Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Instrumentalização

Сomentários

Transcrição

Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Instrumentalização
Gestão de Custos
Aula 6
Contextualização
Profa. Me. Marinei Abreu Mattos
 Tomar decisões não é algo fácil, por isso a
grande maioria dos gestores procuram
utilizar as mais variadas técnicas de
Instrumentalização
gestão para que suas decisões tenham o
mínimo de risco possível
 Na aula de hoje, iremos abordar conceitos
apresentados no capítulo 11 do livro
Vantagens do custeio variável
Custeio variável
 É um tipo de custeamento que consiste
em considerar como custo do período
apenas os custos variáveis incorridos
 Os custos fixos, pelo fato de existirem
mesmo que não haja produção, não são
considerados como custo de produção, e
sim como despesas, sendo encerrados
diretamente contra o resultado do período
 Impede que aumentos de produção
que não correspondem a aumento
de vendas distorçam o resultado
 É uma ferramenta melhor para
tomada de decisões dos
administradores
 O uso de custeio absorção pode
induzir a decisões errôneas sobre
a produção
1
Desvantagens do custeio variável
 No caso de custos mistos (custos que têm
parcela fixa e outra variável), nem sempre
é possível separar objetivamente a parcela
fixa da parcela variável
 O custeio variável não é aceito pela
auditoria externa das empresas que tem
Análise das relações Custo/Volume/Lucro
 Essa análise é um instrumento utilizado
para projetar o lucro que seria obtido a
diversos níveis possíveis de produção de
vendas, bem como para analisar o impacto
sobre o lucro de modificações no preço de
venda, nos custos ou em ambos
 Baseia-se no custeio variável e, através dela,
capital aberto e nem pela legislação do
também pode estabelecer qual a quantidade
imposto de renda, bem como por uma
mínima que a empresa deverá produzir e
parcela significativa de gestores de custos
vender para que não incorra em prejuízo
Ponto de equilíbrio (Break-even point)
 É a quantidade mínima que a empresa deve produzir
para que não tenha prejuízo
Margem de contribuição unitária
 É a diferença entre o preço de venda e o custo variável
de cada produto; é o valor com que cada unidade
efetivamente contribui para formação do lucro
Fórmula algébrica da margem
de contribuição
 MC = PV – (CV + DV)
 MC = Margem de Contribuição
 PV = Preço de Venda
 CV = Soma dos Custos Variáveis
 DV = Soma das Despesas
Variáveis
Determinação algébrica do ponto de
equilíbrio
 CT = Custo Total

Tem-se que:
RT = PV . Q
CT = CF + (Cvu . Q)
No break-even point, RT = CT, logo:
 RT = Receita Total
 PV = Preço de Vendas
 Q = Quantidade
PV . Q = CF + (Cvu . Q)
PV . Q – Cvu . Q = CF

Colocando Q em evidência:
Q(PV – Cvu) = CF
 CF = Custo Fixo
 CVU = Custo Variável Unitário
 MCU = Margem de Contribuição Unitária
Q . Mcu = CF
Q = CF / Mcu

O ponto de equilíbrio (PE) em unidades resulta da
divisão do custo fixo da margem de contribuição unitária
2
Grau de alavancagem operacional
 O aumento do lucro decorrente de uma determinada
elevação do volume de vendas sempre maior, em
termos percentuais, do que o respectivo aumento de
vendas
 Esse fenômeno é conhecido como alavancagem
operacional, cuja mensuração é feita através de um
coeficiente denominado de grau de alavancagem
operacional (GAO)
GAO
GAO = Variação percentual do lucro total
Variação percentual das vendas
 O nome Alavancagem Operacional decorre da
similaridade do princípio da alavanca
 Uma força aplicada para o aumento de vendas causa
um acréscimo mais que proporcional nos lucros da
empresa
Custos para formação de preço de venda
Custo-meta
“Para que se efetue a análise de formação do preço de
venda de um produto, é necessário que se conheça o
tipo de mercado que deseja atuar”.
“O custo-meta é o custo obtido pela subtração
(SCHIER, 2005, p. 159)
 Alguns fatores influenciam a formação dos preços de
vendas de um produto ou serviço como:
• concorrência
• clientes
de um preço estimado (ou de mercado) da
margem de lucratividade desejada, com
objetivo de atingir um custo de produção
igualmente desejado. Para determinação,
utiliza-se basicamente a análise das
condições mercadológicas por
meio das estimativas”.
• gastos
(SCHIER, 2005, p. 160)
• governo
Mark-up ou taxa de marcação
 É o índice que calcula o preço de venda
 Esse índice pode ser obtido por meio da
multiplicação e divisão
 Para formação do mark-up, consideramos os
seguintes elementos:
• Incidência Administrativa (IA)
• Despesas Comerciais (DC)
Fórmulas
 Multiplicação:
1 / 1 – (IA + DC + ML)
 Divisão:
1 – (IA + DC + ML)
• Margem de Lucro (ML)
3
Cálculo do Mark-up
 Despesa de comercialização: 28,93% ou 0,2893
 Incidência Administrativa: 9,20% ou 0,0920
Custos e orçamentos
 O orçamento de produção
é peça fundamental na
 Margem de Lucro: 10% ou 0,10
disponibilização de informações
Aplicação da fórmula:
para as unidades da
 Multiplicador:
organização que se relacionam
1 / 1 – (0,0920 + 0,2893 + 0,10) = 1,927896
 Divisor: 1 – (0,0920 + 0,2893 + 0,10) = 0,5187
diretamente com o processo
produtivo
Especialidades de orçamentos
 Orçamento de produção
 Orçamento de matérias-primas
 Orçamento de mão de obra
Aplicação
direta
 Orçamento de custos indiretos
de fabricação
 A Cia Maracanã apresenta os seguintes saldos,
em seus livros contábeis e auxiliares de custos:
• custos e despesas fixas durante o ano
 depreciação de equipamentos:
R$ 18.000,00
 mão de obra direta e indireta:
• custos e despesas variáveis por
unidades:
 materiais diretos: R$ 450,00
 embalagens: R$ 105,00
 comissões de vendedores: R$ 105,00
R$ 70.000,00
 impostos e seguros da fábrica:
R$ 7.000,00
 despesas com vendas: R$ 25.000,00
 outros custos e despesas: R$ 15,00
 o preço de venda da unidade é
R$ 1.000,00
4
1) Para alcançar o ponto de
equilíbrio, quantas
unidades devem ser
produzidas?
2)O valor da receita no ponto
de equilíbrio é de:
a)R$ 300.000,00
a) 200
b)R$ 600.000,00
b) 600
c) R$ 200.000,00
c) 300
d)R$ 120.000,00
d) 75
e)R$ 100.000,00
e) 100
3) Caso a empresa queira obter um
lucro de 25% sobre as receitas
totais, quantas unidades deve
produzir e vender durante o
ano?
a) 150
b) 800
c) 375
d) 750
e) 200
Comparação entre Custeio
Variável e o Custeio
por Absorção
A Cia Decisão Ltda. apresentou os dados a seguir

Produção: 1.000 unidades totalmente acabadas

Custos Variáveis: R$ 20.000,00

Custos Fixos: R$ 12.000,00

Despesas Variáveis: R$ 4.000,00

Despesas Fixas: R$ 6.000,00

Não há estoques iniciais e finais de produtos em elaboração

Não há estoques iniciais de produtos acabados

Vendas líquidas: 800 unidades a R$ 60,00 cada – R$ 48.000,00
Custo de Produção do Período (CPP)
 Custos Fixos: R$ 12.000,00
 Custos Variáveis: R$ 20.000,00
 Custo de Produção do Período:
Síntese
R$ 32.000,00
 Realizar o cálculo pelos sistemas
de custeio
5
 Nessa aula falamos sobre
ferramentas de custos
(custeio direto e outros),
que são voltadas para
tomada de decisões
6

Documentos relacionados

Deixa de ser um laranja! (ou seria banana?)

Deixa de ser um laranja! (ou seria banana?) salva-vidas. Pouco comum na natureza. Brasa em madeira. Mel silvestre olhado contra a luz. Pantone 168 CVC, 165 CVU, S36-1 CVS, H85-8 CVC, H70-1 CVU, 8943 CVU, 9201 CVC, 9201 CVU. Focoltone 3507, T...

Leia mais

Formação de preços

Formação de preços Custos Fixos da empresa, através da seguinte fórmula: CF% = ___Valor do Custo Fixo Médio___ x 100 Valor das Vendas Brutas Média

Leia mais

A CADEIA DE VALOR E A GESTÃO DE CUSTOS COMO

A CADEIA DE VALOR E A GESTÃO DE CUSTOS COMO Atualmente as empresas têm buscado sistemas de custeio que ofereçam melhores alternativas para apoiar o processo de definição de custos, com a intenção de aproximá-los da realidade que permeia o am...

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição Introdução

Custeio Variável e Margem de Contribuição Introdução um produto depois da dedução de seus custos e despesas variáveis. Representa uma parcela excedente dos custos e das despesas geradas pelos produtos. A empresa só começa a ter lucro quando a margem ...

Leia mais