMPONESA: TRAJETÓRIAS DE MULHERESPROFESSORAS.
NAUAR
2.
JOSÉ
FERNANDO
ELISANGELA SANTOS DE
AMORIM
3.
CORO
DOS
SILENTES:
A
FALA
SUBALTERNOS NA DECOLONIALIDADE.
ELISANGELA
AMORIM; JOSÉ
MANZKE.
SANTOS
FERNANDO
4.
MARA
RACHEL
SOUZA
SOAREZ DE QUADROS; IRAN
DE MARIA LEITÃO NUNES.
5.
CAMILA FERREIRA SANTOS
SILVA
6.
FERNANDA
RODRIGUES.
7.
DOS
RAFAEL SEVERIANO.
LOPES
EDUCAR PARA CIVILIZAR: A INSTRUÇÃO DE
CRIANÇAS POBRES E NEGRAS NO MARANHÃO
OITOCENTISTA.
EDUCAÇÃO DE SALÃO: AS “BOAS MANEIRAS”
NA VIRADA DO SÉCULO XIX PARA O SÉCULO
XX EM SÃO LUÍS/MA.
MAGISTÉRIO PRIMÁRIO NO MARANHÃO (19301945):CONDIÇÕES DE FORMAÇÃO E
TRABALHO
DAS
PLASMADORAS DA
DESPONTA”
“ABNEGADAS
GERAÇÃO QUE
MULHER
MÚSICA
E
EDUCAÇÃO
INDÍGENAS: ASPECTOS DA PRÁTICA E
TRANSMISSÃO
MUSICAL
FEMININA
11
TUPINAMBÁ NO BRASIL COLONIAL.
8.
LEYLLANE
DHARC
CHAVES CARVALHO DOS
SANTOS;
DENISE
MARTINS
DA
COSTA E SILVA; JOSÉ
FERREIRA
DA
SILVA
JUNIOR.
Local: Centro de Ciências Sociais
ESPAÇO ESCOLA DO NEGRO NO SÉCULO
XIX: DA INVISIBILIDADE À CONSTRUÇÃO
DE UMA PEDAGOGIA MULTICULTURAL E
INTERÉTNICA.
Bloco: E
Sala: 102
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Alberto Magno Moreira Martins
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
INTERCECSÕES
ENTRE
ETNIA
E
EDUCAÇÃO: A REVOLTA DOS MALÊS NOS
SAMANTHA
ABREU LIVROS DO ENSINO FUNDAMENTAL MAIOR
CABRAL;
MARIVÂNIA OU A REVOLTA DOS NEGROS ISLÂMICOS
MARTINS ABREU
NO MATERIAL DIDÁTICO.
2.
ESTUDO DE ESTADO DA ARTE SOBRE A
DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA
ALBERTO
MAGNO
MOREIRA MARTINS
3.
ALANNA MARIA SANTOS
BORGES;
MARIA
SOCORRO
NÓBREGA
QUEIROGA;
KRISILEN
RAUAH
BANDEIRA
PEREIRA
O DISCURSO HIGIENISTA SOBRE A
INFÂNCIA EM CIRCULAÇÃO EM IMPRESSOS
PARAIBANOS NA PRIMEIRA REPÚBLICA
(1889-1931)
4.
ANDRÉA
CRISTINA “SILENCIADAS”
PELAS
GRADES:
SERRÃO GONÇALVES
PERCEPÇÕES ACERCA DE GÊNERO, ETNIA
E TRABALHO SOBRE AS MULHERES
APENADAS
NO SISTEMA PRISIONAL
LUDOVICENSE.
5.
ANDRÉA RODRIGUES DE A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO
SOUZA; JOSÉ CARLOS DE BRASILEIRO: DESAFIOS E CONQUISTAS
MELO
6.
BRENDA
VANESSA A POLÍTICA PÚBLICA DE CRECHE NO
PERREIRA SOARES.
BRASIL: EMANCIPAÇÃO E AUTONOMIA
DAS MULHERES?
12
7.
CAMILLA
VANESSA
CHAGAS PEIXOTO DE
OLIVEIRA; LILIANE DA
SILVA FRANÇA CORRÊA.
8.
CARMECI
DOS
REIS MULHERES LATINO AMERICANAS DO SÉC.
VIANA; SÔNIA MARIA DA XIX: O PENSAMENTO EDUCACIONAL DE
SILVA ARAUJO.
JUANA MANSO E ANÁLIA FRANCO BASTOS
Local: Centro de Ciências Sociais
AS PRÁTICAS PUNITIVAS NA EDUCAÇÃO
DE MENINOS NOS INSTITUTOS DOS
EDUCANDOS
ARTÍFICES
NO BRASIL
IMPERIAL
Bloco: E
Sala: 103
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Claudeilson Pinheiro Pessoa
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
CATARINA
MOREIRA.
DE
CÁSSIA O SER TRANSGÊNERO E A EDUCAÇÃO
BRASILEIRA: A DISCRIMINAÇÃO QUE
PERMANECE AO LONGO DA HISTÓRIA
2.
CLAUDEILSON PINHEIRO GÊNERO E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO
PESSOA.
MARANHÃO:
PROTAGONISMO
DE
MULHERES PROFESSORAS NAS ESCOLAS
DE PRIMEIRAS LETRAS EM GUIMARÃESMA (1889-1945)
3.
DEJAMIM
PEREIRA
4.
ELAINE REGINA MENDES
LISBÔA;
ELISABETH
SOUSA
ABRANTES;
CARLOS
EDUARDO
PENHA EVERTON.
5.
FERNANDA
ANDREA CRIANÇA,
SILVA DE GOÉS; DÉBORA DIREITOS.
SILVA DO NASCIMENTO;
GISELE HOLANDA DA
SILVA PINTO.
6.
FRANCISCO ALEX
SILVA MATOS;
AMANDA RIBEIRO
SILVA.
7.
GISELE
FERREIRA LEI 10. 639/2003 E A DISTRIBUIÇÃO DO
LIVRO DIDÁTICO: “A HISTÓRIA DOS POVOS
INDÍGENA E AFRO-BRASILEIRO”, NAS
ESCOLAS MUNICIPAIS DE SÃO LUÍS.
QUEBRANDO O SILÊNCIO: AS PRÁTICAS
EDUCATIVAS
DE
MULHERES
ESCRAVIZADAS NO MARANHÃO DO SÉC.
XIX.
SUJEITO
HISTÓRICO
DE
DA ADENTRANDO O COTIDIANO ESCOLAR DO
CENTRO DE ENSINO JACIRA DE OLIVEIRA E
DA SILVA EM TIMON-MA (1981-1999)
NASCIMENTO A
CRIANÇA
NEGRA
NO
BRASIL
13
8.
BARROSO.
OITOCENTISTA: UMA ANÁLISE A PARTIR
DAS OBRAS DE JEAN BAPTISTE DEBRET
HELIANA RODRIGUES DE
BITENCOURT; MAURILO
DA SILVA ESTUMANO.
MENINAS GRÁVIDAS NO AMBIENTE
ESCOLAR – ESTUDO DE CASO NA ESCOLA
DO OUTEIRO NO ANO DE 2014
EIXO 2 - PESQUISA, ENSINO E FONTES NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 104
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Cláudia Maria Pinho de Abreu Pecegueiro
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
ANA FLÁVIA FLORES;
GRUPOS ESCOLARES EM ÁREAS RURAIS:
MARIA
CRISTINA
DOS UM ESTUDO DE CASO NA ANTIGA USINA
SANTOS BEZERRA; VERA TAMOIO EM ARARAQUARA/SP.
LÚCIA BOTTA FERRANTE.
2.
REGINALDO
ANSELMO GRUPO ESCOLAR COMENDADOR PEDRO
TEIXEIRA; ROSA FÁTIMA MORGANTI: ESTUDO HISTÓRICO SOBRE A
DE SOUZA.
CULTURA ESCOLAR DE UMA ESCOLA
PRIMÁRIA DO MEIO RURAL – 1942/1988.
3.
4.
AMANDA
RIBEIRO
DA
SILVA;
MARIA
DO
AMPARO
BORGES FERRO.
ANGELA ZAMBELLI DOS
PASSOS.
A LITERATURA DE CORDEL COMO FONTE
PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO.
O TRAÇO NA TRAMA: AS IMAGENS
INDÍGENAS NO LIVRO DIDÁTICO NA
CONTEMPORANEIDADE
5.
CAMILA
ALMEIDA
DE ANÚNCIOS DE PROFESSORAS NO JORNAL O
ARAÚJO; FABIANA SENA PUBLICADOR (1864-1869) NA PROVÍNCIA DA
DA SILVA.
PARAÍBA.
6.
CLÁUDIA MARIA PINHO DE A FONTE E PRESERVAÇÃO DA HÍSTÓRIA:
ABREU PECEGUEIRO
REFLEXÃO SOBRE A CONSTRUÇÃO DO
GUIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA
UFMA
7.
CLEIDIANE DE CARVALHO TRAJETÓRIA DO ENSINO NOTURNO NO
PEREIRA; ANTÔNIO DE BRASIL (1854-1933)
14
PÁDUA CARVALHO LOPES.
8.
DIERGE ALLINE
AMADOR.
PINTO INVISIBILIDADE
DOS
SUJEITOS
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 105
Hora:
10:00
08:00
NA
as
Coordenação: Elizabeth Sousa Abrantes
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
EDNETE
GOMES O ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA E SUA
MONTEIRO; MARIA ALICE INSERÇÃO NO COLUN
MELO
2.
ELAINE MARIA
SOARES
3.
ELENICE SILVA FERREIRA
4.
ELIZABETH
ABRANTES
5.
EVELYANNE
CAVALCANTI
FREIRE
6.
FANEIDE PINTO FRANÇA
BITENCOURT; MARIA DO
PERPÉTUO
SOCORRO
AVELINO DE FRANÇA
7.
FLÁVIO
JÚNIOR
8.
FRANCINEIDE RODRIGUES A
HIGIENIZAÇÃO
ATRAVÉS
DOS
PASSOS ROCHA
IMPRESSOS: A PARAHYBA E OS PRECEITOS
DE HIGIENE NAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO
SÉCULO XX
MENDES A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO
DOCENTE NAS ESCOLAS COMUNITÁRIAS
EM SÃO LUÍS.
A MEMÓRIA COMO FONTE DE PRODUÇÃO
DO CONHECIMENTO EM HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO: ENTRE LEMBRANÇAS E
SILENCIAMENTOS.
SOUSA “NORMALISTAS
OU
CRIADAS”:
OCUPAÇÕES FEMININAS E PERSPECTIVAS
PROFISSIONAIS
NO
MARANHÃO
REPUBLICANO
NATHALY UTILIZAÇÃO DE IMPRENSA OFICIAL DO
DE LUNA ESTADO COMO FONTE PARA A HISTÓRIA
DA EDUCAÇÃO PARAIBANA
PEREIRA
HISTÓRIA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS
SERVAS
DE
NOSSA SENHORA DA
ANUNCIAÇÃO NO BRASIL: FONTE PARA A
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO.
COSTA AS LENDAS COMO FORMA DE PERCEPÇÃO
DA HISTÓRIA MARANHENSE PARA O
ENSINO BÁSICO
15
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 201
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Maria Elinete Gonçalves Pereira
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
FRANCISCO FELIPE DE CINEMA E ESTUDO DA HISTÓRIA:
AGUIAR
PINHEIRO; REFLEXÕES SOBRE O FILME “O QUE É ISSO,
ANTONIO
IVANILO COMPANHEIRO?”.
BEZERRA DE OLIVEIRA
2.
JOANA
BATISTA
DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL EM CAXIAS-MA:
SOUSA; SALÂNIA MARIA ENTRE HISTÓRIA E ENSINO.
BARBOSA MELO
3.
JORGIENE DA SILVA E
SILVA; STELA CHRISTIE
FRANÇA; NÍVEA MARIA
DA COSTA MORAES.
SÃO JOSÉ DE RIBAMAR E BURITICUPU NO
MARANHÃO:
ANÁLISE
ACERCA
DO
CONTEXTO HISTÓRICO, NA PERSPECTIVA
EDUCACIONAL
DOS
RESPECTIVOS
MUNICÍPIOS.
4.
JOSÉ
GOMES
DE
OLIVEIRA
JÚNIOR;
MÁRCIO ROBERTO SILVA
E SILVA; NAYA SILVA
PEREIRA FEREIRA
RETROSPECTIVA DA HISTÓRIA DE 40 ANOS
DE
EDUCAÇÃO
DE
SURDOS
NO
MARANHÃO: VENDO AS VOZES DOS
SUJEITOS SILENCIADOS
5.
JUDITE
EUGÊNIA A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE DE
BARBOSA COSTA
INVESTIGAÇÃO PROPOSTA POR MATHEW
LIPMAN PARA O ENSINO DA FILOSOFIA
COM CRIANÇAS
6.
KALYNE
ARRUDA.
BARBOSA ENTRE ARTIGOS, OS ANÚNCIOS SOBRE
EDUCAÇÃO:
JORNAL A REPÚBLICA - PB (1907 – 1908).
7.
KÉLCIA
ALEXANDRA
TAYLOR DE CARVALHO;
ROSANGELA DE JESUS
SANTOS;
VIRGÍNIA
MARIA
BARROS
DE
ALMEIDA RIBEIRO.
O PAPEL DE INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS NA
SURDEZ: CONSIDERAÇÕES SOBRE O
TRABALHO DO MINISTÉRIO COM SURDOS
DAS IGREJAS BATISTAS EM SÃO LUÍS.
16
8.
KELY ANNE DE OLIVEIRA DE DIRETOR A GESTOR: A TRAGETÓRIA DA
NASCIMENTO
COSTRUÇÃO DE GESTÃO ESCOLAR NO
BRASIL.
EIXO 3 - INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS EDUCACIONAIS NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 202
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Ducenilde da Costa Furtado
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
ADRIANA
MENDONÇA ROBERT KING HALL, O INEP E A
CUNHA; JORGE CARVALHO EDUCAÇÃO RURAL NO BRASIL NA
DO NASCIMENTO
DÉCADA DE 1940.
2.
ALDA
MARIA
GARROS
3.
ALDENORA RESENDE DOS FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL:
SANTOS NETA
UMA HISTÓRIA DUAL?
4.
ANA MARIA GOMES DE PROFESSORES PRIMÁRIOS PIAUIENSES: AS
SOUSA MARTINS.
PRESCRIÇÕES LEGAIS E O EXERCÍCIO
PROFISSIONAL NOS ANOS DE 1947 A 1951.
5.
ANDERSON CARLOS ELIAS
BARBOSA
A HISTÓRIA DO EDUCANDÁRIO NOGUEIRA
DE FARIA (ANOS 1930) EM BELÉM DO PARÁ.
6.
ANGÉLICA TELLES DE
SOUSA PESSOA; TAMIRYS
RODRIGUES JANSEN;
TÁTILA EDNEURES RAMOS
COSTA.
PROVINHA BRASIL: UMA ANÁLISE DE SEUS
REFLEXOS NA UNIDADE INTEGRADA
ANTÔNIO RIBEIRO DA SILVA.
7.
ANGELO FERREIRA
SANTOS; JOSEMIRO
FERREIRA DE OLIVEIRA;
CLAUDIOMIRO FERREIRA
DE OLIVEIRA.
ANÁLISE DO ENSINO NA ESCOLA
MUNICIPAL PRESIDENTE JOÃO FIGUEREDO
: SÃO JOSÉ DOS BASÍLIOS-MA.
8.
CECILIA ORDOÑEZ;
CLAUDIA MARIA SANTOS
A AVALIAÇÃO DA CAPES: OS DESAFIOS NA
PRODUÇÃO INTELECTUAL DOCENTE.
LIMA MESTRES-GUERREIROS
E
MESTRESSACERDOTES: ANÁLISE DAS
IDEIAS
EDUCACIONAIS NA CONCEPÇÃO DOS
ASTECAS.
17
DE JESUS.
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 203
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Maria do Carmo Alves da Cruz
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
CLAUDETE RIBEIRO DE
ARAUJO.
O PESO DA TRADIÇÃO TECNISTA NO
INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO:
DIFICULDADES E DESAFIOS.
2.
CLAUDIOMIRO FERREIRA
DE OLIVEIRA; RAFAEL
BRUNO SILVA; ELAYNE DA
ARAÚJO PEREIRA.
OS INTERESSES SOCIAIS E A EDUCAÇÃO:
UMA RELAÇÃO HARMÔNICA?
3.
DANNA PAULA SILVA
SOUSA
CAXIAS E UMA NOVA BALAIADA PARA
SUA REINVENÇÃO: UMA NOVA
CONSTRUÇÃO PEDAGÓGICA.
4.
DAYANE FEITOSA LIMA;
JOÃO HOUNSELL NETO;
CRISTOVÃO DE SOUZA
PESSOA.’
AS POLÍTICAS NO CONTEXTO DA
FORMAÇÃO DE PROFESSORES INDÍGENAS.
5.
DELCINEIDE MARIA
FERREIRA SEGADILHA.
A ESCOLA MODELO BENEDITO LEITE E A
PREFERÊNCIA SOCIAL DE EDUCAÇÃO EM
SÃO LUÍS DO MARANHÃO (1900-1932).
6.
DENISE MARTINS DA
COSTA E SILVA; LEYLLANE
DHARC CHAVES
CARVALHO.
A EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM
DEFICIÊNCIA NO BRASIL OITOCENTOS:
TRAJETÓRIAS QUE ANTECEDERAM O
PARADIGMA DA INCLUSÃO.
7.
DESIRÉ LUCIANE
DOMINSCHEK; ETIANE
GUIMARÃES TRENTIN;
RUBIA BASILLI.
COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI:
UMA HISTÓRIA DE RESISTENCIA NO
MAGISTÉRIO.
8.
LINDOLENE
LIMA
DE ACESSIBILIDADE ESPACIAL: AS ESCOLAS
ANDRADE;
LOUMARY DA REDE MUNICIPAL DE MONÇÃO
CAMPOS MENDONÇA
18
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 204
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Janaina Teles Pereira Santos
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
DUCENILDE DA COSTA
FURTADO; FRANCISCA DAS
CHAGAS SILVA LIMA.
EDUCAÇÃO (EM TEMPO) INTEGRAL:
REFLEXOS NO PAPEL DA GESTÃO
ESCOLAR?
2.
ELIANNE BARRETO
SABINO
ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO: O REGIMENTO
E O ESTATUTO DO COLÉGIO NOSSA
SENHORA DO AMPARO NA EDUCAÇÃO DAS
MENINAS DESVALIDAS NA PROVÍNCIA DO
GRÃO-PARÁ (1860-1889)
3.
ENELY TAVARES DA
SILVA.
ENSINO MÉDIO: UM ESTUDO DE CASO DO
SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO MODULAR DE
ENSINO – SOME NA REGIÃO MARAJOARA.
4.
EVANDICLEIA FERREIRA
DE CARVALHO; DINALVA
PEREIRA GONÇALVES.
DEMOCRATIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE
PÚBLICA E A POLÍTICA DE EXPANSÃO DA
EDUCAÇÃO SUPERIOR.
5.
FABIO COIMBRA
A NECESSIDADE DE UMA FORMAÇÃO
CONTINUADA FRENTE À INCORPORAÇÃO
DAS TIC NO PROCESSO ENSINOAPRENDIZAGEM.
6.
FAGNER LUIZ LEMES
ROJAS.
POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE NA
SAÚDE: SABERES E TRANSFORMAÇÕES NA
SAÚDE DE MATO GROSSO (2007 – 2010).
7.
FÁTIMA MARIA LEITÃO
ARAÚJO; JOILSON SILVA
DE SOUSA.
POLÍTICAS EDUCACIONAIS, O ENSINO
SUPERIOR E A VALORIZAÇÃO DA
CULTURA INDÍGENA.
8.
FLÁVIO PEREIRA DE
OLIVEIRA.
PARA ALÉM DA EDUCAÇÃO RURAL? UM
ESTUDO SOBRE A ESCOLA FREI CANECA,
ASSENTAMENTO VILA PINDARÉ,
BURITICUPU- MA
19
EIXO 4: CULTURA MATERIAL E DISCIPLINAS ESCOLARES NA HISTÓRIA
DA EDUCAÇÃO.
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 205
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Suely Sousa Lima
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
ANA LÚCIA PINHEIRO
SILVA SOUSA; MARIA
JOSÉ LOBATO
RODRIGUES.
A REPRESENTAÇÃO FEMININA NA
MATÉRIA EDUCAÇÃO MORAL E CIVICA.
2.
AZEMAR DOS SANTOS
SOARES JÚNIOR.
POR CORPOS "PHYSICAMENTE
VIGOROSOS":
O DISCURSO MÉDICO EM DEFESA DA
GYMNASTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA
PARAÍBA NO INÍCIO DO SÉCULO XX.
3.
4.
BETILSA SOARES DA
ROCHA;
ARTEMIS DE ARAÚJO
SOARES
DAYSE MARINHO
MARTINS
EDUCAÇÃO PELOS SENTIDOS NA
“FORMAÇÃO DE PROFESSORES
INDÍGENAS” NO AMAZONAS.
CURRÍCULO E HISTORICIDADE: A
HISTÓRIA DO MARANHÃO COMO
DISCIPLINA ESCOLAR NA EDUCAÇÃO
BÁSICA.
5.
DOMINGOS SORIANO SÁ;
DENILSON LEITE COSTA.
A DISCIPLINA ENSINO RELIGOSO, E A
QUESTÃO DA DIVERSIDADE RELIGOSA NA
ESCOLA.
6.
EDMILSON MOREIRA
RODRIGUES.
TRADUÇÃO INTERSEMIÓTICA NO
CAPÍTULO PRIMEIRO, DA PRIMEIRA PARTE
DO DON QUIJOTE DE LA MANCHA, DE
CERVANTES
7.
EDNA TELMA FONSECA
E SILVA VILAR.
LIÇÕES SOBRE A PÁTRIA NAS PÁGINAS DA
REVISTA DE ENSINO DE ALAGOAS (19271931)
8.
ELENICE DE MARIA
BARBOSA COSTA;
ISABEL CRISTINA COSTA
FREIRE;
HELINE MARIA
FURTADO SILVA LIMA.
(RE) PENSAR A CULTURA MATERIAL NO
ENSINO DE FILOSOFIA COM CRIANÇAS NA
REDE PÚBLICA.
20
14/05
EIXO 1: GÊNERO, ETINIA E INFÂNCIA NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 101
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Janette Maria França de Abreu
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
JACENILDE SOUSA DINIZ
OS DESAFIOS DE SER MULHER NO
PROCESSO DE EDUCAÇÃO
2.
JACQUELINE TATIANE DA
SILVA GUIMARÃES;
LAURA MARIA SILVA
ARAÚJO ALVES
SÉCULO XX: O SÉCULO DA CRIANÇA
3.
JANAINA COSTA
ALBUQUERQUE; NILCE
VIEIRA CAMPOS
FERREIRA.
MULHERES NO ENSINO SUPERIOR (19701980)
4.
JANETTE MARIA FRANÇA
DE ABREU
RELAÇÕES DE GÊNERO E MULHERES: SÃO
ELAS AS RESERVADAS DO PROCESSO
HISTÓRICO?
5.
JHONES STÊFANNY
MARCELINO DOS
SANTOS;
EDINALDO DOS REIS
SANTOS;
PÂMELA TAMIRES
BEZERRA FERREIRA DA
SILVA
JORGIANA CRISTINE
PONTES NASCIMENTO;
ALLANA SOUSA SILVA
JULIA SIQUEIRA DA
ROCHA;
IONE RIBEIRO
VALLE;MARIELE
MARTINS.
KARINA CRISTINA
RABELO SIMÕES;
TAMIRES COIMBRA
BASTOS BORGES
RESSIGNIFICANDO AS PRÁTICAS
PEDAGÓGICAS E A PROMOÇÃO DA
DIVERSIDADE ETNICO RACIAL NA
EDUCAÇÃO
6.
7.
8.
OS ESPAÇOS DESTINADOS ÀS CRIANÇAS:
SILENCIADORES OU LIBERTADORES?
INVISÍVEIS MODULAÇÕES DE VIOLÊNCIAS
TRAVESTIDAS DE JUSTIÇA SOCIAL NAS
ESCOLAS
A INFÂNCIA SILENCIADA NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO: UM OLHAR À CRIANÇA
ENFERMA HOSPITALIZADA
21
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 102
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Marianne Christina Campos Machado
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
KELNICE REIS CHAGAS
A LITERATURA COR DE ROSA E SUAS
INFLUÊNCIAS NAS LEITURAS FEMININAS:
UM OLHAR SOBRE OS ROMANCES DA
COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DAS MOÇAS.
2.
LAURA MARIA SILVA
ARAÚJO ALVES;
CARMENCI DOS REIS
VIANA;
AINÊE CRISTINA PRSTES
CHAGAS
A MORTE DE ANJINHOS: ANÁLISE DA
MORTANDADE INFANTIL EM BELÉM DO
PARÁ NOS LIVROS PERPÉTUOS DE
SEPULTAMENTO DO CEMITÉRIO DE SANTA
ISABEL (1909-1914)
3.
LILIAN TERESA MARTINS
FREITAS
CRIANÇAS NEGRAS E CONTROLE SOCIAL
NA SOCIEDADE BRASILEIRA: A INVENÇÃO
DA CRECHE E DA PRÉ-ESCOLA.
4.
LILIANE DA SILVA FRANÇA
CORRÊA;
CAMILLA VANESSA
CHAGAS PEIXOTO DE
OLIVEIRA;
LAURA MARIA SILVA
ARAÚJO ALVES.
MARCOS EDUARDO
MIRANDA SANTOS
CRIMINALIDADE NA INFÂNCIA: A
DETENÇÃO DE MENORES POR PRÁTICAS
DELITUOSAS EM SÃO PAULO E EM BELÉM
DO PARÁ (1870-1910)
5.
EDUCAÇÃO SEXUAL
DESCONSTRUCIONISTA: UMA OUTRA
FORMA DE ABORDAR A SEXUALIDADE NA
ESCOLA.
6.
MARIA DO CARMO ALVES
DA CRUZ; DIOMAR DAS
GRAÇAS MOTTA
EDUCAÇÃO DAS MULHERES CATADORAS
DE MATERIAIS RECICLÁVEIS: A HISTÓRIA
DE SÃO LUÍS- MA
7.
MARIA DO SOCORRO
PEREIRA LIMA; LAURA
MARIA SILVA ARAÚJO
ALVES.
UM OLHAR HISTÓRICO – LITERÁRIO AOS
INOCENTES: UMA ANÁLISE DA CRIANÇA
POBRE NAS CRÔNICAS ENTERRO DE ANJOS
E OS MENINOS DO MEU BAIRRO, DO
ESCRITOR DE CAMPOS RIBEIRO
8.
MARIANE VIEIRA DA SILVA
CONSTITUIÇÃO DA FUNÇAO DA DIREÇÃO
ESCOLAR NO ENSINO PRIMÁRIO
PIAUIENSE: DAS ESCOLAS REUNIDAS AOS
GRUPOS ESCOLARES
22
Local: Centro de Ciências Sociais
BLOCO: E
SALA: 103
HORA: 08:00 AS
10:00
COORDENAÇÃO: Melissa Rosa Teixeira Mendes
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
MARIELE MARTINS;IONE
RIBEIRO VALLE;JULIA
SIQUEIRA DA ROCHA.
ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DIFERENTES
OPORTUNIDADES SEGUNDO A ORIGEM
SOCIAL, DIFERENTES PERCURSOS
SEGUNDO O GÊNERO.
2.
MARLUCI DO SOCORRO
ARAGÃO DE SOUSA; SÔNIA
DA SILVA ARAÚJO
RAÇA, MORAL E EDUCAÇÃO: O CONTEXTO
E A IMPORTANCIA DO PENSAMENTO
LATINO-AMERICANO DE JOSÉ VERÍSSIMO E
JOSÉ INGENIEROS.
3.
MAYELLE DA SILVA
COSTA; FERNANDA DA
COSTA SAMPAIO;
ALEXANDRE SILVA DOS
SANTOS FILHO.
CRIANÇA E INFÂNCIA; REFLEXÕES
ACERCA DE SUAS VIVÊNCIAS.
4.
MELISSA ROSA TEIXEIRA
MENDES.
MATERNIDADE E SUBMISSÃO,
CARACTERÍSTICAS NATURAIS DA MULHER
OITOCENTISTA: UMA ANÁLISE DAS
PERSONAGENS FEMININAS DO ROMANCE
ÚRSULA DE MARIA FIRMINA DOS REIS
5.
NALINI MENDES GOMES;
JOSÉ FERNANDO MANZKE;
ELISÂNGELA SANTOS DE
AMORIM.
MEMÓRIAS DE MULHERES-PROFESSORAS:
UM ESTUDO DE GÊNERO E IDENTIDADE
SOCIAL NA REGIÃO TOCANTINA DO
MARANHÃO
6.
NOELLIO FURTADO
GALVÃO; WELLINGTON
FEITOSA DE MORAES.
O CURRICULO ESCOLAR VISTO COMO UMA
PRÁTICA SOCIAL E REAL
7.
PÂMELA TAMIRES
BEZERRA FERREIRA DA
SILVA;
ANEVERTTON LIMA DE
SOUZA; JHONES STÊFANNY
MARCELINO DOS SANTOS
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ALAGOANA E O
QUEBRA-QUEBRA DE 1912: A INFLUÊNCIA
DO CAPITAL CULTURAL NA
INVISIBILIDADE DOS NEGROS NO
CURRÍCULO ESCOLAR
8.
PATRÍCIA GOMES
SERFATY.
MENINAS (DES)ILUDIDAS E DESONRADAS:
O DISCURSO DA MORAL E DA HONRA NOS
PROCESSOS JUDICIAIS EM BELÉM DO PARÁ
(1912).
23
EIXO 2 – PESQUISA, ENSINO E FONTES NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 104
Hora: 08:00 as
10:00
Coordenação: Simone Maranhão Costa Almeida
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
LARISSA GABRIELA
GOUVEA DOS SANTOS;
ANA KAROLLINY
SARMENTO LEONCIO;
JACYELLE KARINE BENTO.
LAYS REGINA BATISTA DE
MACENA MARTINS DOS
SANTOS
ENSAIOS HISTÓRICOS DO MOVIMENTO
ESTUDANTIL NA DITADURA MILITAR.
3.
LUZINETE NASCIMENTO
FRAZÃO
PERCURSO HISTÓRICO DOS LICEUS
PROVINCIAIS: O MODELO FRANCÊS NA
EDUCAÇÃO BRASILEIRA.
4.
MARIA ELINETE
GONÇALVES PEREIRA;
MARIA ALICE MELO.
MARIA GÉSSICA ROMÃO
DA SILVA; FABIANA SENA
DA SILVA.
A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES:
UM ESTADO DA ARTE DE 2004 A 2014.
6.
MARIA IVANI PEREIRA DOS
SANTOS; SALÂNIA MARIA
BARBOSA MELO.
FOTOGRAFIA: UMA RELEVANTE FONTE DE
PESQUISA PARA A HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO.
7.
MARIA NILZA OLIVEIRA
QUIXABA; PABLO JOSÉ
CORREA DE JESUS; THIAGO
VICTOR CARVALHO DA
SILVA.
OS SUJEITOS SILENCIADOS SURDOS NO
CENÁRIO EDUCACIONAL MARANHENSE.
8.
SANDRA
MARA
C. HISTÓRIA
DA
INFORMÁTICA
NA
RABELO;TAYNA CRISTINA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: OS PRIMEIROS
VELOSO
PASSOS NA EDUCAÇÃO
1.
2.
5.
O JORNAL COMO FONTE DE PESQUISA
PARA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NA
PROVINCIA DA PARAHYBA DO NORTE
(1864-1883).
ESCRITOS DE QUEIXAS E RECLAMAÇÕES
NAS CARTAS DE PROFESSORES NOS
JORNAIS DA PARAÍBA NO IMPÉRIO.
24
Local: Centro de Bloco: E
Sala: 105
Ciências Sociais
Coordenação: Maria de Fátima Almeida Braga
Nº
AUTOR(ES)
Hora:
10:00
08:00
as
TÍTULO DO TRABALHO
1.
MARIA
DE
FÁTIMA LER, ESCREVER E CONTAR: INDÍCIOS DA
ALMEIDA BRAGA
INSTRUÇÃO PÚBLICA MARANHENSE NAS
PRIMEIRAS
DÉCADAS
DO
IMPÉRIO
BRASILEIRO
2.
MARIA SOLANGE ROCHA SALVANDO
DA SILVA; MARIA DO HISTÓRIAS
AMPARO BORGES FERRO.
3.
MARIANNE
CHRISTINA A ESCRITA E O SUJEITO MULHER IDOSA
CAMPOS
MACHADO;
DIOMAR
DAS
GRAÇAS
MOTTA
4.
NIVEA OLIVEIRA COUTO
DE JESUS; MARIA ZENEIDE
CARNEIRO
MAGALHÂES
DE ALMEIDA; SEBASTIANA
APARECIDA MOREIRA
PROJETO DE PESQUISA EM HISTÓRIA
ORAL: HISTÓRIA E MEMÓRIA DA ESCOLA
MUNICIPAL
RURAL
DE
ENSINO
FUNDAMENTAL ÁGUA MANSA COQUEIROS
EM RIO VERDE-GO
5.
PATRÍCIA COSTA ATAÍDE
A EDUCAÇÃO DAS MULHERES NA IDADE
MODERNA: ROMPENDO O SILÊNCIO E
CONSTRUINDO A HISTÓRIA
6.
RAQUEL DO NASCIMENTO
SABINO;
VALDEGIL
DANIEL
DE
ASSIS;
THAYANA
PRISCILA
DOMINGOS DA SILVA
DESAFIOS A PESQUISA EDUCACIONAL:
MÉTODO
BIOGRÁFICO
COMO
POTENCIALIDADE PARA A PRODUÇÃO DO
CONHECIMENTO.
7.
RIKARTIANY
CARDOSO PROJETO PRÓ- CARROCEIROS: UM DEBATE
TELES; LARISSA GABRIELA SOBRE
EDUCAÇÃO,
EXTENSÃO
E
GOUVEIA DOS SANTOS
COMUNICAÇÃO
MEMÓRIAS
E
CONTANDO
25
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 201
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Evandicleia Ferreira de Carvalho
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
ROSA SANTOS MENDES DA A
TRAJETÓRIA
PROFISSIONAL
DA
SILVA; VIRGÍNIA PEREIRA PRIMEIRA PROFESSORA DO MUNICÍPIO DE
DA SILVA ÁVILA.
DORMENTES-PE (1956).
2.
SUSY NATHIA FERREIRA O USO DA CHARGE NO ENSINO
GOMES
HISTÓRIA.
3.
HELENA GOMES ALVES; A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A
EDINEIDE
MARIA FORMAÇÃO DOCENTE: EIXOS QUE SE
FERREIRA SANTOS
CRUZAM.
4.
MARIA
JOSÉ AS
CONCEPÇÕES
TEÓRICAS
E
ALBUQUERQUE SANTOS.
METODOLÓGICAS DA TEORIA HISTÓRICO
CULTURAL.
5.
VALDETE DE BRITO SILVA; ENTRE O CADERNO E A CANA: A
ANA ROSA DOS SANTOS; EDUCAÇÃO NA USINA ERRA GRANDE EM
WILLIANE
COSTA SÃO JOSÉ DA LAJE.
FERREIRA.
6.
WILD
MULLER
DOS PERCORRENDO OS (DES)CAMINHOS DA
SANTOS LIMA ORLANDA
EDUCAÇÃO NO SERTÃO MARANHENSE
(1827-1841)
7.
SEBASTIÃO
OLIVEIRA
DE
MONTEIRO A
EDUCAÇÃO
A
DISTÂNCIA
NOS
PRIMÓRDIOS DA FORMAÇÃO DOCENTE NO
BRASIL
26
EIXO 3 - INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS EDUCACIONAIS NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 202
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Erika Christianne Sousa Pereira.
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
FRANCISCO
ALEX
SILVA MATOS.
DA ADENTRANDO O COTIDIANO ESCOLAR DO
CENTRO DE ENSINO JACIRA DE OLIVEIRA E
SILVA EM TIMON-MA (1981-1999).
2.
GEOVANIO
CARLOS COLEÇÃO ESCOLA APREDENTE: O PAPEL
BEZERRA RODRIGUES;
DOS DOCENTES DE HISTÓRIA NAS
FATIMA MARIA LEITÃO MATRIZES CURRICULARES PARA O ENSINO
ARAUJO.
MÉDIO NO CEARÁ.
3.
ILANA FERNANDES DA O ESPAÇO DA CRIANÇA NOS INDICADORES
SILVA; VERÔNICA ARAÚJO DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL:
NASCIMENTO.
UMA REFLEXÃO ACERCA DA INSTITUIÇÃO
DE EDUCAÇÃO INFANTIL.
4.
ISABEL CRISTINA COSTA AS VOZES DOS ATORES SOBRE O ENSINO
FREIRE;
ELENICE
DE DA FILOSOFIA NA REDE PÚBLICA DE SÃO
MARIA BARBOSA COSTA; LUÍS-MA.
RICARDO NEVES PEREIRA.
5.
IVONE GOULART LOPES; VITRAIS DA EDUCAÇÃO EM OURO PRETO
TEREZA FIALHO BARBOSA DO OESTE/RO
DO NASCIMENTO; ALTAIR
JOSÉ
BARBOSA
DO
NASCIMENTO.
6.
JEFFERSON
BENTO
MOURA;
ANA CLARA FELIPE.
7.
JÉSSICA LÁLIA GALENO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS PESSOAS
LIMA.
COM
DEFICIÊNCIA
AUDITIVA
DESENVOLVIDA
PELO
NÚCLEO
DE
INSERÇÃO PARA O TRABALHO – NIT DO
CENTRO DE APOIO A SURDEZ – CAS EM
SÃO LUÍS – MA.
8.
ERIKA
SOUSA
SOUSA
DE A IMPLEMENTAÇÃO DO MOVIMENTO
BRASILEIRO DE ALFABETIZAÇÃO EM
MATO GROSSO.
CHRISTIANNE EDUCAÇÃO
EM
TEMPO
INTEGRAL:
PEREIRA; SUELY DESAFIOS E EXIGÊNCIAS NA FORMAÇÃO
LIMA;
LÉLIA
27
CRISTINA
MORAES.
SILVEIRA
Local: Centro de Ciências Sociais
DE CONTINUADA DE PROFESSORES
Bloco: F
Sala: 203
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Vicente Juciê Sobreira Junior
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
JOÃO DE DEUS SANTOS DE GRUPOS ESCOLARES NO AMAPÁ
SAMPAIO; VITOR SOUSA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX.
CUNHA NERY.
NA
2.
JOSAFÁ DA CONCEIÇÃO GESTÃO ESCOLAR NO MARANHÃO: DE
CLEMENTE;
FRANCISCA UMA COMPREENSÃO TEÓRICA À PRÁTICA
DAS CHAGAS SILVA LIMA.
DE GESTÃO.
3.
JOSÉ FERREIRA DA SILVA
JUNIOR;
LUÍS
CARLOS
SALES;
CLAIDIANE DE CARVALHO
PEREIRA.
4.
JOSÉ
RIBAMAR
COSTA
5.
JOSEANE
CANTANHEDE CENTRO
ARTÍSTICO
OPERÁRIO
DOS SANTOS.
MARANHENSE: UMA BREVE NARRATIVA.
6.
MARCOS
SANTOS REGO
7.
KÉLCIA
ALEXANDRA CAMINHOS
PARA
UMA
EDUCAÇÃO
TAYLOR DE CARVALHO; BILÍNGUE PARA SURDOS NO BRASIL.
FRANCISCO
THIAGO
MUNIZ PINHEIRO; TIAGO
BARBOSA AMORIM.
8.
KLEBERSON
VASCONCELOS
OLIVEIRA.
ENSINO
SUPERIOR
NO
BRASIL
E
QUALIDADE: ORIGEM DO PROBLEMA,
INTRODUÇÃO
NA
AGENDA
E
O
DELINEAMENTO DA POLÍTICA.
NERES PRÉ-VESTIBULAR: UMA FACE OCULTA DA
EDUCAÇÃO BRASILEIRA.
ROBERTO A INCLUSAO DA HISTÓRIA DA ÁFRICA E
DOS AFRODESCENTES NA LEGISLACAÇÃO
EDUCACIONAL BRASILEIRA: UM ESTUDO
DE CASO DE IGARAPE DO MEI0 (MA)
RODRIGO EXAME DE MADUREZA NO COLÉGIO LICEU
DE CUIBANO (1935 – 1950)
28
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 204
Hora:
10:00
08:00
as
COORDENAÇÃO: Laura Maria Silva Araújo Alves
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
LÊDA
MARIA
SANTOS; MARIA
MELO.
2.
LUCIANA DIAS COSTA;
MARIA
DO
PERPÉTUO
SOCORRO
GOMES
DE
SOUZA AVELINO FRANÇA.
LUÍS ROBERTO BESERRA
DE PAIVA; CARLOS BAUER
DE SOUSA.
3.
SILVA RECORTE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO EM
ALICE TEMPO INTEGRAL NO BRASIL E NO
MARANHÃO.
A INSTITUIÇÃO “LAR DE MARIA” E A
ASSISTÊNCIA À INFÂNCIA DESAMPARADA
PARAENSE (1947-1957)
SINDICALISMO DOCENTE UNIVERSITÁRIO
MEXICANO.
4.
LYVIA GEOVANNI MELO EDUCAÇÃO:
FERRAMENTA
DE
SANTOS; THAIANE SOUSA AUTONOMIA DA CLASSE TRABALHADORA
BRASILEIRO;
TATIANE
LOPES ERICEIRA.
5.
MÁRCIO HENRIQUE BAIMA O
CONTEXTO
EDUCACIONAL
GOMES.
MARANHENSE NA PRIMEIRA REPÚBLICA: O
DISCURSO OFICIAL DA INSPETORIA GERAL
DE INSTRUÇÃO PÚBLICA DO ESTADO.
6.
MARIA
DO
PERPÉTUO GRUPOS ESCOLARES NO PARÁ: A POLÍTICA
SOCORRO
GOMES
DE DO GOVERNO AUGUSTO MONTENEGRO.
SOUZA
AVELINO
DE
FRANÇA;
MARIA
DO
SOCORRO PEREIRA LIMA.
7.
MARIA
JOSÉ
RODRIGUES.
8.
MARIA LUCIRENE SOUSA INSTITUIÇÃO PIA NOSSA SENHORA DAS
CALLOU; LAURA MARIA GRAÇAS: ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO DE
SILVA ARAÚJO ALVES.
MENINOS POBRES EM BELÉM DO PARÁ
(1943-1963).
9.
CLAUDEILSON
PINHEIRO GINÁSIO VIMARENSE E A FORMAÇÃO DA
PESSOA;
MOCIDADE EM GUIMARÃES-MA (1961CÉSAR AUGUSTO CASTRO
1965): PROTAGONISMOS, SABERES E
PRÁTICAS.
LOBATO A INCLUSÃO DA LIBRAS NO CURRICULO
ESCOLAR: (IN) EFICÁCIA DA POLÍTICA DE
INCLUSÃO DAS PESSOAS SURDAS NO
ENSINO PÚBLICO REGULAR.
29
EIXO 5 - BIOGRAFIAS, INTELECTUAIS E IMPRENSA ESCOLAR NA HISTÓRIA
DA EDUCAÇÃO.
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 205
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Elisangela Pereira Gomes
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
ANA
MARIA
CORRÊA.
2.
ANDRÉ LUIZ
JUNIOR.
3.
CRISTINA
CARLA VESTÍGIOS DA PRESENÇA DOS NEGROS
SACRAMENTO.
HELOÍSA ENTRE OS “FATOS NOTÁVEIS” DA
HELENA PIMENTA ROCHA. HISTÓRIA DO BRASIL (1950).
4.
DANIELA DE OLIVEIRA
SANTOS DA SILVA;
JAQUELINE
DOMINGUES
DE
OLIVEIRA;
DESIRÉ
LUCIANE DOMKINSCHEK
DENISE
CRISTINA
DA
SILVA CAMPOS; SALÂNIA
MARIA BARBOSA MELO.
“DONA MARIA DO FAÇÃO” UMA LENDA DA
EDUCAÇÃO DO PARANÁ.
ELIZIANE ROCHA CASTRO;
LUCIANA
RODRIGUES
LEITE;
FRANCISCO
JEOVANE
DO
NASCIMENTO.
IAN
ANDRADE
CAVALCANTE
OS
ENSINAMENTOS
DO
PROFESSOR
DERMEVAL SAVIANI: EXEMPLO PRÁTICO E
PRODUÇÃO TEÓRICA.
5.
6.
7.
MACIEL A EDUCAÇÃO EM TEMPOS REPUBLICANOS
NA OBRA DE ESTER NUNES BIBAS.
VENÂNCIO PRODUÇÃO
E
CIRCULAÇÃO
INTERNACIONAL DE MODELOS DE MUSEU
EDUCATIVO EM BERTHA LUTZ, ENTRE O
PERÍODO DE 1922 ATÉ 1932, NO MUSEU
NACIONAL DO RIO DE JANEIRO.
OS CAMINHOS DA ESCOLA: LAURA ROSA E
O INSTITUTO JÃO LISBOA.
“DESPERTAE A VOSSA CONSCIENCIA
SOBRE A INSTRUCÇÃO DO POVO”: O PROF.
CINCINATO FRANCA, UM ABOLICIONISTA
BAIANO, 1886 – 1920.
8.
JANAINA
AMANDA CONCEIÇÃO CAETANO: DE “PROFISSIONAL
SOBRAL MACEDO.
DO SEXO” A LÍDER COMUNITÁRIA.
9.
JOÃO OTAVIO MALHEIROS.
O LETRADO CAPUCHO CRISTOVÃO DE
LISBOA E A AULA DE ARTES E TEOLOGIA
(C. 1626) NO MARANHÃO E GRÃO-PARÁ.
10. SUENYA DO NASCIMENTO CARNEIRO DA CUNHA: ANÁLISE DA
ATUAÇÃO POLÍTICA NA PARAHYBA (1874-
30
COSTA
1876)
DIA 15/05
EIXO 1: GÊNERO, ETINIA E INFÂNCIA NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 101
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Joelma Reis Correia
Nº
1.
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
RAIMUNDO
SIMAS CONCEPÇÕES
E
PRÁTICAS
NA
ABREU NETO; JOELMA EDUCAÇÃO INFANTIL: O caminhar na
REIS CORREIA
história
2.
PAULO
SILVA
CÉSAR
3.
ROBERTA MARIA AGUIAR DA CRIAÇÃO Á INALGURAÇÃO DO
DO NASCIMENTO
ORPHANATO D. ULRICO NO CONTEXTO DA
CIDADE DE PARAHYBA DO NORTE: UMA
PREOCUPAÇÃO
COM
INFÂNCIA
DESVALIDA. (1913-1922).
4.
ROBERTA
WALESKA UMA ANALISE HISTÓRICA SOBRE O
FERREIRA DE OLIVEIRA.
ACESSO DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO (SEC
XVI AO XXI): UMA ABORDAGEM SOBRE AS
METODOLOGIAS PARA A EDUCAÇÃO DA
COMUNIDADE SURDA.
5.
ROSILENE CRISTINA DA A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA NO
SILVA CARVALHO;
DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA
PRISCILA
DE
SOUSA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM
BARBOSA.
ESTUDO DE CASO A PARTIR DO OLHAR
DAS PROFESSORAS DA UEB. RECANTO DOS
PÁSSAROS.
6.
RUBENIL
OLIVEIRA.
DA
GARRÉ A
ESCOLHA
PROFISSIONAL
DAS
ESTUDANTES
DO
ENSINO
MÉDIO
CORRELACIONADAS COM A PROFISSÃO DE
SUAS MÃES E AVÓS
SILVA O SILENCIAMENTO DA HOMOFOBIA NAS
ESCOLAS PÚBLICAS DE BACABAL – MA
31
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 102
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Katia Salomão
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
SANDRA
CONVENTO
FERRAZ.
2.
THAINARA
DE
ALVES;
MILRA
ALVES
OLIVEIRA.
3.
THAYANA
PRISCILA
DOMINGOS DA SILVA;
RAQUEL
NASCIMENTO
SABINO; ADRIANA VILAR
DOS SANTOS
VANESSA
AMORIM
DANTAS; CARLOS BAUER
4.
ANTONIA AS PEDRAS BONITAS PODEM FALAR!
DE MOURA MEMÓRIAS
DE
PROFESSORAS
DE
ITAPORANGA/SP SOBRE A DOCÊNCIA.
JESUS
A LEITURA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO E
SOCIALIZAÇÃO
DA
MULHER
NA
DE PROVÍNCIA MARANHENSE: UMA ANÁLISE
DO JORNAL O FAROL MARANHENSE.
EMANCIPAÇÃO OU SUJEIÇÃO DA MULHER:
AS CONDIÇÕES FEMININAS IDEALIZADAS
NAS CAPAS DA REVISTA CARINHO (1977).
DO ASSOCIATIVISMO AO SINDICALISMO
DOCENTE: O CASO DA APEMA.
5.
WARNER
YVAL
DE GRACILIANO RAMOS E A CONSTRUÇÃO
OLIVEIRA
FEITOSA; PÚBLICA EM ALAGOAS NAS PRIMEIRAS
JACYELLE CARINE BENTO. DÉCADAS DA REPÚBLICA.
6.
SOLANJA SILVA COSTA.
“E O QUE FARÃO OS ORFHÃOZINHOS, NO
VERDOR
DA
PRIMEIRA
IDADE?”:
DISCURSOS SOBRE A INFÂNCIA POBRE
PARAHYBANA (1912- 1922).
7.
THIAGO GOMES VIANA
OS
NINGUÉNS- UMA ANÁLISE DA
(NÃO)HISTÓRIA DAS PESSOAS LGBTI NA
EDUCAÇÃO EM TERRAE BRASILIS
8.
SUZANA ANDRÉIA SANTOS
COUTINHO;
LÉIA CRISTINA SILVEIRA
DE MORAES.
A
FORMAÇÃO
CONTINUADA
DE
PROFESSORES
DO
PROEJA
COMO
APRIMORAMENTO
DA
PRÁTICA
PEDAGÓGICA NO CONTEXTO DO IFMA –
SÃO LUÍS CAMPUS.
9.
JARINA
SANTOS;MATEUS
ARAÚJO SOUZA;
ROCHA DA SILVA
SERRA AS “CARTAS “COMO FONTES PARA A
DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
DIANA
32
EIXO 3 - INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS EDUCACIONAIS NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 103
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Gisele Maria Araújo
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
MARIELE MARTINS; JULIA ENSINO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE
SIQUEIRA DA ROCHA; IONE FEDERAL
DE
SANTA
CATARINA:
RIBEIRO VALLE.
TRAJETÓRIAS FEMININAS.
2.
MARILIZE
DE
MORAIS CONCEPÇÕES DE ALUNOS INTEGRANTES
SILVA; ELAINY PRISCILA DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO E SEUS
GONÇALVES REIS.
REFLEXOS NA ESCOLA PÚBLICA.
3.
MARINALVA ARAÚJO DE POLÍTICAS
PÚBLICAS
E
DIREITOS
OLIVEIRA LIMA.
HUMANOS: PRINCÍPIOS NORTEADORES
PARA A ESCOLA INCLUSIVA.
4.
DIANA COSTA DINIZ;
POLÍTICA EDUCACIONAL NA HISTÓRIA DA
MARINALVA
SOUSA EDUCAÇÃO EM ASSENTAMENTOS E ÁREAS
MACEDO
TRADICIONAIS RURAIS QUILOMBOLAS, NO
ESTADO DO MARANHÃO
5.
MARINEIDE DE OLIVEIRA A
ESCOLA
ISOLADA
RURAL
DA
DA SILVA
COMUNIDADE DE PEDRAS – MATO GROSSO
(1940 – 1950).
6.
MARLUCY DO SOCORRO
ARAGÃO DE SOUSA;
JAQUELINE TATIANE DA
SILVA GUIMARÃES.
MAURILO
DA
SILVA
ESTUMANO;
HELENA
RODRIGUES
DE
BITENCOURT.
7.
8.
AS PRÁTICAS HIGIENISTAS E AS TEORIAS
EDUCACIONAIS
DO
COLLEGIO
AMERICANO.
ESCOLA AVERTANO ROCHA – POLITICAS
PÚBLICAS POSSÍVEIS EM ICOARACI.
ORLANDO
SOARES REDE E-TEC BRASIL IFMA CAMPUS
NASCIMENTO;
LARIZE MARACANÃ:
A
INCLUSÃO
KELLY GARCIA RIBEIRO SOCIOECONÔMICA DE JOVENS E ADULTOS
SERRA; JANDIRA PEREIRA EM MUNICÍPIOS DE BAIXO IDH.
SOUZA.
33
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 104
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Josivan Costa Coelho
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
PAULA
FRANCINETE ENSINO DA ARTE, MEDIAÇÃO CULTURAL E
BARROS BEZERRA.
EDUCATIVA NO CONTEXTO DA POLÍTICA
EDUCACIONAL BRASILEIRA.
2.
RACHEL SOUSA TAVARES; OS JARDINS DE INFÂNCIA DO MARANHÃO
MARIA INES STAMATTO ENQUANTO
ACONTECIMENTO
SUCUPIRA.
JORNALÍTICO NO PERÍODO DE 1880 A 1920.
3.
RENATA PRISCILA FEQUES POLÍTICAS EDUCACIONAIS: Ações e diretrizes
FERREIRA; JORGIENE DA do programa dinheiro direto na escola (PDDE)
SILVA E SILVA; MARINA desenvolvidas em escolas de São Luís - MA
MENDES
BARROS
COIMBRA.
4.
RUTE DE JESUS FERREIRA Reflexões sobre o Assassinato de Charllenne.
SILVA
5.
SÂMELA
CRISTINNE O MOVIMENTO ESCOLANOVISTA NO
CARVALHO IGNÁCIO
PERÍODO DE 1927 A 1930 NA ESCOLA
PROFISSIONAL WASHINGTON LUIS: A
Reforma Fernando de Azevedo no Distrito Federal.
6.
SILVA MARIA RODRIGUES; ENSINO DE ALUNOS SURDOS: recursos visuais
JOALLYSSON
DESTERRO e qualidade de ensino.
BAYMA.
7.
SILVIA HELENA DE SÁ AS PRÁTICAS EDUCATIVAS DO COLÉGIO
LEITÃO MORAIS FREIRE.
NOSSA SENHORA DAS VITÓRIAS EM
ASSÚ/RN (1927 – 1937).
8.
SUELY SOUSA LIMA; ÉRIKA RESGATE HISTÓRICO E POLÍTICO DA
CHRISTIANNE
SOUSA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL:
PEREIRA.
entre avanços e limites.
9.
MARICÉA
DE
ABREU O PROFESSOR PORTADOR DE DEFICIÊNCIA
MACHADO;
SUANIELLE ESPECIAL – COLABORAÇÕES E IGUALDADE
FONSECA BASTOS.
DENTRO DA SALA DE AULA.
34
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: E
Sala: 105
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Welington da Costa Pinheiro
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
SUZANA ANDRÉIA SANTOS
COUTINHO;
LÉLIA CRISTINA SILVEIRA
DE MORAES.
ENCONTROS E DESENCONTROS DO PROEJA
COMO
POLÍTICA
EDUCACIONAL
DE
FORMAÇÃO GERAL ALIADA A FORMAÇÃO
PROFISSIONAL.
2.
TABATHA ALVES CASTRO; CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO
IVONETE HAIDUKE; LIGIO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ:
LOBO DE ASSIS.
rupturas e permanências.
3.
TAMIRES
COIMBRA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA HISTÓRIA DA
BASTOS BORGES; KARINA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: da exclusão à
CRISTINA RABELO SIMÔES. inclusão?
4.
VANESSA
AMORIM DO ASSOCIATIVISMO AO SINDICALISMO
DANTAS; CARLOS BAUER.
DOCENTE MARANHENSE.
5.
VANESSA RODRIGUES DE GESTÃO ESCOLAR NO COTIDIANO DA
ARAÚJO.
EDUCAÇÃO
INFANTIL
PÚBLICO
BRASILEIRA.
6.
VITOR
NERY.
7.
WELINGTON DA COSTA O INSTITUTO ORFANOLÓGICO DO OUTEIRO
PINHEIRO; LAURA MARIA E A EDUCAÇÃO DE MENINOS DESVALIDOS
DA SILVA ARAÚJO ALVES.
(1904-1922).
SOUSA
CUNHA INSTRUÇÃO PRIMÁRIA PARA IMIGRANTES
NA PROVÍNCIA DO PARÁ NA SEGUNDA
METADE DO SÉCULO XIX.
EIXO 4 : CULTURA MATERIAL E DISCIPLINAS ESCOLARES NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO.
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 201
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Suly Rose Pereira Pinheiro
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
ELIENE DIAS DE SOUZA A HISTÓRIA DO MATERIAL DIDÁTICO E O
LIMA
PAPEL DO PROFESSOR.
2.
ELIS PRISCILA AGUIAR DA A EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO PRIMÁRIO
SILVA;
MARIA
DO PÚBLICO NO PARÁ REPUBLICANO (1890 –
PERPÉTUO
SOCORRO 1918):
CONSIDERAÇÕES
SOBRE
A
GOMES
DE
SOUZA
35
AVELINO DE FRANÇA.
CONSTITUIÇÃO DE UMA DISCIPLINA.
3.
ELIZÂNIA
SOUSA
NASCIMENTO.
DO HORTA, BIBLIOTECA E GABINETE DE
CIÊNCIAS NA IDEALIZAÇÃO DE UM
SECUNDÁRIO MODERNO NO MARANHÃO.
4.
ELTON
CASTRO AS ESCOLAS REUNIDAS APREGOADAS
RODRIGUES DOS SANTOS
PELO REGULAMENTO DA INSTRUÇÃO
PÚBLICA DE 1927.
5.
JACKICILENE
BARROS RAMOS.
6.
SUANIELLE
FONSECA A HUMANIZAÇÃO DO INDIVÍDUO COM O
BASTOS;
MARICÉA
DE SEU MEIO ATRAVÉS DO ENSINO DA ARTE.
ABREU MACHADO.
7.
GIRLANA
OLIVEIRA RACISMO NO AMBIENTE ESCOLAR NA
BEZERRA; RONIRA GOMES CIDADE DE PINDARÉ (MA)
TEIXIERA
8.
WILLIANE
COSTA O ENSINO DE MATEMÁTICA POR MEIO DA
FERREIRA;
HISTÓRIA: CONTRIBUIÇÕES INICIAIS PARA
ANA ROSA DOS SANTOS.
A DISCUSSÃO ACERCA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO.
COSTA TEMAS TRANSVERSAIS E O ENSINO DE
HISTÓRIA: TEORIA E PRÁTICA NAS
ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE
CAXIAS - MA.
EIXO 5: BIOGRAFIAS, INTELECTUAIS E IMPRENSA ESCOLAR NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO.
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: F
Sala: 202
Hora:
10:00
08:00
as
Coordenação: Aldimar Martins Bottentuit
Nº
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
1.
JOAQUIM
FRANCISCO INSTANTES DE MEMÓRIAS, PEDAÇOS DE
SOARES GUIMARÃES;
HISTÓRIAS, BIOGRAFIA QUE SE CONSTRÓI
CARLOS ANDRÉ ARAÚJO NA/PELA EDUCAÇÃO: A COMPOSIÇÃO DA
MENEZES.
PROFESSORA ACINETE DE ALMEIDA BISPO
2.
JOSENILDO
BRUSSIO
3.
ANDERSON
HENRIQUE JOAQUIM GOMES DE SOUSA(SOUSINHA):
COSTA BARROS
RESGATE HISTÓRICO DE UM MATEMÁTICO
CAMPOS CONTRIBUIÇÕES DE ROUSSEAU PARA A
EDUCAÇÃO NA OBRA EMÍLIO OU DA
EDUCAÇÃO.
36
MARANHENSE
4.
LUIS FERNANDO RIBEIRO O LEGADO HUMANÍSTICO DE JOÃO DE
ALMEIDA
BARROS: O PROJETO PEDAGÓGICO DO
PRIMEIRO DONATÁRIO DA CAPITANIA DO
MARANHÃO.
5.
MARIA ZÉLIA MAIA DE EXPERIÊNCIA E TRAJETÓRIA DE VIDA DO
SOUZA
“JOÃO NINGUÉM”: PONTOS DE CONTATO
COM A EDUCAÇÃO NO BRASIL IMPERIAL.
6.
NATALIA APARECIDA DE A PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA DE
MORAES; JORGIENE DA EMÍLIA FERREIRO E ANA TEBEROSKI:
SILVA E SILVA.
TEORIA CONSTRUTIVISTA E DEFINIÇÃO DE
EDUCAÇÃO INFANTIL.
7.
RAIMUNDO NONATO
PADÚA CÂNCIO.
DE EDUCAÇÃO E CONSCIÊNCIA CRÍTICA
LATINO-AMERICANA EM “ARIEL”, DE JOSÉ
ENRIQUE RODÓ.
7 SESSÃO DE PÔSTERES
13/05
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: D
Hora:
15:30
14:00
as
Coordenação: Profa. Dra. Leoneide Maria Brito Martins
Número
Stand
P1
do AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
ABRAÃO
NEIVER
DE
MIRANDA
AZEVEDO;
GISELLE
FERREIRA
AMARAL DE MIRANDA
AZEVEDO.
PROGRAMA
MULHERES
MIL:
ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO
PROFISSIONAL NO PERÍODO DE 2012
A 2014 O IFMA/CAMPUS SÃO LUÍS
MONTE CASTELO.
P2
ALBÉR CARLOS
SANTOS
ENRIQUE DUSSEL: BIOGRAFIAS NO
PENSAMENTO LATINO-AMERICANO
P3
ALLANA SOUSA SILVA; A CONTRIBUIÇÃO DA HISTÓRIA DE
JORGIANA
CRISTINE ESCOLAS: SINAIS DO SILENCIAR OU
PONTES NASCIMENTO.
CONHECER.
P4
ANA
CAROLINE
DOS O CURRÍCULO DO PROGRAMA
SANTOS MENDES; LÉLIA NACIONAL DE INCLUSÃO DE
CRISTINA SILVEIRA DE
ALVES
37
MORAES.
JOVENS: UMA DISCUSSÃO ACERCA
DO
EIXO
DA QUALIFICAÇÃO
PROFISSIONAL.
P5
ANGÉLICA
TELLES
DE
SOUSA PESSOA; TAMIRYS
RODRIGUES
JANSEN;
TÁTILA EDNEURES RAMOS
COSTA.
PROVINHA BRASIL: UMA ANÁLISE
DE SEUS REFLEXOS NA UNIDADE
INTEGRADA ANTÔNIO RIBEIRO DA
SILVA.
P6
CARLA
SANTOS
SAMPAIO
DOS
EDUCAÇÃO,
NEGRITUDE
E
CONDIÇÃO
FEMININA:
UMA
ANÁLISE
SOBRE
ÚRSULA,
ROMANCE
ABOLICIONISTA
DE
MARIA FIRMINA DOS REIS.
P7
DÉBORA
SILVA
NASCIMENTO.
DO
PESQUISA COM CRIANÇAS: DE
SUJEITOS SILENCIADOS A SUJEITOS
INFORMANTES
DE
SUAS
VIVÊNCIAS.
P8
PRÁTICA DOCENTE E GESTÃO DE
SALA DE AULA: RELATO DE
EXPERIÊNCIA.
P9
ELAINY
PRISCILA
GONÇALVES
REIS;
MARILIZE
DE
MORAIS
SILVA.
ENELY TAVARES DA SILVA.
P10
GEREMIAS DE ASSIS LIMA
A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA DE
SINAIS PARA A FORMAÇÃO DO
EDUCANDO SURDO.
P11
GISELLE
FERREIRA
AMARAL DE MIRANDA
AZEVEDO;
ABRAÃO
NEIVER
DE
MIRANDA AZEVEDO.
AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS EM
DEBATE NO ESPAÇO ESCOLAR:
REFLEXÕES SOBRE O PROBLEMA
DO PRECONCEITO E DA EXCLUSÃO
NO ENSINO MÉDIO INTEGRADO.
P12
JÉSSICA MARIA BARROS LEGISLAÇÃO E CULTURA NEGRA:
DA SILVA;
CONTRIBUIÇÃO
DAS
JOSIANE
BARROS
DA REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NO
SILVA.
MARANHÃO PARA O ENSINO
BÁSICO.
P13
JULIANA
NUNES
DE
ARAÚJO ALMEIDA;
JOSÉ CARLOS DE MELO
P14
KAROLYNNE
SOUSA;
A PERCEPÇÃO DE JOVENS
ADULTOS DO SOME/PA E
QUALIDADE DA EDUCAÇÃO.
E
A
A CONCEPÇÃO DA INFÂNCIA: DOS
TEMPOS
ANTIGOS
AOS
DIAS
ATUAIS.
SOARES O MÉTODO DE LANCASTER NO
38
KATIANE SUELLEN MELO
ARAUJO
BRASIL: UM ENSINO POR MEIO DA
ORALIDADE E MEMORIZAÇÃO
P15
MARINALVA ARAÚJO DE
OLIVEIRA LIMA.
O BRASIL REPUBLICANO: UMA
ABORDAGEM HISTÓRICA SOBRE AS
MUDANÇAS EDUCACIONAIS E A
FORMAÇÃO
DO
CIDADÃO
BRASILEIRO.
P16
EDIVÂNIA
FERRAZ AÇÕES EDUCATIVAS DA APAE EM
RODRIGUES;
ERENILCE MONÇÃO (MA)
CRISTINA SODRÉ DUTA;
FRANCIDALVA
DOS
SANTOS
ARAÚJO;
MARINILDES ARAÚJO DSO
SANTOS
14/04
Local: Centro de Ciências Sociais
Bloco: D
Hora:
15:30
14:00
as
Coordenação: Profa. Msc. Márcia Cordeiro Costa
NÚMERO
DO
STAND
P1
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO
KELCIA ALEXANDRA TAYLOR
DE CARVALHO;
ROSANGELA
DE
JESUS
SANTOS;
VIRGINIA MARIA BARROS
ALMEIDA RIBEIRO.
O
PAPEL
DO
PROFISSIONAL
TRADUTOR/INTÉRPRETE
DE
LÍNGUA
DE
SINAIS
EM
INSTITUIÇÕES
DE
EDUCAÇÃO
SUPERIOR.
P2
LUCIANA JULIANE MARQUES
DOS REIS
EDUCAÇÃO
BRASILEIRA:
ANÁLISE
HISTÓRICA
CONCEITUAL.
P3
MARIA
CARLA
NASCIMENTO;
RUTE
RODRIGUES
OLIVEIRA
P4
MARIA ESTERLIAN FERREIRA A EDUCAÇÃO FRANCISCANA NO
DA SILVA ALVES;
PERÍODO MILITAR.
ELANE
CRISTINA
COSTA
SOUSA.
UMA
E
DO EDUCAÇÃO
E
GÊNERO:
DISCUTINDO
Á
EDUCAÇÃO
DE FEMININA INDÍGENA NO ÂMBITO
DO MITS EM ITAREMA-CE.
39
P5
MARINALVA
ARAÚJO
OLIVEIRA LIMA.
P6
MOISANE DE JESUS AMORIM
PINHEIRO;
JOSENIAS RODRIGUES DE
SOUSA;
EUZIANE DE MOURA LIMA.
NERLYANE MELO RUBIM;
LARINE BRITO TEIXEIRA
P7
JOSÉ
CORRÊA
DE
INCLUSÃO: IDENTIFICANDO AS
CONTRIBUIÇÕES DA PERSPECTIVA
SÓCIO-HISTÓRICA
PARA
A
CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA
INCLUSIVA.
A EDUCAÇÃO DO NEGRO NO
MARANHÃO DURANTE O SÉCULO
XIX
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E
ADULTOS NA ESCOLA U.E.B VILA
SÃO
JOSÉ
LOCALIZADA
NO
MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR –
MA.
P8
PABLO
JESUS.
DE OS SUJEITOS SILENCIADOS SURDOS
NO
CENÁRIO
EDUCACIONAL
MARANHENSE.
P9
RAQUEL
ALVES
NETO; ANÁLISE E DESCRIÇÃO TÉCNICA DE
VIRGINIA PEREIRA DA SILVA VÍDEOS: ETAPAS DE UM PROJETO
DE ÁVILA
DE PESQUISA SOBRE A HISTÓRIA
DA EDUCAÇÃO NO SERTÃO DO SÃO
FRANCISCO.
P10
RUTE
RODRIGUES
OLIVEIRA;
MARIA
CARLA
NASCIMENTO
P11
LEVA:
LEITURA–ESCRITA–VIDA–
APRENDIZAGEM.
P12
STEPHANIE PAULA SOUSA DA
SILVA;
TANIA
REGINA
CAMPOS
LAVRA.
UÊDJA CARLA RODRIGUES
SILVA;
ALINE LIMA GONÇALVES;
VIRGÍNIA PEREIRA DA SILVA
ÁVILA.
P13
VANESSA AMORIM DANTAS.
A
POLÍTICA
EDUCACIONAL
MARANHENSE, O REGIME MILITAR
E SEUS EFEITOS.
P14
JÁDSON RUDSON RODRIGUES
UM LUGAR DE HISTÓRIA E DE
DE A HISTÓRIA ORAL COMO FONTE
PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA
DO EDUCAÇÃO EM ACARAÚ, COM
ÊNFASE NA DITADURA MILITAR
(1964-1985).
COLETA E HIGIENIZAÇÃO DE
DOCUMENTOS ESCOLARES COMO
PROCEDIMENTOS
DE
PRESERVAÇÃO
DA
MEMÓRIA
EDUCACIONAL NO MUNICÍPIO DE
PETROLINA – PE.
40
LEMOS;
ANA
PAULA
ERICEIRA.
MENDES
MEMÓRIAS: O COLÉGIO DE NOSSA
SENHORA
DOS
ANJOS
EM
BACABAL/MA.
P15
KATIANE SUELLEN MELO
ARAUJO;
KAROLYNNE SOARES SOUSA.
A PEDAGOGIA DO DIÁLOGO E O
ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO
MÉDIO.
P16
GEVANDRA RIBEIRO; MARIA
LUIZA
M.
MARINHO;
VALDENORA
SANTOS
ARAUCHE
STÉFANNO
FABRÍCIO
OLIVEIRA SOUSA;
CLAUDEILSON
PINHEIRO
PESSOA.
A ACESSIBILIDADE DE CRIANÇAS
COM DIFICIÊNCIA FÍSICA NAS
ESCOLAS DE MONÇÃO (MA)
P17
MULHER, NEGRA E PROFESSORA
NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE
NINA
RODRIGUES
MA:
IDENTIDADE E TRAJETÓRIA DE
DULCENI DOS ANJOS PEREIRA
PIRES.
8 SÃO LUÍS1: UM ENCANTO DE CIDADE2 (algumas sugestões)
Arquivo Público do Estado
Reúne um acervo do século XVIII aos nossos dias oriundos do Arquivo da Secretaria do
Governo (1728-1914) e suas sucessoras (1914-1991) e do Arquivo da Polícia (1842-1963). Está
constituído por aproximadamente 1,5 Km de documentos textuais (manuscritos, datilografados e
impressos) dos períodos Colonial, Imperial e Republicano, além de mapas, plantas, partituras musicais,
discos.
Avenida Pedro II
Importante avenida do centro histórico, nela se encontra a maior parte das edificações do centro.
Biblioteca Pública Benedito Leite
A criação da Biblioteca Pública do Estado do Maranhão remonta ao período imperial, 1º reinado,
precisamente 29 de setembro de 1829. Foi resultado do esforço de intelectuais que, naquele momento,
estavam a querer provar o quão nesta terra se valorizava o pensamento e a arte. Todavia, apesar de criada
em 1829, somente em 3 de maio de 1831 é que foi, oficialmente, aberta ao público. Para alguns
historiadores, é considerada a segunda biblioteca pública mais antiga do Brasil. Possuidora de várias
obras de arte, coleções de jornais maranhenses, desde a independência (1822), manuscritos do século
XVIII, a Biblioteca ainda conta com um acervo referente à história política do Maranhão.
1
Essas são algumas dicas há tantas outras opções para todos os gostos, bolsos e sabores.
2
Fonte: http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/br-ma-sao-luis/o-que-fazer
41
Casa das Tulhas (Feira da Praia Grande)
Trata-se de uma construção aberta, do século 19, transformada em uma feira com diversos
quiosques. Dezenas de lojistas oferecem produtos típicos da região, como doces, licores, cachaças incluindo a tiquira, derivada da mandioca -, temperos e panelas de ferro e de alumínio. Ocasionalmente,
nas noites de sexta-feira, a partir das 19h, há apresentação de Tambor de Crioula, uma dança de roda
típica do Maranhão.
Casa de Nhozinho
O museu presta homenagem ao trabalho de Antônio Bruno Pinto Nogueira, o Nhozinho (19041974), um dos mais importantes artesãos maranhenses, mestre na talha de buriti e um dos primeiros a
representar a festa do bumba-meu-boi em miniatura. Portador de uma doença degenerativa e cego de um
olho, ele trabalhou até os 70 anos, quando morreu. Do acervo fazem parte também objetos tradicionais da
cultura do estado, como bonecos gigantes, teares e instrumentos de pesca utilizados no interior.
Catedral da Sé
Erguida por jesuítas, presta homenagem a Nossa Senhora da Vitória, protetora dos portugueses
nas batalhas contra o exército francês em São Luís. Em 1922, com a construção da segunda torre, ganhou
o estilo neoclássico que apresenta até hoje. Todo revestido de ouro, o altar-mor foi elaborado com mão de
obra indígena.
Centro de Cultura Popular (Casa da Festa)
O casarão de quatro andares exibe vestimentas e objetos usados em festas e rituais populares ou
religiosos, como candomblé, umbanda, tambor de mina, tambor de crioula, Festa do Divino e Carnaval.
Centro Histórico
Portugueses, espanhóis, franceses e holandeses ajudaram a moldar, com suas influências, o
Centro Histórico de São Luís - parte de seus 4 mil imóveis são reconhecidos pela UNESCO como
Patrimônio Cultural da Humanidade. No emaranhado de ruas estreitas, vielas e becos, os casarões dos
séculos 18 e 19 muitos cobertos por belos azulejos lusitanos, estão por todo lado.
CEPRAMA (Centro de Produção de Artesanato do Maranhão)
Se quiser comprar um suvenir com a cara da cidade, dê uma olhada nas réplicas de azulejos
portugueses e nas miniaturas de bumba meu boi vendidas aqui. Há também telas pintadas a óleo, cestaria,
cerâmica, peças de tear, bordados, rendas, doces e licores.
Convento das Mercês
Construída em 1657 sob a supervisão do padre Antonio Vieira, a relíquia arquitetônica abrigou a
Ordem dos Mercedários até 1905.
Fonte das Pedras
Construída por volta de 1615, sendo a mais antiga fonte da cidade. Nessa área, Jerônimo de
Albuquerque Maranhão teria expulsado o francês Ravardiere.
Igreja do Carmo
No século 17, serviu de fortaleza para combatentes que lutaram contra a invasão holandesa na
cidade. As paredes e a porta de entrada são originais, mas os azulejos que decoram as paredes datam de
1866. O antigo convento serve de residência para freis capuchinhos e abriga um museu (2ª/6ª 14h/17h,
42
grátis), com peças de arte sacra, um antigo confessionário e máquinas de pedra que serviam para a
produção de hóstias.
Igreja do Desterro
Construída no mesmo local onde os colonizadores ergueram a primeira igreja de São Luís, no
início do século 17, em homenagem à Nossa Senhora do Desterro.
Igreja dos Remédios e Praça Gonçalves Dias
Construída em 1719 no estilo gótico, fica na praça Gonçalves Dias, de onde se tem uma das
vistas mais bonitas da cidade. - Largo dos Amores.
Laguna da Jansen
Laguna mais famosa da cidade, destaca-se pela infra-estrutura adaptada à prática de esportes e
pela noite agitada e animada, contendo uma grande quantidade de bares e restaurantes para todos os tipos
e gostos.
Município de Raposa
A 28 km de São Luís, pela MA-203, em uma hora você chega à maior colônia de pesca do
Maranhão. Na Avenida Principal ficam casinhas enfileiradas que vendem peças feitas de renda de bilro,
como blusas, vestidos e saídas de banho.
Município de São José de Ribamar
São José de Ribamar fica a 30km de São Luís, no extremo leste da Ilha, à beira da Baía de São
José. Trata-se de uma cidade acolhedora e pacata que tem como atrativo suas paisagens naturais, que
guardam praias de beleza singular e o turismo religioso, tradição que já fez da cidade um dos santuários
mais importantes do norte-nordeste.
Museu Histórico e Artístico do Maranhão
Com peças doadas por descendentes de antigos moradores, o museu reconstitui o cotidiano da
cidade no século 19 - um dos hábitos da época era o ato de mascar tabaco e depois cuspi-lo em
escarradeiras, que podem ser vistas espalhadas pelos cômodos. Outros objetos, como a cadeira de uma
ama de leite ao lado de um berço, representam a presença dos escravos. Estão em exibição, também, uma
mesa de jantar e o manuscrito original de O Mulato, escrito por Aluísio de Azevedo.
Orla de São Luís
Grande parte dos 32 km de litoral da cidade foram considerados impróprios para banho. Na
agitada Ponta d'Areia, barracas ficam cheias na happy hour. São Marcos, a preferida dos surfistas, abriga
as ruínas do Forte São Marcos (século 18). Calhau tem calçadão, playground, quiosques com música ao
vivo à noite e boa oferta de hotéis e restaurantes. Na sequência vêm a Praia do Caolho e a lotada Olho
d'Água, rodeada por pequenas pousadas.
Palácio dos Leões
Apenas uma parte do edifício fica aberta para visitas, e depende da agenda oficial - se o
governador estiver em algum evento, o prédio pode fechar para os turistas.
Antiga fortaleza erguida pelos franceses em 1612, a construção transformou-se em palácio com o domínio
português em São Luís. As salas mantêm decoração original, com peças francesas dos séculos 18 e 19, e
os quadros vieram da coleção particular do escritor maranhense Arthur de Azevedo, comprada pelo
governo do Maranhão após sua morte.
Teatro Arthur Azevedo
43
Construído no início do século 19 por comerciantes portugueses, saudosos das apresentações
que assistiam nos palcos de Lisboa. Com estilo neoclássico e detalhes do barroco, o teatro passou por
restaurações que o mantiveram muito bem-conservado. O tour mostra a plateia, o salão nobre, os
camarotes, as galerias, as varandas (onde o funcionamento do palco é explicado), os camarins e o palco.
Aberto somente para visitas guiadas (de terça a sexta-feira, das 14h às 17h) e para espetáculos.
COMER EM SÃO LUIS3
Saborosa, a cozinha maranhense reúne influências indígena, portuguesa e africana, com grande
variedade de frutos do mar e pitadas generosas de farinha. Não por acaso, o prato mais famoso da região é
o arroz-de-cuxá. A iguaria é feita com verdura, camarões secos, gergelim e farinha de mandioca, sendo
servida nos restaurantes especializados nas delícias regionais - dos caseiros, conhecidos como "bases",
aos sofisticados.
Cabana do Sol
Auguri
Dona Maria
Amendoeira
Cheiro Verde
Feijão de Corda
Gaia
La Cuisine
Sal e Brasa
3
Fonte:http://www.feriasbrasil.com.br/ma/saolus/ondecomer.cfm
44
10 COLOQUE EM SUA AGENDA
XIX ENCONTRO MARANHENSE DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
PERIODO: 10 A 14 DE MAIO DE 2016
TEMA: LEITURA, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA HISTÓRIA DA
EDUCAÇÃO
I COLOQUIO INTERNACIONAL SOBRE A HISTÓRIA DO LIVRO, DA
LEITURA E DAS BIBLIOTECAS
PERIODO: 09 e 10 DE MAIO DE 2016
TEMA: LIVRO, LEITURA E BIBLIOTECAS: ENTRE SABERES E FAZERES
PEDAGÓGICOS.

Documentos relacionados

roger langeliers construção

roger langeliers construção INVENTÁRIO DE MELIPONINI EM ÁREA DE CERRADO NO PARQUE ESTADUAL DO MIRADOR, MA, BR. INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O MUNICÍPIO DE BACABEIRA - MARANHÃO: O BARÔMETRO DA SUSTENTABILIDADE COMO INS...

Leia mais