domingo missionário palotino 5 de outubro de 2014

Сomentários

Transcrição

domingo missionário palotino 5 de outubro de 2014
DOMINGO MISSIONÁRIO PALOTINO
5 DE OUTUBRO DE 2014
DOM HENRIQUE VIETER, APÓSTOLO FUNDADOR
DA IGREJA CATÓLICA EM CAMARÕES
Por ocasião da celebração do centenário da morte do primeiro bispo palotino de
Camarões, D. Henrique Vieter (1853-1914), falecimento acontecido a 7 de novembro de 1914 em
Yaoundé, Camarões. O nosso Domingo Missionário neste ano, dia 5 de outubro de 2014, é
dedicado a esta importantíssima figura missionária. O Bispo Vieter foi importante para o
nascimento e o desenvolvimento da Igreja em Camarões, e mesmo para o enraizamento de nosso
carisma palotino em território alemão, na Polônia e em outras regiões do mundo, e do nascimento
do ramo missionário das Irmãs Palotinas. Recordamos com muito afeto este nosso coirmão, arauto
da evangelização de Camarões, rezando pela continuidade das suas obras apostólicas e
sustentando-as em Camarões e em toda a família palotina. Que seu processo de beatificação já
encaminhado em Camarões possa ter um êxito positivo.
1. BREVE BIOGRAFIA
Gerardo Henrique (Gerard Heinrich) Vieter nasceu a 13 de fevereiro de 1853
em Cappenberg, na diocese de Münster, Alemanha, e foi batizado a 16 de fevereiro
do mesmo ano. Recebeu a primeira comunhão a 25 de abril de 1866, e alguns meses
depois, a crisma. Carpinteiro de formação, o jovem Vieter sempre sentiu o desejo de
ser sacerdote. Deus escutou e realizou seu desejo encaminhando-o à comunidade dos
Palotinos de Roma, onde foi acolhido pelo Reitor Geral, Pe. Faá di Bruno. Fez os
estudos filosóficos em Masio, Itália, e a teologia na Gregoriana, de Roma, sendo
premiado com uma medalha em Dogmática. A 8 de maio de 1887 foi ordenado
sacerdote. Depois de um breve e bem realizado apostolado em Masio, como reitor da
casa de formação, e em Caxias do Sul, Brasil, como capelão dos imigrantes italianos,
foi nomeado Prefeito Apostólico em Camarões, em 22 de julho de 1890. Esta
Prefeitura Apostólica foi criada a 18 de março de 1890 e confiada aos Palotinos. A 20
de dezembro de 1904 a Prefeitura foi transformada em Vicariato Apostólico e Pe.
Henrique Vieter foi nomeado Vigário Apostólico, recebendo a dignidade episcopal na
Catedral de S. Jorge, em Limburgo, a 22 de janeiro de 1905. Depois de um intenso
trabalho apostólico em sua missão, faleceu em Yaoundé, a 7 de novembro de 1914,
com a idade de 61 anos.
2. OBRA MISSIONÁRIA EM CAMARÕES
O seu programa missionário não é só de evidenciar o “princípio de
implantação”, ou “Plantatio Ecclesiae”,isto é, criar infraestruturas eclesiásticas
(igrejas, escolas, comunidades), mas também aprofundar o “princípio de
evangelização”, isto é, alcançar a conversão interior dos neófitos. Os sacramentos e
as associações religiosas (Bikoan) são utilizados por D. Vieter e seus companheiros
como instrumentos para alcançar esta meta.
Seis anos depois do início da evangelização de Camarões, o Papa Leão XIII,
numa audiência no Vaticano, disse então: “Oh, aquele Prefeito de Camarões quero
propriamente vê-lo muito bem” (‘Oh,quel Prefetto di Camerun devo vederlo
propriamente bene”). Efetivamente as experiências que este westfaliano tinha
2 adquirido em Masio e em Caxias do Sul, ajudaram-no a formar os Camerunenses
para que se tornassem bons cidadãos e cristãos confiáveis. Eis porque utilizou a
escola como método, por excelência, para a evangelização. Diversas escolas
primárias e escolas profissionais são fundadas em todo o território missionário
confiado aos Palotinos. O ponto alto deste programa educativo é a fundação da
Escola Catequética de Einsiedeln, no sudoeste de Camarões, em1907, onde são
formados brilhantes catequistas, uma genuína força trabalhadora e competente para
ajudar os missionários. Os Camerunenses também deviam ser promovidos à
dignidade sacerdotal, mas a Providência divina tinha decidido de maneira diversa. D.
Vieter realizou este programa num momento muito difícil, porque muitos dos seus
coirmãos morriam de forma inesperada pela malária ou febre negra. Naquela época,
ir para a missão significava viver exatamente um lento martírio.
Esta personalidade excepcional e única não aceitava qualquer idéia de seus
Superiores da Alemanha ou de Roma, quando se tratava do interesse de Camarões.
Duas decisões históricas assinalam a vida e a obra desse homem modesto, simples,
piedoso e incansável em Camarões. Primeiro: no início da evangelização, a 8 de
dezembro de 1890, confia a sua missão e Camarões à materna proteção da Virgem
Maria, Rainha dos Apóstolos. Em segundo lugar: a partir de 26-28 de setembro de
1906, organiza em Douala o primeiro Sínodo da Igreja de Camarões. Estes
acontecimentos permitiram o desenvolvimento de uma Igreja florescente até a sua
morte. Segundo as estatísticas feitas em 31 de dezembro de 1913, alguns meses antes
de sua morte, acontecida a 7 de novembro de 1914, a Igreja de Camarões contava já:
 37.597 cristãos batizados
 15 estações missionárias
 70 missionários Palotinos (34 sacerdotes e 36 Irmãos)
 29 Irmãs Missionárias Palotinas
 22 escolas elementares principais e 182 escolas elementares secundárias.
 19.468 alunos, dos quais 17.650 rapazes e 1.818 moças.
 259 rapazes aprendizes nos centros de formação profissional
 79 mestres (insegnanti) autóctones.
3 Karl Ebermaier, governador alemão de 1912 a 1916, em Camarões, qualificou
D. Vieter como “Bom Pastor do seu rebanho, Superior amado e adorado”. É
possível comparar este fiel filho da Igreja Católica e fundador de um povo cristão em
terra africana com S. Bonifácio (672-754), pai da nação alemã, ou a Santa Joana
D’Arc (1412-1431), heroína e mãe da nação francesa.
D. H. Vieter viveu segundo este versículo do Salmo 69: “O zelo de tua casa
me devora” (Sl 69,10). É por isto que ele escolheu como lema de sua ordenação
episcopal: “Ego servus tuus” = Eu sou teu servo), porque queria ser um humilde
servidor da Palavra de Deus entre as pessoas.
D. Vieter realizou em Camarões uma obra reconhecida como “excepcional”
pelo Dr. Wilhelm Heirich Solf, Secretario de Estado da administração imperial das
colônias, em Berlim. O seu túmulo encontra-se em Mvolyé, um bairro de Yaoundé (a
capital política de Camarões), onde D. Vieter fundou em fevereiro de 1901, entre os
seus camerunenses, a primeira missão católica da região de Yaoundé. Sobre este
túmulo poder ler a seguinte inscrição: “Os Palotinos, nossos pais na fé”.
4 3. SEU
PAPEL NO DESENVOLVIMENTO DA
CONTINUIDADE DA OBRA DE CAMARÕES
FAMÍLIA PALOTINA
E
A
Mesmo sendo considerado apóstolo fundador da Igreja Católica em Camarões
e pai fundador da fé neste país, D. Henrique Vieter contribuiu também para o
desenvolvimento histórico da família palotina. Com efeito, graças ao empenho
missionário de D. Vieter e de seus companheiros, os Palotinos puderam estabelecerse na Alemanha, abrindo casas para formar novos missionários palotinos para
evangelizar Camarões; na Austrália; e em várias nações da América Latina. O
carisma palotino se estenderá também a outros países europeus vizinhos, como a
Polônia, a Suíça e a Áustria. Tendo experimentado também a necessidade da
educação e da formação das jovens camerunesas, em 1892, D. Vieter chama as Irmãs
Palotinas para colaborar com ele em Camarões. Por isso, o ramo missionário das
Irmãs Palotinas nascerá em Limburgo, na Alemanha, e com o tempo tornar-se-á uma
congregação autônoma, realizando a visão missionária do Fundador Vicente Pallotti.
Depois da interrupção, devida à primeira guerra mundial, em 1916, os
Palotinos da Província Alemã de Limburgo, retornaram a Camarões em 1964, para
continuar a obra começada por D. Vieter e seus companheiros. Depois da celebração
do centenário da Igreja Católica em Camarões, em 1990, abriram a sua primeira casa
de formação chamando-a “Maison Henri Vieter” (Casa Henrique Vieter), em
homenagem ao apóstolo fundador da Igreja em Camarões. Com a bênção divina das
vocações locais, o primeiro sacerdote camerunense é ordenado em 1994. Depois do
retorno dos palotinos, em 1993, na missão de Mvolyé, em Yaoundé, missão fundada
por D. Vieter em 1901, nasceram o coro Henri Vieter e o Foyer Henri Vieter, em
Mvolyé. O bom crescimento numérico dos Palotinos em Camarões os conduzirá a
abrir também uma missão na Nigéria, onde o primeiro sacerdote será ordenado
em2010. Hoje os dois países formam a Região da Santíssima Trindade, com mais de
130 membros, entre Irmãos de consagração perpétua, de consagração temporária e
candidatos do período introdutório, com o primeiro bispo palotino camerunense, D.
Bruno Ateba Edo, nomeado a 5 de abril de 2014 pelo Papa Francisco, como bispo da
diocese de Maroua Mokolo.
5 Pelo convite de D. Jan Ozga, bispo da diocese de Doumé Abong-Mbang, as
Irmãs Missonárias Palotinas da Província Polonesa retornaram a Camarões em 1998.
São hoje umas 15 e iniciaram também a formação das jovens camerunesas, com a
abertura de uma casa de formação. As Irmãs Palotinas empenham-se, sobretudo, no
apostolado sócio-caritativo (educação, saúde, promoção humana, ‘adoção do coração’
para os meninos) em três dioceses de Camarões.
A família palotina está hoje presente em Camarões e Nigéria. Os nossos
coirmãos da Região da Santíssima Trindade, de Camarões/Nigéria, estão presentes
em oito dioceses de Camarões e em duas da Nigéria. Fora do território de sua Região,
trabalham ou estudam na Alemanha, na França, na Itália, nos Estados Unidos e na
África do Sul. Seu empenho apostólico é visível nas paróquias, na formação dos
jovens, na educação, no acolhimento e na gestão de um centro espiritual em
colaboração com as Irmãs Palotinas. Com muita coragem e zelo, continuam a
estupenda obra missionária iniciada por D. Vieter e seus companheiros.
Hoje, em Camarões, há muitas instituições que levam o nome deste apóstolo e
arauto da evangelização do país, como a Casa de formação dos seminaristas palotinos
“Maison Vieter”, em Nkolbisson, Yaoundé, o complexo escolar palotino “Dom
Vieter”, em construção em Yaoundé, o coro “Coral Henri Vieter”, da Basílica Maria,
Rainha dos Apóstolos, de Yaoundé e diversas outras estruturas e associações que
levam o seu nome. As ofertas livres recebidas em todo o mundo palotino, durante
este Domingo Missionário Palotino de 2014, servirão para ajudar a família palotina a
continuar a obra missionária de D. Vieter em Camarões, sobretudo, para terminar a
construção do complexo escolar Vieter em Yaoundé, e também para custear o
processo de beatificação já iniciado em Camarões.
6 7 4. PROPOSTA DE ANIMAÇÃO
PALOTINO DE 2014
LITÚRGICA
DO
DOMINGO MISSIONÁRIO
Com a celebração do Domingo Missionário Palotino, queremos também
propor-vos um modo de celebração. Antes de tudo, convidamos para o domingo, 5 de
outubro de 2014, a todas as comunidades e obras palotinas a recordar na oração e nas
celebrações eucarísticas, D. Henrique Vieter, primeiro bispo palotino e fundador da
Igreja Católica Camerunense. Os textos litúrgicos serão aqueles do 27º Domingo do
tempo comum “A”. Fazemos aqui uma sugestão para recordar D. Henrique Vieter nas
homilias aos fieis presentes, tendo em conta as leituras da liturgia dominical, falar
brevemente o que nosso coirmão fez para o crescimento do Reino de Deus em
Camarões. Propomos-vos as orações dos fieis adaptadas à celebração do nosso
Domingo Missionário Palotino de 2014.
ORAÇÃO DOS FIÉIS ‐Senhor, Jesus Cristo, tu nos chamas hoje a ser o teu novo povo que produz frutos para o reino de Deus. Pedimos‐te que dês a cada um de nós a mesma coragem e zelo que deste a Dom Vieter para tornar‐nos hoje bons servos na tua vinha: ‐ Cristo Jesus, Apóstolo do Pai, escuta a nossa prece 1. Pela Igreja, pelo Papa, bispos, sacerdotes, religiosos e leigos que tem o encargo de animar as pessoas, para que encontrem em Deus a força e a coragem de realizar sua missão, rezemos. 2. Por toda a família palotina, cuja missão é reavivar a fé e reacender a caridade, pedindo a graça de ser sempre mais audazes e profetas, em responder ao apelo da Nova Evangelização, possamos tornar‐nos verdadeiros discípulos missionários de Cristo, anunciando a Boa Nova e escutando o grito dos mais necessitados, rezemos. 3. Pelos jovens, para que, conservando a coragem de dar e servir com alegria e colocando em prática a tua Palavra, façam renascer a esperança onde vivem, e produzam bons frutos que permaneçam para a vida eterna, rezemos. 8 4. Senhor, rendemos‐te graças por Dom Vieter, que, com desapego e coragem, ultrapassou as fronteiras para semear o carisma palotino no Brasil e, sobretudo, em Camarões, para que toda a nossa família palotina possa continuar a sua obra, rezemos. 5. Pelos nossos irmãos e irmãs falecidos, sobretudo, por todos os missionários palotinos e palotinas que viveram a plenitude da fé, no serviço aos outros, Deus os acolha na sua misericórdia, rezemos. 6. Por todos nós, para que, abrindo‐nos à voz do Espírito, acolhamos a sua Palavra em cada momento e em cada escolha da nossa vida, e tenhamos sempre o desejo de construir uma sociedade fundada sobre a rocha do amor, da justiça e da fraternidade, rezemos. Deus, nosso Pai, chamaste‐nos a trabalhar na tua vinha, como fizeste a Dom Henrique Vieter, ajuda‐nos hoje a sermos autênticos discípulos missionários, anunciadores com alegria, zelo e entusiasmo da tua Palavra no nosso mundo de hoje. Por Cristo nosso Senhor. Desejamos a todos uma boa celebração do Domingo Missionário
Palotino, no próximo 5 de outubro.
Pe. Jean Bertrand ETOUNDI, SAC
Secretário Geral para as Missões
9 

Documentos relacionados