Os 10 vulcões mais destruidores da história

Сomentários

Transcrição

Os 10 vulcões mais destruidores da história
Os 10 vulcões mais destruidores da história
Publicado em 25.10.2011
A ciência melhorou com os anos, sim, e muito, mas ainda assim, não dá para arriscar
morar em áreas de atividade vulcânica. Tanto criaturas pré-históricas quanto seres humanos
modernos nem sempre tiveram tempo suficiente de alerta para escapar antes de um vulcão
explodir, às vezes destruindo praticamente tudo à sua volta. Confira algumas das maiores e mais
destrutivas erupções vulcânicas que já ocorreram na Terra:
1 – Planalto de Deccan, Índia
Foto aérea da cratera Lonar na Índia, que repousa no interior do Planalto de Deccan, a planície vulcânica de basalto
maciço de rocha que sobrou da erupção.
Deccan Traps são um conjunto de campos de lava na região do Planalto de Deccan, no
que hoje é a Índia. Os campos de lava cobrem uma área de cerca de 1,5 milhões de quilômetros
quadrados, e estiveram envolvidos numa série de erupções vulcânicas colossais que ocorreram
entre 63 e 67 milhões de anos atrás.
O momento das erupções coincide sensivelmente com o desaparecimento dos
dinossauros, a extinção em massa do período Cretáceo-Terciário. Evidências vulcânicas para a
extinção dos dinossauros formaram-se nos últimos anos, embora muitos cientistas ainda apoiem
a ideia de que um impacto de um asteroide foi o que os exterminou.
2 – Parque Nacional de Yellowstone, EUA
Vulcão Yellowstone.
A história do Parque Nacional de Yellowstone é marcada por muitas erupções enormes,
sendo a mais recente ocorrida há cerca de 640.000 anos.
Quando este supervulcão gigantesco explodiu, enviou cerca de mil quilômetros cúbicos
de material para o ar. As erupções deixaram para trás campos de lava endurecidos e caldeiras,
depressões que se formam no chão quando o material abaixo irrompe à superfície.
As câmaras de magma do Yellowstone também fornecem ao parque um dos seus
símbolos duradouros, geiseres, conforme a água aquecida pelo magma quente flui debaixo da
terra.
Alguns pesquisadores previram que o supervulcão vai explodir mais uma vez, um evento
que iria cobrir até metade do país em cinzas de até 1 metro de profundidade. O vulcão parece
entrar em atividade uma vez a cada 600.000 anos, embora seja impossível saber ao certo se ele
vai explodir novamente. Recentemente, porém, tremores foram registrados na área de
Yellowstone.
3 – Thera, Santorini, Grécia
Ilha vulcânica de Santorini, atualmente.
Embora a data da erupção do vulcão Thera não seja conhecida com certeza, os geólogos
pensam que ele explodiu com a energia de várias centenas de bombas atômicas em uma fração
de segundo.
Não existem registos escritos da erupção, mas os geólogos acreditam que pode ter sido
a mais forte explosão já vista na Terra. A ilha que acolheu o vulcão, Santorini (parte de um
arquipélago de ilhas vulcânicas), tinha sido o lar de membros da civilização minóica, embora haja
algumas indicações de que os habitantes da ilha do vulcão suspeitavam que ele iria explodir e
evacuaram.
Mas, apesar dos moradores poderem ter escapado, há motivos para especular que o
vulcão perturbou fortemente a cultura, com tsunamis e declínios de temperatura causados pela
enorme quantidade de dióxido de enxofre que expeliu na atmosfera e alterou o clima.
4 – Monte Vesúvio, Itália
O Monte Vesúvio é um estratovulcão que se encontra a leste de Nápoles, Itália.
Estratovulcões são estruturas cónicas altas e íngremes que, periodicamente, explodem e são
comumente encontradas onde uma placa tectônica da Terra está submergindo abaixo de outra,
produzindo magma ao longo de uma zona particular.
A erupção mais famosa do Vesúvio é aquela que enterrou as cidades romanas de
Pompeia e Herculano em rocha e poeiras no ano de 1979, matando milhares de pessoas. As cinzas
preservaram algumas estruturas da cidade, bem como esqueletos e artefatos que têm ajudado
os arqueólogos a entender melhor a cultura romana antiga.
O Vesúvio é também considerado por alguns como o vulcão mais perigoso do mundo hoje, com
uma erupção massiva que ameaçaria mais de 3 milhões de pessoas que vivem na área. A última
erupção do vulcão foi em 1944.
5 – Laki, Islândia
Ilha Laki, atualmente.
A Islândia tem muitos vulcões que surgiram ao longo da história. Uma explosão notável
foi a erupção do vulcão Laki, em 1783.
A erupção de 1783 libertou gases vulcânicos que foram levados pela corrente do Golfo
para a Europa. Nas ilhas britânicas, muitos morreram de intoxicação por gás. O material vulcânico
enviado para o ar também criou pôr dos sóis ardentes, registrados por pintores do século 18.
Danos às culturas e perda de gado lançou a fome na Islândia, que resultou na morte de
um quinto da população. A erupção vulcânica, como muitas outras, também influenciou o clima
do mundo, conforme as partículas que enviou para a atmosfera bloquearam alguns dos raios do
sol.
6 – Monte Tambora, Indonésia
A enorme caldeira formada pela erupção de Tambora, com 6 quilômetros e 1.100 metros de profundidade.
A explosão do Monte Tambora é a maior já registada por seres humanos, qualificada
como 7 (ou “super colossal”) no Índice de Explosividade Vulcânica, a segunda colocação mais alta
no índice.
O vulcão, que ainda está ativo, está localizado na ilha de Sumbawa e é um dos picos mais
altos do arquipélago indonésio. A erupção atingiu o seu pico em abril de 1815, quando explodiu
tão alto que foi ouvida na ilha de Sumatra, mais de 1.930 quilômetros de distância. O número de
mortos da erupção foi estimado em 71.000 pessoas, e nuvens de cinzas pesadas desceram sobre
ilhas distantes.
7 – Krakatoa, Indonésia
Vulcão Krakatoa em erupção.
Os rumores que precederam a erupção final do Krakatoa nas semanas e meses do verão
de
1883
finalmente
chegaram
ao
clímax
em
uma enorme explosão em 26/27 de abril.
A erupção explosiva deste vulcão, situado ao longo de um arco de ilhas vulcânicas na zona
de subducção da placa indo-australiana, ejetou enormes quantidades de rocha, cinzas e pedrapomes e foi ouvida a milhares de quilômetros de distância.
A explosão também criou um tsunami, cuja máxima altura das ondas chegou a 40 metros
e matou cerca de 34.000 pessoas. Medidores de maré registraram que mesmo cerca de 11.000
quilômetros de distância na península Arábica houve aumento na altura das ondas.
Enquanto a ilha que outrora abrigava Krakatoa foi completamente destruída na erupção,
novas erupções em dezembro de 1927 construíram o cone Anak Krakatau (“Filho de Krakatoa”),
no centro da cratera produzida pela erupção 1883.
8 – Novarupta, Alasca
Cratera do Novarupta coberta com gelo
A erupção do Novarupta – um vulcão de uma cadeia de vulcões na península do Alasca,
parte do Anel de Fogo do Pacífico – foi a maior explosão vulcânica do século 20.
A erupção poderosa enviou 12,5 quilômetros cúbicos de magma e cinzas no ar, que
cobriram uma área de 7.800 quilômetros quadrados e mais de um metro de profundidade. A
explosão foi tão poderosa que drenou magma sob um outro vulcão, o Monte Katmai, alguns
quilômetros a leste, fazendo com que o cume do Katmai entrasse em colapso e formasse uma
caldeira.
9 – Monte St. Helens, EUA
Erupção do Monte St, Helens
O Monte St. Helens, localizado a cerca de 154 quilômetros de Seattle, é um dos vulcões
mais ativos dos Estados Unidos. A erupção mais conhecida foi a 18 de maio de 1980, que matou
57 pessoas e causou danos a dezenas de quilômetros ao redor.
Ao longo do dia, os ventos dominantes sopraram 520 milhões de toneladas de cinzas para
o leste através dos Estados Unidos e causaram a mais completa escuridão em Spokane,
Washington, a centenas de quilômetros do vulcão.
O vulcão explodiu uma coluna de cinzas e poeira de 24 quilômetros para o ar em apenas
15 minutos; algumas dessas cinzas foram posteriormente depositadas sobre o solo em 11
estados. A erupção foi precedida por uma protuberância de magma na face norte do vulcão, e a
erupção fez com que essa face norte inteira deslizasse – o maior deslizamento de terra já
registrado na história. Em 2004, o pico voltou à vida e vomitou mais de 100 milhões de metros
cúbicos de lava, juntamente com toneladas de rocha e cinzas.
10 – Monte Pinatubo, Filipinas
Erupção vulcânica do vulcão Pinatubo.
O Pinatubo é outro estratovulcão, localizado numa cadeia de vulcões numa zona de
subducção. A erupção cataclísmica de Pinatubo foi uma erupção explosiva clássica. A erupção
expulsou mais de 5 quilômetros cúbicos de material no ar e criou uma coluna de cinzas que se
levantou por 35 quilômetros.
As cinzas acumularam-se fazendo com que telhados desmoronassem com o peso. A
explosão também gerou milhões de toneladas de dióxido de enxofre e outras partículas no ar,
que se espalharam ao redor do mundo por correntes de ar e fizeram a temperatura global cair
cerca de 0,5 graus Celsius ao longo do ano seguinte.
Notícia adaptada de:
http://hypescience.com/os-10-vulcoes-mais-destruidores-da-historia/