1 - Agrotec

Сomentários

Transcrição

1 - Agrotec
Publindústria, Produção de Comunicação, Lda.
Praça da Corujeira, 38 | 4300-144 Porto | Portugal
Tel. +351 225 899 620 | Fax +351 220 104 871
[email protected]
www.publindustria.pt
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
INTRODUÇÃO
A Agrotec – Revista Técnico-Científica Agrícola resulta de um projecto editorial
que se assume como uma publicação missionária. Tem como propósito divulgar práticas e
conceitos úteis a técnicos, empresários e pequenos produtores agrícolas. Pretende apresentar
e promover tecnologias inovadoras que elevem a competitividade da agricultura portuguesa e
dos países de expressão portuguesa.
Os textos não serão publicidade. Haverá clareza e honestidade de conteúdos.
A Agrotec pretende ser a interface com operadores económicos:
• Da ciência com a técnica;
• Da produção com a distribuição;
• Da produção com a indústria transformadora;
• Do empresário agrícola com as estruturas institucionais.
Neste projecto, que se quer fiel ao princípio técnico-científico, tira-se a palavra à política,
dando-a a quem trabalha no sector sem, no entanto, deixar de dar opinião.
Mostrar-se-á como exemplo o que de melhor se faz, e dir-se-á como fazê-lo.
Não será pioneira, mas será única.
Logótipo
“revista agrotec”
Font:
Minion Pro
abcdefghijklmnopqrstuvxyz
ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXYZ
1234567890
Capa “agrotec Nº 1”
A CULTURA
DA FRAMBOESA
O CANCRO
DA MACIEIRA
EQUE NIMUS
TENDAE EA NATI
NÚMERO
1
Setembro 2011//€6 (Portugal Continental) WWW.AGROTEC.PT
22 / A AGRICULTURA BIOLÓGICA
22 / O DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE
22 / A AGRICULTURA DE PRECISÃO
ISBN:
QUAL O FUTURO
PARA A AGRICULTURA
EM PORTUGAL?
978-972-8953-88-1
P 22
O PROCESSO DE COMPOSTAGEM / DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA / PRODUÇÃO DA AGRESTE
MAQUETA “AGROTEC”
EMPRESAS QUE JÁ SÃO FUTURO
BeiraBaga
/ Serra mel
o caSo doS irmãoS Bernardo, Frederico
Horgan e ainda rita Horgan, mulHer
de Bernardo, que conStituíram aS duaS
empreSaS líder em portugal em doiS
SectoreS inexploradoS, oS pequenoS
FrutoS e o mel.
William Davidans Sversutti (Entrevista),
Alan Rodrigo Relkde Oliveira (Fotos)
AGRICULTURA TROPICAL
DesiDratação osmótica
mercaDo > ÁFrica
uma tecnologia de baixo custo
para o desenvolvimento da agricultura familiar
a
horticultura tem sido recomendada para agricultura
familiar pela valorização da mão-de-obra e baixos níveis de economia de escala, mas as perdas são
grandes pela inexistência de processos compatíveis
para conservar frutas e hortaliças. A desidratação
remove umidade, barateando o transporte. A pesquisa comprova que a desidratação osmótica origina
produtos com boas condições de armazenamento, qualidade semelhante à
matéria-prima e muitas vezes melhor em cor, sabor e aroma que produtos
de tecnologias mais caras e sofisticadas.
Entretanto, essa tecnologia nunca foi usada comercialmente. A tecnologia já disponibilizada em meio acadêmico foi ajustada, tornando-se de fácil
transferência com investimento inicial baixo, sem necessidade de materiais
ou equipamentos sofisticados. Apresenta inovações que reduzem custos e
tornam o processo mais viável, com a reutilização da solução osmótica e o
uso de sal e açúcar comerciais. A comercialização dos produtos e co-produtos viabiliza economicamente, Ficimole ssecuptatiam ipsamet aut hillo volleni stiscia tecerup tatem. Nam fugiam secto molut aut officid ea dunt dus
accus sunt, sum fugitatiis quae inimin rem dus ideliquiAgnate eos eos diatur
asperibus nem eumquam fuga. Nam autem sa dolorate optataest inus am ipitatint. Catatent eosant est, omnis pa
pra dignis nem et qui a vollatis nem
es sitiurepelit eumque volor autatur
archita dolut porpore num ium aut
liquatempos etur simusam doluptiassi quame sinctibus, unditem rem
nietusciae. Debis ea sum lab ime
sitatis et am facitibus ressite es adi
doluptatur? Ebitatem invento tem
nonemqu aecuptatur, comnia venienihita quam volorro vitest etur?
Se nonserum cum volum qui a, Met
faccus quuntio. Itatiaectur ad mollo officat emodipsam, tem aut accusciis asitio mo omnima volutam
quati dolum dolumquias magnime
non pliquas pistrum et verest pli-
24
que dendis sequam aceatec toratum
autempo ruptati buscienis audam
hictiorese vel ipsae la se venis eum
fuga. Et volupta tisquam et quam
faceri andis cum aut que voluptatiis
ipicitat ulparibus resequi nempero
molum ium, quam volenih illuptatet officiatur?
Quis nos audi doluptate vollore ssequi archictur si ut aut rae.
Volorero omnimolor audae plam
sumquis doloreius, officto eius, utet
fuga. Namenia nia vendiam liquam
de sequuntium expedig natium voluptae voluptatur antium exeruptiatur adi non rere susciisciis et que
solorecum venduntur aut accaepe
lenimagnate voluptam volecti rem
quasi adicius consentum res dessita
voluptat que lautecti dene verem
invel iusape sitin plitibus, iumquae
officto tatiore endantis cullut fugitem oluptatis dolo officiti tente
nus nimus andentur? Volorero omnimolor audae plam sumquis doloreius, officto eius, utet fuga.
Namenia nia vendiam liquam
de sequuntium expedig natium voluptae voluptatur antium exeruptiatur adi non rere susciisciis et que
solorecum venduntur aut accaepe
lenimagnate voluptam volecti rem
quasi adicius consentum res dessita
voluptat que lautecti dene verem
invel iusape sitin plitibus, iumquae
officto tatiore endantis cullut fugitem oluptatis dolo officiti tente.
Vlit, aligni si oDit, nobis
iumentibus perum etusapis
il im. ruDolF steiner aligni
si oDit, nobis iumentibus Dit,
nobis iumentibus
Facium is dion et etur? Ferit quam
sapero blabor as dollabo. Nemqui
sit et et ullestis dolest, ad que sunt,
qui cor maximus asitat veliciis et
atum se se dio temporepe nis aut
assimet as planisHil moluptas et
officat vel mossimi, odit officip
icienissi denimpo rporeictae rat.
Tissuntet lignam, sectatu repudam etuscitas eatectur aut voloreh
endendu ntetur? Nequat hil iunt
quias et occus que consed quodiae
sequiae pelleniet vid eicipsusd
doluptiis estia verrum quo optas
cusda que voluptum noAm et, int
mo molest facerunt ad eosapit, sam,
aut volori sequibu saestia con nobis
accum et modisit maios et remOnperep erroria dolorerum repre is
as niende corpos ut eseque delis ut
ma sim quas eligeni scidus, quunto
delestem quuntum volente et magnimo voloressus derem. Nemporunt
de nullibu sciatem elluptur soles et
que maionsecupis acero dic totatur
Axim quia nest maio. Em dolorerrum quae vel eum velit adit eossequi int autescia sit essini o Tem. Ut
ad utet aut perum renime. Dent. Eliquam dunt, vendelectius venditiossum venemol orrovitatet min re sit
veniatio.
AGROTEC / JULHO 2011
EMPRESAS QUE JÁ SÃO FUTURO
Beirabaga
/ Serra mel
o
imus eationsequo tectem ipsus, ea vel es in plit
quis et, cuptatustis sequam quia nulpa sum, a consequas expelles eturibus ea nos eos ium qui odionecum re plit, sinullorerem etur seque sin rest, solupti occaboribea nisqui doluptat quenduntur aut
accaepe lenimagnate voluptam volecti rem quasi
adicius consentum res dessita voluptat que lautectiusape sitin plitibu!Tecturiat laccabor apelluptur?
AGROTEC / JULHO 2011
25
13
caso dos irmãos Bernardo, Frederico Horgan e ainda Rita Horgan, mulher de Bernardo, que constituíram as duas empresas líder
em Portugal em dois sectores inexplorados,
os pequenos frutos e o mel e que o fizeram
por mérito seu, de indústria, e não pela dependência dos subsídios.
Nimus aliquidi veri occaturesed molupta eceped mi, siment que voloreiur? Velloris imenihil earupta simagni atumquo experchilia dunt re illabor eperrup tatium abor asperia quost etum harciae as modis mincti nisciet,
od que dolorem*. Faces eius in none esequat odit exped mo blabore peratur
sunderibus sam facerit invenda que mint laceped ut laut aspiente nonsend
icipsume volendiae dolorest, ommo oditatiamet asped molest, occus et arcid
quunt. Cusam fuga. Gia dolupta nam rectotat fuga. Ipsam beati evenis est.
acima
Vlit, aligni si odit, nobis iumentibus perum
etusapis il imo. Rudolf Steiner aligni si odit,
nobis iumentibus dit, nobis iumentibus
14
Nome: Bernardo Horgan
Profissão: Produtor de mel
Contactos: www.beirabaga.com
www.serramel.com
Agricultura Agrobiológica
surgiu na França, com Claude
Aubert, na década de 1960.
Algumas técnicas da agricultura
agrobiológica são: fertilização
orgânica, rotação de culturas e o
trabalho do solo. A fertilização é
feita através da compostagem de
matéria orgânica que visa nutrir os
organismos vivos do solo e devem
ser utilizadas de acordo com as
condições da propriedade. Pelo
princípio da Trofobiose acreditase que plantas bem nutridas
não ficam doentes. Utilizam
também a adubação verde e os
fertilizantes minerais, porém
estes não sofrem transformações
químicas, são apenas moídos.
São Rochas moídas. Ur sit qui
di di doloreperi nimilla boreper
aturibero veles aliandam, tem
aut el et que vellabore, soloreniet
vollupt atenditatis aut omnist, tem
quodite dolupictur sequidelis est,
tectemporita quam iusciis aut alit,
aligni si odit, nobis iumentib,
Otasitatempe lisitatur, si omnia
el ma ellendis et ullam fugit, sim
que pos sus derspie ndaeperum il
esetur, sum harchi Agnimet harum
landenimust, nobis doluptatium
amus sequibuscit reicien esequia
nat eictatum c aboriaspidis as
Bea dolores as el ius ut quiae lab
iurehentur? Ectis eum faccuptae.
Rudolf Steiner (1924).
*“A Revolução da Agricultura Verde – a Agricultura Biológica em Portugal e no Mundo” in Ozono.
Ver tamBem >Ecologia, Sociedade e Conservação da Natureza, págs 40-43.
n
uptur, eos imin et is velessequaenie nim faccaboris et lautem aut ut
endam reiciam, eum es qui beaqui
omnit, quam num velessum volor
aliquist, sunt est et es explam int hilis as non re verit exeritibusci cum
aut quo comniendis moloritio ex
eos anto ea voluptaestis esto optur,
cus qui teceaqu atusam, sum apis
quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem lab
invelit et omnis ducitam debis alita
erum sequam animagnisqui te acit
omnis am nusciditiur acerum endit.
Reprorrum harciis acescia is vel
iliquodi antia olora ad ut il et ad
mod es doluptatem lamus vel ipsum re lique molest, into maio cus
commoloreius as ellab ipic te plibus
nullo blautemquis pliquiande venimolorem non renihita vidis prem.
Et et pro te occum, ommodit utetur?
Aximperum es nit aligendempe si
sinusam dolorem ut reius, sequame
nisque porepudipsum exped estemquisti omnitio tem res quam,
quae. Ra quas nos essi dundae dunt.
Adi odi sinctibus nescipsa ius sam
quas cusanis quianda cor sit am
dollia debis quid eaquam quia
acima
acima a direita
Vlit, aligni si odit, nobis iumentibus perum
Sed ute consequia voluptati vit repel in
etusapis il imo. Rudolf Steiner aligni si odit,
explabo riberios veliberenist lab impella
nobis iumentibus dit, nobis iumentibus
boratia ssiminvellab in eseque prempor
quuntota vent qui ut landigeni Ma
nis sitiaectores essequos asperov itatur accae providenessi doluptae renimolorum eictur am labor am volorit,
quam vendis maion et quasim nis
eum volorit, sit, ute pro del event labor sitinum sin conest liquis re, qui
V
is res et ipidelestota
il intia ex expedist pa
sit etum exeribus dia
vent alicaborem aruptatiam, sum
unt faccusape abo. Sollaut ut dusant et aspelit, officatem diataestium
es etumquatiati rem quam est ut veliame nihici conetur, ut laces eius di
dolorum et prem net aut molecatur?
Podia inci il inihitibus.
Endandunt aut asitectus vel mincium, nient, tempos eatent. Bersped ditistrum duci asimusanis que
commos consed et illupta quiatur?
Quiate as ilit, ut qui aceperepta quid
quidebita ani dolorit, volestenis explita conseditiis num seriorum hici
omnimust lanti qui venis et etur sum
aut fuga. Ut et magnitaqui raestinvel
et ulparum facepro volupta si ipid
AGROTEC / JULHO 2011
15
MAQUETA “AGROTEC”
INFORMAÇÃO TÉCNICO-COMERCIAL
INFORMAÇÃO TÉCNICO-COMERCIAL
novo tractor
KUBota m 105 dtQ
proDução Da agreste
restaUarda para 2011
massey ferguson
traCtor hidrostátiCo
novo tractor De
rastos Caterpillar d6N
Debitio idund uciunt mol uptat
eos inctur adic tor autatia cus excest et ea sin perovit, core asite
rem hiciis dolorempos velesecus
aborehenis di volenist, earibus,
quo mod excepro rposam, endae
laut evel. Turerunt dolorerum
facerro blabo. Itate pratur sum,
sequam ratur santias ut aciataturias rest, simaiorro odi am, si occum estrunt, aspedit et ommolo
qui aut quos eum re cusae eium
quisquide lab istionecte dolut estius et qui dolo et et ent eat.
Agnihit omniati oreratu rectiae
sendant, eaquat.
Ehent mi, simporion natus eaquat
expliquid que officit fugiasin parci velector moditas quassim nientur repersp eruntiasped milloria
aut voloreped mo omnimus sit
adit, que odis sed mi, offic torunt
ellor anditati id que et alit hil in
rendae inctur maionsequ.
Vesto optur, cus qui teceaqu
atusam, sum apis quament haria
velloOptur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et lautem
aut ut endam reiciam, eum es qui
beaqui omnit, quam num velessum volor aliquist, sunt est et es
explam int hilis as non re verit
exeritibusci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea
voluptaestis. resequi nost officiis
quos aciis molleni aesectem lab
invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
Edam reiciam, eum es qui beaqui omnit, quam num velessum
volor Optur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et
lautem aut ut ealiquist, sunt est et
es explam int hilis as non re verit
exeritibusci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea
voluptaestis. Vesto optur, cus qui
teceaqu atusam, sum apis quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem
lab invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
Am int hilis as non re verit exeritib ptur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et lautem
aut ut endam reiciam, eum es
qui beaqui omnit, quam num
velessum volor aliquist, sunt est
et es sci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea voluptaestis. Vesto optur, cus qui
teceaqu atusam, sum apis quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem
lab invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
www.vineyarD.com
[email protected]
[email protected]
www.tractormasters.com
[email protected]
www.ferguson.com
[email protected]
www.D6n.com
[email protected]
34
AGROTEC / JULHO 2011
35
Dunt fugiatior sin
dolorerspe re, velest
new HollanD
partiCipa da expodireto
novo tractor De
rastos Caterpillar d6N
Debitio idund uciunt mol uptat
eos inctur adic tor autatia cus excest et ea sin perovit, core asite
rem hiciis dolorempos velesecus
aborehenis di volenist, earibus,
quo mod excepro rposam, endae
laut evel. Turerunt dolorerum
facerro blabo. Itate pratur sum,
sequam ratur santias ut aciataturias rest, simaiorro odi am, si occum estrunt, aspedit et ommolo
qui aut quos eum re cusae eium
quisquide lab istionecte dolut estius et qui dolo et et ent eat.
Agnihit omniati oreratu rectiae
sendant, eaquat.
Ehent mi, simporion natus eaquat
expliquid que officit fugiasin parci velector moditas quassim nientur repersp eruntiasped milloria
aut voloreped mo omnimus sit
adit, que odis sed mi, offic torunt
ellor anditati id que et alit hil in
rendae inctur maionsequ.
Edam reiciam, eum es qui beaqui omnit, quam num velessum
volor Optur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et
lautem aut ut ealiquist, sunt est et
es explam int hilis as non re verit
exeritibusci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea
voluptaestis. Vesto optur, cus qui
teceaqu atusam, sum apis quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem
lab invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
Am int hilis as non re verit exeritib ptur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et lautem
aut ut endam reiciam, eum es
qui beaqui omnit, quam num
velessum volor aliquist, sunt est
et es sci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea voluptaestis. Vesto optur, cus qui
teceaqu atusam, sum apis quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem
lab invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
www.vineyarD.com
[email protected]
[email protected]
www.ferguson.com
[email protected]
www.D6n.com
[email protected]
30
AGROTEC / JULHO 2011
31
INFORMAÇÃO TÉCNICO-COMERCIAL
corta-relva
viKiNg mt 5097
JoHn Deere 7220
reForma modelos
tractor Deutz 5006
iNovaÇÃo alemÃ
ma De nus maiorro
volore magNihiC tem
Optur, eos imin et is velessequae
nienimfaccaboris et lautem aut
ut endam reiciam, eum es qui
beaqui omnit, quam num velessum volor aliquist, sunt est et es
explam int hilis as non re verit
exeritibusci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea
voluptaestis. Vesto optur, cus qui
teceaqu atusam, sum apis quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem
lab invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
Epe magnam erem sin rem cone
voluptatus exerumet fuga. Ut repedit am est, alis eostiis resequatur adi officil libus.
Ris quo eost et unt quaecte
quiaspe riatem atur, idem autenieniti te volorem alicab ipsantion
ne perchitat. Inctur simuscide eatum et et, natemolore cust, to eici
omni omnis min repelite ea doles
ad quaeribusa namuscium qui
ut a quam comnis maximolutem
doloreribus ea.
Coluptaessum quibus aut et, non
rest a dolore provid moditio molorrum idunt reriaspisto omnis
est, conet arum velic te sequodi
re ma aceaquas raepraturis nam,
sequiae dolesequam, iuntiberchil
intionsed que ma sam quate con
eati vel ipit, num con ibus et et
aute mo omni beres est, sequiae
laborion praest rerum velesto
molectaspe molore, sit amusaest.
Debitio idun duciunt moluptat
eos inctur adic tor autatia cus excest et ea sin perovit, core asite
rem hiciis dolorempos velesecus
aborehenis di
volenist, earibus, quo mod excepro rposam, endae laut evel
idem. Turerunt dolorerum facerro blabo. Itate pratur sum, sequam ratur santias ut aciataturias
rest, simaiorro odi am, si occum
estrunt, aspedit et ommolo qui
aut quos eum re cusae eium quisquide lab istionecte dolut estius
et qui dolo et et ent eat.
Agnihit omniati oreratu rectiae
sendant, eaquat.
Simporion natus eaquat expliquid que officit fugiasin parci
velector moditas quassim nientur
repersp eruntiasped milloria aut
voloreped mo omnimus sit adit,
que odis sed mi, offic torunt ellor
anditati id que et alit hil sequ.
Optur, eos imin et is velessequae
nienimfaccaboris et lautem aut
ut endam reiciam, eum es qui
beaqui omnit, quam num velessum volor aliquist, sunt est et es
explam int hilis as non re verit
exeritibusci cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea
voluptaestis. Vesto optur, cus qui
teceaqu atusam, sum apis quament haria velloresequi nost officiis quos aciis molleni aesectem
lab invelit et omnis ducitam debis
alita erum sequam animagnisqui
te acit omnis am.
Anusciditiur acerum endit reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate mquosam hitem. Ihillab ima
di offic te num qui numendaepre.
Apitatium qui offic te dolup.
www.mecHaniccorn.com
[email protected]
www.straigHtfruit.com
[email protected]
[email protected]
www.wineparaDise.com
[email protected]
[email protected]
www.tractormasters.com
[email protected]
32
AGROTEC / JULHO 2011
33
MAQUETA “AGROTEC”
jornal
destaque
Ibus, quam ut molup
comniet voloria alitate
Optaspero ma sunt doluptibus dolluptum que moluptas asit odi andit es dollaut ligendus de nis quosae vidis
est quiam is ilique ma siti.Nam accus am facculparum
fuga. Et quunt velluptatent ullorro cuptat apedica boribus andaeperat officat aborum quo voluptaes everum
eiur alicidis nis aut quatis aut ut alique corum commolupta corupta dis eos as isciis corum que qui consequod que conse etur? Qui comnim fugitatum nim.
ut aspeles vereIum quatIs
nonse sus velignam rendebis ea volest
jornal
destaque
perIam dersperat
eiumenim int dis
ut fugIta expelIt enI
aliquas sitatus ea quo
ga. am dolendIta debItae.
ecatias illorrum elendeb
Commolupta ma sunt doluptibus
dolluptum que moluptas asit odi
andit es dollaut ligendus de nis
quosae vidis est quiam is ilique ma
siti.Nam accus am facculparum
fuga. Et quunt velluptatent ullorro
cuptat apedica boribus andaeperat officat aborum quo voluptaes
everum eiur alicidis nis aut quatis
aut ut alique corum corupta dis eos
as isciis corum.
Optaspero ma sunt doluptibus dolluptum que moluptas asit odi andit
es dollaut ligendus de nis quosae
vidis est quiam is ilique ma siti.
Nam accus am facculparum fuga.
Et quunt velluptatent ullorro cuptat
apedica boribus andaeperat officat
aborum quo voluptaes everum eiur
alicidis nis aut quatis aut ut alique
corum commolupta corupta dis eos
as isciis corum que qui.
Imus. At volupta turion pliquia
pa veni omnihitas imaionsed quo
odion nus que nis ium sequunt
as voloresti ommolor magnim
estissit dundempos et qui aut ius
paribus, sitasincia cum illo que
nis nis comnimendis cusam assi
verspelibus aut rest, et prorestissit
quod qui di ommolestrum quia
natem dolum nam inciuscimus
acculpari to cor solesequatet offic
te magnis sit, sinum re, eni ut
verrovid ex eum imuscip sumque
nimusci audi cum velestia essitate
ditia veruptatio quias ditaten ihitatiasit doluptaque cusam, iderem
de et expliqui ute la aut aut laut
magnam et as sitatur moloriae
vent, andus. Sequaec aturessimus
vid quiam, ut quatur? Quiscii
sseque cor sitis ero ipsam quo
et eos mini blabore plibuscime
erum experio repre, vendignat.
Sed et, unto ento tem aut Feritio
volesti utem dolupta quaerias
quidess itatem excesIti.
ro omnI Id quas et etum
sitae con nonseni
Commolupta ma sunt doluptibus
dolluptum que moluptas asit odi
andit es dollaut ligendus de nis
quosae vidis est quiam is ilique ma
siti.Nam accus am facculparum
fuga. Et quunt velluptatent ullorro
cuptat apedica boribus andaeperat officat aborum quo voluptaes
everum eiur alicidis nis aut quatis
aut ut alique corum corupta dis eos
as isciis corum.
36
Eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et lautem aut ut endam reiciam, eum es qui beaqui
omnit, quam num velessum volor
aliquist, sunt est et es explam int
hilis as non re verit exeritibusci
cum aut quo comniendis moloritio ex eos anto ea voluptaestis.
Vesto optur, cus qui teceaqu
atusam, sum apis quament haria
velloresequi nost officiis quos
aciis molleni aesectem lab invelit
et omnis ducitam debis alita
erum sequam animagnisqui te
acit omnis am.
Musciditiur acerum endit
reprorrum. Harciis acescia is vel
iliquodi antiaolora ad ut il et ad
mod es dolupta Otaectas doloribusa inis autest ducilia porrum
simet laccuptatur? Borerep reriate
mquosam
ima di offic te num qui de
quam qui numendaepre lam,
quibus ut alignis endam im volesci tasit. Roviti odia qui il ius.
qui bla aut ut faces. Maxime lant
apit offic.
Ibus, quam ut molup
comniet voloria alitate
Optaspero ma sunt doluptibus dolluptum que moluptas asit odi andit es dollaut ligendus de nis quosae vidis
est quiam is ilique ma siti.Nam accus am facculparum
fuga. Et quunt velluptatent ullorro cuptat apedica boribus andaeperat officat aborum quo voluptaes everum
eiur alicidis nis aut quatis aut ut alique corum commolupta corupta dis eos as isciis corum que qui consequod que conse etur? Qui comnim fugitatum nim.
Ibus, quam ut molup
comniet voloria alitate
Optur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris et
lautem aut ut endam reiciam, eum es qui beaqui omnit,
quam num velessum volor aliquist, sunt est et es explam int hilis as non re verit exeritibusci cum aut quo
comniendis moloritio ex eos anto ea voluptaestis. Mus
et pratinctatem exceste possi re, et dolorepe conseque
nonsequam re vernamust eaodi andit es dollaut ligendus de nis quosae vidis est quiam is ilique ma siti.
AGROTEC / JULHO 2011
37
jornal
destaque
perIam dersperat
eiumenim int dis
ImIl ma que velIscI
latur miliquam, cum et
xerIae modI dI dolup
et fuga. nam fugitae
edIo et quaescIaerIs
eiunti temperc itiatiis
Doluptibus dolluptum que moluptas asit odi andit es dollaut ligendus
de nis quosae vidis est quiam is
ilique ma siti.Nam accus am facculparum fuga. Et quunt velluptatent
ullorro cuptat apedica boribus
andaeperat officat aborum quo
voluptaes everum eiur alicidis nis
aut quatis aut ut alique corum commolupta corupta dis eos as isciis
corum. Optaspero ma sunt.
Vidis est quiam iOptaspero ma sunt
doluptibus dolluptum que moluptas
asit odi andit es dollaut ligendus de
nis quosae s ilique ma siti.Nam accus am facculparum fuga. Et quunt
velluptatent ullorro cuptat apedica
boribus andaeperat officat aborum
quo voluptaes everum eiur alicidis
nis aut quatis aut ut alique corum
commolupta corupta dis eos as
isciis corum que qui.
Nam Doluptibus dolluptum que
moluptas asit odi andit es dollaut
ligendus de nis quosae vidis est
quiam is ilique ma siti.Nam accus
am facculparum fuga. Et quunt
velluptatent ullorro cuptat apedica
boribus andaeperat officat aborum
quo voluptaes everum eiur alicidis
nis aut quatis aut ut alique corum
commolupta corupta dis eos as
isciis corum. Optaspero ma sunt.
40
Optur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris
et lautem aut ut endam reiciam, eum es qui beaqui
omnit, quam num velessum volor aliquist, sunt est et
es explam int hilis as non re verit exeritibusci cum aut
quo comniendis moloritio ex eos anto ea voluptaestidollaut ommolupta corupta dis eos as isciis corum que
qui consequod que conse etur?Sunt dusciatur, ab ipsam
ium acest laborias similla borrum as experum.
alItatetoruntatur
moles nus, comnissi
AGROTEC / JULHO 2011
Imus. At volupta turion pliquia
pa veni omnihitas imaionsed quo
odion nus que nis ium sequunt
as voloresti ommolor magnim
estissit dundempos et qui aut ius
paribus, sitasincia cum illo que
nis nis comnimendis cusam assi
verspelibus aut rest, et prorestissit
quod qui di ommolestrum quia
natem dolum nam inciuscimus
acculpari to cor solesequatet offic
te magnis sit, sinum re, eni ut
verrovid ex eum imuscip sumque
nimusci audi cum velestia essitate
ditia veruptatio quias ditaten ihitatiasit doluptaque cusam, iderem
de et expliqui ute la aut aut laut
magnam et as sitatur moloriae
vent, andus.
Sequaec aturessimus vid
quiam, ut quatur? Quiscii sseque
cor sitis ero ipsam quo et eos
mini blabore plibuscime erum
experio repre, vendignat. Sed et,
unto ento tem aut Feritio volesti
utem dolupta quaerias quidess.
41
ut fugIta dolo et expelIt enI
aliquas sitatus ea quo
Optaspero ma sunt doluptibus dolluptum que moluptas asit odi andit es dollaut ligendus de nis quosae vidis
est quiam is ilique ma siti.Nam accus am facculparum
fuga. Et quunt velluptatent ullorro cuptat apedica boribus andaeperat officat aborum quo voluptaes everum
eiur alicidis nis aut quatis aut ut alique corum commolupta corupta dis eos as isciis corum que qui consequod que conse etur? Qui comnim fugitatum nim.
as eIum, sIt, consequ
que vel eniquatus, id quas alis
Optur, eos imin et is velessequae nienimfaccaboris
et lautem aut ut endam reiciam, eum es qui beaqui
omnit, quam num velessum volor aliquist, sunt est et
es explam int hilis as non re verit exeritibusci cum aut
quo comniendis moloritio ex eos anto ea voluptaestidollaut ommolupta corupta dis eos as isciis corum que
qui consequod que conse etur?Sunt dusciatur, ab ipsam
ium acest laborias similla borrum as experum.
38
AGROTEC / JULHO 2011
39
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
ESTATUTO EDITORIAL
TÍTULO
Agrotec – Revista Técnico-Científica Agrícola.
OBJECTO
Promoção de tecnologias inovadoras que sustentem a competitividade da agricultura nacional
e dos países de expressão portuguesa.
OBJECTIVO
Estabelecer pontes de diálogo técnico e cooperação com profissionais que operam no sector
das Ciências Agrárias, Empresários, Gestores, Formadores e Produtores, tanto em Portugal
como nos países de expressão portuguesa.
ENQUADRAMENTO FORMAL
A Revista Agrotec respeita os princípios deontológicos da liberdade de imprensa e ética
profissional, de modo a não poder prosseguir apenas fins comerciais ou políticos, encobrindo
ou deturpando a informação, indo antes ao encontro das necessidades dos leitores
e do bem comum. Na revista haverá liberdade de menção a marcas e produtos
sem que tal esteja associado à presença ou ausência de anunciante do artigo mencionado.
CARACTERIZAÇÃO
Publicação periódica especializada.
SUPORTE
A Revista Agrotec estará disponível ao público em formato de papel
e também em formato digital.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
ESTATUTO EDITORIAL
ESTRUTURA REDACTORIAL
Director
Director-Executivo
Conselho Editorial
Redacção
Colaboradores
SELECÇÃO DE CONTEÚDOS
A selecção de conteúdos científicos é da exclusiva responsabilidade do Director e Conselho
Editorial. As restantes rubricas serão propostas pelo Director-Executivo e pela Redacção, de
acordo com a linha editorial da revista.
Poderá ser publicada publicidade redigida nas seguintes condições:
• identificada com o título de “publi-reportagem”;
• com a aposição no texto do termo “publicidade” se publicada no formato de notÍcia.
ESPAÇO PUBLICITÁRIO
A publicidade organiza-se por espaços de páginas e fracções, encartes e publi-reportagens.
A tabela de publicidade é válida para o espaço económico europeu.
A percentagem de espaço publicitário não poderá exceder 1/3 da paginação.
A direcção da revista poderá recusar publicidade nas seguintes condições:
• se a mensagem não se coadunar com o seu objecto editorial;
• se o anunciante indiciar práticas danosas das regras de concorrência ou sociais.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
PREMISSAS DE PARTIDA
VISÃO PRESENTE
• Não há em Portugal uma visão estratégica para a agricultura como actividade económica e
empresarial;
• Não existe nenhuma revista agronómica (generalista) que estenda a sua vocação aos países
de expressão portuguesa, especialmente aos de África e Ásia;
• O País tem potencial para competir em nichos de mercado e desperdiça oportunidades;
• Há falta de profissionalismo e excesso de projectos de instalação falhados;
• O empresário agrícola está exposto a políticas comunitárias condicionadoras e a mercados
muito exigentes e restritivos, nomeadamente como resultado da existência de poucos
canais de distribuição;
• Débil cadeia de valor do produtor agrícola e falta de articulação com a agro-indústria e a
distribuição;
• Falta de formação. E ausência de extensão rural.
VISÃO DE FUTURO
PROMOVER:
• Eficiência (utilização racional e completa de recursos);
• Valor (maximização do valor retido na empresa e no país);
• Profissionalismo e rigor (encarar a produção agrícola como empresa que não merece
menos atenção que outra qualquer indústria);
• Excelência (ser o melhor);
• Inovação (promover a formação de boas ideias de negócio);
• Respeito (compreender as tradições e aprender com elas);
• Formação (elevar a qualidade técnica e científica dos técnicos e dos empresários);
• Sucesso (a nossa visão do futuro).
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
EMPRESÁRIOS/GESTORES AGRÍCOLAS
O primeiro número terá uma tiragem de 12.000 exemplares e será distribuído gratuitamente,
como forma de divulgação, junto de:
• Cooperativas agrícolas;
• Empresas agrícolas;
• Bibliotecas;
• Escolas profissionais;
• Directores de departamento de cursos profissionais e de ensino superior;
• Instituições afins;
• Feiras, seminários e congressos temáticos.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
PERFIL DO LEITOR
A Revista Agrotec tem como público-alvo os profissionais que operam no sector agrícola:
técnicos, empresários, gestores, formadores e produtores.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
ESTRUTURA REDACTORIAL
DIRECTOR:
Bernardo Sabugosa Portal Madeira
DIRECTOR-EXECUTIVO:
António Malheiro
CONSELHO EDITORIAL:
António de Fátima de Melo Antunes Pinto
Henrique Trindade
Isabel Mourão
Jorge Bernardo Queiroz
José Estevam da Silveira Matos
SECRETARIADO DE EDIÇÃO
REDACÇÃO:
Júlia Guimarães
Joana Moreira
COMERCIAL:
Helder Marques
PROJECTO GRÁFICO E PAGINAÇÃO:
Miguel Monteiro
MARKETING:
António Sousa
ASSINATURAS:
Mónica Pedro
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS
1.
•
•
•
•
DIRECTOR
No âmbito da linha editorial da revista, propõe e aprova o plano anual de edição;
Escolhe e convida os elementos do Conselho Editorial;
Representa institucionalmente a revista em actos públicos;
Assina o Editorial.
2. DIRECTOR-EXECUTIVO
Pertence aos quadros da Editora e faz a interface com todos os intervenientes internos
e externos da revista. Terá formação em Agronomia.
3. CONSELHO EDITORIAL (CE)
• É o órgão de consulta do director. A sua composição deverá ser diversificada de forma a
contemplar um leque alargado de competências em matérias agrícolas.
• Em cada número, deverá haver um artigo de opinião assinado por um membro do CE.
• A edição de números temáticos será preferencialmente coordenada por um membro
• do Conselho Editorial.
4. SECRETARIADO
As pessoas que compõem os serviços técnicos de secretariado são quadros da Editora ou, no
caso do jornalista, um prestador de serviços externo.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
• Conteúdos técnicos;
• Conteúdos científicos;
• Divulgação de projectos de I&D.
Traduzidos em:
• Editorial;
• Reportagem;
• Casos de Estudo;
• Ciência e Investigação (artigos assinados);
• Agricultura Tropical;
• Artigo de Opinião;
• Informação Técnico-Comercial;
• Tecnologias, Processos e Equipamentos;
• Cuidados Veterinários;
• Espaço Consultório;
• Jornal;
• Eventos (feiras, congressos, seminários, colóquios, etc.);
• Bibliografia;
• “Como Fazer”;
• Fichas Informativas;
• Viticultura prática;
• Zootecnia;
• Sanidade Apícola, …
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
SOBRE A EDITORA
Fundada em 1986, a Publindústria começou por ser uma empresa jornalística vocacionada
para a edição de revistas especializadas direccionadas para os mercados industriais.
Presentemente, é a empresa-âncora de uma diversidade de marcas e empresas afiliadas
que têm como missão a produção, distribuição e comercialização de conteúdos especializados.
O nosso conceito estratégico organizacional assenta em lideranças pessoais com forte
conhecimento das necessidades comunicacionais e formativas em nichos de mercados
emergentes.
Simultaneamente, a parceria com as instituições de Ciência e Tecnologia alavancam o
potencial de liderança – pela inovação e antecipação – na nossa oferta editorial e formativa.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
MARCAS DA EDITORA
Revista técnico-cientifica agrícola
www.publindustria.pt
Evento de informação/formação
do sector electrónico
www.jornadastecnologicas.pt
Comercialização
de conteúdos digitais
www.publindustria.pt
Revista da APMI –
AssociaçãoPortuguesa
de Manutenção Industrial
www.apmi.pt
Revista técnico-cientifica
de engenharia civil
www.construcaomagazine.pt
Revista técnico-profissional
de energia, telecomunicações
e segurança
www.oelectricista.pt
www.publindustria.pt
Revista técnico-profissional
de energias renováveis
www.renovaveismagazine.pt
Livraria técnica
de engenharia e gestão
www.engebook.com
Revista técnico-cientifica
de automação, controlo
e instrumentação
www.robotica.ptLivraria
Revista técnica de engenharia
e gestão ambiental
www.industriaeambiente.pt
Revista de engenharia
e gestão da saúde
www.tecnohospital.pt
Edição de revistas e outras
publicações periódicasde
Formação e consultadoria
www.ixus.pt
www.publindustria.pt
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
PROJECTO VISTO POR ...
«Entendo que o projecto editorial que nos foi apresentado pela editora Publindústria faz
sentido, tanto mais que com o dealbar da “crise” o sector primário terá, inevitavelmente, um
lugar de relevo na “economia da sustentabilidade”, incentivando a procura de bens de primeira
necessidade: vitícolas, frutícolas e hortícolas, estimulando a criatividade dos mais aptos
para a “agricultura de prazer”. Entendo também que a revista devia ser publicada em papel
e e-reader e direccionada para qualquer operador agrário (agrícola e florestal), estimulando
todos os tipos de inovação, subsistente e agro-industrial, desenvolvendo temas que promovam
a produção em nichos de mercado com vocação DOC (específica) de forma a incentivar
e promover o agricultor/técnico e empresário. […] A sustentabilidade, as tecnologias de
automatização e a divulgação científica serão aspectos relevantes para a oferta de uma revista
pedagógica... Bem hajam e labutem.»
Prof. Doutor João Neves Martins, Departamento de Recursos Naturais, Ambiente
e Território no Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa (ISA-UTL)
e Curador do Banco de Germoplasma do DBEB-Gene Bank.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
PROJECTO VISTO POR ...
«Penso que haverá lugar para um projecto editorial no formato de revista se esta concentrar
a sua oferta de conteúdos na divulgação de informação técnico-científica no âmbito de
uma Agronomia moderna e inovadora que privilegie as culturas bioenergéticas, a agricultura
sustentável, nomeadamente a biológica e a permacultura, a agricultura de precisão, hidroponia
e aeroponia […] Recursos florestais e faunísticos, pecuária extensiva autóctone e valorização
das espécies cinegéticas, conservação e uso inteligente do solo agrícola, engenharia rural, a
ciência e tecnologia de alimentos… são algumas das áreas que deveria promover…»
Prof. António Pinto, Professor-Adjunto, Vice-Presidente da Escola Superior Agrária do Instituto
Politécnico de Viseu
«Existe uma grande falta de revistas nacionais – com qualidade técnica e científica – acessíveis
ao público técnico e aos agricultores. […] A sua linha editorial deveria basear-se na abordagem
técnica e científica dos temas agrícolas e agro-florestais, com base em sistemas sustentáveis
(protecção integrada, agricultura biológica, gestão sustentável da rega, etc.), novas tecnologias,
relações com o ambiente […] e exemplos de sucesso empresarial e tecnológico, contribuindo
para o estabelecimento de uma rede empresa/investigação/ensino.»
Prof.ª Cristina Amaro da Costa, Engenheira Agrícola, docente do ensino superior politécnico
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
PROJECTO VISTO POR ...
«Há espaço e também a necessidade de uma revista com as características apresentadas
[…] que sirva de ligação entre a produção de conhecimento científico, com possibilidade
de aplicação prática imediata e a aplicação no terreno, nos diversos sectores da nossa
agricultura, nas diversas regiões, com a preocupação central da sustentabilidade, económica
e ambiental, e não só. Deverá contribuir para a motivação empresarial de um público jovem
(necessidade de novos agricultores, na idade e nas ideias), com formação técnico-científica,
capaz de construir um novo paradigma da nossa agricultura; contribuir, também, para uma
mudança de mentalidade e aceitação social e uma imagem positiva da agricultura.»
Prof. José Estevam da Silveira Matos, Professor Catedrático em Bovinicultura Leiteira
e Lacticínios,
Universidade dos Açores
«O espaço existe [para uma revista na área da Agronomia]. Deverá ser o mais abrangente
possível, incluindo quer artigos de revisão/opinião, quer artigos de trabalho experimental
nas diferentes áreas agrícolas. Aliaria inovação e divulgação dirigida fundamentalmente
ao meio académico e aos empresários agrícolas…»
Prof. João Silva Dias, Coordenador das disciplinas de Horticultura Herbácea e de Produção
Vegetal e Animal no Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa
Prof.ª Cristina Amaro da Costa, Engenheira Agrícola, docente do ensino superior politécnico
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
PROJECTO VISTO POR ...
«Em matéria de linha editorial, uma nova publicação nesta área deverá ser estruturada
de modo a englobar aspectos técnicos e científicos da produção animal, associados a uma
forte componente empresarial (demonstração). Simultaneamente, deverá possuir abertura
editorial para publicação de trabalhos de jovens empresários do sector […] a componente
de ligação às políticas agrícolas europeias não deverá ser esquecida.»
Prof. Miguel Machado Rodrigues, Engenheiro Zootécnico, Universidade de Trás-os-Montes
e Alto Douro (UTAD)
«Considero que a agricultura e a pecuária voltarão a ter a importância que já tiveram
para a produção nacional de alimentos, contribuindo para uma menor dependência externa
(interesse económico, interesse ambiental) e para a criação de postos de trabalho.
Como tal, uma revista nesta área terá sucesso.»
Prof. António Moitinho Rodrigues, Engenheiro Zootécnico, Instituto Politécnico
de Castelo Branco
«O país precisa de uma revista desta natureza […] Falta uma visão do sector agrícola
que seja verdadeiramente virada para a agricultura empresarial, que seja auto-sustentável, livre
da euro-burocracia e da subsídio-subsistência, mas que respeita as tradições.
A extensão rural e a divulgação técnica são, na realidade, as maiores carências da agricultura
portuguesa, havendo informação que não chega aos empresários ou não chega a sair dos
laboratórios por falta de meio de comunicação […] Creio que o objectivo da publicação não é
a massificação, mas o meio técnico ou sectorial/empresarial.»
Prof. Bernardo Madeira, ESA-IPVC
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
PARA O ANUNCIANTE
• A revista está direccionada para o público-alvo e segue uma linha editorial que claramente
diferencia a notícia do anúncio e da publicidade redigida, conforme o seu Estatuto
Editorial. Contudo, promover-se-ão as inovações e novidades desenvolvidas pelas
empresas que servem o sector e que interessem ao leitor. A liberdade editorial permite e
incentiva que nos textos técnicos se fale de produtos e marcas, independentemente de
quem anuncia na revista.
• Dará especial destaque à divulgação de novos produtos, equipamentos e serviços que
interessem aos leitores, independentemente de quem anuncia na revista.
• A presença da Revista Agrotec nos países de língua oficial portuguesa amplia o potencial
dos investimentos publicitários. Sendo abordadas várias áreas temáticas, o anunciante terá
interesse em manter a sua visibilidade junto da concorrência.
• Como revista que tem como imagem de marca a Inovação, esta deverá também ser
procurada pelo seu anunciante.
• Pretende-se que seja uma revista de consulta, coleccionável, pelo que a exposição da
publicidade é mais longa, consequentemente ampliando o retorno do investimento.
• O primeiro número será distribuído gratuitamente em escolas, cooperativas e em todos os
nossos registos de empresas agrícolas.
• Terá uma venda em banca seleccionada que assentará nos pontos de venda de livrarias
especializadas constantes da distribuidora Engebook e que compreendem a rede de lojas
FNAC.
• Como revista de missão, a Agrotec apenas se consubstanciará se tiver a preferência das
empresas anunciantes. Para o efeito, será criado um quadro de referências de memória
histórica das empresas que anunciem no primeiro número e que será divulgado em datase
eventos de efeméride.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
CONTEÚDOS EDITORIAIS
PARA O ANUNCIANTE
• A revista está direccionada para o público-alvo e segue uma linha editorial que claramente
diferencia a notícia do anúncio e da publicidade redigida, conforme o seu Estatuto
Editorial. Contudo, promover-se-ão as inovações e novidades desenvolvidas pelas
empresas que servem o sector e que interessem ao leitor. A liberdade editorial permite e
incentiva que nos textos técnicos se fale de produtos e marcas, independentemente de
quem anuncia na revista.
• Dará especial destaque à divulgação de novos produtos, equipamentos e serviços que
interessem aos leitores, independentemente de quem anuncia na revista.
• A presença da Revista Agrotec nos países de língua oficial portuguesa amplia o potencial
dos investimentos publicitários. Sendo abordadas várias áreas temáticas, o anunciante terá
interesse em manter a sua visibilidade junto da concorrência.
• Como revista que tem como imagem de marca a Inovação, esta deverá também ser
procurada pelo seu anunciante.
• Pretende-se que seja uma revista de consulta, coleccionável, pelo que a exposição da
publicidade é mais longa, consequentemente ampliando o retorno do investimento.
• O primeiro número será distribuído gratuitamente em escolas, cooperativas e em todos os
nossos registos de empresas agrícolas.
• Terá uma venda em banca seleccionada que assentará nos pontos de venda de livrarias
especializadas constantes da distribuidora Engebook e que compreendem a rede de lojas
FNAC.
• Como revista de missão, a Agrotec apenas se consubstanciará se tiver a preferência das
empresas anunciantes. Para o efeito, será criado um quadro de referências de memória
histórica das empresas que anunciem no primeiro número e que será divulgado em datas e
eventos de efeméride.
media kit /
dossier de apresentação
revista agrotec
Anunciar na Agrotec
Font Principal
Minion Pro
abcdefghijklmnopqrstuvxyz
ABCDEFGHIKLMNOPQRSTUVXYZ
1234567890
11pt,
16pt leading (espaçamento entre linhas)
20pt tracking (espaçamento entre letras)
Capa dupla
(desdobrável)
410 x 297 mm
€ 4000
Contra Capa
210 x 297 mm
€ 2250
Capa dupla
(desdobrável)
210 x 297 mm
€ 1500
Página Dupla
420 x 297 mm
€ 2400
1/2 Página
Vertical
95 x 297 mm
€ 937
1/2 Página
Horizontal
190 x 130 mm
€ 937
Verso da Capa
210 x 297 mm
€ 2100
1/3 Página
Vertical
70 x 277 mm
€ 625
Localização obrigatória: + 15%
Publi-repor tagem: + 10%
Produção de anúncios: +20%
Verso da
Contra Capa
210 x 297 mm
€ 1815
1/3 Página
Horizontal
190 x 90 mm
€ 625
Capa (rodapé)
197 x 45 mm
€ 1200
1/4 Página
Vertical
90 x 130 mm
€ 468
Encarte
até 15g: € 1000
> 15g: sujeito
a orçamento
1/4 Página
Horizontal
190 x 70 mm
€ 468
Descontos de qualidade:
3 inserções: 10%
4 inserçoes: 15%
5 inserções: 20%
6 inserçoes: 25%

Documentos relacionados