Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares Máquinas

Сomentários

Transcrição

Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares Máquinas
Métodos Treino e
Máquinas Cardiovasculares
CEF Cardio - Resumo
3 Vias de ressíntese Energia (revisão)
Conceito Resistência (fadiga)
Níveis de Intensidade Metabólica
Métodos de Treino Cardiovascular
Máquinas de Treino Cardiorespiratório
1
CEF Cardio
Modalidades ≠
Activação Sistemas
Energéticos Específicos
Sistema
Energético
Duração
(Predominante)
Exemplos
Sist. Anaeróbio
Aláctico
6’’-10’’
Lançador Peso
Sist.
S st Anaeróbio
ae ób o
Láctico
60’’
60’’- 90’’
400 m
> 2’
Maratona
Sist. Aeróbio
Ác.láctico
2
Conceito de Resistência
Capacidade para realizar uma prestação
com uma determinada intensidade sem
prejuízo da eficiência mecânica, apesar da
acumulação de fadiga (Alves, 1998)
É a capacidade que o organismo possui para
contrariar a instalação da fadiga
3
Conceito de Resistência
Formas manifestação
Qt à participação
Sistema Muscular
Geral
Local
Quanto ao Objectivo
Base
Específica
Conceito de Resistência
ƒ
FADIGA
Depende
ƒ Deplecção reservas de energia
ƒ Grande acumulação lactato
LAN e EEM
4
CEF Cardio
ƒ
Limiar Anaeróbio (LAN)
Intensidade a partir da qual o lactato se
começa a afastar dos valores de repouso
ƒ
Estado Estacionário Máximo (EEM)
Quantidade máxima de lactato possível de
ter no sangue e em que ainda é possível ter
um equilíbrio entre produção e remoção
CEF Cardio
ƒ
Níveis de Intensidade
VO2 máx
Fadiga Láctica
EEM
Fadiga Aeróbia
LAN
Nível Basal
5
Métodos Treino
MÉTODOS DE TREINO
Contínuos
Uniforme
Int = K
Por Intervalos
Variado
Int ≠ K
Intervalado
Repetições
Pausa
Incompleta
Pausa
Completa
Métodos Treino
MÉTODOS DE TREINO
Contínuos
Uniforme
Extensivo
Variado
Longa Duração (> 30’)
Sem Pausas
Fase Preparatória
Dt d
Dto
da R
Resis.
i A
Aeróbia
óbi
Intensivo
6
Métodos Treino
METÓDO CONTíNUO UNIFORME EXTENSIVO
Duração
Fc
Principais
Adaptações
30’-120’
125-160 bpm
Economia trabalho Cardíaco
> Ritmo Recuperação
Métodos Treino
METÓDO CONTíNUO UNIFORME INTENSIVO
Duração
Fc
Principais
Adaptações
30’- 60’
140-190 bpm
Economia trabalho Cardíaco
Aumento VO2 máx
Aumento do LAN
Melhor remoção lactato
7
Métodos Treino
METÓDO CONTíNUO VARIADO
FARTLEK
Factores Externos
Variação
I t
Intensidade
id d
Factores Internos
Factores Planeados
Métodos Treino
METÓDO CONTíNUO VARIADO
Duração
Fc
Principais
Adaptações
30’-60’
130-175 bpm
= métodos anteriores
Adaptação às mudanças de
utilização dos diversos regimes
metabólicos
8
Métodos Treino
MÉTODOS DE TREINO
Por Intervalos
Intervalado
Curta Duração I
15’’-45’’
Repetições
Média Duração
2’-8’
Curta Duração II
45’’-2’
Curta Duração
20’’- 30’’
Média Duração
45’’-60’’’’
Longa Duração
2’ -3’
Longa Duração
8’-15’
Métodos Treino
METÓDO INTERVALADO
Períodos curtos, regulares e repetidos de
trabalho alternados c/ períodos de repouso
adequados – sem recuperação completa dos
parâmetros cardio-circulatórios e ventilatórios
9
Métodos Treino
METÓDO INTERVALADO - Características
Permite a aplicação de um > volume de carga,
c/ intensidades mais elevadas
Aproximação aos esforços intermitentes
> motivação
(Alves, 1998)
Métodos Treino
METÓDO REPETIçÕES
Períodos de Repouso que permitem a
recuperação completa dos parâmetros cardiocirculatórios e respiratórios
10
Métodos Treino
METÓDO REPETIÇÕES - Características
Equivalente ao treino intervalado de carácter
mais intensivo
(Alves, 1998)
Intervalados Vs Contínuos
Vantagens Métodos Intervalados
Efeitos + Rápidos
>Espectro Solicitação Metabólica
>Volume e Int.Carga
g
Estimulação Específica
11
Intervalados Vs Contínuos
Desvantagens Métodos Intervalados
Adaptações - Estáveis
Cargas + agressivas
Treino Cardio
Cardio--respiratório
12
Treino Cardio-respiratório ideal...
Ar puro
Luz solar
Contacto com a Natureza
Convívio
Funcionalidade
25
Máquinas para Treino
Cardio--respiratório
Cardio
13
Tapete/ Passadeira
Vantagens?
g
Desvantagens?
Para que serve?
Para quem?
27
Tapete/ Passadeira
Vantagens:
Funcional
• Com impacto
• Admite pessoas relativamente descondicionadas
• Permite treino de alto rendimento
• Algumas têm segurança
• Algumas têm ventoinha
•
D
Desvantagens:
t
Muito cara
• Ocupa muito espaço
• Necessita de muita manutenção
• Perigosa para pessoas muito descondicionadas
•
28
14
Tapete/ Passadeira
Ensino:
Iniciar e interromper / terminar o exercício
• Mecanismos eléctricos de segurança
• Barras de segurança mecânica
• Tontura no final do exercício
•
•
Movimento
• Caminhar normalmente, desenrolando desde o
calcanhar até à ponta do pé
• Não se deixar levar para trás
• Não fazer força nas mãos
• Manter o corpo na vertical (não inclinar o tronco
para a frente)
29
Tapete/ Passadeira
Desaconselhável a quem apresente:
Problemas graves de equilíbrio
Extremo compromisso cardio
cardio-respiratório
respiratório
• Osteoporose severa (fracturas)
• Graves compromissos articulares nos membros inferiores
•
•
Aconselhável para:
• Jovens, adultos e idosos com autonomia motora suficiente para
30
manter o equilíbrio e caminhar sobre uma superfície instável
• Jovens, adultos e idosos com saúde osteo-articular suficiente para
não correr extremo risco de fractura em caso de queda
•Jovens, adultos e idosos com saúde cardio-respiratória suficiente para
conseguir caminhar
• Jovens, adultos e idosos que cumpram os anteriores e beneficiem de
exercício com impacto e/ou suporte do peso corporal
15
Tapete/ Passadeira
31
Bicicleta Vertical
Vantagens?
g
Desvantagens?
Para que serve?
Para quem?
32
16
Bicicleta Vertical
Vantagens:
g
Ausência de impacto
• Subtracção do peso corporal
• Funcional (pedalar)
•Pressão Arterial (medição)
•
Desvantagens:
g
Ausência de impacto
Dificuldade de manutenção da
posição neutra da coluna
•
•
33
Bicicleta Vertical
Ensino:
Ajuste da altura do banco
Iniciar e parar o exercício
• Posição da coluna
• Alinhamento dos joelhos
• Posições das mãos e braços
• Posição dos pés
•
•
34
17
Bicicleta Vertical
Desaconselhável a quem apresente:
Dificuldade em manter a coluna alinhada
• Dificuldade em manter os joelhos alinhados
• Queixas articulares durante o exercício
•
Aconselhável para:
Jovens, adultos e idosos que consigam manter o
alinhamento dos jjoelhos ((sem q
queixas articulares))
• Jovens, adultos e idosos que consigam manter o
alinhamento da coluna durante o exercício
• Jovens, adultos e idosos que cumpram as anteriores
e beneficiem da ausência de impacto e/ou subratcção
do peso corporal
•
35
Bicicleta ...
36
18
Bicicleta Reclinada
Vantagens:
g
Encosto
• Elevação dos membros
inferiores
•
Desvantagens:
Encosto (apagamento de
curvaturas da coluna)
• Alinhamento dos joelhos
•
•Ajuste
37
Bicicleta Reclinada
Desaconselhável a quem apresente:
•
Obesidade abdominal
Aconselhável para:
• Jovens, adultos e idosos que consigam manter o
alinhamento dos joelhos durante o exercício (sem
queixas articulares)
• Jovens, adultos e idosos com saúde osteo-articular que
lhes permita exercitar com flexão da coxo-femural e
possivel apagamento da curvatura lombar
• Jovens, adultos e idosos que cumpram os anteriores e
beneficiem da facilitação do retorno venoso
Fc, PA e VO2 = ??
38
19
Eliptica
Vantagens?
g
Desvantagens?
Para que serve?
Para quem?
39
Eliptica
Vantagens:
Ausência de impacto
• Movimentos de t rem inferior e superior
•
Desvantagens:
Ausência de impacto
Entrada e saída da máquina
• Intensidade
•
•
40
20
Eliptica
Ensino:
Entrada e saída da máquina
Iniciar e terminar o exercício
• Progressão para a utilização dos braços
• Posição da coluna
• Posição da bacia
• Posição dos pés
•
•
41
Eliptica
Desaconselhável a quem apresente:
•
•
Graves lesões na coluna lombar
Grave compromisso cardio-respiratório
Aconselhável para:
• Jovens, adultos e idosos que consigam manter o
alinhamento dos joelhos durante o exercício (sem
queixas articulares)
• Jovens,, adultos e idosos com saúde osteo-articular
que lhes permita exercitar com flexão da coxo-femural
e possivel apagamento da curvatura lombar
42
21
Stepper
Vantagens?
g
Desvantagens?
Para que serve?
Para quem?
43
Stepper
Vantagens:
g
•
Intensidade
Desvantagens:
Intensidade
• Movimento sem componente horizontal
• Uso dos braços
ç como ajuda
j
(deslocamento do centro de gravidade)
• Pouco funcional
•
44
22
Stepper
Ensino:
Iniciar e terminar o exercício
Posição da coluna
• Uso dos braços e mãos
• Movimento
•
•
•
•
Como iniciar
Como sair (após parar)
45
Remo
Vantagens?
g
Desvantagens?
Para que serve?
Para quem?
46
23
Remo
Vantagens
•
•
Tronco, membros inferiores e superiores
Funcional (para remar)
Desvantagens
Alinhamento da coluna (apagamento da
curvatura lombar))
• Alinhamento joelhos
•
47
Remo
Ensino:
Banco deslizante (cuidado a sentar)
Fixação dos pés
• Puxador de braços
• Iniciar e terminar o exercício
• Alinhamento da coluna
• Alinhamento dos joelhos
• Movimento
•
•
1
1.
2.
3.
4.
5.
Extensão de pernas e coxo-femural
Extensão de tronco
Puxada ao abdomen superior
Flexão de pernas, coxo-femural e tronco
Extensão dos braços
48
24
Técnica de Remo
1 fase: extensão dos membros
1ª
inferiores
2ª fase: extensão do tronco
3ª fase: remada
4ª fase: recuperação
49
Aula Prática
Análise das componentes críticas para a realização de
exercíco cardio-respiratório
p
em máquinas
q
Observação dos painéis das máquinas
P
Preparação
ã d
do discurso
di
de
d ensino
i
para cada
d máquina
á i
Prescrição e Aplicação de Treino Intervalado
25
Obrigado pela atenção
[email protected]
Estudo Caso
O Sr. Rui, de 67 anos, reformado, tem um colesterol total de 190
mg/dl e uma pressão arterial de 120/ 80 mmHG, com medicação.
Apresenta
p
ligeiras
g
dores na zona lombar e p
pretende iniciar a
prática de actividade física. O seu exame de densitometria
óssea indica-nos que o seu T-Score é de -1,2 SD na área de
Ward e de -2,3 SD na zona lombar.
1.Qual a sua Estratificação de Risco Cardiovascular?
2. Analise a sua DMO na área de Ward e na zona lombar
3 Qual a prescrição de treino a adoptar? (FITTE Factors,
3.
Factors contracontra
indicações)
52
26
Osteoporose
Feminino, 55 anos
Osteoporose
27

Documentos relacionados

mapa de aulas ermesinde

mapa de aulas ermesinde ZUMBA As aulas de Zumba incorporam ritmos exóticos, como salsa, merengue e cumbia, e, antes que percebam, os participantes verão os seus abdómens, braços e coxas tonificados e os seus níveis de ene...

Leia mais