Avaliação da Dieta Oferecida ao pudu(Pudu puda)

Сomentários

Transcrição

Avaliação da Dieta Oferecida ao pudu(Pudu puda)
AVALIAÇÃO DA DIETA FORNECIDA AO PUDU (Pudu puda) EM
ZOOLÓGICOS, SUAS IMPLICAÇÕES NAS EXIGÊNCIAS
NUTRICIONAIS MÍNIMAS E USO DE PREBIÓTICO
Gabriel Rodrigues Werneck ¹ , Malena Magariños ², Lucas Andrade Carneiro ³, Edson Gonçalves
4
5
de Oliveira & Marina Isabel Mateus de Almeida
¹ Zootecnista, mestrando em nutrição e produção de não-ruminantes e animais de companhia.
Universidade Federal do Paraná. Email: [email protected]
² Fundación Bioparque Temaikèn, Escobar – Argentina. Email: [email protected]
³ Graduando em Zootecnia. Universidade Federal do Paraná – Departamento de Zootecnia. Email:
[email protected]
4
Docente. Universidade Federal do Paraná – Departamento de Zootecnia. Email: [email protected]
5
Docente. Universidade Federal do Paraná – Departamento de Genética. Email: [email protected]
Os cervídeos pertencem aos grupos de mamíferos, contendo mais de 60
espécies no mundo (WILSON & REEDER, 2005). Para Hofman (1988) os pudus são
classificados como herbívoros ruminantes ramoneadores tipo “browser”, que buscam
e selecionam os alimentos para o consumo. Algumas espécies do gênero Mazama
são basicamente frugívoros, porém o oferecimento de frutas cultivadas como base da
dieta não atende as necessidades nutricionais (DUARTE, 2006). Os concentrados
mais utilizados na América do Sul são rações para potros e bezerros com 16-18% de
proteína bruta (PB). As espécies de plantas que têm sido usadas incluem a alfafa
(Medicago sativa), amoreira (Morus alba) e o rami (Boehmeria nívea). O nível de
proteína da ração pode ser entre 14-16% caso opte pelas leguminosas na dieta, caso
contrário, a ração deverá ter 18-20%PB (DUARTE e GONZALEZ, 2010). Diante
disso, o objetivo deste trabalho foi avaliar o consumo à partir da dieta ofertada para
Pudu (Pudu puda) em zoológicos e buscar estratégias para aumentar o consumo da
ração e o aporte nutricional através da forma de apresentação dos alimentos e
utilização de prebiótico. O ensaio foi realizado na Fundaciòn Bioparque Temaikèn,
Argentina. Foram utilizados 5 pudus, 2 machos e 3 fêmeas, sendo 1 macho e 1
fêmea filhotes. Todos foram pesados no início e no final do estudo. O estudo foi
realizado em dois períodos para avaliar o consumo da dieta com e sem prebiótico,
registrando o peso inicial dos ingredientes oferecidos menos o peso final das sobras
no comedouro. A dieta consistia em ração para ramoneador (pouco aceitável), pellet
de alfafa, cenoura, abóbora, chicória, suplemento vitamínico e mineral. Os teores
nutricionais dos ingredientes foram obtidos na tabela TACO, 4ª edição 2011. Foi
utilizado o software Zootrition®, para comparar os requerimentos para cervídeos e os
aportes nutricionais dos consumos em Proteína Bruta (PB), Fibra Bruta (FB), Extrato
Etéreo (EE), Amido, Cinzas, Ca, P e Energia Metabolizável (EM). Foram feitas as
médias dos dados dos consumos. A análise estatística dos níveis nutricionais da
composição da dieta ofertada e do consumo da dieta com e sem prebiótico foram
feitos através do teste de tukey (p>0,05). Os resultados de todos os teores
nutricionais foram inferiores ao recomendado na literatura, principalmente em FB e
EM. Conclui-se que a dieta fornecida encontra-se desbalanceada e a adição do
prebiótico na dieta reduziu o consumo individual, porém proporcionou maiores
ganhos de peso, principalmente, para animais em manutenção.