O XADREZ DO THE HOUSE OF CARDS - Sindieletro

Сomentários

Transcrição

O XADREZ DO THE HOUSE OF CARDS - Sindieletro
O XADREZ DO THE HOUSE OF CARDS
QUA, 13/04/2016 - 09:24
ATUALIZADO EM 13/04/2016 - 11:07
HTTP://JORNALGGN.COM.BR/NOTICIA/O-XADREZ-DO-THE-HOUSE-OF-CARDS
Luis Nassif
O que seria o dia seguinte ao impeachment? O jogo não está decidido. Nenhum dos dois lados
conseguiu o número mínimo para apregoar vitória. Mas vale como exercício.
Não é necessário muita imaginação para supor.
O novo jogo teria os seguintes personagens:
1. O novo governo, controlando o Executivo e o Congresso..
2. O Supremo Tribunal Federal
3. O Procurador Geral da República/Lava Jato
4. A mídia
5. A frente anti-impeachment
6. A frente pró-impeachment.
Vamos a um pequeno exercício de fórmulas para ver como eles se interagem.
1
Consolidação do poder
No dia seguinte à tomada do poder, a estratégia do novo grupo será a consolidação definitiva do
poder. Assume em uma posição precária, ilegítima, tendo atrás de si a Lava Jato e a desconfiança
geral e à frente às eleições de 2018.
Suas armas são temíveis: controle do Executivo e do Congresso, das leis e da caneta. Usarão
como puderem para enfrentar as seguintes frentes:
•
Lava Jato.
•
Crise econômica.
•
Eleições de 2018, logo ali.
A estratégia de sobrevivência contemplará algumas linhas básicas visando estender o poder
conquistado:
1. Ampliação do arco de alianças.
O Congresso será utilizado para a aprovação de leis de interesse dos grandes grupos. O balcão
de negócios será transformado em um hipermercado.
2
O maior negócio será a alteração na lei do petróleo. Mas há uma enorme agenda a ser manobrada
por Eduardo Cunha, inclusive como forma de consolidar o golpe. Aí se entra em um campo em
que ele é senhor absoluto, o grande especialista em negócios do Congresso. Obviamente todas
essas faturas impactarão o orçamento e a política econômica.
2. Mudanças estruturais que permitam a consolidação do poder.
O grupo não tomará o poder para entregá-lo em 2018. É evidente. A consolidação do poder
passará por mudanças políticas que excluam o voto direto para presidente, talvez com a
introdução do parlamentarismo, podendo chegar ao adiamento das eleições de 2018.
3. Enquadramento do Ministério Público Federal e da Lava Jato.
Ou alguém tem dúvida de qual foi a moeda de troca com o PP?
Tentarão se valer da euforia com o fim do governo para tomar medidas que restrinjam o poder do
MPF. O Executivo tem a chave do cofre. O Congresso, a chave das leis e das nomeações e
destituições de Ministros do Supremo. Em vez de um governo ingênuo e desarmado, o MPF e a
Polícia Federal enfrentarão agora o poder de fato, nas mãos de uma organização que sabe
manobrar as ferramentas do poder, e que estará travando uma guerra de vida ou morte, já que a
derrota implicará até em sua prisão.
4. Administração de uma economia em crise.
O orçamento é um só.
Numa ponta, será pressionado pelas demandas do grupo. Na outra, exigirá aumento de tributos,
uma CPMF. Só que a base de apoio do grupo são lideranças empresariais que agitaram o país nos
últimos anos levantando a bandeira da redução de impostos.
O caminho óbvio será o dos cortes nas áreas sociais, programas sociais, educação, saúde,
ampliando ainda mais a revolta das ruas em um quadro de aprofundamento da crise.
A busca do inimigo interno
Em um primeiro momento, haverá uma falsa euforia do mercado, com valorização de ativos e
queda do dólar. Durará pouco. É uma crise de demanda que não será resolvida pela mera
melhoria do índice Bovespa, ainda mais tendo em conta o custo da fatura para a montagem de
alianças.
Haverá uma ampliação geométrica das manifestações de rua.
Como superar o quadro de crise econômica + falta de legitimidade + manifestações de rua? Nem
é preciso ser um grande visionário para perceber o lance seguinte: o macarthismo.
Além da ilegitimidade original, o novo governo ampliará as reações dos movimentos sociais com
os cortes de políticas sociais. A reação das ruas fornecerá o alibi do inimigo interno e O novo
3
governo se escudará cada vez mais na ultradireita da opinião pública e nas bancadas religiosas. A
ameaça bolivariana e a dissolução moral são os elos que unem tudo, a ultradireita na rua, os
jovens turcos do Ministério Público, o conservadorismo do Judiciário e a classe média, os grupos
religiosos.
Os desdobramentos
É impossível saber os vencedores dessa disputa. Seja qual for o resultado, haverá uma grande
noite caótica pela frente, um atraso histórico nos avanços sociais e econômicos e uma ameaça
direta à democracia e à economia.
Não fosse o custo a ser pago pelo país, especialmente pelos mais vulneráveis, seria uma boa lição
a esses aprendizes de feiticeiro que resolveram abrir a caixa de Pandora e colocar em risco a
democracia apenas para exercitar os músculos.
4