Clayton - Instituto Abolicionista Animal

Сomentários

Transcrição

Clayton - Instituto Abolicionista Animal
O Comércio Internacional de Golfinhos Selvagens
Valdelane Azevedo Clayton1
Desde tempos imemoriais, a humanidade dedica uma profunda fascinação pelo
golfinho. E pode - se dizer que um forte laço de amizade, e ás vezes até mesmo místico,
tem existido entre humanos e golfinhos. Na antiga Grécia, o assassinato de um golfinho
era considerado um sacrilégio contra os Deuses e punido com a morte. Esse decreto
baseava-se em parte em intuição espiritual, e em parte, por admiração e apreciação da
alta inteligência e compaixão dessas creaturas. Nas palavras do filósofo Plutarco,
golfinhos são as únicas creaturas que procuram amizade por razões puramente
altruisticas, sem nenhum pensamento de ganho pessoal. As lendas, mitos, mosaicos e
afrescos da civilização grega representam golfinhos resgatando pessoas em naufrágios ou
por vezes sendo montados por crianças. No entanto, talvez a maior homenagem humana
aos golfinhos é o mito do oráculo de Delfos, local considerado o umbigo da Mãe Terra,
onde Apolo, o benevolente deus que manifestava-se em forma de golfinho, servia de
intérprete entre o seu pai, Zeus, e a humanidade2.
No entanto, enquanto golfinhos eram venerados pelos gregos, os romanos
simplesmente os matavam e os comiam. Esses extremos de percepção ainda persistem
hoje, no mundo moderno. Estórias de golfinhos enfrentando tubarões para salvar
banhistas ainda são ouvidas. Porém, essas histórias são abafadas por estórias de cruéis
caças ao golfinhos pelo mundo. Ademais, esses magníficos cetáceos estão em vias de
extinção por causa das atividades humanas tais como a poluição e contaminação dos
oceanos por pesticidas, metais pesados, plásticos, poluição industrial e agricultural. Além
disso, métodos da industria pesqueira, como o uso de redes, pursui sene3, e as caças aos
golfinhos também são atividades que estão contribuindo para a extinção. De fato, dentre
1
Valdelane Azevedo Clayton é ativista e advogada, inscrita na seção de São Paulo. Atualmente mantêm residência em
Austin, capital do estado Norte Americano do Texas. É colaboradora de David Favre no Animal Legal and Historical Web Center:
http://www.animallaw.info/
2
3
The Rose-Tinted Menagerie a History of Animals in Entertainment, from Ancient Rome to the 20th Century
Método de pesque de atum ....(inserir mais informação)
todas as ameaças a existência dos golfinhos, talvez uma das maiores seja a caça aos
golfinhos, como por exemplo, o “drive fishery ”4 no Japão. Anualmente em torno de
20.000 golfinhos são caçados e cruelmente mortos. Mais de 2.000 golfinhos são
capturados vivos e transportados para diversas partes do mundo para servirem em
programos de interação com humanos ou para servirem para a indústria de aquários e
parques marinhos. Apesar que as caças ao golfinhos têm sido praticadas por séculos nas
regiões costeira do Japão, há suficiente evidência apontando a conexão entre o crescente
número de aquários e parques marinhos e as caças e capturas de golfinhos no mundo
contemporâneo (driven by demand).
De fato, com o crescimento da indútria do turismo, aquários, parques marinhos,
como também hotel resorts que oferecem programas de interação com golfinhos, têm
proliferado pelo mundo, principalmente nas áreas do Caribe, Mexico, e Sul do Pacífico.
Enquanto alguns golfinhos são nascidos em cativeiro, muitos golfinhos são capturados de
seu habitat natural para suprir a demanda crescente e para sustituir aqueles que morreram
no cativeiro. Alguns países em desenvolvimento percebem a captura, o treinamento, e a
exportação de golfinhos como uma oportunidade de gerar lucros econômicos. Um
golfinho bem treinado pode alcançar um preço de 30 até 90 mil doláres cada um (linda
M.B. Paul).
A Nações Unidas reconhecendo a ameaça de extinção dos golfinhos pelas
atividades humanas, e reconhecendo-os como um “tesouro vivo”, declarou o ano de
2007, O Ano do Golfinho. Essa campanha tem como objetivo a conscientização acerca
do golfinho selvagem e as atividades humanas que estão causando a extinção desses
seres. No entanto, como é ressaltado no website das Naçoes Unidas, a campanha nao
visa os golfinhos em cativeiro, e racionalizam afirmando que por se tratar de uma
campanha patrocinada pela UNEP (convention om migratory species of wild animals)
que trata somente de animais selvagens e migratórios, os animais em cativeiro não estão
incluídos nessa campanha. Mas, não estão os golfinhos selvagens sendo caçados para
servirem para os aquários e parques marinhos? E não estão essas atividades tendo
impacto incalculáveis na população de golfinhos selvagens? Então, seria imprescindível
4
Nome dado ao tipo de técnica de caça aos golfinhos usados no Japão
que as Naçoes Unidas também dirigisse suas discussões acerca das atividades da captura
de golfinhos selvagem para o cativeiro, e questionar a necessidade de se manter
golfinhos em cativeiro. Pois o comércio internacional de golfinhos para cativeiro está
fomentando a capturas e caças ao golfinhos selvagen, causando um impacto ainda não
calculado cientificamente nas populações selvagens nas regiões de capturas.
Assim, esse artigo demonstrará que existe uma conexão entre a indústria do
cativeiro e as caças de golfinho selvagens. Além disso, apresentará argumentos
científicos e éticos pelo fim do cativeiro de cetáceos, com a intenção de demonstrar que
manter-se animais em cativeiro não presta-se a fins educacionais ou conservationistas,
mas é uma atividade que visa somente ganhos financeiros. Como também, analisará as
principais leis e tratados internacionais que têm como escopo a proteção do golfinho com
o intuito de demonstrar que as atuais leis internacionais geralmente são meros
regulamentos que não são suficientes para assegurar a sobrevivência desses magnifícos
animais não-humanos. E por fim, argumenta-se para a extensão de direitos fundamentais
aos cetáceos, como vida, liberdade, e dignidade.
I – A Natureza dos Golfinhos
Golfinhos são mamíferos marinhos, baleias com dentes pertecentes a order
Cetacea, subordem Odontoceti, familia Delphinidae . Existem cerca de 40 espécies de
golfinhos de água salgada, como os golfinhos listrados (Stenella coeruleoalba), Golfinhopintado-do-atlântico (Stenella frontalis), Gofinho-roaz, (Tursiops truncatus). Além
desses, existem cerca de 12 espécies de água doce que são encontrados na América do
Sul e Asia. (inserir mais detalhes)
Esses mamíferos marinhos viajam centenas de kilometros, com uma velocidade
em torno de 40 km por hora. Mergulham até 20 metros e podem permanecer submersos
por volta de 15 minutos. Cooperam entre si na busca e caça de comida, alimentam-se de
pequenos peixes, crustáceos, e moluscos (Man et al.2000 in defense of the animals). Eles
são altamente inteligentes, socialmente complexos, vivem e dependem do suporte de
grupos sociais, conhecidos como “pod” ou escolas, que são formados por unidades
familiares.
Golfinhos são seres socialmente complexos, vivem em grandes famílias que são
socialmente organizadas em hierarquias. Essas familias, “pods” ou escolas, são formadas
por volta de uma dúzia de membros. No entanto, quando as condições naturais são
excelentes, como abundância de comida e ausência de predadores, essas familias podem
chegar até 100 membros. Assim como os humanos, esses mamíferos marinhos usam
sexo por outras razões que apenas reprodução, o chamado “sexo social” ( Connor and
Peterson 1994; 112-14). E quando reproduzem-se, têm apenas uma cria de cada vez e em
intervalos de mais de dois anos entre cada cria, existindo uma forte relação emocional
entre mãe e filhote. Esses magníficos cetáceos desenvolvem uma forte conexão
emocional entre si, e normalmente protegem seus familiares feridos ou moribundos.
Muitos estórias atribuem genuíno altruismo aos golfinhos (Norris and Dohl 1980). E
golfinhos são reconhecidos por seus atos corajosos de defender não somente os de suas
espécies mas como também outras espécies como humanos, focas, pinguins.
Recentemente, um outro facinante aspecto cultural dos golfinhos foi recentemente
observado por um grupo de pesquisadores australianos : O golfinho roaz ou nariz de
garrafa ( Tursiops truncatus) quebram esponjas e as usam como capa de proteção em
seus bicos quando fuçam em busca de comida nos assoalhos dos oceanos, e ensinam suas
filhas no uso destas ferramentas. Esse é um comportamento que é passado somente de
mãe para suas filhas. Ressalte-se que este não é um comportamento genético mas sim um
comportamento aprendido. ( Connor and Peterson 1994:195-6)
Cetáceos possuem um dos mais complexos de sistemas naturais de comunicaçao
no reino animal. Comunicam-se entre si por meios de vocalizações como estalos e
assovios. Reconhecem-se uns aos outros por meios de seus assovios, e imitam assovios
como meio de chamar-se uns aos outros ( caldwell and caldwell 1971). os golfinhos nariz
de garrafa (Tursiops truncatus ) possuem um assovio característico de cada individual,
como se fosse uma “assinatura pessoal”, que seria importante no reconhecimento de
individuos e necessário para manter o grupo junto. Golfinhos no seu habitat natural,
vocalizam assobios que serão imitados por outros grupos de golfinhos. Isso seria uma
exemplo de como os golfinhos dirigirem-se uns aos outros individualmente. Eles estariam
usando assovios do mesmo modo que humanos usam nomes. Essa complexa capacidade
de comunicação dos cetáceos é um indício de avançada inteligência, e recentes estudos
afirmam que capacidade de comunicação, ou seja, a abilidade de transmitir informação, é
similar á linguagem humana. Sendo assim, esses estudos sugerem que os cetáceos
poderiam potencialmente estarem se comunicando em sua própria linguagem, e isso os
fariam os unicos animais não-humanos a possuirem uma linguagem.
Um dos fundamentos dos argumentos contra golfinhos em cativeiros é que esses
seres são altamente inteligentes. Ironicamente, é exatamente por serem inteligentes é que
estes cetáceos são alvos da industria de parques marinhos, pois eles podem ententer
comandos dado por humanos e aprender truques para o entertenimento das massas.
Como foi visto anteriormente, a alta complexidade da vida social dos golfinhos, o seu
sistema de comunicação, o profundo laços emocionais de família, o uso de ferramentas,
já por si só presumem uma grande inteligência, talvez somente comparável aos grandes
primatas e ao homem. Mas quão inteligentes são essas creaturas?
Um dos métodos ciêntificos usados para assessar a inteligência dos mamíferos
marinhos é o quociente entre o tamanho do cérebro e a massa do animal. Apesar que o
golfinhos têm um cerebro relativamente menor do que o do homem moderno, os
golfinhos seriam pelo menos tão inteligentes quanto o homem pré historico. porém, esses
estudos nao levam em conta muitas questões, como por exemplo, a estrutura do cérebro
do golfinho é diferente da estrutura do cérebro humano. Além disso, a área do cérebro do
golfinho responsável por sofisticados pensamento e cognição sao mais complexos e de
maior volume do que os mesmos tecidos do cerebro humano. Um outro fator também
negligenciado, é que os cálculos nao levam em conta que grande parte da proporção da
massa do cetaceo é “blubber”, um tecido que não é mantido por nenhuma massa
cerebral. Portanto, considerando esses fatos, é possível que a inteligência dos golfinhos é
comparável com a inteligênica humana.
Golfinhos em cativeiro têm demonstrado excepcional inteligência,
como por exemplo Phoenix e Akeakamai, dois golfinhos cativos mantidos no Hawaii
(inserir mais detalhes) foram treinados em linguagem visual e acústica por meio de sinais
dados com as mãos (hand signals). Os sinais referiam-se a objetos, ações, propriedades, e
relações entre objetos. As sequência de palavras foram construídas de acordo com as
regras gramaticais da língua inglesa involvendo a ordem de palavras, permitindo-se assim
a combinaçao de mais de 200 palavras com significados diversos. Os golfinhos
demonstraram plena cognição de sintaxe com distintas respostas para ordens como por
exemplo, “ pessoa, prancha de surf, buscar” (traga a pessoa para a prancha de surf) e
prancha de surf, pessoa, buscar (traga a prancha de surf para a pessoa). Os golfinhos
também demonstraram a capacidade de executar duas ordens simultaneamente sem ter
sido treinados para isso. Além disso, Phoenix e Akeakamai foram capazes de enter 4
frases novas, e foram capazes de coordenar suas respostas interagindo entre si.
Golfinhos também são auto-conscientes, e são capazes de reconheceremse a si mesmos no espelho( Reiss and Marino 2001). Eles também demonstram estarem
conscientes de seus corpos, pois exibem uma capacidade extraordinária de imitar ações e
posturas de outros animais como por exemplo pinguins, focas, e humanos. E também
imitam a fala humana. (Connor and Peterson 1994: 188-91). Há também estudos que
demonstram que golfinhos aprendem complexas rotinas apenas observando a perfomance
de outros. É fácil presumir que golfinhos são conscientes socialmente, o que é
demonstrado por sua complexa vida social como a presença de hierarquias e relaçoes de
longo termo, incluindo mãe – filhote matêm forte laços emocionais. (Norris and Dohl
1980).
Se golfinhos são capazes de moral julgamento ainda é controverso. Mas com
certeza, golfinhos apresentam traços de personalidade que poderiam ser considerados
virtudes humanas, como por exemplo coragem, e a ternura que nutre por seus familiares.
A atribuíçao de altruismo é uma constante characterística atribuida ao golfinhos que são
capazes de socorrer até mesmos outras espécies.
Por todo o exposto, julgando pelo sua vida social complexa, e sua habilidade de
comunicacão, golfinhos demonstram ser altamente inteligentes e capazes de agir
intencionalmente. E o cativeiro, é uma prática cruel em si mesmo, e imoral, pois como
veremos mais adiante.
II – História do Cativeiro
1913, C. H. Townsend, curador do aquário de New York , teve a idéia de exibir
golfinhos com intuito de atrair público. Assim, 5 golfinhos – roaz (Tursiops truncates)
foram capturados em Norte Carolina. Todos os golfinhos pereceram num periodo de 21
meses em cativeiro. No entanto, os espetáculos com golfinhos somente iniciaram-se em
1938 com o Marine Studios, um dolphinarium5 em St. Augustine, na Florida. Foi neste
estabelecimento que descobriu-se que golfinhos poderiam ser facilmente treinados para
apresentações e espetáculos. Nos anos 60, manter golfinhos em cativeiro para
entertenimento tornou-se popular depois do filme Flipper e série de televisão de mesmo
nome.
Em 1966, o primeiro golfinho foi exportado dos EUA para a Europa. Naqueles
tempos, dolphinariuns se alastraram rapidamente pois não havia legislação ou
preocupação com o bem estar pelos cetáceos capturados. Todavia, em 1972, EUA adotou
o Marine Mammal Protection Act, que proibiu cidadões americanos, sem a permissão do
governo, de capturar golfinhos em qualquer parte do mundo, como também estabeleceu
diretrizes mínimas para o cuidado com golfinhos em cativeiro. Essa nova legislação
combinada com uma nova visão do publico com o bem estar animal e muitos
dolphinariums fecharam suas portas.
No entanto, enquanto nos países desenvolvidos a frequência do público em
parques marinhos têm decaído vagarosamente, os país em desenvolvimento estão
caminhando em outras direção. O negócio envolvendo dolphinariums têm crescido
rapidamente no Caribe, Mexico, e sul do pacífico. No caribe, por exemplo, existem 14
estabelecimentos em operação que oferecem programas “nade com golfinho” . E existem
7 ou 8 estabelecimentos em construção. Muitos desses estabelecimentos são apenas
tanques de concreto, ou lagoas com problemas de fluxo de água. Nessas regiões
normalmente não existem legislação estabelecento regras para manter golfinhos em
cativeiro ou os que têm legislação, não são rigorosamente executadas.
5
Dolphinarium são aquários para golfinhos
III – O empreendimento internacional de Aquarium e Parques Marinhos
O comércio internacional de golfinhos é uma atividade extremamente lucrativa. A
empresa suíça International Dolphin Show (IDS), registrada em Liechtenstein, é uma das
muitas empresas internacionais do cativeiro envolvidas em um mercado multimilhionário, que especializam-se na captura, treinamento, e venda de golfinhos.
O Estados Unidos é o líder mundial desse setor, oferecendo em torno de 9.000
empregos e uma orçamento por volta de um terço de um bilhão de doláres. Segundo a
American Association of Zoological Parks and Aquaria (AAZPA), em 1975, o EUA tinha
1135 mamíferos marinhos em cativeiros, desses, 359 era cetáceos. Em 1983, esse número
cresceu para 1341 animais marinhos de 27 diferentes espécies. Essas “exposições
públicas de cetáceos com “fins educativos”, recebe mais de 130 milhões de visitantes por
ano. ( The Rose Tinted Managerie)
As atividades desse setor é envolto em segredos, pois a exploração de golfinhos
em circos e parques marinhos depende da crença do público de que esses cetáceos estão
felizes no seu confinamento. Uma ilusão que é cuidadosamente nutrida pelos relações
públicas das empresas de aquariums e parques marinhos. De todos as espécies de
golfinhos, o Tursiops truncates é a espécie que sobrevive por mais tempo no cativeiro. A
característica física dessa espécie, uma curvatura em em seu bico que dá a falsa
impressão de um eterno sorriso, o que ajuda esconder do público a dor, a miséria, e a alta
mortalidade no cativeiro. Uma ilusão cuidadosamente nutrida pelos relações públicas das
empresas de aquários e parques marinhos, para assim continuar com os altíssimos lucros
financeiros obtidos com a exploração econômica desses mamíferos marinhos.
Até a década dos anos 80, EUA tinha capturado em torno de 1.500 golfinhos
selvagens. Especula-se que até essa década, no mínimo 2.700 golfnhos-roaz foram
capturados. De acordo com a International Whaling Commision, 4.500 pequenos
cetáceos eram mantidas em cativeiro naquela década ao redor do mundo. No entanto,
essas estatísticas não são realistas pois não levam em conta os animais que morreram no
momento da captura, que muitas vezes excedem 50 % de mortalidade, incluindo fêmeas
grávidas e fêmeas com filhotes. Por exemplo, a empresa suíça International Dolphin
Show em uma caça em 1980, em Taiwan, nas ilhas Penghu, resultou na morte de 60
golfinhos. Operaçoes semelhantes a essa ainda ocorrem no mundo todo, do Japão até o
México, de Iceland até Tailandia, Filipinas e Indonésia. É a lei da demanda e da procura
pois os golfinhos inevitávelmente morrem nas minúsculas piscinas, e é inevitável que
tenham que ser substituídos. (the rose-tinted menagerie)
III. A Caça e Captura
Estima-se que 40-50% de golfinhos em cativeiro nos EUA foram capturados pelas
redondezas da Flórida e de Cuba. Apesar que os governo dos EUA afirma que não tem
emitido permissão para captura de golfinhos selvagens desde 1989, parece que em
prática, a última captura ocorreu em 1993 (Linda M.B. Paul).
A maioria dos métodos de captura de golfinhos é extremamente traumatizante,
invasivas, stressantes, e potencialmente letais. No entanto, o método de captura
considerado mais “humano” é o seine-net, que são capturas feitas usando redes e
pequenos barcos que encurralam os golfinhos juntos e os circulam com as redes. Esse
método é extremamente stressante per se, e causa a morte de muitos golfinhos que
morrem enroscados nas redes. Esse processo é tão estressante que há seis vezes o risco
de mortalidade nos primeiros 5 dias de cativeiro. Mesmo os golfinhos que são soltos
também correm o risco de morrerem por causa de lesões e o alto stress a que foram
submetidos. (HSUS)
Um outro método de caça comumente usado nos cetáceos oceânicos é o “hoop
netting”. Esse método aproveita a tendência natural dos golfinhos de nadarem na frente
dos barcos. O caçador usa uma vara com uma coleira na ponta que é colocado ao redor da
cabeça do golfinho. Esse colar é agregado a uma rede, se o golfinho tentar escapar, é
enroscado pela rede. O golfinho então é puxado a bordo.
Um dos métodos mais violentos e crueis de captura de cetáceos para cativeiros é o
drive fishery, usado primariamente em Taiji e Futo, no Japão. Essas caças envolvem
pequenas frotas de barcos que encurralam os cetáceos em águas rasas. Os caçadores
fazem barulhos na água batendo com varas de metais para confundir o sonar dos
golfinhos. Quando encurralados, os caçadores pulam na água para escolher os melhores
espécimens para o cativeiro, e o resto são cruelmente degolados, que levam horas para
morrer se debatendo na água completamente tingida de sangue.
Em 2003, 78 cetáceos foram vendidos para aquários e dolphinaria pelos caçadores
de Taiji. A ilha Futo que não tinha caçado pequenos cetáceos desde 1999, e que tem um
crescente setor comercial de observação de golfinhos selvagens, em 2005, retomou á caça
envolvendo cerca de 100 golfinhos, aparentemente somente para abastecer áquarios e
dolphinariuns no Japão. 14 golfinhos foram vendidos para aquários, 5 foram mortos para
“estudos científicos”, e pelo menos 4 morreram afogados em decorrência do pânico ao se
enroscarem nas redes. O resto foram soltos para um destino incerto.
Cada golfinho morto nessas caças são vendidos por poucos dólares no mercado de
carne ou de fertilizantes. No entanto, animais vivos são vendidos por mais de 10.000
dólares cada um. O grande lucro da venda de apenas alguns golfinhos fomenta a
continuação do drive fishery e mantém empregos dos caçadores. Muitos dos animais
adquiridos nesse drive fishery podem ser encontrados nos aquários no Japão e outros
países na Asia. Por exemplo, em 2004, Subic, na Filipinas, recebeu falsas baleias
assassinas (Pseudorca crassidens) obtidas nas caças de Taiji. E isso não acontece
somente na Asia, mas também o EUA importou no passado cerca de 20 falsas baleias
assassinas capturadas no drive fhisery. Apesar que os EUA nao têm permitido a
importação de cetáceos por mais de uma década, o governo permite a exportação de
animais, capturados nas águas dos EUA, para aquários no Japão que mantêm cetáceos
capturados em drive fishery.(HSUS)
Além da violência e tortura que esses animais são submetidos, a retirada de
golfinhos selvagens de seu natural habitat tem um substancial impacto negativo nos
animais deixados para trás. Pesquisas no golfinho-roas demonstam da importância em se
manter a comunidade de golfinhos unida, pois que certos individuais são importantes
para a coesão e união do “pod”. Assim, se esses individuais são removidos de seu “pod”,
este grupo pode perder a coesão e dispersar-se. Essa dispersão do grupo poderia trazer
um risco de sobrevivências dos remanescentes animais pois um grupo coeso é de crucial
importância para sobrevivência tanto na caça de comida como na defesa contra
predadores.
Os golfinhos que sobrevivem a captura, ainda têm que sobreviver a terrível
experiência do transporte e muitos não resistem ao trauma e morrem. Os animais são
normalmente transportados dentro de jaulas de alumínio ou madeira, suspensos em macas
irrigadas , que é para proteger os órgãovitais que tornam-se bastante vulneráveis quando
os golfinhos são retirados da água. Essa maca pode funcionar com uma “camisa-deforça” pois os golfinhos se debatem deseperadamente, por isso têm que ser sedados com
Valium para se acalmarem. Aqueles que sobrevivem ao transporte são transportados para
o seu novo habitat que pode ser um zoológico, dolphinarium, circos ou espetáculos
ambulantes.
IV. O cativeiro
Por sua própria natureza, golfinhos não adequados para a vida em cativeiro. Esses
mamíferos marinhos percorrem centenas de kilômetros todos os dias, com uma
velocidade em torno de 40 km por hora. Mergulham até 20 metros e podem permanecer
submersos por volta de 15 minutos. Aquários e parques marinhos não têm a capacidade
de recriar o habitat natural dos golfinhos. A água do tanque que mantêm esses animais é
geralmente quimicamente tratada e filtrada para evitar que eles nadem nas sua próprias
vezes e urina. Se cloro é adicionado á água desses tanques, plantas e peixes vivos não
podem ser colocados na piscina. Esse habitat artificial é muito distante das águas
costeiras do caribe or iceland, com algas, peixes, pedras, areia, e plantas. Enquanto que as
piscinas de aquários são vazias, minúsculas, e quimicamente tratadas. As atividades
naturais como nadar por longas distâncias, o convívio social, a caça por comida, e
percepção acústica são perdidas com o confinamento. As paredes de concreto inibem os
golfinhos de usarem sua abilidades acústicas.
O Professor especialista em cetáceos Giorgio Pilleri, diretor do Instituto de
Anatomia do Cérebro, da Universidade de Berne, na Suiça, no seu estudo sobre cetáceos,
concluiu : “Qualquer que sejam os eforçoes expendidos para manter-se cetáceos em
cativeiro, este sempre irá apresentar problemas por causa da extrínsica contradição do
cativeiro : manter-se em condições apertadas creaturas que estão acostumadas a vasto
espaços abertos.”
Golfinhos em cativeiro sofrem muitos problemas por causa da água quimicamente
tratada. A “água salgada sintética” é composta por H2O, sal, and acido hydrochloric. É
necessário um alta quantidade do sal para se alcançar a pressão osmótica identica ao
habitat natural, mas por causa do alto preço do sal, normalmente não é aplicada a
quantidade necessária, causando assim precário desiquilibrio na composição da água.
Causando dessa forma muito desconforto aos golfinhos, tais como dilaceração, irritação
de pele, e infecções nos olhos, e muitos outros problemas devido a má qualidade da água.
“Golfinhos cativos foram roubados de seu habitat natural” afirma Professor Piller. Tirar
esses animais de seus habitat nada mais é do que tortura a esses animais, acostumados á
beleza dos oceanos, nadando longas distâncias com velocidade de até 60 km, e confinalos os em minúsculas piscinas de concreto”. O tédio do meio ambiente a que esse
golfinhos cativos são submetidos é regra em todos aquários e parques marinhos. O
oceano é multi-dimensional, com plantas interessantes, animais e paisagens. Golfinhos
mantidos em cativeiro tornam-se psicologicamente deformados. De fato, Professor Piller
acredita que o cativeiro, somado a destruição da sofisticada estrutura social dos golfinhos,
causa um profundo distúrbio psicológico, um comportamento neurótico quase idêntico
aos dos humanos mantidos em confinamento solitário. Além disso, o exacerbamento dos
degradantes truques a que são obrigados a praticar em cativeiro, causa a perda de
comunicação, desespero, comportamento suicida, e comportamentos não-naturais como
agressividade causada por sentimentos de claustrophobia intensa. Esses desequilíbrios,
acredita Pilleri, são aparentes não só na forma de comportamentos neuróticos e
compulsivos , que são comportamentos sintomáticos de prisão, mas também na recusa da
maioria dos cetáceos em se reproduzirem em cativeiro.
Há mais ou menos 20 anos atrás, o explorador e diretor de filmes Jacques-Yves
Cousteau chegou a mesma conclusão depois de ver o seus golfinhos cativos cometerem
suicídio. Esses animais, confinados para estudos, propositalmente bateram
incessantemente suas cabeças contra a parede da piscina até morrerem. O que levou
Cousteau a recomendar que golfinhos não sejam retirados de seus habitat. Nas palavras
de Cousteau, “A vida de golfinhos em piscinas causa a confusão de todo o aparato
acústico, o que causa essa sensível creatura a um desarranjo no equilíbrio mental e
comportamental. Além disso, a destruição de sua estrutura social produz uma crise
espiritual interna”. O suicidio nunca foi observado no habitat natural, com exceção nas
capturas de golfinhos selvagens quando alguns indivíduos entram em panico e parecem
deliberadamente tirar suas próprias vidas durante a captura. Quando no cativeiro, alguns
golfinhos selvagens “fazem greve de fome” e recusam-se a comer, e quando isso
acontece eles são forçados a comer.
De acordo com Piller, uma vez em no cativeiro, cetáceos gradualmente começam
a sofrer de um severo mutismo, cessam-se os sons de alta frequência e ecolocalização
para orientação e comunicação. Ainda segundo professor Piller, os cérebros dos golfinhos
encolhem até 42%, e as áreas responsáveis pela comunicação são as mais afetadas. Esse
tipo de degeneração é inevitável, uma vez que os golfinhos não precisam usar ecolização
para caçar pois são alimentados com peixes mortos. De fato, o cientista Russo Awenir
Tomilin concluiu, em seus estudos de cetáceos , que o instinto e o reflexo natural de
caçar torna-se tão suprimido em cativeiro, que o golfinho cativo não tenta caçar peixes
vivos em sua piscina mesmo que esteja com muita fome. Além disso, estudos sugerem
que as ondas de sons de alta frequência em piscina desorientamo os golfinhos. Nas
palavras do especialista em baleias, Dr. Petra Deimer : “se os golfinhos, em seu inato
comportamento, usassem seu “olho acústico” numa piscina de aquário, eles se sentiriam
como que um homem se sentiria em um labirinto de espelhos”.
V- A falácia de fins educativos e conservacionistas
Quando o Congresso norte Americano elaborou o Marine Mammal Protection
Act in 1972, os membros do congresso promoveram a visão de que a pública exibição de
animais em zológicos e aquários servem a um propósito necessário de educação e
conservarção. Consequentemente, muitas leis domésticas, acordos regionais e acordos
internacionais, incorporaram esse ponto de vista de que a captura está proibida, com
exceção para fins de educação e conservação. Leis domésticas e internacionais includem
específicas provisões que suportam o cativeiro de mamíferos marinhos com o propósito
de exibição pública.
Essa plataforma foi adotada sem o benefício de pesquisa científica. De fato,
Centros Marinhos que exibem mamíferos marinhos , normalmente usam esses
animais em espetáculos fazendo truques que nada tem haver com o seu comportamento
natural. Como por exemplo, golfinhos usando gigantes óculos em sua cabeça, ou tendo
seus dentes escovados por escovas gigantes, ou ainda “cantando” uma versão de parabéns
para você. Quase nada é ensinado a respeito do comportamento natural, ecologia,
demografia, ou distribuição de população de golfinhos durante esses espetáculos
marinhos. Aliás, parques marinhos evitam fornecer informações a respeito da história
natural ou como esses animais vivem em seus habitats naturais. Assim, manter-se animais
em cativeiro não presta-se a fins educativos, pois em vez de sensibilizar os visitantes
acerca dos mamíferos marinhos e seu habitat, os tornam insensíveis á intríseca crueldade
de se retirar golfinhos de seu habitat natural para o cativeiro. Esse tipo de atividade
encoraja o público a considerar a vida selvagem como objetos isolados ao invés de
elementos integrais de um ecosistema que tem o seu intrísico valor.
VI - Leis Internacional de Proteção e Acordos internacionais
VII Extençao dos Direitos Fundamentais aos Golfinhos

Documentos relacionados