lar – quando a Rússia imperial regularmente comprava veí

Сomentários

Transcrição

lar – quando a Rússia imperial regularmente comprava veí
www.latinaero.com
lar – quando a Rússia imperial
regularmente comprava veículos a gasolina, aeronaves,
armamento navais e rádios
da França, então o principal
parceiro econômico e militar
do Império czarista.
Para este importante acor­
do, a DCNS será o contratante principal e também
fará a integração do centro
de combate e dos sistemas
de comunicação do navio. A
venda destes dois primeiros
BPC para a Rússia representa
mais de 1.000 empregos na
França durante um período
de quatros anos. O primeiro
navio será entregue à Rússia
em 2014, três anos após a entrada em vigor do contrato. O
segundo será dado um ano
depois em 2015.
Um navio da classe “Mistral”, geralmente mencionado como um “porta-helicó­
pteros” é capaz de transportar
e lançar 16 heli­cópteros, quatro barcos de desembarque,
de tropas, até 70 veículos, incluindo 13 tanques de com­
bate e 450 soldados equipados. O navio tem um hospital
moderno de 69 camas e pode
ser usado como navio anfíbio
de comando, como habitualmente sendo este o caso na
marinha francesa, onde os
BPC sediam os quartéis-generais da EUFOR e da OTAN
em turnos.
Deve ser lembrado que
a Federação Russa primeiro
manifestou interesse na
cooperação bilateral com a
França em equipamentos e
tecnologia naval em 2008,
quando o chefe da marinha
russa, almirante Vysotsky, visitou a feira Euronaval 2008
na França. O almirante disse
que num momento em
que a marinha russa – VMF,
Voyenno-Mor­
skoy Flot Rossii – estava interessada em
“pesquisa conjunta e também
Number 1 - 2011
 Helicópteros Kamov Ka-25 e Ka-29TB da marinha
russa pousam a bordo do navio francês Mistral
no Golfo da Finlândia em novembro de 2009.
Russian Navy Kamov Ka-25 and Ka-29TB helicopters
pictured taking turns in November 2009 to land on-board
the FS Mistral in the Gulf of Finland. © DCNS
compras diretas de equipamento naval francês”. Claro, a
grande maioria dos analistas
ocidentais consideram qualquer resultado positivo neste
campo ser simplesmente im­
possível ! Aprovado pelo presidente Medvedev no final
de 2009, o programa naval
oficial de rearmamento russo 2010-2015 destaca que,
pela primeira vez na história
soviética/russa, o desenvolvimento da marinha no
mesmo patamar que o das
forças nucleares estratégicas.
Não é surpresa que o atual
estoque de armas nucleares
russo seja dos mais potentes
do mundo.
Por outro lado, a Rússia
de hoje está disposta a desempenhar um papel mais
visível em operações de manutenção de paz multinacionais e anti-terroristas por
todo o mundo, enquanto
expande seu domínio natural dos mares para águas
mais quentes e exóticas.
Um papel no qual o BPC
francês pode provar ter uma
ótima relação custo-bene-
vehicles, aircraft, naval guns
and radio equipment from
France, then the Czarist Empire’s main economic part­ner.
For this important settlement, DCNS will act as prime
contractor and will also integrate the combat centre and
com­munication systems. The
sale of the first two vessels to
Russia represents more than
1,000 full-time jobs in France
over a period of four years.
The first BPC will be delivered
to Russia in 2014, three years
after the contract’s coming
into force. The second will be
delivered a year later in 2015.
A Mistral-class ship, gen­
erally referred as a “helicop­
ter carrier”, is capable of
transporting and deploying
16 rotorcraft, four landing
barges, up to 70 vehicles including 13 main battle tanks,
and 450 soldiers. The vessel is
equipped with a 69-bed hospital and could be used as an
amphibious command ship,
as it is habitually the case in
the French Navy where the
BPCs host EUFOR or NATO
deployed HQs on turn.
It should be remembered
that the Russian Federation
first expressed an interest in
bilateral cooperation with
France in naval equipment
and technology in 2008,
when the VMF chief of staff
Admiral Vladimir Vysotsky
visited the Euronaval 2008
show in France. The admiral
noted at the time that the
Voyenno-Mor­skoy Flot Rossii
(VMF) or Russian Navy was interested in “joint research and
also direct purchases of French
naval equipment”. Of course,
a vast majority of Western
analysts then considered any
pos­itive outcome in this field
to be simply impossible!
Approved by President
Dmitri Medvedev in late
2009, the official Russian naval 2010-2015 rearmament
programme stresses, for
the first time ever in Soviet/
Russian history, the development of the navy on an
equal footing with that of the
strategic nuclear forces. This
is no surprise as the current
Russian nuclear weapons and
stockpile remains one of the
world’s most potent.
On another end, Russia
today is willing to play a
more visible role in international peace-keeping or
multinational
antiterrorist
op­erations around the world
while expanding its natural
sea domain to warmer and
more exotic waters. A role for
which a BPC can prove both
cost-efficient and high­
ly visible politically.
The 2010-2015 Russian armament procurement prog­
ramme is expected to see the
replacement of up to 45% of
the military inventory in the
army and navy, it is said. Out
of an almost 5 trillion roubles
sum (about €133 billion)
allocated for military rearmament, 25% will be made
revista Latinaero 15

Documentos relacionados