bom médico - Fenacerci

Сomentários

Transcrição

bom médico - Fenacerci
Quando os nossos doentes
são…
…diferentes!
André dos Santos Rocha
Catarina Avillez de Basto
Índice
• Fundamentos básicos da relação médico-doente
• A disciplina de Introdução à Saúde Mental
– Trabalho de campo na CERCICA
– Importância da intervenção formativa em comunicação
– Relação clínica na deficiência mental
– Modelo comunicacional SPIKES
– Case-study: A vida da Sássia
O que é um bom médico?
• “Saiba escutar”
• “Saiba resolver problemas”
Se a Medicina não fosse objectiva seria impossível;
Se fosse só científica e objectiva, seria inumana.
Christian
MEDICINA BASEADA NA RELAÇÃO
O que é um bom médico?
Ser capaz de um diagnóstico preciso é uma prova da competência médica
Ser capaz de dizer ao doente o que deve saber é arte médica
Informar os pais que o bebé tem uma doença geradora de uma grave
perturbação do desenvolvimento, designadamente um défice cognitivo, é
uma das mais difíceis tarefas que estão cometidas aos profissionais de
saúde, muito particularmente aos pediatras.
M. Palha, pediatra
Comunicação Médico-Doente
Tem como ingredientes principais a afectividade e o intelecto, em proporções
sempre variáveis, conforme as gentes e as circunstâncias.
J. Lobo Antunes
As vantagens de COMUNICAR (bem):
• Colhe-se mais e melhor informação
• Doente percebe melhor o que se quer transmitir
• Cumpre melhor as nossas recomendações
• Valor terapêutico da linguagem
Antunes, J.L.; Numa Cidade Feliz. Lisboa, 1999
Aluno-Médico-Doente
Capacidades a desenvolver nos alunos e jovens médicos:
I.Atention
Disease often tells its secrets in a casual parenthesis
II.Intuition
III. The art of handling the living flesh
IV.The art of healing the sick man’s mind
Trotter
Antunes, J.L.; Numa Cidade Feliz. Lisboa, 1999
Aluno-Médico-Doente
Aluno inexperiente…
… diálogo é mais empático, mais quente, procurando com mais atenção os
factores psicológicos e sociais
Aluno mais avançado…
… diálogo mais estruturado, mais seco, de perguntas fechadas.
Davis et al., 1992
Introdução à Saúde Mental
ISM - Trabalho de campo
Na prática clínica…
Na prática clínica…
A maior parte dos doentes pretende saber o máximo possível sobre a sua
doença, causas, tratamentos e prognóstico.
Ley, 1988
Muitos doentes consideram que o período de maior stress é o anterior ao
diagnóstico.
Roslyn Corney, 1996
Nunca me deviam ter ocultado nada. Visto ainda hoje ser quase uma incógnita o que
é que se passou. Não houve ninguém que se dirigisse a mim e dissesse: "... Olhe,
durante o parto passou-se isto e isto”.
(mãe de uma criança com paralisia cerebral)
Na prática clínica…
Intervenção Formativa em Comunicação
Os profissionais de saúde com boas aptidões de comunicação:
• Têm maior satisfação profissional e menos stress laboral
• Identificam os problemas dos doentes e famílias de forma mais pertinente
•Vêem os seus doentes aderirem melhor e ficarem mais satisfeitos
Correu bem, porque o médico explicou-me com calma, deu-me toda a oportunidade
de eu também falar, de eu dizer o que estava a sentir na altura, e apoiou-me
bastante, acho que sim, acho que ele me apoiou. Pronto, foi uma pessoa que ao me
comunicar, também estava a sentir o que me estava a dizer. E depois tentou
tranquilizar-me, acalmar-me um bocadinho.
(Mãe de uma criança com Síndrome de Down)
Maguire, 2002
Relação Clínica em situação de doença
j
Su
b
iví
d
Ind
Ind
ic
át
pr
o/ o
ífic im
nt sân
c i e De
t o ro –
en Er
im ncia –
ec
nh ficiê
Co Insu
uo ecti
- S va
ife
ing çã
re
nç
ula o
rid
De a – N
ad
sa
e
e
mp gli
a r gê n
o
cia
–
Médico
Inquietude
Vulnerabilidade
Fragilidade
o
Incerteza – Risco – Desespero
Doente
Sofrimento/Dolência
Doença
Barbosa, A.; Neto, I.G.; Manual de Cuidados Paliativos, 2006
Estratégias Adaptativas
Focalização Hipervigilante
Actuação
CONTROLO
Afe
ta
en
Minimização
am
ort
mp
Co
cti
vo
Agressividade/Rejeição
Resignação
l
Cognitivo
Negação
Dependência
Evitamento
“Não
quero
estar
como
estou”
Redução
“A
“Penso
Procura
“Era
minha
“Odrástica
um
que
obstinada
vida
tumor
não
está
da
sei
posso
“Não
tensão
pequeno,
nas
de
não
informação
éfazer
suas
me
nada
através
fere,
mãos,
era
mais
detudo
importância”
de
não
nada
etenho
monitorização
comportamentos
oquero
que
por
a certeza
isto,
eu
ouvir
queria
é falar
oque
constante
meu
ouvir”
exagerados
nisso”
serei
destino”
salvo”
Barbosa, A.; Neto, I.G.; Manual de Cuidados Paliativos, 2006
Modelo SPIKES
S
and trategy
Summary
Adaptado de Buckman, 2005; Gronita, 2008; Matos & Marques ,2008
Sássia:
um exemplo de vida
• Sássia
• 19 anos
• S. Prader-Willi
Síndrome de
Prader-Willi
CERCICA - Curso de Tratadora de Animais
Eu gosto muito de animais.
Os meus animais preferidos são: o golfinho, o chiwawa, o yorkshire e o doberman.
Sássia Zoo – Um projecto de coragem
Para a minha filha Sássia,
Às vezes penso e sinto, como desejaria ter tido o poder de transformarte numa menina como todas as outras….
Sinto orgulho de ti, sobretudo por seres como és e quero que saibas que
todos nós somos um pouco de ti.
Mãe Que Te Adora