Jornal Torrejano

Сomentários

Transcrição

Jornal Torrejano
Edição de 16 Junho 2006 • N.º 519 • II Série • Ano 12 • Director: Joaquim da Silva Lopes
Secções
REGIÃO
Anterior
1ª Página
Opinião
Desporto
Útil
Agenda
Roteiro
Emprego
Títulos
Sociedade
SANTARÉM
Livros a preços baixos, escritores
e música na Feira do Livro
O Jardim Sá da Bandeira, em Santarém vai ser palco, de 23 de Junho a 2 de Julho, da 4ª
edição da Feira do Livro, que conta este ano com a presença de cerca de 60 editoras.
Região
Durante nove dias, o espaço do Jardim da Sá da Bandeira recebe vários escritores, como
Baptista Bastos, Júlio Isidro, Carlos Barros, Manuela Gonzaga e Galopim de Carvalho,
entre muitos outros. Num cenário de livros, os sons musicais e dançantes também não
vão faltar a partir das 22 horas.
A Feira do Livro abre as portas no dia 23 e logo pelas 18 horas, Manuela Gonzaga
apresenta a biografia de António Variações e, à noite, o público para além dos vários
livros que vai ter à sua disposição a preços mais baixos poderá, ouvir o "Trio Pé Descalço
& Bruce MacRorie" com Pedro Neves (piano), Leandro Silva (bateria) e Rui Salgado
(contrabaixo). Actuação, às 22 horas, em quarteto com Bruce MacRorie na voz, tocando
temas de Jaimie Caulum.
No dia 24, o jornalista Carlos Barros vem à cidade natal apresentar o seu primeiro livro
"Vazio de Cores", que inclui alguns contos relativos a Santarém. O autor será apresentado
pelo radialista Paulino Coelho. O FRINGE – Festival de Dança Contemporânea é a
proposta de animação para este dia, também às 22 horas, de Ellis Wood Dance Company.
O programa prossegue no domingo, dia 25, pelas 18 horas, com o Galopim de Carvalho
que vem até Santarém conversar sobre os dinossauros e os seus vestígios. Às 22 horas, a
música jamaicana dos anos 60 desde o ska-jazz instrumental ao rocksteady já do final
dessa década, passando igualmente pelo skinhead reggae vai invadir o Jardim do Sá da
Bandeira. A música é dos "Contratempos – SKA& Rocksteady" que actuaram na noite da
passagem de ano em Santarém.
A animação continua no dia 26, à mesma hora com o Grupo Baile Triana e o Grupo
Alpana (Sevilha), onde o canto e o baile associam-se às outras artes do flamenco; a
guitarra e a percussão exibindo momentos festivos através de sevilhanas, rumbas,
fandangos e tangos flamencos, tanguilhos e bulerías. O "Trio do Gato Simeão" actua no
dia 27. Com apenas três instrumentos vão ser abordados os ambientes latinos
transportando-nos à Bossa Nova e aos seus compositores (Tom Jobim, Vinícius).
A Feira do Livro continua no dia 28, com Rui Migueis, Filipa Galvão, Carlos Migueis,
Fernanda Gaspar, Fernando Morgado e José M. Rodrigues que apresentam "Poetas da
Terra" – Vale de Figueira, às 18 horas. De seguida, os visitantes poderão assistir, às 22
horas, a um concerto de cordas, com "Quarteto de Cordas Eventus Damni".
Mais um livro, desta vez "Santarém no Tempo de D. João V", no dia 29, às 18 horas, da
autoria da professora Fátima Reis. A autora será apresentada pelo professor Joaquim
Veríssimo Serrão. Neste dia, poderá desfolhar livros ao som de música popular brasileira
com o "Grupo Chorinho de Tércio Borges".
O Jardim Sá da Bandeira foi também o local escolhido para o encerramento do ano lectivo
do Departamento de Dança do Círculo Cultural Scalabitano, na sexta-feira, dia 30. O
espectáculo conta com a participação de todas classes (10 níveis).
O apresentador Júlio Isidro vai estar na cidade no dia 1 de Julho, para apresentar o seu
último livro para crianças "Planeta de Cristal", às 18 horas. Com ilustrações de Inês do
Carmo, o livro é uma "Nova Aventura dos Primos". Ainda neste dia, às 19 horas, Baptista
Bastos vem questionar "Que é isso de Ler?"
A música clássica volta ao Jardim do Sá da Bandeira, neste dia, com a "Orquestra
Filarmonia das Beiras". Sob a direcção do maestro C. Bochmann, a orquestra vai
interpretar obras de Stravinsky, Ravel, Bochmann e Wagner.
A 4ª Feira do Livro culmina no dia 2 de Julho, com ritmos cabo-verdianos. A primeira
parte do espectáculo vai estar a cargo dos "Filhos da Raíz" – Grupo da Associação de
Estudantes dos PALOP e a segunda com os "Refilon". Bandas reflexo da génese
multicultural do cabo-verdiano com uma linguagem que assenta na cultura e nos ritmos
de Cabo Verde em fusão com todo o conjunto de experiências vividas, emoções sentidas
e influências partilhadas.