hemocultura - Laboratório Humberto Abrão

Сomentários

Transcrição

hemocultura - Laboratório Humberto Abrão
A RTI GO
DEZEMBRO | 2014
HEMOCULTURA
A hemocultura é considerada o melhor teste laboratorial para detecção de micro-organismos no sangue.
Bacteremia, fungemia e viremia são condições nas quais
as bactérias, fungos e vírus circulam pelo espaço vascular. Quando o paciente não está ciente dos micro-organismos circulantes, esta condição é chamada de
silenciosa ou subclínica. Já a septicemia é uma síndrome
clínica caracterizada por febre, calafrios, mal-estar,
taquicardia, hiperventilação, toxicidade e prostação. A
septicemia ocorre quando as bactérias circulantes se
multiplicam a uma taxa que excede sua remoção pelos
fagócitos. A sepse é um dos principais motivos para a
solicitação do exame de hemocultura indicando quais
bactérias, fungos ou seus produtos tóxicos estão
agredindo o organismo.
A bacteremia pode ser classificada em transitória,
intermitente ou contínua de acordo com a forma que os
micro-organismos penetram na corrente sanguínea. A do
tipo transitória em geral é rápida e é a mais comum,
ocorrendo após a manipulação de algum tecido infectado (abscessos e furúnculos), ou algum procedimento
cirúrgico que envolve algum tecido contaminado ou
colonizado (odontológico, endoscopia), ou em algumas
infecções agudas como pneumonia, meningite, artrite e
osteomielite. A bacteremia intermitente ocorre quando as
bactérias de um local infectado são periodicamente
liberadas na corrente sanguínea por abscessos extravasculares ou infecções das cavidades do corpo como
empiema, peritonite ou artrite séptica. A bacteremia
contínua ocorre por infecções intravasculares como
endocardite bacteriana ou dispositivos infectados como
fístulas arteriovenosas, cateteres intra-arteriais ou cânulas de demora.
Para a realização do diagnóstico laboratorial em geral
são pedidas duas ou mais hemoculturas, colhidas como
amostras consecutivas. É frequente a solicitação simultânea do hemograma que irá determinar se o paciente tem
um aumento da global de leucócitos no sangue, indicando uma possível infecção. Outros exames também
podem ser úteis, como urocultura e culturas de escarro e
líquido cefalorraquidiano.
Altas taxas de morbidade e mortalidade são atribuídas
à infecção da corrente sanguínea em crianças e adultos
em todo o mundo. Assim, uma detecção rápida e com
boa acurácia dos casos de bacteremia e fungemia é
fundamental para os devidos cuidados com o paciente.
O laboratório de microbiologia é parte integral e
indispensável no gerenciamento da sepse para entregar
resultados com alto valor diagnóstico e no menor tempo
possível para que o médico faça a opção do tratamento
adequado, melhorando a saúde do paciente.
Considerando a hemocultura como exame de extrema
importância, nos preocupamos em liberar com urgência
resultados parciais, principalmente, aqueles que
apresentarem qualquer sinal de positividade, mantendo o
médico ou o paciente informado sobre o isolamento de
micro-organimos para a determinação da conduta
terapêutica adequada.
Dra. Cynthia Medeiros Silva Eufrásio
Departamento de Microbiologia
Referências:
http://www.labtestsonline.org.br/. Acesso em ��/��/��.
Koneman EW. Allen SD, Dowell VR et al. Diagnóstico Microbiológico. �º
Edição, Rio de Janeiro: Ed. Médica e Cientifica, ����. ����p.
SILVA, Cléia et al. Incidência Bacteriana em Hemoculturas. Newslab. Edição
��. ����.
OPLUSTIL, Carmen et al. Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica. �º
edição. São Paulo: Sarvier, ����.
BARBOSA, Ismar et al. Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia
Clínica/ Medicina Laboratorial (SBPC/ML): Boas Práticas em Microbiologia
Clínica. Barueri, São Paulo: Manole, ����.
*Este material tem caráter meramente informativo. Não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico ou automedicação. Em caso de dúvidas,
consulte seu médico.
www.humbertoabrao.com.br
/Laboratório Humberto Abrão