ABSOLUTISMO INGLÊS (PARTE II)

Сomentários

Transcrição

ABSOLUTISMO INGLÊS (PARTE II)
2º BIMESTRE - 2016
Disciplina: História
Série: 2º Ano
Professor: Otto Terra TEXTO 3 – Copiar no caderno. (06/05/16)
ABSOLUTISMO INGLÊS
(PARTE II)
 A partir da assinatura da Magna Carta (1215) e após a sucessão de João “Sem Terra” por Henrique III (1216-1272), houve um significativo
aumento de poder do Parlamento com os Estatutos de Oxford (1258) que tornou o Parlamento Bicameral - fruto da aliança entre nobreza e
burguesia:
 Câmara dos Lordes (representada pela Aristocracia);
 Câmara dos Comuns (representada pela Burguesia);
 Aburguesamento da nobreza – a partir da desapropriação de terras de parte da população (pequenos e médios proprietários) – o que se tornaria,
mais a frente, o Enclosure Acts ou “Lei dos Cercamentos” - com as políticas de Elizabeth I (1558-1602) – fruto do aumento de poder do
Parlamento e dos interesses comuns entre nobreza e burguesia – provocando revoltas populares e o êxodo rural de parte da população (vasta
mão de obra disponível à classe burguesa – garantindo baixos salários nas cidades);
 Aliança entre Nobreza e Burguesia a partir do comércio de lã (produção têxtil) com a região de Flandres – ao norte da França: a qual dependia da
criação em vastos pastos da nobreza inglesa e das manufaturas da burguesia – aumento da produção em detrimento ao empobrecimento da
população. Segundo Thomas Morus, em “A Utopia”, quando questionado por um interlocutor (personagem da obra) sobre sua origem, ele
respondera: “Venho de uma ilha em que as ovelhas devoram homens”;
 A partir da morte do rei francês, Felipe de Valois, e da não aceitação da nobreza francesa sobre sua sucessão pelo rei Henrique III, da
Inglaterra, sob a alegação da não previsão, segundo as leis sálicas, da sucessão do trono francês por parte da linhagem feminina na França, ocorre o
rompimento das relações comerciais na região de Flandres sobre a lã inglesa e provoca a Guerra dos Cem Anos (1337-1453) – com a derrota
inglesa;
 Enfraquecimento da Burguesia e Nobreza (Parlamento) e da figura do Rei com o endividamento da máquina do Estado;
1
Prof. Otto Terra
 Disputas pelo poder político entre a nobreza inglesa: Os Lancaster’s
X Os York’s: A eclosão da Guerra das Duas Rosas (1455-1485);
 A chegada da Dinastia dos Tudor’s a partir de Henrique VII (1485-1509) – política de junção das duas Casas (Lancaster e York):
 Quebra da relação de vassalagem;
 Fortalecimento do exército;
 Controle do Parlamento;
 Coroação de Henrique VIII (1509-1547) – Impõe o anglicanismo (controle religioso) através do Ato de Supremacia (1534) – em que quebra
relações com a Igreja Católica e confisca suas terras;
 Após a morte de Henrique VIII e rápida passagem de Eduardo VI e Maria I (a Sanguinária) – período em que haverá a perseguição à
Anglicanos na Inglaterra, forçando-os a formarem colônias na Nova-Inglaterra (América) - até a coroação de sua meia irmã: Isabel I ou Elizabeth
I, a Rainha Virgem (1558-1603);
 Aproximação com a Burguesia com a “Lei dos 39 Artigos” (1566) – que permitia a aproximação dos Anglicanos das doutrinas Calvinistas,
formando o Puritanismo Inglês, com forte valorização da ideia de acumulo de riquezas;
 Fim das Guerras ligadas à religião na Inglaterra (Estabilidade religiosa) e fortalecimento da economia e da política da Coroa;
 Fortalecimento da Marinha Inglesa a partir da Carta de Corso – na qual, a Coroa Inglesa contratava piratas para atuarem contra os países inimigos
da Coroa Inglesa – o que favorecerá a fundação da colônia de Virgínia, na América (modelo de platations/colônia exploração);
 Oposição da Espanha de Filipe II (Invencível Armada) que lutará contra a Inglaterra e perderá – fomentando o domínio inglês sobre os mares
e a desistência da Espanha sobre o controle da Península Ibérica;
 Morte de Elizabeth I (1603) e indicação de seu primo, Jaime I (1603-1625), rei da Escócia – previsão de união entre os dois reinos;
 Fim da Dinastia da Casa de Tudor e formação da Dinastia da Casa de Stuart – Apoiando-se no modelo de Absolutismo Francês;
2
Prof. Otto Terra
3
Prof. Otto Terra

Documentos relacionados

Formação das Monarquias Nacionais Modernas

Formação das Monarquias Nacionais Modernas * Felipe IV, o Belo (1285-1314): Crise financeira → Estados Gerais (clero, nobres e burguesia). Felipe →→→→→Imposto→→→→ Igreja Católica IV←←←←Excomunhão←←←← (Bonifácio VIII)

Leia mais

Esquema-resumo

Esquema-resumo Regente durante a menoridade do Rei / Atuação contra levantes da nobreza (frondas). ► Ministro Jean-Baptiste Colbert = proposta econômica colbertista.

Leia mais

REVOLUÇÃO INGLESA

REVOLUÇÃO INGLESA prega a defesa da liberdade política e econômica. Os liberais são contrários ao forte controle do estado na economia e na vida das pessoas. O liberalismo defende a ideia de que o Estado deve dar li...

Leia mais

1 REVOLUÇÃO INGLESA MONARQUIA ABSOLUTISTA INGLESA

1 REVOLUÇÃO INGLESA MONARQUIA ABSOLUTISTA INGLESA  permissão para que corsários ingleses atacassem navios inimigos (espanhóis);  incentivo à expansão marítima e comercial. 1603 - a morte de Elizabeth I, que não deixou descendentes, levou ao fim ...

Leia mais

la revolucion gloriosa

la revolucion gloriosa divino, perseguiu os católicos e seitas menores muitos começaram a ir para a América do Norte. • Os atritos entre o Rei e o Parlamento ficaram fortes e intensos, principalmente depois de 1610. Em ...

Leia mais

FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII

FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII reinados do século anterior, de Henrique VIII e Elizabeth I, o território foi unificado, a nobreza foi colocada sob controle, a ingerência da Igreja Católica fora afastada pela criação da Igreja An...

Leia mais