INTERNACIONAL

Сomentários

Transcrição

INTERNACIONAL
Comida
Saudável
internacional
224
São Paulo já se consagrou como um polo gastronômico
onde se pode degustar ume enorme leque de cozinhas
de diversas inspirações multinacionais. Numa rápida
passada de olhos pelos cardápios coloridos e versáteis
dos restaurantes étnicos da cidade, conseguimos
encontrar pratos típicos da cozinha brasileira preparados
de formas alternativas. Aqui, cereais, vegetais, legumes,
frutas, carnes e peixes de formas menos calóricas e mais
saudáveis ganhan um toque autêntico de outras culturas
Por Lucas Nascimento
m erro frequente cometido por quem vive nas
grandes cidades modernas é a desatenção a
saudáveis hábitos alimentares. Muita gente se
esquece das tradições culinárias que nutriram
seus antepassados através dos tempos. Mas
hoje, ao mesmo tempo em que há uma crescente preocupação com a origem dos alimentos, os benefícios ou malefícios que podem
trazer à saúde, há também uma retomada de
antigos conceitos gastronômicos. E, apesar das
reviravoltas científicas a respeito de diversos
alimentos, a máxima “come bem quem come
de tudo” se evidencia a cada dia e demonstra
que dietas equilibradas são as mais sensatas.
Exemplos internacionais no quintal de casa?
Ceviche Tantra:
Uma releitura do
tradicional ceviche
à moda Tantra
aromatizado com
o nosso revigorante
leite de tigre
foto: divulgação
Cozinha do avô
Em 2013, São Paulo ganhou um pedacinho
dos sabores e temperos da Armênia, quando
Cláudia Semerdjian e o marido Maurício
Desgualdo abriram o restaurante Tia Armênia.
Eles já faziam em casa algumas das receitas da
família do avô de Cláudia, que veio para o Brasil
e trouxe a cozinha da Armênia na bagagem.
O entusiasmo dos amigos era tanto que eles
criaram um modo de poder servir a todos permanentemente. Pelo site, telefone ou pessoalmente, é possível comprar as receitas prontas
e congeladas para viagem, ou degustar alguns
dos pratos ali mesmo, no simpático restaurante
– autêntico quintal armênio com trilha sonora
do país e decoração com objetos típicos.
Várias das tias da família doaram receitas e
hoje é possível degustar delícias como o Zeitlí
Sarmá, que é o tradicional charutinho, só
que vegetariano. Feito com folha de couve e
225
Comida
Saudável
Sunomono: deliciosa
opção de entrada
que faz parte
do equilibrado
pratoTeyshoku do
restaurante Hideki
recheio de arroz, tomate, cebola e salsinha, pelo sabor agradaria ao
paladar até dos mais exigentes carnívoros. Duas opções de quibes
sem carne para serem comidos frios: o Quibe Verde, preparado com
ervilha, e o saborosíssimo Quibe de Lentilha. A receita do quibe tradicional é especial, feito em bolas, leva nozes no recheio, super bem
temperado. “Temos a opção de fazer o Quibe Bola em fritadeira sem
óleo. A maioria dos clientes prefere assim, mesmo sabendo que fica
um pouco diferente da receita feita em óleo”, diz Cláudia.
Salad, que leva tiras delicadas de filet mignon com folhas verdes,
cebola roxa, tomate e molho aromático.
A Salada Thai de Melancia leva, além da fruta, amendoim, folhas
verdes e coentro – com alto teor de proteína, é uma das opções de
salada do Tantra que alimentam bem. E a casa tem pratos como o
exótico Carpaccio de Tubarão – tubarão marinado com shoyu, óleo
de gergelim, limão, pimenta e manga na cama de rúcula. Deu vontade
de experimentar?
Menos é mais
México sem carne
Para o chef Eric Thomas, proprietário da rede de restaurantes Tantra
– Mongolian Grill, o lema da atualidade é: “Você é o que você come”.
“Os clientes têm muita informação. As pessoas sabem que, se comerem bem, terão uma vida saudável”, afirma. No restaurante Tantra, o
chef preza a utilização de produtos orgânicos, peixes e, das carnes, somente filet mignon, que contém pouca gordura. “Hoje em dia, menos
é mais, na gastronomia”, diz o chef. Segundo Thomas, há algum tempo
se faziam receitas para festas, por exemplo, muito pesadas, com muitos
molhos etc. No restaurante, assim como no seu serviço de buffet para
festas do Tantra, não há frituras de peixes, apenas cozimento com temperos ácidos, como limão e maracujá. “Eu faço isso na minha própria
casa. Um peixe que marine um pouco no limão com algumas ervas já
está pronto para comer”, afirma o simpático chef do Tantra. “As nossas
saladas são pedidas como pratos principais, são completas e grandes”,
diz o dono da rede de Restaurantes Tantra.Por exemplo: a Thai Beef
226
Na culinária mexicana, por exemplo, pode-se ‘brincar’ com os recheios, que não necessariamente precisam levar carne ou frango. E as
tortillas, que são a base de vários pratos, são superleves – apenas água,
sal, farinha de trigo ou de milho. Desde o início do restaurante Taco –
bar e cozinha mexicana, Guto Valim, chef e sócio, teve a intenção de
oferecer a opção de preparo, da maioria dos pratos, em versões para
vegetarianos. “A culinária mexicana é muito específica, por isso quis
que ela pudesse ser experimentada por todos os tipos de pessoas. Isso
deu supercerto, recebemos muitos elogios dos clientes. Eles dizem
que não são muitos os restaurantes que têm essa preocupação com
os que não comem carne”, conta Valim.
Algumas das opções só com vegetais e queijo são: Taco, Quesadilla,
Chimichanga, Miniburritos, Nachos, vários tipos de salada, entre
outros. Um prato especial é o Sizziling Fiesta Fajita, que, na versão
ovolactovegetariana, leva vegetais, arroz, pasta de feijão e queijo.
Até mesmo no segmento de lanches, Valim dispõe de uma
opção de hambúrguer vegetariano feito de soja. Para além,
o chef fez algumas criações com frutos do mar, como o Fish
Tacos ou o Fish Burrito, que levam filé de dourado do mar
grelhado, no lugar da carne.
O chef Hideki Fuchikami, dono do restaurante que leva seu
primeiro nome, afirma que comer somente sashimis, mesmo
sendo peixes crus, não faz bem. Por refeição, no máximo 12 ou
13 cortes. Em seu restaurante, ele indica o Teyshoku, refeição
completa e equilibrada: Sunomono ao vinagrete de entrada,
Sashimis, Gohan (arroz), legumes cozidos e Missoshiru – caldo
de soja. “O brasileiro está acostumado com fartura, mas isso
nem sempre significa uma refeição equilibrada”, afirma Hideki.
O chef afirma que muitos dos seus clientes são japoneses, ou
tem essa origem, e por isso mantém uma linha gastronômica
tradicional.
Segundo Hideki, o sincretismo culinário ocorrido entre a
cozinha brasileira, a americana e a japonesa resultaram em
costumes que podem não ser tão saudáveis. Mas, se mantida
a atenção e a preocupação com a elaboração das refeições,
a comida japonesa pode ser opção diária saudável. O shoyu,
tido como vilão da tradição oriental, realmente deve ser usado
com parcimônia. “O shoyu tem de ser de qualidade, para ser
melhor aproveitado. E, muitas vezes, os brasileiros acabam
utilizando-se demais dele, quando, na verdade, bastam poucas
gotas”, completa o chef do restaurante japonês.
foto: wellington nemeth
Sincretismo japonês
Uma das opções mexicanas sem carne são os
Nachos – Tortillas de milho crocantes cobertas com
feijão mexicano (sem bacon no tempero), queijo
derretido, guacamole (creme de abacate), salsa
mexicana e sour cream (creme azedo)
Quibe de Lentilha.
Esta é a versão
de quibe cru
vegetariano do
restaurante
Tia Armênia
Serviço
•Tia Armênia
R. Coronel Artur de
Paula Ferreira, 104 B
Vila Nova
Conceição Tel.: (11) 3842-4185
•Tantra –
Mongolian Grill
R. Chilon, 364
Vila Olímpia
Tel.: (11) 3846-7112
fotos: divulgação
•Taco – Bar e
Cozinha Mexicana
Rua Gabriele
D’anuzzio, 1310
Campo Belo
Tel.: (11) 5042-2858
•Hideki
Avenida dos Imarés,
542 Moema
Tel.: (11) 5049-3324
227