Santa Casa da Misericórdia de Aveiro

Сomentários

Transcrição

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro
N.º
47
+
Janeiro
A
Março
2014
Santa Casa da Misericórdia de Aveiro
Editorial
A Dom António Francisco
Guardo no coração a pedagogia vivida: chegar como
quem aprende, observar como quem se maravilha,
acompanhar como quem aceita ritmos diferentes,
ponderar como quem quer tomar decisões acertadas,
situar-se à frente, no meio ou atrás como quem preza
sobretudo a comunhão, rasgar horizontes como quem
sonha com o futuro emergente no quotidiano e no
modo como é vivido.
Georgino Rocha, capelão da SCMA
A notícia vinha correndo e acabou por chegar a
confirmação: o nosso Bispo, Dom António Francisco,
dará entrada na diocese do Porto nos primeiros dias
de Abril.
A sua chegada a Aveiro coincidiu com a primeira
eleição da atual Mesa Administrativa e, desde o
primeiro contacto, assumimos que estava ali quem
nos podia escutar, aconselhar, indicar caminhos e,
sobretudo, ensinar. Os nossos encontros, previstos
para serem breves, ultrapassavam uma hora e jamais
esquecerei o conforto que aqueles momentos me
proporcionaram. O nosso Bispo deu-nos o prazer e a
honra de estar connosco em todos os atos
importantes desta Santa Casa, sendo enorme a
Provedor
confiança e segurança que nos transmitiu.
Fazemos nossas as palavras do nosso Capelão como
sincero reconhecimento por tudo quanto nos deu.
Obrigado Dom António Francisco. A sua passagem por
estas terras foi breve mas ficará sempre nos nossos
corações. Sabemos que leva um pouco deste povo
empreendedor. Os nossos desejos dos maiores êxitos
no seu apostolado, estando certos que não
deixaremos de nos encontrar enquanto andarmos
nestas coisas da solidariedade, pois parte substancial
do distrito ficará à sua guarda.
Pensamos ter dado o passo definitivo para por em
andamento a segunda fase da obra Irmãos Rangel,
uma vez que nos foi dada a necessária autorização
dos irmãos para concluirmos o processo de garantias
ao empréstimo Jessica/CGD. Foram trabalhosas
negociações. Mas a obra tem de ser concluída e essa
motivação fez-nos andar para a frente mesmo
mordendo o lenço.
Nunca será por demais apelarmos à presença dos
irmãos nas nossas instalações e, sobretudo, nas
assembleias gerais. Necessitamos de opiniões, reparos
e conselhos pois os tempos que atravessamos assim o
exigem.
Precisamos
de
ultrapassar
os
condicionalismos que nos vem sendo colocados ao
arranque dos projetos que temos em carteira: Casa do
Seixal, Unidade de Cuidados Continuados e Solar de
Sarrazola. Como lembrou Bento XVI “A urgência não
está inscrita só nas coisas, não deriva apenas do
alcançar dos acontecimentos e dos problemas, mas
também do que está em jogo”.
Março 2014
O Provedor
Lacerda Pais
1
Sede
COMEMORAÇÃO DOS 515 ANOS
DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO
A origem da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro está
ligada à fundação da primeira Irmandade da
Misericórdia, na Sé de Lisboa a 15 de Agosto de 1498,
por iniciativa de D. Leonor de Lencastre. Esta nova
confraria regia-se por princípios estabelecidos no seu
"Compromisso", o qual foi aprovado por D. Manuel I e
confirmado pelo papa Alexandre VI. Ao longo destes
últimos cinco séculos tem a Misericórdia de Aveiro
vindo a prestar apoio aos mais necessitados,
cumprindo assim com o preceituado nas 14 obras de
misericórdia. Não obstante as vicissitudes da história
do país terem condicionado uma ação menos
abrangente, resistiu e manteve-se inabalável no
cumprimento integral de tais preceitos.
É pois de assinalar tão longa e dedicada existência.
Nesse sentido, teve a Mesa Administrativa a gentileza
de oferecer aos Irmãos da Misericórdia e cidadãos de
Aveiro um programa de atividades de índole cultural e
cultual, que decorreu ao longo de três meses.
Assim, a 3 de Novembro, deu-se início às cerimónias
comemorativas com um discurso de abertura do
Provedor Dr. Lacerda Pais seguido de uma
comunicação a marcar os 10 anos de aniversário do
restauro do órgão de tubos, pelo Prof. Domingos
Peixoto. O Padre Georgino Rocha presidiu à habitual
Missa Dominical acompanhada pelo Coro da
Misericórdia e pela organista Dra. Marília Canhoto.
Esta cerimónia culminou com a apresentação do Hino
da Misericórdia de Aveiro, com texto de Eugénio
Beirão, música de João Gamboa e acompanhamento
de Domingos Peixoto.
A 16 de Novembro, esteve uma vez mais o centenário
órgão de tubos em destaque pela mão do organista
Nuno Alexandrino, acompanhado por Paulo Margaça
no trompete piccolo, com um repertório de música
clássica adaptado à temática da comemoração do
aniversário da Santa Casa. Na segunda parte do
concerto, e inspirados na herança histórica da Santa
Casa e na antífona “Onde há caridade e o amor, Deus
está presente”, o grupo coral Voz Nua apresentou
obras como ‘Ubi Caritas’ do Maurecie Durufle,
‘Bogoroditse Devo’ de Sergei Rachmaninoff, numa
versão do ‘Ave Maria’, escrita no século XX e ‘Beatus
Vir’ do compositor Claudio Monteverdi.
Ainda com a colaboração do grupo coral Voz Nua, sob
a orientação da maestrina Aoife Hiney, decorreu na
Igreja da Misericórdia um concerto de Natal com a
especial participação dos alunos do Centro Infantil de
Aveiro (SCMA).
Por forma a fundamentar documentalmente a
atividade da Instituição nos últimos 515 anos,
realizou-se uma exposição na qual se assinalaram
alguns momentos de interesse histórico, cujos
registos avivam a memória do papel assistencial desta
instituição de solidariedade, a sua importância,
determinação e espírito perseverante para com o
povo da região. Foram vários os documentos
expostos, que integram o acervo documental histórico
da Misericórdia, como atas de reuniões de mesa,
compromissos, registos de Irmãos, legados de
benfeitores e registos de propriedades.
Para finalizar esta data tão significativa para a história
da instituição, não poderíamos deixar de homenagear
os Provedores que por ela passaram e que a
mantiveram viva. Essa homenagem concretizou-se
com uma exposição intitulada “Os Provedores da
Misericórdia”, na qual foi possível conferir, através de
uma linha cronológica, os mandatos para os quais
foram eleitos ou nomeados, e lembrá-los pelos
retratos da nossa Galeria de Provedores.
2
Detalhes da Cerimónia e Inauguração da Exposição
3
Casa da Cruz
Atelier de coroas/ Cavalgata
Festejámos a cavalgata: festa popular em Espanha
que celebra a chegada dos Reis à cidade para
distribuir os presentes pelas crianças.
A cavalgata, na nossa Instituição consistiu na
realização de coroas e a elaboração de postais. As
crianças juntaram-se por valências para trocar os
postais com os outros amigos.
Depois da troca dos postais fomos à sala do
Polivalente para assistir a um teatro feito pela
Educadoras sobre a Lenda do Bolo-Rei.
Troca de postais com os amigos
Teatro a Lenda do Bolo-Rei
Hora do conto
Foi no passado dia 27 de Fevereiro, que a nossa
escolinha recebeu a visita de dois contadores de
histórias da editora Estação das letras – o Tiago e o
Paulo.
No período da manhã, as crianças das salinhas dos
12/24 meses, dos 12/36 meses e dos 24/36 meses
ouviram e viram a dramatização da história Artur e os
três porquinhos. Estiveram com muita atenção e
curiosidade durante toda a história para
acompanharem o desenrolar da mesma e, também,
para ficarem a saber qual o desfecho, pois esta
história tinha um personagem muito especial: o Artur,
o pequeno pintainho.
Era visível a atenção prestada
A história, Artur e os três porquinhos, contada pelo
Tiago e o Paulo
4
S. Gonçalinho
Em janeiro festeja-se o S. Gonçalinho, uma festa
muito popular para os aveirenses que a vivem de uma
forma intensa durante os 5 dias que lhe são
reservados. Este ano a Festa de S. Gonçalinho
decorreu do dia 9 a 13 de janeiro.
As crianças do Pré escolar foram a Aveiro assistir às
atividades do “S. Gonçalinho para as crianças”, que
decorreu no dia 13 de janeiro. Viram uma peça de
teatro, animação de palhaços e foram distribuídas
cavacas.
Uma tradição que se cumpre todos os anos
com muita alegria
Festival “Unidos com Europa”
No Festival, que decorreu no dia 30 de janeiro, foram
representados alguns países europeus: Portugal,
Espanha, Itália, França e Reino Unido. As
apresentações pautaram-se pela diversidade e
transmitiram claramente parte do conhecimento
adquirido durante este mini projeto. Não há dúvida
que as crianças se empenharam na preparação deste
evento. No final de cada atuação sentia-se a
satisfação no ar.
A sala 12/24 meses representou o “Flamenco”. A sala
dos 12/36 meses a Dança: “Tarantella”. A sala dos
24/36 meses: Dança: “Malhão”.
“A sala dos 3/5 anos a canção: “How many fingers do
you have” e a sala dos 4/5 anos a canção de embalar:
“Frère Jacques”.
5
Hora do conto no Pré Escolar
Durante uma tarde chuvosa de Fevereiro, as crianças
do Pré escolar viram três histórias animadas pela
“Estação das letras”: “O capuchinho vermelho”,
“Corre, corre, cabacinha” e “ Os três porquinhos”.
Viram as histórias dramatizadas de várias formas: com
fantoches, projetadas no teto e encenadas pelo ator
Tiago Duarte.
Comemoração do Dia dos
Namorados – oferta de
amuletos da sorte
A pretexto de comemorar o dia dos namorados,
organizámos uma celebração diferente do que se faz
habitualmente, porque iniciámos o período dedicado
às temáticas referentes ao continente africano. Neste
dia especial, as crianças agruparam-se por valência,
ora na sala dos dois anos (creche), ora no salão (préescolar), onde receberam a visita da deusa Ísis,
interpretando um importante ritual egípcio, do tempo
dos faraós. Esta personagem, que representava os
valores da amizade e do afeto para o povo do Egipto,
distribuiu a cada criança um amuleto e muitas
mensagens de boa sorte. Todas as crianças
receberam, assim, um coração, que é símbolo
universal dos afetos e passaram o Dia de S. Valentim
com a sua auto estima em alta.
A visita da deusa Ísis, cumprindo um importante ritual
do tempo dos faraós
Diferentes formas de ouvir e ver as histórias
representadas.
Distribuição do amuleto, mas também de mensagens
de boa sorte
6
A deusa Ísis oferece um coração, símbolo universal
dos afetos
Conto “A árvore generosa”
Os pais aderiram em força ao convite feito pela
editora Estação das Letras e no fim da tarde, do dia 27
de Fevereiro, vieram à Casa da Cruz para ouvirem e
verem a dramatização da história “A árvore
Generosa”.
Este livro é o mais conhecido do escritor e ilustrador
norte-americano Shel Silverstein. O clássico, escrito
em 1964, comoveu gerações com a história de uma
árvore e um menino. Com poucas palavras, Silverstein
fala da relação entre o homem e a natureza, onde
uma árvore oferece tudo a um menino, que a deixa de
lado ao crescer, ao mesmo tempo que se torna num
homem egoísta. Mas para agradar ao menino que
ama, a generosidade desta árvore não tem fim - ainda
que isto signifique a sua própria destruição.
Os pais juntarem-se aos seus filhos para ouvirem e
verem a dramatização da história “A árvore
Generosa”
Desfile de Carnaval
O Continente Africano foi o Rei do nosso Carnaval,
que saiu à rua no passado dia 28 de Fevereiro. Pelos
passeios de Esgueira desfilaram girafas, leões, zebras
e faraós. Esta foi mais uma ótima oportunidade de
contactar com a comunidade envolvente e de dar
visibilidade aos projetos desenvolvidos na Casa da
Cruz, destacando o pleno envolvimento das crianças.
Aproveitamos para agradecer a todos os que
acompanharam e colaboraram no desfile, em especial
aos pais.
Duas fortes qualidades aliam-se neste livro. O facto de
abordar questões fundamentais como o tempo, a
morte, a vida, a relação amorosa e de amizade, tudo o
que nos posiciona face aos outros e a nós próprios,
assim como a aposta ao nível estético, na sobriedade
narrativa e ilustrativa, com o traço simples e preciso
de Silverstein.
As zebras
7
Foram momentos muito divertidos e deixaram nas
crianças o desejo de que a experiência se repita em
breve.
Os faraós
Muita diversão e alegria marcaram este dia
Os coloridos leões
Um dia na savana com…
Deram largas à imaginação e puderam brincar,
personificando qualquer animal a seu gosto.
No dia 11 de Março, as crianças das valências de
creche e pré-escolar tiveram uma manhã bem
diferente e divertida!
Para libertar energias, testar o equilíbrio e indo ao
encontro do projeto Unidos com a África as nossas
crianças puderam brincar num insuflável e aí dar
largas à sua imaginação e fazerem de conta que
estavam na savana, onde eram leões, zebras girafas e
elefantes.
8
Complexo Social da
Moita
Visita de dois grupos corais
No dia 5 de Janeiro, o Complexo Social da Moita
recebeu a visita de dois grupos Corais que nos
presentearam com as suas atuações.
O Grupo Coral Polifónico de Aveiro apresentou um
conjunto de músicas populares portuguesas e
algumas alusivas a Aveiro, todas bem conhecidas dos
utentes que participaram com alegria, acompanhando
a música com palmas e os que podiam até dançaram
um pouco.
Em seguida, pelas 16h30, atuou o Grupo Coral da
Igreja do Carmo que cantou as Janeiras, antecipando
o Dia de Reis. Os utentes também acompanharam
com alegria as canções que tão bem conheciam.
Grupo Coral da Igreja do Carmo
No dia 7 de Janeiro, pelas 15 horas, decorreu o
Concerto de Piano que contou com a atuação da
professora Eva Ribau, do conservatório de Aveiro. Os
utentes ficaram muito entusiasmados pelas músicas,
cantando sempre que sabiam a letra.
A professora Eva escolheu um reportório popular, mas
também tocou uma valsa e um corridinho.
Grupo Coral Polifónico de Aveiro
9
Festa do S. Gonçalinho
No dia 13 de Janeiro de 2014, como já é habitual, um
grupo de utentes da Estrutura Residencial foram até à
Capela de São Gonçalinho assistir à celebração da
Eucaristia.
A professora Eva Ribau, do conservatório de Aveiro
No final da Eucaristia, encontravam-se no adro da
capela algumas centenas de crianças para uma manhâ
de animação. Houve tempo para falar com amigos,
familiares e com alguns mordomos da festa que
ofereceram um saco de cavacas para trazer para a
Estrutura Residencial e partilhar com os restantes
utentes.
Altar da Capela de S. Gonçalinho
Uma assistência muito atenta ao som produzido pelo
instrumento musical maravilhoso que é o piano.
10
Grupo de Danças e
Cantares da ADAC
No dia 19 de Janeiro, o grupo cultural de Danças e
Cantares da ADAC promoveu um pequeno espetáculo
que decorreu no hall de entrada do Complexo Social
da Moita.
O grupo, composto por cerca de 30 elementos e
trajados a rigor, apresentou um repertório alusivo à
nossa cultura folclórica que muito animou a tarde de
domingo dos utentes.
No final, em jeito de agradecimento, ofereceu-se a
cada elemento do grupo um sorriso íman, para
recordarem os sorrisos que proporcionaram nesta
tarde.
Foi um agradável espetáculo, com muita música, dança e convívio
11
Dia dos Namorados
O Dia dos Namorados ou dia de São Valentim
celebra-se a 14 de Fevereiro. Este dia é conhecido
por ser o dia mais romântico do ano. Este ano
convidamos os familiares a declararem o seu
amor e carinho pelos familiares aqui
institucionalizados. Fosse através de uma carta,
de um postal, de uma frase ou de uma foto. Toda
a demonstração de carinho que nos chegou
serviu para decorar “A Árvore do Amor” que foi
colocada no Hall de entrada. O resultado final foi
muito interessante.
Seguem-se algumas das mensagens expostas:
“Chegar à terceira idade, não significa o fim da
vida. É sim sentir a felicidade, de mais uma etapa
vencida.” (familiar do casal Manuel Neves e Maria
da Luz Nunes).
“Em 1960 juramos amor para sempre. Hoje dia
dos namorados, quero dizer-te que te amarei até
à eternidade.” (esposa do Sr. Dâmaso Melo).
“Mãe há só uma, tu e mais nenhuma. Toda a vida
trabalhaste! Graças ao teu esforço e ao do pai
sou o que sou hoje. Dei-te dois netos
maravilhosos que te adoram. Obrigada por tudo
mãe! Adoro-te.” (filha da utente Ilda Rodrigues).
“Maria eu te Amo Muito” (marido da utente
Maria de Jesus Coelho).
Para além da construção da Árvore do Amor
foram entrevistados cerca de 25 utentes das
várias valências. As perguntas foram iguais para
todos “O que é para si o sentimento Amor?”;
“Como conheceu o seu marido/esposa?”;
“Lembra-se do seu 1º beijo?”; “Como foi o dia do
seu casamento?”.
As respostas foram variadas e algumas muito
engraçadas, tendo em conta a idade e o contexto
social da época de namoro.
Ficam aqui registadas algumas respostas:
O que é para si o sentimento Amor?
“Eu sei lá o que é o Amor. Já se passou há tanto
tempo. Agora não sei.” Ilda Rodrigues;
“O Amor é a melhor coisa que a gente tem na
vida.” Natália Mendonça;
“O Amor é uma coisa impressionante.” Margarida
Saraiva;
“ O Amor é uma coisa que se sente. É uma pessoa
gostar imenso uma da outra, é darem-se bem.”
Maria da Luz Pinheiro;
“ O Amor é um sentimento humano de ternura
de duas pessoas de sexo diferente.” Maria Luisa
Vilhena;
“Ai isso agora, eu sei lá o que é o Amor…é
namorar! É gostar de um pessoa e essa pessoa
gostar de mim.” Conceição Costa;
“O Amor para mim é a melhor coisa do mundo,
tenha a certeza.” Conceição Surrador;
“Aí o Amor, é a coisa mais bela do mundo.
Quando se ama e quando é o verdadeiro amor.
Trocam-se tantos beijinhos e tantas palavras
doces. É uma maravilha.” Eduardo Tavares;
“O Amor é capaz de ter um bocado de várias
coisas. É preciso que a gente se dedique
inteiramente. É necessário compreensão entre os
dois, é necessário a gente saber cativar. O Amor é
uma coisa bonita evidentemente.” Etelvina
Capela;
“O Amor é uma coisa boa. É uma companhia que
se tem.” Graciete Guimarães;
12
“O Amor é a gente entender-se bem e dar-se
bem. É sentirmos a falta um do outro.” Rosa
Costa;
“O Amor é uma coisa muito bonita, muito
sentimental. Mexe com o coração dos dois.”
Olinda Modesto;
“O Amor é gostar de outra pessoa, é ter
consideração por essa pessoa, amar muito e fazer
tudo por essa pessoa.” António Modesto;
“O Amor é o agrada e agarra.” Natália Augusta.
Lembra-se do Primeiro beijo?
“Já não me lembro bem mas foi bom.” Ruth
Zenhas;
“Foi na minha terra, porque eu namorei 2 anos
por carta sem o ver. Foi um beijo às escondidas,
pois valha-me Deus alguém sonhar naquele
tempo.” Cândida Romão;
“Lembro. Foi assim…roubado. O meu marido
roubou-me um beijo, mas depois eu também lhe
dei!” Conceição Costa;
“Esse primeiro beijo… ela era muito arisca!
Toquei-lhe entre a janela, eu do lado de fora e ela
do lado de dentro. Toquei-lhe e ela tumba, deume uma chapada.” Eduardo Tavares;
“Foi às escondidas, porque antigamente
namorava-se à janela, ao portão, e foi dado às
escondidas, mas foi bonito, foi sentido.” Olinda
Modesto;
No dia 14 de Fevereiro, foi apresentado um filme
com as entrevistas e com fotografias dos nossos
utentes acompanhados pelas suas caras metades.
O filme foi do agrado de todos os utentes e
alguns até largaram umas lágrimas de alegria ao
recordarem momentos passados.
Outras atividades
Ao longo do mês de Fevereiro e Março, entre
outras atividades, foram desenvolvidas diversas
ações, desde jogos de mesa tradicionais a
atividades de cariz cognitivas e de expressão
plástica com os utentes da Estrutura Residencial,
Centro dia e Serviço domiciliário.
Uma das atividades desenvolvidas foi a
construção de um Jornal de Parede, que ficará
exposto na sala de animação, onde foi elaborado.
O seu propósito é ajudar os utentes a
localizarem-se no tempo, bem como a estarem
atentos ao que se passa à sua volta e, ainda,
estarem informados sobre a atualidade. Além de
notícias o Jornal de Parede possui um calendário
que inclui o tempo e a estação do ano.
A realização destas atividades permitiram
fortalecer a motricidade, precisão manual e
coordenação psicomotora, bem como estimular a
criatividade e a concentração.
“ O primeiro beijo foi logo uma bofetada na cara.
Ele deu-me sem ordem e eu pimba!” Natália
Augusta.
13
Outra atividade que contou com uma grande
participação foi a construção do jogo do Bowling.
Inicialmente, pintá-mos folhas de jornal de
diversas cores e após estas estarem secas,
cortamo-las em tiras e colocamo-las dentro de
garrafas de plástico, por cores.
No final jogou-se um pouco, tentando derrubar
as garrafas.
Esta construção permitiu explorar com os utentes
as cores e a contagem.
14
Carnaval
Jogo
A Malha
O jogo da Malha foi também uma atividade muito
bem acolhida pelos utentes demonstrando que
ainda têm muita pontaria.
No dia 27 de Fevereiro, comemorou-se mais um dia
de Carnaval no Complexo da Moita. A festa foi
realizada com a “prata da casa”, teve início pelas
14h30 e contou com música, coreografias e teatro.
“Os índios andam por aí!”, abriu o espetáculo. Os
utentes vestidos de índios representaram uma
pequena peça de teatro, seguida de uma coreografia
alusiva aos índios. Em jeito de carnaval, surgiu uma
ministra muito séria que mostrava os motivos pelos
quais não havia necessidade de existir feriados em
Portugal. Houve posteriormente um momento mais
“religioso” em que um padre juntamente com o seu
sacristão ouviam os lamentos de duas senhoras muito
crentes a reclamar da falta de dinheiro na paróquia.
Seguiu-se um estudante que defendia com muita
convicção as razões pelas quais diz não ter tempo
para estudar. Para concluir o programa assistiu-se a
uma pequena peça de teatro intitulada “O Cão”
seguida de uma coreografia apresentada pelos
utentes.
Assim se assinalou mais um carnaval, com música,
teatro, alegria e boa disposição.
A realização destas atividades permitiram
fortalecer a motricidade, precisão manual e
coordenação psicomotora, bem como estimular a
criatividade e a concentração.
15
Festa de Carnaval 2014
Dia do Pai
Dia 19 de Março, Dia do Pai, mais um ano que os
nossos utentes celebraram esta data de forma
especial.
Na sala de trabalhos foram realizados umas caixinhas
com uma mensagem aos pais e colocaram-se doces
antes de serem fechadas cheias de ternura. Essas
caixas foram todas recortadas, moldadas e pintadas
pelos utentes presentes na sala de trabalhos.
Neste dia, um grupo de utentes realizou uma carta
para os pais, cada um contribuindo com uma frase,
que aqui se transcreve:
“Meu querido Pai (D. Ilda Rodrigues) hoje é o teu dia
(D. Natália Mendonça), eu gosto muito de ti (D. Olinda
Modesto), desejo-te muita saúde (D. Natália
Mendonça), foste sempre muito querido (D. Olinda
Modesto) e foste o meu educador (Sr. Rui Vilela).
16
Contigo eu aprendi a ser carinhoso com a minha filha
pois tento ajudá-la em tudo o que eu posso na vida.
(Sr. António Modesto).
Dá-me saúde para continuar a viver (D. Fernanda),
sempre, sempre amigo, fiel, amoroso, honesto,
carinhoso, bom trabalhador e sábio em todas as ações
no decorrer do tempo (Sr. António Modesto).
Foste sempre muito trabalhador e amigo de todos (D.
Ilda Rodrigues).
Por hoje é tudo.
Beijinhos e um grande abraço
O doce dentro da caixa alimenta a lambarice, a
mensagem alimenta a alma
Deste/a teu/tua filho/a
As caixas prontas para serem entregues com lindas
mensagens
Os “papás” ficaram contentes com a prenda
Quem conta um Conto
Numa sessão do “quem conta um conto” usou-se uma
série de palavras alusivas à chegada da primavera com
o intuito de se fazer uma história, mas rapidamente as
pessoas se interessaram em fazer rimas. De palavras
soltas como “Sol”, “Chuva”, “piquenique”, “perfume”,
“chilrear”, “Cores”, “terra”, “jardim”, “flores”,
“família” entre muitas outras, o resultado final foi
este.
Um cravo e uma caixa
17
Primavera Colorida
Quinta Ecológica da Moita
A primavera está chegar
Vamos abrir as janelas
Para novo ar entrar
A QEM iniciou o ano de 2014 com a exibição do
documentário premiado sobre Empreendedorismo
Social “Quem se importa” de Mara Mourão, a 31 de
janeiro, num serão concorrido e aquecido à lareira da
Sala Tyto alba do Centro de Educação Ambiental,
antiga casa dos caseiros. O debate teve como
convidados a Dra Rosa Madeira e Dra Paula Santos do
Dep. De Educação da UA e o Dr Acácio Conde,
Secretário da Assembleia Geral da Santa Casa da
Misericórdia de Aveiro e Coordenador Distrital da
Rede Europeia Anti-Pobreza. Seguiu-se durante o mês
de Fevereiro a Recuperação e Manutenção das Linhas
de água e Vegetação Ribeirinha, através do projeto
europeu Promoriver, do qual a ASPEA é o parceiro
Português, tendo recebido voluntários que se
juntaram aos da QEM.
Vou colher uma Margarida
Para minha casa enfeitar
Ela ganha vida
Após sol e chuva apanhar
Sentir a vida crescer
Ouvir andorinhas a chilrear
Ver as flores nascer
E os campos floridos a ficar
Árvores para plantar
Com família e amigos
Vamos apreciar
Surge novo ciclo
Para todos Amar
No jardim debaixo de uma árvore
A terra transborda de cores
Vamos fazer todos um piquenique
E deliciarmo-nos com bons sabores
Altura de semear
Favas, batatas, couves
Vamos todos ajudar
Para ver desabrochar
A PRIMAVERA, que interessante,
Vai-se embora charmosa e elegante
Chega VERÃO muito contente
Com sol surpreendente
Foi instalado o Apiário Pedagógico com o apoio do
apicultor profissional e formador Harald Hafner – A
Abelha Azul, e ajuda dos voluntários da QEM. A
inauguração foi a 22 de fevereiro, com grande
sucesso, durante o evento “Conhecer as abelhas e
Outros Insetos Polinizadores”. Teve a colaboração
também dos estudantes de Biologia da UA Fábio Mota
e Vasco Santos, responsáveis pelo inventário dos
insetos polinizadores na QEM, da apicultora Jenny
Tavares voluntária na QEM e da educadora Helena
Burbuleta que nos contou a estória “Ciclo do Mel”.
Estiveram presentes durante as atividades da visita da
manhã e da tarde cerca de 100 pessoas, entre adultos,
crianças, apicultores e curiosos em conhecer melhor o
mundo destes importantes insetos. No final, após um
dia animado, as opiniões foram unânimes, tendo os
participantes deixado testemunhos em como acharam
as atividades excelentes, em como aprenderam
imenso sobre as abelhas e outros polinizadores em
apenas um dia, em como se aperceberam que é
urgente e importante agir para a sua conservação e
nossa sobrevivência e como podem facilmente
contribuir.
18
O Apiário Pedagógico será dedicado a atividades
diversas de formação e divulgação para o público em
geral, escolar e apicultores, estando a partir deste
momento abertas as inscrições para grupos de
adultos, crianças e escolas, com pré-marcação para
[email protected] ou 965879150. O
módulo de atividades “Conhecer as Abelhas e Outros
Insetos Polinizadores” inclui uma introdução ao
mundo das abelhas, polinizadores e apicultura,
seguida do trilho na mata para conhecimento da flora
melífera com interesse para estes insetos, da
exemplificação do estudo científico dos polinizadores
e da visita ao Apiário Pedagógico, terminando com a
prova de mel. Está em estudo a colocação de um
sensor ambiental para monitorizar a atividade das
abelhas, dentro de uma colmeia do Apiário
Pedagógico, fazendo parte do projeto da tese de
mestrado do aluno André Nobre da UA.
Estes cerca de 70 alunos para além da intervenção
artística e pedagógica do Jardim Aquático
anteriormente mencionado, estão a desenvolver
protótipos
de
merchandising,
brinquedos
pedagógicos. Recebemos a aluna Federica Brognara
do Instituto Politécnico de Turim que vem terminar a
sua tese de mestrado realizando um projeto de
energias renováveis na QEM.
Para seguir as nossas atividades e fotografias visitenos no facebook Quinta Ecológica da Moita e
contacte-nos para [email protected]pea.org.
A 21 de Março comemorou-se a Festa da Primavera
trazendo mais de 80 alunos de Oliveirinha para
conhecerem a QEM e participar nas oficinas
“Conhecer as Abelhas e Outros Insetos Polinizadores”,
“Há Vida na Água”, “Florestar a Mata” e “À
Descoberta da Mata com Arte”. O Jantar da Primavera
terminou o dia, tendo estas duas atividades feito
parte do projeto das alunas Alexandra Marco, Patrícia
Alfres e Tânia Jacinto da Escola Profissional de Aveiro.
Os trabalhos de recuperação da antiga casa dos
caseiros para Centro de Educação Ambiental
continuam a decorrer, além do Voluntariado
Ambiental da QEM às 4feiras e 6feiras das 14h às 17h,
que tem ajudado igualmente na limpeza do bambuzal,
manutenção da Horta Pedagógica Mandala e outras
tarefas de manutenção na Mata da Moita e charcos.
A QEM está a desenvolver um Projeto Educativo de
atividades com alunos da Escola Superior de Educação
de Viseu. Encontra-se em estudo pelos alunos
finalistas de Design do Departamento de
Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, o
projeto do Jardim Aquático dos Anfíbios e Répteis,
como forma de reaproximar as população destes
seres mal-amados, mas muito abundantes e com
papel ecológico importante na Mata da Moita.
19
Festa da Divina Misericórdia
No dia 27 de abril, o domingo a seguir à Páscoa,
ocorre a Festa da Divina Misericórdia, festa instituída
por João Paulo II e que tem vindo a ser implementada
na Igreja. Por sugestão do nosso capelão, Dr. Pe.
Georgino Rocha, a SCMA fará sua esta festa e irá
celebrá-la de modo condigno.
20