clique aqui para conhecer o programa e para mais informações

Сomentários

Transcrição

clique aqui para conhecer o programa e para mais informações
Métodos e Técnicas de Pesquisa para Teses e Dissertações na interseção entre História
e Relações Internacionais
OFICINA de TRABALHO
13-15 de maio de 2013
Professores:
Alexandre Moreli, doutor em História das Relações Internacionais pela Université Paris I Panthéon-Sorbonne.
Carlo Patti, doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Florença.
Matias Spektor, doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Oxford.
Monique Sochaczewski, doutora em História e Política pela FGV.
Oliver Stuenkel, doutor em Ciência Política pela Universidade Duisburg-Essen.
Para o perfil completo dos professores e suas publicações podem ser encontrados em nosso site:
http://ri.fgv.br/
13 de maio de 2013
9:00 – 10:30: Apresentação dos professores, dos alunos e de seus projetos
10:30 – 10:45 Coffee-break
10:45– 13:00 Sessão 1: Arquitetura do projeto de pesquisa
Matias Spektor
Desenhos de pesquisa indutivos versus dedutivos: quais as implicações conceituais e práticas?
Como tomar a decisão?
Stephen van Evera, Guide to Methods for Students of Political Science (Cornell, 1997), caps. 1, 2
e 3.
Marc Trachtenberg, The Craft of International History: a Guide to Method (Princeton, 2006), caps.
2, 6 e Appendix I.
Alexander L. George and Andrew Bennett, Case Studies and Theory Development in the Social
Sciences (MIT, 2005), cap. 1
13:00 – 14:30 Almoço
14:30 – 16:00 Sessão 2: O uso de conceitos e teorias no tratamento de fontes primárias
Matias Spektor
Qual o papel dos conceitos e da teoria na seleção e interpretação de fontes? De que forma a
empiria permite avaliar conceitos e teorias? O que é um trabalho de História Internacional
conceitualmente informado, e o que é um trabalho de Relações Internacionais embasado
historicamente? Quais as diferenças entre os dois modelos e quais os custos embutidos em cada
um?
Alexander L. George and Andrew Bennett, Case Studies and Theory Development in the Social
Sciences (MIT, 2005), cap. 10.
Marc Trachtenberg, The Craft of International History: a Guide to Method (Princeton, 2006), caps.
3, 5 e Appendix II.
Andrew Bennett and Alexander George, Case Study Methods in History and Political Science:
Similar Strokes for Different Foci. In Colin Elman and Miriam Fendius Elman, ed., Bridges and
Boundaries: Historians, Political Scientists, and the Study of International Relations (Cambridge,
MA.: MIT Press, 2001).
Dixon-Woods, Booth, Sutton, ‘Synthesizing Qualitative Research: a review of published reports’,
Qualitative Research 2007/7.
Dietrich Reuschemeyer and John Stephens, ‘Comparing Historical Sequences – A Powerful Tool for
Causal Analysis’, Comparative Social Research, 16 (1997), 55-72.
David Collier, ‘Data, fieldwork, and extracting new ideas at close range’, APSA-CP Newsletter,
Winter 1999, 1-6.
Ian Lustick, ‘History, Historiography, and Political Science: Multiple Historical Records and the
Problem of Selection Bias’, APSR September 1996, 605-618.
Cameron Thies, ‘A pragmatic guide to qualitative historical analysis in the study of international
relations’, International Studies Perspectives 3 (4) November 2002, 351-72.
John Lewis Gaddis, The Landscape of History. How historians map the past (Oxford, Oxford UP,
2002).
Odd Arne Westad, Reviewing the Cold War. Approaches, Interpretations, Theory (Oxon, Frank
Cass, 2000).
Robert Frank, Penser historiquement les relations internationales, Annuaire français de Relations
Internationales, 2003.
16:00 – 16:15: Coffee-break
16:15 – 17:45: Sessão 3: Hands on. Oficina de leitura, interpretação e debate sobre
documentos
Alexandre Moreli e Carlo Patti
Esta será uma oportunidade para os participantes lerem, interpretarem e debaterem documentos
históricos sobre relações internacionais. Serão distribuídas cópias de arquivos conservados no
CPDOC e discutidos os problemas de interpretação.
Allan M. Winkler, The Cold War. A History in documents (Oxford UP, 2003).
14 de maio de 2013
09:00 – 10:45
Internacionais
Sessão
4:
Metodologias
de
trabalho
na
História
das
Relações
Alexandre Moreli e Carlo Patti
Quais as diferenças entre história global, história diplomática, história internacional? Qual o
espaço para a história econômica e história social em trabalhos de Relações Internacionais? Qual
o papel da história comparada no estudo da política internacional?
Bruce Mazlish & Akira Iriye, The Global History Reader (Routledge, 2005).
Thomas W. Zeiler, The diplomatic history bandwagon: a state of the field, The Journal of American
History, março 2009.
“AHR Conversation: On Transnational History,” The American Historical Review, 111 (December
2006), p. 1440-1464.
Caroline Douki e Philippe Minard, Histoire Globale, histoires connectées : un changement d’échelle
historiographique ?, Revue d’histoire moderne et contemporaine, 2007/5, n° 54-4bis, p. 7-21.
Choé Maurel, La World/Global History. Questions et débats, Vingtième siècle, 2009/4, n°104, p.
153-166.
Pierre Grosser, L’histoire mondial/globale, une jeunesse exubérante mais difficile, Vingtième
siècle, 2011/2, n° 110, p. 3-18.
10:45 – 11:00 Coffee-break
11:00 – 13:00 Sessão 5: História e RI no debate público contemporâneo
Matias Spektor
Como avaliar as implicações contemporâneas de sua tese ou dissertação? De que forma um
trabalho de História e RI pode contribuir para o debate público contemporâneo? Qual espaço há
para recomendações de política externa em trabalhos estruturados em volta à empiria?
Margaret Macmillan, The Uses and Abuses of History (Random House, 2009).
Stephen M. Walt, The Relationship Between Theory and Policy in International Relations, Annual
Review of Political Science, 2005.
Stephen M. Walt, Rigor or Rigor Mortis? Rational Choice and Security Studies, International
Security, 1999.
Bruce W. Jentleson e Ely Ratner, Bridging the Beltway–Ivory Tower Gap, International Studies
Review, 2011.
13:00 – 14:30 Almoço
14:30 - 16:00 – Sessão 6: Para além dos arquivos. O uso de entrevistas, de história oral,
de biografias e de memórias
Alexandre Moreli e Carlo Patti
Quais os usos de entrevistas, de história oral, de biografias e de memórias em pesquisas que
integram História e Relações Internacionais? Quais as técnicas mais utilizadas e os problemas
mais comuns em seus empregos?
James Blight, Revisiting the Brink: The Architect of ‘Critical Oral History’ Sheads New Light on the
Cold War, The Chronicle of Higher Education, 2002.
Len Scott e Steve Smith, Lessons of October: historians, political scientists, policy-makers and the
Cuban missile crisis, International Affairs, 1994.
Mark Kramer et alli, Remembering the Cuban Missile Crisis: Should we Swallow Oral History?,
International Security, 1990.
William Wohlforth, Cold War Endgame: Oral History, Analysis, Debates (Penn State University
Press, 2003).
Verena Alberti, Manual de História Oral (Rio de Janeiro, FGV).
Marieta de Moraes Ferreira e Janaina Amado (orgs.), Usos e Abusos da História Oral (Rio de
Janeiro, FGV, 1998).
Gian Luca Gardini, In Defense of Oral History: Evidence from the Mercosur Case, Journal of
Politics in Latin America, 4, 1, 2002, 107-133.
Daniel L. Byman e Kenneth M. Pollack. Let Us Now Praise Great Men. Bringing the Statesman Back
In, International Security, v. 25, n. 4, 2001.
Pierre Bourdieu, “A Ilusão Biográfica”, in: Marieta de Moraes Ferreira e Janaina Amado (orgs.),
Usos e Abusos da História Oral (Rio de Janeiro: FGV, 1998).
16:00 – 16:15 Coffee-break
16:15 - 17:45 Sessão 7: Entendendo a origem dos documentos, como eles são
elaborados e a perspectiva do tomador de decisões
Com a participação especial de Rubens Ricupero, Embaixador brasileiro em Washington (19911993) e em Roma (1995), Secretário-Geral da UNCTAD e Subsecretário Geral da ONU (19952004), esta sessão contará com debates sobre a produção de documentos bem como sobre o
peso deles nos processos de tomada de decisões em relações internacionais.
15 de maio de 2013
09:00 – 10:45 Sessão 8: Uma jornada nos arquivos brasileiros e estrangeiros
Alexandre Moreli e Carlo Patti
Esta sessão oferece dicas práticas para o trabalho com fontes brasileiras e estrangeiras. Serão
abordados: a preparação da visita de vários arquivos mantidos no Brasil e no exterior, a
apresentação da tipologia documental, o trabalho de seleção de materiais relevantes, entre
outros.
10:45 – 11:00 Coffee-break
11:00 – 13:00 Sessão 9: Arquivos e História Pública
Monique Sochaczewski
Esta sessão oferece uma apresentação geral sobre pesquisa no Arquivo Histórico do Itamaraty e
no Arquivo Nacional, ambos localizados no Rio de Janeiro, bem como se propõe a apresentar o
conceito e projetos internacionais de História Pública.
13:00 – 14:30 Almoço
14:30 - 16:30 Sessão 10: Entre Teoria e História, um balanço dos projetos de pesquisa
dos participantes
Matias Spektor, Oliver Stuenkel, Monique Sochaczewski, Carlo Patti e Alexandre Moreli
16:30 – 16:45 Coffee Break
16:45 – 17:30 Considerações finais e entrega de certificados

Documentos relacionados

o programa completo - Centro de Relações Internacionais / CPDOC

o programa completo - Centro de Relações Internacionais / CPDOC George and Bennett, Case Studies and Theory Development …, cap. 10. Marc Trachtenberg, The Craft of International History…, caps. 3, 5 e Appendix II. Andrew Bennett and Alexander George, Case Study...

Leia mais