Leonardo Carap - IBRE

Сomentários

Transcrição

Leonardo Carap - IBRE
Gestão de Pessoas e Complexidade Organizacional:
O desafio nos Hospitais Públicos
Leonardo Justin Carâp
1
Contexto Geral
Organizações e Complexidade
Origem
Transição
Situação Atual
2
Contexto Geral
Hospitais e Complexidade
Origem
Transição
Situação Atual
3
Complexidade Organizacional
4
Complexidade Organizacional
Mão de Obra Intensiva
Autonomia do Profissional
Trabalho Auto Regulado
Capital Intensivo
Densidade Tecnológica
Tecnologia Cumulativa
5
Complexidade e Hospitais
As Pessoas como Fator Crítico de Sucesso
Ser Humano como elemento estrutural da organização
capaz de interferir e transformar diretamente
os processos assistenciais
Estrutura
Processos
Resultados
6
Os Desafios
Governabilidade
Governança
7
Os Desafios
 Busca de Modelos para a Efetividade da Gestão
8
Os Desafios
Efetividade da Gestão
Clínica e Administrativa
Poder
9
E o que se tem feito?
A Busca por Novos Modelos de Gestão (Alternativos?)
 Cooperativas
 Organizações Sociais
 Organiz. da Sociedade Civil de Interesse Público
 Fundações Públicas de Direito Privado
 Serviços Sociais Autônomos
 Empresas Públicas
10
Dificuldades
 Muitas Corporações Internas;
 Distintas Lógicas de Produção;
 Imprevisibilidade / Incerteza / Ruído;
 Baixa Profissionalização em Gestão;
 Defasagem entre Modelos
Assistencial e Administrativo.
11
Os Resultados
 Os modelos admitem Liderança? Ou só Chefias?
 Quais Compromissos? Quais Papéis?
 Quem manda e quem obedece? Dicotomia?
 Liderança ligada ao Exercício Profissional Hegemonia Médica
 Liderança ligada à Prática Médica Especializada Hegemonia de Especialidade Específica
12
Os Resultados
 As Organizações Alternativas e a quarteirização;
 O médico e o enfermeiro como recursos escassos;
 A perpetuação da precarização do trabalho;
 As start ups e as soluções mágicas (e mirabolantes)
O “pega plantão”
13
Os Resultados
Uso Institucional do “Pega Plantão”
Depoimento de Gestor Hospitalar:
“O serviço do site tem atendido muito bem nossas
necessidades. Tivemos o atendimento de
médicos que preencheram diversas vagas em
alguns meses. Estou satisfeito.”
14
Os Resultados
Notícia:
Estudante de Medicina é autuado por homicídio após morte
de paciente em hospital particular de Bangu;
A diretora informou que o hospital também se sente lesado,
uma vez que o estudante de medicina se apresentou como
se na verdade fosse o médico.
Ainda de acordo com a polícia, as investigações apontam
que a procura por um médico que trabalhasse no plantão da
clínica foi feita pelas redes sociais.
Fonte: G1 – 10/09/2014
15
Apostas Alternativas
 Definição da Política e Diretrizes para o setor;
 Sinalização para um Modelo Inclusivo;
 Espaços de Negociação Interna;
 Contratualização, Apoio e Compromisso;
 Governança Institucional;
 Governança Clínica;
16
Apostas Alternativas
 Unidade Funcional - Local de execução do
Contrato: Processo de Planejamento alinhado
com as Diretrizes Institucionais e definição
interna de Objetivos e Metas;
 Unidade Funcional – Fim do organograma
corporativo ? (maior desafio);
 Estar Voltado para Fora... Para a Vida Real.
17
Itens Obrigatórios da Agenda
 Conselho de Administração;
 Gerência Colegiada;
 Investimento na Cultura de Avaliação: (qualidade,
segurança. custos, satisfação interna e externa);
 Investimento na Comunicação Lateral;
 Autonomia com Responsabilização por Resultados.
18
Expectativas Norteadoras
 É possível mudar a Cultura Organizacional;
 É possível atenuar o Espírito de Corpo;
 É possível conquistar os Médicos;
 É possível descentralizar em UFs sem perder o
sentido de Unidade Institucional;
 Construir Lideranças p/ mudança: Bem preparadas
Bem remuneradas, Legítimas e com Dedicação
Integral - a força do exemplo.
19
Obrigado
[email protected]
20